Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

GRUPO DE SARGACEIROS DA CASA DO POVO DA APÚLIA DANÇA AMANHÃ EM ESPOSENDE

291865954_5312055598874629_7423739732477097369_n.jpg

De acordo com a programação “Folclore na Praça” que levará ao Largo Dr. Fonseca Lima todos os grupos folclóricos do concelho de Esposende até ao próximo dia 30 de Julho, cabe ao Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia atuar no próximo dia 25 de Junho.

Argaço! Argaço! – grita o sargaceiro ao avistar as algas que a mareada arroja, exortando os companheiros a entrarem mar adentro e enfrentarem com arrojo a rebentação das ondas. A voz ecoa na praia convocando as gentes para a faina.

Após a maresia, a mareada é invariavelmente mais abundante, arrojando o mar as algas que se desprendem dos rochedos quase submersos. O grito do sargaceiro ecoa longínquo na praia. Os homens, vestidos de branqueta e a cabeça e pescoço protegido com o sueste, levam consigo o galhapão ou a gaiteira se o sargaço estiver próximo da praia.

No areal, as mulheres transportam o sargaço nas carrelas para mais longe do alcance do mar, fazendo as camas onde fica a secar. Apó a secagem, as algas serão empregues como fertilizantes das terras, em produtos fito-sanitários e cosméticos, sendo cada vez mais conhecidas também as suas virtudes alimentares.

Desde a data da sua fundação em 1934, o Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia é um representante ímpar do folclore minhoto e uma referência do folclore nacional.

290817407_5312055498874639_3092684777276290358_n.jpg

ESPOSENDE: GRUPO DOS SARGACEIROS DA CASA DO POVO DE APÚLIA COMEMORA 90 ANOS A DANÇAR – GRUPO INFANTIL FESTEJEJA O 40º ANIVERSÁRIO – DOIS DIAS DE FOLCLORE NA PRAÇA DOS SARGACEIROS

Nos dias 27 e 28 de Julho todos os caminhos vão dar à Praça dos Sargaceiros, em Apúlia.

Um fim de semana de muita festa e alegria com a comemoração do 40° aniversário do Grupo Infantil dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia e do 90° aniversário do Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia

Serão 2 dias de Folclore, recheados de cor e alegria, em que as músicas e danças dos grupos convidados vão animar as tardes, num local emblemático junto à praia.

Argaço! Argaço! – grita o sargaceiro ao avistar as algas que a mareada arroja, exortando os companheiros a entrarem mar adentro e enfrentarem com arrojo a rebentação das ondas. A voz ecoa na praia convocando as gentes para a faina.

Após a maresia, a mareada é invariavelmente mais abundante, arrojando o mar as algas que se desprendem dos rochedos quase submersos. O grito do sargaceiro ecoa longínquo na praia. Os homens, vestidos de branqueta e a cabeça e pescoço protegido com o sueste, levam consigo o galhapão ou a gaiteira se o sargaço estiver próximo da praia.

No areal, as mulheres transportam o sargaço nas carrelas para mais longe do alcance do mar, fazendo as camas onde fica a secar. Apó a secagem, as algas serão empregues como fertilizantes das terras, em produtos fito-sanitários e cosméticos, sendo cada vez mais conhecidas também as suas virtudes alimentares.

Desde a data da sua fundação em 1934, o Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia é um representante ímpar do folclore minhoto e uma referência do folclore nacional.

448992862_507451628280002_5139091738039195295_n.jpg

ESPOSENDE: GRUPO DE SARGACEIROS DA CASA DO POVO DA APÚLIA DANÇA NA PRAÇA NO PRÓXIMO DIA 25 DE JUNHO

290817407_5312055498874639_3092684777276290358_n.jpg

De acordo com a programação “Folclore na Praça” que levará ao Largo Dr. Fonseca Lima todos os grupos folclóricos do concelho de Esposende até ao próximo dia 30 de Julho, cabe ao Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia atuar no próximo dia 25 de Junho.

Argaço! Argaço! – grita o sargaceiro ao avistar as algas que a mareada arroja, exortando os companheiros a entrarem mar adentro e enfrentarem com arrojo a rebentação das ondas. A voz ecoa na praia convocando as gentes para a faina.

