Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CLUB DE RUGBY DE ARCOS DE VALDEVEZ RECEBE O BENFICA

Campeonato Nacional da 1ª Divisão

No dia 10 de dezembro, o Estádio Municipal de Rugby de Arcos de Valdevez foi o cenário do embate entre CRAV e Benfica. Num jogo a contar para a 8ª jornada do campeonato nacional da 1ª divisão, o CRAV sofreu mais uma derrota e continua a afastar-se dos lugares cimeiros da tabela classificativa.

O resultado final fixou-se em 10-19, com um ensaio para cada uma das equipas. Quanto ao jogo é justo dizer que faltou alguma agressividade e ambição aos jogadores da casa.

No próximo domingo, dia 18, o CRAV recebe o S. Miguel, às 15h30.

CRAV_Benfica_001.jpg

CRAV_Benfica_010.jpg

CRAV_Benfica_038.jpg

CRAV_Benfica_039.jpg

CRAV_Benfica_051.jpg

CRAV_Benfica_060.jpg

JOVENS DO CRAV VIVERAM FIM-DE-SEMANA COM ESPLENDOR

Fim-de-Semana Esplendoroso para as Camadas Jovens do CRAV

O fim-de-semana passado foi em cheio para as camadas jovens do CRAV, que se deslocaram a Vila Nova de Famalicão para defrontar a equipa do Braga Rugby/CR Famalicão. No domingo, dia 11 de dezembro, ambas as equipas arrecadaram vitórias expressivas sobre o adversário.

camadasjovens(1).JPG

A iniciar a tarde, a equipa de sub-16 venceu o encontro por 83-28, num jogo em que o CRAV evidenciou o favoritismo perante a equipa do Braga.Entrou forte no jogo e foi tomando conta das rédeas e assim controlando o encontro, não possibilitando que o adversário fosse criando pressão nas jogadas.

Por sua vez, a equipa de sub-18 manifestou a supremacia em relação à equipa adversária, com o resultado final favorável de 75-3. Um encontro em que, desde o início, o CRAV demonstrou que seria uma equipa superior e assim aproveitou para reforçar a pretensão de alcançar um lugar de topo.

No próximo fim-de-semana ambas as equipas recebem a equipa de Lousã.

camadasjovens(2).JPG

camadasjovens(3).JPG

camadasjovens(4).JPG

FOLCLORE PORTUGUÊS PERDEU UM DOS SEUS GRANDES DEFENSORES: LUCIANA AGUIAR GUERRA

Uma Grande Senhora que hoje entregou hoje os olhos à eternidade. Dª Luciana Aguiar Guerra, Fundadora do Cancioneiro de Águeda e Conselheira Técnica da Federação do Folclore Português. Com 100 anos feitos.

15570945_1384639194902808_583077702_n.jpg

Luciana Aguiar Guerra dedicou toda a sua vida ao folclore. Gostava muito de dançar, cantar, passear, fazer piqueniques e teatro. A sua vocação para o teatro manifestou-se muito cedo, ainda no tempo da sua adolescência como estudante em Mogofores.

Luciana Aguiar, além de fundadora do Grupo Típico O Cancioneiro de Águeda, foi conselheira técnica da Federação do Folclore Português.

Nasceu em Águeda, na Alta Vila, na casa da família Aguiar, em 29 de junho de 1916. Órfã de mãe, com pouco mais de dois anos, foi viver para Mogofores, com a irmã mais velha, Maria Aguiar Guerra Seabra da Cruz. Em Mogofores, fez a sua instrução primária e o ensino liceal até ao 4º, hoje 9º ano, no Colégio de Nossa Senhora da Assunção, em Famalicão. Ali viveu até aos 16 anos, regressando então a Águeda.

Desde muito cedo, na sua juventude, dedicou-se durante vários anos a obras de caridade, nomeadamente às Obras Vicentinas (de S. Vicente de Paula) e foi presidente da Obra de Stª Zita.

Depois do Cancioneiro de Águeda foi, nas obras caritativas, onde mais gostou de trabalhar, na defesa dos direitos das empregadas domésticas que, na altura, e mercê duma cultura generalizada, eram desconsideradas sendo tratadas como mão-de-obra desqualificada material e socialmente.

Com o ingresso no Cancioneiro de Águeda, abandonou estas actividades de caridade por falta de tempo. O trabalho com o Grupo Típico “O Cancioneiro de Águeda” era muito absorvente, embora se sentisse realizada e feliz nesta colectividade no “meio das suas meninas”, como dizia.

Fonte: http://www.regiaodeagueda.com/

BRAGA PREMEIA CRIATIVIDADE DOS ESTUDANTES BRACARENSES

Concurso Liga-te premiou criatividade dos alunos de Braga. Iniciativa envolveu mais de 1.600 alunos de 23 escolas do Concelho

Decorreu hoje, 13 de Dezembro, na Avenida Central, a inauguração dos trabalhos resultantes do 2.º Concurso Liga-te, uma iniciativa promovida pelo Município de Braga no âmbito da programação do ‘Braga É Natal’.

CMB13122016SERGIOFREITAS0000004083.jpg

O concurso contou com a participação de 1.640 alunos de 23 escolas do Concelho que, através de um processo de criação artística, elaboraram 23 velas. Na ocasião, Lídia Dias, vereadora da Educação, agradeceu o empenho da comunidade educativa que se envolveu na elaboração dos trabalhos que estarão expostos na Avenida Central até 26 de Dezembro.

“Esta é também uma forma de se viverem os valores que a quadra natalícia evoca, num trabalho de partilha entre Município, Escolas, alunos e professores que é muito interessante e que, como é visível nos trabalhos que aqui estão expostos, teve um resultado muito positivo”, afirmou, enaltecendo também a colaboração do escultor Alberto Vieira.

Deste concurso resultaram 23 instalações de rua em forma de uma vela, dado ser este um dos símbolos de Natal que representa a luz e a esperança num mundo melhor. A iniciativa teve como objectivo a dinamização do espaço público, bem como a envolvência dos mais jovens no espírito desta quadra com a realização de um projecto de criação artística.

Na cerimónia em que, simbolicamente, as velas se iluminaram foram ainda divulgados os resultados do concurso. O primeiro lugar foi atribuído à Escola Básica e Jardim de Infância da Garapôa, o segundo à Escola Básica das Enguardas e o terceiro à Escola Básica e Jardim de Infância do Coucinheiro. O júri deliberou ainda a atribuição de uma menção honrosa ao Centro Escolar do Fujacal.

CMB13122016SERGIOFREITAS0000004085.jpg

CMB13122016SERGIOFREITAS0000004086.jpg

MUNICÍPIO DE MONÇÃO CELEBRA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM A EDP – DISTRIBUIÇÃO, ENERGIA, SA

Nesta parceria, a EDP – Distribuição, Energia SA responsabiliza-se pelo acompanhamento e manutenção das luminárias LED e respetivos suportes metálicos, sendo intenção da autarquia local o reforço paulatino desta tecnologia no território concelhio.

Protocolo 01 (Large).JPG

A Câmara Municipal de Monção, representada pelo seu presidente Augusto de Oliveira Domingues, e a EDP – Distribuição, Energia SA, representada pelo diretor da rede e clientes norte, Mário Rodrigues da Cunha Guimarães, celebraram um protocolo de colaboração.

Em linhas gerais, o documento, assinado ao final desta manhã, no Museu do Alvarinho, visa adaptar o contrato de concessão da distribuição de energia elétrica de baixa tensão, celebrado em 2 de maio de 2001, à nova realidade da tecnologia LED.

Com a aplicação deste protocolo, a EDP – Distribuição, Energia SA responsabiliza-se pelo acompanhamento e manutenção das luminárias e respetivos suportes metálicos, sendo intenção da autarquia local o reforço paulatino desta tecnologia no território concelhio.

Augusto de Oliveira Domingues revelou que a tecnologia LED tem permitido “rentabilização económica e vantagens ambientais”, motivo pelo qual “o município continuará a investir nesta iluminação pública, expandindo-a a novos locais e reforçando-a nos locais existentes”.

O Município de Monção começou a substituição da iluminação pública em lâmpada de vapor sódio de 250 W e 150 W por iluminação de tecnologia LED em novembro de 2015, contemplando o centro histórico e os principais acessos à localidade: Avenida 12 de Março, Avenida da Galiza, Avenida D. Afonso III, Estrada da Boavista e Estrada dos Arcos.

A nova tecnologia permite a sua regulação ao nível de intensidade luminosa em diversos períodos da noite, garantindo a efetivação de dois objetivos: redução dos consumos energéticos e emissões de dióxido de carbono associadas e menor dispêndio monetário na fatura energética.

