Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PONTE DE LIMA QUER RECEBER DOIS GRANDES EVENTOS MUNDIAIS DE DESPORTO NÁUTICO

Ponte de Lima apresenta candidaturas a dois grandes eventos mundiais: Canoe Marathon World Cup 2019 e Canoe Marathon World Championships 2020

Considerando que o desporto náutico tem conquistado um papel relevante nos últimos anos, o Município de Ponte de Lima e a Federação Portuguesa de Canoagem apresentaram duas candidaturas a dois megas eventos desportivos, nomeadamente a Taça do Mundo, em 2019 e o Campeonato do Mundo de Maratonas, em 2020.

Foto_Amândio_Sousa_Vieira(2) (Medium).jpg

O potencial existente em termos de condições naturais, o rio Lima, e o investimento do Município de Ponte de Lima na criação de infraestruturas e equipamentos de apoio, bem como, uma vasta experiência no acolhimento e organização de eventos de grande dimensão, justificam a aposta nestes dois grandes eventos mundiais.

Desta forma, o Município em colaboração com a Escola de Campeões – o Clube Náutico de Ponte de Lima, pretende criar uma imagem de forte identidade e atratividade que promova o aumento do número de desportistas, turistas e visitantes à região.

Neste contexto, procura-se o reconhecimento a nível nacional e internacional, graças aos elevados índices de qualidade, e que desta forma proporcionem novos investimentos ao nível das atividades relacionadas com o desporto náutico, hotelaria, restauração, empresas de animação turística, entre outros.

Com base nestas sinergias, Ponte de Lima reúne excelentes condições para a realização do Campeonato Mundial de Canoa Maratona 2019 e Maratona Canoa Campeonato Mundial 2020, tendo submetido as respetivas candidaturas à Federação Internacional de Canoagem.

Foto_Amândio_Sousa_Vieira(3) (Medium).jpg

Foto_Susana_Matos (Medium).jpg

FAMALICENSES RENDEM-SE AO "VOLTAS"

Novo transporte público rodoviário urbano está a conquistar os famalicenses. Cerca de cem pessoas utilizam todos os dias o Voltas na cidade de Famalicão

O Voltas, o novo transporte público rodoviário urbano de Vila Nova de Famalicão que começou a funcionar no Dia Europeu sem Carros, a 22 de setembro, já está a conquistar os famalicenses.

DSC_7845a.jpg

Durante o mês de novembro, circularam no Voltas uma média de 100 passageiros por dia, registando-se um crescimento médio de 34 passageiros por dia, em relação ao mês anterior de outubro. Por outro lado, registou-se também um aumento do número de utilizadores de outros títulos de transporte – isto é, pessoas que já utilizam transportes públicos para chegar à cidade.

Significa isto, que o Voltas está a corresponder aos objetivos que foram delineados para a sua criação. “O Voltas representa acima de tudo uma aposta na mobilidade das pessoas na cidade, dando-lhes argumentos para deixarem o carro em casa e utilizarem os transportes públicos”, explica a propósito Paulo Cunha, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, visivelmente satisfeito com os resultados alcançados nestes primeiros meses.

“Ainda é cedo para falarmos em sucesso, mas para já os objetivos estão a ser alcançados”, acrescenta.

De resto, os famalicenses têm motivos para estar satisfeitos com as medidas tomadas recentemente em prol da mobilidade na cidade. Para além do Voltas, o novo parque de estacionamento intermodal que a autarquia famalicense criou junto à Estação Ferroviária da cidade, para incentivar a utilização de transportes públicos também já se revelou um caso de sucesso, contribuindo para uma maior adesão dos famalicenses aos transportes coletivos, muito particularmente ao comboio.

De acordo com os dados recolhidos, os grandes beneficiados com o Voltas têm sido os possuidores de Passe Sénior Feliz (52 por cento),  seguindo-se os detentores  de outros títulos de transporte (34 por cento). Ambos os utilizadores viajam gratuitamente.

