Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO LANÇA MOSTRAS COMUNITÁRIAS PARA VALORIZAR O TERRITÓRIO

As próximas mostras comunitárias realizam-se já neste fim de semana 16 e 17 de março, em Outiz e a 24 de março, na freguesia de Abade de Vermoim

As mostras associativas que, desde há cinco anos, têm vindo a animar os fins-de-semana nas freguesias do concelho de Vila Nova de Famalicão cresceram, ganharam maturidade e envolvem cada vez mais participantes abrangendo toda a comunidade local, numa festa de tradições e costumes populares, mas também na apresentação de novos projetos e ideias. As mostras associativas evoluíram para mostras comunitárias e assentam precisamente na valorização da comunidade, enquanto espaço de interação e partilha.

Mostras associativas.jpg

Promovidas pelo município, através do Gabinete do Associativismo e em parceria com as Juntas de Freguesia, estas iniciativas surgiram no início do primeiro mandato de Paulo Cunha no seguimento do desafio assumido pela Câmara Municipal de apoiar as freguesias do concelho e as suas associações na organização de eventos de promoção e valorização da sua identidade.

“O êxito alcançado pelas mostras associativas superou todas as nossas expetativas, porque mobilizaram e uniram as comunidades, valorizando os territórios e as suas gentes”, explica o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha. “Com a promoção das mostras comunitárias estamos a alargar o leque das participações nestes eventos a toda a comunidade, criando verdadeiras alavancas de desenvolvimento local”.

Assim, a partir de agora as mostras comunitárias irão integrar as associações formais e informais, mas também os artesãos e colecionadores, os restaurantes e um mercado local constituído por produtores de hortícolas, frutas e pecuária, mas também produtos transformados como licores, compotas, enchidos e queijos, entre outros.

O programa de atividades e de animação será desenvolvido pela comunidade e haverá também espaço para iniciativas lúdicas, como os jogos tradicionais e clássicos, pinturas e insufláveis.

“É uma nova filosofia assente na comunidade, no desenvolvimento do território e na valorização de uma cultura de compromisso em prol do bem comum, da coesão e da cooperação”, acrescenta Paulo Cunha.

As próximas mostras comunitárias realizam-se já neste fim de semana 16 e 17 de março, em Outiz e a 24 de março, na freguesia de Abade de Vermoim.

DSC_3033.jpg

PAREDES DE COURA: PADORNELO FESTEJA 32 ANOS DE ACTIVIDADE DA SUA ASSOCIAÇÃO CULTURAL, RECREATIVA E DESPORTIVA

Comemorações do XXXII aniversário da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo – Paredes de Coura.

No próximo dia 17 de março, pelas quinze horas realiza-se a XIII edição do “Acordes de Primavera”, evento dedicado à musica popular portuguesa. Na edição do corrente ano, além da participação do grupo anfitrião, a Associação Cultural de Padornelo, conta com a colaboração do Grupo de Recolha e Divulgação da Música Popular de Sátão – Viseu e do grupo de Musica Popular “Os Teimosos” do vizinho concelho de Monção. O evento será finalizado com um lanche convívio entre todos os participantes e espectadores presentes.

CARTAZ ACORDES.jpg

No sábado, dia 30 de março, realiza-se mais uma edição do concurso "Conhecei a Nossa Terra", na sede da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo, Paredes de Coura. Esta edição conta com a participação da Associação Cultural de Ferreira, como equipa convidada.

A primeira parte será meramente teórica com um questionário sobre a cultural Courense de autoria do Dr. Aníbal Almeida, Técnico Superior do Município de Paredes de Coura.  Perante o público e perante o júri, nove elementos de cada equipa terão que provar que conhecem de cor e salteado o texto apresentado às duas equipas, respondendo acertadamente a quinze perguntas.

Depois, inicia-se a parte prática, durante a qual cada equipa terá que apresentar uma canção, uma entrevista, uma dança e uma peça de teatro, submetendo-se, agora de uma forma mais rigorosa, à apreciação crítica de um painel de jurados.

O concurso "Conhecei a Nossa Terra" é um dos marcos culturais desta Associação, pelo que as expectativas para esta edição estão ao rubro, muito também pela qualidade das duas Associações envolvidas.

