Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: VIVER O TEATRO AMADOR EM “TERRAS DE CAMILO”

TeatroBalugas.jpg

XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” decorre de 2 de março a 27 de abril, com entrada livre

É em “Terras de Camilo” que se vai voltar a viver a ‘magia’ do teatro amador. De 2 de março a 27 de abril, o auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide, volta a ‘dar palco’ ao teatro amador nacional no XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo”.

A Famalicão chegam propostas de grupos de teatro amador de todo o país – Barcelos, Idanha-a-Nova, Maia, Viseu, Vila Nova de Gaia e Valongo –, para além dos espetáculos protagonizados pela ‘prata da casa’.

Todos os espetáculos têm entrada livre, sujeita a lotação do espaço, e início pelas 21h30.

O festival, organizado pelo Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com o GRUTACA – Grupo de Teatro Amador Camiliano, arranca no sábado, dia 2 de março, com a peça “A Furgoneta”, pelo Teatro de Balugas (Barcelos), que vai dar a conhecer a história de Romão e do irmão que decidem reformar o negócio do pai, adotando um novo negócio: uma furgoneta que vende tudo e mais alguma coisa.

Segue-se a peça “O Casamento”, pela Escola Dramática e Musical de Milheirós (Maia), no dia 9 de março, depois “A Beata da Sogra”, pelo Grupo de Teatro Aldeia Verde de Lazarim (Viseu), no dia 16, e “Sozinha”, protagonizada pela atriz famalicense, Elsa Pinho, no sábado, 23.

O Dia Mundial do Teatro, comemorado a 21 de março, será marcado com iniciativas como a apresentação do espetáculo infantojuvenil, “O Rei Que Comia Histórias”, pela Pandora Teatro (Vila Nova de Gaia), no dia 27 de março, pelas 15h00, bem como a oficina de teatro "Abril e a Liberdade - Da Escrita Criativa à Encenação de um Conto", orientada por Ana Azevedo, com sessões de 27 de março a 25 de abril e inscrição gratuita e obrigatória.

Já em abril, está prevista a inauguração da exposição “O Palco das Marionetas”, no dia 5, pelas 18h00, que ficará patente na Casa do Caseiro da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco até dia 28 de abril, com entrada livre.

A programação teatral prossegue no dia 6 de abril, com o espetáculo “Até Que a Boda Nos Separe”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo), seguindo-se, no dia 13, a peça de teatro “O Anexo”, pela Ajidanha - Associação de Juventude, de Idanha-a-Nova.

Na semana seguinte, a 20 de abril, será a vez do NUTEACV - Núcleo de Teatro da Associação Cultural de Vermoim, grupo de teatro amador famalicense, levar a cena o espetáculo "Bons Olhos o Vejam", no auditório do Centro de Estudos Camilianos.

O XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” encerra com uma performance protagonizada pelo GRUTACA, no dia 27 de abril, que apresentará o espetáculo “O Lobisomem”.

Toda a programação do festival de teatro amador pode ser consultada no portal da autarquia em: www.famalicao.pt/xvii-festival-de-teatro-amador-terras-de-camilo.

GRDramáticoRetorta.jpg

Grutaca.JPG

VIANA DO CASTELO: PROJETO DE CONCLUSÃO DA ECOVIA LITORAL NORTE VAI AVANÇAR COM FINANCIAMENTO COMUNITÁRIO

GCI_4408.jpg

O vice-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) garantiu hoje, durante uma visita a Viana do Castelo, que será encontrada uma solução para terminar a Ecovia do Litoral Norte, que vai unir os concelhos de Viana do Castelo, Esposende e Caminha. O anúncio foi feito durante uma visita à intervenção em S. Simão (Mazarefes), realizada no âmbito do REACT – EU – Reabilitação da Rede Hidrográfica de Viana do Castelo, onde estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal e a vereadora do Ambiente, autarcas e técnicos municipais.

José Carlos Pimenta Machado, vice-presidente da APA, afirmou que, no âmbito da Polis Litoral Norte, foram efetuadas mais de 30 intervenções e investidos mais de cinco milhões de euros. “Há um antes e um depois da Polis Litoral Norte”, sublinhou, assumindo o compromisso de que a Ecovia Litoral Norte, um dos projetos âncora da PLN, seja finalmente concluída, ligando os três concelhos.

“Os 72 quilómetros da Ecovia estão por terminar, sendo que estão executados 50 quilómetros. Os troços que faltam, sobretudo na zona urbana, vão agora ser alvo de um levantamento para se encontrar financiamento no próximo quadro comunitário”, avançou o responsável da APA, para quem é fundamental terminar este projeto.

Em Viana do Castelo está prevista uma ponte sobre o Rio Lima para modos suaves, nomeadamente pedonal e ciclável, e a Câmara Municipal abriu já concurso internacional de ideias para a construção de uma ligação a jusante da ponte Eiffel. Esta travessia visa, de acordo com o autarca de Viana do Castelo, Luís Nobre, reforçar a mobilidade sustentável no concelho e dar continuidade à rede de ciclovias e ecovias, que já conta com 45 quilómetros. Este projeto foi também bem acolhido pelo responsável da APA, que garantiu apoio total e sublinhou que será efetuado um trabalho para garantir o seu financiamento, uma vez que desta forma fica concluída toda a malha da ecovia do Litoral Norte.

