Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MUNICÍPIO DE CAMINHA DISPONIBILIZA TRANSPORTE PARA ESPETÁCULO DE SÓNIA ARAÚJO

Sónia Araújo sobe ao palco do Parque Dr. Ramos Pereira, em Vila Praia de Âncora, domingo, às 15 horas. O espetáculo é gratuito.

A Câmara Municipal de Caminha vai disponibilizar transporte de ida e volta para o espetáculo da Sónia Araújo que se realiza este domingo, dia 1 de junho, às 15 horas, no Parque Dr. Ramos Pereira em Vila Praia de Âncora. O transporte e o espetáculo são gratuitos. O objetivo é dar a oportunidade a todas as famílias de assistirem ao concerto.

Assim, a partir das 12 horas, estão previstos vários circuitos que incluem todas as freguesias do concelho. Os interessados devem estar nos locais indicados à hora marcada. O regresso também está assegurado. A partir das 17 horas, os autocarros encontrar-se-ão no parque de estacionamento do lado sul do Parque Dr. Ramos Pereira e farão os mesmos percursos.

O roteiro e horário a praticar é o seguinte:

1.º Ronda/Trajeto:

-12:10 h, Dem no centro da freguesia

-12:20 h, Gondar no Centro Cultural

-12:30 h, Orbacém na Junta de Freguesia

-12:40 h, Soutelo na Igreja

-12:50 h, Riba de Âncora junto à igreja

-13:00 h Vile junto à quinta do cruzeiro

-13:10 h Parque Ramos Pereira V.P. Ancora

2.º Ronda/Trajeto

-13:20 h, Vilar de Mouros no Centro Cultural

-13:30 h, Lanhelas antiga oficina do Anhas

-13:40 h, Seixas Largo de S. Bento

-13:50 h, Caminha junto Pastelaria Virgem de Fátima

-14:00 h, Cristelo junto à junta de freguesia

-14:10 h, Moledo largo da estação comboios

-14:20 h, Parque Ramos Pereira V. P. Ancora

3.º Ronda/Trajeto

-14:30 h, Dem no centro da freguesia

-14:40 h, Gondar no Centro Cultural

-14:50 h, Orbacém na Junta de Freguesia

-15:00 h, Soutelo na Igreja;

-15:10 h, Riba de Âncora junto à igreja

-15:20 h Vile junto à quinta do cruzeiro

-15:30 h Parque Ramos Pereira V.P. Ancora

Mini Autocarro

1.º Ronda/trajeto

-13:15 h, Argela junto à junta de freguesia

-13:25 h, Venade, largo da Igreja

-13:35 h, Azevedo, Junto à junta de freguesia

-13:45 h, Vilarelho, junto à oficina da Goalauto

-13:55 h, Parque Ramos Pereira V.P. Ancora

2.º Ronda/Trajeto

-14:10 h, Vilar de Mouros no Centro Cultural

-14:20 h, Lanhelas, antiga oficina do Anhas

-14:30 h, Seixas, Largo de S. Bento

-14: 40 h, Caminha, junto Pastelaria Virgem de Fátima

-14:50 h, Cristelo, junto à junta de freguesia

-15:00 h, Moledo, largo da estação comboios

-15:10 h, Parque Ramos Pereira V. P. Ancora

MUNICÍPIO DE CAMINHA ASSINALA DIA MUNDIAL DO AMBIENTE COM PERCURSO INTERPRETATIVO “ZONAS HÚMIDAS DA SERRA D’ARGA”

Inscrições podem ser efetuadas através dos contactos: cisa@cm-caminha.pt | 258 721 708 ou 914 476 461

O município de Caminha vai assinalar o Dia Mundial do Ambiente, comemorado a 5 de junho, com um percurso interpretativo, que decorre no sábado, dia 7 de junho, pelas 14h30, na Serra d’Arga. O objetivo é dar a conhecer aos participantes as zonas húmidas desta serra, nomeadamente as áreas de charnecas e turfeiras, importantes habitas daquele sítio, que é de importância comunitária. A participação é gratuita, sendo que a inscrição é obrigatória e o número limitado de participantes.

Durante o percurso interpretativo “Zonas húmidas da Serra d’Arga”, os participantes vão, sempre acompanhados por um biólogo especialista, ficar a conhecer as características destes habitats bem como a sua importância para a preservação das várias espécies de fauna e flora, algumas delas raras e com distribuição reduzida em Portugal. As áreas de charnecas e turfeiras são alguns dos espaços a explorar.

A inscrição deve ser efetuada através do endereço eletrónico cisa@cm-caminha.pt ou dos contactos telefónicos: 258 721 708 e 914 476 461. Recorde-se que a participação é gratuita e que o número de inscritos é limitado. A atividade deve terminar pelas 17h30.

