Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CERVEIRA INTEGRA “ORGULHOSAMENTE” O PROJETO CAMINHO DA ARTE

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, assinou, esta segunda-feira, o protocolo de colaboração para a implementação do Caminho da Arte nos Caminhos de Santiago, projeto que vai instalar 60 obras de arte contemporânea de artistas nacionais e internacionais, ao longo dos 261 quilómetros que ligam a Sé do Porto à Catedral de Santiago de Compostela, na Galiza, propondo-se a criar “a maior estrada de arte do mundo”.

Caminho da Arte 2.jpg

Promovido pela Lionesa - Associação de Arte, Cultura e Turismo, com o apoio dos municípios portugueses que os Caminhos de Santiago percorrem, da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) e do Turismo Porto e Norte de Portugal (TPNP), o projeto pretende “valorizar os Caminhos de Santiago, acrescentando-lhes Arte do século XXI”. “O cruzamento do património histórico e cultural, material e imaterial, existente, dos Caminhos de Santiagos, com a arte contemporânea, contribuirá para a valorização artística e cultural dos Caminhos de Santiago e consequentemente para o aumento e qualificação do Turismo da Região e dos territórios que o projeto atravessa”, lê-se no documento assinado na sede do Turismo do Porto e Norte, no Castelo de Santiago da Barra, em Viana do Castelo.

Trata-se de um projeto cultural que se prolongará no tempo, prevendo-se que ainda este ano seja instalada a primeira obra de arte. O objetivo é ir instalando as 30 peças previstas para o troço português do Caminho para Santiago de Compostela, e as restantes 30 no troço galego.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, este é um “projeto que se enquadra perfeitamente na estratégia turístico-cultural delineada para o concelho para os próximos anos”. “Queremos dar o nosso contributo para potenciar o Caminho Português da Costa, e associar-lhe o cariz artístico, sendo nós reconhecidos como a ‘Vila das Artes’, é um orgulho integrar este projeto”, assegura.

Os municípios parceiros - Esposende, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valença, Viana do Castelo, Vila do Conde e Vila Nova de Cerveira - definem ainda, em protocolo, que “envidarão esforços no sentido de concretizar uma candidatura do Caminho da Arte a fundos europeus, nomeadamente POCTEP, INTERREG e Portugal 2023, mas também na procura de mecenato”.

Reconhecido como “o primeiro itinerário cultural europeu e uma das marcas identitárias da Europa”, o Caminho Português foi, no ano de Jacobeu de 2022, o segundo Caminho de Santiago mais percorrido pelos peregrinos.

Os Caminhos de Santiago são uma rota milenar seguida por milhões de peregrinos desde o início do século IX, quando foi descoberto o sepulcro do apóstolo Santiago. O Caminho Português da Costa atravessa os concelhos do Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença.

Caminho da Arte 1.jpg

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE E ESMAD – ESCOLA SUPERIOR DE MEDIA ARTES E DESIGN PARCEIROS EM PROL DA CULTURA

O Município de Esposende vai estabelecer um protocolo de cooperação com a ESMAD - Escola Superior de Media Artes e Design, de acordo com deliberação aprovada, por unanimidade, em reunião de Câmara.

Capturarcasamarinhas.JPG

Esta parceria tem subjacente a operacionalização de um conjunto de ações no contexto da Casa-Museu Viana de Lima e da tecelagem com junco de Forjães.

Além de promover a aproximação entre a autarquia e o meio académico, este protocolo possibilitará estudar o processo do design modernista no Município de Esposende como um dos períodos da história do design português, e contribuir para a valorização do património artesanal da tecelagem com junco de Forjães. Por outro lado, esta parceria contribuirá para a inserção dos recém-diplomados no mercado de trabalho.

“No contexto cultural local, é missão da Casa-Museu Viana de Lima intervir ativamente na inventariação, investigação, conservação, exposição e divulgação dos testemunhos materiais e imateriais do património do Município e da obra do Arquiteto Viana de Lima, com o intuito de reforçar a memória e identidade, contribuindo, assim, para um desenvolvimento local integrado e sustentado”, refere o Presidente da Câmara Municipal de Esposende. Benjamim Pereira sublinha, por outro lado, que “todo esse trabalho é mais sustentado com a parceria da Academia, pelo que a celebração deste protocolo de colaboração visando a realização de estudos técnicos e científicos no território, entre outras ações e dinâmicas, constitui-se como fundamental para a boa prossecução das competências e dos objetivos definidos”.

Esta parceria tem subjacente a concretização das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

CÂMARA DE FAMALICÃO ASSEGURA ACESSO DE CRIANÇAS E JOVENS AO ENSINO ARTÍSTICO ARTICULADO

Investimento de 160 mil euros para comparticipação de propinas e pagamento de transporte

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão está a investir anualmente cerca de 160 mil euros para proporcionar o acesso de crianças e jovens ao ensino artístico articulado nas áreas da música, da dança e do teatro. Os apoios incluem comparticipação de propinas, pagamento de transporte e cedência de instalações.

AFS_4234 (5).jpg

Perto de meio milhar de alunos do concelho de Vila Nova de Famalicão, do 2.º ciclo ao ensino secundário, frequentam atualmente o ensino artístico especializado, em articulação com o ensino regular.

Neste âmbito, o Executivo Municipal aprovou na última Reunião de Câmara, realizada no passado dia 24 de novembro, um apoio financeiro à AN-DANÇA, Conservatório de Dança de Vila Nova de Famalicão, no valor de 45 mil euros, relativo ao primeiro período do ano letivo 2022/2023, para apoio ao ensino artístico especializado da dança.

É de salientar que o ensino artístico especializado da dança, em regime articulado, é ministrado em Vila Nova de Famalicão desde o ano letivo 2020/2021. Encontram-se, atualmente, a frequentar este regime de ensino cerca de 67 alunos.

Já  o Curso Básico de Música, em regime articulado, existe no concelho famalicense desde os anos 90, sendo atualmente ministrado pela ARTAVE/CCM - Centro de Cultura Musical e pela ArtEduca - Conservatório de Música de V. N. Famalicão, a perto de 400 alunos.

Depois da música e da dança, o município famalicense avançou neste ano letivo, 2022/2023, com o ensino artístico especializado de teatro, ministrado pela ACE - Escola de Artes, dando resposta aos alunos do ensino público do concelho que procuram esta formação, articulando-a com o ensino regular. Atualmente, frequentam o ensino artístico especializado de teatro cerca de duas dezenas de alunos do 5.º ano.

CapturarARTFA2.JPG

ARTFA3.JPG

MONÇÃO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS NO ESPAÇO PÚBLICO

Monção embeleza “paisagem” urbana, através da pintura de várias caixas de eletricidade no centro histórico da vila.

Nos últimos anos, os espaços públicos do centro histórico de Monção têm sido invadidos por diferentes manifestações artísticas, gerando, lentamente, um diálogo criativo entre o património histórico e a arte urbana, propondo, aos visitantes, uma oferta cultural mais ampla e diversificada.

