Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CAMINHA: PROJETO “RECICLAR A COMPOSTAR” ALARGADO A TODO O CONCELHO

Câmara conseguiu aprovar a II fase elevando o investimento para mais de 84 mil euros

A Câmara Municipal de Caminha vai alagar o projeto “Reciclar a Compostar” a todo o concelho, tendo conseguido fazer aprovar uma segunda candidatura, que reforça a dotação inicial conseguida na 1ª fase, num investimento total de mais de 84 mil euros. O projeto “Reciclar a Compostar” inclui-se no âmbito das estratégias delineadas pelo Município de Caminha na área da sustentabilidade ambiental, nomeadamente no que se refere ao desenvolvimento de um sistema de recolha de biorresiduos, promovendo a redução da deposição em aterro.

317650994_530740869097031_3085947068172069322_n.jpg

Quem vive em Caminha e ainda não tem um compostor doméstico pode agora consegui-lo. Depois de uma primeira fase, a segunda disponibiliza equipamentos para todo o concelho, bastando que os candidatos sigam o procedimento habitual inscrevendo-se junto da Câmara Municipal, através do formulário próprio que se encontra online.

Ao todo serão investidos neste projeto amigo do ambiente 84 327, 00 euros. A operação “Reciclar a Compostar” tem como objetivo principal a redução do envio de biorresíduos para aterro, através da promoção da sua separação na origem e valorização para compostagem, através da implementação de medidas de incentivo e promoção da compostagem doméstica junto da população local e das entidades parceiras.

O projeto preconiza a estratégia do Município de Caminha no domínio de gestão de resíduos urbanos e do seu papel na transição para um modelo de economia circular, conforme previsto no Plano de Ação PAPERSU 2020 aprovado pelos órgãos municipais.

O Município de Caminha apresentou candidatura a financiamento para implementação do projeto ao Aviso n.º 8247/2021, do Fundo Ambiental, referente ao programa “Biobairros – da terra à terra”, no montante 36.480.00 euros (IVA incluído), que foi aprovada e que viabilizou a execução de uma primeira fase do projeto.

O projeto em curso prevê a promoção, junto da população local e das entidades parceiras, da compostagem doméstica através da distribuição porta-a-porta de compostores, distribuição nos estabelecimentos escolares do concelho e ainda aos utilizadores de parcelas das Hortas Urbanas – Quinta da Barrosa, incentivando à reciclagem na origem e à transformação de biorresíduos em composto. Neste âmbito, o Município de Caminha adquiriu compostores domésticos, para distribuição em duas freguesias do concelho (União da Freguesias de Caminha e Vilarelho e na freguesia de Vila Praia de Âncora), aos utilizadores de parcelas das Hortas Urbanas – Quinta da Barrosa bem como aos 23 estabelecimentos de ensino do Agrupamento de Escolas do concelho.

Em outubro de 2022, o Município apresentou candidatura ao programa “RecolhaBio – Apoio à Implementação de Projetos de Recolha Seletiva de Bioresíduos”, do Fundo Ambiental, para financiamento do projeto “Reciclar a Compostar (2ª Fase)”, com um investimento previsto de 47.847.00 Euros (IVA incluído), e que mereceu aprovação.

Esta 2ª fase do projeto pretende complementar as ações em curso no concelho de Caminha no âmbito das medidas ou ações destinadas a promover a redução da deposição de resíduos em aterro, alargando a área territorial de abrangência do mesmo, estando prevista a implementação de medidas de promoção da redução de deposição de resíduos de aterro, através das seguintes ações:Recolha seletiva de biorresíduos, nomeadamente ao nível da contentorização, nos eventos de grande dimensão promovidos pelo Município de Caminha; Promoção da compostagem doméstica nas restantes 12 freguesias do concelho; Promoção da compostagem doméstica nas diversas Instituições de Particulares de Solidariedade Social do concelho; Promoção da compostagem comunitária nas freguesias de Lanhelas, Seixas, União das freguesias de Caminha e Vilarelho, União de Freguesias de Moledo e Cristelo, Vila Praia de Âncora e Âncora; Concretização de iniciativas e atividades de sensibilização e de capacitação que contribuam para a adequada separação, para a divulgação da localização dos equipamentos, para a correta utilização dos equipamentos e para a utilização do composto resultante do desvio e reciclagem na origem dos biorresíduos.

