Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICENSES VÃO VER MORCEGOS

“Noite dos Morcegos” no Devesa em Família

Este sábado, 13 de julho, há Devesa em Família, no Parque da Devesa, com uma sessão sobre a importância ecológica e a diversidade de morcegos em Portugal.

A iniciativa é de participação livre, será dirigida pelo biólogo Vasco Flores Cruz e contará com um passeio guiado noturno pelo parque para escutar e identificar as diferentes espécies existentes.

A oficina decorrerá entre as 21h30 e as 23h00, com início nos Serviços Educativos do Parque.

ARCOS DE VALDEVEZ REQUALIFICA ECOSSISTEMAS RIBEIRINHOS

100 mil euros para “Reabilitação e Requalificação dos Ecossistemas Ribeirinhos”

Na sequência dos incêndios ocorridos até ao final de Outubro de 2017, o Município de Arcos de Valdevez, em articulação com a APA – Agência Portuguesa do Ambiente, encontra-se a executar a empreitada de “Reabilitação e Requalificação dos Ecossistemas Ribeirinhos”, a qual pretende promover a proteção dos recursos hídricos das aéreas afetadas.

ação de sensibilizaçao_reabilitação ecossistemas ribeirinhos2

Foi no âmbito deste projeto que foi realizada na freguesia de Cabreiro uma ação de sensibilização e esclarecimento à população onde se encontram a ser realizadas as intervenções, nomeadamente Cabreiro, Sistelo e Loureda, na qual marcaram presença a Câmara Municipal, a APA, a Junta de Freguesia local, a Assembleia de Compartes, a Associação Florestal Atlântica, representante empresa, responsável pela elaboração do projeto e a empresa que se encontra a executar o projeto no terreno.

Nesta ação, a população ficou esclarecida acerca das medidas que serão implementadas no terreno e mais informada sobre como deve proceder naquilo que toca ao corte de árvores junto das linhas de água e formas de consolidar melhor os terrenos, que graças aos incêndios ficaram mais desprotegidos e à mercê da erosão.

Nas linhas de água, com esta empreitada será feito o corte e remoção de material vegetal arbóreo e arbustivo ardido; a remoção de sedimentos e outro material nos leitos e a recuperação da secção de vazão das passagens hidráulicas e pontões.

Ao nível das medidas para minimizar a erosão e o arrastamento dos solos será feita a consolidação e recuperação de taludes e margens; a reposição/reabilitação da galeria ripícola (plantação e/ou sementeira de espécies autóctones); a reabilitação de açudes existentes, com objetivos de correção torrencial e a construção de pequenas obras de correção torrencial.

Naquilo que se refere às medidas para minimizar o efeito das cheias e inundações, será levada a efeito a construção e/ou recuperação de bacias de retenção – escavação e a construção e/ou recuperação de bacias de retenção – dique.

Por último, relativamente às medidas a implementar para assegurar o uso balnear, será promovida a limpeza da zona de banhos e da aérea envolvente e a reabilitação das condições biofísicas de suporte.

ESPOSENDE CRIA TRILHO INTERPRETATIVO NA PRAIA DE S. BARTOLOMEU DO MAR

Criado trilho interpretativo na zona entremarés de S. Bartolomeu do Mar

Está sinalizado o primeiro trilho interpretativo da zona intertidal (ou zona entremarés), implementado na praia de S. Bartolomeu do Mar, no âmbito do projeto Observatório Marinho de Esposende (OMARE) que visa criar um sistema de informação e monitorização da biodiversidade marinha do Parque Natural do Litoral Norte.

2018-07-27 (10)

Estes trilhos têm como objetivo promover a literacia sobre as comunidades intertidais presentes no litoral de Esposende, mas permitirão também a todos, ao realizar um passeio de descoberta e lazer, a recolha de dados de vida marinha e a partilha de informação recolhida que poderá ser disponibilizada em OMARE.pt.

Os seres vivos que habitam nestas áreas possuem características que lhes permitem uma rápida adaptação às diferentes condições, uma vez que a zona intertidal fica exposta ao ar, durante a maré baixa, e permanece submersa durante o resto do tempo.

2018-07-27 (11)

Assim, esta a zona compreendida entre a preia-mar e a baixa-mar, devido às suas características específicas de submersão e exposição ao ar, permite avaliar e monitorizar alterações ao ambiente sejam elas sazonais ou antropogénicas.

