Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ESPOSENDE: RONDA DE VILA CHÃ DANÇA NA PRAÇA – RANCHO FOLCLÓRICO SARGACEIRO DA VILA DA APÚLIA ACTUA NO PRÓXIMO DIA 30 DE AGOSTO – FOTOS DE DIOGO MEIRA

No passado dia 23 de Agosto, coube à Ronda de Vila Chã animar a noite de Esposende com mais uma edição do “Folclore na Praça”.

A terminar este ciclo de actuações do “Folclore na Praça” em Esposende atuará no próximo dia 30 de Agosto o Rancho Folclórico Sargaceiro da Vila de Apúlia.

301626317_5454446831302171_6975095377002900117_n (1).jpg

301663072_5454446287968892_4436415782009824533_n.jpg

301808142_5454446534635534_3737437799814635754_n.jpg

300373034_5454447631302091_376401224177503987_n.jpg

300519729_5454446694635518_6428936862901123530_n.jpg

300575555_5454447517968769_2386422600474432517_n.jpg

300633524_5454446284635559_3632445968333907024_n.jpg

300852918_5454446347968886_8815542707822796685_n.jpg

300886717_5454446757968845_2716926621488597641_n.jpg

301025046_5454446257968895_780633722623003321_n.jpg

301556585_5454447501302104_609190599726852051_n.jpg

ESPOSENDE: OBRA DE REQUALIFICAÇÃO DO PORTINHO DE APÚLIA INAUGURADA COM A PRESENÇA DE TRÊS SECRETÁRIOS DE ESTADO

Intervenção representou investimento de 780 mil euros

Foi inaugurada hoje, 27 de julho, a obra de requalificação do Portinho de Apúlia, com a presença do Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, do Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, da Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, e do Vice-Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e Presidente da Polis Litoral Norte, Pimenta Machado.

_DSC9977.JPG

A intervenção correspondeu a um investimento de cerca de 780 mil euros, financiado a 75% pelo Programa Operacional Mar 2020, sendo que o restante montante foi suportado pelo Município de Esposende.

A intervenção traduziu-se na beneficiação do edifício de arrumos de aprestos e apoio aos pescadores, beneficiação dos balneários e dos sanitários, e instalação de novas bancadas de trabalho/exposição. Foi concretizado também o prolongamento para norte do muro de defesa e proteção existente, a instalação de plataformas laváveis e amovíveis para deposição das artes de pesca, instalação de iluminação exterior e sistema de videovigilância e de sistema de depósito de resíduos diferenciados, bem como a reparação generalizada da rampa de acesso ao mar.

O Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, afirmou estar perante um “dia de festa e de agradecimentos”, dada a relevância da intervenção efetuada, que permitiu dotar o espaço de melhores condições para o desenvolvimento da atividade da comunidade piscatória que ali opera. Assinalou, contudo, que é urgente procurar uma solução que possibilite o acesso dos pescadores ao mar em segurança e manifestou total disponibilidade do Município para colaborar na resolução do problema. Ainda no que se refere a Apúlia, Benjamim Pereira deu nota de que o Município está em vias de concretizar a aquisição de um terreno para criação de um mercado de venda de peixe, bem como de hortícolas, manifestando a expetativa de obter financiamento para a sua concretização.

Notando que o combate à erosão costeira é um desafio permanente no território concelhio, o Presidente Benjamim Pereira apelou aos governantes especial atenção para o problema, apontando as situações que carecem de intervenção prioritária, nomeadamente na Bonança, em Fão, e na zona de Pedrinhas/Cedovém, em Apúlia. Apelou também à criação de melhores condições para os concessionários das praias e deu nota de que está em vias de conclusão a intervenção na doca de pesca de Esposende.

Para o Presidente da Câmara Municipal “o maior desfio de todos é busca de uma solução definitiva para a barra de Esposende, um processo que se arrasta há cerca de dois séculos e que carece de articulação entre as várias entidades”. Benjamim Pereira lembrou que em causa está a segurança e a sobrevivência da comunidade piscatória, bem como toda a envolvência associada às atividades náuticas, e expressou o empenho e a disponibilidade do Município na busca de uma resolução.  

A concluir deixou um conjunto de agradecimentos pela execução desta intervenção no Portinho de Apúlia, bem como pelas demais concretizadas, ao longo dos últimos anos, no litoral de Esposende.

