Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PINTOMEIRA EXPÕE EM VIANA DO CASTELO “OBRAS SOBRE PAPEL”

A exposição vai acontecer na Ordem dos Médicos de 12/Julho – 31/Agosto/2019.

Entre 1966 e 2018, usando variados materiais e técnicas diferenciadas, o artista produziu um vasto conjunto de obras sobre papel e cartão, encontrando-se a maioria delas em coleções privadas, públicas ou institucionais. A partir da década de 1970, para coleção própria, Pintomeira começou a guardar alguns desses trabalhos, em número muito reduzido, representando grande parte da sua diversificada temática produzida ao longo dos anos. Estes trabalhos, considera, constituem hoje pequenas relíquias de tempos já longínquos, de elevado valor simbólico e que enquadram experimentalismos, ensaios ou um simples sketch para a produção de uma obra sobre tela de grandes dimensões.

Nesta mostra são apresentados cerca de duas dezenas de obras sobre papel ou cartão, elaboradas entre 1973 e 2014. O seu conjunto exibe trabalhos do seu período surrealista, monotypes sobre papel de fotografia, contornismo, faces, nova linha, posters de cinema e outros. Algumas delas serão apresentadas ao público pela primeira vez, já que nunca fizeram parte de exposições.

Trata-se, por isso, de uma exposição a despertar elevado interesse, não só pelas obras em si, mas especialmente pelo longo currículo do artista.

A inauguração faz-se, amanhã, sexta –feira, pelas 21,30 horas e o espaço pode ser visitado durante o período em que decorre a exposição . A Galeria da Ordem do Médicos, sita na Rua da Bandeira, 472, está aberta ao público às terças e quintas-feiras, das 17, 30 às 19, 30 horas e aos sábados, das 9,00 às 13,00 horas.

Gonçalo Fagundes Meira

Cartaz_PINTOMEIRA (1).jpg

ADÃO CRUZ – O MÉDICO PINTOR

Exposição na Ordem dos Médicos de Viana

É uma realidade bem evidente, os médicos, normalmente, têm uma acentuada tendência para a escrita, para as artes e para a cultura em geral: Abel Salazar, Miguel Torga, e Fernando Namora, no seu tempo, eram médicos e foram grandes escritores, tal como hoje o é Lobo Antunes, que também já exerceu a medicina. Nas artes, entre vários, podem-se destacar, Abel Salazar, uma figura eminente da medicina e da cultura portuguesa, Celestino Gomes e Mário Botas. E a atestar que a arte toca muito de perto os médicos, a Ordem dos Médicos, através das suas diversas delegações regionais, promove regularmente exposições de médicos artistas. No ano em curso, em Viana, a OM quase só vai fazer exposições com médicos, em várias especialidades artísticas.

19657146_287254058412644_4979555309468796986_n.jpg

E foi aqui que, no sábado passado, dia 01, mais uma mostra foi inaugurada, desta vez com Adão Cruz, um médico cardiologista, com um longo percurso ligado às artes e à escrita, com inúmeras exposições realizadas, particularmente em Portugal e Espanha, representado em oito países, com 12 livros publicados, na área da literatura e da pintura. Segunda afirma, pinta e escreve com a mesma paixão com que exerceu a medicina, que ainda hoje pratica de forma voluntária, apesar de dez bem sentidas décadas de vida. Como a justificar o seu percurso pelos caminhos da arte diz “que sempre amou a liberdade de pensamento e da razão, a verdadeira riqueza do ser humano e que foi com este amor que sempre sonhou libertar-se ao longo da vida, também pelos caminhos da ciência, da escrita e da pintura”.

Adão cruz apresenta 22 quadros com pintura em acrílico, com laivos expressionistas, predominância de cores quentes e onde perpassa, em muitos deles, uma acentuada crítica social. Diz que nem sequer gosta de atribuir títulos para os seus quadros, com a preocupação de que seja o observador a interpretar o que passou para a tela. Atribuir nomes aos quadros pode não se conjugar com a visão de quem os aprecia, afirma. Presente na cerimónia, Emerenciano, um pintor de referência no contexto da arte em Portugal, salientou o facto de Adão Cruz, apesar de não ser um pintor de escola, ter feito uma carreira de permanente aprendizagem na pintura, sempre com a preocupação de ver para além da estética em cada quadro que produz.

A exposição vai estar patente até a o dia 30 do corrente mês na Galeria da Ordem dos Médicos, sita na Rua da Bandeira, 472, aberta ao público às terças e quintas-feiras, das 17, 30 às 19, 30 horas e aos sábados, das 9,00 às 13,00 horas.