MUNICÍPIO DE CAMINHA FAZ APELO À PREVENÇÃO DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS

Período Crítico durante o qual é proibido o uso de fogo, decorre de 1 de julho a 20 de setembro

Com a chegada de temperaturas mais agradáveis prolongam-se os dias secos, por isso, são necessários cuidados redobrados na hora de fazer uma queima de sobrantes agrícolas ou florestais, ou por outras palavras, na hora de fazer fogueiras. Na verdade, o Período Critico para 2014 já se encontra legalmente definido – de 1 de julho a 20 de setembro – durante o qual é proibido o uso do fogo. Desta forma, o município de Caminha faz um apelo a todos para que adotem determinados cuidados na utilização do fogo, a fim de prevenir os incêndios florestais.

Prevenção de incêndios (3)

É de salientar também que fora do Período Crítico as queimas de sobrantes agrícolas ou florestais só podem ser realizadas desde que o Risco de Incêndio Florestal não seja muito elevado ou máximo. Aquando da realização destas fogueiras devem ser tidas em atenção as seguintes medidas de segurança:

- Informar-se previamente qual o índice de Risco de Incêndio Florestal;

- Informar o 117 quando e onde vai iniciar a queima e seguir o mesmo procedimento assim que terminar;

- Realizar a queima preferencialmente durante o período da manhã;

- Escolher um dia húmido e sem vento;

- A queima deve ser realizada o mais afastada possível de outra vegetação e dos espaços florestais;

- Realizar uma faixa de segurança à volta do local da queima, limpa de vegetação e com solo mineral à vista;

- Acumular pouca vegetação de cada vez, para que o fogo não seja muito intenso;

- Assegurar no local água e as ferramentas necessárias para apagar totalmente a queima e assim evitar reacendimentos;

- Nunca abandonar a queima enquanto esta decorre;

- Abandonar o local da queima após verificar que não existe a possibilidade de reacendimentos e assegurar que a terra se encontra fria.

- Em caso de dúvida contatar o 117 ou o Gabinete Técnico Florestal do Município.

- Não deve ser ainda esquecida a proteção das edificações. Para tal, é necessário garantir a gestão dos combustíveis numa faixa de 50 m à volta da edificação, para assim garantir uma maior segurança dos bens em caso de incêndio florestal. Esta é também uma forma de apoiar os combatentes na luta contra os incêndios.

Em caso de dúvida ou necessidade de exposição de alguma situação, o munícipe deve informe-se junto do Município de Caminha ou da GNR.

Prevenção de incêndios (2)

Prevenção de incêndios (1)

BARCOS DO RIO MINHO EM MEADOS DO SÉCULO XX

A imagem data de 1961 e mostra embarcações típicas de pesca e transporte, nas margens do rio Minho, em Monção, vendo-se ao fundo um agente da Guarda Fiscal e um marinheiro.

PT-CPF-OLF-0053-000029_m0001_derivada

Estes barcos eram utilizados a montante de Vila Nova de Cerveira, até aos arredores de Monção. À semelhança do carocho, possuem fundo chato e quilha de secção em T, casco de tábua trincada de dois bicos construído pela técnica de shell-first, distinguindo-se deste por terem uma proa menos desenvolvida com as bordas niveladas. Possuem dimensões médias de 6 x 1,5 x 0.45m. Armam vela ao baixo, numa variante com a altura reduzida de 1/3, mediante um insólito recorte da esteira. A propulsão é efetuada por 2 remos e vara com tripulação de 2 a 4 pessoas. 

A foto pertence ao Centro Português de Fotografia.

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA APOIA CAMPANHA DE RECOLHA DE ALIMENTOS DO BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME

Este fim-de-semana apoie esta causa

À semelhança de campanhas anteriores, a Câmara Municipal de Caminha vai apoiar a campanha de recolha de alimentos promovida pelo Banco Alimentar Contra a Fome, que se realiza este fim-de-semana (dias 31 de maio e 1 de junho), nos estabelecimentos comerciais do concelho.

A campanha consiste na recolha de alimentos nos estabelecimentos comerciais do concelho de Caminha e tem como objetivo mobilizar a sociedade a ajudar quem mais precisa. Assim, nas portas dos estabelecimentos comerciais estarão voluntários devidamente identificados a convidar a população a doar alimentos, nomeadamente, leite, atum e salsichas, azeite e óleo, açúcar, farinha, massas, arroz, entre outros, a quem mais precisa.

Durante o fim-de-semana, cerca de 40.800 voluntários vão marcar presença em quase 2.000 estabelecimentos comerciais de todo o país, convidando à participação na campanha.

