Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BRAGA APOSTA NA CIÊNCIA

Casa da Ciência será ´ferramenta poderosa´ ao serviço do conhecimento da comunidade educativa. Projecto foi um dos vencedores do OP 2016

Braga dispõe, a partir de hoje, dia 21 de Outubro, de uma Casa da Ciência onde todos os interessados podem adquirir conhecimento relativamente ao Universo e ao nosso Planeta. O projecto, um dos vencedores do Orçamento Participativo 2016, localiza-se em Gualtar (Rua Maria Delfina Gomes) e consistiu na remodelação de um espaço para a execução de um planetário fixo, um cybercafé, uma sala de experimentação científica, um espaço de exposições e um auditório. O espaço é gerido pela ORION - Sociedade Científica de Astronomia do Minho, que se dedica à divulgação e promoção da ciência em Braga.

CMB21102016SERGIOFREITAS0000003193.jpg

Durante a sessão de inauguração, Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, sublinhou que este é um projecto em que se ´sente claramente´ um traço distintivo pelo seu ´carácter inovador e impacto territorial´, bem como pela forma como mobiliza diversos sectores da comunidade. “A Casa da Ciência tem o mérito incontornável de não ser um projecto da freguesia de Gualtar ou da ORION, mas de Braga e de toda a região. Será uma ferramenta poderosíssima ao serviço da educação para a ciência e do conhecimento da comunidade educativa”, afirmou.

Como referiu o Edil, o Município pretende estabelecer uma parceria estruturada com a ORION no sentido de, ao longo dos próximos anos e através de apoios financeiros e logísticos, levar o maior número de crianças possível ao espaço. “Estão aqui reunidos recursos notáveis que permitirão realizar um trabalho de valia inestimável com as nossas crianças e jovens. Queremos potenciar esses mesmos recursos e, ao mesmo tempo, premiar o esforço aqui desenvolvido”, disse.

O Autarca salientou ainda que Braga, Cidade da ciência e conhecimento, tem apostado continuamente em sensibilizar os mais jovens para as questões científicas. “Há múltiplas iniciativas e parceiras que temos desenvolvido com esse objectivo e um projecto-âncora que tem mobilizado diversos interlocutores: a criação de um Centro de Ciência em Braga que aglutine todas as instituições com quem trabalhamos nesta área. Estamos a concertar esforços e identificar oportunidades para que esse equipamento, que se deseja que tenha uma dimensão considerável e abrangência elevada, seja uma realidade no nosso Concelho”, afirmou.

Já Eduardo Jorge Madureira, coordenador do OP da Câmara Municipal de Braga, referiu que este foi um projecto que teve o mérito de conseguir aliar à sua valia intrínseca uma excelente capacidade de mobilização.” Só por causa deste projecto teria valido a pena a introdução deste instrumento de participação cívica. É um equipamento de valia inquestionável para a comunidade”, adiantou.

CMB21102016SERGIOFREITAS0000003197.jpg

CMB21102016SERGIOFREITAS0000003201.jpg

CMB21102016SERGIOFREITAS0000003203.jpg

VIMARANENSES VÃO OUVIR "VALSAS DAS CANÇÕES DE AMOR"

ENTRADA LIVRE

Coro da Casa da Música atua no Paço dos Duques de Bragança este sábado, 22 de outubro

Espetáculo centra-se nas “Valsas das Canções de Amor”, de Johannes Brahms, compositor alemão e uma das mais importantes figuras do romantismo musical europeu do século XIX.

Coro_Casa_Musica.jpg

A Câmara Municipal de Guimarães, em parceria com a Casa da Música, promove um concerto com o Coro da Casa da Música, este sábado, 22 de outubro, pelas 22 horas, no Paço dos Duques de Bragança. Com entrada livre, o espetáculo tem direção musical do britânico Paul Hillier, com Lígia Madeira e Luís Duarte no piano.

“As Valsas das Canções de Amor”, de Brahms, constituem uma das coletâneas mais famosas de todo o repertório coral. Escritas para coro misto com acompanhamento de piano, estas 18 valsas têm a leveza típica do popular ländler, dança tradicional igualmente em ritmo ternário, e denotam a influência quer de Franz Schubert, que Brahms tanto admirava, quer de Johann Strauss, dedicatário da obra e conhecido na época como “o rei da valsa”.

Este é um êxito junto do grande público desde as suas primeiras apresentações, que conheceram várias versões da autoria de Brahms, permanecendo a versão com acompanhamento a quatro mãos uma das mais populares. O programa do concerto é composto por temas de Franz Schubert (Quatro canções), Robert Schumann (Romanzen, op.69) e Johannes Brahms (Liebeslieder Wälzer, Op.52).