Gonçalo Fagundes Meira

adaocruz (1).jpg

adaocruz (2).jpg

adaocruz (3).jpg

adaocruz (4).jpg

adaocruz (5).jpg

adaocruz (6).jpg

adaocruz (7).jpg

adaocruz (8).jpg

PINTOMEIRA EXPÕE EM VIANA DO CASTELO “FACES DAS MADONAS DO RENASCIMENTO"

Exposição encontra-se patente na Galeria da Santa Casa da Misericórdia de Viana

A cerimónia de abertura desta mostra vai acontecer no próximo sábado, dia 4 de Abril, pelas 17,30 horas, estando desde já a despertar forte expectativa, dado a mesma integrar apenas quadros do seu novo tema, o décimo quinto, numa demonstração de que a insubmissão e a procura da diferença foi sempre a sua melhor característica ao longo de uma carreira de 52 anos de pintura.

PM_Imagem_1.jpg

Pintomeira é natural de Deocriste, concelho de Viana do Castelo, e um dos mais conceituados artistas plásticos, sobretudo nas áreas da pintura, fotografia e ilustração.

Em Amesterdão, capital da Holanda, durante a década de 1970 e, ainda, no seu período surrealista, Pintomeira foi fortemente influenciado pelos temas dos pintores do Renascimento, principalmente os alusivos à mitologia greco-romana. Salientamos as obras Leda e o Cisne de 1977, Apollo e Daphne e Júpiter e Antiope, de 1978.

Com este novo trabalho, Faces de Madonas do Renascimento, o seu 4º tema relacionado com o rosto feminino (Faces 2003, Outras Faces 2010 e Novas Faces 2016), Pintomeira revisita a obra renascentista, sendo, agora, influenciado pelas devotas e piedosas faces das Madonas produzidas durante esse admirável período da história da arte. Se a sua expressão devota e contemplativa nos remete para as obras de temática religiosa produzidas durante o renascimento, estas faces são interpretações individuais de desenho simples e de ausência da lógica nas proporções, portanto, já de estilo maneirista.

Com o título “Faces de Madonas do Renascimento”, Pintomeira apresenta trabalhos em técnica mista sobre tela, sobre papel de fotografia colado em placa de PVC e sobre cartão. Ele usa tintas acrílicas, grafite e pastel para a preparação de um fundo de linguagem abstracta. O seu enérgico e marcante estilo continua presente no desenho das faces das madonas, utilizando o seu, já característico, forte e denso contorno. São recorrentes as figuras geométricas, o tracejado, os drippings e o design gráfico.

A pintura é, na sua quase totalidade, monocromática, onde predominam o preto e o branco e as respectivas gradações de tons cinza. Algumas obras apresentam-se com pequenas manchas de cores primárias.

A Faces de Madonas do Renascimento conduziram assim Pintomeira à produção do seu 15º tema, numa já longa e multifacetada carreira, onde se encontram, também, a fotografia a arte digital e a ilustração.

PM_EXPOSIÇÃO (1).jpg

PM_EXPOSIÇÃO (2).jpg

PM_EXPOSIÇÃO (3).jpg

PM_EXPOSIÇÃO (4).jpg

PM_EXPOSIÇÃO (5).jpg

PM_EXPOSIÇÃO (6).jpg

PONTE DE LIMA EXPÕE ARTES PLÁSTICAS

Exposição de Artes Plásticas “Confronto”. APPACDM de Ponte de Lima. Torre da Cadeia Velha de 4 a 26 de maio

A Torre da Cadeia Velha em Ponte de Lima recebe a partir do dia 4 de maio, às 18 horas uma exposição de artes plásticas sob o tema “Confronto”.

confronto_cartaz-01.jpg

São trabalhos da autoria dos utentes da APPACDM – Centro de Reabilitação de Ponte de Lima da APPACDM de Viana do Castelo, que nos mostram que A vida é uma sucessão de confrontos: com os outros, connosco, com a realidade.

Ultrapassando barreiras, combatendo os nossos medos, as nossas limitações, aprendemos a viver e a conviver e a redefinir os nossos pontos de partida.

É sobre estes confrontos vividos por diversos autores que esta exposição se baseia. Confrontos individuais, únicos e irrepetíveis, onde as intenções rumam à construção de projetos de vida que se debatem em diversos confrontos, materializados em trabalhos recorrendo à pintura, à cerâmica e diversas técnicas mistas.

