Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

SECRETÁRIA DE ESTADO DA CULTURA VISITA THEATRO CIRCO EM BRAGA

Secretária de Estado da Cultura visitou a centenária casa de espectáculos. Sustentabilidade do Theatro Circo pode ficar garantida a curto prazo

A Secretária de Estado da Cultura, Isabel Botelho Leal, visitou hoje, dia 27 de Janeiro, o Theatro Circo de Braga, no seguimento de um ciclo de contactos com autarcas e responsáveis de cinco teatros municipais em Braga, Ílhavo, Albergaria-a-Velha, Porto e Guimarães.

CMB27012016SERGIOFREITAS000000368

Isabel Botelho Leal foi recebida pelo Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e, de seguida, assistiu à peça "Desaparecidos", pela Companhia de Teatro de Braga (CTB), numa adaptação livre da obra de Franz Kafka, encenada por Samuel Hof.

Na ocasião, Ricardo Rio destacou que a celebração do centenário é o momento ideal para demonstrar o ´imenso potencial e o impacto que a casa de espectáculos teve ao longo de 100 anos e que, hoje em dia, continua a ter na região enquanto equipamento de grande dinâmica cultural´.

CMB27012016SERGIOFREITAS000000372

O Edil falou ainda sobre a sustentabilidade futura do Theatro Circo e a proposta de alteração legislativa, que garante a preservação da empresa enquanto entidade autónoma, apresentada ao Ministro da Cultura, João Soares, e aos Grupos Parlamentares com assento na Assembleia da República.

“Face à recusa de visto do Tribunal de Contas, a solução mais imediata e efectiva passa por um regime de excepção dos equipamentos culturais, que salvaguardaria a situação de vários equipamentos no país que actuam nesta área e que têm a sua actividade ameaçada”, afirmou, garantindo que a receptividade de todos face à proposta foi muito positiva: “Admito que a curto prazo esta seja uma situação ultrapassada e que, ainda este ano, possa ser possível reformular as condições de financiamento ao Theatro”.

Por outro lado, o Autarca sublinhou que, após confirmada a sustentabilidade do Theatro, é essencial garantir outras condições de financiamento para o mesmo.

“É importante que a Secretária de Estado conheça a actividade aqui desenvolvida e a programação que o Theatro corporiza, assim como o trabalho da CTB, para, através de financiamentos públicos e comunitários, encontrar novas formas de potenciar cada vez mais o Theatro”, referiu, adiantando também que o Município não se demite das suas responsabilidades nesta matéria.

“Através do financiamento via contrato-programa e dos serviços que adquirimos ao Theatro, temos vindo a investir mais de 1 milhão de euros por ano neste equipamento. Queremos que o investimento seja partilhado por todos os agentes e, nesse contexto, o Estado tem também de assumir a sua parte da responsabilidade”.

Já Isabel Botelho Leal salientou que o objectivo do contacto passou por conhecer melhor a estrutura de produção artística e contactar com a comunidade artística local. “Vinha preparada para encontrar um local especial, mas o que vi ultrapassou as minhas expectativas. Esta é uma forma de conhecer os teatros e de, através do contacto directo com os responsáveis, ter consciência dos problemas com que estes equipamentos se debatem”, afirmou.

CMB27012016SERGIOFREITAS000000373

BRAGA REÚNE TÉCNICOS DE COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DIREÇÃO DE OBRAS

Município de Braga promove reunião com técnicos responsáveis pela coordenação de projetos e direção de obras

O Município de Braga promove esta Sexta-feira, dia 29 de Janeiro, pelas 16h00, no Auditório da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, uma reunião pública que tem como destinatários os técnicos responsáveis pela elaboração, subscrição e coordenação de projetos e direção de obra.

BLCS

Durante a reunião serão discutidos as propostas de modelo de articulação entre técnicos externos e os serviços da Direcção Municipal de Urbanismo, Ordenamento e Planeamento (DMUOP); a identificação das principais causas dos pedidos de aperfeiçoamento e rejeição liminar e respetivas formas de suprimento e a auscultação das dificuldades sentidas pelos técnicos no relacionamento com a DMUOP e propostas de melhoria.

A prestação de um serviço eficiente aos munícipes depende da convergência de esforços entre todos os agentes, pelo que o Município apela à participação dos técnicos no evento.

BRAGA RECEBE SECRETÁRIA DE ESTADO DA INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Recepção à Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência tem lugar amanhã, pelas 17h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, Braga

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Dr. Ricardo Rio, recebe amanhã a Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes. O encontro está marcado para amanhã, Quinta-feira, dia 28 de Janeiro, pelas 17h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Braga.

Após esta recepção, o presidente da Câmara Municipal de Braga e a Secretária de Estado, irão efectuar uma visita à Associação de Apoio dos Deficientes Visuais do Distrito de Braga, na Póvoa de Lanhoso.

PARTIDO PAN AGUARDA RESPOSATA DO GOVERNO ACERCA DO REGULAMENTO DO ESPETÁCULO TAUROMÁQUICO E UTILIZAÇÃO DE AMIANTO EM EDIFÍCIOS PÚBLICOS

O PAN – Pessoas – Animais – Natureza aguarda respostas do governo a duas questões colocadas pelo Deputado André Silva, no exercício do seu direito de questionar entidades públicas para que, desta cooperação, melhor decorra o exercício das suas funções.

Em primeiro lugar e, considerando que não existem dados que permitam aferir se o regulamento do Espetáculo Tauromáquico (Decreto-Lei n.º 89/2014) está, ou não, a ser cumprido, o PAN questionou a Inspeção Geral das Atividades Culturais (IGAC) sobre o número de contraordenações registadas, arquivadas e com decisão de aplicação de coima desde a entrada em vigor deste regulamento.

Com esta questão o PAN considera oportuno apurar do cumprimento do presente Regulamento pelos promotores dos espetáculos tauromáquicos e demais entidades, desde a sua entrada em vigor, nomeadamente por via da contabilização do número de contraordenações registadas até à data, para efeitos de averiguar da consciencialização das referidas entidades para o cumprimento da legislação aplicável. 

A segunda questão foi colocada pelo PAN ao Ministério do Ambiente e prende-se com o levantamento de edifícios, instalações e equipamentos públicos com Amianto e com a aplicação do previsto na Lei n.º 2/2011, de 9 de Fevereiro.