MIGUEL ALVES APRESENTA PROJETOS VENCEDORES DO 2º ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CAMINHA

Os caminhenses escolheram: beneficiação do Jardim de Infância de Âncora (Âncora), execução do projeto do Cais de Rua Sul (Caminha) e recuperação do Monte Calvário (Vila Praia de Âncora)

Beneficiação do Jardim de Infância de Âncora (Âncora), execução do projeto do Cais de Rua Sul (Caminha) e recuperação do Monte Calvário (Vila Praia de Âncora) são os projetos que os caminhenses querem ver desenvolvidos no concelho, no âmbito do Orçamento Participativo (OP) 2016. Os projetos foram apresentados esta tarde por Miguel Alves.

cerimonia op.jpg

Decorreu esta tarde, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a cerimónia de apresentação dos projetos vencedores do 2º Orçamento Participativo de Caminha. A sessão contou com a presença do presidente da Câmara, da maioria dos proponentes dos projetos e da população em geral.

De 19 de setembro a 14 de outubro, os caminhenses escolheram entre 19 projetos. Em primeiro lugar, com 333 votos, ficou o projeto “Beneficiação do Jardim de Infância de Âncora (Âncora)”, orçamentado no montante de 65 mil euros; em segundo lugar, com 323 votos, o projeto “Execução do projeto do Cais de Rua Sul (Caminha)”, orçado em 65 mil euros e, em terceiro lugar, com 257 votos, os caminhenses escolheram o projeto “Recuperação do Monte Calvário (Vila Praia de Âncora)” avaliado igualmente em 65 mil euros. Recorda-se que a Câmara Municipal de Caminha decidiu aumentar do OP 2016 para 195 mil euros, o que correspondente ao montante de IRS que se prevê que os munícipes do concelho paguem durante o ano de 2016.

Com o projeto “Beneficiação do Jardim de Infância de Âncora (Âncora)”, calculado no montante de 65 mil euros, pretende-se a realização de obras gerais de reabilitação do edifício e da área envolvente do jardim de infância.

O projeto de “Execução do projeto do Cais de Rua Sul (Caminha)”, orçado em 65 mil euros, prevê a reabilitação estrutural e a melhoria das condições de utilização da zona Sul do Cais da Rua, em Caminha.

O projeto “Recuperação do Monte Calvário (Vila Praia de Âncora)”, avaliado igualmente em 65 mil euros, prevê a valorização paisagística do espaço envolvente ao Monte Calvário, em Vila Praia de Âncora.

Recorda-se que os projetos a votação foram: Execução do projeto do Cais da Rua Sul – União das freguesias de Caminha e Vilarelho (65 mil euros); Requalificação da Rua D. Urraca – União das freguesias de Caminha e Vilarelho (65 mil euros); Recuperação do moinho de Vento do Carvoeiro – União das freguesias de Moledo e Cristelo (65 mil euros); Pavimentação do Estradão do Montanhão – União das freguesias de Moledo e Cristelo e União das freguesias de Caminha e Vilarelho (65 mil euros); Requalificação da Rua 13 de fevereiro – Vila Praia de Âncora (60 mil euros); Recuperação do Monte Calvário – Vila Praia de Âncora (65 mil euros); Homenagem às Crianças (construção de monumento) – Vila Praia de Âncora (30 mil euros); Forno comunitário (Do Campo à Mesa) – Riba de Âncora (45 mil euros); Aquisição de máquina retroescavadora – Riba de Âncora (65 mil euros); Aquisição de carrinha com grua – Riba de Âncora (55 mil euros); Rede WI-FI e postos internet gratuitos -  freguesias de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros (65 mil euros);  Parque Infantil -  Vilar de Mouros (40 mil euros); Beneficiação do Jardim de Infância de Âncora – Âncora (65 mil euros); Parede de Escalada - Lanhelas (50 mil euros); Requalificação da casa das Pedras Ruivas – Seixas (65 mil euros); Requalificação do caminho da Aldeia – União das freguesias de Gondar e Orbacém (65 mil euros); Aquisição de duas viaturas e equipamento para a unidade de apoio domiciliário de Gondar e Orbacém – União das freguesias de Gondar e Orbacém (65 mil euros); Requalificação do parque de merendas junto ao rio Âncora – União das freguesias de Gondar e Orbacém (65 mil euros); e Requalificação do caminho entre Argela e Venade (Colarinha e Aldeia Nova) – União das freguesias de Venade e Azevedo e Argela (65 mil euros).

ESPOSENDE VÊ APROVADA OBRA DE DEFESA DA PRAIA DA BONANÇA

A comissão diretiva do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) acaba de aprovar a obra de reforço do cordão dunar na Praia da Bonança, em Ofir, Fão. Trata-se de uma obra fundamental, no valor global de 1.483.709,64 euros, inserida na ampla ação do Município de Esposende de preservação dos 18 quilómetros de costa que caraterizam o único concelho com praia no distrito de Braga.

