Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

SOLSTÍCIO DE INVERNO OCORRE HOJE – É O NATAL DO SOL!

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, “O Solstício de Inverno ocorrerá no dia 21 de dezembro de 2018 às 22h23min, marcando o início da estação no hemisfério norte (a mais fria apesar da Terra vir a estar o mais perto do sol a 3 de janeiro). O sol neste dia de solstício estará o mais baixo possível no céu em Lisboa e aquando da sua passagem meridiana atingirá a altura mínima de 28°.

A tabela abaixo mostra que a duração do dia no Solstício de Inverno é efetivamente a mais curta. A 21 de dezembro de 2018 o disco solar nascerá às 07:51:04 horas e pôr-se-á às 17:18:07 horas em Lisboa.

A duração do dia será de 09:27:03 horas, o que é apenas 1 segundo a menos do que no dia seguinte.

O Inverno prolonga-se por 88,98 dias até ao próximo Equinócio, a 20 de março de 2019.”

Capturar

NATALE SOLIS INVICTI OU O SOLSTÍCIO DE INVERNO

Todo o mundo cristão celebra por esta altura o nascimento de Jesus, não obstante desconhecerem-se quaisquer referências históricas ou bíblicas que mencionem a data em que tal acontecimento se verificou. Por conseguinte, o Natal é festejado a 25 de Dezembro ou a 7 de Janeiro de acordo com as tradições católica ou ortodoxa, em virtude da adopção dos calendários juliano ou gregoriano. Ora, é nesta ocasião que ocorre o solstício do inverno ou nascimento do sol, precisamente a altura em que os raios solares deixam de decrescer e passam de a aumentar, fazendo de novo crescer os dias em relação às noites.

Desde a mais remota antiguidade que o ser humano adorou o sol, deusificando-o e atribuindo-lhe a primazia sobre as demais divindades. Tal sucedeu na Caldeia, na Palestina e no Egipto, aqui adorado sob o nome de Ra. Na antiga Pérsia e na Índia, o deus Sol era designado por Mitra tendo o seu culto dado origem ao mitraísmo que viria mais tarde a rivalizar com o cristianismo a sua influência no Império romano, acabando por vir a sucumbir com a sua queda e mais tarde acabando por desaparecer por completo com o avanço do islamismo na Pérsia. Antes, porém, o mitraísmo fora assimilado pelos gregos e espalhou-se por todo o Império romano. O deus Mitra era geralmente representado por um jovem com um boné frígio, túnica e manto sobre o ombro esquerdo. Esta religião era superiormente dirigida por um sumo pontífice a os seus sacerdotes ostentavam sobre a cabeça uma mitra. Curiosamente, trata-se do chapéu com que os bispos se apresentam quando envergam as vestes pontificais, tendo a sua origem na Pérsia e no Egipto, correspondendo ao turbante e por conseguinte aludindo à adoração de Mitra.

Não admira, pois, que ao culto solar tenha sido sobreposta a adoração ao menino Jesus, sendo-lhe atribuída a data do seu nascimento precisamente numa altura em que os romanos celebravam o natale solis invicti consagrado ao deus Sol, à semelhança do que se verifica com inúmeras festividades pagãs que foram de algum modo adaptadas e "convertidas" à crença cristã. Na mesma ocasião realizavam os romanos as saturnais ou saturnálias que, como o próprio nome indica, eram festividades consagradas a Saturno, trocavam de presentes e organizavam um banquete público, aspectos que de alguma forma podemos relacionar com as tradicionais “festas dos rapazes” em várias localidades de Trás-os-Montes. Aliás, o culto a Saturno chegou a ser muito difundido na Península Ibérica, tendo diversos escritores da antiguidade referido-se à existência de santuários entre os quais se supõe ter havido um na Ínsua do rio Minho, um local onde actualmente as gentes locais vão em peregrinação ao Senhor Jesus dos Mareantes, fazendo festa rija em Agosto. Saturno era o deus protector dos semeadores e das sementes, pelo que os romanos acreditavam que durante as saturnais regressava a abundância, assegurando a fertilidade durante essa época do ano.

Ainda em relação ao mitraísmo, também este possuía extraordinárias semelhanças com o cristianismo, entre as quais a crença no céu e no inferno, na ressurreição, nos pastores que tal como os reis magos ofereciam presentes, no dilúvio, na santificação do domingo, na prática da confissão e da comunhão e, finalmente, a própria celebração do 25 de Dezembro!

A celebração do nascimento de Jesus constitui actualmente uma festa que é vivida com grande grande intensidade pelo povo português e que, apesar da sua significação profundamente religiosa, também não escapa às regras de funcionamento de uma sociedade mercantilizada, virada cada vez mais para os interesses materiais em detrimento dos valores espirituais. Não obstante, as festividades da quadra natalícia encontram-se profundamente enraizadas no nosso folclore revelando-se através das mais diversas manifestações de cariz popular, na gastronomia, na música, nas lendas e de um modo geral em todos os aspectos que envolvem tais celebrações. Não obstante, temos principalmente nos últimos tempos vindo a constatar que tradições oriundas de outros países têm vindo a substituir alguns costumes genuínos do nosso povo, como sucede com a reverência ao "Pai Natal", agora destituído para dar lugar a S. Nicolau, quando outrora as festividades decorriam exclusivamente em torno do "menino Jesus". Da mesma forma que o tradicional presépio cedeu o lugar ao nórdico pinheiro de Natal enfeitado com flocos de neve, mesmo em locais onde jamais nevou...