Obra encerra ação da Polis Litoral Norte

Com um misto de “alegria e nostalgia”, o Presidente da Sociedade Polis Litoral Norte e Vice-Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Pimenta Machado, sublinhou a mais-valia desta que é a última intervenção realizada ao abrigo do programa Polis Litoral Norte. Aproveitou a oportunidade para traçar o balanço da ação da Polis, que se traduziu em 59 intervenções na zona costeira entre Caminha a Esposende, executadas desde 2009 até ao presente, num investimento global de 55,8 milhões de euros, sendo que a grande fatia do “bolo” foi aplicada em obras de proteção e defesa da costa. Entre as intervenções mais marcantes, Pimenta Machado incluiu a intervenção de requalificação da Praia de S. Bartolomeu do Mar, com demolição de 27 construções, num processo conduzido num “clima de completa tranquilidade e de cooperação entre várias partes”. Destacou também a Ecovia do Litoral Norte, referindo que foi executada 60% da totalidade do percurso, numa extensão de 40 quilómetros.

Pimenta Machado afirmou que o programa Polis Litoral Norte tornou o “território mais atrativo, mais bonito, mais competitivo e muito mais resiliente”, vincando que “há um Antes da Polis e um Depois da Polis”. Assumiu, por isso, o “sentimento de dever cumprido” e, estando iminente a extinção da Sociedade Polis Litoral Norte, expressou um conjunto de agradecimentos, entre os quais aos presidentes dos Municípios de Esposende, Viana do Castelo e Caminha pela colaboração e diálogo que sempre manifestaram. A terminar, deixou o apelo à preservação das infraestruturas, assinalando que se trata de um bem comum que importa conservar e manter.

Governantes saúdam intervenção

O Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, que integrou a Sociedade Polis Litoral Norte enquanto Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, saudou a ação executada o litoral entre Caminha e Esposende, apontando como uma das obras mais emblemáticas a ponte pedonável e ciclável no rio Neiva, que integra o circuito da Ecovia do Litoral Norte e que liga precisamente os concelhos de Esposende e de Viana do Castelo. Agradeceu à equipa da Polis Litoral Norte e saudou o trabalho profícuo executado no âmbito da Sociedade Polis Litoral Norte.

O governante destacou a relevância da intervenção efetuada no Portinho de Apúlia, tanto no plano económico como social, e até turístico, uma vez que estas infraestruturas representam também “fatores de atratividade”. Aos pescadores deixou uma palavra de incentivo e expressou a disponibilidade do Governo para, em articulação com o Município de Esposende, apoiar e melhorar as condições da sua atividade.

José Maria Costa afirmou que o Governo atribuiu grande importância à política do mar, estando empenhado na dinamização, em vários domínios, da economia do mar, setor que representa 5% do emprego, 5% do Produto Interno Bruto (PIB) e 5% das exportações.

Por sua vez, o Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, saudou a ação e a parceria e cooperação alcançadas no seio da Sociedade Polis Litoral Norte, que permitiu a execução de um conjunto vasto de intervenções, particularmente no plano da estabilização da orla costeira. “O programa Polis foi um ótimo exemplo”, afirmou. O governante saudou também a melhoria das condições para os pescadores de Apúlia e deu ainda nota positiva ao trabalho de cogestão do Parque Natural Litoral Norte (PNLN).

A Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, manifestou “satisfação por estar presente numa data tão importante para a comunidade piscatória” de Apúlia, sublinhando que a “obra possibilita o exercício da sua atividade em maiores condições de segurança”. Teresa Coelho, que teve intervenção nesta intervenção enquanto presidente da Docapesca, saudou a ação da Polis Litoral Norte, saudou o Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, pela intervenção realizada no Portinho de Apúlia, bem como pela melhoria efetuada na doca de pesca de Esposende, notando que são obras que, para a comunidade piscatória, “fazem toda a diferenças em termos de segurança e de condições de trabalho”. Teresa Coelho assinalou que estas intervenções são um “excelente exemplo de cooperação entre a administração central, a administração local e o setor empresarial do Estado”. Deu ainda nota de que a Direção Geral dos Recursos Marítimos (DGRM) está a executar a dragagem da barra de Esposende, com vista a garantir condições de segurança de navegabilidade.

_DSC9935.JPG

_DSC9936.JPG

_DSC9963.JPG

_DSC0125.JPG

_DSC0127.JPG

_DSC0150.JPG

_DSC0156.JPG

_DSC9893.JPG

_DSC0038.JPG

_DSC0064.JPG

_DSC0067.JPG

_DSC0094.JPG

_DSC0100.JPG

_DSC0019.JPG

ESPOSENDE INAUGURA OBRA DE REQUALIFICAÇÃO DO PORTINHO DE APÚLIA

A Câmara Municipal de Esposende, leva a efeito na próxima Quarta-feira, dia 27 de Julho, a inauguração da Obra de Requalificação do Portinho de Apúlia.