Na visita a Viana do Castelo, o responsável ainda enfatizou o trabalho desenvolvido na orça costeira, nas margens dos rios e na valorização das praias. A propósito, sublinhou que em Lanheses está a primeira reabilitação com base natural do país, um projeto iniciado nas margens em 2014 e que serve de exemplo para tantas obras semelhantes, como em S. Simão, onde estiveram hoje. No âmbito de uma candidatura, a autarquia investiu 341.277 mil euros para reabilitar dois troços das margens do Rio Lima, um compreendido entre a União de Freguesias de Mazarefes e Vila Fria e Vila Franca (margem esquerda), vulgarmente conhecida como Veiga de S. Simão, uma das zonas húmidas mais importantes do concelho, com valores naturais de extrema relevância para o bem estar humano, e um segundo troço compreendido entre a União de Freguesias de Torre e Vila Mou e Lanheses (margem direita), que apresentavam graves problemas de erosão, onde foram implementadas diferentes técnicas de reabilitação, adaptadas às caraterísticas de cada um dos locais.

Das técnicas de engenharia natural aplicadas, salientam-se a estacaria viva, o entrançado, as faxinas vivas, o enrocamento, o esporão e a plantação de espécies nativas. Com estas intervenções estima-se que a curto/médio prazo seja reestabelecido o equilíbrio natural do ecossistema local. Trata-se de uma candidatura apresentada pelo Município de Viana do Castelo ao Programa Operacional COMPETE2020 - REACT-EU Reabilitação da Rede Hidrográfica, que teve como objetivo a intervenção de zonas das margens do rio que apresentavam graves problemas erosivos.

Os trabalhos preconizados assentaram numa estratégia de desenvolvimento sustentável para as margens das linhas de água e para a sua envolvente, através da implementação de soluções de reabilitação fluvial mais próximas da Natureza, em cerca de 4,5 quilómetros, que promovem a consolidação das margens e a resiliência do território face ao impacto do risco das cheias, bem como a criação de um ambiente mais saudável.

GCI_4400.jpg

GCI_4458.jpg

GCI_4475.jpg

GCI_4487.jpg

GCI_4507.jpg

BARCELOS LANÇOU HOJE A PRIMEIRA PEDRA DAS “CASAS DA ALDEIA”

Casas da ALDEIA.jpg

Residências de Autonomização e Inclusão em Alvito S. Pedro

Realizou-se hoje o lançamento da primeira pedra para a construção das “Casas da Aldeia”, um projeto de Residências de Autonomização e Inclusão promovido pelo Centro Social Vale do Homem, uma cerimónia que contou a presença do Presidente da Câmara de Barcelos, Mário Constantino Lopes, da Secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes, e de Jorge Pereira, Presidente do Centro Social Vale do Homem.

O projeto “Casas da Aldeia”, que vai nascer na União de Freguesias de Alvito S. Pedro, S. Martinho e Couto, consta da construção de residências com capacidade para 27 pessoas, e assenta no conceito cohousing, um modelo sustentável de habitações colaborativas. Estes equipamentos terão um custo de 1,15 milhões de euros, montante financiado pelo Plano de Resiliência e Recuperação. Prevê-se que a empreitada de construção das Casas do Minho fique concluída em finais de 2025.

Para a Secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes, “a concretização deste projeto só é possível graças à mobilização do Centro Social Vale do Homem é à generosidade dos beneméritos este projeto”.  Desta forma, “em conjunto com o financiamento que foi possível mobilizar do PRR e o investimento da componente privada do Vale do Homem foi possível fazer nascer estas respostas diferenciadoras e inovadoras”, vincou a governante.

Por seu lado, o edil Mário Constantino Lopes sublinhou “a importância deste empreendimento para Barcelos e para toda a região”, mostrando a sua satisfação “por ver no nosso território mais uma resposta da sociedade às necessidades da população. Este novo conceito vem trazer uma nova dinâmica e estou certo de que fará caminho na integração das pessoas numa idade em que mais necessitam, possibilitando-lhes a oportunidade de conviver, participar e de se envolverem em comunidade”, vincou. O autarca de Barcelos terminou agradecendo ao Presidente Jorge Pereira a dinâmica da equipa do Centro Social Vale do Homem e à Secretária de Estado “porque é gratificante perceber e sentir que o Estado Central está presente e apoia estas ações”. 

Para Jorge Pereira, Presidente do Centro Social Vale do Homem, este é um projeto inovador e único a nascer em Barcelos, e vai fazer a diferença porque será o primeiro a dar respostas de Residências de Autonomização e Inclusão no concelho. O presidente da instituição aproveitou a ocasião para “agradecer aos presidentes de câmara dos municípios de Barcelos, Amares, Terras de Bouro, Braga, Póvoa de Lanhoso e Vila Verde parceiros do Centro Social Vale do Homem por todo o trabalho que tem sido feito em prol dos concidadãos do Vale do Homem e Cávado na promoção e coesão territorial e da melhoria da qualidade de vida.  Implementamos no território projetos e respostas diferenciadoras, sempre ao encontro das reais necessidades das populações”, disse.  Jorge Pereira sublinhou ainda “a bondade e generosidade do Prof. Dr. Manuel Joaquim Magalhães e Dra. Teresa Fontes pela doação que fizeram de uma forma depreendida e grandiosa abrindo mão da casa da aldeia onde nasceu e viveu a sua mãe, para um bem maior, uma casa social e cultural”.

Além de Barcelos, o Centro Social Vale do Homem está a construir edifícios em Vila Verde e Braga, com quatro novas respostas sociais com respostas para 150 novos utentes, num investimento total de mais de 8 milhões de euros, que permitirá criar nos 50 empregos. 