Visite a exposição que vai estar patente até ao dia 26 de maio na Galeria da Torre da Cadeia Velha, de segunda a domingo, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

PINTOR ARCUENSE MUTES EXPÕE NO PORTO

Arcuense Mutes e colegas, expõe na Galeria Days Are,  Miguel Bombarda, Porto

Foi inaugurada no passado dia 1 de Dezembro, na Galeria Days Are, situada na rua Miguel Bombarda 124 sala A, no Porto, uma exposição de pintura denominada (Coletiva de arte).

47354695_1949233915382193_9151813097109848064_n

Esta exposição é composta por pintores de diferentes linguagens pictóricas, onde cada um se diferencia do seu trabalho, seguindo uma linhagem muito própria.

Os pintores que se expõe  nesta coletiva, com a curadoria de Aurelina Dias, são: Carla Pinheiro, Dagoberto Silva, Damião Vieira, Denis Oudet, Francesco Pluma, Jorge Marques, José Soares, Mariza Miguelez, Mutes, Odete Pinheiro, Tozé Pais.

A exposição pode ser visitada durante o funcionamento da Galeria, e estará patente ao público até ao dia 9 de Janeiro.

CARLOS PIMENTA EXPÕE EM PONTE DA BARCA

God Have Mercy” de Carlos Pimenta. Exposição patente até ao dia 15 de setembro

O átrio dos Paços do Concelho de Ponte da Barca tem patente a exposição “God Have Mercy”, de Carlos Pimenta.

Capturarpb

A infância, as primeiras aprendizagens e a “criança que ainda levamos dentro” são o fio condutor das obras apresentadas, numa forma muito particular que o autor tem de olhar o mundo através da arte.

A cerimónia de abertura decorreu no passada sexta-feira, dia 17 de agosto, e contou com a presença do Presidente da Câmara, Augusto Marinho e restante executivo municipal, para além de  familiares, amigos e convidados do autor, que tiveram a oportunidade de ouvir, do próprio, uma breve explanação acerca da coleção exposta.

A mostra pode ser visitada até ao dia 15 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

2

39543544_1443343375766641_3795034747718074368_o

39751558_1443341979100114_2717731176058978304_o

OBRA PLÁSTICA DE MÁRIO CESARINY ESTÁ EXPOSTA NA CASA DOS CRIVOS EM BRAGA

Selecção de obras da colecção da Fundação Cupertino de Miranda

Está patente na Casa dos Crivos a exposição “A Origem das Pequenas Invenções” de Mário Cesariny, com curadoria de António Gonçalves. A presente exposição da obra plástica de Mário Cesariny oferece-nos uma visão antológica com base numa selecção de obras da colecção da Fundação Cupertino de Miranda.

CMB11072018SERGIOFREITAS00000013632

Embora Mário Cesariny tenha sido mais referenciado no âmbito da sua criação poética, não é contudo possível descurar a sua prestação plástica e este núcleo de obras é um testemunho do que foi essa sua intervenção. Trata-se de um autor que desenvolveu uma obra que demonstra uma enorme liberdade, leva-nos para territórios criativos onde o carácter experimental e informalista defendem a sua acção dentro do movimento surrealista. 

Esta mostra contempla, entre outros, os núcleos da pintura, desenho e colagens. No que concerne à Pintura, as obras assumem um carácter experimental e informalista, onde são apresentados os aquamotos e peças com as experiências de tinta-da-China e vernizes. Uma conjugação desse informal com intervenção do autor numa articulação do acaso com um sentido mais objectivo.

No Desenho, as linhas vão-nos denunciando algumas das figuras que preenchem a sua obra, como o exemplo a “Menina Poesia”.

Na Colagem, revela-se a articulação da palavra com a imagem numa constante estruturação poético/visual num sentido mais provocatório.

O documentário “Autografia: um Retrato de Mário Cesariny” encontra-se disponível para visualização no auditório da Casa dos Crivos, através de marcação emcultura@cm-braga.pt.

Trata-se de um documentário que retrata a vida, do percurso e individualidade do poeta e pintor surrealista Mário Cesariny. Documentário realizado por Miguel Gonçalves Mendes, vencedor do Prémio de Melhor Documentário Português no Festival DocLisboa 2004, Autografia pretende retratar, não o poeta e pintor Mário Cesariny, mas sim a sua vida, o seu percurso e a sua individualidade.

Realizam-se Visitas Guiadas à exposição, às Quartas-feiras, às 17h00, ou em outro dia e horário mediante marcação prévia em cultura@cm-braga.pt. A visita poderá ser feita em português ou inglês.