Entretanto, a paragem mais utilizada pelos utentes do Voltas é junto à Estação Ferroviária (36,6), seguindo-se a paragem junto ao Campo da Feira (23,2 %) e a Central de Camionagem (11,4 %).

O projeto, que resulta de uma parceria estabelecida entre a Câmara Municipal e a operadora de transportes Arriva, possibilita viagens gratuitas no centro da cidade para os portadores de um título válido de transporte coletivo rodoviário.

Para Paulo Cunha o Voltas tem “a capacidade de libertar as pessoas dos automóveis e dos constrangimentos do sempre difícil estacionamento citadino,  proporcionando-lhes uma alternativa válida e confortável de circulação. É também, por isso, uma aposta na qualidade de vida que oferece a própria cidade, procurando-se uma diminuição do trânsito citadino”, explica.

O Voltas circula de segunda a sexta-feira, entre as 8h00 e as 19h00, realizando um percurso circular permanente que liga parques de estacionamento gratuitos, estações de transportes coletivos e os principais serviços públicos da cidade. Realiza paragens na Central de Camionagem, Biblioteca Municipal, Parque da Devesa (CITEVE), Tribunal, Rotunda de Santo António, Hospital, Universidade Lusíada, Rotunda 1.º de Maio, Centro de Saúde, Estação Ferroviária.

As paragens do Voltas estão identificadas como tal e fornecem informação detalhada quanto aos horários e circuitos do serviço. Cada volta dura aproximadamente 20 minutos. Para as pessoas que não detenham título de transporte rodóviário válido do dia, cada viagem no Voltas custa 1 euro.

O projeto tem também uma importante dimensão social, uma vez que permite aos seniores detentores do Passe Sénior Feliz a circulação gratuita no Voltas, proporcionando-lhes acesso direto aos principais serviços públicos de Famalicão.

"JARDIM DAS DESCOBERTAS" É O TEMA DA EDIÇÃO DO PRÓXIMO ANO DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE JARDINS DE PONTE DE LIMA

“Jardim das Descobertas”. 13 º Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima decorre de Maio a Outubro 2017. “Jardim das Descobertas” é o tema da edição 2017 do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima.

Evento distinguido com o título Garden Tourism awards – prémio internacional atribuído a organizações mundiais, que se destacam no desenvolvimento e promoção dos jardins enquanto atração turística, o Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, mantém a originalidade e a criatividade, como referência ao nível da inovação e na preservação da natureza.

FestivalInternacionalJardins_SusanaMatos.jpg

A 13ª edição reúne candidaturas de oito nacionalidades diferentes, apresentando-se Portugal e Espanha com duas propostas cada e os restantes com uma candidatura, nomeadamente a Argentina; Brasil; Áustria; Itália; Holanda e Japão.

Eis as propostas para a edição 2017:

- A Globalização das Plantas - Casa Comum - Instituto S.João de Deus – Casa de Saúde S. José e Aroma do Vale – Portugal 

- A Viagem das Descobertas – Carina Esteves e Maria José Cachaço – Portugal

- Um Jardim para Descobrir – Pablo Torralba e Maria Rosa Pina Burón – Espanha

- Novaterra – Jose Souto – Espanha

- El Secreto – Melisa Duque Fernández e Agustina Bazán – Espanha / Argentina

- Inventionem Arcus –The Discovery of the Rainbow – Lea Rutz e Xenia Hofmann – Alemanha

- A Descoberta dos Sentidos – DRIADES Paisagismo - Daniele Costa e Regiane Freitas  - Brasil

- Jardim dos Sete Continentes  - Mara David Lalic, Michal Gajkowski, Petra Muller, Roland Wuck – Boku University – Austria

- Descobre a Desoberta – LoStudioQ – Ilaria Tabarani, Lollo Decembrini e Carlo Giannone – Itália

- Intersezione Ponte de Lima – Aris de Bakker e Karola Pezarro – Holanda

- El Jardin del Circulo – Masayuki Tanaka – Japão

O Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima 2017, abre no dia 26 de maio e prolonga-se até a outubro, revelando uma crescente notoriedade a nível internacional.

