Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

EXPOSIÇÃO COLONIAL PORTUGUESA: UMA MINHOTA E UMA INDÍGENA GUINEENSE DA ETNIA BIJAGÓS

Em 1934, realizou-se no Palácio de Cristal, no Porto, a 1ª Exposição Ultramarina Colonial Portuguesa.

Capturarexpocolonialporto.PNG

O certame destinou-se a mostrar a grandeza de Portugal, incluindo os seus territórios ultramarinos. Para o efeito, reconstituiram-se no local aldeias indígenas, foi criado um jardim zoológico com animais exóticos e edificadas réplicas de monumentos ao mesmo tempo que se dava a conhecer os diferentes povos e grupos étnicos, a sua gastronomia e o empreendedorismo empresarial do país naqueles territórios.

Na prática, esta exposição viria a tornar-se um ensaio para a organização da Exposição do Mundo Português que veio a ter lugar em Lisboa apenas seis anos depois.

Na imagem vemos uma minhota com o seu traje domingueiro de lavradeira – vulgo traje à vianesa – junto de uma jovem indídegena guineense da etnia dos Bijagós.

Fonte: Arquivo Municipal do Porto

FALECIMENTO DO DR. GONÇALO SAMPAIO FOI NOTÍCIA NO JORNAL “COMÉRCIO DO PORTO”

Sob o título “Uma figura notável da Ciência portuguesa / Prof. Gonçalo Sampaio / Faleceu, ontem, no Pôrto, o eminente naturalista e folclorista”, publicou o jornal “Comércio do Porto” na sua edição de 28 de Julho de 1937, a respectiva notícia necronológica.

Aquele periódico portuense destacou o nefando acontecimento, incluindo o retrato e biografia do Professor Gonçalo Sampaio. Refira-se que o ilustre minhoto era antigo professor catedrático da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Fonte: Arquivo da Universidade do Porto

bitstream_37874_dissemination.jpg

transferirgonçalosampaio.jpg

MUNICÍPIO ARCUENSE RECRIA RECONTRO DE VALDEVEZ

Na próxima quinta-feira, pelas 11h00, no Paço de Giela, o Município de Arcos de Valdevez realizará uma iniciativa que procura marcar a data da Recriação Histórica do Recontro de Valdevez de 1141, que se realiza anualmente no primeiro fim-de-semana de Julho neste Monumento Nacional, e que este ano, por razões de contexto da COVID-19, teve adiamento para o próximo ano.

Azulejos_in_the_train_station_(9999362324) (1).jpg

O evento terá um primeiro momento simbólico de grande importância com a apresentação de uma estrutura de 2 por 6 metros, que reproduz, de forma adaptada, o grande painel de azulejos sobre o Recontro de Valdevez existente na Estação de S. Bento, no Porto, realizado no início do século XX pelo artista Jorge Colaço.

A partir de 4 de Julho os visitantes do Paço de Giela são convidados a colocarem um “azulejo” de 15x15 cm sobre esse painel, criando essa noção de “reconstrução emotiva” da Recriação, num total de quase 500 peças que edificarão este verdadeiro “Pórtico do Tempo”, que ficará disponível durante todo o verão.

Como complemento, será igualmente apresentada uma escultura em poliestireno, integralmente revestida a fibra de vidro de alta resistência, realizada por um artista arcuense, e que em tamanho natural representará, no local, a figura de Afonso Henriques e do seu cavalo, sendo a “primeira peça” de um evolutivo e futuro parque de figuras e elementos relacionados com o Recontro e com o século XII.

Finalizando estes momentos, haverá espaço para a apresentação do espumante “Vez”, realizado especificamente com base na importância e significado do Recontro de Valdevez na História local e nacional, na forma de um produto diferenciador, com estética e conteúdo vínico muito próprios, e que marca uma parceria específica do Município arcuense com a Adega Cooperativa de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez.

REVOLUÇÃO LIBERAL ACONTECEU HÁ 200 ANOS!

Porto. Era ainda madrugada quando, no dia 24 de Agosto de 1820, os militares dirigiram-se para o Campo de Santo Ovídio com o propósito de desencadear uma revolução com vista à implantação de um regime constitucional – o Liberalismo!

Capturargravrevliberal.PNG

Por detrás da sublevação encontrava-se o Sinédrio, uma associação secreta destinada a preparar a revolução.

Uma vez chegados ao Campo de Santo Ovídio, actual Praça da República, os militares formaram em parada e assistiram à missa. De seguida, uma salva de artilharia anunciou o levantamento militar.

