Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIMARANENSES APRESENTAM PROJETOS NO ÂMBITO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

Bons exemplos de projetos do Orçamento Participativo de Guimarães partilhados pelos autores

A importância e o impacto social de projetos já executados ou em vias de conclusão foram analisados pelos protagonistas. Encontro decorreu na Plataforma das Artes.

Guimaraes_OP_Apresentacao_Projetos

Duas dezenas de projetos bem-sucedidos em Guimarães, criados no âmbito do Orçamento Participativo (OP), foram apresentados publicamente esta quarta-feira, 20 de janeiro, durante a realização de uma sessão na qual marcaram presença alguns dos seus autores, que divulgaram e partilharam experiências. O encontro, promovido pela Câmara Municipal de Guimarães, decorreu na véspera de começar a edição de 2016 de um processo de decisão onde os cidadãos vimaranenses têm uma participação ativa na governação de Guimarães.

«Quisemos dar a conhecer um conjunto de bons exemplos do que tem sido a implementação, há já três anos, do Orçamento Participativo de Guimarães. Um conjunto muito substancial de projetos já foram aprovados e muitos deles foram de tal modo bem sucedidos que a Câmara sentiu necessidade de continuar a apoiá-los nos próximos anos, principalmente na área social», referiu Amadeu Portilha, na sessão realizada na Plataforma das Artes.

«Chegou a altura de partilhar estas boas práticas e boas ideias com toda a comunidade interessada no OP. Continuamos a acreditar que este é um belíssimo instrumento de participação cívica e de envolvimento das pessoas, que contribuem com as suas ideias e com boas propostas para que Guimarães continue a ser um concelho diferenciador a vários níveis», acrescentou o Vice-Presidente do Município, que procedeu à abertura de uma iniciativa que contou com a presença dos proponentes de propostas já implementadas.

Além da apresentação pública dos seus projetos, decorreram demonstrações de dois grupos de voluntários que desenvolveram projetos de teatro. Temáticas relacionadas com parques de lazer, parques infantis, o mês cultural de Sande, a construção de parques de Street Workout e o Scanproject (aulas de dança) foram alguns dos projetos materiais apresentados. A sessão serviu para realçar a importância das ideias de cariz social e o impacto que têm nas comunidades, bem como a sua continuidade que está a ser trabalhada em determinados casos.

Sessão pública do OP2016 no dia 29 de janeiro

O encontro desta quarta-feira, cuja sessão de encerramento esteve a cargo da Vereadora Paula Oliveira, contou ainda com a apresentação de projetos imateriais, como são os casos do Projeto Tabu (Igualdade de género e violência doméstica), Então Vamos (animação cultural para idosos), Promoção da Qualidade de Vida, Loja Social Tabuadelo, Projeto Raízes (apoio a situações de cidadãos em risco), Equipa de Apoio Domiciliário a Pessoas com Perturbação Mental (Hospital de Guimarães) e Projeto PEP – Competências Psicológicas (stress, gestão de tempo e trabalho em equipa para alunos).

A Câmara Municipal de Guimarães, entretanto, já está a trabalhar na edição de 2016 do Orçamento Participativo. Esta sexta-feira, 22 de janeiro, pelas 18:30 horas, decorrerá uma reunião com responsáveis de partidos políticos com representação na Assembleia Municipal, enquanto na próxima semana, no dia 29 de janeiro, pelas 21:30 horas, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, realiza-se uma sessão pública para recolher contributos dos cidadãos, tendo em vista a quarta edição.

ENTRE-DOURO-E-MINHO EXISTE APENAS UMA REGIÃO: O MINHO!

No princípio existiu a Comarca d’Entre-Douro-e-Minho que abrangia os atuais distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto e ainda parte dos distritos de Aveiro, Viseu e Vila Real.

Concretamente, a vetusta Comarca d’Entre-Douro-e-Minho englobava no Distrito de Aveiro os concelhos de Arouca, Castelo de Paiva, Espinho e Santa Maria da Feira. No Distrito de Viseu incluía os concelhos de Cinfães e Resende. E, no Distrito de Vila Real, parte do concelho de Montalegre que outrora pertenceu ao extinto concelho de Ruivães que foi despois integrado no município de Vieira do Minho.

Entretanto, a reforma administrativa levada a efeito em 1936 subtraiu-lhe uma importante parcela de território para, apesar das afinidades históricas, geográficas e etnográficas, criar artificialmente uma província: o Douro Litoral!

Perante tal divisão, o Minho ficou supostamente reduzido aos atuais Distritos de Viana do Castelo e Braga, limitado a sul pelo Douro Litoral.

Não satisfeitos com este fracionamento, eis que sob os mais variados pretextos inventaram o Alto Minho e o Baixo Minho e, no seio destas, uma infinidade de sub-regiões como quem se dedica a promover a cisão do átomo: a Ribeira-Lima, o Alto Lima, o Riba-Minho, o Alto Minho Interior, a Riba d’Ave e por aí adiante… até à mais exígua porção de terra!

Esta tendência doentia para o fracionamento sucessivo da nossa região impede-nos de ver além dos muros que erguemos em nosso redor e entender que existe uma vasta região que, para além da sua identidade, debate-se com problemas que são comuns. Só o emparcelamento das mentalidades e a conjugação de esforços conseguirá resolvê-los e afirmar o Minho positivamente nos mais diversos domínios.

No sentido oposto, alguém teve recentemente a ideia absurda de, na vertente turística, associar a região d’Entre-o-Douro-e-Minho à província de Trás-os-Montes como se do mesmo produto turístico se tratasse, em claro prejuízo da promoção de ambas as regiões.

O Minho e os minhotos necessitam de reconquistar o seu espaço histórico, reforçando os laços entre gentes que possuem a mesma identidade etnográfica e fazer do território da antiga Comarca d’Entre-o-Douro-e-Minho uma região próspera que crie bem-estar para os seus habitantes: o Grande Minho!

GUIMARÃES DIVULGA INICIATIVAS CULTURAIS

O que (ainda) pode ver no concelho de Guimarães no primeiro mês de 2016

A aproximação dos últimos dias de janeiro não significa que já assistiu a tudo neste mês. Continue a ler este texto e verá que ainda há muita coisa para acontecer em Guimarães. Até ao dia 31.

Guimaraes_Janeiro2016

O mês de janeiro, em Guimarães, ainda reserva muitas surpresas aos vimaranenses e visitantes, apesar de apenas faltar pouco mais de uma dezena de dias para o calendário virar de página. Realizados os concertos de Ano Novo e dos Dead Combo, os próximos eventos centram-se na estreia da mais recente produção do Teatro Oficina, no programa ExcentriCidade, no Concerto de Reis no Paço dos Duques de Bragança e no espetáculo de Jacco Gardner no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor, local onde decorrerá a estreia da iniciativa “Café Memória”, também este sábado.

Comecemos pelo final do mês. De 28 a 31 de janeiro, o Pequeno Auditório CCVF é palco da peça “Grande Cena”, de Jacinto Lucas Pires, com encenação de Marcos Barbosa, a primeira produção de 2016 do Teatro Oficina, em Guimarães, cuja estreia está marcada para o próximo dia 28 de janeiro, às 22 horas, horário em que será exibida diariamente até ao dia de sábado. No domingo, 31, a peça, cuja história conta a vida de dois casais de atores, sobe ao palco às 17 horas.

Depois de Ronfe, o programa de descentralização cultural “ExcentriCidade” está regresso no último fim de semana de janeiro. E com três espetáculos de música. Na sexta-feira, 29, pelas 21:30 horas, o Centro Pastoral de Moreira de Cónegos recebe o grupo “Fado 1111”, enquanto à mesma hora e no mesmo dia atuam na vila de São Torcato, nas instalações da ADCL, os vimaranenses “Paraguaii”. Na penúltima noite do mês, no sábado, 30 de janeiro, a fadista Helena Sarmento dá um concerto na Casa do Povo de Briteiros. O preço do bilhete nos três locais tem o custo simbólico de 1 euro, que reverte para a entidade anfitriã. Até aos 12 anos, a entrada é gratuita.

O fim-de-semana que se segue

Já neste sábado, 23 de janeiro, às 10 horas, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor recebe a primeira sessão do Café Memória de Guimarães, ponto de encontro para pessoas com problemas de memória ou demência, destinado também a familiares e respetivos cuidadores, com o objetivo de serem partilhadas experiências, num espaço de reflexão e de suporte mútuo, que terá periodicidade mensal, sempre no quarto sábado de cada mês. Entrada gratuita. À tarde, pelas 15:30 horas, o Paço dos Duques de Bragança é palco de um Concerto de Reis, com a colaboração de “OsMusiké”, Orfeão de Guimarães e Coro Juvenil de Vieira do Minho.

