Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CERVEIRA QUER CONCESSIONAR CASTELO

Lançado Concurso REVIVE para concessão do Castelo de Cerveira

O Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, esteve, esta sexta-feira, 18 de janeiro, em Vila Nova de Cerveira, para presidir ao ato de formalização do Programa REVIVE para o Castelo de Cerveira. O concurso público para a concessão deste imóvel entrou em vigor no imediato, com a apresentação de propostas por parte de investidores interessados a decorrer até 5 de junho.

IMG_9123.JPG

Dos 33 imóveis nacionais identificados, o Castelo de Cerveira é o 15.º concurso a ser lançado no âmbito do REVIVE, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais, que visa valorizar e recuperar o património sem uso, reforçar a atratividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país.

Para assinalar a formalização deste procedimento, o Ministro Adjunto e da Economia esteve, ao início da tarde de sexta-feira, no Castelo de Cerveira, estimando que sejam investidos cerca de 3 milhões de euros para as obras de requalificação do conjunto amuralhado e a sua adaptação à atividade turística. Pedro Siza Vieira informou que os investidores interessados podem apresentar propostas até 5 de junho de 2019 e que o imóvel será concessionado durante 50 anos para exploração para fins turísticos. “Estamos muito satisfeitos por estar aqui. Este projeto tem sido muito caro para os cerveirenses, por isso espero que possamos assinalar os 700 anos de Cerveira aqui, num Castelo revivido”, disse Pedro Siza Vieira, seguindo-se uma visita a alguns espaços do Castelo.

Para o autarca cerveirense, "volvidos 10 anos de impasse e de abandono deste espaço, o lançamento do REVIVE abre uma janela de oportunidades para a resolução de uma enorme preocupação dos Cerveirenses". Fernando Nogueira frisou que embora esta “não seja a solução definitiva de todos os problemas subjacentes ao Castelo, é seguramente um passo muito importante para que se concretize o propósito de devolver este imóvel ao serviço dos Cerveirenses, da economia local e dos inúmeros turistas que reconhecem o Castelo como um dos ex-libris do concelho”.

O ato de formalização oficial do lançamento de concurso público decorreu no próprio Castelo, tendo sido acompanhado pela Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, o Secretário de Estado da Economia, João Correia Neves, o Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres, o Secretário de Estado da Valorização do Interior, João Catarino, além de outras entidades públicas locais, regionais e nacionais, e população.

CERVEIRA APOIA JUVENTUDE

Autarquia apoia política de juventude além-fronteiras

Dois jovens cerveirenses participaram no encontro internacional do projeto ALLEYS - All European Youths for Solidarity, financiado pelo Programa Europa para Cidadãos da União Europeia, que decorreu entre 16 e 19 de janeiro, em Bomarzo (Itália). Apresentação de projetos desenvolvidos no Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira foi uma das mais bem acolhidas entre as sete delegações presentes. Trata-se do 6º projeto no âmbito do Europeísmo, no qual a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira é parceiro ativo através do envolvimento da juventude.

Projeto Alleys - Foto 3.jpg.jpeg

Do desejo de promover geminações e de partilhar opiniões e reflexões comuns sobre questões importantes para a União Europeia nasce o projeto ALLEYS - All European Youths for Solidarity. Sete parceiros europeus, entre os quais o Município de Vila Nova de Cerveira, decidiram trocar experiências e debater as melhores práticas em torno do futuro da Europa, também na perspetiva das próximas eleições europeias.

O encontro internacional do projeto ALLEYS contou com a presença das delegações de Soriano nel Cimino (Itália), Arnot (Hungria), Deryneia (Chipre), St. Julian's (Malta), Vila Nova de Cerveira (Portugal) e organizações cívicas Balkien (Grécia) e Smart Communication! (Letônia). Durante uma reunião estabelecida com os alunos do Instituto Omnicomprensivo em Orte, os jovens da comitiva portuguesa, Beatriz Fernandes e Leandro Freitas, tiveram a oportunidade de partilhar os projetos desenvolvidos no Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira, recebendo uma ovação pelos presentes pelo enorme conhecimento e pela excelente preparação.

O autarca cerveirense reforça a ideia de que “a integração de jovens nestes projetos europeus constitui-se como uma oportunidade única para expandir os seus horizontes além-fronteiras". Fernando Nogueira assegura que “a aposta municipal numa política de juventude internacional tem-se revelado muito profícua, recebendo muitos elogios dos diversos parceiros pelo interesse e proatividade dos jovens cerveirenses, sem esquecer a grande oportunidade de promoção do turismo a nível internacional”.

