Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAFE APRESENTA EM LIVRO A VITELA À MODA DE FAFE

Obra “A Vitela Assada à Moda de Fafe - do pasto ao prato” apresentada na Biblioteca Municipal de Fafe

Depois de ter sido apresentada aos participantes do V Capítulo da Confraria da Vitela Assada à Moda de Fafe, em 17 de Novembro, a obra “A Vitela Assada à Moda de Fafe - do pasto ao pratodos investigadores e confrades Artur Coimbra e Paulo Moreira, teve finalmente lançamento público um mês depois, na Biblioteca Municipal de Fafe.

810_5365A

A sessão foi antecedida por um momento musical protagonizado pelo Grupo de Cavaquinhos da Associação dos Antigos Professores, Funcionários e Alunos da Escola Industrial e Comercial de Fafe (AAPAEIF), sob a direcção de Fernando Peixoto Lopes.

810_5384A

A mesa integrou um painel de confrades: os co-autores da obra, o Grão Mestre Ribeiro Cardoso e Pompeu Martins, Vereador da Cultura e Turismo do Município de Fafe.

Artur Coimbra abriu a sessão referindo que se trata do “primeiro livro totalmente dedicado ao ex-líbris da gastronomia fafense, uma obra que já há alguns anos bailava no nosso espírito como necessidade de lhe dar vida e que finalmente chega à luz do dia”. Partilhou depois que a fama da vitela assada já vem de longe, tendo mais de um século as referências a esta matéria, sendo que já em 1886, há mais de 130 anos, José Augusto Vieira, autor de O Minho Pitoresco, dizia ser “afamada a vitela de Fafe”.

810_5367A

A vitela assada à moda de Fafe é um verdadeiro ícone da gastronomia fafense, comummente reconhecido. A sua coroa de glória. O seu manjar mais apetecido e divulgado desde há séculos, aproveitando os recursos locais, como é o caso da criação de gado nas nossas aldeias.

Por isso, a Confraria da Vitela Assada não poderia deixar de se empenhar na publicação de uma obra que tem em vista dar a conhecer um dos pratos mais famosos e emblemáticos da gastronomia regional das terras minhotas, que em Fafe atinge a sua maior expressão e notoriedade gastronómicas, tornando-o por isso famoso em todo o país e além-fronteiras.

810_5369A

É pela sua especificidade, pelo carinho posto na sua confecção e pela qualidade dos produtos nele utilizados que este prato atingiu a celebridade e a fama que hoje todos, de todos os lados, lhe conhecem e são muitos aqueles que a Fafe se dirigem propositadamente para degustarem este magnífico manjar dos deuses…

O co-autor passou depois em revista os traços essenciais da obra, começando pela investigação da produção da vitela, das raças barrosã, minhota ou cruzada, incluindo depois, a própria receita da vitela assada em forno de lenha, em assadeira ou pingadeira de barro, bem como um capítulo sobre a vitela na tradição literária fafense, dado que foi objecto de alusões de homens das letras locais, sobretudo poetas, em diferentes momentos do século XX. E a enumeração dos confrades que fundaram a Confraria e os que foram entrando ao longo dos anos, bem como dos corpos gerentesque a orientam.

810_5374A

A obra relata a história da formação da Confraria, que arrancou há um bom par de anos, em 2000, quando se realizou o I Festival Gastronómico “Vitela assada à Moda de Fafe”, para fixar o método e as técnicas de confecção do receituário tradicional, bem como as linhas gerais dos seus diversos capítulos, desde 2013, quando foram entronizados os primeiros confrades e sobretudo desde 2015, quando a Confraria ganhou novo fôlego e elegeu os seus primeiros corpos gerentes.

Um capítulo aborda igualmente os festivais da vitela assada promovidos anualmente pela Câmara Municipal de Fafe, de 2014 até ao ano em curso, e nos quais a Confraria tem a sua colaboração.

E também a simbólica da Confraria, o traje, o escapulário, a bandeira, as cores de cada um deles e o seu significado.

810_5376A

Nas derradeiras páginas, antes da reprodução dos estatutos da agremiação, há ainda alusões ao saboroso pão de ló e aos doces de gema de Arões e de Fornelos, bem como ao vinho verde que acompanha na perfeição a degustação do suculento prato.

Seguiu-se a intervenção do co-autor Paulo Moreira, que se centrou as suas palavras a montante do prato, na questão do gado. Referiu, designadamente, que os animais bovinos que primeiramente eram usados na confecção da vitela assada à moda de Fafe eram da raça barrosã, tendo, por mor decréscimo de efectivos, começado igualmente a ser utilizados bovinos da raça minhota, também conhecida por galega. “Tendo uma tipologia genética algo diferente, ambas as raças davam, e dão, carne com excelente qualidade para a confecção desta iguaria e, hoje, usam-se ambas indiscriminadamente, se bem que os mais ortodoxos apreciadores deste prato, digam que não há nada melhor para confeccionar este prato que a vitela barrosã”.

Abordou assim, sinteticamente, as duas raças, a sua origem, as suas características genéticas, a sua alimentação, o seu habitat natural, a área territorial onde actualmente existem os efectivos, bem como as suas qualidades de carcaça, com base nas informações das associações do sector.

O Grão-Mestre Ribeiro Cardoso usou também da palavra para referir que a Confraria, apesar de muito recente, tem já uma existência pautada por actividades e realizações, que lhe conferem um lugar cativo no movimento associativo e gastronómico.

Felicitou os autores da obra e falou da excelência do prato, que honra a gastronomia de Fafe e do país, manifestando o desejo de que a vitela se torna uma iguaria “imortal”.

Finalmente, a encerrar a sessão, interveio o confrade e Vereador Pompeu Martins, que justificou o voto de louvor aprovado por unanimidade pela Câmara em 13 do corrente à Confraria e aos autores da obra, que nunca anteriormente havia acontecido quanto a livros mas que o Executivo abriu uma excepção porque este tem características muito especiais.

O autarca lembrou, tal como o referido na deliberação aprovada, que “esta obra se reveste da maior importância para o reforço da identidade cultural do nosso concelho, contribuindo de forma relevante para o processo de certificação deste prato que é o ex-libris da gastronomia local”.

Terminou felicitando os co-autores da obra e o contributo que deram para o reforço da auto-estima e da identidade cultural do concelho.

A Vitela Assada à Moda de Fafe - do pasto ao prato”, obra profusamente ilustrada e inteiramente a cores, com 144 páginas, tem apoio à edição de diversas empresas, instituições e unidades de restauração, a maioria associados da Confraria da Vitela Assada.

810_5369A