Protocolo 02 (Large).JPG

Protocolo 03 (Large).JPG

MUNICÍPIO DE FAMALICÃO MONTA MESA DE NATAL PARA FAMÍLIAS CARENCIADAS

Autarquia distribui mais de 3600 cabazes

O bacalhau, o azeite e a aletria não vão faltar na mesa de Natal dos famalicenses. As tradicionais iguarias da noite de Consoada fazem parte do cabaz de Natal oferecido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão a todas as famílias carenciadas do concelho.

image49634.jpeg

O gesto foi assinalado simbolicamente esta terça-feira, com o presidente da autarquia a entregar cabazes aos autarcas das vilas de Riba de Ave, Susana Pereira, e de Joane, António Oliveira.

Paulo Cunha assinalou a importância da iniciativa, referindo que o objetivo “é continuar a corresponder às necessidades das famílias carenciadas do concelho, mesmo daquelas que não se mostram”. “Há muitas famílias que apesar de terem necessidades não procuram apoio, temos de ir ao encontro dessas pessoas e aprofundar este apoio”, explicou o autarca. 

Paulo Cunha sublinhou que esta é uma iniciativa a somar a muitas outras, que decorrem durante todo o ano. “Não é só no Natal, que apoiamos estas famílias, durante todos os dias do ano, há uma resposta social e vários apoios”.

O autarca salientou ainda o trabalho das Juntas de Freguesias e de outras instituições de solidariedade social no reconhecimento das pessoas mais necessitadas.

De acordo com Susana Pereira, “esta é uma ajuda que toca muito às pessoas, pela época que é e pelo que representa”. Também António Oliveira afirmou a importância do apoio realçando que a ajuda “vai muito além das pessoas que se inscrevem”. “Há pessoas que por vergonha não se inscrevem, mas nós vamos até elas”, referiu.

A entrega dos cabazes, que resulta de um investimento municipal de cerca de 60 mil euros, chegará a 3600 famílias do concelho e é promovida no âmbito da dinamização da Rede Social de Famalicão. 

Refira-se que os cabazes entregues pela Câmara Municipal são, em algos dos casos, depois complementados com outros bens alimentares atribuídos por agentes sociais do concelho.

BRAGA ORGANIZA JORNADAS “CRIA IMPACTO – MOBILIZAÇÃO PARA O ENVOLVIMENTO CÍVICO”

Amanhã, Quarta-feira, dia 14 de Dezembro, às 09h30, Aula Magna da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Braga

Cria Impacto.jpg

O Município de Braga apresenta amanhã à comunicação social as Jornadas ‘Cria Impacto – Mobilização para o envolvimento cívico’, que terá lugar Amanhã, Quarta-feira, dia 14 de Dezembro, pelas 09h30, na Aula Magna da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica.

A iniciativa contará com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, Firmino Marques, e da vereadora da Juventude, Sameiro Araújo.

Estas jornadas, que decorrem no âmbito da Capital Ibero Americana da Juventude, que encerram as comemorações dos 20 anos da Habitat for Humanity Portugal e têm como principal objectivo envolver os cidadãos na resolução dos problemas sociais, apoiando soluções de que tantas organizações dispõem.

VIRGÍLIO REIS, DIRECTOR DO GRUPO DE FOLCLORE AS LAVADEIRAS DA RIBEIRA DA LAGE, SUGERE O APROFUNDAMENTO DO DEBATE SOBRE PATRIMÓNIO IMATERIAL

PROMOVER, INCENTIVAR E DIVULGAR O DEBATE E DESENVOLVIMENTO DE NOVAS IDEIAS E CONCEITOS SOBRE A EXPLORAÇÃO DO POTENCIAL DO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL, NAS SUAS DIVERSAS DIMENSÕES, PELAS ASSOCIAÇÕES CULTURAIS (GRUPOS/RANCHOS FOLCLÓRICOS OU ETNOGRÁFICOS)

JPM_8969.jpg

 Felizmente hoje e cada vez mais verificamos não só a necessidade de formação e debate mas também a realização destas actividades por parte de algumas regiões. A Associação do Distrito de Lisboa (ADLPDCTP) tem de forma constante levado a cabo acções de formação nas diversas áreas da etnografia, com uma assistência interessante, não ideal mas suficientemente animadora para que a vontade de divulgar, debater, discutir e naturalmente aprender se mantenha acesa. Encontros anuais e centralizados não são de forma nenhuma o caminho ideal para a divulgação de conhecimento. Descentralizar, desafiar, incutir discussão, abordar todos os temas com mais regularidade é imprescindível. Hoje as “novas tecnologias” colocam-nos à disposição meios que até há pouco tempo eram impensáveis.

O aproveitamento destes meios para debate e divulgação é prioridade. Ao invés a utilização dos mesmos meios tem apenas servido para a passagem de vaidades e ofensa gratuita quando a opinião não coincide.

REFLECTIR SOBRE O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DA CULTURA TRADICIONAL E POPULAR NA PERSPECTIVA DO ARTESÃO.

Mudar mentalidades e abordagens é necessário. Naquilo que temos por hábito denominar Festivais de Folclore (espectáculos de folclore), a inclusão do artesão faz todo o sentido. Esta inclusão que pode ser no palco ou fora dele, apenas engrandece o conjunto, valorizando de forma consistente a representação entro-folclórica.

RELAÇÃO QUE DEVA EXISTIR ENTRE OS GRUPOS DE FOLCLORE E O PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL.

O maior problema nesta área é sem dúvida nenhuma a relação entre os grupos, essa sim é na maior parte das vezes a maior limitadora ao desenvolvimento por via da falta troca de ideias e preconceitos de exclusividade. A relação aberta, troca de impressões e experiencias entre grupos resultaria sem duvida num geral melhoramento do conhecimento e consequente melhor representação e preservação.

A relação com o património imaterial, mais que desejável é sem dúvida fundamental. Por via de imposições da UNESCO a salvaguarda deste bem precioso é uma responsabilidade de cada estado, delegado com alguma regularidade no poder autárquico. Pouco conhecedores do trabalho realizado nesta área pelos inúmeros grupos de folclore dedicados de corpo e alma à investigação, as autarquias não têm sabido aproveitar a riqueza existente e à “mão de semear”. É de primordial importância melhorar a ligação com o poder autárquico e com os responsáveis pela área do património no sentido da união de esforços e gestão de recursos.

SENSIBILIZAÇÃO E MOBILIZAÇÃO DOS JOVENS

Nos dias de hoje, se um adulto tiver uma atitude displicente para com a reciclagem caseira, é facilmente alvo de atitude reprovatória por parte dos mais novos. Ora este fenómeno não é espontâneo mas sim fruto da introdução de temas como a reciclagem nos programas escolares do 1º ciclo básico. Isto para dizer que se a intenção é a assimilação natural de conceitos, a mesma deve ser feita o mais cedo possível.

Ora continuar a debater como única forma de alcançar o objectivo de salvaguarda futura do património imaterial, a sensibilização de jovens para esse fim, parece-me à partida um erro estrutural básico. Pois estes temas deveriam sim, fazer parte de educação permanente desde as mais tenras idades. Tentar mobilizar e sensibilizar jovens para uma área desconhecida em terrível concorrência com a oferta hoje disponível e atraente, efémera mas atraente, é uma tarefa herculeana e na maior parte das vezes reservada ao insucesso.

Hoje é mais fácil encontrar nas actividades escolares abordagens à cultura popular Anglosaxónica como por exemplo o “Halloween”, maior parte das vezes em detrimento de outras como o “Pão por Deus”.

É necessário sim “mobilizar” e “sensibilizar” a educação escolar de forma a incluir nos seus programas abordagens à cultura popular essencialmente local, pois assim é mais fácil cativar mentes sedentas de informação a entender a razão de muitas das coisas que fazem e vêm fazer no dia-a-dia.

15542439_1413670865340484_8149095395125196347_n.jpg

ESPÍRITO NATALÍCIO INVADE CERVEIRA

Cerveira sugere fim-de-semana repleto de espirito natalício

A magia do Natal já chegou às ruas de Vila Nova de Cerveira. Autarquia e comerciantes locais apresentam uma ornamentação criativa e apelativa, para além de uma animação interativa para miúdos e graúdos. Dias 17 e 18 de dezembro, Na’tal Cerveira é surpresa e emoção.

natalcervo (3).jpg

São muitas as razões para visitar Vila Nova de Cerveiraao longo do ano e o próximo fim-de-semana não é exceção.Deixe-se contagiar por um programa que concilia as imprescindíveis compras de Natal ao espírito tão característico da quadra natalícia.

