Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MAIS DE DUAS CENTENAS E MEIA DE PESSOAS FORAM AOS ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO DIZER O QUE QUEREM QUE A CÂMARA DE CAMINHA FAÇA COM OS SEUS IMPOSTOS

Orçamento Participativo de Caminha completou a primeira fase com enorme sucesso

Mais de meia centena de participantes, 30 propostas apresentadas nos grupos, 10 apresentadas ao Plenário e cinco destas selecionadas para análise técnica: este foi o saldo do Encontro de Participação realizado ontem, nos Paços do Concelho, o último dos seis que aconteceram no concelho e nos quais os cidadãos disseram o que querem que a Câmara faça com os seus impostos. O modelo de Orçamento Participativo adotado pelo Município é completamente inovador e representa uma nova forma de estar e de trabalhar na Câmara de Caminha. No total, estes encontros mobilizaram mais de 250 cidadãos, com muitas ideias e projetos, o que se traduz desde já num enorme sucesso e numa demonstração de grande vitalidade democrática e de forte vontade de participação na gestão local.

Participativo 1

Depois de Dem, Seixas, Venade, Âncora e Vila Praia de Âncora, o último dos seis encontros de participação teve lugar no final da tarde de ontem, em Caminha, com 52 cidadãos a juntarem-se em grupos, onde foram discutidas três dezenas de propostas, das quais seriam selecionadas e apresentadas no plenário 10, chegando à fase final as cinco mais votadas.

Para o presidente da Câmara de Caminha, esta grande participação mostra que a população não está alheada da política e quer ter uma palavra a dizer: “esta é uma nova forma de se contribuir para a governação do Município, com aquilo que são os seus recursos”.

O modelo de Orçamento Participativo de Caminha “pega” naquilo que são os impostos pagos pelas pessoas em termos de IRS e dá a palavra aos cidadãos, que são convidados a apresentar propostas para obras que querem ver concretizadas no seu concelho.

Participativo 2

Grande adesão e muitas ideias

A primeira fase de implementação do Orçamento Participativo foram os Encontros de Participação que, no total, contaram com 267 participantes., que trabalharam com equipas da Câmara Municipal, formadas por funcionários que se ocuparam da organização e moderação dos seis encontros, tendo para isso recebido formação adequada. Outros funcionários, reunidos em equipas técnicas, vão agora avaliar as propostas selecionadas.

Ontem foram votadas em Plenário segundo a ordem de pontuação, as seguintes propostas: Reparação de Cais da Rua e colocação de Turco (31); Dragagem do canal do Cais da Rua (15); Melhoramento do Cais da Vila / rampa (13); Meia casa como espaço do pescador – Caminha (13); Capela mortuária – Caminha (11); Requalificação da rua D. Urraca – Vilarelho (6); Beneficiação do cais da Rua e do cais do Quintas (5); Eletrificação e água na Foz do Minho “Quintas” (2); Plantação de folhosas na Serra d’Arga (1) e Montagem do turco no Cais da Rua – Caminha (1).

Assim, serão submetidas a análise técnica de validação as cinco propostas mais votadas, ou seja, de Reparação de Cais da Rua e colocação de Turco; Dragagem do canal do Cais da Rua; Melhoramento do Cais da Vila / rampa; Meia casa como espaço do pescador – Caminha e Capela mortuária – Caminha.

Dos cinco encontros anteriores saíram entretanto muitos outros projetos para a equipa técnica avaliar, para as freguesias de Lanhelas, Seixas, Gondar, Argas, Venade, Azevedo; Argela, Âncora, Vile, Riba de Âncora e Vila Praia de Âncora.

Participativo 3

Às propostas ontem aprovadas em Caminha juntam-se as de requalificação do Largo da Estação – Vila Praia de Âncora; requalificação da rua do Calçadão – Lage/Âncora; acessibilidade da rua da Erva Verde às Traseiras – Vila Praia de Âncora; construção de novo parque infantil junto ao Forte da Lagarteira, recuperação do espaço envolvente do Dólmen da Barrosa – Vila Praia de Âncora; adaptação do Centro Cultural de Gondar em Centro de Dia/Apoio Domiciliário; cobertura de internet sem fios nas Argas; implementação de parque infantil e equipamento fitness na Beirada do Rio, em Lanhelas; remodelação/requalificação da creche de Lanhelas; recuperação do edifício da EB1 de Lanhelas; requalificação das barracas dos pescadores em Lanhelas; casa mortuária em Lanhelas; requalificação da Casa das Pedras em Seixas; requalificação do caminho entre Argela e Venade (Colarinha e Aldeia Nova); criação da rota dos moinhos / limpeza cursos de água nas freguesias Venade / Azevedo e Argela; construção de um forno comunitário do campo à mesa em Riba de Âncora; recuperação física do jardim de infância em Âncora; criação de um espaço desportivo na antiga escola primária de Vile; intervenção na escola primária de Âncora/Lage e o prolongamento da rede de saneamento básico em Âncora/lugar da Lage ou disponibilidade de uma cisterna.

Mais Democracia Participativa

Três daqueles projetos serão executados e as regras estabelecem que cada um deles não poderá ultrapassar os 60 mil euros, tendo ainda de representar uma obra cuja execução caiba nas competências da Câmara.

O Orçamento Participativo de Caminha assenta num modelo de participação de caráter deliberativo, e vem juntar-se a outras medidas implementadas por este Executivo em prol da Democracia Participativa, como são as reuniões descentralizadas em todas as freguesias, cuja segunda ronda já está a acontecer.

Recorde-se que estas reuniões tiveram início em janeiro de 2014 e constituem também uma novidade na agenda política do concelho, introduzida pelo atual Executivo. Nestes fóruns, os munícipes podem dialogar diretamente com os decisores políticos do concelho e os encontros permitem ainda ao presidente e aos vereadores ouvirem, esclarecerem e prestarem contas da gestão municipal.

O Executivo implementou ainda a transmissão em direto, através do site do Município, das sessões da Assembleia Municipal e a criou a figura do Provedor do Munícipe.