A Associação anfitriã espera casa cheia, como habitual, para este espetáculo-convívio. Apareçam!

Cartaz_Concurso.jpg

CANADÁ: ASSOCIAÇÃO MIGRANTE BARCELOS EM TORONTO EXPULSA SÓCIOS POR "TRAIÇÃO"

ASSUNTO: GIL VICENTE TORONTO

A Associação Migrante Barcelos vem por este meio levar a público a decisão tomada por unanimidade em Assembleia-geral Ordinária realizada na sede da Associação no dia 10 Março 2019.

O Sr. José Carlos Silva e o Sr. Nelson Pinto foram demitidos da Direccão da Associação Migrante Barcelos e expulsos de sócios por desrespeito e traição á Associação. Estes dois Senhores aproveitaram se dos cargos que desempenhavam como directores do Sector de desporto para proveito próprio. Abriram uma Academia de Futebol aproveitando o nome do Gil Vicente que a A.M.Barcelos tem por direito desde 2000 em que se tornou filial N°1 do Gil Vicente Futebol Clube de Portugal e pode a partir dessa data usar tanto o Emblema como os equipamentos oficias do Gil Vicente Futebol Clube  (FOTO ANEXADA Á MENSAGEM). Estes senhores tendo em sua mão toda a responsabilidade do Futebol dada pela Direcção e  como é normal tinham  proximidade com o Gil Vicente de Portugal e fizeram crer que o sector de Futebol estava separado da Associação Migrante Barcelos e que era uma parceria com a A.M.Barcelos. Como toda a gente sabe inclusive o Gil Vicente Futebol Clube  quando foi lançado a escola de futebol ficou registado em acta que a Escola de Futebol só poderia existir dentro do sector de desporto da A.M.Barcelos. A partir do dia 10 Março de 2019 o Sr. José Carlos Silva e o Sr. Nelson Pinto nada têm a ver com o Associação Migrante Barcelos e com o Gil Vicente de  Toronto. Queremos esclarecer que a partir de hoje a Associação Migrante Barcelos nada tem a ver com esses senhores. ATENÇÃO QUEM AJUDAR A ACADEMIA DO GIL VICENTE NÃO ESTARÁ MAIS A AJUDAR A ASSOCIAÇÃO MIGRANTE BARCELOS. Queremos informar os pais dos atletas que a Associação Migrante Barcelos não é mais responsável por nada que aconteça aos vossos filhos. Todas as dívidas contraídas por esses dois Senhores serão inteiramente da responsabilidade deles. A Associação Migrante Barcelos já está a trabalhar no sentido de avisar todas as empresas e a comunicação Social que apoiam a A.M.Barcelos sobre a diferença que á entre o Gil Vicente Toronto e a Academia do Gil Vicente. Não vamos pactuar com pessoas que em vez de unirem promovam a desunião para seu próprio proveito.

A Associação Migrante Barcelos tem 20 Anos.

Esses 20 anos foram a respeitar e a promover a cultura Portuguesa foi é e será que através do Rancho Folclórico e do Futebol que formou e continuará a formar Homens e Mulheres que serão o Futuro. Não podemos deixar passar em Branco o que estes dois Senhores acima referidos fizeram. Infelizmente não se pode confiar em toda a gente. Há Associação Migrante Barcelos deu a estes senhores a liberdade de trabalho sem por obstáculos às suas decisões e foi a paga que teve. Brevemente convocaremos uma conferência de imprensa.

Saudações Barcelenses

Presidente

Vitor Santos

20190311_075133.jpg

MUNICÍPIO ARCUENSE APOIA ASSOCIAÇÕES CONCELHIAS

Protocolos de atividade no valor de 54 000,00 €

A Câmara Municipal celebrou protocolos de apoio à atividade corrente com 13 Associações do concelho, no montante global de 54.000,00€.

IMG_5857.JPG

A Autarquia continua a reconhecer o importante papel do movimento associativo no Concelho, pois ele é parceiro no desenvolvimento cultural, recreativo, juvenil, social e desportivo.