Às 8 horas da manhã, os revolucionários reuniram-se na Câmara Municipal do Porto e proclamaram a “Junta Provisional do Governo Supremo do Reino”. Entre os seus membros, salientamos os vogais João da Cunha Sotto-Mayor, natural de Viana do Castelo e José Maria Xavier de Araújo, de Arcos de Valdevez, ambos em representação da província do Minho. A Universidade teve como representante o pontelimense Frei Francisco de São Luís (Saraiva), vulgo Cardeal Saraiva.

Na altura, a Corte encontrava-se no Brasil para onde partira na sequência das invasões francesas. A Junta revolucionária exigia o seu retorno e a convocação das Cortes com vista à elaboração de uma Constituição política para o país.

A revolução alastrou a outras cidades, nomeadamente a Lisboa, vindo então os governos do Porto e de Lisboa a fundir-se, constituindo a “Junta Provisional do Supremo Governo do Reino”.

José_Maria_Xavier_de_Araújo_(cropped).png

José Maria Xavier de Araújo foi um jurista e magistrado, bacharel em Cânones pela Universidade de Coimbra, membro do Sinédrio. Exerceu as funções de deputado às Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa em 1821-1822, eleito pelo círculo do Minho. Foi membro da Maçonaria. Colaborou em diversos periódicos e é autor de umas memórias sobre a Revolução Liberal do Porto de Agosto de 1820.

Nasceu em Arcos de Valdevez em 1786, numa casa da actual rua Cerqueira Gomes. Era filho do Conselheiro de Fazenda e Desembargador Francisco Xavier de Araújo. Faleceu no Porto em 1858.

João_da_Cunha_Sotto-Mayor_(c._1822)_-_Domingos_Sequeira.png

Por seu turno, João da Cunha Sotto-Mayor nasceu em Viana do Castelo a 22 de Setembro de 1767 e faleceu em Monção, em 30 de Novembro de 1850. Foi magistrado, membro da Maçonaria, tendo exercido as funções de Grão.Mestre do Grande Oriente Lusitano entre 1821 e 1823.

AF00213_2014.jpg

 Frei Francisco de São Luís, vulgo Cardeal Saraiva, foi um dos principais vultos do liberalismo e constitui um dos ícones maiores de Ponte de Lima e do Minho. Nasceu em Ponte de Lima em 1766 e faleceu em Lisboa em 1845. Aos catorze anos de idade, ingressou no Mosteiro de São Martinho de Tibães, da ordem beneditina, tendo daí saído anos mais tarde para o Mosteiro de Santo André de Rendufe e, posteriormente, para a Faculdade de Teologia da Universidade de Coimbra.

Filiado na Maçonaria da qual chegou a ser Grão-mestre, adoptou o nome Condorcet, tendo ainda integrado o Sinédrio que foi a organização responsável pela revolução portuense de 1820. Apesar dos seus ideais, não deixou de combater os invasores franceses pelos quais muitos liberais tomaram partido sem receio de que tal atitude configurasse um acto de traição.

Após a revolução, tornou-se um dos membros da Junta Provisional do Supremo Governo do Reino e, pelas Cortes Constituintes, nomeado membro do Conselho de Regência. Foi ainda Reitor da Universidade de Coimbra, deputado às Cortes e Presidente da Câmara dos Deputados.

Em 1824, resignou ao episcopado e veio a ser desterrado para o Mosteiro da Serra de Ossa, de onde saiu após a chegada das tropas liberais a Lisboa em 1833. Foi feito Patriarca de Lisboa em 1840 e, em 1843, confirmado no título e pelo Papa Gregório XVI elevado ao cargo cardinalício.

Panteão-SVicenteFora 001

Os restos mortais do Cardeal Saraiva repousam no Panteão dos Cardeais, no Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa.

UNIDADES DE SAÚDE DO PORTO E VILA POUCA DE AGUIAR USAM AJUSTADORES DE MÁSCARAS PRODUZIDOS NO CURTIR CIÊNCIA

O que há de comum entre as unidades de saúde familiar Porto Douro e Aníbal Cunha, ambas do Porto, e o Centro de Saúde de Vila Pouca de Aguiar?