O PAN pretende apurar se existe algum interlocutor que reúna toda a informação disponível sobre os edifícios e equipamentos com amianto e que coordene de alguma forma o trabalho que tem sido desenvolvido e qual o calendário para diligências futuras, com vista ao levantamento definitivo do amianto de todas as unidades que o contenham.

APPACDM DE VILA VERDE REALIZA EXPOSIÇÃO “PROJETO IN-VILAVERDE

Ação inclusiva da APPACDM Vila Verde em Fotografia

A inclusão na sociedade dos utentes de Vila Verde do CAO da APPACDM Braga, está ilustrada em 12 fotografias, registadas ao longo do último ano, patentes em exposição no Município de Vila Verde, até meados de fevereiro. “O Projeto In-Vila Verde pretende revelar isso mesmo: a Inclusão destes jovens no meio social normal, mostrando que são tão ou mais capazes de desempenhar as mesmas atividades que qualquer um de nós”, sublinhou Helena Roxo, diretora técnica e assistente social do núcleo vilaverdense.

Ao longo de 12 meses foram registadas 12 das muitas atividades desenvolvidas pelo CAO da APPACDM de Vila Verde, com os seus jovens utentes portadores de deficiência mental: a presença em eventos do Grupo Folclórico da APPACDM de Vila Verde, a participação nas marchas populares nas festas concelhias em honra de Santo António, a realização de dinâmicas em visitas a instituições culturais como a construção de um brinquedo na Casa do Brinquedo e da Brincadeira, o bordado de Lenços de Namorados na cooperativa Aliança Artesanal, e a visita ao Museu do Linho, com a posterior experimentação de cada uma das tarefas inerentes à transformação da erva em fio, são algumas das ações ilustradas; e ainda tarefas artísticas como a modelagem do barro, a pintura de cerâmica, a criação de cestos em vime, a escultura com rolhas de cortiça e o fabrico de chocolates artesanais, em workshops com mestres e artesãos locais. O registo foi feito por um amigo da instituição, o fotógrafo amador Luís Ribeiro.

Helena Roxo explica que o objetivo desta exposição é revelar à comunidade a capacidade de inclusão dos utentes, através da concretização de múltiplas tarefas e ilustrar a dinâmica do CAO de Vila Verde, uma instituição muito acarinhada pela comunidade local. “Vila Verde é muito rico em artesanato e cultura tradicional e nós sentimos que fazia todo o sentido integrar estes jovens na comunidade através da partilha desta riqueza cultural”.

Dinâmica particular do CAO de Vila Verde

Diretora do Centro de Atividades Ocupacionais da APPACDM do concelho desde dezembro de 2013, Helena Roxo sublinha: “Vila Verde é um caso fascinante de solidariedade, porque quando os apelos de ajuda surgem, concretizam-se e atraem outras pessoas que querem e efetivamente concretizam essa ajuda”. Foi assim com aquisição da carrinha de transporte de utentes com locomoção limitada, que era a anterior necessidade premente da instituição. “Lembro-me que em outubro (2015) precisávamos de 10 mil euros e de eu ter dito aos pais que até ao final desse ano conseguiríamos essa verba. Alguns não se mostraram muito crentes, mas o que é certo é que conseguimos!”, referiu orgulhosa. A carrinha está agora a ser preparada para em meados desde ano ser entregue à instituição. “Será um dos pontos altos de 2016 para nós”, acrescentou a diretora do CAO. Helena Roxo explica que para “recolher apoios é essencial os jovens mostrarem as suas capacidades em público”. Deu dois exemplos: “A participação nas marchas populares são uma forma importante de divulgação. Ajuda a comunidade a olhar para eles com outros olhos. E desde 2014, na Festa das Colheitas, com uma tasquinha que se revelou fantástica para mostrar quem somos e o que fazemos”. A presença em festivais do Grupo de Folclore da APPACDM de Vila Verde foi outra forma notável de revelar as suas capacidades: “são sempre muito acarinhados em todos os eventos em que participam”.

Helena Roxo diz que a exposição “é só uma amostra do que este grupo concretizou em 2015. Há muitas mais fotografias”. Outra atividade do ano foi “uma ida ao Santoínho, com os jovens, a família destes e funcionários do CAO de Vila Verde. Foi fantástico pois ajudou a cimentar o espírito de entreajuda na associação”.

Novidades e necessidades para 2016

A técnica salienta que já tem um plano de atividades para este ano e levanta o véu sobre algumas novidades: “Queremos estabelecer parceria com jardins de infância e pré-escolas para a concretização de teatros de fantoches, com bonecos feitos na instituição e dramatizados pelos nossos jovens. Também gostaria de organizar uma Noite Portuguesa, com Fados e Música Portuguesa, lá para o verão…”

A par disto, Helena Roxo refere que “o grupo Folclórico conta com convites para realizar atuações em março, na Escola Básica Mosteiro e Cávado, em Panóias, e em maio, no II Encontro de Rusgas e Ranchos dos Amigos da APPACDM.”

A diretora espera ainda concretizar novas edições das atividades que estão a tornar-se carismáticas em Vila Verde: “A nossa Caminhada – em 2016 será a III – que anualmente atrai centenas de participantes; uma tasquinha novamente na Festa das Colheitas, com a participação de vários dos nossos amigos voluntários, e a presença dos nossos jovens nas marchas!”

Toda esta dinâmica tem agregado esforços e fundos para suprir as necessidades que vão surgindo na instituição. “De momento, o nosso objetivo essencial é melhorar as instalações atuais – renovar as casas de banho, ampliar espaços de convívio, reforçar o isolamento da estrutura do frio e do calor, instalar aquecimento, …”, explicou a diretora, não deixando escapar o ‘desabafo’ do sonho da instituição: “O nosso ideal seria ampliar a estrutura e criar um lar residencial para estes jovens. Mas temos que pensar de acordo com as nossas possibilidades e melhorar o que temos”. Depois da viatura adaptada para o transporte destes utentes, a intervenção nas instalações atuais é a necessidade prioritária.

Amigos voluntários e carinho dos vilaverdenses

O CAO de Vila Verde da APPACDM é uma das instituições mais acarinhadas pela comunidade local, habituada a encontrar estes jovens em passeios diários pelo centro da sede do concelho e nas múltiplas iniciativas de cariz cultural. Helena Roxo não quer deixar de manifestar a gratidão do CAO de Vila Verde da APPACDM Braga pelos apoios institucionais e particulares recebidos: “Sentimos que criamos uma rede de amigos voluntários através das presenças constantes do fotógrafo Luís Ribeiro, que tem sido espetacular, da artesã Vera Cancela e das suas filhas, da Carla Amorim e da sua família, de duas voluntárias da parte da Igreja, D. Ana Maria e D. Glória, para além da autarquia, dos escuteiros, e do comércio local, que têm sido impecáveis”.

