Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

RAINHA DAS VINDIMAS ARCOS DE VALDEVEZ É CAPA DE REVISTA EM BRUXELAS

  • Crónica de Tito Morais

Depois de participar na apresentação do Bacalhau á Eça de Queirós, jantar organizado pela respectiva Academia de Bruxelas, Andreia Alves, teve honras de figurar na edição deste mês da Revista CRIATIVA, ontem lançada na capital europeia.

A jovem, residente na União das Freguesias de Padreiro e Santa Cristina, foi eleita Rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez 2023, e é a segunda vez que se desloca à Bélgica, a convite do casal Victor Alves Gomes e Triin Aasma, ele seu conterrâneo, e ela da Estónia, ambos Administradores na Comissão Europeia, Bruxelas.

Em Novembro último, o rosto de promoção do enoturismo do município arcuense, foi a convidada de honra na apresentação dos vinhos VIANNA, produzidos no Solar de Louredo, Geraz do Lima. Agora, foi a vez de promover um produto da sua terra: os néctares da Quinta do Cerqueiral, freguesia de Oliveira, ás portas da sede do concelho.

A publicação, mensal, destinada principalmente à comunidade luso – brasileira da capital da Europa, contém neste seu último número um artigo dedicado ao evento com o prato tradicional português e internacional, que decorreu n “ O Chapeau”, sob a responsabilidade do Chef Domingos Gomes, de Viana do Castelo.

450240661_3674506899503617_5785983214458831659_n.jpg

BÉLGICA / BRUGES: 600 ANOS DE AMIZADE COM PORTUGAL

IMG_0470.jpg

  • Crónica de Tito Morais

Retomando a nossa deslocação no último fim de semana á Bélgica, uma escapadela cultural preencheu o domingo; a visita, com família e como tal particular, desta vez integrou Bruges no roteiro, a multisecular cidade de trocas comerciais com Portugal, localizada a uma centena de quilómetros ao norte de Bruxelas, classificada como Património Mundial pela UNESCO e em 2002 foi a Capital Europeia da Cultura.

Chegados à Praça Grande (Grote Markt) ou principal, com uma área de um hectare, o percurso começou pela Torre Belfort (foto), começada a construir pelo ano de 1240 e concluída no de 1487. O monumento com seus 83 metros, permite disfrutar duma magnífica vista da cidade depois de subir o equivalente aos dias do ano (os seus 366 degraus), equipada com um carrilhão de 47 sinos, funcionou já como arquivo municipal e posto de vigia para incêndios.

Documentado antes da viagem, no seguimento da palestra em janeiro último Relações Socioeconómicas de Portugal com a Flandres (1183-1559) proferida no Almoço (com produtos) do Mar, na Casa de S. Sebastião, Ponte de Lima, eis que aprofundamos as pesquisas.

Deste modo, recuemos ao verão de 1183, ao mês de Agosto, para assinalar o casamento de Teresa de Portugal, filha do fundador D. Afonso Henriques, com o Conde da Flandres, Filipe “de Alsácia”, celebrado na catedral Nª Sª da Tournay, em Bruges. Na cidade residia já em 1395 uma colónia de mercadores portugueses que possuía também seus armazéns, em Ridderstraat, mudando-se depois dessa rua para a de Winkel Straat. Uma trintena de anos volvidos (1430), destacava-se na comunidade portuguesa fixada na capital da Flandres Ocidental, Pedro Eanes, feitor régio nomeado por D. Afonso V, cujas trocas comerciais eclodiram, de tal forma que em 1445, é construído em Bruges o edifício da Feitoria de Portugal. A antepassada da nossa alfandega, marítima, designada então de Feitoria é transferida em 1499 para Antuérpia, onde funcionou até 1794. Era entreposto comercial de produtos do Oriente, das Ilhas e de África. Um Secretário da Feitoria  conhecido foi Damião de Góis, nomeado em 1523 por D. João III. Por esses tempos, a Corte importava para Lisboa, entre outras mercadorias: armas, joalharia, pólvora e cobre. Com o aumento demográfico lusitano naquelas paragens da Europa do Norte, houve necessidade de encontrar um local de culto e sepultamento dos compatriotas: a escolha, no ano de 410, foi a Capela de Santa Cruz.

No alvorecer de quinhentos, o grupo de agentes mercantis lusitanos em Bruges seria já considerado, pois o rei D. Manuel I, por carta de 22 de Abril de 1512, guardada na Torre do Tombo, aprova – lhes, o Regimento da capela da nação portuguesa. Mas, a aristocracia de referência tinha sua última morada em locais de elite; é o caso de João Vasques, falecido em 1487 que seria inumado na Catedral de S. Salvador, que visitamos já no período da tarde. O nobre desempenhara funções de secretário pessoal da duquesa Isabel da Borgonha, filha do nosso rei D. João I, e exercia também actividade de mercância e possuía casa própria (foto), construção gótica, recuperada há anos atrás.

Nos séculos seguintes, há registo de outros artigos exportados para a Flandres. Por exemplo, no ano de 1622 um navio transportou vinho e bacalhau; no regresso, carregou panos, sarjas, holandas. Em 1641, um outro despacho marítimo, enumera exportações de açúcar para Bruges, e um outro de figos e uvas passas, portanto já do Reino do Algarve.

Evocação do Alto Minho

No âmbito de parte do destino turístico escolhido para mini – férias, o nosso trabalho de casa incluiu também investigação sobre referências ao Alto Minho naquele pedaço da actual Bélgica. Assim, ao recordar  Jan Van Eyck (1390?-1441), que dizem foi o inventor da pintura a óleo, veio-me á memória conversa e recortes de jornais, do saudoso titular do Paço de Calheiros! O motivo, foi a existência de um pequeno quadro atribuído ao mestre de Bruges, (do tamanho duma cigarreira, asseverou-me certo dia), que existira no seu solar, e depois de cerca de 1972, o ceder a um amigo para avaliação, levou sumiço, ao que parece suriria mais tarde numa conhecida leiloeira londrina…

Outra citação documental, é Filiph Blanqueat, nascido em Bruges, que em 1641 era correspondente de açúcar de Jacques de Patcher, residente em Viana do Castelo entre os anos de 1628 e 1642,. Também, a correspondência diplomática no conturbado período no segundo quartel do século XIX, solicita empenhamento da casa Real dos Países Baixos para 355 expatriados portugueses que escolheram Bruges como destino. Trata-se de uma carta enviada de Londres a 10 de Julho de 1829 pelo Duque de Palmela ao Conde da Carreira (Luiz António de Abreu e Lima), informando do pedido de asilo formulado por tais patrícios.

