Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

"ROBERTOS" ANIMAM FAFE

Fafe será palco de espetáculos com bonecos e formas animadas. Cidade vai ser invadida por Marionetes, Fantoches e muita animação. Mais de 30 espetáculos de 22 companhias de teatro de todo o mundo

Fafe será palco, na próxima semana, da 2ª edição da Feira de Teatro de Bonecos e Formas animadas, promovida pela Câmara Municipal, através da plataforma artística Fafe Cidade das Artes.

Cartaz Feira de Bonecos e Formas Animadas.jpg

Durante três dias (28, 29 e 30 de Junho), Fafe vai receber mais de 30 espetáculos de teatro de bonecos, marionetas, fantoches e formas animadas, distribuídos por espaços emblemáticos, como o a Casa da Cultura, a Biblioteca Municipais, a Escola Professor Carlos Teixeira e ainda por várias ruas da cidade.

A ideia é resgatar as memórias dos “Dom Roberto” das feiras e praças, que nas terras do Minho deixaram como principal herança os grupos de “cabeçudos e gigantones”, promovendo, de igual forma, não só o mercado artístico, mas também o turismo.

Cerca de 22 companhias de teatro de formas animadas das mais diversas variantes e estéticas passarão pela cidade, prometendo muita animação a quem decide assistir aos espetáculos programados.

As companhias de teatro participantes, que irão mostrar as suas produções e tentar lançá-las no mercado, são oriundas de diversos países, além de Portugal, como Espanha, Brasil e Inglaterra.

Para todos os públicos e especialmente para as famílias, esta grande Feira de Teatro de Bonecos e Formas Animadas vai contar com a presença de mais de 20 programadores profissionais, representantes de importantes festivais internacionais, no papel de observadores e possíveis “compradores” de espetáculos.

Os fafenses que vão ter a oportunidade de assistir ao que se faz de melhor no mundo do teatro dos bonecos, uma arte que é parte da memória e da tradição de todos os povos.

A Feira pretende ser um espaço de criatividade, desenvolvimento artístico, cultural e social. Associa-se a uma causa social: parte das receitas reverte para o Banco de Leite de São Tomé e Príncipe.

Pompeu Martins, Vereador da Cultura, sublinha a “o sucesso que a iniciativa teve o ano passado e que se espera que também tenha este ano. Esta segunda edição trará a Fafe um conjunto de espectáculos de grande qualidade, protagonizado por excelentes artistas que darão um colorido diferente à cidade.

É um óptimo programa para as famílias que, durante três dias, vão poder ter acesso a diferentes espetáculos e atividades.

Este, como outros eventos que o Município de Fafe tem promovido, pretendem elevar o nível cultural do concelho, com uma oferta artística cada vez mais alargada e direcionada para diferentes públicos.”

O preço do bilhete é de 3,00€/dia, dando acesso a seis espectáculos num só dia.

“QUE FESTA É ESTA?” ESTREIA EM CERVEIRA

As Comédias do Minho apresentam, nos cinco municípios do Vale do Minho, “QUE FESTA É ESTA?”. Trata-se de um espetáculo de teatro, com criação de Ricardo Alves, cuja estreia está agendada para Vila Nova de Cerveira, entre esta quinta-feira e domingo.

comédias_que festa é esta_img.jpg

De acordo com a sinopse: “Um petisco? Um copinho? Cerveja ou vinho? Bebem-se os risos, engolem-se as mágoas. Hoje há festa lá no largo, no descampado. Hoje há teatro e música e pezinho de quem dança. Hoje é dia de sair à rua para dar de beber aos olhos, para dar de comer aos ouvidos e cantar os dias quentes. Sai de casa, vem para a rua, junta as mesas e agarra-me na mão antes que, perdido de amor, caia no chão. Sai de casa, areja a graça, vem rasgado e de rosto aberto, vem connosco que o dia é certo e a noite acossa. “Que festa é esta?!” – É a nossa!”

Assim, entre esta quinta-feira e domingo, quatro freguesias do concelho de Vila nova de Cerveira acolhem mais um espetáculo de teatro marcado animação e boa disposição. Segundo a programação, no dia 22, o espetáculo está presente no Largo de S. João, em Campos; no dia 23, no Terreiro, em Vila Nova de Cerveira; no dia 24, acontece na Junta de Freguesia de Covas; e no último dia, 25, a festa teatral promete animar o Largo da Sede da Junta de Loivo. Todos os espetáculos têm início às 21h30.

Ricardo Alves afirma: “Temos a responsabilidade de vos dar um tempo, útil ou inútil mas bom. Um tempo que dedicais a ouvir o que temos a dizer. Que seja bom o ato de sair de casa e estar com os vizinhos, em sítio público, a ocupar a praça ou a rua para função que não só passar mas nela permanecer, comer, beber, conversar e ouvir o que os doidos em cima do triângulo têm para partilhar.”

E assim, o convite é para perceber e viver “QUE FESTA É ESTA?”

‘VOVÓ GANZA’: ESTREIA NACIONAL NO VALADARES, TEATRO MUNICIPAL DE CAMINHA NO DIA 24 DE JUNHO

Caminha foi eleita para a estreia a nível nacional de uma peça de teatro. ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’, da Companhia Vidas de A a Z dá-se a conhecer no sábado, dia 24 de junho, no Valadares Teatro Municipal de Caminha, pelas 22H00. No domingo, dia 25, estará em Vila Praia de Âncora, no Cineteatro dos Bombeiros, pelas 16H00. Os bilhetes encontram-se à venda nos Postos de Turismo do concelho.

Vovó_Ganza_Vidas_de_A_a_Z_1.jpg

Depois de ‘Auto da Índia’, o Valadares, Teatro Municipal de Caminha conta com mais uma estreia, desta feita uma peça de teatro de âmbito nacional.  ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’ “é um alerta cultural e humano cuja história se desenvolve no coração de Lisboa e um retrato pouco ortodoxo do dia-a-dia de uma família tipicamente bairrista, onde se veem esbatidas as fronteiras entre o popular e o erudito, a mentira e a verdade, a liberdade e o poder”.

