Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIZELA INSTALA NOVOS CANDEEIROS NA PRAÇA DA REPÚBLICA

No seguimento das obras de requalificação obras de requalificação e revitalização da Praça da República e Jardim Manuel Faria, integrada no PARU – Plano de Ação de Regeneração Urbana de Vizela e no Plano de Ação - Regeneração Urbana Sustentável – RUS, foram já colocados os novos candeeiros na Praça da República.

De destacar que os novos candeeiros dispõem de luminárias LED, na sequência do processo de remodelação da rede de iluminação pública no Concelho que, além de mais eficientes, vão também permitir ao município uma poupança na fatura da eletricidade. Estes candeeiros vão também dispor de pontos wifi para acesso à Internet.

O objetivo da Câmara Municipal é proceder à substituição das luminárias existentes através da instalação de luminárias LED em todo o Concelho, efetuando uma poupança dos consumos energéticos, assim como a redução efetiva da percentagem de emissão de dióxido de carbono para a atmosfera.

A obra de requalificação e revitalização da Praça da República e Jardim Manuel Faria tem um valor de 1.843.085,00€ e será comparticipada pelo FEDER a 100%, sendo que à Câmara Municipal caberá apenas o pagamento dos trabalhos a mais ou imprevistos.

O projeto de requalificação e revitalização da Praça da República e Jardim Manuel Faria é de extrema relevância para o Concelho, e vem no seguimento do PARU – Plano de Ação de Regeneração Urbana de Vizela e do RUS - Plano de Ação - Regeneração Urbana Sustentável, e envolve a reestruturação do desenho da Praça, a reorganização da circulação viária dos arruamentos confrontantes, permitindo aumentar a utilização do espaço por parte da população, assim como criar uma zona de estacionamento.

Um dos aspetos fundamentais deste projeto de requalificação é a conjugação entre o passado e o futuro, apostando na valorização do espaço urbano, projetando a Praça da República para o futuro do Concelho.

A Câmara Municipal considera a requalificação e revitalização da Praça da República e Jardim Manuel Faria uma obra de extrema relevância para o Concelho e que vai deixar orgulhoso cada vizelense, pelo que apela à cooperação e compreensão de todos os moradores e comerciantes, pedindo desculpa por todos os constrangimentos, sendo que a Autarquia irá envidar todos os esforços para que as intervenções decorram de modo a minorar o seu impacto no quotidiano dos munícipes.

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE VILA VERDE ACOLHE EXPOSIÇÃO COM MAIS DE TRINTA ILUSTRAÇÕES INSPIRADAS EM TEXTOS DE POETAS PORTUGUESES

«Esta mostra visa "dar voz" e conceder o devido relevo à arte e à poesia e promover o acesso das pessoas a uma grande diversidade de manifestações artísticas»

171701216_3745144005611750_2415671689316324887_n.j

Decorreu esta tarde, na Biblioteca Municipal de Vila Verde, a inauguração da Exposição de Sílvia Mota Lopes, "Pintar com Poesia- devaneios, palavras, traços e cor".

A partir de textos de poetas lusófonos, a artista Sílvia Mota Lopes criou um mundo de cor e sensações que mostram como a poesia é uma porta para a livre criação e permite expandir os horizontes das palavras.

A mostra catalogada, patente até 30 de abril, ilustra e recria trabalhos de 32 poetas, a que se juntam cinco autores vilaverdenses vivos e uma das maiores figuras da história do concelho, o patrono da Biblioteca Municipal de Vila Verde, Álvaro da Costa Machado Vilela.

Com este quadro, o Município de Vila Verde inaugura, na abertura desta exposição, a primeira das 25 iniciativas de celebração dos 25 anos dedicada à evocação de Machado Vilela.

171550767_3745144132278404_3018845000111883686_n.j

172226358_3745144718945012_7766285185026116122_n.j

171717513_3745144728945011_559541319810899012_n.jp

171520815_3745144395611711_6521775676572211158_n.j

171753351_3745144018945082_2290541017060018628_n.j

171849353_3745144845611666_2544926388597004399_n.j

171963812_3745144145611736_8812983104787307069_n.j

171430287_3745144382278379_7830252525150686817_n.j

MENINA E MOÇA ME LEVARAM

  • Crónica de Daniel Bastos

Os últimos anos têm sido pródigos na conceção e realização de obras de autoras nacionais ou lusodescendentes residentes no estrangeiro dedicadas às mundividências femininas no contexto migratório, umas das dimensões da emigração portuguesa que por via destes contributos literários começa a ser mais conhecida e estudada.