Ambiente.jpg

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes tinha anunciado, no passado mês, um investimento de 32 milhões de euros, a aplicar em trinta intervenções, cumprindo o Plano de Ação para o Litoral Norte que decorrerá até 2019, projeto no qual se inclui esta intervenção de defesa da praia da Bonança, em Fão.

Há muito que esta obra era reclamada, dando resposta aos anseios e medos dos habitantes daquela zona de Ofir. De resto, no passado mês de julho, o professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Veloso Gomes e Pimenta Machado, presidente do Conselho de Administração da Sociedade Polis Litoral Norte, acompanharam o presidente da Câmara Municipal de Esposende, numa visita à praia da Bonança, com o objetivo de definir a estratégia de defesa da costa, altura em que ficou definido avançar com a candidatura agora aprovada.

Esta operação consistirá no desenvolvimento de uma solução de minimização do forte processo erosivo observado na praia da Bonança, prevendo-se a execução de diversas ações, para preservação do cordão dunar e arriba de erosão existente. Este passo dar-se-á pela construção de uma frente resistente, com três níveis de geocilindros de areia e preenchimento de um muro de geocilindros.

A obra tem uma comparticipação do Fundo de Coesão de 1.261.153,19 euros e compreende ainda, o reperfilamento das areias na praia, através da movimentação de areia para a zona superior da praia e para o espaço entre os geocilindros e a arriba de erosão existente.

“Este é o resultado do esforço de concertação que envolveu a Câmara de Esposende, a Polis, na pessoa do presidente do conselho de administração, Pimenta Machado e o Ministério do Ambiente, com empenho direto do senhor Ministro. Este projeto insere-se no plano mais vasto que prevê a defesa de toda a costa”, disse o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

De resto, Benjamim Pereira entende que o investimento global de 32 milhões de euros, em toda a zona costeira nacional “constitui um investimento muito importantes para os próximos três anos, fruto de uma estratégia em que os municípios terão um papel ainda mais determinante na resolução dos problemas do litoral”, face à anunciada cessação do Polis Litoral Norte.

Esta comparticipação financeira do Fundo de Coesão destina-se à proteção e reabilitação do sistema costeiro na praia da Bonança, obra inserida no eixo nacional que visa promover a adaptação às alterações climáticas e a prevenção e gestão de riscos. Este plano nacional tem como filosofia subjacente, a promoção de investimentos para fazer face a riscos específicos, assegurar a capacidade de resistência às catástrofes e desenvolver sistemas de gestão de catástrofes.

No âmbito da obra serão construídos dois passadiços sobrelevados, para ordenamento do acesso pedonal à praia, evitando o pisoteio e degradação do cordão dunar. Todas estas intervenções visam aumentar a resiliência do território, face à erosão costeira, reconhecidamente potenciada pelas alterações climáticas.

praia Bonança.jpg

VIMARANENSES DEBATEM SAÚDE MENTAL

ESTE SÁBADO, 22 OUTUBRO, NO CCVF

“Reminiscências” é o tema da 10ª sessão do Café Memória de Guimarães

Encontro informal realiza-se este sábado de manhã, a partir das 10 horas. CCVF recebe iniciativa destinada a pessoas com problemas de memória ou demência, bem como aos respetivos familiares e cuidadores.

Guimaraes_Cafe_Memoria.JPG

A décima sessão do Café Memória de Guimarães, que se realiza este sábado, 22 de outubro, no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor, terá como tema “Reminiscências”, com os participantes a serem convidados a levar uma fotografia ou um objeto que lhes façam recordar um momento especial. A iniciativa, com entrada livre e sem necessidade de marcação prévia, realiza-se todos os quartos sábados de cada mês, entre as 10 e as 12 horas.

O Café Memória pretende contribuir para a melhoria da qualidade de vida e redução do isolamento social das pessoas com problemas de memória ou demência, bem como dos respetivos familiares ou cuidadores. Pretende, ainda, sensibilizar a comunidade para a relevância crescente do tema das demências, reduzindo, assim, o estigma que lhe está associado.

Até agora, o Café Memória de Guimarães, momento de partilha de experiências e de suporte mútuo, tem sido um sucesso, demonstrado na satisfação de todos os que já participaram nas nove sessões já realizadas. Num contexto informal, acolhedor, reservado e seguro, esta ação oferece apoio emocional e informação útil, sempre com o auxílio de profissionais de saúde e de colaboradores que trabalham no âmbito social.

O Café Memória de Guimarães, que nasceu numa parceria estabelecida entre a Câmara Municipal de Guimarães, Lar de Santa Estefânia, Rotary Club de Guimarães, Lions Clube de Guimarães e Hospital Senhora da Oliveira, resulta de uma iniciativa da Alzheimer Portugal e da Sonae Sierra, tendo como parceiros institucionais a Fundação Montepio, Instituto de Ciências da Saúde (Universidade Católica) e a Fundação Calouste Gulbenkian.

