Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

REVISTA “A BARROSANA” PUBLICA ARTIGO DO BLOQUE DO MINHO ACERCA DA VILA DE SALTO

Acaba de ser publicada a edição de Março da revista “A Barrosana” que pode ser lida aqui, número que transcreve o artigo publicado no BLOGUE DO MINHO sob o título “Vila de Salto – Concelho de Montalegre – é terra minhota e deveria ser devolvida a Cabeceiras de Basto”.

Fundado e dirigido por Domingos Chaves, a revista A BARROSANA, "tem como objectivo principal, promover e divulgar o concelho de Montalegre, o seu património, a sua língua, as características e valores da sua cultura, bem como valorizar as obras, os homens e mulheres da região e toda a área geográfica onde se insere".

CapturarBarrosania1.PNG

CapturarBarrosania2.PNG

A VOLTA AO MUNDO DE FERNÃO DE MAGALHÃES

  • Crónica de Daniel Bastos

No segundo semestre deste ano assinalam-se os 500 anos da primeira viagem de circum-navegação do mundo, iniciada pelo navegador português Fernão de Magalhães em setembro de 1519 e concluída pelo explorador espanhol Sebastián Elcano, em setembro de 1522, após a morte do navegador luso.

Ferdinand_Magellan.jpg

Polémicas estéreis à parte, que recentemente sobrevieram na imprensa luso-espanhola a pretexto de uma pretensa “monopolização” portuguesa das Comemorações do V Centenário da Circum-Navegação, as fontes históricas sustentam que o intrépido navegador, nascido no seio de uma família nobre no norte de Portugal, realizou a primeira volta histórica ao mundo, ao serviço do rei Carlos I de Espanha, vindouro Imperador Carlos V do Sacro Império Romano-Germânico.

 O propósito da audaciosa viagem, que representou um dos maiores feitos da humanidade, visava demonstrar que as atuais ilhas Molucas, na Indonésia, à época conhecidas como as “Ilhas das Especiarias”, se encontravam do lado espanhol do mundo, podendo ser alcançadas navegando para ocidente. Indo assim ao encontro dos termos do Tratado de Tordesilhas, que no final do séc. XV, com o beneplácito papal, dividiu o mundo “descoberto e por descobrir” em duas partes, com os direitos de exploração, de cada uma delas, destinadas a Portugal (Oriente) e a Espanha (Ocidente).

Liderando uma frota de cinco navios, com 256 homens a bordo, Fernão de Magalhães dobrou a América do Sul, atravessando o estreito que hoje tem o seu nome, conseguindo desse modo alcançar após três meses de navegação no oceano Pacífico o arquipélago das Marianas, situadas na região do Oceano Pacífico ocidental. No entanto, Magalhães não sobreviveria ao fim da viagem, tendo sucumbido em 1521 nas Filipinas, já na rota de regresso a Espanha, tendo então o comando da expedição sido assumido por Elcano, que regressou a Sevilha em setembro de 1522, acompanhado de apenas 18 homens.

A volta ao mundo de Fernão de Magalhães deve obviamente ser comemorada e compartilhada por Portugal e Espanha, nações europeias pioneiras nos descobrimentos marítimas, que têm que assentar o seu valioso legado histórico no diálogo hodierno sobre a globalização, a diversidade cultural e a sustentabilidade ambiental.

CONCELHO DE VIZELA FOI RESTAURADO HÁ 21 ANOS!

Município de Vizela comemora 21.º aniversário

No próximo dia 19 de março, o Município de Vizela comemora o seu 21.º aniversário, assinalando a luta pela autonomia administrativa do Concelho, que viu finalmente o seu objetivo alcançado a 19 de março de 1998.

cartaz 19 MARÇO 2019.png

O programa oficial das comemorações foi apresentado ontem pelo Presidente da Câmara Municipal de Vizela, no local onde irão decorrer as festividades, o Jardim Manuel Faria.

Na sua intervenção, Victor Hugo Salgado destacou a importância do bolinhol enquanto produto turístico gastronómico, apostando na realização da Feira do Bolinhol aliada às comemorações do aniversãrio do Município.