30128522348_0068acc1a9_b

Um desses contributos literários, intitulado Menina e Moça me Levaram, acabou recentemente de dar à estampa através do trabalho proficiente da professora Aida Baptista, que nos últimos anos de docência desempenhou o cargo de Leitora de Língua e Cultura Portuguesas no Estrangeiro, ao serviço do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) e do Instituto Camões (IC).

Colaboradora da imprensa de língua portuguesa no mundo, onde publica regularmente artigos ligados ao fenómeno migratório, e autora dos livros Passaporte Inconformado e Chão da Renúncia, Aida Baptista é a responsável pela organização de uma obra que demanda o seu título no evocativo de saudade que dá início ao prólogo do livro Saudades, mais conhecido por História de Menina e Moça de Bernardim Ribeiro.

Assente num conjunto de histórias, contadas na primeira pessoa, de mulheres das mais diversas origens, profissões e faixas etárias, que, levadas por escolhas alheias (salvo raras exceções), passaram por processos migratórios em diferentes contextos geográficos, a obra  Menina e Moça me Levaram, com chancela da Editora Alma Letra, conta ainda com prefácio de Manuela Aguiar, antiga secretária de Estado da Emigração.

O lançamento da coletânea, que nas palavras da prefaciadora encontra-se “cheia de ensinamentos, e experiências, comovente, intimista poética, pitoresca, factual, escrita a muitas mãos, muitos destinos. Com elas viajamos pelas memórias, por paisagens de alma e sentimentos, por roteiros que cruzaram todos os continentes e mares”, integra-se nas comemorações dos 25 anos de vida ativa da Associação Mulher Migrante (AMM).

Uma associação de estudo, cooperação e solidariedade cuja principal missão passa pela análise da problemática das migrações femininas; pela cooperação com as mulheres profissionais e dirigentes de associações das comunidades portugueses no mundo e com imigrantes que vivem em território nacional; pelo combate ativo contra ideias e movimentos xenófobos; e pelo apoio à integração das mulheres na sociedade de acolhimento e defesa dos seus direitos de participação social, económica e política.

Nesse sentido, a coletânea Menina e Moça me Levaram, enquanto repositório de um conjunto diverso de experiências e narrativas vivenciadas por mulheres assume-se como um relevante contributo no alumiamento da componente feminina no fenómeno migratório, que vai ao encontro do anelo da “dama da literatura brasileira” Lygia Fagundes Telles: “Sempre fomos o que os homens disseram que nós éramos. Agora somos nós que vamos dizer o que somos”.

GUIMARÃES HOMENAGEIA ANTIGOS COMBATENTES

Caldas das Taipas inaugurou memorial em homenagem aos antigos combatentes. A Cerimónia decorreu este sábado e contou com a presença da Secretária de Estado do Antigo Combatente, Catarina Sarmento e Castro, do Presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, do Presidente da Liga dos Combatentes, Chito Rodrigues e do Presidente da Junta de Caldelas, Luís Soares.

171467167_2880838088830644_6885224040913999187_n.j

A proposta de construção do memorial aos combatentes foi uma iniciativa de um grupo de antigos combatentes de Caldas das Taipas (Luís Miguel Rodrigues, José Oliveira, Cirilo Silva), concretizada pela Junta de Freguesia de Caldelas - Caldas das Taipas.

Fonte: Município de Guimarães

171704438_2880840068830446_4298958023425058625_n.j

171536119_2880840218830431_528057035478218242_n.jp

171827326_2880840352163751_7845860834184231488_n.j

172160535_2880840585497061_3499252521682585862_n.j

ÓRGÃO DE TUBOS NO MUSEU CONDES DE CASTRO GUIMARÃES EM CASCAIS FOI CONSTRUÍDO EM BRAGA PELO MESTRE ORGANEIRO JOAQUIM CLARO

Construído em Braga, por encomenda do Conde Manuel de Castro Guimarães, o órgão de tubos foi instalado no salão da antiga Torre de São Sebastião em 1912, por Augusto Joaquim Claro, seu construtor e pioneiro em Portugal na utilização do sistema tubular pneumático.

