Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

DANIEL BASTOS APRESENTOU EM BRUXELAS NOVO LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E O NASCIMENTO DA DEMOCRACIA PORTUGUESA

Na passada sexta-feira (31 de maio), foi apresentada na capital da Europa o livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

dbbastos (1).jpg

O historiador Daniel Bastos (ao centro.), na sessão de apresentação do livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”, na livraria portuguesa em Bruxelas “La Petite Portugaise”, ladeado de Elisabete Soares, representante da livraria luso-belga, e de Paulo Pisco, deputado eleito pelo círculo da emigração na Europa

A obra, concebida e realizada pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes da fotografia humanista recentemente falecido em Paris, e prefaciada pelo coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, foi apresentada na livraria portuguesa em Bruxelas “La Petite Portugaise”.

No decurso da sessão, a representante da livraria luso-belga, Elisabete Soares, caracterizou o historiador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, como um fautor de várias iniciativas cívicas para a cidadania ativa, e Paulo Pisco, deputado eleito pelo círculo da emigração na Europa que apresentou a obra, destacou o trabalho desenvolvido por Daniel Bastos em prol do conhecimento e valorização da emigração portuguesa. E em particular, este novo livro como um importante contributo para a preservação da memória do fotógrafo humanista Gérald Bloncourt, recentemente falecido em Paris, um homem que amou e honrou os portugueses.

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa, mas que retratou também a explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

Através de imagens até aqui praticamente inéditas, o historiador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se que durante o presente mês de junho, o livro vai ser apresentado no dia 7 de junho (sexta-feira), na FNAC em Braga, às 21h00, e no dia 10 de junho (segunda-feira), Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, na FNAC-Santa Catarina no Porto, às 17h00. Ainda no dia 22 de junho (sábado), no âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, será apresentado às 10h00 na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto.

dbbastos (2).jpg

dbbastos (3).jpg

dbbastos (4).jpg

dbbastos (5).jpg

DANIEL BASTOS VAI A BRUXELAS APRESENTAR A OBRA "GÉRALD BLONCOURT - DIAS DE LIBERDADE EM PORTUGAL"

Bruxelas recebe apresentação do livro “Geráld Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”

No próximo dia 31 de maio (sexta-feira), é apresentado em Bruxelas o livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

A obra, concebida pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes mundiais da fotografia humanista, recentemente falecido na capital francesa, é apresentada às 18h30 na livraria portuguesa em Bruxelas “La Petite Portugaise”.

1- O historiador Daniel Bastos  (esq.) e o fotógrafo Gérald Bloncourt.jpg

O historiador Daniel Bastos (esq.) foi em 2015 o responsável pela realização do livro de Gérald Bloncourt (dir.) “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, que retrata a emigração portuguesa nos anos 60 e 70, e que contou com prefácio do ensaísta e pensador Eduardo Lourenço.

 

A apresentação da obra, uma edição trilingue (português, francês e inglês) prefaciada pelo coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, estará a cargo do deputado eleito pelo círculo da emigração na Europa, Paulo Pisco.

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, uma das instituições de referência do Portugal democrático, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa nos anos 60 e 70, mas que foi também um espectador privilegiado da explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

4- Contra-capa do livro (2).jpg

Através de imagens até aqui praticamente inéditas, o investigador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.

A publicação do livro, que contou com a colaboração de Isabelle Repiton, viúva de Gérald Bloncourt, e é enriquecida com memórias e testemunhos do fotojornalista franco-haitiano, representa cerca de meio século após a Revolução de Abril um novo contributo e oportunidade para revisitar a génese da democracia portuguesa.

Segundo Vasco Lourenço, esta obra ilustrada pela lente humanista de Bloncourt, fotógrafo que em 2016 foi agraciado pelo Presidente República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, constitui uma viagem ao “tempo dos sonhos cheios de esperança, da afirmação da cidadania, da construção de uma sociedade mais livre e mais justa, do fim e do regresso de uma guerra sem sentido com a ajuda ao nascimento de novos países independentes, onde a língua portuguesa continuou a ser o principal factor congregador”.

3 - Capa do livro (2).jpg

EURODEPUTADO INÁCIO FARIA PROMOVEU REUNIÃO SOBRE DIABETES NO PARLAMENTO EUROPEU

O Eurodeputado José Inácio Faria, eleito pelo Movimento Partido da Terra e inscrito no Grupo do Partido Popular Europeu (PPE), reuniu anteontem no Parlamento Europeu, cerca de duas dúzias de especialistas sobre a Diabetes.

