Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MUSEU DO TRAJE DE VIANA DO CASTELO INAUGURA EXPOSIÇÕES SOBRE TRAJES REGIONAIS E BORDADOS TRADICIONAIS

O Museu do Traje de Viana do Castelo inaugura, no próximo sábado, dia 28 de Abril, duas exposições que assinalam duas importantes doações ao Museu do Traje e homenageiam duas vianenses. São elas Manuela Ramos com a exposição “O Amor às Festas - Trajes Regionais e Vestidos de Festa” e Maria Cândida Tinoco de Abreu de Lima que expõe “Bordados, Riscos de Bordados e Leques”.

CANTOR ZECA AFONSO TINHA RAÍZES MINHOTAS

O cantor José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, vulgarmente conhecido por Zeca Afonso, tinha raízes minhotas. Descendia pelo lado materno de famílias limianas. Sua mãe, Maria das Dores Dantas Cerqueira, era professora primária e nasceu em Ponte de Lima nos começos do século XX. Outros antepassados do cantor eram oriundos de Arcozelo e São Martinho da Gandra. Domingos José Cerqueira, seu avô materno, foi professor de instrução primária em Ponte de Lima. Porém quis o destino que José Afonso viesse a nascer em Aveiro, em 2 de agosto de 1929.

resize_thumb_cms

Angola, Moçambique, Belmonte, Coimbra, Faro e Setúbal são algumas referências geográficas que se encontram na rota da sua vida. Ponte de Lima é, porventura a menos conhecida. De resto, além de não ter ao que se saiba vivido alguma vez em terras limianas, também não deverá ter encontrado matéria-prima para as suas letras, apesar da fonte de inspiração que o rio Lima sempre constituiu para muitos poetas.

 

COVAS É TERRA NOBRE DE VELHOS PERGAMINHOS

“Foi abadia da apresentação dos descendentes de D. Manuel de Azevedo e Ataíde, com duas comendas da Ordem de Cristo, que eram dadas pelos duques de Caminha e passaram para a Casa do lnfantado. 

36306_126351784068278_110706878966102_127237_23498

(…)Mas, o que domina a freguesia é a Casa do Carboal ou Casa de Covas. Propriedade vinculada e instituída em morgado, no ano de 1691, por Manuel Pereira Bacelar, um dos governadores da praça de Vila Nova de Cerveira, é presidida por imponente e austero edifício dos finais do século XVII, bela amostra de estilo chão, com a fachada a abrir-se em extensa varanda sobre pórtico. A simplicidade e grandeza arquitetónica da moradia estão defendidas por altos muros rasgados por janelas quadradas e portão encimado por escudete com o bacelo heráldico dos Bacelares. Formando um quadrilátero, a fachada principal tem nos topos duas torres, de dois pisos cada e janelas de guilhotina. As torres são coroadas aos cantos por pequenas esferas.

A base da torre direita, pelo lado sul, abre-se em túnel abobadado por onde foi lançada a escada, de degraus suaves, que conduzem à varanda. Solução originalíssima aquela que permitiu fazer deste solar seiscentista um exemplar em que a gravidade do granito, aliada à ausência completa de ornados, lhe confere dignidade especial.”

Fonte: http://www.freguesiasdeportugal.com/distritoviana/10/covas/historia.htm

36306_126351770734946_110706878966102_127236_12515

36306_126351754068281_110706878966102_127233_35930 

VILA NOVA DE CERVEIRA: FREGUESIA DE COVAS É HABITADA HÁ MAIS DE TRÊS MIL ANOS

Perdem-se nos confins dos tempos as origens da Freguesia de Covas. Constam das Inquirições de 1258 referências à existência de pelo menos três povoados castrejos, o que atesta bem a sua antiguidade ainda anterior ao período da ocupação romana. De resto, foram encontrados no monte Furado vestígios de um castro agrícola que remonta à Idade do Ferro e ainda fragmentos de vidro e “terra sigillata” provavelmente relacionados com uma “villae” associada à exploração mineira na localidade por parte dos romanos.

Também a toponímia local nos oferece inúmeras informações que atestam a sua antiguidade e que servem de suporte à História e à Arqueologia neste esforço de investigação como sucede com os casos de Vilar, Vilares e Vilarinho, provenientes de “villa” e indicativos da provável existência de uma “villae” romana. 