Em todos estes três serviços de saúde, as equipas médicas e de enfermagem usam os ajustadores de máscaras produzidos nas impressoras 3D do Curtir Ciência – Centro Ciência Viva de Guimarães.

ajustadores.jpg

Quando deu início à produção de material de proteção, o Curtir Ciência estava longe de imaginar que os pedidos surgiriam das mais diversas proveniências. Instituições e profissionais de saúde manifestaram desde logo um grande interesse nas peças. Além dos serviços locais que manifestaram interesse, os pedidos chegaram também de fora do concelho. Só no Centro de Saúde de Vila Pouca de Aguiar são cerca de 50 os profissionais, entre médicos, enfermeiros e auxiliares que dão uso às peças produzidas no Curtir Ciência. No caso das duas unidades do Porto, o número de profissionais é mais do dobro.

O Curtir Ciência aproveitou o período de confinamento para produzir material de proteção, colocando os seus meios técnicos e humanos ao serviço do esforço de mitigação da pandemia. Os objetivos iniciais – produzir 200 viseiras – depressa tiveram que ser revistos em virtude dos pedidos. Em breve, o Centro Ciência Viva de Guimarães iniciará a distribuição de mais de 1000 viseiras por instituições ligadas à saúde, educação e proteção civil.

No caso das peças ajustadoras, os pedidos surgiram sobretudo de profissionais de saúde. E percebe-se porquê. Toda a gente já deve ter visto os efeitos do uso continuado das máscaras, em particular nas orelhas, devido à força dos elásticos. “Estas peças permitem segurar as máscaras sem necessidade de prender os elásticos nas orelhas. São maleáveis o suficiente para se adequarem ao contorno da nunca de cada utilizador”, elucida Sérgio Silva, Diretor Executivo do Curtir Ciência.

Para conseguir responder às solicitações, o Curtir Ciência teve que aumentar a sua capacidade produtiva. Nesse esforço contou com o contributo solidário do Clube Ciência Viva da Escola Abel Salazar, de Ronfe, através da cedência de duas impressoras 3D.

ROMANCE VIAJOU DE VILA VERDE ATÉ AO CORAÇÃO DO PORTO

No dia 6 de fevereiro, o ‘Mês do Romance’ viveu-se de novo no Espaço Namorar Portugal, com a apresentação da ‘Linha de Chocolates 2020’, da Chocolate com Pimenta, a adoçar a manhã. Já da parte da tarde, o centro da cidade do Porto recebeu duas apresentações de produtos: ‘Alma’ com a bijuteria de Cátia Rascão e a ‘Linha de Sabonetes Namorar Portugal’, por Ana Sampaio.

namorarportuvvport (1).JPG

Os mais gulosos e amantes de chocolate puderam assistir ao lançamento da nova linha da marca Chocolate com Pimenta. Desta vez, Pedro Sousa criou um bombom especial para a época que leva dois recheios: o primeiro é uma infusão de frutos vermelhos (framboesa e mirtilo) e o segundo uma ganache com gengibre e noz moscada.

Para embrulhar os chocolates e dar um presente carinhoso no S. Valentim, foram criadas caixas com corações e azulejos, que podem ser personalizadas na hora e fazer os encantos dos casais apaixonados. O mestre chocolateiro mostrou-se feliz pelo sucesso e revelou que “este ano é o que está a dar mais gozo, com produtos, técnicas e processos diferentes. Tenho tido formação para melhorar cada vez mais”.

O presidente no Município de Vila Verde, António Vilela, esteve presente na sessão e parabenizou a marca pelo “design que agrada ao olho, e ao provar não dececiona, o que é fundamental para o produto crescer e vingar”. O edil afirmou que “ao promover os chocolates está-se a promover a terra e a dinamizar o negócio”, acrescentando que “se correr bem para ele, corre bem para a marca e é isso que desejamos”.

No Porto, de alma e coração

Em dia de ‘Enamorar o Porto’, dois novos lançamentos Namorar Portugal chegaram diretamente ao centro da cidade, ao Porto Welcome Center, junto à Estação de S. Bento. Destaque também para a inauguração de uma exposição de Produtos Namorar Portugal, no mesmo espaço, que ficará patente numa montra privilegiada da Invicta até ao dia 16 de fevereiro. A iniciativa foi abrilhantada pela atuação de um aluno da Academia de Música de Vila Verde.

‘Alma’ assinala a estreia de Cátia Rascão na marca territorial do Município de Vila Verde, com uma linha de bijuteria para embelezar o público feminino e fazer com que o amor dos Lenços de Namorados esteja sempre presente no dia-a-dia.

