Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MINHO É FOLCLORE – MINHO É BESCLORE!

Lisboa vestiu-se hoje com as alegres cores do Minho. O BESCLORE – Grupo de Danças e Cantares do Grupo Novo Banco levou a efeito o XVII Festival Nacional de Folclore, um espetáculo que contou com um conjunto de grupos participantes de reconhecida qualidade como desde há muito tempo que não se assistia por aquelas paragens.

BESCLORE 141.JPG

O Festival contou com a participação do Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia – Esposende, Rancho Folclórico de Vilela, o Grupo Folclórico de S. Miguel da Carreira, o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Santana do Mato, o Grupo de Percussão “Bombrando” e, naturalmente, o grupo anfitrião. Mas, sem desprimor para os demais, os sargaceiros da Apúlia fizeram o gáudio do numeroso público que acorreu ao Largo do Martim Moniz para assistir ao espetáculo, depois de acompanhar o desfile etnográfico desde o Rossio.

A abrir o cortejo, o Grupo de Percussão “Bombrando” rufou os seus bombos, convocando o povo para a festa. Seguiram-nos os vários grupos participantes, exibindo os seus trajes e as suas alfaias caraterísticas.

Qual ex-líbris de Portugal, o Grupo Folclórico de S. Miguel da Carreira levou consigo o galo de Barcelos, distintivo do seu concelho. E foi com notório agrado que o público o viu desfilar e atuar em palco.

Mas, ao ver desfilar e atuar o Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia, os lisboetas renderam-se por completo, naturalmente devido à sua peculiaridade na forma de trajar e de dançar. Trajando a branqueta e a cabeça coberta com o sueste, levaram consigo o galhapão, a gaiteira e a carrela que são os utensílios da sua faina. E, tendo o castelo de S. Jorge como um dos magníficos cenários, os sargaceiros cantaram e dançaram para o numeroso público que os aguardava.

Os lisboetas e numerosos turistas rodearam de curiosidade e carinho todos os grupos folclóricos participantes neste festival, fazendo-se inclusive fotografar junto dos seus componentes. E, como não podia deixar de suceder, também foram muitos os minhotos que vivem e trabalham na região de Lisboa que não quiseram perder a oportunidade para assistir e aplaudir à sua atuação.

BESCLORE 019.JPG

BESCLORE 023.JPG

BESCLORE 028.JPG

BESCLORE 066.JPG

BESCLORE 067.JPG

BESCLORE 069.JPG

BESCLORE 070.JPG

BESCLORE 092.JPG

BESCLORE 094.JPG

BESCLORE 096.JPG

BESCLORE 099.JPG

BESCLORE 102.JPG

BESCLORE 105.JPG

BESCLORE 112.JPG

 

BESCLORE 166.JPG

BESCLORE 170.JPG

BESCLORE 173.JPG

BESCLORE 256.JPG

BESCLORE 258.JPG

BESCLORE 292.JPG

BESCLORE 295.JPG

BESCLORE 297.JPG

BESCLORE 309.JPG

BESCLORE 317.JPG

BESCLORE 319.JPG

 BESCLORE 001-2.jpg

BESCLORE 003-2.jpg

BESCLORE 008.JPG

BESCLORE 076.JPG

BESCLORE 270.JPG

BESCLORE 012.JPG

BESCLORE 018.JPG

BESCLORE 054.JPG

BESCLORE 060.JPG

BESCLORE 332.JPG

BESCLORE 334.JPG

BESCLORE 178.JPG

BESCLORE 175.JPG

GALO DE BARCELOS CANTA EM LISBOA

Qual ex-líbris de Portugal, o galo de Barcelos desceu hoje à capital. O Grupo Folclórico de S. Miguel da Carreira levou hoje a Lisboa o folclore da nossa região.

BESCLORE 001-2.jpg

Tratou-se do XVII Festival Nacional de Folclore organizado pelo BESCLORE – Grupo de Danças e Cantares do Grupo Novo Banco. A iniciativa contou ainda com a participação do Grupo dos Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia – Esposende, Rancho Folclórico de Vilela, o Grupo Folclórico de S. Miguel da Carreira, o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Santana do Mato, o Grupo de Percussão “Bombrando” e, naturalmente, o grupo anfitrião.

Os lisboetas e numerosos turistas rodearam de curiosidade e carinho o rancho de Barcelos, fazendo-se inclusive fotografar junto dos seus componentes. E, como não podia deixar de suceder, também foram muitos os minhotos que ali vivem e trabalham que não quiseram perder a oportunidade para assistir e aplaudir a sua atuação.

O festival iniciou-se com um desfile a partir da Praça D. Pedro IV, vulgo Rossio, em direção ao Largo do Martim Moniz onde teve lugar o espetáculo propriamente dito.

