Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ARQUITETURA MODERNISTA ATRAI VISITANTES A ESPOSENDE

Arquitetura Modernista de Esposende é espólio invejável

O importante património arquitetónico de Esposende deve funcionar como propulsor do Turismo Cultural, atraindo visitantes que contribuirão para o crescimento económico do concelho, mas captando, também, novas obras de arquitetos de renome.

tertúlia 1

Esta foi uma ideia consensual, na tertúlia promovida no Museu Municipal, tendo como tema “Património e Cultura(s)” e que foi complementada com a apresentação do catálogo da exposição “Arquiteturas do Concelho, Esposende entre o Atlântico e as suas terras”, do arquiteto António Menéres. Com moderação do presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, João Carlos Santos, subdiretor geral da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), João Paulo Rapagão, professor da Universidade Lusíada, Paulo Guerreiro, responsável pela Casa das Marinhas e António Menéres, convergiram no reconhecimento da “excelência” do património existente em Esposende, capaz de atrair visitantes e projetar o concelho a nível mundial.

tertúlia

O Roteiro da Arquitetura Modernista, propõe uma viagem por 18 exemplares arquitetónicos do concelho de Esposende, localizados em Marinhas, Esposende e Ofir, construídos entre os anos 40 e 70 do século XX, da autoria de dois engenheiros e doze arquitetos. Este pode ser, no entender dos quatro arquitetos participantes na tertúlia, o mote para “narrativas” sobre o território.

“As políticas de conservação do património, por vezes, servem para congelar. O património só tem importância se tiver utilidade”, defendeu João Paulo Rapagão, numa ideia corroborada por João Carlos Santos que defende um “património vivido”. Essa ideia perpassa a exposição de António Menéres que, numa exposição com 40 fotografias sobre Esposende, captadas no “Inquérito à Arquitetura Regional Portuguesa”, entre 1956 a 1960, retrata a arquitetura de então, mas associa as pessoas, os usos, a religião e as tradições.

Paulo Guerreiro entende que a Casa das Marinhas pode assumir-se como “epicentro do modernismo a Norte”, convergindo para a visibilidade de todo o património de Esposende. De resto, António Meneres inclui a Casa das Marinhas, “entre as dez obras mais significantes da arquitetura portuguesa”.

O presidente da Câmara Municipal de Esposende questionou os participantes, sobre a futura adaptação do Forte S. João Batista em espaço museológico, acolhendo os vestígios do navio quinhentista descoberto em Belinho. “Há todo o interesse e vontade em colaborar com a Câmara, para que o espólio seja exposto aqui”, avançou João Carlos Santos, diretor da DGPC, visivelmente agradado com o facto de um edifício do Estado que estava abandonado, tenha agora uma finalidade concreta.

tertúlia 2

BRAGA RECEBE GRANDES VULTOS DA ARQUITECTURA E DO DESIGN

Durante dois dias grandes nomes da arquitectura e do design estarão em Braga, NA Trienal BANG no Altice Forum Braga

O Altice Forum Braga acolhe entre amanhã e Sábado, a 3ª edição da Trienal BANG, um evento de natureza Artística e Cultural, nos domínios da Arquitectura, Design, Música e Artes Plásticas, que contará com onde grandes nomes da arquitectura e do design.

2-Bangart-2015

Uma iniciativa irreverente e criativa, que se estrutura em dois grandes momentos, exposição e conferências. Numa clara atitude multidisciplinar, a trienal pretende incentivar a reflexão, proporcionar o contacto entre instituições e profissionais de diferentes áreas, potenciando o estabelecimento de parcerias, sinergias e projectos de cooperação. Funciona também como um pólo difusor de talentos emergentes, promovendo, a criação de redes de contactos, a troca de conhecimento, e o enriquecimento e consolidação do percurso profissional.

A edição deste ano, sob o tema “o estado da arte”, reúne uma série de autores que representam uma nova geração, que testa os limites da sua área de estudo. Através da apresentação pública do seu trabalho, serão exploradas as questões actuais, sublinhando novas e arrojadas definições de arquitectura e design no alvorecer do terceiro milénio.

A Trienal BANG funciona como um polo difusor de jovens talentos emergentes, promovendo o trabalho desenvolvido por diversas academias e potenciando o estabelecimento de sinergias entre academias, empresas e outras entidades envolvidas. Nesta perspectiva, pretende-se criar uma rede de contactos entre jovens estudantes e profissionais, promovendo troca de conhecimento, tendo em vista o enriquecimento pessoal e profissional, facilitando e consolidado desta forma, o futuro percurso profissional.

A trienal BANG é, por excelência, um ponto de encontro entre artistas, arquitectos, designers, profissionais e estudantes, mas pretende aproximar a Arte e Cultura da sociedade civil.

O projecto, que começou em 2012 e prosseguiu em 2015, com o apoio do Orçamento Participativo de Braga, regressa novamente com o intuito de partilhar e democratizar o conhecimento.

3-Bangart-2015

Bangart-2015

cartaz bangart

ESPOSENDE PROMOVE PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO

Património Arquitetónico e Cultura(s) dão mote a tertúlia

A Câmara Municipal de Esposende vai promover, na próxima sexta-feira, 7 de dezembro, no Museu Municipal de Esposende, uma sessão, com entrada livre, que inclui a visita à exposição, a tertúlia “Património Arquitetónico e Cultura(s) e a apresentação e distribuição aos presentes do catálogo da Exposição “Arquiteturas do Concelho”. Participam no debate o presidente da Câmara Municipal, Arq. Benjamim Pereira, o Arq. João Carlos Santos, da Direção Regional da Cultura do Norte, o Arq. João Paulo Rapagão, professor da Universidade Lusíada, o Arq. António Menéres, Comissário Científico da Exposição e o Arq. Paulo Guerreiro, Comissário da Exposição.