Entre as características das espécies que habitam estas zonas, destaca-se a capacidade de suportar variações de salinidade e de hidratação, uma vez que se encontram submersas durante grande parte do tempo em água salgada, assim como suportam períodos de seca e exposição solar durante a maré baixa.

O objetivo dos trilhos vai além da promoção científica e da sensibilização para as questões de biodiversidade. Os dados recolhidos serão importantes para a monitorização em curso e permitirão, por exemplo, a participação ativa a nível escolar, na fase de deteção de variações qualitativas/quantitativas provocadas por desastres ecológicas ou, a médio/longo prazo, por alterações climáticas, envolvendo a comunidade.

2018-07-27 (15)

ESPOSENDE DEFINE MEDIDAS DE DEFESA DA ORLA MARÍTIMA DO LITORAL NORTE

Esposende define medidas de defesa da área marinha do Litoral Norte

Realizou-se hoje, em Esposende, o terceiro encontro promovido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e que visa a elaboração de planos de gestão de habitats naturais, da fauna e da flora selvagens, que incidem sobre sítios de importância comunitária, no caso concreto do Litoral Norte.

.

Em relação à área de Esposende, este terceiro encontro reuniu representantes do Município de Esposende e da administração central, assim como representantes da Capitania, de ONG, universidades e associações locais.

“Estes encontros permitem reunir contributos muito valiosos para a definição das medidas de conservação desta área marinha do Litoral Norte. Numa base de diálogo e de troca de ideias, foi possível apontar objetivos precisos de defesa do nosso território”, adiantou a vice-presidente da Câmara Municipal de Esposende, Alexandra Roeger.

Os participantes neste encontro de Esposende fizeram incidir a sua análise sobre a ausência de boas práticas de gestão, nas diversas atividades e usos do espaço e dos recursos marinhos, assim como os conflitos entre interesses económicos e setoriais.

No caso concreto do Litoral Norte e tendo identificadas como atividades mais relevantes as pescas, a atividade balnear e a atividade marítimo-turística, pretende-se elencar medidas que contribuam para a manutenção do ciclo de vida de espécies e para a manutenção do património genético e da biodiversidade.

Será agora elaborado um plano de gestão que preveja a conjugação das questões relacionadas com a compatibilização entre os diferentes interesses setoriais e com a disponibilidade de recursos financeiros.

O plano de gestão das áreas marinhas incide sobre o Litoral Norte, Peniche/Santa Cruz, Sintra/Cascais, Arrábida/Espichel e Costa Sudoeste.

.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO APRESENTA O "TRITÃO-PALMADO"

‘O Tritão-Palmado’: A história de um anfíbio cada vez mais raro em Portugal

Cumprindo a sua missão de promoção e divulgação do património natural da bacia hidrográfica do rio Minho, o Aquamuseu do rio Minho apresenta, entre 4 de abril e 31 de maio, uma pequena exposição bimestral em painéis intitulada ‘O Tritão-Palmado’.

Tritão-palmado

Por ser pouco conhecido, o objetivo é dar a conhecer algumas das características gerais, reprodução, habitat e ameaças, deste anfíbio que pode ser encontrado junto das nossas linhas de água e que nos ajuda a combater pragas.

O Tritão-Palmado é uma das espécies de maior distribuição no mundo, mas em Portugal existe em número reduzido. Apesar de não estar ainda muito ameaçado, as rápidas alterações climáticas, a destruição de habitats e a poluição das águas onde habita estão a fazer diminuir rapidamente o número existente.

De realçar que o Tritão-Palmado desempenha um papel importante na natureza, sendo que na Galiza, por exemplo, chamam-lhe ‘limpa fuentes’, porque se sabe que onde esta espécie habita a água é sempre limpa.

JOVEM DE CELORICO DE BASTO É CAMPEÃO EM BIOLOGIA

Aluno do Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto vence as Olimpíadas Portuguesas de Biologia

António Francisco da Costa Teixeira, aluno da EB 2,3/S de Celorico de Basto, venceu, categoricamente, a Olimpíadas Portuguesas de Biologia. O aluno recebeu a distinção, no dia 27 de maio, no pavilhão do conhecimento, em Lisboa.