Também no sábado, às 24 horas, o convite volta a ter o Café Concerto do CCVF como destino, agora para assistir ao espetáculo do holandês Jacco Gardner, que batizou o seu mais recente trabalho de “Hypnophobia” numa alusão ao medo de dormir e dos pesadelos que o sono carrega. Ainda em janeiro, o Multiusos de Guimarães está transformado num autêntico “Reino da Diversão” onde não faltam Carrosséis, Pista de Gelo, artesanato e outros divertimentos. E com atrações para toda a família. Para visitar até 07 de fevereiro…

| agenda cultural | janeiro 2016 |

http://www.cm-guimaraes.pt/frontoffice/pages/991?news_id=2437

PARLAMENTO DEBATE PROJETO DE LEI APRESENTADO PELOS "OS VERDES" CONTRA O CULTIVO DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS

Iniciativa do PEV que impede cultivo de OGM em discussão no Parlamento

Discutiu-se hoje, dia 20 de janeiro, na Assembleia da República o Projeto de Lei 17/XIII/1 de Os Verdes que impede o cultivo e a libertação deliberada em ambiente de organismos geneticamente modificados (OGM).

O risco dos transgénicos para a saúde levou já a que muitos países da União Europeia tenham recusado o cultivo de OGM e, com esta iniciativa, o PEV pretende apelar a um olhar sério sobre o assunto, para que Portugal não se converta num “paraíso” da Monsanto, rejeitando, também ele, o cultivo de culturas transgénicas que comportam enormes riscos de contaminação de culturas tradicionais e biológicas.

Os Verdes relembram que esta iniciativa legislativa foi entregue na Assembleia da República em Novembro do ano passado e integrava um conjunto de 10 iniciativas sobre matérias que o PEV considerava de discussão urgentes.

PROJETO DE LEI Nº 17/XIII/1ª

IMPEDE O CULTIVO E A LIBERTAÇÃO DELIBERADA EM AMBIENTE DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS (OGM)

Nota justificativa

A rejeição dos organismos geneticamente modificados (OGM), por parte dos cidadãos dos diversos Estados da União Europeia, tem sido confirmada através de diversos estudos. Esta atitude crítica sustenta-se sobretudo nos riscos que os transgénicos podem representar para a saúde e para o ambiente, designadamente ao nível da perda de biodiversidade e de contaminações acidentais ou deliberadas. Desta forma, mais de 70% dos cidadãos recusam consumir alimentos transgénicos e cerca de 95% não admitem prescindir do direito de poderem rejeitar OGM.

A União Europeia não foi respeitadora da vontade dos cidadãos quando determinou que a informação ao consumidor em geral, e as normas de rotulagem em particular, não teriam que se suportar num esclarecimento cabal sobre a presença de transgénicos nos alimentos. A título exemplificativo, quando um alimento contém matéria transgénica em quantidade inferior a 0,9%, dispensa-se informação ao consumidor; em relação a produtos de origem animal, não se presta informação ao consumidor sobre se os animais foram alimentados com ração transgénica. A União Europeia preferiu deixar a porta aberta à salvaguarda dos interesses das multinacionais do setor agroalimentar.

Já em relação ao cultivo, foi em 1998 que a União Europeia autorizou o cultivo do milho transgénico MON810, no seu espaço geográfico. Esta decisão da União Europeia foi muito contestada, mas, ignorando o sentimento maioritário dos cidadãos, os organismos europeus preferiram ceder aos interesses da Monsanto (com 80% da quota de mercado mundial dos transgénicos) e, assim, dar entrada à realidade transgénica no mundo agrícola da União Europeia.

Em Portugal, o Partido Ecologista Os Verdes empenhou-se de várias formas, incluindo através de iniciativas legislativas, na aplicação de uma moratória relativa ao cultivo e à comercialização de OGM. Considerávamos que não estavam salvaguardados nem os direitos dos agricultores, nem dos cidadãos, nem a salvaguarda dos ecossistemas, e que, não sendo possível garantir a não contaminação entre culturas transgénicas e tradicionais ou biológicas, importava aplicar o princípio da precaução.

Infelizmente, as diferentes maiorias parlamentares assumiram sempre uma postura de aceitação incondicional da autorização europeia, referindo que não era possível proibir o que a União Europeia aceitara. O PEV nunca aceitou esta argumentação e, por isso, insistiu mais do que uma vez na questão da moratória. A verdade é que outros Estados Membro, face às incertezas sobre os efeitos dos OGM na saúde e no ambiente, decidiram proibir o cultivo de OGM no seu território. Assim fizeram a Alemanha, a Áustria, a França, a Polónia, entre outros. Enquanto isso, em Portugal continuou-se a abrir portas ao cultivo de OGM e garantiram-se procedimentos que não permitissem aos cidadãos ter um conhecimento rigoroso sobre a localização de culturas transgénicas, o que é absolutamente inadmissível se tivermos em conta casos como, por exemplo, o de um agricultor que se quer instalar e apostar em culturas biológicas e que, para garantir a segurança da sua produção, quer ter a certeza que não fica aproximado de uma propriedade agrícola que faz cultura OGM. Tratou-se de um profundo desrespeito para com os cidadãos.

Entretanto, a União Europeia determinou que a decisão de proibição do cultivo de OGM nos respetivos países passará a competir a cada Estado Membro. Nestas circunstâncias, um dos argumentos usados pelas consecutivas maiorias parlamentares e pelos consecutivos Governos, que consistia numa desresponsabilização própria, para se assumirem submetidos ao que a União Europeia autorizasse, deixa de poder ser usado. É tempo, portanto, de Portugal se desvincular da profunda leviandade com que tem permitido a presença de OGM nos nossos campos agrícolas e seguir o exemplo de uma grande parte de países da União Europeia (como Alemanha, Áustria, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Polónia, entre outros) que proibiram o cultivo de OGM, por aplicação direta do princípio da precaução.           

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar Os Verdes apresenta o seguinte Projeto de Lei que toma como objetivo a proibição de produção e cultivo de OGM:

Artigo 1º

Objeto

Em conformidade com o princípio da precaução e tendo em vista a proteção da saúde humana e do ambiente, o presente diploma proíbe o cultivo de organismos geneticamente modificados, ou que por eles sejam constituídos, assim como a libertação deliberada no ambiente de organismos geneticamente modificados para qualquer fim.

Artigo 2º

Proibição de cultivo de OGM

A proibição de cultivo de organismos geneticamente modificados, ou que por eles sejam constituídos, inclui a aquisição e a receção na exploração agrícola das sementes de variedades geneticamente modificadas, bem como as operações do processo de produção e armazenamento na exploração agrícola, e ainda a entrega, pelo agricultor, dos produtos vegetais produzidos nas instalações de comercialização ou transformação.

Artigo 3º

Proibição da libertação deliberada em ambiente de OGM

A libertação deliberada no ambiente de organismos geneticamente modificados refere-se a qualquer introdução intencional no ambiente de um organismo geneticamente modificado ou de uma sua combinação, independentemente de intenção ou tentativas de limitar o contacto com a população e com o ambiente.

Artigo 4º

Exclusão do âmbito de aplicação

A presente lei não se aplica às ações controladas com fins de investigação científica ou com fins medicinais.

Artigo 5º

Regime aplicável às autorizações já existentes

1.Para efeitos do cumprimento dos números anteriores, são revogadas todas as autorizações já existentes e ficam sem efeitos as notificações rececionadas relativas à libertação deliberada no ambiente para fim diferente da colocação em mercado, bem como da colocação em mercado de organismos geneticamente modificados.

2.É estabelecido um período transitório, a regular por portaria, com vista à reconversão de culturas, para o caso em que os pequenos agricultores utilizem organismos geneticamente modificados.

Artigo 6º

Contraordenações

1.Constitui contraordenação punível com coima de € 15.000 a € 150.000,00, no caso de pessoas singulares, e de € 35.000,00 a € 350.000,00, no caso de pessoas coletivas, a violação do disposto no artigo 1º do presente diploma.

2.Constitui contraordenação punível com coima de € 10.000 a € 100.000,00, no caso de pessoas singulares, e de € 30.000,00 a € 300.000,00, no caso de pessoas coletivas, a violação do disposto no artigo 2º do presente diploma.

3.A tentativa e a negligência são sempre puníveis.

Artigo 7º

Sanções acessórias

Consoante a gravidade da contraordenação e a culpa do agente, podem ser aplicadas, simultaneamente com a coima, nos termos da lei geral, as seguintes sanções acessórias:

  1. a) Interdição do exercício da atividade;
  2. b) Privação do direito a subsídios ou benefícios outorgados por entidades ou serviços públicos;
  3. c) Privação do direito de participar em concursos públicos que tenham por objeto o fornecimento de bens e serviços e a concessão de serviços públicos;
  4. d) Encerramento do estabelecimento e destruição das culturas.

Artigo 8º

Regulamentação

O Governo regulamenta a presente lei no prazo máximo de 180 dias, a contar da data de publicação.

Artigo 9º

Norma revogatória

São revogadas todas as disposições legais que contrariem o disposto na presente lei, designadamente o Decreto-Lei nº 72/2003, de 10 de abril e o Decreto-Lei nº 160/2005, de 21 de setembro.