A exposição estará patente até dia 9 de Setembro e a entrada é livre!

CMB11072018SERGIOFREITAS00000013628

CMB11072018SERGIOFREITAS00000013629

CMB11072018SERGIOFREITAS00000013630

CMB11072018SERGIOFREITAS00000013631

PINTOR FAFENSE ORLANDO POMPEU EXPÕE NO CANADÁ

Toronto acolhe exposição de pintura “Con-Textos de Criatividade”

No âmbito do programa das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas no Canadá, o mestre-pintor Orlando Pompeu inaugura a 5 de julho (quinta-feira) às 18h00, em Toronto, a exposição de pintura “Con-Textos de Criatividade”, na Peach Gallery, que ficará patente à comunidade luso-canadiana durante todo o mês de julho.

A curadoria da exposição, composta por quarenta aguarelas sobre papel que refletem um estilo pictórico pessoal, heterogéneo, criativo, original e contemporâneo, estará a cargo do historiador e escritor Daniel Bastos, que tem divulgado os trabalhos do artista plástico junto das Comunidades Portuguesas.

Orlando Pompeu (esq.) acompanhado do historiador Daniel Bastos no atelier do consagrado artista plástico

Orlando Pompeu (à esquerda) acompanhado do historiador Daniel Bastos no atelier do consagrado artista plástico

 

A convite da Peach Gallery, uma das mais recentes e vibrantes galerias de arte em Toronto, Daniel Bastos, que se encontra na maior cidade do Canadá a apresentar o seu último livro “Terras de Monte Longo”, desvendará junto da numerosa comunidade luso-canadiana a obra e percurso de um dos mais conceituados pintores portugueses da atualidade.

Orlando Pompeu nasceu a 24 de maio de 1956, em Cepães - Fafe / Portugal. Estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris. Nos anos 90 progrediu no seu percurso artístico ao ir viver para os Estados Unidos da América, primeiramente, e depois, Japão. A sua obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Alemanha, Itália, Croácia, Áustria, Brasil, México, Dubai, Canadá, Estados Unidos da América e Japão.

Con-Textos de Criatividade 1

Con-Textos de Criatividade 2

MONÇÃO APRESENTA EXPOSIÇÃO “E SE FOSSES TU?”

A exposição “E se fosses tu?”, do artista plástico José Silva, natural do Porto, onde nasceu em 1953, decorre entre 13 de janeiro e 28 de fevereiro, na galeria de arte do Cine Teatro João Verde. A sessão de abertura está marcada para o próximo sábado, pelas 16h00.

José Silva

Esta exposição reúne cerca de 25 trabalhos, onde o artista faz uma reflexão impulsiva sobre os dramas do nosso tempo, seja a questão dos refugiados, seja a questão do envelhecimento ou a questão dos sem-abrigo, que o autor vive de perto em horas de voluntariado.

José Silva frequentou a Licenciatura de Artes Plásticas, ramo Pintura e Escultura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, sendo associado e membro da Direção dos Artistas de Gaia, Cooperativa Cultural C.R.L. A sua primeira exposição individual teve lugar em 1977, tendo realizado, a partir dessa data, mais de 180 exposições (individuais e coletivas) em Portugal, Holanda e Espanha.

Está representado no Museu de Fafe, na Fundação Eng. António de Almeida, na Casa Museu Teixeira Lopes, na Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, na Câmara Municipal de Aveiro, na Câmara Municipal de Caminha, na Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, na instalação Terzo Paradiso (Michelangelo Pistoletto) - Horta Pedagógica em Guimarães e em coleções particulares em Portugal e no estrangeiro.

MÁRIO ROCHA EXPÕE ARTES PLÁSTICAS EM VIANA DO CASTELO

Decorre em Viana do Castelo, a partir do próximo dia 13 de Outubro, uma exposição de pintura, ilustração e outras artes plásticas, da autoria do artista vianense Mário Rocha. A exposição estará patente na sede da Ordem dos Médicos, sita na rua da Bandeira, e prolonga-se até ao dia 13 de Novembro.

26865_1260236298377_7656750_n

Natural de Perre, Mário Rocha tem um percurso artístico intenso e variado. Nos anos 80/90, por exemplo, a cerâmica foi uma das vertentes que mais o absorveu e apaixonou, especialmente na formação de futuros ceramistas, em parceria com diversas empresas cerâmicas, instituições ligadas à juventude e escolas.