Sobre o espetáculo podemos dizer que se trata “num bairro muito pouco popular, instala-se um 31: a polícia investiga um caso de tráfico. Quando o aparente inofensivo vizinho do 4º andar é preso por posse de droga, todo o bairro fica alerta e o prédio sob escuta. É aí que a porca torce o rabo! Adelaide de Jesus é a idosa simpática do rés-do-chão, que vive à míngua com a sua filha Hortência, uma encalhada que nunca juntou os trapinhos e desandou. Hortência esconde uma atração por Brocas, o afilhado problemático, que está de olho na miúda do amigo. Mas ainda a procissão vai no adro! Em apenas dois meses Lailai, mais conhecida por Vovó Ganza, vê o marido partir para terra da verdade, a sua casa ser penhorada e a filha perder o emprego, vendo-se obrigada a arregaçar as mangas antes que estale o verniz. Para mal dos seus pecados, inicia um negócio de família muito pouco convencional que chama a atenção de Antonieta, a coscuvilheira, o que a leva a ser eleita a principal dealer do bairro! Vovó Ganza é inocente e o resto são cantigas…”.

O espetáculo é produzido pela Companhia Vidas de A a Z, com encenação de Mónica Gomes, texto, cenografia e desenho de luz de Sílvia Raposo e Mónica Gomes e figurinos de Helena Raposo. No elenco conta com Márcio Piósi, Sílvia Raposo, Liane Bravo, Anabela Pires e Rui Afonso Martins.

Os bilhetes custam 3€ e já estão à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e, no próprio dia, no local do espetáculo. A comédia está agendada para as 22H00.

CABECEIRAS DE BASTO: CENTRO DE TEATRO DÁ ESPECTÁCULO NOS CLAUSTROS DO MOSTEIRO DE S. MIGUEL DE REFOJOS

‘Salvação’ comoveu centenas de espetadores e encerrou com ‘chave de ouro’ o primeiro dia do III Seminário Internacional

Centenas de pessoas juntaram-se ontem à noite, 8 de junho, nos Claustros do Mosteiro de S. Miguel de Refojos para assistir ao magnífico momento cultural ‘Salvação’ proporcionado pelo Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, cujos atores comoveram e fascinaram todos os presentes.

‘Salvação’ comoveu centenas de espetadores (1).JPG

‘Salvação’ é uma criação artística baseada no universo beneditino do Mosteiro de São Miguel de Refojos. A rigidez da disciplina seguida pelos monges foram o ponto de partida para este espetáculo, que teve como inspiração imagens e textos relacionados aos hábitos do Mosteiro, às regras beneditinas e a outras obras teatrais, como O Santo Inquérito de Dias Gomes.

“Aninhas é uma boa moça. Costuma banhar-se todos os dias no rio. Numa certa tarde, salvou um frade que estava a afogar-se. Para que respirasse encostou a sua boca na dele. E desde esse momento, eles nunca mais seriam os mesmos. Ela o tinha salvo. Duas vezes”, lê-se na sinopse da peça brilhantemente interpretada pelos atores do Centro de Teatro que contou com a participação especial dos Cavaquinhos da Raposeira.

Fazendo jus àquilo a que o público cabeceirense já está habituado, os atores pisaram o palco montado nos belíssimos Claustros do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, numa emocionante história inspirada nas vivências dos monges beneditinos do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, representando a ‘Ceia de S. Bento e o Corvo’ quadro que pode ser visitado no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Apesar de ser uma quinta-feira à noite, dia de semana, o elevado número de pessoas presente demonstra bem o interesse dos Cabeceirenses por este projeto cultural que valoriza o teatro de comunidade, trazendo à cena muito da história local e das nossas gentes, em resultado de pesquisa e recolha permanente que o próprio Centro de Teatro faz.

A peça inserida no programa do III Seminário Internacional dedicado ao tema «‘Ora et Labora’ em Refojos de Basto: Espacialidades, Materialidades, Espiritualidades» contou com a presença do presidente da Câmara Municipal e dos vereadores, presidentes das Juntas de Freguesia, membros da Assembleia Municipal, bem como dos oradores deste III Seminário que encerra esta tarde em Cabeceiras de Basto.

Ontem, durante o primeiro dia III Seminário Internacional estiveram em destaque os dois primeiros painéis deste seminário que versaram sobre as temáticas ‘Refojos - Espiritualidades, Espaços e Artes’ e ‘Beneditinos, Liturgia e Evangelização’.

‘A relação do Mosteiro de S. Miguel de Refojos com os Mosteiros da Congregação Beneditina Portuguesa’ foi abordada por Paulo Oliveira da Direção Regional de Cultura do Norte; sendo o tema ‘O Mosteiro de S. Miguel de Refojos no domínio da História da Arte’ abordado por Eduardo Pires de Oliveira do ARTIS-IHA; coube a António Afonso de Deus da Universidade Lusófona do Porto expor o tema ‘Enquadramento Arquitetónico e Urbano do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, com incidência no edificado construído/transformado sobre influência dos emigrantes de torna-viagem’.

No segundo painel estiveram em destaque os ‘Pressupostos da Ciência Litúrgica na Regra de São Bento’ pelo Abade Dom Bernardino Costa Mosteiro de Singeverga; as ‘Vivências e Práticas nos Mosteiros Beneditinos do Brasil’ por Eugénio de Ávila Lins, presidente do ICOMOS/Brasil e membro do Conselho Consultivo do Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional – IPHAN/Brasil; e os ‘Modelos de Papel observados a partir de Refojos de Basto: a memória dos Monges à luz das fontes hagiográficas de seiscentos’, a cargo de Paula Almeida Mendes da Universidade do Porto/CITCEM.

‘Salvação’ comoveu centenas de espetadores (2).JPG

‘Salvação’ comoveu centenas de espetadores (3).JPG

 

‘Salvação’ comoveu centenas de espetadores (4) (1).JPG

PONTE DE LIMA APOIA O TEATRO

Câmara Municipal de Ponte de Lima celebra protocolos com Grupos de Teatro Limianos

Na reunião realizada no passado dia 22 de maio, a Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou a celebração de protocolos com cinco grupos de teatro da região e uma associação de estudantes, cujo valor total atribuído foi de 17.604,09€ (dezassete mil seiscentos e quatro euros e nove cêntimos).

vila 2003 ctr 2 (3).jpg

Desde sempre, o Município tem demonstrado uma grande preocupação com o associativismo cultural e estudantil prestando, por diversas vezes, o seu total apoio em causas que considera fundamentais para o concelho. Neste contexto, os grupos de teatro contemplados com esta verba foram os seguintes: Grupo de Teatro da Casa do Povo de S. Julião de Freixo; Grupo de Teatro Duplaface; Grupo de Teatro Gacel; Grupo de Teatro de Pequenos Atores do Lima; Grupo de Teatro da Associação “Unhas do Diabo”. Quanto à associação estudantil, a verba foi atribuída à Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima.