Após a maresia, a mareada é invariavelmente mais abundante, arrojando o mar as algas que se desprendem dos rochedos quase submersos. O grito do sargaceiro ecoa longínquo na praia. Os homens, vestidos de branqueta e a cabeça e pescoço protegido com o sueste, levam consigo o galhapão ou a gaiteira se o sargaço estiver próximo da praia.

No areal, as mulheres transportam o sargaço nas carrelas para mais longe do alcance do mar, fazendo as camas onde fica a secar. Apó a secagem, as algas serão empregues como fertilizantes das terras, em produtos fito-sanitários e cosméticos, sendo cada vez mais conhecidas também as suas virtudes alimentares.

Desde a data da sua fundação em 1934, o Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia é um representante ímpar do folclore minhoto e uma referência do folclore nacional.

291865954_5312055598874629_7423739732477097369_n.jpg

ESPOSENDE: APÚLIA EM 1985

CNF4575.jpg

Fez parte da exposição retrospetiva do trabalho do autor "Crónicas portuguesas", apresentada no edifício da ex-Cadeia e Tribunal da Relação do Porto em 2007.

Georges Dussaud nasceu em Brou, na região da Bretanha, no ano de 1934. Embora de nacionalidade francesa, as viagens e as imagens que daí regista fazem dele um cidadão do mundo. É notório o seu fascínio pelas cenas do quotidiano. Não se deixa envolver pelas temáticas comuns que outros já captaram. Dussaud gosta do imprevisto, da simplicidade e espontaneidade das coisas do dia-a-dia, seja de que povo for. Tenham sido as reportagens efectuadas na Grécia, na Irlanda, na Índia, em Cuba, em França ou Portugal, o factor humano está sempre presente. Casou com Christine Dussaud, sua incansável companheira de viagens e testemunha ocular de tantos instantes de tempo aprisionados pela sua objectiva. Talvez por isso tenha feito tanto sentido que fosse ela a autora do prefácio de Crónicas Portuguesas. O livro é dedicado aos três filhos do casal, Alexandre, Eric e Tristan, também eles “companheiros de viagem pelos caminhos de Portugal”. O facto de se ter tornado membro da agência parisiense Rapho, em 1986, coloca o seu nome a par de mestres da fotografia como Robert Doisneau, Willy Ronis ou Sabine Weiss. As deslocações frequentes a Portugal resultam também na presença regular em iniciativas como os Encontros de Fotografia de Coimbra e Encontros da Imagem de Braga. As instituições nacionais não têm sido indiferentes ao seu trabalho e a prova disso é que ele está representado, não só na Colecção Nacional de Fotografia do CPF, mas também no Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa e no Museu da Imagem de Braga. No ano de 1997 já as editoras Marval e Assírio & Alvim se haviam associado para publicar Portugal Terra Fria, o “antecessor” de Crónicas Portuguesas. Por ocasião da sua mais recente viagem a Portugal, em 2007/2008 o autor concebeu um portfolio inédito de fotografias, captadas exclusivamente na cidade do Porto, e que deram origem à exposição “Invisões” apresentada no Centro Português de Fotografia em 2009.

Fonte: Centro Português de Fotografia

ESPOSENDE: CDU FAZ CAMPANHA NA APÚLIA EM DEFESA DA REABILITAÇÃO E REABERTURA DA UNIDADE DE SAÚDE E DO ACESSO AO SNS

IMG-20240519-WA0038.jpg

Uma delegação da CDU, com Vítor Rodrigues, candidato ao Parlamento Europeu, e Manuel Carvoeiro, mandatário da candidatura da CDU no concelho de Esposende, esteve na freguesia de Apúlia, no concelho de Esposende, numa tribuna pública e acção de contacto com a população em defesa da reabilitação e reabertura da unidade de saúde local e do direito ao acesso ao serviço nacional de saúde.

A CDU recordou que, no dia seguinte ao fecho da unidade de saúde, no dia 2 de dezembro de 2022, o Grupo Parlamentar do PCP apresentou um Requerimento à Assembleia da República dirigido ao Ministro da Saúde onde questionou os motivos do encerramento e a data prevista para a reabertura do Centro de Saúde. Questionou, também, sobre quais as medidas tomadas para minimizar os prejuízos causados aos utentes desta unidade, decorrentes do seu encerramento temporário.