170255786_1804704209693577_4887415772445497750_n.j

De tipo romântico francês, reúne um total de 1170 tubos, distribuídos por vários someiros e ativados a partir de dois teclados de 56 teclas cada e uma pedaleira. A caixa, executada em madeira de casquinha pintada a vermelho, apresenta uma decoração de motivos neogóticos, sublinhada a dourado.

Este órgão destina-se a executar composições de música de câmara do século XIX e inícios do XX, contexto em que foi construído.

Conta-se que o Conde de Castro Guimarães nele interpretava obras para deleite da população local que o vinha ouvir nas noites de Verão, através das janelas abertas da Sala da Música.

Fonte: Câmara Municipal de Cascais

170027399_1804704296360235_2872635351546932087_n.j

AMARENSE ANTÓNIO VARIAÇÕES HOJE NA RTP1

António Variações foi um homem único. Nasceu numa pequena aldeia em Amares, no Minho.

Em tenra idade, infeliz com sua vida de trabalho numa fábrica local, decide ir para Lisboa para ficar em casa de familiares. Mas ele era diferente e queria mais.

Queria viajar e ver o mundo e emigrou, começando a trabalhar como barbeiro. Mas o seu amor pela música e pela performance era tão forte que decidiu voltar a Portugal para cantar na sua própria língua, mesmo sendo vítima do preconceito devido à sua aparência e excentricidade.

E mesmo sem saber nada sobre música, António lutou pelo seu direito de fazê-lo da maneira que ele acreditava ser a melhor.

Variações é uma história sobre música e sobre lutar pelo que acreditamos.

Este sábado às 23h na RTP1.

170795408_4077591372261822_7913735844501118520_n.j

BRAGA: LARGO DE SÃO JOÃO DA PONTE EM 1916

A fotografia que hoje trazemos, proveniente do arquivo Photographia Alliança, ilustra o Largo de São João da Ponte. Trata-se de uma antiga imagem que conta com mais de cem anos, datando de 1916.

164451089_4210490315648790_5481627816840822359_n.j

Nela podemos identificar duas pontes sobre o rio Este pontilhadas com o produto do trabalho das lavadeiras. A lavagem da roupa, essencialmente praticada por mulheres, processava-se nas águas do rio enquanto a secagem decorria nas margens próximas e também na encosta do monte Picoto.

Ao redor do proeminente cruzeiro situado no terço direito da imagem, encontramos um grupo de crianças, descalças na sua maioria que, cremos, por solicitação do fotógrafo, miram a objetiva mostrando-se assim na sua melhor pose.

Nas imediações da Capela de São João tomou forma o Parque da Ponte, espaço arborizado, decorado por jardins e um lago que ameniza os dias mais quentes. Aí, encontram-se um coreto, o cruzeiro que se destaca na fotografia e um monumento dedicado à efeméride do 25 de abril de 1974. Todo este espaço está tradicionalmente associado às festividades do São João, sendo o local onde tradicionalmente se realiza o seu arraial.

Foi e continua a ser um espaço de encontro de várias gerações e um espaço de lazer por excelência.

Fonte: Município de Braga

CONSELHEIRO MIGUEL DANTAS E OS LACTICÍNIOS DE PAREDES DE COURA EM DEBATE NA CÂMARA DOS SENHORES DEPUTADOS DA NAÇÃO PORTUGUEZA

Na Sessão de 29 de Maio de 1903 da Câmara dos Senhores Deputados da Nação Portugueza, foi pela Real Associação de Agricultura enviada uma representação que foi distribuída pelos deputados, relacionada com a produção de lacticínios, através da qual se apresenta um Projecto de Lei. Nela se faz referência a Paredes de Coura e ao Conselheiro Miguel Dantas.

Do Diário da Câmara dos Senhores Deputados da Nação Portugueza trnascrevemos a referida representação.

