Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MUNICÍPIO DE TERRAS DE BOURO ACOLHE ESTAGIÁRIOS DE ARQUEOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO MINHO

IMG-20240703-WA0009.jpg

Na sequência do Protocolo de Colaboração entre a Câmara Municipal de Terras de Bouro e a Universidade do Minho, foram recebidos no Salão Nobre dos Paços do Concelho, pelo Presidente da Câmara Municipal, Manuel Tibo e pelo Vice-Presidente, Adelino Cunha, os primeiros estagiários da Unidade de Arqueologia que assim irão começar o seu trabalho muito em breve no nosso território. O estágio, que irá decorrer entre os dias 1 a 26 de Julho na Geira Romana e que vem na sequência dos trabalhos já realizados em julho de 2023 com o apoio da Câmara Municipal de Terras de Bouro, contará com a participação de 6 alunos e está também enquadrado no projeto INterregSudoe: CUlturMOnts S1/4.6/E0050: Valorização das Paisagens Culturais de montanha: recurso para o desenvolvimento territorial sustentável, projeto a que entretanto se candidatou a Universidade do Minho com grande êxito e de que a Câmara Municipal de Terras de Bouro é parceira. A candidatura a um PIPA (Projetos de Investigação Plurianual de Arqueologia), para que todos os trabalhos arqueológicos estejam devidamente enquadrados e autorizados pela tutela, é também parte integrante neste estágio.

A sinergia e o apoio da Câmara Municipal de Terras de Bouro irão contemplar o alojamento para 9 pessoas, refeições e transporte de e para o campo, assim como a utilização das instalações do Núcleo Museológico de Campo do Gerês para trabalho de gabinete e depósito do material de prospeção. Esta mútua colaboração permitirá satisfazer, simultaneamente, os interesses de investigação e ensino da U. Minho e os interesses de proteção, conservação e valorização do património arqueológico de Terras de Bouro, numa perspetiva de qualificação e promoção do desenvolvimento do concelho.

IMG-20240703-WA0004.jpg

IMG-20240703-WA0005.jpg

IMG-20240703-WA0007.jpg

IMG-20240703-WA0008.jpg

“PIROGA MONÓXILA” CLASSIFICADA COMO TESOURO NACIONAL A CAMINHO DO MUSEU MUNICIPAL DE CAMINHA

Piroga.jpg

Câmara de Caminha faz contrato com o Património Cultural IP para de cedência de bens culturais móveis

Uma “Piroga Monóxila” cuja cronologia aponta para o período entre a segunda metade do séc. X e a primeira metade do séc. XI, classificada como Tesouro Nacional, vai ser exposta, em data ainda a definir, no Museu Municipal de Caminha. Para que isso fosse possível, a Câmara aprovou um contrato com o Património Cultural, Instituto Público, que prevê a cedência temporária de bens culturais móveis, neste caso a “Piroga Monóxila”.

A Piroga em causa foi classificada, conjuntamente com mais cinco pirogas, como de interesse nacional, com a designação de “Tesouro Nacional”. Para poder ser exposta em Caminha foram estabelecidos vários requisitos, designadamente quanto à sala de exposição e medidas de segurança. Há condições ambientais, de humidade relativa, temperatura e iluminação, assim como a ausência de vibração e de poluentes atmosféricos que terão de ser cumpridos.

Trata-se, de facto, do regresso do exemplar, após várias peripécias e um longo processo. Conforme se explica na proposta de contrato, aprovada em reunião do Executivo, a piroga n. 1 do Rio Lima foi exumada do leito do rio a 2 de março de 1985 e transportada para Viana do Castelo, ficando guardada num armazém pertencente à capitania local, onde passou despercebida. Foi então que o interesse e esforço de Raúl de Sousa, à época funcionário da Câmara Municipal de Caminha e pertencente ao grupo organizador do Museu Municipal de Caminha (MMC), tomou conhecimento da mesma, adquiriu-a, e providenciou a sua transferência para o local do futuro Museu Municipal de Caminha.

Conta o responsável atual pelo Museu, Sérgio Cadilha, que devido às deficientes condições preventivas do depósito, a piroga foi transferida, inicialmente para o Museu Monográfico de Conímbriga, e depois para as instalações do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática, em Lisboa, onde iniciou o processo de consolidação com vista à secagem e estabilização em ambiente seco. O tratamento da Lima 1 foi terminado no laboratório do Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (ARQUA), em Cartagena, Espanha.

O Município de Caminha acabou por lhe perder o rasto e, durante muito tempo, pensou-se que a mesma nunca mais viria para Caminha. Entretanto foi classificada, como referimos, como "Tesouro Nacional" e paralelamente, a Câmara desenvolveu vários esforços para que a peça pudesse regressar a Caminha, o que agora, através do contrato, se torna possível.

ESPOSENDE PARTICIPA NAS JORNADAS EUROPEIAS DA ARQUEOLOGIA

Jornadas Europeias de Arqueologia’24

Entusiastas da história e do património ou simples curiosos, em grupo, individualmente ou em família, desafiamos todos os interessados a conhecer os bastidores da Arqueologia.