408955_300399496663505_110706878966102_774588_5264

Na obra “Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso Reyno de Portugal”, de António Carvalho da Costa, relativa aos anos de 1650 a 1715, reza o seguinte: “S. Salvador de Covas, Abbadia que apresenta Dom Manoel de Azevedo & Ataíde, está neste termo, sendo a maior parte dos fregueses do de Caminha, rende quinhentos mil reis, a metade he do Abbade, além do pé de Altar, & paisaes, & da outra se fazem dous Prestimonios do Habito de Christo, que por Comendas apresentavam os Duques de Caminha, cada hú importa cem mil reis, té duzentos, & trinta vizinhos. Nesta Freguesia está huma Torre antiga, que devia (…)”

402542_314186841951437_110706878966102_807347_1656

393226_300781866625268_110706878966102_775135_1825

425023_329005710469550_110706878966102_841491_1957

425061_314186331951488_110706878966102_807345_1880

401106_302529123117209_110706878966102_778982_1562

420504_314185798618208_110706878966102_807344_6760

396236_300788816624573_110706878966102_775177_3021

380204_266406603396128_110706878966102_687590_9241

409096_302529589783829_110706878966102_778989_3281

394648_302528616450593_110706878966102_778973_7762

386734_283836524986469_110706878966102_731052_5551

164162_171765906193532_110706878966102_306456_1324

VILA NOVA DE CERVEIRA: COVAS É UM SANTUÁRIO DA NATUREZA ANINHADA AOS PÉS DA SERRA D’ARGA

Ajoelhada num vale aos pés da Serra d’Arga, Covas é atravessada pelas águas cristalinas do rio Coura. Sendo a maior freguesia do Concelho de Vila Nova de Cerveira, limita com as freguesias de Candemil, Gondar, Mentrestido e Sopo e ainda os concelhos de Caminha e Paredes de Coura. 

389479_300745773295544_110706878966102_775108_4205

Qual manto verde cravejado de igrejas e capelinhas que constituem pequenas joias do nosso património edificado adornando o seu traje garrido de lavradeira minhota, Covas ostenta com orgulho os seus monumentos e pergaminhos como sucede com as capelas de S. Gregório, da Senhora da Piedade, da Senhora da Conceição, do Senhor dos Aflitos, de S. Sebastião, de Santa Marinha, da Senhora de Lurdes, de Santa Maria Madalena e do Senhor dos Passos e de Santa Luzia.

As suas gentes festejam a Santa Marinha e a S. Sebastião, ao Senhor dos Aflitos e a Nossa Senhora de Fátima, a Nossa Senhora de Lurdes e a Nossa Senhora da Tosse. E não há procissão onde não rufem os bombos do Divino Salvador, porventura o agrupamento tradicional mais caraterístico da localidade de Covas.

As fotos que junto reproduzimos são da autoria de vários habitantes desta localidade e a sua publicação destina-se a dar a conhecer os encantos desta terra minhota.

163639_171766079526848_110706878966102_306465_5673

37604_134099209960202_110706878966102_154020_24397

36306_126352074068249_2552335_n

35279_134099119960211_110706878966102_154013_39753

36306_126351950734928_110706878966102_127261_54429

35279_134099113293545_110706878966102_154011_59818

36306_126351944068262_110706878966102_127260_49892

36306_126351924068264_110706878966102_127258_88995

36306_126351810734942_110706878966102_127242_82376

36306_126351800734943_110706878966102_127241_50940

36306_126351797401610_110706878966102_127240_25505

36306_126351647401625_110706878966102_127215_70027

36306_126351674068289_110706878966102_127220_32008

VILA NOVA DE CERVEIRA: PROSPEÇÃO DE OURO EM COVAS AMEAÇA PARAÍSO AMBIENTAL

A empresa canadiana Avrupa Minerals Ltd anunciou recentemente no seu site oficial ter encontrado nas antigas minas de Covas, em Vila Nova de Cerveira, ouro e tungsténio, vulgo volfrâmio, em quantidade “significativa” para ser explorada. As prospeções decorrem numa área de cerca de 900 metros de comprimento por 100 metros de largura, tendo-se registado a presença de ouro em quase todas as amostras recolhidas. O melhor resultado obtido representou 10,2 gramas de ouro por tonelada de terra e rocha removida.

25477_110745162295607_110706878966102_76766_265624

Com efeito, o ouro encontra-se disperso no subsolo em ínfimas proporções pelo que é necessário proceder à remoção de grandes quantidades de solo para se poder obter uma pequena quantidade de metal precioso. Mais ainda, a sua extração é efetuada com recurso a lixiviantes com cianeto, mercúrio e metais pesados de elevado teor tóxico e altamente prejudiciais para a saúde e o meio ambiente.

Com a extração de ouro, na freguesia de Covas, os recursos naturais ficarão contaminados e os solos agrícolas destruídos, a paisagem não será mais a mesma e a população perderá a sua qualidade de vida a troco de uma miragem cujo brilho do ouro jamais enxergarão. Há muitas décadas, também na vizinha Freguesia da Cabração, em Ponte de Lima, se extraiu ouro e estanho sem que a população alguma vez tivesse recebido qualquer benefício da exploração. A própria energia elétrica só chegou em 1975, muito tempo decorrido desde a suspensão da atividade mineira naquela localidade.

