Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ESPOSENDE RECOLHE 2,1 TONELADAS DE RESÍDUOS NO LITORAL E ZONAS RIBEIRINHAS DO CONCELHO

Apúlia13abril.jpg

Mais de 500 voluntários recolheram, nos dias 12 e 13 de abril, cerca de 2,1 toneladas de resíduos no litoral e zonas ribeirinhas do concelho de Esposende.

À semelhança de anos anteriores, o Município, através da empresa municipal Esposende Ambiente e no âmbito do programa da Bandeira Azul para 2024, levou a efeito mais uma ação de voluntariado ambiental, que incidiu nas zonas ribeirinhas e ao longo da zona costeira do concelho, desde a Foz do Rio Neiva, em Antas, até à Praia da Ramalha, em Apúlia. Em termos globais, a ação abrangeu cerca de 50% do litoral de Esposende, numa extensão de 9 quilómetros.

No dia 12 de abril, sexta-feira, estiveram em campo alunos, professores e responsáveis do Jardim de Infância de Cepães, da APPACDM, do Centro Social e Paroquial Imaculado Coração de Maria, da Escola Básica António Rodrigues Sampaio, da Escola Básica António Correia de Oliveira e da Escola Secundária Henrique Medina. Recolheram resíduos no areal e espaço dunar nas praias de Cepães e Suave Mar e margem direita do estuário do Cávado.  Ainda no que se refere à comunidade escolar, encontram-se já agendadas mais duas ações até final do mês de abril, que contarão com a participação da Escola Profissional de Esposende e da Escola Básica de Forjães.

Já no dia 13, sábado, as praias, dunas e zonas ribeirinhas do concelho de Esposende encheram-se de voluntários que dedicaram algumas horas do seu fim-de-semana ao ambiente, mais concretamente a recolher os resíduos depositados nas margens dos rios e nas praias do concelho.

Para além da Esposende Ambiente e da Câmara Municipal, esta iniciativa contou com a colaboração e participação do Parque Natural do Litoral Norte, União de Freguesias de Belinho e Mar, União das Freguesias de Esposende, Marinhas e Gandra, União de Freguesias de Apúlia e Fão, Associação Rio Neiva, Associação AssoBio, Agrupamento de Escuteiros de Esposende e de Mar, escolas de surf e kitesurf do concelho (Onda Magna, GKS Gokiteschool e Apúlia Surf School), Associação de Trabalhadores do Município (ADCRSME), da Associação Desportiva de Esposende, do Grupo Desportivo de Apúlia, da Associação Amigos de S. Lourenço, da empresa Zouri Shoes, da Juventude Unida de Belinho e de vários voluntários, tanto do concelho como de outras localidades, que quiseram dar o seu contributo para a melhoria da qualidade das praias do concelho.

Através da realização destas ações pretende-se alertar a população para a problemática dos resíduos nas praias e oceanos, reduzir o impacto dos plásticos descartáveis no ambiente marinho, contribuir para a preservação dos habitats abrangidos e fomentar o voluntariado ambiental junto dos munícipes, em linha com as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que se refere ao ODS 13 – Ação Climática, ODS14 – Proteger a Vida Marinha, ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade.

Apúlia13abril2.jpg

Cepães12abril.jpg

Cepães13abril2.jpg

Fão13abril.jpg

Farol13abril.jpg

Geral.jpg

Geral1.jpg

Mar13abril.jpg

Mar13abril2.jpg

Ramalha13abril.jpg

SuaveMar12abril.jpg

ZonaRibeirinha12abril.jpg

ZonaRibeirinha12abril2.jpg

Zonaribeirinhanorte13abril.jpg

Zonaribeirinhasul13abril.jpeg

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE REFORÇA ESTRATÉGIA DE RECOLHA SELETIVA DE BIORRESÍDUOS

biorresiduos.jpg

O Município de Esposende vai garantir a gestão do Programa “RecolhaBio - Apoio à implementação de projetos de recolha seletiva de biorresíduos” no território concelhio.

Neste sentido, em reunião do executivo realizada hoje, a Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, os termos do contrato de financiamento a estabelecer com a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Cávado, que estipula o valor de 67,185.06 euros como montante de financiamento em 2024, em conformidade com o definido e protocolado pelo Fundo Ambiental.

O Município de Esposende assume, assim, o compromisso de criar condições para promover uma reciclagem mais efetiva e reforçar a redução de deposição dos resíduos e, especificamente, de biorresíduos em aterro, incentivando, em simultâneo, a economia circular.

Na sequência de uma diretiva da União Europeia, que estabelece a obrigatoriedade de separar e reciclar na origem os biorresíduos, evitando o seu envio para aterro, Esposende teve de definir o modelo de recolha seletiva e valorização de resíduos alimentares e de jardim (verdes), que representavam, em 2021, mais de 40% do total dos resíduos gerados, tendo optado por um modelo de recolha seletiva porta-a-porta e compostagem.