Sexta-feira, 14 de junho | 10h00 e 14h30

CENTRO INTERPRETATIVO DE S. LOURENÇO

Apresentação aos docentes do projeto europeu SciArt, do programa Erasmus+, que tem como principal objetivo melhorar as competências dos alunos do século XXI.

Sábado, 15 de junho | 15h00

FORTE DE S. JOÃO BAPTISTA

Apresentação dos mais recentes resultados de trabalhos que têm vindo a ser realizados nos nossos sítios arqueológicos costeiros, como a CASE – Carta Arqueológica Subaquática de Esposende – na Praia de Guilheta ou no Forte de S. João Baptista.

Domingo, 16 de junho | 08h30

CASTRO DE S. LOURENÇO

À descoberta do Património Natural e Cultural que o Castro de S. Lourenço encerra.

Para mais informações: arqueologia@cm-esposende.pt | 253 960 179

444944743_888630713303226_6410078448574390836_n.jpg

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE AVANÇA COM PROJETO DO CENTRO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Escavações arqueológicas no Forte de S. João Baptista

Já arrancou o processo de instalação do Centro de Divulgação Científica no Forte de S. João Baptista, em Esposende, dando cumprimento ao protocolo de cooperação que o Município de Esposende estabeleceu com a Universidade do Minho, que prevê, também, a criação do Instituto Multidisciplinar de Ciência e Tecnologia Marinha (IMCTM) na antiga Estação Radionaval de Apúlia.

Considerando a intervenção prevista para o Forte de S. João Baptista, foram efetuados, em 2023, trabalhos de prospeção geofísica, no sentido de aferir a existência, ou não, de vestígios que possam condicionar o desenvolvimento do projeto de reabilitação e ampliação do Forte, bem como a tipologia e dimensão de futuros trabalhos arqueológicos.

Essa prospeção permitiu determinar a presença de anomalias que podem corresponder a infraestruturas recentes. Por outro lado, foi possível detetar uma anomalia que parece sugerir a presença de um muro com derrube em frente ao forte e uma outra anomalia, no lado Sueste da entrada forte, que poderá estar associada a uma possível linha amuralhada que surge representada no desenho do Forte de S. João Baptista de Esposende, da autoria de Gonçalo Luís da Silva Brandão, datado de 1757.

Assim, serão realizadas escavações arqueológicas nos locais sinalizados pela prospeção geofísica que permitirão verificar se há ou não vestígios em torno do Forte para, posteriormente, se poder avançar com o lançamento do concurso para a execução das obras tendentes à instalação do Centro de Divulgação Científica, um ambicioso e determinante projeto que irá afirmar Esposende na área da investigação e tecnologia marinhas, o qual já mereceu parecer favorável das entidades com jurisdição sobre o território.

Para tal, estão em curso os trabalhos preparatórios para que as escavações possam ter início na próxima segunda-feira, dia 20 de maio, numa codireção entre o Município de Esposende e a ERA Arqueologia S.A., empresa responsável pela execução dos trabalhos. A intervenção irá decorrer durante seis meses, com um custo de 25.830 euros, a que se soma o valor de 7.361,55 euros da prospeção geofísica por georradar.

Refira-se que, em 2018, foi celebrado entre o Município de Esposende e o Estado Português um auto de cedência de utilização e aceitação, no qual é autorizada e cedida a utilização do Forte de S. João Baptista - classificado como Imóvel de Interesse Público - ao Município pelo prazo de 50 anos, com o propósito de instalar um Centro de Divulgação Científica, focado em atividades marinhas. Este equipamento irá acolher o Centro Interpretativo do Parque Natural Litoral Norte (PNLN) e o Achado do Naufrágio de Belinho, dispondo, ainda, de espaços para receber exposições temporárias, entre várias outras valências.

O Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, realça que “estamos mais perto de tornar realidade o projeto do Centro de Divulgação Científica, um equipamento que catapultará Esposende para o centro das atividades ligadas à investigação e tecnologia marinhas”. O autarca nota que “tem sido um processo moroso”, mas salienta que “está tudo bem encaminhado para a sua concretização”, dando cumprimento também às metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU no se refere à estratégia de valorização do património arqueológico do território concelhio.

PreparacaoSondagensFSJB_2024[IMG_8665].jpg

PreparacaoSondagensFSJB_2024[IMG_8666].jpg

ProspecaoFSJB_2023[IMG_2947].jpg

ProspecaoFSJB_2023[IMG_6030].jpg

VIANA DO CASTELO E O CASTRO DO NEIVA

438092906_968995655227806_7583062546437853754_n.jpg

Trago hoje as ruínas do Castro de Moldes, também conhecido como Monte do Castelo de Neiva, um Castro localizado na Freguesia de Castelo do Neiva, no Município de Viana do Castelo, Distrito de Viana do Castelo. É um Castro que remonta à Idade do Ferro, no alto de um Monte na margem direita do Rio Neiva. Encontra-se classificado pelo IGESPAR como Imóvel de Interesse Público desde 1970.

in diversas fontes e SIPA.

As escavações arqueológicas realizadas no local durante a primeira metade da década de 1980, trouxeram à luz um povoado de consideráveis dimensões, dotado de um assinalável sistema defensivo que é formado por cinco Linhas Concêntricas de Muralhas reforçadas por Torreões na vertente Sul. As Linhas de Muralhas acompanham quase sempre a geografia do terreno.

