Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ESCRITOR E POETA DELFIM GUIMARÃES NASCEU HÁ 150 ANOS – EFEMÉRIDE ASSINALA-SE EM 2022!

Delfim Guimarães foi o poeta de Ponte de Lima e da Amadora

Assinala-se em breve a passagem dos 150 anos sobre o nascimento do escritor e poeta Delfim Guimarães. O seu nome está ligado à cidade do Porto onde nasceu em 4 de Agosto de 1872.

Delfim Guimaraes (2)

A Lisboa onde trabalhou e fundou a editora “Guimarães, Libânio e Cª” que viria mais tarde a adoptar a denominação de Guimarães Editores. A Ponte de Lima à qual dedicou grande parte dos seus versos e também alguns dos seus romances, para além da sua enorme ligação familiar do qual foi inclusive Administrador do Concelho. E ainda à cidade da Amadora onde viveu e deixou importante obra cívica da qual salientamos a criação da Liga dos Melhoramentos da Amadora, responsável pela instituição da Escola Alexandre Herculano.

O nome de Delfim Guimarães encontra-se consagrado na toponímia de Lisboa, de Ponte de Lima e também da cidade da Amadora onde, aliás, dá o nome ao jardim que constitui a sua sala de visitas e aí tem erigido um busto. Apenas o Porto, cidade onde nasceu, não lhe prestou até ao momento a devida homenagem. A efeméride que este ano se assinala constitui uma excelente oportunidade para conhecer a vida e a obra deste escritor.

Delfim Guimaraes

“Delfim Guimarães. O Poeta da Amadora” é o título da melhor biografia até ao momento produzida acerca da vida e obra do poeta e escritor Delfim Guimarães. Da autoria de Lopes Vieira, o livro é uma edição da Câmara Municipal da Amadora, publicado em 1989 e encontra-se actualmente esgotado. A passagem dos 150 anos sobre a data do seu nascimento justificaria seguramente uma segunda edição desta obra.

Neste livro, o autor traça de uma forma admirável o perfil do escritor Delfim Guimarães, acrescentando à sua biografia a sua obra literária e a sua intervenção cívica, não apenas no domínio profissional como ainda como cidadão interventivo na sua época que deixou uma obra cujos frutos continuam a ser colhidos pelas actuais gerações. Referimo-nos principalmente à sua acção política e cívica naquela localidade que viria a ser o actual Concelho da Amadora, nomeadamente através da criação da Liga de Melhoramentos que, entre outras iniciativas, foi responsável pela fundação das Escolas Alexandre Herculano.

Lopes Vieira convida-nos a uma digressão através da obra literária do escritor Delfim Guimarães, apresentando-nos muitos dos seus poemas, grande parte dos quais dedicados ao Ponte de Lima, facto que por si só justificaria o seu reconhecimento como “O Poeta de Ponte de Lima” – se foi na Amadora que ele viveu grande parte da sua vida e pelo seu progresso social se bateu, não restam dúvidas de que foi a Ponte de Lima que dedicou os seus versos!

Rua Delfim de Brito Guimarães

Poeta 1872 - 1933

Freguesia(s): Campolide

Início do Arruamento: Rua Basílio Teles

Fim do Arruamento: Rua José Malhoa

Data de Deliberação Camarária: 08/02/1995

Data do Edital: 17/02/1995

Data do Edital do Governo Civil:

Data do Edital do Governo Civil:

Designação(ões) Anterior(es): Troço da Rua A à Avenida José Malhoa, compreendido entre a Rua Basílio Teles e a Avenida José Malhoa.

Historial: “Aos vinte e três dias do mês de Setembro de mil novecentos e noventa e quatro pelas dezasseis horas, numa das salas dos Paços do Concelho, reuniu a Comissão Municipal de Toponímia (...) Seguiu-se a leitura de uma carta da casa do Concelho de Ponte Lima, solicitando que o nome do poeta Delfim Guimarães, seja atribuído a uma rua de Campolide, situada nas imediações da sede da referida Instituição.

A Comissão emitiu parecer favorável, designando para o efeito o troço da Rua A à Avenida José Malhoa, compreendido entre a Rua Basílio Teles e a Avenida José Malhoa que, assim, passará a denominar-se: Rua Delfim De Brito Guimarães/Poeta/1872 – 1933”.

Delfim de Brito Guimarães nasceu no Porto em 4 de Agosto de 1872 e faleceu na Amadora, em 6 de Julho de 1933. De filiação republicana e maçónica, estudioso das Letras Portuguesas, cavaleiro apaixonado pela Menina e Moça de Bernardim Ribeiro, em querelas com Teófilo Braga ou em franca e admirativa correspondência com D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, conforme transcreveu no seu «Arquivo Literário». A sua paixão romântica pela política (União Republicana), levou-o às polémicas sobre as cores e os símbolos da bandeira nacional. Em 1889, veio para Lisboa e com apenas dezanove anos começou a trabalhar como guarda-livros no Século, onde passou a administrador. Ali permaneceu por dez anos mas foi obrigado

a retirar-se, pois a Administração não via com bons olhos a sua actividade literária. Fundou e consolidou uma importante Casa Editora – a Guimarães Editores, que ainda hoje existe na Rua da Misericórdia. Através desta editora, trouxe ao nosso conhecimento, autores estrangeiros notáveis em cuidadas traduções. Poeta, novelista, crítico, erudito, dramaturgo, investigador literário, Delfim de Brito Guimarães prestou valiosos serviços às letras portuguesas. Iniciou a sua carreira de escritor em 1893 com Alma Dorida, um livro de poemas escritos em prosa, dedicado à sua mãe. Nesse mesmo ano escreveu também Lisboa Negra, versos que dedicou à Capital, revelando a sua difícil adaptação a esta cidade. Confidências, um novo livro de poemas, é publicado em 1894 e, no ano seguinte, sai um livro de «orações», em verso, intitulado Evangelho. Em 1902, escreve uma comédia denominada Juramento Sagrado e neste mesmo ano, escreve um poema inspirado em ambientes medievais e de cariz romântico, chamado A Virgem do Castelo. No ano em que abre a Livraria, em 1903, publicou Outonais, obra em poesia dedicada ao amor e, em 1916, durante a Grande Guerra, por publicou uma colectânea de poemas de diversas métricas e estilos, intitulada A Alma Portuguesa. Deixou um património editorial inestimável, quer pelo fundo editorial acumulado, quer pelos serviços que prestou à cultura portuguesa.