GOMES, Carlos. http://www.folclore-online.com/

ARCUENSES VÃO AO SOAJO VER ESTRELAS

Soajo ao luar – Trekking com estrelas

No próximo dia 2 de Fevereiro, a ARDAL-Porta do Mezio, em parceria com a Borealis, proporcionará um fantástico programa noturno, um mini-trekking com visita guiada às estrelas na encantadora aldeia do Soajo, em Arcos de Valdevez. 

Trekking com as estrelas

Pelo trilho dos Caminhos do Pão e da Fé, em noite de luar, espera-nos uma viagem de conhecimento e descoberta com várias paragens ao longo do percurso para desvendar os mistérios das noites estreladas, conhecer pelo nome as principais estrelas e as constelações noturnas, compreender as fases do ciclo de vida das mesmas e estabelecer contacto com a magia das noites consteladas do norte de Portugal.

Entre outras curiosidades poderemos também apreender noções e métodos de orientação baseados nas estrelas e dicas de leitura de um mapa celeste.

Uma experiência para ser desfrutada por todos, em família, numa perfeita noite de Verão, de lua cheia, onde a Lua e Saturno estarão na mira do telescópio.

Os interessados devem inscrever-se através do formulário existente no endereço: http://borealis.pt/produto/soajo-trekking-com-estrelas/

Para mais informações contactar a Porta do Mezio através do 258 510 100 ou através do correio eletrónico portadomezio@ardal.pt.

ARCUENSES VÃO VER ESTRELAS

Soajo ao luar – Trekking com estrelas

No próximo dia 29 de Dezembro, a ARDAL-Porta do Mezio, em parceria com a Borealis, proporcionará um fantástico programa noturno, um mini-trekking com visita guiada às estrelas na encantadora aldeia do Soajo, em Arcos de Valdevez. 

cartaz_soajo_ao_luar

Pelo trilho dos Caminhos do Pão e da Fé, em noite de luar, espera-nos uma viagem de conhecimento e descoberta com várias paragens ao longo do percurso para desvendar os mistérios das noites estreladas, conhecer pelo nome as principais estrelas e as constelações noturnas, compreender as fases do ciclo de vida das mesmas e estabelecer contacto com a magia das noites consteladas do norte de Portugal.

Entre outras curiosidades poderemos também apreender noções e métodos de orientação baseados nas estrelas e dicas de leitura de um mapa celeste.

Uma experiência para ser desfrutada por todos, em família, numa perfeita noite de Verão, de lua cheia, onde a Lua e Saturno estarão na mira do telescópio.

Os interessados devem inscrever-se através do formulário existente no endereço: http://borealis.pt/produto/soajo-trekking-com-estrelas/

Para mais informações contactar a Porta do Mezio através do 258 510 100 ou através do correio eletrónico portadomezio@ardal.pt.

ARCUENSES VÃO VER ESTRELAS

Local internacional de observação de estrelas em implementação pela ARDAL

Preparado para ver estrelas?

Já decorrem a bom ritmo os esforços de concretização da candidatura “Local Dark Sky no Território do Parque Nacional da Peneda-Gerês”, aprovada no âmbito do programa Norte 2020 Património Natural, promovida pela ARDAL.

observação de estrelas (1) - Cópia

Após a adjudicação do projeto à empresa Borealis On Trekking (www.borealis.pt), que tem vindo nos últimos anos a desenvolver em parceria com a ARDAL vários eventos de observação de estrelas, foram concluídas as fases de estudo global de requisitos de certificação Local Dark Sky (LDS) no território do PNPG. Um Local Dark Sky (LDS) é um território que possui uma qualidade excepcional de noites estreladas e um ambiente noturno que é protegido pelo seu interesse científico, natural, educacional e cultural. A certificação será obtida através de um organismo internacionalmente reconhecido e com certificações já atribuídas sobretudo em locais nos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e França.

O desenvolvimento e implementação de um local certificado de observação de estrelas permite a criação de uma janela para o universo, explorando o território numa nova dimensão. Este olhar para cima, cria a terceira dimensão dentro do espaço físico do PNPG, permitindo complementar a atual oferta de Turismo de Natureza com uma nova e inovadora gama de produtos turísticos ligados à observação do céu noturno, permitindo aumentar a oferta da região de forma inovadora, com novos produtos e eventos que ocorrem tendencialmente à noite. A dinâmica do LDS irá promover e contribuir para uma oferta de ecoturismo única e altamente diferenciada, captando novos mercados turísticos para a região. O aparecimento destes programas de alto valor e interesse vai fixar turistas na região por mais dias.

O LDS integra um vetor estratégico de grande relevância num território de desenvolvimento turístico e de revitalização social e económica que permitirá afirmar a região como destino único e de excelência a nível mundial. De âmbito regional, terá impacto na oferta turística do país com a projeção internacional desta certificação.

Os primeiros passos estão dados para transformar o PNPG num território de excelência para observação das noites estreladas.

observação de estrelas (2) - Cópia

“ASTRONOMIA NA SERRA D’ARGA” CONVIDA A UM SERÃO DIFERENTE

Dia 19, o ponto de encontro é em Arga de Baixo e a participação livre

“Astronomia na Serra d’Arga” é o tema de uma atividade que vai ter lugar no próximo dia 19, à noite, e que convida a um serão diferente, em plena Serra d’Arga, a contemplar o céu e a ver mais e mais longe, com a ajuda de equipamentos próprios e beneficiando dos ensinamentos de quem sabe destas coisas.