Mais uma vez, gostaríamos de poder contar com a sua indispensável colaboração, para continuarmos a nossa missão de distribuir “a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas que a título voluntário se associam a esta causa”.

O resultado será distribuído localmente a pessoas com carências económicas, por intermédio de Instituições de Solidariedade Social, previamente selecionadas e acompanhadas ao longo do ano.

É de salientar ainda que até dia 8 de junho, será também possível contribuir na campanha “Ajuda Vale”, cujo lema é “uma ajuda que não pesa mas vale”. Aderir é fácil, basta pedir um vale com um código de barras específico para os produtos para o Banco Alimentar nas caixas dos supermercados.

A par da campanha de recolha de alimentos em supermercados, o Banco Alimentar disponibiliza ainda uma plataforma eletrónica em www.alimentestaideia.net para doação de alimentos.

ARCOS DE VALDEVEZ ASSINALA DIA MUNDIAL DA CRIANÇA

Crianças do concelho de Arcos de Valdevez vão divertir-se na Ínsua do Vez com diversas atividades no Dia Mundial da Criança

No próximo dia 1 de Junho, domingo, assinala-se o Dia Mundial da Criança e, a C.P.C.J., em parceria com a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez e a U.C.C. - Unidade de Cuidados na Comunidade (Centro de Saúde), vai organizar um encontro para as crianças do concelho arcuense na Ínsua do Vez, composto por picnic e jogos.

As atividades têm início pelas 10h e será importante que todas as crianças levem consigo jogos, protetor solar, um chapéu, uma manta, o seu lanche e água.

MINISTRO POIARES MADURO VISITA VALENÇA

O Presidente da Câmara de Valença, Jorge Mendes, reúne com o Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro amanhã, sábado, 31 de maio, em Valença.

A reunião abordará o Centro de Inovação e Logística de Valença, a candidatura da Fortaleza de Valença a Património da Humanidade e a reorganização dos serviços públicos, entre outros temas que preocupam a cidade de Valença.

A deslocação ministerial a Valença insere-se num roteiro ministerial ao Norte de Portugal que pretende manifestar um empenho especial para com este este território ao nível das políticas públicas, com o objetivo de promover eficazmente a sua promoção e desenvolvimento.

Assim, a iniciativa ministerial visa sensibilizar as entidades para a defesa e recuperação do património, sinalizar e reconhecer propostas locais de inclusão social, evidenciar boas práticas no domínio das iniciativas empresariais, reconhecer a importância do conhecimento científico e tecnológico associado ao desenvolvimento local e protocolar a instalação de “lojas do Cidadão” e outras iniciativas que visem descentralizar competências da Administração Local.

PÓVOA DE LANHOSO ESCOLHE OS TALENTOS QUE VÃO Á FINAL DE FESTIVAL

Já são conhecidas as oito atuações que irão estar na finalíssima do Festival de Talentos 2014, prevista para o próximo dia 5 de julho. Para além destas, há ainda uma outra que irá ser escolhida pelo público através do facebook. Será repescada aquela que tiver mais “gostos”.

Na noite de sábado, 24 de maio, foram 13 as performances que passaram pelo palco do Cine-Forum dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, local onde decorreu a semifinal da quarta edição deste evento, que é promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso em colaboração com a Associação de Turismo local.

“Esta é uma iniciativa que se tem vindo a afirmar, não só pela qualidade dos concorrentes, mas também pelo envolvimento dos Povoenses. Está demonstrado que a Póvoa de Lanhoso tem talentos em diversas áreas artísticas. E o nosso objetivo é ajudar a que se revelem”, refere o Vereador para a Cultura, Armando Fernandes. Este responsável acredita na qualidade do espetáculo da final ao mesmo tempo que deixa uma palavra de incentivo aos concorrentes que não foram apurados. “A finalíssima do dia 5 de julho será, com certeza, uma grande manifestação cultural e artística. A criatividade dos jovens que foram selecionados para esta final é digna do nosso aplauso. Mas os jovens que não passaram da semifinal são igualmente talentosos e não devem desanimar”. Armando Fernandes nota ainda que “esta iniciativa demonstra que é possível produzir um bom espetáculo sem grandes custos e, ainda por cima, envolver os jovens Povoenses”.

Noite de talento.

Foi uma noite cheia de talentos e de animação e que presenteou os vários convidados com as mais diversificadas atuações ao nível do canto, de instrumental e de stand up comedy. O público respondeu com os seus aplausos. A apresentação ficou a cargo de Dalila Lourenço e Cláudio Lopes.