Participativo 4

PÓVOA DE LANHOSO DÁ-SE A CONHECER NO AEROPORTO SÁ CARNEIRO

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e a Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso levaram a cabo uma ação de promoção na Loja Interativa de Turismo – ERTPNP, no Aeroporto Sá Carneiro.

O objetivo desta ação foi promover e divulgar as artes do concelho no contexto cultural em que se inserem, dando a conhecer o trabalho dos artesãos, impulsionando o desenvolvimento da arte da ourivesaria, da marcenaria e da doçaria e produtos regionais. Através da exposição de peças de artesanato e proporcionando a degustação de produtos regionais, a Póvoa de Lanhoso deu as boas-vindas a quem visitou a Loja Interativa de Turismo nos passados dias 22 e 23 de outubro.

Promover o recentemente aberto espaço do Centro Interpretativo Maria da Fonte foi também um objetivo primordial, que contou com a presença da Maria da Fonte e a distribuição de material informativo do espaço. No dia 23 de outubro, a participação contou também com a presença do artesão Basílio Fernandes, que trabalha a madeira criando peças em miniatura, o que atraiu muitos turistas.

Nos dias 30 e 31 de outubro, a mesma ação estará na Loja Interativa de Turismo de Santiago de Compostela, em Espanha, e ambas as ações se realizam a convite da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal.

“Estas ações promocionais, porque são dirigidas a muita gente, têm sempre algum retorno. São os próprios agentes turísticos locais quem o confirma. No verão passado as nossas casas de turismo de habitação e os nossos restaurantes tiveram taxas de ocupação muito boas. Os produtos que aqui se produzem são muito apreciados e procurados. Portanto, já chegámos à conclusão que vale a pena investir na divulgação do nosso território”, refere o Vereador para a Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Armando Fernandes, que adianta ainda: “Inaugurámos recentemente o Centro Interpretativo Maria da Fonte. E vamos continuar a aproveitar estas iniciativas para divulgar a nossa heroína. A divulgação do território, centrada na figura viva da Maria da Fonte, tem sido muito bem acolhida pelas pessoas”.

“O GRILO VERDE” VISITA CRIANÇAS DO PRÉ-ESCOLAR EM PÓVOA DE LANHOSO

Toda a gente sabe que os grilos são pretos, mas a nova história  que os Serviços Educativos da Biblioteca Infantil estão a levar até às crianças do pré-escolar do concelho da Póvoa de Lanhoso chama-se “O Grilo Verde”.

Sessao O Grilo Verde 3

Escrito por António Mota, este texto foi trabalhado pelos Serviços Educativos da Biblioteca Infantil e pelo Theatro Club, para dar corpo a três personagens que, de uma forma simples e cativante, têm levado até às crianças com idades entre os três e os cinco temáticas como a diferença ou a igualdade e como a alimentação saudável. Nos meses de outubro e de novembro, celebra-se o dia Mundial da Alimentação, o Dia Internacional das Bibliotecas e a Semana da Igualdade e da Educação.

“Esta iniciativa destina-se a assinalar o Dia Internacional das Bibliotecas Escolares, mas faz parte de um conjunto de encenações que ao longo dos últimos anos temos levado até junto do público do pré-escolar e do primeiro ciclo, como forma de incentivar hábitos de leitura nas nossas crianças e de estimular nelas outras vertentes, como a criatividade e a concentração, por exemplo. Trata-se de um trabalho articulado entre o Pelouro da Educação e o Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e o SABE – Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. As crianças mostram-se sempre muito entusiasmadas e as suas responsáveis também, pois é, para além de tudo o mais, algo diferente, que tem o efeito surpresa e que quebra a rotina”, referiu a Vice-Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e Vereadora da Educação, Gabriela Fonseca, no final da sessão a que assistiu, na manhã de 29 de outubro, no jardim-de-infância de Simães (União de Freguesias de Fontarcada e Oliveira), juntamente com cerca de três dezenas de crianças.

Mas nem só os mais pequenos ficam encantados, quer por se sentirem próximos da história, quer pela proximidade com as personagens, ali com elas e com quem podem falar, quer mesmo por verem ali à frente os adereços e os cenários, que até podem explorar, quer por poderem recontar aquela história ou outras e por poderem interagir com as atrizes; também as educadoras têm reconhecido os benefícios desta experiência e têm pedido para haja mais visitas e encenações como esta.

No total, serão abrangidas cerca de 292 crianças do Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio e de 111 crianças do Agrupamento de Escolas da Póvoa de Lanhoso. António Mota tem um vasto leque de histórias infantis publicadas, que fazem parte do Plano Nacional de Leitura. A escolha desta história resulta de um trabalho concertado entre os parceiros SABE. A responsabilidade desta encenação é dos Serviços Educativos da Biblioteca Infantil e do Theatro Club, a quem coube ainda fazer os adereços (o tronco da árvore, a sua copa, os grilos, as alfaces e as antenas dos grilos).

Só no ano letivo 2014/2015, foram cinco os textos que foram encenados, pelos Serviços Educativos da Biblioteca Infantil, por vezes, em colaboração com o Theatro Club, e que circularam junto do público de pré-escolar e primeiro ciclo do concelho. "A Fada Palavrinha e o Gigante das Bibliotecas" foi até 225 crianças; "A Noite de Natal" foi levada a 590 crianças; "Queres Namorar Comigo?" foi visto por 693 crianças; "Não faz mal ser diferente" chegou até 628 crianças; e “O Coelhinho Branco” até 361.

Sessao O Grilo Verde 2

IDOSOS DE TERRAS DE BOURO CONSERVAM ESPÍRITO JOVEM

Projeto Bem Envelhecer III – Utentes de instituições do concelho de Terras de Bouro de visita a Braga

No âmbito do Projeto Bem Envelhecer III várias instituições sociais do concelho de Terras de Bouro e os restantes parceiros do projeto, proporcionaram aos seus beneficiários uma enriquecedora jornada de índole cultural, social e de convívio na cidade de Braga.

capa

A visita, que aconteceu no dia 28 de outubro e foi organizada pela Fundação Bomfim, CVP Braga e pelo Centro Social S. Victor, iniciou-se pela receção na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, onde todos os participantes tiveram a ocasião de presenciar a projeção do filme português “Os gatos não têm vertigens”.