Sobre a APPACDM Braga – CAO Vila Verde

A Associação Portuguesa de Pais e Amigos de Cidadãos Deficientes Mentais do distrito Braga é composta por sete complexos, localizados em Braga, Vila Nova de Famalicão, Esposende e Vila Verde. A construção do Centro de Atividades Ocupacionais de Vila Verde começou a 13 de julho de 1986, tendo por fundador Félix Ribeiro. A missão é acolher crianças, jovens e adultos com deficiências mentais “protegendo estes seres frágeis que diariamente nos ensinam a gostar do mais importante da vida, que são as coisas simples e belas”, como referiu o seu fundador. Atualmente a instituição acolhe 38 jovens.

FALECEU ANTÓNIO CASTRO, PRESIDENTE DA JUNTA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SEQUEADE E BASTUÇO, EM BARCELOS

António Castro, presidente da União de Freguesias de Sequeade e Bastuço (São João e Santo Estêvão), Barcelos, morreu esta manhã.

ng5776665

Foi com enorme consternação que a Câmara Municipal de Barcelos recebeu a notícia do falecimento do autarca socialista, de 50 anos. Um Homem que dedicou parte da sua vida à causa pública, tendo exercido vários cargos na atividade da freguesia como a  Associação de Pais da EB1 Bastuço S. João, Presidente do Centro Comunitário Moinhos de Vento (Sequeade), Presidente da Freguesia de Bastuço S. João (2009/2013) e atualmente Presidente da Junta da União de Freguesias de Sequeade e Bastuço (São João e Santo Estêvão), era um Homem empenhado na resolução dos problemas da freguesia e do concelho, dando atenção especial aos problemas dos seus concidadãos.

António Oliveira Castro, natural de Carreia e residente em Bastuço São João, era funcionário das Infraestruturas de Portugal, antiga REFER, e trabalhava, durante o período noturno, no Centro de Comando de Operações (CCO), no Porto.

A Câmara Municipal de Barcelos já endereçou à familia e à Junta de Freguesia condolências pela morte prematura do autarca António Castro. 

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO BRACARENSE VISITA A EMPRESA TRANSPORTES URBANOS DE BRAGA E.M.

Presidência Aberta – Transportes Urbanos de Braga E.M. realiza-se amanhã, pelas 10h30.

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, visita a empresa municipal TUB - Transportes Urbanos de Braga, amanhã, Quinta-feira, dia 28 de Janeiro, a partir das 10h30, nas instalações dos Transportes Urbanos de Braga (Rua Qta. De Santa Maria – 4700-244 Braga).

A «Presidência Aberta» consiste na realização, por parte do Executivo Municipal, de visitas às empresas municipais. As visitas em apreço têm como objectivo acompanhar, de perto, o desenvolvimento dos projectos e processos de gestão das empresas e estruturar, numa lógica de proximidade, planos de actividades futuras.

Programa da visita:

10h30 - Recepção na TUB

10h45 – Entrega de certificados de formação

11h15 - Análise do ano 2015 (Actividades e Resultados)

11h45 – Visita aos vários departamentos e instalações

12h15 – Visita a agente Payshop

13h00 – Encerramento.

NAVIO HOSPITAL GIL EANNES COMEMORA 18 º ANIVERSÁRIO DA CHEGADA A VIANA DO CASTELO

No próximo dia 31 de Janeiro, a Fundação Gil Eannes comemora o 18º aniversário do regresso do Navio Hospital Gil Eannes a Viana do Castelo.

6 N Gil Eannes _entrada docas dos Estaleiros Navai

Para assinalar a data, a Fundação Gil Eannes tem programado para o dia 31 de Janeiro:

9H30 às 18H00 - Visitas gratuitas ao navio museu

18H00 - Apresentação dos livros do Comandante Valdemar Aveiro “80 Graus Norte - Recordações da Pesca do Bacalhau “, “Histórias Desconhecidas dos Grandes Trabalhadores do Mar - Recordações da Pesca do Bacalhau “,”Murmúrios do Vento - Recordações da Pesca do Bacalhau “ e ”Ecos do Grande Norte - Recordações da Pesca do Bacalhau “

- Visita à requalificação do Bloco Operatório do Navio Gil Eannes

- Dramatização -“Ah, Mar d’um Cão!”

                               ATIVAjúnior / ATIVAsénior / Enquanto Navegávamos

                               Teatro do Noroeste – CDV | Projeto Comunidade

9 N Gil Eannes_atracado doca comercial de Viana do

O Navio Hospital Gil Eannes foi construído nos Estaleiros de Viana do Castelo em 1955, tendo como missão apoiar a frota bacalhoeira portuguesa nos mares da Terra Nova e Gronelândia.

A sua principal função foi prestar assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira mas também foi navio capitania, navio correio, navio rebocador, garantindo abastecimento de mantimentos, redes, isco e combustível aos navios da pesca do bacalhau.

O Gil Eannes encontra-se aberto ao público como navio museu desde agosto de 1998 e ao longo destes anos já foi visitado por mais de 708 mil visitantes.

Sala operações - gileannes - após reabilitaçã

EMPRESAS DO ECOSSISTEMA DA ACELARADORA DE BRAGA ABREM VAGAS PARA EMPREGO ESPECIALIZADO

Startup Braga participa na ´Startup Europe Week´ e lança sessão de recrutamento

A Startup Braga vai participar no evento ´Startup Europe Week´ com um programa de debates e encontros, assim como com o lançamento de uma sessão de recrutamento, aberta a toda a comunidade.

startup braga

A Startup Braga junta-se a esta edição do evento, desenvolvido com o intuito de envolver todas as regiões da Europa que promovam programas para startups, nos dias 3 e 4 de Fevereiro.

As sessões promovidas pela Startup Braga foram planeadas com o intuito de fornecer novas ferramentas a toda a comunidade, potenciar o conhecimento dos participantes e contribuir para o aumento da taxa de sucesso de projectos empreendedores.

“A participação na Startup Europe Week reforça a importância que Braga tem vindo a assumir a nível europeu”, afirma Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga, acrescentando que é visível “a crescente importância que se começa a dar às startups no seio das instituições europeias, pelo papel fundamental que vão ter no futuro na Europa”.