A criadora de Leiria contou que começou por ser participante assídua no Concurso Internacional de Criadores de Moda – Gala Namorar Portugal e foi aprendendo sozinha a bordar. Além dos bordados inspirados nos motivos dos famosos Lenços da tradição minhota, a linha ‘Alma’ incorpora também outro elemento antigo e tradicional ligado à arte do bordado, os bastidores. “Este ano, decidi arriscar com a proposta de parceria. Criei colares e brincos com linhas brilhantes para serem mais convidativos”, referiu.

A ‘Linha de Sabonetes Namorar Portugal’, de Ana Sampaio, inclui também produtos para bebés, com cores e aromas mais suaves. As propostas passam pelo pote ambientador, uma linha de sabonetes com mensagens de amor e bálsamo labial. Ana Sampaio utiliza “só produtos artesanais, com matéria-prima de excelência, sem químicos nem aromas, é tudo natural” numa coleção que pode ser utilizada por todos, “dos mais pequeninos aos mais velhos”.

O mundo precisa de amor

Presente na sessão, a vereadora da Cultura do Município de Vila Verde, Júlia Fernandes, enalteceu a “paixão à marca que culmina com produtos que vão enriquecer a Namorar Portugal” que contribuem para dinamizar a economia local e nacional. Falou também do objetivo de “promover a nossa tradição, a nossa identidade, e levar aos quatro cantos do planeta estas mensagens de amor, carinho e afeto de que o mundo tanto precisa”.

Numa iniciativa que contou com a colaboração do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Inácio Ribeiro, vice-presidente da instituição, afirmou que “é um gosto e uma honra ter cá Vila Verde, a casa é de todo o Norte e está sempre aberta para ajudar a promover territórios, mas, acima de tudo, gentes, dinâmicas, tradições, cultura e a alma”. Terminou louvando a “capacidade criativa dos artistas, de aliar o ancestral ao moderno, à promoção da terra e respeito pela herança cultural”.

namorarportuvvport (2).JPG

namorarportuvvport (3).JPG

namorarportuvvport (4).JPG

namorarportuvvport (5).JPG

namorarportuvvport (6).JPG

CDUP 60 vs CRAV 0 – CRAV INFELIZ NO PORTO

Ainda não foi desta vez que o CRAV conseguiu inverter a série de maus resultados em que se encontra neste momento.

Seniores2.jpg

Este sábado, no Porto os minhotos defrontaram o CDUP, equipa que luta pelo apuramento para o grupo que vai lutar pelo título nacional.

Na primeira parte os arcuenses mostraram-se a um nível superior ao que tinham vindo a fazer nos últimos jogos, apesar disso os universitários tiveram sempre algum ascendente no jogo, normal para uma equipa com aspirações superiores.

O CDUP ia fazendo as despesas do jogo atacante e perto dos 10 minutos marcaram o seu 1º ensaio aproveitando as placagens pouco efetivas da defesa minhota, voltando a repetir cerca de 5 minutos depois. Durante algum tempo os arcuenses foram impedindo o avanço portuense, criando algumas situações perigosas perto dos postes adversários. Nos minutos finais da primeira parte o CDUP voltou a marcar fixando o parcial de 17-0.

Na segunda parte foi um CDUP de grande qualidade que entrou no jogo e em 10 minutos, ao contrário do que seria expectável pela resposta arcuense na 1ª parte, marcou 4 ensaios, cavando uma distancia grande no marcador e deixando os minhotos sem reação. Foi um CRAV desagregado que se viu a partir daí, não conseguindo esboçar a reação que estaria nas suas cabeças quando foram para intervalo, permitindo ao CDUP acrescentar pontos ao marcador.

AMAReMAR APRESENTA ESPETÁCULO NO PORTO

O projeto social e comunitário AMAReMAR, desenvolvido pelo Município de Esposende, vai integrar a programação que antecede o MEXE - Encontro Internacional de Arte e Comunidade, evento que o PELE - Espaço de Contacto Social e Cultural realiza entre os dias 16 e 20 de setembro, na cidade do Porto.

AMAReMAR.jpg

O Triumph’arte – Grupo de Teatro Comunitário de Esposende sobe ao palco no próximo domingo, dia 15 de setembro, pelas 16h00, na Casa d’Artes do Bonfim, no Porto, com o espetáculo de Teatro-fórum “Tu e eu, e agora?”, que convida à discussão e reflexão sobre o tema da discriminação face à orientação sexual de cada indivíduo.