“ O Clima nos Jardins” é o tema escolhido pelo júri para a edição 2018.

Fot_Miguel_Costa.jpg

CAMINHA PREPARA-SE PARA UM GRANDE RÉVEILLON COM MARTA REN & THE GROOVELVETS

Praça Conselheiro Silva Torres: em Caminha, onde o Norte passa o Ano

O concerto de Marta Ren&TheGroovelvets é este ano a atração principal do grande réveillon em Caminha. Como é habitual, esperam-se milhares de pessoas na Praça central da Vila para festejar a chegada do novo ano. Pelo palco vai passar também o grupo de covers Xornas e a noite continua depois na Rua Direita. O cartaz honra a tradição, que faz do concelho roteiro obrigatório nesta época, porque é em Caminha, onde o Norte passa o Ano.

Passagem de ano 2015-2016.jpg

Não é preciso comprar bilhete nem esperar na fila. É só vir até cá e desfrutar da festa que já está a ser preparada no Terreiro. Marta Ren, que acaba de chegar de mais uma digressão pela Europa, está em alta e teve em 2016 um ano de enorme sucesso. “Pare, olhe, escute - estamos diante de um dos álbuns do ano – boom”, escrevia há dias o Dirty Rock Magazine, a propósito do novo trabalho.

Marta Ren, ex-vocalista dos Sloppy Joe e dos Bombazines, dizia este mês ao Porto 24, a propósito das atuações fora do país: “têm sido uma surpresa, embora saiba que o disco (Stop, Look, Listen) foi distribuído no mundo inteiro e particularmente na Europa. Como não vivo nesses países às vezes não tenho noção desse alcance e acaba por ser estranho (no bom sentido) ver que as pessoas compram bilhetes para o espetáculo e conheçam as músicas, cantem as letras, façam quilómetros para assistir ao concerto e no final comprem o vinil autografado. A aceitação não poderia estar a ser melhor”.

E as perspetivas para o novo ano são também as melhores: “Temos uma tournée europeia já confirmada, com passagem pelo Eurosonic, na Holanda, em janeiro, e depois 15 espetáculos só em França, o que naturalmente me deixa com muita expectativa. Mas posso adiantar que até julho vou andar pela Europa toda em digressão e espero que nos intervalos volte muitas vezes a Portugal para tocar cá e receber o calor dos portugueses”.

Assim, está quase a terminar mais uma grande temporada de animação preparada pelo Município de Caminha. São 40 dias, 40 atividades, num trabalho de cooperação que envolve 16 instituições e que é direcionadopara todos os públicos: crianças, jovens e adultos, com o objetivo de fazer de Caminha uma das rotas turísticas de fim de ano e dinamizar a economia local. Se puder passe ainda por Lanhelas amanhã à noitepara assistir ao Presépio Vivo e Auto de Natal.

Entretanto, até ao final do ano ainda decorre a Rota da Rabanada: desde Vila Praia de Âncora a Seixas, passando por Âncora, Vile, Caminha, Gondar e Vilarelho, há 36 rabanadas diferentes para degustar nos cafés, pastelarias e restaurantes aderentes do concelho, isto é, cada um dos estabelecimentos aderentes terá à venda diariamente a sua especialidade. Como referimos, existem 36 especialidades de rabanada (rabanada de mel, de nozes, recheada, de Vinho do Porto e recheio de chila, de leite, entre muitas outras especialidades). Para incentivar o consumo da rabanada, o Município de Caminha elaborou o chamado “Passaporte Rota da Rabanada” com os diversos estabelecimentos aderentes, e a cada 10 carimbos, dará direito a uma oferta do Município de Caminha, a levantar nos Postos de Turismo do concelho.

Marta.jpg

CABECEIRAS DE BASTO INCENTIVA NATALIDADE

Câmara Municipal entregou mais 20 apoios à natalidade

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, entregou ontem à tarde, dia 28 de dezembro, mais 20 apoios de incentivo à natalidade no Salão Nobre do edifício dos Paços do Concelho. Acompanharam o presidente da Câmara nesta cerimónia os vereadores e os presidentes/representantes das Juntas de Freguesia.