Uma importante fonte de resíduos alimentares é o setor não doméstico, nomeadamente unidades de restauração e instituições (lares de idosos, supermercados, etc.), razão pela qual foi implementado um circuito de recolha junto dessas estruturas.

Visando a comunidade em geral, foi implementado pela empresa municipal Esposende Ambiente, o projeto-piloto “Biocávado”, através do qual foram distribuídos 300 compostores familiares, foi instalado um compostor comunitário e foram distribuídos 180 baldes para depósito no compostor comunitário. O intuito é alargar o âmbito deste projeto, por forma a que cada vez mais consumidores domésticos possam fazer o devido encaminhamento dos seus biorresíduos, contribuindo para o esforço coletivo de separação dos resíduos alimentares na origem.

A sensibilização assume, neste particular, uma grande relevância e constitui uma peça importante da mudança necessária, como refere o Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, notando que a recolha seletiva de biorresíduos e a sua valorização resultará, ainda, em benefícios económicos locais, na medida em que o fruto do trabalho de compostagem será o fertilizante a distribuir pelos próprios utilizadores e a ser aplicado nos espaços verdes das freguesias e do Município, numa lógica de economia circular.

Esta postura enquadra-se na estratégia ambiental do Município e contribui para o cumprimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, da ONU, nomeadamente no que se refere ao ODS 11 - Cidades e comunidades sustentáveis, ODS 12 – Produção e consumos sustentáveis, ODS 13 - Ação Climática e ao ODS 17 - Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável.

compostor_comunitario (3) (1).jpg

2023 BATE RECORDE NA REMOÇÃO DE BARREIRAS FLUVIAIS NA EUROPA

Um relatório publicado hoje pelo Dam Removal Europe revela que, em 2023, foram removidas quase 500 barreiras dos rios europeus, o que corresponde a mais de 4.300 quilómetros de rios reconectados. França e Espanha foram os países que mais barreiras removeram, 156 e 95 respetivamente, enquanto Portugal removeu apenas duas barreiras - uma delas removida pela ANP|WWF, naquela que foi a primeira remoção no país dinamizada por uma organização não governamental.

Em consonância com os objetivos da União Europeia (UE), o restauro de rios através da remoção de barreiras continua a crescer. As 487 barreiras removidas em 2023 em 15 países europeus representam um aumento de 50% em relação ao número recorde registado no ano anterior.

"É espantoso assistir a mais um ano recorde de remoção de barreiras em rios europeus. As quase 500 barreiras removidas realçam o apoio crescente à recuperação dos rios para inverter a perda da sua biodiversidade, promover a sua resiliência face aos impactos das alterações climáticas e assegurar água em qualidade e quantidade para as pessoas", refere Herman Wanningen, Diretor da World Fish Migration Foundation, parceiro fundador da Dam Removal Europe.

Mas nem tudo são boas notícias, como refere Ângela Morgado, diretora-executiva da ANP|WWF. “A Lei do Restauro da Natureza está atualmente no limbo depois de não ter conseguido obter votos suficientes no Conselho Europeu, o que é um enorme retrocesso pois a proposta de lei inclui um objetivo crítico para a recuperação de 25.000 km de rios através da remoção de barreiras. Em Portugal, continuaremos o nosso trabalho para um efetivo restauro fluvial, pois só isso poderá garantir rios saudáveis para as pessoas e para a biodiversidade”.

O relatório alerta também para os riscos de segurança das barreiras fluviais obsoletas. Os rios europeus estão fragmentados por mais de 1,2 milhões de barreiras, incluindo mais de 150.000 barreiras obsoletas - muitas das quais representam riscos significativos para as pessoas e vida selvagem. Algumas barreiras foram identificadas como potenciais "máquinas de afogamento", devido à formação de correntes subterrâneas fortes e imprevisíveis. Neste relatório, fez-se a primeira tentativa de recolher informações sobre os riscos das barreiras para nadadores, canoístas e outros utilizadores recreativos dos rios. Verificou-se que ocorreram 82 incidentes em 16 países, que resultaram em 129 vítimas mortais.

Por outro lado, também os fenómenos climáticos extremos devido às alterações climáticas estão a aumentar o risco de colapso de barreiras, em particular das mais antigas e obsoletas, colocando vidas e propriedades em risco e causando prejuízos económicos. Com dezenas de milhares de barreiras obsoletas espalhadas pela Europa, o potencial de falhas catastróficas é um risco crescente para as comunidades a jusante. A título de exemplo, no ano passado, pelo menos três barreiras fluviais desmoronaram devido a chuvas fortes na Noruega, Irlanda do Norte e Eslovénia.

