Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ARROZ DE SARRABULHO COM ROJÕES É O “EMBAIXADOR” DA GASTRONOMIA DE PONTE DE LIMA

  • Carlos Gomes

As Papas de Sarrabulho e o Arroz de Sarrabulho constituem dois pratos emblemáticos da nossa região que têm as delícias do porco como elemento central da sua confecção. Encontram-se, por conseguinte, associados à matança do porco, animal que constitui desde sempre uma das principais fontes de rendimento do agricultor, razão pela qual ele simboliza o mealheiro.

Em termos genéricos, o sarrabulho caracteriza-se por se tratar de um guisado com as miudezas do porco com sangue associado à farinha de milho ou ao arroz, tal como foi inventado em Ponte de Lima.

Acredita-se que as origens do sarrabulho remontem à Idade Média, por ocasião da crise ocorrida no século XIV. À escassez de bens alimentares devido à ocorrência de secas prolongadas nos campos, faziam do pão praticamente o único alimento da população nas zonas rurais. Porém, como a necessidade aguça o engenho, passaram a juntar-lhe o sangue e as miudezas que, por caridade, eram pelas famílias mais abastadas oferecidas aos mais necessitados sempre que efectuavam uma matança… e assim nasceram as papas de sarrabulho!

À época ainda não existia o milho na nossa região uma vez que a introdução do mesmo no noroeste peninsular se deve ao Descobrimento da América por Cristóvão Colombo, cereal que inicialmente era designado por “trigo índio”. Por conseguinte, deveria ter sido o centeio o cereal até então produzido e inicialmente utilizado na confecção das papas de sarrabulho.

Por sua vez, a expansão da cultura do arroz em Portugal regista-se nos começos do século XX, muito embora a sua introdução remonte ao início do século VIII, trazido pelos árabes aquando da sua conquista da Península Ibérica em 711. Contudo, durante muito tempo, este alimento era apenas acessível às famílias mais abastadas, razão pela qual demorou muito tempo a ser incorporado na culinária tradicional de cariz popular. Além disso, o seu cultivo estava limitado às “terras alagadiças dos vales do Vouga, Mondego, Sado, Mira e Guadiana”, o que não era o caso de Ponte de Lima.

Uma vez substituída a farinha pelo arroz na confecção do sarrabulho, Ponte de Lima inaugurou um novo prato que foi ao longo dos anos adquirindo cada vez maior número de apreciadores a tal ponto que passou a constituir a sua principal referência gastronómica – o arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima!

Sucede que esta iguaria é também responsável pela promoção turística de Ponte de Lima, constituindo um dos principais motivos de atracção de inúmeros visitantes. E, como não podia deixar de suceder, foi em 2006 criada a Confraria do Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, como forma de “divulgar e realçar o valor gastronómico e histórico deste prato”.

A partir de então, o Comendador Adelino Tito de Morais em conjugação com os melhores restaurantes e cozinheiros de Ponte de Lima, e a colaboração das nossas comunidades de emigrantes, tem levado esta deliciosa iguaria aos mais diversos recantos da Europa, dos quais destacamos a França, Bélgica e a Córsega. E, também na região de Lisboa, desde 2017, com a colaboração do Grupo Folclórico Verde Minho e a Câmara Municipal de Loures, o arroz de sarrabulho já conquistou os paladares de muitas pessoas que, através dele, tomaram pela primeira vez contacto com Ponte de Lima. Mais ainda, qual embaixador de Ponte de Lima, o “nosso” sarrabulho é responsável pelo início de uma parceria entre os dois concelhos – Loures e Ponte de Lima – que se espera profícua e deve ser inaugurada com a promoção recíproca dos vinhos arintos, de Bucelas e de Ponte de Lima.

Salvo casos muito pontuais, a promoção em Lisboa de forma sistemática e alargada ao público em geral e aos limianos que ali vivem, do Arroz de Sarrabulho com Rojões à Moda de Ponte de Lima, começou no II Almoço Limiano realizado em Novembro de 1986, encontro que se destinou à fundação, dois meses mais tarde, da Casa do Concelho de Ponte de Lima.

Ao longo de uma década desde a sua fundação, manteve esta Instituição regionalista o arroz de sarrabulho como prato principal dos almoços limianos que em Lisboa tinham invariavelmente lugar no final do mês de novembro. Porém, a partir de então, abandonou esta causa, passando a substituir este prato por outras especialidades mais estranhas ao concelho de Ponte de Lima e até em relação ao próprio país… e, com o tempo, deixaram de realizar o próprio Almoço Limiano!

Em Loures, o próximo Almoço do Arroz de Sarrabulho com Rojões à Moda de Ponte de Lima encontra-se marcado para o dia 6 de Fevereiro de 2022. E, a adesão que o mesmo regista, não apenas entre os minhotos, mas também junto de muitos habitantes daquela que é considerada a capital da região saloia, promete um futuro auspicioso na colaboração entre os dois municípios com vista à sua promoção mútua.

PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA, ENGº VASCO FERRAZ, VAI A LOURES À JORNADA GASTRONÓMICA DO ARROZ DE SARRABULHO

Jornada Gastronómica do Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima é um momento de confraternização das gentes limianas radicadas na região de Lisboa

O Grupo Folclórico Verde Minho tem já confirmada a participação do engº Vasco Ferraz, Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, na Jornada Gastronómica do Sarrabulho à moda de Ponte de Lima que vai ter lugar em Loures, no próximo dia 6 de Fevereiro, no Salão dos Bombeiros Voluntários de Loures.

Além do autarca limiano, também estarão presentes o Presidente da Câmara Municipal de Loures, Dr. Ricardo Leão, a Vice-presidente Drª Sónia Paixão, o Vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Dr. Filipe Anacoreta Correia, o deputado municipal em Lisboa, Dr. José Inácio Faria e o Presidente da Junta de Freguesia de Loures, Dr. António Pombinho.

A animação está a cargo da entidade organizadora – o Grupo Folclórico Verde Minho – constituído por pessoas ligadas sobretudo ao Alto Minho, grupo sediado em Loures e que vem desenvolvendo uma intensa atividade de divulgação das nossas tradições que atinge o seu apogeu na realização do FolkLoures, um evento que vem conquistando cada vez mais notoriedade e fazendo de Loures um dos grandes palcos do nosso folclore.

Cartaz Serrabulhobomvoloures.png

JORNAL "LUSO.EU" DAS COMUNIDADES NA BÉLGICA DESTACA ALMOÇO DO SARRABULHO EM LOURES

Sarrabulho em Loures, quase esgotado!

O encontro anual de apreciadores de gastronomia, afincadamente limianos e minhotos radicados em Lisboa e arredores, organizado pelo Grupo Folclórico Verde Minho em colaboração com a Câmara Municipal de Loures, encontra-se quase esgotado.

28012019lusoeu.jpg

A actividade decorrerá no pavilhão dos Bombeiros Voluntários daquela cidade, um amplo espaço com 500 m2, proporcionando assim o cumprimento das medidas desenhadas pelo Delegado de Saúde local, designadamente distanciamento entre mesas redondas, corredores de acesso ás mesmas em dois sentidos, bem como para a cozinha e áreas de empratamento e demais funções.

Quanto aos preparos para o evento, o Chef Paulo Santos de Ponte de Lima e o Presidente da comissão organizadora, Teotónio Gonçalves e seus colaboradores como o Limianista Carlos Gomes, têm tudo em marcha: encomenda das carnes, designadamente vitela, galinha e de porco para desfiar para o arroz; mais desta última para rojões; coladas também do suíno, tal como fígado e costela, tudo temperado com deliciosos ingredientes para as miudezas, as quais virão acompanhadas das belouras, tripa enfarinhada, chouriça sarrabulha ou de cebola, e recurso a segredos da receita sesquicentenária, pois já em 1860 constava do cardápio do extinto restaurante Clara Penha, na vila de Ponte de Lima, e registado em 1886 pelo médico valenciano, José Augusto Vieira, na sua monumental obra O Minho Pitoresco.

Masadiantemos algo mais quanto a esse manjar de excelência dos Limianos fóra de portas: nas entradas ou entreténs pontificarão as alheiras grelhadas em cama de legumes; as chouriças de carne e outras, ou o salpicão da Serra de Arga, tudo acompanhado de umas azeitonas silvestres! E, para toda essa tradicional refeição do agricultor e nobre, também desde sempre comum no fecho de fainas sazonais agrícolas de casas abastadas, a selecção de vinhos: aqui elegemos dos melhores brancos e tintos, portanto das castas Loureiro e Vinhão!!!

Encontro social, Festim, o ágape anual de comemoração e balanço de toda uma actividade desses amigos, anfitriões do Grupo Folclórico Verde Minho, eis que chegou o dia e a hora! A partir do meio dia de Domingo, 6 de Fevereiro, com abertura de portas e munido do seu Certificado de vacinação, acompanham – no ao seu lugar, previamente mapeado como manda a DGS. Entre os muitos anónimos presentes no Arroz de Sarrabulho, outros há a salientar pelas suas funções, que se associam á iniciativa: autarcas de Loures, Lisboa e Ponte de Lima; também o Director do Rotary Distrito Norte da capital; e, a confraria do Vinho de Bucelas, esse néctar único, que já em 1756 era saboreado no Vaticano e em 1907 no jantar oferecido pelo nosso diplomata, poeta e gastrónomo António Feijó, á Corte sueca!

Tito Morais / https://www.luso.eu/