As ruas e os estabelecimentos comerciais do centro histórico cerveirense estão engalanados com motivos de Natal pautados pela originalidade, convidando a fazer um roteiro de descoberta natalícia, com ponto de partida junto ao edifício da Câmara Municipal, apreciando a iluminação e decoração da sua fachada, para depois prosseguir pelas principais artérias da vila. Aqui, bolas gigantes, enfeitadas e iluminadas,marcam o início de cada rua. Às portas dos estabelecimentos comerciais surgem vários e sorridentes pais-natal, bonecos de neve e renas em tamanho real, construídos em madeira reciclada, que convidam a desfrutar da beleza presente nas montras. Ao brilho festivo, juntam-se os sons natalícios que acabam por envolver as pessoas num ambiente contagiante.

Sob o olhar do Castelo, e disposto em redor da acolhedora praça do Terreiro, dezenas de mercadores apresentam, este fim-de-semana de 17 e 18 de dezembro, aromas deliciosos e trabalhos artesanais únicos em mais uma edição do Mercado Natalício. A este cenário junta-se a animação de rua permanente e interativa com os visitantes.

O Presépio Vivo constitui-se como uma oportunidade para viajar ao tempo de Jesus. Recordando uma história antiga mas sempre nova, a representação teatral nos vários espaços do interior do Castelo é protagonizada por 18 atores do Grupo São Paulo da Cruz e enriquecida pela participação do Coro Infanto-Juvenil de Vila Nova de Cerveira. Durante o dia, é possível também assistir e envolver-se nos ateliers temáticos que recriam cinco ofícios. As Juntas de Freguesia e as associações do concelho também marcam presença neste espaço, partilhando os saberes e sabores mais tradicionais e representativos da quadra natalícia.

O Mercado Natalício e o Presépio Vivo decorrem entre as 10h00 e as 20h00 de sábado, e as 10h00 e as 18h00 de domingo. Especificamente no domingo, dia 18, a Câmara Municipal oferece ainda à população o já tradicional Concerto de Natal, com o Coral Polifónico de Vila Nova de Cerveira acompanhado pelo Orfeão da Cruz Vermelha de Águeda e pelo Coral Polifónica do Casino do Carballiño (Galiza). O evento, de entrada livre, tem início às 15h30 na Igreja Matriz e promete um repertório musical natalício. No final do concerto fica o convite para a tão aguardada Chegada dos Reis Magos (17h00) ao Castelo, distribuindo rebuçados e surpresas pelos mais pequenos.

Com o aproximar da quadra natalícia, envolva-se Na’tal Cerveira!

natalcervo (1) (1).jpg

natalcervo (2) (1).jpg

BRAGA REALIZA CICLO DE CINEMA

Ciclo de cinema do ‘Dia mais Curto’ na Casa dos Crivos. Iniciativa decorre de 19 a 21 de Dezembro

De 19 a 21 de Dezembro, a Casa dos Crivos, em Braga acolhe quatro sessões do ‘Dia mais Curto’, um ciclo de cinema de curtas-metragens promovido pelo Cineclube Aurélio da Paz dos Reis, em colaboração com o Município de Braga.

O Dia mais Curto.jpg

Da programação destaca-se duas sessões infanto-juvenis – ‘Papel de Natal e outras histórias’ e ‘Curtinhas em Dezembro’, que terão lugar nos dias 19 e 20 pelas 10h30. Para a noite de 20 de Dezembro é exibido o ‘Panorama Nacional’, onde o público poderá assistir a alguma da produção portuguesa realizada entre 2015 e 2016. Este ciclo encerra a 21 de Dezembro com a ‘Europa em Curtas’.

Todos os anos, por volta do dia 21 de Dezembro, o hemisfério Norte entra na estação mais fria devido ao Solstício de Inverno, naquele que é o dia mais curto do ano. Este fenómeno astronómico inspirou a criação da festa que celebra o cinema no formato curto: ‘O Dia Mais Curto’. A ideia, que nasceu em França em 2011, rapidamente alcançou uma dimensão internacional sendo, actualmente, celebrada em simultâneo em dezenas de países. Em Portugal, o evento é organizado pela Agência da Curta Metragem e chega a Braga pela mão do Cineclube Aurélio da Paz dos Reis.

MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA BENEFICIA ESCOLA DE ARCOZELO

Câmara de Ponte de Lima aprova a empreitada de “Beneficiação da EBS de Arcozelo”

A Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou a empreitada de “Beneficiação da Escola EBS de Arcozelo”, adjudicada à firma José Abreu Enes da Lage & Irmão Unipessoal, Lda.

IMG_7351 (1).JPG 

Esta beneficiação ao edifício da Escola de Arcozelo, onde funcionam em simultâneo o 2º e 3º ciclo e o Ensino Secundário, surge após a recente intervenção, que contemplou a substituição das placas de fibrocimento, obra suportada financeiramente pela Câmara Municipal.

Esta 2ª fase integra-se no plano estratégico definido pelo Município de Ponte de Lima, no sentido de requalificar todos os equipamentos escolares. Prevê-se a nível geral a reparação de fissuras e pinturas das paredes interiores e exteriores face à degradação que registam. A intervenção irá permitir atingir níveis de conforto, segurança, saúde e de eficiência energética que neste momento não correspondem ao desejável.

O Diretor do Agrupamento de Escolas de Arcozelo, Prof. Manuel Amorim, reconheceu o esforço da autarquia ao avançar com a substituição das placas de fibrocimento, no entanto recordou outras intervenções que considera essenciais para a comunidade educativa de Arcozelo, nomeadamente um “Campo Sintético, para fomentar a prática desportiva e a melhoria dos acessos à Escola Ebs de Arcozelo”.

Por sua vez, o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng.º Victor Mendes, garantiu que a “melhoria dos equipamentos escolares tem sido uma prioridade do Município, e mais uma vez estamos a cumprir uma promessa que fizemos”.

O valor do investimento é de 150.000€, e resulta de uma candidatura ao Portugal 2020, que prevê um investimento total de cerca de um milhão de euros, a repartir pelas intervenções a efetuar nos Agrupamentos de escolas de Arcozelo, Correlhã, António Feijó e Freixo.

IMG_7357.JPG

IMG_7363.JPG

IMG_7372.JPG

BRAGA EXIBE FILME SOBRE A CRIMEIA

‘A Crimeia como era’ apresentado na Galeria Emergentes DST. Filme exibido amanhã

No seguimento da ‘Semana da Ucrânia’, será exibido o filme ‘A Crimeia como era’, que aborda a anexação da Crimeia pela Rússia. Um filme criado pela Associação dos cineastas dos documentários Babylon'13, com o apoio da NATO Information and Documentation Centre, tendo sido apresentado no Festival Internacional de Cinema de Berlim (Berlinale). A iniciativa terá ligar amanhã, Quarta-feira, dia 14 de Dezembro, pelas 18h30, na Galeria Emergentes DST, localizada na Rua do Raio.

A Cremeia como era - Consulado Ucrania do Porto.jpg

Na ocasião será abordada a situação na Ucrânia, havendo lugar a uma conversa com o director do filme Konstantin Klyatskin. Os autores do filme olharam para eventos históricos na Crimeia através do prisma do destino dos soldados ucranianos que não traem o juramento. "A Crimeia, como era" - a história das mais altas qualidades humanas: honra, fidelidade, coragem. As filmagens originais e as histórias não-ficcionais dos marinheiros, dos pilotos, dos pára-quedistas e dos fuzileiros navais sobre o confronto resistente aos invasores podem ajudar o público a encontrar a resposta à pergunta ‘Por que desistimos da Crimeia?’

CABECEIRAS DE BASTO RECEBE RELATOR DA ONU PARA O DIREITO À ÁGUA POTÁVEL

Relator das Nações Unidas para o Direito à Água Potável e Saneamento em Cabeceiras de Basto

O Relator Especial da Organização das Nações Unidas para o Direito à Água Potável e Saneamento, Léo Heller, visitou na passada sexta-feira, dia 9 de dezembro, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, no âmbito da visita que os Relatores Especiais estão a realizar a Portugal, iniciativa que teve o seu início no dia 5 e que termina hoje, dia 13 de dezembro.

Relator das Nações Unidas para o Direito à Água Potável e Saneamento em Cabeceiras de Basto.JPG

Os peritos da ONU encontram-se em Portugal para verificar in loco em que medida estão a ser respeitados os direitos humanos relativos à água e saneamento, mas também à habitação. Para o efeito reuniram-se com os habitantes, representantes do governo, autoridades locais e organizações comunitárias de Lisboa e Porto, bem como de concelhos do sul e norte do país, como foi o caso de Cabeceiras de Basto.

