Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

IDOSOS DE TERRAS DE BOURO DIVERTEM-SE EM DISCOTECA

Projeto Bem Envelhecer proporcionou atividade em Vila Verde

No âmbito do projeto Bem Envelhecer, o Centro Social e Paroquial de Cervães organizou uma acção intitulada “Um dia na Discoteca” e que proporcionou, no dia 24 de abril, a várias instituições sociais do nosso concelho uma deslocação a Vila Verde.

IMG-20190424-WA0001.jpg

Do programa, além da receção aos cerca de cem participantes na Discoteca Cervanis  constou também um almoço convívio na Quinta da Resela e, para culminar, a atividade intergeracional com a realização de jogos com alunos do Curso de Apoio Psicossocial da Escola Secundária de Vila Verde.

Sublinhe-se, por fim, que a realização desta iniciativa teve por objectivos: combater o isolamento social e os riscos de solidão; promover e apoiar o contacto com a sociedade; promover o contacto intergeracional; promover a atividade física e cognitiva; potenciar o convívio e troca de experiências entre os idosos das diferentes Instituições; contribuir para o enriquecimento cultural do idoso e vivenciar novas experiências de vida.

A ação contou com o apoio e colaboração, como é hábito, do Município de Terras de Bouro.

IMG-20190424-WA0002.jpg

IMG-20190424-WA0003.jpg

IMG-20190424-WA0005.jpg

IMG-20190424-WA0006.jpg

IMG-20190424-WA0010.jpg

IMG-20190424-WA0012.jpg

P_20190424_124709.jpg

P_20190424_124724.jpg

P_20190424_124756.jpg

P_20190424_151246_HDR.jpg

P_20190424_151303_HDR.jpg

P_20190424_151338_HDR.jpg

P_20190424_151400_HDR.jpg

P_20190424_151419_HDR.jpg

VILA VERDE DÁ VIVAS À LIBERDADE E AO 25 DE ABRIL

Cravos vermelhos e vivas à liberdade nas celebrações concelhias do ’25 de abril’ na Vila de Prado!

O dia nasceu cinzento, mas rapidamente se pintou em tons de vermelho. Da cor dos cravos que populares e militares carregavam a 25 de abril de 1974, quando derrubaram o regime totalitário e ditatorial do Estado Novo e devolveram a liberdade aos portugueses. Uma liberdade que por vezes se toma como garantida, mas que foi conquistada graças aos sacrifícios de homens e mulheres que lutaram e resistiram ao longo de quase cinco décadas de ditadura. Os cravos vermelhos encheram de cor a Biblioteca de Prado – Comendador Sousa Lima, na Vila de Prado, que recebeu as celebrações concelhias do 45ª aniversário do ’25 de abril’. A iniciativa resultou de uma organização conjunta entre o Município e a Assembleia Municipal de Vila Verde, com o apoio da Junta de Freguesia da Vila de Prado e do Regimento de Cavalaria 6 (Braga).

maipradovverd (4).JPG

As comemorações arrancaram pelas 09h00, em Vila Verde, com o hastear das bandeiras, a que se seguiu o desfile da fanfarra da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde. Perto das 10h00, a Biblioteca de Prado - Comendador Sousa Lima recebia um autêntico desfile de talento de coletividades e individualidades pradenses, que ajudaram a dar ainda mais brilho à sessão. A população e as individualidades convidadas foram recebidas pela Fanfarra da Vila de Prado e por uma largada de pombos ao que se seguiu um verdadeiro festival de folclore, taekwondo, teatro, música ligeira, fado… Uma demonstração clara que uma das vitórias de abril, o associativismo, está de boa saúde na Vila de Prado com a presença massiva das associações locais. A sessão prosseguiu com homenagens ao Clube Náutico de Prado, à Federação Portuguesa de Canoagem e ao mestre pasteleiro Miguel Lopes. Seguiram-se as intervenções do presidente da Junta de Freguesia da Vila de Prado, Albano Bastos, do presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, António Vilela, do presidente da Assembleia Municipal de Vila Verde, Carlos Arantes, e dos representantes dos diferentes grupos partidários com assento na Assembleia Municipal de Vila Verde. Sérgio Sales, da CDU, Cláudia Pereira, do CDS/PP, Conceição Alves, do PS, e Carlos Correia, do PSD.

maipradovverd (1).JPG

A importância do direito ao voto

O discurso de boas-vindas ficou a cargo de Albano Bastos, que vincou a honra de receber na Vila de Prado as celebrações concelhias “desta data tão especial e importante para as nossas vidas”. O presidente da Junta de Freguesia da Vila de Prado prosseguiu congratulando todos os que estiveram envolvidos na organização da sessão e aos intervenientes pelos excelentes espetáculos que proporcionaram, antes de lembrar uma grande conquista de abril. “O direito ao voto, o direito a eleger os representes que vão gerir os nossos destinos. No período democrático da nossa história, os governantes fizeram uma opção pela Europa. Uma opção lógica e natural, as vantagens de pertencermos a União Europeia são enormes. É certo que nem tudo é um mar de rosas no velho continente, mas é indiscutível que aqui ainda imperam os valores democráticos tão caros aos militares de abril”, referiu, acrescentando palavras de incentivo ao voto para todos os sufrágios eleitorais em geral e em particular nas eleições europeias que se avizinham. Para que usufruam plenamente de um direito que durante décadas foi retirado aos portugueses.

