Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASA DO MINHO EM LISBOA ORGANIZA ALMOÇO DO ARROZ DE SARRABULHO COM ROJÕES À MODA DE PONTE DE LIMA - EVENTO ESTÁ PREVISTO PARA ABRIL

Alheira de Galo será servida como entrada do almoço

A Casa do Minho vai em breve levar a efeito o Almoço do Arroz de Sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima, uma iniciativa que conta com o apoio de um grupo dos melhores restaurante e cozinheiros daquele concelho minhoto.

28511389_WEB_40789303_GI05072017PEDROGRANADEIRO_000234_WEB-1-960x640_c

Outra das novidades que será dada a oportunidade a degustar é a alheira de galo, uma das mais recentes especialidades da nossa região.

A animação estará a cargo do Rancho Folclórico da Casa do Minho.

O BLOGUE DO MINHO conta em breve informar a data e o local da realização deste grandioso evento para o qual se espera a participação de mais de meio milhar de pessoas. Entretanto, a Casa do Minho já se encontra a receber pedidos de inscrição para o referido evento, o que promete uma grandiosa jornada gastronómica a fazer jus ao lema: uma boa mesa para uma boa política regionalista!

Fotos: https://www.evasoes.pt/

28511408_WEB_40789329_GI05072017PEDROGRANADEIRO_000236_WEB-1-960x640_c

ARCUENSES EM LISBOA CANTAM AO MENINO JESUS NA IGREJA DE SANTO AGOSTINHO EM MARVILA

O evento contou ainda com a participação de representações da Beira e do Douro Litoral

A Igreja Paroquial de Santo Agostinho, em Marvila, recebeu anteontem um encontro de cantares tradicionais ao Menino Jesus, excelentemente interpretados pelo Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, o Rancho Folclórico da Ribeira de Celavisa – Arganil e o Rancho Tradicional de Cinfães.

DSC_9857

O local escolhido não podia ser melhor. Apesar de pouco conhecido inclusive pelos lisboetas, a Igreja de Santo Agostinho – outrora pertencente ao antigo Convento de Nossa Senhora da Conceição de Marvila da Ordem de Santa Brígida – constitui uma das igrejas de Lisboa que reúne mais esplendor.

Profusamente decorada com motivos de arte do barroco, desde os painéis de azulejos à talha dourada, não esquecendo os magníficos quadros com o ciclo da vida de Santa Brígida, é considerada um dos mais belos templos seiscentistas que sobreviveram ao terramoto de 1755. A igreja veio em 1959, a tornar-se sede da Paróquia de Marvila sob a invocação de Santo Agostinho.

Fotos: César Laranjo

DSC_9861

DSC_9862

DSC_9823

DSC_9853

DSC_9788

DSC_9795

DSC_9804

DSC_9812

GRUPO DE FOLCLORE DAS TERRAS DA NÓBREGA DESVINCULA-SE DA FEDERAÇÃO DO FOLCLORE PORTUGUÊS

O Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega – reconhecidamente um dos melhores grupos folclóricos minhotos sediados na região de Lisboa – acaba de emitir um comunicado que vem publicado na sua página oficial do facebook, através da qual informa a sua desvinculação como sócio aderente da Federação do Folclore Português. Passamos a transcrever.

48051576_1199978446821170_1269189082513145856_n

Partilhamos hoje convosco a notícia de que o nosso Grupo chegou ao fim de mais um ciclo. Desde 19 de Abril de 2013, data da nossa Fundação, temos feito a nossa caminhada degrau a degrau, ciclo a ciclo, meta a meta, objectivo a objectivo. Temos tido o orgulho de concretizar a maioria deles. Temos tido o privilégio de falhar muito poucos. Porém, também os falhamos.

Assim, informamos Todos os nossos Amigos, e demais Comunidade Folclórica Nacional e Além-Fronteiras, de que, no estrito cumprimento do Art.º 9, N.º 1, alínea a) dos Estatutos da Federação do Folclore Português (FFP), o Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega solicitou no passado dia 14 de Outubro a sua exoneração enquanto Associado da FFP. Esta decisão foi tomada por Unanimidade em Plenário de Órgãos Sociais, Componentes e demais Associados Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega.

Mais informamos que solicitamos, de acordo com o Art.º 9 N.º 2 os Estatutos da FFP, a confirmação por escrito da Exoneração do Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega de Associado da Instituição à FFP, e que, de acordo com o Art.º 9, N.º 3 dos referidos Estatutos, solicitamos também a confirmação dos valores em dívida das quotas vencidas e vincendas que o Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega tenha eventualmente em dívida. Ambas as solicitações foram concretizadas no passado dia 11 de Dezembro, deixando o Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega nessa data, e com carácter formal e oficial, de ser Sócio Aderente da FFP.

As razões que nos levaram a tomar esta decisão não serão, pelo menos por agora, tornadas públicas. Foram transmitidas, por mais do que uma vez, em mais do que uma ocasião, e por mais do que um vector de comunicação, a quem de direito. Assim, fazemos reserva moral das mesmas e aguardaremos pacientemente por tempos vindouros em que o projecto do Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega seja novamente querido, bem-vindo e bem aceite dentro da Instituição.

Este pedido de exoneração, contudo, em nada altera a linha mestra da representatividade e dos valores etno-folclóricos que o Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega tem preconizado na sua breve Vida: defenderemos intransigentemente a verdade etno-folclórica, faremos uma defesa veemente da nossa representatividade e continuaremos a tentar ser uma referência do Folclore e Etnografia do Alto Minho Interior. Continuaremos, como até aqui, a demonstrar o nosso Folclore e Etnografia em cima do palco e, daí de cima, não seremos coniventes (nem silenciosos, como até aqui!), a ataques, calúnias e depreciações, venham elas de onde vierem.

O nosso muito obrigado a Todos os nossos Amigos e demais Folcloristas pelos votos de confiança e resiliência que temos recebido ao longo destes pouco mais de cinco anos. Nada mudou com esta decisão e vãos com certeza a continuar a nos encontrarmos por aí em qualquer terreiro, eira, palco ou romaria.

Bem hajam! Até breve a Todos!

GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MINHO PARTICIPA NAS CELEBRAÇÕES DO ANO NOVO CHINÊS QUE SE REALIZAM NO PRÓXIMO ANO

O Grupo Folclórico Verde Minho vai no próximo ano, a convite da Embaixada da República Popular da China, participar uma vez mais, nas celebrações do Ano Novo Chinês que estão previstas se realizarem em Lisboa no dia 10 de Fevereiro.

DSCF8052

As celebrações do próximo ano terão maior escala e importância uma vez que nesse ano se comemora o 40º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre Portugal e a República Popular da China e ainda o 20º aniversário da transferência da administração de Macau.

O Porco de Terra é o animal e o elemento do Ano Novo Chinês 2019. O Porco é o animal do zodíaco cuja energia vai ser prevalecente durante 2019, juntamente com a Terra, o elemento do ano.

O calendário chinês rege-se pelos ciclos lunares em conjugação com a posição do sol, iniciando-se na noite de lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo grau de Aquário. As representações dos doze animais do horóscopo a que correspondem os anos no calendário chinês possuem a sua origem na lenda segundo a qual, os doze animais se apresentaram a Buda, correspondendo ao seu chamamento.

Ascende a mais de vinte mil o número de chineses que vivem em Portugal, oriundos principalmente da província de Cantão em virtude da sua proximidade com Macau, constituindo uma comunidade pacífica e trabalhadora, dedicada sobretudo ao comércio e com uma presença considerável na nossa região.

DSCF8087

DSCF8144