Na Câmara Municipal, o Relator Especial da ONU que estava acompanhado da senhora Ahreum Lee do Alto Comissariado para os Direitos Humanos inteirou-se da organização e sistemas de abastecimento de água e saneamento do concelho, da acessibilidade às redes, dos contratos e tarifários respetivos, bem como dos efeitos da crise económica e financeira enfrentada por Portugal nos últimos anos no acesso a estes bens de primeira necessidade como a água potável e o saneamento.

Foi, ainda, dado a conhecer àqueles representantes das Nações Unidas os investimentos realizados e a realizar no próximo ano e anos seguintes pela Câmara Municipal, quer no abastecimento de água, quer no saneamento.

De referir que a Câmara Municipal tem colocado na primeira linha das suas preocupações e atuação a melhoria da prestação destes serviços, nomeadamente mais e melhor água e ainda no tratamento das águas residuais, tendo em vista a melhoria da qualidade ambiental.

O perito Léo Heller teve, assim, como missão “analisar temas como a acessibilidade, a não-discriminação e o acesso à justiça dos grupos em causa, com especial atenção aos cortes no acesso à rede de abastecimento de água na sequência da crise económica e financeira enfrentada por Portugal”.

O brasileiro Léo Heller é Relator Especial para os direitos humanos relativos ao acesso à água potável e saneamento, tendo sido nomeado em novembro de 2014. É investigador na Fundação Oswaldo Cruz no Brasil e foi anteriormente professor do Departamento de Engenharia do Saneamento básico e ambiental na Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil de 1990 a 2014.

DEPUTADOS SOCIAIS-DEMOCRATAS DO DISTRITO DE BRAGA ALERTAM PARA DIFICULDADES NO ENSINO PROFISSIONAL

Atrasos no financiamento vincados em reunião de trabalho na CIOR

Os deputados do PSD à Assembleia da República eleitos pelo Círculo Eleitoral de Braga estão preocupados com os atrasos no financiamento às escolas profissionais. Esta segunda-feira, 12 de dezembro, reuniram-se com os responsáveis da CIOR, em Vila Nova de Famalicão, que, tal como sucede com todos os estabelecimentos de ensino profissional do país, ainda não recebeu qualquer verba de financiamento referente a este ano letivo e tem também em atraso pagamentos relativos ao ano letivo anterior. Neste encontro participou também o Vereador da Educação na Câmara Municipal, Leonel Rocha.

AFS_5777.jpg

De acordo com Amadeu Dinis, diretor desta que é uma escola profissional de referência a nível nacional e aquela que mais alunos atrai no concelho (cerca de trezentos), a CIOR teve de recorrer a crédito bancário para cumprir compromissos, situação que classifica como “muito difícil” e até “aflitiva” ao ponto de ter já comprometido salários a docentes e subsídios aos alunos.

Palavras de que os parlamentares tomaram boa nota com o compromisso de as levarem ao Governo para a rápida resolução de um problema que, tal como observou Fernando Negrão, “piorou neste ano letivo”. “O financiamento às escolas privadas do ensino profissional sempre teve problemas no passado, mas no atual momento esses problemas agravaram-se de forma considerável”, vincou o deputado social democrata.

No distrito de Braga são doze mil os alunos que frequentam o ensino profissional. No concelho famalicense, frisou Leonel Rocha, mais de metade dos jovens inscritos no 10º ano de escolaridade (num universo de cerca de três mil) opta por essa via, há muito referenciada como uma garantia de maior empregabilidade, num trabalho da Rede Local de Educação e Formação que os deputados social democratas ontem enalteceram. “Famalicão é também notado no país como um concelho que se organiza em rede e que envolve os diferentes agentes educativos, disponibilizando uma oferta formativa concertada e de qualidade”, sublinhou, por seu turno, o deputado famalicense Jorge Paulo Oliveira.

Nesta segunda-feira os deputados deslocaram-se ainda ao Centro de Emprego de Famalicão para uma reunião com os seus responsáveis que teve como tema central a suspensão das medidas ativas de emprego. “Têm chegado até nós denúncias de que essas políticas implementadas com sucesso pelo anterior Governo e que contribuíram para a descida do desemprego no nosso concelho e no nosso distrito estão suspensas desde junho, prova de que a degradação dos serviços públicos é extensível a todos os sectores da administração pública. O Estado não pode deixar de continuar a dar o seu contributo, como o fez no passado, para a criação de emprego. Portanto, esta é uma situação muito preocupante”, concluiu Fernando Negrão.

Nesta jornada em Vila Nova de Famalicão participaram também os deputados Emídio Guerreiro, Clara Marques Mendes, Joel Sá, Laura Magalhães e Rui Silva.

AFS_5782.jpg

AFS_5839.jpg

ETNOGRÁFICO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA: JOSÉ MEIRA CONTINUA A LIDERAR O GRUPO ANCORENSE

Após a realização da Assembleia-geral Ordinária do Etnográfico, nos primeiros dias do mês de Dezembro, José Augusto da Silva Brito Meira, foi reconduzido na presidência do grupo para mais uma época folclórica.

1914030_1187894452616_7519804_n.jpg

A poucos meses do encerramento das Comemorações do 40º Aniversário, previstas para Março de 2017, precisamente na altura em que o Etnográfico cumprirá o seu 41º Aniversário, o grupo inicia assim mais uma época que se prevê cheia de actividades em prol da cultura e das tradições de Vila Praia de Âncora, do Vale do Âncora e do concelho de Caminha.

Com várias realizações previstas no novo Plano de Ação para 2017, destacam-se a organização dos habituais Festivais de Folclore Nacionais e Internacionais com especial destaque para o ÂncoraFolk´17.

Outra actividade prevista para os primeiros meses do próximo ano será a gravação de um CD, actividade inserida num trabalho que irá ter uma grande relevância nacional, incorporando uma grande coletânea de Música Tradicional Portuguesa referenciada por todas as regiões do país, trabalho esse, que segundo José Meira será muito brevemente anunciado e publicitado na comunicação social.

Em “carteira”, e segundo o Presidente agora eleito, encontram-se um conjunto de convites para levar o Etnográfico ao estrangeiro, convites oriundos de Espanha, França e Suíça estarão em cima da mesa para o ano de 2017.

Previsto está igualmente e em conjunto com o Centro de Memória do Centro Social e Cultural de Vila Praia de Âncora a realização de uma grande Exposição Retrospetiva do 40º Aniversário do Etnográfico, precisamente para que dessa forma serem encerradas as comemorações deste que foi um marco de enorme importância para esta Associação Ancorense.

As habituais “Reisadas” do Etnográfico serão também um momento para que o Grupo possa visitar e agradecer todos aqueles que ano após ano fazem o favor de abrir as suas casas nas noites frias de final de Dezembro e primeiros dias de Janeiro.

Para José Meira será este ano, uma vez mais, um momento para continuar a lutar pelo maior sonho do Etnográfico, conseguir uma Sede própria, segundo ele e apesar do Grupo se encontrar bem instalado no Centro Cultural de Vila Praia de Âncora é cada vez mais difícil encontrar espaço disponível para todas as actividades, bem como, para o acervo, os espaços são comuns no Centro Cultural e o espaço destinado ao Etnográfico está num “verdadeiro colapso”, “estamos quase a não poder entrar no espaço, uma vez que ele se encontra quase totalmente cheio com as nossas coisas”, afirma mesmo.

Em modo de brincadeira e após comentar a oferta por parte do Artista Ancorense Paulo Barreto, na passagem de mais um aniversário do Etnográfico de uma das suas obras para o acervo do Grupo, o Presidente não resistiu a “brincar” com a situação, dizendo que o ideal seria “o Paulo ter oferecido uma parede”, portanto vamos continuar a “sonhar” com a nova Sede, rematou José Meira.

Para terminar, Meira apela a todos aqueles que queiram ajudar e participar nas actividades do Etnográfico que apareçam no Centro Cultural, em especial às Sextas-feiras a partir das 21:30 horas, serão sempre muito bem recebidos nesta já grande família que é o Etnográfico de Vila Praia de Âncora.