07022019-1.jpg

Entre os participantes no evento, técnicos da OMS (Organização Mundial de Saúde), profissionais do sector, designadamente médicos, nutricionistas, enfermeiros e farmacêuticos, para além de estudantes e indústrias alimentares.

Para o parlamentar natural de Viana do Castelo, o assunto é premente daí a convocação para o discutir em Bruxelas, mormente como membro da comissão de Saúde Pública, Segurança Alimentar e Ambiente.

José Inácio Faria elencou políticas necessárias para “melhor controlo da diabetes”, como exemplo, o sinalizar as embalagens , a aposta em produtos de baixo teor glicémico e a importância da nutrição para a doença.

Com a concretização de mais estas propostas podem-se evitar mortes, melhorar a qualidade dos cuidados médicos e reduzir complicações a longo prazo. A preocupação é constante e necessita de maior intervenção no mundo, pois segundo estudos realizados, em 2015, havia 415 milhões de cidadãos portadores de diabetes; no ano seguinte, estatísticas realizadas para Portugal, registaram quase 1 milhão de habitantes vítimas da doença, dos quais três mil casos eram de prevalência.

Da assembleia surgiu também a ideia de uma maior cooperação com prestadores de cuidados de saúde na Europa, o concentrar de conhecimentos, legislar sobre escolhas alimentares mais saudáveis, melhoria da composição de produtos alimentares e alertas à população para outros com elevado valor de gorduras saturadas em açúcar e sal.

Tito Morais / https://www.luso.eu/

SARRABULHO EM LOURES JÁ CHEGOU À BÉLGICA

SARRABULHO DE PONTE DE LIMA JUNTOU DOIS PRESIDENTES EM LOURES

O Sarrabulho à moda de Ponte de Lima, juntou ontem Domingo no Refeitório municipal de Loures os dois autarcas, designadamente Victor Mendes e o anfitrião, Bernardino Soares.

04022019.jpg

Foi a segunda vez que o prato típico “ desceu” até aos arredores de Lisboa, a convite do Grupo Folclórico Verde Minho, presidido por Teotónio Gonçalves, por iniciativa dum grupo de restaurantes do Sarrabulho de Ponte de Lima: Casa de S. Sebastião, na freguesia de S. Pedro de Arcos; Fátima Amorim e Sonho do Capitão, na Correlhã, e Solar do Taberneiro, na vila.

No salão duas centenas de comensais apreciaram a iguaria, onde para além dos autarcas, também se fizeram representar as confrarias do Vinho Arinto de Bucelas e a dos Gastrónomos do Minho, Casa do Concelho de Ponte de Lima em Lisboa, Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Loures e comunicação social do concelho e de Odivelas.

Como entradas, o Chef Paulo Santos e o anfitrião Teotónio Gonçalves, selecionaram a alheira de galo da Minhofumeiro, e o Folar Limiano, da vila de Ponte de Lima. Aliás, o seu produtor, o Chef Vítor Lima deslocou-se ao evento para apresentar o seu produto, o qual associado aos vinhos limianos, da Casa da Cuca, em Moreira de Lima, e da Adega Cooperativa local, Loureiros e Vinhão, deliciaram os participantes.

No tempo de discursos, os elogios foram vários, destacando-se os dos autarcas de Ponte de Lima agradecendo estas iniciativas de “ promover o nosso Sarrabulho, proporcionando estes encontros e dar os Parabéns às cozinheiras que propositadamente aqui se deslocaram”, e ao município de Loures por acolher o encontro e disponibilizar instalações e funcionários. Por seu turno, o colega Bernardino Soares, agradeceu o convite, com “ um grande agradecimento de Loures a estas cozinheiras e produtores que aqui vieram proporcionar uma excelente refeição às gentes de Loures e outros convidados”, e estamos certos que vamos cooperar mais com Ponte de Lima, a partir de hoje, “ no âmbito da cultura popular “, rematou Teotónio Gonçalves, Presidente do Grupo Verde Minho, elogiou a equipa que veio cozinhar: Paulo Santos, Goretti Bezerra, Cassilda Quezado e Fátima Amorim, e ainda apoio dois amantes da cozinha tradicional, os jovens Filipe Matos, bancário e eng º Rui Melo.

Para garantia da autenticidade do Sarrabulho, foram de Ponte de Lima para Loures, carnes e enchidos, designadamente 40 quilos de rojões, 15 quilos de sanguínea,10 quilos de galinhas caseiras, outros tantos de vitela e igual de vaca, 10 coladas de porco, belouras e tripas que depois de fatiadas totalizaram mais de trezentas porções ou rodelas, etc.

