Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASA DE CAMILO APRESENTA O VOLUME "LEITURAS DA NATUREZA EM CAMILO CASTELO BRANCO"

“Leituras da Natureza em Camilo Castelo Branco” assinala 194.º aniversário do nascimento do escritor. Volume é lançado este sábado, 16 de março, pelas 16h00, em S. Miguel de Seide

Para assinalar o 194.º aniversário do nascimento de Camilo Castelo Branco, a Casa de Camilo vai apresentar, no próximo sábado, 16 de março, pelas 16h00, o volume “Leituras da Natureza em Camilo Castelo Branco”.

Capa do volume.jpg

A obra foi organizada por Sérgio Guimarães de Sousa e João Paulo Braga e insere-se na Coleção “Estudos Camilianos”. Esta coleção pretende reunir e dar a conhecer os estudos mais recentes realizados em torno da vida e da Vida e da Obra do romancista de São Miguel de Seide, e integra-se em um dos principais objetivos do Centro de Estudos Camilianos: consolidar-se, cada vez mais, como entidade que apoia e promove a investigação respeitante a análise de aspetos da biografia de Camilo e referentes à crítica literária da sua vasta bibliografia.

O presente volume “Leituras da natureza” apresenta ensaios de oito investigadores, que constituem, segundo os seus organizadores, “sintonias críticas no sentido de considerarem a prosa camiliana rica de consequências no tocante à natureza e aos seus correlatos”. Embora a ficção de Camilo se reporte ao período de oitocentos, durante o qual muitos dos temas sobre as problemáticas do ambiente não mereciam atenção e reflexão, ela adquire outro enriquecimento em ser tematicamente revista sobre o prisma da natureza. A paisagem física de diversas regiões, sobretudo do norte português, foi sobretudo apropriada pelo romancista para valorizar o desenvolvimento das suas narrativas, contrariando a interpretação de Guerra Junqueiro de que “não há, na obra de Camilo, uma árvore”.