Como balanço duma permanência por motivos familiares e culturais, deixamos mais umas sugestões, porque o roteiro as justificou: conhecer o parque Mimmewater e seu lago do Amor, a Igreja de Nossa Senhora com sua Pietá ou Madonna de Miguel Ângelo (a única fóra de Itália), a Câmara Municipal e o Tribunal, este já em estilo neogótico tal como a Casa do Rei, na Grand Place em Bruxelas, e deambular pelas ruas, ruelas e azinhagas da urbe medieval que chegaram a nossos dias, e um passeio pelos canais!

Casa do mercador João Vasques (1468).jpg

IMG_0467.jpg

CLUBE DE GASTRONOMIA DE PONTE DE LIMA REGRESSA A BRUXELAS PARA NOVOS EVENTOS COM O ENTRE-DOURO-E-MINHO

PHOTO-2024-07-08-09-51-23.jpg

  • Crónica de Tito Morais

Mais uma deslocação a Bruxelas no passado fim de semana, para apresentação de propostas de eventos sobre a promoção e participação do Alto Minho nos domínios da cultura, gastronomia e enoturismo, com parcerias na capital europeia, nomeadamente de representações luso – belgas e empenho particular do comum membro de algumas delas: o Administrador no Conselho Europeu de Investigação – CEI – Victor Gomes. O dia de ontem foi preenchido com deslocação ao Parlamento Europeu / Conselho Económico e Social (foto) onde almoçamos; depois, uma visita a pedaços do Muro de Berlim, demolido em 1989 e depositados nessa sede da democracia do velho continente; seguiu-se, a Missão Ukrainian Civil Society Hub junto da União Europeia, instalações cedidas pelo Parlamento, onde se debate o futuro europeu do país invadido pela Rússia, cooperação e apoio jurídico e recolha de fundos para enviar para a frente de guerra e aos refugiados.

O nosso programa começou cedo, com agendamento ás 8,00 h do encontro com dirigentes daquela representação palco de guerra quotidiana, mais uma vez com rostos tristes, agora pelo repetido bombardeamento da aviação russa de cidades ucranianas, e o ataque ao Hospital Infantil Okhnatdyt em Kiev, com lançamento de mísseis, especialmente o kinzhal disparados por MIG – 31 K.

Prosseguindo viagem pelo quarteirão europeu, actualmente com muitos novos inquilinos, pois sucedem-se chegadas de eurodeputados e seus assistentes, nova mobília para gabinetes, troca de pertences

pessoais dos anteriores parlamentares por novos rostos dos eleitos a 9 de Junho,  seguimos para reunião com outros amigos.

Trocadas impressões sobre as actividades preconizadas para os próximos tempos em Bruxelas e o envolvimento de representações luso – belgas, concluímos a reunião com o elencar de algumas já calendarizados também para Portugal, pois o Entre Douro e Minho estará na agenda. Entre visita a produtores, degustações com harmonização de produtos regionais, palestras e  almoços – convívios com assinatura de chefs do Clube de Gastronomia de Ponte de Lima, haverá multirazões para divulgar o que há de Excelente por este terroir de Melgaço até Tabuaço!

PHOTO-2024-07-08-09-51-24.jpg

ACADEMIA DE BRUXELAS RETOMA FESTIVAL DO BACALHAU EM SETEMBRO

PHOTO-2024-06-30-18-19-03.jpg

  • Crónica de Tito de Morais

A Academia de Bruxelas, retoma no próximo mês de Setembro, o Festival Internacional de Bacalhau, uma série de eventos em restaurantes da cidade para divulgar pratos da culinária de vários país confecionados á base do “ fiel amigo”, com Portugal na liderança, anunciou a Direcção , ontem reunida (foto). Recorde-se, que o primeiro jantar temático foi dedicado a Eça de Queirós, e decorreu no passado dia 22 de Junho, confecionado pelo Chef Domingos Gomes, de Viana do Castelo, com participação de meia centena de convidados, entre eles, Andreia Alves, a Rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez 2023.

A próxima “ tertúlia de amigos, genuinamente portugueses “ da nossa Diáspora terá lugar a 20 de Setembro, num emblemático quão renomado salão de festas da Bélgica e da Europa, decorado com requinte de estilos clássicos franceses. O prato a servir para essa Gala, será um Bacalhau á Basca ou Biscaínha, receita originária daquela região, confecionada por uma equipa de cozinha belga, francesa e espanhola, onde tomate refogado, cortado ou em polpa e pimento vermelho, lideram os ingredientes a acompanhar.

image001 (6).png

Como vinhos, haverá “conceituados brancos e tintos de Portugal”, alguns exclusivos, previamente selecionados pelo somellier daquele importante espaço da elite belga, cujo teste de cardápio foi agendado com a organização para 6 de Setembro.

Entretanto, dentro de algumas semanas, dirigentes da Academia do Bacalhau na sede da Europa e alguns confrades, visitarão e Entre Douro e Minho, em prova de mais receitas com recurso ao famoso peixe multisecular alimento lusitano.