.

Em julho passado, foi inaugurada a exposição “Arquiteturas do Concelho. Esposende entre o Atlântico e as suas terras” com fotografias do arquiteto António Menéres, resultantes do projeto “Inquérito à Arquitetura Regional Portuguesa”, realizado entre 1956 a 1960 e que consistiu no levantamento de toda a arquitetura popular do país.

Além do debate com o autor da exposição fotográfica, a tertúlia reunirá dois vultos da arquitetura portuguesa, João Rapagão, vencedor do prémio da 3ª Bienal Internacional de Arquitetura, realizada em 1997, em São Paulo, pelo projeto da Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo, instalada no Solar dos Távoras, e João Carlos dos Santos, coordenador do setor de Obras, Conservação e Restauro da Direção de Serviços dos Bens Culturais da Direção Regional da Cultura do Norte e autor do projeto de Recuperação e Reabilitação do Noviciado, Ala Sul e Claustro do Refeitório do Mosteiro de S. Martinho de Tibães, em Braga.

Este regresso a Esposende do arquiteto António Menéres apresenta reflexos do passado, através de interpretações significativas, onde a arquitetura e o efeito social cruzam o mundo rural, as suas texturas fundidas com as gentes e geografias locais.

A exposição, que se mantem aberta ao público, está dividida em seis módulos principais: Território Histórico, Arquiteturas Rurais, Arquitetura Religiosa, Sargaceiros e Abrigos, Banho Santo e Esposende Hoje.

ESPOSENDE REALIZA TERTÚLIA SOBRE PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO

A Câmara Municipal de Esposende promove a Tertúlia “Património Arquitetónico e Cultura(s)” e a apresentação do catálogo da Exposição “Arquiteturas do Concelho”, a ter lugar na próxima sexta-feira, dia 7 de dezembro, no Museu Municipal de Esposende, de acordo com o seguinte programa:

16h00 - Visita à Exposição “Arquiteturas do Concelho”

16h30 - Tertúlia “Património e Cultura(s)”

               Presidente da Câmara Municipal, Arq. Benjamim Pereira

               Vice Diretor da DGPC, Arq. João Carlos Santos

               Arq. João Paulo Rapagão, Professor da Universidade Lusíada

               Arq. António Menéres, Comissário Científico da Exposição

               Arq. Paulo Guerreiro, Comissário da Exposição

Apresentação do Catálogo “Arquiteturas do Concelho

FERNANDA FRAGATEIRO EXPÕE EM ARCOS DE VALDEVEZ

Desencaminharte 2018: Inauguração da obra “A paisagem é” de Fernanda Fragateiro

No âmbito do Festival Desencaminharte, um programa da CIM Alto Minho que visa promover a criação artística no Alto Minho, através de uma dinâmica em rede que estimule o reconhecimento da sua identidade, no dia 22 de Novembro, pelas 11h30, realizar-se-á em Sistelo a apresentação da instalação artística A paisagem é”, da artista Fernanda Fragateiro.

Desencaminharte

O trabalho de Fernanda Fragateiro, após a realização de exposições individuais na Alemanha, Reino Unido e Espanha, da participação na Trienal de Arquitetura de Lisboa (2010), e na Dublin Contemporary (2011), tem vindo a obter cada vez maior destaque na arte contemporânea europeia. A artista é conhecida pelas suas intervenções escultóricas e arquitetónicas em espaços públicos como mosteiros, orfanatos, casas em ruínas. O seu trabalho tem sido exibido em museus e centros culturais de todo o mundo, como o Palm Springs Art Museum, nos Estados Unidos, o Palais des Beaux-Arts de Paris, e está representada em coleções como a Caixa Geral de Depósitos, Fundação de Serralves, Fundação Calouste Gulbenkian, em Portugal, ou Helga de Alvear, em Espanha.

Local: Paisagem Cultural de Sistelo / Monumento Nacional

(junto ao Miradouro dos Socalcos, Padrão/Porta Cova)

Programa:

Ato inaugural / Içar da 6ª bandeira

Com a presença da autora (artista Fernanda Fragateiro)

Mais sobre o DESENCAMINHARTE

A edição de 2018, com programação a cargo do coletivo HODOS, centra-se no desenvolvimento de dispositivos que contribuem para a valorização do património cultural e natural da região. Dez autores, relevantes no panorama artístico e arquitetónico contemporâneo, foram desafiados a intervir na paisagem singular de cada um dos dez municípios. A partir de uma leitura sensível e afetiva do lugar, estas obras serão construídas até ao final do ano, num diálogo aberto entre território, arte, cultura e população.

Este é um projeto promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) e cofinanciado pelo programa Norte 2020 – Programa Operacional Regional do Norte.

PAREDES DE COURA: A LINHA ZERO & O HORIZONTE PERDIDO

Conferência Watanyoo Chompoo

18 out | 18h30 | Casa do Conhecimento

“A linha zero & O horizonte perdido” é o tema da conferência que a arquiteta tailandesa Watanyoo Chompoo apresenta esta 5ª feira, 18 de outubro, pelas 18h30, na Casa do Conhecimento, em Paredes de Coura.

Watanyoo Chompoo vai apresentar a sua perspetiva sobre a importância de documentar o património arquitetónico tradicional e o seu impacto nas comunidades locais.

Baseada na sua experiência em ações de levantamento de arquitetura vernácula através do ICOMOS-CIAV, quer como participante, quer como coordenadora, Watanyoo retrata algumas das suas viagens mais recentes, onde nos apresenta exemplos extraordinários da arquitetura tradicional asiática, assinalando sempre o potencial pedagógico do seu estudo.