Nomeadamente na área definida pela Muralha Interior, identifica-se uma notável densidade de estruturas de carácter doméstico de Planta predominantemente Circular, em cuja construção se utilizou o próprio afloramento rochoso. Algumas dessas construções apresentam um vestíbulo e estão apartadas por Arruamentos lajeados em granito. Entre elas, destaca-se uma pelo facto de possuir uma espécie de assento corrido coberto por placas retangulares de ardósia.

As investigações evidenciaram a reutilização do espaço em alturas posteriores, designadamente durante o período da Ocupação Romana, para o que terá sido determinante a sua posição estratégica. Apontam nesse sentido, alguns materiais exumados durante as diferentes campanhas, tais como artefactos de bronze (entre os quais uma fíbula), a par de um abundante número de fragmentos de cerâmica comum e de importação. Estes elementos atestam não apenas o carácter relativamente permanente da ocupação desse povoado, como sobretudo a sua inserção numa complexa rede de relações comerciais, evidente na presença de inúmeros exemplares de diversos tipos de ânforas e respetivas tampas.

A relevância estratégica do local foi reforçada já em plena Idade Média e em concreto no início do século XII, de quando data a primeira referência conhecida sobre a existência no local de um Castelo pouco antes de D. Afonso Henriques (1109-1185) ser cercado em Guimarães.

Foi, a partir de então palco de vários episódios relacionados com a consolidação do Reino em pleno processo de Reconquista, até que em finais do século XIV, o Castelo acabou por perder a sua anterior importância política na sequência da transferência da sede do julgado de Neiva, executada no âmbito de uma ampla reorganização administrativa do território. Foi então abandonado, entrando num lento processo de degradação, embora ainda sejam visíveis os sulcos onde assentavam os Muros da Torre e subsista a Romaria à Capela de Nossa Senhora das Oliveiras, construída num dos caminhos conducentes ao interior do Povoado.

Os testemunhos provenientes da Estação Arqueológica do Castro de Moldes, encontram-se expostos numa das salas do prédio da Junta de Freguesia de Castelo do Neiva.

Leonor Especial / Fonte: Política, História e Património de Portugal

438095656_968995431894495_3959552182664394784_n.jpg

438099536_968995521894486_6769700133791241856_n.jpg

438146097_968995098561195_4261504449818524850_n.jpg

438162869_968995315227840_6735898136636825127_n.jpg

440853906_968995211894517_8309012147216973245_n.jpg

ESPOSENDE CONVIDA A REFLETIR SOBRE O IMPACTO DE CATÁSROFES EM SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS

(1).jpg

18 de abril - Dia Internacional dos Monumentos e Sítios

Como forma de assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se comemora hoje, 18 de abril, subordinado à temática “Catástrofes e conflitos à luz da carta de Veneza”, o Município de Esposende desenvolveu uma dinâmica em torno da exposição “Mar de Histórias”, patente no Centro Interpretativo de S. Lourenço, que envolveu cerca de 200 participantes, entre professores e alunos do 7.º ano de escolaridade.

Este ano pretende-se refletir sobre os atuais desafios à escala global, como as alterações climáticas, as catástrofes naturais e os conflitos. As zonas costeiras são, desde há milénios, regiões muito dinâmicas e sujeitas a uma grande diversidade de agentes naturais e antrópicos. As alterações climáticas, devido ao aumento do nível médio global do mar, estão a provocar maior frequência de valores extremos do nível local do mar. Estas tendências têm provocado maior erosão costeira, nomeadamente provocando galgamentos e inundação temporária de zonas litorâneas, das quais decorre a exposição e/ou descoberta de elementos naturais e antrópicos até então desconhecidos. Pese embora este fenómeno de forte erosão costeira, em muito potenciada por fenómenos climáticos extremos como fortes tempestades, no caso do litoral de Esposende têm vindo a ser descobertos, ao longo dos últimos anos, sítios arqueológicos, com milhares de artefactos que remontam a milhares de anos.

Exemplo destas circunstâncias foi particularmente o inverno de 2013-2014, o qual se pautou por um número invulgarmente elevado de temporais no Atlântico Norte e que afetaram o litoral Oeste de Portugal.  A ondulação provocada por alguns destes temporais mais intensos - especialmente a tempestade Hércules - causou prejuízos muito avultados no litoral da Noruega, Dinamarca, Alemanha, Irlanda, Reino Unido, França, Espanha e Portugal.

No entanto, esta tempestade e cidadãos ativos permitiram a descoberta do naufrágio quinhentista de Belinho, profundamente divulgado ao nível nacional e internacional, como é o caso do artigo mais recente, publicado na reputada revista Journal of Maritime Archaeology da editora Springer, intitulado "Metal objects were much desired. A 16th century shipwreck cargo off the coast of Esposende (Portugal) and the importance of studying ship cargos". É exclusivamente dedicado à carga do navio de Belinho e encontra-se disponível para consulta gratuita on-line. Ainda sobre esta matéria, poderá ser consultado gratuitamente, no repositório da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), o trabalho “Depois do mar | A coleção de estanho e de latão de Belinho (Esposende)”, de Elisa Frias-Bulhosa, estagiária do Serviço de Património Cultural em 2022/23, realizado no âmbito do Mestrado em História da Arte, Património e Cultura Visual da FLUP, que obteve a classificação de 20 valores.