IN / Fonte: http://www.cm-lisboa.pt/

img304

A imagem mostra os descendentes do escritor Delfim Guimarães por ocasião da atribuição do seu nome a uma artéria de Lisboa.

Delfim Guimarães nasceu em Santo Ildefonso, no Porto e viveu grande parte da sua vida na Amadora, nos arredores de Lisboa, onde teve grande intervenção cívica e política. Porém, as suas raízes familiares encontram-se em Ponte de Lima, terra em relação à qual consagrou muitos dos seus poemas.

Em Lisboa fundou em 1899 a editora “Guimarães, Libânio e Cª”, actualmente conhecida como Guimarães Editores.

Na Amadora onde viveu e veio a falecer, em 6 de Julho de 1933, foi o grande impulsionador da Liga dos Melhoramentos da Amadora e das escolas Alexandre Herculano. Esta cidade consagrou-lhe um jardim em pleno centro, atribuindo-lhe o seu nome e aí descerrando o busto cuja imagem junto se reproduz. Autêntica sala de visitas da Amadora onde se realizam os principais eventos culturais, o Parque Delfim Guimarães foi inaugurado em 1937 pelo então Presidente da República, General Óscar Carmona.

dbg-1910-delfim-de-brito-guimarc3a3es-1910-ip-17-d

Delfim de Brito Monteiro Guimarães (Porto, 4 de Agosto de 1872 - Amadora, 6 de Julho de 1933) foi um poeta, ensaísta, bibliófilo e tradutor português.

Trabalhou na área comercial onde desempenhou funções de contabilista e de administrador de diversas empresas, mas ficou conhecido pela sua produção literária, nomeadamente poesia, ensaio, conto, teatro e história, tendo sido fundador da editora «Guimarães, Libânio e C.ª» em 1899, atualmente conhecida como Guimarães Editores.

Tem colaboração em publicações periódicas, como é o caso das revistas Branco e Negro (1896-1898), Ave Azul (1899-1900), A Sátira (1911), Atlântida (1915-1920) e na Revista de turismo iniciada em 1916.

Foi iniciado na Maçonaria na Loja O Futuro, em Lisboa, com o nome simbólico de Bakunine.

A 17 de maio de 1919, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

Fonte: Wikipédia

img291

img292

Exemplar com dedicatória oferecido ao jornalista Rocha Martins, aqui tratado por “ilustre camarada”, em 5 de Abril de 1921.

“Á Memória de Herculano” é o título de um poema de cariz patriótico da autoria do escritor e poeta Delfim Guimarães, publicado em 1910, por ocasião da “celebração do centenário do nascimento do egrégio historiador português” ocorrida em 28 de março daquele ano, e editado pela Livraria Editora Guimarães & Cª, editora fundada pelo próprio autor.

Com vasta obra literária, o escritor Delfim Guimarães nasceu no Porto em 4 de agosto de 1872, encontrando-se também ligado a Ponte de Lima, terra à qual dedicou a maioria dos seus versos e ainda á cidade da Amadora onde viveu e veio a falecer em 6 de julho de 1933.

O livro cuja imagem reproduz foi pelo autor oferecido a Henrique Marques, na dedicatória tratado como “bom amigo e camarada”.

“Asas de Portugal” é o título de um poema de cariz patriótico da autoria do escritor e poeta Delfim Guimarães, publicado em 1922, por ocasião da primeira travessia aérea do Atlântico Sul levada a cabo por Gago Coutinho e Sacadura Cabral, no contexto das comemorações do primeiro centenário da independência do Brasil.

O poema foi escrito na Amadora, terra com grandes tradições aeronáuticas, e editado pela Livraria Editora Guimarães & Cª, editora fundada pelo próprio autor.

Com vasta obra literária, o escritor Delfim Guimarães nasceu no Porto em 4 de agosto de 1872, encontrando-se também ligado a Ponte de Lima, terra à qual dedicou a maioria dos seus versos e ainda á cidade da Amadora onde viveu e veio a falecer em 6 de julho de 1933.

O livro cuja imagem reproduz foi pelo autor oferecido à Redação do jornal Diário de Notícias.

O Parque Delfim Guimarães situa-se no centro da Amadora, na zona mais antiga da cidade, entre a Avenida Elias Garcia e a linha de caminho de ferro que, desde finais do século XIX, contribuiu decisivamente para a expansão do primitivo aglomerado urbano designado como Porcalhota.

Correspondendo ao mais antigo e emblemático espaço verde do concelho, construído na década de 30 do século XX, por iniciativa da então estrutura municipal sediada em Oeiras foi primeiro apelidado de Jardim-Parque da Amadora, ocupando os terrenos agrícolas situados nas imediações do bairro Santos Mattos, primeiro conjunto habitacional da cidade.

O espaço integrado no Parque organiza-se a partir de uma pérgola central, dotada de fonte e bancos em redor. A partir deste espaço definem-se caminhos sinuosos, pontuados por canteiros de roseiras e herbáceas. O jardim possui, igualmente, alguns elementos importantes para a história local como o busto do poeta Delfim Guimarães que deu o nome ao espaço e que se encontra implantado numa rotunda intermédia assim como algumas lápides comemorativas de efemérides locais.

Inicialmente o parque integrou um tradicional espaço com areia balouços e escorregas, conjunto que, depois de ter sido reformulado, se transformou num moderno parque infantil obedecendo às novas normas de segurança. Igualmente numa intervenção mais recente foi criada uma "zona de estadia formal", dotada de bancos e cadeiras.