Para a autarquia é fundamental dar continuidade à cooperação, apoiando financeiramente e logisticamente as atividades promovidas pelas coletividades ao longo do ano.

A estes apoios à atividade corrente, a Câmara Municipal junta a colaboração em outros domínios, nomeadamente o apoio à construção, beneficiação e cedência de instalações, ou a aquisição de viaturas e equipamentos.

A Câmara Municipal pretende contribuir para que a comunidade tenha acesso a diversos serviços através das associações e das instituições que espalham dinamismo, atividade e são parceiros por excelência na promoção do desenvolvimento de Arcos de Valdevez.

ARCOS DE VALDEVEZ APOIA ASSOCIATIVISMO

Mais de 80 mil euros para melhorar instalações de Associações arcuenses

Na última reunião de Câmara foram aprovados protocolos, a celebrar com 6 associações do concelho, no valor global de 80 mil euros, para apoiar obras de beneficiação e melhoria das condições das suas sedes.

À Casa do Povo da Vila de Soajo, foi aprovado atribuir um apoio de 11.000,00 €, à Associação Recreativa Cultural e Desportiva de Grade, um apoio de 4.500,00€, ao Rancho Típico e Folclórico de Vilela, um apoio de 25.000,00 €, à Associação Cultural do Povo de Távora, um apoio de 9.500,00 €, à Associação Cultural e Desportiva Unidos do Couto, um apoio de 25.000,00 € e à Associação Cultural e Desportiva dos Amigos de Vilarinho das Quartas, um apoio de 8.000,00 €.

Estes apoios, para além dos atribuídos anualmente no âmbito da sua atividade, refletem-se no incentivo ao incremento da atividade destas Associações, no aumento da sua dinâmica e capacidade de atraírem mais associados e público, bem como também para que estas coletividades tenham melhores condições para o desenvolvimento da sua atividade cultural e recreativa, criando espaços de convívio e diversão nas freguesias.

ESPOSENDE APOIA ASSOCIAÇÕES E JUNTAS DE FREGUESIA

Município de Esposende concede apoios no montante de quase 23 000 euros
Integrado na política de apoio às Juntas de Freguesias e associações concelhias, o Município de Esposende deliberou, em reunião do executivo municipal, atribuir apoios no montante global de aproximadamente 23 000 euros.

DSC09666.JPG

A Casa do Povo de Forjães viu aprovado o pedido de apoio financeiro para a requalificação e melhoramento da parte exterior do edifício, no montante de 13.052,76 euros. Por esta via, a Câmara Municipal está a contribuir para a beneficiação de um espaço destinado a colaborar no desenvolvimento económico-social e cultural da comunidade da freguesia de Forjães, reconhecendo o interesse público desta intervenção.
Para a Junta de Freguesia de Antas o Município transferirá o montante de 5.810,52 euros para custear a intervenção de alargamento e requalificação de um troço da Rua da Pereira, de modo a garantir a melhoria da circulação rodoviária e pedonal no local.
O Município deliberou também atribuir uma verba de 4 000 euros ao NICE – Núcleo de Intervenção Cultural de Esposende destinada a apoiar o plano de atividades da associação para este ano, com particular destaque para o evento “Atlantic Live Sessions”, espetáculos com músicos de renome nacional e internacional, criação de uma residência artística para realização de documentário sobre Esposende e produção e realização do Dia NICE, no âmbito do Festival da Juventude. Este apoio é justificado com o inegável interesse público das ações e a relevância que trazem no desenvolvimento cultural do concelho, na promoção das atividades artísticas, na formação de públicos, na mobilização dos jovens artistas locais e na projeção que dará ao concelho de Esposende.
Atendendo à natureza das ações em causa, o Município está a contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, designadamente ODS 4 - Educação de Qualidade, ODS 5 – Igualdade de Género, ODS 9 – Indústria, Inovação e Infraestruturas, ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis, ODS 16 – Paz, Justiça e Instituições Eficazes e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos.

O FUTURO DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

  • Crónica de Daniel Bastos

O movimento associativo das comunidades portuguesas constitui um dos mais importantes elos de ligação dos inúmeros compatriotas espalhados pelos quatro cantos do mundo à língua, cultura, história e memória da pátria de origem, e simultaneamente uma das marcas mais expressivas da inserção nos territórios de acolhimento onde encetaram os seus percursos de vida e de trabalho.