maipradovverd (2).JPG

“A esperança renasceu em Portugal”

Por sua vez, o presidente do Município de Vila Verde deixou rasgados elogios ao talento pradense. “Permitam-me que dirija aqui algumas palavras iniciais de saudação e de agradecimento pela excelente receção que aqui tivemos na Vila de Prado. Prado mostrou-se aqui ao mais alto nível com as suas instituições e com as suas organizações. Mostrou que tem dinâmica cultural, desportiva e associativa que muito valoriza a sua terra e as suas gentes. Parabéns para todas estas instituições”, afirmou.

António Vilela continuou exaltando as conquistas da revolução dos Cravos. “O 25 de abril devolveu aos Portugueses direitos fundamentais que ficaram consagrados na Constituição de 1976 e a esperança renasceu em Portugal. A igualdade e a tolerância em relação a diferentes credos e/ou ideologias; a liberdade de reunião e de associação; a livre formação de partidos políticos e o direito ao voto foram e continuam a ser os grandes pilares do nosso edifício democrático. O direito a uma vida digna, consubstanciado no direito à saúde, à habitação, à educação, ao trabalho e à greve são também grandes conquistas estruturantes deste regime democrático que hoje completa a bonita idade de 45 anos”, afirmou, acrescentando que o poder autárquico foi outra das grandes conquistas de abril.

A força do poder local

O representante da CDU referiu que “a revolução de abril constitui uma realização histórica do povo português, um ato de emancipação social e nacional”. Sérgio Sales enalteceu os heróis de abril, condenou fortemente o Estado Novo e sublinhou o papel do PCP na revolução. Frisou ainda que, apesar dos avanços na reposição e conquista de direitos, há “problemas estruturais” que devem ser resolvidos. “O desenvolvimento das capacidades produtivas nacionais e o fortalecimento dos serviços públicos para garantir a resposta às necessidades dos trabalhadores e das populações”, afirmou, vincando a importância do poder local, uma das grandes conquistas de abril. “O poder local democrático afirmou-se, operando profundas transformações sociais e uma importante intervenção na melhoria da qualidade de vida das populações e na superação de enormes carências, substituindo e sobrepondo-se, em alguns casos, na resolução de problemas que excedem em larga medida as suas competências”, frisou.

A luta pela igualdade continua

Por sua vez, a deputada municipal do CDS-PP homenageou os sacrifícios dos que combateram o regime e prosseguiu frisando que a luta contra a desigualdade de género continua. “Ainda são visíveis na nossa sociedade grandes desigualdades entre os dois géneros. Em Portugal ainda existe uma grande precariedade laboral feminina que é substancialmente superior à masculina. Existem diferenças salariais em desfavor das mulheres. Ainda há fraca representação feminina nos postos de direção e até mesmo na política”, disse Cláudia Pereira, acrescentando que “temos que mudar este paradigma rumo à igualdade”. A deputada municipal frisou ainda que “o concelho enfrenta uma dura luta no combate à desertificação e o abandono das terras, bem como ao envelhecimento da população” e que a sociedade não pode ser condescendente com situações de violência.

O saldo é positivo, mas ainda “há gente que convive mal com a democracia”

Conceição Alves, representante do grupo do PS na Assembleia Municipal, sublinhou que a revolução devolveu “direitos elementares de cidadãos livres, até essa altura estavam vedados aos portugueses por um regime autoritário e retrógrado”. “Desde então, por entre erros e sobressaltos próprios de quem é jovem, nestes 45 anos de democracia, o nosso país tem conhecido um período de prosperidade, progresso e conquista de direitos”, apontando vários bons exemplos, como o Serviço Nacional de Saúde, o sistema de Segurança Social, a moderna rede rodoviária, as escolas e estabelecimentos de ensino, instalações desportivas… “Não está tudo feito, nem tudo o que se fez foi bem feito, mas o saldo é manifestamente positivo”, afirmou, reiterando a importância do trabalho desenvolvido pelo poder local, a quem se deve boa parte do progresso e desenvolvimento do país. No entanto, alertou para diferenças visíveis na gestão de diferentes autarquias. “Nestes 43 anos de poder local, enquanto uns deram prioridade ao tratamento das necessidades mais elementares, outros apostaram numa política diferente, uma política de encher o olho e o estômago”, afirmou, acrescentando que “em algumas autarquias há gente que convive mal com a democracia e tem alguma dificuldade em respeitar e aceitar a opinião dos outros”.

“Bem-vindos à vila dos sonhos”

 “Sejam bem-vindos à vila dos sonhos”, foi assim que o representante do grupo do PSD na Assembleia Municipal se dirigiu aos presentes, reforçando de seguida a importância dos ideais de abril e o valor de todos os homens e mulheres que resistiram e combateram a ditadura. Vincou ainda que depois da revolução o povo pôde voltar a conduzir os seus destinos e alertou para que as sociedades atuais não deem a liberdade como garantida. “Hoje, as autarquias são o baluarte da boa gestão pública, lideram o processo de transformação infraestrutural do país, sem comprometer o futuro das gerações vindouras”, afirmou também Carlos Correia, acrescentando que “não devemos olhar para as dificuldades como obstáculos intransponíveis, mas como barreiras a superar com determinação, com a arte e engenho que caracterizam a nossa história”.