Órgãos Sociais 2016/2017

Assembleia-geral

Presidente: José Luís Presa

1ª Secretária: Carolina Morais de Sá

Relatora: Margarida Magalhães

Conselho Fiscal

Presidente: Camilo Neto

Secretária: Isabel Neto

Relatora: Sandra Branco

Direcção

Presidente: José Meira

Vice-Presidente: Diamantino Pereira

Secretário: Gaspar Pereira

Tesoureira: Bonança Domingues

Vogal: Fernando Gomes

Vogal: Licínio Macedo

Vogal suplente: Sílvia de Sousa

Vogal suplente: Tiago Dinis

PONTE DE LIMA É UMA DOÇURA MINHOTA

Ponte de Lima - I Feira do Mel, Sidra e da Doçaria superou todas as expectativas

A 1ª Feira do Mel, Sidra e da Doçaria atraiu a atenção de milhares de pessoas este fim-de-semana a Ponte de Lima.

Feira do Mel.JPG

O mel, a sidra, a doçaria, os licores, as compotas, os frutos secos e o artesanato, entre outras ofertas típicas desta quadra, eram os ingredientes principais do evento. De salientar, a venda de mais de 2000 kg de mel durante a Feira.

Para além da promoção dos produtos tradicionais do concelho, produtores e expositores consideraram que a feira superou todas as expectativas, face ao significativo volume de vendas que se registou.

Na abertura oficial da Feira, o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng.º Victor Mendes, assegurou que o objetivo principal é o de “promover os nossos produtos locais, neste caso, o mel e a sidra, projeto enquadrado no Terra Incubar e que que conta com o apoio do Município desde a sua fundação.”

O último dia da Feira foi dedicado ao concelho de Xinzio de Limia, da Galiza – Espanha, como forma de assinalar a geminação existente há mais de 20 anos, entre os dois municípios. Reforçando este intercâmbio cultural, o Município de Xinzio de Limia fez-se representar com um stand institucional, bem como um conjunto de grupos culturais, que desfilaram pela Vila e atuaram no recinto da feira, mostrando a sua cultura e tradição.

Esta 1ª feira do Mel, Sidra e Doçaria, insere-se no projeto 'Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta', que visa promover e valorizar os recursos endógenos, os produtos e serviços dos vários setores económicos, assim como o aumento da atratividade e visibilidade turística do concelho e da região. Recorde-se que até abril realizam-se mais 8 eventos, de um conjunto de 13 no total, sob diversas temáticas, enquadrando-se na sua maioria nos temas da época em que se realizam.

Feira do Mel, Sidra e Doçaria (1).JPG

Feira do Mel_Sidra e Doçaria.JPG

MEL _ FEIRA (Medium).JPG

Sidra_feira_ (Medium).JPG

 

CAMINHA RECUPERA DÓLMEN DA BARROSA

A Câmara Municipal de Caminha organiza amanhã, dia 14 de dezembro, pelas 10 horas, uma visita ao Dólmen da Barrosa, em Vila Praia de Âncora, no âmbito da intervenção a realizar com base no Orçamento Participativo.

Dólmen da Barrosa (2)

A Recuperação do espaço envolvente ao Dólmen da Barrosa (Vila Praia de Âncora) foi um dos projetos vencedores do 1º Orçamento Participativo de Caminha. Trata-se de um projeto avaliado em 60 mil euros e prevê intervenção nos muros, plantação de espécies autóctones, instalação de mobiliário urbano e remoção da pista de skate.

Dólmen da Barrosa (4)

Dólmen da Barrosa (6)

Dólmen da Barrosa (3)

Dólmen da Barrosa

BRAGA REALIZA CONCURSO DE PRESÉPIOS

Concurso de Presépios (Re)Nascer premeia criatividade em época de Natal. Trabalhos expostos na Casa dos Crivos até 8 de Janeiro

A EB 2,3 de Palmeira foi a grande vencedora da 25.ª edição do Concurso de Presépios (Re)Nascer. Uma iniciativa promovida pelo Município de Braga, no âmbito do ciclo de actividades da programação do ‘Braga é Natal 2016’.

jalberto. fernandes - 1º Prémio.jpg

O segundo lugar, em igualdade pontual, foi atribuído à Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Palmeira e à Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobredotação (ANEIS Braga). A terceira posição também foi ocupada por duas instituições, designadamente, a EB 2,3 André Soares e o Centro Social e Paroquial de S. Victor. Todos os vencedores vão visitar a Fundação Serralves.

No total, foram 18 os presépios elaborados pela comunidade escolar e movimento associativo, que aproveitaram a ocasião para recriar a tradição do presépio através de uma interpretação livre e criativa. Os trabalhos estão expostos na Casa dos Crivos, até 8 de Janeiro.

jalberto. fernandes - 2º Prémio A.JPG

jalberto. fernandes - 2º Prémio B.JPG

jalberto. fernandes - 3º Prémio A.JPG

jalberto. fernandes - 3º Prémio B.JPG

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CAMINHA ACOLHE O LANÇAMENTO DO LIVRO “O SENHOR NUNCA E O SENHOR JAMAIS”, DE FRANCISCO DUARTE MANGAS

A sessão terá lugar pelas 17H00, e contará com a presença do autor e da ilustradora

A Biblioteca Municipal de Caminha vai acolher no próximo sábado, dia 17 de dezembro, o lançamento de mais um livro para a infância, desta feita, o livro “O senhor Nunca e o senhor Jamais”, de Francisco Duarte Mangas, ilustrado por Maria João Castro. A sessão terá lugar pelas 17H00, e contará com a presença do autor e da ilustradora.

_ Maria João Castro.jpg

Depois do lançamento “Lexy, o menino vegano”, da ancorense Bárbara Magalhães, a Biblioteca Municipal de Caminha acolhe o lançamento de mais um livro para a infância. “O senhor Nunca e o senhor Jamais” é o novo livro de Francisco Duarte Mangas, com a chancela das Edições Afrontamento. Francisco Duarte Mangas é autor de mais de duas dezenas de livros nos domínios da ficção, poesia e literatura infantojuvenil. Para os mais pequenos escreveu, entre outras obras, O Gato Karl, O Ladrão de Palavras, O Noitibó a Gralha e Outros Bichos, A Menina e Sílvio, Guardador de Ventos. Não é a primeira vez que o autor está no concelho de Caminha. Em março de 2014, por ocasião da Semana da Leitura, Francisco Duarte Mangas esteve em Caminha, e contactou com os alunos do agrupamento de escolas.

A ilustradora Maria João Castro é uma “cara” conhecida aqui no concelho de Caminha. Estudou na Escola Superior de Belas Artes, onde se formou em artes plásticas – pintura. Durante alguns anos trabalhou como atriz no Teatro de Marionetas do Porto e na atualidade é professora de Desenho e desenvolve regularmente projetos ligados à pintura e ao desenho. Reside no concelho de Caminha, em Seixas, e exerce no presente a sua atividade docente em Ponte de Lima, depois de ter lecionado alguns anos no agrupamento de escolas do nosso concelho.

Na sinopse deste livro lê-se: “O senhor Nunca e o senhor Jamais nem parecem irmãos. Há́ sempre qualquer coisa a dividi-los. É uma vida de amuos e muito triste anda a mãe. Se pudesse, a senhora Em Tempo Algum mudaria o nome dos filhos: chamaria Jamais ao mais velho, Nunca ao mais novo. Poderá́ algum dia ser feliz esta família de palavras?”

Recorda-se que a Nova Biblioteca Municipal de Caminha abriu portas no último verão, cuja inauguração contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa. A construção deste equipamento traduz-se num importante contributo para o aumento, diversificação e enriquecimento da oferta cultural no concelho, e para a qualificação do Centro Histórico da Vila de Caminha.Trata-se de uma obra estruturante que custou 907.374,73 € + IVA. Foi comparticipada em 85% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

autor _Francisco Duarte Mangas.jpg

FERNANDO CASTRO E SOUSA APRESENTA POESIA EM PONTE DE LIMA

Livro de Fernando Castro e Sousa apresentado no auditório da Biblioteca Municipal

A última produção literária de Fernando Castro e Sousa – “Murmúrios do olhar” – foi apresentada no passado sábado, 3 de dezembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. Perante casa cheia, Euclides Rios - jornalista, cronista e escritor incumbido de traçar uma análise da mais recente obra poética do autor - destacou os versos curtos e incisivos de Fernando Castro e Sousa, sublinhou a musicalidade e a harmonia do discurso, salientou a liberdade métrica transversal ao livro e realçou a sua capacidade em transferir para a escrita “o que os outros não veem” de uma forma “bela, original e incomum” - características que o fazem honrar “os pergaminhos da poesia limiana”.