Artigo 10º

Entrada em vigor

A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Assembleia da República, Palácio de S. Bento, 3 de novembro de 2015

Os Deputados

Heloísa Apolónia                                                                  José Luís Ferreira

CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO E BICMINHO UNEM-SE PARA APOIAR EMPRESÁRIOS MELGACENSES

 

SEMINÁRIO “ASSOCIATIVISMO EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE CRESCIMENTO”

DIA  5 de fevereiro, ÀS 18H00, NO SALÃO NOBRE DA CÂMARA MUNICIPAL

A Câmara Municipal de Melgaço é defensora do tecido empresarial melgacense e pautou, desde sempre, a sua atuação mostrando disponibilidade em colaborar com todas as iniciativas que o possam reforçar e fortalecer. Em 2015 foram desenvolvidos contatos junto da autarquia por parte de empresários que defendiam a criação de uma Associação Empresarial do concelho. A autarquia desde logo acolheu e abraçou este projeto. A 14 de outubro foi realizada uma reunião, durante a qual o Presidente da Câmara, Manoel Batista, declarou total disponibilidade para apoiar a criação deste fórum capaz de reforçar a ação individual de cada empresário.

Esta semana, decorreu mais uma reunião de trabalho com vista à concretização do desejo de muitos empresários locais: a criação da Associação Empresarial de Melgaço. A Câmara Municipal apoia esta intenção e está disposta a ajudar na concretização deste objetivo, entendendo que o associativismo empresarial é uma ferramenta de crescimento e de desenvolvimento. Manoel Batista entende ser este o caminho de futuro que permitirá dar dimensão a projetos ambiciosos e capazes de solidificar o tecido económico de Melgaço.

A autarquia, e sempre com o propósito de ajudar o tecido empresarial, organiza já no próximo dia 5 de fevereiro, às 18h00, no Salão Nobre, um seminário dedicado ao tema “Associativismo Empresarial: Uma ferramenta de Crescimento” em parceria com o BICMINHO, entidade com a qual será nesse mesmo dia assinado um protocolo de colaboração.

BICMINHO – CENTRO EUROPEU DE EMPRESAS E INOVAÇÃO é uma instituição sem fins lucrativos, certificada pela União Europeia com o EU-BIC para a promoção do Empreendedorismo e da Inovação, através do apoio à criação de novas empresas e à modernização e internacionalização das PME.

Com 15 anos de atividade, o BICMINHO atua ao serviço do interesse público da região e do país, tendo já apoiado a criação de mais de 229 novas empresas, com uma taxa de sucesso de 92%, responsáveis pela criação de mais de 3.000 novos empregos e de um volume de negócios global estimado em 2015 superior a 35 milhões de euros. Na área da Inovação Empresarial e Internacionalização o BICMINHO apoiou mais de 600 PME, que empregam mais de 8.650 trabalhadores em termos globais representam mais de 650 milhões de euros de volume de negócios, das quais 170 foram apoiadas ao nível da internacionalização.

O conceito EU-BIC (European Union Business and Innovation Centre) são um caso de sucesso com mais de 30 anos da intervenção da União Europeia. Criados em meados da década de 80 pela DG REGIO (então DG XVI), os EU-BIC são um exemplo clássico de como as atividades financiadas pela União Europeia podem e devem ter um impacto concreto no crescimento económico e no aumento da competitividade europeia. Em termos globais, os mais de 150 EU-BIC criaram milhares de novos negócios e dezenas de milhares de novos empregos qualificados e sustentáveis.

A rede dos mais de 150 EU-BIC apoiaram em 2013 em termos globais 12.300 empreendedores que deram origem à criação de 3.000 novas empresas, com uma taxa de sucesso de 90%, e ajudaram a captar cerca de 284 milhões de euros em investimento, incluindo financiamento público, bancário e de risco. Geraram cerca de 13.000 novos empregos em start-ups e PME, com um investimento público muito eficiente de cerca de 8.800 euros por cada emprego criado.

BRACARENSES FESTEJAM AO MÁRTIR S. VICENTE

Festividades em honra de São Vicente cumprem tradição

A Irmandade de São Vicente promove, mais uma vez, as tradicionais festividades em honra do Santo Padroeiro que se iniciam hoje, quarta e vão até ao próximo domingo, dia 24. À semelhança dos anos anteriores o objetivo da Irmandade é perpetuar uma das tradições de referência na cidade – a romaria em contexto urbano.

20/Jan

Hoje pelas 17:00h, na Igreja paroquial de São Vicente, inauguração da exposição que tem por título: "Entremeios e Viagens” e sub-título: “Percursos entre a Arquibasílica de S. João de Latrão e a igreja do Mártir S. Vicente em Braga".

21/Jan

As festividades têm o seu ponto alto na noite de 21 de janeiro com a ‘fogueirinha de São Vicente’ cuja cerimónia da bênção da fogueira está marcada para as 21:30h, seguindo-se o habitual arraial dos romeiros e forasteiros, que neste dia acorrem ao adro.

22/Jan

No dia 22, dia de São Vicente, a festa inicia-se a partir das 08:00h, com abertura da Igreja para que os fiéis cumpram a tradicional oferta da vela ao Santo, nomeadamente por parte das crianças, já que São Vicente é, em Braga, o Padroeiro das Crianças, que neste dia oferecem uma vela ao Santo para lhe pedir proteção contra a doença da varíola, popularmente conhecida como a doença das bexigas; às 19:00h terá lugar a eucaristia solene com sermão em honra de São Vicente. A romagem continua no fim-de-semana seguinte.

23 e 24/Jan

Como manda a tradição, no fim de semana imediatamente a seguir ao dia do Santo, a romagem ao Mártir São Vicente faz-se durante o dia. No sábado, até ao final da eucaristia das 18:00h.

No Domingo, às 12:00h, na Eucaristia estatutária da Irmandade de São Vicente, proceder-se-á à entrega de diplomas aos novos irmãos.

24/Jan

- 2ª Mostra de ‘Moletinhos de São Vicente’ e do ‘Licor Vicentino’

No domingo, às 09:30h, inauguração da 1ª Mostra de ‘Moletinhos de São Vicente’, sob a designação: “Tradicionais ou inovados, os ‘Moletinhos’ são amostrados”. No final das eucaristias dominicais das 10h00, 12h00 e das 19h:00, alguns tabuleiros de Moletinhos ofertados pelas pastelarias e padarias aderentes, serão leiloados, no âmbito da campanha de angariação de fundos “Abrigar São Vicente”.

- ‘Licor Vicentino’

Paralelamente à 2ª Mostra dos Moletinhos, partindo da experiência bem sucedida do ano transacto, será apresentado o ‘Licor Vicentino’ feito a partir de frutos vermelhos (silvestres). Em termos da simbólica inerente, a cor avermelhada, e respectiva textura/espessura do licor, remete-nos para o martírio de São Vicente. Uma bebida recomendável para acompanhar os Moletinhos.

Tarde

PROCISSÃO

Da parte da tarde, pelas 15:30h, sairá pela primeira vez a procissão em honra de São Vicente, que para além do figurado, com quadros alusivos à vida do Santo Mártir, contará ainda com três andores. Um do Sagrado Coração de Maria, outro de São João Batista e o do Santo protector das crianças, São Vicente.

No final da Procissão, Vésperas e bênção

19:00h - Eucaristia de encerramento da Romaria em honra do Mártir São Vicente.

BICMINHO APOIA IDEIAS INOVADORAS NO ACESSO A CAPITAL DE RISCO

Projetos inovadores de base científica e tecnológica em fase nascente podem candidatar-se até 3 de março a um financiamento até 750 mil euros

O BICMINHO está a apoiar diretamente os empreendedores que queiram concorrer à 14ª Call for Entrepreneurship, ajudando-os na preparação e qualificação das suas candidaturas, de forma a maximizar as suas hipóteses de serem selecionados para a obtenção de investimento de capital de risco que pode ir até 750 mil euros, ou até 85% das necessidades do projeto. Os interessados deverão entrar em contacto com o BICMINHO, membro da Rede de Parceiros do Programa de Ignição da iniciativa, e solicitar uma reunião para iniciar o processo ou obter mais informações. As candidaturas arrancam no dia 1 de fevereiro e terminam a 3 de março.

Trata-se de investimento da Portugal Ventures nos setores TICE & WEB (Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica, Tecnologias e conceitos para social web), Ciências da Vida (Biotecnologia, novas tecnologias, produtos e serviços para assistência médica, equipamentos e dispositivos médicos), Recursos Endógenos (Energia, Agroalimentar, Floresta e Mar), Nanotecnologia e Materiais e Inovação Tecnológica para o Turismo (serviços inovadores e produtos complementares à oferta tradicional do turismo nacional). Através dos Fundos de Capital de Risco (FCR) geridos pelos selecionados, poderá obter um valor que ascende a 750 mil euros, com um montante médio indicativo de 300 mil euros por projeto. O valor deste financiamento representará até 85% das necessidades de financiamento totais de cada projeto, sendo realizado ao longo de 2 anos de acordo com as metas definidas previamente. Será concedida aos promotores a maioria do capital social da empresa, aceitando-se a sindicação do investimento com outros investidores.

QUEM SE PODE CANDIDATAR?

Podem-se candidatar projetos inovadores e diferenciadores, que apresentem significativo potencial de crescimento no mercado global e que sejam implementáveis com os recursos disponíveis, que estejam posicionados em cadeias de valor internacionais, orientados a produto (bens transacionáveis e serviços), e baseados em I&D científico e tecnológico referenciado internacionalmente e que sejam representativos de uma iniciativa original dos promotores enquanto titulares de todos os direitos legais. As empresas devem ter a sua sede em Portugal.