MONÇAOARTURB (4) (5).JPG

Neste contexto, realizou-se, em dois fins de semana distintos, um em outubro e outro em novembro, uma atividade artística de embelezamento da “paisagem” urbana monçanense, consistindo na pintura de várias caixas de eletricidade no centro histórico da vila.

A iniciativa, recebida de forma muito positiva por parte da população local, foi desenvolvida por um conjunto de artistas pertencentes ao “Coletivo Rua”, nascido no Porto, em 2006. A saber: Nuno Palhas (third), Mário Fonseca (oker), Tiago Braga (fedor), Nuno Barbedo (caver) e Pedro Sequeira (podre).

Naqueles suportes, através de uma linguagem plástica contemporânea, os artistas recriaram diferentes aspetos da história, do património e da mitologia local. Assim, é possível visualizar o afamado Alvarinho, a lendária Coca, e a heroína Deu-la-Deu Martins

Também a saborosa Lampreia do Rio Minho, que chega à mesa em diferentes formas, todas deliciosas, o apetecível Cordeiro à Moda de Monção, com nome ousado e sabor autêntico, e as lendas e mitos que povoam o território monçanense com históricas mágicas e fascinantes.

A presente intervenção, focada na valorização artística do núcleo urbano de Monção, procurou a criação de mais um motivo de atratividade junto dos visitantes que, desta forma, podem usufruir de um novo roteiro artístico, complementando as visitas aos monumentos, esculturas e museus localizados no núcleo histórico da vila (Museu Alvarinho, Museu Monção & Memórias e Museu Rota dos Castros).

MONÇAOARTURB (3).JPG

MONÇAOARTURB (1) (2).JPG

MONÇAOARTURB (2) (1).JPG

MONÇAOARTURB (5) (1).JPG

MONÇAOARTURB (6) (2).JPG

CHARTERS DE ALMEIDA REENCONTRA OBRA DE ARTE EM FAMALICÃO E FICA EMOCIONADO

Escultura embeleza jardins da fábrica de calçado ACO, do ex-autarca Armindo Costa

O escultor Charters de Almeida, de 87 anos, teve um sábado de emoções fortes na sede do grupo ACO Shoes, em Mogege, concelho de Vila Nova de Famalicão, onde reencontrou uma obra de arte produzida em 1972 e cujo paradeiro desconhecia.

Charters de Almeida e Armindo Costa (6).jpg

“É uma emoção muito grande. É como reencontrar um filho”, declarou Charters de Almeida, revelando-se “muito feliz” com a surpresa preparada por Armindo Costa, fundador e presidente do grupo ACO Shoes e antigo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Há 50 anos, Charters de Almeida desenhou uma escultura em aço inox com quatro milímetros de espessura, com 15 toneladas de peso e 22 metros de altura, para ser colocada na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, na sede do Banco Intercontinental Português (BIP), do banqueiro Jorge de Brito, que na década de 1990 seria presidente do Benfica.

Na sequência da Revolução de 25 de Abril de 1974, o banco foi intervencionado pelo Estado, Jorge de Brito fugiu para o Brasil e a escultura acabou armazenada numa empresa de ferro-velho da região de Lisboa. Para Charters de Almeida “a peça estava desaparecida”.

Anos mais tarde, Armindo Costa, ainda antes de ser eleito presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, cruzou-se com o proprietário da empresa de ferro-velho e conseguiu comprar a escultura para embelezar os jardins da sua empresa, em Mogege, no concelho de Vila Nova de Famalicão, o que aconteceu há 25 anos.

Como a obra estava assinada, e como Charters de Almeida esteve recentemente em Vila Nova de Famalicão no âmbito do processo de recuperação dos azulejos que criou para a torre da Fundação Arthur Cupertino de Miranda, o antigo autarca Armindo Costa fez chegar ao escultor um convite para visitar a sua obra, na fábrica de Mogege, para assinalar os 50 anos da produção da escultura.

Este sábado, ao fim da manhã, Charters de Almeida e a sua mulher, Maria Bahia, chegaram a Mogege e ficaram emocionados com a “surpresa memorável” – na expressão de Maria Bahia – que Armindo Costa preparou: uma cerimónia simples de descerramento de uma placa alusiva ao reencontro de Charters de Almeida com a sua obra meio século depois.

Dirigindo-se a Armindo Costa e seus familiares, Charters de Almeida não evitou as lágrimas da emoção quando afirmou: “Isto é uma qualidade humana que o meu ilustre amigo e a sua família demonstram ter que é um exemplo para toda a gente. E eu felicito-os por isso.”

O antigo presidente da Câmara de Vila Nova de Famalicão estava acompanhado pela esposa, Fernanda Costa, pelos filhos Paula Costa e Fernando Costa e netos.

“Não sabia se a peça tinha sido destruída, não sabia nada. O que estou a ver agora é tudo novidade”, afirmou Charters de Almeida, ao chegar à empresa de Famalicão, revelando-se muito “muito feliz com o reencontro” e com o cuidado tido perante a obra de arte, que ficou “muito bem enquadrada” nos jardins do grupo ACO Shoes.

Sobre o significado da escultura, prefere deixá-lo ao cuidado da observação de cada pessoa. “É um elemento que procura integrar-se num espaço que já está definido”, afirmou o autor da obra. Já para Armindo Costa, a peça simboliza o seu “trajeto de vida com a família”.

A presença de Charters de Almeida terminou com Armindo Costa como cicerone das instalações fabris e das instalações sociais da sede do grupo ACO Shoes, com jardim de infância para os filhos dos 350 trabalhadores, cantina social e espaço multidesportivo. “É fantástico”, comentou Charters de Almeida.

Fundada em 1975 na freguesia de Mogege, concelho de Vila Nova de Famalicão, o grupo ACO Shoes é líder em Portugal na produção e exportação de calçado de conforto feminino, vendendo os seus produtos em mais de 30 países de vários continentes.

A placa que surpreendeu Charters de Almeida na base da obra de arte (1).jpg

Armindo Costa, Charters de Almeida e a obra de Arte (3).jpg

Charters de Almeida e esposa com a família de Armindo Costa (3).jpg

Charters de Almeida, Armindo Costa, Fernando Costa e a obra de arte (2).jpg

O monumento desenhado por Charters de Almeida embeleza jardins do grupo ACO Shoes (6).jpg

FAMALICÃO: FESTIVAL BINNAR DECORRE ATÉ 25 DE NOVEMBRO

Festival das Artes com várias iniciativas artísticas pelo concelho famalicense

O festival dedicado às várias formas de arte, BINNAR, está de regresso para a sua sétima edição. A iniciativa deu o tiro de partida hoje, dia 8 de novembro, com a exposição coletiva ‘Something and Post-Something’, que vai estar patente na Casa-Museu Soledade Malvar até ao fim do festival, que acontece a 25 de novembro.

Capturarlx.JPG

Concertos, exposições, cinema, workshops e formações. São várias as propostas do BINNAR 2022, criado e produzido pela plataforma BINNAR, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que vão trazer ao concelho famalicense inúmeros artistas e grupos artísticos, com destaque para o concerto de Tiago Sousa, a 12 de novembro pelas 22h00, na Fundação Castro Alves em Bairro.