Este apoio financeiro visa fomentar a realização de iniciativas culturais por todo o concelho, no âmbito de uma política de descentralização cultural, o que por sua vez, contribui para o desenvolvimento cultural e recreativo, constituindo também, no caso dos grupos de teatro, uma aposta no entretenimento dos munícipes. Relativamente à Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária, o Município pretende apoiar e incentivar o associativismo nas camadas mais jovens, de maneira a promover o espírito crítico e democrático e, também, estimular a capacidade de responsabilidade e entreajuda.

A celebração de todos estes protocolos por via da aprovação do executivo municipal, contempla alguns ideais que têm vindo a ser defendidos pela Câmara Municipal de Ponte de Lima, nomeadamente ao nível cultural e recreativo.

AMARES REALIZA FESTIVAL DE TEATRO

image001teea

A Câmara Municipal de Amares promove a quinta iniciativa do Festival de Teatro Sá de Miranda, com o intuito de divulgar o teatro amador e fomentar hábitos culturais entre os amarenses.

No próximo dia 17 de junho, pelas 21h00, no Auditório do Centro Social de Lago, em Amares, assista à próxima peça apresentada pelo Grupo de Teatro de Bouro.

O Festival de Teatro Sá de Miranda conta com o apoio das juntas de freguesia e associações locais.

Morada do Auditório do Centro Social de Lago:

Largo da Igreja, 4720-522 Lago, Amares

Entrada livre!

CINETEATRO DOS BOMBEIROS DE VILA PRAIA DE ÂNCORA APOSTA NO CINEMA, MÚSICA E TEATRO

Os Guardiões da Galáxia’, ‘Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias’ e ‘A Múmia’ são os filmes em exibição

Em junho, o cinema, o teatro e a música vão dominar a programação do Cineteatro dos Bombeiros de Vila Praia de Âncora. ‘Os Guardiões da Galáxia’, ‘Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias’ e ‘A Múmia’ são os filmes em exibição. Destaque também para o cantor Ricardo Carriço que vai apresentar em Vila Praia de Âncora o seu primeiro trabalho enquanto músico. 

Vovo Ganza

No que respeita ao cinema, o Cineteatro vai ter em cartaz nos dias 2 e 3 de junho o filme ‘Os Guardiões da Galáxia’, de James Gunn, 2017, EUA (M/12); nos dias 16 e 17 de junho de Joachim Ronning e EspenSandberg, 2017, EUA/Austrália (M/12) e nos dias 30 de junho e 1 de julho, ‘A Múmia’, de Alex Kurtzman, 2017, EUA (M/12). Os filmes são exibidos pelas 21H30. O bilhete tem o valor de 3€ e o valor reverte a favor dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora.

No dia 4 de junho, o teatro está em cartaz apeça de teatro para a infância ‘Os 3 Erres’, da AL Teatro. Trata-se de uma iniciativa da KrisálidaAkolhe, no âmbito do programa de acolhimento de grupos teatrais. Na sinopse desta peça para a infância lê-se: “em Portugal diariamente, cada pessoa produz em média 1,2kg de lixo. A Rita e o Jonas não são exceção. No dia a dia, sem se aperceberem, deixam também uma marca negra no nosso planeta azul. Mas será que tem de ser sempre assim? Não poderão eles, de uma forma divertida e descomplicada, reduzir a quantidade de lixo que produzem, reutilizar o material que já não precisam ou mesmo transforma-lo e dar-lhe uma nova função? É o que eles vão descobrir, num espetáculo em que o lixo é o ponto de partida para dar largas à imaginação e a reciclagem o caminho para um mundo melhor, menos negro e mais verde”.  A sessão decorre pelas 16H00. Os bilhetes custam 4€ e já se encontram à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e no próprio dia no local do espetáculo.

No dia 10 de junho, Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas, a Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho leva até Vila Praia de Âncora a peça de teatro ‘Auto da Índia’. “‘Auto da Índia’ é a primeira peça de teatro de intriga, de que há registo na História do Teatro e da Literatura de Portugal. Foi, efetivamente, a primeira farsa escrita por Gil Vicente e representada em 1509. No esplendor da juventude, uma mulher vê o seu marido partir para a Índia, destino incerto de onde provinham muitas riquezas. Este é o retrato do quotidiano quinhentista, de uma mulher, entre tantas outras, durante o apogeu dos Descobrimentos”. O ‘Auto da Índia’ conta com a interpretação de Carla Magalhães, Filipa Almeida e Alexandre Martins. A encenação, dramaturgia, sonoplastia, desenho de cenário e figurinos são de Nuno J. Loureiro. A entrada é gratuita.

No dia 24, é a vez de Ricardo Carriço, um dos mais carismáticos atores portugueses, apresentar seu disco a solo ‘O Meu Mundo’”. Os bilhetes custam 7,5€, sendo que 2,5€ revertem a favor dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora. Já estão à venda nos Postos de Turismo de Caminha e Vila Praia de Âncora e no local, no dia do espetáculo.

No dia 25 de junho, é a vez de A Companhia Vidas de A a Z subir ao palco do Cineteatro com a peça de teatro ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’.  Este espetáculo é “um alerta cultural e humano e uma história que se desenvolve no coração de Lisboa. Num bairro muito pouco popular, instala-se um 31: a polícia investiga um caso de tráfico. Quando o aparente inofensivo vizinho do 4º andar é preso por posse de droga, todo o bairro fica alerta e o prédio sob escuta. É aí que a porca torce o rabo! Adelaide de Jesus é a idosa simpática do rés-do-chão, que vive à míngua com a sua filha Hortência, uma encalhada que nunca juntou os trapinhos e desandou. Hortência esconde uma atração por Brocas, o afilhado problemático, que está de olho na miúda do amigo. Mas ainda a procissão vai no adro! Em apenas dois meses Lailai, mais conhecida por Vovó Ganza, vê o marido partir para terra da verdade, a sua casa ser penhorada e a filha perder o emprego, vendo-se obrigada a arregaçar as mangas antes que estale o verniz. Para mal dos seus pecados, inicia um negócio de família muito pouco convencional que chama a atenção de Antonieta, a coscuvilheira, o que a leva a ser eleita a principal dealer do bairro! Vovó Ganza é inocente e o resto são cantigas…”. Os bilhetes custam 3€ e já estão à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e no próprio dia no local do espetáculo. A comédia está agendada para as 16H00.

auto da india

Cinema_Guardioes da Galaxia

Cinema_Mumia

‘AUTO DA ÍNDIA’ ESTREIA NO VALADARES, TEATRO MUNICIPAL DE CAMINHA NO DIA 9 DE JUNHO

Em junho ainda pode ver a peça de teatro ‘Os 3 Erres’, concerto com a banda The Lazy Faithful, a comédia ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’ e o 13º Concurso Internacional de Piano do Alto Minho

auto da india

Junho vai ser um mês especial no Valadares, Teatro Municipal. Pelo palco do teatro de Caminha vão passar: ‘Os 3 Erres’ da AL Teatro, o concerto com a banda portuense The Lazy Faithful, a comédia ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’ da Companhia Vidas de A a Z e, ainda, o 13º Concurso Internacional de Piano do Alto Minho. O grande destaque do mês é a estreia da peça de teatro ‘Auto da Índia’, da Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho.