O BLOGUE DO MINHO dedica hoje uma série de artigos à Freguesia de Covas, do Concelho de Vila Nova de Cerveira. As fotos que junto reproduzimos são da autoria de vários habitantes desta localidade e a sua publicação destina-se a dar a conhecer os encantos desta terra minhota.

163221_171766049526851_110706878966102_306464_6287

168793_171765982860191_110706878966102_306461_1267

393226_300781866625268_110706878966102_775135_1825

402223_300384209998367_110706878966102_774575_1818

409096_302529589783829_110706878966102_778989_3281

MARIA DA FONTE: A REVOLUÇÃO DO MINHO

Em 1846, as heroicas mulheres do Minho deram início a uma revolta popular contra a ditadura de Costa Cabral, tomaram de assalto as repartições de finanças onde destruíram as “papeletas da roubalheira” e expulsaram a soldadesca enviada para reprimir a revolta.

O levantamento popular começou na Póvoa de Lanhoso e espalhou-se rapidamente a todo o Minho e norte do país em geral. A exumação de um cadáver que havia sido sepultado na igreja foi o rastilho. Os sinos tocaram a rebate e, de rebelião em rebelião, a revolta foi adquirindo um caráter de guerrilhas populares até que a Rainha D. Maria II se viu forçada a demitir o governo.

A opressão fiscal e a prepotência do governo cartista de Costa Cabral tiveram na revolta da Maria da Fonte uma resposta à altura que constitui uma lição da História. Pena é que nem todos saibam aprender com o passado!

HINO DA MARIA DA FONTE

Viva a Maria da Fonte

A cavalo e sem cair

Com a corneta na boca

A tocar a reunir

 

Viva a Maria da Fonte

A cavalo e sem cair

Com a corneta na boca

A tocar a reunir

 

Viva a Maria da Fonte

A cavalo e sem cair

Com a corneta na boca

A tocar a reunir

 

Viva a Maria da Fonte

A cavalo e sem cair

Com a corneta na boca

A tocar a reunir

 

Viva a Maria da Fonte

A cavalo e sem cair

Com a corneta na boca

A tocar a reunir

 

Eia avante, portugueses

Eia avante, não temer

Pela santa liberdade

Triunfar ou perecer! (refrão)

 

Lá raiou a liberdade

Que a nação há-de aditar

Glória ao Minho, que primeiro

O seu grito fez soar!

 

Essa mulher lá do Minho

Que da foice fez espada

Há-de ter na lusa história

Uma página dourada!

 

- Hino da Maria da Fonte

PONTE DE LIMA: GRUPO DUPLAFACE LEVA À CENA "MIOSÓTIS" NO TEATRO DIOGO BERNARDES

“Miosótis” é uma peça que tem como objetivo retratar o holocausto nazi. Apesar de se misturar ficção com a realidade, pretende-se através das artes de palco, mostrar uma das partes mais cruéis da História do séc. XX. Além da representação, é ainda finalidade experimentar novas formas cénicas e de caracterização, proporcionado desta forma ao espectador um maior realismo.

O texto é de José Luciano, a encenação de Susana Luciano e é uma representação do Grupo DUPLAFACE da Associação Cultural e Recreativa de Arcozelo.

BRAGA: BRUSGA DE SÃO VICENTE DEBATE SÁ DE MIRANDA

Convite_59_27abril2012_v0

“Sá de Miranda - convivências e irreverências de uma escola” é o tema da próxima edição de “Serões no Burgo/Tertúlias Rusgueiras” que a Rusga de São Vicente de Braga - Grupo Etnográfico do Baixo Minho leva a efeito.

Trata-se da 59ª edição dos Serões e tem lugar no próximo dia 27 de abril, pelas 21h30, na sede social desta associação, sita na Av. Artur Soares (Palhotas), nº 73 em Braga, contando como convidados com Maria Eulália Lima, António Sarmento, Henrique Barreto Nunes, Miguel Bandeira e João Diogo Ferreira.

RANCHOS FOLCLÓRICOS DE TODO O PAÍS PEREGRINAM A FÁTIMA

thumb4CANXLN3M

A X Peregrinação Nacional a Fátima, levada a efeito pelos ranchos folclóricos, realiza-se no próximo domingo, dia 22 de abril. Milhares de peregrinos integrando mais de uma centena de grupos folclóricos em representação das mais variadas regiões do país vão afluir ao Santuário de Fátima, emprestando ao local o colorido dos seus trajes tradicionais domingueiros.

Trata-se de uma iniciativa da Federação do Folclore Português que se realiza anualmente. O programa tem início às 9h30 com o desfile dos grupos a partir do Parque 7 até ao Recinto de Oração, a recitação no rosário, às 10h na Capelinha e, às 11h, após a procissão para o altar, terá lugar a celebração da eucaristia, no Recinto de Oração do Santuário de Fátima.