Nos âmbitos acima referidos, o Município de Caminha pretende adquirir compostores domésticos e baldes para deposição de resíduos, para distribuição aos agregados familiares das freguesias de Âncora, Vile, Riba de Âncora, Seixas, Lanhelas, Vilar de Mouros, Argela, Dem, União das Freguesias de Arga (Baixo, Cima e São João), União das Freguesias de Moledo e Cristelo, União de Freguesias de Gondar e Orbacém e União de Freguesias de Venade e Azevedo.

A promoção da compostagem doméstica será também realizada junto das diversas Instituições de Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho que pretendam aderir. Em todos estes estabelecimentos existe produção de biorresíduos, quer de origem alimentar, dos refeitórios e cozinhas, quer resíduos verdes, com origem nos jardins e hortas existentes nos mesmos. Estes motivos, aliados à importância do projeto em termos ocupacionais para os utentes das instituições em causa justificam a implementação e o seu envolvimento no projeto.

Como projeto-piloto no âmbito da compostagem comunitária pretende-se ainda implementar 6 ilhas de compostores comunitários, em espaço público ou em áreas condomínios residenciais, envolvendo as Juntas de Freguesia bem como os colaboradores das mesmas, nomeadamente ao nível da gestão desses equipamentos e ao nível da sensibilização da população.

Prevê-se que sejam abrangidas pela instalação das ilhas de compostores comunitários as freguesias da área urbana do litoral do concelho, por serem aquelas onde existe um maior número de edifícios de habitação coletiva e moradias sem logradouro ou jardim que permitam a instalação de compostor doméstico. Serão abrangidas por estes equipamentos as freguesias de Lanhelas, Seixas, União das freguesias de Caminha e Vilarelho, União de Freguesias de Moledo e Cristelo, Vila Praia de Âncora e Âncora.

O projeto inclui ainda implementação de recolha seletiva de biorresíduos, nomeadamente ao nível da contentorização, nos eventos de grande dimensão promovidos pelo Município de Caminha. Para este efeito, serão adquiridos contentores destinados à deposição dos resíduos orgânicos produzidos nas diversas unidades do sector de restauração que habitualmente estão presentes nos eventos referidos. A recolha seletiva dos resíduos alimentares será articulada evento a evento, de acordo com os procedimentos de recolha de resíduos planeados para cada um.

A concretização de iniciativas e atividades de sensibilização e de capacitação está prevista através da realização de diversas ações de sensibilização, informação, formação e comunicação dirigidas aos público-alvo e às entidades parceiras. Serão produzidos conteúdos, a disponibilizar no site e plataformas digitais do Município, bem como realização de diferentes campanhas de comunicação.

MUNICÍPIO DE PÓVOA DE LANHOSO DISPONIBILIZA FORMAÇÃO EM AGRICULTURA

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso já se encontra a disponibilizar nova formação ligada à Agricultura Biológica, uma resposta que surge no seguimento do sucesso alcançado com um conjunto inicial de sessões, que decorreu em 2022, no âmbito das Hortas Comunitárias.

Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso disponibiliza formação em agricultura  (3).JPG

Qualquer pessoa com interesse no tema pode participar. A primeira sessão de formação do presente ano abordou a temática das Podas de Árvores Ornamentais e decorreu no passado dia 10 de janeiro.

De momento, está prevista a realização de mais três sessões, que irão abordar assuntos específicos: Plantas suculentas (6 de fevereiro); Multiplicação de plantas aromáticas/medicinais (chás) (6 de março); e Multiplicação de plantas – métodos (3 de abril).

Estas formações estão a decorrer no edifício do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos, sempre no horário entre as 18h00 e as 19h00.

A participação é gratuita, sem necessidade de inscrição. Às pessoas interessadas nestas sessões, basta apenas comparecer.