O Edil destacou a aposta que a Autarquia tem efetuado na divulgação do doce tradicional de Vizela, sendo disse exemplo, não apenas a realização da Feira, mas também a promoção do Bolinhol além-fronteiras, como foi o caso da Xantar, revelando ainda que a Câmara se encontra a preparar, juntamente com os produtores locais, uma candidatura do Bolinhol às 7 Maravilhas da Doçaria em Portugal.

O Presidente da Câmara destacou também a aposta na realização de eventos como motor de desenvolvimento turístico e o programa das comemorações do 21.º aniversário é disso exemplo.

Assim, as comemorações iniciam-se no dia 15 de março, sexta-feira, no Jardim Manuel Faria com um vasto programa que se prolonga até ao dia 19 de março, segunda-feira.

Assim, na sexta-feira, dia 15 de março, terá lugra as 21.00h, a apresentação do Concurso Bandas de Vizela 2019, segunido a atuação da banda Typical Me, vendcedor do concurso de 2018. A noite termina com Djs, no Jardim Manuel Faria.

No dia seguinte, 16 de março, terá lugar a abertura da Feira do Bolinhol, pelas 11.00h, que se prolonga até dia 19 de março, no Jardim Manuel Faria. Pelas 15.00h sobem ao placo do Jardim Manuel Faria os gupos locais e à noite terá lugar um concerto da banda vizelense Duvale.

No dia 17 de março, domingo, a tarde está reservada aos vizelenses 4 Mens e Tânia Sampaio, no Jardim Manuel Faria. Segunda-feira, dia 18 de março, terá lugar o concerto de Anselmo Ralph, às 22.00h no Jardim Manuel Faria.

O dia 19 de Março será marcado pelas cerimónias solenes. Às 9.00h terá lugar a celebração da missa solene do aniversário do Concelho, na igreja de S. Paio, seguindo-se a inauguração da Capela Mortuária de S. Paio. Às 10.30h terá lugar a receção dos convidados no Edifício-sede do Município (Praça do Município), seguindo-se a inauguração dos Monumentos de Homenagem a Manuel Campelos e de Homenagem ao Povo de Vizela.

Às 11.00h terá lugar a sessão solene no Jardim Manuel Faria, onde a Câmara Municipal, ao abrigo do Regulamento do Conselho das Condecorações Municipais, vai distinguir personalidades e instituições com medalhas honoríficas e ainda reconhecer, através da atribuição de um galardão de mérito, os ‘jovens quadros vizelenses’ que atualmente, pelo percurso de vida, académico e profissional, se destacam a nível nacional, nas suas mais variadas vertentes, sejam elas na cultura, na ciência, na comunicação, na música, na moda ou no desporto.

A tarde voltará a ser de festa, no Jardim Manuel Faria, onde prossegue a Feira do Bolinhol, aliada a um tarde musical com os grupos da terra, a partir das 15.30h.

PORTUGAL DIZ NÃO AO ÓDIO RACIAL E ÉTNICO: SOMOS TODOS JUDEUS!

Pese embora os esforços daqueles que a todo o custo procuram semear o ódio étnico e racial, não raras as vezes a pretexto de alegadas “justas causas”, a sociedade portuguesa é por natureza pacífica e resultado da convivência, ao longo de muitos séculos, com inúmeros povos de todos os continentes.

Sinagoga Portuguesa de Amesterão

A imagem mostra o local reservado ao culto na Sinagoga Portuguesa de Amesterdão.

 

Não existe família em Portugal que não possua no seu seio pessoas oriundas do Brasil, Angola, Cabo Verde, Moçambique… ou não tenha deixado algures um dos seus filhos misturados com uma família nos lugares mais recônditos do planeta!

Entre os portugueses contam-se inúmeros cidadãos de origem judaica e, durante a Segunda Guerra Mundial, serviu Portugal de abrigo – e de entreposto! – a milhares de famílias que escaparam ao holocausto, graças ao empenho de diplomatas e funcionários consulares como Aristides de Sousa Mendes, Teixeira Branquinho e Sampaio Garrido, de forma concertada com o regime que inclusivamente possibilitou a travessia da fronteira e a boa vontade da ditadura franquista.