Na sua atuação, o compositor e pianista vai revisitar alguns temas dos álbuns ‘Organic Music Tapes Vol.1’ (2022) e ‘Oh Sweet Solitude’ (2020), e vem apresentar antecipadamente o seu novo álbum ‘Ripples on The Surface’, cujo lançamento está a ser preparado.

Para além deste concerto, refira-se que já esta quinta-feira, 10 de novembro, o Pequeno Auditório da Casa das Artes de Famalicão vai receber o Festival Galego de vídeo-poesia MARXE, a partir das 21h45, seguido da projeção do documentário ‘Lisboa, Cidade Triste e Alegre’ (2022) de João Trabulo, numa iniciativa desenvolvida em parceria com o Cineclube de Joane.

Refira-se que o festival BINNAR realiza-se em Vila Nova de Famalicão desde 2016. Ao longo dos anos, o festival tem agregado várias parcerias e diferentes espaços da cidade e do concelho, entre os quais, museus, galerias, fundações, escolas, entre outros, de forma a apresentar um programa que junta artistas consagrados e emergentes.

A entrada em todos os eventos e atividades do BINNAR é gratuita. Mais informações em www.binnar.org .

BINNAR 2022

EXPOSIÇÕES

Capturarsomething (5).JPG

SOMETHING AND POST-SOMETHING (COLECTIVA)

08-25 NOV | CASA-MUSEU SOLEDADE MALVAR

Exposição colectiva "Something and Post-Something" com: Benna Gaen Naris, Capitana F, Carla Novak, Coalfather Industries, Maria Belen Amitrano, Shubhodeep Roy, Solana Lanchares, Stanko Gagrčin. Há sempre um antes e um depois, um pré e um pós. No centro da acção, reside a acção em si, vivendo de si mesma, em impulso, um agir à volta de visões em perspectiva acerca do lugar que a expressão adquire através de nós.

NEST (COLETIVO INTERSTRUCT )

19-25 NOV | CASA DO TERRITÓRIO

Residência artística e instalação de Interstruct Collective. Tendo como ponto de partida  narrativas sugeridas pela fauna, flora ou fragmentos arqueológicos inscritos na paisagem do Parque da Devesa, o InterStruct propõe a criação de uma peça site-specific para pensar caminhos mais sustentáveis para as relações entre comunidades humanas e não humanas.

VINCENT MOON (SCREENING / INSTALAÇÃO)

20 NOV_14h-18h | MOSTEIRO DE ARNOSO SANTA EULÁLIA

Um olhar, um ouvir, um sentir na viagem de vida construída de belos rituais, humanidade e arte. Uma mostra do trabalho de Vincent Moon - screening em loop de um momento realizado no âmbito do "Arte Pensamento Som", em parceria com a UCP.

CONCERTOS/PERFORMANCES

Capturartiago (3).JPG

TIAGO SOUSA

12 NOV_22h00 | FUNDAÇÃO CASTRO ALVES

Tiago Sousa prepara o lançamento de um novo álbum chamado "Ripples on The Surface" e que vem apresentar antecipadamente, assim como revisitar alguns temas dos álbuns "Organic Music Tapes Vol.1" e "Oh Sweet Solitude". Nestes novos registos, explora uma nova abordagem estética minimalista de música orgânica. Música orgânica procura a expressão pelo mesmo processo com que se formam os padrões da Pedra Jade, os veios da madeira ou a fibra dos músculos, cuja irregularidade e aleatoriedade formam padrões de uma beleza única e irrepetível, acessíveis aos sentidos mas difíceis de definir por palavras. São composições que se assemelham a nebulosas de estrelas e planetas, com a sua massa de contornos pouco nítidos e indeterminados.

SOLAR CORONA ELEKTRISCHE MASCHINE

19 NOV_18h00 | MOSTEIRO DE ARNOSO SANTA EULÁLIA

Desprendidos a momentos da sua matriz rock, a banda Solar Corona apresenta-se no BINNAR num formato musical de carácter mais exploratório. Diz-nos a Glam Magazine sobre Solar Corona Elektrische Maschine: "improvisação alçada em instrumentos electrónicos, digitais e analógicos, novas percussões com novos métodos de amplificação/processamento e um baixo como fundação de groove, explorando a repetição e a imprevisibilidade".  Um concerto especial num local único. Uma viagem...

Entrada livre Infos: www.binnar.org

CINEMA 

MARXE + JOÃO TRABULO (Parceria com Cineclube de Joane)

10 NOV | CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO

Marxe é um festival de videopoesia que promove a criação poética e a construção de redes entre videopoetas de todo o mundo. Para além da cidade de Vigo, na edição deste ano ampliam-se as fronteiras e estará também em Famalicão, dentro da programação do festival BINNAR.

Projeção do filme ‘Lisboa, Cidade Triste e Alegre.’ (2022). Lisboa, 1953. Victor Palla e Costa Martins são amigos, arquitetos e ambos constatam que partilham um gosto intenso em fotografar Lisboa. Fotografam a cidade juntos com o objetivo de mais tarde reunirem essa aventura num livro de fotografia. Tiram mais de 6000 fotografias. Em 1959, Lisboa, cidade triste e alegre é posto a circular em fascículos. O livro permanece esquecido durante meio século e só após a morte de ambos ganha um súbito destaque, tornando-se o photobook português com maior projeção internacional de todos os tempos. Tendo como pano de fundo o ‘poema gráfico’ de Victor Palla e Costa Martins, o filme é um convite à interpretação transversal da cidade de Lisboa, inspirado pelas fotografias dos dois amigos fotógrafos.

WORKSHOPS E FORMAÇÃO

CURSO DE SOBREVIVÊNCIA SONORA E VISUAL EM CENÁRIOS C/ JESÚS ANDRÉS TEJADA

11 NOV_10h30 | INSTITUTO NUN'ALVRES

Masterclass + oficina com o músico, videógrafo, designer e fotógrafo Jesús Andrés Tejada. Este curso procura focar-se nas ferramentas de edição de som/vídeo/foto para resolver os inconvenientes dos eventos performativos em palco de forma prática e descomplicada. Tudo isso com ferramentas de software gratuitas e uma seleção de produtos de hardware para bolsos apertados. 

A PALAVRA COMO AÇÃO C/ MARIA GIULIA PINHEIRO

17-18 NOV | ACE - ACADEMIA CONTEMPORÂNEA DO ESPETÁCULO

Oficina de performance e apresentação ao vivo, com Maria Giulia Pinheiro. Entre o texto lido silenciosamente na cabeça e o texto lido ressoando escandalosamente na boca, há um abismo. A poesia escrita é relativamente recente em comparação à tradição oral e, ainda assim, conserva o ar de importância quando confrontado com o spoken word contemporâneo. Com exercícios de aprimoramento vocal, qualificação da leitura cénica e dos gestos,  a oficina abordará o poder da oralidade na performance. A apresentação do resultado da oficina acontecerá no dia 18 de novembro pelas 11h00.