Importa refletir sobre o impacto que estes episódios vão tendo em sítios arqueológicos até agora desconhecidos; sobre como temos vindo a atuar para registar os vestígios, recuperar os artefactos e conservar os objetos; que dados têm sido obtidos com o trabalho desenvolvido por diversas equipas inter e transdisciplinares, tanto sobre os sítios como do respetivo espólio arqueológico agora revelados; e qual o papel dos cidadãos sobre estes locais.

Considerando que “um cidadão esclarecido, é um cidadão ativo”, as Jornadas Europeias de Arqueologia’ 2024 de Esposende, que decorrerão de 14 a 16 de junho, darão a conhecer os resultados mais recentes de trabalhos que têm vindo a ser realizados nos sítios arqueológicos costeiros de Esposende, como, por exemplo, a CASE (Carta Arqueológica Subaquática de Esposende) ou na Praia de Guilheta, em Antas. A adesão do Município a este evento europeu enquadra-se nas metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU e na estratégia de valorização do património arqueológico do território concelhio.

Para mais informações poderão entrar em contacto com o Centro Interpretativo de S. Lourenço, através do telefone 253 960 179, do e-mail arqueologia@cm-esposende.pt ou consultar a página de internet do Património Cultural do Municipio de Esposende, em https://www.municipio.esposende.pt/viver/patrimonio-cultural.

(2).jpg

CASA DO TERRITÓRIO EXPÕE TESOUROS ARQUEOLÓGICOS DE FAMALICÃO

AFS_0363.jpg

Inauguração da exposição “10 Anos de Tesouros” aconteceu esta quinta-feira

Uma década de tesouros arqueológicos do concelho de Vila Nova de Famalicão encontram-se expostos na Casa do Território, no Parque da Devesa desde esta quinta-feira, dia 8 de fevereiro, numa mostra que retrata a evolução dos objetos e materiais utilizados pela população entre o IV milénio A.C. e o século XII.

A mostra “10 Anos de Tesouros” vai ficar patente até dia 30 de abril de 2024, com entrada livre.

A exposição é constituída por 139 objetos recolhidos em escavações ou em superfície ao longo dos inúmeros trabalhos arqueológicos desenvolvidos no concelho famalicense.

Ao visitar esta mostra, entre muitos outros materiais, os visitantes vão deparar-se com uma chave de uma casa romana, uma foice encontrada no Castro das Ermidas, alfinetes do I milénio A.C, tachas de sandálias romanas e contas de colar vindas do Mediterrâneo.

O horário de visita coincide com o de funcionamento da Casa do Território: terça a quinta, das 09h30 às 13h e das 14h às 17h30, e sábados, domingos e feriados, das 14h30 às 17h30.

A acompanhar a exposição, haverá um programa de atividades dirigido a todos os públicos, que abrange desde oficinas e visitas guiadas a lançamento de catálogo e atividades especificas para as escolas.

A exposição “10 Anos de Tesouros” surge no seguimento da atividade “Arqueologia Destaca…”, uma dinâmica mensal desenvolvida pelo gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que dá a conhecer, mensalmente, um achado arqueológico na Casa do Território.

Para mais informações, consulte a página www.famalicao.pt/10-anos-de-tesouros.

AFS_0376.jpg

AFS_0426.jpg

VILA PRAIA DE ÂNCORA: INTERVENÇÃO NO FORTE DA LAGARTEIRA REVELA ACHADOS DA PRÉ-HISTÓRIA COM 15 A 20 MIL ANOS

Em curso projeto para instalação do futuro Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora

Os trabalhos em curso no Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora, revelaram um conjunto de exemplares de indústria lítica talhada, pré-histórica, com 15 a 20 mil anos. Os achados foram devidamente registados e acautelados, e delimitado o respetivo perímetro, suspendendo-se aí a intervenção. A Câmara Municipal está a desenvolver no Forte um projeto de recuperação e valorização para instalação do Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora, intervenção financiada pelos programas Norte 2020 e Mar 2020, num investimento global um pouco superior aos 200 mil euros.

Capturarvpaforte.JPG

O acompanhamento arqueológico que está a ser levado a cabo no âmbito do projeto de recuperação e valorização do Forte da Lagarteira permitiu a identificação de uma sequência estratigráfica que evidencia a existência de vários níveis com materiais arqueológicos enquadráveis na Pré-História. Os achados estão ainda a ser alvo de um estudo mais pormenorizado por técnicos especializados, mas sabe-se já que terão entre 15 e 20 mil anos.

Esta descoberta revelou a necessidade de realização de trabalhos arqueológicos ajustados à natureza dos achados, que serão afetados pela execução do projeto. Assim, foi necessário proceder a escavação arqueológica manual nas áreas de afetação do projeto, de forma a possibilitar por um lado, o registo e compreensão da sequência estratigráfica do sítio, bem como a minimização dos impactes decorrentes da obra.