O mês abre com a peça de teatro para a infância ‘Os 3 Erres’, da AL Teatro. Trata-se de uma iniciativa da Krisálida Akolhe, no âmbito do programa de acolhimento de grupos teatrais. Na sinopse desta peça para a infância lê-se: “em Portugal diariamente, cada pessoa produz em média 1,2kg de lixo. A Rita e o Jonas não são exceção. No dia a dia, sem se aperceberem, deixam também uma marca negra no nosso planeta azul. Mas será que tem de ser sempre assim? Não poderão eles, de uma forma divertida e descomplicada, reduzir a quantidade de lixo que produzem, reutilizar o material que já não precisam ou mesmo transforma-lo e dar-lhe uma nova função? É o que eles vão descobrir, num espetáculo em que o lixo é o ponto de partida para dar largas à imaginação e a reciclagem o caminho para um mundo melhor, menos negro e mais verde”. “Os 3 Erres” sobe ao palco do Valadares no dia 3 de junho, pelas 16H00. Os bilhetes custam 4€ e já se encontram à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e no próprio dia no local do espetáculo.

13º Concurso Internacional de Piano_Valadares

A krisálida escolheu uma vez mais o palco do Valadares para fazer uma grande estreia. A Associação Cultural do Alto Minho vai estrear a peça ‘Auto da Índia’ no dia 9 de junho, pelas 22H00. “‘Auto da Índia’ é a primeira peça de teatro de intriga, de que há registo na História do Teatro e da Literatura de Portugal. Foi, efetivamente, a primeira farsa escrita por Gil Vicente e representada em 1509. No esplendor da juventude, uma mulher vê o seu marido partir para a Índia, destino incerto de onde provinham muitas riquezas. Este é o retrato do quotidiano quinhentista, de uma mulher, entre tantas outras, durante o apogeu dos Descobrimentos”. O ‘Auto da Índia’ conta com a interpretação de Carla Magalhães, Filipa Almeida e Alexandre Martins. A encenação, dramaturgia, sonoplastia, desenho de cenário e figurinos são de Nuno J. Loureiro. A entrada é gratuita.

Depois da grande estreia, o “Auto da Índia” sobe ao palco do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora e depois vai percorrer os palcos das freguesias do concelho. Esta peça de teatro é promovida no âmbito do protocolo de desenvolvimento cultural celebrado entre a Câmara Municipal de Caminha e a Krisálida, com o objetivo de levar o teatro ao encontro do público nas salas das juntas de freguesia, nas ruas e nas pequenas praças.

Vovó_Ganza_Vidas_de_A_a_Z_1

No dia 16 de junho, a música regressa ao Valadares com o concerto dos The Lazy Faithful. Depois do Porto e Lisboa, The Lazy Faithful, com Tommy Hogg, João Ramos, Rafael Silver (Fugly, Super Yellow Duck) e Gil Costa (Fugly, WHITE HAUS), a banda portuense vai apresentar em Caminha o seu mais recente trabalho "Bringer Of a Good Time".

“O disco já chamou atenção de vários artistas e admiração de imprensa especializada atraindo elogios até fora de portas, para além de estar bem cotado nos top’s de música nacional.”

Na imprensa nacional lê-se: “Bringer Of a Good Time" é embarcar numa viagem muito feliz e sem igual, que nos marca pelo lado mais positivo e que sabemos que vamos sempre voltar para repetir. A experiência é mesmo única e excecional. O disco leva para casa não cinco, mas seis estrelas e duas mãos cheias de elogios”. O concerto vai decorrer no dia 16, pelas 22H00. Os bilhetes custam 5€ e já estão disponíveis nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e no próprio dia no local do espetáculo.

No dia 24 de junho, é a vez de A Companhia Vidas de A a Z subir ao palco do Valadares com a peça de teatro ‘Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar…’.  Este espetáculo é “um alerta cultural e humano e uma história que se desenvolve no coração de Lisboa. Num bairro muito pouco popular, instala-se um 31: a polícia investiga um caso de tráfico. Quando o aparente inofensivo vizinho do 4º andar é preso por posse de droga, todo o bairro fica alerta e o prédio sob escuta. É aí que a porca torce o rabo! Adelaide de Jesus é a idosa simpática do rés-do-chão, que vive à míngua com a sua filha Hortência, uma encalhada que nunca juntou os trapinhos e desandou. Hortência esconde uma atração por Brocas, o afilhado problemático, que está de olho na miúda do amigo. Mas ainda a procissão vai no adro! Em apenas dois meses Lailai, mais conhecida por Vovó Ganza, vê o marido partir para terra da verdade, a sua casa ser penhorada e a filha perder o emprego, vendo-se obrigada a arregaçar as mangas antes que estale o verniz. Para mal dos seus pecados, inicia um negócio de família muito pouco convencional que chama a atenção de Antonieta, a coscuvilheira, o que a leva a ser eleita a principal dealer do bairro! Vovó Ganza é inocente e o resto são cantigas…”. Os bilhetes custam 3€ e já estão à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e, no próprio dia, no local do espetáculo. A comédia está agendada para as 22H00.

O mês encerra com o 13º Concurso Internacional de Piano do Alto Minho, organizado pela Academia de Música Fernandes Fão. De 30 de junho a 2 de julho, pelo palco do Valadares vão passar pianistas nacionais e internacionais, que proporcionarão grandes momentos musicais.

OS 3 ÉRRES _ AL Teatro _ Foto por Hugo Fernandes 21

the lazy faithful

TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO VAI A VIANA DO CASTELO REPRESENTAR A PEÇA "NÃO DÁ TRABALHO NENHUM"

TEATRO | "Não Dá Trabalho Nenhum" - TEP Teatro Experimental do Porto | 26 e 27 maio | 21h30 | Teatro Municipal Sá de Miranda | Viana do Castelo

image002teatrvia

CICLO A 4 MÃOS | “Não Dá Trabalho Nenhum”

26 e 27 de maio | 21h30

Teatro Municipal Sá de Miranda

Ingresso: 5€

Bilhetes à venda: Teatro Municipal Sá de Miranda - tlf.:258 809 382 | tmsm@cm-viana-castelo.pt

            Horários habituais da bilheteira - segunda a sexta-feira, das 9h00 às 19h00;

     Dias de espetáculo: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 22h00;

     Sábado e domingos em dias de espetáculos, (2 horas antes).