COURENSE FILIPA GUERREIRO APRESENTA HOJE NA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN O SEU LIVRO “COLÓNIAS AGRÍCOLAS”

A sessão de apresentação tem lugar às 18h30

Apresentação e debate em torno do livro 'Colónias Agrícolas' de Filipa Guerreiro, em conversa com Frederico Ágoas (sociólogo), João Gomes da Silva (arquitecto paisagista) e moderação de André Tavares.

Capturarfilipag.JPG

Apresentação organizada em colaboração com a Biblioteca de Arte Gulbenkian, um lugar que proporciona condições singulares de preservação e utilização de documentação e que foi uma das fontes utilizadas na construção deste livro.

A publicação do livro Colónias Agrícolas e a realização do respectivo filme foram possíveis graças ao financiamento do Programa Garantir Cultura. A edição teve o apoio do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo / Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.

Imagem | Colónia Agrícola de Pegões © Mário Novais. Biblioteca de Arte / Fundação Calouste Gulbenkian

Capturarcoloniaagric (1).JPG

MINHO: MULHER MOVENDO RODA DE ÁGUA

Vulgarmente conhecida por “roda de tirar água”, este engenho hidráulico é pouco conhecido no Minho. Trata-se de um sistema destinado a tirar água dos poços ou pequenas ribeiras com recurso ao emprego da força humana com força motriz.

Tradicionalmente, à semelhança da nora, a roda possui alcatruzes de barro que com o movimento da roda enchem-se de água sendo normalmente despejada para um pequeno aqueduto de irrigação. Era frequentemente utilizada para regar a horta ou pequenos terrenos de cultivo. O movimento da roda era feito pelo homem ou mulher caminhando sobre a mesma.

Foto: Edouard Boubat

Capturarrega (2).JPG

MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO PROMOVE FORMAÇÃO GRATUITA EM AGRICULTURA

Após uma série inicial de sessões ligadas à Agricultura Biológica, que decorreu no âmbito das Hortas Comunitárias, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso vai dar continuidade a todo este processo, disponibilizando novas formações. A primeira, já no dia 7 de novembro; as seguintes, no próximo ano.

A primeira sessao de formacao (Podas fruticolas) decorre no dia 7 de novembro.jpeg

De momento, estão previstas mais cinco sessões, que irão abordar aspetos específicos, como: Podas frutícolas (no próximo dia 7 de novembro); Podas ornamentais (9 de janeiro de 2023); Plantas suculentas (6 de fevereiro de 2023); Multiplicação de plantas aromáticas/medicinais (chás) (6 de março de 2023); Multiplicação de plantas – métodos (3 de abril de 2023).

Estas formações irão decorrer nas instalações do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos. As sessões serão sempre no horário entre as 18h00 e as 19h00.

A participação é gratuita, sem que haja necessidade de realizar inscrição. Às pessoas interessadas em beneficiar destas sessões, bastará comparecer.

MUNICÍPIO ARCUENSE SOLICITOU PÓLO DE INOVAÇÃO RURAL PARA O CONCELHO

Secretário de Estado da Agricultura em Arcos de Valdevez

A Câmara Municipal considera que o desenvolvimento rural contribui para o desenvolvimento Económico ao contribuir para a dinamização da produção e do comércio local, promove e valoriza os produtos arcuenses, de qualidade e genuínos. Cria emprego e rendimento para as pessoas; promove a fixação e atração de pessoas e investimento; contribui para a Preservação e valorização do património natural, prestando relevantes serviços de ecossistema ambientais, sociais, culturais e de recreio; contribui para a mitigação das alterações climáticas, para o sequestro de carbono e para a preservação da biodiversidade; promove a Cultura, pois “favorece a preservação e valorização de tradições e saberes ancestrais, reforça a identidade local e sensibiliza a comunidade para a importância e qualidade da produção e consumo dos produtos locais”.

polo de Inovação Rural 2 (5).JPG

Neste sentido, no âmbito da visita do Secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho a Arcos de Valdevez, o Presidente da Câmara, João Esteves, solicitou apoio financeiro à Secretaria de Estado da Agricultura para a criação de um Pólo de Inovação Rural em Arcos de Valdevez nas instalações do antigo centro de formação, em Monte Redondo.