30128522348_0068acc1a9_b

Espaços privilegiados de cultura e participação cívica, o movimento associativo é a argamassa identitária que une as comunidades portuguesas, catapultando as mesmas para um patamar de “verdadeiras embaixadoras de Portugal pelo mundo fora”, como sobrelevou numa das últimas comemorações do 10 de Junho o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

No entanto, é percetível no seio das comunidades portuguesas que o movimento associativo da diáspora enfrenta, hoje, um desafio fundamental para a sua própria sobrevivência futura, que advém essencialmente do envelhecimento dos seus quadros dirigentes e das dificuldades em captar a participação dos lusodescendentes. Este último ponto está inclusivamente neste momento, a ser alvo de uma pesquisa por parte do conselheiro das Comunidades Portuguesas no Canadá, Daniel Loureiro, luso-canadiano a residir em Montreal, que pretende através desta via "descobrir porque não há uma maior adesão dos lusodescendentes aos eventos da comunidade".

Segundo o mais jovem dos conselheiros das Comunidades Portuguesas, os jovens da comunidade "são orgulhos das suas raízes e de pertencerem à comunidade portuguesa", porém há que "preencher esse orgulho" com atividades para "manterem viva a comunidade" que dentro de 40 ou 50 anos terá que se "rejuvenescer".

O rejuvenescimento do movimento associativo das comunidades portuguesas é condição sine qua non para a sua sobrevivência, exigindo aos seus membros uma vivência cultural que seja capaz de ultrapassar os impactos e conflitos geracionais. Torna-se assim, indispensável a diversificação de atividades de animação sociocomunitária, que possam conciliar a cultura tradicional enraizada no movimento associativo, com novas dimensões socioculturais, como o cinema, a literatura, o design, a dança, o teatro, a arte ou a moda, entre outros, de modo a atrair as jovens gerações de lusodescendentes e as mesmas impulsionarem a presença portuguesa no mundo.

ASSOCIAÇÃO ESPAÇO JACOBEUS – CONFRARIA DE SÃO TIAGO TEM NOVA DIRECÇÃO

No passado domingo, dia 06 de Janeiro de 2019, realizou-se no Auditório Multifuncional de Couros, em Guimarães, a Sessão Solene de Tomada de Posse dos novos Órgãos Sociais da Associação Espaço Jacobeus (AEJ), para o biénio 2019/2020.

Novos Orgãos Sociais que tomaram posse.jpg

Novos Órgãos Sociais que tomaram posse

 

Numa cerimónia muito participada, com intervenções de diversas entidades, foi formalizada a Tomada de Posse de José Roseiro, como Presidente da Mesa da Assembleia Geral, Nuno Pontes, como Presidente da Direção Nacional e Victor Gonçalves, como Presidente do Conselho Fiscal, assim como os demais elementos que agora integram os diferentes Órgão Sociais eleitos.

aspeto da sala.jpg

Em Fevereiro de 2004, um grupo de amigos da cidade de Braga e após uma peregrinação a Santiago de Compostela, decidiram fundar a AEJ, com o objetivo de prestar apoio a outros peregrinos do Caminho de Santiago. Trabalhando no sentido de cumprir a missão da Associação, Nuno Pontes, Presidente da Direção Nacional, realçou na sua intervenção, as principais metas que a Direcção pretende alcançar no decurso do biénio, para além das iniciativas de manutenção do Caminho – ações de limpeza, conservação de sinalética e identificação de “pontos negros”– e que são as seguintes:

- A preparação de 2021 – Ano Santo Jacobeu. Estando previsto uma grande afluência de peregrinos rumo a Santiago de Compostela, e pela tendência dos últimos anos, o Caminho Português terá aqui uma grande oportunidade para se consolidar como um dos itinerários jacobeus mais percorridos. Assim, será desenvolvido trabalho no sentido de potenciar as características do Caminho Português;

- A realização de uma Peregrinação a Santiago de Compostela, pelo Caminho de Torres e com início em Salamanca. Deste modo, divulgar-se-á um itinerário sobre o qual AEJ, durante 2017, promoveu o seu reconhecimento e levantamento;

- Integrar a Federação Internacional de Associações de Amigos do Caminho Português de Santiago (FIACPS), proposta apresentada em conjunto com a Associación de Amigas e Amigos do Camiño Portugués de Santiago, em Outubro de 2018, na cidade espanhola de Tui;

- Aquisição de um espaço sede próprio, onde seja possível realizar quer as reuniões de Direção quer as diversas atividades que a Associação desenvolve.