O que é o Cohousing

Esta nova valência do Centro Social Vale do Homem tem como principal objetivo dar uma maior resposta habitacional a pessoas com deficiência ou incapacidade, mas que conseguem viver de forma autónoma, proporcionando-se assim condições para um projeto de vida mais inclusivo, nomeadamente através da formação, apoio nas atividades de vida diária, integração no local de trabalho, entre outras ações.

Com origem na Dinamarca na década de 1960, o Cohousing “propõe um estilo de vida mais partilhado, incentivando a participação ativa dos residentes na criação e manutenção da sua comunidade. Para além da partilha de espaço físico, o projeto visa criar oportunidades para interações sociais regulares, organização de atividades coletivas, refeições partilhadas e eventos, fortalecendo os laços entre os moradores e promovendo um sentimento de pertença e apoio mútuo”.

ARTISTA PEDRO CHORÃO EXPÕE A SUA ARTE NA GALERIA MUNICIPAL DE FAMALICÃO

DSC_4989.JPG

Exposição de Pedro Chorão está patente até dia 18 de maio, com entrada livre

“Superfícies” é o nome da mais recente exposição patente na galeria municipal Ala da Frente, da autoria de Pedro Chorão. O trabalho do conceituado artista conimbricense pode ser apreciado até dia 18 de maio, no espaço cultural famalicense. A entrada é livre.

Quem entrar na galeria municipal encontra uma seleção de pinturas e obras fotográficas de Pedro Chorão, realizadas ao abrigo de uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian nos anos 1987/88/89, na Região do Alentejo, “obras que resultam de um percurso muito minucioso e atento onde cada detalhe, cada fragmento, cada pormenor de luz, cada textura se tornou propósito de atenção e resultou numa fotografia. Estas imagens detêm uma composição lúcida e uma perceção diferenciada”, como refere o curador da galeria de arte contemporânea, António Gonçalves, no texto de apresentação.

Segundo o curador da galeria famalicense, Pedro Chorão “tem desenvolvido um percurso de trabalho amplo e feito de uma sensibilidade muito apurada que resulta em obras portadoras de um sentido estético cuidado e de aprimorada sabedoria”, algo que está, agora, vertido em “Superfícies”.

Refira-se que Pedro Chorão nasceu em Coimbra, em 1945, tendo estudado em Liverpool e em Paris, e tornando-se mestre em Pintura pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Desde 1972, o artista já realizou mais de 150 exposições, em Portugal e no estrangeiro, e no seu currículo constam prémios nacionais (III Exposição de Belas Artes, Fundação Gulbenkian, 1987; Bicentenário do Ministério das Finanças, 1988; Bienal de Lagos, 1990) e internacionais (AICA - Association Internationalle des Critiques d'Art). O trabalho do artista conimbricense está representado nas principais coleções e museus nacionais de Lisboa e do Porto.

A exposição “Superfícies”, de Pedro Chorão, pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h30, e aos fins-de-semana, das 14h30 às 17h30, na galeria municipal Ala da Frente, situada no edifício do Museu Bernardino Machado, em Famalicão.

Para mais informações, consulte: www.famalicao.pt/galeria-municipal-ala-da-frente .

DSC_4977.JPG

DSC_4978.JPG

MUNICÍPIO DE PONTE DA BARCA, JUNTAS DE FREGUESIA E RESULIMA UNIDAS NA PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

425303510_388041447308576_1028526021334238950_n.jpg

O Presidente da Câmara Municipal de Ponte da Barca, Augusto Marinho, procedeu à mediação da assinatura de um protocolo com a União de Freguesia de Ponte da Barca, Vila Nova de Muía e Paço Vedro de Magalhães, bem como com a Junta de Freguesia de Oleiros e a empresa Resulima, acordo que marca a instalação de Ecolugares em Ponte da Barca.

O projeto, cofinanciado pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), visa não só incrementar as taxas de reciclagem no concelho, mas também promover a sustentabilidade ambiental e proporcionar benefícios financeiros.

No âmbito do protocolo, as Juntas de Freguesia envolvidas comprometem-se a disponibilizar espaço público para a implementação dos Ecolugares, quatro no total a ser instalados no concelho de Ponte da Barca, bem como a promover, gerir e assegurar a manutenção destes locais. Por sua vez, a Resulima será responsável pela construção das plataformas de instalação dos equipamentos, bem como pela aquisição, instalação dos mesmos, além da recolha dos resíduos de embalagem.

Um dos aspetos mais significativos deste acordo é a contrapartida financeira estabelecida para as Juntas de Freguesia. Por cada tonelada de resíduos recolhida, serão atribuídos 30 euros para os resíduos de embalagem de vidro, 70 euros para os resíduos de embalagem de papel/cartão e 150 euros para os resíduos de embalagens de plástico e metal. Esta medida não só incentiva a reciclagem, mas também recompensa os esforços das autarquias locais na promoção de práticas ambientalmente sustentáveis.

Augusto Marinho destacou a importância das Juntas de Freguesia neste projeto, salientando que são entidades fundamentais no contexto do desenvolvimento sustentável e da sensibilização ambiental devido à sua proximidade com as comunidades locais.

Com esta iniciativa, Ponte da Barca firma-se como um exemplo a seguir na promoção da sustentabilidade e na gestão eficiente dos recursos, contribuindo assim para a construção de um futuro mais verde e próspero para todos os seus habitantes.