Com este Pólo, com abrangência regional, pretende-se promover a inovação e o desenvolvimento de produtos e tecnologias, prestar apoio tecnológico, marketing e design aos produtores, promover a experimentação e demonstração de produtos e tecnologias emergentes, dinamizar o empreendedorismo, criar espaços para a incubação e espaços de formação.

O autarca revelou que este Pólo de inovação rural “terá a ajuda do sistema científico e tecnológico, no caso concreto do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), mas também das associações de produtores e com todos aqueles que possam, efetivamente, contribuir para a promoção da inovação no setor.

Esta solicitação foi bem acolhida por Rui Martinho que afiançou que o “Ministério da Agricultura faz questão de fazer parte deste processo e de estar envolvido neste projeto concreto de apoio aos agricultores”.

João Esteves solicitou também apoio no reforço dos apoios aos agricultores, no âmbito da PEPAC, pois os mesmos “são importantes para a criação de rendimentos aos agricultores do concelho, o que contribui para a fixação da população e para passar esta crise e como tal devem ser alargados a outros e reforçados montantes dos apoios às atividades no mundo rural, nomeadamente na região.”

BRAGA: QUINTA PEDAGÓGICA LANÇA CARTA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL

A Quinta Pedagógica de Braga lançou a Carta para uma Alimentação Saudável e Sustentável, com foco nos produtos biológicos e com receitas tradicionais. A partir dos produtos biológicos da Quinta e das suas actividades lúdico-pedagógicas, este documento contém conselhos e estratégias para promover uma alimentação saudável junto da população, através de receitas elaboradas pelo Chef de Fábio Bernardino.

CMB20102022SERGIOFREITAS00021513812312.jpg

Durante a apresentação do livro, o vereador do Ambiente destacou a importância desta iniciativa como forma de educar os mais novos para uma alimentação saudável e sustentável. Altino Bessa destacou a vertente de sensibilização do projecto, que privilegia a utilização dos produtos sazonais da região. “Este é um livro de sustentabilidade ambiental e alimentar e surge de um desafio lançado ao Chef de Fábio Bernardino, para elaborar receitas inspiradas e identificadas com os produtos produzidos na Quinta Pedagógica. Este documento é direccionado para o público escolar, mas também para as famílias e grupos seniores e reflecte toda a prática pedagógica no âmbito da promoção de hábitos saudáveis e respeito pelo mundo rural”, referiu Altino Bessa, adiantando que o livro será distribuído pelas escolas e Juntas de Freguesia do Concelho.

Como forma de promover esta iniciativa, foi realizado um workshop de cozinha pelo Chef Fábio Bernardino, com a presença de duas turmas de alunos do Centro Escolar de S. Frutuoso que aprenderam conceitos e elaboraram algumas receitas. Carla Sepúlveda, vereadora da Educação, lembrou que educar para uma alimentação saudável, biológica e sustentável “é um dos eixos prioritários” da estratégia adoptada pelo Município no projecto educativo local. “Acreditamos que é a partir da educação que podemos alterar trajectórias menos optimistas para a sociedade. A Quinta Pedagógica tem sido fundamental na difusão de boas práticas no ‘circulo’ da educação para a alimentação saudável e sustentável e com esta Carta, apresentada de forma apelativa e com receitas práticas, as crianças têm a oportunidade de conhecer novos sabores e novos produtos”, referiu.

A Carta para uma Alimentação Saudável e Sustentável é um projecto de sensibilização que reflecte para a importância de uma alimentação saudável, com maior consumo de frutas e legumes, a par de alimentação mais sustentável ambientalmente, com o consumo de produtos locais, de época, produzidos com técnicas de agricultura biológica e com menor pegada ecológica.

Além dos textos e receitas da autoria do Chef de Fábio Bernardino, o livro conta com a ilustração, paginação e design gráfico de Daniela Oliveira, aluna de mestrado na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Pode aceder à Carta para uma Alimentação Saudável e Sustentável da Quinta Pedagógica de Braga em: https://bit.ly/3DcKlal

CMB20102022SERGIOFREITAS00021513812299.jpg

CMB20102022SERGIOFREITAS00021513812294.jpg

CMB20102022SERGIOFREITAS00021513812297 (6).jpg

CMB20102022SERGIOFREITAS00021513812304 (6).jpg

VIANA DO CASTELO: O QUE É O RAPÃO?

