Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

“ARES DE VERÃO” TRAZEM DIAS INTENSOS DE CULTURA À CIDADE DE BRAGA

Feira do Livro e Mimarte arrancam já na Sexta-feira,1 de julho

Este Verão, a Cidade de Braga transforma-se numa sala de espetáculos ao ar livre e as ruas em palcos de Cultura. Concertos, livros, teatro, música, novo circo, folclore, cinema, dança são apenas algumas das iniciativas que integram os “Ares de Verão”, uma programação cultural para desfrutar nos meses de julho e agosto nas praças, jardins e espaços públicos de Braga. A programação arranca já esta Sexta-feira, dia 1, com a Feira do Livro de Braga e do Mimarte – Festival de Teatro de Braga.

CMB28062022SERGIOFREITAS002151389755.jpg

Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, refere que o “Ares de Verão” é uma “programação cultural muito diversificada, para todos os públicos e de acesso completamente gratuito”.

“Este programa junta algumas iniciativas já tradicionais do calendário cultural da Cidade, mas traz também novidades sob a capa “Ares de Verão”, ares que convidam a vir à rua e a encontrar-se em duas grandes praças da Cidade, nomeadamente na Praça Municipal e na Avenida Central”, explicou Ricardo Rio, na apresentação da programação que decorreu esta Terça-feira, 28 de junho, no Parque da Ponte.

Para o Autarca, a “capitalidade cultural não se faz apenas com o título e com grandes eventos de massas”, faz-se também com este esforço de “dar espaço à criatividade das diversas formas de expressão artística dos protagonistas locais e de os pôr em contacto com o público”.

O primeiro evento deste calendário é a Feira do Livro de Braga que regressa às ruas da Cidade e que evocará Maria Ondina Braga e José Saramago. Organizada pelo Município e pela InvestBraga, esta 31.ª edição inclui conversas com escritores como João Luís Barreto Guimarães (vencedor do Grande Prémio de Literatura dst 2022), José Eduardo Agualusa, Mário Cláudio ou Margarida Rebelo Pinto. De destacar a vinda a Braga de David Satter, jornalista e historiador norte-americano, eminente analista da realidade russa desde o período soviético, que apresentará o seu livro “Quanto menos Soubermos, Melhor Dormimos”, recentemente editado em Portugal.

O programa prevê a apresentação de 42 livros e revistas e contará com a presença de 22 livreiros e alfarrabistas. Destaque ainda para o Grande Prémio de Literatura dst que será entregue no dia 2 de julho, pelas 21h30, no Theatro Circo, uma iniciativa da dst, mecenas da Feira do Livro de Braga. Toda a programação da Feira do Livro de Braga está disponível em https://feiradolivro.cm-braga.pt/

Outro dos regressos ao calendário cultural da Cidade é o Mimarte – Festival de Teatro de Braga, que terá como palco a Praça Municipal. Este ano, o evento conta com nove propostas teatrais nacionais e internacionais, que vão da comédia ao drama, passando pelo cruzamento com outras disciplinas artísticas como a dança e o novo circo, numa relação de grande proximidade com o espectador.

Do Mimarte, destaque para a estreia do espetáculo “NorthernLights”, a 4 de julho, com artistas ucranianos, que se encontram em residência artística em Braga. Trata-se de uma parceria com a Companhia de Teatro de Braga e com a dst. O espetáculo contará com legendagem em Língua Portuguesa. O programa completo do Mimarte pode ser consultado através do link: https://bit.ly/3a03FMq

Blues, folclore e limonada

Outro dos eventos do “Ares de Verão” é o Braga Blues, que terá lugar nos dias 16 e 17 de julho, às 21h30, na Praça Municipal. Nos dias 29, 30 e 31 de julho, Braga volta a ser ponto de encontro multicultural com a realização do Festival Internacional de Folclore. A praça Municipal irá receber grupos da Índia, Senegal, Roménia, México, Ucrânia e Polónia. Braga far-se-á representar com a imponência do folclore do Baixo Minho.

Já no mês de agosto, o grande destaque vai para o festival Limonada. Trata-se de um ciclo de sete concertos que acontecerá de 15 a 21 de agosto, na Avenida Central, exclusivamente por bandas da cidade. Esta iniciativa visa a promoção dos grupos musicais da Cidade, proporcionando-lhes a oportunidade de se apresentarem aos seus conterrâneos num ambiente descontraído, jovem, divertido e urbano. Este ciclo de concertos terá uma vertente solidária, com a venda de Limonada pelo Instituto D. João Novais e Sousa. Todos os fundos angariados reverterão para o projeto musical que é desenvolvido por esta instituição Bracarense.

O “Ares de Verão” inclui, ainda, o Noroeste - Festival de Música Contemporânea de Raiz que nasceu no âmbito da programação do Braga 2021 - Capital da Cultura do Eixo Atlântico, numa parceria com a Arca de Sons – Associação Cultural.

Depois de uma primeira edição, que decorreu no Altice Forum Braga devido à pandemia, o evento regressa à ideia original de festival de rua, tendo como palco principal a Avenida Central.