Tito Morais / https://www.luso.eu/

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO DE BRAGA FOI A BRUXELAS RECEBER O TÍTULO DE CIDADE EUROPEIA DO DESPORTO ATRIBUÍDO A BRAGA

CED 2018 deixa legado inestimável para o futuro dos Bracarenses. Atribuição do título de melhor Cidade Europeia do Desporto decorreu em Bruxelas

Com orgulho, satisfação e sentimento de dever cumprido. Foi desta forma que Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, recebeu oficialmente a distinção de melhor Cidade Europeia do Desporto em 2018. O título foi entregue pelo presidente da ACES Europe, Gian Lupattelli, numa cerimónia que decorreu esta Terça-feira, 4 de Dezembro, no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

2114

Braga está a viver um ano intenso repleto de eventos desportivos das mais diversas modalidades e, segundo Ricardo Rio, a CED2018 terá grandes repercussões no futuro do Concelho e dos Bracarenses.

2005

“A CED 2018 deixa um legado inestimável para Braga e para os Bracarenses. Fomos internacionalmente reconhecidos pelo trabalho que estamos a desenvolver numa área crucial para a qualidade de vida dos Cidadãos e isso deixa-nos extremamente orgulhosos”, referiu o Autarca, adiantando que o “objectivo é que o esforço desenvolvido durante este ano tenha continuidade e seja um estímulo à prática desportiva para a generalidade da população”.

2082

Até ao momento foram promovidos 574 eventos desportivos de 74 modalidades, que envolveram 110 mil participantes e cerca de 300 mil espectadores, dados que contribuíram decisivamente para que Braga se destacasse das restantes 20 cidades que durante este ano ostentaram o título de Cidade Europeia do Desporto.

2121

Como explicou Ricardo Rio, a atribuição do título de melhor Cidade Europeia do Desporto, “é o reconhecimento de Braga como um exemplo Europeu a seguir na promoção do Desporto e no desenvolvimento de programas municipais de incentivo à prática desportiva junto de toda a população, com benefícios ao nível da promoção da saúde, integração e educação”.

Sameiro Araújo, vereadora do Desporto da Camara Municipal de Braga, também marcou presença nesta cerimónia e manifestou, também, o desejo que este título tenha repercussões no quotidiano dos Bracarenses ao longo dos tempos. “A qualidade e alcance dos eventos, a promoção da prática desportiva para todos e, consequentemente, a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, foram alguns dos aspectos que contribuíram para que Braga fosse vencedora durante o processo de selecção”, referiu.

“Durante este ano, houve um aumento substancial da população a praticar Desporto. Acredito que este título seja mais um estímulo para que muitos mais Bracarenses incluam a prática desportiva no seu quotidiano”, concluiu Sameiro Araújo, adiantando que “o Município vai continuar a imprimir uma grande dinâmica entre o desporto escolar e o desporto informal, envolvendo toda a população”.

2146

MINHOTOS E GALEGOS LEVAM O RIO MINHO A BRUXELAS

AECT Rio Minho apresentou “Estratégia Rio Minho 2030” em Bruxelas

Uma delegação do recém-constituído AECT Rio Minho esteve, na semana passada, em Bruxelas, para dar a conhecer à Comissão Europeia, os objetivos, os projetos e os planos de futuro do novo agrupamento territorial. À procura de novos fundos europeus para a próxima década, o documento “Estratégia do Rio Minho 2030” esteve em destaque durante esta deslocação, acolhendo um feedback muito positivo das instituições auscultadas. A criação de uma “Intervenção Territorial Integrada” (ITI) para o rio Minho foi uma das reivindicações.

AECT Rio Minho em Bruxelas

A comitiva encabeçada pelo diretor do AECT Rio Minho, Uxío Benitez, teve uma intensa jornada de trabalho ao reunir, durante dois dias, com o Comité das Regiões, a Direção Geral de Política Regional e Urbana (DG Regio), a Direção Geral de Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão da Comissão Europeia, a Comissão de Cooperação Territorial do Parlamento Europeu e o Movimento do Pacto dos Autarcas.

Além da participação nos projetos de cooperação transfronteiriça ‘Smart Minho’ e ‘Visit Rio Minho’, ambos cofinanciados por fundos FEDER, foi apresentada a “Estratégia Rio Minho 2030”, um documento elaborado ao longo dos últimos meses, sob a coordenação do AECT Rio Minho, através de consultas à cidadania, a organização de mesas sectoriais, o envolvimento das entidades públicas e a assessoria de um comité científico. Este trabalho vai culminar com um estudo em profundidade do território, o primeiro com estas características realizado na área geográfica em causa. 