O rapão é um moço de lavoura que se ocupava preferencialmente no trabalho de adubação das terras com estrume produzido nas cortes dos animais, nos detritos, tojos e ervagens que se roçavam nas bouças, constituindo genericamente matéria vegetal em decomposição, aquilo que modernamente se designa por compostagem.

Como utênsilios de trabalho empregavam nomalmente sacholas e forquilhas, por vezes também outrora designadas por rapão em virtude da sua função.

0001_Mrapõesperre (5).jpg

0001_Mrapões2 (7).jpg

0001_Mrapãoperre (2).jpg

0001_Mrapao (1).jpg

Fonte: Arquivo Municipal de Viana do Castelo

PAN QUER INTRODUZIR “VEÍCULOS ELÉTRICOS” NAS ENCOSTAS ÍNGREMES DO MINHO – EIS COMO EXISTEM PARTIDOS QUE ESTÃO LONGE DA REALIDADE!

O Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai dar hoje entrada no Parlamento de uma iniciativa que pretende interditar a utilização de animais como meio de tração de veículos, em Portugal.

Tomando como exemplo a aldeia de Sistelo em Arcos de Valdevez, com uma orografia semelhante a muitas outras aldeias do Minho, qual será o meio de tração que o referido partido aconselhará a utilização nestas estreitas e íngremes leiras? São os tratores elétricos…

sistelo_003_1_970_2500_1_1024_2500 (2).jpg

PÓVOA DE LANHOSO: PROJETO DAS HORTAS COMUNITÁRIAS RETOMA SESSÕES DE FORMAÇÃO GRATUITAS SOBRE AGRICULTURA BIOLÓGICA

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso já retomou as sessões de formação sobre agricultura biológica, a decorrer no âmbito do projeto das Hortas Comunitárias.

Hortas Comunitarias da Povoa de Lanhoso (3).jpg

Com a aproximação do Outono (época das colheitas das suas hortícolas e frutas), é também a altura de preparar o terreno e de começar a planear a instalação de novas culturas nas hortas. Para auxiliar, o Município da Póvoa de Lanhoso, através dos serviços do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos, já retomou as formações semanais, estando previsto o seguinte calendário e temas: dia 13 de setembro - Fertilização orgânica da Horta; dia 19 de setembro - Compostagem (vermicompostagem); dia 26 de setembro – Atração de espécies auxiliares para combater pragas na Horta; dia 10 de outubro - Colheita e conservação dos produtos da Horta; dia 17 de outubro - Plano de sementeira/plantação e manutenção da Horta nas quatro estações.

As formações decorrem às 18h00, nas instalações do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos. A participação é gratuita, mas deverá ser realizada uma inscrição para centro.ambiental@mun-planhoso.pt.

Dinamizado pela Câmara Municipal, o projeto das Hortas Comunitárias engloba a disponibilização gratuita de terreno para cultivo, a utilização partilhada de utensílios e o fornecimento de água para rega, mas também abrange a possibilidade de as pessoas interessadas beneficiarem de formação. Existem ainda talhões disponíveis para cedência. Estes localizam-se nas imediações do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos e podem candidatar-se famílias e entidades Povoenses.

Inscrições e informações: centro.ambiental@mun-planhoso.pt

VILA VERDE: CABANELAS REALIZA FEIRA DA AGRICULTURA E DOÇARIA

AGRIDOCE: A Feira de Agricultura e Doçaria está de volta a Cabanelas

Este ano, a Feira de Agricultura e Doçaria em Cabanelas regressa em força com um programa repleto de múltiplas e variadas atividades, que antecipam um fim de semana de grande convívio e boa disposição.

A Agridoce decorre nos próximos dias 10 e 11 de setembro, no parque da igreja da freguesia, e prepara-se para estar no centro das atenções pela excelência dos produtos do campo e das atividades tradicionais.