“O ’25 de abril’ é um símbolo da nossa identidade”

Para concluir, o presidente da Assembleia Municipal de Vila Verde saudou as atuações preparadas pelos talentos pradenses e a receção calorosa por parte dos habitantes locais. Carlos Arantes prosseguiu sublinhando que “o ’25 de abril’ é um símbolo da nossa identidade”, que deve ser transmitido às gerações mais jovens. “Portugal evoluiu muito desde abril de 1974, em todos os indicadores sociais e económicos”, no entanto, os desafios continuam. “Temos que contribuir para a melhoria da qualidade da nossa democracia. É um ponto central neste momento que vivemos. Desenvolver o país é essencial para reforçar a confiança dos cidadãos na democracia e nas instituições do Estado de Direito Democrático”, vincou, sublinhando a pluralidade e profundidade da revolução. “O 25 de abril não são partidos de esquerda ou de direita, são pessoas vontades e quereres, somos todos nós no exercício diário da nossa cidadania. Não são velhos, não são novos, não são homens ou mulheres, são os valores que nos constroem primeiro como indivíduos e depois como sociedade”, disse Carlos Arantes.

maipradovverd (3).JPG

VILAVERDENSES COMEM OVOS COZIDOS NA PONTE DE PRADO

Vila de Prado. Milhares de pessoas afastaram as dores de cabeça e cumpriram a tradição Pascal do Ovo na Ponte!

Ovos cozidos e bebida fresca. Alegria, amizade e muito convívio. Os ovos são comidos à meia-noite do dia de Páscoa, sobre a Ponte de Prado, e as cascas lançadas ao Rio Cávado. Quem o fizer não terá dores de cabeça durante o resto do ano. Aqui está a receita para uma das mais acarinhadas tradições pradenses, que anualmente atrai à Vila de Prado largos milhares de pessoas. A superstição deu o mote, mas foi no ambiente de amizade, alegria e celebração Pascal que a tradição do Ovo na Ponte ganhou raízes e extravasou as fronteiras da Vila de Prado e do concelho.

viladeprad (2)prado.JPG

O passado domingo, 21 de abril, mostrou que a chama da tradição está bem viva na Vila de Prado. A partir das 23h00, a multidão tomou conta do tabuleiro da ponte para encerrar em beleza um dia de enorme simbolismo. À chegada, a ornamentação e iluminação especial da Ponte captavam a atenção. A partir das 23h30, o tabuleiro estava completamente ‘à pinha’ e já não era fácil andar entre a multidão. Entre cânticos e aleluias, conversas e gargalhadas, os populares foram surpreendidos por uma majestosa sessão de fogo-de-artifício. O evento continua a afirmar-se como um palco privilegiado para o encontro de velhos amigos, o fortalecimento de laços entre a comunidade e a divulgação e promoção da Vila de Prado.

A Junta de Freguesia da Vila de Prado voltou a apoiar a logística do evento com o objetivo de abrilhantar a ocasião. A autarquia pradense garantiu a ornamentação e iluminação da Ponte, o reforço dos caixotes de lixo nas imediações, o encerramento do trânsito durante cerca de três horas e os stands de apoio (com bebidas, ovos cozidos e música) localizados nas imediações. De resto, como é habitual, a festa ficou entregue à iniciativa popular, com franca afluência de juventude onde imperou um grande espírito de sentido cívico em termos de limpeza já que, pela uma hora da madrugada, facilmente se recolheu o pouco lixo que ficou pelo local. 

O presidente da Junta de Freguesia da Vila de Prado, Albano Bastos, não escondeu a satisfação pelo sucesso do evento e sublinha a importância de manter vivas as tradições locais, que espelham e reforçam a identidade pradense. Por outro lado, o Ovo na Ponte tem atraído um número crescente de visitantes ao longo dos últimos anos, pelo que a tradição contribui também de forma categórica para a divulgação da freguesia e do concelho, assumindo-se como um elemento diferenciador de promoção e valorização do território.

viladeprad (1)prado (1).JPG

viladeprad (3)prado.JPG

viladeprad (4)prado.JPG

viladeprad (5)prado.JPG

VILAVERDENSES COMEM OVOS COZIDOS NA PONTE DE PRADO NA NOITE DE PÁSCOA

Ovo na Ponte. Em noite de Páscoa, todos os caminhos vão dar à Ponte de Prado!

