Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CONHECE A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE VIANA DO CASTELO?

118785650_193373078871367_4321380311688151177_n.jpg

A Estação Ferroviária de Viana do Castelo, originalmente denominada de Vianna, foi inaugurada a 24 de março de 1882, e é uma interface da Linha do Minho, que serve a cidade de Viana do Castelo.

O edifício da Estação, quase integralmente revestido a granito, situa-se no local onde existia o Convento de S. Teotónio de Cónegos Regrantes de Santo Agostinho.

A sua arquitetura apresenta um desenho clássico e simétrico, com um corpo central mais elevado coroado por um frontão interrompido que deixa ver o relógio encimado por uma coroa real. O ferro fundido está presente na grande cobertura da plataforma e da linha férrea ao longo do edifício, nas guardas dos passadiços exteriores cobertos, virados à cidade, e nas vedações do recinto ferroviário.

No interior do edifício esculpido pela arte de quem o construiu, os passageiros usufruem de diversos serviços ferroviários: Intercidades, Celta (Porto/Vigo), Regional e InterRegional

Fonte: Infraestruturas de Portugal

118769234_193373075538034_709047673365941886_n.jpg

145880204_2926688420893886_1182250847703140237_n.j

Estação de comboio no início do século XX

FAFE: CASA DO PENEDO É A “CASA MAIS ESTRANHA DO MUNDO”

Casa_da_Pedra_em_Fafe_12.jpg

A Casa do Penedo está localizada nas Serras de Fafe, mais propriamente na União de Freguesias de Várzea Cova e Moreira do Rei, concelho de Fafe, na Região Norte de Portugal, devendo o seu nome ao facto de ter sido construída entre quatro rochas de grandes dimensões que integram a própria estrutura da casa.

Inaugurada a 13 de outubro de 1974, com um modo de construção incomum (iniciado pelo telhado), foi idealizada para estar perfeitamente integrada na paisagem e servir como abrigo de família. A sua localização única permite uma comunhão invulgar com a natureza, aqui podemos observar e interagir com espécies autóctones da nossa fauna e flora, observar as estrelas ou simplesmente desfrutar da paz e do ar limpo da montanha.

Recentemente considerada como a casa mais estranha do mundo, a Casa do Penedo viu o seu nome e imagem chegar aos quatro cantos do mundo, atraindo tanto curiosos como especialistas de arquitetura e amantes da Natureza.

Fonte: Casa do Penedo / Foto: Wikipédia

SINAGOGA DA COMUNIDADE ISRAELITA DE LISBOA FOI INAUGURADA HÁ 120 ANOS – FOI PROJETADA PELO ARQUITETO CAMINHENSE MIGUEL VENTURA TERRA

Passam 120 anos desde a data da inauguração em Lisboa da Sinagoga Shaaré-Tikvá, cuja primeira pedra havia sido lançada dois anos antes. O projeto é da autoria do caminhense Miguel Ventura Terra, considerado um dos maiores arquitetos da sua época, tendo-lhe valido o Prémio Valmor de Arquitetura.

O templo encontra-se situado na rua Alexandre Herculano, nº 59, edificado dentro de um quintal muralhado visto que não era então permitida a outras denominações religiosas para além da Igreja Católica, a construção com fachada para a via pública. O terreno para a construção da sinagoga foi adquirido pela comunidade judaica, em nome de particulares, dadas as dificuldades com que então se debatia para obter o reconhecimento oficial. Até então, o culto era exercido em diversas casas de orações que, no entanto, não reuniam as condições necessárias para o efeito.

Miguel Ventura Terra nasceu em Seixas, no concelho de Caminha, em 14 de julho de 1866, tendo falecido em Lisboa em 1919. Entre as suas inúmeras obras, contam-se a renovação do Palácio de São Bento, a Maternidade Alfredo da Costa, o Teatro Club de Esposende, o Hotel e o Santuário de Santa Luzia em Viana do Castelo, o Hospital de Esposende e o edifício do banco de Portugal, no Porto.

563282_407976902585701_329270742_n

252625_407977882585603_1353679160_n

428777_407977472585644_1198905028_n

307019_407976439252414_140316087_n

MUNICÍPIO DE CAMINHA PROMOVEU A APRESENTAÇÃO DO LIVRO “INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA DA ARQUITETURA PORTUGUESA”

421998724_807581491412966_8891307954769389093_n.jpg

A Biblioteca Municipal de Caminha acolheu a apresentação do livro “Introdução ao Estudo da História da Arquitetura Portuguesa”, de Alexandre Alves Costa.

A sessão contou com a presença do autor, foi apresentada por Eduardo Jorge Fernandes e moderada por Fontaínhas Fernandes. O presidente da Câmara de Caminha, Rui Lages, também esteve presente.

A iniciativa foi organizada pela Câmara Municipal e Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha.

421877351_807581498079632_8337305695561548646_n.jpg

421946775_807581494746299_4569678245935864900_n.jpg

FAMALICÃO: REABILITAÇÃO DA QUINTA DE DELÃES VENCE PRÉMIO JANUÁRIO GODINHO

Edifício sede da Caixa Agrícola em Famalicão foi também distinguido com Menção Honrosa

projeto de reabilitação da Quinta de Delães, promovido pela empresa Courtesywizard, foi o vencedor da quarta edição do Prémio Januário Godinho, galardão instituído pelo Município de Famalicão com o objetivo de promover a salvaguarda e valorização do património edificado.

Quinta Delães 1.jpg

O projeto inicial é do arquiteto Mário Abreu e a intervenção proposta teve como estratégia “o princípio da intervenção mínima”, uma abordagem valorizada pelo júri e que tem em conta respeitar a linguagem própria da época de construção do edifício.

“Os resíduos da construção e demolição aumentaram 40% nos últimos anos, tendo sido nesta obra salvaguardado o princípio da sustentabilidade ambiental e o prolongamento do ciclo de vida útil do edifício”, aponta o júri na nota sobre a escolha do trabalho vencedor.

Nota ainda para a Menção Honrosa atribuída ao projeto de recuperação do edifício da sede do Crédito Agrícola do Médio Ave, localizado no centro da cidade de Famalicão.

Recorde-se que o Prémio Januário Godinho, com um valor monetário de 7 mil euros, foi criado em 2017 com o objetivo de promover a salvaguarda e valorização do património edificado do concelho de Famalicão, assim como promover a divulgação do trabalho desenvolvido por projetistas, construtores e promotores, atribuído com frequência bienal.