História

O Parque Delfim Guimarães deve o seu nome ao poeta que viveu e faleceu na cidade (1872-1933) tendo contribuído para esta iniciativa o tenente Cândido Pinheiro, vereador da Câmara de Oeiras, residente na então freguesia da Amadora. O conjunto ajardinado foi inaugurado a 27 de Junho de 1937, na presença do Presidente da República, General Óscar Carmona, escassos dias depois de a Amadora ter sido elevada à categoria de vila. Em 1997 o jardim foi sujeito a obras de reconversão a cargo da Arquiteta Paisagista Patrícia França, tendo estas sido parcialmente concluídas em 2002. Em 2015 o espaço foi novamente objeto de uma intervenção, apostando-se desta vez numa poda algo radical das árvores existentes, intervenção esta com impactos negativos no valor paisagístico do conjunto, tendo sido reduzidas as áreas de sombra e a bela mancha verde que caraterizava o local. De notar que este é um dos poucos espaços verdes existentes na zona central da cidade tão intensamente urbanizada, algo que hoje se sabe ser indispensável para a melhoria da qualidade de vida da população.

Paulo Fernandes/IPPAR/2007. Atualizada por Maria Ramalho/DGPC/2015.

Fonte: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/

transferirparquedgui.jpg

PADRE HIMALAYA VIVEU NA AMADORA NO PALÁCIO/QUINTA DOS CONDES DA LOUSÃ

Localizado na freguesia das Águas Livres, o imóvel dominou em tempos um vasto território, na então aldeia da Damaia, encontrando-se atualmente rodeado por uma urbanização dos anos 60.

cond_lousa.jpg

A construção do edifício data do Século XVIII, tendo o corpo central da fachada norte sido restaurado no Século XIX. Trata-se de uma casa de campo típica da região lisboeta, com reboco cor-de-rosa e pilastras de pedra que possuía uma capela particular cujo orago era a Nossa Senhora da Conceição.

Do seu conjunto destacam-se os múltiplos telhados que compõem o edifício e os conjuntos de painéis de azulejos.

Da sua história, sabe-se que em 1813 a quinta era habitada apenas pelos caseiros e que, na primeira década do Século XX, viveu lá o Padre Himalaya, famoso pelas suas invenções.

Em 2003, a Câmara Municipal da Amadora adquiriu o imóvel, com o objetivo de assegurar a sua preservação.

A Quinta dos Condes da Lousã foi classificada como Imóvel de Interesse Público, pela publicação em Diário da República de 24 de dezembro de 2012.

Fonte: https://www.cm-amadora.pt/

padre_gomes_himalaia.jpg

A Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Secretário de Estado da Cultura, através da Portaria n.º 740-AS/2012 publicada em Diário da República n.º 248/2012, 1º Suplemento, Série II de 2012-12-24, Classifica como monumento de interesse público a Casa da antiga Quinta Grande, também denominada Quinta dos Condes da Lousã, na Rua Carvalho Araújo, 13, Damaia, freguesia da Damaia, concelho da Amadora, distrito de Lisboa.

Capturarlousa1.JPG

Capturarlousa2.JPG

Capturarlousa3.JPG

Capturarlousa4.JPG

QUEM FOI O PADRE MANUEL ANTÓNIO GOMES HIMALAYA?

Nasceu em 9 de dezembro de 1868, em Cendufe, Arcos de Valdevez.

Aos 15 anos foi para o Seminário de Braga (Colégio Espiritano), onde adquiriu o gosto pelo experimentalismo e pela intervenção técnica, graças aos métodos de ensino inovadores ali praticados.

padre_gomes_himalaia.jpg

Durante o seminário modificou o seu nome de batismo, acrescentando-lhe Himalaya, devido à alcunha que um colega lhe dera por ser de elevada estatura.

É ordenado padre em 1891.

Em 1900 iniciou em Paris as suas experiências com o protótipo de um forno solar, batizado “Pyrheliophero”, que, traduzido à letra, significa “eu trago o fogo do Sol”.

Em 1904, o aparelho foi apresentado na Exposição Universal em Saint Louis, nos EUA, e premiado com o “Grand Prize da Lousiana Purchase Exposition”.

Ainda nos EUA, fabrica a “Pólvora Sem Fumo” ou Himalayte, pólvora que resiste a grandes choques e temperaturas sem risco de explosão.

Regressa a Lisboa em 1906, onde continuou a desenvolver a sua faceta de inventor e investigador. Durante alguns anos dedicou-se, filantropicamente, à prática da naturopatia junto das populações carenciadas na Damaia e Amadora. O seu interesse pela constituição de um laboratório levou-o a tentar vender, em 1925, a quinta que tinha na Damaia, onde viveu alguns anos antes de partir para a Argentina.

Voltou da Argentina em 1932, doente. Alguns meses depois, a 21 de dezembro de 1933, morria, com 65 anos, em Viana do Castelo.

Fonte: https://www.cm-amadora.pt/

PALÁCIO DOS CONDES DA LOUSÃ NA AMADORA ONDE VIVEU O PADRE HIMALAIA – FAMOSO CIENTISTA ARCUENSE – ENCONTRA-SE AO ABANDONO

Palacete dos Condes da Lousã encontra se em estado de degradação. A Câmara da Amadora, adquiriu o palacete mas até à data não houve qualquer intervenção. Tem uma magnífica área de quinta de recreio Um espaço que podia ser preservado com uma reabilitação que permitisse o seu usufruto pelos moradores do concelho. Para quando?

Texto e foto: Susana Vilar

256395818_10209167671906626_1819640856231595500_n.

PALÁCIO DOS CONDES DA LOUSÃ NA AMADORA QUE FOI RESIDÊNCIA DO INVENTOR ARCUENSE PADRE HIMALAIA ENCONTRA-SE EM RUÍNA TOTAL

Este palácio está a cair... É património camarário.

Situado na rua Carvalho Araújo (Amadora), o palácio dos Condes da Lousã teve uma significativa importância na história da freguesia da Damaia. Era a casa principal da Quinta Grande da Damaia, que noutros tempos dominou uma vasta área, tendo sido pertença do conhecido cientista padre Himalaia (1868-1933).

É uma casa de campo, típica da região, com pilastras em pedra e reboco cor-de-rosa. A sua mais notável característica é o revestimento de belos painéis de azulejo recortado (século XVIII), de temática alegórica, no alçado posterior (Quatro Estações) e no terraço lateral sul (Virtudes).

Era na ermida desta quinta que ocorria anualmente uma concorrida festa popular em honra da padroeira, Nossa Senhora da Conceição.