Assim, em colaboração com o Clube de Gastronomia de Ponte de Lima, enumeremos parte do roteiro: Em Tabuaço, o Bacalhau na Telha, do Chef Thomas Egger, um austríaco radicado em Portugal, responsável por banquetes para vários Presidentes da República, da Áustria, Portugal e Brasil, governantes, ídolos do futebol e da música, entre outros comensais; em Ponte de Lima, o cardápio francês Brandade de Bacalhau, do Chef Filipe Morgado, na sua Taverna, na Feitosa, depois de durante anos ter trabalhado por Portugal, Espanha e EUA; ainda na capital do Sarrabulho, a degustação passará pelo Bacalhau á Fatinha, no “ Fátima Amorim”, na Correlhã, depois de no mês passado ter decorrido a prova no vizinho “Sonho do Capitão”, iguaria do Chef Queirós e D. Goretti Bezerra; por Valença, está para agendar a prova do Bacalhau à S. Teotónio, assim como em Paredes de Coura, o da saudosa Miquelina; em Viana do Castelo, a receita da Margarida da Praça, tão famosa desde os meados do século passado até fechar portas , cuja recriação da ementa está entregue aos Chefs Manuel Viana e Domingos Gomes.

LOUREIRO CERQUEIRAL DE ARCOS DE VALDEVEZ VAI À MESA EM BRUXELAS

image001 (23).jpg

  • Crónica de Tito de Morais

O vinho branco da casta Loureiro, produzido na Quinta de Cerqueiral, Arcos de Valdevez, foi apresentado em Bruxelas, com a presença da Rainha das Vindimas 2023 do concelho, perante um grupo de confrades da Confraria dos Vinhos de Portugal na Bélgica / Ordem de S. Vicente, e dirigentes de serviços da Comissão Europeia. Entre estes convidados de instâncias comunitárias, há a salientar na foto – João Onofre, Chefe da Unidade de classificação de produtos de Indicação Geográfica , Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; Victor Alves Gomes, de Arcos de Valdevez, administrador no Conselho Europeu de Investigação / gestor de bolsas dos cientistas na EU; Marcos Nogueira, líder do projecto Europeus Unidos pela Democracia, com sede no Parlamento, e Keila Barbosa, directora da Magazine luso – belga Criativa, de Bruxelas. No centro do evento, Andreia Alves, Rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez, acompanhada da mãe.

Relativamente ao Loureiro arcuense, ele foi harmonizado com a entrada confecionada pelo chef Domingos Gomes, de Cardielos, Viana do Castelo: ovos mexidos com alheira de galo e salpicão da Serra de Arga, produção da MinhoFumeiro, Ponte de Lima.

Outras actividades enogastronómicas decorrerão nos próximos tempos na capital da Europa, no âmbito de amizades e parcerias existentes com o Clube de Gastronomia de Ponte de Lima. Alguns produtos estão já em análise, designadamente enchidos e fumados, pratos típicos e posteriormente queijos e vinhos verdes e alvarinhos.

image003 (3).jpg

O “embaixador” do Alto Minho, em Bruxelas, Victor A. Gomes

DE PONTE DE LIMA E CARDIELOS, AO FESTIVAL DA COMIDA GREGA, EM BRUXELAS

image001 (22).jpg

  • Crónica de Tito de Morais

No último fim de semana, convidado a participar no evento da Academia do Bacalhau de Bruxelas, conforme várias noticias circulantes on line, houve tempo para uma escapadela de prova da comida grega. Tratou-se dum Festival na Place Maurice Van Meenen, distribuído por um quarteirão de stands, onde para além de show cookings e animação musical, participou também Éric Boschman, gastrónomo e considerado o melhor sommelier da Bélgica.

Acompanhado com o amigo Chef Domingos Gomes, de Cardielos, Viana do Castelo, lá foi o dueto aos sabores helénicos! A festa integrava-se na comemoração dos oitenta anos da chegada dessa comunidade à capital da Bélgica, salientou a organização.

Mas, para evitar tempo de espera em filas e preocupação de horário para nos dirigir - mos ao “ Chapeau”, onde o chef era aguardado para preparar o menú queirosiano, seguimos para a prova, provada por mim já por várias vezes em idas a Bruxelas: a escolha foi o “Santorini “, próximo dos Paços do Concelho, ou da Grand Place. Neste espaço comercial há sempre simpatia de serviço, de variedade e explicação dos pratos; assim foi a nossa modesta, rápida, mas quão ansiosa degustação desejada por um mestre da cozinha lusitana, agora  a participar numa outra experiência mediterrânica.

Pela carta variada entregue, selecionamos o prato popular – Gyros – um misto de carne assada de vaca, carneiro e porco, acompanhado de batatas fritas aos palitos, salada de tomate, cebola, repolho cozido, e outros ingredientes gregos. Por cima de tudo, o molho tzatziki, elaborado á base de iogurte, limão, azeite, sal e alho. Para molhar toda a comezaina, a apreciada belga Chimay, de rótulo dourado, não comercializada em Portugal, tanto quanto sabemos.

Para os conhecedores de comida internacional, o – Gyros – é um acepipe semelhante ao Shawarma da comida árabe, ou o – Cacik - da Turquia, ou ainda, aos – Tacos al Pastor – do México, pelas informações recolhidas no local e completada por pesquisa bibliográfica.

PHOTO-2024-06-15-11-57-48.jpg

BRUXELAS APLAUDIU O BACALHAU À EÇA DE QUEIRÓS

Direção Academia do Bacalhau Bruxelas.jpg

  • Crrónica de Tito de Morais

Mais uma iniciativa da Academia do Bacalhau de Bruxelas, em parceria com o Clube de Gastronomia de Ponte de Lima, aqui com o trabalho do Chef Domingos Gomes, de Cardielos, Viana do Castelo, marcou a diferença do passado fim de semana na selecionada comunidade luso – belga. Meia centena de convivas, onde se salientaram, os dirigentes organizadores, o Cônsul de Portugal, Bruno Joos De Ter Beers; o Chefe da classificação de produtos regionais agrícolas da União Europeia, já com 3600 elencados, João Onofre; o administrador da gestão de cientistas da Europa, Victor Alves; o Presidente do projecto Europeus Unidos pela Democracia, sediado no Parlamento Europeu, responsável por “ um conjunto de iniciativas para reflexão e debate sobre a EU”, Marcos Nogueira; a rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez, Andreia Alves, comunicação social portuguesa, belga e brasileira.