São assim legíveis projetos em fase de Pre-Seed que já tenham completado o desenvolvimento de um protótipo funcional, de modo a permitir validar a aplicação da tecnologia e/ou da ideia de negócio, e que possuam evidência preliminar da sua aceitação pelo mercado, mesmo que ainda não tenham efetuado vendas, projetos em fase de Seed que já tenham alguns clientes e que estejam à procura de financiamento para expandir a sua atividade e projetos em fase de Start-up e Growth que já tenham uma gama de produtos e uma base de clientes, consolidada no mercado nacional, e que estejam à procura de investimento para a expansão internacional da sua atividade e/ou para aumentar a sua gama de produtos.

QUAIS OS PRINCIPAIS OBJETIVOS?

Reforço do ecossistema empreendedor português, melhorando a ligação entre empreendedores, centros de I&D, incubadoras, peritos e do setor de Capital de Risco em geral, promoção da valorização económica do conhecimento científico e tecnológico, aproveitando o seu potencial de transformação estrutural do tecido económico e de aumento dos fatores de competitividade, atração e retenção de talento e facilitação do acesso a investigadores globais e a parceiros estratégicos são os principais objetivos destes fundos.

A Portugal Ventures espera investir até 20 milhões por ano no âmbito do seu programa de ignição e os candidatos podem beneficiar do apoio da Ignition Partners Network - na preparação da candidatura para a mesma estar apta a investimento,mentoring e incubação, na concessão da maioria do capital social aos promotores, no mentoring por peritos, nacionais e internacionais e nos projetos financiados pela Portugal Ventures. Os projetos selecionados terão a oportunidade de serem incubados e acelerados em pólos de inovação internacionais e irão realizar-se várias Calls/Ciclos de investimento ao longo do ano.

BICMINHO – CENTRO EUROPEU DE EMPRESAS E INOVAÇÃO é uma instituição sem fins lucrativos, certificada pela União Europeia com o EU-BIC para a promoção do Empreendedorismo e da Inovação, através do apoio à criação de novas empresas e à modernização e internacionalização das PME.

Com 15 anos de atividade, o BICMINHO atua ao serviço do interesse público da região e do país, tendo já apoiado a criação de mais de 229 novas empresas, com uma taxa de sucesso de 92%, responsáveis pela criação de mais de 3.000 novos empregos e de um volume de negócios global estimado em 2015 superior a 35 milhões de euros. Na área da Inovação Empresarial e Internacionalização o BICMINHO apoiou mais de 600 PME, que empregam mais de 8.650 trabalhadores em termos globais representam mais de 650 milhões de euros de volume de negócios, das quais 170 foram apoiadas ao nível da internacionalização.

O conceito EU-BIC (European Union Business and Innovation Centre) são um caso de sucesso com mais de 30 anos da intervenção da União Europeia. Criados em meados da década de 80 pela DG REGIO (então DG XVI), os EU-BIC são um exemplo clássico de como as atividades financiadas pela União Europeia podem e devem ter um impacto concreto no crescimento económico e no aumento da competitividade europeia. Em termos globais, os mais de 150 EU-BIC criaram milhares de novos negócios e dezenas de milhares de novos empregos qualificados e sustentáveis.

A rede dos mais de 150 EU-BIC apoiaram em 2013 em termos globais 12.300 empreendedores que deram origem à criação de 3.000 novas empresas, com uma taxa de sucesso de 90%, e ajudaram a captar cerca de 284 milhões de euros em investimento, incluindo financiamento público, bancário e de risco. Geraram cerca de 13.000 novos empregos em start-ups e PME, com um investimento público muito eficiente de cerca de 8.800 euros por cada emprego criado. http://ebn.eu/sharedResources/users/59/Infographics_EBN_2014.pdf.

GRUPOS DE CANTADORES DE JANEIRAS VISITAM PAÇOS DO CONCELHO EM CELORICO DE BASTO

Os idosos que integram o programa Celorico a Mexer, em Celorico de Basto, deslocaram-se, esta semana, à Câmara Municipal para cantar as janeiras. A recebê-los esteve o vereador da Cultura, Fernando Peixoto, utentes e funcionários do município.

_DSC5994

 

O primeiro grupo a visitar a autarquia foi o grupo de Caçarilhe que interpretou a música “Janeiras – Haja Alegria neste dia e neste lar…” melodiosamente cantada e tocada pelos idosos e pelos técnicos que integram o programa.

“A tradição das janeiras deve ser preservada por isso, temos que agradecer a estes grupos que se unem para manter vivos os usos e costumes que nos caracterizam. Vir aos Paços do Concelho é para nós motivo de gratidão e felicidade sobretudo, pelo notório empenho na música apresentada” disse o vereador da Cultura, Fernando Peixoto.

O vereador aproveitou a oportunidade para convidar o grupo a participar no Encontro “Vamos Cantar as Janeiras” que terá lugar em Celorico de Basto, no dia 31 de janeiro.

Ao longo do mês são esperados vários grupos a cantar as janeiras na autarquia oriundos de vários pontos do concelho.

_DSC5964

PÓVOA DE LANHOSO INCENTIVA REABILITAÇÃO URBANA

Sessão de esclarecimento no dia 29 de janeiro, no Theatro Club

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promove, no próximo dia 29 de janeiro, uma sessão pública de Apresentação e Esclarecimento sobre os incentivos à Reabilitação Urbana.

ARU mapa

Esta sessão está marcada para as 21h00, no Theatro Club, e destina-se a toda a população em geral, e a Presidentes de Junta, proprietários de imóveis na área urbana, arquitetos, mediadores imobiliários, investidores e construtores civis, em particular.

O Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de outubro define área de reabilitação urbana (ARU) como a área territorialmente delimitada que, em virtude da insuficiência, degradação ou obsolescência dos edifícios, das infraestruturas, dos equipamentos de utilização coletiva e dos espaços urbanos e verdes de utilização coletiva, designadamente no que se refere às suas condições de uso, solidez, segurança, estética ou salubridade, justifique uma intervenção integrada, podendo ser delimitada em instrumento próprio ou corresponder à área de intervenção de um plano de pormenor de reabilitação urbana.

A aprovação da ARU da Póvoa de Lanhoso é uma competência da Autarquia e um passo instrumental para o lançamento de uma nova estratégia municipal de reabilitação urbana com investimentos de natureza pública e privada. A aprovação da delimitação da ARU da vila da Póvoa de Lanhoso habilita os proprietários de prédios urbanos (ou frações de prédios urbanos) localizados na ARU a usufruir de um conjunto diversificado de benefícios fiscais (ao nível de IMI, IMT, IRS, IRC e IVA).

Consciente de que um dos domínios que concorre de forma significativa para a sustentabilidade e atratividade territorial é o da intervenção urbana, a Autarquia decidiu proceder à delimitação da ARU da Vila da Póvoa de Lanhoso, considerando aquilo que são as dinâmicas, projetos e ações concretas, de natureza pública e privada presentes no Concelho.

No decorrer do primeiro trimestre deste ano, a Câmara Municipal vai promover a elaboração do Programa Estratégico de Reabilitação Urbana (PERU), que enquadrará a segunda fase de desenvolvimento da referida ARU e com o qual se procederá à aprovação da respetiva Operação de Reabilitação Urbana (ORU), na sequência do respetivo período de discussão pública.

Para além das possibilidades que a criação da ARU da Vila da Póvoa de Lanhoso abre definitivamente em termos de acesso a instrumentos de financiamento, designadamente no âmbito do atual Quadro Comunitário de Apoio, o Portugal 2020, para promotores públicos, privados e particulares, importa destacar, entre múltiplas vantagens e recursos, um conjunto de apoios e incentivos fiscais e financeiros aplicáveis a prédios urbanos alvo de ações de reabilitação, localizados no interior da ARU.

À exceção da aplicação da taxa reduzida de IVA, que apenas obriga a comprovar a integração no interior do polígono definido pelo limite da ARU, os restantes incentivos que se reportam a ações de iniciativa privada devem corresponder a obras de reabilitação das quais resulte uma melhoria do estado de conservação dos edifícios nos termos do Método de Avaliação do Estado de Conservação de edifícios.

GUIMARÃES ESTREIA CAFÉ MEMÓRIA

ESTREIA DO “CAFÉ MEMÓRIA” NO CCVF

Guimarães recebe no sábado primeira conversa em família sobre a doença de Alzheimer

“Café Memória” como encontro de reflexão estreia em Guimarães a 23 de janeiro. Apoio emocional e fornecimento de informações úteis decorrerão no quarto sábado de cada mês, entre as 10 e as 12 horas, no CCVF.

Café_Memória

O Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor recebe no próximo sábado, 23 de janeiro, a partir das 10 horas, a primeira sessão do Café Memória de Guimarães, ponto de encontro para pessoas com problemas de memória ou demência, destinado também a familiares e respetivos cuidadores, com o objetivo de serem partilhadas experiências, num espaço de reflexão e de suporte mútuo.

Com periodicidade mensal, as sessões do Café Memória, que decorrerão nos quartos sábados de cada mês, entre as 10 e as 12 horas, sempre no Café Concerto do CCVF, iniciam-se com o acolhimento individual de cada um dos participantes e prosseguem com a apresentação de um tema por um orador ou com a realização de atividades. De seguida, faz-se uma pausa para café destinada a promover um momento de convívio entre todos. A participação é gratuita e sem marcação prévia.