Fonte: Susana Vilar / https://www.facebook.com/scardoso.vilar

249256382_10209110387074541_7518461728342389281_n.

248926151_10209110380074366_6787536365770386528_n.

A TASCA, O MORANGUEIRO E O PERNIL: 50 ANOS DEPOIS, AFINAL QUEM É O DAVID DA BURACA?

Em 16 de Dezembro de 2017, o jornal “O Observador” publicou uma excelente reportagem acerca de um dos estabelecimentos de restauração da região de Lisboa, pertença do limiano David Alves Rodrigues – vulgo “David da Buraca”. O BLOGUE DO MINHO recupera essa publicação.

Capturardavid1.PNG

O famoso restaurante celebra meio século de existência e foi a propósito da data redonda que fomos conhecer a tasca que virou império.

Num dia de muito vento e chuva, a árvore centenária que morava à entrada do David da Buraca, restaurante icónico que celebra o seu 50.º aniversário este sábado, 16 de dezembro, caiu em cima de um camião da Schweppes. A confusão agravou-se: a árvore tinha deitado abaixo uns cabos de eletricidade. No meio da confusão, um senhor que morava umas casas acima decidiu ajudar. Pegou nos cabos sem qualquer tipo de proteção e imediatamente ficou colado, por culpa da corrente elétrica. O homem tentou largar os ditos cabos, mas não havia como. Ao ver este cenário, um dos condutores que estava parado no trânsito saiu do carro, foi à bagageira e tirou de lá um pau enorme. Correu em direção ao eletrocutado e começou a bater-lhe nos braços. “Só assim é que o homem conseguiu soltar-se. Por pouco não morria!”. Esta é uma história que facilmente podia ser contada num filme de Quentin Tarantino mas, como se costuma dizer, a realidade muitas vezes ultrapassa a ficção.

“Tudo isto aconteceu há uns bons anos”, conta ao Observador David Alves Rodrigues, o “David” que aparece no letreiro do restaurante. Hoje, com 78 anos, o empresário recorda este e muitos outros episódios que marcaram a vida deste espaço nos arredores de Lisboa que, só por si, já merecia uma adaptação ao grande ecrã. Superação, postas mirandesas, grandes figuras da história do país e resiliência — não falta nada à biografia deste restaurante que começou como uma pequena tasca e hoje faz parte de um “império” que inclui uma quinta em Caneças, uma cafetaria e outras três casas onde quem manda é a comida tradicional portuguesa.

De Ponte de Lima ao Príncipe Real

O relógio batia nas dez e meia da manhã quando o Observador chegou ao número 20 da Estrada da Buraca. O parque de estacionamento estava praticamente vazio, pouco se passava neste trecho de alcatrão por onde “toda a gente tinha de passar”, antes da construção da 2.ª Circular, artéria importante de acesso ao centro alfacinha. Contudo, mesmo à porta do restaurante, a uns poucos metros de onde tínhamos estacionado, já se via alguma movimentação. “Não pá, não quero comprar caracóis”, dizia um senhor de cabelo branco meio curvado. O rapaz que tentava impingir os seus gastrópodes atirou a toalha ao chão e nós seguimos atrás do ancião.

scanner-40david2.jpg

Era assim a primeira cozinha do David da Buraca, algures no final dos anos 60, início os anos 70. ©Fotografia cedida por David Alves Rodrigues

 

Já dentro do restaurante — um impressionante complexo com seis salas de refeição espalhadas por dois edifícios grandes e uma espécie de pavilhão –, a pergunta inevitável: o senhor é que é o David da Buraca? “Sou sim, muito prazer”, respondeu o velhote com uma voz muito calma, tímida e com uns quantos decibéis a menos, dado o barulho que já vinha da cozinha. Panelas enormes fumegavam, dois recipientes transbordavam com pernis assados e, no meio disto tudo, carrinhas de fornecedores não paravam de chegar. “Aquele senhor leva ali uns quilos que porco preto”, dizia David referindo-se a um jovem que transportava sobre o ombro uma enorme secção de carne embalada em plástico. Rapidamente começamos um tour pelo gigante onde todos os dias comem duzentas pessoas, “mais coisa menos coisa”, e que celebra o seu 50.º aniversário este sábado, 16 de dezembro. Enquanto caminhávamos, o nosso cicerone ia falando da sua vida.

“Eu não sou de cá [Lisboa], vim de Ponte de Lima sozinho quando tinha 12 anos”, vai contando. “Vinham uns para Lisboa e nós queríamos seguir o mesmo caminho, sabe como é”, conta. Os que já tinham assentado arraiais na capital prometiam integração facilitada e emprego e isso foi o que bastou para David deixar “a terra”. “Saí na estação do Rossio, subi as escadinhas do Duque e segui para o Príncipe Real”, explica. À sua espera estava um emprego como carvoeiro, os rapazes que andavam de porta em porta a vender carvão, combustível muito procurado, principalmente por restaurantes e casas de pasto. “Foi assim que comecei a entrar em contacto com o mundo da restauração”, acrescenta.

img_1434_1280x720_acf_croppedDavid3.jpg

"O" David da Buraca no seu escritório.

 

A adaptação à nova vida não foi fácil e David não esconde isso: “No início chorava muito, queria voltar para a minha terra, mas depois foi passando.” O que ajudou a atenuar esse sentimento? A rotina, claro, mas o tio, familiar com quem vivia, também deu uma ajuda. “Uma vez disse-me: ‘Se falas mais em voltar para a tua terra dou-te tantas chapadas como cabelos brancos tenho na cabeça!’… E ele já tinha o cabelo todo grisalho!”, sorri.

Aos poucos foi conciliando o trabalho do carvão com o da comida, começando a trabalhar “em algumas casas de pasto” por Lisboa. Depois de ter passado por duas ou três, estabeleceu-se numa que ficava “no fundo da Calçada dos Mestres, em Campolide”. O tempo tinha passado e David, já com “26 ou 27 anos”, começou a ser “chateado” por Domingos Duarte, um “primo de uns primos” que o queria envolver num negócio. “Já fiquei com aquilo na Buraca”, dizia-lhe. Domingos queria que David aceitasse ser sócio dele numa pequena tasca nesta zona perto de Benfica. Depois de alguma hesitação, o sim definitivo surgiu e no dia 16 de dezembro de 1967 o David da Buraca abria portas — “lembro-me perfeitamente, fizemos a escritura na rua Rodrigo da Fonseca”.