Incentivar a criação artística nos jovens e restante população da Póvoa de Lanhoso; promover talentos da Póvoa de Lanhoso; e possibilitar aos povoenses a possibilidade de mostrar talentos, habilidades, etc., são os objetivos deste evento.

De acordo com o Regulamento, os participantes podem concorrer sozinhos ou em grupo e devem ter uma idade superior a cinco anos. Podem entrar a concurso todas as áreas das artes, música, moda, magia, ilusionismo e outras.

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso deixa um agradecimento à Companhia dos Linhos pela decoração do espaço, aos Bombeiros Voluntários pela cedência do espaço, à maquilhadora Ana Rodrigues e ainda a Mafalda Teixeira, que vestiu a apresentadora.

MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO SENSIBILIZA PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do Pelouro da Proteção Civil e do Gabinete Técnico Florestal, vem alertar os munícipes para a fixação, no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios, do Período Crítico de 1 de julho até 30 de setembro de 2014.

Prevencao de Incendios 1

 

No entanto, a população do concelho deve estar consciente de que, antes mesmo do chamado Período Crítico, nos dias de mais calor, mais secos e em que o risco de incêndio também é maior, aplicam-se as mesmas proibições previstas para durante o Período Crítico (de 1 de julho a 30 de setembro).

Desta forma, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apela a que a população colabore na prevenção de incêndios no nosso concelho e que, antes de efetuar qualquer queima de sobrantes agroflorestais, se informe do risco de incêndio previsto para o dia pretendido, recorrendo às Juntas de Freguesia, GNR, Bombeiros, Proteção Civil (117) e Gabinete Técnico Florestal do Município Povoense (253 632 790).

Proteger um bem comum.

“A floresta é de todos. Aquilo que, por vezes, é feito com alguma naturalidade, como atirar uma ponta de cigarro para o chão, por exemplo, pode transformar-se num enorme problema. No Período Crítico, o risco aumenta exponencialmente e, por isso, todos os cuidados são poucos”, refere o Vereador para a Proteção Civil da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Armando Fernandes. Considerando ainda que “a melhor forma de combater os incêndios florestais é apostar na prevenção”, este responsável acrescenta: “Infelizmente, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, neste momento, não disponibiliza os meios que disponibilizou no passado para as ações de fogo controlado. Esta foi uma ação preventiva que, no ano passado, pusemos em prática com resultados assinaláveis”. Ainda no que se refere à prevenção, o Vereador salienta o papel dos clubes da floresta das nossas escolas, considerando que "são parceiros extremamente importantes na divulgação das ações preventivas e na sensibilização da população escolar para a necessidade de uma maior consciencialização para esta problemática ambiental”.

Medidas especiais de prevenção durante o Período Crítico

De 1 de julho a 30 de setembro de 2014, vigoram medidas especiais de prevenção contra incêndios florestais (Portaria n.º 110/2014 de 22 de maio).

Nos espaços rurais e florestais é proibido fumar ou fazer lume de qualquer tipo no interior das áreas florestais ou nas vias que as delimitam ou atravessem; é proibido realizar fogueiras para recreio ou lazer e para confeção de alimentos, exceto quando realizadas em locais expressamente previstos para o efeito e identificados como tal; é proibido lançar foguetes ou balões de mecha acesa (extensível a todo o território nacional), sendo que a utilização de fogo-de- artifício ou de outros artefactos pirotécnicos, que não os indicados anteriormente, está sujeita a autorização prévia da Câmara Municipal; é proibido queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração agrícola/florestal (queimas); é proibido fazer queimadas para renovação de pastagens e eliminação de restolho e ainda para eliminar sobrantes de exploração cortados, mas não amontoados; e é proibido utilizar máquinas de combustão interna e externa, onde se incluem todo o tipo de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados, quando não estejam equipados de dispositivos de retenção de faíscas ou faúlhas e de dispositivos tapa-chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Para se protegerem, as pessoas deverão limpar o mato num raio mínimo de 50 metros à volta de habitações, estaleiros, armazéns, oficinas ou outras edificações, de entre outros aspetos.

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso recomenda a todos os munícipes que tenham especial cuidado na utilização do fogo, de forma a diminuir o número de incêndios rurais/florestais e área ardida no concelho da Póvoa de Lanhoso, no próximo Verão.

Consultar o Risco Diário de Incêndio através de www.mun-planhoso.pt

TOURADA EM VIANA DO CASTELO ESTÁ ANUNCIADA PARA O PRÓXIMO DIA 24 DE AGOSTO

O movimento "Vianenses pela Liberdade" anunciou à Lusa a data de 24 de agosto para a realização de uma nova tourada, em Viana do Castelo, no último dia das Festas de Nossa Senhora da Agonia.