Além o presidente da edilidade esposendense, Benjamim Pereira, a cerimónia conta ainda com a presença da Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, do Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, do Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, e do Vice-Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA, Pimenta Machado.

ÉPOCA BALNEAR CONTA COM O CONTRIBUTO DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE

Ciente da importância e necessidade de garantir as adequadas condições de higiene e de segurança tanto nas praias como nas áreas de lazer do concelho, o Município de Esposende vai financiar os encargos com a limpeza dos sanitários instalados nestes locais.

Apúlia.JPG

Assim, em reunião do executivo, a Câmara Municipal aprovou a concessão de apoios financeiros às Juntas de Freguesia para a execução de ações de limpeza de sanitários de apoio às praias e Castro de S. Lourenço, em Vila Chã, num investimento global de 24 000 euros.

Em causa estão os encargos com os recursos humanos e o material de limpeza necessários para assegurar a manutenção e higienização dos equipamentos sanitários de apoio às praias da Foz do Neiva (Antas), S. Bartolomeu do Mar, Suave Mar (Esposende), Cepães e Rio de Moinhos (Marinhas), Ofir (Fão), Ramalha e Apúlia, bem como do sanitário existente no Castro de S. Lourenço. A logística será, assim, assegurada pelas Juntas de Freguesia de Antas e de Vila Chã, e pelas Juntas de Freguesia das Uniões de Freguesia de Belinho/Mar, Esposende/Marinhas/Gandra e Apúlia/Fão.

Esta medida enquadra-se na habitual envolvência e colaboração o Município na preparação de cada época balnear, de modo a salvaguardar a saúde e a segurança de toda a comunidade, tanto local como visitante, em linha com as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030.

Entre outras medidas, o Município disponibiliza, anualmente, infraestruturas de apoio em quatro praias concelhias, essenciais para o cumprimento dos critérios referentes ao galardão Bandeira Azul da Europa (Apúlia, Ofir, Suave-Mar e Cepães), e ao galardão Praia Acessível (Cepães e Apúlia).

De modo a garantir a segurança dos banhistas, a Câmara Municipal, indo além das suas competências, assegura a colocação de nadadores-salvadores nas praias onde não existe concessionário, nomeadamente em Cedovém/Pedrinhas - Apúlia, e em Rio de Moinhos - Marinhas.

Saliente-se a existência de duas praias para cães, uma situada na zona norte do concelho, entre a Praia Suave Mar Norte e Cepães e outra em Apúlia, a sul da Praia da Ramalha. Com esta medida, integrada no Plano Estratégico Municipal de Promoção do Bem-Estar Animal, o Município de Esposende assegura um local específico, com as condições necessárias, para permanência e circulação de animais de companhia.

Na aplicação Smart Cities pode obter-se informação online sobre as condições meteorológicas de Esposende, bem como informação útil sobre a intensidade de UV, o que permite a tomada das melhores opções quanto à exposição ao sol.

A tudo isto acresce a existência de bibliotecas de praia, aliando a atividade balnear à promoção do livro e da leitura, equipamentos que estão disponíveis nas praias de Cepães (Marinhas), Suave Mar (Esposende), Ofir (Fão) e Apúlia.

Não obstante o empenho das entidades responsáveis para garantir todas as condições na época balnear, torna-se fundamental o contributo de todos os utilizadores das praias, dos quais se espera o cumprimento das normas para a manutenção das zonas balneares nas melhores condições, nomeadamente respeitando a recolha de resíduos.

SIGO DA PÓVOA DE LANHOSO DINAMIZA HUMAN RIGHTS SUMMER WEEK NA APÚLIA

A Vereadora do Pelouro da Promoção da Igualdade, Fátima Moreira, recebeu, nos Paços do Concelho, o grupo de jovens que participou na Human Rights Summer Week, que decorreu na Apúlia, de 3 a 6 de julho. A Vereadora deu-lhes as boas vindas ao mesmo tempo que os aconselhou a “participar sempre nas atividades propostas pois eram preparadas de modo a enriquecer e a preparar melhor o futuro, que eram oportunidades irrepetíveis”. Antes de lhes perguntar do que tinham gostado mais e o que tinham apreciado menos, incentivou-os a “falar e criticar sempre, a manifestar a própria opinião, quer agora, quer no futuro, a participar na cidadania, ativamente”.