E o sócio não levou a mal que o restaurante ficasse só com o seu nome? A resposta surpreendeu: “Foi uma espécie de medida de marketing. Sempre que tinha mudado de casa, antes, montes de clientes vinham atrás de mim para o novo sítio. Achámos que fazia sentido o meu nome aparecer, que traria mais clientes”, explica o septuagenário. A verdade é que foi isso mesmo que aconteceu.

O David da Buraca original ocupava um pequeno espaço que hoje corresponde à sala de refeições que fica do outro lado da rua do Panças, outro conhecido restaurante de comida tradicional. Havia um balcão que percorria todo o lado esquerdo (de quem entra vindo da rua) e umas quantas mesas soltas. Nessa fase inicial os clientes vinham mais “para beber um copito”, mas aos poucos David começou a cozinhar petiscos como filetes de bacalhau ou um caldinho de camarão (“vendíamos carradas disso!”). Algum tempo depois da inauguração a mulher juntou-se no restaurante e desde então nunca mais deixaram de trabalhar juntos (“olhe que já estamos casados há 54 anos”, diz com orgulho).

A fama foi crescendo a ritmo acelerado, este “era um bairro antigo, muita gente morava aqui mesmo ao lado” e muitas outras pessoas passavam-lhe à porta todos os dias, estivessem elas a caminho do futebol — “o pessoal do Casa Pia ou do Benfica, por exemplo, vinha cá comer antes do jogo e depois regressava no fim, para picar qualquer coisa”. O Cardeal Cerejeira, por exemplo, era uma das pessoas que ali passava todos os dias. Não ia ao restaurante com muita frequência — “o chauffeur dele é que vinha cá muitas vezes, gostava muito de morangueiro [um tipo de vinho muito aromático e refrescante que é tido como sendo de baixa qualidade]” — mas numa das visitas brindou Maria Matos, a mulher de David, com uma bênção original: “Uma vez, antes de se ir embora, disse-lhe ‘Que Deus te abençoe e que de um ovo faças muitos bifes’ “, conta, entre gargalhadas.

Na altura da mudança para o novo emprego, David foi viver com a mulher e o filho de dois anos para “um quartinho muito pequeno” que havia dentro do restaurante. Não havia muitas casas disponíveis ali perto e ir morar para mais longe “estava fora de questão”. Só mais tarde se mudaram para umas águas furtadas ao lado do restaurante.

img_1398.jpg

A cozinha do David da Buraca

 

Dois anos depois da inauguração, David decide comprar o espaço do lado e aumentar o restaurante. A clientela não parava de crescer, trabalhavam todos os dias das sete e meia da manhã às duas, três da madrugada (“a minha mulher até lavava a roupa dos empregados!”) e isso foi motivo suficiente para se dar a primeira expansão do David da Buraca. Antes disso, porém, a vida deste limiense sofreu uma reviravolta trágica e inesperada.

“Comprámos o segundo edifício pouco depois do falecimento do meu filho”, disse David. Subitamente, a sua cara mudou e ficou com um semblante mais pesado. “Ele tinha 21 anos quando faleceu… e um filho de seis meses”, conta. De forma súbita, o primogénito da família Matos adoeceu e não conseguiu superar a misteriosa enfermidade. “Fomos abaixo um bocadinho, mas foi preciso continuar”, contou David.

Os novos edifícios, os banquetes e os casamentos

“Epá, vamos ter de ter cuidado com a cabeça aqui!”, disse David enquanto nos guiava pelas escadas que dão acesso ao piso superior do David da Buraca. No topo da escadaria estava um andaime improvisado com tábuas: “Mudámos e pintámos todos os telhados, estamos ainda a acabar de arrumar tudo”, explica o cicerone.

scanner-43_1280x720_acf_cropped.jpg

Na antiga sala de refeições, empregados do David da Buraca almoçam antes de servirem um casamento

 

“Tínhamos um terraço muito grande e quisemos aproveitá-lo também”, conta, antes de explicar que assim que essa obra ficou concluída (“Algures em 75, não me recordo bem”) o David da Buraca passou a organizar banquetes e casamentos (área que viria a explorar ainda mais, principalmente depois de comprar a Quinta da Estrela, em Caneças). Uns anos mais tarde era concluída a última fase de expansão: foi comprado um terreno vizinho e isso permitiu a construção de um pavilhão novo, feito de raiz, e o parque de estacionamento.

No meio de tudo isto, David não quis perder a ligação “à terra” e decide abrir um pequeno café e restaurante em Ponte de Lima. Trabalhava todos os dias da semana e às sextas-feiras seguia rumo ao Norte para trabalhar mais um pouco. “Era duro”, admite, mas ao menos essas viagens faziam com que regressasse a Lisboa com alguns ingredientes que só “lá em cima” é que conseguia encontrar. “Tinha lá um talho muito bom” e quando havia falta de bacalhau comprava-o em Aveiro, a caminho de Lisboa.

Hoje já não faz estas viagens, mas não é por isso que deixou de receber produtos limianos: “Ainda me trazem umas vitelas de vez em quando”, explica. A conversa divergia cada vez mais para a comida e por isso mesmo foi impossível não perguntar se David tinha algum prato favorito na sua ementa. A resposta foi diplomática, “gosto de tudo”, mas não é grande apreciador de açorda e bacalhau com natas. Os clientes, por sua vez, tendem a gravitar em volta do pernil assado (“vendo daquilo às toneladas!”), do arroz de polvo ou até do javali.

img_1423_1280x720_acf_cropped.jpgDavid (à dir.) e o filho Paulo (à esq.)

 

São muitas as histórias de celebridades e políticos que por aqui já passaram e o próprio David orgulha-se de enumerar alguns. Começa por falar de Marcelo Rebelo de Sousa, o “senhor professor” que sempre foi muito simpático e que “organizou muitos jantares de grupo” nos tempos em que lecionava. “Vinha cá muitas vezes com os alunos”, explica, entusiasmado. A última vez que por aqui passou, recorda, foi antes de se candidatar à Presidência da República (PR). David admite que já pensou muitas vezes em convidá-lo a lá passar, mas não o quer “maçar” porque “ele tem muito que fazer”.