183629_457541424280249_1907753366_n

"Estamos a trabalhar no processo burocrático, com o apoio da Prótoiro, mas a corrida está prevista para dia 24 de agosto. Estamos a fazer tudo para que seja nessa data", adiantou à Lusa José Carlos Durães, porta-voz do movimento cívico.

Tal como as duas touradas anteriores, a de 2014 vai decorrer durantes das festas da cidade, que arrancam a 20 e terminam a 24 de agosto.

José Carlos Durães adiantou que, nesta altura, existem dois locais possíveis para a realização da corrida de touros.

"Ou vai decorrer no mesmo local do ano passado, ou noutro zona nas redondezas da cidade", afirmou sem especificar a nova localização.

Em 2013 a corrida de touros promovida pela Prótoiro, federação de associações taurinas, decorreu em terrenos privados da freguesia de Darque, numa arena amovível, montada para o efeito, com capacidade para 3.300 pessoas.

O porta-voz do movimento local, José Carlos Durães adiantou que o cartel já está a ser negociado, com o apoio de "um empresário nacional muito conceituado".

Este movimento foi criado em 2009, depois de a câmara ter aprovado, por proposta da maioria socialista, a declaração afirmando Viana como "antitouradas", prevendo não autorizar qualquer evento deste género em terrenos públicos ou privados desde que tal dependesse de decisão do município.

Para contrariar a decisão da Câmara, a Prótoiro realizou em agosto de 2012 uma tourada no concelho, a primeira depois da aprovação desta declaração municipal, corrida que se repetiu em 2013 e à qual assistiram, segundo a organização, mais de 2.550 espetadores, além de 200 entradas grátis para menores de 18 anos.

A câmara tinha alegado falta de condições de segurança, nomeadamente acessos de emergência, para indeferir, por duas vezes, a instalação, em terrenos privados na freguesia de Darque.

Tal como em 2012, a tourada do ano passado aconteceu porque o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou uma providência cautelar apresentada pela Prótoiro, para suspender o primeiro indeferimento municipal.

Fonte: Lusa

539064_457541300946928_524055390_n

527076_457541064280285_342416094_n

JOAQUIM ALVES CORREIA DE ARAÚJO: UM FAMALICENSE NA PRIMEIRA GRANDE GUERRA

A memória do médico Joaquim Alves Correia de Araújo, médico em África durante a Grande Guerra

Joaquim Alves Correia de Araújo era o segundo filho dos oito de Manuel Alves Correia de Araújo e de Bambina Amélia Machado d’Araújo, proprietários rurais de Requião, concelho de Vila Nova de Famalicão. Tal como com os outros filhos, Manuel e Bambina proporcionaram-lhe uma educação esmerada, tendo o mesmo iniciado o estudo das primeiras letras na escola da freguesia. Dali seguiria para o liceu de Guimarães, e a partir do sexto ano, frequentaria o Liceu Nacional Central de Braga, onde completou os seus estudos liceais com uma média final de 12 valores.

Logo depois Joaquim Alves decidiu matricular-se no primeiro ano de Medicina, e para tal escolheu fazê-lo na recém-criada Faculdade de Medicina do Porto, que substituiu a Escola Médico Cirúrgica ali estabelecida pela reforma educativa de Passos Manuel em 1836. Denote-se a curiosidade encontrada por Teresa Alves de que, dos cento e catorze colegas inscritos no curso de Medicina, colegas de seu tio-avô no ano lectivo de 1911-12, apenas cinco eram mulheres. 

Teresa Araújo desconhece o motivo que terá levado o seu tio-avô à Medicina, pensando-se que poderá ter sido por influência de seu tio materno João Machado d’Araújo, que terminou medicina na Escola Médico Cirúrgica do Porto em 1894. A única certeza que tem, e assim é porque existem as provas documentais que o atestam, é que no ano de lectivo de 1915-16 Joaquim Alves estava já no seu quinto ano, e defenderia em 23 de fevereiro de 1917, à época já mobilizado com a 1ª divisão de Lisboa, a tese “O método de Carrel e o soluto de Dakin no tratamento das feridas infetadas”, como surge referenciado no Jornal Gazeta de Famalicão de 24 de Fevereiro de 1917.

A própria sobrinha – neta refere que não deixam de ser curiosas as breves palavras que escreve no preambulo da sua tese, respeitantes à mobilização de jovens médicos, pois afirma que, mesmo sem defenderem a tese de final do curso (sem a qual não podiam exercer clinica médica civilmente, tal não constituía, impeditivo para o exercício de clinica militar, algo que considerava no mínimo um paradoxo. 