Cerimónia com jantar – literário, para recriação dos encontros jantantes de Eça de Queirós, António Feijó, Guerra Junqueiro, Ramalho Ortigão, e outros membros tertulianos e gastrónomos do grupo Vencidos da Vida, desse escol intelectual; com meia centena de participantes, admitidos por ordem de inscrição, o programa aberto pelo Presidente da Academia, Amândio Maia, entrou noite dentro, preenchido para quase oito horas de festa! E, quanto a iguarias que desfilaram pelas mesas d “O Chapeau” recordemos: nas entradas, a alheira de galo MinhoFumeiro com ovos mexidos, o salpicão e chouriça de carne, pastéis de bacalhau e apontamento de salada. Para regar, brancos loureiros: da adega Ponte de Lima, e o Cerqueiral, de Arcos de Valdevez, e ainda prova do Arinto de Bucelas, Loures, seleção da sua confraria, néctar apreciado por Eça e Feijó há … cento e tal anos.

Começou então o tempo de elogios: um aplauso ao enchido Limiano degustado, e ao acompanhamento vínico, com Um gavião de penacho, com brinde irmanado com o alentejano, Monte da Espinheira.

Aguardava-se pelo grande momento, o qual não se fez esperar! Anunciado que fôra experimentado em Estocolmo, Suécia, a 23 de Março último, pelo chef Paulo Santos, agora o seu colega e também mestre de cozinha, Domingos Gomes, repetia o pitéu…

Servido em doses individuais e patos de barro preto de bisalhães, Vila Real, encomendado pelo amigo Celso, patrão da casa, o Bacalhau à Eça de Queirós era fotografado, comemtado pelos condimentos e apresentação. Era o tempo da primeira nota positiva, e parâmetro de avaliação organoléptica! Passou-se ao paladar, sabor, e mais resposta pelo palato dos comensais, e os recipientes recebedores da comesaina ficaram vazios!!! Eis que rompe pela sala, o artista da obra e uma ovação ecoou…

Mas, já o relógio assinalava a madrugada, e o sino da mesa presidencial tovaca novamente! A surpresa no repasto, concretizava-se, pelo que, pessoalmente e colectivo, com os dois restantes convidados que nos acompanharam de Portugal, agradecemos, sentimos, orgulhamo-nos pelo agraciamento. Recebemos a medalha (de bom comportamento gastronómico lusitano na Bélgica) de honra da Academia do Bacalhau e confrades honorários, pelo divulgar na capital da Europa as nossas especialidades tradicionais desde há uns tempos e sua correlativa sinopse histórica. Para além do signatário, o trabalho merecido, justo e apreciado dos outros dois: o chef Domingos Gomes, com galardão representativo do seu município vianense, e a rainha difusora do néctar vínico, pelas Terras de Valdevez.

OBRIGADO Academia, amigos, por mais uma vez, celebrar um fim de semana em Bruxelas, entusiasticamente vivido!

Consul de Portugal em Gent, ao centro.jpg

BÉLGICA PRESENTE NO DIA DO COMBATENTE LIMIANO (10 DE JUNHO)

Fundação Clube de Combatentes de Gand.jpg

Crónica de Tito de Morais

O Núcleo 144 da Liga dos Combatentes, neste caso fundado em Gand, Bélgica, em Novembro passado, associa-se ás cerimónias do Dia do Combatente Limiano, a decorrerem no feriado nacional de 10 de Junho, Segunda – feira, informou a Direcção.

Representa a instituição daquele país, o qual muito tem contribuído para a recordar a presença portuguesa na Batalha de La Lyz ou de Ypres, na Flandres, com cerimónias de homenagem aos soldados mortos e visita ao cemitério de Richebourg, em Pas- de-Calais, França, onde repousam muitos deles, incluindo de Ponte de Lima, o seu Secretário e antigo Alferes, Victor Alves Gomes. Nascido em Paris, oriundo de Arcos de Valdevez, mas também com uma costela ancestral em Calheiros, Ponte de Lima, o antigo militar é actualmente Administrador do Conselho Europeu de Investigação, gestor de bolsas de investigação para cientistas, unidade da Comissão Europeia, em Bruxelas.

Mas, a folha militar do nosso amigo e também “embaixador” da cultura e gastronomia do Alto Minho na capital europeia, regista missões internacionais. Deste modo, Victor Gomes foi membro da UNOMUZ ( Missão de Paz da ONU para Moçambique), UNAVEM III (idem, para Angola) e UNMIK (Missão de Administração da ONU no Kosovo) e representante da União Europeia para o Norte, em Mitrovica. Em Portugal foi Furriel Miliciano na Escola Pratica de Infantaria em Mafra e posteriormente no Regimento de Infantaria Mecanizada de Abrantes. É  piloto – aviador, e nas suas férias em solo nacional, levanta voo em Braga ou Maia, para sobrevoar os céus de Entre Douro e Minho.

Durante a sua estada em Ponte de Lima, o dirigente europeu e antigo militar, terá encontros com o autarca de Ponte de Lima, Vasco Ferraz, para além do Intendente da PSP no Porto, Ezequiel Rodrigues e os descendentes do General Norton de Matos (1867-1955), estadista que esteve na base da fundação do Núcleo de Combatentes na Bélgica, pois era o Ministro da Guerra no primeiro conflito mundial e integrou a delegação nacional ao Tratado de Versalhes em 1919 que culminou coma Paz na Europa e no Mundo, como recordamos em Gand, cerimónia de 11 de Novembro de 2023.

Desse dia histórico para as relações luso – belgas em contexto de passado militar, recordamo - lo com a foto da fundação que reproduzimos com: Joana estrela, Chefe da Missão Adjunta da Representação Diplomática de Portugal no Reino da Bélgica: Cônsul de Portugal em Gand, Bruno Joos De Ter Beerst; Manuel Pereira, Presidente do Núcleo padrinho, Ponte de Lima; embaixador Jorge Cabral; Victor Alves Gomes, Tenente Coronel José António Leitão, Núcleo de Ponte de Lima; o autor e Cecília Vidigal, Presidente da Ordem de S. Vicente / Confraria dos Vinhos de Portugal na Bélgica.