Toda a informação sobre os eventos está disponível em www.cm-braga.pt

CMB28062022SERGIOFREITAS002151389768.jpg

CMB28062022SERGIOFREITAS002151389767.jpg

CMB28062022SERGIOFREITAS002151389752.jpg

PCP REAPRESENTA NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA PROPOSTA DE LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DIRECTA ENTRE BRAGA E GUIMARÃES

O distrito de Braga é servido pela Linha do Minho, e pelos ramais de Braga e de Guimarães, sendo que os concelhos de Braga e Guimarães estão integrados nos comboios urbanos do Porto. Embora pertencentes aos comboios urbanos do Porto, não existe uma ligação direta entre as duas cidades, distantes cerca de 25 km (rodovia), assim como não existe entre estas cidades e o concelho de Barcelos.

linha_ferroviária.jpeg

Não havendo uma linha ferroviária que una os dois concelhos diretamente, para utilizar o comboio é necessário trocar de linha em Lousado, concelho de Vila Nova de Famalicão,  e ali apanhar o comboio que liga o Porto a Guimarães. Em média, a viagem ferroviária entre Braga e Guimarães demora uma hora e trinta e dois minutos.

A falta de ligação direta entre Braga e Guimarães dificulta o uso deste transporte, na medida em que é difícil conciliar horários profissionais ou escolares com os horários dos comboios.

Importa recordar que existe uma forte deslocação entre as duas cidades, quer para quem trabalha, quer para quem estude. Registe-se que a Universidade do Minho tem um Campus em Guimarães. Além da Universidade do Minho, existem outros serviços e atividades económicas que envolvem muitos trabalhadores e implicam ligações constantes entre os dois concelhos.

A situação com que se deparam os utentes dos comboios e os milhares de utilizadores de transportes públicos no distrito de Braga que poderiam utilizar este sistema de transporte – caso a oferta fosse adequada às suas necessidades - é o resultado de uma política de desinvestimento e abandono do Sector Ferroviário que conduziu a um grave retrocesso no direito à mobilidade.

A inexistência de uma cintura ferroviária entre as quatro maiores cidades do distrito (Braga, Guimarães, Barcelos e Vila Nova de Famalicão), juntamente com a destruição de linhas férreas –como a ligação entre Guimarães e Fafe ou Vila Nova de Famalicão e Póvoa de Varzim – e o adiamento de importantes investimentos são alguns dos fatores que limitam a importância estratégica e estruturante para a economia do caminho-de-ferro e o desenvolvimento harmonioso da região e do País. A modernização da linha do Minho, defendida pelo PCP há décadas é exemplo flagrante da falta e atraso do investimento, só recentemente foi iniciada e já se depara com atrasos em relação à calendarização estipulada.

Entende o PCP, há muito anos, que a existência de uma ligação direta entre Braga e Guimarães permitiria uma articulação muito maior e necessária entre estes concelhos e reveste-se de indubitável importância.

Entretanto, recentemente os presidentes de Câmara dos municípios que compõem o Quadrilátero Urbano – Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães – defenderam publicamente a construção de um metro de superfície que una estes concelhos. Segundo notícias publicadas, os presidentes destes quatro municípios decidiram solicitar estudos técnicos junto da CCDRN e do Eixo-Atlântico e apresentar esta ideia de investimento junto do Governo central, nomeadamente ao Ministro das Infraestruturas e ao Ministro da Coesão Territorial.

Sustentam, e bem, “que os diversos governos do país, independentemente da sua composição partidária, não têm feito o investimento necessário, longe disso, nesta que é a terceira maior comunidade do país, onde residem mais de 700 mil pessoas. Assim, entendem que está na hora de o Estado Central corrigir esta discriminação negativa e tratar a região minhota como o tem feito nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto”, mas adiantam uma proposta - mais uma - que vem novamente dispersar a discussão com novos projectos e iludir a necessidade de investimentos há muito reconhecidos como necessários, em torno dos quais já existem estudos técnicos e decisões políticas, incluindo previsão em PDM.

Com esta proposta de opção pelo investimento num metro de superfície em alternativa ao comboio, os presidentes de câmara em causa apenas vieram contribuir para criar mais ruído e confusão. É, também, mais uma proposta de Parceria Público Privada ao invés da promoção do reforço das empresas públicas, no caso a CP.
Aliás, a proposta da designada ligação por metro tão-pouco tem qualquer enquadramento ou aferição prévia nos órgãos autárquicos!

Ao longo dos últimos anos, em diversos momentos, por proposta da CDU e de outras forças, vários dos órgãos municipais destes concelhos deliberaram reclamar o investimento nos meios ferroviários, ora em oposição ao encerramento de linhas, ora reclamando a conclusão da ligação ferroviária entre os concelhos do Quadrilátero Urbano. Nas recentes campanhas eleitorais para as eleições autárquicas e legislativas esta proposta da CDU foi acompanhada também por outras forças políticas.