Entretanto, a CDU realizou também uma tribuna pública com a presença do deputado Alfredo Maia, e mobilizou um abaixo-assinado com centenas de assinaturas.

O inconformismo da população de Apúlia perante o encerramento da sua unidade de saúde foi uma constante que se revelou fundamental para que a Câmara Municipal, na sequência de um protocolo assinado com o Ministério da Educação, tivesse sido levada a decidir, esta semana, a abertura de um concurso público com vista à reabilitação.

Uma decisão necessária e importante, mas que peca por tardia.

Vítor Rodrigues afirmou que a CDU continuará atenta à concretização efectiva e célere da decisão agora formalizada e alerta para a necessidade de acautelar também os profissionais adequados para a resposta às necessidades das populações.

IMG-20240519-WA0037.jpg

IMG-20240519-WA0039.jpg

IMG-20240519-WA0042.jpg

IMG-20240519-WA0044.jpg

IMG-20240519-WA0046.jpg

IMG-20240519-WA0049.jpg

ESPOSENDE: RESTAURANTE “CAMELO” DA APÚLIA CONQUISTA 1º PRÉMIO DO CONCURSO GASTRONÓMICO “MARÇO COM SABORES DO MAR”

_DSC0097.jpg

Decorreu, esta tarde, no Auditório Municipal de Esposende, a sessão de entrega de Diplomas, Lembranças e Prémios aos participantes na 25.ª edição da iniciativa “Março com Sabores do Mar” 2024. O evento decorreu ao longo de todo o mês de março nas unidades de restauração aderentes, integrando também um amplo e abrangente programa de iniciativas que envolveu toda a comunidade. 

O restaurante Camelo, de Apúlia, conquistou o primeiro prémio - Qualidade Gastronómica - do Concurso Gastronómico “Sabores do Mar”, com o prato “Lampreia assada no forno”. Nesta vigésima edição do concurso, o segundo lugar é partilhado pelos restaurantes Água-pé, que concorreu com “Filé de peixe-porco com arroz mariscado”, e “Pedrinhas”, que apresentou “Arroz de robalo com ameijoa”. O restaurante Varandas do Cávado - Hotel Suave Mar” classificou-se em terceiro lugar, com o prato “Robalo confitado aos aromas de maracujá”.

A avaliação dos 14 pratos/restaurantes a concurso esteve a cargo do Júri presidido pelo enófilo José Silva e constituído, ainda, pelos Chefe António Alexandre e Álvaro Costa, e pelos jornalistas António Catarino e Francisco Gil, que justificou estas distinções com a qualidade da confeção do prato, excelência dos géneros, apresentação e palato.

O Prémio “Revelação Cozinheiro Profissional dos Sabores do Mar” foi entregue a António Campos, do restaurante “Dona Quina”, pela sua dedicação e profissionalismo, e o Prémio “Especial Carreira” a Manuel Pereira, do restaurante “Casa Salé”, por 45 anos dedicados à cozinha.

O restaurante “Dona Quina” conquistou o Prémio “Sustentabilidade à Mesa”, pela utilização de produtos endógenos de acordo com os compromissos KM0 e economia circular, apoiando assim os produtores locais e a defesa da origem dos ingredientes utilizados na confeção do prato.

O Prémio “Cozinha Tradicional” foi para o restaurante “Salitra”, pela defesa de pratos tradicionais que fazem parte da cultura gastronómica local.

Como forma de reconhecimento da sua longevidade, participação assídua no Concurso Gastronómico, e, em jeito de homenagem, o Júri decidiu criar o Prémio “Rita Fangueira”. Tendo como objetivo estimular e dar continuidade a novos negócios, esta edição consagra os restaurantes A Taborra e Gula Steak House.

No que se refere a menções honrosas, o Varandas do Cávado foi distinguido pelo Acompanhamento (vinho), o Água-pé pela Qualidade do Serviço, o Gula Steak House pelo Ambiente, o restaurante A Taborra pela Higiene, o Dona Quina pela Inovação e o Rita Fangueira pelo Preço Qualidade.