Recorde-se que Januário Godinho foi figura incontornável da arquitetura moderna portuguesa, com marca na importância que prestou à tradição, ao contexto e ao património edificado, em toda a sua obra. Em Vila Nova de Famalicão deixou alguns exemplos desta visão, de que se destaca o edifício dos Paços do Concelho e o antigo Tribunal; na freguesia de Antas o edifício para o Banco Português do Atlântico (1953); em Brufe a casa Afonso Barbosa (1940-42); na freguesia do Louro várias construções na Quinta de Seara, propriedade do banqueiro Artur Cupertino de Miranda, o mercado, a igreja, a Casa do Povo, o centro paroquial e o cemitério. Na freguesia de Requião, cujo promotor foi o industrial Manuel Gonçalves, destaca-se o projeto da Casa Manuel Gonçalves, a Quinta de Compostela e a Têxteis Manuel Gonçalves.

A entrega do Prémio Januário Godinho está marcada para a próxima segunda-feira, dia 22 de janeiro, pelas 17h30, na sala de conferências dos Paços do Concelho.

Créditos fotografias:

Casa de Delães 1 e Casa de Delães 2 | Angelino Cristóvão

Sede da Caixa Agrícola | João Paulo Silva

Quinta Delães 2.jpg

SEDE CAIXA AGRICOLA 1.jpg

SEDE CAIXA AGRICOLA 2.jpg

MUNICÍPIO DE VIANA DO CASTELO ENTREGOU PRÉMIOS DE ARQUITETURA

Viana Práxis: Paula Santos vence categoria Carreira e Sebastião Meireles e Ana Filipa Ferro, com a obra Edifício Aliança, na categoria Edificado

A Câmara Municipal de Viana do Castelo entregou ontem os prémios VIANA PRÁXIS – Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo, numa cerimónia que aconteceu na Biblioteca Barbosa Romero da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESTG-IPVC) e que contou com a presença da Vereadora do Urbanismo, Fabíola Oliveira.

GCI_5646.jpg

O Prémio Carreira foi entregue a Paula Santos, arquiteta portuguesa com uma sólida carreira e reconhecimento nacional e internacional no exercício da arquitetura. Destaca-se pela atividade enquanto projetista de arquitetura, design de produto e joalharia, bem como enquanto docente e pela sua intervenção cívica. Colaborou nos escritórios dos arquitetos Carlos Guimarães e Eduardo Souto Moura e foi docente na Universidade Lusíada do Porto.

Em Viana do Castelo, o seu contributo está bem patente no projeto para o Edifício de Receção de Visitantes da Citânia de Santa Luzia (2001-2007), o edifício de apoio da Citânia (2005-2007) e o edifício de habitação e comércio Vianapolis (2001-2006), além de outros projetos singulares de encomenda privada. A sua obra está amplamente publicada, integrando também o “Roteiro da Arquitetura Contemporânea” de Viana do Castelo.

Paula Santos foi agraciada com o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, pela sua participação na Exposição Expo’98, entre outras distinções e prémios que foi recebendo ao longo dos anos, tendo por isso sido a escolha do júri por unanimidade para a categoria Carreira do Viana Práxis – Prémio de arquitetura de Viana do Castelo.

Na categoria Edificado, Sebastião Meireles e Ana Filipa Ferro foram os vencedores como autores de projeto do Edifício Aliança, tendo sido contemplados com um prémio pecuniário no valor de 5 mil euros. Os proprietários do edifício foram igualmente premiados, recebendo um troféu indicativo do prémio, que será posteriormente colocado na fachada do edifício.

Fabíola Oliveira, Vereadora do Urbanismo, sublinhou que a escolha entre os finalistas foi renhida, tendo o júri sustentado esta decisão nas caraterísticas do projeto arquitetónico, associadas à preservação efetuada ao setor de muralha que se encontra no interior deste edifício. A intervenção premiada foi a que melhor incorporou os princípios subjacentes a esta iniciativa, tendo sido efetuada uma obra de reabilitação, que valorizou o património edificado da cidade, afirmando esta vertente como fator de identidade.

Antes, a sessão de abertura esteve a cargo do Pró-Reitor do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, António Curado, que evidenciou algumas iniciativas resultantes da parceria entre aquele instituto e a Câmara Municipal, nas quais se integra um elemento no júri deste prémio, bem como um elemento na comissão organizadora. António Curado fez ainda uma apresentação sobre o tema “A sustentabilidade na construção”, durante a qual apresentou três estudos de caso de boas práticas implementadas nas escolas daquele Instituto, salientando a questão da qualidade do ar como um fator importante para a saúde pública, muitas vezes esquecido na construção de edifícios.

A sessão prosseguiu com a intervenção da Vereadora Fabíola Oliveira, que enquadrou o percurso e o propósito desta iniciativa, ressalvando que, embora este tenha sido a segunda edição deste prémio bienal, VIANA PRÁXIS contempla na sua programação uma série de jornadas que incidem sobre questões relevantes do urbanismo, da arquitetura e da reabilitação urbana, tendo como foco principal a sustentabilidade social, económica, cultural e ambiental. 

Durante a cerimónia houve ainda referência ao arquiteto Fernando Távora, premiado na categoria Carreira da edição anterior do VIANA PRÁXIS, como homenagem ao centenário do seu nascimento e cuja obra tem grande relevância e impacto ainda hoje patente em Viana do Castelo e no IPVC.

A sessão terminou com a inauguração da exposição “Viana Práxis – Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo 2023”, que ficará patente até ao final de janeiro de 2024 na Biblioteca Barbosa Romero.

GCI_5586.jpg

GCI_5587.jpg

GCI_5588.jpg

GCI_5591.jpg

GCI_5599.jpg

GCI_5607.jpg

GCI_5615.jpg

GCI_5632.jpg

GCI_5637.jpg

PRÉMIO DE ARQUITETURA DE VIANA DO CASTELO VAI SER ENTREGUE AMANHÃ

A Câmara Municipal de Viana do Castelo promove, esta quarta-feira, às 17h00, a entrega do Viana Práxis – Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo, numa cerimónia que acontece na Biblioteca Barbosa Romero da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESTG-IPVC).