Depois do ‘Ponte da Amizade – Europa Sem Fronteiras’, ‘Yieps!’, ‘Knots’, ‘STRinGS’ e ‘WIVAS’, o Município de Vila Nova de Cerveira incorporara a sexta experiência europeia, através do projeto ALLEYS. Denominador comum destas ações incide na participação pública e cidadania ativa, pela criação de políticas de maior proximidade à juventude.

PAN QUER PROIBIR COMBUSTÍVEIS COM ÓLEO DE PALMA

PAN apoia fim do uso de óleo de palma em combustíveis Portugueses e Europeus

  •        - Partido alia-se à iniciativa Europeia promovida por associações ambientalistas
  •        - Em 2018 mais de metade do óleo de palma usado na Europa acabou nos depósitos dos veículos
  •        - Devem ser traçadas na Europa estratégias urgentes para não usar óleo de palma nos biocombustíveis

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza – defende que Portugal e a União Europeia deixem de usar óleo de palma em biocombustíveis como forma de transição energética no sector da mobilidade, acompanhando a iniciativa Europeia que decorre hoje, promovida por Organizações Não Governamentais de Ambiente (ONGA) da Bélgica, França, Alemanha Itália, Portugal, Espanha, Suécia e Países Baixos.

Atualmente a produção e comércio de óleo de palma é já uma das grandes ameaças à biodiversidade e um dos maiores promotores de desflorestação de vários países, nomeadamente no sudoeste asiático e na América do Sul, segundo o estudo da Universidade de Duke. Em Portugal, e segundo a associação ambientalista ZERO, o biodiesel a partir do óleo de palma é “três vezes pior para o clima do que o gasóleo fóssil”, sendo que em 2018 mais de metade do óleo de palma usado na Europa acabou nos depósitos dos veículos.

“A economia Europeia, e a transição energética promovida pelos biocombustíveis, tem impactos gravíssimos nos ecossistemas florestais da Indonésia e da Malásia, mas também se repercutem no Equador, Brasil e Peru” afirma Francisco Guerreiro, cabeça de lista do PAN às Eleições Europeias 2019. “É necessária uma mudança no paradigma económico e ecológico privilegiando produtos e bens com reduzida pegada ambiental” conclui o candidato.

Ainda segundo a ZERO, “desde que foi introduzida a Diretiva das Energias Renováveis na União Europeia, em 2009, para a promoção dos biocombustíveis como alternativa aos combustíveis fósseis no sector dos transportes, o consumo de óleo de palma para produzir biocombustível aumentou, passando de 825.000 toneladas em 2008 para 3,9 milhões de toneladas em 2017.”

No que concerne à transição energética dentro da mobilidade, o PAN considera que todos os Estados Membros e a própria Comissão Europeia devem traçar estratégias urgentes para deixar de usar óleo de palma nos seus biocombustíveis, garantindo em alternativa que a aposta seja feita na mobilidade coletiva, na expansão do mercado de veículos elétricos e também no reforço da mobilidade ligeira (bicicletas em meio urbano).

 “O atual modelo económico Europeu, presente também nos acordos comerciais internacionais, desconsidera os mais básicos valores ambientais pelo que impera uma reordenação das prioridades da Comissão Europeia no que concerne à transição energética. Precisamos de uma revolução verde na economia e na Europa”, conclui o candidato.

CRIANÇAS DE VIEIRA DO MINHO CANTARAM OS REIS

 O Auditório Municipal de Vieira do Minho acolheu esta sexta-feira, a Gala de Reis dos alunos do 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo.

50294497_1372191372922690_4719824172430131200_n.jpg

O encontro promovido pela Câmara Municipal contou com a presença dos alunos  da Escola Básica Domingos de Abreu, do Centro Escolar do Cávado, da Escola Básica de Rossas e de Guilhofrei.

Com as vozes bem afinadas, e as coreografias bem preparadas, os mais pequenos cantaram e encantaram nesta noite de Reis.

Quem também se juntou ao momento, foi o presidente do Município, António Cardoso, que aproveitou a ocasião para enaltecer o trabalho e a dedicação dos mais pequenos, e endereçar a toda a comunidade educativa votos de um ano repleto de sucessos.

50533483_1372191472922680_7350546268919169024_n.jpg

BIBLIOTECA CAMILO CASTELO BRANCO FAZ RETRATO DO CMÉRCIO DESAPARECIDO FAMALICENSE

Mostra arranca em fevereiro com a Ourivesaria Cunha, que iniciou a sua atividade em Vila Nova de Famalicão a 2 de dezembro de 1908

O comércio famalicense no inicio do seculo.jpg

O comércio quotidiano que efervescia Vila Nova de Famalicão nas primeiras décadas do século XX vai ser recordado pela Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, através de uma mostra documental mensal intitulada “O comércio de Vila Nova”. Todos os meses, serão publicadas fotografias, publicidades, postais ou cartazes que remetem vila famalicense viva nos anos 20, 30 e 40. Por entre as casas comerciais de fazendas, mercearias, ferragens, chapelarias, calçado e casas de pasto, serão ainda recordadas as confeitarias e farmácias e as oficinas.