Durante os encontros, outro dos temas abordados foi a necessidade de garantir que “os fundos europeus destinados ao desenvolvimento de territórios transfronteiriços sejam realmente investidos nestas áreas geográficas”, explicou Benítez, defendendo a formulação de uma ITI para o território, que permita gerir as ajudas europeias “com eficácia”.

Da delegação do AECT Rio Minho fez ainda parte o Presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista e a vogal do AECT Rio Minho e deputada da Deputación de Pontevedra, Montse Magallanes.

ATLETAS ARCUENSES DESTACAM-SE NA MODALIDADE DE KAYAK POLO

2 atletas do Clube Náutico na seleção nacional de Kayak polo

As Equipas Nacionais Sénior e Sub-21 de Kayak-Polo deslocaram-se à Bélgica para participar na 2ª Taça de Kayak-Polo da Associação Europeia de Canoagem (ECA CUP), que é também a 26ª edição do Torneio Internacional “Flandres Cup”, o último grande momento competitivo antes da realização do Campeonato do Mundo da especialidade, que decorrerá no Canada de 31 de julho a 5 de agosto.

36340003_1863529687019100_4153886910340661248_n

Na categoria Sénior, a comitiva portuguesa contou com jogadores de vários clubes, entre eles os arcuenses Daniel Silva e Filipe Silva, que representam o Clube Náutico de Arcos de Valdevez.

No torneio estiveram presentes 13 equipas, tendo a equipa nacional ficado num grupo muito difícil, constituído por Portugal, Espanha (Campeões da Europa 2017), Alemanha (Vice-Campeões da Europa 2017) e França “B”.

Em termos desportivos, as coisas não correram bem aos portugueses, pois não ganharam nenhum jogo, ficando em último lugar do torneio. De referir, que a equipa portuguesa estava privada de três atletas fundamentais, que já estarão presentes no mundial, assim com os dois arcuenses.

Os Sub-21 conseguiram posicionar-se em nono lugar.

De referir, que a Câmara Municipal tem apoiado a atividade deste Clube Náutico, o qual tem promovido a modalidade com excelentes resultados, como esta da participação de dois atletas na seleção nacional de kayak Polo, entre outras, através da aquisição de viatura de transporte para os atletas.

7533

DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRUXELAS TERRAS DE MONTE LONGO

No passado sábado (28 de abril), o historiador português Daniel Bastos apresentou o seu mais recente livro “Terras de Monte Longo” na capital da Europa.

LUS_7552

A obra, concebida a partir do espólio de um dos mais aclamados fotógrafos portugueses da sua geração, José de Andrade (1927-2008), fotógrafo de renome internacional, premiado e exposto em vários cantos do mundo, foi apresentada na livraria portuguesa “La petite portugaise”, um novo espaço cultural de referência da comunidade lusa em Bruxelas, junto das instituições europeias.

A apresentação da obra, uma edição trilingue traduzida para português, francês e inglês com prefácio do conhecido fotógrafo franco-haitiano que imortalizou a história da emigração portuguesa, Gérald Bloncourt, esteve a cargo de Francisco Barros Castro, Economista na Comissão Europeia.

LUS_7528

A contar da esquerda, Francisco Barros Castro, Economista na Comissão europeia, o historiador Daniel Bastos, e Eduarda Ribeiro e Annarita Esposito, colaboradoras da livraria “La petite portugaise

 

No decurso da sessão de apresentação, que foi abrilhantada com música tradicional do Norte de Portugal, executada em cavaquinho por António Fernandes, o economista Francisco Barros Castro destacou o contributo do livro, em particular, e dos trabalhos desenvolvidos por Daniel Bastos ao longo dos últimos anos, em geral, na preservação dos modos de vida e das memórias relacionadas com o património cultural, material e imaterial das comunidades locais  do norte de Portugal, elementos importantes de construção identitária individual e coletiva, que são conjugados com uma dedicada divulgação junto das comunidades portuguesas.

Refira-se que neste novo livro, realizado com o apoio do Centro Português de Fotografia, instituição pública que assegura a conservação, valorização e proteção legal do património fotográfico nacional, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, esboça um retrato histórico conciso e ilustrado do interior norte de Portugal em meados dos anos 70.

Através de imagens até aqui inéditas, que José de Andrade captou nessa época em povoados rurais entre o Minho e Trás-os-Montes, o historiador e autor de livros sobre a emigração, aborda as memórias do passado, não muito distante, do Portugal profundo e rural na transição da ditadura para a democracia, um período fundamental da história contemporânea portuguesa, marcado por décadas de carências, isolamento, condições de vida duras e incontáveis episódios de emigração “a salto”.