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ VISITA ARCUENSES NO CANADÁ

O incremento das relações com as comunidades de arcuenses no estrangeiro continuam a ser uma das grandes apostas do Município de forma a reforçar a identidade, promover a cultura arcuense e o orgulho na nossa terra e na nossa gente. Estas visitas também serviram para promover os produtos e empresas de Arcos de Valdevez e atrair investimentos.

almoço de despedida em Kitchener (3).jpg

 Fazendo jus a esta política, o presidente da Câmara Municipal, João Esteves, e o vereador Hélder Barros, visitaram a comunidade no Canadá para participarem na celebração do aniversário da Associação Cultural do Minho, em Toronto, e realizarem contactos com Câmaras Municipais, Parlamento e Governo provincial, representantes de Casas Regionais, vários empresários e meios de comunicação sociais.

A festa de aniversário foi vivida com grande alegria e o Presidente da Câmara aproveitou para endereçar a toda a comunidade um forte abraço e dizer que “iniciativas como esta fortalecem e aprofundam os laços fraternos com as raízes.”

De igual modo despertou a curiosidade de todos para o trabalho que o Município está a realizar visando o desenvolvimento de Arcos de Valdevez, enfatizando que “o esforço conjunto está a produzir resultados positivos, quer na atração turística, quer na criação de emprego, nas áreas sociais, ou na construção de equipamentos e infraestruturas. Contamos com todos os arcuenses, residentes e emigrantes, para incrementar este trabalho e melhorar a qualidade de vida dos arcuenses.”

Os autarcas visitaram a Câmara Municipal de Toronto onde foram recebidos pela vereadora portuguesa Ana Bailão. Também foram ao Consulado Português, onde reuniram com o cônsul Luís Ramos, tendo também aproveitado para ir à Assembleia Provincial do Ontário, onde se encontraram com a deputada Cristina Martins e o Ministro das Finanças do Ontário, Charles Sousa. 

Do programa constou igualmente uma visita à cidade de Kitchener onde estiveram com a arcuense Liliana Araújo, assessora de deputado federal do Canadá, e foram ao Communitech, um centro de inovação que apoia as empresas em todas as fases de crescimento e desenvolvimento, desde as Startups de rápido crescimento às empresas de médio porte e grandes empresas de nome mundial como a conhecida Google!

Em Kitchener os autarcas foram recebidos pelo Presidente da Câmara, Berry Vrbanovic, e, após a troca de presentes foi feita uma visita à sala da Assembleia. Nesta localidade encontraram-se com vários arcuenses lá residentes e participaram num almoço convívio.

Nestas reuniões foram apresentadas as potencialidades de Arcos de Valdevez e os apoios concedidos pela Câmara Municipal para a instalação de empresas ou a realização de investimentos no turismo e na reabilitação urbana.

Aniversario da Associação (5).jpg

Aniversario da Associação (11).jpg

Câmara de Kitchener - mayor Berry Vrbanovic (5).jpg

Consulado Português em Toronto (3).jpg

Incubadora de Empresas Communitech (2) - Cópia.jpg

Ministro das Finanças de Toronto - Charles Sousa e a deputada Cristina Martins Parlamento (8).jpg

Visita à Câmara de Toronto (6).jpg

PAULA RUIVO APRESENTA LIVRO SOBRE O BULLYNG EM PONTE DE LIMA

Casa cheia na apresentação do último livro de Paula Ruivo

O Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL) encheu para a apresentação da mais recente produção literária da escritora Paula Ruivo – “Não quero ser o que sinto…” - obra que reflete sobre a temática do bullying em contexto escolar nas suas mais variadas manifestações. O lançamento do livro, que decorreu no sábado passado, dia 15 de outubro, abriu com um momento musical, da responsabilidade de alunos da Academia de Música Fernandes Fão de Ponte de Lima.

Biblioteca_ (Small)pli.JPG

Seguiu-se a leitura alternada de excertos da obra por professores e estudantes da Escola Secundária de Ponte de Lima, que permitiu aos presentes o entrosamento com as personagens da história.

Em intercalação com os cinco textos lidos, procedeu-se a uma análise informal do livro. Ana Carneiro, diretora da BMPL, destacou a relevância e a atualidade temáticas de “Não quero ser o que sinto…”, sublinhou a escrita fluída, acessível e estimulante da autora, realçou a completitude da narrativa que dá a conhecer o bullying sob a perspetiva das vítimas, dos agressores e das testemunhas e aplaudiu a dedicação e a coragem da escritora que saiu da sua zona de conforto – a literatura infantil – para tratar de um assunto de grande complexidade.

Um dos momentos mais emotivos do evento, que contou com a presença do Dr. Paulo Sousa, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Ponte de Lima, resultou da adaptação musical de um poema composto por Paula Ruivo, com o título homónimo da obra, que enterneceu os presentes.