Presidente da Câmara entregou mais 20 apoios à natalidade (1).JPG

No passado dia 11 de novembro foram entregues 27 apoios, estando nesta fase ainda em análise mais uma dezena de processos referentes ao presente ano para serem entregues às famílias.

O incentivo à natalidade reveste a forma de atribuição de um apoio sempre que ocorra o nascimento ou a adoção de uma criança, sendo 500 euros o valor do subsídio a atribuir. Com este incentivo, a Câmara Municipal pretende promover estímulos específicos que conduzam, por um lado, ao aumento da natalidade e, por outro, à melhoria das condições de vida das famílias residentes no Município.

Até ao dia 28 de dezembro, a Câmara Municipal concedeu 47 apoios à natalidade, num montante global de 23.500,00 euros. A aguardar aprovação estão uma dezena de pedidos. De referir que dos 47 apoios entregues, 27 foram a crianças do sexo feminino e 20 do sexo masculino das freguesias de Abadim, Alvite, Arco de Baúlhe, Basto, Cabeceiras de Basto, Cavez, Outeiro, Painzela, Refojos e Vila Nune.

O Regulamento Municipal de Incentivo à Natalidade resulta de um compromisso assumido no Plano e Orçamento Municipal para 2016 e que se vai manter no próximo ano com o intuito de combater a desertificação. Este subsídio reveste-se de grande alcance e importância social que vem reforçar os já existentes apoios às famílias que anualmente rondam os milhares de euros.

Cabeceiras de Basto é, por isso, um Município amigo das famílias na medida em que disponibiliza um conjunto de apoios que começam, desde logo, no nascimento das crianças, passando pelos apoios às famílias numerosas com benefícios nas tarifas da água e saneamento, bem como na redução da taxa do IMI. A autarquia apoia também as famílias mais carenciadas através das taxas sociais relativas à água e saneamento. 

As famílias com filhos estudantes também não são esquecidas pela Câmara Municipal. Para além dos apoios nos transportes, refeições e prolongamentos de horários, aquisição de livros e material escolar tem implementado há longos anos as bolsas de estudo.

A tudo isto junta-se, ainda, a redução de taxas para a construção de habitação própria para jovens dos 18 aos 35 anos de idade.

Presidente da Câmara entregou mais 20 apoios à natalidade (2).JPG

DELEGAÇÃO DE AMARES DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA ASSINALA 30 ANOS DE EXISTÊNCIA

Município de Amares felicita a Delegação de Amares da Cruz Vermelha pelos 30 anos de existência

A Cruz Vermelha de Amares esteve, ontem, em festa para assinalar os 30 anos da delegação. Numa noite que juntou os voluntários, que dedicam as suas vidas em prol da comunidade, os principais responsáveis da instituição, autarcas, e demais população, o presidente da Câmara Municipal, Manuel Moreira, felicitou publicamente a corporação pelas três décadas de dedicação ao serviço dos amarenses.

DSC00694.jpg

“É com enorme satisfação que a Autarquia comemora com a delegação de Amares da Cruz Vermelha Portuguesa estes 30 anos de vida. De facto, têm sido três décadas sempre a crescer e Amares tem orgulho nesta casa construída por tantos homens e mulheres sempre dispostos a trabalhar em prol dos outros”, sublinhou Manuel Moreira, deixando uma palavra muito especial de apreço a todos aqueles que ao longo dos anos fizeram parte da Cruz Vermelha, particularmente, aos socorristas, “pela paixão com que desempenham esta missão”, e ao comandante António Brandão “que têm feito um trabalho excelente, pelo seu empenho e dedicação”.

Reconhecendo a nobreza do trabalho prestado pela Delegação de Amares da Cruz Vermelha, o presidente da Câmara Municipal entregou, ainda, uma verba, contribuindo com a recente aquisição de três novas ambulâncias, benzidas durante a cerimónia das comemorações.