O LAGARTO C/ ESTEFÂNIA SURREIRA

18 NOV_14h - 16h | ESCOLA BÁSICA LUIS DE CAMÕES

Oficina expressiva de narração dirigida a crianças, tendo como ponto de partida a obra de José Saramago. Estas atividades têm como objetivo dar a conhecer às crianças uma das obras do escritor, enquadrando-se, desta forma, nos festejos do centenário do seu nascimento. Para além disso, e não menos importante, pretende-se reforçar a importância da leitura, da escrita e da liberdade de imaginar e criar.

ESPOSENDE PROMOVE FÓRUM INTERNACIONAL DE ARTE E COMUNIDADE NOS DIAS 11 E 12 DE NOVEMBRO

O Município de Esposende vai realizar, nos próximos dias 11 e 12 de novembro, o Fórum Internacional de Arte e Comunidade (FIAC), proporcionando a apresentação, discussão e reflexão sobre as pujantes práticas artísticas comunitárias contemporâneas, nacionais e internacionais, e a sua relação com as questões ambientais.

Capturarfiacesp (7).JPG

O evento, que conta com a curadoria de Hugo Cruz, consultor do Programa Municipal de Arte Comunitária de Esposende, terá como palco principal o Fórum Municipal Rodrigues Sampaio, em Esposende, e contará com a participação de especialistas de referência nacional e internacional nas áreas da Arte, Comunidade e Ambiente, oriundos de contextos diferenciados entre Portugal, Espanha, Brasil e Inglaterra.

O primeiro dia será dedicado ao seminário “Arte, comunidade e ambiente: diálogos para hoje”, que pretende ser um espaço de celebração dos diferentes protagonistas que têm potenciado estes processos artísticos e de cidadania. A sessão de abertura, prevista para as 9h30, contará com a presença da Diretora Regional de Cultura do Norte, Laura Castro, do Diretor-Geral das Artes, Américo Rodrigues, e do Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

No dia 12, no período da manhã, terá lugar a atividade “VERDE ADENTRO — comida bravia nas margens do rio Neiva”, que consistirá numa caminhada de identificação e recoleção de plantas espontâneas comestíveis e confeção coletiva de uma refeição silvestre simples, em fogo-de-chão, seguida de almoço e conversa promovida pela Recoletora, com o apoio da Associação Rio Neiva.

Já no período da tarde, no Fórum Municipal Rodrigues Sampaio, decorrerá a apresentação do livro “AMAReMAR - IMPRESSÕES . ARTE . COMUNIDADE .”, coordenado por Hugo Cruz e com ilustrações de Joana de Rosa, uma publicação onde as imagens e os testemunhos de quem deu vida ao projeto AMAReMAR, desde a sua fundação, são partilhados com o público e assim se perpetuam. Terá também lugar a apresentação do trabalho discográfico “Restinga”, editado no âmbito do Programa Municipal de Arte Comunitária – Esposende, que contará com a performance musical de diversos elementos da comunidade que integram a produção, com direção artística de Filipe Miranda e João Miguel Fernandes. Ainda na tarde do dia 12, terá lugar a apresentação final da oficina de percussão “Basket Beat”, que decorrerá ao longo dos dois dias do Fórum, no Polidesportivo da Escola Básica António Correia de Oliveira, sob a orientação de Josep Borràs, de Espanha.

Ao longo dos últimos anos, o território de Esposende tem vindo a desenvolver um trabalho em rede, formal e informal, com diferentes dispositivos participativos, que, de forma estruturada, tem permitido um diálogo profundo entre arte e comunidades locais. Neste contexto, a promoção deste Fórum assume grande relevância para o Município de Esposende, entre outros motivos, pelo facto de dinamizar, desde 2015, o projeto AMAReMAR – Arte e Comunidade. Trata-se de um projeto aberto a todas as idades, de acesso gratuito e que consiste numa proposta de intervenção social através de práticas artísticas, tendo como premissa a importância da educação e da cultura na formação integral do indivíduo e do coletivo, como verdadeiros instrumentos de coesão social.

A participação no Fórum Internacional de Arte e Comunidade é gratuita, contudo carece de inscrição, através do endereço www.eventos.esposende.pt. Mais informações disponíveis em www.municipio.esposende.pt/p/fiac.

Este evento é cofinanciado pelo Programa Cultura Para Todos (Norte 2020) e enquadra-se nas metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

CELORICO DE BASTO PROMOVE RESIDÊNCIA ARTÍSTICA

Fogo Fogo mistura-se com a comunidade local
A primeira Residência Artística de 2022 está agora a decorrer em Celorico de Basto com a presença da Banda Fogo Fogo a interagir com os vários agentes culturais e musicais do concelho.

imagens da residência artistica (1) (10).jpeg


A banda composta pelos artistas David Pessoa, Márcio Silva, Danilo Lopes, Francisco Rebelo e João Gomes esteve esta quinta-feira, 20 de outubro, no Centro Cultural Marcelo Rebelo de Sousa a apresentar aos jovens da Academia de Música de Basto “todo o processo de fazer música, um processo que exige muita repetição, muito trabalho, até que a melodia esteja completamente harmoniosa para passar para o público. Este é um processo pouco abordado, mas crucial para a criação musical” disse Márcio Silva, baterista dos Fogo Fogo.
Para a Vereadora da Cultura do Município de Celorico de Basto, Maria José Marinho, os Fogo Fogo integram a 1ª residência artística porque são uma banda reconhecida com vários projetos e atuações um pouco por todo mundo. Uma banda que esteve connosco no Festival Inquieto e que mostrou, desde o primeiro momento, interesse em integrar este projeto que consiste em fazer arte conjuntamente com os nossos aristas locais”. Para a autarca, “esta residência artística é a primeira de um conjunto de iniciativas similares com o intuito de proporcionar à nossa comunidade, sobretudo aqueles que olham para estas áreas com interesse, a possibilidade de viverem novas experiências, experiências essas que poderão ter aqui um papel crucial no incentivo e motivação no fomento do interesse pelas diferentes manifestações artísticas. De facto, Celorico de Basto tem todas as condições para a criação artística”.
Os Fogo Fogo é projeto ímpar que celebra as influências e tradições de raiz lusófona, com origem na cultura musical cabo-verdiana. O seu primeiro disco de originais tem o nome de "Fladu Fla" e foi lançado em 2021.
Esta residência artística promovida pelo Município de Celorico de Basto advém de uma candidatura submetida e aprovada ao Programa Operacional Regional do Norte – Norte 2020.

imagens da residência artistica (4).jpeg

imagens da residência artistica (2) (2).jpeg

imagens da residência artistica (3) (2).jpeg

imagens da residência artistica (6) (2).jpeg

imagens da residência artistica (5) (6).jpeg

imagens da residência artistica (7) (10).jpeg

AUTARQUIA BARQUENSE PRESENTEOU UTENTES E COLABORADORES COM AULA DE ARTE NO ANIVERSÁRIO DA APPACDM

O exterior dos Paços do Concelho transformou-se hoje de manhã numa verdadeira aula de arte, isto porque a APPACDM – Delegação de Ponte da Barca celebra 31 anos de existência e a Câmara Municipal não podia deixar de se associar à comemoração desta data tão especial.