Na sequência desta conferência “A linha zero & O horizonte perdido”, Paredes de Coura vai acolher em meados do próximo ano uma ação de campo de duas semanas com arquitetos dos vários cantos do mundo, que integram a rede VERNADOC (International Camp of Vernacular Architecture Documentation).

Estas duas semanas de campo decorrerão em Porreiras, mas também em Vilarinho e Reirigo, de cujos exemplos mais característicos no plano arquitetónico merecerão uma futura exposição com arquitetos de todo o mundo.

Watanyoo Chompoo’ Shivapakwajjanalert é arquiteta pela Rangsit University (RSU), Tailândia, desde 1999. Desenvolve parte significativa da sua atividade profissional no gabinete de arquitetura tailandês Dhamarchitects, com obra reconhecida e premiada localmente.

Participa regularmente como especialista internacional na rede VERNADOC (International Camp of Vernacular Architecture Documentation) através do ICOMOS-CIAV. Foi coordenadora do VERNADOC Phuket em 2017. Complementarmente trabalha como ilustradora e fotógrafa e tem como grande paixão o estudo da arquitetura tradicional.

QUEM FOI O ARQUITECTO ESPOSENDENSE VIANA DE LIMA?

Alfredo Evangelista Viana de Lima, foi um arquiteto português.

Ocupa uma posição de destaque na segunda geração arquitetos modernistas portugueses, tal como Keil do Amaral, Arménio Losa ou Januário Godinho. A sua atividade projetual e intervenção cívica foram cruciais para a redefinição do pensamento e da prática arquitetónica nacional no período do pós-guerra.

Viana de Lima em Ouro Preto Brasil_1972

Nasceu em Esposende a 18 de Agosto de 1913, filho único de Alfredo Viana de Lima, professor primário, e de Joaquina de Campos Evangelista de Lima. Formou-se em arquitetura na Escola de Belas Artes do Porto (1929-41), onde foi colega de Januário Godinho, Agostinho Ricca e Mário Bonito, terminando o curso com uma tese intitulada Uma Biblioteca-Arquivo para o Ensino Universitário e a classificação de 19 valores. É ainda nessa época que conhece Iria Beaudouin, filha de uma família originária do sul de França, com quem viria a casar-se.

Estagiou na Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais do Ministério das Obras Públicas sob a orientação do Arquiteto Rogério de Azevedo (1938-1941).

Realizou viagens de estudo a diversos países – Bélgica, Estanha, França, Holanda, Inglaterra, Jugoslávia, Itália, Suécia, Suíça –, centrando a atenção nas áreas da arquitetura e urbanismo.

Em 1947 foi um dos membros fundadores do grupo ODAM (Organização dos Arquitectos Modernos). No ano seguinte participou ativamente no I Congresso Nacional de Arquitectura, onde apresentou uma comunicação intitulada O problema português da habitação, onde fazia a defesa dos princípios da Carta de Atenas, que reclamava para as edificações (urbanas ou rurais) e para os planos de urbanização dos centros populacionais.

Participou nos Congressos Internacionais de Arquitetura Moderna (CIAM) em Hoddesdon, Inglaterra (1951), Aix-en-Provence, França (1953), Dubrovnik, Jugoslávia (1956), Otterlo, Holanda (1959). Participou em muitas outras reuniões internacionais, no âmbito do CIAM e não só (Sigtuna, Suécia, 1952; Paris e La Serraz, 1955; Japão, 1959; etc.). Fez várias missões ao Brasil como consultor da UNESCO (1966-77).[

Uma das suas obras mais marcantes é a habitação unifamiliar Honório de Lima, no Porto, demolida em 1971 ("um atentado patrimonial da maior gravidade" segundo Pedro Vieira de Almeida), onde se sente já uma deliberada aproximação a Le Corbusier. Radicalmente moderno, este projeto pioneiro de 1939 antecipa outros que o Porto iria conhecer nos anos seguintes. Segundo Carlos Duarte, trata-se de um "projeto-chave, pela sua qualidade e valor moral, que iria influenciar não só os arquitetos do Porto, mas os de todo o país".

Também devedor do exemplo da arquitetura brasileira (nomeadamente de Oscar Niemeyer, que conheceu pessoalmente cerca de 1968 e com quem haveria de se associar para a realização de dois projetos), a arquitetura de Viana de Lima concilia habilmente a invocação de raízes culturais e o exercício virtuosístico de uma linguagem tipicamente modernista, le-Corbusiana, numa síntese em que balanceia "uma modernidade sintática a que aderia e que lhe apetecia explorar" e um "inelutável desejo de recuperação do passado e de legitimação histórica".

Na sua extensa obra nas áreas do planeamento e da arquitetura assinalem-se ainda o plano de urbanização para a cidade de Bragança (início em 1960), o Bloco Habitacional de Costa Cabral, Porto, a Faculdade de Economia da Universidade do Porto, o complexo hospitalar de Bragança ou a sua própria casa em Esposende (Casa das Marinhas).

A partir da década de 1960 Viana de Lima dedicou-se também ao levantamento e recuperação de edifícios históricos e ao planeamento de zonas urbanas antigas.

Em 1961 foi nomeado Assistente da Escola Superior de Belas Artes do Porto, então dirigida por Carlos Ramos, ascendendo ao cargo de Professor em 1974 (pede a demissão em 1981). Já à beira da reforma, entre Fevereiro e Julho de 1983 lecionou na secção de arquitetura da Escola de Belas-Artes de Lisboa; foi nomeado Conselheiro da Universidade Técnica de Lisboa. Ainda na década de 1970 dirigiu seminários em diversas universidades brasileiras (Baía; São Paulo; Recife).