Summer Week Apúlia.jpg

O grupo composto por 10 rapazes e 19 raparigas, com idades entre os 10 e os 16 anos, ficou alojado no Centro Social João Paulo II, na Apúlia, acompanhado por monitores/as e técnicos/as do Município, a cargo de quem estava a dinamização das ações para as quais estão devidamente capacitados/as.

Estes dias de animação e descontração, mas também de aquisição de ferramentas relativas à temática dos direitos humanos, revelaram-se poucos para alguns dos jovens que disseram que um dos aspetos menos positivos foi a curta duração deste programa; além de terem horários para se recolherem e acesso reduzido ao telemóvel. Mas o balanço é claramente positivo, pois alguns/algumas jovens referiram que foram dias de grande camaradagem, de convivência e que perceberam a existência de realidades diferentes, nomeadamente porque conheceram refugiados da guerra da Ucrânia que estavam alojados no Centro Social João Paulo II, e puderam ouvir, de viva voz, as experiências traumáticas de quem fugiu da guerra.

A Vereadora Fátima Moreira chegou mesmo, num dos dias, a visitar este grupo de jovens na Apúlia, tendo participado numa das atividades, percecionando assim, in loco, a ambiência de novas aprendizagens e camaradagem deste campo de férias.

Espera-se que estes jovens tenham oportunidade de por em prática os conhecimentos adquirido e as vivências experienciadas e que estas possam enriquecer as suas vidas, quer num futuro mais próximo, quer na vida adulta.

Esta iniciativa foi promovida pelo Município da Póvoa de Lanhoso, através do SIGO (Serviço para a Promoção da Igualdade de Género e de Oportunidades), e desenvolveu-se em formato de campo de férias, com atividades relacionadas com as temáticas da igualdade e não discriminação, aprofundando a questão dos direitos humanos.

A Human Rights Summer Week, é uma das várias ações do projeto Igualidades e integra-se e é cofinanciada pela CIG (Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género), no âmbito do POISE e do Portugal 2020.

Summer week 1.jpg

Summer week 2.jpg

Summer week 3.jpg

GRUPO DOS SARGACEIROS DA CASA DO POVO DA APÚLIA ABRIRAM “FOLCLORE NA PRAÇA” EM ESPOSENDE

Começou ontem o “Folclore na Praça” uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Esposende que teve ontem início com a atuação do Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia.

291865954_5312055598874629_7423739732477097369_n.jpg

De forma consecutiva, apresentar-se-ão o Rancho Folclórico de Fonte Boa (12 de julho), o Grupo de Cantares e Dançares de Antas (19 de julho), o Rancho Folclórico As Moleirinhas de Marinhas (26 de julho), o Rancho de Danças e Cantares de Marinhas (2 de agosto), o Grupo Folclórico de Palmeira de Faro (9 de agosto), o Grupo Associativo de Divulgação Tradicional de Forjães (16 de agosto), a Ronda de Vila Chã (23 de agosto), terminando este ciclo com o Rancho Folclórico Sargaceiro da Vila de Apúlia (30 de agosto).

As danças e cantares dos nove grupos etnográficos do concelho de Esposende apresentam-se todas as terças-feiras à noite, durante os meses de julho e agosto, a partir das 21h30, no Largo Dr. Fonseca Lima, desafiando o público a interagir e a fazer parte do espetáculo. A anteceder a performance, os grupos desfilarão, desde o Largo Rodrigues Sampaio, pelas artérias centrais da cidade.

Este verão, o folclore invade Esposende de cor, alegria e tradição. Ainda no âmbito da valorização e dinamização da etnografia, a programação “Esposende Verão 2022” contempla o espetáculo “Dança tradicional e popular, um encontro entre o passado e o presente”, integrado no evento “Esposende a Dançar”, e que contará com a participação de oito dos nove grupos etnográficos locais, que serão acompanhados pelo Ensemble de Metais da Banda de Música de Antas.

O espetáculo decorrerá no dia 1 de agosto, na Zona Ribeirinha de Esposende, às 21h30, local que acolherá, no dia 7 do mesmo mês, e no mesmo horário, o Festival Internacional de Folclore, que trará à foz do Cávado alguns dos mais proeminentes grupos etnográficos de Portugal, México, Colômbia, Polónia e Espanha.