310434563_4899909126776698_3482679640298133784_n (2).jpg

Com a colaboração dos alunos e professor da turma de artes do 11º ano do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca, os utentes da APPACDM estiveram a pintar várias telas com motivos florais, resultando em verdadeiras “obras de arte” carregadas de cor e amor que vão ser, posteriormente, colocadas a leilão. O  valor angariado vai reverter a favor da APPACDM para ajudar à aquisição de instrumentos musicais.

O Presidente da Câmara, Augusto Marinho, e Vereadores Municipais desejaram muitos parabéns à APPACDM, aos seus utentes, familiares, colaboradores, e amigos desta tão nobre instituição, pelo seu 31º aniversário.

Recorde-se que a APPACM é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que concebe, constrói e implementa respostas sociais dirigidas, prioritariamente, aos cidadãos com deficiência e as suas famílias, com vista a facilitara construção de um projeto de vida.

Sem dúvida, uma Instituição de referência na construção de uma sociedade inclusiva.

310433146_4899908666776744_133428847160306448_n.jpg

310831688_4899908676776743_7685093404980575616_n.jpg

311260901_4899912003443077_6004666964714474267_n (1).jpg

311305274_4899911303443147_7361339476058181393_n (2).jpg

310417027_4899911046776506_3812080820975156437_n (5).jpg

310447471_4899909030110041_7035990434874047974_n (6).jpg

310457001_4899911740109770_7912157586293499379_n (6).jpg

VIEIRA DO MINHO: CASA DA CULTURA INAUGUROU EXPOSIÇÃO “O PODER DA ARTE”

A Casa da Cultura de Vieira do Minho tem patente a exposição “O Poder da Arte, de Cecília Dias Gomes, inaugurada recentemente pelo presidente da Câmara Municipal, António Cardoso.

310662667_1765413093791704_6627406268986322184_n (7).jpg

Trata-se de uma exposição que retrata três áreas distintas da arte: a pintura, a música e a poesia. No que diz respeito à poesia, a artista natural da freguesia de Rossas Cecília Gomes apresentou, ao público o livro intitulado “A Minha Vez!”.

Um livro de poesia onde a autora demonstra as suas emoções e pensamentos de forma liberta, transparente e verdadeira.

Na Galeria 4, da Casa da Cultura estão, também patentes 18 telas de autoria de Cecília Gomes. Em simultâneo, a artista deu a conhecer a Vieira do Minho a sua música, apresentando, em CD a sua compilação musical que intitula de “Mulher Apaixonada”.

A obra desta artista pode ser contemplada na Casa da Cultura, em horário de expediente até ao final do mês de dezembro.

ARTE URBANA PELAS MÃOS DE JOVENS FAMALICENSES

Projeto Urban Youth está na 6.º edição e contou com a participação de 75 jovens de 4 freguesias

Calendário, Louro, Ribeirão e Vilarinho das Cambas têm arte urbana nova. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Baden Powell, as associações locais e o Auto de São João foram os temas que inspiraram a criação de quatro instalações artísticas, uma em cada freguesia, concebidas durante o verão por cerca de 75 jovens famalicenses no âmbito do Urban Youth, projeto de intervenção urbana desenvolvido pel’A Casa ao Lado em parceria com o Município de Vila Nova de Famalicão, através da Casa da Juventude.

urban_youth_(c)_a_casa_ao_lado_10 (2).jpg

As imagens criadas para cada mural resultaram de contributos dos participantes durante as oficinas artísticas que antecederam a concretização da pintura, sob orientação dos técnicos d’A Casa ao Lado. Com base nas perceções dos jovens participantes, foram definidos temas-chave inspirados na história e dinâmica da freguesia e da sua comunidade.

Esta reflexão resultou na elaboração de uma imagem gráfica que explana a perceção da freguesia pelo olhar dos cidadãos mais jovens, servindo de mote para uma pintura mural que valoriza e divulga referências locais e aspetos identitários da comunidade, ao mesmo tempo embelezando o espaço público da freguesia.

Refira-se que o Urban Youth existe desde 2016, e tem como objetivo promover o encontro e diálogo, entre jovens dos 12 aos 35 anos, no sentido de reforçar a coesão social e territorial através da arte. No sentido de promover a atividade artística como instrumento de desenvolvimento económico, social e cultural, o projeto tem, ainda, como objetivo proceder à valorização de espaços urbanos através de intervenções artísticas.

Desde o seu início, já participaram no Urban Youth cerca de 420 jovens de 22 freguesias do concelho, resultando em mais de duas dezenas de intervenções de arte urbana espalhadas pelo concelho de Vila Nova de Famalicão com o cunho das gerações mais jovens do concelho.

urban_youth_(c)_a_casa_ao_lado_rib_7.png

urban_youth_(c)_a_casa_ao_lado_15 (3).jpg

FAMALICÃO: CASA DAS ARTES INAUGURA AMANHÃ EXPOSIÇÃO DE FEDERICO FELLINI

Iniciativa incluída na programação do Close-Up

A Casa das Artes inaugura amanhã, sábado, dia 8 de outubro, às 17h00, a exposição “Federico Fellini, Il Maestro”. Trata-se de uma iniciativa enquadrada na programação do 7.º Episódio do CLOSE-UP que vai ter lugar de 15 a 22 de outubro.

image002casartes (4).png

A exposição é uma parceria da Casa das Artes de Famalicão com o Museu de Cinema de Melgaço – Jean-Loup-Passek, e toma como base a exposição que assinalou o centenário do nascimento de Fellini.

Esta exposição reúne cartazes, fotografias e desenhos do cineasta italiano, vai estar patente no foyer da Casa das Artes de Famalicão, com entrada livre, até 30 de dezembro.

Federico Fellini, nascido em Rimini, antes de ser realizador foi desenhador, caricaturista, cartoonista: lugares de desenhos de personagens, gestos, expressões, cenários e sonhos. O desenho perdurou como parte do seu processo criativo e funcionava também como terapia. Um realizador visionário, então, em que muitas vezes os desenhos antecipavam o guião, o guarda-roupa, os cenários, a luz ou as características dos interpretes, servindo para familiarizar e aproximar os seus colaboradores da narrativa, da natureza e da identidade do filme. Os desenhos de Fellini eram uma antecipação fragmentada do filme. Os filmes, uma analogia da sua vida: todos transportam memórias, sonhos, historias e acontecimentos vividos ou sonhados por Fellini.

FESTIVAL OUTONARCOS – FESTIVAL DE ARTES TRAZ MAIS DE DUAS DEZENAS DE PROJETOS A ARCOS DE VALDEVEZ NO OUTONO

Apesar dos dias de Outono ficarem mais frescos e curtos, não vamos hibernar; muito pelo contrário, uma vez que há muitas e boas razões para visitar Arcos de Valdevez nesta estação.

No Outono Arcos de Valdevez está cheio de cores quentes: vermelho, laranja e amarelo. O chão fica recoberto de um tapete cheio de folhas e o Sol arrasta-se, como quem não quer partir desta terra “Onde Portugal se Fez”.