O Viana Práxis é uma iniciativa municipal que pretende distinguir e estimular profissionais cujo trabalho incida sobre o território de Viana do Castelo. Pelas 17h00, acontece a sessão de abertura pela Vereadora do Urbanismo, Fabíola Oliveira, seguida da apresentação das obras finalistas pelos candidatos na categoria Edificado. Na sessão, António Curado irá fazer uma apresentação sobre o tema “A Sustentabilidade na Construção”.

Será, depois, atribuído, no âmbito do Prémio Edificado, 5.000 euros ao autor do projeto, recebendo o proprietário um troféu com menção do prémio e o promotor um diploma oficial. No âmbito do Prémio Carreira, os profissionais nomeados pelo júri irão receber um diploma oficial.

Pelas 18h30, acontece a inauguração da exposição “Viana Práxis – Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo 2023”, na Biblioteca Barbosa Romero.

Face aos elevados investimentos que a autarquia e entidades privadas têm feito ao longo dos anos no concelho, a Câmara Municipal volta, assim, a distinguir as melhores intervenções urbanísticas como valorização do seu património construído.

À categoria Edificado puderam concorrer o proprietário do imóvel, o autor do projeto de arquitetura ou a empresa de construção de obras concluídas nos quatro anos anteriores à atribuição do prémio.

Já na categoria Carreira serão distinguidas personalidades que ao longo da sua carreira mais se destacaram em termos locais e nacionais, nos domínios da salvaguarda e valorização do património, resultando das suas atividades um claro benefício para o concelho de Viana do Castelo. Este prémio será atribuído a uma personalidade, eleita por nomeação direta dos membros do júri.

Logo Positivo.jpg

ALEXANDRE ALVES COSTA APRESENTA LIVRO “INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA E ARQUITETURA PORTUGUESA” NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CAMINHA – APRESENTAÇÃO ADIADA PARA O DIA 27 DE JANEIRO DE 2024

Sessão terá lugar no próximo dia 27 de Janeiro de 2024

Foi adiada para o dia 27 de janeiro de 2024, a apresentação do livro “Introdução ao Estudo da História e Arquitetura Portuguesa”, de Alexandre Alves Costa, que teria lugar amanhã, 17H00, na Biblioteca Municipal de Caminha.

355155309_669885045180333_8420242831815198996_n.jpg

A Câmara Municipal de Caminha está a promover durante este mês o 30º aniversário da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha com uma panóplia de atividades muito variada. No dia 14 de Janeiro de 2024, terá lugar a apresentação do livro “Introdução ao Estudo da História e Arquitetura Portuguesa”, de Alexandre Alves Costa, com a presença do autor. A apresentação está a cargo de Eduardo Jorge Fernandes e moderada por Fontaínhas Fernandes. A sessão vai decorrer pelas 17H00, na Biblioteca Municipal de Caminha. É organizada pela Câmara Municipal e Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha.

Com um vasto curriculum, Alexandre Alves Costa tem um longo percurso pedagógico nas áreas de Projeto e História da Arquitetura Portuguesa. Foi Membro da Comissão Instaladora do curso de Arquitetura da FAUP, tendo desempenhado os cargos de Presidente do Conselho Diretivo e Científico. Foi ainda membro das Comissões Instaladoras dos cursos de Arquitetura da Universidade de Coimbra e da Universidade do Minho e diretor do primeiro Programa de Doutoramento em Arquitetura da FAUP.

Exerce a profissão de arquiteto desde 1970. Colaborou, entre outros, com os arquitetos Álvaro Siza, Camilo Cortesão, José Luís Gomes, José Manuel Soares, Alfredo Côrte-Real e Sérgio Fernandez. Com obra construída e vastamente publicada, o seu trabalho, realizado conjuntamente com Sérgio Fernandez, foi distinguido com o Prémio da Associação Internacional dos Críticos de Arte / Ministério da Cultura.

Detentor de uma ampla bibliografia publicada, Alexandre Alves Costa integrou o Conselho Editorial do “Boletim da Universidade do Porto”, da revista “Monumentos” da Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais e do Conselho Editorial do JA – Jornal Arquitetos da Ordem dos Arquitetos. É Membro Honorário da Ordem dos Arquitetos desde 2010. Foi agraciado, em 2006, com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio.

Quanto a Eduardo Jorge Fernandes, é de referir que é professor auxiliar do Mestrado Integrado em Arquitetura da Universidade do Minho, onde leciona desde 2001, como responsável por várias Unidades Curriculares das áreas da Teoria, da História e do Projeto.  Investigador integrado do Grupo “SpaceR” do Laboratório de Paisagens, Património e Território (LAB2PT) da UM, desde a sua criação (em 2013). Licenciado em Arquitetura pela FAUP em 1992; Mestre em Planeamento do Ambiente Urbano pelas FAUP e FEUP em 1998; doutorado em Cultura Arquitetónica pela EAUM em 2011, com a tese “A Escolha do Porto, contributos para a atualização de uma ideia de Escola”. É autor de diversos projetos e textos, dos quais se destacam os livros Guia de Arquitectura de Guimarães (Argumentum, 2012), Representações de Poder do Estado em Portugal e no Império (editado com Fátima Ferreira, Circo de ideias, 2019), A Escrita do Porto: Antecedentes (Afrontamento, 2021) e A Escrita do Porto: Construção de uma identidade (Afrontamento, 2023).

As comemorações dos 30 anos da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha continuam até ao final do mês. O dia 26 de novembro, dia em que se celebra o aniversário de 30 anos da abertura da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha, será marcado com uma cerimónia de comemoração às 11H00, nos dois edifícios e a apresentação do projeto Fotomemória – Fotografia Falada, pelas 15H00, no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

A sessão terá como moderador Daniel Maciel  e como convidados Argas: Octávio Pires – Festa de Arga de São João (22m19s); Argela: Beatriz Rodrigues – Feira do Cerdal (14m23s); Dem: Aida do Céu Martins – Traje de Dem (17m07s); Gondar: José Maria Pires – Domingo de Páscoa (08m10s); Riba de Âncora: Olívia de Jesus Martins – Radionovela (12m49s) e Vile: Henriqueta Areias – Segar Erva (06m21s)

