Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PAREDES DE COURA REALIZA POESIA

REALIZAR: poesia

Manel Cruz - Manuel Freire - Abi Feijó – José Milhazes

Paredes de Coura | 25 a 28 abril

O mês de abril em Paredes de Coura já não passa sem o REALIZAR: poesia. Ao longo de quatro dias, entre 25 e 28, Coura preenche-se com palavras sábias, palavras inspiradoras, que percorrem espaços como o edifício da Câmara Municipal, a Biblioteca Aquilino Ribeiro, o Quartel das Artes, as Caixa da Música e dos Brinquedos, mas também a rua, praças, cantos e recantos desta bonita vila no coração do Alto Minho, para que todos, mesmo todos, desfrutem de tão importante partilha de cultura e conhecimento.

imagepppcu.png

Promovido pelo Município de Paredes Coura, é precisamente na tarde de 25 de abril, essa data histórica que tanto nos diz, que se abre esta 4ª edição do REALIZAR: poesia. “Sobre a Liberdade” é o mote da conversa inaugural. Mário Moutinho, José Milhazes e Carlos Lage, entre outros, abrem o tema ao debate, com moderação da jornalista Carla Carvalho e apontamentos musicais de Blandino. José-Alberto Marques, figura histórica do nosso concretismo literário, assume a performance poética que fecha a mesa.

música + curtas + teatro + fotografia + livros

Mais uma vez, ao longo desta edição do REALIZAR:poesia os livros são protagonistas: “A Arte da Fuga” de André Tecedeiro, do catálogo da Do Lado Esquerdo; com tradução de Adolfo Luxúria Canibal, pela Livraria Snob, é apresentado “33 POESIAS-VLADIMIR MAIAKVOSKI”;  da FLOP chega “Para acabar de vez com o juízo de Deus e outros textos finais (1946-1948)” de Antonin Artaud, em tradução de Pedro Eiras; pela Abysmo, “O Espólio do Sr. Maomé” é o mais recente livro de José-Alberto Marques; “Pequeno Roteiro Cego” de Levi Condinho é apresentado por Miguel Martins; e a “Obra Poética” de Georg Trakl  numa tradução de António de Castro Caeiro.