O ponto de encontro é em Arga de Baixo, junto à antiga escola primária. Quem estiver interessado numa noite de sábado distinta do habitual, só tem de subir a serra e comparecer por volta das 21h00, porque a participação é livre.                      

A organização é da responsabilidade da Divisão de Ambiente da Câmara Municipal de Caminha. Esta atividade encontra-se inserida na programação anual do CISA – Centro de interpretação da Serra d’Arga. A iniciativa permite aos participantes, em destaque para a população do interior do concelho, ter uma oportunidade de aprender alguns conceitos científicos relacionados com a astronomia, bem como utilizar telescópios para fazer observações do céu noturno.

A atividade terá orientação de Carlos Venade.

HORA LEGAL MUDA NO PRÓXIMO DOMINGO

No próximo Domingo, dia 25 de Outubro, às 0100 UTC (0200 no Continente/Madeira e 0100 nos Açores) a hora legal será alterada, devendo os relógios ser atrasados em 60 minutos. Passaremos ao fuso 0 no Continente/Madeira e ao fuso +1 nos Açores.

Assim, a noite de Sábado para Domingo será uma hora mais longa, pelo que se sugere atenção a este facto para qualquer compromisso que exista para a manhã de Domingo.

A Hora Legal em Portugal é definida pelo Observatório Astronómico de Lisboa, instituição criada por Carta de Lei em 6 de maio de 1878, no reinado de D. Luís.

Discutia-se então entre os astrónomos sobre a paralaxe da estrela de Argelander ou seja, a diferença na posição aparente em virtude da necessidade de medição da sua distância. Com o objetivo de promover a nova Astronomia Sideral e efetuar o mapeamento do céu e medir o tamanho do universo, foi então decidido edificar o Observatório Astronómico de Lisboa por ser a capital portuguesa o único local do continente europeu onde era possível observar a estrela de Argelander utilizando uma luneta zenital.

O edifício do observatório foi construído à semelhança do Observatório de Pulkovo, na Rússia, sob a orientação do arquiteto francês Jean-François Colson.

Era também a partir do Observatório Astronómico de Lisboa que, antes de existir sinal de rádio, os navios recebiam em Lisboa a hora legal, através de um sistema semafórico instalado ao longo da costa, até Belém, a partir de um posto situado perto do cais do Sodré, equipado com um relógio mecânico que se encontrava ligado ao Observatório de Lisboa através de um cabo elétrico. A partir de 2009, a emissão da hora legal é assegurada através dos relógios atómicos do Observatório Astronómico de Lisboa.

A decisão mudar a hora legal remonta a 1916, no contexto da primeira grande guerra e teve como objetivo proceder à poupança do consumo de energia. A ideia foi recuperada em 1973, devido à crise petrolífera provocada pelo embargo imposto pelos países da OPEP aos Estados Unidos da América e países europeus em virtude do apoio concedido a Israel e, finalmente, em 1981, a mudança da hora legal foi estabelecido através de uma diretiva da CEE.

Observatório de Pulkovo. Foto: Vladimir Ivanov

ARCUENSES VÃO VER ESTRELAS

Visita às Estrelas no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Porta do Mezio, em parceria com a empresa Borealis on Trekking, vai realizar uma visita às estrelas, no próximo dia 26 de Junho.

Esta iniciativa visa proporcionar uma viagem de conhecimento e descoberta, para desvendar os mistérios das noites estreladas, conhecer pelo nome as principais estrelas e as constelações noturnas, compreender as fases do ciclo de vida das mesmas e estabelecer contacto com a magia das noites consteladas do Parque Nacional da Peneda Gerês.

Entre outras curiosidades poderemos também apreender noções e métodos de orientação baseados nas estrelas e dicas de leitura de um mapa celeste.

Uma experiência para ser desfrutada por todos, em família, numa perfeita noite de Verão, onde a Lua, Vénus, Júpiter e Saturno estarão na mira do nosso telescópio.

Os mistérios que o Universo encerra e os seus magníficos corpos celestes são o mote para esta fascinante e imperdível atividade que nos transportará para o arrebatador mundo das estrelas. Combinando formação teórica e prática, esta será a oportunidade de ouro para apreciar a Via Láctea e alguns dos planetas do Sistema Solar.

Venha ver as estrelas, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, através do nosso telescópio.

Os interessados devem inscrever-se na Porta do Mezio ou através do telefone n.º 258 510 100 / 258 522 157 ou através do correio eletrónico: portadomezio@ardal.pt.

Ponto de Encontro:

  • Hora e ponto de encontro da atividade:21h30,  Porta do Mezio, Mezio, Arcos de Valdevez.
  • Hora e ponto de encontro alternativo: 20h30, saída do Parque de estacionamento do Instituto Ibérico de Nanotecnologia (antiga Bracalândia), Braga.

Inclui:

  • Um programa de astronomia e observação de estrelas e planetas com telescópio;
  • Acompanhamento técnico especializado por formador da área;
  • Mapa das estrelas;
  • Seguro de acidentes pessoais;
  • Reportagem fotográfica digital da atividade.

O que levar:

  • Roupa confortável e adequada ao clima;

CAMINHA HOMENAGEIA LUCIANO PEREIRA DA SILVA

CAMINHA VAI ACOLHER COLÓQUIO INTERDISCIPLINAR DOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE LUCIANO PEREIRA DA SILVA (1864-1926) NOS DIAS 21 E 22 DE NOVEMBRO

A atividade é promovida pelo Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e pela Câmara Municipal de Caminha

Caminha vai homenagear Luciano Pereira da Silva, um homem que se destacou em áreas como a matemática, a física astronómica e a ciência náutica e cujo trabalho desenvolvido continua a ser uma referência. O Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e a Câmara Municipal de Caminha vão assinalar a data dos 150 anos do nascimento com a realização do Colóquio Interdisciplinar dos 150 anos do Nascimento de Luciano Pereira da Silva, nos dias 21 e 22 de novembro.