De acordo com o estudo já elaborado, foi no âmbito do acompanhamento arqueológico dos desaterros realizados na Praça de Armas que se registou a presença de uma sequência estratigráfica na qual se evidencia, pouco abaixo do nível de circulação, a presença de um depósito composto por seixos. “Este assenta sobre uma sequência de depósitos sedimentares homogéneos, globalmente de coloração escura, que cobrem um conjunto de níveis sedimentares acinzentados ou negros, com pouca potência estratigráfica. Na base destes níveis foi possível identificar outro nível de seixos envoltos numa sedimentação fina de coloração acinzentada que assenta sobre o substrato geológico composto por granito.

No âmbito destes trabalhos foi possível identificar um conjunto de exemplares de indústria lítica talhada. Trata-se de indústria macrolítica constituída, nomeadamente, por seixos afeiçoados (unifaciais e bifaciais), picos pesos de rede, lascas, etc. Algumas destas peças apresentam um elevado índice de desgaste.

Os achados recolhidos e a sequência estratigráfica observada enquadram-se na problemática geoarqueológica das formações quaternárias do litoral minhoto”.

Como referimos, a Câmara Municipal de Caminha começou a desenvolver, no final de 2022, o Projeto de Recuperação e Valorização do Forte da Lagarteira A obra permitirá instalar, naquele Forte, o Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora e criar mais um polo de atração para Vila Praia de Âncora e para o concelho.

O futuro Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora (EMMVPA) nasceu pela vontade da Câmara ver recuperado aquele exemplar do património, abrindo-o ainda mais ao público. O futuro Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora resultara de um projeto candidatado a fundos comunitários, nomeadamente ao Programa Mar 2020 e Programa Norte 2020. O apoio solicitado foi de 208 468,74 €, conseguindo-se um apoio de 177 198,43 €.

O Espaço da Memória do Mar de Vila Praia de Âncora será um Núcleo Museológico a instalar no Forte da Lagarteira, dedicado ao património cultural e natural marítimo da costa do concelho de Caminha. Nele, os visitantes poderão conhecer as raízes históricas desta póvoa marinheira e a rica biodiversidade da nossa costa. O mar foi, desde a origem, o garante económico de gerações e gerações de habitantes de Vila Praia de Âncora.

O Forte da Lagarteira é um Monumento de Interesse Público desde 1967 e parte integrante da memória da paisagem de Vila Praia de Âncora.

Capturarla2 (1).JPG

Capturarla1 (2).JPG

Capturarla3 (2).JPG

Capturarla5 (1).JPG

Capturarla6 (5).JPG

ESCAVAÇÕES ARQUEOLÓGICAS EM BRAGA REVELAM FUNDAÇÕES DO FÓRUM DA CIDADE ROMANA

Município e Universidade garantem abertura do Teatro Romano à população até 2025

No Dia Internacional da Arqueologia, celebrado ontem, dia 25 de Julho, o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, acompanhado pelo Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, visitou os trabalhos arqueológicos com vista à musealização do Teatro Romano do alto da cividade.

Capturarte4.JPG

Na ocasião, ambos os responsáveis assumiram a decisão de abrir ao público a primeira fase deste extraordinário espaço arqueológico para usufruto da população, o que deverá ocorrer em 2025 com a realização, naquele local, do Grande Festival Internacional de Teatro e Ópera Clássicos (MITO).  

Os 35 alunos da licenciatura, mestrado e doutoramento em Arqueologia do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, com o apoio de técnicos municipais, completaram mais um ciclo de trabalho no teatro e termas romanas do Alto da Cividade, com o objectivo de colocar à vista a edificação do Teatro Romano localizado no alto da Cividade, no espaço contíguo às Termas Romanas.

No contexto das escavações arqueológicas ali desenvolvidas, este grupo de trabalho encontrou, muito recentemente, níveis associados ao fórum da cidade romana, ou seja, para além das Termas e do Teatro Romano, existem vestígios agora descobertos associados ao Fórum da Cidade, a grande praça da cidade romana.  

Recorde-se que o Município de Braga, em parceria com a Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho, já investiu cerca de seis milhões de euros no Parque Arqueológico de Braga através de obras ou estudos, no Teatro Romano da Cividade, na Ínsula das Carvalheiras, nas ruínas da Rua Santo António das Travessas, no Convento S. Frutuoso, entre outros.

O Teatro Romano do Alto da Cividade, o único a céu aberto descoberto no Noroeste Peninsular, foi descoberto em 1999.

Durante a visita ao local, Ricardo Rio referiu que Braga é actualmente um verdadeiro “laboratório na área do património onde técnicos municipais, investigadores e alunos interagem para a salvaguarda, descoberta e musealização de Bracara Augusta”.

Capturarte1 (1).JPG

Capturarte5 (3).JPG

Capturarte3 (6).JPG

CÂMARA DE BRAGA LANÇA CONCURSO PÚBLICO PARA MUSEALIZAÇÃO DA ÍNSULA DAS CARVALHEIRAS

Projecto conta com a parceria da UMinho e representa investimento de 3,3 milhões de euros

A Câmara Municipal de Braga prepara-se para lançar o concurso público com vista à musealização das ruínas arqueológicas da Ínsula das Carvalheiras e criação do Centro de Interpretação e área envolvente. O assunto será analisado em sede de Reunião do Executivo Municipal, que se realiza Segunda-feira, 10 de Julho, no gnration.