“Aquele que, à meia-noite do dia de Páscoa, sobre ela [Ponte de Prado] comer um ovo cozido, passará todo o ano sem ser acometido de dores de cabeça”, reza a lenda. Diz a voz do povo que as cascas do ovo devem ser lançadas sobre o leito do Rio Cávado para que se cumpra a profecia popular. A superstição dá o mote, mas foi no ambiente de amizade, alegria e celebração Pascal que a tradição do Ovo na Ponte ganhou raízes e extravasou as fronteiras da Vila de Prado e do concelho, mobilizando anualmente milhares de pessoas à ponte filipina. Para ‘empurrar’, habitualmente, os ovos são acompanhados por vinho verde ou champanhe.

ovopont (3).jpg

Em noite de Páscoa, a partir das 23h00, a multidão ruma à Ponte de Prado para encerrar com chave de ouro um dia de enorme simbolismo. A 21 de abril de 2019, todos os caminhos vão dar à Vila de Prado!

A Junta de Freguesia da Vila de Prado volta a apoiar a organização logística do evento com a ornamentação e iluminação da Ponte, o encerramento do trânsito e o stand de apoio com bebidas e ovos cozidos, localizado junto à Casa do Povo da Vila de Prado. De resto, como tem acontecido ao longo das décadas, a tradição fica entregue à iniciativa popular. À semelhança dos anos anteriores, espera-se uma bela moldura humana, composta por milhares de pessoas, para uma noite de tradição, amizade e convívio.

O presidente da Junta de Freguesia da Vila de Prado, Albano Bastos, sublinha a importância de manter vivas as tradições locais, que espelham e reforçam a identidade pradense, Por outro lado, o Ovo na Ponte tem atraído um número crescente de visitantes ao longo dos últimos anos, pelo que a tradição contribui também de forma categórica para a divulgação da freguesia e do concelho de Vila Verde, assumindo-se como um elemento diferenciador de promoção e valorização do território.

ovopont (1).jpg

ovopont (2).JPG

ovopont (4).jpg

ovopont (5).jpg

ovopont (6).jpg

VILAVERDENSES VÃO À PONTE DE PRADO COMER OVOS COZIDOS

Ovo na Ponte. Em noite de Páscoa, todos os caminhos vão dar à Ponte de Prado!

“Aquele que, à meia-noite do dia de Páscoa, sobre ela [Ponte de Prado] comer um ovo cozido, passará todo o ano sem ser acometido de dores de cabeça”, reza a lenda. Diz a voz do povo que as cascas do ovo devem ser lançadas sobre o leito do Rio Cávado para que se cumpra a profecia popular.

pradopont (1).jpg

A superstição dá o mote, mas foi no ambiente de amizade, alegria e celebração Pascal que a tradição do Ovo na Ponte ganhou raízes e extravasou as fronteiras da Vila de Prado e do concelho, mobilizando anualmente milhares de pessoas à ponte filipina. Para ‘empurrar’, habitualmente, os ovos são acompanhados por vinho verde ou champanhe. Em noite de Páscoa, a partir das 23h00, a multidão ruma à Ponte de Prado para encerrar com chave de ouro um dia de enorme simbolismo. A 21 de abril de 2019, todos os caminhos vão dar à Vila de Prado!

pradopont (2).JPG

A Junta de Freguesia da Vila de Prado volta a apoiar a organização logística do evento com a ornamentação e iluminação da Ponte, o encerramento do trânsito e o stand de apoio com bebidas e ovos cozidos, localizado junto à Casa do Povo da Vila de Prado. De resto, como tem acontecido ao longo das décadas, a tradição fica entregue à iniciativa popular. À semelhança dos anos anteriores, espera-se uma bela moldura humana, composta por milhares de pessoas, para uma noite de tradição, amizade e convívio.

pradopont (3).jpg

O presidente da Junta de Freguesia da Vila de Prado, Albano Bastos, sublinha a importância de manter vivas as tradições locais, que espelham e reforçam a identidade pradense, Por outro lado, o Ovo na Ponte tem atraído um número crescente de visitantes ao longo dos últimos anos, pelo que a tradição contribui também de forma categórica para a divulgação da freguesia e do concelho de Vila Verde, assumindo-se como um elemento diferenciador de promoção e valorização do território.

pradopont (4).jpg

pradopont (5).jpg

pradopont (6).jpg

MINHOTOS PINTAM A PÁSCOA

EPATV promove XIII Edição do Concurso Pintar a Páscoa

Com a participação de 55 trabalhos efetuados por Escolas, Associações e IPSS, abriu, a 4 de abril, no jardim frente aos Paços do Concelho de Vila Verde, a XIII edição do concurso “Pintar a Páscoa”, numa iniciativa da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV).

IMG_8316.jpg

A elaboração e decoração deste objeto de arte estiveram ao critério de cada entidade, dentro do tema «Lendas e Tradições» da região.

De diferentes tamanhos, materiais, tonalidades e motivos, os ovos destacam-se pela criatividade imposta na sua construção, por crianças das escolas, utentes de IPSS, os docentes e organismos participantes. No local, encontram-se 54 esculturas, estando a 55ª no jardim da Escola Profissional Amar Terra Verde, com uma construção temática de 4,5m de altura, realizada pelas turmas do 3º ano de Curso Técnico de Cozinha/Pastelaria e do 2º ano do Curso Técnico de Produção Metalomecânica.

A sessão inaugural contou com a presença de Júlia Fernandes, Vereadora da Educação e Ação Social da Câmara, João Luís Nogueira, Diretor Geral da EPATV, e Cláudia Marques, coordenadora desta atividade da EPATV, além de muitos alunos que aguentaram firmes, apesar da chuva.