Participou em diversas exposições, nomeadamente na do grupo ODAM, Ateneu Comercial do Porto, 1951 (onde expôs, entre outros projetos, o da moradia Honório de Lima), e na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, 1961, onde foi agraciado com o Grande Prémio de Arquitetura. Recebeu outras distinções, brasileiras e portuguesas, nomeadamente o Grande Colar Santiago da Espada (conferido a título póstumo).

Faleceu em 1991 e é consensualmente considerado um dos expoentes maiores da arquitetura portuguesa do Século XX.

Algumas obras e projetos

  • 1939 – Moradia Honório de Lima, Porto (finalização da obra, 1943).
  • 1943 – Bloco habitacional de Sá da Bandeira, Porto (não construído) | Projeto para o Hotel Império, Praça da Batalha.
  • 1949 – Moradia Aristides Ribeiro, Porto (finalização da obra, 1951).
  • 1950 – Moradia Borges, Porto (finalização da obra, 1958).
  • 1952 – Moradia Olívio França, Vila Verde.
  • 1953 – Bloco habitacional de Costa Cabral, Porto (finalização da obra, 1955).
  • 1954 – Casa das Marinhas, Esposende (finalização da obra, 1957).
  • 1957 – Complexo Hospitalar de Bragança.
  • 1958 – Remodelação e ampliação do Hotel Suave-Mar, Esposende.
  • 1960 – Conjunto de Escolas Primárias e Habitação, Bragança | Plano de Urbanização de Bragança (início).
  • 1961 – Faculdade de Economia da Universidade do Porto.
  • 1962 – Moradia Francisco José Evangelista, Porto.
  • 1963 – Edifício Multiusos, Bragança.
  • 1966 – Mercado dos Vinhais.
  • 1966 – Bloco habitacional e de serviços, Vila Verde
  • 1968 – Co-autor, com Oscar Niemeyer, do projeto do Casino-Hoteldo Funchal, Madeira.
  • 1971 – Palácio de Justiça de Caminha.
  • 1977 – Palácio de Justiça de Vila da Feira.
  • 1978 – Casa Napoleão Amorim, Aguda.
  • 1981 – Projetos e obras de recuperação e adaptação do Museu do Mosteiro de Santa Maria da Vitória,
  • 1985 – Reabilitação da Praça da República, Viana do Castelo.
  • 1985 – Desenha o jazigo de Viana de Lima, Esposende

Fonte: Wikipédia

ORDEM DOS ARQUITETOS EXPÕE SOBRE A OBRA DE VIANA DE LIMA

Inaugurada em Lisboa exposição sobre Viana de Lima

Está patente, na galeria da sede nacional da Ordem dos Arquitetos, em Lisboa, a mostra "Memento/Momento", sobre a obra do arquiteto Viana de Lima. O Município de Esposende associa-se, assim, à Ordem dos Arquitetos Portugueses, comemorando o mês da Arquitetura, com uma exposição da vida e obra do arquiteto que estará patente até 30 de outubro.

.

Para o presidente da Ordem dos Arquitetos, José Manuel Pedreirinho, trata-se de "uma exposição bem documentada sobre Viana de Lima que reúne as obras mais significativas do arquiteto". José Manuel Pedreirinho destacou a importância da Casa das Marinhas – “de visita obrigatória”, sublinhou-, cujo "trabalho da escala interior é fabuloso e merece estudo atento".

Paulo Guerreiro, do Município de Esposende, fez a apresentação da exposição, enquadrando as obras nas diferentes fases da vida de Viana de Lima e apontou outros pontos de partida para a investigação, nomeadamente pelos muitos alunos de Arquitetura presentes na abertura da exposição.

O presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, sublinhou a importância da revelação da obra de Viana de Lima, sublinhando "todo o trabalho que tem sido feito em Esposende, na defesa da arquitetura". Enquadrou, nesse trabalho, o projeto de recuperação do edifício Pérola, em Apúlia, ou o processo de cedência do Forte de S. João, assim como a Estação Radionaval de Apúlia, edifícios adquiridos pela autarquia e que serão intervencionados.

"Tem sido essa a postura do município, na defesa da cultura, porque temos aspirações de oferta de cultura de qualidade à nossa população, além da qualidade ambiental para viver", disse Benjamim Pereira.

Denominada "Memento, Momento", a exposição reúne o processo-síntese onde se resume uma parte da obra do arquiteto ou apontamento em modo de lembrete do que se tem de fazer e Momento, projetando espaços de tempo que foram materializados e traduzidos em arquitetura.

Numa secção do acervo expositivo do arquiteto esposendense, predomina o processo de desenho clássico das proporções. Na segunda parte, observa-se a interceção com o Movimento Modernista Europeu que foi o ingrediente explosivo de uma “supernova” que desponta no panorama da arquitetura portuguesa, entre correntes ideológicas contraditórias do Estado Novo.

O arquiteto Viana de Lima foi autor, entre outros projetos, da denominada “Casa das Marinhas”, edifício classificado como Monumento de Interesse Público, desde 2012, e registada na Fundação Docomomo Ibérica, organismo internacional que preserva edifícios icónicos da arquitetura modernista.

De resto, inserida nas comemorações do Mês da Arquitetura, a “Casa das Marinhas” acolhe duas iniciativas que visam dar a conhecer a habitação: “Cas’Aberta” e “À descoberta da Casa”.