Já médico, com a sua tese defendida, Joaquim Alves tirará uma foto, envergando o seu dólman de serviço, no Porto, mais propriamente na Foto Universal, na rua de Cedofeita, para deixá-la para a posteridade, como acontecia na época, e igualmente para oferecer aos seus familiares e amigos. Estava pronto para partir, o que acabaria por suceder nos meses seguintes, como nos relatam os jornais da época. E é a bordo do vapor “Portugal” que o jovem médico, agora alferes médico na Grande guerra, seguirá para Moçambique, acompanhando o contingente de infantaria 31 e chegando à cidade da Beira em finais de Maio de 1917. 

Foi nomeado médico da coluna dos “Macondes” sob comando do Tenente Coronel José da Cunha e do Major Neutel d’Abreu, serviço que desempenhou durante um ano, sediado no posto de Chomba, local onde se fixara o Hospital de Sangue. Mudar-se-ia depois para o Hospital dos Combatentes na ilha de Xefina, na baía de Lourenço Marques, onde existe a referência familiar, repositório das suas próprias memórias, de que teria manipulado e usado um remédio da sua autoria, que dizia ter obtido resultados excepcionais na luta contra a febre biliosa, conseguindo-se assim diminuir o número de mortes causadas por esta patologia. Por ali se demorou largos meses, até ao termo do conflito, regressando depois e de forma definitiva a Portugal, a bordo do “Boliqueime”, corria o mês de Novembro de 1918. Disso se apercebeu Teresa Araújo, que consultou os jornais locais que referem mesmo a “boa aparência” do jovem médico ao regressar á pátria. 

Aquando da sua chegada a Lisboa teve uma nomeação imediata para médico do Regimento de Sapadores do Caminho-de-Ferro, funções que viria a acumular com os serviços médicos prestados no Hospital Militar da Estrela. Em 1922 foi ainda promovido a capitão - médico. Depois de uma temporada no sul, pediu a sua transferência para o Segundo Grupo de Companhias de Sapadores do Caminho de Ferro, sediado em Santo Tirso, onde serviu até 1937, ano em que teve lugar a reorganização do exército que deu por extinto aquele grupo de sapadores de caminhos-de-ferro naquela vila. Joaquim Alves terá então requerido a sua passagem à reserva, a qual lhe foi concedida. Todavia, continuará na ser médico, e a trabalhar no Hospital Militar do Porto, onde se manteve até 1947. A reserva nunca significou que não prestaria serviço activo. Joaquim Alves continuou a trabalhar até que, naquele ano, uma Junta Militar o considerou incapaz para o serviço militar, sendo presente à Junta Geral de Depósitos, Crédito e Previdência, para efeitos de aposentação. Todavia, esta considerou-o em condições de continuar na reserva, prestando serviço nas Juntas de Inspecção de Recrutamento.

A Grande Guerra e a sua presença na mesma nunca foi esquecida por Joaquim Alves, o que é atestado pelo seu papel de grande organizador na Liga dos Combatentes da Grande Guerra no concelho famalicense. Ali, chegou a ser presidente da sua comissão administrativa, desde a sua fundação, a 12 de Dezembro de 1934, até finais da década de 1940. A Guerra tinha deixado as suas marcas. Hoje, recordamos assim, pelas palavras e pelo trabalho de investigação de Teresa Araújo, a presença na mesma deste interveniente no conflito, não como combatente, mas como médico, salvando vidas na África Oriental. 

Informação Adicional: Autor – Relator: Margarida Portela

Testemunha – Contador: Teresa Araújo

INTERVENIENTES

Nome: Joaquim Alves Correia de Araújo

Cargo: Médico Militar

TEATROS DE GUERRA

Teatros de Guerra: África (Moçambique. Local: Beira e Lourenço Marques)

Fonte: http://www.portugal1914.org/portal/pt/

‘A GUARDA DOCE’ PARA VISITAR NO PRÓXIMO Fim-de-semana

“A Guarda Doce” vai contar com a doçaria do concelho de Caminha e com o talento do Grupo Folclórico das Lavradeiras de Gondar, do Grupo de Danças e Cantares Genuínos da Serra d’Arga e do ‘Projeto Minius’ - Música Tradicional Portuguesa

A “Caminha Doce” saltou a fronteira e chegou à vizinha A Guarda. A primeira edição de “A Guarda Doce” realiza-se já nos próximos dias 31 de maio e 1 de junho, na Alameda. Os doces e sobremesas comercializados pelas pastelarias da localidade conjugados com um programa de animação diversificado prometem um fim de semana em cheio.