Quanto ao concurso “Jovem Cozinheiro dos Sabores do Mar”, promovido em parceria com a Escola Profissional de Esposende e direcionado para os alunos da área de restauração e cozinha, o primeiro prémio foi entregue aos alunos Gabriel Carvalho, Beatriz Alves e Torcato Figueiredo, o segundo prémio aos alunos João Ferreira, Benjamim Massi e Luis Soares e, o terceiro prémio, a Duarte Azevedo, Beatriz Nunes, Carlos Vilas Boas e Inês Sobral.

No que refere ao Concurso “Cantinas Escolares Sustentáveis com Sabores do Mar”, o primeiro prémio foi atribuído à Escola Básica do Facho, pelo prato “Caldeirada de Peixes da nossa costa”, que conquistou também uma menção honrosa pela Promoção ao consumo de produtos locais e sazonais, Educação alimentar e Incentivo à redução do desperdício alimentar. A Escola Básica de Apúlia classificou-se em segundo lugar, com o prato “Lasanha de pescada e cogumelos com legumes”, tendo recebido também uma menção honrosa pelos Requisitos nutricionais - qualidade dos produtos. A Santa Casa da Misericórdia de Esposende recebeu o terceiro prémio, pelo prato “Filete de carapau corado com beterraba, batata rústica e migas de brócolos” e uma menção honrosa pelo Incentivo à redução do desperdício alimentar e pela Apresentação. Ainda no que se refere a menções honrosas, a Escola Básica António Correia de Oliveira foi distinguida pelo Incentivo ao consumo de legumes; a Escola Básica de Forjães pelo Sabor e incentivo ao consumo de legumes; o Centro Social da Juventude de Mar pelo Incentivo à redução de desperdício alimentar, Inovação e Promoção ao consumo de produtos locais e sazonais; o Centro Social de Curvos pela Reformulação da receita com incentivo ao consumo de legumes e pescado; o Centro Social de Gandra pela Inovação e sabor e Promoção ao consumo de produtos locais e sazonais; o Centro de Intervenção Cultural e Social de Palmeira de Faro pelas Boas práticas de higiene e segurança alimentar, Promoção ao consumo de produtos locais e Empenho e dedicação; e a Escola Básica de Guilheta pela Apresentação, Incentivo ao consumo de legumes e Educação alimentar.

Relativamente ao concurso Fish Chefe, direcionado para os alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico do concelho, o primeiro prémio foi entregue a Ana Casais e Joana Pontes, da Escola Básica de Apúlia pelo prato “Açorda de Ovas”. Ângela Sá e Teresa Diana, da Escola Básica António Rodrigues Sampaio, conquistaram o segundo lugar com o prato “Arroz de Gambas com tacos de raia”, Inês Vilarinho e Margarida Marques, da Escola Secundaria Henrique Medina, ficaram alcançaram o terceiro lugar, com “Bacalhau no forno com broa”. Foram ainda premiados Tomás Torres e Mafalda Araújo, da Escola António Correia de Oliveira, que se classificaram em quarto lugar com o prato “Beurre blanc com ervas finas e ovas de salmão”, e Matilde Marques, Mafalda Almeida e Rodrigo Costa, da Escola Básica de Forjães, que conquistou o quinto lugar com o prato “Dourada com batata assada”.

“Extremamente satisfeito” foi como se declarou o Presidente da Câmara Municipal de Esposende face aos 25 anos do “Março com Sabores do Mar”, sentimento justificado pela envolvência, abrangência e dinâmica criadas em torno do evento. O trajeto do evento está condensado no livro “25 anos do Março com Sabores do Mar”, que foi apresentado na sessão pelo técnico responsável pelo serviço de turismo da Câmara Municipal, José Costa, sessão onde foi apresentado também o filme retrospetivo.

Saudando os mentores da iniciativa, referiu particularmente Albino Penteado Neiva, ex Vereador do Município presente na sessão, e os saudosos Chefe Silva e Francisco Sampaio, carismático líder da Região de Turismo do Alto Minho. Em jeito de retrospetiva, Benjamim Pereira vincou o crescimento e a evolução registados ao longo dos anos, que tornou este evento uma referência no contexto gastronómico do norte do país. Para este sucesso, considerou, contribuiu a inovação, que sempre esteve associada ao “Março com Sabores do Mar”, e a elevada qualidade dos produtos locais, desde o peixe e mariscos aos hortícolas, passando pela doçaria e pelos vinhos.