A iniciativa é organizada pela Paróquia da S.ta Eulália de Cabanelas com o apoio da Junta de Freguesia de Cabanelas e integra a programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

305285793_5535904293191145_1812176144734731465_n.jpg

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ PARTICIPA NA 4ª EDIÇÃO DA AGROSEMANA - FEIRA AGRÍCOLA DO NORTE

O Município de Arcos de Valdevez marcou presença, na 4ª Edição da AgroSemana - Feira Agrícola do Norte, que decorreu no espaço AGROS, entre os dias 1 e 4 de setembro, numa iniciativa conjunta com a Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca.

agriarcobarc (1).jpg

João Manuel Esteves, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez marcou presença na iniciativa e participou como orador convidado na sessão sobre o papel das raças autóctones no desenvolvimento local.

João Manuel Esteves referiu que “o Município de Arcos de Valdevez no âmbito do Programa de Valorização dos Produtos e Produtores Locais, celebra anualmente um protocolo para o fornecimento de carne da cachena nos refeitórios escolares, em parceria, com Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez, o Agrupamento de Escolas de Valdevez, a Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Valdevez e a UNISELF”.

O Edil também referiu “o apoio municipal na comparticipação em 50% dos custos com a sanidade animal dos produtores locais de gado bovino, ovino e caprino” e ainda “o lançamento de mais uma iniciativa municipal a marca “Terras do Vez - Sabores e Tradições”, que consiste no apoio à divulgação e valorização dos produtos e produtores locais, com a atribuição de uma marca territorial e promoção em plataforma digital”.

No espaço de promoção de Arcos de Valdevez, os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer os vários produtos e potencialidades locais, bem como as várias iniciativas e incentivos, no âmbito do turismo em Arcos de Valdevez.

Com estas iniciativas a Câmara Municipal e os vários parceiros locais pretendem impulsionar a promoção da identidade do concelho e a sua afirmação territorial, aumentar a produção e a procura de produtos locais, fomentar novas ideias e conceitos de negócio e por conseguinte dinamizar o setor do turismo e a economia local.

agriarcobarc (2).JPG

ESPOSENDE PROMOVE-SE NA AGROSEMANA – FEIRA AGRÍCOLA DO NORTE

Presidente Benjamim Pereira presente na abertura

O Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, marcou ontem presença, na abertura da AgroSemana - Feira Agrícola do Norte, que decorre até domingo, no Espaço Agros, em Argivai, na Póvoa de Varzim. A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, representou o Governo na abertura do certame.

IMG-20220902-WA0001 (1).jpg

O Município de Esposende está presente no certame numa estratégia de promoção e valorização do território concelhio. Esta constitui, pois, uma oportunidade para dar a conhecer as potencialidades e os produtos locais, associando a este objetivo a divulgação de Esposende como um território excelente para viver, visitar e investir.

Fazendo-se acompanhar da Cooperativa Agrícola de Esposende, o Município aposta na divulgação e promoção da oferta local agrícola, como também de toda a segmentação turística e empresarial que o território concelhio proporciona e estimula.

Ciente de esta participação poderá constituir uma importante alavanca na promoção local, o Município garantiu um espaço onde podem ser obtidas informações ao nível do empreendedorismo e investimento territoriais, bem como de toda a oferta enquadrada no ESLocal, Programa de Incentivo à Produção e Consumo de Produtos Endógenos.

Simultaneamente, e com o objetivo de ir ao encontro de um público multifacetado e com interesses muito abrangentes, o espaço de Esposende transformou-se igualmente numa montra turística onde está também integrada toda a oferta alusiva à Estação Náutica de Esposende, entre outras valências, como o turismo gastronómico e cultural.

A AgroSemana - Feira Agrícola do Norte, cujo programa contempla um vasto leque de atividades pedagógicas e animação, funciona das 10h00 às 18h00, com entrada gratuita. A partir das 18h00, o ingresso é de 3,5 euros por pessoa, mas gratuito para as crianças até aos 12 anos. No último dia do certame, domingo, o acesso é gratuito.

IMG-20220901-WA0004.jpg

IMG-20220901-WA0015.jpg

IMG-20220901-WA0025.jpg

FAMÍLIAS COMEÇAM A CULTIVAL HORTAS COMUNITÁRIAS DA PÓVOA DE LANHOSO

As Hortas Comunitárias da Póvoa de Lanhoso já contam, neste momento, com seis talhões ocupados, que começam a ser cultivados pelos agregados do Concelho.