Capturarin2 (17).JPG

Depois de mais de 20 anos de investigação, a parceria entre o Município de Braga e a Universidade do Minho concluiu o projecto que levará à valorização, musealização e à adequação à visita daquele conjunto arqueológico. A obra terá um prazo de execução de 18 meses, representando um investimento de 3,3 milhões de euros.

Para Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, a Ínsula das Carvalheiras será um local de visita obrigatória e uma enorme mais-valia para a Cidade. “Este será um espaço de fruição para aqueles que aqui residem e que, obviamente, poderão também desfrutar das condições muito interessantes que, no projecto, foram asseguradas para os moradores a para os habitantes da nossa Cidade”, sustenta o Autarca.

 Afirmando-se como um instrumento de regeneração urbana, o projecto representa uma “aposta clara na valorização patrimonial e o testemunho de uma parceria sempre renovada com a Universidade do Minho”. Por outro lado, acrescenta Ricardo Rio, a Cidade passará a dispor de um parque verde na sua malha central que será fruível por todos os cidadãos.

A Ínsula das Carvalheiras vai proporcionar uma viagem no tempo, com a entrada num Centro Interpretativo que terá uma dimensão moderna e tecnológica e com um percurso até ao interior deste espaço que constitui um importantíssimo legado romano. Para além da componente arqueológica, o projecto prevê a criação de um parque urbano anexo às ruínas, que facultará um usufruto qualificado do espaço pelos cidadãos e o desenvolvimento de actividades culturais e de lazer.

A Cidade passará assim a dispor de uma ampla área patrimonial musealizada e aberta ao público, que constituirá um equipamento de grande valor histórico e cultural, verdadeiramente emblemático da origem romana de Braga, capaz de ajudar a reforçar a sua identidade e a diferenciar a oferta cultural da Cidade.

De referir que o projecto é da autoria de Alejandro Beltran-Caballero e Ricardo Mar, dois arquitectos com reputada experiência na relação com a arqueologia e na musealização de vestígios romanos.

Capturarin4 (13).JPG

Capturarin3 (14).JPG

Capturarin5 (2).JPG

Capturarin1 (18).JPG

MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO APOSTA NA VALORIZAÇÃO DA VIA ROMANA XVII

Foram efetuadas intervenções para a recuperação e ampliação da Via Romana XVII, localizada na Rua da Amareira, na União de Freguesias de Calvos e Frades, com o objetivo de salvaguardar e valorizar do seu traçado.

Os trabalhos, executados pelos Serviços de Obras Municipais, com acompanhamento do técnico de Arqueologia, incidiram em dois trechos que já se encontravam em avançado estado de destruição, resultado da ampla fruição pública deste recurso patrimonial e turístico. Salvaguardando os estratos arqueológicos, foi feito o acerto da cota do piso e criado um ponto de contacto entre as pedras cravadas nos locais originais e os novos elementos pétreos, sem recurso a qualquer tipo de argamassa.

Foi, ainda, aplicada uma linha de cunhas em mármore entre o lajeado original e o recuperado, para que os utilizadores deste percurso turístico percebam onde houve a intervenção, permitindo-lhes distinguir o que é original do recuperado, garantindo a correta interpretação deste legado histórico.

Ao longo deste lajeado, de aproximadamente 200 metros, foi colocada sinalética vertical para proibir a sua utilização por praticantes de desportos motorizados, limitando a circulação aos moradores locais e veículos agrícolas.

Este trabalho de valorização da Via Romana XVII permite, agora, à comunidade em geral, “viajar” para o imaginário da época romana e conhecer as caraterísticas destes principais eixos imperiais.

Datando a sua construção da época do Imperador Augusto, a Via Romana XVII foi um dos mais importantes eixos viários entre Bracara Augusta (Braga) e Asturica Augusta (Astorga, Espanha), numa extensão de aproximadamente 350 km, facilitando a comunicação entre estas duas capitais romanas do noroeste peninsular.

Capturarviaromana (6).JPG

MAIOR MAMOA DO CONCELHO DA PÓVOA DE LANHOSO É NOVO PONTO DE INTERESSE ARQUEOLÓGICO

O Presidente da Câmara Municipal, Frederico Castro, a Vice-Presidente e Vereadora da Cultura, Fátima Moreira e os Vereadores Paulo Gago e Ricardo Alves, visitaram no Dia do Ambiente, a Mamoa do Madorro, localizada na União de freguesias de Calvos e Frades. Os terrenos onde se localiza a mesma, que são propriedade da autarquia, são contíguos ao já sobejamente conhecido Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos.

Mamoa do Madorro em Calvos (3).jpg

A visita do executivo ao local, acompanhados pelo técnico de arqueologia do município, pretendeu acompanhar a evolução dos trabalhos de delimitação do terreno, a criação de acessos e marcar a decisão de avançar com as várias dinâmicas previstas para aquele espaço arqueológico e que serão determinantes para, além da preservação, para a potencialização e valorização turística do mesmo.