Esta época, uma das mais belas do ano, queremos também bons motivos para nos divertirmos com a família e amigos. É um convite para caminhar e deliciar-se com a nossa gastronomia, doçaria e vinhos de excelência, uma paisagem que ganha mais de 1000 tons que parecem pertencer a uma pintura de aguarela.

Para além das conferencias há outras atividades, como exposições, visitas guiadas, oficinas e múltiplas atividades para famílias e para os mais jovens.

Para descobrir estas emoções, o Município realiza nos meses de outubro e novembro o Festival OutonArcos, um festival com muitas propostas de música, teatro, cinema e eventos. São mais de duas dezenas de projetos culturais que dão a Arcos de Valdevez uma verdadeira efervescência cultural e festiva.

Na música os destaques vão para nomes como, Aurea, Carolina de Deus, Sara Correia, Syro, UHF ou o americano Luke Winslow-King.

As artes de palco terão no Ciclo de Teatro “RECONTRO” o seu ponto alto, com espetáculos de nomes como Pedro Lamares, Lucia Moniz ou António Fonseca.

Os eventos temáticos terão igualmente o seu espaço com o retorno do “Paço Assombrado/Halloween no Paço de Giela”, que na noite de 31, entre as 20h30 e as 5h00, colocam neste excecional Monumento Nacional muita animação, com destaque para o DJ RFM Pedro Simões e o mediático DJ Diego Miranda.

O património e a História são também elementos de destaque, também com o regresso na sua sexta edição do congresso internacional “Casa Nobre: Um Património para o Futuro”, que entre 10 e 12 de novembro, naquele que é o maior encontro do seu género na europa.

Também, é a ocasião perfeita para visitar a rede de equipamentos culturais do concelho: o Paço de Giela, o Cento Interpretativo do Barroco, as Oficinas de Criatividade Himalaya/Centro Ciência Viva, Cento Interpretativo e Etnográfico de Soajo, ou a Casa do Castelo Sistelo.

outonarcos (1).JPG

OUTONARCOS 4X3 (3).jpg

FAMALICÃO: CASA DO ARTISTA AMADOR DE PORTAS ABERTAS PARA O TALENTO

Espaço cultural foi inaugurado este domingo e resulta da requalificação da antiga escola primária de Gandra
O município de Vila Nova de Famalicão ganhou este fim-de-semana um novo espaço de criação cultural e artística.

AFS_8641 (8).jpg


A Casa do Artista Amador, no Louro, abriu portas este domingo, 2 de outubro, e é mais um equipamento ao serviço da descentralização e democratização cultural no concelho.
O espaço, que é também a sede da associação promotora do festival Laurus Nobilis, a Associação Ecos Culturais do Louro, resulta da requalificação da antiga escola primária de Gandra, empreitada que contou com um apoio municipal de cerca de 77 mil euros.
“Um sonho de longa data agora concretizado graças a uma conjugação de esforços incansável da Câmara Municipal, Junta de Freguesia, associados e muitas empresas do concelho”, agradeceu o responsável da associação, José Aguiar, que acrescentou ainda que “este espaço está agora aberto a todos aqueles que precisam de um local para produzir e expor a sua arte”.
Na inauguração da Casa do Artista Amador, que decorreu ontem ao final da manhã, Mário Passos elogiou a persistência e proatividade da Associação Ecos Culturais do Louro. O presidente da Câmara Municipal considera que “a cultura famalicense ganhou um novo palco de excelência, ao mesmo tempo que se deu uma nova vida a um antigo edifício escolar da freguesia”.
Em termos de programação já é notório o entusiamo à volta do projeto. Outubro marca o arranque de um programa cultural diversificado e para todos os gosto na Casa do Artista Amador, que só neste mês contabiliza cerca de 25 iniciativas, entre concertos, exposições, palestras, entre outros.
Mais informações na página oficial de Facebook da Associação Ecos Culturais do Louro, em www.facebook.com/EcosCulturaisdoLouro.

AFS_8622 (2).jpg

VIEIRA DO MINHO: CASA DA CULTURA INAUGURA EXPOSIÇÃO “O PODER DA ARTE”

A Casa da Cultura de Vieira do Minho, vai inaugurar, no dia 30 de Setembro, pelas 15h00, “ O Poder da Arte”, uma exposição de Cecília Dias Gomes.

DSC_7721 (1).JPG

 Trata-se de uma exposição que retrata três áreas distintas da arte: a pintura, a música e a poesia. No que diz respeito à poesia, a vieirense Cecília Gomes vai apresentar, ao público o livro intitulado “A Minha Vez!”. Um livro de poesia onde a autora apresenta as suas emoções e pensamentos de forma liberta, transparente e verdadeira.

Na Galeria 4, da Casa da Cultura vão, também estar patentes 18 telas de autoria de Cecília Gomes. Paralelamente, a artista vai também dar a conhecer a Vieira do Minho a sua música, apresentando, em CD a sua compilação musical que intitula de “Mulher Apaixonada”.

A obra desta artista pode ser contemplada na Casa da Cultura, em horário de expediente até ao final do mês de dezembro.

BRAGA BARROCA ESTÁ DE REGRESSO COM UM PROGRAMA CHEIO DE ESPLENDOR E EXUBERÂNCIA

De 28 de setembro a 2 de outubro

Ao longo de cinco dias, entre 28 de setembro e 2 de outubro, Braga vai celebrar todo o esplendor e exuberância do período Barroco, com um programa único e diversificado, que vai permitir aos bracarenses e visitantes partir à descoberta de uma das heranças culturais mais fortes e autenticas da cidade.

Braga Barroca_.jpg

Braga é a “Capital do Barroco” em Portugal, mantendo até aos dias de hoje marcas indeléveis na monumentalidade e sumptuosidade da arquitetura e escultura dos edifícios, nos imponentes jardins, na talha dourada dos interiores de igrejas e palacetes, entre outras. Mas o Barroco não constituiu apenas um estilo artístico, mas todo um período histórico e um movimento sociocultural, onde se exprimiram novos modos de entender o mundo e o homem.

Concertos de música da época, visitas guiadas, oficinas para os mais novos, encenações, animação de rua, teatro, conferência e apresentação de livro são alguns dos momentos do programa que tem como objetivo primordial reforçar os laços de pertença á comunidade e sensibilizar a população para a salvaguarda do património.

O Ciclo de concertos “Joias do Barroco”, a cargo da Sinfonietta de Braga, que decorre todos os dias do evento, percorrendo espaços como o Museu dos Biscainhos, a Casa Cunha Reis, a Igreja da Misericórdia, o Mosteiro de Tibães e a Biblioteca Pública de Braga é um dos pontos altos do programa. Mas a música estará ainda presente com os concertos do Grupo Coral Cupertinos na Basílica dos Congregados e com o Com.Cordas Ensemble na Igreja de S. Paulo.

A exuberância e opulência das personagens da nobreza dos séculos XVII/XVIII irão percorrer as ruas de Braga, num momento de grande animação, com a iniciativa “Nobreza em Festa”, que decorre logo no primeiro dia do evento, 28 de setembro, pelas 17h00.