“O pessoal do Benfica” também é presença recorrente no seu restaurante. Recorda com alguma saudade os tempos em que Eusébio, Humberto Coelho, António Simões e Toni se juntavam para grandes almoçaradas. O “Pantera Negra” até tinha uma mesa favorita, num dos cantos da sala de refeições principal.

Qual é o segredo do sucesso?

Trabalham 25 pessoas todos os dias no David da Buraca. Há quem lá esteja há 40 anos e muitos funcionários já se “estabeleceram” em restaurantes próprios.

A pequena tasca dos anos 60 transformou-se no Grupo David da Buraca, aglomerado de vários negócios de restauração que foram distribuídos por diferentes membros da família. Paulo, o segundo filho de David e Maria Matos, está no restaurante original desde 87. “Quando não te safas na escola, tens de trabalhar”, contou o herdeiro. Atualmente, é ele quem gere este espaço, o pai já lhe passou o testemunho apesar de ainda lá estar todos os dias. Vera Rodrigues, a única filha do casal, ficou encarregue de gerir a cafetaria do grupo, um pequeno espaço chamado Jardins de Benfica.

As redondezas do restaurante já mudaram muito. Não há um terço do tráfego que havia antes, os descampados que rodeavam o negócio (e onde punham os cozinheiros novos “a caçar gambuzinos” à noite, em jeito de brincadeira) deram lugar a enormes urbanizações, mas o David da Buraca continua firme. “Ainda nos visitam clientes que frequentavam a tasca onde tudo começou”, diz David. “Há quem já traga os bisnetos, veja lá!”

Quando questionado sobre como foi possível garantir este nível de sucesso, o empresário é humilde: “Muito esforço, a ajuda dos meus empregados e, especialmente, da minha mulher, que sempre me acompanhou”, explica.

“Há uns tempos”, conta, “tentaram comprar-me isto tudo, uns brasileiros que não paravam de andar atrás de mim…”. Cheio de orgulho, David explica que não aceitou e nunca aceitará. “Sabe, para trabalhar na restauração é preciso ter-se muito gosto por esta vida… Eu sinto-me confiante, gosto muito de tudo isto e vou continuar a vir cá sempre que puder.”

Fonte: Diogo Lopes / https://observador.pt/

scanner-41_1280x720_acf_cropped.jpg

O senhor da esquerda é o que interessa: porque é o verdadeiro David e por causa daquele bigode

A COMEMORAÇÃO DO DIA DA ÁRVORE E DA FLORESTA: SUAS ORIGENS E SIGNIFICADO

O culto da árvore – atualmente celebrado como Dia da Árvore e da Floresta – no qual se insere a festa que lhe era dedicada constituiu uma das iniciativas que os republicanos fomentaram nos começos do século passado com vista à introdução na sociedade portuguesa de novos valores e símbolos com os quais procuraram substituir os valores tradicionais associados à Igreja Católica e ao Cristianismo em geral. Tratava-se, com efeito, de uma campanha de penetração ideológica nos meios rurais, promovida pela própria maçonaria, utilizando para esse meio os seus próprios órgãos de propaganda como era o caso do jornal “O Século Agrícola”, suplemento do jornal “O Século” dirigido por Magalhães Lima que, conforme o próprio título sugere, propunha-se promover a secularização da sociedade.

Tratava-se, com efeito, de criar uma nova liturgia, celebrado por altura do equinócio da Primavera, preconizando o retorno aos antigos ritos pagãos anteriores ao estabelecimento do Cristianismo em detrimento das celebrações da Páscoa e da Ressurreição de Jesus Cristo, crença essencial da fé cristã.

A “Festa da Árvore” realizou-se pela primeira vez no Seixal em 1907, por iniciativa da Liga Nacional de Instrução, tendo nos anos que se seguiram atingido especial visibilidade as que tiveram lugar na Amadora por iniciativa da Liga de Melhoramentos da Amadora, organização de inspiração republicana onde pontificava o escritor Delfim Guimarães.

De uma maneira geral, a realização da “festa da árvore” ocorreu nas localidades onde os republicanos dispunham de maior organização, sobretudo nas regiões mais a sul do país. Porém, é sabido que em Viana do Castelo também dispunham de uma certa influência, mantendo inclusive em funcionamento uma loja maçónica – a Loja Fraternidade – com mais de três dezenas de membros.

capture5

A revista Ilustração Portugueza, de 30 de março de 1914, dá-nos conta da realização nesse ano da festa da árvore em Viana do Castelo, nos seguintes termos: “Em Viana do Castelo a festa da árvore teve o concurso de todas as autoridades civis e militares, escolas oficiais e particulares. No Campo da Agonia foram plantadas duas laranjeiras e duas cerejeiras tendo assistido imenso povo. Falaram o alferes sr. Alpedrinha e o sr. Dr. Rodrigo Abreu sendo o cortejo dirigido pelo capitão sr. Malheiro. As tropas da guarnição da cidade também tomaram parte n’essa encantadora cerimónia em que foi exaltado o culto da árvore que O Século Agrícola tanto tem propagandeado.

capture3

A comemoração do Dia da Árvore manteve-se durante a vigência do Estado Novo, desprovida contudo da carga ideológica que inicialmente encerrava, tendo chegado até aos nossos dias como um ritual que se cumpre anualmente como um aceno à chegada da Primavera.

Não obstante o propósito original de tal iniciativa, a comemoração do Dia da Árvore e da Floresta, dirigida especialmente às crianças em idade escolar, veio cumprir uma função pedagógica e cívica, sensibilizando-os para a necessidade de preservação da floresta e do meio ambiente.

RANCHO FOLCLÓRICO DANÇAR É VIVER VAI À SIC AO PROGRAMA DE CRISTINA FERREIRA

Carina Alexandra é entrevistada em directo. E o tocador Daniel Sousa leva a sua concertina

O programa de Cristina Ferreira vai na próxima sexta-feira contar com a participação do Rancho Folclórico Dançar é Viver. Carina Alexandra, uma das pessoas responsáveis pelo grupo – sobrinha da fundadora, srª Isabel Cerqueira – será entrevistada em directo.