Assim, está previsto que a breve trecho se levem a efeito, entre outras, intervenções arqueológicas, estabelecendo parcerias com Universidades; a sua musealização, garantindo a integridade e prossecução do monumento, para a fruição pública das gerações vindouras; a interpretação da mamoa, recorrendo a painéis informativos; a sua divulgação turística; a dinamização de serviços educativos e a promoção de visitas guiadas.

É também intenção, devido à proximidade do Centro Interpretativo do Carvalho de Calvos, proceder à criação de um polo interpretativo dos resultados arqueológicos nesse espaço.

A “mamoa do Madorro”, que remonta ao período do Neolítico (aproximadamente 4 º milénio a.C.) foi descoberta em 2006, quando iniciou o projeto de valorização da via romana XVII no concelho da Póvoa de Lanhoso. Foi no decorrer desses trabalhos que, nas imediações do Carvalho de Calvos, foi identificada uma estrutura circular de grandes dimensões e com ligeira depressão central, presumindo-se tratar de um monumento sob tumulus, conhecido por mamoa. Esta informação foi posteriormente confirmada com a realização de um estudo de geo radar no qual se verificou a presença de estruturas arqueológicas, caracterizadas com a câmara de inumação, o átrio e o corredor de acesso ao monumento, virado a nascente, tudo coberto pelo montículo artificial de terra.

Até à presente data, esta é a maior mamoa conhecida no concelho da Póvoa de Lanhoso.

VIANA DO CASTELO PARTICIPA NAS JORNADAS EUROPEIAS DE ARQUEOLOGIA

Viana do Castelo associa-se às Jornadas Europeias de Arqueologia, que se realizam entre 16 e 18 de junho. O Município vai promover uma visita guiada à próxima sexta-feira, em Carreço, pela Gandra de Montedor, com participação grátis e inscrição através do link https://journees-archeologie.eu/fru-3488/c-2023/lg-pt/Portugal/fiche-initiative/18031/Visita-Orientada-a-Gandra-de-Montedor

montedorjpeg (4).jpeg

As Jornadas Europeias da Arqueologia, uma iniciativa que pretende transportar os participantes para vários períodos históricos, através de visitas guiadas, exposições, workshops e conferências, são coordenadas pelo Institut national de recherches archéologiques préventives (INRAP). Em Portugal, são organizadas pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e reúne  47 países europeus.

Em Viana do Castelo, assinala-se com uma visita guiada à Gandra de Montedor, que se constitui como um espaço onde a Natureza e os vestígios humanos subsistem num invulgar e delicado equilíbrio. O Espaço insere-se na Zona Especial de Conservação da Rede Natura 2000 e é um dos 13 monumentos naturais de Viana do Castelo. Para além do caracter geológico ímpar, preservam-se ainda alguns elementos patrimoniais que nos fazem remontar às origens da humanidade.

Com a iniciativa, pretende-se orientar o olhar do visitante para os elementos mais marcantes da paisagem e descodificar os vestígios de intervenção humana, ao longo da história da humanidade numa viagem entre a pré-história e a atualidade, entre os testemunhos arqueológicos etnográficos e construtivos em que se radica o caracter e a memória coletiva dos carrecenses.

MONÇÃO: O QUE NOS DIZEM AS PEDRAS?

Visita guiada às gravuras rupestres de Longos Vales no dia 22 de abril, sábado. Inscrições (gratuitas) estão abertas.

gravura.jpg

Para assinalar o Dia Internacional de Monumentos e Sítios, que se celebra hoje, 18 de abril, a Câmara Municipal de Monção, com o apoio da Junta de Freguesia de Longos Vales, promove, no próximo sábado, dia 22 de abril, com início às 9h00, uma visita guiada às gravuras rupestres de Longos Vales, localizadas no lugar de Moulães.

Aberta a todos os interessados, a atividade é gratuita, sendo, no entanto, necessária a respetiva inscrição, através do T. 251 649 009 ou E. patrimonio@cm-moncao.pt. Após a visita às gravuras rupestres, segue-se uma deslocação ao Castro de S. Caetano.

Além do incalculável valor científico e das múltiplas interpretações históricas, a arte rupestre é o reflexo passado da interação do homem com a paisagem, afirmando-se como um elemento identitário do nosso território e, também, como suporte de várias lendas e mitos criados à sua volta. Muitas vezes, perpetuam-se na memória coletiva com novos significados e atributos.

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi instituído em 1982, pelo ICOMOS, sendo aprovado, no ano seguinte, pela UNESCO. A partir de então, esta data comemorativa tem vindo a oferecer a oportunidade de aumentar a consciência pública relativamente à diversidade do património e aos esforços necessários para o proteger e conservar, permitindo, ainda, chamar a atenção para a sua vulnerabilidade.

Hora

09h00

Local

Junta de Freguesia de Longos Vales

Inscrições

  1. 251 649 009 | E. patrimonio@cm-moncao.pt

CITÂNIA DE BRITEIROS FOI UMA DAS CAPITAIS DOS POVOS DA CALLAECIA

Situada a escassos quinze quilómetros de Guimarães, a citânia de Briteiros ergue-se altaneira em pleno alto do monte de São Romão, na freguesia de Salvador de Briteiros. Trata-se de um povoado castrejo cuja ocupação inicial deverá ter ocorrido nos primórdios do primeiro milénio antes de Cristo, tendo permanecido habitada até ao século III da Era Cristã, mantendo-se portanto ocupada durante o período da ocupação romana da Península Ibérica. As suas ruínas foram descobertas em 1875 pelo arqueólogo Francisco Martins Sarmento quando este iniciou a primeira campanha de estudos arqueológicos no local.