Carlos Oliveira destacou ainda a sessão de recrutamento, agendada para dia 4 de Fevereiro, entre as 16h00 e as 18h00, avançando que a mesma “é reflexo do trabalho que as startups do ecossistema da Startup Braga têm desenvolvido, estando a dar frutos e a contribuir para a dinamização da economia do país e para a oferta de emprego”.

Neste momento são seis as empresas do universo Startup Braga a abriram vagas de emprego em áreas como web developers, social media marketeer, web design (UX/UI), sales manager, assim como em diversos ramos das engenharias.

Ainda na próxima semana, no dia 2 de Fevereiro, a Startup Braga vai receber a visita de Paddy Cosgrave – CEO e fundador do Web Summit -, no âmbito do evento Start Up Go Global.

Programa da Startup Europe Week em Braga:

3 FEV @ Factory Braga

- 19h - 20h30 h - Marketing Digital Meetup >> João Costa apresenta case study abelhas.pt

4 FEV @ Startup Braga

- 16h - 18 h - Sessão de Recrutamento

- 18h - Sessão de Abertura

- 18.15h - Carlos Oliveira: Braga, cidade de oportunidades

- 18.30h - Rui barroca: UX/UI – Tools & Tips

- 18.45h - Inês Santos Silva: Growth – Tools & Tips

- 19h - Networking

VIZELA PREPARA DESFILE DE CARNAVAL

Desfile de Carnaval ‘Vizela Cittaslow 2016’

O Município de Vizela, através do projeto CittasSlow e Cittaslow education, vai realizar um desfile de Carnaval pelas ruas do Concelho, no próximo dia 5 de fevereiro.

O arranque do desfile será às 10.00h, a partir do Park Club e terminará na Praça da República.

Este desfile será animado pelos Caretos e Fanfarra da Família Peixoto e é aberto a todas as instituições de ensino do Concelho de Vizela.

O desfile de Carnaval seguirá o seguinte percurso: Park Club, Rua da Barrosa, Rua Nova do Fórum, Rua Dr. Bráulio Caldas, Rotunda da farmácia S. Miguel, Rua Dr. Abílio Torres, Rua Dr. Alfredo Pinto e terminará na Praça da República por volta das 12.00h.

BRAGA CONSTITUI CONSELHO ESTRATÉGICO PARA A REGENERAÇÃO URBANA

Proposta será analisada na próxima reunião do Executivo Municipal

O Município de Braga vai criar o Conselho Estratégico para a Regeneração Urbana de Braga (CERPUB). A proposta, que será analisada na próxima reunião do Executivo, reveste-se de especial importância para o desenvolvimento de um modelo de política pública participada e abrangente, capaz de promover os recursos da Cidade, assim como envolver e potenciar os seus agentes, instituições e cidadãos.

CMB04062014SERGIOFREITAS0000071

O objectivo principal deste órgão consultivo é acompanhar e avaliar as linhas estratégicas de actuação municipal nos domínios da regeneração urbana no sentido de qualificar e partilhar o debate ao nível multissectorial, quer na especialidade, quer na representatividade, ao mesmo tempo que promove a competitividade do seu tecido empresarial.

Num contexto Municipal de desenvolvimento de estratégias de actuação ao nível das Áreas de Reabilitação Urbana, de definição de Planos de Pormenor e Salvaguarda para áreas de forte presença patrimonial. Este órgão intervirá, ainda, na valorização das zonas industriais do Concelho, assumindo-se como uma instância de participação consultiva e promotora de uma acção estratégica da actuação Municipal.

Presidido por Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, o CERPUB será composto pelas diversas valências do Universo Municipal, desde instituições, associações e colectividades de participação cívica, passando pelo sector empresarial, assim como especialistas convidados de reconhecida competência profissional.

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA IMPLEMENTA NOVO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO AUTOMÁTICA DE LEITURAS DE ÁGUA A PARTIR DE 1 DE FEVEREIRO

Através deste novo serviço as pessoas vão poder comunicar a leitura do contador de água em qualquer altura e de qualquer local, sem tempos de espera de atendimento

A partir do dia 1 de fevereiro, os munícipes e todos os clientes do serviço de águas no concelho de Caminha vão poder comunicar a leitura do contador da água a qualquer hora do dia e em qualquer local. A Câmara Municipal de Caminha vai implementar um novo serviço de comunicação de leituras do contador de água, o Sigma-Call – Comunicação Automática de Leituras com o objetivo de facilitar a vida às pessoas.

O Sigma-Call, Comunicação Automática de Leitura vem automatizar o processo de comunicação de leituras dos contadores de águas, rentabilizando recursos humanos ao prescindir de uma presença física. Além da facilidade na comunicação da leitura, há uma personalização de todos os ficheiros de voz com exportação de dados para o sistema informático, atualizando os dados na aplicação Sigma de Águas e tornando o processo simples, automático e muito vantajoso quer para o município, quer para os clientes do município.

Este novo sistema de comunicação de leituras do contador de água vai fazer-se através do número de telefone já utilizado (258 710 329) e vai permitir a leitura do contador de água em qualquer altura e de qualquer local, sem tempos de espera de atendimento.

O novo sistema ficará disponível no próximo dia 1 de fevereiro, sendo possível o acesso tradicional ainda por um período de dois meses.

GESTÃO FINANCEIRA RESPONSÁVEL DIMINUI PASSIVO DO MUNICÍPIO DE MONÇÃO EM 1.2 MILHÕES DE EUROS

Plano de atividades e orçamento para 2016, aprovado no executivo municipal no dia 25 de janeiro e objeto de apreciação e votação na assembleia municipal no dia 20 de fevereiro, apresenta, até 31 de outubro de 2015, uma redução de 29,15% nos empréstimos de curto prazo e de 11,77% nos empréstimos de médio e longo prazo. Globalmente, verificou-se uma diminuição no passivo de 1.216.721,98 €.

Monção

Sem descurar o bem-estar e conforto da população e o desenvolvimento estrutural em diferentes setores, o executivo monçanense, presidido pelo socialista Augusto de Oliveira Domingues, tem como prioridade a consolidação dos principais indicadores económicos e financeiros do município de Monção.

O plano de atividades e orçamento municipal para o próximo ano, aprovado no executivo municipal no dia 25 de janeiro e objeto de apreciação e votação na assembleia municipal no dia 20 de fevereiro, é revelador desta linha estratégica de intervenção, apresentando bons resultados tanto nos indicadores de curto prazo como de médio e longo prazo.