Produção: TEP – Teatro Experimental do Porto

Organização: Teatro do Noroeste – CDV / Câmara Municipal de Viana do Castelo

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

MONÇÃO ABRE 7º FITAVALE NO CINE TEATRO JOÃO VERDE

A sétima edição do Festival Itinerante de Teatro de Amadores do Vale do Minho - FITAVALE, com produção da companhia de teatro “Comédias do Minho”, decorre nos dias 19, 20 e 21 de maio nos concelhos de Monção, Paredes de Coura, Valença, Melgaço e Vila Nova de Cerveira. A abertura oficial realiza-se no Cine Teatro João Verde, sexta-feira, pelas 21h00.

Fitavale.png

Nesse dia, meia hora mais tarde, sobe ao palco o grupo “VerdeVejo”, de Valença, com a peça “Ponte”. Com criação e encenação de Luis Filipe Silva, conta com interpretações de Ana Neves, Andreia Gomes, Azam Azizov, Conceição Torres, Diana Exposto, Fernanda Esteves, Gusta Salvador, Júlia Ferreira, Julieta Borges, Pedro Evangelista, Ricardo Silva, e Rui Passos.

Na peça, que se chama “Ponte” porque vai haver uma ponte…quase de certeza, participa também o Coro da Associação Cultural de Verdoejo. Envolvida neste festival, a Associação Filarmónica Milagrense apresenta no sábado, pelas 16h00, no Centro Cultural de Paredes de Coura, a peça “João Verde, 150 Vida e Obra”. Todos os espetáculos têm entrada gratuita.

CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO ESTREIA “A SAUNA”

Casa das Artes e Ensemble estreiam “A Sauna”. Ensaio aberto à comunicação social esta quarta-feira, 17 de maio, pelas 15h00, na Casa das Artes de Famalicão

Uma ex-deputada, uma diretora de campanha, um empresário africano, um jornalista, o líder do partido de oposição, um Bispo, o presidente de uma agência publicitária e um jovem escrivão de 20 anos. Várias personalidades preparam, numa sauna, um primeiro-ministro a ser eleito numa oportunidade próxima.

A SAUNA.JPG

É este o mote da peça de teatro “A Sauna”, coproduzida pelo Ensemble – Sociedade de Atores e a  Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, que estreia esta quinta-feira, 18 de maio, pelas 21h30, no grande auditório do espaço cultural famalicense, onde vai estar em cena até sábado, dia 20.

Antes, a produção convida a comunicação social a assistir a um ensaio aberto da peça, que decorrerá esta quarta-feira, dia 17 de maio, pelas 15h00, na Casa das Artes.  

FICHA ARTÍSTICA

Texto: Mikael Oliveira

Encenação: Alexandre Azinheira

Música: Ricardo Pinto

Desenho de Luz: José Álvaro Correia

Interpretação: Joana Manuel, Isabel Queirós, Ivo Alexandre, Pedro Galiza, Jorge Pinto, Miguel Eloy, Elmano Sancho e Miguel Ângelo

M/16

Duração: 70’

Bilhetes: 8 euros / 4 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural)

MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA PROMOVE PALESTRA SOBRE MANUEL DE FIGUEIREDO

O Município de Ponte de Lima promove a palestra “Manuel de Figueiredo: de Ponte de Lima a Lisboa, um teatro invisível”, da responsabilidade de Maria Luísa Malato da Rosa Borralho Ferreira da Cunha, no próximo dia 20 de maio, pelas 16h00, no Auditório da Biblioteca Municipal (BM).

palestra_manuel.jpg

A conferência, inserida no âmbito da exposição evocativa do poeta e dramaturgo ponte-limense, que decorre na varanda interior da BM até 19 de junho, pretende dar a conhecer os principais momentos da vida e obra de uma personalidade da cultura setecentista que, imerecidamente julgado pelo público e desvalorizado pela crítica, logrou conquistar um lugar de relevo na história do teatro moderno português pelos ensaios de teorização doutrinária e pela tentativa de renovação da dramaturgia nacional.

De ressaltar que Maria Luísa Malato da Rosa Borralho Ferreira da Cunha, professora e investigadora na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é a autora da obra “Manuel de Figueiredo: uma perspectiva do neoclassicismo português (1745-1777)”, título que consagra em definitivo a naturalidade ponte-limense do dramaturgo, habitualmente atribuída a Lisboa.

Associe-se à homenagem a Manuel de Figueiredo e marque presença na palestra dedicada a mais uma ilustre figura da cultura local.

BRAGA EXPÕE "O THEATRO E A MEMÓRIA"

Exposição “O Theatro e a Memória”. Amanhã, Terça-feira, dia 9 de Maio, pelas 18h00, no Auditório da Sede da Junta de Freguesia de Merelim S. Paio, Panóias e Parada de Tibães

O Município de Braga realiza amanhã a cerimónia de inauguração da exposição “O Theatro e a Memória”, que terá lugar pelas 18h00, no Auditório da Sede da Junta de Freguesia de Merelim S. Paio, Panóias e Parada de Tibães

A exposição é composta pelo documentário “Histórias e Memórias”, de Vasco Mendes, e por uma síntese dos conteúdos revelados nas exposições do Projecto Memória, que deu a conhecer o espólio narrativo da história centenária do Theatro Circo, e estará patente neste espaço até 19 de Maio.

VIANA DO CASTELO: MEADELA VAI AO TEATRO

18403652_10206922284734455_3204712151775596774_n.jpg

No próximo sábado na ACEP, na Meadela, às 18h30. Não percam! “Urro é um monólogo poético escrito para levar à cena em cima de um ringue.” Filinto Pereira de Melo, “Porto.24” “Um tónico de positiva agitação neuronal que se recomenda a todos.” João Arezes, “Global News” “Um murro de realidade…” Patrícia Ramos, “Coro Origo”

CABECEIRAS DE BASTO DÁ FESTIVAL EM TEATRO

Festival de Teatro ContraCena chegou ao fim com balanço muito positivo

O espetáculo ‘Don Quijote’ levado ao palco do Parque Urbano, em plena natureza, pelo Limiar Teatro da Galiza, Espanha, encerrou com chave de ouro a segunda edição do Festival de Teatro ContraCena que decorreu ao longo de quatro dias em Cabeceiras de Basto.