DSCN9425 (Medium).JPG

As principais linhas temáticas da obra foram também objeto de referência. Euclides Rios distinguiu a poesia de intervenção, relevou o regionalismo e o bucolismo próprios de um poeta da terra, mas não esqueceu do amor, erotismo e introspeção que atravessam as várias composições de “Murmúrios do olhar”.

A sessão, intercalada com momentos musicais da responsabilidade da Academia de Música Fernandes Fão de Ponte de Lima e pontuada com a declamação de diversos poemas extraídos do livro – casos de “Tarde morna”, “Levo-te daqui”, “Desvio”, “Terra minha” e “Realidades” -, contou ainda com as intervenções de José Carlos Loureiro, presidente da direção do Centro de Estudos Regionais (CER) – responsável pela edição da obra - e do Dr. Paulo Barreiro de Sousa, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Ponte de Lima.

Sobre o escritor:

Residente em Viana do Castelo, Fernando Castro e Sousa é autor de três obras poéticas – “Enquanto respiro” (1985), “Memória da água” (1988, com 2.ª edição em 1990) e “A sedução do pólen” (2014, com 2.ª edição em 2015).

Fundador e diretor da revista “Edévia”, da Escola Desportiva de Viana, organizou o Concurso de Quadras das Festas d’Agonia – de 1987 a 2010 – no jornal “A Aurora do Lima” e tem colaborado com diversos jornais e revistas da região, de que se destacam “O Anunciador das Feiras Novas” e os “Cadernos Vianenses”, entre outros.

Aparece referenciado na “Antologia dos Poetas do Alto Minho” (1987), na obra “A poesia vianense no último quartel do séc. XX” (2005), nos tomos 29, 30 e 36 dos Cadernos Vianenses e na Biblioteca Virtual do alto Minho.

BRAGA APRESENTA CENTRO QUALIFICA

Amanhã, Quarta-feira, dia 14 de Dezembro, pelas 14h30, no Regimento de Cavalaria N.º 6, em Braga

O Município de Braga apresenta amanhã o Centro Qualifica, na sessão de divulgação do Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) do Município de Braga, que terá lugar, pelas 14h30, no Regimento de Cavalaria N.º 6, em Braga.

A iniciativa irá contar com a presença do presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e da vereadora da Educação, Lídia Dias.

O CQEP, que a partir de Janeiro passará a designar-se como Centro Qualifica, tem como missão o aumento e melhoria das qualificações da população. Este centro está neste momento a desenvolver a sua actividade com cerca de 750 pessoas do Concelho entre processos de orientação, reconhecimento certificação e validação de competências, cursos de educação e formação de adultos, entre outros percursos qualificantes.

FAFE REALIZA MERCADO DE NATAL

Mercado de Natal anima Fafe a partir do próximo fim-de-semana. Produtos Regionais, Música, Teatro e muito mais numa tenda gigante

Na próxima sexta-feira, 16 de Dezembro, é inaugurado o Mercado de Natal em Fafe. A tenda, instalada na Praça 25 de Abril, é uma das maiores atracções da Fafe Cidade Natal 2016 e conta com a presença de 16 expositores, em representação de diferentes áreas de atividade, desde a gastronomia ao artesanato.

fafe-natal-web-01-01.jpg

O Mercado é um espelho daquilo que se produz em Fafe, expondo produtos tradicionais e de comerciantes locais. No espaço, os visitantes podem comprar doces e guloseimas, compotas, vinhos, broa, bombons, artesanato.

Também neste espaço vão ser dinamizadas várias atividades durante a semana. Logo no dia 16, decorre a Exposição dos Presépios de Natal. A Câmara Municipal lançou o desafio às Juntas de Freguesia para, em parceria com as Associações locais, prepararem um Presépio para ser exposto ao longo do Mercado de Natal.

À noite, a partir das 21h30, terá lugar o concerto da Orquestra e Coro da Academia de Música José Atalaya.

No sábado, decorre o Encontro de Colectividades, dinamizado por diversas associações do concelho que, em conjunto, vão apresentar aquilo que de melhor fazem durante o ano.

O destaque do dia vai para os Amor Electro que vão tornar o Natal ainda mais especial em Fafe, com um concreto único, no Teatro Cinema.

Em simultâneo, às 21h30, a tenda gigante será palco para o concerto dos Four Armil, um grupo fafense que está agora a dar os primeiros passos.

No Domingo, os Pais Natal voltam a invadir a cidade, com o já habitual Desfile na Praça 25 de Abril. A partir das 15h00, a Orquestra de Fafe tem concerto marcado no Mercado de Natal.

De 19 a 22 de Dezembro, os Encontros de Coros de Natal animam as noites no centro da Cidade.

Pompeu Martins, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Fafe, vê o Mercado de Natal como potenciador de “uma alma de Natal mais forte em Fafe”.

Até ao dia 22, o Mercado de Natal vai ser palco de muitos espetáculos, muita animação e divertimento. O que se pretende com o Mercado é também que pessoas comprem mais no comércio local e, por isso, são vários os expositores que vão marcar presença e mostrar o que de melhor se faz em Fafe.

Acreditamos que este é um projecto de sucesso o que nos dá motivação para continuar apostar na iniciativa Fafe Cidade Natal. Durante todo o mês de Dezembro, a cidade vai estar envolta num ambiente de magia, luz, cor e festa. A animação vai ser uma constante, com diversas actividades e programas imperdíveis para todas as idades.”

Recorde-se que o Mercado de Natal, de entrada gratuita, encerra no dia 22 de Dezembro, às 23h00.

FAMALICÃO FAZ BEM!

Rankings “500 Maiores & Melhores Empresas em Portugal” e “100 Melhores Empresas Para Trabalhar” da Revista Exame

É mais uma evidência do poder industrial e da qualidade das empresas de Vila Nova de Famalicão. A Continental Mabor e a Tiffosi são as melhores dos sectores Químico e Têxtil, Vestuário e Couro em Portugal. A KW Business e a ACA estão entre as melhores para trabalhar. 

Continental.jpg

As empresas famalicenses brilham nos rankings “500 Maiores & Melhores Empresas em Portugal” (M&M) e “100 Melhores Empresas para Trabalhar” (MEPT), elaborados pela Revista Exame com base na análise de diversos indicadores financeiros e operacionais relativos ao exercício de 2015 e divulgados neste mês de dezembro. 

Imbatível, a Continental Mabor é considerada a maior e melhor empresa do sector químico em Portugal. Detém, aliás, o recorde de dez distinções seguidas, com crescimento do volume de negócios e mais investimentos realizados.

A empresa de pneus instalada em Lousado registou um volume de negócios de 820.559 milhões de euros (contra 758.631 milhões de euros em 2014) e tem em curso um plano de investimentos de 70 milhões de euros do qual consta uma nova unidade de pneus radiais agrícolas cujo arranque da produção está previsto para 2017.

Presente em Lousado há 26 anos, a Continental Mabor vende para 180 países e tem a chancela de principal exportadora do concelho de Vila Nova de Famalicão e a quinta nacional. “É uma história feita de investimentos contínuos, que somam mais de 650 milhões de euros”, refere Pedro Carreira, que dirige a base lusa da Continental há três anos, destacando o ano passado como um dos momentos decisivos para a consolidação do complexo industrial de Famalicão.

No ranking geral M&M, refira-se, aparecem dez empresas famalicenses: Continental Mabor (22º), Coindu (135º), Construções Gabriel A.S. Couto (343º), TMG Automotive (353º), RNM (388º), Continental ITA (404º), Riopele (439º), Cofemel (450º) e Continental Pneus (456º). 

Têxtil ganha força

A Cofemel, que se impõe pela marca própria Tiffosi, é considerada a melhor empresa nacional do segmento Têxtil, Vestuário e Couro em Portugal. No grupo das cinco melhores estão ainda a TMG Automotive (2º) e a Continental ITA (5º). 

Com crescimento de mais de 20% nos lucros, a que juntou o melhor desempenho do sector na rentabilidade de ativos e de capitais próprios, a empresa famalicense combina competências várias, do design à inovação, logística e retalho. “Somos culturalmente uma empresa orientada para os resultados, mas com objetivos ambiciosos”, explica o diretor geral, Sérgio Oliveira. 

A ligação do Grupo VNC - Vila Nova Carneiro à Cofemel começou em 2008, com o resgate da empresa e da sua marca de jeans. A estratégia desenhada para relançar a marca trouxe um crescimento de 116% nas vendas ao consumidor final até ao fecho do exercício de 2015. 

Em 2016, a Tiffosi mantém a trajetória de crescimento das vendas em todos os canais. As exportações, atualmente com uma quota de 35% nas vendas, devem continuar a crescer. 