Citânia Briteiros - 8ago2012 (41)

Circundado por três linhas de muralhas defensivas, o povoado apresenta um conjunto urbanístico bastante diversificado formado por artérias e pequenas unidades habitacionais que denotam já uma conceção de cidade estruturada que alguns historiadores apontam para uma influência romana, pese embora a sua matriz ser bem mais antiga no noroeste da Península Ibérica. A sua imponência e pujante atividade económica levam a considera-la como uma das principais sedes de um dos vários povos que então formavam a Callaecia.

Junto à Estrada Nacional que pelo Bom Jesus liga Braga a S. Salvador de Briteiros, encontra-se o balneário que constitui uma das construções do género mais bem conservada existente no noroeste peninsular e Galiza. É formado por uma pequena câmara ligada a um recinto quadrangular através de uma estela pentagonal, servindo uma para os banhos de vapor e a outra para se tomarem banhos de água fria.

A Citânia de Briteiros encontra-se classificada como Monumento Nacional desde 1910 e constitui um dos locais dignos de visita na nossa região.

Citânia Briteiros - 8ago2012 (34)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (38)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (41)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (33)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (44)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (32)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (31)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (28)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (26)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (25)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (23)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (19)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (2)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (17)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (8)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (7)

Citânia Briteiros - 8ago2012 (6)

BARCELOS: ARQUEÓLOGO JOAQUIM VILAS-BÔAS PEDIU A ALFREDO PIMENTA INFORMAÇÕES ACERCA DO CASTELO DE FARIA

A carta que junto se reproduz foi endereçada por Joaquim Sellés Paes de Vilas-Boas para Alfredo Pimenta em 28 de Abril de 1948 solicitando informações sobre o castelo de Faria, em Barcelos.

Joaquim Sellés Paes de Villas-Bôas foi um etnógrafo, arqueólogo, crítico de arte, cavaleiro e comentador hípico e oficial de cavalaria do Exército Português, nasceu em Madrid em 11 de Fevereiro de 1913.

Sellés-Paes-foto-BI-218x300.jpg

Era filho de Joaquim Gonçalves Paes de Villas-Boas, advogado e proprietário, presidente da Direção do Grémio da Lavoura de Barcelos, comandante do Batalhão n.º 12 da Legião Portuguesa, com sede em Barcelos, Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz, conselheiro Municipal e representante da Causa Monárquica e de D. Elisa Sellés y Rivas, filha de D. Eugénio de Sellés y Angel, 2º Marquês de Gerona e Visconde de Castro y Orosco, governador das províncias de Sevilha, León e Granada, autor dramático, membro da Real Academia de Espanha e presidente da Sociedade de Autores Espanhóis.Faleceu em Lisboa em 14 de Maio de 1990, com 77 anos.

Fonte: Arquivo Municipal Alfredo Pimenta

PT-AMAP-10-29-18-2-1_m0001_dissemination.jpg

PT-AMAP-10-29-18-2-1_m0002_dissemination.jpg

PT-AMAP-10-29-18-2-1_m0003_dissemination.jpg

PT-AMAP-10-29-18-2-1_m0004_dissemination.jpg

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA E UNIVERSIDADE DO MINHO ARTICULAM ESTRATÉGIA PARA SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO E ARQUITETÓNICO

O elevado potencial de exploração científica e turístico-cultural dos recursos patrimoniais, especialmente evidenciados num notável conjunto de sítios arqueológicos, leva a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira a formalizar um protocolo de colaboração com a Universidade do Minho (UM), com o intuito de delinear e concretizar o desenvolvimento científico e estudo, a salvaguarda e valorização do património do concelho cerveirense.

Aro Arqueologico.jpg

De acordo com o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, este protocolo resulta de “um desejo comum de implementar formas consolidadas de colaboração, que satisfizessem simultaneamente os interesses de investigação e ensino da UM e os interesses de proteção, conservação e valorização do património arqueológico e arquitetónico de Vila Nova de Cerveira, numa perspetiva de qualificação e promoção do desenvolvimento do concelho”. Rui Teixeira afirma que a opção pela Universidade do Minho assenta “na reconhecida capacidade científica e técnica na área da Arqueologia e do Património, sustentada por experiências em projetos de investigação, de valorização e de divulgação de sítios e monumentos arqueológicos e arquitetónicos e de paisagens fortificadas”.

Na prática, esta cooperação entre o Município de Vila Nova de Cerveira e a Universidade do Minho poderá assumir o intercâmbio de especialistas, incluindo docentes, investigadores e técnicos, tendo em vista o fomento de atividades de estudo, investigação e fornecimento de serviços; a realização de trabalhos arqueológicos e peritagens especializadas; e a colaboração na realização de estágios dos alunos da UM; além de outras realizações de interesse mútuo a acordar entre ambas as instituições.