O projeto Fotomemória consistiu na recolha, digitalização e catalogação de fotografias de álbuns pessoais, a partir dos testemunhos de quem cedeu as fotografias. Assume-se como projeto de divulgação e educação ao permitir a livre consulta pelo portal Lugar do Real a este espólio e como projeto de investigação e produção audiovisual ao cruzar-se com outras iniciativas como o Fotografia Falada. É um projeto desenvolvido no âmbito da candidatura “Cultura para todos”, financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte NORTE 2020. É uma organização da Câmara Municipal de Caminha e AO NORTE - Associação de Produção e Animação Audiovisual

Projeto “DAR VOZ AOS JOVENS”

Durante este mês está a decorrer um processo de consulta participativa e colaborativa dirigido aos jovens da região do Alto Minho “DAR VOZ AOS JOVENS”. Nesta consulta alargada, o inquérito tem como objetivo conhecer os hábitos culturais e compreender o lugar que a Biblioteca Municipal ocupa na vida dos jovens entre os 15 e os 24 anos. Assim, a RIBAM convida todos os jovens a “DAR VOZ” às suas expetativas colaborando com as Bibliotecas Municipais para que estas possam criar e desenvolver novos espaços e serviços que respondam às suas necessidades e interesses. Este inquérito estará disponível em https://forms.gle/ZnYB4AuHsjFQkaUj7  até ao dia 30 de novembro de 2023. Trata-se de uma iniciativa da equipa da Rede Intermunicipal das Bibliotecas Públicas Municipais do Alto Minho (RIBAM) (Arcos de Valdevez; Caminha; Melgaço; Monção; Paredes de Coura; Ponte da Barca; Ponte de Lima; Valença; Viana do Castelo; Vila Nova de Cerveira).

Foto: Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto

ALEXANDRE ALVES COSTA APRESENTA LIVRO “INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA E ARQUITETURA PORTUGUESA” NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CAMINHA

Sessão terá lugar dia 18, pelas 17H00

A Câmara Municipal de Caminha está a promover durante este mês o 30º aniversário da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha com uma panóplia de atividades muito variada. No sábado, dia 18 de novembro, terá lugar a apresentação do livro “Introdução ao Estudo da História e Arquitetura Portuguesa”, de Alexandre Alves Costa, com a presença do autor. A apresentação está a cargo de Eduardo Jorge Fernandes e moderada por Fontaínhas Fernandes. A sessão vai decorrer pelas 17H00, na Biblioteca Municipal de Caminha. É organizada pela Câmara Municipal e Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha.

355155309_669885045180333_8420242831815198996_n.jpg

Com um vasto curriculum, Alexandre Alves Costa tem um longo percurso pedagógico nas áreas de Projeto e História da Arquitetura Portuguesa. Foi Membro da Comissão Instaladora do curso de Arquitetura da FAUP, tendo desempenhado os cargos de Presidente do Conselho Diretivo e Científico. Foi ainda membro das Comissões Instaladoras dos cursos de Arquitetura da Universidade de Coimbra e da Universidade do Minho e diretor do primeiro Programa de Doutoramento em Arquitetura da FAUP.

Exerce a profissão de arquiteto desde 1970. Colaborou, entre outros, com os arquitetos Álvaro Siza, Camilo Cortesão, José Luís Gomes, José Manuel Soares, Alfredo Côrte-Real e Sérgio Fernandez. Com obra construída e vastamente publicada, o seu trabalho, realizado conjuntamente com Sérgio Fernandez, foi distinguido com o Prémio da Associação Internacional dos Críticos de Arte / Ministério da Cultura.

Detentor de uma ampla bibliografia publicada, Alexandre Alves Costa integrou o Conselho Editorial do “Boletim da Universidade do Porto”, da revista “Monumentos” da Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais e do Conselho Editorial do JA – Jornal Arquitetos da Ordem dos Arquitetos. É Membro Honorário da Ordem dos Arquitetos desde 2010. Foi agraciado, em 2006, com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio.

Quanto a Eduardo Jorge Fernandes, é de referir que é professor auxiliar do Mestrado Integrado em Arquitetura da Universidade do Minho, onde leciona desde 2001, como responsável por várias Unidades Curriculares das áreas da Teoria, da História e do Projeto.  Investigador integrado do Grupo “SpaceR” do Laboratório de Paisagens, Património e Território (LAB2PT) da UM, desde a sua criação (em 2013). Licenciado em Arquitetura pela FAUP em 1992; Mestre em Planeamento do Ambiente Urbano pelas FAUP e FEUP em 1998; doutorado em Cultura Arquitetónica pela EAUM em 2011, com a tese “A Escolha do Porto, contributos para a atualização de uma ideia de Escola”. É autor de diversos projetos e textos, dos quais se destacam os livros Guia de Arquitectura de Guimarães (Argumentum, 2012), Representações de Poder do Estado em Portugal e no Império (editado com Fátima Ferreira, Circo de ideias, 2019), A Escrita do Porto: Antecedentes (Afrontamento, 2021) e A Escrita do Porto: Construção de uma identidade (Afrontamento, 2023).

As comemorações dos 30 anos da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha continuam até ao final do mês. O dia 26 de novembro, dia em que se celebra o aniversário de 30 anos da abertura da Biblioteca e Museu Municipal de Caminha, será marcado com uma cerimónia de comemoração às 11H00, nos dois edifícios e a apresentação do projeto Fotomemória – Fotografia Falada, pelas 15H00, no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

A sessão terá como moderador Daniel Maciel  e como convidados Argas: Octávio Pires – Festa de Arga de São João (22m19s); Argela: Beatriz Rodrigues – Feira do Cerdal (14m23s); Dem: Aida do Céu Martins – Traje de Dem (17m07s); Gondar: José Maria Pires – Domingo de Páscoa (08m10s); Riba de Âncora: Olívia de Jesus Martins – Radionovela (12m49s) e Vile: Henriqueta Areias – Segar Erva (06m21s)

O projeto Fotomemória consistiu na recolha, digitalização e catalogação de fotografias de álbuns pessoais, a partir dos testemunhos de quem cedeu as fotografias. Assume-se como projeto de divulgação e educação ao permitir a livre consulta pelo portal Lugar do Real a este espólio e como projeto de investigação e produção audiovisual ao cruzar-se com outras iniciativas como o Fotografia Falada. É um projeto desenvolvido no âmbito da candidatura “Cultura para todos”, financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte NORTE 2020. É uma organização da Câmara Municipal de Caminha e AO NORTE - Associação de Produção e Animação Audiovisual