Refira-se que esta iniciativa cultural na livraria “La petite portugaise”, enquadra-se num conjunto de várias sessões de apresentação da obra que estão a ser realizadas, ao longo do presente ano, no seio das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro.

LUS_7474

LUS_7547

LUS_7558

LUS_7598

MANNEKEN PIS EM BRUXELAS TRAJADO À MINHOTA

O monumento Manneken Pis – garoto a urinar – é o ex-líbris da cidade de Bruxelas, na Bélgica. Ele representa uma pequena fonte em bronze mostrando uma criança a urinar para a bacia da fonte.

Capturarbru

Na realidade, trata-se na realidade de uma réplica do original, da autoria do escultor Jerôme Duquesnoy, e que actualmente se encontra na Maison du Roi em virtude de, após várias tentativas de roubo por parte dos exércitos francês e britânico em 1745, ter por fim sido roubada por um antigo condenado que a despedaçou.

Por ocasião das festividades locais, a pequena estátua é vestida sob diferentes disfarces, tendo em 28 de Abril de 2007 a comunidade portuguesa radicada na Bélgica decidido trajá-lo com traje domingueiro à moda do Minho. 

Decorrida mais de uma década, os minhotos decidiram voltar a trajá-lo à moda do Minho, conforme se pode ver pela imagem produzida pelo fotógrafo Tony da Luso Produxctions que aqui reproduzimos.

DANIEL BASTOS LEVA A BRUXELAS “TERRAS DE MONTE LONGO”

No dia 28 de abril (sábado), é apresentada em Bruxelas o livro Terras de Monte Longo”.

A obra, concebida pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio de um dos mais aclamados fotógrafos portugueses da sua geração, José de Andrade (1927-2008), fotógrafo de renome internacional, premiado e exposto em vários cantos do mundo, é apresentada às 15h00 na livraria portuguesa “La petite portugaise”.

Daniel Bastos

A apresentação da obra, uma edição trilingue traduzida para português, francês e inglês com prefácio do conhecido fotógrafo franco-haitiano que imortalizou a história da emigração portuguesa, Gérald Bloncourt, estará a cargo de Francisco Barros Castro, Economista na Comissão Europeia.

Neste novo livro, realizado com o apoio do Centro Português de Fotografia, instituição pública que assegura a conservação, valorização e proteção legal do património fotográfico nacional, Daniel Bastos esboça um retrato histórico conciso e ilustrado do interior norte de Portugal em meados dos anos 70.

Através de imagens até aqui inéditas, que José de Andrade captou nessa época em povoados rurais entre o Minho e Trás-os-Montes, o historiador e autor de livros sobre a emigração, aborda as memórias do passado, não muito distante, do Portugal profundo e rural na transição da ditadura para a democracia, um período fundamental da história contemporânea portuguesa, marcado por décadas de carências, isolamento, condições de vida duras e incontáveis episódios de emigração “a salto”.

Segundo Gérald Bloncourt, neste livro ilustrado pela objetiva humanista de José de Andrade, são-nos reveladas “fotografias sentidas de Portugal, do seu povo, da sua história”, repletas de “sentimentos de dignidade evidenciados por uma forma de estar serena e humana”.

Refira-se que esta iniciativa cultural na livraria “La petite portugaise”, um novo espaço cultural de referência da comunidade portuguesa em Bruxelas, junto das instituições europeias, enquadra-se num conjunto de várias sessões de apresentação da obra que serão realizadas, ao longo do ano, no seio das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro.

CA 7217 Capa Terras Montelongo copy.cdr

CA 7217 Capa Terras Montelongo copy.cdr

DELEGAÇÃO DE PONTE DE LIMA NO PARLAMENTO EUROPEU

Uma delegação de uma dezena de Limianos visitou recentemente a sede do Parlamento Europeu em Bruxelas, no âmbito dum programa que incluiu eventos enogastronómicos, não fosse o grupo constituído por alguns empresários e profissionais do sector da restauração.

Capturarpl

A comitiva foi acolhida na sede da Europa pelo gabinete do eurodeputado português Nuno Melo, seguindo-se o almoço – convívio. No final, ciceroniados por José Eduardo Vieira, Assessor do activo parlamentar português e membro de comissões percorreram durante três horas o palco da democracia no velho continente, onde os 28 estados membros da União Europeia através dos seus 751 representantes discutem as questões inerentes a essa Federação.

Todos os elementos tiveram ocasião de questionar o funcionário daquela instância comunitária sobre a actividade de eurodeputado, assuntos diversificados no âmbito das políticas sócio – económicas, relação com as outras instituições europeias e as importantes áreas e intervenções do eurodeputado Nuno Melo.