De novo, está a ressuscitar nalguns países europeus o mesmo ódio que no passado levou ao extermínio milhões de pessoas – judeus, comunistas, ciganos, Testemunhas de Jeová e muitos outros! – algo que desde já rejeitamos liminarmente.

Somos portugueses e temos orgulho da nossa identidade e passado glorioso. Rejeitamos o ódio racial e étnico da mesma maneira que repudiamos os seus fomentadores. Perante a ascensão do antisemitismo, somos todos judeus!

BRACARENSES REVIVEM MERCADO ROMANO

Braga Romana decorre de 22 a 26 de Maio. Estão abertas as candidaturas ao Mercado Romano

O Município de Braga informa que estão abertas as candidaturas para o Mercado Romano, a realizar no âmbito da 16.ª edição da Braga Romana – Reviver Bracara Augusta’, que terá lugar de 22 a 26 de Maio de 2019.

1bragroman (1).jpg

As candidaturas decorrem até 08 de Março e obedecem a requisitos e critérios inerentes a esta recriação histórica. Podem candidatar-se a esta recriação de mercado romano Artesãos, Mercadores e Místicos assim como propostas para as iguarias da Área Alimentar.

Os formulários e fichas de inscrição estão disponíveis no site da Braga Romana, em http://bragaromana.cm-braga.pt/.

As candidaturas devem ser remetidas por correio, registadas e com aviso de recepção, ou entregues, em envelope fechado, até ao dia 08 de Março, inclusive, na seguinte morada: Município de Braga - Divisão de Cultura, Convento do Pópulo, Praça Conde de Agrolongo, 4704-514 Braga.

Recorde-se que os mercados eram uma das expressões mais marcantes da vida das cidades do Império Romano. Os mercadores chegavam a Bracara Augusta de todos os pontos do Império para apresentar e vender os mais variados produtos. Na capital da Galécia o mercado era, também, um ponto de encontro de culturas e de saberes, e ocasião para a diversão e o lazer.

1bragroman (2).jpg

1bragroman (3).jpg

BRAGA RECRIA MERCADO ROMANO

Os mercados eram uma das expressões mais marcantes da vida das cidades do Império Romano. Os mercadores chegavam a Bracara Augusta de todos os pontos do Império para apresentar e vender os mais variados produtos. Na capital da Galécia o mercado era, também, um ponto de encontro de culturas e de saberes, e ocasião para a diversão e o lazer.

52684505_2193486684079117_3062865019864612864_n.png

Já estão abertas as candidaturas para o Mercado Romano, a realizar no âmbito da XVI BRAGA ROMANA – REVIVER BRACARA AUGUSTA.

As candidaturas decorrem até 08 de Março e obedecem a requisitos e critérios inerentes a esta recriação histórica.

Podem candidatar-se a esta recriação de mercado romano Artesãos, Mercadores e Místicos assim como propostas para as iguarias da Área Alimentar.

Consulte e descarregue os formulários e fichas de inscrição no site oficial de “BRAGA ROMANA” em : www.bragaromana.cm-braga.pt

As candidaturas devem ser remetidas por correio, registadas e com aviso de receção, ou entregues, em envelope fechado, até ao dia 08 de março, inclusive, na seguinte morada:

Município de Braga - Divisão de Cultura

Convento do Pópulo

Praça Conde de Agrolongo

4704-514 BRAGA

Com o vosso contributo e empenho, estamos certos que iremos engrandecer, ainda mais, a “BRAGA ROMANA – Reviver Bracara Augusta 2019”

BRAGA RECRIA CASAMENTO ROMANO

Concurso Casamento Romano

O casamento durante “Império Romano” era sem dúvida um dos rituais de maior importância, festividade envolta de bons auspícios.

A Braga Romana – Reviver Bracara Augusta pretende oferecer ao casal vencedor a possibilidade de ser protagonista de um grande espetáculo de recriação de um casamento romano em todo o seu esplendor.