Depois de ter recentemente terminado o projeto de promoção da história local intitulado “Por Terras de Vila Nova”, que consistiu na exibição mensal de diversas fontes documentais relativas às 49 freguesias do concelho de Vila Nova de Famalicão, a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, através da sua Sala do Fundo Local, inicia agora este novo projeto de promoção da história local dedicado ao comércio famalicense desde o início do século XX.

Com a mostra documental “O comércio de Vila Nova”, a Biblioteca Municipal pretende continuar o seu trabalho de promoção do seu Fundo Local como um espaço especializado e privilegiado no acesso às mais importantes fontes documentais produzidas pela comunidade famalicense ao longo dos tempos, como por exemplo as obras editadas pela câmara municipal ou pelos autores locais, a imprensa local, dossiers temáticos com interesse para a região, mapas, fotografias, postais, cartazes, entre outras.

Com base neste importante acervo documental, a partir do próximo mês de fevereiro, e com uma periodicidade mensal, a mostra documental “O comércio de Vila Nova” dedicar-se-á à divulgação de inúmeros espaços comerciais famalicenses que com o passar dos anos se extinguiram e já não figuram nas nossas ruas e praças.

Assim, e já para o próximo mês de fevereiro, a casa comercial a merecer destaque será a Ourivesaria Cunha, que iniciou a sua atividade em Vila Nova de Famalicão a 2 de dezembro de 1908 e que na obra Aspectos de Vila Nova: Factos e Nomes, é descrita como “(…) uma casa de ourivesaria, prataria e relojoaria, das melhores da nossa província, e que, pela sua aparência citadina, muito salienta a nossa Terra.”

Nos meses que se seguirão outras importantes casas comerciais serão objeto de promoção, com o por exemplo a Estação de Serviço SHELL, a Confeitaria Bezerra, a Casa Malheiro, o Restaurante Íris, o Café-Restaurante Garantia, entre outros.

Ourivesaria Cunha.jpg

PONTE DE LIMA É A CAPITAL DO ARROZ DE SARRABULHO

XI Feira do Porco e as Delícias do Sarrabulho, 25 a 27 de janeiro, em Ponte de Lima. Pavilhão de Feiras e Exposições – 17 horas

Reconhecida como um dos maiores destinos gastronómicos de Portugal, a Vila de Ponte de Lima irá receber mais uma edição da Feira do Porco e as Delícias do Sarrabulho, no Pavilhão de Feiras e Exposições de Ponte de Lima e nos restaurantes aderentes.

Convite_Feira_Porco2019-01 (Large).jpg

O ex-líbris da gastronomia limiana, o Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, os enchidos e os fumados são durante três dias confecionados pelos vários restaurantes do concelho, assim como pelos expositores de produtos regionais e artesanato, atraindo tanto o local como o forasteiro à feira. O Pavilhão de Feiras e Exposições de Ponte de Lima será durante estes dias invadido por sabores fortes, aromas condimentados, doses generosas e q.b. de arrojo.

Considerado um prato típico da época de inverno é procurado e saboreado durante todo o ano. É uma verdadeira alavanca económica para o concelho, sendo confecionado com base na excelência dos produtos limianos e da afirmação da identidade cultural que resulta o desenvolvimento integrado.

Evento de referência do projeto Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta, a Feira do Porco e as Delícias do Sarrabulho realiza-se de 25 a 27 de janeiro de 2019.

feira_do_porco_programa_net-01.jpg

feira_do_porco_programa_net-02.jpg

feira_do_porco_programa_net-03.jpg

feira_do_porco_programa_net-04.jpg

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO PROMOVE CICLO DE ESTUDOS "GASTRONOMIA E CULTURA"

Conferência num restaurante abre ciclo de estudos

No próximo dia24de janeiro, noRestaurante Scalla (Praia Norte, Viana do Castelo), às 17.00 horas, tem lugar a primeira conferência do Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais.

49949098_2087321234623654_8819354719701958656_n.jpg

Pedro Pereira, doutor em Antropologia e docente no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, apresenta uma comunicação intitulada “Alimentos, comidas e culturas”. Esta apresentação inaugura o conjunto de conferências do ciclo de estudos, cujo programa foi apresentado no passado dia 17 de janeiro, que prevê a intervenção de diversos investigadores. A iniciativa integra ainda visitas de estudo, percursos urbanos e outras iniciativas paralelas. A participação no evento é livre.     