Ângela Morgado chama a atenção para a necessidade de eliminar estas barreiras obsoletas e evitar futuras catástrofes: "As barreiras obsoletas prejudicam o rio, aumentam a perda de biodiversidade e representam um risco crescente, uma vez que foram construídas para fazer face a condições climáticas muito diferentes das atuais. É altura de repensar a forma como gerimos os nossos rios, eliminando todas as barreiras obsoletas e deixando correr livremente o maior número possível de rios. Um rio que não corre livremente é um rio que morre lentamente".

O movimento europeu de remoção de barreiras não mostra sinais de abrandamento, com muitos projetos previstos para 2024 e uma rede crescente de mais de seis mil indivíduos, que têm desempenhado um papel fundamental na sensibilização e na promoção de remoções em todo o continente.

A WWF é uma das maiores e mais respeitadas organizações independentes de conservação do mundo, com mais de 5 milhões de apoiantes e uma rede global ativa em mais de 100 países. A missão da WWF é travar a degradação da natureza e construir um futuro no qual os seres humanos vivam em harmonia com a natureza, através da conservação da diversidade biológica do mundo, garantindo que a utilização dos recursos naturais renováveis seja sustentável, e promovendo a redução da poluição e do desperdício.

A ANP (Associação Natureza Portugal) é uma ONG portuguesa que trabalha em Portugal em associação com a WWF, com vista a conservar a diversidade biológica e dos recursos nacionais, procurando um planeta em que as pessoas consigam viver em harmonia com a natureza. Siga o nosso trabalho em www.natureza-portugal.org

O Dam Removal Europe (DRE) é uma coligação de 7 organizações: World Wildlife Fund (WWF), The Rivers Trust, The Nature Conservancy, European Rivers Network, Rewilding Europe, Wetlands International e World Fish Migration Foundation. A ambição do DRE é restaurar o estado de fluxo livre dos rios e ribeiros na Europa. Nesse sentido, o DRE tem como objetivo estabelecer a remoção de barreiras como uma ferramenta de restauro e integrar esta prática. Mais informações: www.damremoval.eu

RESTOS COM VALOR – MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ INICIA RECOLHA SELETIVA DE BIORRESÍDUOS

O Município de Arcos de Valdevez dá início à recolha seletiva porta-a-porta de biorresíduos – restos alimentares - para utilizadores não-domésticos do canal HORECA (hotelaria, restauração,…), cantinas escolares, IPSS´s e mercados.

Este projeto-piloto, intitulado “Restos com Valor”, é um passo fulcral rumo à melhoria da sustentabilidade do Município, representando mais uma importante medida ambiental, que contribuirá para que o concelho continue a melhorar o seu desempenho ambiental.

A recolha seletiva de biorresíduos visa dar cumprimento ao estabelecido no Regime Geral de Gestão de Resíduos (RGGR), no que diz respeito à obrigatoriedade de os resíduos alimentares serem separados e recolhidos num circuito próprio, de forma a não serem misturados com os outros resíduos, estando também enquadrado no Plano de Ação do Plano Estratégico de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU 2030).

Este projeto teve a sua primeira abordagem junto do público-alvo, através de ações de sensibilização e comunicação porta-a-porta, de modo a estabelecer as adesões à recolha seletiva. O circuito conta, atualmente, com 42 adesões entre restaurantes, unidades hoteleiras, mercados, escolas e IPSS`s, a quem foram entregues os contentores de 90L e 120L e definido o circuito de recolha.

Depois de recolhidos, os biorresíduos serão tratados na Resulima, numa nova linha de tratamento dedicada à compostagem, onde serão transformados em fertilizante natural e reintegrados num novo ciclo, contribuindo assim para um melhor Ambiente, Melhor Saúde, Maior Poupança de recursos e estímulo à Economia Circular.

Para a realização desta iniciativa foi adquirido um veículo elétrico de pequenas dimensões para recolha de contentores de biorresíduos alimentares, 130 contentores de cor castanha para deposição seletiva de biorresíduos alimentares, bem como folhetos informativos com a definição das regras de utilização.

Este projeto resulta da candidatura ao programa “RecolhaBio – Apoio à implementação de projetos de recolha seletiva de biorresíduos” do Fundo Ambiental, com um investimento total de 67.785,30 € e financiamento na ordem dos 55.413,25€.

O sucesso desta operação, que é nova para todos, depende do envolvimento de todos, em prol de um Município mais amigo do Ambiente e que aposta na valorização dos seus resíduos e na melhoria da sua Sustentabilidade.