O Colóquio Interdisciplinar vai proporcionar diversas atividades: palestras com nomes importantes da comunidade académica nacional, em áreas como a ciência náutica, a astronomia ou a matemática atuarial; exposições, como é o caso da exposição biobibliográfica sobre Luciano Pereira da Silva, com a contribuição de espólios particulares e da Biblioteca do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; o lançamento da reedição do livro “A Astronomia dos Lusíadas” do estudioso caminhense, que é fac-símile da edição de 1915, com anotações do próprio autor e uma noite de teatro, com a estreia da peça “Novo céu”, da autoria do sobrinho bisneto de Luciano Pereira da Silva, António Luciano Roma Torres.

Assim, na sexta-feira, dia 21, o Colóquio tem início às 18 horas, no Museu Municipal de Caminha, com a abertura da mostra de trabalhos do concurso escolar da Escola Básica e Secundária de Caminha “Ciência Náutica e instrumentos de navegação na época de expansão marítima portuguesa”. A seguir será inaugurada a exposição biobibliográfica sobre Luciano Pereira da Silva, com a contribuição de espólios particulares e da Biblioteca do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Às 19 horas, vai decorrer o lançamento da reedição do livro “A Astronomia dos Lusíadas”, de Luciano Pereira da Silva, fac--símile da edição de 1915 anotada pelo autor, existente no espólio da Biblioteca do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

O primeiro dia do Colóquio termina com a apresentação da peça de Teatro “NOVO CÉU”, de António Luciano Roma Torres, às 21h30, no Valadares, Teatro Municipal.

No dia 22, o Valadares, Teatro Municipal é palco das várias palestras que compõem o Colóquio. A partir das 9 horas, será possível assistir às seguintes intervenções: “Luciano Pereira da Silva e a história da ciência náutica portuguesa”, a cargo de Henrique Leitão (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa); “A Astronomia dos Lusíadas”, a cargo de Máximo Ferreira (Centro Ciência Viva de Constância); “Luciano Pereira da Silva e a criação do Gabinete de Geometria da Universidade de Coimbra”, a cargo de Carlota Simões (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra) e “A Astronomia no currículo escolar, do tempo de Luciano Pereira da Silva à atualidade”, por Agostinho Oliveira (Escola Básica e Secundária de Caminha).

Da parte da tarde, as palestras continuam: “Luciano Pereira da Silva e a Matemática Actuarial em Portugal”, a cargo de Ana Patrícia Martins (Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viseu / Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, FCUL-FCT-UN); “Luciano Pereira da Silva e Sidónio Pais: notas de uma amizade transcaminiana”, por Armando Malheiro da Silva (Faculdade de Letras da Universidade do Porto) e “Luciano Pereira da Silva e a Caminha do seu tempo”, a cargo de Paulo Torres Bento (Escola Básica e Secundária de Caminha).

Caminha,13 de novembro de 2014

Gabinete de Informação ao Munícipe

Informação Adicional:

No sítio da internet http://cvc.instituto-camoes.pt/ciencia/p33.html pode ler-se:

“Luciano P. de Silva (1864-1926)

Luciano António Pereira da Silva nasceu em Caminha em 21 de Novembro de 1864, tendo ingressado em 1881 na Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra, onde obteve o bacharelato em 1883, com 19 anos. Frequentou em seguida o curso de Engenharia Militar da Escola do Exército, entre 1883 e 1886. Voltou depois à Universidade, onde se doutorou em 1888 com a dissertação intitulada Pressões Desenvolvidas no Interior dos Líquidos em Movimento. Foi nomeado lente substituto da Faculdade de Matemática em 1889, e lente catedrático em 1902. Inicialmente regeu a cadeira de Cálculo Diferencial e Integral, e posteriormente, a partir de 1904, passou a reger a de Mecânica Celeste.

A partir de Março de 1913 passou a leccionar em acumulação na Escola Normal Superior, onde regeu as cadeiras de metodologia das Ciências Matemáticas e História da Pedagogia. Nomeado director desta escola em 1915, exerceu este cargo até à extinção da mesma em 1924. Apenas interrompeu as suas funções docentes em dois períodos. Entre 1901 e 1903, quando foi deputado ao Parlamento e entre 1909 e 1910, quando exerceu as funções de governador civil de Coimbra.

Atividade Científica

Luciano Pereira da Silva desenvolveu trabalho de investigação nos domínios da História da Astronomia em Portugal, da Ciência Náutica e dos Descobrimentos portugueses. Um dos seus primeiros textos foi um dos mais importantes de toda a sua obra: A Astronomia dos Lusíadas. Este título foi publicado inicialmente em diversos números da Revista da Universidade de Coimbra (vols. II-IV, 1913-1915), foi editado em livro em 1915 como Separata dessa mesma revista e reeditado em 1972 em Lisboa, pela Junta de Investigações Ultramar. Neste trabalho, Luciano da Silva faz um estudo pormenorizado das referências astronómicas contidas n' Os Lusíadas de Luís de Camões, mostrando que os fenómenos astronómicos aí incluídos estão de acordo com as ideias científicas da época. Descreve ainda os instrumentos e técnicas de observações mais utilizadas neste período e identifica os textos onde Camões terá recolhido a informação científica que revela.

