Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

A MAÇONARIA NO MINHO EM 1935

Grande Oriente Lusitano dispunha de lojas e triângulos em Braga, Viana do Castelo, Âncora, Afife, Barcelos e Arcos de Valdevez

A Maçonaria viveu durante o Estado Novo um dos seus momentos mais difíceis. O deputado à Assembleia Nacional apresentou um projecto-de-lei sobre sociedades secretas visando a dissolução da Maçonaria.

Grao_Mestre_Norton_Matos.JPG

Em 27 de Março de 1935, a Câmara Corporativa, através de um extenso e detalhado relatório, emite o seu parecer favorável, documento que é publicado no Diário das Sessões da Assembleia Nacional em 2 de Abril de 1935. O documento veio subscrito por Domingos Fezas Vital, Afonso de Melo, Gustavo Cordeiro Ramos, José Gabriel Pinto Coelho e Abel de Andrade (relator).

A proposta de Lei é aprovada por unanimidade na Assembleia Nacional em 6 de Abril de 1935 e publicada em Diário do Governo, I Série, em 21 de Maio de 1935.

Em 31 de Janeiro de 1935, o General Norton de Mattos – à altura Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano – endereçou o seu protesto junto de José Alberto dos Reis, presidente da Assembleia Nacional e antigo maçon. Em 4 de Abril desse ano, apresenta a sua demissão de Grão-Mestre e a Maçonaria entra em triangulação ou seja, a sua organização em células com um número mínimo de três obreiros.

À altura da sua ilegalização, o Grande Oriente Lusitano contava no Minho com a seguinte organização:

Em Braga a loja Luz e Liberdade com 47 membros.

Em Viana do Castelo a loja Fraternidade com 75 membros.

Em Âncora a loja Vedeta do Norte com 12 membros.

Em Afife um triângulo com 6 membros.

Em Barcelos um triângulo com 4 membros.

Em Arcos de Valdevez um triângulo com 6 membros.

Capturarcamcorpmaç.JPG