Depois do almoço convívio, realizado na Cooperativa João Paulo II, no Seminário Menor, os seniores tiveram ainda oportunidade de assistir a um espetáculo de música ao vivo.

IMG_20151028_152345

Parceiros do projeto presentes na atividade: Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, Santa Casa da Misericórdia de Vieira do Minho, Fundação Bonfim, Centro Social e Paroquial de S. Vítor, Centro Social e Paroquial de Cervães, Centro Social e Paroquial de Cibões, Centro Social e Paroquial de Chorense, Centro Social e Paroquial de Souto, Centro Social e Paroquial de Vilar, Centro Social e Paroquial de Vilar da Veiga, Centro Social de Rio Caldo, Centro Social e Paroquial de Moimenta, Cruz Vermelha Portuguesa/Delegação de Braga (SAD Braga) Município de Terras de Bouro e EAPN Portugal.

IMG_20151028_135045

ALMOÇO CERVEIRENSE JUNTA TOCADORES DE CONCERTINA

Cerveirenses fazem magusto ao som da concertina

A Casa Cerveirense em Lisboa leva a efeito, no próximo dia 8 de novembro, o almoço comemorativo do seu 6º aniversário, o qual vai ter lugar na Quinta da Valenciana, em Fernão Ferro.

Após o repasto, a animação está a cargo do Rancho Folclórico da Casa do Minho e dos tocadores de concertina e cantadores ao desafio que não vão faltar para alegrar esta festa minhota. E, porque também é altura de festejar o São Martinho, os cerveirenses vão à adega provar o vinho!

Para além do seu interesse gastronómico, o Almoço Cerveirense constitui uma jornada de confraternização entre cerveirenses e minhotos em geral, sob o signo do regionalismo da sua região.

Para o minhoto, tudo é pretexto para a festa: o trabalho e a romaria, a religião e a gastronomia. Por conseguinte, o Almoço Cerveirense vai seguramente traduzir-se numa grande festa minhota!

CELEBRAÇÃO DO HALLOWEEN OU “NOITE DAS BRUXAS” TEM RAÍZES ANCESTRAIS NA NOSSA CULTURA

A celebração, nos Estados Unidos da América, do Haloween ou "noite das bruxas", não constitui mais do que a tradição do culto dos mortos que os colonos europeus levaram para o continente americano, entretanto regressada à Europa com uma roupagem comercial mais ao gosto da sociedade de consumo. O culto dos mortos constitui entre nós uma das mais ricas tradições que nos remetem para ancestrais cultos pagãos.

bruxa

Desde sempre o Homem acreditou na possibilidade dos mortos intercederem na ação criadora dos deuses e no próprio ciclo da natureza, contribuindo inclusivamente para o renascimento dos vegetais e das culturas que os demónios e maus espíritos do inverno fizeram desaparecer. Esta crença está na origem de uma infinidade de práticas relacionadas com o culto dos mortos que regra geral se iniciam em Novembro e prolongam-se até à Serração-da-Velha, atravessando as cerimónias solsticiais ou "saturnais" e os festejos carnavalescos.

Naturalmente, os ritos variam consoante as celebrações em causa mas conservam entre si uma finalidade comum que é o de assegurar que o ciclo da vida e da morte não se interrompa, possibilitando por conseguinte que ao inverno suceda impreterivelmente a primavera. De acordo com as investigações feitas no domínio da arqueologia e da antropologia, acredita-se que as práticas do culto dos mortos tiveram o seu começo na fase de transição da pedra lascada para a pedra polida, sendo disso testemunho os inúmeros monumentos funerários como os dolmens ou antas, inscrições votivas e outros achados. O folclore trouxe até nós inúmeros vestígios desse modo de pensar e dos cultos praticados pelos nossos ancestrais, devendo por esse modo constituir uma importante fonte de estudo.

Pão por Deus! - pedem as crianças na região saloia, percorrendo as casas em alegre peditório. A ladainha varia contudo de uma região para outra. Por exemplo, para os lados de Braga é costume dizer-se do seguinte modo: "Bolinhos, bolinhós, / Para mim e para vós / E para quem está debaixo da cruz / Truz truz". Na região de Ourém, o rapazio vai pelos casais e suplica: "Ti Maria: dai-me um bolinho em louvor de todos os santinhos!". E, se a dona da casa é pessoa dada à brincadeira, ao assomar à soleira da porta responde prontamente: "Dou sim... com uma tranca no focinho!"

Por esta ocasião, as pessoas cumprem o ritual da visita aos cemitérios e cuidam das sepulturas dos seus entes queridos. Mas, também em casa é costume em muitas localidades, após a ceia, deixar até ao dia seguinte a mesa composta de iguarias para que os defuntos possam banquetear-se. Em Barqueiros, no concelho de Mesão Frio, na noite de Todos-os-Santos coloca-se uma mesa com castanhas para os familiares falecidos, as quais ninguém tocará porque ficam "babadas dos defuntos". Da mesma forma que o azeite que alumia os defuntos jamais alumiará os vivos. Entre alguns povos do leste europeu conserva-se ainda a tradição de organizar o festim no próprio cemitério a fim de que todos em conjunto - mortos e vivos - possam confraternizar!

A partir desta época do ano, as noites das aldeias são povoadas por criaturas extraordinárias que surgem nas encruzilhadas e amedrontam os notívagos. Uivam os lobos nas penedias enquanto as bruxas se reúnem debaixo das pontes. A prudência aconselha que ao gado se prendam pequenas saquinhas de amuletos que o resguardem do "mau-olhado". O serão é passado à lareira ouvindo histórias que nos embalam num mundo de sonhos e fantasia que nos alimenta a imaginação. E, quando finalmente é chegada a hora de dormir, faz-se o sinal-da-cruz para que o demónio não nos apoquente e a manhã do dia seguinte volte a sorrir radiante a anunciar uma vida nova.

Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com/

FREGUESIAS DO CONCELHO DE GUIMARÃES COM 60% DO INVESTIMENTO PARA O PRÓXIMO ANO

Plano e Orçamento para 2016 reflete aposta de Guimarães na candidatura a Capital Verde Europeia

Mais de 60% do orçamento do próximo ano é investido nas freguesias do concelho de Guimarães. Além das duas ARUs já em vigor, outro dos compromissos é a definição das doze Áreas de Reabilitação Urbana, quer para a cidade, quer para as nove vilas. Processo alargado da reabilitação urbana para o concelho irá cobrir, no total, uma área de 61 hectares.

O Plano de Atividades e Orçamento da Câmara Municipal de Guimarães para 2016, no valor de 88,3 milhões de euros, baseia-se num conjunto de ações que vão alicerçar, em 2017, a candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia 2020. O documento relativo às Grandes Opções do Plano e Orçamento, Plano Plurianual de Investimentos, Plano de Atividades, Orçamento da Câmara Municipal de Guimarães para o ano de 2016, Regulamento de Execução Orçamental e Orçamentos das Entidades Participadas foi aprovado pelo Executivo Municipal de Guimarães em reunião ordinária realizada esta quinta-feira, 29 de outubro.

No Plano e Orçamento do Município para o próximo ano, mais de 60% do seu valor será aplicado nas freguesias do concelho, tendo em conta o caminho a percorrer no âmbito da candidatura a Capital Verde Europeia. Uma das intervenções é o início da construção de uma ecovia, com percursos de bicicleta e pedonais. A substituição das luminárias do concelho com recurso ao sistema LED, a melhoria da eficiência energética nas habitações sociais do Município, com a instalação de painéis fotovoltaicos e isolamento térmico para criar condomínios de calor, medida inovadora que contribuirá para o orçamento familiar dos seus residentes, são outros objetivos definidos por Domingos Bragança, apostado na construção de uma Academia de Ginástica num edifício “Carbono Zero” e autossustentável, que irá consumir a energia que o próprio edifício produz.

Ainda no âmbito ambiental, decorrerá a fase inicial, com a identificação cadastral para o processo de reflorestação da montanha da Penha desde o Parque da Cidade, ao Santuário e zona da Lapinha, bem como continuarão a ser adotadas medidas no âmbito do Plano de Ação para a despoluição do rio Ave, rio Selho, Ribeira da Canhota e Ribeira de Couros, entre outros cursos de água. «Até 2020, serão feitas intervenções em várias áreas para termos um ponto de partida e condições para a candidatura ser aceite. O dossiê apresentará os nossos pontos fortes para sermos considerados um espaço de referência para se viver. Nas nossas fragilidades, temos de indicar o que vamos corrigir para que, em 2020, esses indicadores estejam já corrigidos e sejamos fortes em áreas que não éramos», considera o Presidente do Município.

A aposta no programa “Excentricidade” permitirá a descentralização cultural de eventos pelo concelho. A abertura da Casa da Memória, o processo de alargamento da zona classificada como Património da Humanidade, integrando a nova e requalificada Zona de Couros, a reabilitação do Teatro Jordão e a Garagem das Artes para instalar a Academia de Música Valentim Moreira de Sá e os cursos de Artes Visuais e de Artes Performativas da Universidade do Minho são igualmente apostas da Autarquia. Neste particular, os montantes que o orçamento de 2016 consigna à Educação (11,47%) evidenciam a importância que assume no contexto das políticas municipais, com realce, também, para a reabilitação do parque escolar dos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico.

GUIMARÃES ASSINALA DIA NACIONAL DE PREVENÇÃO DO CANCRO DA MAMA COM LAÇOS ROSA

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO ESTA SEXTA-FEIRA

Campanha de sensibilização, esta sexta-feira, contempla a colocação de laços rosa na porta de cada serviço do Município. Viaturas da autarquia e edifícios de entidades participadas pela Câmara também exibirão adereços da mesma cor. 

O Município de Guimarães associou-se à campanha “Onda Rosa”, promovida pelo Departamento de Educação para a Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro (Núcleo Regional do Norte), no âmbito da luta contra o cancro da mama, que se assinala esta sexta-feira, 30 de outubro. Durante o dia, vão ser realizadas diversas ações internas, com os funcionários a serem convidados a vestirem uma peça de vestuário rosa ou, em alternativa, a colocarem na lapela um laço da mesma cor.

A campanha, dinamizada pela Divisão de Recursos Humanos, inclui ainda a audição de uma mensagem temática nos Claustros da Câmara Municipal, a distribuição de panfletos da Liga Portuguesa Contra o Cancro por cada trabalhador, a colocação de laços rosa na porta de cada serviço e nas viaturas do Município, bem como nos edifícios de entidades participadas pela Autarquia, designadamente, Centro Cultural Vila Flor e Palácio, Cybercentro, Fraterna, Casfig, Vitrus, Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII) e Gabinete de Apoio ao Emigrante (GAE). As páginas de internet do Município, Vitrus, Tempo Livre e Casfig também se associam a esta iniciativa.

Um pouco por todo o mundo, durante o mês de outubro, a cor rosa alastra-se com o objetivo de permitir sensibilizar a população para a temática da prevenção e diagnóstico precoce do cancro da mama. Pelo segundo ano consecutivo, a Câmara Municipal de Guimarães contribuirá para o desenvolvimento do projeto, incentivando à prevenção e diagnóstico precoce do cancro da mama.

Em Portugal, são detetados anualmente cerca de 6.000 novos casos de cancro da mama e 1.500 mulheres morrem com esta doença. Também em Portugal, cerca de 1% de todos os cancros da mama são no homem. O movimento, conhecido como “Outubro Rosa”, nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controlo do cancro da mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de promover a consciencialização sobre a doença e compartilhar informações sobre o cancro da mama.

BRAGA INAUGURA “ESPAÇO DO CIDADÃO” EM TADIM

Projecto aproxima Bracarenses da Administração Local e Central

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, inaugurou hoje, 29 de Outubro, o ‘Espaço do Cidadão’ da freguesia de Tadim. Trata-se do primeiro de um conjunto de seis espaços a instalar nas freguesias do Concelho, com o objectivo de servir melhor os Bracarenses e de lhes proporcionar um modelo de atendimento mais rápido e mais próximo.