A propósito dos conhecimentos astronómicos de Camões, Luciano da Silva afirma o seguinte, em A Astronomia dos Lusíadas: "O nosso estudo mostra que Camões tinha um conhecimento claro e seguro dos princípios fundamentais da astronomia, como ela se professava no seu tempo. Ele tinha até por esta ciência um gosto especial, pois o que sobretudo inveja aos que gozam a vida tranquila do campo é poderem dedicar-se à astronomia, (...)." (p.2)

Os seus conhecimentos de Astronomia permitiam-lhe estudar com rigor a ciência náutica dos portugueses na época dos descobrimentos, cujo estudo introduziu no ensino universitário. Através dos seus estudos, contribuiu para desacreditar as teses do explorador e naturalista Alexander von Humboldt (1769-1859) e de historiadores alemães sobre o papel do alemão Martin Behaim no desenvolvimento da ciência náutica em Portugal. Luciano Pereira da Silva, tal como o seu contemporâneo Joaquim Bensaúde (1859-1952) e, mais tarde, Luís de Albuquerque (1917-1992), provaram que essas teses estavam erradas, reforçando o papel dos cosmógrafos e cartógrafos portugueses e hispanos no desenvolvimento da ciência náutica dos sécs. XV e XVI. De facto, provou-se que o Guia Náutico de Munique derivava do Almanach Perpetuum de Abraão Zacuto, não tendo por isso a importância que os estudiosos alemães dos finais do século XIX lhe concediam, ao pretenderem dessa forma retirar valor aos estudiosos e navegadores portugueses.

No texto que escreveu em 1927 sobre Luciano Pereira da Silva, Joaquim Bensaúde destaca o seu papel na valorização da ciência náutica dos portugueses de quinhentos: "O esforço de Luciano Pereira da Silva, reunido à longa série dos seus brilhantíssimos estudos, inaugurou de vez o período de reivindicação histórica no mundo escolar e universitário. É essa a sua obra íntima que é urgente alargar e desenvolver. Por esta via se completará a ciência náutica desde o Regimento primitivo até à obra de D. João de Castro; (...)." (Bensaúde, 1927, p. 22)

Luciano da Silva colaborou na História da Colonização Portuguesa do Brasil, editada em 1921-1924 e coordenada por Carlos Malheiro Dias (1875-1941), Ernesto de Vasconcelos (1852-1930) e Alfredo Roque Gameiro (1864-1935), onde escreveu os capítulos 1º e 4º do I volume, relativos à ciência náutica dos portugueses.

Publicações

Astronomia e Ciência náutica

"A Astronomia dos Lusíadas", Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1913 a 1915.

"A astronomia náutica das descobertas portuguesas. Estudo e transcrição do artigo do prof. L. Gallois (Sorbonne) sobre o livro «L'Astronomie nautique» de J. Bensaúde", Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1914.

"Os dois doutores Pedro Nunes", Revista da Universidade de Coimbra Coimbra, 1914.

"As tábuas náuticas portuguesas e o Almanach perpetuum de Zacuto", Boletim de 2ª classe da Academia das Sciencias, Lisboa, 1916.

"O livro do Sr. J. Bensaúde «L'Astronomie nautique apreciado pelo Sr. Pedro de Novo y Colson na Real Academia de História de Madrid", Revista de História, Porto, 1916.

"O astrolábio náutico dos portugueses", A Águia, Porto, 1917.

"Astrolábios existentes em Portugal", Folhas douro, Lisboa, 1917.

"A Estrela Vénus nos Lusíadas", A Águia, Porto, 1917.

"As edições fac-similadas do Sr. J. Bensaúde", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1920.

"A primeira edição dos tratados latinos sôbre a Arte de navegar de Pedro Nunes", Anais das bibliotecas e Arquivos, Lisboa, 1921.

"A arte de navegar dos portugueses desde o Infante a D. João de Castro", in História da Colonização do Brasil, Porto, 1922.

"O astrolábio da Sociedade de Geografia e o nónio de Pedro Nunes", Jornal de Sciencias Matemáticas, Lisboa, 1924.

"Kamal, Tábuas da Índia e Tavoletas náuticas", Lusitânia, Lisboa, 1924.

"O Regimento de Navegacion de Pedro de Medina", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1924.

"O astrólogo João Gil e o Livro de Monteria", Lusitânia, Lisboa, 1924.

"A Regra geral das festas mudáveis de Gonçalo Trancoso", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1925.

"As obras de Pedro Nunes, sua cronologia bibliográfica", Arquivo de História e Bibliografia, Coimbra, 1925.

"Pedro Nunes espoliado por Alonso de Sauta Cruz", Lusitânia, Lisboa, 1925.

"A concepção cosmológica nos Lusíadas", Lusitânia, Lisboa, 1925.

"Um astrolábio náutico do século XVI", Ilustração, Lisboa, 1926.

"Um astrolábio do século XVII", Lusitânia, Lisboa, 1926.

"O astrolábio universal da Sociedade de Geografia de Lisboa", Jornal de Sciencias Matemáticas, Lisboa, 1926.

História dos descobrimentos

"O Esmeraldo de Duarte Pacheco- Razão dêste título", Anais das Bibliotecas e Arquivos, Coimbra, 1920.

"Duarte Pacheco Pereira precursor de Cabral", in História da Colonização do Brasil, Porto, 1923.

“A propósito das leituras do Infante”, Lusitânia, Lisboa, 1924.

“O Roteiro das primeiras viagens do Gania e a suposta conjuração”, O Instituto, Coimbra, 1925.