Em atividade desde 2016, o projeto AMAReMAR tem vindo a promover a coesão social, valorizando a educação pela arte, através das diversas atividades que desenvolve, no enriquecimento da formação integral do indivíduo e do seu coletivo, e no desenvolvimento de uma sociedade mais solidária e participativa. Este projeto enquadra-se no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da agenda 2030 da ONU, designadamente ODS 1 - Erradicar a Pobreza, ODS 4 - Educação de Qualidade, ODS 10 – Reduzir as desigualdades, ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis, ODS 16 – Paz, Justiça e Instituições Eficazes e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade.

Atendendo à sua dimensão e importância, a participação neste evento é da maior relevância, constituindo uma oportunidade para dar a conhecer o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo Município de Esposende junto da comunidade esposendense.

MUSEU DE CAMINHA PROMOVE VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO CORPO, ABSTRAÇÃO E LINGUAGEM NA ARTE PORTUGUESA – OBRAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA NA COLEÇÃO DE SERRALVES

Ambas as iniciativas decorrem sábado

No âmbito da exposição “Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa” – obras da Secretaria de Estado da Cultura (SEC) na Coleção de Serralves, o Museu Municipal de Caminha vai promover sábado, dia 7 de setembro, uma visita guiada e uma oficina destinada às famílias. No dia 20, vai decorrer uma formação para técnicos e professores. As inscrições já estão a decorrer.

A visita guiada à exposição terá lugar já no sábado, dia 7, a partir das 11H00, e dirige-se ao público em geral. A partir das 15H00, vai decorrer a oficina destinada às famílias.

No dia 20 de setembro, decorrerá a formação dirigida a educadores, professores (dos vários níveis de ensino) e técnicos de serviços educativos no sentido de lhes oferecer um enquadramento geral da exposição, assim como algumas ferramentas de mediação com os objetos expositivos que lhes permitam posteriormente conduzir, de modo autónomo, atividades educativas dirigidas a crianças, jovens e adultos.

Ambas as iniciativas carecem de inscrição e são gratuitas.  Esta atividades vão ser dinamizadas pelos serviços educativos do Museu de Serralves.

Recorda-se que a exposição “Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa” – obras da Secretaria de Estado da Cultura (SEC) na Coleção de Serralves, está patente ao público até ao dia 20 de outubro.

“A exposição representa, por um lado, os primórdios da constituição da Coleção de Serralves e, por outro, uma perspetiva muito singular sobre a arte produzida em Portugal entre as décadas de 1960–80. As obras escolhidas atestam os diversos níveis de diálogo e confluência formais que os artistas portugueses souberam estabelecer entre si e com o contexto internacional a partir do pós-guerra. Uma das particularidades mais notáveis da arte portuguesa neste longo período de consolidação das práticas artísticas em Portugal foi a relativa indiferença ou o recurso instrumental aos aspetos mais conceptuais e performativos da arte, não obstante alguns artistas se terem dedicado a eles, como Graça Morais, António Palolo e José de Carvalho, ou até terem sido incontornáveis e essenciais em períodos específicos das carreiras de Alberto Carneiro, Ângelo de Sousa e Julião Sarmento. O que esta exposição procura verificar é o modo como a pintura e a escultura enquanto meios resultaram primordiais a todos estes artistas e às suas indagações artísticas e filosóficas”.

A exposição pode ser visitada de terça-feira a domingo das 10H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00 e a entrada é gratuita.

PORTISTAS ESTAGIAM EM ARCOS DE VALDEVEZ

Sub 19 do Futebol Clube do Porto fazem estágio em Arcos de Valdevez

Já há algum tempo que o concelho arcuense se destaca pela procura que tem ao nível desportivo para a realização de estágios de equipas nacionais e estrangeiras devido às boas condições que oferece para a realização de treinos e estágios.

IMG_20190725_094919.jpg

De momento encontra-se a estagiar nas instalações desportivas arcuenses, a equipa de sub 19 do Futebol Clube do Porto. Este estágio culminará no sábado, 27 de julho, com um jogo pelas 10h30 com a equipa sénior do Maria da Fonte.

A zona desportiva de Arcos de Valdevez é composta pelo Estádio Municipal, o Estádio Municipal da Coutada, o Estádio Municipal de Rugby, uma piscina interior e outra exterior, com ginásios.

Esta procura por parte das equipas atesta a qualidade das instalações existentes e promove dinâmica económica e turística. Aspetos de grande importância que levam o nome de Arcos de Valdevez cada vez mais longe, pelos melhores motivos.