Porém, esta intensa actividade formativa jamais o arredou de outras intervenções artísticas, em especial a actividade expositiva. A sua presença em exposições de artes plásticas, quer individuais, quer colectivas, em Portugal e noutros países europeus, foi uma constante, ao longo dos seus 40 anos de envolvimento profundo com a arte.

Destaque especial merece o convite que lhe foi dirigido para se fazer representar, em 1999, na Sala Damião de Góis, na embaixada de Portugal, em Bruxelas, com uma exposição subordinada ao tema, “Olhares do Rio”. Tal convite aconteceu na sequência da pintura do quadro comemorativo da assinatura do Contrato do Projecto de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto, entregue ao Primeiro-ministro Eng. António Guterres.

A ilustração de livros, embora de forma esporádica, é uma outra variante da actividade de Mário Rocha. Merece referência, entre outras, o tratamento artístico das seguintes obras: 2001, em parceria, “Contos de Caça”, de Marques Vidal; 2002, poesia, “Folhas Soltas, de Maria Noémia; 2003, poesia, capa, “Densidade do Silêncio”; 2007, Etna no Vendaval da Perestroika, de Miguel Urbano Rodrigues e Ana Catarina Almeida.

A obra de Mário Rocha está representada em Portugal e no estrangeiro, em várias colecções particulares e públicas, com destaque para as Câmaras de Ponte do Lima, Caminha e Campo Maior, Caixa de Crédito agrícola do Alentejo e Assembleia da República.

Apresentação do PowerPoint

PINTOR GALEGO ZACARIAS EXPÕE EM MONÇÃO CUJAS PAISAGENS INSPIRAM A SUA OBRA

Encontra-se patente ao público, desde hoje e até ao dia 31 de outubro, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição de pintura do artista galego Zacarias, intitulada "Últimos trabalhos".

Zacarias

Com mais de 50 anos dedicados à pintura, Zacarias escolheu a freguesia de Pias, Monção, para o local de refúgio, usando as paisagens monçanenses como inspiração.

Não perca esta exposição composta por cerca de três dezenas de trabalhos!!

A entrada é livre!

PÓVOA DE LANHOSO EXPÕE ARTES PLÁSTICAS

Galeria do Theatro Club acolhe XXI Exposição Aberta de Artes Plásticas

Até ao próximo dia 27 de agosto, a Galeria do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso apresenta a XXI Exposição Aberta de Artes Plásticas, que abriu no passado sábado, dia 5 de agosto.

Abertura XXI Expo Aberta 1.jpg

Esta mostra integra a programação Verão com(n) vida. O Vereador da Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, a quem coube entregar os certificados de participação, destacou o nível desta exposição. “Temos quadros com autores de diversos pontos do país, mas a qualidade é algo assinalável e que torna esta exposição bastante atrativa”, referiu André Rodrigues.

Esta exposição, na sua 21ª edição, é já uma referência cultural da Póvoa de Lanhoso. “Fazemos exposições nesta Galeria durante todo o ano. Esta é, por assim dizer, o ponto alto, que é quando reunimos muitos expositores, muitos artistas numa mostra coletiva, dando uma outra vida e uma dimensão ainda maior à galeria do Theatro Club”, salienta o mesmo responsável, lançando o repto: “Convido todas as pessoas que passarem pela Póvoa a visitarem o Theatro Club e a aproveitarem para visitar a exposição aberta”.

Os artistas participantes nesta edição são os seguintes: A. Dias Machado, Alfredo Soares, Anabela Rodrigues, António Augusto Nunes de Carvalho, Artur Oliveira Martins, Carlos Teixeira, Mutes, José Augusto Costa Araújo, Diamantino Torres Pereira, Dila Moniz, Germano, Zé Maria, Karla Neves, Helena Romão, Jorge Campos, Maria José Machado de Castro, Miguel Moreira e Silva, Maria da Conceição Fernandes Antunes, Fernanda Aguiar, Milita Marinho, Olga Giraldes, Olga Gonçalves, Paulo Gonçalves (Fonseca), Pedro Migueis, Roberta Veloso, Rosa Vaz, Sabina Figueiredo, Sandra Matos, Santiago Belacqua e Susana Ribeiro.

Grande parte dos trabalhos expostos é para venda, mas outros pertencem a coleções privadas.