MUNICÍPIO ARCUENSE VAI PASSAR A FAZER RECOLHA SELETIVA PORTA A PORTA DE BIORRESÍDUOS

O Município de Arcos de Valdevez vai dar início à recolha seletiva porta-a-porta de biorresíduos – restos alimentares - para utilizadores não-domésticos do canal HORECA (hotelaria, restauração,…), cantinas escolares, IPSS´s e mercados.
Este projeto-piloto, intitulado “Restos com Valor”, é um passo fulcral rumo à melhoria da sustentabilidade do nosso Município, representando mais uma importante medida ambiental, que contribuirá para que o concelho continue a melhorar o seu desempenho ambiental.
O ato de início e divulgação deste projeto terá lugar no próximo dia 09 de abril, pelas 15h30, no Ecoparque do Vez. Momento que contará também com a presença de serviços de recolha de resíduos, bem como de representantes da restauração, hotelaria, IPSS`s e Escolas.

CÂMARA MUNICIPAL DE TERRAS DE BOURO PROMOVE PROJETO DE VALORIZAÇÃO DE BIORRESÍDUOS NO CONCELHO

IMG_2304.jpg

A Câmara Municipal de Terras de Bouro apresentou publicamente, a 13 de março, o projeto: Agora Sim. Nada se Perde! Este projeto pretende dar um destino adequado aos biorresíduos, nomeadamente, aos resíduos provenientes da preparação de refeições no setor doméstico, através da Compostagem Comunitária, assim como possibilitar aos grandes produtores de biorresíduos, como restaurantes, escolas e instituições de cariz social, a possibilidade de usufruírem de um sistema de separação de resíduos alimentares.

A sessão contou com a presença dos membros do Executivo Municipal e entidades civis, sociais, religiosas e militares que assim tiveram a oportunidade de assistir e interiorizar a importância deste  projeto que resulta de uma candidatura conjunta dos Municípios de Terras de Bouro, Amares, Braga e Vila Verde ao Fundo Ambiental,  contando ainda com o apoio da Comunidade Intermunicipal do Vale do Cávado.

161328_800x800.jpg

Captura de ecrã 2024-03-14 093232.png

Captura de ecrã 2024-03-14 093307.png

Captura de ecrã 2024-03-14 093339.png

Captura de ecrã 2024-03-14 093406.png

ESPOSENDE APELA AO USO CONSCIENTE E EFICIENTE DA ÁGUA

Campanha “H2Off - Hora de fechar a torneira”

O Município de Esposende e a empresa municipal Esposende Ambiente vão aderir à quarta edição da campanha “H2Off - Hora de fechar a torneira” da APDA – Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas Residuais. Assim, no Dia Mundial da Água, que se assinala a 22 de março, desafiam a comunidade a fechar a torneira, entre as 22h00 e as 23h00, numa atitude simbólica de preservação deste bem essencial à vida.

Esta ação pretende alertar para o valor inestimável e precioso da água. A escassez hídrica está no centro de todas as atenções, sendo um desafio da Humanidade. No caso de Portugal atinge, em especial, as regiões do Alentejo e do Algarve. A APDA refere que começa a surgir uma consciência crescente, embora ténue, entre as partes interessadas para a necessidade de alcançar um futuro com água para todos e defende que o caminho a seguir tem de ser global, exigindo uma transformação cooperativa na abordagem à gestão dos recursos hídricos e dos respetivos ecossistemas.

A Esposende Ambiente e o Município de Esposende partilham a preocupação da ADPA e defendem o uso consciente e eficiente da água, a aplicação de boas práticas e a mudança de comportamentos em nome da sustentabilidade deste recurso escasso, essencial à vida. Neste contexto, apelam à participação da comunidade nesta iniciativa que se encontra alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), nomeadamente no que se refere a Água Potável e Saneamento (ODS 6), Cidades e Comunidades Sustentáveis (ODS 11), Produção e Consumo Sustentáveis (ODS 12), Ação Climática (ODS 13), Proteger a Vida Terrestre (ODS 15) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (ODS 17).

O acesso à água potável e ao saneamento são direitos humanos reconhecidos pelas Nações Unidas desde 28 de julho de 2010, todavia, os números apurados no Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2023 refletem uma realidade avassaladora: 2 mil milhões de pessoas sem acesso a água potável e 3,6 mil milhões vivem sem saneamento.

O Dia Mundial da Água foi instituído pela ONU para promover a reflexão sobre os problemas relacionados com os recursos hídricos, de modo a potenciar a consciencialização e adoção de novas práticas face ao recurso escasso e básico que é a água. Em Portugal o consumo médio de água só no setor doméstico ronda os 124 litros de água por habitante/dia, valor superior aos 110 litros indicados pela ONU como aceitável.

Banner H2Off.jpg

MONÇÃO: ALUNOS DO 1º CEB PLANTARAM UMA CENTENA DE ÁRVORES

49.jpg

Município de Monção no caminho da educação e sustentabilidade ambiental.

No passado dia 7 de março, em Segude, no âmbito do Programa “Aldeias Suber Protegidas”, promovido pela Quercus ANCN (Organização Não Governamental de Ambiente) e Corticeira Amorim (líder mundial na transformação de cortiça), o Município de Monção procedeu à plantação de 450 árvores (carvalhos-alvarinho e sobreiros).