O programa incluiu também um encontro com o embaixador de Portugal na Bélgica, e outros diplomatas de Cabo Verde, Guiné Equatorial e Timor Leste, para além de funcionários portugueses nas instâncias comunitárias: Parlamento, Conselho, Comissão e Comité Económico e Social, onde a cultura, gastronomia e vinhos foram temas de conversas.

A estadia terminou com uma deslocação ao Café – Restaurante Portugal na capital belga, onde os aguardava um Bacalhau de Cebolada, confecionado para a respectiva Academia defensora daquele (s) prato (s) pelo Chefe Paulo Santos, da Casa de S. Sebastião, na freguesia de S. Pedro de Arcos, e João Pedro Coelho, natural da de Fornelos, cozinheiro no Vidago Palace Hotel, vencedor do concurso Jovem Talento de Gastronomia em 2017.

Integraram o grupo na deslocação a Bruxelas, para além dos já referidos mestres de culinária, os cidadãos: João Matos, Presidente da Junta de Fornelos; António Sousa, Presidente da Assembleia de Freguesia de Ponte de Lima e Arca; Armando Melo, Chefe dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima; Carlos e João Carlos Amorim, proprietários da Casa da Cuca, unidade de Turismo Rural e produção de vinhos, em Moreira de Lima; Miguel Amorim, gerente do Restaurante Fátima Amorim, na Correlhã: Filipe Matos, apaixonado pela cozinha tradicional e bancário nos CTT, e o artesão José Coelho.

Adelino Tito de Morais / https://www.luso.eu/

Foto : Tony Da Silva | Luso.eu

SARRABULHO DE PONTE DE LIMA REUNIU 500 APRECIADORES EM BRUXELAS E LOURES

Presidente da República justificou ausência

O conhecido prato típico de Ponte de Lima, o Arroz de Sarrabulho, foi o motivo para reunir quase meio milhar de comensais no passado fim de semana, em Bruxelas e em Loures.

Capturarbelga

Na capital europeia, a iniciativa partiu mais uma vez do Café – Restaurante Portugal, propriedade do estimado elemento da comunidade luso – belga, Albano Figueiredo.

Um salão junto do estádio Fallon foi o local escolhido para entre uma dúzia de mesas se repartirem centena e meia de convidados, principalmente residentes em Bruxelas e Antuérpia.

O programa iniciou-se pelas 20,00 h com um requintado serviço de entradas, onde se salientaram entre os salgados: empadinhas de galinha, cestinhas de massa folhada com sardinha em azeite, bolachinhas com queijo da Ilha (Açores), paio do lombo, chouriça de carne, salpicão da Serra de Arga e Ti Casimiro (Minho Fumeiro, Ponte de Lima), outros folhados diversos, tudo acompanhado de boroa de milho enchidos da Panilima (Ponte de Lima), pão alentejano e francês (Pastelaria Garcia, Bruxelas), tudo regado com fresquinhos brancos loureiros produzidos em Ponte de Lima: Casa da Cuca (Moreira de Lima), Vinhas do Cruzeiro (Escola Profissional em Arca), Adega Cooperativa, Quinta do Ameal (Refóios de Lima), e Quinta das Fontes (Souto de Rebordões).

Seguiu-se, já nas mesas, o ansiado Sarrabulho á moda de Ponte de Lima. O cheirinho de qualidade inundava o salão, a ansiedade para alguns era constante, pois entre os presentes, outras nacionalidades (estreantes) que não portugueses: austríacos, belgas e franceses.

Em ambos os lados do espaço, funcionários anunciavam a abertura do serviço buffet: arroz com a variedade de carnes esfiadas de porco, vaca e galinha: Ao lado, travessas de miudezas, onde pontificavam as belouras, as tripas de farinha e chouriça sarrabulha ou  de cebola/verde, (tudo levado de Portugal na véspera), e mais rojões, fígado e coladas de suíno, etc.

Os comensais comentavam o prato, tecendo-lhe elogios, associado a quem proporcionou mais um evento enogastronómico, raro e de referência na capital da Europa! Substituía-se os recipientes do prato típico, pontelimês, minhoto, nas mesas de buffet, pois muitos, muitos quiseram repetir.

Entretanto, já se provava nas mesas, também o sugerido tinto da casta vinhão para acompanhar o menu, ora produção da cooperativa limiana, ora também da Casa da Cuca, enquanto outros convivas também escolheram néctares das regiões do Douro e do Alentejo, pois a garrafeira do Café Portugal, é diversificada, e qualitativa…

Pelas 22,00h chegou a vez do fado, na interpretação de Carla Linhares e seus guitarristas, que se deslocaram propositadamente de Viseu até à Bélgica.