“João Dias de Sólis, piloto português”, Lusitânia, Lisboa, 1926.

Fernando Reis

Bibliografia

ALBUQUERQUE, Luís de, “Silva, Luciano Pereira da (1864-1926)”, in SERRÃO, Joel (dir.), Dicionário de História de Portugal, Porto, Figueirinhas, 1981, vol. V.

BASTOS, H. Teixeira, “O D. Luciano Pereira da Silva”, Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1927, pp. 584-590.

BENSAÚDE, Joaquim, “Luciano Pereira da Silva”, O Instituto, vol. 74, n.º 3, pp. 5-36. (reproduzido com alterações com o título “Luciano Pereira da Silva e a sua obra”, in SILVA, Luciano Pereira da, Obras Completas, Lisboa, Agência Geral das Colónias, 1926, vol. 1, XV-LV.)

CARVALHO, Joaquim de, “In Memoriam do Dr. Luciano Pereira da Silva”, in CARVALHO, Joaquim, Obra Completa, Lisboa, Fundação Calouste

Gulbenkian, 1987, vol. V, pp. 161-165.

SILVA, Luciano Pereira da, Obras completas, Lisboa : Agência Geral das Colónias, 1943-1946, 3 vols.

Apontadores

A Astronomia de “Os Lusíadas”

Luciano Pereira da Silva”

CERVEIRENSES VÃO VER ESTRELAS

San Payo convida a observar as ‘Estrelas no Convento’

Sexta-feira, 25 de julho, as estrelas guiam-no até ao Convento de San Payo, em Vila Nova de Cerveira. A direção daquele espaço desafia a população para uma descoberta das estrelas e da lua, sempre na companhia de astrónomos. ‘Estrelas no Convento’ tem início às 21h00.

Convento San Payo

Esta iniciativa combina a astronomia de verão e a ciência viva com um espaço emblemático como são os jardins do Convento San Payo. Para ale´m da observação das estrelas e da lua, as ‘Estrelas no Convento’ constitui-se como uma oportunidade de visitar o Museu à noite, participar na visita guiada e até optar por um piquenique nocturno.

A organização é do Convento San Payo e Escola Secundária Caldas das Taipas, Guimarães, com o apoio da Agência Nacional para Cultura Científica e Tecnológica.

ASTRONOMIA DE VERÃO AMANHÃ À NOITE NA PRAIA DE MOLEDO

Astronomia e Biologia no Verão são as novas atividades que o concelho de Caminha oferece já a partir de amanhã. No concelho, o programa “Ciência Viva no Verão 2014” arranca amanhã, dia 24 de julho, com a atividade “Astronomia em Moledo”, às 21h45, na praia de Moledo. Este programa inclui várias ações em Âncora, Seixas, Caminha, Moledo e Vila Praia de Âncora e a participação é gratuita.

De 15 de julho a 15 de setembro, a Ciência Viva está a desenvolver o programa “Ciência Viva no Verão 2014” que inclui mais de 1600 ações em todo o país, acompanhadas de especialistas de instituições científicas, centros ciência viva, associações, autarquias e empresas. O objetivo é descobrir a ciência.

No concelho de Caminha vão decorrer 13 ações de observação astronómica e de biologia. A participação nas ações é gratuita. A inscrição deverá ser realizada online ou através da Linha Ciência Viva no Verão 21 898 50 50 (das 9h00 às 18h00).

O programa “Ciência Viva no Verão 2014” vem juntar-se assim à panóplia de atividades que estão a ser desenvolvidas no concelho de Caminha, com destaque para o turismo cultural, de sol e praia, gastronómico, náutico, ativo e religioso.

Assim, a Astronomia no Verão vai permitir observar as estrelas, a Lua e os planetas do sistema solar, bem como espreitar objetos longínquos no firmamento, sempre na companhia de astrónomos e dos seus telescópios.

Na Biologia no Verão parte-se à descoberta da flora e da fauna que habitam os sapais, jardins, estuários e marés do nosso país. Um grupo de biólogos guiará estas ações de contacto direto com a Natureza.

Assim, amanhã, dia 24 de julho, vai decorrer a ação “Astronomia em Moledo”, às 21h45. Esta ação não obriga a inscrição prévia. Basta aparecer no parque de estacionamento norte junto ao posto de Turismo.

Com uma duração de 4 horas, nesta ação podem participar crianças a partir dos 3 anos. O objetivo é dinamizar atividades relacionadas com a Astronomia, explorando conceitos científicos curiosos sobre o tema, com a presença de um astrónomo. Inclui observação celeste com telescópios.

A próxima atividade de astronomia decorre no dia 30 de julho, em Caminha.

A Biologia no Verão começa sábado, dia 26 de julho, com a ação “Anilhagem científica das aves – Paul do Coura”. A ação decorre às 9 horas, em Seixas.

Mais informações em http://www.cienciaviva.pt/veraocv/2014/.

VIMARANENSES VÃO VER ESTRELAS

Noite de Astronomia tem lugar hoje, a partir das 21h30, no Paço dos Duques na iniciativa “Quintas à Noite”

Evento desta quinta-feira à noite inclui visita ao telhado, mas também ao Quarto Presidencial. Entrada gratuita.

z

O Paço dos Duques de Bragança organiza esta quinta-feira, 17 de julho, pelas 21:30 horas, uma Noite de Astronomia com visita ao telhado, no âmbito da iniciativa semanal “Quintas à noite”, que está a decorrer em Guimarães neste mês de julho.

Com entrada livre, a iniciativa, que inclui uma visita ao Quarto Presidencial do Palácio, tem a colaboração do Clube de Astronomia da Escola Secundária das Taipas.