A pertinência do tema e a noção de que a escola deve fomentar o respeito pela heterogeneidade e pela individualidade dos alunos, apostando em ações de prevenção e de intervenção em sala de aula, ou em qualquer outro espaço educativo ou recreativo, levaram a escritora Paula Ruivo às Bibliotecas Escolares de Ponte de Lima, nos dias 17, 18, 19 e 20 de outubro, para apresentação e debate em torno da sua mais recente criação literária.

PAN DEFENDE CORTES NAS SUBVENÇÕES DOS PARTIDOS POR MAIS DOIS ANOS E A REVOGAÇÃO DE OUTROS BENEFÍCIOS

  • Modelo de financiamento público que afaste da vida partidária de situações de corrupção, conflitos de interesse e de jogos de influências
  • Pede a revogação de alguns dos benefícios dos partidos políticos e reduz os valores dos financiamentos das campanhas eleitorais
  • A exigência de maior rigor nos gastos públicos deve também incluir os partidos políticos, não de forma definitiva mas sim por um determinado período

Na próxima semana vão-se debater na Assembleia da República iniciativas legislativas sobre a devolução, aos partidos, dos cortes de 10% nas subvenções que o Estado português lhes atribui, que termina em dezembro de 2016 se não existir decisão contrária.

O PAN defende a manutenção do atual modelo de financiamento, entendendo os seus custos como necessários para a sustentação de uma democracia ética e plural. No entanto, esta inevitabilidade deve compatibilizar-se com o atual contexto económico do País e com os esforços que continuam a ser pedidos aos cidadãos e, portanto, a exigência de maior rigor nos gastos públicos deve também incluir os partidos políticos, não de forma definitiva mas sim pelo período em que tal se verificar indispensável.

Se, por um lado, é preciso diminuir a dependência dos partidos do financiamento de entidades privadas, garantindo a sua independência política e estabelecer tetos máximos às despesas com as campanhas eleitorais, por outro, é preciso assegurar o pluralismo democrático, garantindo a todas as formações partidárias um patamar económico-financeiro mínimo indispensável à efetivação do princípio da igualdade de oportunidades.

Para o PAN estes equilíbrios devem resultar fundamentalmente de um modelo de financiamento público que afaste da vida partidária ações potenciadoras de situações de corrupção, conflitos de interesse e de influências indevidas sobre as decisões políticas. Sendo o PAN um partido emergente, porém de reduzida dimensão e com uma existência ainda curta, dificilmente teria conseguido chegar aos cidadãos e, em consequência, incluir uma nova cor política no panorama parlamentar passados quase 20 anos, caso não recebesse a correspondente subvenção pública.

Isto não significa que concorde com gastos excessivos na vida corrente dos partidos ou em campanhas eleitorais. Igualdade não é o mesmo que justiça e neste campo uma redução definitiva de qualquer subvenção partidária, nos termos atuais, iria apenas beneficiar os ditos partidos “grandes”, que continuariam a ter disponíveis verbas bastante significativas.

A segunda iniciativa que o PAN trará a debate, na próxima semana, pede ainda a revogação de alguns dos benefícios dos partidos políticos e reduz os valores dos financiamentos das campanhas eleitorais. É preciso notar que para além dos valores que são diretamente atribuídos aos partidos, existem outros benefícios previstos na lei que o partido sugere alterar, tais como isenção do pagamento de uma série de impostos que recaem sobre a propriedade. Estes benefícios implicam menos receita para o Estado ou para os municípios, conforme o tipo de imposto em causa e, portanto, representam também custos para os contribuintes.

“Há que questionar que tipo de sociedade desejamos promover. De posse ou de acesso? De acumulação ou de partilha? O acesso e a partilha de bens materiais são promotores de uma evolução social individual e coletiva. A função dos partidos políticos deve ser a representação das formas mais virtuosas de gerir o bem público, mas a defesa de valores éticos e civilizacionais de um novo paradigma de ser política pede uma mudança de mentalidade muito grande”, recorda o Deputado André Silva.

VIMARANENSES DEBATEM ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

PISO SINTÉTICO NA EB1 DO MOTELO

Orçamento Participativo de Guimarães requalifica ringue para alunos e freguesia de Fermentões

Espaço para a prática desportiva na EB1 do Motelo será partilhado pela comunidade de Fermentões. Modelo de governança adequa políticas municipais às necessidades e aspirações dos cidadãos.

Guimaraes_OP_Fermentoes.jpg

Uma proposta do cidadão Mário Luiz Ferreira dos Santos, apresentada no âmbito do Orçamento Participativo de Guimarães, instrumento que a Câmara Municipal disponibiliza para o reforço do envolvimento dos cidadãos nas dinâmicas de governação do concelho, permitiu requalificar o ringue da escola EB1 do Motelo, destinado a alunos e comunidade da freguesia de Fermentões, abrangendo uma população de cerca de 9 mil habitantes e 2.245 alojamentos.