O programa do convívio prosseguiu com a apresentação das responsáveis pelo manjar: D. Fátima Amorim, do restaurante com seu nome, e D. Goretti Bezerra, do Sonho do Capitão, ambas estabelecidas na freguesia da Correlhã, arredores da vila de Ponte de Lima.

Depois, foi tempo de pé de dança ou simplesmente escutar o som dos Belga Cowboys, uma apreciada banda belga de renome internacional.

Mas, para as cozinheiras o tempo de estadia na Bélgica estava quase terminado.

É que, regressaram, no primeiro voo da manhã para Lisboa, e daí seguiram até Loures, onde já se encontrava o Chefe Paulo Santos, para colaborarem na confecção de mais um Sarrabulho para almoço de Domingo.

O repasto reuniria cerca de três centenas de inscritos, pois o local escolhido, o refeitório municipal estava esgotado, e foi necessário repor algumas mesas.

A organização, o Grupo Folclórico Verde Minho, dirigido por Teotónio Gonçalves, também Provedor da Misericórdia local, foi o anfitrião da festa. No exterior, muitos aguardavam por uma vaga ou desistência, mas era coisa difícil, pois a ementa e convívio estavam para durar.

Nas entradas, foi sugerida uma alheira de galo produzida pela Minho Fumeiro, acompanhada de um folhado de legumes.

Depois, ninguém queria arredar pé, ora pelo delicioso pitéu, ora pelas danças e cantares dos organizadores.

A abrir os discursos, uma mensagem do Presidente da República justificando a sua ausência por motivos pessoais. Mas, sabemos que o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, deseja provar o Sarrabulho de Ponte de Lima, como fez questão de o dizer em conversa amigável, e isso, sabemos aguarda agendamento … com tempo.

Foi assim, como diz o povo, Dois em Um. Sarrabulho servido numa distância de dois quilómetros, ou como Jantar (Bruxelas), ou como Almoço (em Loures, às portas de Lisboa)

Ponte de Lima esteve assim em Alta, fora de portas, também!

Fonte: Tito Morais / https://www.luso.eu/

Foto: LP Tony da Silva

PONTE DE LIMA LEVA A BRUXELAS UMA MOSTRA DO MELHOR DA SUA GASTRONOMIA

MOSTRA-PROVA ENOGASTRONÓMICA

Decorreu, com requinte e o devido sucesso a segunda prova/mostra de produtos e vinhos oriundos de Ponte de Lima, com o apoio do Café/Restaurante Portugal e os demais representantes vindos de Ponte de Lima e que se fizeram acompanhar dos seus vinhos e produtos autóctones. Desde as charcutarias, Minho fumeiro, aos vinhos verdes; Casa da Cuca; Quinta do Ameal e dos restaurantes: Sonho do Capitão; Sabores do Lima; Casa de São Sebastião; Solar do Taberneiro; Fátima Amorim; Carvalheira.

Prova-MostraEnosgastronómica2018a (1)

Recebidos na Sala Damião de Gois, na presença do Sr. Embaixador de Portugal em Bruxelas, Dr. António Alves Machado, que acolheu a comitiva e demais convidados, dando consistente elogio à iniciativa que pretende, acima de tudo, dar a conhecer a excelência dos produtos daquela região do Alto Minho.

Responderam ao convite cerca de 60 pessoas; do corpo diplomático, dos empresários e funcionários das instituições europeias, importadores.

Este, foi também o momento de apresentar o Melhor Cozinheiro Jovem do ano, João Coelho, vencedor do concurso nacional – Jovem Talento de Gastronomia 2017.

Nos discursos de boas-vindas e apresentação de tão palatáveis guloseimas, ficaram os agradecimentos à Embaixada de Portugal, na pessoa do Sr. Embaixador e a todos os que se envolveram em mais esta prova, tornando possível tão prestigiante iniciativa promotora daquilo que temos e somos! Bem-haja.

DE PONTE DE LIMA PARA BRUXELAS

Bacalhau de cebolada

A Academia do Bacalhau de Bruxelas organizou, no dia seguinte à Mostra de produtos autóctones provindos de Ponte de Lima, um suculento jantar, para cerca de 70 convidados, no Café-Restaurante Portugal. Com a delícia do Bacalhau de Cebolada, receita da mais antiga vila de Portugal, esmeradamente preparada pelo Melhor Cozinheiro Jovem de Portugal, João Pedro Coelho e Chef Paulo Santos da Casa de São Sebastião, Ponte de Lima.