Na próxima quinta-feira, 24 de julho, ainda no âmbito desta temática, realiza-se uma sessão de cinema, pelas 21:30 horas, com a projeção do filme “O Processo do Rei”. A exibição da película, realizada por João Mário Grilo, tem o apoio do Cineclube de Guimarães.

No final do mês, no dia 31 de julho, à mesma hora, será organizada uma visita com lanterna ao interior do Paço dos Duques de Bragança. Os interessados em participar nesta iniciativa terão de levar lanterna própria.

Até ao momento, as “Quintas à Noite” já receberam no Palácio um concerto dos “Jovens Cantores de Guimarães” e uma “Aula Aberta de Guitarra e Concerto”, ambos os eventos com a colaboração da Academia de Música Valentim Moreira de Sá.

QUEM FOI O CAMINHENSE LUCIANO PEREIRA DA SILVA?

Luciano António Pereira da Silva nasceu em Caminha em 21 de Novembro de 1864, tendo ingressado em 1881 na Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra, onde obteve o bacharelato em 1883, com 19 anos. Frequentou em seguida o curso de Engenharia Militar da Escola do Exército, entre 1883 e 1886. Voltou depois à Universidade, onde se doutorou em 1888 com a dissertação intitulada Pressões Desenvolvidas no Interior dos Líquidos em Movimento. Foi nomeado lente substituto da Faculdade de Matemática em 1889, e lente catedrático em 1902. Inicialmente regeu a cadeira de Cálculo Diferencial e Integral, e posteriormente, a partir de 1904, passou a reger a de Mecânica Celeste.

A partir de Março de 1913 passou a leccionar em acumulação na Escola Normal Superior, onderegeu as cadeiras de metodologia das Ciências Matemáticas e História da Pedagogia. Nomeado director desta escola em 1915, exerceu este cargo até à extinção da mesma em 1924. Apenas interrompeu as suas funções docentes em dois períodos. Entre 1901 e 1903, quando foi deputado ao Parlamento e entre 1909 e 1910, quando exerceu as funções de governador civil de Coimbra. 

Actividade Científica

Luciano Pereira da Silva desenvolveu trabalho de investigação nos domínios da História da Astronomia em Portugal, da Ciência Náutica e dos Descobrimentos portugueses. Um dos seus primeiros textos foi um dos mais importantes de toda a sua obra: A Astronomia dos Lusíadas. Este título foi publicado inicialmente em diversos números da Revista da Universidade de Coimbra (vols. II-IV, 1913-1915), foi editado em livro em 1915 como Separata dessa mesma revista e reeditado em 1972 em Lisboa, pela Junta de Investigações  Ultramar. Neste trabalho, Luciano da Silva faz um estudo pormenorizado das referências astronómicas contidas n' Os Lusíadas de Luís de Camões, mostrando que os fenómenos astronómicos aí incluídos estão de acordo com as ideias científicas da época. Descreve ainda os instrumentos e técnicas de observações mais utilizadas neste período e identifica os textos onde Camões terá recolhido a informação científica que revela.

A propósito dos conhecimentos astronómicos de Camões, Luciano da Silva afirma o seguinte, em A Astronomia dos Lusíadas: "O nosso estudo mostra que Camões tinha um conhecimento claro e seguro dos princípios fundamentais da astronomia, como ela se professava no seu tempo. Ele tinha até por esta ciência um gosto especial, pois o que sobretudo inveja aos que gozam a vida tranquila do campo é poderem dedicar-se à astronomia, (...)." (p.2)

Os seus conhecimentos de Astronomia permitiam-lhe estudar com rigor a ciência náutica dos portugueses na época dos descobrimentos, cujo estudo introduziu no ensino universitário. Através dos seus estudos, contribuiu para desacreditar as teses do explorador e naturalista Alexander von Humboldt (1769-1859) e de historiadores alemães sobre o papel do alemão Martin Behaim no desenvolvimento da ciência náutica em Portugal. Luciano Pereira da Silva, tal como o seu contemporâneo Joaquim Bensaúde (1859-1952) e, mais tarde, Luís de Albuquerque (1917-1992), provaram que essas teses estavam erradas, reforçando o papel dos cosmógrafos e cartógrafos portugueses e hispanos no desenvolvimento da ciência náutica dos sécs. XV e XVI. De facto, provou-se que o Guia Náutico de Munique derivava do Almanach Perpetuum de Abraão Zacuto, não tendo por isso a importância que os estudiosos alemães dos finais do século XIX lhe concediam, ao pretenderem dessa forma retirar valor aos estudiosos e navegadores portugueses.

No texto que escreveu em 1927 sobre Luciano Pereira da Silva, Joaquim Bensaúde destaca o seu papel na valorização da ciência náutica dos portugueses de quinhentos: "O esforço de Luciano Pereira da Silva, reunido à longa série dos seus brilhantíssimos estudos, inaugurou de vez o período de reivindicação histórica no mundo escolar e universitário. É essa a sua obra íntima que é urgente alargar e desenvolver. Por esta via se completará a ciência náutica desde o Regimento primitivo até à obra de D. João de Castro; (...)." (Bensaúde, 1927, p. 22)

Luciano da Silva colaborou na História da Colonização Portuguesa do Brasil, editada em 1921-1924 e coordenada por Carlos Malheiro Dias (1875-1941), Ernesto de Vasconcelos (1852-1930) e Alfredo Roque Gameiro (1864-1935), onde escreveu os capítulos 1º e 4º do I volume, relativos à ciência náutica dos portugueses.