A intervenção, no valor de 42 mil euros, dotou o ringue com piso sintético, além de ter sido efetuado um arranjo da área envolvente num espaço de utilização pública e não apenas para uso escolar. «Há obras estruturantes que são necessárias, porque nos obrigam a alargar horizontes, mas há pequenas intervenções que aumentam extraordinariamente a qualidade de vida das nossas pessoas», considera Domingos Bragança, Presidente do Município de Guimarães.

«Temos a forte convicção que o Orçamento Participativo incentiva novos modelos de aprofundamento da democracia e envolvimento dos cidadãos, que também passa por sermos amigos da natureza. A escola forma tecnicamente, mas também contribui humanamente! Este recinto oferece mais condições e os contextos de aprendizagem qualificados permitem construir um futuro melhor, com cidadãos mais capazes e com uma forte consciência coletiva e de bem comum», acrescentou o responsável pela Câmara Municipal.

A residir em Fermentões há 23 anos, o autor da proposta classificou o resultado final de «lindíssimo» e que a obra «está fantástica». Mário Luiz Ferreira dos Santos realçou a importância da «visibilidade anónima» em prol das pessoas. «Este é o exemplo de uma Câmara que permite que as suas populações cresçam e se desenvolvam! O cidadão pode fazer muito mais pela sua comunidade e, por isso mesmo, deve-se envolver mais nas causas públicas», considerou, lembrando que o Agrupamento, com quatro estabelecimentos de ensino, abrange aproximadamente 1000 alunos.

O Diretor José Pinheiro enalteceu a «dignidade» do recinto, demonstrando a ligação que a escola tem com as instituições da freguesia, enquanto José Fernandes, da Casa de Povo de Fermentões, mencionou o «exercício de cidadania» do autor da ideia. «Só há uma comunidade próspera e inclusa, se houver pessoas como o Mário, com capacidade de inovar e de empreender», disse, por sua vez, Manuel Mendes, Presidente da Junta de Fermentões, acompanhado no discurso pelo Presidente da Associação de Pais. «Esta valência, que se encontrava em mau estado, foi requalificada e deve estar ao serviço da comunidade», salientou Salomão Marques.

MUNICÍPIO DE FAFE CRIA GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

Na próxima segunda-feira, 24 de Outubro, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, vem a Fafe para a assinatura de um Protocolo de Cooperação para a criação do Gabinete de Apoio ao Emigrante.

O Gabinete de Apoio ao Emigrante terá um trabalho contínuo na promoção de ações que apoiem os cidadãos que se encontram a residir e a trabalhar nos países de acolhimento e todos aqueles que que queiram regressar com carácter definitivo ao país de origem, promovendo ações que garantam a divulgação de informação relevante para o exercício dos seus direitos e deveres.

Este Gabinete servirá ainda para fomentar projetos de investimento e desenvolvimento locais e ações que apoiem o associativismo e que promovam e favoreçam o conhecimento da cultura portuguesa.

A assinatura do Protocolo tem início marcado para as 15h00, no Arquivo Municipal de Fafe.

FAMALICÃO MADE IN ABRE PORTAS AO SONHO AMERICANO

Conferência com o Presidente da Fundação Luso-Americana mostrou aos empresários famalicenses oportunidades de negócio nos EUA

Previsível, exigente, competitivo, maduro e rico. São os adjetivos que o Presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) emprega para descrever o mercado americano aos investidores famalicenses. Vasco Rato participou ontem, em Vila Nova de Famalicão, na conferência Famalicão Made INternational, focada no objetivo de apoiar a internacionalização da economia famalicense, tendo dado a conhecer o ecossistema empreendedor dos Estados Unidos da América (EUA) às empresas famalicenses.

Paulo Cunha com os 'Embaixadores Empresariais'.jpeg

Destino primeiro das exportações portuguesas fora da Europa, este é também um mercado recompensador nas palavras de Vasco Rato. “Quem se habilita a exportar para os EUA está preparado para qualquer outro mercado”, argumentou. Para além da necessidade de uma rede de contactos e de capital capaz de suportar as exigências da presença neste mercado, o Presidente da FLAD apontou a “sensibilidade cultural” como fator determinante para uma experiência de internacionalização bem-sucedida neste “país com múltiplas especificidades regionais”“Há produtos portugueses fantásticos que não resultaram lá por causa do nome”, sublinhou.

Um último conselho de Vasco Rato: “Se a ideia é concorrer no mercado americano através de preços baixos, esqueçam. Não é sustentável. A aposta das nossas empresas tem que passar pelo design e pela qualidade, inovação e diferenciação.”