Revista Estudos Regionais

Chamada de artigos para edição de 2019

O Centro de Estudos Regionais publicará, no segundo semestre de 2019, o décimo terceiro volume, da segunda série, da revista Estudos Regionais. Até ao dia 25 de janeiro, o CERaceita a receção de resumos de artigos ou propostas de recensão para apreciação pelo Conselho Editorial. O resumo dos artigos deve ter no máximo 15 linhas (150 palavras), incluir referência ao objeto de estudo, ao enfoque teórico, às fontes ou à sustentação empírica e três palavras-chave.As normas completas para os colaboradores podem ser consultadas na edição nº 12 (2018), nas páginas 258 e 259, ou no sítio www.cer.pt.

A direção do Centro de Estudos Regionais

EQUIPA DA ANACOM AVALIA A REDE TDT EM TERRAS DE BOURO

Na sequência do processo iniciado pela Câmara Municipal tendo por objetivo resolver todos os problemas que os terrabourenses têm sentido com a Televisão Digital Terrestre (TDT) e após a reunião de trabalho que o Executivo Municipal realizou com o Dr. João António Cadete de Matos, Presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) a 8 de janeiro, o Município informa que já se encontra em Terras de Bouro e no terreno uma equipa técnica de 6 elementos da ANACOM auxiliada por duas viaturas de diagnóstico.

CAPATBOURO1.jpg

Os técnicos irão identificar as fragilidades e as possibilidades de resolução dos problemas existentes com a cobertura deficitária da TDT em Terras de Bouro. A equipa pretende fazer um levantamento dos agregados populacionais onde não há TDT com o objetivo de diagnosticar o problema e fazer com que esta chegue a toda a população sem quaisquer problemas. Um dos principais diagnósticos passará por averiguar se o satélite é uma hipótese viável para que o sinal chegue a todas as localidades, caso não seja possível através do sinal terrestre.

20190117_134217.jpg

Assim sendo, levamos ao conhecimento da população que nas próximas semanas os técnicos, com o total apoio da Câmara Municipal, entrarão em contacto com os respetivos Presidentes das Juntas de Freguesias no sentido de planear e realizar um estudo e diagnóstico exaustivo de cada localidade, o que implicará um levantamento no terreno em todos os lugares e em todas as habitações que apresentarem dificuldades na receção da TDT.

IMG-20190117-WA0000.jpg

IMG-20190117-WA0002.jpg

IMG-20190117-WA0006.jpg

IMG-20190117-WA0007.jpg

BENEDITA AGUIAR CONSIDERA QUE AUTOESTIMA É ESSENCIAL NA CAPACITAÇÃO PARA A INCLUSÃO

Entrevista a Benedita Aguiar, Diretora da Die Apfel

Die Apfel ministrou formação na área da «Imagem, Autoestima e Autoconceito», no âmbito da tipologia de intervenção «Capacitação para a Inclusão»

Benedita2.jpg

Blogue do Minho - Considera importante, nos dias de hoje, o trabalho deste tema?

Benedita Aguiar - A tipologia de intervenção “Capacitação para a Inclusão” (dinamizada com o apoio do POISE: Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, pelo Programa Portugal 2020, União Europeia e Fundo Social Europeu) visa, entre outros aspetos,  o aumento das competências sociais e profissionais tendo em vista facilitar o acesso ao mercado de trabalho de grupos altamente vulneráveis.

Neste sentido verifica-se a necessidade de apostar no incremento de uma imagem positiva, mas para isso é imprescindível a promoção da autoestima e do auto conceito.

B.M. - O que entende por autoestima e autoconceito?

B.A. - A autoestima é uma componente valorativa do próprio, a qual está eminentemente relacionada com as habilidades daquele. Em 1890 William James defendia que aquele constructo (autoestima) incorporava características da pessoa, designadamente ao nível físico, familiar, social, intelectual, entre outros. De acordo com aquele autor, o sucesso seria um dos fatores impulsionadores da autoestima. Trata-se, no fundo, de um sentimento de valor pessoal, que depende não apenas do próprio, mas de todas as condicionantes a que este está sujeito.