Projeto “DAR VOZ AOS JOVENS”

Durante este mês está a decorrer um processo de consulta participativa e colaborativa dirigido aos jovens da região do Alto Minho “DAR VOZ AOS JOVENS”. Nesta consulta alargada, o inquérito tem como objetivo conhecer os hábitos culturais e compreender o lugar que a Biblioteca Municipal ocupa na vida dos jovens entre os 15 e os 24 anos. Assim, a RIBAM convida todos os jovens a “DAR VOZ” às suas expetativas colaborando com as Bibliotecas Municipais para que estas possam criar e desenvolver novos espaços e serviços que respondam às suas necessidades e interesses. Este inquérito estará disponível em https://forms.gle/ZnYB4AuHsjFQkaUj7  até ao dia 30 de novembro de 2023. Trata-se de uma iniciativa da equipa da Rede Intermunicipal das Bibliotecas Públicas Municipais do Alto Minho (RIBAM) (Arcos de Valdevez; Caminha; Melgaço; Monção; Paredes de Coura; Ponte da Barca; Ponte de Lima; Valença; Viana do Castelo; Vila Nova de Cerveira).

Foto: Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto

MUNICÍPIO VIANENSE PRORROGA PRAZO DE CANDIDATURAS AO PRÉMIO DE ARQUITETURA

Viana Práxis: Prazo de Pré-candidaturas ao Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo 2023 prorrogado

A Câmara Municipal de Viana do Castelo prorrogou a fase de pré-candidatura ao Viana Práxis - Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo 2023 até 06 de novembro. Assim, os pedidos de esclarecimento podem agora ser feitos até 30 de outubro. A entrega dos prémios será feita a 13 de dezembro, assim como as exposições a concurso.

O Viana Práxis é uma iniciativa municipal que pretende distinguir e estimular profissionais cujo trabalho incida sobre o território de Viana do Castelo, sendo que o Prémio Edificado irá premiar o autor do projeto com 5.000 euros e o proprietário com um troféu com menção do prémio, recebendo o promotor um diploma oficial. O Prémio Carreira é destinado a profissionais nomeados pelo júri, sendo o premiado distinguido com um diploma oficial.

Face aos elevados investimentos que a autarquia e entidades privadas têm feito ao longo dos anos no concelho, a Câmara Municipal volta a distinguir as melhores intervenções urbanísticas como valorização do seu património construído.

Assim, à categoria Edificado podem concorrer o proprietário do imóvel, o autor do projeto de arquitetura ou a empresa de construção de obras concluídas nos quatro anos anteriores à atribuição do prémio.

Já a categoria Carreira visa distinguir personalidades que ao longo da sua carreira mais se destacaram em termos locais e nacionais, nos domínios da salvaguarda e valorização do património, resultando das suas atividades um claro benefício para o concelho de Viana do Castelo. Este prémio será atribuído a uma personalidade, eleita por nomeação direta dos membros do júri.

         Até 06 de novembro decorrem agora as pré-candidaturas para a categoria “Edificado”, sendo que os pedidos de esclarecimento devem acontecer até dia 30 de outubro, através do email vianapraxis@cm-viana-castelo.pt. De 07 a 10 de novembro decorrerá o período de apreciação, seleção e comunicação aos proponentes da aceitação das pré-candidaturas. As candidaturas para a categoria “Reabilitação de Edifícios” acontecem de 13 a 24 de novembro com pedidos de esclarecimento até 20 de novembro, seguido de respetiva apreciação e seleção. Para 13 de dezembro, está agendada a cerimónia de entrega de prémios e exposição dos trabalhos.

O Viana Práxis tem por objetivos promover a valorização e salvaguarda do património arquitetónico de Viana do Castelo, dando visibilidade às obras e boas práticas existentes no concelho; incentivar a reabilitação dos edifícios que se encontram degradados ou funcionalmente inadequados; estimular a melhoria das condições de habitabilidade e de funcionalidade do parque imobiliário urbano; garantir a proteção e promover a valorização do património cultural; e afirmar os valores patrimoniais, materiais e simbólicos como fatores de identidade, diferenciação e competitividade urbana.

Pretende ainda propagar a sustentabilidade ambiental, cultural, social e económica do tecido urbano; desenvolver novas soluções de acesso a uma habitação condigna; promover a criação e a melhoria das acessibilidades para cidadãos com mobilidade condicionada; fomentar a adoção de critérios de eficiência energética nos edifícios; galardoar e dignificar a qualidade da arquitetura e da construção, no âmbito de novas edificações e ações de reabilitação, restauro, remodelação ou renovação de edifícios existentes no concelho.

O Viana Práxis pretende, assim, distinguir os autores do projeto de arquitetura, promotores e construtores de obras realizadas no concelho de Viana do Castelo que tenham sido concluídas nos anos anteriores à apresentação da respetiva candidatura; e reconhecer o mérito e carreira de personalidades, cujo percurso profissional foi significativo para o enriquecimento da arquitetura portuguesa e para a valorização e salvaguarda do património de Viana do Castelo.

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO FAMALICENSE APRESENTA AMANHÃ NOVO SKATE PARQUE DE SINÇÃES

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mário Passos procede amanhã à apresentação pública do projeto de arquitetura do novo Skate Parque do Parque de Sinçães, a ter lugar na sala de conferências dos Paços do Concelho.

A iniciativa contará com a presença do autarca famalicense, do autor do projeto, o arquiteto André Castanho, e de um grupo de jovens skaters do concelho.

FUNDAÇÃO MARQUES DA SILVA HOMENAGEIA ARQUITETO FERNANDO TÁVORA

Exposição de homenagem aos 100 anos do arquiteto Fernando Távora estreia amanhã no Porto

É já esta sexta-feira que é inaugurada, no Porto, a exposição “Fernando Távora. Pensamento Livre”, uma homenagem à vida e obra do arquiteto portuense que celebraria, este ano, 100 anos. Esta iniciativa da Fundação Marques da Silva integra o vasto programa das Comemorações do Centenário de Nascimento de Fernando Távora.