Ponto alto desta conferência que decorreu na Casa do Território, Parque da Devesa, foi também a apresentação dos ‘Embaixadores Famalicenses nos EUA’. Empresários que conhecem bem o mercado norte-americano e que se disponibilizaram para aconselhar outras empresas famalicenses na entrada ou consolidação dos seus negócios nos Estados Unidos. São eles Rui Machado (Diretor Comercial da ROQ), Pedro Silva (CEO da SONICARLA EUROPA) e Marcelo Garcia (Diretor de Operações da OLBO & MEHLER.

O Presidente da Câmara Municipal, por seu lado, reafirmou ser fundamental uma forte componente exportadora para dar mais dimensão à economia de um território. Para Paulo Cunha é uma questão de “ambição que tem de fazer parte do ADN empresarial”. De resto, a estratégia da autarquia que preside neste capítulo é clara: “É verdade que nos preocupamos com as empresas que já exportam, mas não é menos verdade que nos preocupamos ainda mais com as empresas que não exportam. É óbvio que queremos que as grandes e as médias empresas exportem cada vez mais, mas sentimos que somos mais úteis, e porventura imprescindíveis, para os projetos empresariais que estão a dar os primeiros passos. É aqui que concentraremos muita da nossa energia.”

Após a conferência houve lugar para um ‘Informal Business Drink’, iniciativa realizada em parceria com ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários e as Câmaras de Comércio Luso-Britânica, Alemã, Belga-Luxemburguesa, Luso-Colombiana, Portugal-Peru e Portugal-Holanda.

'Famalicão Made INternational' é uma iniciativa da Câmara Municipal que conta com a cooperação da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e da ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional. Visa capacitar as empresas famalicenses, sobretudo as startups e as PME, para a exportação, tendo em vista o alargamento da base exportadora do concelho.

Paulo Cunha com Vasco Rato.jpg

Vasco Rato.jpg

BRAGA COMEMORA DIA MUNICIPAL DA MÚSICA

Comemorações Dia Municipal da Música – Música ao Centro. Amanhã, Sábado, dia 22 de Outubro, a partir das 14h30, Braga

O Município de Braga as do Dia Municipal da Música – Música ao Centro, promove as comemorações do Dia Municipal da Música que se realizam Amanhã, Sábado, dia 22 de Outubro, a partir das 14h30, no centro da Cidade.

musicentro.jpg

A iniciativa inclui animações diversas, actuações e espectáculos de rua, conforme o seguinte calendário:

  • 14h30 | Coreto da Avenida Central, com Ensemble de Trompetes do Conservatório Bomfim
  • 15h30 | Música nas Varandas

Circuito musical pelas janelas e varandas da rua de S. Marcos com cavaquinhos, violas braguesas e outras cordas do Minho surpreendem o público num espectáculo de sons tradicionais da nossa região.

Este espectáculo conta com a participação dos Grupos de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio, Henrique Lima Ribeiro e Grupo Cordofones Tradicionais da Sond'Art.

  • 17h00 | Baile de Danças do Mundo para Famílias, pelo Grupo de Danças da Equipa Espiral, na Avenida Central, junto ao posto de turismo.
  • 21h30 | Latino-América, pelo Emsemble Harawi, no auditório do Conservatório Bomfim, Mercado Cultural do Carandá

FAMALICÃO LANÇA ROTEIRO PELA ARQUITECTURA MODERNA DO CONCELHO

Paulo Cunha enalteceu o papel de Januário Godinho no concelho

Treze edifícios do concelho de Vila Nova de Famalicão projetados pelo arquiteto Januário Godinho (1910 – 1990) estão agora reunidos num roteiro que tem como objetivo divulgar e valorizar a arquitetura moderna em Famalicão. O roteiro arranca nos Paços do Concelho, um dos ex-libris da obra de Januário Godinho, passa por diversas casas particulares e segue depois para a freguesia de Louro onde se localiza a maior parte de edifícios públicos projetados pelo arquiteto, desde a Junta de Freguesia, Centro Paroquial, cemitério e zona comercial, entre outros.

image49163.jpeg

“A melhor forma de valorizar e preservar é dar a conhecer, é levar as pessoas até aos locais e criar elos de ligação”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, esta manhã, durante o colóquio “Famalicão, Marcas de Modernidade”, onde foi apresentado o roteiro. De resto, um dos pontos altos do programa foi mesmo a realização do roteiro, com uma visita guiada às treze obras de Januário Godinho.

Durante o evento foi ainda apresentado o Prémio de Arquitetura Januário Godinho, que arranca em 2017 e tem como objetivo galardoar a melhor reabilitação de edifício no concelho. De periodicidade bianual, o Prémio terá um valor pecuniário de 7 mil euros, cabendo dois mil euros ao promotor da obra e cinco mil à equipa projetista.