42629441_10156690061433064_811151144179990528_n

ESPOSENDE CELEBRA MÊS DA ARQUITECTURA

Município de Esposende assinala mês da Arquitetura

No âmbito das comemorações do mês da Arquitetura, o Município de Esposende associou-se à Ordem dos Arquitetos Portugueses, expondo a mostra "Memento/Momento", sobre a obra do arquiteto Viana de Lima, na galeria da sede nacional da Ordem dos Arquitetos, em Lisboa. A mostra será inaugurada no próximo dia 8 de outubro e estará patente até 30 de outubro, com organização conjunta da Ordem dos Arquitetos e da Câmara Municipal de Esposende.

ordem arquitetos 1

A exposição apresenta alguns mecanismos de tradução e interpretação, onde as peças de arquitetura são pedaços de tempo que se transportam nas entranhas dos edifícios, traduzida no Memento e no Momento.

Memento, como processo-síntese onde se resume uma parte da obra do arquiteto ou apontamento em modo de lembrete do que se tem de fazer. O Momento são espaços de tempo que foram materializados e traduzidos em arquitetura. Ou seja, em que se aglutina o tempo e se materializa na forma.

A exposição de Viana de Lima está dividida em duas partes. Uma primeira em que o arquiteto esposendense é dominado pelo processo de desenho clássico das proporções que dominam a sua ideologia até aos meados do século XX. Na segunda parte, observa-se a interceção com o Movimento Modernista Europeu que foi o ingrediente explosivo de uma “supernova” que desponta no panorama da arquitetura portuguesa, entre correntes ideológicas contraditórias do Estado Novo.

O arquiteto Viana de Lima foi autor, entre tantos projetos, da denominada “Casa das Marinhas”, edifício classificado como Monumento de Interesse Público, desde 2012, e registada na Fundação Docomomo Ibérica, organismo internacional que preserva edifícios icónicos da arquitetura modernista. Assim, a “Casa das Marinhas” durante este mês em que se evoca a arquitetura, associa-se às celebrações com duas iniciativas que visam dar a conhecer a habitação: “Cas’Aberta” e “À descoberta da Casa”.

De resto, o património cultural relacionado com a Arquitetura Modernista, no qual se enquadra a “Casa das Marinhas”, mereceu destaque, no passado dia 1 de outubro, no programa “Visita Guiada”, de Paula Moura Pinheiro, na RTP, onde abordou “Três Casas Modernas no Minho – Esposende, Ofir e Moledo”, versando os trabalhos de Viana de Lima, Fernando Távora e Siza Vieira.

ordem arquitetos

ESPOSENDE PRESERVA E DIGNIFICA A ARQUITETURA

Inaugurada exposição de fotografia do arquiteto António Menéres

Abriu hoje ao público, no Museu Municipal de Esposende, a exposição “Arquiteturas do concelho, Esposende entre o atlântico e as suas terras”, do arquiteto António Menéres. Trata-se de um conjunto inédito de fotografias, captadas em meados do século XX (entre 1956 e 1960), no âmbito do Inquérito à Arquitetura Regional Portuguesa.

exposição 1

O Arquiteto António Menéres realizou o levantamento da Arquitetura popular do país, nomeadamente do norte litoral, registando em fotografias a construção que pintava a paisagem, algumas sobre Esposende que nunca foram publicadas.

Trata-se, assim, de uma apresentação inédita para o país e muito especialmente para Esposende que tem o privilégio de poder observar estas imagens, captadas nos locais mais imprevisíveis.

exposição 2

“A exposição que agora inauguramos encerra um profundo significado sociológico, contribuindo para a solidificação da memória coletiva de Esposende”, começou por referir o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, sublinhando o trabalho que o Município tem desenvolvido na área da Arquitetura. “Temos dignificado a Arquitetura, quando não permitimos construções que descaraterizam a paisagem urbana e temos promovido exposições e a edição de livros sobre a matéria”, lembrou.

De resto, Benjamim Pereira sustentou a importância de os esposendenses visitarem esta exposição, “pela componente estética, mas também pela História que encerra e pelo grande contributo que dá à formação do indivíduo, pela valorização da nossa cultura”.

O presidente da Câmara Municipal de Esposende sublinhou “a grandeza que António Menéres representa no panorama da Arquitetura nacional”, nomeadamente pelo trabalho desenvolvido “numa época em que pouco se valorizava a preservação do edificado”.

António Menéres relembrou o trabalho desenvolvido em Esposende, nomeadamente o levantamento da Arquitetura da região, mas também o registo das tradições. “Recolhi registos de coisas que desapareceram, o que provoca nos naturais uma saudade imensa. Mas é muito bom que o futuro se apoie em tudo o que o presente tem de bom”, referiu o arquiteto que fez equipa com Fernando Távora e Rui Pimentel, percorrendo uma área do país que ia desde o Norte de Coimbra (zona de Mira) ao Rio Minho, do Litoral até ao interior, nas faldas do Marão.

“As Arquiteturas populares são muitas e diversificadas, tal como a paisagem e a história, o que é curioso, sendo um país tão pequeno. Era uma Arquitetura popular que se ligava à economia local, aos modos de falar, ao entendimento do mundo rural, aos comeres e à gastronomia”, assinalou António Menéres.

A exposição está dividida em seis módulos principais (Território Histórico, Arquiteturas Rurais, Arquitetura Religiosa, Sargaceiros e Abrigos, Banho Santo e Esposende Hoje) e pode ser visitada até ao final de setembro.

exposição

PRÉMIO REABILITA BRAGA É “MAIS-VALIA” PARA A GLOBALIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO

Projectos “Parque da Boavista” e “Casa das Gelosias” distinguidos

O “Parque da Boavista”, em Palmeira, foi distinguido hoje, dia 9 de Maio, com o Prémio Municipal de Reabilitação Urbana na categoria de edificação – obra de restauro e de reabilitação. Na categoria de nova edificação o prémio foi atribuído ao projecto “Casa das Gelosias – Uma interpretação do Tradicional”.