Devido às condições atmosféricas adversas, uma turma do 3º e 4º ano da Escola Básica do Vale do Mouro, envolvendo 21 alunos, não teve a oportunidade de participar. Na manhã de ontem, com o céu azulado, prenúncio de primavera, realizou-se a “segunda volta” desta ação ambiental, através da plantação de cerca de uma centena de árvores, naquela área sensível à ocorrência de incêndios.

Com a participação do Presidente da CMM, António Barbosa, da Vereadora, Daniela Fernandes, e docentes e auxiliares da Escola Básica do Vale do Mouro, a ação de reflorestação contou, também, com as presenças de elementos da Quercus ANCN, Corticeira Amorim, ICNF, Junta de Freguesia de Segude e sapadores florestais.  

António Barbosa reforçou o compromisso do atual executivo na preservação e valorização da floresta, agradeceu o envolvimento de todas as entidades e enalteceu a importância da parceria com a Quercus ANCN e a Corticeira Amorim“Esta colaboração interessante e promissora terá, certamente, continuidade em outros projetos baseados na sustentabilidade ambiental e na consciencialização cívica da população” acentuou.

Nesta manhã diferente, passada fora da sala de aulas, os alunos puderam, ainda, visualizar algumas gravuras rupestres, colocadas a descoberta pelos incêndios, com contextualização de Odete Barra, arqueóloga do Município. No regresso à escola, como recordação, levaram o livro de banda desenhada “O Reino do Alvarinho”, oferta da Câmara Municipal de Monção.

O lançamento do programa “Aldeias Suber Protegidas” teve lugar em Unhais da Serra, Covilhã, no dia 23 de novembro de 2023, sendo Monção a segunda localidade do pais a receber este projeto. Em síntese, tem como finalidade a prevenção de incêndios florestais e a proteção ambiental do território, favorecendo a componente da reflorestação e o reforço de uma sociedade com matriz ecológica.

13.JPG

46.jpg

47.jpg

48.jpg

56.jpg

57.jpg

FAMALICÃO PROMOVE CAMPANHA DE ADOÇÃO DE ÁRVORES

DSC_0845.jpg

Campanha de adoção de árvores este domingo na Praça-Mercado Municipal

O Município de Vila Nova de Famalicão promove este domingo, dia 24 de março, na Praça – Mercado Municipal de Famalicão, mais uma campanha de adoção de árvores e arbustos.

A iniciativa vai decorrer entre as 10h00 e as 13h00 e cada munícipe poderá adotar até três plantas.

No total serão distribuídas perto de duas mil árvores de fruto e arbustos aromáticos: Tomilhos, Alfazemas, Alecrins, Medronheiros, Pessegueiros, Macieiras, Pereiras, Cerejeiras e Ameixoeiras.

As espécies escolhidas visam a promoção da biodiversidade, em especifico os insetos polinizadores e a alimentação sustentável e saudável.

Recorde-se que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão duplicou a meta ambiental traçada para a reflorestação do concelho famalicense, assumindo o compromisso de plantar 60 mil árvores no território até 2030.

DESCUBRA O FUNCIONAMENTO INTERNO DA RESINORTE: VISITA DE PORTAS ABERTAS EM RIBA DE AVE NO PRÓXIMO SÁBADO

A RESINORTE tem o prazer de anunciar que abrirá as portas da sua instalação em Riba de Ave no próximo sábado, dia 23 de março de 2024.

Esta iniciativa tem como objetivo proporcionar aos cidadãos uma oportunidade única para conhecerem de perto o funcionamento interno da empresa e os processos envolvidos na gestão de resíduos.

Durante a manhã do próximo sábado, os interessados terão a oportunidade de participar em visitas guiadas à instalação da RESINORTE de Riba de Ave. As visitas serão divididas em três horários diferentes: 10 horas, 11 horas e 12 horas. Para participar nestas visitas, os cidadãos interessados deverão contactar a Linha da Reciclagem através do número 800 911 400 e realizar a sua inscrição. 

As inscrições estarão abertas até sexta-feira, dia 22 de março de 2024.

Esta é uma oportunidade imperdível para a comunidade se envolver de forma mais próxima com as práticas e processos da RESINORTE, contribuindo assim para uma consciência ambiental mais ampla e para a promoção de comportamentos mais sustentáveis.

Sobre a Resinorte

A RESINORTE é responsável pelo tratamento e valorização de resíduos urbanos de 35 municípios do norte central: Alijó, Amarante, Armamar, Baião, Boticas, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Chaves, Cinfães, Fafe, Guimarães, Lamego, Marco de Canaveses, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Mondim de Basto, Montalegre, Murça, Penedono, Peso da Régua, Resende, Ribeira de Pena, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Santo Tirso, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Trofa, Valpaços, Vila Nova de Famalicão, Vila Pouca de Aguiar, Vila Real e Vizela.