Destaque também para a visita encenada “Vida no Paço Episcopal no Século XVIII” que vai realizar-se na Biblioteca Pública de Braga, no dia 29 de setembro, pelas 21h30 e pelas 22h30.

No sábado, 1 de outubro, o Mosteiro de Tibães vai reviver as “Vivências da ruralidade na cerca de Tibães”, com uma encenação que vai decorrer durante toda a tarde, entre as 14h00 e as 19h00. Centrando-se nas vivências na cerca de Tibães enquanto espaço de produção e de fruição do povo, lugar de trabalho, em tempo de colheitas, mas igualmente de festa, com danças, cantares e jogos tradicionais, as vastas terras em torno do Mosteiro são o palco onde se pretende recriar o ambiente de ruralidade ali vivido no século XVIII.

No último dia do evento, referência para a peça de teatro “Guerras do Alecrim e Manjerona”, pela Nova Comédia Bracarense, que vai decorrer no auditório de S. Frutuoso, pelas 17h00. 

Diariamente haverá ainda durante as manhãs visitas e oficinas sobre Arte Setecentista, em vários locais da cidade, para o público infantil e famílias. As tardes serão preenchidas com visitas guiadas pelas “Maravilhas do Barroco Bracarense”, com jornadas culturais onde se dá a conhecer algumas das obras mais originais da expressividade barroca na arquitetura religiosa na cidade.

O teatro também marcará presença diária no evento com a iniciativa “Tratado das pequenas coisas”, um espetáculo da Confederação, que irá decorrer no auditório Sebastião Alba, para o público juvenil.

Mas há ainda muito mais para descobrir e reviver ao longo destes dias na Braga Barroca. O programa completo está disponível na integra no portal do município em www.cm-braga.pt.

A Braga Barroca insere-se no âmbito das comemorações das Jornadas Europeias do Património que se assinalam a 23, 24 e 25 setembro.

Recorde-se que Braga teve no século XVIII quatro homens fundamentais para o impulso construtivo da arte barroca, nomeadamente na arquitetura e escultura, quer em pedra quer em talha dourada. Foram eles os arcebispos D. Rodrigo de Moura Teles (1704-1728), D. José de Bragança (1741-1756) e D. Gaspar de Bragança (1757-1789) que, como mecenas, idealizaram e financiaram várias obras arquitetónicas, urbanísticas e escultóricas. Destaque ainda para André Soares (1720-1769), que foi um notável artista bracarense, famoso pela excelência das suas obras e criador de uma versão muito pessoal do estilo barroco.

Braga BARROCA (2).jpg

ARTISTA FAFENSE ORLANDO POMPEU DISTINGUIDO PELA ACADEMIA FRANCESA DAS ARTES, CIÊNCIAS E LETRAS

  • Crónica de Daniel Bastos

O mestre-pintor Orlando Pompeu, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Alemanha, Croácia, Austrália, Brasil, México, Dubai, Canadá, Itália, EUA e Japão, recebe a 16 de outubro, em Paris, o Diploma de Membro e a Medalha de Bronze da Academia Francesa das Artes, Ciências e Letras.

Orlando Pompeu (2).jpg

O pintor Orlando Pompeu no seu atelier em Cepães (Fafe)

Fundada em 1915, a academia francesa distingue personalidades de todas as nacionalidades, que se tenham destacado nos campos artístico, literário e científico, sendo que este ano o reconhecimento incidiu num dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade, afamado pelo seu estilo pictórico singular, heterogéneo, criativo e contemporâneo.

Com uma carreira de quase quarenta anos, bem como um currículo nacional e internacional ímpar, Orlando Pompeu nasceu a 24 de maio de 1956, na freguesia de Cepães, no concelho minhoto de Fafe. Estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris, e nos anos 90 progrediu no seu percurso artístico ao ir trabalhar para os Estados Unidos da América, onde expôs na Galeria Eight Four, em Nova Iorque, e depois, Japão, tendo exposto na TIAS – Tokio International Art Show e na Galeria Garou Monogatari em Tóquio.

EMPREITADA ‘CERVEIRA – PALCO DAS ARTES’ JÁ ARRANCOU

Trata-se de um dos maiores auditórios da região do Alto Minho e um dos maiores investimentos na cultura nas últimas décadas.

Um dos maiores auditórios da região do Alto Minho – ‘Cerveira – Palco das Artes’ – começa a nascer em Vila Nova de Cerveira. A intervenção, a desenvolver-se na praça superior do Mercado Municipal, confrontando com o edifício do Palácio da Justiça e a Praça da Galiza, consiste na construção de um grande auditório polivalente com capacidade para 408 lugares (com oito destinados a pessoas com deficiência motora). A empreitada, que representa um dos maiores investimentos na cultura nas últimas décadas, já arrancou e prevê-se concluída até ao final do Verão de 2023.

1087b342-de17-400a-8bf0-c0b202ec02d1 (2).jpg

A realização da empreitada assegurará a criação de um espaço polivalente que criará condições para a promoção de atividades multiculturais: da música clássica ao jazz, do teatro à dança, da ópera à literatura, da arquitetura ao cinema. Será, ainda, um espaço preparado para figurar como um centro para a realização de conferências, palestras e reuniões profissionais de âmbito nacional e internacional. Para o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira “o novo espaço foi dimensionado e concebido para responder às necessidades dos dias de hoje, assumindo-se tecnológico, digital e inovador. Com estas valências promover-se-á uma nova geração na programação cultural do concelho, do Alto Minho e da região Galiza – Norte de Portugal”.

Esta empreitada representa, ainda, para Rui Teixeira, a oportunidade de “dar continuidade a um projeto do Partido Socialista interrompido em 2013, que à data, significaria que Vila Nova de Cerveira envergaria o maior palco cultural fechado de todo o distrito de Viana do Castelo”. Um compromisso eleitoral assumido e que já se encontra em curso. “Com este auditório vai ser possível implementar uma estratégia de captação de turismo e de agendamento de eventos para todo o ano, e não só durante a época de verão, contribuindo para uma maior atratividade” conclui.

Com um valor contratual global na ordem dos 2.7ME, trata-se de um investimento que corresponde a uma prioridade do Plano de Ação de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira (PARU) e é cofinanciado, em cerca de 1.8ME, pelo Programa Operacional Regional do Norte 2020 através de um fundo FEDER.

c43398c5-0bbd-441d-ab4e-974743416747.jpg

ESCOLAS PNA DE BRAGA NA NOITE BRANCA 2022

Exposição Indisciplin’arte 2.2 está patente na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva e conta com trabalhos de 5 agrupamentos de escolas.

No âmbito da “Noite Branca, Braga 22”, as escolas de Braga que integram o PNA foram desafiadas pelo Município de Braga a apresentar à comunidade uma seleção de trabalhos dos seus alunos realizados no âmbito dos seus Projetos Culturais de escola, surgindo a exposição coletiva intitulada Indisciplin’arte 2.2, que foi inaugurada na sexta-feira dia 2, integrando as atividades culturais da noite Branca.