Após a abertura desta exposição de trabalhos manuais, Júlia Fernandes convidou todos os presentes a subir ao Salão Nobre municipal, para proceder à entrega dos prémios aos vencedores da XII edição, de 2018.

João Luís Nogueira agradeceu a dedicação e criatividade de todas as instituições que responderam ao repto da EPATV, concretizando a segunda maior mostra de ovos da Páscoa nestes treze anos, sem esquecer a “parceria para toda a vida com a Câmara Municipal de Vila Verde”.

O Diretor Geral da EPATV referiu que estes ovos “alegram os jardins do nosso concelho e são já um ex-libris de Vila Verde, que atrai gente de fora até 30 de Abril”, apelando a que “não os destruam nem roubem”, dado serem esculturas feitas com tanto carinho, por tanta gente, de todas as idades.

Por sua vez, Júlia Fernandes agradeceu esta parceria com a EPATV numa “atividade com grande impacto, porque há pessoas que vêm de fora de Vila Verde visitar esta Exposição”. Trata-se, para a autarca, de “uma mostra da criatividade que todos os anos nos surpreende” e, por isso, “estão de parabéns as pessoas, associações, os vilaverdenses e, também, a EPATV, por desenvolver esta atividade”.

A sessão terminou, então, com a entrega dos prémios aos vencedores da XII Mostra Pintar a Páscoa, cujo primeiro lugar foi atribuído à Casa do Povo de Portela do Vade, enquanto o segundo lugar foi para a Junta de Freguesia de Vila Verde e Barbudo. O Centro Social do Vale do Homem arrebatou o terceiro lugar e o Jardim de Infância e EB1 de Esqueiros teve direito a um Diploma de Mérito.

Cláudia Marques, docente responsável pela organização do evento, encerrou a sessão, apelando à visualização de todos os magníficos trabalhos expostos, bem como ao voto de todos.

IMG_8216.jpg

IMG_8296.jpg

IMG_8301.jpg

IMG_8305.jpg

IMG_8307.jpg

"TERRA VERDE" PROTEGE AS CRIANÇAS

EPATV apresenta “Matriosca” como protetora das crianças

Lembram-se da “boneca russa” da Matrioska que reúne bonecas de tamanhos variados colocadas umas dentro das outras? Esta é a melhor imagem que resulta das jornadas que a Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) acolheu hoje, dia 29 de Março, sob o lema “O Direito das Crianças: da prática ao superior interesse”.

IMG_3019.jpg

Esta imagem é sugerida pelo desenho feito por uma criança e apresentado pelo Juiz do Tribunal de Família e Menores de Mafra no encerramento das jornadas que encheram o auditório da EPATV - Escola que ostenta o Selo de Protetora de Crianças e Jovens. As várias pessoas (pai, mãe separados e os filhos) encaixam-se em harmonia, sem sofrimento e com respeito por todos, apesar de diferentes.

Joaquim Manuel da Silva entusiasmou o auditório quando veio ao encontro de algumas teses defendidas ao longo da manhã, especialmente a “dos relatórios que não servem ara nada, devido à situação emocional dos envolvidos numa situação de divórcio”.

Sendo assim, há que restabelecer equilíbrios, identificar as necessidades não atendidas e restaurar a harmonia em triângulo e não em V, deixando o/s filho/s de fora”. Este Juiz, com uma formação multidisciplinar na área da Psicologia, Psicanálise e Filosofia, lembrou que um conflito entre pai e mãe “trava o desenvolvimento cerebral de uma criança” e ouvir dizer que o pai ou mãe “não presta é um mau trato brutal, pior que um abuso sexual”.

Os pais, os professores, os técnicos e os juízes não devem ignorar que s “crianças têm doenças físicas e psíquicas que os podem marcar para a vida toda e a separação dos pais gera enorme stress. Pior só a morte de um filho”.

Joaquim Manuel Silva socorre-se da sua experiência profissional (900 casos de divórcios sem um julgamento) para regulação da parentalidade para exigir que os “juízes devem ter conhecimentos interdisciplinares para julgarem melhor, sabendo que apenas 95% dos nossos atos tem como origem o nosso inconsciente (conforme resulta das investigações de Carl Jung e Sigmund Freud, conferidas por António Damásio).

Ao Juíz resta resolver o conflito e restaurar a harmonia porque “todos os pais gostam dos seus filhos” e após a separação não acaba o “direito a ser pai ou ser mãe”. Deve estudar bem a família, pais, avós, tios, mas tem de sair do gabinete e “construir a rede e rentabilizar os meios”

A felicidade da criança é a prioridade do Juíz de Família e Menores, até porque, segundo William James, “o pássaro não canta porque está feliz; o pássaro está feliz porque canta”.

Mais, “o exercício da autoridade só serve quando ajuda a crescer” e o juiz deve promover os direitos de quem está numa situação de fragilidade porque “as pessoas só mudam quando estão à rasca”.

As jornadas foram organizadas pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Vila Verde e os palestrantes não defraudaram as expectativas de uma centena de participantes, profissionalmente ligados aos direitos da criança em situações de desenlace dos pais.