DSC00733.jpg

Manifestando “um profundo gosto” por assinalar os 30 anos da instituição, António Brandão destacou que “a Cruz Vermelha de Amares é hoje uma referência a nível nacional”. Em 30 anos, formámos 270 voluntários e temos milhares de pessoas socorridas, o que nos dá imensa satisfação”.

“Só sabe o que isto é quem passa por estas experiências. Quando se socorre alguém sobretudo de uma paragem cardio respiratória é uma sensação inexplicável e única”, frisou o comandante, lembrando a importância de socorrer com qualidade, cumprindo todos os protocolos de emergência para ter mais sucesso. “A Cruz Vermelha é isto, é dedicação, este entusiasmo, esta vitalidade e isto só é possível porque temos um grupo enorme de voluntários que dão o corpoe aalma a esta instituição”.

Já o presidente da delegação, Mário Mendes, lembrou que “a Delegação de Amares não se desvia um milímetro de ter socorristas com boa formação e ambulâncias em bom estado de conservação e segurança”.

Visivelmente emocionado, o Delegado Regional da Cruz Vermelha Portuguesa, Francisco Alvim, foi agraciado com uma recordação, especialmente elaborada por um ex-socorrista para assinalar a data.

Para além da bênção das novas viaturas e do bolo de aniversário, a cerimónia comemorativa contemplou as condecorações de Jorge Azevedo da Silva – a título póstumo – e Dionísio Pinheiro pela permanência na instituição ao longo dos anos, e, ainda, a atribuição do título de zeladora da Cruz Vermelha, designadamente na freguesia de Goães, a Maria de Lurdes Rodrigues, que passará a servir de elo de ligação entre a Cruz Vermelha e a população.

DSC00662.jpg

FAFE JÁ TEM TRIBUNAL DE FAMÍLIA E MENORES

Autarquia vê recompensado esforço após meses de negociações e contactos. Decisão é oficial e foi já publicada em Diário da República

Foi promulgado e publicado em Diário da República, na passada terça-feira, a criação de um Juízo de Família e Menores em Fafe, que vai ter como área de competência territorial os Municípios de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto.

DSA_2940A.jpg

A partir de Janeiro de 2017, o Tribunal de Fafe dispõe desta nova valência que tem como objectivo prioritário a intervenção nos casos em que a maternidade e/ou paternidade dos menores não esteja estabelecida, cabendo-lhe instruir processos de averiguação oficiosa, propor ações e acompanhá-las em juízo.

Constituem, também, áreas de intervenção a fixação de alimentos a menores, a inibição ou limitação do exercício das responsabilidades parentais, a tutela e o apadrinhamento civil. Tem legitimidade para requerer judicialmente a prestação de consentimento prévio dos pais para a adoção, a confiança judicial de menor com vista a futura adoção.

O Tribunal de Família e Menores tem, entre outras, competência para acompanhar e fiscalizar a atividade das comissões de proteção, apreciar a legalidade e a adequação das suas decisões e promover os procedimentos judiciais adequados. Cabe-lhe, ainda, requerer a abertura de processos judiciais de promoção e proteção, que acompanha em todas as fases, designadamente a da execução das medidas aplicadas a favor dos menores.

A par de Fafe, foram criados, através do decreto-lei 86/2016, mais seis Juízos de Família e Menores no país, nomeadamente em Abrantes, Alcobaça, Leiria, Mafra, Marco de Canaveses e Vila do Conde. 

Recorde-se que recentemente a Câmara Municipal executou obras de requalificação no Tribunal de Fafe, melhorando as acessibilidades do edifício e preparando o espaço para a recepção deste novo serviço.

Raul Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Fafe, revela enorme satisfação com a criação deste Juízo no concelho. 

“Recebemos esta notícia, já esperada há muito tempo, com um enorme agrado e orgulho. A Câmara Municipal tem-se empenhado em trazer para Fafe o maior número de serviços e estruturas que ajudem os munícipes a resolver questões de forma mais prática e rápida. 