Para além do repasto com toques e paladares da alta cozinha limiana, foi também ocasião de encontro entre os sócios da Academia do Bacalhau e outros simpatizantes que se envolveram em conversas soltas e muita animação. E como não podia deixar de ser, ouviram-se os sons estridentes da concertina, com rasgadas melodias da música popular portuguesa.

Prosseguindo estes encontros em torno da gastronomia limiana, tem lugar já no próximo dia 3 de Fevereiro, (a terceira edição do Sarrabulho à moda de Ponte de Lima, em Bruxelas. Cozinheiras vindas expressamente de Ponte de Lima, numa parceria sempre atuante com o Café-Restaurante Portugal; renovam-se assim os encontros à volta da excelência da gastronomia limiana. Uma noite que promete, sendo animada com o Fado na voz de Carla Linhares, vinda diretamente de Portugal. E da boa música, pelo grupo belga Cowboys; na Salle Rotonde, Woluwue Saint Lambert-1200 Bruxelas, volta-se a viver Portugal, pelas melhores razões do mundo.

Fonte: António Fernandes / https://www.luso.eu/

Fotos: Tony da Silva 

ACADEMIA DO BACALHAU ORGANIZOU BACALHAU DE CEBOLADA NO CAFÉ PORTUGAL EM BRUXELAS

  • Adelino Tito de Morais

Melhorcozinheiro Jovem de Portugal e Chefe Paulo Santos deliciaram Bruxelas

A Academia do Bacalhau de Bruxelas, organizou na passada sexta-feira, um jantar – tertúlia para 80 convidados, dum prato Limiano e minhoto, cuja ementa foi retirada da gaveta há uns anos atrás pelo município de Ponte de Lima.

26814445_1539921092771311_7876073892423308296_n

Tratou-se do – Bacalhau de Cebolada – receita quase centenária, segundo gerações de cozinheiros e proprietários de restaurantes antigos da vila e arredores.

Para cozinhar a iguaria no Café – Restaurante Portugal, deslocaram-se a Bruxelas, o Chefe Paulo Santos, da Casa de S. Sebastião, na freguesia limiana de S. Pedro de Arcos, e João Pedro Coelho, natural da de Fornelos, eleito o melhor cozinheiro jovem de Portugal 2017, ao vencer o concurso – Jovem Talento de Gastronomia – que se iniciou com quase mil inscritos e várias provas decorridas em escolas de hotelaria e turismo do país. Actualmente, o “ CR 7 da culinária de Ponte de Lima “ como foi apelidado, integra o grupo de cozinheiros do Vigado Palace Hotel, em Chaves.

O pitéu é composto por uma posta do lombo do fiel amigo, individual, e com média de 400 gramas, acompanhado de batata a murro (ou frita), pimento laminado, salada de alface, cebola e molho de azeite, entre outros ingredientes, para além de segredos de cozinheiros.

Ponte de Lima é hoje, novamente considerada uma terra com multisecular tradição na gastronomia portuguesa, mercê de algumas iniciativas, como Feiras e Fins de Semana Temáticas, uma grande oferta de locais da restauração, e promoções nacionais e internacionais, como a que decorreu na véspera do Bacalhau de Cebolada, na embaixada de Portugal na Bélgica, superiormente também organizada pelos dois peritos de cozinha, recorde-se.

Quanto ao historial do Bacalhau por terras limianas, enumeremos, agora, ligeiras notas de pesquisas efectuadas há anos, como sejam:

Em 1497 os portugueses chegaram á Terra Nova, hoje província do Canadá. Em 13 de Março de 1521, o rei D. Manuel I, concede a João Álvares Fagundes, o navegador, o privilégio de donatário do território descoberto, documento guardado na Torre do Tombo.

Em 1670, a Misericórdia de Ponte de Lima, já distribuía bacalhau aos pobres do concelho, no Dia de Fiéis Defuntos, e em 1670, a Câmara Municipal, delibera que quatro peixeiras de Viana do Castelo, abastecessem a vila de “ peixe fresco durante a semana, até às 8,00 h de Sábado”, incluindo bacalhau.

Mas, outra forma de cozinhar o apreciado peixe é praticada em Ponte de Lima. Trata-se do “ Bacalhau á capitão “, com mais de sessenta anos de ementa guardada na família, na variante de assado no formo, também em lombo, acompanhado de castelinhos de puré, presunto, picles, tudo regado com molho de azeite e outros condimentos. Hum… Fica o convite para a Academia e o amigo Albano Figueiredo, agendarem como novo evento.

Foto: Paulo e João Coelho