Sê um verdadeiro Romano Bracaraugustano, concorre ao casamento romano com a tua cara-metade e habilita-te a ganhar fantásticos prémios que tornarão esta viagem histórica inesquecível.

Informações: http://bragaromana.cm-braga.pt/

18118879_1371598329601294_6368860214915995086_n.jpg

CERVEIRA "SENTE A HISTÓRIA"

Cerveira ‘Sente a História’ com visita animada e concerto

De características inéditas no país, o programa cultural “Sente a História” chega, este sábado, 16 de fevereiro, a Vila Nova de Cerveira. Além de permitir uma experiência de história ao vivo, esta ação apresenta ainda um concerto com a Banda de Música de Ponte de Lima, que vai surpreender o público através de novas abordagens e talentos. Igreja da Misericórdia, às 21h30, e Igreja Matriz, às 22h00, são os pontos de encontro. Entrada livre.

Cartaz Sente a Historia 2019.jpg

Centrado na capacitação, valorização e no desenvolvimento de competências de diferentes gerações de músicos locais, bem como na criação de novos talentos, o programa ‘Sente a História’ está a decorrer desde 13 maio de 2018 até 20 de julho de 2019, envolvendo os municípios de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira.

Com os novos maestros a garantirem o rejuvenescimento desta arte na sequência das ações de capacitação deste programa, as bandas filarmónicas vão atuar em contexto de concerto com interpretações surpreendentes com jazz, rock, fado, música barroca, popular ou erudita, em formato acústico ou com o som amplificado. Em Vila Nova de Cerveira, a Banda de Música de Ponte de lima, sob direção do maestro Gaspar André Fernandes, vai interpretar, este sábado, um repertório composto por oito músicas.

Este programa cultural ‘Sente a História’ é uma organização da CIM Alto Minho, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira. A visita animada arranca às 21h30, na Igreja da Misericórdia, e o Concerto tem como palco a Igreja Matriz de Vila Nova de Cerveira, a partir das 22h00, com entrada livre.

HISTORIADOR DANIEL BASTOS PROFERE PALESTRA ACERCA DA RURALIDADE DE FAFE NA DÉCADE DE 70 DO SÉCULO PASSADO

Rotary Clube de Fafe abordou importância da História Local

Na passada terça-feira à noite (12 de Fevereiro), no decurso da reunião semanal do Rotary Club de Fafe, os membros desde movimento de estímulo a uma ação profissional e comunitária ética e responsável, presente no concelho de Fafe há mais de três décadas, refletiram sobre a importância da História Local.

Rotary Club de Fafe.jpg

Os membros presentes na reunião semanal do Rotary Club de Fafe no decurso da palestra “Terras de Monte Longo – Uma abordagem à ruralidade de Fafe nos anos 70”.

 

A convite do presidente do Rotary Club de Fafe, Rodrigo Gonçalves, o historiador Daniel Bastos proferiu uma palestra intitulada “Terras de Monte Longo – Uma abordagem à ruralidade de Fafe nos anos 70”.

Através do espólio do consagrado fotógrafo José de Andrade, que nos anos 70 captou um conjunto expressivo e emblemático de imagens em povoados rurais de Fafe, acervo que esteve na base do livro “Terras de Monte Longo” concebido e realizado pelo historiador local, Daniel Bastos encetou uma viagem pelas memórias do passado, não muito distante, do concelho profundo e rural na transição da ditadura para a democracia.

Uma viagem guiada pela objetiva humanista de um fotógrafo que permaneceu quase incógnito até ao fim dos seus dias, e que encontrou em Fafe um palco privilegiado para revelar nessa época as agruras da vida quotidiana no interior norte de Portugal.

FAMALICÃO: MUSEU BERNARDINO MACHADO CONTA A HISTÓRIA DO PARLAMENTARISMO

É na casa de um dos maiores defensores do parlamentarismo, eleito por duas vezes Presidente da República, que os famalicenses vão poder conhecer um pouco mais sobre a história deste órgão de soberania nacional.