Hortas Comunitarias da Povoa de Lanhoso (5).jpg

Dinamizado pela Câmara Municipal, o projeto das Hortas Comunitárias engloba a disponibilização gratuita de terreno para cultivo, a utilização partilhada de utensílios e o fornecimento de água para rega, mas também abrange a possibilidade de as pessoas interessadas beneficiarem de formação. 

Esta formação iniciou no dia 27 de junho e conta, até ao momento, com quatro sessões realizadas, relacionadas sobretudo com a preparação do terreno. As próximas sessões realizam-se a partir de agosto, sendo que este interregno se destina a que as pessoas possam já ter oportunidade de plantar e de semear.

Existem ainda talhões disponíveis para cedência. Os talhões localizam-se nas imediações do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos (CICC) e podem candidatar-se famílias e entidades Povoenses. Já as pessoas interessadas podem juntar-se à formação que decorre, às segundas-feiras, a partir das 19h00, no CICC.

As próximas formações versam sobre os seguintes temas: compostagem (vermicompostagem); atração de espécies auxiliares para combater pragas na Horta; colheita e conservação dos produtos da Horta; e plano de sementeira/plantação e manutenção da Horta nas quatro estações.

A participação é gratuita. As inscrições devem ser realizadas para centro.ambiental@mun-planhoso.pt.

Hortas Comunitarias da Povoa de Lanhoso (7).jpg

Hortas Comunitarias da Povoa de Lanhoso (10).jpg

MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO IMPLEMENTA HORTAS COMUNITÁRIAS

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso já tem abertas as inscrições para as Hortas Comunitárias. Através deste projeto, que tem fins sociais e ambientais, a Autarquia vai ceder, de forma gratuita, talhões de terreno para cultivo.

Presidente da Camara Municipal da Povoa de Lanhoso apresenta Hortas Comunitarias.png

“Este projeto é especialmente importante, num tempo em que cada vez mais as famílias precisam de regressar à terra, de cultivar, se possível, os seus alimentos, de poderem, através da agricultura biológica, criar uma poupança no orçamento familiar. São vários os aspetos que consideramos relevantes e que podem contribuir positivamente para o dia-a-dia das famílias Povoenses”, refere o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Frederico Castro.

Podem inscrever-se famílias e entidades Povoenses e os talhões localizam-se nas imediações do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos. De entre outros aspetos, o projeto das Hortas Comunitárias prevê, não apenas a utilização partilhada de utensílios e a disponibilização de água para rega, como ainda a possibilidade de as pessoas inscritas poderem beneficiar de formação. 

Estas parcelas de terreno têm 30 metros quadrados e dispõem de um ponto de água individual e terra lavrada e estrumada. Neles poderão ser cultivados produtos hortícolas, flores de corte, plantas aromáticas, medicinais e condimentares, potenciando as consociações dos produtos de acordo com os princípios da agricultura tradicional e biológica.

Fomentar a prática da horticultura biológica como atividade pedagógica, criativa ou de lazer, de natureza comunitária; desenvolver hábitos alimentares saudáveis, promovendo a utilização de produtos vegetais provenientes de agricultura tradicional/biológica; complementar os recursos alimentares das famílias, reduzindo os encargos com a compra de produtos hortícolas; possibilitar o acesso à prática agrícola a quem não possui terrenos para esse efeito; e preservar práticas agrícolas tradicionais, incentivando a troca de experiência intergeracional, na área da horticultura, valorizando o conhecimento dos mais velhos, transmitindo-o às gerações mais novas, são os principais objetivos das Hortas Comunitárias.

Através das Hortas Comunitárias pretende-se ainda criar novas dinâmicas de usufruto e de utilização de um espaço tão aprazível como é o do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos, atraindo as pessoas envolvidas com estas atividades.

As pessoas/entidades interessadas devem consultar as Normas de Participação e Funcionamento (www.povoadelanhoso.pt) e formalizar a respetiva candidatura no Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos ou no Balcão Único (nos Paços do Concelho).