Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAFE APOIA FAMÍLIAS CARENCIADAS

Medidas sociais apresentadas em Janeiro, em 3 meses: Mais 200 famílias estão a ser apoiadas pela Câmara Municipal de Fafe

100 alunos do ensino superior beneficiam de Bolsas de Estudo O programa social lançado pela câmara municipal de Fafe apoia, desde que foi lançado, em Janeiro, mais de duzentas pessoas.

Atendendo ao atual cenário económico, cujo desemprego é um dos maiores flagelos que afeta jovens, menos jovens e agregados familiares inteiros, a Câmara Municipal de Fafe lançou, um primeiro pacote de novas medidas sociais, que representam um investimento superior a 200 mil euros e que estão divididas em 4 eixos, destinando-se a apoiar munícipes que se encontram em situação de comprovada carência económica, permanente ou pontual.

Três meses após a entrada em funcionamento, os números falam por si. São mais de duzentas as pessoas que o município está a apoiar, estando cerca de cem pedidos ainda em análise, nas várias áreas.

Os pedidos de atribuição de Bolsas de Estudo a estudantes do Ensino Superior do concelho são os mais frequentes. Com um orçamento de 100 mil euros para o ano de 2015, já foram beneficiados com este programa 106 alunos, num total de cerca de 45 mil euros investidos, estando, neste momento, alguns pedidos em análise.Com este apoio a autarquia pretende incentivar os alunos que revelam capacidades para prosseguirem os estudos, privilegiando aqueles que demonstrem dificuldades económicas e cujo agregado resida no concelho.

Outra das áreas que recebeu um número considerável de pedidos diz respeito ao Fundo Social de Emergência. Ao todo, estão a beneficiar deste apoio 80 pessoas, num investimento de mais de 6 mil euros, sendo o orçamento para esta área em 2015, de 30 mil euros.

Recorde-se que esta medida é destinada a agregados familiares ou indivíduos em situação comprovada de carência económica, e ainda a situações de emergência social, que resultem de insuficiência económica inesperada, ou relacionado com risco social e/ou de saúde, para a qual as entidades competentes nas respetivas áreas de atuação não possam dar resposta em tempo útil.

No que se refere ao Apoio à Renda, embora as candidaturas estejam disponíveis desde o início do ano, os pedidos começaram a ser feitos apenas em março. Neste momento, um mês depois, estão abrangidas pela medida 38 famílias, estando 53 pedidos em análise.

Para esta área está previsto um investimento, em 2015, de 100 mil euros, tendo sido gastos até agora, cerca de 3 200euros.Com este apoio, a autarquia atribui um subsídio a agregados familiares em que um dos elementos esteja desempregado e a pessoas que se encontrem em situação de comprovada incapacidade económica para suportar a totalidade da renda, quer no âmbito de um contrato de arrendamento, quer no âmbito de empréstimo bancário à habitação.Com este conjunto de medidas, a Câmara Municipal de Fafe quer garantir que os Fafenses mais carenciados possam ver aliviadas as suas dificuldades, nomeadamente em termos de alimentação, casa, educação e saúde.

O presidente da câmara municipal de Fafe, Raul Cunha, relembra que a área social é uma das prioridades deste executivo e que neste mandato a ajuda a quem mais precisa será uma constante.“A área social tem sido e vai continuar a ser uma das nossas prioridades. Quando fomos eleitos, fomos escolhidos para orientar o concelho, para ser o fio condutor dos munícipes. Se confiaram em mim e na minha equipa, não posso deixar de criar medidas de apoio, numa altura difícil como a que atravessamos”.

Raul Cunha esclarece ainda que o investimento nesta área é o garante para um concelho melhor.“As pessoas são o passado, o presente e o futuro de um concelho. Por isso, não podemos deixar de as apoiar, sob pena de perdermos o que de melhor temos”, disse, lembrando que “os munícipes serão sempre a prioridade deste executivo”.

Recorde-se que o novo programa social está a ser gerido pelo Serviço Social do Município, onde se devem dirigir as pessoas interessadas.