AFS_4323.jpg

Os visitantes do Museu Bernardino Machado podem desde ontem apreciar a exposição “Assembleia da República: Imagens do Parlamentarismo”, que ficará pelo museu famalicense até ao final deste mês de fevereiro.

AFS_4347.jpg

Composta por 25 painéis que retratam as evoluções políticas, desde o liberalismo até à atualidade, esta mostra itinerante do Museu da Assembleia da República recua à origem do Palácio de São Bento, que começou como um mosteiro, em 1598, até à transformação em Palácio das Cortes, em 1833. Descreve também as adaptações e acrescentos ao atual edifício, e dedica especial atenção à história do Parlamento, a partir de 1976, com a referência aos partidos políticos representados, mostrando ainda o seu modo de funcionamento.

“Estamos a trazer o Parlamento até às pessoas”, diz o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha. “Trazemos a memória, a história, a identidade, o traço arquitetónico e o percurso deste edifício, conhecido como a Casa da Democracia”, referiu.

E acrescenta: “É também uma forma de darmos um contributo para o aprofundamento da democracia, da intervenção cívica, do sentimento de pertença das pessoas a uma comunidade”.

O coordenador científico do Museu Bernardino Machado também marcou presença na inauguração desta segunda-feira. Norberto Cunha manifestou o seu agrado por ver este tema exposto no museu que dirige, sobretudo por se tratar de um tema que tanto diz a Bernardino Machado, que considerou ser “um exigente parlamentarista”.

A exposição é de entrada gratuita e estará patente até 28 de fevereiro, na Sala Júlio Machado Vaz, podendo ser visitada de terça a sexta-feira das 10h00 às 17h30 e aos sábados e domingos das 14h30 às 17h30.

AFS_4379.jpg

FAMALICÃO: CARDEAL CEREJEIRA REGRESSA A GAVIÃO

Reposição de padrão de homenagem restitui história à freguesia de Gavião

“Um exercício de respeito pela história” – foi desta forma que o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, classificou a decisão da Junta de Freguesia de Gavião em repor o padrão de homenagem ao Cardeal Cerejeira que foi erigido na freguesia no ano de 1947, no decorrer da inauguração do Bairro Cardeal Cerejeira, um conjunto de casas sociais conhecidas como Casa dos Pobres inauguradas nesse dia com a presença do próprio Cardeal Patriarca de Lisboa, e que entretanto foi retirado do espaço na década de 70 do século passado.

AFS_3846.jpg

“A nossa história é um dos nossos maiores patrimónios e é nossa obrigação criar condições para a preservarmos nos moldes em que aconteceram”, acrescentou o Presidente da Câmara Municipal, falando no dia como a devolução à população de um“marco identitário e histórico que faz parte de Gavião.”

A cerimónia de requalificação do Largo Cardeal Cerejeira, junto ao Bairro de S. Vicente, decorreu ontem, domingo, 10 de fevereiro, com a presença do Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, do Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga e do presidente da Junta de Freguesia, António Emídio, entre muitos populares e amigos e familiares do Cardeal Cerejeira.  

Localizado no topo nascente da Rua de S. Vicente, que foi também alvo de requalificação no decurso desta intervenção, a praceta posiciona-se para ser “um ponto de encontro entre as pessoas, para que possam estar, partilhar circunstâncias atuais mas também a reviver a história”, como referiu Paulo Cunha. No conjunto (rua  e largo) a autarquia famalicense investiu cerca de 50 mil euros. “Este é o propósito da câmara municipal: articulando esforços com as juntas de freguesia, respeitar a memória e a identidade da nossa comunidade e valorizar o nosso território”.

O autarca da freguesia, António Emídio, falou na abertura de “uma janela da nossa história que se encontrava fechada de há uns anos para cá” e destacou que “nunca é tarde para corrigir as injustiças da nossa história”.