Num contexto em que o Governo tem ao seu dispor meios excepcionais para realizar investimento nos transportes públicos e em que afirma o desenvolvimento do transporte ferroviário como desígnio, a DORB do PCP reclama, como prioridade, a concretização da ligação ferroviária  directa entre os concelhos de Braga e de Guimarães e, depois o fecho da malha ferroviária com uma linha de concordância para Barcelos.

O PCP trouxe esta proposta à Assembleia da República em legislaturas anteriores sobre a forma de projecto de resolução que, no entanto, não chegou a ver votado. A realidade confirma a sua justeza e pertinência, pelo que o Grupo Parlamentar do PCP reapresentou na Assembleia da República o projeto de resolução “Pela melhoria do transporte ferroviário no Distrito de Braga e a concretização da ligação direta Braga/Guimarães”.

Na conferência de imprensa participaram os membros da DORB do PCP Torcato RibeiroTânia Silva e Jorge Matos.

Capturarpcpcomb1.JPG

Capturarpcpcomb2.JPG

BRAGA GARANTE RESPOSTA NAS PAUSAS LECTIVAS A CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA E NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

O Município de Braga vai criar um programa de ocupação de tempos livres já a partir destas férias lectivas de Verão, para dar resposta a famílias com crianças com deficiência e necessidades específicas. A medida foi apresentada hoje por Ricardo Rio, durante a reunião do Executivo Municipal, lembrando que a Câmara de Braga já tinha criado um grupo de trabalho em articulação com o Instituto da Segurança Social para dar uma resposta célere a esta problemática que afecta muitas famílias Bracarenses.

Pausas Lectivas.JPG

“Esta é uma questão estrutural que não se cinge apenas aos períodos das férias escolares. Infelizmente todos temos consciência que as respostas que a sociedade dá a estes cidadãos é manifestamente insuficiente. Em primeira instância estas respostas deveriam ser dadas pelo Estado Central e sabemos que, neste particular, vai valendo o trabalho desenvolvido pelo tecido social e associativo e também pelos municípios através das respostas que vão sendo criadas”, referiu Ricardo Rio, salientando que o Município de Braga tem vindo a articular com diversos parceiros sociais para, em conjunto, se encontrar uma resposta que acolha as crianças e jovens com necessidades específicas nos tempos não lectivos.

No entanto, o Autarca defende uma resposta mais abrangente mesmo que o financiamento por parte do Ministério da Educação não contemple estes apoios, e lembrou o trabalho do Município nesta área. “Já no passado alocamos mais recursos do que aqueles que constavam do nosso rácio de financiamento do Ministério da Educação, precisamente para apoiar este tipo de respostas. Sabemos que mesmo assim essa resposta é insuficiente e vamos desencadear medidas para dar respostas quer para os períodos de interrupção lectiva, quer para o período de aulas, com a preocupação de criar uma solução duradoura e contínua”, garantiu Ricardo Rio.

Para dar resposta já neste Verão, e com o objectivo de se apurar o número de vagas e as condições logísticas e humanas existentes para assim dar uma resposta efectiva, a Autarquia reuniu com os pais e com as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS’s) do Concelho que garantem uma resposta de Centro de Actividades de Tempos Livres e com perfil para acolher utentes com necessidades específicas.

Dessa forma foi feito um levantamento das necessidades das crianças e da oferta que as instituições possibilitam. A questão da falta de recursos humanos com formação específica nesta área será colmatada com recurso a uma bolsa de recursos humanos do IEFP.

BRAGA: CARTA DE VENDA DE FORO QUE PERTENCIA À CÂMARA MUNICIPAL COM ASSINATURA DE ANTÓNIO DE OLIVEIRA SALAZAR

Carta de venda do foro, datada de 12 de Dezembro de 1932, que arrematou Adolfo Ribeiro Lima. Foro de mil centavos imposto em um terreno para casa e horta no lugar da Pedra Cavalar e que pertencia à Câmara Municipal de Braga. Enfiteuta: Isilda da Conceição Ferreira Rego. A carta de venda está assinada por António Óscar Fragoso Carmona e António de Oliveira Salazar.

Fonte: Arquivo Municipal de Ponte de Lima

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_M2_026_m001_dissemination.jpg

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_M2_026_m002_dissemination.jpg

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_M2_026_m004_dissemination.jpg

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_M2_026_m005_dissemination.jpg

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_M2_026_m007_dissemination.jpg

DIREITOS DE EXPORTAÇÃO DOS CHAPÉUS BRAGUESESNSES FORAM DEBATIDOS EM 1821 NAS CORTES GERAES E EXTRAORDINÁRIAS DA NAÇÃO PORTUGUEZA

Capturarcabeçalhodia.JPG

Em 18 de Junho de 1821, o ilustre vimaranense João Baptista Felgueiras, na qualidade de 1º Secretário das Cortes Geraes e Extraordinárias da Nação Portugueza, endereçou ao Presidente do Conselho de Regência, Conde de Sampaio, a deliberação tomada pelo parlamento acerca dos direitos relativos à exportação dos chapéus bragueses.

Capturarchapeus.JPG