4

Na cerimónia, Ricardo Rio explicou que a abertura deste espaço se enquadra na estratégia de descentralização da Câmara Municipal. “Desde a primeira hora que assumi o desígnio de que a Autarquia tinha que se estender para o conjunto do Concelho, por forma a facilitar o acesso dos cidadãos aos serviços da Administração Local e Central”, referiu.

Foi nesse sentido que o Município decidiu alargar o projecto nacional encetado pela Agência de Modernização Administrativa (AMA), tornando os ‘Espaços do Cidadão’ num interface descentralizado do Balcão Único Municipal.

3

Além dos múltiplos serviços disponíveis, os ‘Espaços do Cidadão’ terão, segundo o Autarca, uma “cobertura territorial alargada”. Depois de Tadim, Ricardo Rio adiantou que seguir-se-á a abertura dos ‘Espaços do Cidadão’ de Sequeira, Adaúfe, Real, Sobreposta e Figueiredo. “Queremos aproveitar as infra-estruturas, os equipamentos e o trabalho de cada uma das Juntas de Freguesia. Neste caso específico, facilitou o facto de termos uma Junta a funcionar a tempo inteiro, dotada de todas as condições, enquanto nos outros casos teremos de fazer adaptações aos espaços”, disse.

Ainda assim, garantiu Ricardo Rio, até Março de 2016 os seis ‘Espaços do Cidadão’ estarão a funcionar em pleno e com a integração total dos serviços e das empresas municipais.

2

Ricardo Rio salientou ainda que os ‘Espaços do Cidadão’ são de “indubitável interesse municipal pelos benefícios que podem trazer aos Munícipes em termos de desburocratização e poupança de tempo útil”, constituindo por isso, uma forma de potenciar o desenvolvimento do Concelho.

Uma das dimensões fundamentais do projecto é a da promoção da literacia digital da população, que é garantida através do modo muito específico de atendimento.

O Espaço do Cidadão é um posto único de atendimento que reúne serviços de diferentes entidades num só balcão, privilegiando o atendimento digital assistido. Ali são disponibilizados mais de 170 serviços, sendo possível tratar a Carta de Condução, solicitar nova senha ou caderneta predial junto da Autoridade Tributária, apresentar despesas junto da ADSE, tratar de assuntos relativos a emprego e formação profissional, alterar a morada do Cartão do Cidadão, solicitar o Cartão Europeu de Seguro de Doença, entre muitos outros.

O Espaço do Cidadão em Tadim funciona na sede da Junta de Freguesia de Tadim e terá, nesta primeira fase, o horário de atendimento: à 2.ª e 5.ª feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

1

CABECEIRAS DE BASTO PROMOVE GASTRONOMIA

Fim-de-Semana Gastronómico de Cabeceiras de Basto no mês de fevereiro do próximo ano

O Município Cabeceirense esteve presente, no dia 27 de outubro, na apresentação da edição 2015/2016 do Guia dos Fins-de-Semana Gastronómicos do Turismo do Porto e Norte de Portugal que se realizou no Município de Monção, onde Cabeceiras de Basto se fez representar pelos bons vinhos da região, pelos chás, mel, ervas aromáticas e licores, com destaque para a degustação do ‘Bucho Doce’ que suscitou a curiosidade entre os presentes.

Cabeceiras de Basto na apresentação do Guia dos

Nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro de 2016 – datas coincidentes com a realização da XX Edição da Festa da Orelheira e do Fumeiro – Cabeceiras de Basto volta, assim, a fazer parte da rota dos Fins-de-Semana Gastronómicos, uma iniciativa que pretende dar a conhecer os produtos de excelência da gastronomia local, servindo também de alavanca ao setor do turismo.

Cabeceiras de Basto na apresentação do Guia dos

À semelhança das edições anteriores, a promoção gastronómica em Cabeceiras de Basto será feita nos restaurantes aderentes.

De salientar, ainda, que o ‘Bucho Doce’ é uma sobremesa que caiu em desuso com tempo no concelho de Cabeceiras de Basto mas que o município tenciona, agora, revitalizar, aproveitando o Fim-de-Semana Gastronómico do Turismo do Porto e Norte de Portugal, que se realiza nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro de 2016.

Cabeceiras de Basto é um concelho com uma gastronomia rica e diversificada, cujos sabores assentam nos valores, tradições e costumes locais.

Cabeceiras de Basto na apresentação do Guia dos

MONÇÃO ORGANIZA 2ª MARATONA BTT BERÇO DO ALVARINHO

Prova, marcada para o dia 15 de novembro, domingo, será disputada em trilhos e carreiros do concelho de Monção, percorrendo diversas freguesias ao longo da maratona (60 quilómetros) e meia maratona (42 quilómetros).

A 2ª Maratona BTT Berço do Alvarinho, 5ª Prova do Campeonato do Minho de BTT/XCM, Arrecadações da Quintã, decorre no dia 15 de novembro, domingo, com início e chegada na Praça Deu-la-Deu Martins. Trata-se da última e decisiva prova da presente temporada com o primeiro lugar da competição ainda em aberto.

Com organização do Clube de Cicloturismo de Monção em parceria com a Associação de Ciclismo do Minho, a prova será disputada em trilhos e carreiros do concelho de Monção, percorrendo diversas freguesias ao longo da maratona (60 quilómetros) e meia maratona (42 quilómetros).

Aberta à participação de todos os interessados, independentemente de serem ou não atletas federados, a 2ª Maratona BTT Berço do Alvarinho prevê a inscrição nas habituais categorias de competição, lazer e paraciclismo. A participação, incluindo seguro, tem um custo de 8 euros para atletas federados e 10 euros para não federados.

As inscrições podem ser formalizadas através do portal da Associação de Ciclismo do Minho, devendo os pagamentos por multibanco ser processados até ao dia 13, 19 horas, ou no secretariado da prova. A 2ª maratona BTT Berço do Alvarinho tem o apoio do Município de Monção, Federação Portuguesa de Ciclismo, Cision, Arrecadações da Quintã, Herdmar e Bike Magazine (revista oficial).