“O prémio serve essencialmente para homenagear Januário Godinho e a sua vasta obra, mas tem também a função de incentivar novas ideias, novas obras e novos arquitetos”, explicou Paulo Cunha, acrescentando que“estas iniciativas pretendem ainda criar condições para que a sociedade desperte para estes temas, tornando-a mais participativa e exigente”.

Refira-se que as iniciativas inserem-se no âmbito da colaboração entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e o Grupo de Estudos de Arquitetura do Centro de Estudos Arnaldo Araújo da Escola Superior Artística do Porto, contando com o apoio da Ordem dos Arquitetos – Secção Regional Norte.

Para a diretora do Centro de Estudos Arnaldo Araújo da Escola Superior Artística do Porto, Helena Maia, “esta colaboração com a autarquia famalicense tem sido uma experiência nova, que tem permitido trazer uma dimensão mais prática e pragmática da realidade quotidiana, o que tem sido muito proveitoso para ambos os lados”.

Refira-se que foi ainda inaugurada a exposição “Januário Godinho Arquiteto (1910 – 1990). Através da materialidade.”, que estará patente até 25 de novembro, nos Paços do Concelho.

Januário Godinho foi um arquiteto português nascido em 1910, em Ovar, e falecido em 1990 Januário Godinho estudou na ESBAP - Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1925 e 1930, tendo obtido o diploma com o estudo para o Hotel do Parque-Vidago em 1941, onde começa a esboçar algumas das preocupações que o perseguem ao longo da sua carreira, como a leitura e interpretação do lugar, o ritual dos acessos, a relação entre

As suas principais obras são: o Mercado do Peixe de Massarelos, Porto (1932); as pousadas realizadas para a Hidroelétrica do Cávado (1949-1959), para Vila Nova, Salamonde, Sidroz e Pisões; Casa Afonso Barbosa, Famalicão (1941); a Sede da Hidroelétrica, Porto (1953); os palácios da Justiça de Tomar (1951), de Vila do Conde (1953), de Ovar (1960) e de Lisboa (1960), em coautoria com João Andersen; o Edifício Calouste Gulbenkian no LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa (1961), igualmente em coautoria com João Andersen, e os Planos de Urbanização de Coimbra (1968) e de Amarante (1965).

Refira-se que a relação de Januário Godinho com Vila Nova de Famalicão surge nos anos 40 e prolonga-se até ao final da década de 80. As suas obras pontuam o território, mas é no Louro que se encontra um número mais significativo.

Da obra deixada no concelho por Januário Godinho destaca-se o edifício dos Paços do Concelho e o antigo Tribunal; na freguesia de Antas o edifício para o Banco Português do Atlântico (1953); na freguesia de Brufe a casa Afonso Barbosa (1940-42); na freguesia do Louro várias construções na Quinta de Seara, propriedade do banqueiro Artur Cupertino de Miranda, o mercado, a igreja, a Casa do Povo, o centro paroquial e o cemitério. Na freguesia de Requião, cujo promotor foi o industrial Manuel Gonçalves, destaca-se o projeto da Casa Manuel Gonçalves, a Quinta de Compostela e a Têxteis Manuel Gonçalves.

image49166.jpeg

FAMALICÃO ASSINALA DIA MUNICIPAL DA IGUALDADE

Na próxima segunda-feira, dia 24 de outubro, pelas 21h00, na Casa das Artes

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai assinalar na próxima segunda-feira, 24 de outubro, o Dia Municipal para a Igualdade, com uma tertúlia, que vai decorrer na Casa das Artes a partir das 21h00 e vai contar com a presença da vereadora da Família, Sofia Fernandes, entre vários convidados, como Bruno Silva (Presidente da Fundação Castro Alves), Paula Tees (Mpt empresa de Planeamento e Gestão de Mobilidade do Porto), Saulo Aristides (Programa de Relações de Trabalho, Desigualdades Sociais e Sindicalismo do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra), Maria Manuela Martins (Conselheira Local para a Igualdade), Hélder da Silva (Associação Juvenil de Bairro) e a moderadora Odete Costa (Presidente do Movimento Lírio Azul).

Vereadora da Família, Sofia Fernandes.jpg

Refira-se que em meados de 2014, o município de Famalicão celebrou um protocolo de cooperação com a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), que previa a criação de um conjunto de ações promotoras da igualdade entre homens e mulheres. Ainda ao abrigo deste protocolo a autarquia nomeou Maria Manuela Martins, professora universitária, como Conselheira Local para a Igualdade.

Neste âmbito, o município preparou já um Plano Municipal para a Igualdade que deverá ser apresentado publicamente em breve. Além disso, foi também criado um Guia de Linguagem Inclusiva que será colocado em prática em todas as comunicações municipais.

O objetivo é fomentar a implementação de práticas não discriminatórias da linguagem, promovendo a inclusão e a igualdade de género.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “a igualdade de género não se consegue por decreto, é um processo que se conquista com muito trabalho e é isso que temos vindo a fazer nos últimos anos”.