Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

RECORDANDO NÉLSON VILARINHO - O VILARINHO DE COVAS - UM DOS MAIS EXÍMIOS TOCADORES DE SEMPRE DE CONCERTINA DO ALTO MINHO!

“O Nelson cresceu a ouvir a concertina do tio benigno de gondarém, e outros tocadores. Um dia, e já tocador de harmónio, foi corrido de um baile por só saber tocar o RASPA, e por isso resolveu ir para Lisboa, jurando, só voltar a Covas, quando já soubesse tocar a concertina.

Capturar1

O Nelson, em Lisboa foi arvoeiro e no Alentejo foi vendedor de refrigerantes, onde era conhecido pelo cana verde. Quando chegou aos vinte anos regressou a Covas com uma concertina comprada na feira da Malveira e a tocar como um grande artista.

O Nelson nunca teve existência lega, nunca foi à tropa e passou a correr todas as feiras e romarias, desde Cerveira a Ponte de Lima, de Caminha a Paredes de Coura e arredores. Tocava, cantava, dançava e espalhava alegrias. Desde a Srª da Cabeça a S. Bento de Seixas, da Peneda a S. João d'Arga. Sempre solteirinho e bom rapaz, o Nelson acabou casado, mas já na casa dos cinquenta.

Em 1959, graças ao seu grande amigo, o Doutor Pedro Homem de Melo, o “Vilarinho” vai pela 1.ª vez à televisão. Daí grava o seu 1.º disco com as seguintes músicas: Rosinha de Covas, Fandango, Regadinho de Covas, Gota de Covas e o Ribeirinho. O Nelson, de Covas (concelho de Vila Nova de Cerveira).

De harmónio à banda, a melena sobre a testa, misto de gladiador e de poeta, fazendo, sozinho, a festa e deitando os foguetes, cantando e bailando, onde quer que haja um adro ou uma eira, e pronto, sempre, a embandeirar ,em arco, a serra, a beira rio ou a praia, com a chama da sua presença, ele encarna “o rapaz com o cravo na boca” da lenda portuguesa, que todos e a ninguém dá a flor que leva, ou melhor, que esfolha, à mercê da brisa, deixando, ao passar, um rasto de aroma silvestre...”.

O Nelson tudo venceu e hoje é uma figura lendária no Alto Minho, que muitos não o vão esquecer.”

Texto: Manuel D. Loureiro