A sessão abriu com uma interpretação de um Exercício musical de Czerny por Maria João Borges, da Academia de Música de Vila Verde, seguindo-se a saudação do Diretor Geral da EPATV, Escola com Selo de Protetora dos Direitos das Crianças e Jovens, com manifesto carácter “inclusivo que recebe todos os jovens de Braga, Amares, terras de Bouro e de Vila Verde”.

A EPATV acolhe os “jovens que precisam mais porque o abandono escolar atinge em primeiro lugar as famílias mais carenciadas” e o nono lugar no ranking nacional de Escolas profissionais “é um trabalho de todos” para formar “bons seres humanos com valores e bons profissionais”.

Partindo do princípio que a Escola tem “de ser integradora”, o respeito pelos direitos das Crianças inclui o direito á educação e formação profissional”.

António Vilela, presidente da Câmara Municipal de Vila Verde elogiou o trabalho dos técnicos da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e felicitou a EPATV pelo excelente trabalho desenvolvido porque condiz com o “centro primordial da ação municipal que está nas crianças e famílias”.

A presidente da CPCJ de Vila verde começou por afirmar que “não há qualidade humana sem desenvolvimento de qualidade” e agradeceu a disponibilidade da EPATV. Beatriz Santos agradeceu a disponibilidade dos palestrantes e do curso de Restauração e pastelaria da EPATV que serviu o almoço.

55575896_10157057783688116_7146015081560539136_n.jpg

55576133_10157057784448116_7345331414117646336_n.jpg

55576305_10157057784343116_548711123222790144_n.jpg

55595617_10157057784648116_1493521293172015104_n.jpg

55604054_10157057784483116_7033991794631114752_n.jpg

55842774_10157057784663116_534489434238746624_n.jpg

55901888_10157057784068116_8420042041005703168_n.jpg

56189887_10157057783713116_1563563009949827072_n.jpg

ALUNOS DE VILA VERDE COMBATEM CONTRA O MEDO

EPATV e Bienal na Escola: um combate contra o medo

O artista Luís Coquenão desafiou ontem cerca de duas dezenas de alunos da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV), de Vila Verde, a participar na VII Bienal de Arte na Escola ao afirmar que “o medo é o inimigo número um da arte”.

DSCN0649.jpg

Este pintor e coordenador artístico da Bienal Internacional de Arte Jovem, estava acompanhado do artista plástico, Rafael Ibarra, no último dos quatro workshops, com que arrancou esta iniciativa.

Na sessão de abertura deste Workshop na EPATV, aberto aos alunos do Curso Profissional Técnico de Design Gráfico, a Vereadora Júlia Fernandes deu conta dos momentos desta bienal que está na fase de execução de obras para a exposição que é aberta no dia 16 de maio, na Biblioteca Professor Machado Vilela, da qual são escolhidas as obras que representam Vila Verde na Bienal Internacional de 2020.

 

file2.jpeg

“Aproveitem esta oportunidade para mostrar o vosso talento e criatividade” - disse Júlia Fernandes, agradecendo a disponibilidade total da EPATV para aderir a mais esta iniciativa municipal.

Por sua vez, a Diretora Pedagógica da EPATV, Sandra Monteiro, agradeceu “a presença e contributo de dois grandes artistas” e manifestou o desejo de que os “os alunos aproveitem todos os seus ensinamentos e conselhos”.

As Professoras Ana Nogueira e Fátima Pimenta explicaram que a EPATV participa com trabalhos individuais e coletivos, de modo a estimular a criatividade de cada aluno e o espírito de grupo na conceção de uma obra de arte.

Pelo que pôde apreciar, antes de conversar com cada um dos alunos, Luís Coquenão deu conta da “qualidade de desenho que é muito boa nos trabalhos em fase de execução, sinal de que há muita vocação para as artes”.

Trata-se de um projeto promovido pela Câmara Municipal de Vila Verde, em parceria com os Agrupamentos de Escolas do concelho, a EB 2/3 Mons. Elísio Araújo, a Escola Secundária de Prado e a EPATV.

file5.jpeg

VILA VERDE FORMA PASTELEIROS DE ALTO GABARITO

Gulosas Degustações na EPATV

I Edição do Concurso de Pastelaria da Escola Profissional Amar Terra Verde realizou-se hoje, dia 27 de março de 2019, no âmbito das atividades da Semana das Línguas.

54462830_10157052767698116_1984851189463777280_n.jpg

Desta feita, o concurso integrava duas categorias: Categoria I - Elaboração, decoração e apresentação de Brownie (bolo de chocolate), original da cultura inglesa, mais concretamente dos Estados Unidos da América; Categoria II - Elaboração, decoração e apresentação de Canelé de Bordeaux (bolinho de baunilha), original da cultura francesa.

A atividade tinha como público-alvo todas as turmas da área da Restauração da Escola, cujos alunos eram chamados a apresentar uma livre interpretação dos doces, desde que a base dos mesmos respeitasse os ingredientes principais das receitas tradicionais.

Os critérios de avaliação prendiam-se com a apresentação/ decoração, textura, combinação de sabores e ponto de açúcar, que os jurados, com justa arduidade, tinham que apurar.

