Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIANA DO CASTELO: ANHA REALIZA CONCERTO DE GALA

Já se encontram à venda os bilhetes para o II Concerto de Gala da Filarmónica de Vila Nova de Anha - Dep. Cul. Rec. na Bilheteira do Teatro Municipal Sá de Miranda, podendo ser levantados nos Serviços Centrais da Paróquia de Vila Nova de Anha ou junto dos membros da Direção desta Banda Filarmónica.

Serão apresentadas obras de Ferrer Ferran, James Hosay, Jean Sibelius, Jacob de Haan, Naohiro Iwai e Frank Bernaerst.

11174533_1054524474561951_5607871825826655058_o

PROJETO “CULTURAQUEUNE” ACHEGA GALIZA A PORTUGAL

Nasce “Culturaqueune”, para achegar a Galiza a Portugal a partir da base

Que Galiza e Portugal están unidas por unha multitude de ligazóns culturais, comezando polo idioma, alimentadas pola proximidade xeográfica, é unha realidade que ninguén pon en dúbida.

As posibilidades están aí, e dende hai anos funcionan mesmo estruturas institucionais, chámese Eurorrexión ou Eixo Atlántico, que poderían servir para vehiculizar redes e intercambios. Porén, en moitas ocasións esta unión non chega a cristalizar.

Vén de nacer Culturaqueune, unha rede de persoas e entidades "dispostas a compartir e a intercambiar manifestacións e expresións da cultura galego-portuguesa", que buscan dende a sociedade civil e a iniciativa privada, co apoio de institucións públicas, facilitar todos os procesos de intercambio, poñendo a disposición dos autores e artistas espazos, mecanismos de difusión e todos os demais apoios que necesiten. Está promovido por AGAL, Ponte nas Ondas e a Fundación Vicente Risco pola parte galega; e pola cámara municipal de Famalicão, o Museu Bernardino Machado ou a Casa Museo de Monção pola portuguesa, co apoio de institucións coma a Real Academia Galega, a Xunta de Galiza, a Deputación de Ourense ou a Academia Galega da Língua Portuguesa. Todas elas destacan o impulso que para esta iniciativa supuxo a aprobación, en marzo de 2014, da Lei Paz Andrade: "invítanos, e até certo modo obríganos, a afondar no esforzo do encontro", sinalan.

O proxecto naceu, en primeiro termo, en conversas entre a Fundación Vicente Risco e Norberto Cunha, responsable do Museo Bernardino Machado de Vilanova de Famalicão, como destaca Luís Martínez-Risco. "A partir de aí lanzamos unha serie de convites con persoas que sabiamos que estaban traballando na mesma dirección. Queriamos que fose algo aberto, pero acoutado, evitando crear unha iniciativa asemblearia na que todo o mundo falase e ninguén fixese nada. Queriamos xente enfocada ao traballo práctico", di.

"Notamos que hai locais que precisan de actividade, de contidos culturais, e artistas e autores que necesitan de locais para difundir o seu traballo e as súas creacións", explica Martínez-Risco, que sinala que "non queríamos ficar aí, reducidos a unha especie de mercadeo de locais e artistas ou a unha caste de axencia de colocación, senón que tamén queríamos dotar o proxecto de contido e dunha filosofía". "A filosofía" -conta- "é que hai unha Eurorrexión e un Eixo Atlántico, pero estas son estruturas que só funcionan dende arriba e nas que só teñen voz os grandes: os concellos, os Gobernos e as grandes institucións, pero nas que non se está traballando dende a base". "Hai un enorme baleiro e polo tanto pérdese cohesión na Eurorrexión", engade.

Para Martínez-Risco, Galiza e Portugal "temos unhas problemáticas económicas ou demográficas moi semellantes, e pode ser que a través da cultura sexamos quen de crear un mercado interno, fomentando tamén os intercambios comerciais e económicos entre unha beira e outra do Miño". A rede está en marcha, aínda que con moitas cousas aínda por perfilar, "pero se agardamos a ter todo listo non arrancamos nunca", di Luís Martínez-Risco. Tamén se lanzará un portal web, "cun custe mínimo de deseño e mantemento", que se sosterá coas achegas dos participantes.