Há cerca de um mês, executámos obras importantes no edifício destinadas a receber esta nova valência, melhorando também as questões de acessibilidade aos utentes. 

O Juízo de Família e Menores detém diversas competências que faziam falta no nosso concelho e faz todo o sentido que tenha sido criado.

A criação deste novo juízo em Fafe vai significar a vinda de mais profissionais do sector e vai agilizar os processos, muitas vezes demorados e repletos de burocracias, representando, desta forma, para muitas famílias o simplificar destas questões.

Este novo Juízo vai, sobretudo, aproximar os Serviços às populações, significando, por isso, uma redução de custos de deslocação que, até então, existiam e que eram um peso no orçamento destas famílias, muitas vezes, com carências e problemas financeiras.”

Recorde-se que até então, o Tribunal de Guimarães era quem detinha a área geográfica de Fafe na resolução deste tipo de questões.

RTP2 MOSTRA OBRA DOS ARTISTAS PORTUGUESES

“Estou nas Tintas”: Apresentação do programa reúne artistas de várias gerações

Estreia a 6 de Janeiro de 2017 na RTP2 e é apresentado publicamente três dias antes, no dia 3 de Janeiro, na Galeria da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL) com a presença de vários artistas portugueses de diferentes gerações. “Estou nas Tintas” é um programa sobre artes, produzido pela Provetouch e realizado por António de Almeida Lopes para a RTP.

EstouNasTintas_FotoPress (2).jpg

Júlio Pomar, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves, Dalila D’Alte, Manuel Botelho, Ana Mesquita, Carlos Nogueira, Odeith e Nomen são alguns dos artistas entrevistados que estarão presentes na Galeria da FBAUL no dia 3 de Janeiro, às 18h30, para a apresentação pública do programa “Estou nas Tintas”, que estreia no dia 6 de Janeiro, às 21h, na RTP2, e que será uma celebração das obras e dos criadores portugueses.

Quem são os nossos artistas? Que obra têm? O que é que ela transmite ou representa? O que têm a dizer ao mundo? O que os move ou inspira? Estas foram algumas das linhas de orientação deste projecto, que vai dar a conhecer a vida e a obra de cerca de 80 dos mais importantes nomes da arte nacional.

Um ano depois do início das filmagens chega a hora de o partilhar com o público, que tem, desta forma, a oportunidade de entrar nas casas e nos ateliês de múltiplos artistas. A ambição dos autores é que esta série se torne um documento essencial da história da arte portuguesa, uma referência basilar para quem no futuro tiver interesse em conhecer uma parte significativa da nossa herança artística.

António de Almeida Lopes, realizador do programa “Repórteres de Palmo e Meio” e de campanhas como “Saúde com Sabor”, “Praia Limpa, Praia Segura” ou “Riscos e Rabiscos”, foi o autor da ideia e quem realizou o projecto – aprovado pela directora de programas da RTP2, Teresa Paixão – e Joaquim Luís Feijão o responsável pela Provetouch, a produtora que abraçou e embarcou nesta viagem durante sete meses.

EstouNasTintas_JulioPomar.jpg

Voz aos artistas

“Essa frase ‘estou nas tintas’ é um exemplo de como o sentido que se pode dar às coisas pode ser muito diferente. Ninguém pense que tem a verdade absoluta.” – Júlio Pomar

 

“Pintar, para mim, é uma forma de estar vivo, é como respirar, comer…” – Diogo Navarro

 

“Picasso dizia que a arte limpa, do quotidiano, a poeira dos dias.” – Ana Mesquita

 

“Se a função do artista é a procura do belo, eu encontrei essa procura no corpo da mulher.” – Francisco Simões

 

“Nessa altura, comemorava-se a venda de um quadro, fosse de quem fosse.” – Gracinda Candeias

 

“Eu estou sempre apaixonada. Tento-me apaixonar nem que seja por um livro, por uma frase, pelo amanhecer…” – Tamara Alves

 