BACALHOAR COM EÇA DE QUEIRÓS EM BRUXELAS ESTÁ QUASE ESGOTADO!

Em Março (Estocolmo), em Junho (Bruxelas).jpg

  • Crónica de Tito de Morais

O festim evocativo da obra de Eça de Queirós e suas correlações com a gastronomia portuguesa agendado para 15 do corrente n “O Chapeau” em Bruxelas, encontra-se quase esgotado. Limitado ao espaço e ao cardápio – Bacalhau á Eça de Queirós – as inscrições sucederam-se em apenas duas semanas, de tal maneira que subsistem poucos lugares.

Organizado pela Academia do Bacalhau de Bruxelas, instituição presidida por Amândio Maia, o jantar com “Eça á mesa”, pretende evocar a narrativa do autor enquanto apaixonado pela arte culinária. Entretanto, podemos adiantar que para entradas o Chef vianense Domingos Gomes, deseja repetir os ovos mexidos com alheira de galo da MinhoFumeiro, iguaria confeccionada o mês passado com o Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima em Paris, Drancy, e na Cabidela de Galinha do Campo, em Loures, Lisboa. Mas, na capital europeia, o primeiro prato será completado com “ nacos de bom paio” como registou a narrativa queirosiana n O Crime do Padre Amaro, inicialmente publicado em 1875, por fascículos na Revista Ocidental para um bom “ jantarinho á portuguesa”, uma outra referência no clássico literário Os Maias, romance surgido em 1888. Anteriormente, foi o colega Chef Paulo Santos, de Ponte de Lima, quem avançara em Março último  com a internacionalização do prato (ao gosto do escritor poveiro mas de ascendência altominhota), e também seu amigo e colega diplomata António Feijó. A iniciativa surgiu da embaixadora de Portugal na Suécia, S. E. Sara Martins, com a leitora do Camões – Centro de Língua Portuguesa na Universidade de Estocolmo, Vera Fonseca  e APE (Associação dos Portugueses em Estocolmo, presidida pelo cientista luso, Duarte Sacramento Ferreira, docente da Universidade Karolinska, área da Medicina, conforme foto anexa.

Recordemos, que entre os comensais participantes no convívio luso – belga, participam a Rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez, Andreia Alves, que na bagagem leva alguns Loureiros do seu concelho e de Ponte de Lima, para molhar os entreténs de enchidos e fumados. A jovem personalidade arcuense na promoção de produtos vínicos, desloca-se a Bruxelas a convite do seu vizinho, Victor Alves Gomes, Administrador no CEI (Conselho Europeu de Investigação), a Unidade orgânica e científica da Comissão Europeia.

RAINHA DAS VINDIMAS ARCOS DE VALDEVEZ, RERESSA A BRUXELAS

image001 (19).jpg

  • Crónica de Adelino Tito de Morais

A Rainha das Vindimas de Arcos de Valdevez 2023, regressa m fim de semana de 15 e 16 de Junho a Bruxelas, no âmbito duma promoção do concelho na capital europeia. Andreia Alves, da União de freguesias de Padreiro – Salvador e Santa Cristina, é convidada do conterrâneo Victor Gomes, administrador do Conselho Europeu de Investigação e gestor de projectos de cientistas daquela entidade da União Europeia.

A jovem de 23 anos, estudante, participa na promoção de vinhos da Ribeira Lima, no decorrer do jantar literário – Bacalhau à Eça de Queirós – organizado pela respectiva Academia, no “Chapeau”, retiro gastronómico português, propriedade dum compatriota oriundo de Castelo de Paiva, Porto.

Esta será a segunda vez que o perfil feminino na aposta do marketing vinícola das Terras de Valdevez, participa num evento da sua área de representante do concelho. Recordemos, em Novembro passado, Andreia foi convidada de honra para a apresentação dos vinhos VIANNA, do empresário vianense Armindo Lamas, do Solar de Louredo, Viana do Castelo.

Na ocasião, teve lugar um encontro com a número dois da embaixada de Portugal na Bélgica, a Conselheira Joana Estrela (foto), e a direcção da Confraria dos Vinhos de Portugal / Ordem de S. Vicente.

DEPOIS DA SUÉCIA… CLUBE DE GASTRONOMIA DE PONTE DE LIMA LEVA BACALHAU À EÇA DE QUEIRÓS AO “CHAPEAU” DE BRUXELAS

image001 (18).jpg

Eça, Cônsul em Paris, com 38 anos (BNP)

  • Crónica de Tito de Morais

Trata-se de mais uma receita antiga, portuguesa, concerteza, recolhida pelo Clube de Gastronomia de Ponte de Lima. A sua apresentação teve lugar a 23 de Março, na Residência da embaixadora de Portugal na Suécia, reservada a 25 participantes, evento que levou o Chef Paulo Santos a acompanhar - me, desde Ponte de Lima a Estocolmo, para homenagear Eça de Queirós e António Feijó, dois amigos, diplomatas, escritores e gastrónomos.

Agora, o convite surgiu da Bélgica, da Academia do Bacalhau em Bruxelas, presidida pelo amigo Amândio Maia. O jantar de Sábado 15 de Junho próximo, no Restaurante Chapéu, será uma evocação do autor d “Os Maias”, da sua passagem pela hoje capital europeia, em direcção a Antuérpia, situada a meia centena de quilómetros, onde se demorou uns dias. O romancista era então, nesse ano de 1880,  cônsul de Portugal em Bristol, Inglaterra, e regressava dumas férias lusitanas, para ligação ferroviária à marítima, no centro da Europa.

Desta vez, a iguaria adaptada pela figura universal das letras a partir do Bacalhau de Cebolada tão ao seu gosto e paladar, será da responsabilidade do Chef Domingos Gomes, de Viana do Castelo, estabelecido em Cardielos com o seu “ Rio Lima”. Formado pela Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo, prosseguiu estudos na de Vila da Feira, para obter o grau superior. É também, elemento da Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal.