_DSC0034

“Foi uma surpresa para todos, sabíamos que o Francisco estava entre os 10 melhores mas ter ficado em 1º lugar é para nós um orgulho ainda maior” disse o vereador da Educação da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Fernando Peixoto, que esteve na entrega de prémios. “É muito importante ver estes resultados, fruto do empenho de toda a comunidade escolar, é um aluno brilhante que tem condições de ensino e de aprendizagem, agora vamos torcer para que tudo corre pelo melhor nas Olimpíadas Internacionais que terão lugar no Reino Unido”, destacou.

António Francisco disse que vencer este prémio foi uma “sensação indescritível, apesar de ter dado o máximo nas provas, o resultado foi um choque, concorri com tantos colegas meus dedicados e talentosos”. O aluno explicou-nos como se preparou para as provas, “nas provas teóricas, onde fui selecionado para a final, os conhecimentos testados eram, em grande parte, relativos ao programa do secundário das disciplinas de Biologia e Geologia (10 e 11 anos) e Biologia (12 ano) que tínhamos de possuir tanto para o exame nacional que realizei no ano passado, como para o dia-a-dia na sala de aula. Para a final foi fundamental o treino que realizei em tempos livres, no laboratório da escola, com a ajuda da professora Isabel, onde desenvolvi um maior à vontade no laboratório”.

Nestas olimpíadas, António Francisco concorreu com mais de 20 mil alunos, de cerca de 600 escolas, tendo arrecadado o 1º lugar nacional. Neste concurso os 4 primeiros classificados irão agora participar nas Olimpíadas Internacionais de Biologia, no Reino Unido, onde estará o António Francisco a representar Portugal e Celorico de Basto. Os classificados do 5º até ao 8º lugar irão marcar presença nas Olimpíadas Ibero-Americanas.

António Francisco tem noção do desafio que terá pela frente,tenho noção que será um desafio dificílimo. Eu irei enfrentar aquilo que de melhor tem o mundo em termos de alunos de biologia. Todavia, tenho a certeza que os meus colegas e eu iremos representar Portugal com a maior dedicação e empenho” realçando que mais importante que o resultado “são os conhecimentos adquiridos e sobretudo, as amizades que fiz e farei e que ficarão para sempre”.

_DSC0044

_DSC0069

ALUNOS DE CELORICO DE BASTO SÃO CAMPEÕES EM BIOLOGIA

Aluno de Celorico de Basto entre os 10 primeiros classificados nas Olimpíadas Portuguesas de Biologia

António Francisco da Costa Teixeira, aluno da EB 2,3/S de Celorico de Basto está entre os 10 primeiros classificados nas Olimpíadas Portuguesas de Biologia 2017 tendo concorrido com cerca de 20000 alunos de mais de 600 escolas. O aluno vai receber o prémio amanhã, 27 de maio, sábado, a Lisboa, e foi recebido hoje, nos paços do Concelho de Celorico de Basto, pelo Presidente da Câmara Municipal que quis felicitar, pessoalmente, o aluno pelo excelente resultado obtido neste concurso.

_DSC9658

“Este prémio, que será atribuído ao António Francisco amanhã, é sinal da dedicação, do empenho, do gosto, da entrega a uma matéria tão específica como a biologia. E é para nós um orgulho verificarmos que os nossos jovens estão a ser bem acompanhados com as melhores condições de ensino e aprendizagem, num envolvimento conjunto de toda a comunidade escolar” disse o Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva. “Sabemos que estás entre os 10 primeiros classificados e isso é por si só um feito extraordinário” disse.

Nestas olimpíadas António Francisco concorreu com mais de 20 mil alunos, de cerca de 600 escolas, tendo sido classificados aos 10 melhores de cada um dos anos em concurso do 9º, 10º, 11º e 12º. O António Francisco frequenta o 12º ano de ensino.

Importa ainda referir que a entrega dos prémios será no Pavilhão do Conhecimento em Lisboa e será feita pelo presidente da Câmara Municipal ou por um representante do município de onde é oriundo o aluno galardoado.

PÓVOA DE LANHOSO ADERE À SEMANA DA PRIMAVERA BIOLÓGICA

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso aderiu à Semana da Primavera Biológica, que se realizou de 20 a 26 de março. Esta participação traduziu-se na comemoração do Dia da Árvore e do Dia Mundial da Água.

Semana da Primavera Biologica 1.JPG

A Semana da Primavera Biológica visa desenvolver atividades que constituem exemplos extraordinários de um elevado espírito de cidadania ativa, refletindo o dinamismo de uma sociedade atenta e empenhada em promover hábitos saudáveis.