Acentuando a evolução descendente do endividamento de curto prazo, verificou-se uma diminuição significativa do passivo, passando de 926.485,54 €, a 31 de dezembro de 2014, para 656.416,20 €, a 31 de outubro de 2015, redução de 270.069,34 €, correspondendo a menos 29,15%.

Refira-se que este valor sofrerá um acrescento de 250.000,00 € decorrente de empréstimo a curto prazo, aprovado juntamente com o plano de atividades e orçamento. Este empréstimo, no caso de ser utilizado, será obrigatoriamente reembolsado até 31 de dezembro deste ano.

No mesmo período, entre janeiro e outubro de 2015, manteve-se a diminuição consistente dos empréstimos de médio e longo prazo, apurando-se uma redução de 946.652,64 €, equivalente a menos 11,77%. A 31 de dezembro de 2014, o saldo era de 8.045.610,17 €. A 31 de outubro último, situa-se em 7.098.957,53 €, perspetivando-se que, a 31 de dezembro, seja inferior a 7 milhões de euros.

Contas feitas, o endividamento de médio e longo prazo desceu mais de 7 milhões de euros numa década (14.300.028,17 € em 2005), não representando um problema intergeracional, uma vez que corresponde, em média, a apenas 8% a 9% do orçamento global.

Esta política de equilíbrio e rigor orçamental resulta numa poupança corrente de 2.665.723,70 €, que será canalizada para investimento, e uma margem de endividamento de 8.449.246,55 €, assegurando uma posição confortável face a eventuais candidaturas a programas comunitários.

O montante global do orçamento municipal para 2016 situa-se em 17.625.856,00 €, apresentando-se como “um projeto sério, equilibrado e estruturante” baseado “numa estratégia de proximidade aos munícipes, otimização dos recursos disponíveis e desenvolvimento sustentável do território concelhio”.

PÓVOA DE LANHOSO QUER CRIAR SELO DE GARANTIA PARA OS SEUS PRODUTOS

Social Angels estuda possibilidade de criação de selo de garantia

O Centro Interpretativo Maria da Fonte foi o local escolhido pelo seu simbolismo para acolher o workshop “Da Tradição à Inovação” que a comunidade empreendedora Social Angels promoveu, no passado dia 21 de janeiro. A possibilidade da criação de um selo de garantia de produtos provenientes da Póvoa de Lanhoso foi uma das questões resultantes da troca de ideias.

Workshop da tradicao a inovacao 1

Procurou-se, de forma concertada, reconhecer elementos identitários e debater conceitos que possam constituir a base de uma futura imagem representativa deste grupo de empreendedores e empresários da Póvoa de Lanhoso.

A  Vice-Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca, também participou neste momento de partilha e de trabalho que reuniu os contributos e as participações de historiadores, de designers, de empresários do setor agroflorestal, de um representante da Universidade Católica Portuguesa e de jovens do concelho, de entre outras, num total de 25 pessoas. O Historiador José Abílio Coelho, o CEO e fundador da empresa H2com, Carlos Alberto Cardoso, e o Designer Ricardo Magalhães foram os oradores convidados.

Workshop da tradicao a inovacao 2

O trabalho de pesquisa apresentado será agora uma base para o trabalho a desenvolver de forma participada. A  auscultação de elementos externos ao grupo será o próximo passo de modo a testar o impacto de determinada imagem associada à marca. Desta forma, para além da dinamização de dois focus groups, será ainda constituído um grupo de trabalho dentro da comunidade empreendedora.

O Projeto Social Angels é promovido pela Sol do Ave em parceria com o Município da Póvoa de Lanhoso e enquadra-se no Programa Cidadania Ativa, domínio de atuação D – Apoio à empregabilidade e inclusão dos jovens, da Fundação Calouste Gulbenkian, entidade gestora do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA Grants).

Workshop da tradicao a inovacao 3

Workshop da tradicao a inovacao 4

ACIAB LANÇA DESAFIO AO COMÉRCIO TRADICIONAL

Objetivo: Fomentar o Comércio e Cativar o Cliente

A ACIAB lançou um desafio aos empresários do Comércio Tradicional de Arcos de Valdevez e de Ponte da Barca para de uma forma conjunta decorarem as montras dos seus estabelecimentos.

Tendo como mote o Carnaval e o Dia dos Namorados, o intuito da ACIAB ao propor este desafio aos comerciantes é tornar a oferta comercial mais apelativa quer para os residentes locais quer para os turistas que diariamente visitam esta região.

Esta uniformização das montras tendo como pano de fundo a temática das máscaras e da diversão, associada ao Carnaval e a temática do amor, associada ao Dia de S. Valentim, fará com que as ruas do comércio local se transformem num espaço ainda mais agradável e proporcionem ao cliente uma visita muito mais divertida e proveitosa.

As vilas de Arcos de Valdevez e de Ponte da Barca ficarão com certeza mais vivas, bonitas e coloridas. O conceito foi muito bem aceite pelos empresários que se empenharam na elaboração de montras para fazer sobressair e brilhar o nosso comércio.

A ACIAB deixou o repto às empresas para que até ao final do ano continuem a investir na apresentação das suas lojas e dos seus produtos e serviços. Durante os próximos meses iremos ver, com certeza,  o talento das lojas dos dois concelhos fazendo das suas montras uma galeria e promovendo com sensibilidade estética o negócio de cada comerciante, valorizando os espaços e transformando-os de forma criativa para que convidem o cliente a entrar e a comprar.

Com esta ação pretende-se apostar na comercialização, promoção e dinamização das atividades económicas da região e ao mesmo tempo proporcionar às empresas a possibilidade de implementação de estratégias ajustadas de comunicação com o seu mercado, apresentando os seus produtos e desenvolvendo contactos que facilitem o seu fortalecimento.

Esta ação demonstra que Arcos de Valdevez e Ponte da Barca são, efetivamente, dois municípios onde o comércio tradicional tem uma presença forte e um papel muito significativo.

CERVEIRA APOIA ATLETA INÊS FERNANDES, RUMO AO RIO 2016

Em agosto, os melhores atletas Olímpicos e Paralímpicos do mundo vão reunir-se no Rio de Janeiro para protagonizar um grande espetáculo desportivo. Entre eles, Inês Fernandes, atleta da A.D.R.C Lovelhe, Vila Nova de Cerveira, vai procurar alcançar mais um excelente resultado para juntar a um vasto palmarés.