BRAGA: HUMAN POWER HUB REAFIRMA COMPROMISSO COM EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL

CMB21022024SERGIOFREITAS30222483.jpg

Estrutura assinalou quatro anos ao serviço da comunidade

O Human Power Hub - Centro de Inovação Social de Braga, assinalou hoje o seu quarto ano ao serviço da comunidade Bracarense, reafirmando o seu compromisso em promover o empreendedorismo e a inovação social.

Desde a sua fundação, o Human Power Hub (HPH) tem desempenhado um papel fundamental na capacitação e incubação de novas ideias, catalisando a mudança positiva e inspirando acções significativas em toda a região. “Desde 2019, o HPH desenvolveu 75 iniciativas de impacto de empreendedorismo social que passaram por diversas fases e 67% destas iniciativas estão actualmente perfeitamente enraizadas na comunidade e estão no mercado a gerar valor, dando resposta a problemas e desafios socias nas mais diversas áreas”, explicou Carlos Videira, administrador executivo da BragaHabit, empresa municipal que tutela o HPH, destacando que seis projectos estão em fase de internacionalização.

Segundo o responsável, este é “um balanço muito positivo e que abre novas perspectivas para candidaturas ao novo quadro comunitário”. A medição do impacto do HPH na comunidade é o passo que se segue, através da ligação às instituições de ensino superior, apostando no conhecimento científico para criar agendas de investigação nesta área. “Queremos medir o impacto daquilo que fazemos e saber a quantas pessoas estamos a chegar e a diferença que estamos a fazer na vida dos cidadãos. Nesse sentido é importante reforçar a ligação ao mundo do conhecimento e, com isso, atrair mais projectos de inovação social”.

A capacitação da comunidade fornecendo recursos, formação e orientação para realizar projectos, a incubação de ideias num ambiente propício à inovação e a promoção da responsabilidade social corporativa com empresas e organizações para desenvolver estratégias sustentáveis que beneficiem tanto os negócios quanto a comunidade em geral, tem sido o foco do HPH, que se afirma como um agente de mudança, impulsionando a inovação social e fortalecendo os laços comunitários.

Na cerimónia, que decorreu no gnration, o presidente da Câmara Municipal de Braga manifestou “orgulho” neste projecto e destacou a forma como o HPH foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, “envolvendo muitas instituições da rede social e de investidores que conseguiram estimular o impacto dos projectos e ideias de negócio que foram surgindo”. Ricardo Rio, salientou a criação de condições para o desenvolvimento de muitas iniciativas de empreendedorismo social com impacto no território. “Algumas destas iniciativas têm ajudado a mudar o rosto da Cidade de Braga”, enalteceu o Autarca.

O Human Power Hub é uma estrutura dedicada ao fortalecimento da comunidade através da capacitação, incubação de ideias e promoção da responsabilidade social corporativa. Desde a sua fundação, o Hub tem sido um catalisador de mudança positiva, inspirando e capacitando indivíduos e organizações a fazer a diferença na sociedade. Nestes quatro anos de actividade, o HPH apoiou 75 iniciativas de impacto de empreendedorismo social, conta com 26 projetos pioneiros, 36 iniciativas em fase de incubação, 13 no ecossistema Scaling aos quais se juntam sete que transitaram da fase de incubação, com mais de 90 empreendedores envolvidos.

CMB21022024SERGIOFREITAS30222465.jpg

CMB21022024SERGIOFREITAS30222471.jpg

CMB21022024SERGIOFREITAS30222481.jpg

VIANA DO CASTELO: CONCLUÍDA EMPREITADA DE 3,4 ME PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DA MEADELA

GCI_4286.jpg

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, visitou a nova Unidade de Saúde Familiar da Meadela, cuja empreitada está já concluída, depois de um investimento que ascendeu a 3.418.418 euros e que vai permitir dar resposta a um anseio da população daquela área da cidade.

O novo equipamento de saúde ocupa uma área aproximada de 4.000 metros quadrados e conta com 14 gabinetes de consulta médica, 10 gabinetes de enfermagem ou de consulta de enfermagem, 4 consultórios, uma sala de amamentação, uma sala de espera materno-infantil e fraldário, dois gabinetes multifunções, integrando ainda salas de tratamento, salas de espera, arquivo, salas de reuniões e de pessoal, casas-de-banho, vestiários e zonas de manutenção técnica.

O terreno onde foi implementada a USF da Meadela conta com um declive ligeiro de aproximadamente 4 metros entre a via de acesso e o ponto mais alto do terreno, pelo que o projeto teve como inspiração a morfologia e caraterísticas do local, nomeadamente o declive, e a intenção de minimizar a diferença de alturas entre os edifícios vizinhos e altura do programa funcional.

Neste sentido, a premissa “foi fazer um ‘não edifício’ camuflado na paisagem, como se um jardim de tratasse”. Os acabamentos e aspeto final tiveram inspiração na história do concelho de Viana do Castelo e da sua produção de tijolos cerâmicos. Este material, para além de resistente, económico e de baixa manutenção, permite oferecer ao exterior uma imagem rica, trabalhada e com uma linguagem uniforme, pelo que todo o edifício é revestido a tijolo cerâmico preto.

De acordo com o projeto, a proposta apresentou uma organização distinta entre utentes e funcionários, distinção esta que surge desde o parque de estacionamento até à entrada dos diversos consultórios. No interior, a separação dos diferenciados serviços é realizada pelo átrio de entrada que separa as áreas de salas de espera que, posteriormente, encaminham para o serviço destino.