Assim durante estas comemorações, foram desenvolvidas atividades de hortas verticais com as crianças, foram semeadas variedades biológicas e foram plantadas alfaces. Participaram nesta atividade 30 crianças entre os 4 e 5 anos.

No Dia da Árvore, 21 de março, foi desenvolvida uma atividade de exploração das variedades arbóreas autóctones, dando ênfase ao Carvalho Alvarinho, o exemplar mais velho da Península Ibérica. Participaram nesta atividade 22 jovens da Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso.

As comemorações do Dia Mundial da Água desenvolveram-se em várias datas. Foi desenvolvida uma atividade na EBI do Ave – Taíde, com experiências para melhor conhecermos as propriedades da água e em que participaram cerca de 50 alunos. No Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos foram preparadas também atividades, que começaram com o visionamento do filme de animação “A água é um mundo fantástico”, cuja mensagem é perceber o ciclo da água e adotar medidas de redução do consumo de água no nosso quotidiano. Foram ainda desenvolvidas experiências laboratoriais em que participaram cerca de 55 crianças do Centro Escolar D. Elvira Câmara Lopes.

Semana da primavera biologica 3.jpg

VIANA DO CASTELO REALIZA WORKSHOP AGRICULTURA BIOLÓGICA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

Museu das Artes Decorativas

A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar em Viana do Castelo, no Museu das Artes Decorativas, no próximo dia 5 de Janeiro com o Workshop “Agricultura Biológica e Desenvolvimento Rural Sustentável”. A iniciativa acontece numa parceria com o Município de Viana Castelo que demonstra grande disponibilidade para a divulgação do setor na região.

O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meioambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.

A Naturena estará presente para testemunhar a experiência da produção biológica assim como um conceito multidisciplinar que envolve a agricultura biológica e diferentes áreas tais como saúde, turismo, entre outros.   Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores. A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.

Folheto Wsdesenvolvimentoruralvcastelo850px.jpg

FEIRA NACIONAL DE AGRICULTURA BIOLÓGICA ABRE AS PORTAS AMANHÃ EM LISBOA

Assinatura de Protocolo com Ecovalia promove Agricultura Biológica Ibérica Terra Sã Lisboa 2016

A Terra Sã Lisboa 2016 – Feira Nacional de Agricultura Biológica começa já este sábado, dia 3 de Dezembro, abrindo as portas às 10h00 e tendo lugar a cerimónia de inauguração pelas 11h00. A inauguração da feira irá contar com o Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Amândio Torres e André Silva do PAN. Após a inauguração será assinado o protocolo entre a Agrobio e a maior associação de Agricultura Biológica de Espanha, a Ecovalia.

CARTAZ-TERRASÃ_IMAGEM-WEB-01 (2).jpg

O protocolo que será assinado com a Ecovalia tem por objetivo promover a cooperação e intercâmbio entre as duas instituições, de modo a que possam beneficiar de ações de colaboração nos diferentes âmbitos da Agricultura biológica tais como: atividades nos domínios da formação; cooperação técnica e cientifica; estágios científicos, técnicos e profissionais; cooperação no domínio da politica agrícola comunitária; organização conjunta de eventos de promoção da agricultura biológica/ ecológica ibérica.

A Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura biológica terá lugar nos dias 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé, no Terreiro do Paço. A feira, que acontece desde 1988, tem vindo a crescer desde então, ganhando novas formas em novos espaços. 

O Tema da feira será a Alimentação saudável e sustentável e contará com a presença das maiores marcas de agricultura, alimentação e cosmética biológica do mercado, com as diferentes quintas biológicas do país assim como as principais organizações ambientais de Portugal.

GOVERNO VAI FORMAR TÉCNICOS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

Orçamento de Estado 2017: Governo vai formar técnicos em Agricultura Biológica por proposta do PAN

  • Agricultores que pretendem converter ou proceder a investimentos em Agricultura Biológica têm muitas dificuldades por falta de especialistas
  • Formação de dois técnicos em cada uma das Direções Regionais de Agricultura e Pescas
  • Compromisso com soluções para alguns dos principais problemas do sector nas suas diversas áreas

O Governo está de acordo com o PAN – Pessoas-Animais-Natureza: o Ministério da Agricultura deverá promover a formação em agricultura biológica de, pelo menos, dois técnicos do quadro de cada uma das Direções Regionais de Agricultura e Pescas, numa fase inicial. O PAN acaba assim de ver aprovado pelo governo uma medida que irá ser votada durante a tarde de amanhã (nº155c) e que pretende contribuir para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica até agora inexistente em Portugal.