A exposição itinerante “Fernando Távora. Pensamento Livre” abre portas amanhã, às 18h30, no Porto, para dar a conhecer a vida e obra do arquiteto Fernando Távora (1923-2005). A mostra, integrada nas celebrações do centenário de nascimento do arquiteto, é inédita e conta apenas com originais. A Fundação Marques da Silva (FIMS), responsável pela organização desta iniciativa e detentora do acervo do Mestre, vai acolher esta mostra que conta com Alexandre Alves Costa como curador e coordenador. Ana Alves Costa, Jorge Figueira, José António Bandeirinha, Luís Martinho Urbano e Maria Manuel Oliveira completam a equipa de curadoria.

A Casa de Ofir (1957/1958), o Mercado da Feira (1953/1959), o Pavilhão de Ténis na Quinta da Conceição (1956/1960), a Escola do Cedro (1957/1961), a Pousada de Santa Marinha da Costa (1972/1985), o Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1993/2000) e a Casa dos 24 (1995/2003) são as sete obras que vão estar em destaque. Estes projetos de Távora, representados com desenhos e maquetas originais, pertencentes ao acervo de Fernando Távora, e também por novas imagens, captadas pela lente de Paulo Catrica, marcaram não só o seu percurso profissional como a Arquitetura portuguesa.

Para além das obras selecionadas, que ocupam o piso superior do Palacete Lopes Martins, é possível visitar, no piso da entrada, cinco miniexposições temáticas complementares à exposição principal, que visam retratar a personagem, a sua vastíssima cultura, o seu método de trabalho, a forma como usou o Desenho e a História na prática projetual, e de como as suas aulas foram fundamentais para sucessivas gerações de estudantes entenderem o que é a Arquitetura e o seu exercício profissional, tudo isto sem intenção de se aproximar de uma mostra retrospetiva.

Cada entrada temática conta com um espaço dedicado e curadoria própria, reflexo da complexidade intelectual e cultural de Fernando Távora: "Referências", Ana Tostões; "Viagens", Sergio Fernandez; "Tratados de Arquitetura", Domingos Tavares; "Literatura Modernista", Celeste Natário; e "Aulas", Manuel Correia Fernandes, com este último núcleo a estender-se à Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, já que será inaugurado no dia seguinte, entre as 11h00 e as 11h30, na Galeria da FAUP, no âmbito dos encontros “Távora no Tempo”.

O evento de inauguração, marcado para amanhã, às 18h30, vai contar com a presença da Vice-Reitora para a Cultura da Universidade do Porto e presidente do Conselho Diretivo da FIMS, Fátima Vieira, do curador Alexandre Alves Costa e do arquiteto Álvaro Siza. A mostra fica patente, no Porto, até 3 de fevereiro de 2024 e pode ser visitada de segunda a sábado, das 14h00 às 18h00. O bilhete é gratuito, até aos 18 anos, e tem o custo de 1,5 euros para seniores e de 3 euros, para o público em geral. No dia da inauguração, a entrada é livre.

Esta exposição que é itinerante viaja depois até Coimbra, com organização assegurada pelo Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (DARQ); segue-se a cidade de Guimarães, em maio de 2024, sendo a Escola de Arquitetura, Arte e Design (EAAD) responsável por esta itinerância. Está ainda em aberto se vai depois também para a Assembleia da República, em Lisboa.

“Fernando Távora. Pensamento Livre” é uma iniciativa da FIMS e a ação central de “Távora 100”, um programa organizado pela Ordem dos Arquitectos, a Fundação Marques da Silva, a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, o Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra e a Escola de Arquitetura, Arte e Design da Universidade do Minho, para assinalar 100 anos de nascimento do arquiteto, e que conta com cerca de 30 iniciativas, ao longo de um ano, para celebrar a efeméride. A programação completa pode ser consultada em tavora100.pt com várias iniciativas agendadas, organizadas tanto pelas entidades que constituem a comissão organizadora do centenário como por diversas instituições parceiras, designadamente visitas guiadas, aulas abertas, lançamentos de livros, encontros, colóquios, workshops, entre outras atividades.

”Foi com muito gosto que aceitei o desafio lançado pela Seção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) e restante comissão organizadora do centenário de Fernando Távora para ser o responsável pela coordenação e curadoria desta mostra tão relevante. Celebrar a vida e obra desta figura incontornável da Arquitetura portuguesa e fundador da mundialmente conhecida Escola do Porto é uma enorme responsabilidade e uma riquíssima experiência, pela dimensão, qualidade e excelência que Távora impôs em tudo o que nos deixou, e que foi tanto. Esta exposição é um ponto de paragem obrigatório para quem gosta de Arquitetura e se revê no espírito visionário que só Távora tinha.”, refere Alexandre Alves Costa.

A respeito das celebrações do centenário, importa destacar ainda os encontros “Távora no Tempo”, uma iniciativa sobre a obra e a personalidade de Fernando Távora, que se realizam no Porto, Braga, Coimbra e Guimarães, acompanhando o calendário de itinerância da exposição principal. Destinado a investigadores, estudantes e profissionais da área da arquitetura e urbanismo, o primeiro encontro terá lugar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto já no próximo dia 21 de outubro, das 9h30 às 17h30, com um amplo painel de personalidades convidadas a fazer uma reflexão crítica conjunta sobre a obra do Mestre nas suas múltiplas dimensões, consolidando o seu legado como uma referência incontornável no panorama da Arquitetura, em Portugal e no mundo. Entre os conferencistas estão Alexandre Alves Costa, Ana Vaz Milheiro, Carlotta Torricelli, Emílio Tuñón, Fernanda Barbara, Gonçalo Byrne, João Belo Rodeia, Jorge Figueira, José António Bandeirinha, José Miguel Rodrigues, Luís Soares Carneiro, Maria Manuel Oliveira, Ricardo Pais e Teresa Cálix. A entrada é livre, apenas sujeita à limitação do espaço.