Festival de Teatro ContraCena - Don Quijote (1).JPG

Esta segunda edição do ContraCena voltou também a ter um alcance internacional. Além das peças oferecidas ao público cabeceirense por companhias portuguesas, o festival incluiu também uma produção espanhola, através da participação do Limiar Teatro da Galiza.

Foi ontem, dia 7 de maio, que a plateia assistiu à encenação ‘Don Quijote’ uma comédia gastronómica que misturou narração oral, manipulação de objetos e cozinha em tempo real para dar lugar a uma “bem-sucedida” versão da obra de Cervantes que arrancou inúmeras gargalhadas ao público neste delicioso espetáculo ao ar livre. “Alonso, cozinheiro, começa a preparar uma demonstração culinária sobre os benefícios da dieta mediterrânica. O prato escolhido é ‘Potaxe de Vixilia’, o mesmo que ofereceram a Dom Quixote na sua primeira saída antes de armado como cavaleiro andante. Alonso converte-se em D. Quixote enquanto prepara esse saboroso prato. Um jogo teatral e gastronómico no qual o humor e a loucura de D. Quixote encarnam no corpo de Alonso, dando lugar a um espetáculo ágil, saboroso e nutritivo”, lê-se na sinopse.

Durante os dias 4, 5, 6 e 7 de maio foram, assim, acolhidas em Cabeceiras de Basto duas companhias portuguesas, uma espanhola e dois artistas de rua que, juntamente com o CTCMCB, integraram o programa do festival com quatro espetáculos teatrais e uma performance circense, proporcionando ao público um fim de semana cultural intenso.

A peça ‘O Cavalinho Azul’ produzida pelo CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto que levou ao palco 40 crianças das Oficinas de Jogos Dramáticos, a encenação ‘(SO)REAL’ da Companhia TUTRA de Vila Real, ‘Amanhã? Talvez. Quem Sabe?’ da Companhia Loucomotiva de Coimbra, ‘Don Quijote’ do Limiar Teatro da Galiza e a performance circense ‘Burn the Gods’ protagonizada por Sérgio Oliveira e Rui Duarte na abertura dos espetáculos nos dias 5 e 6 de maio, integraram o programa deste segundo festival.

O II Festival de Teatro ContraCena organizado pela Câmara Municipal e produzido pelo CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto procurou movimentar a dinâmica regional com um conjunto de apresentações que extrapola as fronteiras e que expande a cultura local, conectando-a com pensamentos artísticos contemporâneos de diferentes partes do país e do mundo.

Festival de Teatro ContraCena - Don Quijote (2).JPG

VIANENSES REPRESENTAM EM LISBOA O “AUTO DE FLORIPES” NO FESTIVAL INTERNACIONAL DA MÁSCARA IBÉRICA

Viana do Castelo levou ao Mosteiro dos Jerónimos a representação do “Auto de Floripes” que constitui uma das tradições teatrais que remontam a uma época pré-vicentina, pese embora seja Gil Vicente comsiderado o fundador do teatro protuguês. A iniciativa decorreu no âmbito do Festival Internacional da Máscara Ibérica.

18275034_1424090830967915_4524771838095312302_n.jpg

Um pouco por todo o país e ainda além-fronteiras, persistem nas tradições populares representações teatrais cujas origens remontam à Idade Média e versam a história lendária do imperador Carlos Magno e a temática das guerras entre cristãos e sarracenos, estes geralmente identificados como turcos em virtude da sua dominação se ter estendido a zona oriental do mar Mediterrâneo.

É célebre a representação do “Auto de Floripes” que ocorre no mês de Agosto, em Mujães, no concelho de Viana do Castelo. A acção decorre entre o adro da igreja paroquial de onde sai o cortejo até à Capela da Senhora das Neves, na confluência com as freguesias de Barroselas e Vila de Punhe. Ainda, no concelho de Viana do Castelo, na localidade de Portela Suzã esta representação toma a designação de “Auto de Santo António”.

18275225_1424091864301145_690067072538584122_n.jpg

Em S. João da Ribeira, no concelho de Ponte de Lima, a peça toma a designação de “Auto da Turquia” e tem lugar de Crasto, por ocasião da Festa do Senhor da Cruz da Pedra que se realiza no segundo domingo de Agosto. Aqui defrontam-se dois exércitos, ostentando as bandeiras onde se inscrevem as respectivas insígnias – a cruz da Cristandade e a Lua Minguante com a Estrela que identifica os muçulmanos – e integrando doze personagens cada, incluindo o rei, o porta-bandeira, o capitão e um espião. Os cristãos saem sempre vitoriosos e o auto termina com a rendição inevitável dos turcos e a sua conversão ao Cristianismo.

Com ligeiras alterações e diferentes designações, encontramos ainda a representação do “Auto da Floripes” em Palme, no concelho de Barcelos e “Baile dos Turcos”, em Penafiel. Em Argozelo, no concelho de Vimioso, é designado por “Auto da Floripes”ou ainda “Comédia dos doze pares de França”. Em Parada, no concelho de Bragança, chamam-lhe “Auto dos Sete Infantes de Lara”. Em Sobrado, no concelho de Valongo, designa-se por “Dança dos Bugios e Mourisqueiros” enquanto em Vale Formoso, na Covilhã, toma o nome “Descoberta da Moura”. Também é representada no concelho de A Canhiza, na Galiza, com o nome “Auto do Mouro e do Cristão”.

18275253_1424091720967826_1645633594791283898_n.jpg

Em Pechão, no concelho de Olhão, o auto “Combate de Mouros e Portugueses” serviu de argumento a uma longa-metragem do realizador Miguel Mendes que, num misto de ficção e documentário, procura retratar o sofrimento da comunidade piscatória daquela vila algarvia.

À semelhança do que sucede com outros elementos da nossa cultura, também o “Auto das Floripes” foi pelos portugueses levado para paragens distantes onde sofreu naturalmente algumas mutações e é actualmente representado com o consequente carácter híbrido resultante do encontro de culturas. É o que sucede em São Tomé e Príncipe, com a representação de “A Tragédia do Marquês de Mântua e do Príncipe D. Carlos Magno”, também designado por “São Lourenço” por ocorrer no dia dedicado a este santo. Este auto toma no dialecto são-tomense a designação de “Tchiloli”.

A autoria da peça, na forma como é interpretada, é atribuída ao poeta Balthasar Dias, originário da Ilha da Madeira, devendo ter sido introduzida em São Tomé e Príncipe nos finais do século XVI pelos portugueses que aí foram plantar a cana-de-açúcar. Os colonos, constituídos na sua maioria por madeirenses, começaram por integrar nas suas representações os escravos negros provenientes do Congo, Gabão e Camarões, os quais foram gradualmente introduzindo elementos da sua cultura original.