Esta proposta pretende atenuar um problema do sector, uma vez que os agricultores que pretendem converter ou proceder a investimentos em Agricultura Biológica têm muitas dificuldades junto da entidade de tutela por falta de técnicos com formação em Agricultura Biológica. Os projetos de investimento submetidos aos programas de apoio são muitas vezes subavaliados por falta de conhecimento teórico e de domínio de práticas culturais.

São conhecidos e estão amplamente documentados e estudados os benefícios da agricultura biológica nas mais diversas áreas: na saúde, uma vez que está isenta de produtos químicos de síntese, como adubos, inseticidas, fungicidas ou herbicidas e que não usa antibióticos e outros produtos que aceleram o crescimento dos alimentos; no ambiente, porque evita a contaminação dos solos, dos recursos hídricos e tem um contributo menor para as emissões de gases com efeito de estufa – é mais eficiente que a agricultura convencional e agrotóxica, utilizando 30 a 50% menos energia e libertando menos 30% de Gases com Efeito de Estufa (GEE).

Foi com este enquadramento que o PAN desenvolveu o documento “20 Contributos para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica no início da atual sessão legislativa, que inclui vinte medidas integradas que pretendem contribuir com soluções para alguns dos principais problemas do sector nas suas diversas áreas.

“Procurando acompanhar positivamente a alteração de hábitos alimentares que se assiste na sociedade Portuguesa, acredito que a sensibilidade e vontade política é mais ou menos consensual sobre a necessidade de cooperação em torno de políticas que fortaleçam uma fileira com forte potencial de proporcionar bem-estar social e uma elevada sustentabilidade económica, mas também ambiental”, reforça André Silva, Deputado do PAN.

As negociações com o Governo sobre outras medidas propostas pelo PAN para integrar o Orçamento de Estado estão ainda a decorrer.

FEIRA NACIONAL DE AGRICULTURA BIOLÓGICA REALIZA-SE EM LISBOA

Terra Sã Lisboa 2016 – Feira Nacional de Agricultura Biológica - Alimentação Saudável e Sustentável, 3 e 4 de dezembro, Pátio da Galé 

A Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura biológica – está de volta à cidade de Lisboa, mais uma vez em época natalícia e no centro da cidade, tendo lugar nos dias 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé, no Terreiro do Paço. A feira, que acontece desde 1988, tem vindo a crescer desde então, ganhando novas formas em novos espaços.

cartazatualizadossemlogos (2).jpeg

O Tema da feira será a Alimentação saudável e sustentável e contará com a presença das maiores marcas de agricultura, alimentação e cosmética biológica do mercado, com as diferentes quintas biológicas do país assim como as principais organizações ambientais de Portugal. Convidados para a abertura da feira estão o Ministro da Agricultura, das Florestas e Desenvolvimento Rural Luís Capoulas Santos, Duarte Cordeiro, Vice-Presidente da Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, Hélder Muteia, representante da FAO em Portugal e a madrinha da Agrobio, a atriz Joana Seixas.

Na sexta-feira anterior à feira, dia 2 de Dezembro, nos Paços do Concelho, na Sala do Arquivo, vai ter lugar a Conferência + Bio “O Futuro da Agricultura Biológica”. Esta vai contar com diferentes especialistas na área da economia e da agricultura biológica que desenharão as perspetivas do setor para os próximos tempos. A participação na Conferência + Bio é gratuita.

No fim-de-semana de 3 e 4 de dezembro, a Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura Biológica, vai marcar o compasso do centro da cidade de Lisboa, no terreiro do Paço. Do lado de fora, fora o cheiro a Castanhas biológicas assadas vai certamente atrair os visitantes e dentro do espaço glamouroso do Pátio da Galé cheiros, sabores, palestras diversas e workshops vão animar o fim-de-semana + Bio da Capital.

Na Terra Sã terá Show Cookings, Oficinas diversas e no primeiro dia o destaque para a alimentação infantil e para os riscos associados à alimentação convencional. Como é dia de festa, haverá espaço para dançar com a oficina de Danças Europeias com o André Cid Lauret. No segundo dia, em destaque estará a estratégia nacional para a Agricultura Biológica, o solo e a proteção da nossa saúde através da natureza com as oficinas de fitoterapia e farmácia Bio.

Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura Biológica – 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé. A entrada é gratuita, graúdos e crianças são bem-vindos.

GUIMARÃES É LABORATÓRIO DA PAISAGEM

Workshop Agricultura Biológica: Desenvolvimento Rural e Sustentável

A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar em Guimarães, no Laboratório da Paisagem, no próximo dia 9 de Setembro com o Workshop “Agricultura Biológica – Desenvolvimento Rural e Sustentável”.

Folheto Wsdesenvolvimentoruralguimaraes.jpg

A iniciativa acontece numa parceria com o Município de Guimarães cada vez mais focado na sustentabilidade do concelho. O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meio ambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.

Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores.

A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.

PAN PRETENDE AVANÇAR NAS PRIORIDADES E DESAFIOS DA BIOÉTICA EM PORTUGAL

  • Propõe que o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida possa integrar um médico veterinário
  • Acompanha a proposta da Associação Portuguesa de Bioética para a criação de um Conselho Nacional de Experimentação Animal
  • Medidas contribuem para a reflexão sobre problemas éticos suscitados pelos progressos científicos e para prossecução dos objetivos da União Europeia

O PAN – Pessoas – Animais – Natureza apresenta hoje duas iniciativas legislativas que pretendem contribuir para o debate acerca dos problemas éticos suscitados pelos progressos científicos nos domínios da biologia, da medicina ou da saúde em geral e das ciências da vida. O primeiro projeto de lei “altera a composição do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida” - CNECV - e propõe que esta entidade, cuja constituição tem vindo a ser progressivamente alargada, por forma a incluir cada vez mais pessoas de reconhecido mérito no domínio das questões da bioética, possa integrar um médico veterinário com vista a permitir novos contributos, essenciais para a prossecução das competências atribuídas ao CNECV.

A medicina veterinária constitui uma das mais importantes matérias de investigação e conhecimento na área da saúde, com grande proximidade aos cidadãos. O papel do médico veterinário é cada vez mais importante na sociedade, existindo um interesse crescente do público pelas questões de bem-estar animal. Ao mesmo tempo, a profissão reveste-se de grandes desafios éticos, estando continuamente em mutação, por consequência da inovação tecnológica.

A etimologia do conceito de Bioética, por si só, justifica a integração destes profissionais, constituída por duas palavras de origem grega: Bios que significa “Vida” e Ethos que significa “Ética”. Originalmente, o termo Bios era aplicado à vida humana e não animal. Posteriormente, generalizou-se e passou a significar a vida como um fenómeno, ou seja, o biológico, como hoje o entendemos: englobando todos os seres vivos, desde a sua expressão mais simples (unicelular) à mais complexa (como se apresenta no homem).

A segunda iniciativa legislativa apresentada pelo PAN acompanha a proposta da Associação Portuguesa de Bioética levada recentemente Assembleia da República para a criação de um Conselho Nacional de Experimentação Animal, que seja um regulador independente dos centros onde se realizam experiências com animais em Portugal.

A investigação científica tem evoluído nas suas várias vertentes e é hoje indiscutível que os animais têm capacidade para sentir e manifestar dor, sofrimento, angústia e dano duradouro. Por conseguinte, e tendo em vista o objetivo de deixar de utilizar definitivamente animais nestes procedimentos científicos, importa até alcançar esta meta melhorar o seu bem-estar, reforçando as normas mínimas relativas à sua proteção de acordo com a evolução mais recente dos conhecimentos científicos. Embora seja indispensável substituir, num futuro próximo, a utilização de animais vivos em procedimentos por outros métodos que não impliquem a sua utilização, a verdade é que atualmente ainda se continua a recorrer a este tipo de experimentação, por motivos que alegadamente se prendem com a proteção da saúde humana e animal.

O Conselho Nacional para a Experimentação Animal será uma entidade reguladora independente, para além das governamentais com poderes nesta matéria que funcionaria junto da Assembleia da República, mas também prestando apoio e resolvendo conflitos éticos junto dos investigadores que nos seus projetos utilizem animais, com total independência e isenção e seria constituído por especialistas de diferentes ramos do conhecimento.