“Eu penso que a actividade artística se define, quer em pintura, quer no cinema, quer na literatura, seja onde for… é exactamente o repensar constantemente métodos, definições, objectivos, trajectórias…” – Jaime Silva

 

“Eu tenho pavor do óbvio e tento sempre fazer coisas inesperadas.” – José Costa Reis

 

“A técnica, no meu ponto de vista, é apenas um suporte ou um apoio para a concretização de um trabalho.” – Carlos Nogueira

 

“A pintura acaba por ser a nossa forma de nos expressarmos e acaba por ser o alfabeto da pessoa.” – Jorge Almeida

 

“Não temos um grande museu de arte portuguesa, por exemplo. Nós se quisermos ver a evolução da arte portuguesa, desde o princípio do século até hoje, onde é que vamos?” – Manuel Baptista

 

“O amor, a cultura, a poesia são realmente a coisa mais importante que nós temos, para agarrar com ambas as mãos com toda a força.” – Cruzeiro Seixas

 

“Qualquer fotógrafo é um contador de histórias.” – Joel Santos

 

“Os artistas portugueses, para mim, são mais uma dessas facetas que nós temos que ser capazes de valorizar, que fazem parte do nosso património.” – Manuel Botelho

 

“A arte é a zona mais criativa da natureza humana.” – Eurico Gonçalves

Lista de artistas convidados do programa

 

Pintores

 

Alexandre Alonso Clo Bourgard Cruzeiro Seixas David Levy Lima Diogo Navarro Eleutério Sanches Eurico Gonçalves Gabriela Carrascalão Gracinda Candeias Gustavo Fernandes Jaime Silva

Jorge Almeida Júlio Pomar Luís Noronha da Costa Madalena Raimundo Manuel Baptista Manuel Botelho Maria de Lurdes Oliveira Mário Rita Pedro Guimarães

 

Escultores

 

Carlos Nogueira Francisco Simões Frederico Elias Isabel Garcia Manuela Madureira Manuel Sousa Pereira Mestre José Rodrigues Rogério Timóteo Rui Matos Susana Piteira

 

Writers

 

Adalberto Brito (Youth One) Artur Silva (Bordalo II) Gustavo Teixeira (Mesk) João SAMINA Miguel Caeiro (RAM) Nuno Palhas (Third) Nuno Reis (Nomen) Oliveiros Júnior (Utopia) Sérgio Odeith

 

Ilustradores

 

Ana Mesquita João Saramago José Pereira Marco Mendes Rita Ravasco Sara Osório (Sara-a-Dias) Tamara Alves

 

Artistas plásticos

 

Ana Isabel Miranda Rodrigues António Canau Bernardete Moreira Cristiano Neves

Dalila D’Alte Joel Santos José Costa Reis José Pedro Alves Paula Bernardes Sérgio Santos

 

Outros especialistas

 

Ágata Rodrigues (Fundação José Rodrigues) Ana Roque António Soares Celine de Azevedo Cristina Ehrn David Brites Fernando Catarino Inês Almeida Professora Joana de Oliveira (Agrupamento de Escolas D. Carlos I – Sintra) José Esteves Maria Hortense Canelas Mizette Nielsen Mouralinda Serralha Nisha Narotomo Nuno Lima de Carvalho (Galeria de Arte – Casino Estoril) Sara António Matos (Atelier-Museu Júlio Pomar) Sérgio Pinheiro Telma Araújo Wilson Galvão

 

Colaboração especial

 

Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa Prof. Dalila D’Alte Prof. Eurico Gonçalves Prof. Jaime Silva Prof. Manuel Botelho Carlos Sanches (Músico) João Gil (Músico) José Cid (Músico)

 

Ficha Técnica

 

Direcção de Produção Joaquim Luís Feijão

 

Produção Rute Simão Carina Rodrigues António de Almeida Lopes

 

Entrevistas Beatriz Machado Carina Rodrigues Rute Simão

 

Textos Carina Rodrigues António de Almeida Lopes Rute Simão

 

Pesquisa António de Almeida Lopes Carina Rodrigues Rute Simão

 