Recorde-se que D. Manuel Gonçalves Cerejeira nasceu em Vila Nova de Famalicão, na freguesia de Lousado. Foi Cardeal Patriarca de Lisboa durante mais de 40 anos (1929 -1972), tendo sido uma das mais destacadas figuras da Igreja Católica Portuguesa. Participou em três conclaves dos quais saíram eleitos o Cardeal Engenio Pacelli (Pio XII, 1939), o Cardeal Roncalli (João XXIII) e o Cardeal Montini (Paulo VI, 1963), bem como no Concílio Vaticano II (1962–1965). Mais nenhum Cardeal terá participado em tantos Conclaves.

PARLAMENTO LEVA EXPOSIÇÃO A FAMALICÃO

Museu Bernardino Machado acolhe exposição sobre o Parlamentarismo em Portugal. Exposição itinerante do Museu da Assembleia da República chega a Famalicão na próxima segunda-feira, dia 11.

Exposiçãoparlafam.jpg

A história do Parlamentarismo em Portugal dá o mote para a próxima exposição do Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão.

“Assembleia da República: Imagens do Parlamentarismo” assim se chama a mostra itinerante do Museu da Assembleia da República que a partir da próxima semana vai estar patente no museu famalicense, onde ficará até ao final deste mês de fevereiro.   

A exposição será inaugurada na próxima segunda-feira, dia 11, às 17h00, pelo Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, numa cerimónia que contará com a presença do coordenador científico do Museu Bernardino Machado, Norberto Cunha, e de deputados famalicenses com assento na Assembleia da República.  

A exposição é composta por 25 painéis que retratam as evoluções políticas, desde o liberalismo até à atualidade. Recua ainda à origem do Palácio de São Bento, que começou como um Mosteiro, em 1598, até à transformação em Palácio das Cortes, em 1833. Descreve também as adaptações e acrescentos ao atual edifício, e dedica especial atenção à história do Parlamento, a partir de 1976, com a referência aos partidos políticos representados, mostrando ainda o modo de funcionamento deste órgão de soberania nacional.

PONTE DA BARCA LEMBRA QUE O HOLOCAUSTO NÃO É BRINCADEIRA DE CRIANÇAS

Exposição 'Isto não é brincadeira de crianças - Holocausto: criatividade e jogo'

'Isto não é brincadeira de crianças - Holocausto: criatividade e jogo' é o nome da exposição que está desde ontem patente no átrio dos Paços do Concelho de Ponte da Barca.

Capturarpbarrcapa.PNG

Trata-se de uma exibição itinerante concebida pelo Museu YadVashem, de Israel e dinamizada pelo Projeto N.O.M.E.S. A Exposição, composta por cerca de 20 painéis que versam as temáticas dos ‘Campos de Extermínio’, ‘Campos de Concentração’, ‘Guetos’, ‘Esconderijos’, ‘Orfanatos’, entre outras, ilustra o mundo das crianças durante o Holocausto, expondo a sua luta diária para se manterem vivas e o esforço para conservar a sua infância na difícil realidade que as cercava.

De salientar que o título desta exposição se baseia numa citação do pediatra Janusz Korczak, diretor do Orfanato Judaico de Varsóvia, que morreu em 1942, em Treblinka, onde acompanhou duzentas crianças do seu orfanato do Gueto de Varsóvia, Alemanha, até às câmaras de gás.

A exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 09h às 12h30 e das 14h às 17h30.

2pbarrrc (2).jpg

2pbarrrc (3).jpg

CABECEIRAS DE BASTO CONTA A HISTÓRIA DO PARLAMENTARISMO PORTUGUÊS

Vinte e cinco painéis que contam a história do parlamentarismo português para ver na Casa da Cultura até 6 de março

Foi inaugurada ontem, dia 4 de fevereiro, na Casa Municipal da Cultura de Cabeceiras de Basto uma exposição sobre o Parlamentarismo em Portugal, mostra que é composta pelas imagens captadas por Joshua Benoliel, considerado o primeiro repórter fotográfico em Portugal.