Recorde-se que o Norte 2020 tinha aprovado a candidatura apresentada pela Câmara Municipal a fundos europeus, o que permitiu o financiamento necessário à empreitada de construção da Unidade de Saúde Familiar da Meadela. Este projeto resultou de uma parceria efetuada através de um protocolo de colaboração estabelecido entre o Município de Viana do Castelo, a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte).

O Município garantiu o financiamento da componente nacional, coordenando também toda a empreitada de execução da nova Unidade de Cuidados de Saúde Primário para depois ser entregue à ULSAM.

Recorde-se que, no Plano de Atividades e Orçamento para 2024, a rubrica de Saúde garantiu um aumento superior a 118 mil euros relativamente ao ano passado, representando 2,4 M€ (2,6%) nas grandes opções do plano. Um dos grandes objetivos passa por aumentar a capacidade de resposta na prestação de cuidados de saúde de proximidade com a construção de três novas Unidades de Saúde (Unidade de Saúde da Meadela - agora concluída -, Alvarães e Litoral Norte - Afife, Carreço e Areosa).

GCI_4290.jpg

GCI_4292.jpg

GCI_4294.jpg

GCI_4295.jpg

GCI_4297.jpg

GCI_4302.jpg

GCI_4304.jpg

OS MED PASSARAM POR CELORICO DE BASTO

DSC00543.jpg

Escolas e IPSS´S acolheram os Med On tour no fim-de-semana de 16 a 18 de Fevereiro

Dez estudantes de medicina da Universidade do Porto do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) integrados no projeto Med on Tour, uma iniciativa que visa a promoção da saúde e a prevenção de doenças com base em rastreios, workshops, ações de sensibilização e outros, estiveram este fim-de-semana nas escolas e IPSS´s deste concelho a promover a saúde e a prevenir a doença.

Os jovens estudantes foram recebidos nos paços do concelho pela coordenadora dos Serviços Sociais e de Saúde do Município de Celorico de Basto, Helena Martinho, que aproveitou a oportunidade para os felicitar pela participação ativa, “neste projeto comunitário de prevenção da doença e promoção da saúde junto de diferentes públicos, sendo esta iniciativa uma oportunidade magnifica dos alunos universitários  de medicina irem ao terreno e ter um contacto próximo com a população”.

Os jovens estiveram nos Centros Escolares do Agrupamento de Escolas com os alunos do 1º ano e procuraram sensibilizar as crianças com a atividade “os médicos dos brinquedos”. Durante o fim-de-semana estiveram no Centro Social e Paroquial Divino Salvador de Ribas, no Centro Comunitário Bento XVI e no Centro Social e Paroquial de Molares onde realizaram rastreios e promoveram workshops e palestras junto dos utentes e recursos humanos destas instituições.

Para a vereadora da Ação Social e Saúde do Município de Celorico de Basto, Maria José Marinho, “devemos aproveitar e salvaguardar todas as formas de promoção da saúde, sobretudo junto das crianças e dos idosos. A educação para a saúde mostra-se crucial no alinhamento de comportamentos e hábitos da nossa comunidade melhorando de forma substancial o bem-estar das comunidades. É com estas pequenas ações que se fazem as grandes mudanças”.

DSC00562.jpg

DSC00577.jpg

DSC00604 (1).jpg

CDU ESTEVE EM CONTACTO COM TRABALHADORES NOS ESTALEIROS DA CÂMARA DE BRAGA

estaleiro_1.jpg

A CDU visitou os Estaleiros da Câmara de Braga e contactou com muitos dos cerca de 300 trabalhadores que aí fazem base de trabalho.

Vítor Rodrigues, Vereador da Câmara de Braga e candidato à Assembleia da República, acompanhando dos candidatos e eleitos da CDU Joaquim Daniel, Manuel Joaquim e João Melo, teve oportunidade de conhecer os esforços realizados com vista à melhoria das condições dos estaleiros, matéria que há vários anos a CDU tem vindo a alertar. Pese embora várias medidas que têm vindo a ser tomadas, o facto de os estaleiros funcionarem em instalações provisórias e sem capacidade de expansão, condiciona bastante a sua actividade.

Nesta visita, confirmou-se que é urgente aumentar os salários e valorizar as carreiras dos trabalhadores da Administração Pública, de modo a superar constrangimentos na contratação e fixação de trabalhadores, em particular das funções operacionais mais especializadas, nas quais persistem algumas carências.

No contacto com os trabalhadores, Vítor Rodrigues reafirmou que os trabalhadores podem continuar com a CDU para dar expressão aos seus problemas e que a defesa do aumento dos salários e a melhoria das condições de trabalho são questão absolutamente prioritárias.

estaleiro_2.jpg

estaleiro_3.jpg

estaleiro_4.jpg

CAMINHA: “LAMPREIA DO RIO MINHO - UM PRATO DE EXCELÊNCIA” CONVIDA A DEGUSTAR IGUARIA E A APROVEITAR OFERTA CULTURAL E DE LAZER

Aos fins de semana, até 15 de abril, nos restaurantes aderentes

Estamos em plena época da lampreia, uma ocasião para apreciar o afamado ciclóstomo por todo o concelho. Aos fins de semana, até 15 de abril, com mais ênfase, decorre o evento “Lampreia do Rio Minho - Um Prato de Excelência”, nos restaurantes aderentes, que se comprometem a ter nos seus menus esta iguaria. Caminha oferece também uma programação variada, porque antes e depois da refeição há muito para ver, para visitar e para desfrutar no concelho.  