Em 2019, a AEJ comemora o seu XV Aniversário. A cerimónia realizar-se-á em Amares, no dia 23 de Fevereiro 2019, e a Associação dirige a todos os interessados convite à participação.

"Não Passes pelo Caminho...Deixa que o Caminho Passe Por Ti".

A Direção Nacional da Associação Espaço Jacobeus

Nuno Pontes, Presidente AEJ.jpg

Nuno Pontes, Presidente da AEJ

FAMALICÃO: OPERÁRIO FUTEBOL CLUBE INAUGURA NOVA SEDE

Este sábado, dia 5 de janeiro, pelas 18h30, com a presença de Paulo Cunha

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, inaugura este sábado, dia 5 de janeiro, pelas 18h30, a nova sede social do Operário Futebol Clube, nas instalações do clube, sita na Rua Manuel Trovisqueira, em Mões.

IMG_0200.JPG

A construção do novo equipamento de apoio do clube famalicense contou com um apoio municipal de 50 mil euros e, para além dos serviços administrativos e sala de reuniões, terá também uma sala de troféus.

Refira-se que o Operário Futebol Clube, associação desportiva sediada na freguesia de Vila Nova de Famalicão e fundada a 1 de janeiro de 1960, tem vindo a dinamizar a atividade desportiva junto da população desta freguesia e de freguesias vizinhas, dedicando-se, especialmente, à modalidade de futebol, na qual disputa competição federada com todos os escalões de formação e uma equipa de seniores.

ARCOS DE VALDEVEZ CELEBRA PROTOCOLOS DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

41.500,00€ para apoiar 8 Associações do concelho

Na última reunião de Câmara foi aprovada a proposta de atribuição de apoios a 8 associações do concelho, no montante global de 41.500,00€, nomeadamente à Sociedade Musical Arcuense, ao Moto Clube de Arcos de Valdevez, à Associação Cultural e Desportiva Unidos do Couto, à Associação Recreativa e Cultural de S. João de Rio Frio, ao  Rancho Folclórico Danças e Cantares de Paçô,  à Associação Cultural e Recreativa Terras de Padroso,  à Associação Desp. Soc. e Rec. Amigos de Jolda S. Paio e à Associação Rusga de Cabreiro.

Esta verba serve para apoiar a parceria existente entre estas entidades e a Câmara Municipal, relativamente à atividade cultural, desportiva e social desenvolvida no concelho.

As Associações exercem um trabalho essencial e fulcral ao nível da promoção da cultura, da integração social e relações interpessoais, sendo a pensar nesta intensa atividade que o Município aprova anualmente um conjunto de apoios direcionados a cada uma delas.

BRAGA JUNTA COLECTIVIDADES

Município convida colectividades desportivas a preparar encerramento da CED2018

O Município de Braga vai realizar uma reunião geral com todas as colectividades desportivas do Concelho para preparar a cerimónia de encerramento da Braga Cidade Europeia do Desporto 2018. O encontro terá lugar na próxima Sexta-feira, 30 de Novembro, às 21h00, no auditório da Associação de Futebol de Braga.

CED

A confirmação das presenças deve ser feita antecipadamente através do endereço electrónico desporto.lazer@cm-braga.pt

Após um ano intenso, repleto de fulgor desportivo, onde todos foram elementos fundamentais na conquista dos objectivos a que o Município de Braga se propôs, resultando no título de Melhor Cidade Europeia do Desporto 2018, aproxima-se também a sua inevitável conclusão.

Pretende-se que, tal como na cerimónia de candidatura, todas as associações, clubes e demais entidades desportivas marquem presença neste evento agendado para 22 de Dezembro, às 20h30, no Altice Forum Braga.

GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MINHO EDITA EM LIVRO CONFERÊNCIA DO DR. AUGUSTO FLOR ACERCA DO ASSOCIATIVISMO E FOLCLORE

O Grupo Folclórico Verde Minho acaba de editar em livro a palestra proferida em Loures pelo Dr Augusto Flor, Presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto, subordinada ao tema “Rodopiando entre a tradição e a inovação – o Folclore como causa”.

Capturarcccr

Do livro do Doutor Augusto Flor transcrevemos o respectivo prefácio:

O associativismo popular tem as suas origens no liberalismo e, sobretudo, na intervenção do Partido Republicano e da Maçonaria como uma forma de influenciar as camadas populares para a sua causa. Assim nasceram inúmeras agremiações culturais e recreativas que se dedicaram às mais variadas actividades, desde a instrução ao ensino musical através das bandas filarmónicas, o teatro, desporto, à beneficiência e à cultura e recreio.

Criadas sobretudo a partir de meados do século XIX, muitas dessas colectividades de desporto, cultura e recreio surgiram a partir de grupos excursionistas, almoçaristas e recreativos que surgiam nas tabernas de minhotos e galegos nos bairros antigos de Lisboa, do qual ainda se guardam magníficos quadros que aí permaneciam expostos.

As chamadas “casas regionais” surgem com o advento da industrialização, em Portugal verificada a partir da segunda metade do século XIX, no período que ficou historicamente conhecido por “Regeneração” e “Fontismo”, época em que por circunstâncias várias se registam enormes levas de gentes dos meios rurais para as grandes cidades e até para o estrangeiro, aproveitando as novas vias de comunicação ferroviárias.

Por sua vez, o associativismo folclórico aparece como uma natural consequência dessa migração interna, produzida pelas gentes migradas na ânsia de preservar a sua identidade – em território nacional ou no estrangeiro! – transmitindo o legado aos seus descendentes e cultivando o afecto pela Pátria e a terra de origem.

Ora, por mais que rodopiemos entre a tradição e a inovação, a manutenção da nossa identidade jamais seria possível sem a preservação das nossas tradições, uma vez que a inovação pressupõe a sua alteração e adaptação às mudanças operadas pelo tempo e as transformações sociais e culturais.

IMG_8123

ARCOS DE VALDEVEZ RECEBE ENCONTRO E MOSTRA ASSOCIATIVA XUVENIL

Arcos de Valdevez recebe 10º EMAX – Encontro e Mostra Associativa Xuvenil nos dias 23, 24 e 25 de Novembro

Objetivo desta iniciativa é criar um espaço aberto ao associativismo juvenil e à reflexão sobre a importância da participação dos/as jovens na sociedade, na cooperação transfronteiriça e no desenvolvimento das Regiões.

A FNAJ – Federação Nacional das Associações Juvenis, em parceria com a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, a Junta da Galiza, o IPDJ – Instituto Português do Desporto e Juventude e as Federações Distritais de Associações Juvenis do Norte de Portugal, vai organizar na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, nos dias 23, 24 e 25 de novembro, o Mexe- Mostra e Encontro da Xuventude Empreendedora Norte de Portugal e Galiza;

O objetivo desta iniciativa é criar um espaço aberto ao associativismo juvenil e à reflexão sobre a importância da participação dos/as jovens na sociedade, na cooperação transfronteiriça e no desenvolvimento das Regiões. Nesta edição, através do MEXE, serão debatidas as temáticas do emprego e empreendedorismo jovem, numa feira de ideias, repleta de comunicações, debates, conferencias, masterclasses, teatro, exposições, artes e visitas pedagógicas.

Prevê-se que o evento conte com cerca de 300 participantes, incluindo jovens de Portugal e de Espanha.

A FNAJ - Federação Nacional das Associações Juvenis é uma estrutura representativa do Associativismo Juvenil em Portugal que envolve cerca de um milhar de associações juvenis locais e regionais, que por todo o país, promovem a participação de jovens na vida das suas comunidades e intervêm politicamente no sentido mais nobre da palavra.