PARTIDO PAN CONGRATULA-SE PELO FIM DO FINANCIAMENTO Á TAUROMAQUIA

Aprovada legislação que impede a utilização de fundos europeus para o financiamento da tauromaquia. O fim dos subsídios às práticas tauromáquicas é um dos eixos prioritários do programa eleitoral do PAN

O Parlamento Europeu aprovou ontem uma emenda aos fundos da Política Agrária Comum que cessa a alocação de verbas europeias para o financiamento de actividades tauromáquicas que impliquem “actividades letais para os animais” dentro da arena.

De acordo com dados do Partido Verde Europeu a União Europeia gasta, por ano cerca de 129 milhões de euros em subsídios para os criadores de touros de lide e para o mundo da tauromaquia, através dos financiamentos da Política Agrícola Comum (PAC). Por este motivo o texto apresentado por este partido especifica que não é permitido usar os créditos da PAC, nem outros.

Esta decisão votada em Estrasburgo obteve 438 votos a favor, 55 abstenções e 199 votos contra e adverte que um financiamento deste tipo “constitui uma violação do Convénio Europeu de protecção dos animais em explorações de gado (Directiva 98/58/EC) ”.

Em setembro deste ano o PAN – Pessoas-Animais-Natureza - viu aprovada na Assembleia Municipal de Lisboa uma moção que solicita à Assembleia da República a clarificação, por via legislativa e de forma incontestável, das atribuições municipais à proibição de actos de violência contra animais, incluindo touradas.

A abolição das touradas é um dos eixos prioritários do programa eleitoral do PAN para as Legislativas 2015. O partido tem-se mostrado firme contra os actos violentos a que são sujeitos estes animais, violência que continua a ser financiada com dinheiros públicos e legitimada por várias vias tendo em conta o entretenimento.

“Acompanhando a evolução civilizacional e ética que acredito que Portugal exige, iremos sempre mostrar o nosso total repúdio em relação à existência das touradas e eventos semelhantes. Os portugueses têm o direito cultural de se divertirem, mas não à custa de sofrimento e morte de animais. Não havendo legislação que proíba as touradas, urge um trabalho cada vez maior de sensibilização da sociedade, trabalho que o PAN tem tomado como prioritário”, comenta o deputado e porta-voz do PAN André Silva.

“Até porque trinta e sete anos depois da Declaração Universal dos Direitos dos Animais da UNESCO, queremos que Portugal pare de pertencer à lista dos poucos países europeus que promovem o sofrimento animal nas touradas”, reforça André Silva.

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "ARCOS DE VALDEVEZ: A TERRA E O FORAL MANUELINO - TEXTO E CONTEXTOS"

O município arcuense encontra-se a celebrar os 500 anos da outorga do foral de Valdevez. Neste sentido, está a levar a efeito um programa comemorativo da efeméride, repartido pelo biénio de 2015 e 2016, integrando momentos diversos, todos eles assentes numa forte matriz cultural e identitária, numa perspetiva simultânea de visão sobre o passado e do abrir de linhas de reflexão sobre a atualidade e sobre o advir, sempre numa assumida homenagem a estes 500 anos de história coletiva e na ideia de um futuro igualmente desafiador e fascinante.

Assim, no próximo dia 30 de outubro, pelas 21h30, decorrerá, no Auditório da Casa das Artes concelhia, mais um momento da programação da Comemoração dos 500 anos do Foral de Valdevez com a apresentação do livro “Arcos de Valdevez: A Terra e o Foral Manuelino – texto e contextos”, da autoria de Paula Pinto Costa e António Matos Reis. A publicação inclui um vasto e pormenorizado estudo sobre este importante documento quinhentista, sobre a época e sobre a ampla reforma administrativa levada a cabo pelo rei D. Manuel I, numa abordagem de grande vigor científico e de enorme interesse para a história arcuenses. O volume, que supera as 300 páginas, inclui igualmente a reprodução do original do Foral de Valdevez, neste caso em duas versões, a existente na Torre do Tombo, normalmente usada neste tipo de estudos, e uma outra, até agora desconhecida, e que corresponde a um dos três originais produzidos em 1515, neste caso o exemplar entregue pelo rei ao concelho de Valdevez, sendo por tal um momento de evidente importância e simbolismo para todos os arcuenses, que vêm assim recuperada uma parte essencial da sua memória histórica.

MUNICÍPIO DE FAFE APROVA ORÇAMENTO

Câmara de Fafe aprova Orçamento para 2016 na ordem dos 36 milhões de euros. Impostos: Devolução de 2% do IRS e derrama é reduzida

Foi aprovado, com os votos a favor do PS e do PSD e abstenção dos independentes por Fafe, em reunião de câmara extraordinária, o orçamento na generalidade para 2016.

Todas as forças políticas com representatividade na câmara (PS, PSD E IPF) aprovaram no entanto por unanimidade o documento em todas as especialidades (pedidos de autorização) apresentado hoje em reunião pelo Presidente da Câmara Municipal, Raul Cunha.

O Orçamento para 2016 de 36 milhões de euros tem como principais linhas orientadoras, a área social, o lançamento de obras estruturantes para o concelho e a dinamização turística e cultural.

O novo orçamento continua a dar importância à questão do apoio à criação de empresas e o estímulo ao emprego.

Nas grandes opções do Plano para 2016 prevê-se a construção do novo Mercado Municipal, assim como o investimento na reabilitação urbana, em zonas que necessitem de uma maior e urgente intervenção como por exemplo, a Avenida do Brasil.

O Nó de Arões, a recuperação do Bairro da Cumieira, a reabilitação das Escolas Carlos Teixeira e Secundária serão obras a ter em conta, com o orçamento em 2016, à medida que o quadro comunitário “Portugal 2020” vá permitindo lançar estes projetos. O trabalho de casa está feito agora resta esperar por desenvolvimentos em termos nacionais.

Mas existem outras obras de relevo, em especial no que diz respeito à rede viária, estruturante para o Município, de que são exemplo a Estrada do Saibro Regadas, Estrada de Passos ou a Estrada de Antime / S. Clemente Silvares.