No próximo fim de semana, por exemplo, população e visitantes têm à sua disposição, já esta sexta-feira, pelas| 21h45 cinema clubista: “Três Cores: Vermelho” é o filme proposto, que será exibido no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

No domingo, 26 fevereiro, entre as 10h00 e as 12h00, decorrem as Oficinas Criativas de Construção de Máscaras (Mascaradas) - (M/4). Será na Ludoteca de Vila Praia de Âncora. A produção é da Krisálida. Informações e Inscrições podem ser conseguidas através dos contatos: geral@krisalida.pt |  960 115 415. 

O concelho de Caminha é, por si só, um espaço magnífico, com espaços, equipamentos e paisagens deslumbrantes para descobrir ou (re)visitar, seja nas vilas e aldeias, junto ao rio ou junto ao mar ou na serra. Em matéria de património e espaços museológicos a visitar, destaque para o Núcleo Museológico da Memória, Artes e Ofícios de Riba de Ancora e Moinhos D’Apardal (Largo do Espírito Santo, Riba de Âncora – Caminha). A visita é gratuita, com marcação prévia em jfribadeancora@gmail.com ou 96 415 49 20.

Para quem quiser subir à Serra d’Arga, outra proposta é o Centro de Interpretação da Serra D`Arga (CISA), que desenvolve atividades de educação ambiental e valorização do património cultural da Serra d'Arga (Arga de Baixo | Caminha) - Tel. +351 258 721 708 | 914 476 461 |cisa@cm-caminha.pt

No casco histórico está disponível o Museu Municipal de Caminha (Rua Dr. Luciano Amorim e Silva, Caminha) - Tel. +351 258 710 300 | museu@cm-caminha.pt

Para obter mais informações podem ser contatados a Loja Interativa de Turismo de Caminha (258 921 952) ou o Posto de Informação Turística - Vila Praia de Ancora (258 911 384).

“Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência” é uma iniciativa conjunta da ADRIMINHO, dos seis Municípios do Vale do Minho (Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira) e da Confraria da Lampreia do Rio Minho.

RESTAURANTES ADERENTES

LAMPREIA DO RIO MINHO 2024

 

ADEGA DO CHICO

Rua Visconde Sousa Rego, n.º 30

4910- 156 Caminha

+351 258 921 781

ÂNCORA MAR

Rua Cândido dos Reis, 14

4910- 360 V. P. Âncora

+351 258 911 183

ARGAÇO FOOD & DRINKS

Avenida 25 de Abril

4910-232 Moledo

+351 969 719 871

A TASCA DA QUINTINHA

Rua do Altinho, Chão do Porto

4910-188 Dem

+351 258 958 397

A TORRE

Rua Ricardo Joaquim de Sousa

4910-155 Caminha

+351 258 958 247

BAR DO CAIS

Rua Conselheiro Miguel Dantas

4910-131 Caminha

+351 258 922 196

DEGRAU

Rua da Corredoura, 73

4910-133 Caminha

+351 966 757 529

DESIGN & WINE HOTEL - Restaurante

Praça Conselheiro Silva Torres, n 8

4910-122 Caminha

+351 258 719 040

FONTE NOVA

Rua Miguel Bombarda, 20

4910- 524 V. P. Âncora

+351 258 911 191

FOZ DO MINHO

Largo de Esteiró, 207

4910-605 Vilarelho

+351 258 921 784

GAIVOTA

Rua do Cruzeiro, 145

4910-253 Moledo

+351 258 921 661

GIRASSOL

Av. Joaquim Maria Portela 62

4910-348 Seixas

+351 258 727 811

MURALHA DE CAMINHA

Rua Barão de S. Roque, 69

4910 -128 Caminha

+351 258 728 199

O MARINHEIRO

Largo do Portinho

Rua Laureano Brito, 6

4910- 518 V. P. Âncora

+351 258 407 309 | +351 936 350 853

PAPERO MOLEDO

  1. De Santana nº 468

4910-255 Moledo

Tel.+351 258 094 563

PRIMAVERA

Praça Conselheiro Silva Torres, 99/101

4910-122 Caminha

+351 258 921 306

REMO

Av. Dr. Dantas Carneiro

4910-103 Caminha

+351 258 722 707

 RETIRO DA P0NTE

Caminho da Ponte 6

4910-582 Vilar de Mouros

+351 258 723 274 | +351 914 119 456

SOLAR DO PESCADO

Rua Visconde Sousa Rego nº 85

4910-156 Caminha

+351 258 922 794

VERDES LÍRIOS

Av. Dr. Ramos Pereira

4910- 457 V. P. Âncora

+351 258 911 113 | +351 965 414 952

VITORIA MAR

Av. Dr. Ramos Pereira, 100

4910- 457 V. P. Âncora

+351 258 405 109 | +351 918 812 505

Cartaz (1).jpg

PONTE DA BARCA: PROPOSTAS AO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM 2023 EM VOTAÇÃO ATÉ AO DIA 29 DE FEVEREIRO

Encontram-se em votação as propostas apresentadas à segunda edição do Orçamento Participativo Jovem de Ponte da Barca, uma iniciativa pioneira no distrito de Viana do Castelo, impulsionada pela Câmara Municipal. Sob o tema da inclusão social, esta edição reserva um montante de 5 mil euros para a proposta vencedora, oferecendo aos jovens uma oportunidade única de contribuir para o futuro da comunidade.