Também o exímio tocador arcuense Daniel Sousa vai participar neste programa, mostrando os seus dotes na concertina.

Entretanto, as gravações da actuação do rancho folclórico já foram feitas e tudo promete para que o programa que vai para o ar já na sexta-feira será do agrado de todos os telespectadores em geral e dos minhotos em particular.

Constituído há 28 anos por minhotos e seus descendentes radicados no concelho da Amadora, nos arredores da capital lisboeta, o Rancho Folclórico Dançar é Viver tem ao longo dos seus 25 anos de existência vindo a promover os usos e costumes das gentes do Minho.

Este grupo folclórico tem como principal objetivo preservar e divulgar os usos e costumes das gentes minhotas, mantendo assim a tradição das raízes do seu povo e, ao mesmo tempo, preservar a união e a identidade cultural dos minhotos que um dia tiveram de deixar as suas terras de origem à procura de melhores condições de vida.

49525838_282901189248354_4820982081158905856_n.jpg

51803992_249482155995752_8409299236876713984_n.jpg

51910921_1651262458306729_8766020395640815616_n (1).jpg

52033734_265540864331759_60751350329245696_n.jpg

52337562_2278762015489296_3987973135445000192_n.jpg

52537856_657390631384550_6372229418416340992_n.jpg

52762390_297180887610180_4268667793907384320_n.jpg

MADEIRA DANÇA O BAILINHO NO FOLKLOURES'19

O Grupo de Danças e Cantares da Madeira vai no próximo dia 6 de Julho participar no FolkLoures’19 – Encontro de Culturas, uma grandiosa iniciativa de cariz tradicional organizada pelo Grupo Folclórico Verde Minho em colaboração com a Câmara Municipal de Loures.

CapturarMadeira

Constituído há mais de três décadas por madeirenses radicados na região de Lisboa, este grupo folclórico está sediado no vizinho concelho da Amadora e é o único que no continente representa os usos e costumes tradicionais das gentes do Arquipélago da Madeira, actualmente constituída como Região Autónoma.

Layout 1

RANCHO FOLCLÓRICO DANÇAR É VIVER: MINHOTOS REPRESENTAM NA AMADORA O FOLCLORE DO MINHO DESDE HÁ 28 ANOS!

Rancho Folclórico Dançar é Viver é a "embaixada" do folclore do Minho no concelho da Amadora

O Rancho Folclórico Dançar é Viver celebra hoje 28 anos de existência, afirmando-se como o mais lídimo embaixador das tradições minhotas no concelho da Amadora. O BLOGUE DO MINHO endereça-lhe as melhores felicitações!

Constituído por minhotos e seus descendentes radicados no concelho da Amadora, nos arredores da capital lisboeta, o Rancho Folclórico Dançar é Viver, ao longo dos seus 28 anos de existência, tem vindo a promover os usos e costumes das gentes do Minho.

DSCF1995

Este grupo folclórico tem como principal objetivo preservar e divulgar os usos e costumes das gentes minhotas, mantendo assim a tradição das raízes do seu povo e, ao mesmo tempo, preservar a união e a identidade cultural dos minhotos que um dia tiveram de deixar as suas terras de origem à procura de melhores condições de vida.

Fundado a 12 de janeiro de 1991, o Rancho Folclórico Dançar é Viver esteve sediado durante 12 anos na Freguesia da Falagueira. Atualmente, possui nova sede social na Freguesia da Encosta do Sol, também no concelho da Amadora.

O seu Festival de Folclore realiza-se todos os anos inserido nas comemorações do aniversário do Município da Amadora e da freguesia onde se encontra sediado. E, é com bastante empenho que, através dos seus cantares, danças e dos seus trajes, representa condignamente o Minho na vertente do folclore e da etnografia, contribuindo para a aproximação dos minhotos que vivem na região e na preservação da sua cultura.

Desde a sua criação, o Rancho Folclórico Dançar é Viver tem participado em centenas de festas e romarias por todo o país, além de várias representações no estrangeiro, de entre as quais se destacam as realizadas em Espanha, França e Luxemburgo.

DSCF1972 (2)

DSCF9637

10644957_10203394729641780_6377600244493067048_n.jpg

48996027_2383803098359821_3580255970254651392_n

AMADORA TEM MAIS ENCANTO TRAJADA À VIANESA

A 44ª edição da São Silvestre da Amadora realizou-se hoje, dia 31 de dezembro 2018, tendo alcançado, pela primeira vez, mais de 2.000 atletas inscritos na corrida de 10 km e na Corrida das Crianças.

49265692_2383803045026493_5035418244786159616_n

Rui Pinto, atleta do Sport Lisboa e Benfica, entrou para a história da prova: é o atleta masculino com mais triunfos na corrida (quatro vitórias).

Posicionadas na meta, segurando a faixa e saudando os atletas à chegada, as lindas minhotas conferiram àquela jornada desportiva um especial encanto e singular beleza bem característicos das mais belas moças da nossa região – mais uma vez, o Rancho Folclórico Dançar é Viver afirmou-se como o mais lídimo embaixador das tradições da nossa região naquele concelho dos arredores de Lisboa.

Fotos: HMS Sports | Walter Branco, Paulo Lopes e Luís Ferreira

48996027_2383803098359821_3580255970254651392_n

49079398_2383751678364963_4293209361590779904_n

49148390_2383804885026309_5479140537430704128_n

49172784_2383802755026522_2718525843792986112_n

49204908_2383804691692995_8991490970201620480_n

49342385_2383804678359663_1055489621741273088_n

49525838_282901189248354_4820982081158905856_n

49624203_2383803775026420_3345586022422413312_n

49680334_2383742688365862_4805063965992288256_n

48957959_2383750401698424_5376321185027981312_n

MINHOTAS LEVAM O SEU ENCANTO À CORRIDA DE S. SILVESTRE DA AMADORA

Dentro de poucas horas vai ser dado o sinal de partida para mais uma edição da prestigiada Corrida de S. Silvestre da Amadora, por sinal uma das mais antigas do nosso país e seguramente a mais antiga que se realiza no continente.