Parque da Boavista

A cerimónia de entrega do Prémio Reabilita Braga, com o apoio da revista ‘Vida Imobiliária’, decorreu hoje, dia 9 de Maio, na Colunata de Eventos, no Bom Jesus. A distinção dá destaque a projectos de qualidade arquitectónica, integração urbanística e paisagística que representem uma mais-valia para a preservação e valorização do património arquitectónico do Concelho.

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, o prémio é um instrumento importante para estimular e divulgar ´boas práticas de intervenção´. “Com este prémio assumimos o desafio de reconhecer publicamente o trabalho de quem contribui para a reabilitação da Cidade”, referiu, lembrando o ´período auspicioso´ do ponto de vista da reabilitação urbana que Braga tem vivido.

Na categoria de edificação o júri atribui prémios no valor de 10.000 euros, para a subcategoria reabilitação e restauro, e de 5.000, no caso da subcategoria nova edificação.

No que se refere à categoria de investigação, o júri do Prémio Reabilita Braga decidiu não atribuir a distinção de modo a poder, numa futura edição, satisfazer os requisitos regulamentares e a finalidade do concurso, salvaguardando a oportunidade de os concorrentes voltarem a apresentar-se.

Prémio distingue boas práticas de reabilitação

O projecto ´Parque da Boavista´ consistiu no processo de reabilitação de um edifício construído nos princípios do século XX, distinguindo as boas práticas de reabilitação urbana seguidas, sobretudo a capacidade de manutenção da identidade da casa, dada a sua grande qualidade de construção e o seu enquadramento histórico, e a adequação da nova ocupação da casa ao espaço pré-existente. O promotor/dono de obra é Jorge Filipe da Maia Oliveira Ferreira, o arquitecto Maria Teresa Linhares Carrilho da Maia Ferreira e o construtor a empresa AOF - Augusto Oliveira Lda.

Já a “Casa das Gelosias – Uma interpretação do Tradicional” é uma moradia unifamiliar situada na Rua do Burgo, S. Vicente. O ponto de partida da intervenção foi uma parcela com uma área de 122m2 em estado de ruína, existindo apenas a fachada principal e paredes meeiras.

A proposta de reconstrução integrou a fachada pré-existente e apropriou-se do espaço deixado disponível. O novo alçado integra um sistema de “gelosias”, herança construtiva da arquitectura vernacular existente em Braga entre o séc. XVII/XVIII. Os promotores / Donos de Obra são Carlos Campos e Dalila Campos, a arquitecta Marta Campos e o construtor a empresa Norte Magnético - Reabilitação e Investimentos Imobiliários, Lda.

Casa das Gelosias

CELORICO DE BASTO HOMENAGEIA ILÍDIO ARAÚJO

Celorico de Basto apresenta a exposição “Verdadeiro e Inspirado Mestre” em homenagem a Ilídio Araújo

Está patente desde ontem, 7 de março, no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, a exposição em homenagem ao arquiteto paisagista, Ilídio Araújo, intitulada “Verdadeiro e Inspirado Mestre”.

_DSC7615

Um dos primeiros arquitetos paisagistas portugueses que considerou os jardins e Camélias “criações artísticas de carácter popular… e de rara beleza”.

Durante o mês de março todos os visitantes do Centro cultural poderão conhecer melhor o Celoricense Ilídio Araújo, “um filho da terra”, natural da freguesia do rego, com um percurso profissional exemplar.

 “Esta é uma forma de recordar o homem, o celoricense, com um notável percurso profissional que nos orgulha enquanto filho da terra. Um homem que desenhou esplendorosos jardins espalhos por este país fora, com uma particular admiração pelos jardins de camélias” disse Joaquim Mota e Silva, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, na abertura da exposição. “Dia 24 daremos o nome de “Jardim Ilídio Alves de Araújo” aos jardins de Camélias da Casa do Prado, pelas criações artísticas que ele tanto admirava. Hoje, iniciamos a homenagem a um homem preocupado com a terra que o viu nascer, onde se destaca a criação do jornal “Ecos da Montanha”. Uma personalidade com um percurso de vida notável que homenageamos agora na Festa das Camélias, um certame que contou com a sua participação ativa nas inúmeras tertúlias desenvolvidas, tal o gosto que tinha pelos jardins de camélias” concluiu.

A história e o percurso de vida de Ilídio Araújo está, agora, em exposição tendo a mesma sido apresentada, a todos os presentes, pelo Diretor de Departamento da Câmara Municipal de Celorico de Basto, António José Peixoto Lima, amigo próximo de Ilídio Araújo. 

 O Arquiteto Paisagista e Engenheiro Agrónomo desenvolveu atividades em vários serviços públicos como na Direção Geral de Serviços Agrícolas, na Direção Geral de Serviços de Urbanismo, na Comissão de Planeamento da Região Norte, na Direção Regional de Agricultura entre o Douro e Minho, foi Secretário de Estado do Ordenamento Físico e do Ambiente entre outros. Integrou a Associação Portuguesa de Jardins e Sítios Históricos e é autor de mais de 100 publicações com referência para a obra editada pelo Centro de Estudos de Urbanismo em 1962 intitulada “Arte Paisagística e arte dos Jardins em Portugal”. Destaque também para o jornal “Ecos da Montanha”, um jornal histórico fundado pelo Arquiteto, que realça o interesse pela terra Natal.

_DSC7620

_DSC7628

_DSC7635

FAMALICÃO REABILITA MERCADO MUNICIPAL

Câmara apresenta projeto de arquitetura para o Mercado de Famalicão e Teatro Narciso Ferreira de Riba de Ave

A reabilitação do Mercado Municipal de Vila Nova de Famalicão vai avançar para concurso público o mesmo acontecendo com a reabilitação do Teatro Narciso Ferreira de Riba de Ave. O executivo municipal liderado por Paulo Cunha apresenta na próxima reunião de Câmara, agendada para esta quinta-feira, 8 de janeiro, pelas 10h00, as propostas para autorização dos respetivos procedimentos concursais.