As propostas em votação são:

“Chegar Perto”. Diogo Carneiro apresenta uma proposta impactante, visando a construção de uma comunidade intergeracional dedicada a combater a solidão e o isolamento entre os idosos das freguesias de Ponte da Barca, Vila Nova de Muía e Paço Vedro de Magalhães. Com visitas domiciliares realizadas por voluntários, esta iniciativa promove atividades lúdicas, estimulação física e cognitiva, além de passeios ao ar livre, proporcionando um ambiente enriquecedor para os idosos com mais de 65 anos.

“Ensino da Língua Gestual Portuguesa”, apresentada por Francisco Centeno. Uma proposta inclusiva liderada por jovens comprometidos em promover a comunicação inclusiva no concelho. Através de cursos de língua gestual portuguesa, esta iniciativa oferece aos jovens a oportunidade de aprender uma nova linguagem, fomentando a inclusão de pessoas surdas na comunidade e promovendo uma maior compreensão e solidariedade entre os cidadãos.

O Orçamento Participativo Jovem de Ponte da Barca é mais do que uma simples votação. É um instrumento que incentiva o envolvimento dos jovens na vida pública, promove o diálogo, a participação ativa e o compromisso com o bem comum.

Através desta iniciativa, a Câmara Municipal visa fortalecer os laços entre os jovens e a democracia, capacitando-os para influenciar diretamente nas políticas públicas que afetam a juventude local.

A votação estará aberta até ao dia 29 de fevereiro, no site da autarquia em www.cmpb.pt.

316816374_5019199948180948_7912294923283217413_n.jpg

AMARES: ASSEMBLEIA MUNICIPAL JOVEM TOMOU POSSE COM O INTUITO DE PROMOVER CIDADANIA ATIVA

IMG_5446.JPG

Foi empossada, esta terça-feira, a Assembleia Jovem Municipal (AMJ) de Amares, integrada nas comemorações do 50º aniversário do 25 de Abril. Promover a participação cívica ativa, assente num diálogo estruturado entre jovens e poder local, contribuindo para uma efetiva participação dos mais novos na vida e problemas da comunidade são alguns dos objetivos centrais deste órgão.

No total, são 24 os/as jovens do Agrupamento de Escolas de Amares dos vários níveis de escolaridade que passam a ser os representantes dos alunos/as do respetivo agrupamento junto das instituições autárquicas, partilhando as suas preocupações e anseios.

Numa mensagem dirigida ao grupo de jovens, o Presidente a Assembleia Municipal de Amares, João Januário, sublinhou: “O vosso primeiro pensamento tem que ser o bem comum. É conciliar as vossas vontades individuais com as daqueles que representam. Como devem imaginar vocês estão a representar todos os vossos colegas porque não podem estar aqui todos. Muitas vezes é difícil, mas a capacidade de conseguirmos nos colocar no papel do outro é que torna um membro de uma assembleia um bom representa”. “A democracia só prospera quando todos participamos”, rematou.

Reportando-se à importância da tomada de posse deste órgão, o Presidente do Município de Amares, Manuel Moreira, considerou que “a instalação de uma AMJ tem um significado especial porque representa a continuidade e dos ideais de liberdade e democracia conquistados em abril de 74. Este é um espaço onde os jovens podem expressar a sua voz, expressar as suas opiniões e contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e participativa”.

O autarca lembrou a AMJ que a conquista desses ideais pressupõe haver “direitos e deveres” e espera que venham com ideias e sugestões.

Flora Monteiro, Diretora do Agrupamento de Escolas de Amares, recordou os/as representantes que estavam ali “em nome de um conjunto de pedidos e de reivindicações em nome da liberdade, em nome da liberdade de expressão, e pela capacidade de nós termos hoje em dia estes direitos de reivindicar uma vida melhor para todos e isso é excecional”. “É muito importante que vocês vão crescendo e se formando com essa capacidade de refletir criticamente sobre a vossa vida, sobre a sociedade e tentar torná-la melhor. Isto é excecional”, frisou.

Nesta primeira sessão da AMJ, para além de ter sido eleita a mesa que compõem o órgão, foi também aprovado, por unanimidade, o Regimento da AMJ, bem como o logótipo que passará a identificar este grupo de elementos. Foram, ainda, apresentadas algumas propostas/sugestões e inquietações no que diz respeito ao setor da Educação, uma das áreas em que se centrou o debate desta primeira sessão.

A próxima sessão da AMJ realiza-se no mês de maio.

PONTE DE LIMA: REUNIDOS 5 MILAGRES AO BEATO FRANCISCO PACHECO

Capturartito.JPG

  • Crónica de Adelino Tito de Morais

No âmbito do processo de canonização do Beato Francisco Pacheco (1585?-1626), a decorrer no Vaticano, o Postulador da Causa, o Padre João Caniço recolheu cinco milagres, intenções de santidade provenientes de Ponte de Lima, Custóias, Fornos de Algodres e Toronto (Canadá).

A notícia foi revelada durante um encontro realizado recentemente em Loures com aquele sacerdote, e consta do relatório a enviar pelo ex-Pároco do Lumiar, Lisboa, à Santa Sé. Na reunião, elencamos também as acções realizadas nos últimos dez meses pelo grupo dinamizador do desejo de santificar o ilustre jesuíta e conterrâneo, o Clube de Gastronomia de Ponte de Lima, que no decorrer de seus eventos na Europa, incluiu a capital italiana. O Padre João Caniço, satisfeito com as actividades já realizadas, salientou ainda que “necessitamos de obter a canonização, daí a existência de milagres a justificar a sua intercessão”.