DR. AUGUSTO FLOR - PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DA COLECTIVIDADES PORTUGUESAS DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO, FOI A LOURES FALAR DE ASSOCIATIVISMO E FOLCLORE

“Rodopiando entre a tradição e a inovação – o Folclore como causa” foi o tema que o Dr. Augusto Flor, Presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto levou hoje a Loures, à conferência que ali teve lugar no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, local onde habitualmente se reúne a Assembleia Municipal.

IMG_8123

O palestrantre abordou vários aspectos relacionados com o movimento associativo popular e, dentro deste, os grupos folclóricos, e a sua importância para a economia social.

A iniciativa é do Grupo Folclórico Verde Minho e contou com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

Fotos: Artur Morgado

IMG_8125

IMG_8126

IMG_8132

IMG_8114

IMG_8115

IMG_8122

DSC_1130

DSC_1131

DSC_1132

DSC_1133

IMG_8114

IMG_8132

AUGUSTO FLOR, PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLETIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO, VAI A LOURES FALAR SOBRE FOLCLORE E ASSOCIATIVISMO POPULAR

“Rodopiando entre a tradição e a inovação – o Folclore como causa” é o tema que o Dr. Augusto Flor, Presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto vai proferir em Loures no próximo dia 21 de Outubro, pelas 15 horas, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, local onde habitualmente se reúne a Assembleia Municipal. A iniciativa é do Grupo Folclórico Verde Minho e conta com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

 

Capturar21FLOR

O Dr. Augusto Flor é licenciado em Antropologia pelo ISCTE, possui o Curso de Especialista da Escola Militar de Eletromecânica (EMEL) e o Curso de Montador Eletricista na Escola Industrial Emídio Navarro.

É dirigente associativo voluntário desde 1970, tendo em 2012 sido nomeado pelo Secretário de Estado do Desporto e Juventude para Embaixador para a Ética no Desporto- Em 2011, foi nomeado Comissário Nacional para o Ano Europeu do Voluntariado. Em 2007, desempenhou funções de Presidente da Assembleia-geral da Confederação do Desporto de Portugal, sendo desde essa data, Presidente da Direção da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto.

É membro do Partido Comunista Português e, nesse âmbito, detém responsabilidades nas áreas do Movimento Associativo Popular, coordenação de atos eleitorais e referendos, bem como das áreas do Desporto, Teatro, Animação e Exposições de Ciência e Tecnologia da Festa do Avante. Entre 1993 e 1997, foi deputado na Assembleia Municipal de Sesimbra e entre 2003 e 2007 – Chefe de Gabinete do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República.

 

AUGUSTO FLOR, PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLETIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO, VAI A LOURES FALAR SOBRE FOLCLORE E ASSOCIATIVISMO POPULAR

“Rodopiando entre a tradição e a inovação – o Folclore como causa” é o tema que o Dr. Augusto Flor, Presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto vai proferir em Loures no próximo dia 21 de Outubro, pelas 15 horas, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, local onde habitualmente se reúne a Assembleia Municipal. A iniciativa é do Grupo Folclórico Verde Minho e conta com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

 

Capturar21FLOR

O Dr. Augusto Flor é licenciado em Antropologia pelo ISCTE, possui o Curso de Especialista da Escola Militar de Eletromecânica (EMEL) e o Curso de Montador Eletricista na Escola Industrial Emídio Navarro.

É dirigente associativo voluntário desde 1970, tendo em 2012 sido nomeado pelo Secretário de Estado do Desporto e Juventude para Embaixador para a Ética no Desporto- Em 2011, foi nomeado Comissário Nacional para o Ano Europeu do Voluntariado. Em 2007, desempenhou funções de Presidente da Assembleia-geral da Confederação do Desporto de Portugal, sendo desde essa data, Presidente da Direção da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto.

É membro do Partido Comunista Português e, nesse âmbito, detém responsabilidades nas áreas do Movimento Associativo Popular, coordenação de atos eleitorais e referendos, bem como das áreas do Desporto, Teatro, Animação e Exposições de Ciência e Tecnologia da Festa do Avante. Entre 1993 e 1997, foi deputado na Assembleia Municipal de Sesimbra e entre 2003 e 2007 – Chefe de Gabinete do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República.

