Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

A VOLTA AO MUNDO DE FERNÃO DE MAGALHÃES

  • Crónica de Daniel Bastos

No segundo semestre deste ano assinalam-se os 500 anos da primeira viagem de circum-navegação do mundo, iniciada pelo navegador português Fernão de Magalhães em setembro de 1519 e concluída pelo explorador espanhol Sebastián Elcano, em setembro de 1522, após a morte do navegador luso.

Ferdinand_Magellan.jpg

Polémicas estéreis à parte, que recentemente sobrevieram na imprensa luso-espanhola a pretexto de uma pretensa “monopolização” portuguesa das Comemorações do V Centenário da Circum-Navegação, as fontes históricas sustentam que o intrépido navegador, nascido no seio de uma família nobre no norte de Portugal, realizou a primeira volta histórica ao mundo, ao serviço do rei Carlos I de Espanha, vindouro Imperador Carlos V do Sacro Império Romano-Germânico.

 O propósito da audaciosa viagem, que representou um dos maiores feitos da humanidade, visava demonstrar que as atuais ilhas Molucas, na Indonésia, à época conhecidas como as “Ilhas das Especiarias”, se encontravam do lado espanhol do mundo, podendo ser alcançadas navegando para ocidente. Indo assim ao encontro dos termos do Tratado de Tordesilhas, que no final do séc. XV, com o beneplácito papal, dividiu o mundo “descoberto e por descobrir” em duas partes, com os direitos de exploração, de cada uma delas, destinadas a Portugal (Oriente) e a Espanha (Ocidente).

Liderando uma frota de cinco navios, com 256 homens a bordo, Fernão de Magalhães dobrou a América do Sul, atravessando o estreito que hoje tem o seu nome, conseguindo desse modo alcançar após três meses de navegação no oceano Pacífico o arquipélago das Marianas, situadas na região do Oceano Pacífico ocidental. No entanto, Magalhães não sobreviveria ao fim da viagem, tendo sucumbido em 1521 nas Filipinas, já na rota de regresso a Espanha, tendo então o comando da expedição sido assumido por Elcano, que regressou a Sevilha em setembro de 1522, acompanhado de apenas 18 homens.

A volta ao mundo de Fernão de Magalhães deve obviamente ser comemorada e compartilhada por Portugal e Espanha, nações europeias pioneiras nos descobrimentos marítimas, que têm que assentar o seu valioso legado histórico no diálogo hodierno sobre a globalização, a diversidade cultural e a sustentabilidade ambiental.