Saíram, assim vencedores, na Categoria I, o aluno Ricardo Moreira, do 1º ano do Curso Técnico de Cozinha/ Pastelaria; e na Categoria II, o aluno João Cunha, do 3º ano do mesmo Curso.

Como presidente do júri, Sandra Monteiro, Diretora Pedagógica da Escola, louvou o empenho, dedicação, sabedoria e aprendizagem de todos os concorrentes, enaltecendo a participação nesta atividade inovadora da instituição.

55523404_10157052767283116_3727056998949191680_n.jpg

55546994_10157052768003116_1840492631361060864_n.jpg

55944900_10157052768588116_5467671965433069568_n.jpg

IMG_2928.jpg

LÍNGUA PORTUGUESA TEM OLIMPÍADAS EM VILA VERDE

Olimpíadas da Língua Portuguesa 2019

O Grupo Disciplinar de Português realizou mais uma edição das Olimpíadas da Língua Portuguesa, constante do Plano Anual de Atividades da EPATV.

Às 15 horas do dia 27 de março de 2019, as equipas constituídas por dois elementos de cada turma dos Cursos Profissionais, encetaram o concurso, composto por sete eliminatórias: 1ª Caça ao erro, 2ª Ditados e Provérbios, 3ª Gramática, 4ª Texto Narrativo, 5ª Texto Dramático, 6ª Texto Lírico e 7ª Autores Portugueses.

As equipas encontravam-se concentradas e empenhadas na resolução dos questionários, cada qual constante de 20 perguntas.

Os vencedores serão apurados brevemente e anunciados à comunidade educativa.

EPATV APURA PRÉTICA DE ACOLHIMENTO DE REFUGIADOS

Erasmus+ - EPATV apura práticas de acolhimento a migrantes e refugiados em Itália

Entre os dias 18 e 24 de março de 2019, a EPATV participou numa reunião de tipo Evento de Formação conjunta do projeto Erasmus+ "Refugees and Migrants seeking their future in the United Europe - past-present-future" que decorreu em Mascalucia, Itália. Este projeto integra uma parceria estratégica entre escolas de 8 países: Portugal, Chipre (coordenador), Grécia, Itália, Roménia, Bulgária, Eslováquia e Turquia.

55448557_2403590796337873_9140295111513473024_o.jpg

Nesta mobilidade, participaram coordenadores, professores e membros da direção das escolas parceiras. Visitaram-se quatro centros de acolhimento de refugiados menores desacompanhados onde houve oportunidade de assistir a palestras e debates informais com os menores, que permitiram contactar realidades longínquas dos países de origem.

edit (2).jpg

Os participantes assistiram, ainda a dois workshops, um sobre o tema do ensino em duas línguas (país de origem-país de acolhimento) que muniu os participantes de importantes ferramentas para a integração de estudantes refugiados e requerentes de asilo e outro subordinado à temática das diferenças entre hemisférios Norte e Sul, as razões que lhes estão subjacentes e que conduzem ao avolumar dessas diferenças e de que forma as podemos combater.

Posteriormente, os coordenadores reuniram no sentido de aprovar as minutas da reunião, efetuar um balanço das atividades do projeto e de preparar a reunião final, a decorrer em Chipre, em junho de 2019.

edit.jpg

EPATV APELA À PARTICIPAÇÃO CÍVICA

EPATV: sensibiliza estudantes para voto nas eleições europeias

A Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) realizou hoje (dia 25 de Março) uma sessão dupla de sensibilização dos seus alunos para a importância do voto nas eleições europeias no dia 26 de Maio.

IMG_8143.jpg

A sessão abriu com a exibição de um vídeo realizado por dois alunos sobre as instituições europeias, destacando o Parlamento Europeu, as suas funções, modo de funcionamento e importância no conjunto das instituições.

Esta sessão foi dinamizada pelo Clube Europa, no âmbito do projeto da EPATV Escola Embaixadora do Parlamento Europeu, Coordenado pelas Professoras Palmira Moreira e Lúcia Lopes, e incluiu um concurso para os alunos responderem a cem perguntas sobre a problemática europeia, usando um lápis oferecido a cada aluno com a inscrição #destavezeuvoto EE2019.

Os vencedores deste concurso – entre centena e meia de estudantes que participaram – recebem os prémios na sessão que assinala o Dia da Europa, a 9 de maio. As atividades foram desenvolvidas pelas alunas do segundo ano do Curso de Esteticista que envergavam t-shirts com a inscrição destavezeuvoto.eu, uma mensagem dirigida àqueles que vão votar pela primeira vez este ano.

Depois do vídeo e antes do concurso, os alunos foram esclarecidos sobre as razões e importância do voto europeu, dando a conhecer o que a Europa fez pelo país, pela região do Cávado e por cada português. Nesse sentido, “votar no dia 26 de Maio, é um ato de cidadania e a melhor forma de te fazeres ouvir na Europa”.

Ao longo da semana passada, os alunos e professor do Clube Europa sensibilizaram a população de Vila Verde para as eleições do Parlamento Europeu, dando continuidade a um projeto que se repete desde 2017.