291424714_5312053605541495_8201065734372803095_n.jpg

290403452_5312054545541401_8380951886306108060_n.jpg

291946572_5312055362207986_1315586024446011145_n.jpg

290817407_5312055498874639_3092684777276290358_n.jpg

291832906_5312053315541524_6514428341405145266_n.jpg

291945145_5312055712207951_3991019639431376471_n.jpg

291329716_5312055778874611_8501324435198530270_n.jpg

291015065_5312056302207892_3986305112846747884_n.jpg

291333811_5312054058874783_5373740780403201885_n.jpg

290934796_5312054342208088_2661355514468558020_n.jpg

291621298_5312054355541420_6447641461971428853_n.jpg

291820001_5312054702208052_434668202191827697_n.jpg

290816533_5312056435541212_4149134952833115560_n.jpg

292234298_5312054762208046_8973151186039168562_n.jpg

291674178_5312056672207855_1144231131484126109_n.jpg

291599909_5312055278874661_7958462630709896082_n.jpg

292163851_5312057495541106_6286939768074889372_n.jpg

SIGO DA PÓVOA DE LANHOSO DINAMIZA HUMAN RIGHTS SUMMER WEEK NA APÚLIA

O Município da Póvoa de Lanhoso, através do SIGO (Serviço para a Promoção da Igualdade de Género e de Oportunidades) e integrada no projeto cofinanciado pela CIG (Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género) no âmbito do POISE e do Portugal 2020, ao qual designou por IGUALIDADES, vai promover a semana dos Direitos Humanos destinada a jovens, para desenvolver atividades relacionadas com a igualdade e não discriminação, acentuando a questão dos direitos humanos. Pretende-se que os/as jovens participantes reforcem os seus conhecimentos e sensibilidades relativamente à Declaração Universal dos Direitos Humanos, que questionem a sua aplicabilidade e cumprimento, desconstruindo mitos e estereótipos associados à Igualdade de Género.

(Arquivo - Povoa de Lanhoso promove Semana dos Direitos Humanos).jpg

A iniciativa, que decorre de 3 a 6 de Julho na Apúlia, destina-se a jovens entre os 10 e os 16 anos, que ficarão alojados/as no Centro Social João Paulo II, na Apúlia, acompanhados por monitores/as que serão técnicos/as do Município, a cargo de quem ficará a dinamização das ações para as quais estão devidamente capacitados/as.

As inscrições, que são gratuitas, limitadas e definidas por data de inscrição, já estão a decorrer e devem ser feitas através do e-mail sigo@mun-planhoso.pt.

Esta semana, que promete ser de animação e também de reforço de capacidades e competências, irá decorrer num ambiente saudável com os/as jovens a terem acesso restrito às redes sociais. Esta é uma excelente oportunidade para promover a criação de rotinas saudáveis aproveitando momentos de férias e lazer.

O ESTADO DO FOLCLORE

FB_IMG_1654328653306.jpg

  • Crónica de Hélder Cardoso *

É nas raízes da história de um povo que se encontra a chave do futuro pois um país sem história é como uma casa sem alicerce.

Agora que se retomou - ou se tenta retomar - a normalidade, também o movimento folclórico tenta voltar ao ponto em que se encontrava e é notável o sucesso dos muitos festivais já realizados. No entanto, após uma paragem forçada, há agora uma realidade que é mais desafiante e menos risonha para o movimento. O afastamento e saída de pessoas, aliado à dificuldade em angariar novos componentes, é uma realidade transversal para a grande maioria dos grupos. Alguns há que, pela falta de gente, não retomaram sequer atividade e não têm planos nem datas para o fazer.

Não há uma fórmula mágica capaz de solucionar o problema. Mas haverá certamente atitudes que possam ser adaptadas de forma a se tentar minimizar este problema. Muitos grupos folclóricos vivem essencialmente das apresentações e representações em palco, muitas vezes por esse Portugal fora e até além fronteiras. Apenas amiúde, se vê uma pequena parte dos grupos que complementa esta parte com uma boa dinâmica cultural local, direcionada à população, não esquecendo nem descurando a essência da sua existência: manter viva a tradição no seio da comunidade.

Este deveria ser o ponto no qual o movimento folclórico deveria refletir. De nada servirá que um grupo e seus dirigentes orgulhosamente exibam as suas tradições quando, no seio da comunidade, as crianças e jovens - que são a garantia de que a tradição se manterá - pouco ou nada conheçam das vivências dos seus antepassados. De nada servirá levar a palco as atividades de outrora se no seio da comunidade não existirem atividades que envolvam a população.

Mais do que esperar que o movimento cresça por ele mesmo é obrigação de cada folclorista contribuir para esse crescimento.

  • Folclorista