Porto, 19 de outubro de 2023

Para mais informações: Catarina Reis Correia // 912 360 755 // crc@catarinareiscorreia.pt

Materiais de apoio: https://we.tl/t-TEAH6vg5kJ

Comissão organizadora centenário: Ordem dos Arquitectos (OA), Fundação Marques da Silva (FIMS), Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra (DARQ) e Escola de Arquitetura, Arte e Design da Universidade do Minho (EAAD)

Apoio institucional: Assembleia da República, Câmara Municipal do Porto, Câmara Municipal de Aveiro, Câmara Municipal de Coimbra, Câmara Municipal de Esposende, Câmara Municipal de Guimarães, Câmara Municipal de Matosinhos, Câmara Municipal de Viana do Castelo, Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, Direção Regional de Cultura do Norte, Museu Nacional Soares dos Reis e Turismo do Porto e Norte de Portugal

Mecenas: BPI/Fundação La Caixa

Apoios: DST Group, CIN e Efapel

Ficha técnica exposição “Fernando Távora. Pensamento Livre”:

Curadoria

Alexandre Alves Costa (coordenador)

Ana Alves Costa

Jorge Figueira

José António Bandeirinha

Luís Martinho Urbano

Maria Manuel Oliveira

Curadorias temáticas

Ana Tostões - "Referências"

Sergio Fernandez - "Viagens"

Domingos Tavares - "Tratados de Arquitetura"

Celeste Natário - "Literatura Modernista"

Manuel Correia Fernandes - "Aulas" (Fundação Marques da Silva/FAUP)

Fotografia

Paulo Catrica

Design expositivo

João Mendes Ribeiro, com Filipe Catarino e Catarina Fortuna

Design gráfico

FBA./ Daniel Santos, João Bicker

Produção

Luís Martinho Urbano

Paula Abrunhosa

João Ferreira Alves

Hugo Oliveira

Documentação

Conceição Pratas

Ana Ramos

Guilherme Gouveia

Adriana Martins

Conservação e Restauro

Ana Freitas

VIANA DO CASTELO: CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS PROMOVE DEBATE ACERCA DE ESPIGUEIROS E CANASTROS

Conversar ao entardeCER

No próximo dia 19 de outubro, o Centro de Estudos Regionais inicia uma nova proposta cultural: o EntardeCER.

Inspirados na sociabilidade que os cafés e os salões proporcionaram no passado, pretende-se promover um conjunto de conversas sobre os mais diversos assuntos, ao final da tarde, num ambiente tranquilo, com homens e mulheres que partilham o gosto ancestral da conversação. As conversas terão lugar na terceira quinta-feira de cada mês, entre outubro de 2023 e maio de 2024, no AP Dona Aninhas, Boutique Hotel, em Viana do Castelo, e serão moderadas por José Carlos Loureiro.

A conversa inaugural terá lugar na quinta-feira, 19 de outubro, pelas 17.30 horas, na referida unidade hoteleira, com a presença de Fernando Cerqueira Barros. O mote para a conversa são os espigueiros e os canastros, relevante Património Cultural do Noroeste Peninsular que urge conhecer e proteger.

11072723_948334358520129_4940842142489918537_n (3).jpg

Fernando Cerqueira Barros é arquiteto e membro-fundador da Rede Horrea – Associação Internacional para o Estudo, Valorização e Protecção dos Celeiros Elevados, integrando a sua comissão técnico[1]científica, no âmbito do qual desenvolve trabalhos com vista à apresentação de uma candidatura para a Declaração dos Celeiros Elevados (Espigueiros/Canastros) como Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO.

A iniciativa é aberta ao público em geral, estando limitada à lotação da sala.

A direção do Centro de Estudos Regionais Viana do Castelo

VIANA PRÁXIS – PRÉ-CANDIDATURAS ABERTAS AO PRÉMIO DE ARQUITETURA DE VIANA DO CASTELO 2023

Já está a decorrer a fase de pré-candidatura ao Viana Práxis - Prémio de Arquitetura de Viana do Castelo 2023. Face aos elevados investimentos que a autarquia e entidades privadas têm feito ao longo dos anos no concelho, a Câmara Municipal de Viana do Castelo volta a distinguir as melhores intervenções urbanísticas como valorização do seu património construído.

O Viana Práxis é uma iniciativa municipal que pretende distinguir e estimular profissionais cujo trabalho incida sobre o território de Viana do Castelo, sendo que o Prémio Edificado irá premiar o autor do projeto com 5.000 euros e o proprietário com um troféu com menção do prémio, recebendo o promotor um diploma oficial. O Prémio Carreira é destinado a profissionais nomeados pelo júri, sendo o premiado distinguido com um diploma oficial.

Assim, à categoria Edificado podem concorrer o proprietário do imóvel, o autor do projeto de arquitetura ou a empresa de construção de obras concluídas nos quatro anos anteriores à atribuição do prémio.

Já a categoria Carreira visa distinguir personalidades que ao longo da sua carreira mais se destacaram em termos locais e nacionais, nos domínios da salvaguarda e valorização do património, resultando das suas atividades um claro benefício para o concelho de Viana do Castelo. Este prémio será atribuído a uma personalidade, eleita por nomeação direta dos membros do júri.

         Até 23 de outubro decorrem as pré-candidaturas para a categoria “Edificado”, sendo que os pedidos de esclarecimento devem acontecer até dia 16, através do email vianapraxis@cm-viana-castelo.pt. De 24 a 30 de outubro decorrerá o período de apreciação, seleção e comunicação aos proponentes da aceitação das pré-candidaturas. As candidaturas para a categoria “Reabilitação de Edifícios” acontecem de 31 de outubro a 10 de novembro com pedidos de esclarecimento até 8 de novembro, seguido de respetiva apreciação e seleção. Para 29 de novembro, está agendada a cerimónia de entrega de prémios e exposição dos trabalhos.

O Viana Práxis tem por objetivos promover a valorização e salvaguarda do património arquitetónico de Viana do Castelo, dando visibilidade às obras e boas práticas existentes no concelho; incentivar a reabilitação dos edifícios que se encontram degradados ou funcionalmente inadequados; estimular a melhoria das condições de habitabilidade e de funcionalidade do parque imobiliário urbano; garantir a proteção e promover a valorização do património cultural; e afirmar os valores patrimoniais, materiais e simbólicos como fatores de identidade, diferenciação e competitividade urbana.

Pretende ainda propagar a sustentabilidade ambiental, cultural, social e económica do tecido urbano; desenvolver novas soluções de acesso a uma habitação condigna; promover a criação e a melhoria das acessibilidades para cidadãos com mobilidade condicionada; fomentar a adoção de critérios de eficiência energética nos edifícios; galardoar e dignificar a qualidade da arquitetura e da construção, no âmbito de novas edificações e ações de reabilitação, restauro, remodelação ou renovação de edifícios existentes no concelho.

O Viana Práxis pretende, assim, distinguir os autores do projeto de arquitetura, promotores e construtores de obras realizadas no concelho de Viana do Castelo que tenham sido concluídas nos anos anteriores à apresentação da respetiva candidatura; e reconhecer o mérito e carreira de personalidades, cujo percurso profissional foi significativo para o enriquecimento da arquitetura portuguesa e para a valorização e salvaguarda do património de Viana do Castelo.