BESCLORE 003.JPG

BESCLORE 008.JPG

BESCLORE 074.JPG

BESCLORE 075.JPG

BESCLORE 076.JPG

BESCLORE 077.JPG

BESCLORE 078.JPG

BESCLORE 079.JPG

BESCLORE 081.JPG

BESCLORE 083.JPG

BESCLORE 263.JPG

BESCLORE 270.JPG

BESCLORE 274.JPG

SARGACEIROS DA APÚLIA DESLUMBRAM LISBOETAS

Lisboa rendeu-se aos sargaceiros da Apúlia. O Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia desceu à capital para mostrar como se canta e dança na sua terra, os seus usos e costumes muito peculiares.

BESCLORE 010.JPG

Desde a Praça D. Pedro IV, vulgo Rossio, onde se concentraram para desfilar, ao longo do percurso e no largo do Martim Moniz, os sargaceiros foram sempre rodeados de numerosas pessoas – lisboetas, imigrantes e turistas – que lhes fizeram inúmeras fotografias e sobretudo os aplaudiram e acarinharam.

Trajando a branqueta e a cabeça coberta com o sueste, levaram consigo o galhapão, a gaiteira e a carrela que são os utensílios da sua faina. E, tendo o castelo de S. Jorge como um dos magníficos cenários, os sargaceiros cantaram e dançaram para o numeroso público que os aguardava. E a sua atuação constituiu a apoteose do magnífico festival de folclore organizado pelo BESCLORE – Grupo de Danças e Cantares do Grupo Novo Banco, uma iniciativa que contou também com a participação do Rancho Folclórico de Vilela, o Grupo Folclórico de S. Miguel da Carreira, o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Santana do Mato e o Grupo de Percussão “Bombrando”.

Fundado em 1934, o Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia é um digno representante do folclore do Minho.

BESCLORE 012.JPG

BESCLORE 018.JPG

BESCLORE 039.JPG

BESCLORE 054.JPG

BESCLORE 055-2.jpg

BESCLORE 059.JPG

BESCLORE 060.JPG

BESCLORE 063.JPG

BESCLORE 129.JPG

BESCLORE 175.JPG

BESCLORE 176.JPG

BESCLORE 178.JPG

BESCLORE 332.JPG

BESCLORE 334.JPG

BESCLORE 335.JPG

BESCLORE 342.JPG

BESCLORE 362.JPG

BESCLORE 371.JPG

BESCLORE 372.JPG

BESCLORE 376.JPG

BESCLORE 385.JPG

BESCLORE 408.JPG

BESCLORE 411 (1).JPG

MUNICÍPIO DE BRAGA APRESENTA NOVA PROPOSTA PARA ASSUMIR GESTÃO DA POUSADA DA JUVENTUDE

Movijovem sugeriu alterações ao protocolo aprovado em Dezembro do ano transacto

O Executivo Municipal analisa na próxima Segunda-feira, 19 de Setembro, em sede de reunião de Câmara, uma nova proposta a celebrar com o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) e a Movijovem que prevê a atribuição da gestão da Pousada da Juventude ao Município de Braga pelo prazo de 30 anos, comprometendo-se a Autarquia com a realização das obras de reabilitação do imóvel – a intervenção contará com um investimento na ordem dos 900 mil euros e o concurso público será brevemente lançado. 

CMB04122015SERGIOFREITAS0000002215.jpg

A exploração do equipamento, situada na Rua Santa Margarida e integrado na Rede Nacional de Pousadas da Juventude, será da responsabilidade da InvestBraga, empresa municipal vocacionada para a dinamização económica.

Face à proposta de protocolo anteriormente aprovada, no 10 de Dezembro de 2015, a Movíjovem propôs a diminuição do prazo de exploração (de 40 para 30 anos) e, como consequência do atraso na respectiva análise, determinou-se uma data diferente para a transmissão dos vínculos laborais dos trabalhadores afectos à Pousada da Juventude de Braga, (que se transmitem até ao dia 31 de Março de 2017, em vez de 30 de Junho de 2016),

Considerando a importância estratégica da existência de um equipamento como uma Pousada de Juventude no Concelho de Braga e a degradação verificada nas actuais instalações, que obrigam à necessidade de recuperação da mesma e a uma adequação aos padrões de conforto actualmente exigidos, a recuperação das instalações permitirá disponibilizar aos jovens e associações juvenis um equipamento de elevada qualidade e conforto.

As futuras instalações da Pousada de Juventude albergarão também as instalações de um Centro de Juventude ao serviço de toda a população e serão dotadas de auditório polivalente, salas de reuniões e espaços de formação.

Desta forma, e no âmbito da aposta do Município no desenvolvimento turística, pretende-se rentabilizar um equipamento que actualmente não reúne as condições necessárias ao desempenho das funções para as quais se encontra vocacionado. A requalificação e dinamização do espaço permitirão que Braga tenha um grande alcance em termos de atractividade e acolhimento de jovens, fazendo assim face ao volume de actividades que se realizam no território.