A Resinorte serve uma população de aproximadamente 1 milhão de habitantes e recebe para tratamento aproximadamente 350 mil toneladas de resíduos urbanos por ano.

ESPOSENDE APAGA AS LUZES DURANTE 1 HORA PARA SENSIBILIZAR PARA A DEFESA DO PLANETA

Hora do Planeta (1).jpg

À semelhança de anos anteriores, Esposende vai aderir à Hora do Planeta, que ocorre no próximo sábado, dia 23 de março, entre as 20h30 e as 21h30.

Neste sentido, durante esse período, serão desligadas as luzes de diversos edifícios e equipamentos, nomeadamente dos Paços do Concelho, sede da Esposende Ambiente, Biblioteca Municipal, Museu Municipal, Arquivo Municipal, Casa da Juventude, Centro Interpretativo de S. Lourenço, Centro de Educação Ambiental e do passadiço na zona ribeirinha de Esposende.

A Hora do Planeta é uma iniciativa da WWF, que começou em 2007, em Sidney, na Austrália, com indivíduos de todo o mundo a apagar as suas luzes para mostrar apoio simbólico ao planeta e para aumentar a consciencialização sobre as questões ambientais que o afetam.

Atualmente, as crises climáticas e naturais colocam em risco o destino do planeta e do futuro da humanidade. O aumento global de temperatura merece cada vez maior preocupação e a natureza também está sob grave ameaça, enfrentando taxas de perda alarmantes e sem precedentes em todo o mundo.

Perante este cenário, os indivíduos, as comunidades, as empresas e os governos devem intensificar urgentemente os seus esforços para proteger e restaurar o nosso planeta.

No que diz respeito a Esposende, em 2024, será dado especial destaque ao impacto ambiental do desperdício alimentar. Assim, e no âmbito da iniciativa “Março Sabores de Mar”, o Município promove a campanha “Leva-me contigo” que sensibiliza para a questão do desperdício alimentar ao nível da restauração. Além de incentivar os clientes a consumirem na restauração concelhia, a iniciativa apela a que levem consigo as sobras das refeições, em embalagens “educativas” criadas com vista à sensibilização dos cidadãos para a urgência do combate ao desperdício alimentar.

Considerando que, mais do que um apagar das luzes, a Hora do Planeta é um compromisso para unir e proteger o Planeta, os munícipes são também desafiados a aderirem à iniciativa, apagando as luzes durante este período, sendo que, para participar, basta registar-se em http://www.wwf.pt

Através da adesão a esta campanha e consequente mobilização da comunidade para estas causas, o Município e a Esposende Ambiente expressam o seu empenho no cumprimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, concretamente no que concerne aos ODS 6 – Água Potável e Saneamento, 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis, 12 – Produção e Consumo Sustentáveis, 13 – Ação Climática, 15 – Proteger a Vida Terrestre e 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade.

Hora do Planeta (2).jpg

Hora do Planeta (3).jpg

Hora do Planeta (4).jpg

Hora do Planeta (5).jpg

ENCONTRO TRANSFRONTEIRIÇO DA PROTEÇÃO CIVIL: CERVEIRA REFLETE SOBRE EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS

Há mais de 20 anos que não chovia tanto num só dia. No Alto Minho, o dia 1 de janeiro de 2023 fica marcado pela queda de precipitação diária classificada pelo IPMA como ‘extremo absoluto’, provocando um grande volume de chamadas telefónicas e uma intervenção no terreno sem precedentes recentes. A preocupação com eventuais repetições leva o Município de Vila Nova de Cerveira a debater este fenómeno com especialistas distritais, nacionais e da vizinha Galiza, procurando delinear uma estratégia conjunta transfronteiriça para a resiliência face a eventos extremos cada vez mais frequentes, decorrentes dos efeitos das alterações climáticas.

Enquadrado nas comemorações do mês da Proteção Civil Alto Minho, dinamizadas pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o Encontro Transfronteiriço da Proteção Civil – Eventos Extremos, agendado para dia 22 de março, tem como objetivo uma reflexão baseada na cooperação institucional transfronteiriça sobre os últimos eventos (inundações) e na capacidade de resposta e articulação, além da divulgação de investimentos e recursos euroregionais para a mitigação de riscos.

As características geográficas comuns do Alto Minho e a partilha de recursos naturais levam a que este território de fronteira sofra ameaças comuns no que toca aos efeitos causados pelas alterações climáticas. As inundações ocorridas a 01 de janeiro de 2023, com comportamentos e efeitos muito semelhantes nos leitos e cursos de água das duas margens do rio Minho, são prova disso mesmo.