Presente em 26 países, a Tiffosi tem 85 lojas próprias e até 2019 quer investir 30 milhões de euros para inaugurar novos espaços no exterior do país. 

KW Business e ACA melhores para trabalhar 

Já no ranking “100 Melhores Empresas para Trabalhar” a imobiliária KW Business (Keller Williams) entra diretamente para o terceiro lugar. Aliás, KW Business, que em Portugal está nas mãos do Grupo Business, de Vila Nova de Famalicão, é mesmo a melhor do sector imobiliário em Portugal. 

Nesta lista está um outro grupo famalicense, a ACA, que repete a presença. A redução de trabalho no mercado da construção civil nos últimos anos não abalou a estrutura do Grupo Alberto Couto Alves, centrado essencialmente nesta atividade. Com um volume de negócios superior a 50 milhões de euros, conta com 1640 colaboradores.

Tiffosi.jpeg

CRIANÇAS ENCHEM ARCOS DE VALDEVEZ DE COR E ALEGRIA

Festas de Natal com os Jardins-de-infância e Escolas voltam a encher a Casa das Artes de cor e alegria

De 14 a 16 de dezembro decorrem na Casa das Artes concelhia as "Festas De Natal" com os Jardins-de-infância e Escolas EB1 Municipais de Arcos de Valdevez.

festas_natal_2015.jpg

Ao longo destes dias, entre alunos, docentes e auxiliares, passarão cerca de 1000 pessoas pela Casa das Artes, transformando-a num local cheio de muita alegria, diversão e magia.

As crianças assistem a espetáculos musicais, de dança, representações de palhaços e ainda fazem as suas próprias atuações, as quais resultam do trabalho desenvolvido pelos colaboradores da Autarquia das atividades Extra Curriculares do 1º Ciclo, do pré-escolar, entre outros colaboradores.

São dias de emoção, e vividos com bastante intensidade pelos mais pequenos, que veem a sua felicidade ficar completa com a tão esperada chegada do Pai Natal. O “velhinho” distribui prendas a todos, incluindo docentes e auxiliares, o contribuindo, ainda mais, para os sorrisos rasgados e entusiasmo das crianças.

Este ano os alunos do 1º Ciclo também receberão adicionalmente um exemplar do livro em banda desenhada “Histórias de Valdevez”, da autoria de José Ruy.

Ano após ano estes dias são vividos com grande entusiasmo por todas as crianças, por isso o Município empenha-se na realização destes momentos que fazem a alegria de miúdos e graúdos.

festas_natal_2015_3.jpg

IMG_2487.JPG

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Retrato sociopolítico do Alto Minho oitocentista domina palestra de tributo a Cardeal Saraiva

A sexta conferência inserida no quadro das comemorações dos 250 anos de nascimento de Frei Francisco de São Luís (1766-2016) evocou o contexto sociopolítico do Portugal oitocentista na época do Cardeal Saraiva, com especial enfoque nos tumultos e desacatos ocorridos na região alto minhota nas primeiras décadas do período liberal.

Retrato sociopolítico do Alto Minho oitocentista (Medium).JPG

Orientada por Alexandra Esteves – docente na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa – a palestra “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva”, que decorreu na passada sexta-feira, 2 de dezembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, revisitou a torrente de acontecimentos que influenciou o percurso do monge beneditino, desde as invasões napoleónicas que ditaram o seu envolvimento nos movimentos de resistência organizada – caso da Junta Provisional de Viana do Minho – à Revolução Liberal de 24 de agosto de 1820 que determinou a sua nomeação para a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, organismo incumbido de organizar as eleições para as Cortes, de preparar a Constituição de 1822 e de exercer o poder executivo em nome de D. João VI a quem se exigia o imediato regresso à metrópole.

Reforçando a cada passo a importância da contextualização histórica para o conhecimento da figura visada na conferência de tributo, Alexandra Esteves lembrou as convicções liberais de Frei Francisco de São Luís - opção ideológica que numa fase de acesa conflitualidade entre as forças de apoio ao absolutismo de D. Miguel e a população afeta à monarquia constitucional de D. Pedro lhe custou dois prolongados exílios, além de campanhas difamatórias e persecutórias de adeptos realistas -, e sublinhou os efeitos negativos que o clima de hostilidade partidária provocou no Alto Minho - região onde a implantação definitiva do liberalismo se revelou particularmente difícil, resultando do ambiente de crispação política o aumento exponencial da criminalidade, sobretudo nos anos 20 e 30 do século XIX. Ponte de Lima foi um dos casos tratados pela conferencista, que entre os vários exemplos citados - alguns deles retirados dos Livros de Atas da Câmara Municipal -, destacou um episódio ocorrido em S. João da Ribeira, a 17 de maio de 1836 – dois anos após o final da Guerra Civil – em que elementos da própria Guarda Nacional cometeram “bárbaras atrocidades” contra fações opostas ao regime vigente.

À comunicação de Alexandra Esteves, que contou com a presença do Dr. Paulo Barreiro de Sousa, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Ponte de Lima, seguir-se-á a 06 de janeiro de 2017, pelas 19h00, a conferência “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, de Luís de Oliveira Ramos, que encerra o ciclo de palestras inserido no programa comemorativo dos 250 anos de nascimento de Cardeal Saraiva.

BARCELOS: “E SE JESUS NASCESSE NA UCHA?” – 4.ª EDIÇÃO

Há muito que o Natal já mexe na freguesia da Ucha, em Barcelos. Desde Agosto, cerca de 15 voluntários trabalham naquele que é um dos mais belos presépios movimentados da região, feito de forma completamente artesanal.

15391154_1156781064359245_4138398275895938317_n.jpg

Sob o mote “E se Jesus nascesse na Ucha?”, e à semelhança dos anos anteriores, o objectivo deste presépio passa por ser uma réplica da freguesia da Ucha, procurando retratar as principais profissões e tradições do passado da freguesia barcelense, bem como o nascimento do Menino.

De ano para ano, a área total também tem aumentado e têm sido acrescentados cenários/figuras ao presépio inicial, sendo que o destaque desta edição vai para uma típica procissão completa e a produção de vinhos de outrora, bem como o cultivo de outros cereais e produtos hortícolas.

A abertura do presépio movimentado “E se Jesus nascesse na Ucha?” acontece domingo, dia 18 de Dezembro, com a realização do 1.º Concurso de Presépios. O objectivo é que cada grupo/pessoa apresente o seu presépio natalício, feito de forma artesanal, sem restrições quanto ao material, não podendo apenas ultrapassar no seu total as medidas de 40cmX40cm.

A votação vai estar aberta entre 18 de Dezembro e 15 de Janeiro, sendo que, nesse mesmo dia, vão ser atribuídos os três primeiros lugares, assim como prémios surpresa. Depois, no dia 25 de Dezembro, pelas 15h30, realiza-se um presépio humano, com a participação de mais de 40 pessoas.

Em destaque neste ‘presépio vivo’, vão estar as actividades mais características da Ucha, enquadradas na encenação do Nascimento de Jesus.

O presépio movimentado da Ucha encerra, por fim, a 15 de Janeiro, com um cantar de reis, pelas 15h30.

MINISTRA DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA NA ABERTURA DO CINETEATRO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

À noite, António Zambujo será o protagonista de um concerto solidário a favor da Associação Humanitária

Depois de mais de duas décadas encerrado, o Cine Teatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora abre as suas portas, completamente remodelado, no próximo dia 7 de janeiro. A ministrada Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, estará presente na sessão solene. À noite, o palco recebe um grande espetáculo. António Zambujo será o protagonista de um concerto solidário, cujo valor da bilheteira reverte para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora.

Cine teatro dos Bombeiros de Vila Praia de Âncora.jpg

No dia 4 de novembro de 2015, fruto de um novo relacionamento entre o Município e a Associação Humanitária dos Bombeiros dos Voluntários de Vila Praia de Âncora, cuja direção desenvolve um trabalho excelente, que permitiu ultrapassar situações de grande aflição financeira, em que a continuidade dos serviços da corporação chegou a estar em causa, foi possível iniciar formalmente as obras no Cine Teatro. “Em 2017, o Cine Teatro renascerá com toda a dignidade, recuperando a posição e farol cultural que lhe é devida”, disse na altura o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves.

Neste momento as obras encontram-se na fase final. A renovada sala tem capacidade para 200 pessoas, sendo integrada num complexo com novos camarins, novas instalações sanitárias, condições de conforto e de segurança.