Miguel_Dantas_Gonçalves_Pereira_e_Bernardina_Mari

Conselheiro Miguel Dantas Gonçalves Pereira e Bernardina Maria da Silva Gonçalves Pereira (1860)

“Projecto de lei

Senhores. - Ninguem pode duvidar que a agricultura representa no nosso paiz uma das principaes fontes de receita para o Thesouro; é sempre para ella que os Governos recorrem quando sentem exhaustos os cofres publicos, é sobre o pobre agricultor que ha muito pesam os mais disparatados impostos, apesar da já velha e repisada phrase parlamentar, de que a propriedade rustica não ha de nem deve pagar mais. Todos sabem que um dos principaes ramos da industria agricola portuguesa é a creação de gados, do norte ao sul do paiz desde o pequeno até ao grande lavrador todos mais ou menos são creadores de gado, principalmente vaccum. Até ha poucos annos a industria lactea apenas era exercida na fabricação de queijos, e só por curiosidade um ou outro fabricava manteiga para uso domestico, e pelo systema o mais atrasado. Nestas condições, era absolutamente impossivel, competir com a antiga manteiga ingleza, que em grandes quantidades era exportada para Portugal.

Acompanhando o progresso appareceu em primeiro logar o Digno Par do Reino Miguel Dantas com a sua manteiga de Coura, e logo depois o Exmo. Marquez da Praia (D. Duarte) com a fabrica da Quinta do Infantado, em Loures. Depois d'estes que podem ser considerados como os iniciadores cresta nova industria em Portugal, seguiu-se a montagem de muitas fabricas no continente e ilhas, algumas produzindo optima manteiga de leite, mas a maior parte d'elles usando e abusando do emprego da margarina. Este preparado de residuos gordurosos de toda a especie e proveniencia, não só deve ser prejudicial á saude, publica, mas é tambem pouco asseiado, basta-lhe para isso a origem da sua materia prima. Este sebo fingindo manteiga, que os fabricantes alcunham com diversos nomes, havendo alguns tão francos que lhe chamam manteiga artificial, tem feito nos ultimos annos uma terrivel o desleal concorrencia, á pura e verdadeira, e portanto um incalculavel prejuizo a um dos mais importantes ramos da agricultura portugueza.

Com esta bodega que por ahi se vende a 600 e 700 réis o kilogramma não póde por forma alguma concorrer a manteiga feita de nata, pois são necessarios 25 ou 26 litros de leite para produzirem 1 kilogramma de manteiga!!

É para todas estas considerações que eu tenho a honra de chamar a vossa esclarecida attenção, e a reconhecida boa vontade do illustre Ministro das Obras Publicas, a quem sobram recursos e aptidões para bem desempenhar os deveres do seu alto cargo. Trate S. Exa. de favorecer a agricultura que tão descurada tem sido pelos seus antecessores, e fique certo que prestará um relevante serviço ao seu paiz.

N'esta conformidade tenho a honra de submetter á vossa apreciação o seguinte projecto de lei:

Artigo 1.° Fica expressamente prohibido no fabrico de manteiga o uso da margarina, ou de qualquer outra substancia gordurosa que não seja a extrahida do leite.

Art. 2.° Será punido cura a multa de 300$000 réis aquelle que pela primeira vez transgredir o que fica determinado nesta lei, e com a, quantia de 1:000$000 réis no caso de reincidencia.

Art. 3.° Fica revogada a legislação em contrario.

Sala das sessões, 27 de maio de 1900. - O Deputado por Lisboa, Antonio Maria Dias Pereira Chave Mazzioti.

Foi enviado á commissão de agricultura.”

Capturarpardoreinomanteiga.JPG

CERVEJA MINHOTA IMPRESSIONA A NÍVEL INTERNACIONAL

“Letra ganha 4 medalhas internacionais no concurso de Lyon, foi ouro sobre mosto!

Foi com enorme prazer que, no passado dia 3 de abril, a Cerveja Letra recebeu a notícia que foi premiada no Concours International de Lyon, França, com um total de 4 medalhas conquistadas.

IMG_FF274F295AEB-3.jpeg

Nesta edição, em que estiveram à prova mais de 9.300 amostras degustadas, 43 países representados e a Cerveja Letra arrecadou três medalhas de ouro, atribuídas a Letra D - Red Ale, à edição do 7º Aniversário (Cherry and Blueberry Wild Ale) e à Cervejola Old Brandy Inspired Imperial Brown Ale (cerveja desenvolvida em parceria com a Adega de Ponte da Barca) e uma de prata atribuída à Oak Golden Sour. 

Numa época tão conturbada é importante ver a qualidade das cervejas Letra distinguida e apreciada em prestigiados concursos internacionais, como o Concours International de Lyon. 