VILA VERDE REALIZA JORNADAS DE CRIATIVIDADE

EPATV: girândola de rostos e carícias encerra III Jornadas de Criatividade

Rafaela Cunha e Mónica Pereira, alunas do Curso Técnico Profissional de Multimédia, proporcionaram uma girândola de rostos e carícias de mãos através do vídeo com que se sagraram-se vencedoras do Concurso “Um Poema de amor” promovido pela Escola Profissional Amar Terra Verde e que encerrou as III Jornadas da Criatividade.

IMG_2720.JPG

Após dois dias de troca de experiências com músicos, artistas de teatro e cinema, ilustradores, fotógrafos e especialistas em Impressão 3D, as III Jornadas da Criatividade encerraram com um pequeno concerto pelos bracarenses Maybe the King, um grupo de pop-rock.

As jornadas da Criatividade terminaram hoje, dia 22 de março, e são uma iniciativa do Grupo disciplinar de Informática, Comunicação e Imagem cujo objetivo principal é dotar os alunos de ferramentas e experiências profissionais em diversas áreas, de forma a estimular as suas capacidades de criação artística.

Sandra Monteiro, Diretora Pedagógica da EPATV e também membro do júri do concurso de vídeo, revelou que a “escolha dos cinco melhores não foi fácil dada a qualidade dos 51 trabalhos apresentados” ao prémio de cem euros em compras na FNAC.

“Os vossos trabalhos revelaram uma criatividade extraordinária, revelaram muito trabalho e bom gosto na pesquisa e escolha dos poemas que acompanharam os vídeos” – prosseguiu Sandra Monteiro, antes da entrega dos prémios aos cinco melhores concorrentes a quem foi entregue um exemplar da monografia dos 25 anos da EPATV.

Depois de agradecer a colaboração da Turma de Cozinha, Sandra Monteiro entregou o prémio a Rafaela Cunha e Mónica Pereira, autoras do trabalho vencedor.

Márcio Rodrigues obteve o segundo lugar e Alexandra Fernandes ocupou o lugar mais baixo do pódio. Ana Malheiro e Ana Ralha com Inês Barros arrebataram o quarto e quinto lugar, respetivamente, num concurso que entre atores e autores envolveu mais de uma centena de estudantes da EPATV.

A tarde abriu com uma palestra de Nuno Oliveira, da empresa Xpim 3D printing, para falar sobre impressão em três dimensões.

No fim da manhã, falou ao público, Eduardo Fernandes, do estúdio de tatuagens, piercings e remoção de tatuagens, ExInk. O tatuador abordou várias vertentes do seu trabalho, desde a vertente artística, à higiene e segurança e à remoção das tatuagens. “É importante que percebam que isto é para sempre, ponderem bem o que fazem, quando fazem e quem escolhem para o fazer – os riscos e problemas podem ser muitos” – alertou Eduardo.

O segundo dia das Jornadas abriu com uma intervenção de Bruno Ferreira (Ezik) conhecido como artista visual, especialmente em ilustração e street art, que aos 10 anos venceu o Concurso de Postais de Natal dos Transportes Urbanos de Braga e nunca mais desistiu da sua arte.

Bruno Ferreira desafiou os estudantes da EPATV a procurar a “inspiração porque ela não aparece do nada” sem desistir mesmo quando se fracassa ou quando as pessoas dizem que o nosso trabalho é ridículo.

No seu entender a “imaginação é mais importante que o conhecimento”, mas quanto mais informação tivermos mais possibilidades temos de ser melhores.

“Há que riscar e arriscar”, sem esquecer de “gerir o tempo e descobrir os melhores horários em que há mais predisposição para a criatividade”. “Só assim podemos pensar o absurdo para atingir o impossível” – concluiu Bruno Ferreira Ezik, para quem “tudo é possível com esforço e dedicação”.

EPATV PROPÕE IDEIAS DE NEGÓCIOS

Concurso Up Cávado: EPATV apresentou 27 ideias de negócios

Decorreu na EPATV (Escola Profissional Amar Terra Verde), no dia 21 de Março, a apresentação de 27 ideias de negócio no âmbito do concurso Up Cávado que é promovido pela CIM (Comunidade Intermunicipal) Cávado.

IMG_8130.jpg

Trata-se de uma iniciativa do Plano Integrado e Inovado de Combate ao Insucesso Escolar ao qual aderiram várias dezenas de estudantes da EPATV que, em grupos de três e quatro, apresentaram 27 ideias inovadoras de negócios, dando provas de uma educação para o empreendedorismo.

Da parte da EPATV aderiram a esta primeira fase do Concurso alunos dos cursos de Manutenção industrial, Bar, Eletrotecnia, Design Gráfico, Esteticista e Climatização e Frio que mostraram os seus trabalhos a um júri constituído por técnicos da CIM Cávado e pela Diretora Pedagógica da EPATV, Sandra Monteiro.

Os seis melhores projetos passam agora a concorrer á final concelhia, em Vila Verde, no dia 13 de maio, dia em que são apurados os dois representantes de Vila Verde para a final intermunicipal que tem Amares como palco. Daqui sairá o vencedor que participa na prova transfronteiriça (Minho e Galiza) que foi arrebatada no ano passado pela EPATV.