Por autoconceito entendo que é o sentimento que o indivíduo nutre por ele próprio. Por exemplo, o autoconceito profissional é operacionalizado como “a perceção que o indivíduo tem de si em relação ao trabalho (tarefas) que executa” (Costa, 1996, p.34), sendo que pela mesma ordem de pensamento o autoconceito académico, por exemplo, estará intimamente relacionado com a perceção do aluno relativamente à sua performance escolar/formativa/académica. Posso também dar o exemplo do autoconceito social, enquanto consciência do próprio relativamente à sua prestação social em interações mais ou menos específicas.

B.M. - E ambos os constructos (autoestima e autoconceito) têm impacto ao nível da inserção social e laboral?

B.A. - Tanto a autoestima, como o autoconceito são influenciados por uma panóplia de fatores, internos e externos, sendo que alguns deles são fatores controláveis pelo próprio, mas muitos outros não são. Assim, a formação em questão centrou-se (não só, mas também) nos fatores controláveis, intrínsecos e extrínsecos ao indivíduo, que podem promover a sua autoestima e o seu autoconceito.

Indubitável é, na minha opinião, a importância de ambas as variáveis (autoestima e autoconceito) na promoção da inserção social e laboral. Por esse motivo, a Die Apfel optou por trabalhar de forma consistente este tema.

B.M. - E a imagem como foi trabalhada, no sentido de poder ela própria contribuir para a inserção social e laboral?

B.A. - Todos os dias, de forma mais ou menos consciente, transmitimos a imagem daquilo que somos, do que já vivemos e até das nossas motivações.

Pretendeu-se, ao longo da ação de formação, explicar a importância da imagem na atualidade, nomeadamente no que se refere à inserção profissional. 

Aquela não foi trabalhada isoladamente, mas sim integrada num conjunto de valores que, per si, constituem a imagem. Foi trabalhado aquilo que nós comummente denominamos por “Marketing Pessoal”. Neste sentido, realizámos simulações de entrevistas de emprego; pequenas palestras sobre marketing pessoal; uma sessão de maquilhagem profissional, entre outras iniciativas.

PROJETO QUE PARTIU DO CONCELHO DE CAMINHA É UM DOS VENCEDORES DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE PORTUGAL

“(Re)Florescer o Minho” foi apresentado em sessão na praia de Vila Praia de Âncora

(Re)Florescer o Minho, um projeto apresentado em Caminha, é um dos projetos vencedores do. Da autoria de Mário João Cerqueira Fernandes e Fabrícia Silva, esta proposta de sustentabilidade ambiental está interligada ao Festival Foundation Fest e abrange os distritos de Viana do Castelo e Braga.

OPPjovem.jpg

Esta é uma excelente notícia para o concelho, conforme sublinha o presidente da Câmara, Miguel Alves: “foi com muita satisfação que recebi a notícia de que tinham partido de Caminha, de jovens do nosso concelho, uma das propostas vencedores do Orçamento Participativo Jovem. Por duas razões: em primeiro lugar, porque temos mais um projeto que se afirma na nossa terra; em segundo lugar, porque o concelho é hoje uma referência na participação e na cidadania”.

É de salientar que (Re)Florescer o Minho foi um dos três projetos apresentados num encontro de participação que decorreu no verão passado em Vila Praia de Âncora, no âmbito do Orçamento Participativo Jovem de Portugal.

Este projeto consiste em ‘reflorestar as áreas atingidas pelos incêndios no Minho (distrito de Viana do Castelo e Braga), em parceria com todos os municípios. Além da reflorestação, serão realizadas ações de consciencialização e informação acerca da importância da limpeza das florestas, conservação do meio ambiente e uso racional dos percursos naturais. A colaboração dos municípios é essencial para o desenvolvimento deste projeto, contudo, e uma vez que se pretende envolver a comunidade, a iniciativa será promovida através da realização do Festival Foundation Fest, sendo este o ponto de encontro para a realização de atividades ligadas à consciencialização ecológica e angariação de verbas criando assim sinergias entre todos.

Este ano, Vilar de Mouros volta a acolher o Festival Foundation Fest no dia 6 de julho.

FAMALICÃO INCENTIVA REFLORESTAÇÃO DO TERRITÓRIO

Autarquia financia o projeto de arborização dos terrenos e cede as árvores autóctones a plantar, entre outros apoios

Através do programa ambiental “25 mil árvores até 2025” promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão é possível os proprietários de terrenos acederem a projetos de florestação e reflorestação, obrigatórios por lei, de uma forma totalmente gratuita e ainda conseguirem a oferta das plantas e árvores aprovadas para a área a intervir.

DSC_3289.jpg

Foi o que aconteceu com uma proprietária de um terreno com cerca de 1 hectare localizado na freguesia de Esmeriz, que depois do abandono do cultivo de uma vinha e do milho, decidiu converter o seu terreno num pequeno bosque autóctone, deixando assim um bem precioso às gerações vindouras.