As boas relações entre as autarquias de Caminha e A Guarda têm dado bons frutos no plano cultural e desportivo. Depois da 1ª Caminhada Luso-Galaica, que se realizou em março, chega agora a primeira edição de “A Guarda Doce” que significa, no fundo, a internacionalização da Feira de Doçaria "Caminha Doce". Os doces típicos de Caminha vão marcar presença na edição galega e até a animação vai contar com o contributo e o talento de grupos do concelho.

Entre as 11 e as 21 horas (hora espanhola) é possível visitar os vários expositores de “A Guarda Doce”, na Alameda e ficar a par do que de melhor se faz em termos de doces e sobremesas na região vizinha. Mas não só de adoçar a boca aos visitantes se faz a festa e, por isso, há um programa de animação bem recheado.

A abertura do certame está agendada para sábado, ao meio-dia, e contará com a presença de Miguel Alves. Seguem-se as atuações do Grupo Folclórico das Lavradeiras de Gondar e do Grupo de Danças e Cantares Genuínos da Serra d’Arga. Está ainda previsto um passeio em bicicleta, assim como uma mostra de pintura ao ar livre.

Já para domingo, o programa apresenta as atuações de “Fiddle Loop & Jose Stewart”, do Grupo de Música Tradicional Portuguesa - “Projeto Minius” e do Grupo de Clarinete do Conservatório de Tui, há ainda um workshop para crianças e concursos, com destaque para o concurso de “Rosca de Xema”, um doce de excelência daquela região galega. O objetivo do concurso é dar destaque a este doce tão típico de A Guarda.

Ao longo dos dois dias, os visitantes podem ainda passar pela exposição de motas e bicicletas antigas, visitar a exposição de pintura no Centro Cultural e desfrutar da animação de rua. Os insufláveis serão diversão garantida para os mais pequenos.

ARQUIVO HISTÓRICO DA MARINHA REALIZA MOSTRA DOCUMENTAL

O seu acervo documental possui elevado interesse para os estudiosos e investigadores da nossa região

O Arquivo Histórico da Marinha leva a efeito durante o próximo mês de junho uma mostra documental subordinada ao tema “A Marinha e os Arquivos”. Com elevado interesse também no que à região de Lisboa diz respeito, mormente os concelhos do litoral e toda a atividade marítima e piscatória com ela relacionada, o Arquivo Histórico da Marinha constitui um importante lugar de memória cuja consulta se aconselha vivamente aos estudiosos e investigadores da nossa região.

Para melhor entendimento da sua importância, transcreve-se com a devida vénia a apresentação que é feita no site oficial da Marinha Portuguesa.

“O Arquivo Histórico conserva registada a memória da Marinha, nas suas múltiplas atividades ao longo dos últimos 250 anos.

Integrado na Biblioteca Central de Marinha, o Arquivo Histórico assegura a guarda, conservação e divulgação do património documental e arquivístico, de natureza histórica, da Marinha enquanto fundamento da memória coletiva e individual, e ainda como fonte de investigação.

O Arquivo Histórico conserva registada a memória da Marinha, nas suas múltiplas atividades ao longo dos últimos 250 anos.

A área presentemente ocupada pelo Arquivo é superior a 2000 m2. Os serviços, que incluem gabinetes, salas de avaliação, catalogação, restauro, conservação, e a sala de leitura ocupam cerca de 380 m2 sendo a restante área destinada ao acervo documental.

A documentação mais antiga existente remonta ao século XVII, no entanto a documentação relativa aos séculos XIX e XX é que forma o principal espólio.

A escassez ou mesmo, nalguns casos, a inexistência de documentos deve-se a vicissitudes várias, sendo as principais: o terramoto de 1755, incêndios, a saída da corte para o Brasil, as invasões francesas e as guerras liberais.

A tipologia documental é variada e altamente especializada, obviamente virada para a História Marítima, agrupando-se em documentação avulsa, códices, documentação encadernada, fotografias, cartografia e planos de navios.

O Arquivo Histórico da Marinha regista a memória da Marinha ao longo dos últimos 250 anos, ocupando uma área superior a 1600 m2, o que equivale a cerca de 13 quilómetros de prateleiras com documentação.”

Fonte: http://www.marinha.pt/pt-pt/servicos/cultura/Paginas/Arquivo-Historico.aspx

MUNICÍPIO DE GUIMARÃES APROVA VOTO DE PESAR PELO FALECIMENTO DO PADRE DOUTOR JOAQUIM OLIVEIRA BRAGANÇA

Executivo vimaranense aprova “Voto de Pesar” pelo Padre Doutor Joaquim Oliveira Bragança

Nome ligado à investigação litúrgica e prestigiado Consultor do Vaticano, foi um dos oradores do III Congresso Histórico de Guimarães. Faleceu com 88 anos. Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, Voto de Pesar, cujo conteúdo se transcreve, na íntegra.

