Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PAREDES DE COURA É SIMPLEX

ópera cómica multimédia

6 março - 21h30 | Centro Cultural

O Centro Cultural de Paredes de Coura recebe na próxima 6ª feira, 6 de março, pelas 21h30, a ópera cómica multimédia “Simplex”.

Com libreto de Carlos Tê e José Topa, e encenação de António Durães, “Simplex” poderá traduzir-se numa “farsa campestre de contornos neo-românticos”, como sugere o libretista Carlos Tê, ou “uma vila velha de pinheiros transformada em vila nova de sobreiros pela mão de um Sobral, Amadeu, salvador e tudo”, como sugere o homólogo José Topa.

Sob a composição de Telmo Marques, o elenco de “Simplex” está entregue a Teresa Nunes (soprano), Miguel Leitão (tenor), Crispim Luz (clarinetista), Sérgio de A (pianista) e a Susana Lima (violoncelista), que nos remetem, em traços gerais, para a seguinte história: a repórter Geneviève chega a Vila Velha do Pinheiro a meio do discurso fúnebre do presidente da junta, Amadeu Sobral – numa homenagem a uma personalidade local. A repórter aborda o presidente sobre os métodos revolucionários da junta – simplex. O autarca explica as virtualidades implantadas por ele, tão avançadas em termos tecnológicos para tão recôndita vila portuguesa. Tudo se deve à vinda de BJ, um americano que se rendeu aos encantos da serra e é ‘adviser’ do presidente em todo o género de ‘start-ups’ rurais. O presidente convida a jornalista a conhecer a terra e os planos da autarquia. Geneviève vai-se rendendo aos encantos de Vila Velha do Pinheiro e a outros, que o coração não é de pedra. Telefonemas inoportunos, televisões avariadas, cupidos confluem para uma cerimónia final. Viva o amor, viva o avanço tecnológico, viva Vila Velha do Pinheiro!

Uma ópera cómica envolta nas subtilezas tecnológicas num possível retrato dos nossos dias, trazida até nós numa produção do Quarteto Contratempus 2019, com coprodução do Teatro Municipal do Porto, e que esta 6ª feira é levada à cena no Centro Cultural de Paredes de Coura.