De Portugal, além de alguns ingredientes para cozinhar duma forma sublime a nuance do fiel amigo a partir da tradicional receita minhota, acompanhará o mestre altominhoto de culinária, um Vinho do Porto especial, para na elaboração do molho de azeite e cebolada ele ficar mais macio, e um loureiro branco da Ribeira Lima.

Mas, para a degustação dum acepipe queirosiano na capital belga e no “Chapéu”, adorno também comum no traje de Eça (ver foto anexa), é preciso inscrição atempada, pois o restaurante tem capacidade limitada !

A fechar, aproveitamos relembrar, que segundo pesquisas que efectuamos em obras de Eça de Queirós ou sua correspondência publicada, ele era um gastrónomo e opíparo no dizer da esposa, epiteto que ela alongava ao pontelimense Feijó. Entre os locais predilectos para banquetes ou festins, principalmente em Lisboa, há referências aos extintos hotéis  Bragança e Espanhol, e o recuperado com notável bom gosto Borges, no Chiado, onde também se hospedava a filha do poeta da “Ilha dos Amores”, Mercedes, nas décadas de quarenta e cinquenta do século passado, e aí confidenciava a situação europeia ao ditador Salazar.

AUTARCAS DE ESPOSENDE VISITARAM PARLAMENTO EUROPEU EM BRUXELAS

visita Bruxelas (2).jpg

O Presidente da Câmara de Esposende, acompanhado de autarcas do concelho, visitou, entre os dias 9 e 11 de abril, o Parlamento Europeu, em Bruxelas, a convite do ex-eurodeputado José Manuel Fernandes, atual Ministro da Agricultura e Pescas.

Integraram também a comitiva o Presidente da Assembleia Municipal de Esposende, Carlos Silva, os Vereadores Guilherme Emílio e Rui Losa, e os presidentes dos Conselhos de Administração das empresas municipais Esposende Ambiente e Esposende 2000, respetivamente Paulo Marques e António Maranhão Peixoto.

Esta visita pretendeu dar conhecer a atividade parlamentar, nomeadamente as suas políticas e os seus trabalhos, bem como os eurodeputados. A comitiva teve oportunidade de conhecer as instalações do Parlamento Europeu, tendo visitado o parlamentárium, o hemiciclo, e assistido a uma votação em plenário. Da agenda da visita fez parte também uma reunião com os eurodeputados do PSD, Carlos Coelho, Lídia Pereira, Teófilo Santos e Ana Miguel Santos.

O ex-eurodeputado e atual ministro José Manuel Fernandes fez questão de estar presente para dar as boas-vindas à comitiva liderada por Benjamim Pereira, manifestando a sua disponibilidade e apoio.

O Presidente da Câmara Municipal de Esposende agradeceu a disponibilidade e a oportunidade desta visita, considerando que constitui uma oportunidade para melhor perceber e conhecer o funcionamento do hemiciclo europeu e o impacto das suas decisões, opinião partilhada pelos restantes membros da comitiva.

Dada a proximidade das Eleições Europeias, em junho próximo, esta visita reveste-se ainda de maior significado, sublinha Benjamim Pereira, notando que “estes deputados tomam decisões que têm impacto no dia-a-dia das pessoas, como seja no emprego, nos cuidados de saúde e no ambiente, por exemplo”.

visita Bruxelas (1).jpg

PONTE DE LIMA E BÉLGICA AGENDAM EVENTOS CULTURAIS

d89771b9-f3e3-4412-9c86-ba8884c42714.JPG

  • Crónica de Tito de Morais

A vila de Ponte de Lima e as cidades de Bruxelas e Gand na Bélgica, vão receber até final do ano eventos de cariz cultural, sob organização ou apoio de instituições dessas mesmas localidades, mercê de amigos, colegas ou parceiros em entidades associadas.

O primeiro passo foi dado ontem numa reunião há Havaneza, Ponte de Lima, na qual participamos como confrade da Confraria dos Vinhos de Portugal na Bélgica e Ordem de S. Vicente, o padroeiro dos vinhateiros, juntamente com o colega confrade Victor Gomes, Secretário da Liga dos Combatentes naquele país e administrador na Agência Europeia de Investigação/Comissão Europeia. Completaram os convivas: Manuel Pereira, Presidente da Liga dos Combatentes em Ponte de Lima e Joaquim Gomes, antigo direcção comercial da TAP em Bruxelas.

Assim, foi acordado que a 13 de Abril haverá uma representação da Liga em cerimónia a decorrer no cemitério de Richebourg, norte de França, onde repousam restos mortais de militares portugueses, incluindo vários de Ponte de Lima, mortos na I Guerra Mundial. Em Maio, em data e local ainda a agendar, foi sugerido uma Mostra Gastronómica do Alto Minho, com vinhos, doces, licores e jeropigas. No mês seguinte, no Dia de Portugal, uma representação Liga dos Combatentes da Bélgica vem a Ponte de Lima participar nas cerimónias oficiais organizadas pelos colegas no memorial do Paço do Marquês; no fim de semana de 15 e 16 de Junho, participação conjunta na Feira O Melhor de Portugal, organizada pela CAP (Confederação dos Agricultores Portugueses), com colaboração da embaixada de Portugal na Bélgica, e organização dum jantar temático em Bruxelas: o Bacalhau à Eça de Queirós, iguaria apreciada pelo autor de “Os Maias” e o amigo António Feijó. Para Julho, data a acordar com convidados nacionais e estrangeiros, haverá uma harmonização de recente produto gastronómico Limiano, também com um novo sabor de cerveja, e uma preleção sobre ambos. Em Outubro, a Confraria dos Vinhos de Portugal fundada na sede da Europa, organiza a 5 e 6 desse mês, o seu capítulo de entronização em Santarém, com visitas á região vinícola de Lisboa, já com meia centena de participantes interessados! Para o mês seguinte, está reservado (aguarda acordo das autoridades municipais, diplomatas, NATO e parceiros do Reino Unido), um fim de semana para pela segunda vez, Ponte de Lima e Portugal, associar-se em Gand á Homenagem aos soldados portugueses mortos em combate nas linhas da Bélgica e França.

