Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

LIVRO SOBRE A HISTÓRIA, PATRIMÓNIO E MEMÓRIA DE FAFE VAI SER APRESENTADO NA LIVRARIA DA FNAC DO CHIADO, EM LISBOA

Apresentação do livro “Fafe – História, Memória e Património” na livraria da FNAC do Chiado, em Lisboa, realiza-se em 24 de maio

No próximo dia 24 de maio (sábado), o historiador Daniel Bastos, o fotógrafo José Pedro Fernandes, e o tradutor Paulo Teixeira, apresentam às 18h00, na Livraria FNAC do Chiado, em Lisboa, o livro Fafe História, Memória e Património.

Capa do Livro

A obra de 300 páginas com chancela da Editora CONVERSO, em edição trilingue (Português, Francês e Inglês), conta com prefácio do fotógrafo francês Gérald Bloncourt, reputado poeta, pintor e fotógrafo da emigração portuguesa que fará a apresentação da obra.

Patrocinado por uma dezena de empresas representativas do tecido socioeconómico local, o livro, que transmite uma imagem global e fundamentada da evolução do território concelhio das origens à atualidade através de um enquadramento histórico assente numa centena de fotografias originais a preto e branco, constitui um autêntico cartão-de-visita para todos que queiram conhecer e visitar a “Sala de Visitas do Minho”.

Segundo Gérald Bloncourt, que assina o prefácio do livro, e que em 2009 doou ao Museu das Migrações e das Comunidades - Município de Fafe uma coleção de 104 fotografias sobre a vida dos emigrantes portugueses em França nas décadas de 50 e 60, o livro propondo aos leitores um olhar do passado no presente redescobre “locais por onde circulei nos anos sessenta. Mas esta obra é tão rica (textos e fotos) que acabei por descobrir muitas outras coisas que ignorava. Passei ao lado de tantos edifícios e de tantas paisagens que nem fazia ideia! Os dados históricos permitiram-me apreender melhor esta grande civilização. Era pois necessário e urgente que este livro fosse publicado para gravar na memória tudo o que tinha acontecido”.

Refira-se que após o lançamento dos livros “Fafe – Estudos de História Contemporânea”, e “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 Anos ao Serviço da Comunidade”, esta é a terceira vez consecutiva que o historiador Daniel Bastos apresenta obras de sua autoria junto da comunidade emigrante em Paris, em particular a de Fafe, que constitui um importante elo de ligação aos trabalhos do investigador minhoto.

LICENÇA DE ISQUEIRO PROTEGIA OS FÓSFOROS

A licença de isqueiro foi uma medida protecionista implementa durante o Estado Novo e regulamentada pelo Decreto-lei nº 28219 de novembro de 1937, visando a proteção da indústria fosforeira nacional face à importação de isqueiros e acendedores.

1240295_585689514811300_1859575440_n

O uso de isqueiro sem licença era passível de multa no valor de 250 escudos, valor que podia ir até ao dobro caso o infrator fosse militar ou funcionário público. O valor da licença de isqueiro e das multas aplicadas revertia parcialmente para a Fosforeira Nacional. A obrigatoriedade de licença de isqueiro foi abolida em maio de 1970, liberalizando-se desse modo a sua importação, apenas sujeita às taxas alfandegárias.

O documento que se reproduz constitui uma licença de uso de isqueiro passada em nome de Joaquim da Costa Freitas da Cunha, residente em Viana do Castelo.

Fonte: Tristão Fernandes / https://www.facebook.com/tristao.fernandes.3?fref=ts

Pág. 30/30