Os presidentes da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira e do Concello de Tomiño, Rui Teixeira e Sandra González, respetivamente, farão a sessão de abertura deste Encontro Transfronteiriço da Proteção Civil – Eventos Extremos, pelas 09h30, seguindo-se o painel “01 de janeiro de 2023 – O primeiro momento”, dedicado a uma reflexão sobre o primeiro impacto/reação, pela visão dos primeiros intervenientes em Vila Nova de Cerveira e Tomiño;  e duas mesas-redondas, uma dedicada à “Resposta e Articulação a Eventos Extremos” e outra relacionada com os “Recursos para a Mitigação de Riscos”. Cabe ao Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil, André Macedo Fernandes, protagonizar a sessão de encerramento.

Recorrendo ao caso concreto de Vila Nova de Cerveira, o primeiro dia do ano de 2023 registou um valor extremo de precipitação diária de 177.4 mm – valor superior ao anterior máximo de 138.4 de 2001 - quando o valor mensal da quantidade de precipitação referente ao mês de janeiro foi de 477.0mm. Esta situação atípica motivou a ocorrência de quase 40 pedidos de auxílio da população em apenas 30 minutos, mobilizando dezenas de profissionais afetos à Proteção Civil.

De sublinhar que a adaptação do território transfronteiriço às alterações climáticas, através da valorização dos ecossistemas e dos seus recursos comuns, na cooperação institucional transfronteiriça e no envolvimento dos atores locais, é um dos projetos que a Eurocidade Cerveira-Tomiño pretende implementar até 2026, num investimento de cerca de 700 mil euros, no âmbito da operação 0177_CT_ADAPT, cofinanciados em 75% pelo Feder, através do POCTEP, dando cumprimento ao processo participativo da Agenda Urbana Eurocidade Cerveira-Tomiño 2030.

Ver programa em: https://bit.ly/ProgramaProteçãoCivil

FB_ENCONTRO_PROTECAO_CIVIL.png

BARCELOS PROMOVE COMPOSTAGEM COMUNITÁRIA

Ilha de Compostagem (1).jpg

Os habitantes de Vila Boa e Viatodos têm, a partir da próxima segunda-feira, duas ilhas de compostagem comunitária à disposição, onde podem depositar os seus resíduos orgânicos. Estas ilhas de compostagem estão instaladas nos agrupamentos habitacionais da Rua de Vermil (Vila Boa) e na Rua Padre João de Sousa Afonso e Abreu (Viatodos).

Entretanto, a partir de segunda-feira, os moradores daquelas zonas vão ser contactados porta a porta por elementos do Município, devidamente identificados, para aderirem a este projeto, sendo-lhes entregue um kit composto por um balde para a separação de biorresíduos e um cartão de acesso ao compostor instalado na ilha. Desta forma, após fazerem a separação dos resíduos orgânicos e/ou resíduos verdes no balde, basta utilizar o cartão para aceder ao compostor e depositar o seu conteúdo.

Após os biorresíduos se transformarem em composto orgânico, os aderentes ao projeto podem contactar as Juntas de Freguesia para recolherem o seu composto orgânico e utilizá-lo nos seus vasos e floreiras.

A implementação deste projeto conta com o apoio do Fundo Ambiental e da Comunidade Intermunicipal do Vale do Cávado.

Balde Biorresíduos.jpg

FAMALICÃO: CASTELÕES ACOLHE OFICINA SOBRE DESPERDÍCIO ALIMENTAR

Dias_Organicos.jpg

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai promover um conjunto de novas oficinas sobre biorresíduos.

A primeira terá como tema o combate ao desperdício alimentar e acontece já neste sábado, dia 9 de março, na Junta de Freguesia de Castelões, entre as 15h00 e as 18h00, com entrada livre.

Durante a iniciativa serão apresentadas técnicas e estratégias para otimizar o uso de alimentos e reduzir o desperdício.

A oficina insere-se no âmbito do projeto municipal de recolha e valorização de biorresíduos - “Dias Orgânicos”.

MUNICIPIO DE MONÇÃO ALIA-SE À QUERCUS E À CORTICEIRA AMORIM NO PROGRAMA “ALDEIAS SUBER PROTEGIDAS”

Ação de reflorestação, através da plantação de 250 carvalhos-alvarinho e 250 sobreiros, decorre na próxima quinta-feira, 7 de março, pelas 10h00,  na freguesia de Segude, numa área suscetível a incêndios florestais.

No caminho da sustentabilidade, o Município de Monção, através do Serviço Municipal de Proteção Civil, junta-se à Quercus ANCN (Organização Não Governamental de Ambiente) e à Corticeira Amorim (líder mundial na transformação de cortiça), na concretização do programa “Aldeias Suber Protegidas”. O objetivo é promover ações de reflorestação e proteção ambiental.