Chefs de Cozinha recrutados

Mas, a par de toda uma actividade institucional e protocolar, também, como acima elencamos haverá momentos de degustação. Assim, artistas da cozinha colaborarão nessa área, designadamente os Chefs: Paulo Santos, da Casa de S. Sebastião, Ponte de Lima; Domingos Gomes, do “Rio Lima”, Cardielos, Viana do Castelo, e Thomas Egger, da Áustria, mas estabelecido em Tabuaço, Douro, onde tem seu atelier em carnes e peixes de cardápio português.

BRAGA: RICARDO RIO FOI UM DOS LÍDERES LOCAIS PRESENTES NA ASSINATURA DA DECLARAÇÃO DE BRUXELAS

Documento visa desenvolver política urbana europeia ambiciosa

Ricardo Rio, presidente da Câmara municipal de Braga, foi um dos 40 líderes políticos das cidades que se juntaram à Presidência Belga da União Europeia (EU) para assinar uma nova declaração que apela ao desenvolvimento de uma política urbana europeia ambiciosa. A cerimónia de assinatura decorreu ontem, dia 25 de Janeiro, no Palácio Egmont, em Bruxelas.

be (3).jpg

A Declaração de Bruxelas surge num momento em que as eleições europeias estão a poucos meses de se realizar, estando esse ato eleitoral agendado para início de Junho. O documento, que foi também assinado pela Eurocities e por outras redes de cidades, apresenta os desafios políticas com que as cidades se confrontam, bem como as prioridades e recomendações às instituições europeias para o próximo mandato da UE.

De acordo com Ricardo Rio, a aposta no diálogo e no estabelecimento de laços entre o poder local e a UE é crucial para enfrentar os nossos desafios e objectivos comuns em termos sociais e económicos. “Actualmente cerca de 75% da população vive nas cidades. Estabelecer políticas urbanas fortes é essencial para uma Europa melhor e mais preparada para enfrentar os desafios ao nível da coesão territorial, sustentabilidade, inovação ou habitação", referiu.

A nova declaração reflecte muitos dos desafios e iniciativas de mudança apresentados no manifesto da Eurocities, intitulado ´Uma Europa Melhor Começa nas Cidades´, lançado em Dezembro do ano passado e que apela a uma aliança entre os autarcas e a UE para garantir um futuro justo e próspero para as populações locais.

São apresentadas várias prioridades para as cidades, incluindo a necessidade de promover o direito a uma habitação acessível, de qualidade e sustentável, de combater as desigualdades sociais e de género, de combater as alterações climáticas e recuperar a biodiversidade e de desenvolver uma mobilidade segura, inclusiva e sustentável.

A Declaração contém igualmente uma série de recomendações das cidades à UE, incluindo a necessidade de um maior envolvimento dos governos locais no processo de decisão e de uma melhor integração das questões urbanas a nível europeu e de regulamentos e financiamentos europeus mais favoráveis.

be (1).jpg

be (2).jpg

“DRAGÃO EUROPEU” GANHA FORÇA

Beesel (Países Baixos) Furth im Wald (Alemanha) Grez-Doiceau (Bélgica), Montblanc (Espanha) e Monção (Portugal), unem-se na certificação da Rota Cultural Europeia do S. Jorge e do Dragão.

Capturard2 (2).JPG

Cinco municípios europeus com a temática do S. Jorge e do Dragão presentes na cultura e tradição locais, assinaram, recentemente, um memorando de entendimento para a certificação da Rota Cultural Europeia do S. Jorge e do Dragão.

A cerimónia teve lugar em Beesel, nos Países Baixos, com a participação das localidades de Furth im Wald, na Alemanha, Grez-Doiceau, na Bélgica, Montblanc, na Espanha, e Monção, em Portugal. O nosso Município esteve representado pelo Vice-Presidente da CMM, João Oliveira. 

O documento tem como finalidade promover o intercâmbio e o conhecimento entre os municípios signatários, através da materialização de um processo colaborativo de partilha de experiências, de forma a potenciar esta herança cultural no campo educacional e turístico.

A certificação da Rota Cultural Europeia do S. Jorge e do Dragão será feita pelo Conselho da Europa. Além da assinatura do documento, o programa englobou a realização de várias conferências, com a presença de oradores especializados na temática, bem como a inauguração dos brasões dos municípios, no BillyBird Park Drakenrijk, em Beesel, castelo para as crianças brincarem.

“O memorando de entendimento resultará numa colaboração efetiva e frutuosa entre os municípios, contribuindo para fortalecer o reconhecimento da Rota Cultural Europeia do S. Jorge e do Dragão e, também, para despertar o interesse dos europeus nesta tradição que une e apaixona os cinco municípios”.

João Oliveira

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Monção

Capturard1.JPG

Capturard3.JPG

VIANA DO CASTELO RECEBE EMBAIXADOR DA BÉLGICA EM PORTUGAL

Embaixador da Bélgica em Viana do Castelo para perceber ambiente favorável ao acolhimento empresarial no concelho

O Embaixador da Bélgica em Portugal, Serge Wauthier, esteve em Viana do Castelo e reuniu ontem com o Presidente da Câmara Municipal para tentar perceber o que o Município tem feito para ter um ambiente favorável ao acolhimento de empresas.

Capturarbel5 (3).JPG

Na reunião, Luís Nobre apresentou ao embaixador o Regime de Incentivos da autarquia vianense e realçou os investimentos de origem belga existentes no concelho, nomeadamente a Browning Viana, fundada em 1973, e a Sanitop, criada em 1993.

O autarca destacou igualmente a aposta na Educação por parte do município, que tem representando, nos últimos anos, a segunda maior fatia orçamento municipal, por entender que a educação “é fundamental para uma sociedade mais coesa e funcional”.

Serge Wauthier, que esteve dois dias na capital do Alto Minho, considerou que Viana do Castelo é uma cidade “muito organizada e cuidada”.