Esta entidade terá competência para certificar que a investigação em animais decorre nos termos da lei e de acordo com as normas éticas universais de proteção do bem-estar animal mas, principalmente, para assegura que estamos a caminhar para o objetivo principal que é o de deixar de utilizar animais neste tipo de procedimentos. Para além disso, o Conselho deve ter como missão estatuária a coordenação dos comités de ética das diferentes instituições de ensino e de investigação que ainda utilizam animais. A acrescer que a criação deste Conselho se afigura essencial na prossecução dos objetivos da União Europeia no que diz respeito a esta matéria, mas principalmente, é fundamental na evolução das consciências e efetiva proteção dos animais.

A PESCA DA SARDINHA NA COSTA PORTUGUESA

A qualidade da sardinha depende em grande medida do começo da nortada

No S. João, a sardinha pinga no pão” – diz o povo imbuído na sua sabedoria empírica. Com efeito, é por esta altura que a sardinha é mais gorda, devendo-se tal facto a circunstâncias de ordem climática e geofísica únicas na costa portuguesa que fazem desta espécie um exemplar único em toda a Península Ibérica.

De origens remotas, a sardinha era tradicionalmente pescada por meio da arte xávega, método que consistia numa forma de pesca por cerco. Deixando uma extremidade em terra, as redes são levadas a bordo de uma embarcação que as vai largando e, uma vez terminada esta tarefa, a outra extremidade é trazida para terra. Então, o saco é puxado a partir da praia, outrora recorrendo ao auxílio de juntas de bois, atualmente por meio de tração do guincho ou de tratores. Entretanto, as modernas embarcações de arrasto vieram a ditar a morte da arte xávega e, simultaneamente, a ameaçar a sobrevivência das próprias espécies piscícolas, colocando em causa o rendimento familiar dos próprios pescadores.

A sardinha constitui um das suas principais fontes de rendimento, representando quase metade do peixe, calculado em peso, que passa nas lotas portuguesas. Matosinhos, Sesimbra e Peniche são os principais portos pesqueiros de sardinha em todo o país.

Quando, no início da Primavera, o vento sopra insistentemente de norte durante vários dias, os pescadores adivinham um verão farto na pesca da sardinha, do carapau, da cavala e outras espécies que são pescadas na costa portuguesa. A razão é simples e explica-se de forma científica: esta época do ano é caracterizada por um sistema de altas pressões sobre o oceano Atlântico, vulgo anticiclone dos Açores, o qual se reflete na observância de elevadas temperaturas atmosféricas, humidade reduzida e céu limpo. Verifica-se então uma acentuada descida das massas de ar que resultam no aumento da pressão atmosférica junto à superfície e a origem de ventos anticiclónicos que circulam no sentido dos ponteiros do relógio em torno do centro de alta pressão, afastando os sistemas depressionários. Em virtude da situação geográfica de Portugal continental relativamente ao anticiclone, estes ventos adquirem uma orientação a partir de norte ou noroeste, habitualmente designado por “nortada”.

Sucede que, por ação do vento norte sobre a superfície do mar e ainda do efeito de rotação da Terra, as massas de água superficiais afastam-se para o largo, levando a que simultaneamente se registe um afloramento de águas de camadas mais profundas, mais frias e ricas em nutrientes que, graças à penetração dos raios solares, permite a realização da fotossíntese pelo fito plâncton que constitui a base da cadeia alimentar no meio marinho. Em resultado deste fenómeno, aumentam os cardumes de sardinha e outras espécies levando a um maior número de capturas. E, claro está, o peixe torna-se mais robusto e apetecível.

O mês de Junho, altura em que outrora se celebrava o solstício de Verão e agora se festejam os chamados "Santos Populares" – Santo António, São João e São Pedro – é, por assim dizer, a altura em que a sardinha é mais apreciada e faz as delícias do povo nas animações de rua. Estendida sobre um naco de pão, a sardinha adquire um paladar mais característico, genuinamente à maneira portuguesa.

Por esta altura, muitos são os estrangeiros que nos visitam e, entre eles, os ingleses que possuem a particularidade de a fazerem acompanhar com batata frita, causando frequente estranheza entre nós. Sucede que, o “fish and chips” ou seja, peixe frito com batatas fritas, atualmente bastante popular na Grã-Bretanha, teve a sua origem na culinária portuguesa, tendo sido levado para a Inglaterra e a Holanda pelos judeus portugueses, dando mais tarde origem à tempura que constitui uma das especialidades gastronómicas mais afamadas do Japão.

Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com

Fotos: Arquivo Fotográfico da C.M.L.

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE BIOLOGIA MARINHA

Pedro Gomes revela-nos “O que se esconde para lá da rebentação…”

No próximo dia 19 de Março, no Centro de Mar, às 17 horas, o biólogo Pedro Gomes apresenta a comunicação intitulada “O que se esconde para lá da rebentação…”, integrada no ciclo de estudos “Água – património, território e sociedade”, promovido pelo Centro de Estudos Regionais, no âmbito das atividades da sua Academia Sénior.

Conferência_19.03.2015

Pedro Gomes é licenciado em Biologia pela Universidade do Porto e Doutorado em Ciências pela Universidade do Minho. Professor Auxiliar no Departamento de Biologia da Universidade do Minho e investigador do Centro de Biologia Molecular e Ambiental, Pedro Gomes tem centrado a investigação em sistemas costeiros, nomeadamente sistemas dunares, estuário, praia rochosa e ambiente subtidal (zona permanentemente submersa de baixa profundidade ou near shore), com especial interesse quer no estudo da variabilidade dos padrões de colonização e dos processos populacionais das comunidades de invertebrados aquáticos e terrestres nesses ambientes costeiros, quer na dinâmica temporal e espacial dos sistemas costeiros.

A quinta conferência do ciclo de estudos “Água – património, território e sociedade” decorrerá no auditório do Centro de Mar - Centro de Interpretação Ambiental e de Documentação do Mar, instalado no Navio Gil Eannes. A entrada é livre.

CERVEIRA ESTUDA DESENVOLVIMENTO DA LAMPREIA

Aquamuseu do Rio Minho sinaliza 300 lampreias para conhecer fases de desenvolvimento

Com a colaboração de pescadores do rio Minho, o Aquamuseu do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira, procedeu, durante o mês de Janeiro, à marcação externa de cerca de 300 lampreias juvenis. Ação integrada no projeto europeu MIGRANET tem como objetivo a recolha de informação sobre a fase marinha desta espécie.

lampreias juvenis

Este ano, pescadores e entidades detetaram a presença de lampreias juvenis na fase de migração para o mar. Após implementado o processo de marcação, foram libertadas em Seixas, com o propósito de continuarem a sua viagem no estuário, aguardando pelo regresso de alguma ao rio Minho ou a outro rio, e assim contribuir para um melhor conhecimento da fase marinha desta espécie.

Esta ação resulta de uma parceria num projeto europeu, o MIGRANET, entretanto terminado em que, juntamente com os colegas da Estação de Hidrobiologia de Encoro de Con (Universidade de Santiago), foi estabelecido um programa de marcação de lampreias juvenis para tentar obter mais informação relacionado com o desenvolvimento. Desde o início, foi recapturada uma lampreia adulta (com marca) que esteve 13 meses no mar.

No rio Minho só é possível implementar esta atividade quando é detetada a migração de lampreias para o mar, pelo que a colaboração dos pescadores revela-se fundamental, dado que esta migração é particularmente visível aquando da pesca do meixão.

 

BIÓLOGO JORGE PAIVA REALIZA EM BARCELOS CONFERÊNCIA SOBRE A COR NAS PLANTAS E NOS ANIMAIS

Amanhã, dia 23, às 16h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos

A Barcelos Sénior promove amanhã, dia 23, às 16h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos, uma conferência intitulada “A Biogeografia da Cor”, proferida pelo biólogo Jorge Paiva, associado do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra (jaropa@bot.uc.pt)

O conferencista é licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade de Coimbra e doutorado em Biologia pelo Departamento de Recursos Naturais e Medio Ambiente da Universidade de Vigo (Espanha), tendo sido investigador principal no Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra e lecionado em diversas universidades.

Tem um longo percurso de investigador em Portugal e no estrangeiro e é um defensor intransigente do meio ambiente, tendo obtido, nesta área, diversas distinções.

Publicou dezenas de trabalhos sobre fitotaxonomia, palinologia e ambiente e apresentou inúmeras comunicações, conferências e palestras.

Nesta conferência, Jorge Paiva fala sobre a necessidade das cores nas plantas e a visibilidade das cores para os animais, sejam mamíferos, insetos ou peixes.

A entrada é livre.