No dia 24 de maio, faleceu o Padre Doutor Joaquim Oliveira Bragança nascido no dia 6 de outubro de 1925, na freguesia de Abação, Guimarães, filho de Domingos de Oliveira Bragança e de Albina Mendes Ferreira.

Frequentou os Seminários Diocesanos de Braga e foi ordenado sacerdote a 15 de outubro de 1949 no Santuário de Nossa Senhora da Lapinha. Em 10 de setembro de 1949, foi nomeado Vigário Cooperador de Fafe; em 30 de dezembro de 1952, foi nomeado Pároco de Garfe, Póvoa de Lanhoso; em 07 agosto de 1956, foi nomeado Pároco da Costa, em Guimarães.

Com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, rumou a Paris em 1958 para se especializar no Instituto Superior de Liturgia, da Faculdade de Teologia do Instituto Católico de Paris. Prestou provas de doutoramento, em 1962, com o trabalho “La Vigile Pascale du Missel”, de Mateus. Aprofundou a formação recebida com o estudo aturado de centenas de manuscritos, em diferentes instituições de Portugal, França, Espanha e Roma.

Entre as obras a que deu corpo, contam-se a magistral edição do Missal de Mateus e títulos como Ritual de Santa Cruz de Coimbra, Processionário-Tropário de Alcobaça, Ritual de Braga do Séc. XV e A música do Pontifical de Braga do séc. XV.

Professor jubilado da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, foi diretor da revista Didaskalia (1971-1995), órgão científico da Faculdade, integrou o Conselho de Direção e Redação da revista “Communio” (1984-1988) e fundou, em 1987, a revista de musicologia “Modus”, do Instituto Gregoriano de Lisboa.

Foi Académico da Pontifícia Academia Mariana Internationalis (Roma), membro da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa) e de Societa Catalana d´Estudis Litúrgics (Barcelona).

No lançamento da obra que recolhe 40 anos da sua atividade, intitulada “Científica, Liturgia e Espiritualidade na Idade Média”, única entre nós, e que atingiu um nível científico internacional, marcando a investigação litúrgica mesmo para além das fronteiras do nosso país, D. Carlos Azevedo referiu-se à obra do seguinte modo:

 «Ao percorrermos 40 anos de atividade científica do Professor Bragança, percebemos como o académico ganhou por mérito próprio lugar incontestável e incomparável, entre nós, no domínio da historiografia litúrgica medieval», disse.

«A comunidade científica, e não apenas portuguesa, contraiu para com Joaquim Oliveira Bragança não uma pequena dívida, ao ver disponibilizados sob selo da mais elevada qualidade tantos dos textos litúrgicos que deram vida e expressão ao sentir religioso das mulheres e dos homens que fizeram a Idade Média».

Um homem exemplar, um académico notável que marcou indelevelmente a área da investigação litúrgica, um homem simples que amava Guimarães, a sua terra, que fica mais pobre com o seu falecimento.

Por todas estas razões propõe-se a aprovação por esta Câmara Municipal de um Voto de Pesar pelo falecimento do Padre Doutor Joaquim Oliveira Bragança.

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CAMINHA REÚNE EXTRAORDINARIAMENTE AMANHÃ

A Assembleia Municipal de Caminha vai reunir amanhã, às 14 horas, no Valadares-Teatro Municipal. A sessão é extraordinária e destina-se às crianças e jovens do concelho. Esta iniciativa insere-se no âmbito da Semana dos Direitos da Criança que termina domingo com o espetáculo de Sónia Araújo.

A Assembleia Municipal de Crianças e Jovens tem como objetivo dar às crianças a oportunidade de assistir e participar numa Assembleia Municipal, que vai reunir extraordinariamente para ouvir o que os mais pequenos têm a dizer sobre determinados assuntos.

A ordem de trabalhos é constituída por uma moção pelos Direitos da Criança, que os deputados vão apreciar e votar.

A semana acaba no dia 1 de junho, Dia Mundial da Criança, com um espetáculo de Sónia Araújo, que terá lugar às 15 horas, no Parque Dr. Ramos Pereira em Vila Praia de Âncora. O espetáculo com uma das caras mais acarinhadas pelo público será aberto à comunidade.

Recorda-se que a Semana dos Direitos da Criança organizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Caminha tem como objetivo chamar à atenção para os afetos e para o direito à diferença, no sentido de despertar na comunidade o sentimento de igualdade e promover a inclusão. Mas também visa proporcionar aos alunos do concelho realidades diferentes.