“Tchiloli” tornou-se já numa das mais importantes atracções turísticas da Ilha do Príncipe com larga projecção internacional. Serviu de argumento ao filme “Floripes” de Afonso Alves e Teresa Perdigão e tema do livro “Floripes Negra, de Augusto Baptista, no qual o autor procura demonstrar as suas origens portuguesas.

A alusão ao imperador Carlos Magno relaciona-se naturalmente com o facto daquele imperador ter procedido à conversão forçada ao cristianismo dos povos que conquistou, objectivo que, curiosamente, jamais logrou alcançar na Península Ibérica. Outra particularidade consiste na escolha do dia dedicado a São Lourenço de Huesca para a sua representação, cuja festa litúrgica ocorre a 10 de Agosto.

Em várias localidades, a representação destes autos têm-se verificado de forma cada vez menos regular e, nalguns casos, correm inclusive o risco de passar ao esquecimento. As peças são quase sempre preservadas apenas pela tradição oral. E, apesar de poderem constituir um meio de atrair visitantes e promover as potencialidades culturais das regiões, a maioria dos municípios e entidades culturais não procede à sua divulgação. Trata-se de uma situação que pode e deve ser invertida mediante a intervenção dos grupos de teatro e outras associações que procuram preservar a cultura tradicional.

Fotos Manuel Santos

18300845_1424092170967781_8102124385742131734_n.jpg

18301563_1424091217634543_5212088191363559972_n.jpg

18301643_1424091300967868_217362133526770487_n.jpg

18301895_1424090917634573_7019134895350071612_n.jpg

18341688_1424090927634572_1432061046957102072_n.jpg

18341749_1424091947634470_6327598810493975236_n.jpg

18342150_1424090820967916_7488173142754187577_n.jpg

18342394_1424090834301248_8931309669055403168_n.jpg

18342757_1424091007634564_5311035204218541161_n.jpg

18402706_1424090764301255_2005025711281754880_n.jpg

18403257_1424092060967792_6119277900669460924_n.jpg

18403548_1424091847634480_283289290788006143_n.jpg

18403733_1424091570967841_1358209006044201846_n.jpg

TEATRO EM CABECEIRAS DE BASTO É UM FESTIVAL

Festival de Teatro ContraCena arrancou com muita magia e com sala cheia

O Festival ContraCena arrancou ontem à noite, 4 de maio, na Casa da Juventude com a peça ‘O Cavalinho Azul’ produzida pelo CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto que levou ao palco 40 crianças das Oficinas de Jogos Dramáticos. O espetáculo teve lotação esgotada.

CTCMCB - O Cavalinho Azul (1).JPG

Uma encenação mágica e emocionante, magnificamente interpretada pelas nossas crianças, que sensibilizou miúdos e graúdos nesta abertura do festival de teatro que pretende marcar a programação cultural de Cabeceiras até domingo, dia 7.

Inspirada na obra homónima de Maria Clara Machado, esta peça é uma criação com as crianças das oficinas do CTCMCB que conta a história de Clara, “uma menina pobre e sonhadora” cujo melhor amigo é um cavalo velho mas ela acredita ser um lindo cavalinho azul. Quando os seus pais o vendem, Clara decide sair pelo mundo à sua procura, lê-se na sinopse.

Até domingo, Cabeceiras de Basto acolherá duas companhias portuguesas, uma espanhola e dois artistas de rua que, juntamente com o CTCMCB, compõem o programa do festival com quatro espetáculos teatrais e uma performance circense, proporcionando ao público um fim de semana cultural intenso e gratuito.

A segunda edição do Festival de Teatro ContraCena organizado pela Câmara Municipal e produzido pelo CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto procura movimentar a dinâmica regional com um conjunto de apresentações que extrapola as fronteiras e que expande a cultura local, conectando-a com pensamentos artísticos contemporâneos de diferentes partes do país e do mundo.

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto convida, mais uma vez, a população a assistir a este Festival de Teatro ContraCena cuja entrada é livre.

PROGRAMA

5 de maio| 21h30

(performance de abertura do espetáculo)

BURN THE GODS – Sérgio Oliveira e Rui Duarte

Casa da Juventude

21h40

(SO)REAL – TUTRA |Vila Real

Casa da Juventude

06 de maio| 21h30

(performance de abertura do espetáculo)

BURN THE GODS – Sérgio Oliveira e Rui Duarte

Casa da Juventude

21h40

AMANHÃ? TALVEZ. QUEM SABE? – Loucomotiva|Coimbra

Casa da Juventude

07 de maio |17h00

DON QUIJOTE – Limiar Teatro | Galícia (ES)

Casa da Juventude

CTCMCB - O Cavalinho Azul (2).JPG

CABECEIRAS DE BASTO CONTRACENA

Festival de Teatro ContraCena proporciona fim de semana cultural intenso e gratuito

O ContraCena é um festival de teatro que pretende marcar a programação cultural de Cabeceiras de Basto e reforçar o papel ativo do concelho enquanto município embaixador do teatro na região. Arranca amanhã, dia 4 de maio, na Casa da Juventude de Cabeceiras de Basto e decorre até domingo, dia 7.

O Cavalinho Azul – CTCMCB Cabeceiras de Basto - peça abertura.jpg

Nesta segunda edição, este evento artístico organizado pela Câmara Municipal e produzido pelo CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto procura movimentar a dinâmica regional com um conjunto de apresentações que extrapola as fronteiras e que expande a cultura local, conectando-a com pensamentos artísticos contemporâneos de diferentes partes do país e do mundo.

Durante quatro dias serão acolhidas duas companhias portuguesas, uma espanhola e dois artistas de rua que, juntamente com o CTCMCB, compõem o programa do festival com quatro espetáculos teatrais e uma performance circense, proporcionando ao público um fim de semana cultural intenso e gratuito.

O CTCMCB – Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto surgiu em 2012 com o objetivo de reafirmar em Cabeceiras de Basto a aposta na cultura criando um elevado nível de programação cultural e artística, alargando e diversificando a aposta para espectadores de todas as idades.

Enquanto projeto cultural de Cabeceiras de Basto, o Centro de Teatro desenvolveu, para além da programação com os artistas locais, projetos com diversos concelhos de Portugal e com outros países como o Brasil e a Grécia, num constante fortalecimento de uma rede de contactos e de parcerias que envolve diversos segmentos das artes e que promove uma efervescência cultural ativa, trazendo à população local uma programa rico e promovendo fora do concelho a cultura cabeceirense.