Operadores de Câmara Fernando Silva Miguel Marques Ricardo Oliveira

 

Assistentes de Câmara Tomás Feijão Rodrigo Coutinho

 

Edição Afonso Brito Clemente Alves Joana Júdice

 

Técnico Responsável de Som Joaquim Luís Feijão

 

Apoio Técnico Carlos Loureiro Francisco Esteves

 

Locução Carina Rodrigues

 

Backoffice Fernando Pinheiro

 

Realização António de Almeida Lopes

 

Uma Produção PROVETOUCH

EstouNasTintas_DavidBrites.jpg

EXPOSIÇÃO NA BIBLIOTECA RAÚL BRANDÃO EVOCA CINQUENTENÁRIO DA PRIMEIRA BIBLIOTECA PÚBLICA EM GUIMARÃES

PARCERIA COM O “CAR”

Exposição assinala 50 anos da primeira biblioteca de leitura pública em Guimarães

Mostra pode ser vista na Biblioteca Municipal Raul Brandão até ao final do mês. No início de 2017, é transferida para o CAR, as suas primeiras instalações.

Guimaraes_Biblioteca_Fundacao_Calouste_Gulbenkian.jpg

A exposição que assinala os 50 anos da instalação da Biblioteca Fixa nº 127 da Fundação Calouste Gulbenkian, numa parceria com o Círculo de Arte e Recreio (CAR), está disponível ao público na Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, até ao próximo sábado, 31 de dezembro de 2016.

A mostra poderá ser observada, depois, nas instalações do CAR a partir do mês de janeiro, onde no dia 14 terá lugar uma tertúlia com os testemunhos de algumas das pessoas que estiveram na génese da criação desta Biblioteca Fixa nº 127 e de outras que lhe deram continuidade até ao surgimento, em 1992, da atual Biblioteca Municipal Raul Brandão, que celebra o seu 25º aniversário em 2017.

A comemoração do meio século da instalação da Biblioteca Fixa nº 127 da Fundação Calouste Gulbenkian no Círculo de Arte e Recreio será ainda abrilhantada com a realização de vários projetos de cooperação entre as duas instituições ao longo do próximo ano.

Da carta ao Largo da Oliveira… até às atuais instalações

A primeira biblioteca de leitura pública em Guimarães foi inaugurada a 3 de outubro de 1966, em regime de leitura local e domiciliária. Dois anos antes, em 1964, mais concretamente a 16 de julho, a Direção do CAR enviou à Fundação Gulbenkian - Serviço de Bibliotecas uma exposição escrita, manifestando o interesse de constituir na cidade uma biblioteca que fosse capaz de proporcionar aos vimaranenses o acesso mais facilitado ao livro e à leitura.

A missiva tinha o objetivo de instalar uma Biblioteca Fixa em Guimarães, disponibilizando o CAR uma sala nas suas instalações, então no Largo João Franco. A equipa motora foi constituída por Jaime Martins, da Direção do CAR, Joaquim Santos Simões e Joaquim Fernandes. Ao longo do tempo outras pessoas se foram juntando, conseguindo, num verdadeiro espírito de entreajuda, garantir a orientação e acompanhamento dos leitores, a arrumação diária dos livros e o controlo dos empréstimos domiciliários.

A funcionar nas instalações do CAR de 1966 a 1975, a Biblioteca Fixa nº 127 viria depois a ser instalada no edifício municipal dos antigos Paços do Concelho, no Largo da Oliveira, por vontade expressa da Câmara Municipal, iniciando as suas atividades em 12 de maio de 1975 nas novas instalações da Domus Municipalis.

Com a inauguração da atual Biblioteca Municipal Raul Brandão, a 7 de março de 1992, e por acordo com a Fundação Calouste Gulbenkian, todo o fundo documental da então Biblioteca Fixa nº 127 foi integrado e disponibilizado aos leitores da nova Biblioteca Pública Municipal, tornando-a num polo dinamizador de cultura, um centro de socialização e um espaço de fruição acessível a todos.