Regulamento e outras informações:

https://www.cm-viana-castelo.pt/viver/ordenamento-do-territorio/viana-praxis/premio-de-reabilitacao-urbana-de-viana-do-castelo/

Logo Positivo viana praxis (3).jpg

BRAGA: CONFRARIA DO BOM JESUS DO MONTE EXPÕE OBRA DO ARQUITETO RAUL LINO

A Confraria do Bom Jesus do Monte, em Braga, tem patente ao público a exposição ‘Raul Lino – Arquitetura e Património no Bom Jesus’, a decorrer no Centro de Memórias do Bom Jesus do Monte.

Raul_Lino (6).jpg

A mostra será inteiramente dedicada ao trabalho realizado por Raul Lino no Bom Jesus do Monte.

O arquiteto, que viveu nos séculos XIX e XX, projetou mais de 700 obras, entre as quais a Casa dos Patudos em Alpiarça, o Cinema Tivoli em Lisboa, o edifício dos Paços do Concelho de Sintra e o Pavilhão do Brasil na Exposição do Mundo Português em 1940.

Devido ao fato de ter conseguido articular a tradição portuguesa com as correntes inovadoras do século XX no domínio da arquitetura, é considerado uma personalidade única no panorama das artes em Portugal.

ESPIGUEIROS: II ENCONTRO INTERNACIONAL DA REDE HÓRREA DECORREU EM ARCOS DE VALDEVEZ

Arcos de Valdevez acolheu nos dias 19, 20 e 21 de Maio o II Encontro Internacional da Rede Horrea, constituída por Associações e Investigadores de Portugal e Espanha, que tem desenvolvido um trabalho de estudo e divulgação do património associado às construções de armazenagem de colheitas - celeiros elevados – em Portugal conhecidos como espigueiros ou canastros, e outras tipologias similares (caniços, canastros de varas, sequeiros, palheiros ou casas da eira).

congresso Rede Horrea (1) (1).jpg

Cerca de 70 participantes debateram o património associado a estas construções e aos seus valores materiais e imateriais, bem como metodologias para o seu inventário, salvaguarda e valorização, tendo ainda neste II Encontro Internacional sido apresentadas propostas para a formalização da Rede Horrea como Associação Internacional que abarcará associados institucionais e individuais, e que terá como principal objectivo a elaboração do processo de candidatura dos celeiros elevados a uma declaração como Património Imaterial pela UNESCO.

Do programa deste encontro científico, que contou com o apoio do Município de Arcos de Valdevez, constaram reuniões com representantes de diversos organismos (nomeadamente vários Municípios portugueses, Direcção Regional da Cultura do Centro, e Ministério de Cultura de Espanha) e foram proferidas diversas palestras por especialistas de Portugal, Galiza, Astúrias, Cantabria e Leon que abordaram temas como a classificação tipológica dos espigueiros (/hórreos), os valores imateriais associados a estas estruturas, metodologias de inventário e restauro, e ainda possibilidades para a sua integração em programas de dinamização local e regional, nas vertentes turística e cultural.

Durante as sessões foram ainda exibidos os documentários “Das Arquitecturas Tradicionais” (produzida pela AO Norte para a CIM Alto-Minho, e realizada por Carlos Eduardo Viana) e “Maestros del Horreo Asturiano” (dedicada ao registo dos conhecimentos e actividades dos mestres carpinteiros e marceneiros que ainda se dedicam à construção e restauro de hórreos nas Astúrias). Foi também apresentada a coleção de 5 livros “Parque Nacional Peneda-Gerês, Ambiente e Tradição”, tendo o autor Ricardo Prata proferido uma palestra dedicada ao fascículo sobre o Soajo.

Neste II Encontro Internacional também foi possível assistir e registar a execução de canastros de varas - uma tipologia de celeiro muito comum em algumas aldeias do concelho arcuense, e concelhos vizinhos - a qual se integrou num Workshop realizado no Campo do Trasladário e no Jardim dos Centenários, onde além de se ter executado pelos artesãos Armando Carriça e Manuel Freitas um caniço com recurso aos materiais e técnicas tradicionais (base em vigas de madeira, estrutura da câmara em técnica entrelaçada tipo cestaria de varas, e cobertura em colmo), foi ainda explorada por Rafael Freitas a possível construção de um modelo similar, mas com recurso a materiais reciclados.

O evento foi complementado com a realização de duas visitas aos relevantes conjuntos de espigueiros desta região transfronteiriça, nomeadamente à freguesia de Sistelo, classificada como Paisagem Cultural e Monumento Nacional, numa visita guiada por Fernando Cerqueira Barros onde se abordou a relação da paisagem agrária construída em socalcos que possibilitaram a cultura de regadio para o cultivo do milho maiz, trazido das américas no séc.XVI, e que sobretudo a partir do séc.XVII está intimamente relacionado com a proliferação de espigueiros nesta região; factores que levaram vários investigadores, entre eles Orlando Ribeiro, a apelidar este processo de “Revolução do Milho”; e à área do vale do Lima, tendo sido visitadas as eiras, espigueiros e o relevante conjunto de bases de canastros de varas existente em Vilarinho do Souto (Ermelo); no Soajo o grupo visitou o Centro Interpretativo e Etnográfico, analisando os diversos conteúdos sobre património material e imaterial existentes, tendo posteriormente percorrido os diversos conjuntos de espigueiros dispersos na vila, culminando na insubstituível visita à Eira do Penedo, onde se localiza o relevante conjunto de 24 espigueiros construídos integralmente em granito, classificados desde 1983 como Imóvel de Interesse Público.

Decorreram ainda visitas e oalestras na aldeia do Lindoso (Ponte da Barca) e na aldeia galega do Puxedo (Lobios).

congresso Rede Horrea (4).jpg

congresso Rede Horrea (6).jpg

congresso Rede Horrea (10).jpg

congresso Rede Horrea (11).jpg

congresso Rede Horrea (14).jpg

congresso Rede Horrea (7) (1).jpg

congresso Rede Horrea (12) (1).jpg

congresso Rede Horrea (2) (2).jpg

congresso Rede Horrea (3) (6).jpg

congresso Rede Horrea (5) (7).jpg