Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

NOVO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO DA EDP EM ÂNCORA MELHORA CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Empresa prepara instalação de mais um equipamento semelhante na freguesia

A EDP Distribuição construiuum novo Posto de Transformação (PT) no Lugar de Trindade, Âncora, respondendo assim às solicitações da população e da autarquia, que reclamavam sobre a Baixa Tensão, que provocava alguns constrangimentos no fornecimento de energia elétrica. Cerca de uma centena de habitantes ficam desde já beneficiados, mas a empresa está também a trabalhar noutro investimento na mesma freguesia, mais um PT, desta vez na zona de Igreja.

Âncora 1 (1)

O final e 2015 trouxe uma importante melhoria no fornecimento de energia elétrica à população de Trindade e das imediações, concretizada através da entrada em funcionamento do novo PT, momento a que assistiram o diretor de Redes e Clientes Norte da EDP Distribuição, Mário Guimarães, assim como o autarca de Âncora, António Brás, e o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves.

No âmbito desta obra foi estabelecido um posto de transformação que tem uma potência instalada de 160 KVA, construídos 0,190 quilómetros de rede de Média Tensão e remodelados 2,1 quilómetros de rede de Baixa Tensão, envolvendo um investimento, como referimos, de 30 mil euros.

Cerca de 100 instalações foram abrangidas imediatamente pelas novas infraestruturas.

De acordo com a EDP Distribuição, “ficam assim eliminadas as quedas de tensão que já se faziam sentir nas instalações de utilização existentes, em resultado do aumento de consumo e da distância aos postos de transformação existentes”. Além disso, a EDP promete que “será minimizado o número de eventuais interrupções sentidas. Fica garantida a disponibilização de potência para satisfazer o expectável crescimento de consumos, quer na vizinhança das novas infraestruturas, quer das existentes”.

Âncora 1 (2)