Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MÁRIO MADEIRA EXPÕE PINTURA EM VIANA DO CASTELO

 

Mário Madeira Nasceu em Viana do Castelo, em 1963 Actualmente vive em Caminha. Autodidacta

 

Exposições:

1990 – Caffé Notte, Florença, Itália

1994 – Galeria D.E.A., Florença, Itália

1996 – Biblioteca Comunale di Sorano, Grosseto, Itália

1998 – Ex-Sinagoga di Sorano, Grosseto, Itália

1999 – Fortezza di Grosseto, Grosseto, Itália

2000 – “Senza Luce Senza Ombre” – Fortezza Orsini, Itália

2001 – “Sem Luz Sem Sombra”, Galeria Barca d’Artes, Viana do Castelo

2003 – Galeria Municipal de Caminha

2004 – Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira

2004 – Galeria Etnia, Caminha

2005 – Casa das Artes, Arcos de Valdevez

2005 – Auditório de Santa Marta de Penaguião

2005 – Galeria Etnia, Caminha 2006 – Galeria Municipal de Caminha

2009 – Galeria ISPA, Lisboa

2009 – Casa-Museu de Monção

2011 – Galeria Municipal de Caminha

2011 – Galeria Quadras Soltas, Porto

2011 – Galeria ISPA, Lisboa

2011 - Fundaçâo Lapa do Lobo, Nelas

2012 - Associação Caminharte, Caminha

2013 - Fundaçâo Lapa do Lobo, Nelas

2015 - Casa Manuel Espregueira, Viana do Castelo

Liberdade e Inquietação

Liberdade e Inquietação são as primeiras palavras que me ocorrem a propósito de Mário Madeira. Os seus trabalhos possuem uma atmosfera visual própria. As cores, a abordagem dos elementos figurativos com simplicidade abstracta e a liberdade temática, reflectem uma atitude artística imune ao, tão habitual nos tempos que correm, “marketing artístico”, com as suas imposições de falsa coerência estilística para responder a mercados de consumo de arte. Na pintura do Mário, pressente-se um momento vivencial em cada tela. Adivinha-se uma inquietação permanente no processo criativo. O resultado respira liberdade e cheira à primazia do prazer de criar sobre todas as outras considerações artísticas. A cumplicidade é a melhor forma de olhar esta pintura.

(texto de apresentação de Carlos da Torre no catálogo da exposição)