Para além da elaboração do projeto florestal obrigatório, o município famalicense forneceu ainda cerca de meio milhar de árvores autóctones indicadas para aquele tipo de terreno, desde pilriteiros, medronheiros, faias, cerejeiras bravas, plátanos bastardos, amieiros e salgueiros.

A plantação decorreu no início deste mês de janeiro e mobilizou ainda cerca de 60 alunos das escolas Cior, Oficina e da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, que se voluntariaram para plantarem as árvores que vão compor este pequeno bosque na freguesia de Esmeriz.

A reflorestação de terrenos privados é, assim, uma das tipologias de ação de projeto das “25 mil árvores até 2025”, para além da criação de berçários de espécies autóctones criados pelas eco-escolas e que depois integram estes projetos, e da campanha de adoção de árvores, que decorre várias vezes por ano, em Famalicão.

Refira-se que com o projeto “25 mil árvores até 2025”, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão quer reabilitar aproximadamente 25 hectares do território concelhio através da plantação de 25 mil árvores e arbustos nativos da região em áreas urbanas, espaços rurais, ao longo das linhas de água e em montes e serras.

O projeto arrancou em setembro 2016 e até ao momento já foram plantadas perto de 14 mil árvores ao abrigo deste projeto.

Os proprietários que aderirem ao projeto têm apenas realizar os trabalhos de preparação dos terrenos para a plantação das árvores e autorizar a presença de técnicos da autarquia e de voluntários para a realização de tarefas necessárias à plantação de árvores e cuidados posteriores por um período de cinco anos. Os proprietários ficam também impedidos de abater as árvores plantadas por um período de mínimo de 15 anos.

Por seu lado, a autarquia compromete-se a financiar o projeto de arborização dos terrenos que deverá ser submetido ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e a custear e ceder as árvores a plantar, ajustando com os proprietários as condições de plantação, respeitando os usos de propriedade.

DSC_3307.jpg

MONÇÃO APRESENTA PROJETO “SCHOOL4ALL” A PROFESSORES E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

O Município de Monção, em colaboração com o Agrupamento de Escolas de Monção, iniciou o Projeto “School4All”, programa inovador de promoção de sucesso escolar. A apresentação do projeto a professores e encarregados de educação decorreu, no final da tarde de ontem, na Escola Básica José Pinheiro Gonçalves.

01 m.JPG

Com a presença da Vereadora da Educação, Juventude e Recursos Humanos, Natália Rocha, o encontro, realizado na sala do futuro, serviu também para a apresentação da equipa de trabalho: Sofia Fernandes, psicóloga, e Daniela Fernandes, terapeuta da fala.

Feita a apresentação, os encarregados de educação apresentaram algumas dúvidas relativamente à funcionalidade do projeto. Todos foram esclarecidos. No final, ficou a ideia do papel agregador e inovador deste projeto educativo que, tendo uma duração de três anos, veio para complementar e não substituir os programas existentes.

O projeto baseia-se em três ações concretas. A primeira assenta no funcionamento de uma equipa multidisciplinar capaz de assegurar uma articulação frutuosa entre a escola, família e comunidade, apostando na prevenção, deteção e intervenção das dificuldades existentes, bem como na capacitação dos agentes envolvidos.

A segunda, baseia-se no desenvolvimento de metodologias e práticas inovadoras, num ambiente educativo rico em tecnologia, pensado para promover a igualdade de acesso a uma educação de qualidade. De realçar, a criação de quatro salas de futuro, uma em cada escola do 1º ciclo, bem como a Plataforma Monção Educa + e o Observatório Municipal da Educação.

A terceira tem “A Arte como Farol”, isto é, dinamização de atividades em contexto escolar com o objetivo de desenvolver, através da linguagem teatral, competências várias juntos dos alunos, passando não só como expressão artística, mas também como instrumento potenciador de aprendizagem.

“O Projeto School4All – Monção visa desenvolver uma ação concelhia inovadora no combate ao insucesso e abandono escolar precoce, promovendo a igualdade de acesso a um ensino de qualidade. Pretende ainda fortalecer a participação das famílias e da comunidade no desenvolvimento integral dos alunos”

Natália Rocha,

Vereadora da Educação, Juventude e Recursos Humanos

03 m (1).JPG

VILA PRAIA DE ÂNCORA MANTÉM A TRADIÇÃO DOS TRADICIONAIS CANTARES DAS JANEIRAS

Vila Praia de Âncora mantém a tradição. Teve anteontem lugar no Cineteatro dos Bombeiros Voluntários daquela localidade o II Encontro de Grupos de Janeiras. E os “janeireiros” responderam à chamada, recriando em palco o costume de cantar de porta em porta pedindo alvíssaras…

50309894_2313554705579081_8309167228331229184_n.jpg

A sala ficou repleta de público e o evento contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Dr Miguel Alves, entre outras entidades.