26166789_1772871876119616_3232045222662897662_n

Posicionadas na meta de chegada, segurando a faixa e saudando os atletas, lá estarão as lindas moças do Minho trajadas à vianesa, conferindo àquela jornada desportiva um especial brilho e encanto.

Trata-se de jovens minhotas radicadas no concelho da Amadora e que, juntamente com as suas famílias, constituem o Grupo Folclórico Dançar é Viver, um lídimo embaixador das tradições da nossa região naquele concelho dos arredores de Lisboa.

Este ano, celebra a 44.ª edição, sendo a corrida de São Silvestre mais antiga de Portugal Continental. Realiza-se no último dia do ano, pelas 18h00. Ao longo das artérias desta cidade dos arredores da capital, milhares de pessoas apinham-se para assistir à passagem dos atletas, apoiando os seus ídolos e incentivando-os a prosseguir no seu esforço.

10649860_1001580736568216_4578746181882455153_n

PADRE HIMALAYA NASCEU HÁ 150 ANOS EM ARCOS DE VALDEVEZ

O Padre Manuel Himalaya, um dos maiores cientistas e visionários portugueses da viragem do século XIX, nascido em Arcos de Valdevez, faz este domingo, dia 9 de Dezembro, 150 anos. É uma figura de grande importância para o concelho arcuense e para a região, que deixou a sua marca por vários países do mundo, como França, EUA ou Argentina, sempre em busca de novas abordagens científicas e de conhecimento.

padre-himalaya-four-solaire-sorede

Em Agosto, e de forma a homenagear o Padre Manuel Himalaya, no ano em que completaria 150 anos de vida, o Município de Arcos de Valdevez iniciou as obras de intervenção na antiga Escola do 1º Ciclo, onde serão criadas as “Oficinas de Criatividade Himalaya”, uma plataforma de promoção da ciência educativa, tendo nas crianças, jovens e famílias o seu principal público-alvo.

O percurso excecional deste homem, que culminou em 1904 com o Grande Prémio da Exposição Internacional de St. Louis, nos EUA, é a base de desenvolvimento do projeto, que incorporará um espaço documental e biográfico sobre o próprio Himalaya, recorrendo a tecnologia de última geração, e diversas salas e espaços dedicados à exploração e descoberta das Ciências, com destaque para o uso do Sol, com a fantástica máquina solar, o Pirelióforo, e das múltiplas áreas do Conhecimento abrangidas pelo investigador, como a Ecologia e a Eco sustentabilidade, numa visão verdadeiramente holística. O projeto global tem um investimento de 1,5 milhões de euros e será realizado com recurso a fundos comunitários.

Para o Presidente da Câmara Municipal, João Manuel Esteves, este é um projeto que também tem outra extensão, como o percurso na ecovia e pontos-chave conectados com a sua presença, como a casa onde nasceu, viveu e o cemitério que o alberga, todos na freguesia de Cendufe;

De referir também que, anteriormente a autarquia inaugurou a requalificação do Parque Infantil da Ponte Nova, que também se centra no Padre Himalaya.

Para João Esteves este é mais um investimento no concelho e na criação de um espaço de oportunidades, de conhecimento e aprendizagens, que irá contribuir para o desenvolvimento sustentável de Arcos de Valdevez.

HIIM_3d - Cópia

HIM 3D 2 - Cópia

IMG_2362

MINHOTOS LEVAM À AMADORA TRADIÇÃO DOS CANTARES AO MENINO

Alegrai-vos sempre no Senhor

O Senhor está a chegar!

Epístola de S. Paulo aos Filipenses: 4:4

Iniciativa do Grupo de Danças e Cantares Alto do Moinho

Hoje foi dia de alegria na Igreja da Divina Misericórdia – Paróquia de Alfragide, no concelho da Amadora. O Grupo de Danças e Cantares Alto do Moinho, sediado naquela localidade e constituído por gentes do Douro Litoral radicadas na região da grande Lisboa, levou a efeito o primeiro Encontro de Cantares ao Menino Jesus.

DSCF3567 (2)

Para o efeito, contou com a disponibilidade e colaboração do Pároco de Alfragide, Padre Nélio Rodrigues Tomás, que acolheu os paroquianos e outros visitantes com uma simpatia que apenas contribui para aproximar os fieis.

O anfitrião – Grupo de Danças e Cantares Alto do Moinho –  convidou para participar neste evento o Rancho Folclórico Verde Minho, o Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega e o Rancho Folclórico da Ribeira de Celavisa, digno representante das gentes arganilenses na região de Lisboa.

Os cantares ao menino Jesus constituem um costume onde se cruzam tradições cristãs e pagãs que estiveram na sua origem, convindo não confundir estas com festividades profanas – o paganismo foi a religião dos camponeses e, tal como outras formas de espiritualidade, também ela constituiu uma maneira de entendermos a nossa religação ao divino!

Estas manifestações de carácter religioso e etnográfico têm vindo a reproduzir-se sobretudo na região de Lisboa por iniciativa de grupos folclóricos predominantemente do Minho e Beira Litoral, sendo contudo de lembrar também aqui a importância do rigor quanto à escolha do cancioneiro como dos trajes tradicionais em uso na época natalícia, caracterizada pelo frio e dias de curta duração solar.

DSCF3450 (2)

DSCF3453 (2)

DSCF3458 (2)

DSCF3461

DSCF3464

DSCF3474

DSCF3475

DSCF3480

DSCF3482

DSCF3486 (2)

DSCF3487

DSCF3488

DSCF3489

DSCF3491

DSCF3496

DSCF3494

DSCF3499

DSCF3501 (2)

DSCF3505

DSCF3506

DSCF3507 (2)

DSCF3509

DSCF3511

DSCF3514 (2)

DSCF3515 (2)

DSCF3516

DSCF3519

DSCF3522

DSCF3528

DSCF3530

DSCF3535

DSCF3540

DSCF3543

DSCF3547

DSCF3548 (2)

DSCF3549

DSCF3550

DSCF3552

DSCF3553

DSCF3554 (2)

DSCF3555

DSCF3556

DSCF3557

DSCF3561

DSCF3563

DSCF3570 (2)