Assim, recordemos que entre o trabalho de divulgação do missionário, realizou-se na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, uma exposição bio-bibliográfica, com apoio do município e do Pároco, agora também Vigário Geral da diocese de Viana do Castelo, Mons. José Caldas. Igualmente, a devoção ao mártir português no Japão tem sido intensificada, com a entrega da sua imagem, uma escultura de marfinite pintada, na sede da NATO em Bruxelas; na embaixada de Portugal junto da Santa Sé, Roma, e posteriormente a entidades portuguesas nos sectores da diplomacia, cultura e indústria, com sede no Brasil, Canadá e França. A primeira representação iconográfica do mártir foi colocada em Outubro 2021 na Igreja de S. António dos Portugueses em Roma, oferecida pelo grupo limiano ao seu Reitor, Mons. Agostinho Borges, adido eclesiástico de Portugal junto da Santa Sé, e ex-Prelado de Honra do Papa João Paulo II, recorde-se.

Entretanto, um novo encontro terá lugar em Itália com o embaixador de Portugal no Vaticano e outros membros do Dicastério Romano, para balanço de actividades e agendamento de outras. Aqui, podemos informar que está em curso o agendamento duma reunião em Agosto próximo em Ponte de Lima com os ilustres intervenientes na Causa de Canonização, vindos de Roma, de Lisboa e Braga. O programa incluirá ainda uma recepção pelo chefe da edilidade, Vasco Ferraz, pois o município pretende colaborar nos 400 anos do martírio do Beato Pacheco e seus companheiros (1626-2026). A finalizar, podemos ainda referir, que a tradução portuguesa do latim do poema PACIECIDOS, nas mãos da latinista conimbricense Carlota Urbano deverá ser concluída no corrente ano.

GABINETE DE APOIO AO CUIDADOR INFORMAL DA PÓVOA DE LANHOSO NOVAMENTE RECONHECIDO PELA REDE

O GACI – Gabinete de Apoio ao Cuidador Informal do Município da Póvoa de Lanhoso foi novamente reconhecido pela Rede de Autarquias que Cuidam dos Cuidadores Informais (RACCI), vendo renovado o selo de mérito para o biénio 2023/2024 como membro da rede de autarquias que adotam as melhores práticas e medidas de apoio em benefício dos/as cuidadores/as informais.

Este Gabinete dispõe de uma equipa multidisciplinar que engloba elementos da área da saúde, da área da educação e da área social. Com estes recursos humanos e com o apoio de instituições locais, têm sido desenvolvidas atividades e ações de forma a contribuir para o bem-estar dos/as cuidadores/as informais e das pessoas de quem cuidam.

Para além dos atendimentos que são realizados com o intuito de informar e esclarecer sobre as várias medidas relacionadas com o Cuidador Informal, existem, atualmente, em dinamização dois Grupos de Ajuda Mútua (GAM), que reúnem mensalmente, sendo um grupo no baixo concelho, que mantém atividade há dois anos, e outro mais recente na Vila da Póvoa de Lanhoso.

Estes encontros têm carácter informal e lúdico, sendo envolvidos por conversas e partilha de experiências para além da capacitação das pessoas participantes em temáticas relacionadas com os seus interesses, necessidades e vivências.

Esta resposta tem tido um impacto muito positivo e muito enriquecedor junto das famílias. As cuidadoras informais que participam nestes encontros, de sessão para sessão, mostram-se muito motivadas, envolvidas e valorizam esta iniciativa como muito útil e positiva para elas.

Assim, se é Cuidador/a Informal e precisa de esclarecer alguma dúvida do seu interesse, pode fazer a sua inscrição ou contactar o Gabinete de Apoio ao Cuidador Informal (GACI), que funciona no edifício da Casa da Botica, de segunda a sexta-feira, entre as 9h00 e as 18h00, através dos contactos telefónicos 253 639 700, 253 639 794 ou através do email gaci@mun-planhoso.pt.

Grupos de Ajuda Mutua dinamizados pelo Gabinete de Apoio ao Cuidador Informal.jpg

VIANA DO CASTELO: CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE REGIÃO MINEIRA DA SERRA D’ARGA

Amanhã, dia 22 de fevereiro, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.15 horas, tem lugar a conferência “Minas e recursos minerais – património e promessa – o exemplo da Região Mineira da Serra d’Arga”, pela geóloga Raquel Alves. A comunicação integra o programa do XIII Ciclo de Estudos organizado pelo Centro de Estudos Regionais, sob o tema “Terra”.

A conferencista convidada, Raquel Alves, é Pós-Doutorada em Geoquímica Ambiental, doutorada e mestre em Ordenamento e Valorização de Recursos Geológicos. O seu principal campo de estudo e análise é a Serra d’Arga. Tem, atualmente, funções em Investigação, Desenvolvimento e Inovação na empresa Mercado da Pedra, do grupo António Longarito, sendo responsável por parcerias com entidades técnicas e científicas. É colaboradora do Centro de Investigação Lab2PT, da Universidade do Minho, onde vem orientando alunos de mestrado e de doutoramento. Integra a Comissão Técnica Portuguesa das Rochas Ornamentais e é especialista no Comité Europeu de Normalização para Especificações de Produto de Pedra Natural. Publicou artigos científicos e capítulos de livros e coordenou ações de divulgação das geociências e dos recursos minerais.

O acesso à sessão é livre.

A direção do Centro de Estudos Regionais

421957742_883970793733694_5267660020379984346_n.jpg