Pelo exemplo de dedicação e empenho para todos os jovens, e pelo orgulho que é uma atleta como a Inês Fernandes representar Portugal num dos eventos desportivos mais mediáticos do mundo, os Municípios de Vila Nova de Cerveira e de Valença, assim como a União de Freguesias de Vila Nova de Cerveira e Lovelhe e a União de Freguesias de Valença, Cristelo Covo e Arão vão atribuir um apoio financeiro para que esta caminhada rumo ao Rio seja um sucesso.

Esta é a segunda presença de Inês Fernandes, de 28 anos, numa edição dos Jogos Paralímpicos depois de, em 2012 em Londres, ter alcançado um excelente 4º lugar, além de ter sido a porta-estandarte de Portugal na cerimónia de abertura.

Neste momento, a atleta está em fase de preparação com treinos regulares no Centro Municipal de Atletismo, em Vila Nova de Cerveira. Apesar de o pensamento de Inês Fernandes se concentrar muito nesta prova, há ainda outros desafios a superar, nomeadamente a presença nos Europeus de Pista Coberta em Março e nos Europeus de ar livre, em Junho na Itália.

Inês Fernandes, natural de Valença, treina há 12 anos na Associação Desportiva, Recreativa e Cultural de Lovelhe. Atualmente, a atleta ocupa a 5ª posição da hierarquia mundial da especialidade, e no seu palmarés conta com mais de 50 medalhas conquistadas em campeonatos do Mundo e da Europa, em lançamento do Peso Disco e Martelo.

Com o intuito de criar as melhores condições possíveis para uma excelente prestação de Inês Fernandes no Rio, o seu treinador, Jorge Rodrigues, criou uma página no Facebook, Inês Fernandes, Rumo ao Rio 2016. Os Jogos Paralímpicos de 2016 decorrem entre 7 e 18 de setembro.

CANDIDATURA AMIZADE CERVEIRA-TOMIÑO QUER EFETIVAR “DESFRONTEIRIZAÇÃO”

Aproveitando sinergias resultantes da cooperação já existente, da melhoria da posição competitiva do território e da qualidade de vida dos seus habitantes, os Concelhos de Vila Nova de Cerveira e Tomiño decidiram reforçar a relação transfronteiriça apostando numa visão compartilhada, através de estratégias de desenvolvimento e projetos que materializem a sua integração num único espaço físico e social. Candidatura ao INTERREG V A Portugal Espanha ultrapassa o meio milhão de euros.

Cerveira-Tomino

O projeto da ‘Agenda de Cooperação Transfronteiriça - Amizade Cerveira Tomiño’ tem como objetivo a procura de um crescimento sustentável do território com impactos positivos na melhoria da qualidade de vida e da coesão social da população deste território comum, baseado nas potencialidades de um recurso comum como é o rio Minho, na preservação e promoção inteligente dos seus valores naturais, culturais e etnográficos, na partilha e otimização dos equipamentos e serviços públicos de utilização, e dos recursos humanos económicos num programa de cooperação virado ao futuro.

Com um investimento total de cerca de 600 mil euros, financiado a 75%, o principal desafio desta candidatura é caminhar para uma efetiva ‘desfronteirização’. Por um lado, pretende-se aprofundar e consolidar as relações institucionais através de uma programação e gestão conjunta e compartilhada dos distintos serviços públicos, de forma a eliminar riscos de duplicação de equipamentos e, por outro lado, promover o conceito de ‘eurocidadania’, ou seja, estimular a participação cívica ativa na formulação de propostas e escolhas exercida de forma democrática e inovadora ao nível transfronteiriço, implicando os cidadãos de Cerveira e Tomiño na formulação de soluções para necessidades comuns.

A presente candidatura desenvolve-se em quatro atividades complementares e cuja implementação das ações específicas alarga-se até 31 de dezembro de 2019. A primeira atividade visa a dinamização da Agenda Estratégica Cerveira-Tomiño com o intuito de manter o processo vivo e participado, organizando focus group permanentes, workshops, fóruns temáticos e ações sensibilização, eventos em escolas e associações locais, concursos vídeo e fotografia, a criação da figura de provedor da cidadania transfronteiriça e a implementação do projeto piloto de orçamento participativo transfronteiriço; a segunda atividade incide sobre um programa de gestão partilhada de serviços locais, com destaque para o “Gotas de Água por Notas de Música”, isto é, uma experiência-piloto de oferta de dois serviços, a Piscina Municipal de Vila Nova de Cerveira e a Escola de Música de Tomiño, aos 23,500 habitantes dos dois concelhos; a atividade três versa sobre a dinamização da economia local transfronteiriça potenciando iniciativas empresariais baseadas no turismo, na natureza, nos serviços, etc.; e, por último, a quarta atividade que sustenta a capacitação e participação em redes de cooperação, ou seja, o intercâmbio de experiências e boas práticas com outras dinâmicas transfronteiriças e a realização das 2as e 3as Jornadas Amizade Cerveira Tomiño.

A candidatura designada de ‘Agenda de Cooperação Transfronteiriça - Amizade Cerveira Tomiño’ foi apresentada ao Eixo IV do INTERREG V A Espanha Portugal (POCTEP), cujo prazo para entrega terminou na passada sexta-feira, 22 de janeiro.

De recordar que Vila Nova de Cerveira e Tomiño formalizaram a sua cooperação, em junho de 2014, com a subscrição da Carta da Amizade, de forma a consolidar um crescimento sustentável, inovador e inclusivo baseado na cooperação transfronteiriça.

BRAGA E PONTE DE LIMA CELEBRAM PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

Assinatura de protocolo de colaboração entre os Municípios de Braga e Ponte de Lima

Realiza-se amanhã, quinta-feira, 28 de Janeiro, pelas 15h00, no edifício Clara Penha – Casa dos Sabores, em Ponte de Lima, a cerimónia de assinatura do protocolo de colaboração entre os municípios de Braga e Ponte de Lima

A iniciativa contará com a presença do presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e do presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Victor Mendes.

A parceria revela-se da maior importância para o desenvolvimento e promoção dos eventos culturais de ambos os Municípios, operando como um fator de atratividade e valorização turística.