Vila Praia de Âncora – e o concelho de Caminha em geral! – multiplica-se em iniciativas que vão conferindo maior animação local para além da época balnear.

A avaliar pelo sucesso, o Encontro de Grupos de Janeiras veio para ficar… e, quem sabe se o mesmo não passará a ser antecedido dos tradicionais cantares ao Menino Jesus, na graciosa capela de Nossa Senhora da Bonança?

Fotos: Município de Caminha

50259897_2313552405579311_6993617104888922112_n.jpg

50276755_2313553432245875_7484877908041793536_n.jpg

50289636_2313554648912420_8303752777809526784_n.jpg

50324154_2313554318912453_34109496393465856_n.jpg

50338202_2313552332245985_4253653765061607424_n.jpg

50397904_2313553002245918_274024170524770304_n.jpg

50398057_2313554065579145_5400084916954202112_n.jpg

50402540_2313553865579165_1328567048330018816_n.jpg

50414355_2313552948912590_7775910076044279808_n.jpg

50414405_2313553598912525_4337096926559207424_n.jpg

50420038_2313552608912624_6789384580966121472_n.jpg

50422648_2313553832245835_4053027102407000064_n.jpg

50426222_2313552342245984_6510199100997107712_n.jpg

50437942_2313553225579229_5827937657627344896_n.jpg

50661322_2313553975579154_2107298705617977344_n.jpg

50745365_2313552462245972_3240867220733034496_n.jpg

50790798_2313553395579212_9140200983010213888_n.jpg

ARCOS DE VALDEVEZ RECUPERA ECOSSISTEMAS RIBEIRINHOS

Investidos mais de 100 mil euros na “Reabilitação e Requalificação dos Ecossistemas Ribeirinhos”

Na sequência dos incêndios ocorridos em 2017 e 2018, o Município de Arcos de Valdevez, em articulação com a APA – Agência Portuguesa do Ambiente, executou a empreitada de “Reabilitação e Requalificação dos Ecossistemas Ribeirinhos”, a qual pretendeu promover a proteção dos recursos hídricos das aéreas afetadas.

biorrolos.JPG

Desde o Poço das caldeiras, em Loureda, até ao Lugar da Igreja, em Sistelo, a bacia hidrográfica do rio Vez foi objeto de uma intervenção com o objetivo de minimizar o efeito dos incêndios. Foram investidos mais de 100.000 euros em intervenções de bioengenharia ao longo deste troço do rio Vez e de pequenas linhas de água que nele desaguam, bem como realizadas operações de manutenção e reforço da galeria ripícola. A prioridade foi intervir nas linhas de água que atravessam áreas ardidas, procurando desta forma minimizar o arrastamento de cinzas e matéria orgânica, evitando o assoreamento do rio Vez e a contaminação das suas águas.

As intervenções consistiram na construção de barreiras naturais, designadamente microaçudes, filtros de palha, bio-rolos, faxinas vivas e entrelançados, aproveitando material resultante da retirada de material vegetativo seco e das podas de arejamento realizadas ao longo do rio Vez. A galeria ripícola foi ainda reforçada com plantação de espécies ribeirinhas e de estacaria de salgueiro.

Esta operação foi financiada pela APA e contou com a colaboração dos proprietários com terrenos confinantes com as linhas de água intervencionadas

Com estas intervenções foi dado mais um passo na proteção da qualidade ecológica do Rio Vez.

conjunto de intervenções.JPG

entrelançados (2).JPG

estacaria (2).JPG

faxinas vivas (2).JPG

filtro de palha (2).JPG

icro-açude.JPG

TERRAS DE BOURO REÚNE ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Assembleia Municipal de Terras de Bouro reunirá a 25 de Janeiro em sessão extraordinária

foto da Câmara Municipal de Terras de Bouro..JPG

Na próxima sexta-feira, dia 25 de janeiro, a Assembleia Municipal de Terras de Bouro irá realizar, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, pelas 20h30, a sua a primeira sessão de 2019, esta com carácter extraordinário e que versará a seguinte ordem de trabalhos:

1.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - jogos de fortuna ou azar”;

2.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - vias de comunicação”;

3.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - gestão das praias marítimas, fluviais e lacustres”;

4.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - justiça”;

5.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - equipas de intervenção permanente”;

6.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - estruturas de atendimento ao cidadão”;

7.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - habitação”;