Os excelentes resultados das cervejas Letra a concurso confirmam cada vez mais o reconhecimento por parte dos especialistas e a sua apreciação por parte de público internacional, reforçando a qualidade da cerveja Letra e o reforço da sua posição no mercado da cerveja artesanal.”

IMG_FF274F295AEB-4.jpeg

IMG_DD3C5AC818C6-1.jpeg

IMG_FF274F295AEB-1.jpeg

IMG_FF274F295AEB-2.jpeg

GUIMARÃES VAI RECEBER COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA

O programa das comemorações do Dia Mundial da Língua Portuguesa vai ser anunciado em conferência de imprensa, a realizar na próxima terça-feira, 13 de abril, pelas 14h30, no Museu Alberto Sampaio, em Guimarães, numa iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Guimarães e Universidade do Minho.

171143834_2880030282244758_2595705928920814460_n.j

O Dia Mundial da Língua Portuguesa comemora-se a 5 de Maio e foi proclamado pela 40.ª Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em novembro de 2019.

A escolha do dia está articulada com a resolução de 2009 do Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) sobre a Instituição do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP.

PRESIDENTE DA CÂMARA DE ESPOSENDE VISITOU OBRAS EM CURSO EM PALMEIRA DE FARO E CURVOS

Prosseguindo o plano de visitas às freguesias, para acompanhamento da execução do Plano de Investimento no concelho, o Presidente da Câmara Municipal de Esposende deslocou-se, hoje, à União de Freguesias de Palmeira de Faro e Curvos, onde se inteirou da concretização de algumas empreitadas, assim como observou obras em curso e projetou o arranque de intervenções para curto prazo.

palcur.jpg

A jornada iniciou-se com a visita às obras em curso na rua da Senra, em Curvos, onde a pavimentação abrange, também, a rua dos Rotários, perfazendo um total de 1,5 quilómetros. Apontada como uma via prioritária para a fluidez da circulação automóvel na freguesia, esta intervenção beneficia várias novas zonas habitacionais. Esta obra tem o valor aproximado de 300 mil euros.

“Esta obra foi-nos apontada como prioritária, pela Junta de Freguesia, quando visitamos a freguesia, em julho de 2019, para recolhermos elementos que sustentaram a elaboração do Plano de Investimento nas Freguesias. A obra está a prosseguir a bom ritmo, proporcionando uma excelente solução para a freguesia”, sustentou o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

Durante esta visita foi possível apurar a previsão de intervenção, nos próximos dias, quer na reabilitação da linha de água da Ribeira da Reguenga, em Curvos, quer na semaforização do entroncamento da EN 103/1 com a EN 305, assim como toda a obra de requalificação da Estrada Nacional 305, entre Palmeira de Faro, Curvos e Vila Chã, no valor de 340 mil euros.

Ainda dentro da resposta às solicitações da Junta de Freguesia, o presidente da Câmara, acompanhado pelos autarcas locais – Mário Fernandes, Fernando Cruz e Manuela Oliveira – constatou a conclusão das obras na rua do Padieiro, em Palmeira de Faro, nas travessas dos Fontenários e dos Cucos, em Curvos, onde também foi reabilitado o acesso à arriba fóssil que cria um novo percurso até ao Monte de Faro. Esta visita permitiu, ainda, constatar os arranjos urbanísticos realizados no Largo da Lage, em Palmeira de Faro e a construção de um parque de merendas com campo para o jogo da malha, junto ao complexo desportivo de Curvos.

O presidente da Câmara Municipal de Esposende destaca a importância do contacto direto com os eleitos locais, assim como com alguns populares, apesar das restrições, “procurando responder aos anseios das populações, às suas necessidades e proporcionando melhores condições de vida para os esposendenses”.

Lembre-se que o Município de Esposende tem implementado o modelo de inscrição de todas as obras que as Juntas de Freguesia apontam como prioritárias, num Plano de Desenvolvimento das Freguesias, respondendo aos anseios das populações.

A Câmara Municipal de Esposende celebrou, ainda, um acordo de cooperação com todas as Juntas de Freguesia do concelho e que se traduziu na transferência de 30 mil euros para cada autarquia, destinados à realização de pequenos arranjos.

Com a adesão a este modelo de governação de proximidade, envolvendo as Juntas de Freguesia, o Município está, mais uma vez, a demonstrar o seu total empenho na concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

palcur00.jpg

palcur1.jpg