FALECEU O DR. JOÃO GOMES DE ABREU DE LIMA

Comunicado da Câmara Municipal de Ponte de Lima

É com o mais profundo pesar que o Município de Ponte de Lima torna público o falecimento do Senhor Dr. João Gomes de Abreu de Lima, Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima no período de 1977 a 1985, Deputado entre 1976 e 1987, Presidente da Assembleia Municipal de Ponte de Lima, Vereador da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Alto quadro da Administração Pública e Administrador de Empresas.

Proprietário da Casa do Outeiro, em Arcozelo, Ponte de Lima era viúvo e pai de seis filhos.

O Senhor Dr. João Gomes de Abreu de Lima, exemplo de cidadania, de forte e decidido carácter, foi o primeiro Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima eleito democraticamente, segundo a Constituição de 1976.

Soube reunir consensos e demonstrou sempre inteira disponibilidade para servir Ponte de Lima e Portugal.

À Família enlutada, o Município de Ponte de Lima apresenta as mais sentidas condolências e a Câmara Municipal deliberou promulgar dois dias de luto municipal em memória do Homem, do Cidadão e do Político que foi o Dr. João Gomes de Abreu de Lima.

CÂMARA MUNICIPAL PONTE DE LIMA

Ponte de Lima, 27 de janeiro de 2016

MUNICÍPIO DE CAMINHA LEVA CRIANÇAS DO PRÉ-ESCOLAR ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Iniciativa visa incentivar à prática desportiva e alargar as atividades letivas

A natação faz parte da carga letiva das crianças que frequentam o pré-escolar no concelho de Caminha. A Câmara Municipal proporciona aulas de natação, uma vez por mês, nas Piscinas Municipais – Vila Praia de Âncora, às mais de 220 crianças que estudam nos estabelecimentos públicos.

pré escolar piscinas 2016 (1)

Esta medida visa alargar o leque das atividades das crianças e incentivar à prática desportiva.

Para além de disponibilizar as piscinas e os técnicos especializados em natação, a Câmara também assegura o transporte a todos os alunos dos jardins de infância da rede pública às Piscinas Municipais – Vila Praia de Âncora.

No âmbito da educação pré-escolar, a Câmara Municipal ainda garante as refeições escolares, o transporte e a componente de apoio à família com o objetivo de facilitar a vida das famílias caminhenses.

pré escolar piscinas 2016 (2)

REVISTA “EVASÕES” DESTACA ARCOS DE VALDEVEZ

A revista Evasões, suplemento do jornal Diário Notícias, que se debruça sobre o que de melhor existe ao nível cultural e turístico em Portugal, dedicou um artigo bastante expressivo sobre Arcos de Valdevez e algumas das suas potencialidades ao nível da hotelaria, restauração e turismo de Natureza.

Sob o título “Comer, beber, espairecer”, a jornalista Luísa Marinho fez um retrato bastante positivo das potencialidades arcuenses, tendo-se referido ao nível do alojamento às conhecidas Casas da Li, da conhecida MasterChef Lígia Santos.

Relativamente aos vinhos foi focada a Quinta do Casal do Paço de Vasco Croft, produtor-revelação do ano, e onde se começou a produzir o vinho Aphros.

Para passear foi referido o já bastante conhecido programa “12 Trilhos, 12 Experiências”, organizado pela ARDAL-Porta do Mezio.

O recente Café das Flores também foi alvo da atenção por parte da jornalista que enaltece o facto de ser um “negócio original, onde junta duas paixões, a restauração e arte floral. (…) Aqui, serve-se pastelaria caseira, crepes e bebidas de café e chocolate quente.”

Por último, e como não poderia faltar, foi referenciada a famosa Doçaria Central. Um espaço fundado em 1830 que se mantém até hoje na mesma família e que elabora os produtos no mesmo forno a lenha, nomeadamente, os famosos charutos dos Arcos, os rebuçados dos Arcos, o pão-de-ló e o sortido variado.

Este artigo deixa todos os arcuenses orgulhosos e atesta a qualidade da oferta que é possível encontrar no concelho.

Pode ler o artigo aqui: http://www.dn.pt/evasoes/fim-de-semana/interior/comer-beber-espairecer-4993389.html

MUSEU DE ARTE POPULAR PERTENCE AO POVO PORTUGUÊS

Desde há quatro décadas, o Museu de Arte Popular tem sido votado ao abandono. Os organismos governamentais ligados à cultura nunca revelaram qualquer interesse na sua preservação e até chegaram a avançar com a ideia da sua demolição. Mais recentemente, retiraram a sua preciosa coleção calculada em cerca de 15 mil peças da mais variada natureza, representando atividades artesanais do povo português, desde objetos de cerâmica a utensílios de trabalho, alfaias agrícolas, carroças, brinquedos e cestaria, a qual foi transferida para o Museu Nacional de Etnologia, não estando previsto o seu regresso à origem.

Mercado Primavera 026

Questionado há 3 anos, no parlamento, pelos deputados da Comissão de Educação, Ciência e Cultura sobre a situação do Museu de Arte Popular, o então secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier afirmou que “o destino do museu não será um projeto museológico”, adiantando que o governo “está aberto a propostas dos agentes culturais para criar um projeto”.

Atualmente, o Museu de Arte Popular, mantém em funcionamento apenas uma sala de exposições temporárias, onde têm sido apresentadas exposições sobretudo de arte contemporânea. As cinco salas da exposição permanente que compõem o museu permanecem encerradas ao público. São elas as salas dedicadas às diferentes regiões nas quais o museu se encontrava estruturado: Entre Douro e Minho, Trás-os-Montes, Algarve, Beiras, Estremadura e Alentejo.

O Mercado da Primavera, espaço de animação cultural no exterior que serviu nomeadamente para dar a conhecer muitos dos nossos artesãos e suas obras, como foi o caso da barrista barcelense Rosa Ramalho, foi destruído há cerca de quatro décadas.

As autarquias locais, nomeadamente a Câmara Municipal de Lisboa e outros organismos e entidades ligadas à cultura popular não reagem exigindo a preservação do Museu de Arte Popular e o retorno da respetiva coleção.

Constituído em 1948, no âmbito da Exposição do Mundo Português, então com a designação de “Pavilhão da Vida Popular”, o seu acervo reunia um conjunto de peças que foi apresentado na Exposição de Arte Popular Portuguesa que teve lugar em Genebra, em 1935. O seu espólio repartia-se por diferentes salas dedicadas às mais diversas regiões do país e ainda um espaço para exposições temporárias, nelas predominando as cerâmicas e as alfaias agrícolas, os trajes e instrumentos musicais tradicionais, a joalharia e as artes de pesca, as carroças e a cestaria, a maioria das quais recolhida nos começos do século passado.