8.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - património imobiliário público”;

9.Análise e votação de “proposta - descentralização de competências - estacionamento público”; 

ESPOSENDE DEDICA JANEIRO À CIÊNCIA

Centro de Educação Ambiental dedica mês de janeiro à ciência

No âmbito da iniciativa “Janeiro, mês da Ciência”, a Esposende Ambiente, através do Centro de Educação Ambiental, promoveu a apresentação a peça de teatro Konkachila, dedicada à Biosfera, pelo Grupo de Teatro Muzumbos. A iniciativa, que teve lugar em três sessões, no Auditório Municipal de Esposende, contou com a participação de cerca de 650 crianças e jovens de 11 estabelecimentos de educação e ensino e IPSS´s do concelho.

Oficinas.jpg

Esta peça, que retrata as aventuras da Celeste, uma menina que adorava observar a natureza e questionar o sentido das coisas, incentiva as crianças a observar e compreender o meio ambiente como um todo, lembrando que não vivem isolados e que as suas ações têm repercussões no equilíbrio da vida, afetando os ecossistemas positiva ou negativamente.

A iniciativa “Janeiro, mês da Ciência”, prevista no Plano de Atividades do Centro de Educação Ambiental para o presente ano letivo, inclui ainda a realização de um conjunto diversificado de atividades lúdico-pedagógicas dirigidas essencialmente à comunidade educativa concelhia e onde são abordadas diferentes áreas das ciências. Do programa consta, assim, a realização de várias oficinas experimentais dirigidas à comunidade educativa do 1.º e 2.º ciclos, que serão desenvolvidas nos estabelecimentos de educação e ensino no âmbito do projeto OMARE. A oficina intitulada “Alapa-te aqui” explora a importância da função cardíaca nos animais, tendo como base a monitorização desta função básica em lapas e como esta informação pode dar pistas sobre a resposta dos animais às alterações climáticas, nomeadamente o aumento da temperatura. Já a oficina dedicada ao tema “Segredos entre marés” aborda a importância da água para os seres vivos e dá a conhecer as principais diferenças entre as massas de água e os animais que habitam os vários ecossistemas aquáticos. Estas oficinas são orientadas por investigadores do CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto.

Também no âmbito desta iniciativa, e dirigido à população em geral, teve lugar, a 19 de janeiro, um workshop dedicado aos iogurtes vegetais caseiros, onde serão abordados os princípios relacionados com a fermentação do leite e com a produção de iogurtes vegetais, sendo dados a conhecer os ingredientes e utensílios necessários ao processo.

Por fim, até final de janeiro, está patente no Centro de Educação Ambiental a exposição temporária “Dar a conhecer para preservar”, do fotógrafo de natureza Carlos Rio. Esta exposição visa, através da fotografia de animais selvagens que na sua grande maioria vivem bem perto dos humanos, mostrar o quanto é necessário que as pessoas os conheçam para que os possam defender e ajudar na sua preservação e dos seus habitats.

O programa “Janeiro, mês da Ciência” enquadra-se nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, no que concerne à Saúde de Qualidade, Educação de Qualidade, Água Potável e Saneamento, Cidades e Comunidades Sustentáveis, Produção e Consumo Sustentáveis, Ação Climática, Proteger a Vida Marinha, Proteger a Vida Terrestre e Parcerias para a Implementação dos Objetivos.

O Plano de Atividades do Centro de Educação Ambiental para 2018/2019 encontra-se disponível no site da Esposende Ambiente e no Blogue do CEA, em www.esposendeambiente.pt

Exposição2.jpg

Capturarespocienc.PNG

中国新年庆典中的李斯本绿色明河集团参展

应中华人民共和国大使馆邀请, 民间团体 "绿色明浩" 将再次参加将于 2月 9日在里斯本举行的中国新年庆祝活动。

DSCF8052

明年的庆祝活动将更加大规模和重要, 因为今年是葡萄牙和中华人民共和国建交 40周年, 也是行政移交20周年澳门。

猪是一种动物, 中国的新年是2019年。猪是黄道带的动物, 它的能量将与当年的元素地球一起在2019年流行。

中国历法是由月球周期与太阳的位置一起控制的, 从新月的夜晚开始, 最接近太阳通过十年级的那一天。在中国历法中相应年份的十二种动物的表现在传说中有你的起源, 根据这个传说, 十二种动物展示了佛陀, 与你的呼唤相对应。

居住在葡萄牙的中国人超过2万人, 主要是因为你靠近澳门, 澳门是一个和平的社区, 勤奋, 特别致力于贸易, 有存在在我们地区相当大。

DSCF8087

DSCF8144