IMG_3140 (1).jpg

Desenvolvido pelas áreas governativas da Cultura e da Educação, o Plano Nacional das Artes (PNA) tem como objetivo tornar as artes mais acessíveis aos cidadãos, em particular às crianças e aos jovens, através da comunidade educativa, promovendo a participação, fruição e criação cultural, numa lógica de inclusão e aprendizagem ao longo da vida.

O PNA incorpora três princípios estratégicos, recaindo no “Eixo C. Educação e Acesso”, no programa “Indisciplinar a Escola”, o desenvolvimento do Projeto Cultural de Escola de cada Agrupamento que foi o mote para o título dado a esta exposição.

No ano 2019/2020 o Agrupamento de Escolas Sá de Miranda e o Agrupamento de Escolas André Soares aderiram ao Plano Nacional das Artes, fazendo parte do conjunto de escolas que iniciaram este projeto. No ano seguinte juntaram-se o Agrupamento de Escolas de Maximinos e o Agrupamento de Escolas Alberto Sampaio, em 2021/2022 o Agrupamento de Escolas D. Maria II e, já nos finais do corrente ano letivo, o Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches.

A exposição coletiva Indisciplin’arte 2.2 retrata algum do trabalho desenvolvido pelos diferentes agrupamentos de escolas da cidade de Braga no âmbito dos seus Projetos Culturais de Escola (PCE). Os Agrupamentos de escolas envolvidos são: André Soares, Sá de Miranda, Alberto Sampaio, Maximinos e D. Maria II.

Do Barroco às Media Arts é o tema do Projeto Cultural de escola do André Soares, que pretende contribuir para um perfil de aluno/cidadão que olhe para a arte nas suas múltiplas manifestações como algo natural e espontâneo.
As Media Arts resultam do cruzamento entre arte, comunicação e tecnologia digital e é nesse encontro que nos propomos promover a presença das expressões artísticas na escola de forma diversificada, incluindo a sua utilização como recurso pedagógico, criativo e transversal.

No âmbito da adesão ao Plano Nacional das Artes, o Agrupamento de Escolas Sá de Miranda encontra-se a implementar o Programa Indisciplinar a Escola construindo um Projeto Cultural de Escola (PCE), adaptado ao contexto territorial, social e cultural em que o Agrupamento se insere, cujo tema, sob o mote +Cultura +Arte +Escola, é Tradições e lendas em memória.  

No Agrupamento de Escolas Sá de Miranda pretende-se utilizar o poder criativo e indisciplinador das artes para alterar o status quo vigente e deste modo promover o acesso às artes de toda a comunidade educativa incentivando a participação ativa e distinta de cada um.

O grande Plano Nacional das Artes propõe, entre outros eixos de ação, a ideia maior de Indisciplinar a escola através das artes. Com alunos de 50 nacionalidades distintas, Escola: Crisol de Culturas foi o mote dado ao Projeto Cultural de Escola (PCE) do AE Alberto Sampaio que pretende promover o diálogo intercultural e explorar esta riqueza que existe no agrupamento e na cidade.

Educar pela Arte, Criar um Mundo Melhor é o tema do Agrupamento de Escolas de Maximinos. Com o compromisso PNA pretende-se fazer valer o primado da democracia cultural e criar condições para que a vivência artística chegue o mais longe possível. Para o agrupamento a experiência cultural participada permite a criação de condições para a constituição de comunidades mais integradoras, por isso a adesão ao Plano.

O tema do projeto cultural de escola do Agrupamento de escolas D. Maria II é Polinizarte. Organizar equipas e espaços, estimular a aplicação de pedagogias centradas no aluno e promover a sustentabilidade é o objetivo primordial do PCE. Pretende-se assim que as linguagens das artes, do património e da cultura, contaminem o currículo e a comunidade, tornando-as veículo para múltiplas aprendizagens e novas soluções.

A exposição estará patente na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva até ao dia 9 de setembro.

Suzana Leite

Coordenadora Intermunicipal do Plano Nacional das Artes

63fd0f4e-b21d-4678-92fe-c29cb975d0b9.JPG

1236d5ab-66c0-4821-ab81-865f726ddd49.JPG

IMG_3139 (1).jpg

INTERVENÇÕES DO FENDA – FESTIVAL DE ARTE URBANA SERÃO INAUGURADAS NA NOITE BRANCA DE BRAGA

Segunda edição do Festival reúne artistas locais e internacionais

Braga acolhe pela segunda vez o FENDA - Festival de Arte Urbana, iniciativa que reúne artistas locais e internacionais para disseminar a arte urbana na Cidade e cujas obras serão inauguradas na Noite Branca de Braga 2022.

branoibranca (5) (1).jpg

Com direcção artística do colectivo Cosmic Burger, curadoria artística da Circus Network e co-organizado com o Município de Braga, a segunda edição do Festival conta com a participação de oito artistas de renome: Mantraste, SpiderTag, Sebastião Peixoto, Monika Reut, Darren John, RA.SO.AL, Mots e Soraia Oliveira.

As intervenções estão localizadas na Escola Carlos Amarante, Edifício do Castelo, Campo das Carvalheiras, Centro Comercial Santa Bárbara, Associação Creche de Braga, Largo Barão S. Martinho, Mercado Municipal e Instituto D. João Cândido de Novais e Sousa.

“Este é um conjunto de trabalhos extremamente interessante que surge do desafio que temos lançado aos artistas, sejam Bracarenses ou não, para, através da arte urbana concretizarem os objectivos do Município de potenciar a sua capacidade e talento de expressão e de regeneração urbana através da arte”, referiu esta Terça-feira Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, acrescentando que o Município pretende estender esta forma de “qualificar o espaço público” para outras intervenções, lembrando o projecto ‘ENERGIZARTE’, desenvolvido em parceria com a Fundação EDP, que utilizou o mobiliário urbano para transformar elementos em factores de atractividade e de valorização para o Concelho.

Ao todo, a Cidade usufruirá de cinco pinturas murais, uma pintura de vidros, uma intervenção de materiais reutilizados e um mural de néon interactivo. O festival coloca artistas locais em contacto com criativos consolidados no panorama internacional, integrando os emergentes e inspirando os inovadores.

Com a intenção de envolver a comunidade, o colectivo artístico, em parceria com a E-Redes, lançou uma ‘open call’ para embelezar 12 caixas de distribuição de energia eléctrica. Os seis vencedores, que usufruirão de um prémio de 400€, intervencionarão na Rua de São Marcos e na Rua do Souto.

Estas intervenções vêm reforçar e dar continuidade ao investimento feito em arte urbana por parte do Município em todo o Concelho e que tem vindo a dar uma nova vida a edifícios privados, escolas e espaços do município, não só através do FENDA, mas também através de outros projectos, como o ‘ENERGIZARTE’ ou o ‘M.A.P.A – Artes Visuais’.

Geradora de uma valorização do espaço público, a arte urbana funciona também como um atractivo turístico.

branoibranca (1).jpg

branoibranca (2).jpg

branoibranca (3).jpg

branoibranca (4).jpg