A decisão de ali instalar o Museu de Arte Popular coube ao ministro António Ferro e o edifício foi originalmente concebido pelo arquiteto Veloso Reis, tendo posteriormente sido sujeito a remodelação com vista a acolher o museu, tendo o projeto de adaptação pertencido ao arquiteto Jorge Segurado. O Museu de Arte Popular constituiu seguramente o exemplar mais representativo das conceções museológicas e ideológicas do Estado Novo, facto que só por si justificaria a sua continuidade e preservação.

Em relação ao próprio edifício, é reconhecido “o valor estético e material intrínseco, o génio dos respectivos criadores, o interesse como testemunho notável de vivências ou factos históricos, a sua concepção arquitectónica, urbanística e paisagista, e o que nele se reflecte do ponto de vista da memória colectiva”, razão pela qual foi pela Secretaria de Estado da Cultura, através da portaria n.º 263/2012, classificado como monumento de interesse público. Não obstante, chegou a estar prevista a sua demolição por proposta de um ministro da Cultura…

O Museu de Arte Popular pertence ao povo português e, como tal, deverá ser-lhe devolvido juntamente com a sua coleção. Torna-se necessário enquanto é tempo, que os cidadãos se mobilizem para exigir dos poderes públicos aquilo que lhes pertence!

13292_10150163435315442_1035069_n

226571_10150606299360442_6227824_n

REINTEGREMOS O GALEGO NO PORTUGUÊS

O escritor galego Ricardo Carvalho Calero deixou-no claro há bastantes anos: «O galego, ou é galego-português ou é galego-castelhano».

Joan_Lluis_LLuis2

Para fazerem desaparecer as línguas que estorvam, os estados com vocaçom lingüicida tenhem diversas soluções ao seu alcance, que funcionam mais ou menos bem. Espanha foi avondo eficaz, ao menos na Galiza. Lá, agiu em dous tempos. Primeiro, convenceu os galego-falantes de que a sua língua já nom tinha nada a ver com o português. Umha vez isolado, o galego deixou de interagir com umha língua falada por uns douscentos e quarenta milhões de pessoas e oficial em nove estados independentes. Quer dizer, que a primeira etapa condenou a língua a viver em autarquia num território –Galiza— de dous milhões e meio de habitantes. Se os dous milhões e meio de galegos falassem todos galego, já ora, nom haveria qualquer problema. Nom é, porém, o caso, e o seu declive é constante desde a segunda metade do século XX.

A segunda etapa consiste em aproveitar a insegurança lingüística dos falantes de umha língua que, separada da norma comum, há de fazer umha de seu, para legitimar o maior número possível de castelhanismos. O símbolo desta intrusom é a aceitaçom académica do dígrafo ñ no lugar do genuíno nh —o nh, é claro, remetia demasiado para as normas portuguesas—. Imaginais os estragos que teria causado ao catalão a aceitaçom do mesmo dígrafo? Imaginais que fosse normativo que um catalão exilado escrevesse: «Cada dia, des de la lluñania, eñoro la meva Cataluña» [1]?. Por sinal, esta estratégia em dous tempos —separaçom do tronco comum e castelhanizaçom— é também a estratégia seguida polo espanholismo no País Valenciano.

O escritor galego Ricardo Carvalho Calero deixou-no claro há bastantes anos: «O galego, ou é galego-português ou é galego-castelhano». A academia oficial e o governo autónomo decidírom-se com furor pola segunda opçom. Porém, desde há uns anos, começa a fazer-se sentir umha outra voz. A dos chamados reintegracionistas. Som eles que entendem plenamente os argumentos e os objetivos dos partidários do galego-castelhano e que querem exatamente o contrário.

Som eles que, reagrupados na Associaçom Galega da Língua, querem salvar o galego da implacável residualizaçom a que está condenado. Os seus argumentos som de senso comum: isolado, o galego morrerá, unido com o português, pode aguardar prosperar, graças ao grande número de falantes de que dispom e ao seu prestígio internacional. Intentam, pois, operar umha revoluçom mental para fazer que se reconheça aquilo que já era umha evidência: o galego nom é umha língua derivada do português, mas umha das formas do português.

Este movimento de retorno requer a aceitaçom de um vocabulário hoje desterrado, o qual haveria de fusionar com as formas próprias do galego. Requer, sobretudo, eliminar as formas espanholas aceites de olhos fechados por umha academia [a RAG] de bandulho mole. E requer a recuperaçom das normas ortográficas comuns ao português como som nh em vez de ñ, mas também lh por llou ç no lugar de z. Nom o têm doado. Explica-o um dos escritores mais ativos neste combate, Séchu Sende: «Os reintegracionistas som umha minoria no interior da minoria galego-falante». O seu supervendas galego, Made in Galiza (em catalão, A vendedora de palavras, edições RBA, traduzido por Mònica Boixader) estava escrito num galego intermédio entre normativo [oficialista] e reintegracionista. Decidiu redigir o seguinte livro (A República das Palavras) empregando apenas as normas reintegracionistas, e isso significou apenas lograr ser publicado por uma pequena editora. Para ele, porém, a reintegraçom ao tronco galego-português é a única possibilidade para esperar reinjetar autoestima nos falantes de umha língua percebida geralmente como estritamente decorativa. Torna al Born o mor[2].

NOTAS:

[*] Artigo publicado originalmente por Joan-Lluís Lluís na revista catalã Presència em novembro de 2015. Traduzido do catalão para a galega com permissom do autor.

[1] Em correto catalão, «cada dia, des de la llunyania, enyoro la meva Catalunya»; isto é, «Cada dia, a partir da lonjura, sinto a falta da minha Catalunha».
[2] «Regressa ao Born ou morre». O provérbio original é «Roda el món i torna al Born» (localidade catalã), que se poderia traduzir como «vê mundo e regressa à casa».

Joan-Lluís Lluís (Perpinhã, Países Catalães, 1963), é um premiado escritor e colunista catalão. É colaborador habitual de publicações digitais como VilaWeb ou Esguard e a ainda a revista Presència (suplemento semanal do diário El Punt Avui). Nascido na Catalunha Norte, desenvolveu do início a sua trajetória literária no Principat, ao mesmo tempo que denuncia o «lingüicídio» cometido polo Estado francês na sua terra de origem.

Joan-Lluís Lluís / http://www.diarioliberdade.org/