Publicações

Astronomia e Ciência náutica

"A Astronomia dos Lusíadas", Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1913 a 1915.

"A astronomia náutica das descobertas portuguesas. Estudo e transcrição do artigo do prof. L. Gallois (Sorbonne) sobre o livro «L'Astronomie nautique» de J. Bensaúde", Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1914.

"Os dois doutores Pedro Nunes", Revista da Universidade de Coimbra Coimbra, 1914.

"As tábuas náuticas portuguesas e o Almanach perpetuum de Zacuto", Boletim de 2ª classe da Academia das Sciencias,Lisboa, 1916.

"O livro do Sr. J. Bensaúde «L'Astronomie nautique apreciado pelo Sr. Pedro de Novo y Colson na Real Academia de História de Madrid"Revista de História, Porto, 1916.

"O astrolábio náutico dos portugueses", A Águia, Porto, 1917.

"Astrolábios existentes em Portugal", Folhas douro, Lisboa, 1917.

"A Estrela Vénus nos Lusíadas", A Águia, Porto, 1917.

"As edições fac-similadas do Sr. J. Bensaúde", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1920.

"A primeira edição dos tratados latinos sôbre a Arte de navegar de Pedro Nunes", Anais das bibliotecas e Arquivos,Lisboa, 1921.

"A arte de navegar dos portugueses desde o Infante a D. João de Castro", in História da Colonização do Brasil, Porto,1922.

"O astrolábio da Sociedade de Geografia e o nónio de Pedro Nunes", Jornal de Sciencias Matemáticas, Lisboa, 1924.

"Kamal, Tábuas da Índia e Tavoletas náuticas", Lusitânia, Lisboa, 1924.

"O Regimento de Navegacion de Pedro de Medina", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1924.

"O astrólogo João Gil e o Livro de Monteria", Lusitânia, Lisboa, 1924.

"A Regra geral das festas mudáveis de Gonçalo Trancoso", Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Coimbra,1925.

"As obras de Pedro Nunes, sua cronologia bibliográfica", Arquivo de História e Bibliografia,  Coimbra, 1925.

"Pedro Nunes espoliado por Alonso de Sauta Cruz", Lusitânia, Lisboa, 1925.

"A concepção cosmológica nos Lusíadas", Lusitânia, Lisboa, 1925.

"Um astrolábio náutico do século XVI", Ilustração, Lisboa, 1926.

"Um astrolábio do século XVII", Lusitânia, Lisboa, 1926.

"O astrolábio universal da Sociedade de Geografia de Lisboa", Jornal de Sciencias Matemáticas, Lisboa, 1926.

História dos descobrimentos

"O Esmeraldo de Duarte Pacheco- Razão dêste título", Anais das Bibliotecas e Arquivos, Coimbra, 1920.

"Duarte Pacheco Pereira precursor de Cabral", in História da Colonização do Brasil, Porto, 1923.

“A propósito das leituras do Infante”, Lusitânia, Lisboa, 1924.

“O Roteiro da primeira viagens do Gania e a suposta conjuração”, O Instituto, Coimbra, 1925.

“João Dias de Sólis, piloto português”, Lusitânia, Lisboa, 1926.

Fernando Reis

Bibliografia

ALBUQUERQUE, Luís de, “Silva, Luciano Pereira da (1864-1926)”, in SERRÃO, Joel (dir.), Dicionário de História de Portugal,Porto, Figueirinhas, 1981, vol. V.

BASTOS, H. Teixeira, “O D. Luciano Pereira da Silva”, Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1927, pp. 584-590.

BENSAÚDE, Joaquim, “Luciano Pereira da Silva”, O Instituto, vol. 74, n.º 3, pp. 5-36. (reproduzido com alterações com o título “Luciano Pereira da Silva e a sua obra”, in SILVA, Luciano Pereira da, Obras Completas, Lisboa, Agência Geral das Colónias, 1926, vol. 1, XV-LV.)

CARVALHO, Joaquim de, “In Memoriam do Dr. Luciano Pereira da Silva”, in CARVALHO, Joaquim, Obra Completa, Lisboa, Fundação Calouste

Gulbenkian, 1987, vol. V, pp. 161-165.

SILVA, Luciano Pereira da, Obras completas, Lisboa : Agência Geral das Colónias, 1943-1946, 3 vols.

Fonte: http://cvc.instituto-camoes.pt/

ASTRÓNOMOS DO MINHO VÃO PÔR OS LIMIANOS A VER ESTRELAS

Astronomia em Ponte de Lima. 20 de Julho / 21h45

A ORION- Sociedade Científica de Astronomia do Minho, realiza-se amanhã, dia 20 de julho, pelas 21h45, no centro histórico de Ponte de Lima, algumas atividades relacionadas com a Astronomia, prometendo levar os participantes às estrelas.

Ponte_Medieval_Fot_Miguel_Costa

Partindo da Ponte Medieval, os intervenientes terão oportunidade de utilizar telescópios para uma observação celeste e explorar conceitos científicos curiosos sobre o tema, sendo acompanhados por profissionais durante as 4h de duração do evento.

Esta iniciativa insere-se no programa Ciência Viva: nas Férias a Ciência sai à Rua! (www.cienciaviva.pt) que convida a população de todas as idades a descobrir a ciência de forma especial neste Verão, por via de uma série de ações como passeios científicos, observações astronómicas, visitas a obras de engenharia, castelos e faróis.

Ponte de Lima é um dos primeiros locais a receber estas atividades, que percorrerão o país até 15 de setembro.