Actividades en Amarante e na Coruña

A rede darase a coñecer nos meses de maio e xuño cun completo programa de actividades en Amarante e A Coruña. O obxectivo é que este dobre festival se repita todos os anos en dúas localidades galegas e portuguesas. A primeira cita será na vila portuguesa, o vindeiro 2 de maio, unha xornada na que se inaugurarán cinco exposicións de pintura, fotografía e escultura de artistas galegos e galegas e tamén a mostra Do Saudosismo ao Atlantismo. Así mesmo, haberá un recital de poesía clásica de autores galegos e portugueses (Carlos Da Aira, Delfín Caseiro, Fernando Soares, Ramiro Torres, Yolanda Castaño), dous concertos (Bruar e o grupo de Cámara Hotteterre) e unha mesa redonda na que Xesús Alonso Montero, Henrique Monteagudo, Arturo Lezcano Fernández e Pilar Garcia Negro falarán sobre "A intelectualidade da Galiza e do Norte de Portugal".

As actividades en Amarante pecharanse o 30 de maio, coa celebración do Festival Culturaqueune, que constará dun encontro de artistas participantes para tratar de futuras iniciativas conxuntas, un recital de poesía contemporánea (a cargo de Alfredo Ferreiro, Amadeu Baptista, Carlos Da Aira, João Madureira, Ramiro Torres, Virgínia do Carmo e Yolanda Castaño), unha sesión de contadores de historias (Isabel Risco, Vitor Fernandes e Xurxo Souto) e dous concertos máis (o Dúo Bossa Nova -Ton Risco e Jacobo de Miguel- e o dúo Jazz– Terra Morena).

En xuño será a quenda da Coruña, que acollerá igualmente un gran número de actividades culturais, desta volta protagonizadas sobre todo polos artistas e autores e autoras portuguesas. A partir do 10 de xuño (Día de Camões), inauguraranse en distintos espazos da cidade exposicións de fotografía, pintura e escultura, así coma de novo a mostra Do Saudosismo ao Atlantismo. Así mesmo, a sede da Real Academia Galega acollerá unha mesa redonda na que Norberto Cunha, Paulo Vieira de Castro, Paulo Samuel e Gaspar Martins Pereira analizarán "as relacións intelectuais entre Galicia e Norte Portugal". Concertos e recitais poéticos darán paso a unha derradeira xornada de actividades, o 13 de xuño, na que destaca o encontro de artistas participantes para tratar de futuras iniciativas conxuntas, o recital de poesía contemporánea, a sesión de contadores de historias e a proxección do filme mudo Carmiña Flor de Galicia, co acompañamento musical de Cántigas da Terra.

Marcos Pérez Pena / http://www.diarioliberdade.org/

FESTIVAL APROXIMA GALIZA E PORTUGAL

V Português perto. Aquelas nossas músicas

Organizado pela Vicerreitoria do Campus de Ourense- Universidade de Vigo com a colaboração da Pró- Academia Galega da Língua Portuguesa (Pró- AGLP) e Associaçom Galega da Língua (AGAL).

As atividades são abertas a todo o público.

Pessoas e realidades que falam a nossa língua com diferentes musicalidades, cores, sabores e formas.

Vamos fazer uma viagem pela língua portuguesa e a sua música.

Vem com nós! Redescobre a Galiza através do Brasil, Ángola, Portugal..

Programa:

- 4 de maio,

10.30h : “OPS! O Português Simples" com Kike Martins

Na sala 1.1 da Faculdade de Empresariais e Turismo

20.00h.: Contos com XURXO SOUTO

Na Sala Emilia Pardo Bazán do edifício de Faculdades do Campus de Ourense

-6 de maio, às 20 h00: Concerto de Alonso Caxade

Na Sala Emilia Pardo Bazán do edifício de Faculdades do Campus de Ourense ou no exterior

-7 de maio às 20h00 Concerto de Xoán Curiel e Sérgio Tannus

Na Sala Emilia Pardo Bazán do edifício de Faculdades do Campus de Ourense

COSTUMES DO MINHO

A imagem mostra duas minhotas com trajes caraterísticos. Calcula-se que a foto tenha sido produzida entre 1870 a 1880. Foi adquirida pela Secretaria de Estado da Cultura há cerca de 25 anos e pertence ao Centro Português de Fotografia.

