Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

O MINHO NA CARTOGRAFIA FRANCESA DO SÉCULO XVII

capture1

Esta carta data de 1654 e tem por título “Parte Septentrional do Reyno de Portugal”. É da autoria de Nicolas Sanson d'Abbeville e foi editada em Paris, na casa do autor. Faz parte de uma série de cartas que respeitam às divisões políticas e administrativas de Portugal e encontra-se depositada no Departamento de Cartas e Planos da Biblioteca Nacional de França.

Nicolas Sanson foi um célebre geógrafo e cartógrafo francês ao tempo do rei Luis XIII e do Cardeal Richelieu, tendo inclusive dado aulas de geografia a Luis XIII e a Luis XIV. Nasceu em Abbeville em 1600 e faleceu em Paris em 1667.

Nicolas_Sanson

Nicolas Sanson d'Abbeville

 

REAL, REAL, REAL, POR D. JOÃO IV NOSSO SENHOR E REI DE PORTUGAL!

Há precisamente 371 anos, D. João IV foi aclamado Rei de Portugal, em consequência da Restauração da Independência em 1640. Para além de Duque de Duque de Bragança, D. João IV detinha ainda os títulos de Duque de Guimarães e de Barcelos, Conde de Barcelos, Guimarães e Neiva.

Matriz_de_Ponte_de_Lima_-_Azulejos

Aclamação de D. João IV em Ponte de Lima. (Foto: Wikipédia)

Conta-nos o Conde da Ericeira, D. Luís de Meneses, na sua História de Portugal Restaurado, que a cerimónia decorreu num grandioso palanque junto à varanda do Paço da Ribeira onde, diante de representantes das três classes – Clero, Nobreza e Povo – prestou juramento no sentido de manter os tradicionais foros, liberdades e garantias dos portugueses usurpadas pelos reis espanhóis, as quais haviam sido juradas nas Cortes de Tomar.

As cerimónias prosseguiram nomeadamente com a oração da aclamação, o pronunciamento do brado tradicional – Real, Real, Real, por El-Rei de Portugal! – e a entrega ao Rei das chaves da cidade de Lisboa, tendo por fim se realizado o cortejo processional à Sé Catedral onde foi celebrado um solene Te Deum de graças, tendo D. João IV no acto de coroação, depositado aos pés de Nossa Senhora da Conceição a coroa de rainha. A partir desse momento, D. João IV tornou-se Rei de Portugal e Nossa Senhora da Conceição, a sua Padroeira.

A MULHER DE VIANA DO CASTELO

capture4

A aldeã do distrito de Viana é, por via de regra, tecedeira. É preciso não se confundir o que no Minho se chama tecedeira com o que geralmente se entende por teceloa. A tecedeira de Viana não se emprega numa fábrica nem tem propriamente uma oficina. Sabe simplesmente tecer como a menina de Lisboa sabe fazer crochet; e junto da janela engrinaldada por um pé de videira o seu pequenino tear caseiro, como o da casta Penépole, tem o aspecto decorativo de um puro atributo familiar, como um cavalete de pintura ou um órgão de pedais no recanto de um salão. A tecedeira trabalha mais para si do que para os outros nesse velho tear herdado e transmitido de geração em geração, e não tece servilmente e automaticamente, como nas fábricas, sobre um padrão imposto pelo mestre da oficina, mas livremente, como artista, ao solto capricho da sua fantasia e do seu gosto, combinando as cores segundo os retalhos da lã de que dispõe, contrastando os tons e variando os desenhos ao seu arbítrio. Tecer em tais condições é educar a vista e o gosto para a selecção das formas num exercício infinitamente mais útil que o de todas as prendas de mãos com que nos colégios se atrofia a inteligência e se perverte a imaginação das meninas de estimação, ensinando-lhes ao mesmo tempo como se abastarda o trabalho e como se desonra a arte.

(…) O marido minhoto, por mais boçal e mais grosseiro que seja, tem pela mulher assim produtiva um respeito de subalterno para superior, e não a explora tão rudemente aqui como em outras regiões onde a fêmea do campónio se embrutece de espírito e proporcionalmente se desforma de corpo acompanhando o homem na lavra, na sacha e na escava, acarretando o estrume, rachando a lenha, matando o porco, pegando à soga dos bois ou à rabiça do arado, e fazendo zoar o mangual nas eiras, sob o sol a pino, à malha ciclópica da espiga zaburra.

- Ramalho Ortigão, in As Farpas

Ilustração: Couto Viana