Pela excelência da sua gastronomia, Esposende oferece indiscutivelmente uma experiência diferenciadora, salientou o autarca, notando que o concelho dispõe de muitos outros atrativos, que fazem deste território um destino, seja para visitar, trabalhar ou estabelecer residência, como comprovam os dados que posicionam Esposende como o segundo município que mais cresceu na zona norte.

Numa intervenção incisiva, o Presidente da Câmara Municipal realçou o vigor e o fulgor do setor da restauração no concelho e saudou os empresários pela adesão a esta iniciativa do Município, que se assume como um incentivo à dinamização da economia local e com comprovado impacto económico. Do mesmo modo, salientou o envolvimento da comunidade escolar nesta iniciativa, num quadro mais abrangente orientado para a sustentabilidade e para o combate ao desperdício alimentar, entre várias outras vertentes.

Benjamim Pereira concluiu a intervenção felicitando os premiados e todos quantos aderiram, colaboraram e se envolveram na iniciativa, e dirigiu um agradecimento especial ao Coro Sénior de Esposende, pela atuação na abertura da sessão.

O Vice-presidente da Entidade Regional Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Cancela Moura, teceu rasgados elogios ao Município pela realização do “Março com Sabores do Mar”. Afirmou “que é o melhor exemplo de um território com vocação atlântica que conjuga sinergias entre a gastronomia e as tradições, entre a história e a cultura, entre o património e a memória coletiva de um território”.  Acrescentou, ainda, que “é uma iniciativa que se afirma em dinamizar o turismo e contrariar a sazonalidade do turismo nesta região”, cuja mais valia assenta na “transversalidade de iniciativas e na dimensão e universo que acaba por abarcar”. Cancela Moura saudou a longevidade do evento, notando que “são 25 anos de sucesso”, e felicitou o Município e todos quantos contribuíram para tal.

O responsável da TPNP destacou o “traço de qualidade” que Esposende assume no contexto turístico, nomeadamente ao nível do produto estratégico gastronomia/vinhos, notando que o território concelhio marca pontos em várias outras vertentes. Registou o “expressivo contributo de Esposende para a região, que permitiu celebrar em 2023 o melhor ano de sempre do turismo, com sete milhões de hóspedes, 13 milhões e 300 mil dormidas, mil milhões de euros em resultados e um crescimento de mais de 48% relativamente ao ano anterior”.

O Presidente do júri do concurso gastronómico “Março com Sabores do Mar”, o enófilo José Silva, reiterando o que havia dito na apresentação do evento, realçou a evolução positiva da restauração de Esposende. “Este ano foi o mais difícil de todos para o júri tomar decisões”, afirmou, notando que “dos 14 restaurantes concorrentes não houve nenhum abaixo de Bom e houve muitos Muito Bom”. José Silva considera que tal reflete “a vontade da restauração tradicional de Esposende de fazer cada vez melhor”.

Notando que o papel do júri é fazer crítica construtiva, saudou a boa aceitação dos restaurantes no sentido da evolução, que acaba por se refletir na criação de novos pratos. O presidente do júri regozijou-se com a adesão de novos restaurantes ao concurso, muitos dos quais “nas mãos de jovens”, facto que atribuiu ao envolvimento das gerações mais novas no universo da gastronomia, nomeadamente através de eventos como o “Março com Sabores do Mar”. A terminar, referiu que a longevidade de carreira de alguns profissionais do setor também merece referência e, neste contexto, lembrou o Chefe Silva e Francisco Sampaio, bem como Albino Penteado Neiva, como o principal impulsionador deste evento.

_DSC0010.jpg

_DSC0135.jpg

_DSC0159.jpg

_DSC0253.jpg

_DSC0298 (1).jpg

_DSC0352.jpg

_DSC0378.jpg

_DSC0418.jpg

_DSC0430.jpg

_DSC0448.jpg

_DSC0449.jpg

_DSC0452.jpg

_DSC9904.jpg

_DSC9912.jpg

_DSC9946.jpg

_DSC9964.jpg