CASA DAS MARINHAS ENTRE AS CASAS-MUSEU ICÓNICAS DO MUNDO

A “Casa das Marinhas” já está em destaque no site internacional Iconic House, onde estão referenciados os maiores ícones da arquitetura mundial. Em Portugal, apenas a Casa das Marinhas e Serralves integram a lista de Casas Icónicas do Mundo. Para integrar esse restrito naipe, a casa tem de ser reconhecida pela sua importância no desenvolvimento da arquitetura moderna do século XX. Pode ser vista em: http://www.iconichouses.org/.

casa das marinhas, de Viana de Lima

O crescente interesse e a curiosidade do grande público pelo valor da arquitetura mundial, emergiram neste site -Iconic House- orientado pela arquiteta holandesa, Natasha Drable, onde passa agora a figurar a Casa das Marinhas, a par das mais prestigiadas casas mundiais e das quais se destacam: Villa modernista de Savoy de Le Corbusier, em França; Villa Mariea de Alvar Aalto, na Finlândia, casa da Cascata de Frank Lloyd Wright, nos Estados Unidos; Farnsworth House de Mies van der Rhoe, também nos Estados Unidos; Casa das Canoas de Óscar Niemeyer ou a Casa de Vidro de Lina Bo Bordi, em São Paulo, Brasil, entre muitas outras.

Constituída, em 2012, por um grupo de casas/museu modernas, a rede Iconic Houses tem como objetivo estabelecer uma plataforma para discussão profissional: compartilhar as melhores práticas, mas também incentivarem-se mutuamente no desenvolvimento de novas atividades, relevando o potencial conjunto e mostrando 150 casas icónicas abertas ao público.

A Iconic Houses Network reúne profissionais e sites de todo o mundo, num fórum profissional que incentiva a partilha de informações e práticas recomendadas, bem como a criação de novas e frutuosas parcerias entre organizações, independentemente da sua grandeza.

As casas da autoria de arquitetos do século XX formam, no Iconic Houses, uma categoria única, na exposição pública através da internet.

Constituído por edifícios localizados em todo o mundo, Iconic Houses pretende aprofundar a pesquisa e a cooperação com universidades e equipas de especialistas, debater questões de restauro em geral, formação de públicos, cuidar das coleções e estratégias de exibição, assim como a definição de programas de exposições temporárias e outros assuntos de interesse mútuo.

Apenas casas desenhadas por arquitetos que desempenharam um papel influente no desenvolvimento da arquitetura do século XX podem integrar a listagem, devendo para tal ser suportado em publicações académicas.

A Casa das Marinhas é um edifício que se encontra classificado como Monumento de Interesse Público, desde 2012, e está registada na Fundação Docomomo Ibérica, organismo internacional que preserva edifícios icónicos da arquitetura modernista. A casa está aberta à fruição pública, mediante marcação prévia. É possível efetuar uma vista orientada mediante marcação prévia através do e-mail: casa.marinhas@cm-esposende.pt ou dos telefones 253 960 179 /253 960 100.

A Câmara Municipal de Esposende passa, também, a dispor online de um link (https://drive.google.com/a/esg.pt/open?id=1i2bm6_ThB6GjtvXgi3jaEAEvU_c&usp=sharing), onde é possível encontrar uma grande parte da obra do Arquiteto Viana de Lima espalhada pelo Mundo e alguns dos percursos mais significativos da sua obra, nomeadamente a passagem pelos Congressos Internacionais da Arquitetura Modernista, entre 1950 e 1959 e a passagem pelo Brasil como consultor da salvaguarda do património da UNESCO entre os anos 60/80 do século passado.

FAFE ACOLHE COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE ARQUITECTURA DE INTERIORES DA CASA SENHORIAL

V Colóquio Internacional “A Casa Senhorial: anatomia dos interiores” tem lugar em Fafe de 6 a 8 de Junho de 2018

A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), o Museu das Migrações e das Comunidades /Câmara Municipal de Fafe e a Universidade Nova de Lisboa (Portugal), com o apoio do Grupo de Pesquisa "Casas Senhoriais e seus Interiores: estudos luso-brasileiros em arte, memória e património", promovem, de 6 a 8 de junho de 2018, o V Colóquio Internacional "A Casa Senhorial: anatomia dos interiores". O colóquio terá na Sala Manoel de Oliveira, em Fafe.

Capturarfaf

Trata-se de uma reunião científica de investigadores, aberta à participação de estudiosos de todo mundo, para compartilhar e confrontar resultados de estudos acerca das casas senhoriais, desde o século XVII ao início do XX, com foco em quatro linhas de investigação:

  1. Proprietários, construtores e artífices. Vivências e rituais;
  2. Identificação das estruturas e dos programas distributivos e o estudo de nomenclaturas funcionais e simbólicas de cada espaço;

III. A ornamentação fixa: azulejos, tetos, talhas, pinturas, estuques, têxteis, pavimentos, chaminés/lareiras, janelas, portas, pára-ventos e outros bens integrados;

  1. O equipamento móvel nas suas funções específicas e suas relações com o espaço; o conjunto e as circulações das peças; a atmosfera do lugar.