Depois do lançamento do programa em Unhais da Serra, no dia 23 de novembro de 2023, Monção recebe esta quinta-feira, dia 7 de março, pelas 10h00, na freguesia de Segude, região do Vale do Mouro, uma ação de reflorestação, através da plantação de 250 carvalhos-alvarinho e 250 sobreiros, numa área suscetível a incêndios florestais.

Trata-se do segundo projeto desta iniciativa que, em síntese. tem como finalidade a prevenção de incêndios florestais e a proteção ambiental do território, favorecendo a componente da reflorestação. A ação constitui, também, um momento de preservação e valorização ambiental junto dos mais novos, envolvendo a colaboração e voluntariado dos alunos do 3º e 4º ano da Escola Básica do Vale do Mouro.

01.jpg

02.jpg

03.jpg

04.jpg

DKC DE VIANA INTEGRA O LivingLab DO ESTUÁRIO DO RIO LIMA

Projeto MAR2PROTECT da Equipa CIIMAR, Universidade do Porto. Articulação com CMIA de Viana do Castelo

A DKC de Viana foi convidada para integrar um novo projeto, agora o MAR2PROTECT, face à sua experiência de décadas nas diferentes dimensões no rio Lima, nomeadamente no seu estuário.  

Representado pelo seu presidente, Dr. Américo Castro, que já tinha dado contributos importantes no projeto RIVER2OCEAN, este organizado pela Universidade do Minho, integra o LivingLab do estuário do Rio Lima, laboratório vivo, onde os contributos são fundamentais para a preservação e compreensão da importância dos sapais existentes.

A DKC de Viana tem nas suas três décadas de existência sido uma das vozes ativas na sensibilização e preservação do Rio Lima e das suas margens, na defesa da sua fauna e flora, onde tem uma presença ativa.

A CMIA de Viana do Castelo acolheu e articula-se neste projeto, com a elevada competência e sensibilidade que nos tem habituado.

Este projeto da Universidade do Porto e visa a “prevenção da contaminação das águas subterrâneas relacionada com as alterações globais e climáticas através de uma abordagem holística da gestão da recarga de aquíferos” é liderado por Cristina Marisa Ribeiro de Almeida, investigadora principal da CIIMAR e doutorada em Quimica e por Sandra Cristina da Costa e Silva Ramos, bióloga e líder da equipa Ecologia de Peixes e Sustentabilidade. 

Seguindo o projeto,  “ O núcleo do inovador MAR é o M-AI-R DSS que incorporará informação tecnológica e de envolvimento social utilizando uma avaliação baseada em IA para melhorar a qualidade de GW. Para assegurar um elevado potencial de replicação, o M-AI-R DSS irá recolher informação de 5 sítios de demonstração na UE (PT, IT, ES, NL) e 2 em países fora da UE (TN, ZA) que foram cuidadosamente escolhidos pelo seu grau de maturidade de projetos anteriores bem-sucedidos e uma vasta gama de cenários em termos de condições climáticas, fontes de água, tipo de poluição, esquema MAR e contexto político/societal. 

Todas as tecnologias serão testadas e validadas até ao TRL5. MAR2PROTECT assegurará um forte envolvimento da sociedade civil em acções de prevenção de GW, até um SRL igual a 6. O projeto envolverá decisores políticos nacionais e da UE que, em colaboração com uma Comunidade de Prática formada por peritos mundiais, garantirão o reforço da política da UE para a prevenção da contaminação por GW. 

Graças à sua abordagem holística e à elevada replicabilidade dos seus resultados, MAR2PROTECT conduzirá a um acentuado reforço da protecção de GW em toda a UE e não só, e à geração de conhecimento para a transição para uma gestão sustentável da água. 

O consórcio inclui 8 parceiros e 1 entidade afiliada de 6 países diferentes da UE e da Suíça e 2 parceiros internacionais da Tunísia e África do Sul: 2 Universidades (UNIBO, KTU), 7 RTOs (NOVA-COO, CIIMAR, CETAND +AQUA, IHE, IT, ISSBAT, SUWI) e 1 Associação (FEUGA). Além disso, a inclusão de 3 grandes empresas de abastecimento de água como parceiros associados e um decisor político da ZA conduzirá a uma melhoria relevante do impacto do projeto.

O CIIMAR avaliará o potencial dos sapais para reter / absorver poluentes, prevenindo a poluição da bacia hidrográfica e consequentemente do aquífero subjacente. Serão efetuados estudos em microcosmos de laboratório, bem como in situ no estuário do Lima, Portugal, que foi selecionado como local de demonstração”.

Vêr em https://www.ciimar.up.pt/pt-pt/projects/mar2protect/

https://www.it.pt/News/NewsPost/4937

maxresdefault.jpg

GGsdvkcXgAAMBiI.jpg