MINHOTOS DANÇAM EM LISBOA NO DIA DO TRABALHADOR

O Grupo de Danças e Cantares de Perre e o Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima participaram nas comemorações organizadas pela União dos Sindicatos Independentes

O Grupo de Danças e Cantares de Perre e o Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima atuaram hoje no Rossio, em Lisboa, perante centenas de lisboetas que participaram nas comemorações do 1º de maio, organizadas pela União dos Sindicatos Independentes. Uma vez mais, o folclore do Minho conferiu a alegria e colorido que lhe é peculiar aos festejos do Dia do Trabalhador.

Coube ao Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Ponte de Lima iniciar o espetáculo com a sua atuação, dando a conhecer os usos e costumes das gentes da Ribeira Lima em geral e de Ponte de Lima em particular. Este agrupamento está sediado na capital e faz parte da Casa do Concelho de Ponte de Lima, instituição regionalista fundada em 2 de fevereiro de 1987, destinada a congregar à sua volta as gentes limianas radicadas na região de Lisboa e promover as potencialidades do seu concelho.

ccpl (31)

Também o Grupo de Danças e Cantares de Perre presenteou o público com uma magnífica atuação a que já nos habituou, dançando as modas da região de Viana do Castelo. Constituído em 1985, este grupo tem dado a conhecer os usos e costumes do povo, desdobrando-se em trabalhos de investigação e recolha etnográfica, ao mesmo tempo que marca presença em numerosas festas e romarias, prestigiando o país com as suas frequentes representações no estrangeiro.

À semelhança de anos anteriores, a União dos Sindicatos Independentes tem vindo a privilegiar nos seus festejos a participação de grupos folclóricos e outros grupos e intérpretes de música popular portuguesa. Conforme ela própria afirma no seu site oficial, esta estrutura sindical defende um “sindicalismo democrático, livre e independente”, orientando a sua atividade social e laboral por princípios de “ética, a qualidade e seriedade no trabalho sindical, repondo a credibilidade do sindicalismo como função nobre na sociedade portuguesa, sendo o seu objetivo primordial a intervenção construtiva e responsável na comunidade, privilegiando o diálogo positivo e eficaz na sua relação com todos os agentes da sociedade, nomeadamente os poderes públicos e outros parceiros sociais”.

Mais ainda, a USI “tem desenvolvido atividades em todos os sectores da chamada economia social, com os Fundos de Pensões, apoio à Terceira Idade, Serviços de Saúde, Mediação de Seguros, etc., havendo ainda a destacar a parceria celebrada com o ISCTE para realizar o curso de Pós-Graduação em Sindicalismo e Relações Laborais.”

ccpl (6)

ccpl (13)

ccpl (21)

ccpl (16)

ccpl (8)

ccpl (15)

ccpl (17)

Perre (33)

Perre (45)

Perre (49)

Perre (52)

Perre (61)

Perre (76)

Perre (88)

NO DIA 1º DE MAIO DE 1904, OS TRABALHADORES SAIRAM À RUA EM LISBOA PARA HOMENAGEAR JOSÉ FONTANA

Dia Internacional do Trabalhador comemora-se em Portugal há mais de um século

Passam precisamente 111 anos sobre a data em que, por ocasião das celebrações do 1º de maio, os trabalhadores saíram à rua em Lisboa e desfilaram até às Picoas onde, frente ao edifício do então matadouro municipal, procedeu ao lançamento da primeira pedra de um monumento a ser erguido em homenagem a José Fontana.

N27_0003_branca_t0-2

Na ocasião, Azedo Gneco procedeu à entrega ao vereador Sabino de Sousa do martelo “com que havia de bater a pedra fundamental do monumento”, como refere a revista Ilustração Portugueza à época.

Influenciado pelos ideais anarquistas de Proudhon e Bakunine, José Fontana foi um dos pioneiros dos ideários socialistas em Portugal, tendo participado na organização cas conferências do Casino e na fundação do Partido Socialista Português, tendo também participado na redação dos estatutos do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas.

N27_0003_branca_t0-4

N27_0003_branca_t0-5

N27_0003_branca_t0

N27_0003_branca_t0-3

MINHOTOS EM LOURES PROMOVEM ENCONTRO DE CULTURAS

O Grupo Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares Verde Minho promove no próximo dia 30 de Maio, mais uma grandiosa edição do festival de folclore que reúne anualmente na cidade de Loures diversos grupos folclóricos representativos das mais diversas regiões do país. Trata-se do XXII Encontro de Culturas Verde Minho e terá lugar no Parque da Cidade de Loures, tendo como cenário a magnífica réplica das ruínas de S. Paulo, em Macau, a qual serviu de fachada ao Pavilhão de Macau na Expo’98.