O novo canil Municipal também não será esquecido. Em 2016, a Câmara dará os primeiros passos, com vista à construção de um novo canil municipal com mais e melhores condições. 

O parque da cidade continuará a ser uma prioridade, tal como anunciado no início do mandato. Trata-se de uma obra que tem vindo a ser concretizada por fases, reconhecida por todos como uma intervenção positiva e urgente. O objetivo é que, em 2017, o Parque da Cidade seja devolvido aos fafenses como um espaço digno e útil.

A modernização dos Paços do Concelho e do seu equipamento, em muitos casos obsoleto, será uma preocupação a ter em linha de conta no próximo ano, com vista ao melhoramento do próprio funcionamento.

O Orçamento de 2016 contempla ainda uma política que busca manter o equilíbrio financeiro do Município.

A Autarquia mantém, em termos de política fiscal, a redução/devolução de 2% do IRS aos Fafenses, e reduzirá o valor da derrama, passando a taxa máxima de 1,5 para 1,2% e as empresas com um volume de negócios inferior a 150.000 euros terão a derrama fixada  nos 0,75% contra os 1% do ano anterior.

Para o Presidente de Câmara Municipal, Raul Cunha, o orçamento foi delineado, tendo em conta as necessidades mais urgentes do Município, tendo sempre em linha de conta o compromisso assumido no início do Mandato:

“Este é um documento de extrema importância porque mantemos a nossa gestão centrada no equilíbrio e boa gestão financeira sem deixar de realizar obras estruturantes e de lançar políticas de desenvolvimento do nosso território.

Em 2016, manteremos as medidas de combate ao desemprego, de erradicação da pobreza e de apoio à criação de postos de trabalho, quer com apoios diretos a empresas que se mostrem capazes de criar emprego quer com a redução da carga fiscal para as empresas.

Pretendemos ainda finalizar obras em curso e executar outras igualmente importantes para isso em 2015, houve muito trabalho “invisível” cujos resultados começaremos a ver dentro de pouco tempo. Ao completar dois anos de mandato, relembro o que disse aquando do orçamento de 2014, de que não faria dos tempos em que vivemos uma desculpa para não fazer, ou fazer menos. Faríamos certamente diferente. É o que temos feito e é por isso que continuarei a lutar, diariamente, para que assim continue.

Depois de termos dados passos significativos para honrar compromissos do passado, lançar novos projetos e iniciativas para o presente e futuro e de, simultaneamente, ajudarmos a promover o nosso território, é chegado o tempo de consolidar políticas e de ver outras a crescerem e a servirem os Fafenses. 

O ano de 2016 será um ano em que continuaremos a investir fortemente na área social continuando a gerir o nosso concelho muito centrado nas pessoas.

Basta perceber que é esse o caminho quando sentimos o pulsar do dia-a-dia dos fafenses e percebemos que os vários programas sociais em curso fazem a diferença junto de centenas de pessoas e de famílias. Para estes fafenses, as medidas municipais de apoio foram e continuam a ser fundamentais para os ajudar a combater e a sair de um ciclo de pobreza que, apesar de escondido, infelizmente existe e para o qual orientarei sempre o meu trabalho e as políticas do executivo a que presido.” concluiu.

FREESTYLE MOTOCROSSE REÚNE EM BRAGA MELHORES PILOTOS DA ATUALIDADE

Evento realiza-se Sábado no PEB

Os melhores pilotos nacionais e internacionais de Freestyle Motocrosse estão de volta a Braga. Após o sucesso da primeira edição, o Parque de Exposições (PEB) enche-se de adrenalina no próximo Sábado, dia 31 de Outubro, com a segunda edição do Freestyle Motocrosse International Show de Braga.

11

Uma das novidades desta edição prende-se com a apresentação da modalidade em ‘Tandem’, onde dois dos melhores pilotos do mundo realizam acrobacias em simultâneo com uma só moto.

Para a vereadora do Desporto do Município de Braga, Sameiro Araújo, este espectáculo é uma aposta ganha e vem confirmar que Braga está talhada para receber grandes eventos desportivos e várias modalidades. “É política do Município divulgar todas as modalidades desportivas. Queremos fazer de Braga uma Cidade cada vez mais ecléctica e este evento enquadra-se na perfeição para cumprirmos esse desígnio”, referiu a vereadora, considerando que estão reunidas todas as condições para que este espectáculo seja ainda melhor do que o do ano transacto.

O evento conta com a participação do conceituado piloto Bracarense Diogo Ribeiro, que se deslocou de Macau para participar nesta segunda edição. Considerado um dos melhores pilotos da actualidade, Diogo Ribeiro referiu que a modalidade está a crescer em Portugal e que este é o maior evento do género no País. “Braga é a única Cidade que aposta forte nesta modalidade. Este ano contamos com um grupo de atletas de enorme qualidade e será, certamente, um espectáculo memorável”.

Com apenas 20 anos, Diogo Ribeiro é profissional há sete, mas já pratica a modalidade há dez. O piloto Bracarense teve que ir para Espanha para começar a praticar porque, em Portugal não existe campeonato de Freestyle Motocross. Actualmente, Diogo Ribeiro está em Macau como um dos pilotos residentes do espectáculo ‘The house of dancing water’, criado pelo fundador do Cirque du Soleil.

O evento resulta ainda de uma parceria com a Associação Juvenil Synergia. Para o presidente da associação, Ricardo Sousa, é uma “enorme satisfação” voltar a organizar um evento desta natureza. “Quando em 2012 se lançou um espectáculo de Freestyle Motocrosse em Braga, não estávamos à espera de um sucesso tão grande. Temos pilotos de grande qualidade em Portugal e o Diogo é a prova disso mesmo”, referiu Ricardo Sousa, enaltecendo a aposta do Município de Braga num evento que “pode fazer parte de um plano desportivo da Cidade e eleva o patamar do desporto alternativo”.