Assinalando também o centenário da Associação Humanitária, dois momentos marcarão a abertura, sendo o primeiro uma sessão, com a participação da ministra da Administração Interna. Constança Urbano de Sousa é, desde 1997, doutorada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade do Sarreland, Alemanha. É também pós-graduada em Direito Europeu pelo Instituto de Estudos Europeus da Universidade do Sarre (1994) e licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1991).

Professora universitária, desempenhou vários cargos a nível nacional e internacional, sempre ligados às áreas em que é especialista, assumindo a presente pasta no XXI Governo Constitucional, há pouco mais de um ano.

O Cine Teatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora abre com chave de ouro, devolvendo-se à população e à Vila um espaço de Cultura e de memória. Importa salientar que o Município assegura também a vinda do prestigiado artista António Zambujo, para um concerto especial, que será,ao mesmo tempo,mais uma ajuda financeira à Associação Humanitária. Os bilhetes já estão esgotados.

LUÍS OLIVEIRA RAMOS ENCERRA EM PONTE DE LIMA CICLO DE CONFERÊNCIAS EM HOMENAGEM A CARDEAL SARAIVA

O conhecido historiador e docente universitário, Luís de Oliveira Ramos, apresenta no próximo dia 6 de janeiro de 2017, pelas 19h00, a palestra “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo” - comunicação que encerra o ciclo de conferências de tributo a uma das personalidades cimeiras do Portugal oitocentista. A sessão, que decorrerá no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, evocará o extraordinário percurso de vida de Cardeal Saraiva numa espécie de remate informativo e homenageante da série de palestras que integra o programa comemorativo dos 250 anos de nascimento do monge beneditino (1766-2016) lançado e dinamizado pelo Município de Ponte de Lima ao longo do ano.

CARTAZ Conferência Oliveira Ramos.jpg

As sete conferências de tributo a Frei Francisco de São Luís serão entretanto compiladas e disponibilizadas numa nova publicação de referência para a cultura local da responsabilidade do Município de Ponte de Lima.

Sobre o conferencista:

Natural da freguesia de S. Victor, Braga, Luís António de Oliveira Ramos nasce a 27 de maio de 1939. Licencia-se em Ciências Históricas e Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1961, onde inicia a sua carreira docente. Em 1972 faz o Doutoramento em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, na especialidade de História Moderna e Contemporânea. Leciona várias cadeiras e dirige seminários no âmbito da História Moderna e Contemporânea de Portugal, da História do Brasil e da Expansão Portuguesa.

Entre 1982 e 1985 exerce o cargo de Reitor da Universidade do Porto, assumindo a Presidência de Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas de 1993 a 1995. A partir de fevereiro de 1999 ocupa o lugar de Presidente do Conselho Científico da Comissão Nacional dos Descobrimentos, de que é vogal desde 1986.

Ao longo da carreira granjeia inúmeras distinções e honrarias. A Universidade de Bordéus atribui-lhe o título de “doutor honoris causa”, é condecorado com a Ordem das Palmas Académias da República Francesa e recebe a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, a Grã-Cruz da Instrução Pública e a Medalha de Ouro da Cidade de Braga.

Autor de vários livros, participa como colaborador em algumas obras e redige inúmeros artigos e ensaios. De entre as publicações da sua autoria ou com a sua participação, destacamos “Da Ilustração ao Liberalismo” (1979); “O Porto na génese do Liberalismo” (1979); “Le Portugal et la Révolution Française” (1989); “História do Porto” - introdução, conclusão e direção (1994); e “História da Universidade em Portugal”, I, tom. 2, cap. I (1997).

Luís de Oliveira Ramos aposenta-se em 2002, mas continua dedicado à investigação histórica e ao desempenho de cargos de relevância cívica e cultural.

(Fontes: https://www.infopedia.pt/$luis-a.-de-oliveiraramos; https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?

p_pagina=reitores%20da%20u.porto%20-%20lu%C3%ADs%20ant%C3%B3nio%20de%20oliveira%20ramos)

GUIMARÃES RECEBE BANDEIRA CIDADES DE EXCELÊNCIA

ESTA SEGUNDA-FEIRA, 12 DE DEZEMBRO

Presidente do Município dedicou distinção a todos os vimaranenses. Apresentação de rede de percursos cicláveis entre as vilas e a cidade contribuiu para a atribuição da bandeira.

Guimaraes_Cidades_Excelencia.jpg

O reconhecimento público do trabalho que a Câmara Municipal de Guimarães está a desenvolver no âmbito da valorização ambiental, patrimonial, qualificação urbana e coesão social foi distinguido com a atribuição da Bandeira Cidades de Excelência – Nível II, atribuída pela Rede de Cidades e Vilas de Excelência, numa cerimónia que decorreu esta segunda-feira, 12 de dezembro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

A distinção é justificada «com o grau de evolução da implementação do Plano de Ação Local» proposto pelo Município em matéria de planeamento estratégico e de ações especificas no quadro dos planos estratégicos, de mobilidade e de regeneração urbana em sede de candidaturas ao Portugal 2020, como sucede com o esboço de toda a rede de percursos cicláveis entre as vilas e a cidade, com lugar à divulgação pública desta intervenção bem como da intenção deste projeto considerado estratégico no plano de mobilidade urbana sustentável de Guimarães.

«Recebemos esta distinção com muito orgulho, mas também com o sentimento de maior responsabilidade. Temos uma visão de futuro para o nosso concelho e queremos acrescentar camadas de qualidade de vida e conforto aos nossos vimaranenses. Estamos a tratar do espaço público e da proteção da natureza! A mobilidade promove um conjunto de intervenções que nos permitem coser o nosso território com percursos cicláveis e pedonais, definindo novos corredores de mobilidade», referiu o Presidente da Câmara Municipal.

«Distinção para as pessoas do concelho»

Na sua intervenção, Domingos Bragança dedicou a «todos os vimaranenses» a Bandeira de Excelência atribuída a Guimarães. «Representa o envolvimento das nossas pessoas no caminho de excelência que estamos a fazer e que, à medida que concretizámos, apercebemo-nos que é possível. Vamos realizar, porque nós acreditamos! Acrescentamos à cultura a dimensão ambiental, daí considerar que o caminho da Capital Verde Europeia tem uma base bio-cultural, identidade de um território como Guimarães», afirmou ainda o responsável da Autarquia.

Pedro Silva, coordenador nacional da Rede de Cidades e Vilas de Excelência, enalteceu o trabalho desenvolvido, realçando que Guimarães cumpriu um conjunto de ações que se propôs no âmbito do Plano de Ação Local na relação com as suas vilas e freguesias. «Está a ser construída uma coesão territorial num contexto policêntrico, que deixa um lastro importantíssimo. Esta bandeira é uma expressão pública de um trabalho que não é um ponto de chegada, mas que se cumpre ao longo de um percurso», disse.

DANIEL CALADO CAFÉ: QUEM É O NOVO PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DO FOLCLORE PORTUGUÊS?

Daniel Calado Café é o novo Presidente da Direcção da Federação do Folclore Português.

Daniel Calado Café nasceu no lugar de Gouxaria, freguesia de Alcanena, em 1966. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, para além de possuir outras habilitações académicas noutras áreas, tendo exercido a docência no ensino básico e secundário e leccionado diversos cursos de educação e formação de adultos e ensino recorrente. Pertence ao quadro de professores de nomeação definitiva da Escola Dr. Anastácio Gonçalves, em Alcanena.

14925766_1204301906282458_1336075860595843429_n (1) (2).jpg

Desempenhou o cargo de Vereador da Câmara Municipal de Alcanena com os Pelouros de Educação e Cultura, para além de outros, desde 2002 a 2005, sendo, actualmente, Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Alcanena. Cedo mostrou um grande interesse pela história, as memórias colectivas e as identidades comunitárias do seu concelho, desenvolvendo investigação nestas áreas desde os seus dezassete anos de idade. Resultante da sua investigação, a Região de Turismo do Ribatejo publicou diversos estudos efectuados entre 1988 e 2007, neste âmbito.

É Director Fundador de algumas associações culturais tanto ao nível local, regional como nacional dos quais se destacam o Grupo Etnográfico de Gouxaria; Elos Clube de Alcanena; Homo Taganus – Associação de Estudo e Defesa da Etnografia e do Folclore do Ribatejo (possuindo também o cargo de Conselheiro Técnico da Região do Ribatejo) e a Academia de Letras e Artes da Lusofonia. Foi membro do Conselho Consultivo para a Cultura e Desporto do Município de Alcanena, tendo assumido a sua coordenação desde 2002.

Fonte: http://moitasvenda.net/wiki/Daniel_Calado_Caf%C3%A9