IMG_20190725_091840.jpg

IMG_20190725_093152.jpg

IMG_20190725_094346.jpg

TERRAS DE BOURO INAUGURA TELA PROMOCIONAL DA PENEDA-GERÊS NO AEROPORTO SÁ CARNEIRO

Inauguração da tela promocional do Parque Nacional da Peneda-Gerês no  Aeroporto Sá Carneiro

No dia 12 de julho, autarcas, empresários turísticos de Terras de Bouro e a Associação Gerês Viver Turismo, deslocaram-se ao aeroporto Sá Carneiro, no Porto, para assistir e participar no evento de inauguração da tela promocional do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

20190712_102548-01.jpeg

Sublinhe-se a importância desta promoção do único parque nacional do nosso país, naquela que é o “maior porta de entrada” de fluxo de turistas na zona norte de Portugal e que estará em destaque neste local  até meados de setembro.

O ato ficou marcado pela intervenções do Presidente do Porto e Norte e dos Presidentes dos Municípios do PNPG, além do Diretor do Aeroporto.

O Município de Terras de Bouro, para além de material turístico promocional do concelho, apresentou também  o doce  “Beneditinos de S. Bento,” que  está na final distrital de Braga das 7 Maravilhas dos Doces de Portugal e os Pastéis de Sta. Eufémia.

20190712_103404-01.jpeg

20190712_103408-01.jpeg

20190712_103511-01.jpeg

20190712_104607.jpg

20190712_105236.jpg

20190712_105408.jpg

20190712_105546.jpg

20190712_113614.jpg

20190712_113638(0).jpg

PONTE DE LIMA RECEBE SERRALVES

Serralves em Ponte de Lima com Exposição Temporária “A Minha Casa é a Tua Casa” - Villa Moraes e Torre da Cadeia Velha até 29 de Setembro

O Palacete Villa Moraes e a Torre de Cadeia Velha são os edifícios que recebem a exposição temporária A Minha Casa é a Tua Casa: Imagens do Doméstico e do Urbano na Coleção de Serralves”.

IMG_5382.jpg

A inauguração oficial realizou-se no dia 25 de junho pelo Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng. Victor Mendes, na presença da Presidente do Conselho de Administração da Fundação Serralves, Dra. Ana Pinho e do Diretor do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Philippe Vergne.

Esta iniciativa cultural surge na sequência de um protocolo entre o Município de Ponte de Lima e a Fundação de Serralves, pelo qual o Município acedeu ao Estatuto de Fundador de Serralves estabelecendo uma cooperação duradoura entre ambas as instituições.

IMG_5397.jpg

Organizada pelo Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves, esta mostra itinerante, traz a Ponte de Lima obras que se encontram à guarda daquela reputada instituição cultural do nosso país. Segundo a curadora da exposição, Paula Fernandes, “os artistas e as obras nela apresentados colocam o doméstico no centro das suas preocupações, propondo diferentes interpretações daquilo que se entende por casa.” As casas imaginadas por artistas serão temporariamente a nossa casa.

A Presidente do Conselho de Administração da Fundação Serralves, Dra. Ana Pinho, confirmou “a importância das várias parcerias que Serralves tem efetuado com autarquias e outras entidades, uma mais-valia para mostrar a arte contemporânea (..) mostrar o que é feito pelos nossos artistas contemporâneos, sendo esta parceria com Ponte de Lima um exemplo, pela forma como acolhem o projeto Serralves”, disse Ana Pinho Presidente do Conselho de Administração da Fundação Serralves.

Por sua vez, o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng.º Victor Mendes, revelou que “para nós é um orgulho integrarmos esta Fundação, que é hoje um exemplo a nível nacional e internacional”. O autarca ressalvou ainda que “foi graças ao apoio dos mecenas que apresentamos esta exposição itinerante em dois edifícios emblemáticos da Vila de Ponte de Lima”, considerando que “fazemos uma aposta forte na cultura, pois acreditamos que a sustentabilidade de um território tem que estar ligado à Cultura”.

A exposição temporária A Minha Casa é a Tua Casa: Imagens do Doméstico e do Urbano na Coleção de Serralves”, estará patente até ao dia 29 de setembro, de terça-feira a domingo, das 9h30-13h00/14h00-17h30, no Palacete da Villa Moraes e na Torre da Cadeia Velha, com entrada livre.

IMG_5441.jpg