O II Freestyle Motocrosse International Show de Braga, que conta também com demostrações das modalidades MTB e BMX, tem início às 21h30. Os bilhetes podem ser adquiridos antecipadamente por 10€, sendo que no próprio dia do evento os bilhetes passam a custar 13€. De referir que a entrada é gratuita a menores de 10 anos.

CLÃ CONTA HISTÓRIAS NO CINE TEATRO JOÃO VERDE EM MONÇÃO

Presença em Monção, no âmbito da iniciativa “Conta-me Histórias”, marcada para o dia 14 de novembro, sábado, pelas 21h30. A entrada custa 10,00 €. Grupo regressa a Monção depois de terem atuado nas Festividades em Honra à Virgem das Dores, em 1998.

No âmbito do ciclo de conversas-concerto “Conta-me Histórias”, o grupo Clã desloca-se a Monção no dia 14 de novembro, sábado, pelas 21h30, para atuação no Cine Teatro João Verde. A entrada custa 10,00 €, podendo ser adquirida na bilheteira on line ou na Loja Interativa de Turismo (T. 251 649 013). As reservas podem ser feitas até 5 dias anteriores ao espetáculo.

O grupo Clã formou-se em novembro de 1992 com Hélder Gonçalves (principal compositor, arranjador e diretor musical) a convidar Miguel Ferreira, Pedro Biscaia, Pedro Rito, Fernando Gonçalves e Manuela Azevedo para se juntarem a ele neste projeto.

Depois de um ano de ensaios (1993) e outro de apresentações ao vivo (1994), os Clã celebram, no ano seguinte, um contrato discográfico com a multinacional EMI - Valentim de Carvalho, iniciando as gravações do seu primeiro álbum de originais.

O registo “LusoQualquerCoisa”, produzido por Mário Barreiros e Carlos Tê (também responsável por duas letras e coautorias de outras letras com Hélder Gonçalves), foi editado a 14 de fevereiro de 1996. Aclamado pela crítica e com forte presença nas rádios nacionais, este primeiro trabalho impõe os Clã como uma das mais fortes revelações da música portuguesa emergente.

Nesse ano, foram ainda nomeados para os prémios BLITZ como melhor banda revelação. Em abril de 1997, apresentam no auditório da Antena 3 um espetáculo especial constituído por versões alternativas das suas canções, onde contam com a participação da cantora Maria João na interpretação de uma versão do tema “Pois É”.

Em agosto do ano seguinte, atuam na Praça Deu-la-Deu Martins juntamente com os grupos Blind Zero e Zen. Perante um público constituído maioritariamente por jovens e emigrantes, a “sala de visitas” de Monção encheu-se no arranque das Festividades em Honra à Virgem das Dores.

A iniciativa “Conta-me Histórias” é um ciclo de conversas-concerto com conhecidos músicos portugueses, onde estes revelam alguns pormenores menos conhecidos das suas carreiras. Estas histórias são acompanhadas por algumas das suas músicas mais conhecidas em registo acústico.

BRAGA ACOLHE CORRIDA E CAMINHADA CONTRA O AVC

Iniciativa decorre Sábado, 31 de Outubro, com partida às 16h00

O Município de Braga, o Hospital de Braga e a Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (AVC) promovem no próximo Sábado, 31 de Outubro, a II Corrida e Caminhada contra o AVC. A iniciativa visa alertar a população para a importância da actividade física e dos estilos de vida saudáveis na prevenção daquela que é a principal causa de morte em Portugal.

3

Na apresentação do evento, que decorreu hoje, 29 de Outubro, Dia Mundial do Doente com AVC, a vereadora do Desporto, Sameiro Araújo, destacou o trabalho de parceria que o Município e o Hospital de Braga têm vindo a realizar no âmbito da promoção da Saúde dos Bracarenses. “Somos parceiros em muitas iniciativas, num trabalho conjunto que tem dado frutos e do qual o Município se orgulha”, salientou Sameiro Araújo.

No âmbito desta parceria, a vereadora adiantou que, hoje mesmo, um técnico do Município de Braga esteve no Hospital de Braga a desenvolver uma acção sobre a importância da actividade física na prevenção do AVC, na qual participaram os utentes do programa ‘Braga Activa’.

Sameiro Araújo desafiou os Bracarenses a associarem-se à Corrida e Caminhada contra o AVC que terá início às 16h00, junto às instalações do INATEL, na Avenida Central. Neste momento estão já inscritos cerca de 600 participantes, mas estima-se que, no dia do evento, muitas mais pessoas se associem à iniciativa. As inscrições podem ser feitas em www.hospitaldebraga.pt e têm o valor de dois euros, sendo que a receita será canalizada para a Sociedade Portuguesa do AVC e para o trabalho que esta entidade realiza na prevenção da doença.

Já Carla Ferreira, médica neurologista do Hospital de Braga e responsável pela Unidade de AVC daquela unidade de saúde, lembrou que o AVC é a principal causa de morte em Portugal e que a taxa de incidência da doença na região do Minho é de dois casos por hora.

A responsável salientou que o Hospital de Braga possui um serviço de excelência no tratamento da doença, mas lembrou a importância da prevenção. “Estamos preparados para responder a estas situações, mas o ideal é que não aconteçam. Por isso, é fundamental tomar medidas de prevenção, através da promoção da saúde e da prevenção dos factores de risco”, sustentou.

Segundo Carla Ferreira, o Hospital de Braga é a unidade do Norte do país que mais revascularizações faz, estando em segundo lugar na lista dos hospitais nacionais com melhor desempenho na activação da Via Verde de AVC.

De referir que a corrida, com uma extensão de 9 KM, inicia-se na Avenida Central, seguindo depois pela Rua dos Chãos, Rua Dr. Domingos Soares, Avenida Dr. Artur Soares, Avenida do Visconde de Nespereira, Praça Conselheiro Torres de Almeida, Rua do Alcaide, Rua do Anjo, Rua de S. Lázaro, Rua do Raio e Avenida Central (2 voltas).

A caminhada terá aproximadamente 3 Km e irá decorrer na zona pedonal da cidade. Neste dia, a população poderá ainda fazer rastreios aos factores de risco vasculares.

Corrida Contra o AVC