O protocolo para a realização desta ação foi assinado no passado dia 09 de dezembro, entre o Lar de Santa Estefânia, entidade promotora local da iniciativa, a Câmara Municipal de Guimarães, Hospital da Senhora da Oliveira, Lions Clube e Rotary Club de Guimarães, Restaurante Vila Flor e Associação Alzheimer Portugal e Sonae Sierra. Com este acordo, o projeto, com cerca de dois anos e meio de existência, passa a contar com dez locais de encontro a nível nacional, três deles em Lisboa.

«As sessões como espaço de encontro para partilhar, refletir e encontrar respostas especializadas de saúde, mas também de afeto, desde o princípio da doença até ao seu final, são muito importantes. Muitos dos cuidadores familiares de doentes de Alzheimer são-no durante 24 horas, sem fim de semana, sem férias! Necessitam também (e muito) de ajuda, especialmente de entidades capacitadas. Todas as iniciativas para dotar o nosso concelho de estruturas com competência especializada para darem uma resposta completa, na doença de Alzheimer, terão todo o meu empenhamento», afirma Domingos Bragança, Presidente do Município.

A adesão de Guimarães faz parte do programa de alargamento da iniciativa a diferentes regiões do país, com o objetivo de levar esta resposta social a um maior número de pessoas com problemas de memória ou demência, seus familiares e cuidadores. Desde o seu lançamento, em abril de 2013, o projeto registou 2.625 participações, maioritariamente de cuidadores e familiares de pessoas com demência, e tem contado com o apoio de 190 voluntários que já dedicaram cerca de 4500 horas ao projeto, tendo estado presentes cerca de 370 convidados, entre especialistas e pessoas interessadas na área das demências.

PÓVOA DE LANHOSO PRESERVA ACHADOS ARQUEOLÓGICOS

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso tem a decorrer o processo de tratamento do material arqueológico recolhido na escavação arqueológica da villa romana de Via Cova, na freguesia de Lanhoso. Quem desejar participar pode ainda fazê-lo.

Tratamento achados arqueologicos de via cova 1

“Este projeto de voluntariado ao nível da seleção e tratamento das peças vem no seguimento da nossa política de envolvimento das pessoas nas ações que vamos promovendo ao nível da valorização do nosso património. E é muito gratificante constatar que há sempre alguns povoenses que respondem positivamente a esta chamada”, refere o Vereador para a Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Armando Fernandes.“Esta é uma fase extremamente importante de todo o processo de preservação do acervo arqueológico que foi encontrado na villa romana de Via Cova, em Lanhoso. À medida que as peças foram aparecendo foram sendo recolhidas. Estamos, agora, numa fase mais minuciosa de identificação e tratamento desse espólio, para podermos mostrá-lo publicamente”, explica.

O processo de escavação arqueológica da villa romana de Via Cova ficou concluído em setembro de 2015, ficando a musealização e interpretação das ruínas para o ano de 2016. Deste trabalho arqueológico, realizado por voluntários, resultou um conjunto significativo de espólio, que após o processo de limpeza, conservação e consolidação, iniciado no mês de novembro de 2015 e que terminará no mês de fevereiro, permitirá compreender e, até, desmistificar o modus vivendi dos romanos, que se fixaram no concelho da Póvoa de Lanhoso no decorrer do séc.I a.C..

O estudo deste material, além de enriquecer o acervo arqueológico municipal, possibilitará avaliar a evolução que os artefactos foram sofrendo ao longo dos séculos, evidenciando, por outro lado, a importância que a própria villa romana teve no processo de romanização dos povoados castrejos dispersos pelo concelho.

Os resultados deste trabalho ficarão patentes ao público, no final do mês de março, na Sala de Interpretação do Território (SIT), sediada na Casa da Botica. “Estamos a estudar a possibilidade de encontrar outros locais, para além da Sala de Interpretação do Território, para expor os achados arqueológicos que temos em nosso poder. Entendemos ser muito importante que os povoenses tomem conhecimento dos resultados dos trabalhos de escavações arqueológicas que a autarquia promoveu no passado e continuará a promover no futuro”, revela Armando Fernandes.

Quem ainda estiver interessado em colaborar no tratamento do material arqueológico, deve efetuar a sua inscrição para arqueologia@mun-planhoso.pt.

CABECEIRAS DE BASTO RECEBE COM ENTUSIASMO CANTOR CARLOS ALBERTO MONIZ

Cantor Carlos Alberto Moniz levou ao rubro plateia do workshop ‘Cultura e Direitos de Autor’ na Casa do Tempo

O auditório da Casa do Tempo de Cabeceiras de Basto encheu-se esta manhã, dia 20 de janeiro, no âmbito do workshop ‘Cultura e Direitos de Autor’ que contou com a presença do cantor Carlos Alberto Moniz, da Dra. Ana Raimundo, diretora do Departamento de Promoção Cultural e Institucional da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e do Dr. Fernando Jorge Lima da Delegação de Braga da SPA.

DSC_0015

Coube ao presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, abrir esta sessão, cuja plateia foi muito participativa, sobretudo ao som das canções interpretadas pelo cantor Carlos Alberto Moniz.

Na oportunidade, o presidente da Câmara mostrou-se muito satisfeito com a realização desta iniciativa que colocou em cima da mesa temas tão atuais como são a cultura e os direitos de autor.

DSC_0005

Organizado pela Basto Vida, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), o workshop tem como destinatários os alunos do 11º e 12º ano do Externato de São Miguel de Refojos, num total de cerca de 100 alunos.

De referir que o workshop ‘Cultura e Direitos de Autor’ surge no âmbito da comemoração do Dia do Leitor, que é assinalado a 7 de janeiro, abordando as diversas, e por vezes complexas, questões relacionadas com o Direito de Autor.

Assim, esta ação teve como objetivo geral fazer com que a população adolescente compreenda que existe uma entidade que representa juridicamente os Direitos de um Autor, e as várias questões relacionadas com o mesmo, refletir porque é necessário lutar contra a pirataria.

DSC_0027

A ilegalidade e a legalidade de atos simples serão explicados, como por exemplo, ser dono de um CD não significa que possa pôr musica onde quiser.

A Proteção dos Direitos de Autor é reconhecida em todos os membros da União Europeia, nos países subscritores da Convenção de Berna para a Proteção de Obras Literárias e Artísticas e nos membros do Tratado da Organização Mundial da Propriedade Intelectual sendo fulcral uma abordagem pedagógica junto da população mais nova.

DSC_0034

BRACARENSES DEBATEM POLÍTICAS DA JUVENTUDE

Projecto ‘100% Youth City’: Bracarenses desafiados a reflectir sobre políticas de Juventude

O Município de Braga acaba de lançar um inquérito com o objectivo de recolher a opinião dos jovens Bracarenses, entre os 16 e os 35 anos, sobre a forma como devem ser definidas as políticas de apoio e financiamento à Juventude.

CMB05112014SERGIOFREITAS0000089

O questionário enquadra-se no projecto ‘Erasmus+ 100% Youth City’, uma iniciativa inovadora do Município e da Fundação Bracara Augusta, financiado pelo Programa Erasmus+ Juventude em Acção, que tem como objectivo a certificação das políticas de Juventude de base local no contexto Europeu.

Durante 2016, e no contexto da Braga 2016 – Capital Ibero-Americana da Juventude, o projecto prevê a realização de vários momentos de auscultação sobre o financiamento, infra-estruturas e apoio técnico à juventude, a participação juvenil e medidas de co-gestão, e ainda sobre planeamento estratégico de juventude.

Os resultados deste inquérito serão fundamentais para a reforma política a identificar no que respeita aos modelos de financiamento à Juventude Bracarense.

O questionário está disponível no site do Município de Braga, em www.cm-braga.pt, ou através do linkhttps://goo.gl/FEtPg5.

CINEASTA LAURO ANTÓNIO VAI A PONTE DE LIMA FALAR DE VERGÍLIO FERREIRA

Ponte de Lima - Realizador Lauro António no Auditório Rio Lima no dia 4 de fevereiro / 9h30

O Município de Ponte de Lima promove a palestra intitulada No centenário de Vergílio Ferreira, com o cineasta e crítico de cinema, Lauro António, no próximo dia 04 de fevereiro, pelas 09h30, no Auditório Rio Lima.

Esta iniciativa integra o programa comemorativo dos 100 anos de nascimento do escritor Vergílio Ferreira (1916-2016) e dirige-se não só à população estudantil, mas também ao público em geral, convidado a associar-se ao tributo endereçado a um dos maiores vultos da ficção nacional da segunda metade do século XX.

A palestra, que versará, entre outras temáticas, sobre a adaptação ao cinema do romance Manhã submersa, permitirá o contacto com o realizador que melhor conheceu Vergílio Ferreira, em ambas as esferas profissional e pessoal.

Uma sessão que, além do tributo ao autor de Aparição, constituirá uma oportunidade para travar conhecimento com uma das figuras mais emblemáticas do cinema português e da crítica cinematográfica, um defensor da Sétima Arte e da sua história.

Participe na homenagem e compareça no Auditório Rio Lima. Para mais informações consultar a Biblioteca Municipal.