Fotos do Verde Minho 023-2

Naquele local vão desfilar os usos e costumes das nossas gentes, exibindo as suas tradições, as danças e cantares, ao som da concertina e do cavaquinho e ao ritmo dos bombos e dos reco-recos, das castanholas e dos ferrinhos, mostrando como se canta e dança o vira e o malhão, a rusga e a cana-verde.

A abrir as festividades, o Grupo de Bombos Zés Pereiras Os Baianenses, de Baião, e o Grupo de Bombos Zés Pereiras das Mercês, de Sintra, vão fazer uma autêntica arruada, anunciando a festa com o rufar dos seus bombos bem à maneira das nossas mais genuínas e alegres romarias. Seguem-se o Rancho Folclórico e Etnográfico Palmeiras, de Braga; o Grupo Folclórico de Meãs do Campo em representação do Baixo Mondego; o Rancho Folclórico de Alvarelhos, da Trofa; o Grupo de Danças e Cantares Besclore e as Escolas de Concertina Filipe Oliveira e Daniel Sousa.

De referir que, apesar do concelho da Trofa se encontrar inserido do distrito do Porto e, por conseguinte, fazendo parte da província do Douro Litoral, aquele concelho é parte integrante da mesma região etnográfica do Minho coincidente com a antiga Comarca d’Entre o Douro e Minho.

 

EM 1985, GEORGES DUSSAUD FOTOGRAFOU SARGACEIROS DA APÚLIA

A imagem mostra a faina do sargaço, na Apúlia, em 1985, registada pelo fotógrafo francês Georges Dussaud. Fez parte da exposição retrospetiva do trabalho do autor “Crónicas portuguesas”, apresentada no edifício da ex-Cadeia e Tribunal da Relação do Porto em 2007 e foi adquirida por doação em 2007, pertencendo atualmente ao Centro Português de Fotografia.

CNF4575

Da ficha correspondente, transcreve-se a seguinte descrição biográfica:

Georges Dussaud nasceu em Brou, na região da Bretanha, no ano de 1934. Embora de nacionalidade francesa, as viagens e as imagens que daí regista fazem dele um cidadão do mundo. É notório o seu fascínio pelas cenas do quotidiano. Não se deixa envolver pelas temáticas comuns que outros já captaram. Dussaud gosta do imprevisto, da simplicidade e espontaneidade das coisas do dia-a-dia, seja de que povo for. Tenham sido as reportagens efectuadas na Grécia, na Irlanda, na Índia, em Cuba, em França ou Portugal, o factor humano está sempre presente. Casou com Christine Dussaud, sua incansável companheira de viagens e testemunha ocular de tantos instantes de tempo aprisionados pela sua objectiva. Talvez por isso tenha feito tanto sentido que fosse ela a autora do prefácio de Crónicas Portuguesas. O livro é dedicado aos três filhos do casal, Alexandre, Eric e Tristan, também eles “companheiros de viagem pelos caminhos de Portugal”. O facto de se ter tornado membro da agência parisiense Rapho, em 1986, coloca o seu nome a par de mestres da fotografia como Robert Doisneau, Willy Ronis ou Sabine Weiss. As deslocações frequentes a Portugal resultam também na presença regular em iniciativas como os Encontros de Fotografia de Coimbra e Encontros da Imagem de Braga. As instituições nacionais não têm sido indiferentes ao seu trabalho e a prova disso é que ele está representado, não só na Colecção Nacional de Fotografia do CPF, mas também no Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa e no Museu da Imagem de Braga. No ano de 1997 já as editoras Marval e Assírio & Alvim se haviam associado para publicar Portugal Terra Fria, o “antecessor” de Crónicas Portuguesas. Por ocasião da sua mais recente viagem a Portugal, em 2007/2008 o autor concebeu um portfolio inédito de fotografias, captadas exclusivamente na cidade do Porto, e que deram origem à exposição “Invisões” apresentada no Centro Português de Fotografia em 2009.

Pág. 26/26