 

ARCOS DE VALDEVEZ APOIA ASSOCIATIVISMO

Mais de 50 mil euros para apoiar diversas Associações

Dando continuidade à celebração dos protocolos anuais de apoio à atividade com as diversas Associações do concelho, a Câmara Municipal celebrou recentemente protocolos com 8 coletividades, no valor global de 28 mil euros.

protocolos _ associações-outubro_2018

Estes protocolos juntam-se aos já celebrados anteriormente com as outras coletividades do concelho, perfazendo assim um valor global de 226 mil euros.

Com o Rancho Típico e Folclórico de Vilela, celebrou um protocolo no valor de 1 500,00 €; com o Rancho Folclórico de Arcos S. Paio, um protocolo no valor de 1 500,00 €; com o Corpo Nacional de Escutas - Agrupamento 214, no valor de 1 500,00; com a € Associação dos Vinhos de Arcos de Valdevez, no valor de 10 000,00 €; com o GTV Enredos e Enigmas - Associação de Teatro, no valor de 2 500,00 €; com a Associação de Pesca Desportiva do Vez, no valor de 4 000,00 €; com a Associação Recreativa e Cultural de Arcos S. Paio (ARCAS), no valor de 5 000,00 € e com a Associação Recreativa e Cultural de Aguiã, no valor de 2 000,00 €.

Para além dos protocolos de apoio à atividade, a Câmara Municipal colabora com estas entidades em outros domínios, nomeadamente o apoio à construção, beneficiação e cedência de instalações, ou a aquisição de viaturas e equipamentos, tendo celebrado neste ato com a Associação Clube de Caça e Pesca de Arcos de Valdevez um outro protocolo no valor de 6 000,00 €, para apoiar as Obras de reconstrução da sede daquela associação.

Foi ainda celebrado um protocolo com a Fábrica da Igreja Paroquial de Jolda S. Paio, um protocolo no valor de 8 700,00 €, para apoiar as obras de acabamento da Casa Mortuária.

Por outro lado, de forma a apoiar a valorização do turismo religioso, a Câmara Municipal também celebrou um protocolo, no valor de 10 000,00 €, com a Confraria da Nossa Senhora da Peneda para a promoção e valorização do espaço do Santuário, bem como para os eventos culturais da Romaria de Nª. Srª. da Peneda.

De referir, por fim, que estes apoios servem para que estas entidades tenham condições para o desenvolvimento da sua atividade de interesse para a população.

AUGUSTO FLOR, PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLETIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO, VAI A LOURES FALAR SOBRE FOLCLORE E ASSOCIATIVISMO POPULAR

“Rodopiando entre a tradição e a inovação – o Folclore como causa” é o tema que o Dr. Augusto Flor, Presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto vai proferir em Loures no próximo dia 21 de Outubro, pelas 15 horas, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, local onde habitualmente se reúne a Assembleia Municipal. A iniciativa é do Grupo Folclórico Verde Minho e conta com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

 

Capturar21FLOR

O Dr. Augusto Flor é licenciado em Antropologia pelo ISCTE, possui o Curso de Especialista da Escola Militar de Eletromecânica (EMEL) e o Curso de Montador Eletricista na Escola Industrial Emídio Navarro.

É dirigente associativo voluntário desde 1970, tendo em 2012 sido nomeado pelo Secretário de Estado do Desporto e Juventude para Embaixador para a Ética no Desporto- Em 2011, foi nomeado Comissário Nacional para o Ano Europeu do Voluntariado. Em 2007, desempenhou funções de Presidente da Assembleia-geral da Confederação do Desporto de Portugal, sendo desde essa data, Presidente da Direção da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto.

É membro do Partido Comunista Português e, nesse âmbito, detém responsabilidades nas áreas do Movimento Associativo Popular, coordenação de atos eleitorais e referendos, bem como das áreas do Desporto, Teatro, Animação e Exposições de Ciência e Tecnologia da Festa do Avante. Entre 1993 e 1997, foi deputado na Assembleia Municipal de Sesimbra e entre 2003 e 2007 – Chefe de Gabinete do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República.