Entrega certificados de participacao XXI Expo Aberta 1.jpg

LUZ COUTO EXPÕE EM VIZELA

1 a 31 de agosto: Exposição ‘Fragmentos’, de Luz Couto na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição ‘Fragmentos’, de Luz Couto na Loja Interativa de Turismo, de 1 a 31 de agosto.

cartaz Luz Couto.jpg

Título‘Fragmentos’

Luz Couto nasceu em Santa Marta, Penafiel e reside em Valongo.

Possui o curso geral de formação Feminina e o curso de Estilismo do CITEM que completou na década de 90. Frequentou o atelier do Mestre Curval, e é membro da ARGO (Associação Artística de Gondomar).

Participou em várias exposições individuais e colectivas e em paralelo à sua atividade artística dedica-se ao artesanato.

Esta série de trabalhos é o resultado de uma aprendizagem contínua na área das artes plásticas e desenho em paralelo com a atividade que exerço ligada à moda e confeção. De conteúdo mais significativo do que simbólico, tocando o abstracto e utilizando para tal efeito uma delimitada variedade de materiais. Pretendendo esvaziar o olhar daquilo que se apreende e é qualificável e atribuir-lhe um outro sentido mais subjectivo e intimista. Retirada a carga simbólica e viajo para um universo mais nobre e poético tanto da obra em si como do artista enquanto sujeito.

PÓVOA DE LANHOSO EXPÕE ARTES PLÁSTICAS

XXI Exposição Aberta de Artes Plásticas realiza-se de 5 a 27 de agosto

De 5 a 27 de agosto, a Galeria do Theatro Club acolhe a XXI Exposição Aberta de Artes Plásticas. A abertura está marcada para as 17h00. Esta iniciativa integra a programação do Verão com(n) vida.

Abertura Exposicao Artes Plasticas  (Arquivo 2016).jpg

“Dando continuidade ao modelo implementado desde a sua primeira edição, a Exposição Aberta de Artes Plásticas visa promover e divulgar a produção das artes plásticas, bem como o reconhecimento dos seus criadores. Afirmando-se como o evento de referência para a cultura artística da Póvoa de Lanhoso, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso congratula-se pela constância desta mostra, agradecendo e parabenizando todos os artistas que, ao longo dos anos, escolheram a galeria do Theatro Club para exporem a sua arte”, refere o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

Participarão cerca de 40 artistas provenientes de locais como Póvoa de Lanhoso, Braga, Lisboa, Angra do Heroísmo, Seia, Guimarães, Fafe, Barcelos, Famalicão, Porto e Vieira do Minho.

Em exposição estarão 80 obras nas áreas de pintura, escultura, desenho e técnica mista.

São objetivos desta iniciativa, promovida anualmente pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, divulgar os novos valores emergentes das artes plásticas, bem como artistas com carreiras firmadas e,  ao mesmo tempo, reforçar a proximidade entre o público e a fruição plástica, estética e simbólica da produção artística.

FAFE RECEBE ECO-FESTIVAL

Terra Mãe sensibiliza para causas ambientais. Mais de 15 concertos e diversas actividades num fim de semana dedicado à sustentabilidade ambiental

Este fim de semana, de 21 a 23 de Julho, a freguesia de Fornelos, em Fafe, recebe a segunda edição do Festival “Terra Mãe”. Organizado pela Associação Cultural e Recreativa “Movimento Amigos de St.ª Comba de Fornelos”, Comunidade “Gomos da Tangerina”, a Junta de Freguesia de Fornelos e o Município de Fafe, este Eco Festival pretende ser uma grande sala de exposição das artes tradicionais, ligado a grandes causas ambientais e com uma forte componente social.

13717456_1381058688588292_5689450123509493127_o.jpg

Sob o mote “Três dias para mudar o mundo, três dias para mudar de vida”, o festival Terra Mãe alia-se às causas ambientais e traz a Fafe um conjunto de concertos e workshops que promovem a sensibilização ecológica e alertam para a necessidade de proteger o ambiente, numa freguesia – Fornelos – considerada a sétima mais ecológica do país.

Durante o dia, as actividades são direccionadas para os mais novos e para as famílias, com caminhadas, jogos tradicionais, oficinas de nutrição, showcooking, eco construção, yoga, conversas em círculo, teatro, palestras de sensibilização e sustentabilidade, entre muitas outras actividades.

À noite, as actividades de cariz pedagógico dão lugar a diversos concertos. Cerca de 18 artistas nacionais e internacionais vão marcar presença neste festival que vai decorrer nos terrenos contínuos à Quinta do Minhoto, com cerca de dois hectares.

O grande destaque do Festival é a banda Olive Tree Dance a atuar no sábado, 22, seguindo-se Terrakota, Progeto Aparte, Yawal, Allantantou e Teresa Gabriel.