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO DESCENTRALIZA COMPETÊNCIAS

Presidentes de Junta assinam acordos de execução com a Câmara Municipal. Política de descentralização distribui 190 mil euros pelas freguesias

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, acompanhado pelos vereadores, assinou ontem, dia 19 de janeiro, os acordos de execução para 2016 com todos os presidentes de Junta de Freguesia do concelho. Estes contratos preveem a limpeza de estradas, caminhos e espaços públicos pelas Juntas de Freguesia, através da transferência de um montante global de 190 mil euros durante o ano de 2016.

Presidentes de Junta assinam acordos de execução

De referir que os contratos de execução foram todos aprovados por unanimidade por todos os órgãos autárquicos: pela Câmara Municipal, pela Assembleia Municipal, pelas Juntas e Assembleias de Freguesia.

Para além da limpeza das estradas e caminhos existentes, ficaram também contempladas a limpeza de vários espaços públicos e equipamentos, tais como a Pista de Pesca Desportiva de Cavez, a Ecopista, no Arco de Baúlhe e Vila Nune, a Zona de Lazer do Oural, em Abadim, o Parque Florestal de Cabeceiras de Basto, entre outros como as áreas de lazer e praias fluviais, que por força da celebração de acordos de execução com as respetivas Juntas de Freguesia, ficará da responsabilidade daquelas. Quanto à manutenção desses equipamentos e ainda dos parques infantis, ficam sob a responsabilidade da Câmara Municipal que fará as intervenções que visem a sua melhoria e a boa e segura utilização por parte dos seus utilizadores.

Presidentes de Junta assinam acordos de execução

De referir que a celebração destes acordos de execução com as Juntas de Freguesia resultou de um trabalho de proximidade e diálogo permanente com os autarcas, sem os quais a definição dos acordos não seria possível.

Com efeito, a experiência acumulada de vários anos, a escassez de recursos humanos do Município de Cabeceiras de Basto e a necessidade de assegurar a prestação de serviços básicos às populações permitiram concluir que o exercício desta competência pelas Juntas de Freguesia é uma solução adequada, eficiente e eficaz.

Na negociação, celebração, execução e cessação do Acordo de Execução estiveram e estarão sempre garantidos os princípios da igualdade, da não discriminação, da estabilidade, da prossecução do interesse público, da continuidade da prestação do serviço público e da necessidade e suficiência dos recursos.

No final da assinatura dos protocolos, o presidente da Câmara manifestou a sua satisfação pelo facto de este processo de celebração de acordos ter sido acolhido por todos, concordando que esta é uma forma de descentralização que terá benefícios para as pessoas e território, na medida em que com a execução destes trabalhos pelas Juntas de Freguesia – órgãos autárquicos de maior proximidade – conseguir-se-á mais eficácia nos resultados pretendidos.

Presidentes de Junta assinam acordos de execução

VIMARANENSES DEBATEM ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

Autores partilham experiências de projetos executados pelo Orçamento Participativo de Guimarães.

Encontro decorre ao início da tarde desta quarta-feira, na Plataforma das Artes. A importância dos projetos e o seu impacto social serão analisados pelos protagonistas.

Orcamento_Participativo

A Câmara Municipal de Guimarães promove esta quarta-feira, 20 de janeiro, entre as 14:30 e as 17 horas, na Sala de Conferências da Plataforma das Artes e da Criatividade, uma sessão de partilha de experiências e de divulgação de projetos do Orçamento Participativo que entretanto terminaram ou estão em vias de conclusão.

O Vice-Presidente do Município, Amadeu Portilha, irá proceder à abertura do programa, que contará com a presença dos proponentes de propostas já implementadas em 2013, 2014 e 2015. Além da apresentação pública dos seus projetos, decorrerão demonstrações de dois grupos de voluntários que desenvolveram projetos de teatro.

Temáticas relacionadas com parques de lazer, parques infantis, o mês cultural de Sande, a construção de parques de Street Workout e o Scanproject são alguns dos projetos materiais a serem apresentados. A sessão servirá para realçar a importância das ideias de cariz social e o impacto que têm nas comunidades, bem como a sua continuidade que está a ser trabalhada em determinados casos.

O encontro, cuja sessão de encerramento está a cargo da Vereadora Paula Oliveira, contará ainda com a apresentação de projetos imateriais, como são os casos do Sketch Projeto Tabu, Projeto Tabu, Então Vamos, Promoção da Qualidade de Vida, Loja Social Tabuadelo, Projeto Raízes, Projeto CHAA – Equipa de apoio do Centro Hospitalar do Alto Ave, Sketch “Então Vamos” e Projeto PEP – Competências Psicológicas.

OBSERVATÓRIO TURÍSTICO DE MELGAÇO DÁ PRÉMIOS

Turista da Galiza ganha voucher para a Quinta de Remoães

Um turista de Villagarcia de Arousa, Galiza, foi contemplado com um voucher de duas noites, na Quinta de Remoães, numa oferta do promotor e no âmbito do sorteio que o Observatório Turístico realiza a cada quatro meses para premiar os visitantes que cedem informação sobre a sua visita a Melgaço.

O Observatório Turístico pretende promover, recolher e organizar dados que permitam compilar informação sistematizada acerca da oferta e da procura turística em Melgaço. Nesta sua tarefa, conta com parceiros estratégicos como a Universidade do Minho, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo e as escolas secundárias e profissionais – o que permitem criar valor acrescentado ao projeto e ao tecido empresarial.

Ao longo dos anos este Observatório realizou junto dos turistas uma série de inquéritos com o propósito de recolher os pontos fortes e os pontos fracos do turismo. Desde 2015 em plataforma digital, este registo permite medir o grau de satisfação dos visitantes, bem como descobrir as motivações para a visita ao concelho. Os visitantes são convidados a contar a sua experiência e os que o fizeram ficam habilitados a um sorteio.

O Observatório torna possível informação real, completa e adequada que permite orientar as ações turísticas e institucionais a realizar.

ACIAB PROMOVE FEIRA DOS SALDOS EM PONTE DA BARCA

De 5 a 9 de fevereiro na Praça da República

Ponte da Barca vai receber, de 5 a 9 de fevereiro (de sexta a terça-feira), a Feira dos Saldos, uma iniciativa organizada pela ACIAB em parceria com a Câmara Municipal de Ponte da Barca e o tecido empresarial do concelho.

Com entrada gratuita, a Feira dos Saldos estará aberta ao público a partir das 17h00 do dia 5 de fevereiro (sexta-feira); de 6 a 8 de fevereiro (sábado a segunda-feira) abrirá as 10h00 e encerrará às 23h00 e no dia 9 de fevereiro (terça-feira) o horário será das 10h00 às 20h00.

O evento contará com um conjunto de estabelecimentos que proporcionam ao público produtos a preço de saldo, com descontos que chegam até aos 70%. Até ao momento, já foram realizadas diversas iniciativas neste âmbito com o objetivo de proporcionar às empresas a possibilidade de escoar o seu stock e ao mesmo tempo facultar aos clientes a possibilidade de obter bons produtos a preços muito mais baixos.

Pretende-se com este tipo de iniciativas criar movimento e fomentar o tecido empresarial da região, incutindo vitalidade ao comércio e fidelizando os clientes, trabalhando assim a dinâmica de proximidade entre o consumidor e as empresas de forma a impulsionar o seu crescimento.

Convidamos toda a população a visitar a Feira dos Saldos e a fazer compras no Comércio Tradicional, aproveitando todas as vantagens que este tem para lhe oferecer.

LUÍSA DUCLA SOARES E DANIEL COMPLETO APRESENTAM EM BARCELOS “O SOM DAS PALAVRAS” E “O ECO DA ECOLOGIA”

Luísa Ducla Soares e Daniel Completo estarão em Barcelos nos dias dias 25 e 26 de janeiro para apresentarem os livros “O Som das Palavras” e “O Eco da Ecologia”.

Ao longo dos dois dias, os alunos terão a oportunidade de conviver com uma figura ímpar da literatura infanto-juvenil e de se divertirem ao som da guitarra de Daniel Completo.

Os autores vão estar presentes no dia 25 de manhã, no Centro Escolar António Fogaça e, da parte da tarde, na EB1 da Pousa. No dia seguinte, da parte da manhã, realizar-se-ão duas sessões, às 9h30, na EB1 de Carapeços e, às 11h00, na EB1 de Abade de Neiva.

Esta deslocação faz-se a convite do Pelouro da Educação e Bibliotecas da Câmara Municipal de Barcelos, em colaboração com a Biblioteca Municipal e a Rede de Bibliotecas Escolares.

Maria Luísa Bliebernicht Ducla Soares de Sottomayor Cardia nasceu em 1939, em Lisboa. É licenciada em Filologia Germânica, tendo trabalhado, desde 1979, na Biblioteca Nacional. A escritora iniciou a sua actividade profissional como tradutora, consultora literária e jornalista e colaborou em diversos jornais e revistas. Foi adjunta do Gabinete do Ministro da Educação, entre 1976 e 1978.

Luísa Ducla Soares é sócia fundadora do Instituto de Apoio à Criança, escreveu guiões televisivos e preparou diversos sítios na Internet, tendo concretizado, para o Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, para o Ministério da Educação e para a Fundação Gulbenkian, diversas publicações de literatura infantil nacional e internacional. Vários poemas seus foram inclusivamente musicados.