Recorde-se que o Regime de Incentivos inclui reduções e isenções de taxas para investidores de empreendimentos turísticos e acolhimento empresarial, atividades económicas relacionadas com as fileiras da agricultura, floresta e produtos de base regional e do mar, setor tecnológico, serviços partilhados e indústrias/atividades criativas, equipamentos de utilização coletiva, abrangendo ainda a regeneração urbana e operações urbanísticas. O regime inclui ainda dispensa de caução ou seguro caução na liquidação de taxas, possibilitando ainda o pagamento em prestações das taxas de ocupação dos lotes do Parque Empresarial da Praia Norte, entre outras medidas.

Entre 2013 e 2021, o Regime apoiou diversas empresas que representaram um investimento global de 355 milhões de euros no concelho, que foram apoiados com reduções e isenções na ordem dos 7 milhões de euros.

Só entre 2021 e 2022, este mesmo regime garantiu 18 milhões de euros de investimentos em Viana do Castelo, apoiados com reduções e isenções de 2,2 milhões, gerando 195 postos de trabalho.

Capturarbel4.JPG

Capturarbel1 (1).JPG

Capturarbel5 (3).JPG

Capturarbel6 (7).JPG

Capturarbel2 (12).JPG

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTOU EM BRUXELAS LIVRO DEDICADO ÀS COMUNIDADES PORTUGUESAS

Na passada sexta-feira, foi apresentado em Bruxelas, o livro Comunidades, Emigração e Lusofonia”.

A obra, prefaciada pelo advogado e comentador Luís Marques Mendes, e que reúne as crónicas que o historiador Daniel Bastos tem escrito nos últimos anos na imprensa de língua portuguesa no mundo, foi apresentada na livraria “La petite portugaise”, um espaço cultural de referência da comunidade lusa na capital da Europa.

La petite portugaise 5 (2).jpg

O historiador Daniel Bastos (esq.), acompanhado do escritor Joaquim Tenreira Martins, no decurso da sessão de apresentação do livro “Comunidades, Emigração e Lusofonia” na capital da Europa

A sessão de apresentação, que levou à livraria portuguesa em Bruxelas, vários emigrantes e dirigentes associativos, esteve a cargo do escritor Joaquim Tenreira Martins, que salientou “que neste livro, Daniel Bastos tem como objetivo informar, divulgar, sugerir, chamar a atenção, refletir, dar opinião” sobre o papel das comunidades portuguesas no mundo.

Refira-se que neste último livro, que tem sido apresentado em diversos espaços da diáspora, o escritor revela o empreendedorismo, as contrariedades, a resiliência e a solidariedade das comunidades portuguesas, a riqueza do seu movimento associativo, e as enormes potencialidades culturais, económicas e políticas que as mesmas representam. Como é caso da comunidade lusa na Bélgica, constituída por cerca de 70 mil pessoas, e que nos últimos anos se tem tornado um dos destinos mais procurados pelos emigrantes portugueses.

Professor e autor de várias obras que retratam a história da emigração portuguesa, Daniel Bastos é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.

La petite portugaise 2 (1).jpg

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRUXELAS LIVRO SOBRE AS COMUNIDADES PORTUGUESAS

No dia 23 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador Daniel Bastos apresenta em Bruxelas, o seu mais recente livro “Crónicas - Comunidades, Emigração e Lusofonia”.

A obra, que reúne as crónicas que o historiador tem escrito nos últimos anos na imprensa de língua portuguesa no mundo, é apresentada às 18h00, na livraria “La petite portugaise”, um espaço cultural de referência da comunidade lusa na capital da Europa.

A apresentação do livro, que é prefaciado pelo advogado e comentador Luís Marques Mendes, e conta com posfácios de Maria Beatriz Rocha-Trindade, Presidente da Comissão de Migrações da Sociedade de Geografia de Lisboa, e de Isabelle Oliveira, Presidente do Instituto do Mundo Lusófono, estará a cargo do escritor Joaquim Tenreira Martins.

Nesta última obra, que tem sido apresentada em diversos espaços da diáspora, o escritor revela o empreendedorismo, as contrariedades, a resiliência e a solidariedade das comunidades portuguesas, a riqueza do seu movimento associativo, e as enormes potencialidades culturais, económicas e políticas que as mesmas representam. Como é caso da comunidade lusa na Bélgica, constituída por cerca de 70 mil pessoas, e que nos últimos anos se tem tornado um dos destinos mais procurados pelos emigrantes portugueses.

Professor e autor de vários livros que retratam a história da emigração portuguesa, Daniel Bastos, que ainda no mês passado apresentou na América do Norte o seu último livro, no âmbito das celebrações dos 70 anos da emigração portuguesa no Canadá, é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA LIVRO SOBRE AS COMUNIDADES PORTUGUESAS EM BRUXELAS

No dia 23 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador Daniel Bastos apresenta em Bruxelas, o seu mais recente livro “Crónicas - Comunidades, Emigração e Lusofonia”.

Daniel Bastos

A obra, que reúne as crónicas que o historiador tem escrito nos últimos anos na imprensa de língua portuguesa no mundo, é apresentada às 18h00, na livraria “La petite portugaise”, um espaço cultural de referência da comunidade lusa na capital da Europa.

A apresentação do livro, que é prefaciado pelo advogado e comentador Luís Marques Mendes, e conta com posfácios de Maria Beatriz Rocha-Trindade, Presidente da Comissão de Migrações da Sociedade de Geografia de Lisboa, e de Isabelle Oliveira, Presidente do Instituto do Mundo Lusófono, estará a cargo do escritor Joaquim Tenreira Martins.

Nesta última obra, que tem sido apresentada em diversos espaços da diáspora, o escritor revela o empreendedorismo, as contrariedades, a resiliência e a solidariedade das comunidades portuguesas, a riqueza do seu movimento associativo, e as enormes potencialidades culturais, económicas e políticas que as mesmas representam. Como é caso da comunidade lusa na Bélgica, constituída por cerca de 70 mil pessoas, e que nos últimos anos se tem tornado um dos destinos mais procurados pelos emigrantes portugueses.

Professor e autor de vários livros que retratam a história da emigração portuguesa, Daniel Bastos, que ainda no mês passado apresentou na América do Norte o seu último livro, no âmbito das celebrações dos 70 anos da emigração portuguesa no Canadá, é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.