Na sexta, o grupo Terra Livre dá as boas vindas aos festivaleiros, a partir das 20h00. Noite dentro, podem contar ainda com a atuação de Criatura, Cabra Çega, Bob Figurante, Selecta Jahbruzzy and Guests e Bugalhos.

O festival termina no Domingo, com os concertos de Samba sem Fronteiras, Krioll’Art, Grupo de Danças do Mundo e Elisabete Almeida.

A boa comida também não vai faltar, com várias tasquinhas de comes e bebes e comida vegetariana. Quem passar pelo festival, poderá também apreciar o artesanato regional e assistir a momentos de animação e artes circenses.

13724075_1248611391838603_7196247102359253264_o.jpg

13730819_1248344661865276_575364898480453646_o.jpg

13737658_1380578758636285_8272051294607667481_o.jpg

AQUAMUSEU DO RIO MINHO SERVE DE INSPIRAÇÃO AOS ALUNOS DE PINTURA DA UNISÉNIOR

Unisénior expõe tela artística na fachada principal do Aquamuseu

Os alunos de pintura da Universidade Sénior de Vila Nova de Cerveira elaboraram uma tela de pintura em acrílico, com o Aquamuseu do Rio Minho a servir de inspiração. Após concluído, o trabalho artístico encontra-se exposto na fachada principal daquele equipamento público para ser apreciado pelos visitantes.

DSC08155.JPG

De grandes dimensões (4 metros) e bastante colorido, o painel carateriza-se pela criatividade ao recriar muito do que é possível admirar no próprio Aquamuseu, isto é, os vários peixes, utensílios e objetos relacionados com a pesca artesanal.

Desta forma, o Aquamuseu em estreita colaboração com a Unisénior integram-se na promoção do conceito de ‘Cerveira, Vila das Artes’, sobretudo num ano marcado pela XIX Bienal Internacional de Arte de Cerveira, agendada entre 15 de julho e 16 de setembro.

BARCELOS HOMENAGEIA O ARTISTA CARLOS BASTO NO SEU 85º ANIVERSÁRIO

Galeria Municipal de Arte expõe as escolhas de uma vida dedicada à cultura. São 85 obras, cada uma a 85 euros para assinalar os seus 85 anos

Durante cinco dias, o Município de Barcelos vai homenagear o pintor e aguarelista barcelense Carlos Basto, que completa 85 anos no dia 20 de Abril, realizando uma exposição na Galeria Municipal de Arte, em que estarão patentes 85 obras, realizadas ao longo da sua vida artística.

barccceeelll.PNG

Para o Presidente da autarquia Miguel Costa Gomes, esta homenagem é “ uma forma que o Município de Barcelos encontrou para agradecer ao artista Carlos Basto o contributo que deu e que continua a dar para que Barcelos tenha mais visibilidade e projeção. Com esta exposição, teremos a oportunidade de celebrar os 85 anos de um ilustre e dedicado cidadão barcelense, um artista multifacetado que em todas as suas obras faz questão de refletir o orgulho que sente em ser barcelense e a extraordinária história e cultura do nosso concelho. E tenho a a certeza de que a galeria estará repleta de amigos ansiosos por brindar com Carlos Basto a mais um ano de arte, cultura e alegrias”.

Carlos Basto, grato pela forma como se sente acarinhado pelos barcelenses e pelo público em geral, vai, durante o evento, disponibilizar as suas obras pelo valor simbólico de 85 euros.

No dia 20 de Abril, dia do seu aniversário, pelas 21h00, decorrerá uma tertúlia com a participação de pintores, críticos de arte e o público em geral, em que o tema é “A Cor e o Traço na Pintura Barcelense”.

PINTORES MUTES DE ARCOS DE VALDEVEZ E MIGUEL MOREIRA E SILVA DE BRAGANÇA EXPÕEM EM LISBOA

Exposição de Pintura (Contrastes) de Mutes  & Miguel Moreira e Silva, na Vernissage, de 19 de Abril a 31 de Maio

Contraste é a base da comunicação visual, permitindo a distinção dos elementos em relação ao espaço circundante existente, na diferenciação dos seus tons de luz. Nesta Exposição de Pintura de nome CONTRASTES apresentada por Mutes & Miguel Moreira e Silva no dia 19/04/2017 com vernissage pelas 18.30, na Galeria Europa América, situada na Avenida Marquês de Tomar, 1B 1050-152, em LISBOA é bem visível a diferença nas propriedades visuais de cada um, contrastando - se na obra de ambos.