A autora já publicou mais de 100 obras e é considerada uma das escritoras com maior visibilidade no mundo literário infanto-juvenil. Os seus livros encontram-se, aliás, traduzidos em diversas línguas, nomeadamente em francês, catalão, basco e galego. Em 2004, foi seleccionada como candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen.

Daniel Completo nasceu em Lisboa em 1964. Licenciou-se em Educação Musical e iniciou a sua actividade como professor do ensino básico no ano de 2000. Unindo a música com as palavras, esteve ligado a um dos mais genuínos registos da Música Tradicional Portuguesa, integrando o grupo "Ronda dos Quatro Caminhos" durante 15 anos, trilhados na década de 80. Unindo a música com as palavras, tem feito uma viagem ao longo dos últimos anos por vários trabalhos infantis, regularmente editados em livros e Cds. Com o decorrer dos anos, os caminhos foram mudando, e os estilos musicais foram sendo vocacionados para os mais novos. Mantendo a linha mestra, utilizou, nas gravações, diversos instrumentos genuínos que dão a conhecer os valores tradicionais da nossa cultura musical através da sonoridade do violino, do acordeão, da guitarra portuguesa, do adufe, e dos bombos, entre outras percussões.

Daniel Completo realiza espectáculos infantis regularmente organizados por Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia, entre outras entidades. Desenvolve também regularmente visitas de autor com ações de incentivo à leitura junto de escolas, bibliotecas e feiras do livro. Nos trabalhos realizados em parceria com a escritora Luísa Ducla Soares existe sempre uma constante procura de valorização dos temas, que fazem parte da nossa tradição literária, apresentando assim uma vertente pedagógica que valoriza junto das crianças, todo um imaginário.

CINE TEATRO JOÃO VERDE EM MONÇÃO RECEBE ESTREIA NACIONAL DE “OS CANGALHEIROS”

Peça de teatro de comédia, encenada e interpretada por Heitor Lourenço e Miguel Dias, atores da telenovela “Bem-Vindos a Beirais”, RTP 1, é apresentada no dia 23 de janeiro, sábado, pelas 21h30. Trata-se da segunda estreia nacional no Cine Teatro João Verde após “As mentiras que os homens contam” em agosto passado.

Os cangalheiros

O Cine teatro João Verde recebe no dia 23 de janeiro, sábado, pelas 21h30, a estreia nacional da peça de teatro de comédia “Os Cangalheiros”. A lotação está praticamente esgotada, faltando apenas vender 12 bilhetes. Informações na Loja Interativa de Turismo T. 251 649 013.

Com autoria de Roberto Pereira e encenação/interpretação de Heitor Lourenço e Miguel Dias, atores na telenovela “Bem-vindos a Beirais, RTP 1, a ação desta comédia teatral decorre no interior de uma cela, em tempo real, desde o momentoque os dois primos e sócios de uma funerária são detidos, por engano mas não sabem, até à altura em que são libertados.

Donos de um passado ligado ao pequeno crime e às golpadas, os primos e sócios nunca pensaram que a justiça iria puni-los. Enganaram-se. Agora, entre muito humor e alguns disparates, vão desencadear diversos momentos sérios e de grande densidade emocional.

Situação que leva o público a pensar que o sistema prisional está a transformar aqueles seres errantes em pessoas melhores. Nada mais enganoso. Pau que nasce torto, nunca mais se endireita. No final, percebe-se que aquilo que se diz e promete em momentos de adversidade e apuro, depressa se esquece e tudo volta ao mesmo.

A peça “Os Cangalheiros” é a segunda estreia nacional a decorrer no Cine Teatro João Verde. A primeira aconteceu em agosto passado com dupla apresentação de “As mentiras que os homens contam”, textos de Luís Fernando Veríssimo e interpretações de Almeno Gonçalves, Joaquim Nicolau, Fernando Ferrão e António Melo.

SOALHEIRO ALLO 2015 APRESENTA NOVA IMAGEM

Soalheiro ALLO afirma-se como um Soalheiro de menor teor alcoólico

De elegância assumida, e com uma enorme consistência no seu perfil refrescante, a colheita de 2015 do ALLO – Alvarinho & Loureiro, está já em lançamento e, este ano, com uma novidade: uma nova imagem. ALLO afirma-se como um dos Soalheiro de menor teor alcoólico, 11% em volume, e vai já na 5ª colheita da Quinta de Soalheiro, a Primeira Marca de Alvarinho de Melgaço. Esta nova imagem reflete o crescente papel que o ALLO (alô) tem vindo a assumir na família Soalheiro devido ao seu teor alcoólico naturalmente baixo, elegante e consistente, consolidando uma perfeita integração na restante gama de vinhos.

O Soalheiro ALLO 2015 vem assim fazer companhia ao Soalheiro 2015 clássico permitindo a descoberta de dois vinhos bem diferentes. O Soalheiro clássico elaborado 100% com a casta Alvarinho mais aromático, estruturado e persistente e o Soalheiro ALLO que conjuga o Alvarinho com o Loureiro muito elegante, descontraído e refrescante.

Com uma cor amarela citrina e um aroma elegante e mineral, o Alvarinho, cheio de frutos intensos e estrutura, contrasta com o Loureiro floral e pleno de elegância, conferindo-lhe um equilíbrio ímpar: o Alvarinho confere estrutura e o Loureiro a distinção aromática. Em 2015, a floração ocorreu duas semanas mais tarde do que a última colheita, devido à pouca precipitação no inverno, iniciando-se a colheita na primeira semana de setembro 'para manter o perfil refrescante característico dos nossos vinhos’, refere Luís Cerdeira, que sucedeu ao seu pai como enólogo do Soalheiro desde 1994, salientando que ‘O Soalheiro ALLO 2015 é um vinho bem definido, simultaneamente refrescante e pleno de elegância.’ Durante a maturação os meses de verão, e especificamente agosto, tiveram temperaturas moderadas durante o dia e noites frias, que favoreceram uma maturação lenta e a concentração dos aromas nas uvas, e o início de setembro seco contribuiu para um equilíbrio perfeito entre o Alvarinho e o Loureiro.

Na Quinta de Soalheiro cada detalhe é importante para manter os diferentes sabores e aromas característicos dos ‘terroirs’ do Soalheiro. As uvas, exclusivamente da casta Alvarinho e Loureiro, são colhidas manualmente em caixas de pequena capacidade que são transportadas para a adega num curto espaço de tempo. Após a prensagem, o mosto obtido decanta durante 48 horas, seguindo-se a fermentação, a uma temperatura controlada, usando leveduras pré- selecionadas para o efeito. O engarrafamento efetua- se após a estabilização do vinho, sendo seguido de um estágio em garrafa.

A ORIGEM DO NOME

ALLO (alô) pode ser apenas um cumprimento ou ter surgido com inspiração na famosa série com o mesmo nome, Allo Allo, conta a história de René Artois, proprietário de um café francês na vila de Nouvion, mas são as iniciais de Alvarinho e Loureiro, duas castas nobres do Alto Minho, que pela sua qualidade e diferente personalidade, se têm afirmado no seu primórdio.

ALLO é ideal como aperitivo ou para acompanhar mariscos, pratos de peixe ou pratos de carnes de aves.

A DIVERSIDADE DE AROMAS DO VINHO SOALHEIRO

O Soalheiro é considerado um especialista em Alvarinho pelos líderes de opinião internacional e nacional, pelo que na sua gama de vinhos se destacam a trilogia composta pelo Soalheiro clássico, efetivamente um clássico e o vinho com maior presença internacional; o Soalheiro Primeiras Vinhas, uma referência nos Alvarinhos e, por quatro vezes consecutivas, considerado o Melhor Vinho Branco Nacional; e o Soalheiro Reserva, a expressão máxima da casta alvarinho com a fermentação em barrica. Aos quais se juntam os dois espumantes Soalheiro, o clássico Bruto e, mais recentemente, o Bruto Rosé, não esquecendo ainda os inovadores ALLO e Soalheiro 9%, que se distinguem pelo teor alcoólico moderado com enorme elegância e frescura, e que procuraram explicar que o álcool moderadamente baixo também está associado a vinhos de grande qualidade.

Para posicionar os seus vinhos entres os melhores do mundo a Quinta de Soalheiro tem procurado implementar os melhores princípios vitícolas e enológicos, de forma a potenciar a expressão dos seus ‘terroirs’ e é por isso que lançou recentemente o Soalheiro Oppaco com um lote de Vinhão e Alvarinho. Abre assim um novo capítulo da história da primeira marca de Alvarinho em Melgaço ao apresentar o seu primeiro vinho tinto, também pioneiro por se tratar de um vinho tinto da região com lote de uvas tintas (Vinhão) e uvas brancas (Alvarinho). Mas já em setembro a Quinta de Soalheiro tinha lançado o Terramatter, um Soalheiro integralmente diferente, feito com uvas de produção biológica.

26 MERCADOS DE EXPORTAÇÃO

Presente em 26 mercados de exportação, nomeadamente na Alemanha, Angola, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do sul, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Letónia, Luxemburgo, Noruega, Polónia, Suécia, Suíça, Singapura, e mais recentemente na Bulgária e na República Trindade e Tobago o vinho Soalheiro tem registado um crescimento internacional gradual e constante em todos os países, inclusive no mercado nacional. É de salientar que em Portugal a presença nos locais de referência tem-se feito sentir, com maior notoriedade, em estabelecimentos de restauração, garrafeiras e winebars.