:: Comité organizador:

Profª. Dra. Ana Pessoa (PPGMA/FCRB)

Mestre Artur Coimbra, Museu das Migrações e das Comunidades/Câmara Municipal de Fafe

Profª. Dra. Isabel Mendonça (Instituto de História da Arte/UNL)

:: Comité científico:

  1. Prof. Dr. José Belmont Pessoa (Programa de Pós-Graduação da Escola de Arquitetura e Urbanismo/UFF)
  2. Prof. Dr. Nelson Porto (PPGAU/Ufes)
  3. Profa. Dra. Ana Lúcia Vieira dos Santos (Escola de Arquitetura e Urbanismo/UFF)

(II) Prof. Dr. Helder Carita (Instituto de História da Arte/UNL)

  • Prof. Dr. Carlos Alberto d´Avila Santos (Centro de Artes /UFPel)

(III) Prof. Dr. Aldrin Moura de Figueiredo (Faculdade de Arquitetura/UFPa)

(IV) Profa. Dra. Marize Malta (Escola de Belas Artes/UFRJ)

(IV) Prof. Dr. Gonçalo de Vasconcelos e Sousa (CITAR-Escola de Arte/UCP)

:: Cronograma:

Envio de resumo das propostas de comunicação: até 30 de novembro de 2017

Resultado de submissão da proposta de comunicação: até 15 de dezembro de 2017

Divulgação da programação: 22 de dezembro de 2017

Realização do evento – 6 a 8 de junho de 2018

:: Inscrições:

Propostas de Comunicação: A ficha de inscrição e os resumos deverão ser enviados até o dia 30 de novembro de 2017 para o e-mail:casasenhorialfafe@gmail.com.

ESPOSENDE COMEMORA DIA MUNDIAL DA ARQUITECTURA DURANTE TODO O MÊS DE OUTUBRO

Mês da Arquitetura levou 140 visitantes à Casa das Marinhas

As comemorações do Dia Mundial da Arquitetura prolongaram-se, em Esposende, por todo o mês de outubro, com ações que pretenderam dar a conhecer, local e internacionalmente, a Casa das Marinhas e o Roteiro Modernista.

casa das marinhas

O Município de Esposende associou-se ao Dia Mundial da Arquitetura, promovendo, durante todo o mês de outubro, uma extensão de celebrações, com a iniciativa “à descoberta da casa” e a realização do “roteiro modernista”.

“À descoberta da casa” consistiu numa visita orientada à “Casa das Marinhas”, durante a qual os participantes foram desafiados a explorar a Casa, num formato peddypaper. Destinado a um público que abrange a comunidade educativa escolar, desde a Educação do Pré-escolar ao Ensino Secundário, o evento que teve a adesão do Agrupamento da de Escolas Correia de Oliveira António Rodrigues Sampaio, nomeadamente da Escola Básica de Guilheta, do Jardim de Infância de Góios e ainda o Agrupamento de Escolas ARS –  dos alunos do 9º ano, da Escola Básica das Marinhas.

A Casa das Marinhas é um edifício que se encontra classificado como Monumento de Interesse Público, desde 2012, e está registada na Fundação Docomomo Ibérica, organismo internacional que preserva edifícios icónicos da arquitetura modernista. A casa está aberta à fruição pública, mediante marcação prévia.

Para a comunidade em geral, o Município de Esposende dispõe ainda o “Roteiro Modernista”, levando os visitantes por uma viagem até alguns exemplares arquitetónicos do concelho de Esposende, construídos entre os anos 40 e 70 do século XX, da autoria de engenheiros e arquitetos de renome nacional e internacional. É possível efetuar uma vista orientada ao “Roteiro Modernista” mediante marcação prévia através do e-mail casa.marinhas@cm-esposende.pt ou dos telefones 253 960 179 / 253 960 100.

Interesse crescente

O prestígio da Casa das Marinhas e do Roteiro Modernista, criado pelo Município de Esposende está a atrair novos públicos. Se, entre março e setembro deste ano, foram cerca de 400 os visitantes que se deslocaram à casa de Viana de Lima, durante o mês de outubro, a “Casa das Marinhas” registou a visita de 140 pessoas.

Entre os visitantes, destacam-se cerca de 60 alunos de duas escolas de arquitetura, da Suíça e da Noruega: a EidgenössischeTechnischeHochschule (ETH) Zürich - Swiss Federal InstituteofTechnologyZurich; e a Oslo SchoolofArchitectureand Design.

A “Casa das Marinhas” encontra-se a preparar a adesão ao site internacional ICONIC HOUSE, onde estão referenciados os maiores ícones da arquitetura mundial.

escola correia de oliveira

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE DESMENTE DEMOLIÇÃO DE OBRA ARQUITECTÓNICA DO ARQUITECTO VIANA DE LIMA

COMUNICADO

Confrontada com a denúncia de que estaria a ser demolido um imóvel da autoria do Arquiteto Viana de Lima, localizado na Av. Eng.º Eduardo Arantes e Oliveira, na cidade de Esposende, a Câmara Municipal de Esposende vem esclarecer o seguinte:

- Tal afirmação não corresponde à verdade. O imóvel em causa está a ser alvo de uma intervenção decorrente do processo de licenciamento n.º 507/2009, portanto, em total legalidade;

- O edifício não detém a classificação de Imóvel de Interesse Público, como foi veiculado. Tal proposta de classificação, apresentada à Direção Geral do Património Cultural, foi rejeitada, argumentando que “os imóveis nem per si nem em conjunto consubstanciam um valor patrimonial capaz de justificar uma classificação de âmbito nacional”;

- Relativamente ao Arquiteto Viana de Lima, o Município de Esposende tem desenvolvido um trabalho de valorização da sua obra, nomeadamente através da aquisição da Casa das Marinhas, este sim Imóvel de Interesse Público. No âmbito deste trabalho criou um roteiro relativo ao período modernista, que abrange um conjunto de arquitetos, entre os quais Viana de Lima. Contudo, tal não significa que os imóveis em causa não possam ser alvo de qualquer intervenção;

- Face ao exposto, o Município de Esposende lamenta que sejam veiculadas denúncias sem fundamento e rigor.