Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ÁLVARO FEIJÓ: UM POETA NEO-REALISTA NASCIDO EM VIANA DO CASTELO

Álvaro Feijó foi um poeta neo-realista. Nasceu em Viana do Castelo em 5 de julho de 1916 e faleceu em Coimbra em 9 de março de 1941. Foi um dos fundadores do grupo de poetas “Novo Cancioneiro” do qual fizeram parte Fernando Namora, Manuel da Fonseca, Carlos de Oliveira, Mário Dionísio entre outros. Publicou em 1941, os livros de poemas “Corsário” e “Os Poemas de Álvaro Feijó”. 

alvaro-feijo1

                            A NAU PERDIDA

 

                            Pobre, lá vai! Que rombo no costado!

                            Como a água a penetra aos borbotões!

                            Açoita-a, em fúria, o Mar. Adorna ao lado.

                            Anda à mercê das vagas, dos tufões!

                            Mas segue, segue em frente. O vento a ajuda!

                            Galga nas ondas, que doidinha, olhai!...

                            Julga-se, ainda, a nau que dantes era,

                            por levar, no porão, uma quimera,

                            por ir, do vento na refrega aguda,

                            ovante e sem saber per'onde vai!

 

                            Julga-se, ainda, a nau que dantes era...

                            – o que passa não torna ..

                            Na pobre nau perdida

                            a água entra e a adorna.

                            Vai sendo, aos poucos, pelo mar sorvida.

 

                            Na agonia estrebucha. Num desejo

                            de vida e luz, arfante, desesperada,

                            busca furtar-se ao comprimente beijo

                            do Mar que a envolve. – Após, é o Mar e nada...

 

                            Doirado como um astro,

                            haste esquecida em campo onde as mondas

                            colheram tudo, o topo do seu mastro

                            fica esperando ainda sobre as ondas.

 

                            Na rota pelo mundo

                            – ao deus-dará na vaga azul e infinda –

                            nós vamos – nau perdida em Mar profundo –

                            joguetes do tufão;

                            mas conservando, ainda,

                            na última Esperança a última Ilusão.

Álvaro Feijó