17308944_10212175363202066_8691960637568137303_n.jpg

Mutes nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986, reside atualmenteem Arcos de Valdevez. È pintor autodidata, expõe com regularidade desde 2004. Está representado em diversas coleções nos vários Continentes, ultrapassando mais de uma centena de exposições nacionais e internacionais. Através da sua arte somos transportados para um mundo de histórias contadas através da tela, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política m alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário, danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o (DES) Cubismo como forma de se afirmar. Organiza e projecta várias exposições, foi fundador e curador dos colectivos de pintura, M4K1, Um Coletivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo.

- Rompendo com os padrões estéticos que primam pela perfeição das formas na busca da imagem realista, nesta minha coleção designada (Des) Cubismo Contornismo, busco a desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, através de figuras mutantes imaginárias, contornando-a nas suas dimensões, numa superfície plana, sob estranhas e variadas formas com o predomínio de linhas curvas e retas, numa estruturação das figuras e dos objetos desajustados, movimentando-os em torno de si próprios através da sua fragmentação, dando abertura e apresentando todos os seus lados num plano frontal em relação ao espectador.

Miguel Moreira e Silva nasceu em 1967, vive e desenvolve o seu trabalho em Bragança. Licenciado em Animação e Produção Artística desenvolve regularmente os seus trabalhos artísticos desde 1992, expõe de forma permanente em Bragança na galeria História e Arte e no Museu Ibérico da Máscara e do Traje, desde 2007.

Sobre as obras: Os seus trabalhos deambulam entre múltiplas técnicas das quais se destaca a pintura, assemblage e a escultura. Nas telas, o autor explora o contraste das cores cheias que se aplicam sobre figuras humanas. As figuras, tratadas como personagens tipo refletem distintas tipologias de propaganda e aparato, denunciando os diferentes atributos e técnicas que em diferentes tempos e espaços provocaram o mesmo efeito de “fa stupire”. A assemblage constitui uma técnica recorrente na experimentação artística de Miguel Silva que lhe permite explorar o ecletismo dos elementos que as incorporam traduzindo uma atitude livre de categorizações, espaço confortável para a prática do autor. Todos os detalhes estabelecem uma forte carga emocional entre eles e entre o todo que supõe o seu conjunto. São narrativas, episódios pessoais, memórias, diários visuais onde a plasticidade dos objetos e a carga simbólica das formas assumem o valor lexical do registo. O autor mistura elementos que sugerem o ritual, a catarse como processo de exorcismo. Confronta-nos o pesadelo e a agressividade na angulosidade e dureza de materiais. A uniformização das composições é sugerida na envolvência sanguínea que cobre a superfície dos objetos reunidos."

mmmm.jpg

BARCELOS RECORDA ESCULTOR JOSÉ RODRIGUES

Sala Gótica, Museu de Olaria e Teatro Gil Vicente recebem em simultâneo os trabalhos do artista plástico

De desenhos a esculturas, passando pelos cenários, Barcelos vai acolher três exposições do recentemente falecido, José Rodrigues, um nome incontornável da história da arte portuguesa. O artista plástico, que integrava o famoso grupo d’ Os Quatro Vintes e foi fundador da Bienal de Cerveira, será recordado pela cidade neste programa de homenagem cuja inauguração acontece a 8 de outubro e se prolonga até 27 de novembro. A entrada é gratuita.

jose-rodrigues.jpg

Na Sala Gótica dos Paços do Concelho estarão expostos vários desenhos e esculturas do artista de várias fases, de 1960 a 2013, traçando um percurso da obra e estilo de José Rodrigues. Multifacetado, o artista dedicou-se também ao trabalho em barro, que poderá ser visto no rés-do-chão do Museu de Olaria, na exposição “Fragmentos”. José Rodrigues esteve ainda ligado aos palcos, na conceção e construção de cenografias – a que Rodrigues intitulava esculturas habitadas-, cujas maquetes e objetos relativos estarão em exposição no Teatro Gil Vicente, sob o título “Espaços Cénicos”.

A ligação do escultor ao Minho é conhecida, em particular com Vila Nova Cerveira. Em Barcelos, José Rodrigues deixou a Escultura aos Poetas, inicialmente montada no Largo dos Poetas, e reposta em frente ao Teatro Gil Vicente. As exposições, que estavam programadas antes do falecimento do artista, tornam-se assim num gesto de homenagem e agradecimento a José Rodrigues.