QUINTA DE SOALHEIRO, UM REGISTO FAMILIAR

Foi nos anos 70, nomeadamente em 1974, que João António Cerdeira, com o apoio de seu pai, António Esteves Ferreira, plantou a primeira vinha de Alvarinho, criando, em 1982, a primeira marca de Alvarinho em Melgaço. A Quinta de Soalheiro tem um perfil profundamente familiar cuja dedicação aos vinhos se expressa em vinhos elegantes e vibrantes, sendo atualmente Maria Palmira Cerdeira e seus filhos, Maria João Cerdeira e António Luís Cerdeira, a orientar os trabalhos. As sucessivas gerações, com a sua experiência, têm-se empenhado em apurar os conhecimentos e a capacidade de produzir vinhos cada vez melhores. É uma ligação clara entre o passado, o presente e o futuro. As gerações trabalham lado a lado para, juntas, olharem para o futuro deste sector e desta região. Tudo têm feito para implementar as melhores tecnologias vitícolas e enológicas, de forma a potenciar a expressão dos seus “terroirs”.

175 BRACARENSES JÁ VOTARAM PARA ESCOLHER O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Processo de votação antecipada nas Presidenciais terminou a 19 de Janeiro. 175 Eleitores exerceram o direito de voto antecipado em Braga

Foram 175 os eleitores inscritos nos cadernos eleitorais das freguesias do Concelho de Braga que já exerceram o seu direito de voto antecipado nas Eleições Presidenciais de 2016, por não poderem marcar presença no acto eleitoral do próximo domingo, 24 de Janeiro.

Braga

O processo de votação antecipada decorreu de 11 a 19 de Janeiro e é um direito consignado pela Lei a todos os eleitores que justificaram a impossibilidade de se deslocar à assembleia de voto no dia do sufrágio eleitoral.

Dos 175 eleitores que requereram o voto antecipado em Braga, 125 são reclusos do Estabelecimento Prisional de Braga (52 eleitores de Braga e 73 eleitores de outras localidades), 43 são eleitores impedidos de votar por motivos profissionais e sete são estudantes de outras localidades.

HOJE É DIA DE S. SEBASTIÃO, SANTO PROTETOR DA EPIDEMIA, A FOME E A GUERRA

Tradição da "Mesa dos Quatro Abades" em Ponte de Lima deveria realizar-se no dia de S. Sebastião

Um pouco por todo o país, celebra-se hoje a festa litúrgica a S. Sebastião, advogado contra a epidemia, a fome e a guerra. Tais festividades, na maioria dos casos, tiveram origem precisamente em ocasiões que se verificaram a propagação de pestes muito recorrentes durante a Idade Média e que, quase sempre vitimavam uma parte considerável da população.

Em Portugal, foi sobretudo a partir do século XVI que o culto se desenvolveu, não sendo alheio o facto de seu nome ter sido atribuído ao Rei D. Sebastião por este ter nascido a 20 de Janeiro, dia que é consagrado ao mártir S. Sebastião.

Reza a lenda que S. Sebastião nasceu em Narbonne, no sul de França – ou terá sido em Milão – oriundo de uma família nobre. Atingida a idade adulta, terá ido viver para Roma onde se alistou no exército romano, ao tempo de Dioclesiano, altura em que se intensificaram as perseguições aos cristãos. Desconhecendo, porém, a sua fé cristã, o Imperador chegou a promovê-lo capitão da guarda pretoriana.

Mas, a sua fé e conduta branca em relação aos prisioneiros acabaram por atrair sobre si a ira do imperador que o julgou como traidor e condenou à morte, tendo sido cravado de flechas e o seu corpo lançado ao rio. No entanto, tendo sobrevivido, viria a ser de novo condenado à morte por espancamento e o seu corpo atirado aos esgotos de Roma. O seu corpo veio a ser resgatado por Santa Luciana que o depositou nas catacumbas da cidade.

Para além da data do seu martírio e local do seu sepultamento, a narrativa histórica é inexata e pouco consistente. Não deixa, contudo, do seu culto ser um dos mais celebrados entre os cristãos, tanto católicos como ortodoxos.

Refira-se que, sendo S. Sebastião o santo protetor contra a epidemia, a fome e a guerra, é o seu culto que está na origem de diversas tradições populares como sucede com a “mesa dos quatro abades” que se realiza no concelho de Ponte de Lima, agora em data deslocada do calendário.

BANDA "TRÊSPORCENTO" ATUA EM PONTE DE LIMA

TRÊSPORCENTO. 22 de Janeiro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

No próximo fim-de-semana há muita e boa música no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, a começar na sexta-feira, dia 22, às 21h30, com a banda Trêsporcento.

Os Trêsporcento voltaram em 2015 com dois novos singles, «Homem Novo» e «Aguentem-se os fracos». Estes temas, gravados entre Lisboa e Sydney, registam o regresso da banda a estúdio, quase três anos após as sessões que resultaram na edição de «Quadro» (Azáfama, 2012), o último disco de estúdio da banda.

Afastados dos palcos desde o primeiro trimestre de 2014, altura em que a banda esgotou o Musicbox Lisboa e terminou, precisamente em Sydney, a digressão de apresentação do disco ao vivo «Lotação 136», a banda regressou aos palcos no verão de 2015, contando com participações no Festival Bons Sons, no NOS em D'Bandada, no Festival Nova Música, entre muitas outras.

A banda, que prepara disco novo para 2016, conta com quatro discos na sua discografia: Trêsporcento (EP 2009), Hora Extraordinária (2011), que deu a conhecer o tema “Elefantes Azuis”, «Quadro» (2012), de onde saíram “Veludo” e “Cascatas” e, finalmente, «Lotação 136» (2014).

Para além deste concerto, o Teatro Diogo Bernardes apresenta ainda em Janeiro o concerto do quinteto de jazz de Maria João || OGRE, no sábado, 23 e o espectáculo de teatro “BemMarMeQuer”, baseado no texto de Mia Couto, pelo Teatro Art’Imagem, a 30.

Para Fevereiro, os diversificados públicos poderão apreciar distintos espectáculos: a abertura nacional do Um Ao Molhe, Festival Itinerante de One-Man-Bands, com a participação de Ana Deus, Coelho Radioactivo e O Manipulador, num espectáculo que englobará três concertos distintos, no dia 5; o concerto comemorativo dos 25 anos da banda limiana Kamikazes, no dia 6; a peça de teatro “O Som e a Fúria”, de William Faulkner, pelo Teatro Mosca, com Filipe Araújo, João Cabral e Ruben Chama (actores), Catarina Correia, Margarida Costa e Inês Pedruco (bailarinas) e Ruben Jacinto (músico), no dia 13; o concerto da Banda de Música de Ponte de Lima, no dia 14; o concerto dos The Happy Mess no dia 19; o concerto de Rodrigo Leão, a 20; e o espectáculo de teatro “As Cadeiras”, de Eugène Ionesco, pela Companhia de Teatro O Cão Danado, em estreia nacional em Ponte de Lima, numa co-produção com o Teatro Diogo Bernardes, nos dias 27 e 28.

Para Março, estão já programados os concertos de Teresa Salgueiro, no dia 5; de Golden Slumbers; de Abalone Dots, grupo de indie/folk sueco; da Banda Musical de S. Martinho da Gandra; e a peça de teatro “Morro de Amores”, pela Fértil Cultural, também em co-produção com o Teatro Diogo Bernardes, espectáculo que percorrerá, além da apresentação no Teatro Diogo Bernardes, algumas freguesias do concelho, em comemoração do mês do teatro.

Mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.

QUINTA PEDAGÓGICA DE BRAGA COMEMORA 12 ANOS DE EXISTÊNCIA

12.º Aniversário da Quinta Pedagógica de Braga. Quinta-feira, 21 de Janeiro, 10h30, Quinta Pedagógica

O Município de Braga comemora o 12.º Aniversário da Quinta Pedagógica de Braga, que se irão realizar amanhã, dia 21 de Janeiro, pelas 10h30, nas instalações da Quinta Pedagógica (Caminho dos Quatro Caminhos, junto à Capela de S. Frutuoso, em Real).

Segue o programa completo das comemorações:

09h30 – Recepção às 150 crianças oriundas da EB1 das Parretas e J.I. da Fundação Vieira Gomes e a cerca de 30 idosos do Lar de Fraião e Seniores do Fundo Social dos Funcionários do Município e Empresas Municipais.

09h45 - Início das visitas à Quinta; actividades pedagógicas com pinturas e passeios equestres nos percursos indicados, ministrados pelo voluntário Adelino Martins.

10h30 - Recepção aos convidados.

10h45 - Recepção Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, acompanhado pelo Vereador do Ambiente, Energia e Desenvolvimento Rural, Altino Bessa, e da Vereadora da Educação e Cultura, Lídia Dias.

11h00 – Apresentação do vestuário uniforme para os funcionários da Q.P e conferência de Imprensa.

11h15 - Parabéns à Quinta cantado em uníssono pelas crianças, idosos e convidados presentes.