Exposição (3)esposend.JPG

Na iniciativa marcaram presença os presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves e Eng. Joaquim Barreto, respetivamente, os vereadores Dra. Carla Lousada e Eng. Pedro Sousa, os presidentes das Juntas de Freguesia de Refojos, Outeiro e Painzela e de Abadim, Leandro Campos e Fernando Basto, respetivamente, e ainda os técnicos da Assembleia da República, Dr. João Gil, Dr. José António Martins e Dr. Francisco Lancastre e Távora, este que é o responsável pela exposição.

Exposição (2)esposend.JPG

Três turmas do Externato de S. Miguel de Refojos, do 7º, 10º e 11º ano, assistiram igualmente à abertura desta exposição na Casa da Cultura, acompanhados dos seus professores.

A mostra que estará patente ao público até ao dia 6 de março de 2019 é uma mostra itinerante da responsabilidade do Museu da Assembleia da República, constituída por 25 painéis que contam a história do parlamentarismo português e dos espaços que o parlamento ocupa desde 1934.

A exposição recua, ainda, à origem do Palácio de São Bento, que começou como um mosteiro, em 1598, até à transformação em Palácio das Cortes, em 1833. Nela se ilustram também as adaptações e acrescentos ao atual edifício e é dada especial atenção à história do parlamento, a partir de 1976, com referência aos partidos políticos representados e ao modo de funcionamento deste órgão de soberania nacional.

Esta exposição permite aos visitantes percorrer a história do Parlamento, abordando os órgãos constituintes da Assembleia da República, a sua competência política e legislativa e a Constituição.

Exposição (1)esposend.JPG

VIZELA RECONHECE LOJAS COM HISTÓRIA

Projeto ‘Lojas com História’ reconhece estabelecimentos de interesse histórico e apoia comerciantes

No seguimento da estratégia para a promoção e desenvolvimento do comércio tradicional no Concelho, a Câmara Municipal apresentou o Regulamento Municipal ‘Lojas com História’.

Apres. LCH Vizela.jpg

O Regulamento Municipal de Reconhecimento de Estabelecimentos e Entidades de Interesse Histórico e Cultural ou Social Local – “Lojas Com História” tem como objetivo o reconhecimento de estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social local, que se destacam pelas suas características únicas e reconhecido valor para a identidade do território do Município de Vizela. Outro dos objetivos é a valorização da história do Município de Vizela, divulgando-a para o exterior, atraindo, desta forma, visitantes e promovendo o desenvolvimento do comércio tradicional no Concelho.

Na apresentação deste projeto, o Presidente da Câmara Municipal de Vizela destacou a importância que este Executivo Municipal tem atribuído ao comérciotradicional que faz parte da história de Vizela e que tem, ao longo dos anos, desempenhado um papel muito importante na vida dos Vizelenses, com traços característicos e identificadores da cultura e do imaginário dos Vizelenses e dos visitantes.

Victor Hugo Salgado destacou que esta não se trata de uma medida isolada de apoio ao comércio local, á qual se juntam outras como o Prémio Municipal de Reabilitação Urbana – “Vizela Reabilita”, que vai distinguir as três melhores iniciativas de promoção de reabilitação e regeneração urbana; o Roteiro pelas Empresas e Comércio para reforçar a proximidade entre a Autarquia e os investidores privados; o Regulamento Municipal de Incentivo à Natalidade – “Cheque Bebé”; a Área de Reabilitação Urbana (ARU) do centro de Vizela e o projeto de requalificação da Praça da República e Jardim Manuel Faria.

De destacar que podem candidatar-se estabelecimentos com longevidade reconhecida há pelo menos 25 anos, com significado para a história local, cujo objeto identitário assente na manutenção de uma função histórica, cultural ou social, assim como o facto de serem únicos no quadro das suas atividades, em função do seu uso original.

Assim, a Câmara Municipal vai atribuir um prémio monetário no valor de 3,000,00€ por ano aos primeiros 10 estabelecimentos e entidades reconhecidos como de interesse histórico e cultural ou social local, apostando num projeto de dinamização e de investimento no incentivo e apoio ao comércio local.

Todas as condições de acesso a este prémio podem ser consultadas em http://www.cm-vizela.pt/wp-content/uploads/2016/04/DRE_-Regulamento-Lojas-com-Historia.pdf.