PROGRAMA

4 de maio | 21h30

O CAVALINHO AZUL – CTCMCB |Cabeceiras de Basto

Casa da Juventude

5 de maio| 21h30

(performance de abertura do espetáculo)

BURN THE GODS – Sérgio Oliveira e Rui Duarte

Casa da Juventude

21h40

(SO)REAL – TUTRA |Vila Real

Casa da Juventude

06 de maio| 21h30

(performance de abertura do espetáculo)

BURN THE GODS – Sérgio Oliveira e Rui Duarte

Casa da Juventude

21h40

AMANHÃ? TALVEZ. QUEM SABE? – Loucomotiva|Coimbra

Casa da Juventude

07 de maio |17h00

DON QUIJOTE – Limiar Teatro | Galícia (ES)

Casa da Juventude

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto convida a população a assistir a este Festival de Teatro ContraCena que abordará diversas temáticas. A entrada é gratuita.

Festival de Teatro ContraCena - Cartaz.jpg

BARCELOS DESTACA TEATRO EM MAIO

Programação diversificada marca agenda do Teatro para maio

O Teatro Gil Vicente recebe o mês de maio repleto de atividades para todas as idades. Os mais pequenos podem ver a representação de “Os Três Porquinhos”, uma encenação e adaptação da autoria de A Capoeira – Companhia de Teatro de Barcelos, com espetáculos em vários dias e com várias sessões por dia (consultar programa). “Os Três Porquinhos” é uma fábula cujos personagens são exclusivamente animais que encantam as crianças.

Ainda na representação, a Companhia TACCO apresenta “Mentiras e Trapaçadas”, no dia 13 de maio, às 21h30, e no dia seguinte, à mesma hora, a peça de teatro “República das Mulheres” é apresentada pelo Teatro Popular de Carapeços.

“Conversas Sérias com Marta Gautier: O Que Farias Se Não Tivesses Medo?” sobe ao palco no dia 19, às 21h30, com a vertente solidária, em que o valor dos bilhetes será atribuído a uma associação barcelense. E a fechar as peças de teatro, o Teatro Farol promove um espetáculo para famílias, no dia 28 de maio, às 16h00, com a peça “A Lebre e a Tartaruga”.

Mas ao palco subirão também artistas na área musical, iniciando com O Grupo de Fado "Memórias de Coimbra" que atua no dia 5, às 21h30, num encontro feliz de academias e de gerações. O Grupo de Fado é constituído por antigos estudantes das Universidades de Coimbra, Porto e Minho das décadas de 50, 60 e 70 do século passado. Une-os, não só o grande amor pela Canção de Coimbra (fados, baladas e variações), mas também o anseio de preservar e divulgar os valores histórico-culturais, o espírito e a paixão de uma manifestação musical de inegável valia artística.

Ainda no âmbito da música universitária, a Tuna Feminina do IPCA promove o XI Capas Traçadas – Festival de Tunas Femininas da Cidade de Barcelos, no dia 20, às 21h30.

No dia 26, às 22h00, e no dia 27, às 21h30, voltam a palco espetáculos musicais com Hugo Torres Acústico e com o Concerto de Orquestra com Solistas do Conservatório de Música de Barcelos, respetivamente.

Também a sétima arte marcará presença no Teatro Gil Vicente, com a Associação ZOOM a exibir quatro películas: no dia 9, às 10h00, inserido no Plano Nacional de Cinema, “Adeus Pai” de Luís Filipe Rocha”; “A Morte de Luís XIV” de Alberto Serra, no dia 11, às 21h30; Ciclo Wim Wenders – Amigo Americano, no dia 25, às 21h30; e “Outro País” de Sérgio Tréfaut, às 14h30, no dia 31.

O cinema tem presença reforçada no mês de maio com “As Sufragistas de Sarah Gayron” comentado por Augusta Trigueiros, no dia 15, às 21h30; no dia 17, inserido na programação sénior, voltará a ser exibido “Lutaram Como Diabos: Barcelos na Grande Guerra”, às 14h30, e no dia 23, às 21h30, passa o filme “Nascido em Angola” de Rui Goulart.

Pedro Carvalho apresenta no dia 21, às 16h00, um workshop para famílias de dança e literatura intitulado “Livros a Mexer” e, durante todo o mês de maio, pode visitar, no átrio, a exposição de fotografia “Olhares” de Anabela Alves.

Os bilhetes para assistir aos espetáculos no Teatro podem ser adquiridos no local, ou através de reserva por e-mail (tgv@cm-barcelos.pt) ou telefone (253 809 694). Consulte no cartaz os espetáculos pagos e gratuitos. 

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE MONÇÃO APRESENTA ESPETÁCULO DE TEATRO PARA ALUNOS DO PRÉ-ESCOLAR E FAMILIAS

Numa produção da “Comédias do Minho”, com encenação de Graeme Pulleyn e interpretação de Sofia Moura, a Biblioteca Municipal de Monção recebe este SÁBADO, 29 DE ABRIL, PELAS 15h00, o espetáculo de teatro “Noite”.

17632422_1471262039590501_6691207367967324332_o.jpg

Destinando-se a alunos do ensino pré-escolar e famílias, a entrada é gratuita, encontrando-se limitada à lotação do espaço. Engloba ainda uma oficina de trabalho implementada pela rede de colaboradores locais.

“Noite” é uma viagem, algures entre a realidade e o sonho, durante a qual Perséfone vai conhecendo as criaturas e as personagens da noite. Munida apenas com coragem e curiosidade, a menina heroína embarca numa aventura emocionante à descoberta dos segredos da noite.

Venham todos. Vão começar a dormir melhor...

TEATRO EM CABECEIRAS DE BASTO CELEBRA O 25 DE ABRIL

Grande produção teatral ‘Muro’ encerra programa comemorativo do 25 de Abril em Cabeceiras de Basto

Inquietante, comovente. Foi desta forma que encerrou o programa comemorativo do 25 de Abril em Cabeceiras de Basto com a exibição da peça ‘Muro’, mais uma grande produção do Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto (CTCMCB) que emocionou os espetadores no auditório da Casa da Juventude.

Produção teatral ‘Muro’ (1).JPG

Um espetáculo sem barreiras, forte, que se assume como um verdadeiro “exercício de juventude”. Trinta jovens atores das Oficinas de Interpretação estiveram em palco e apresentaram ao público uma “experiência nova, uma experiência coletiva”.

De acordo com a sinopse, “Muro é, antes de tudo, um exercício de liberdade. O espetáculo é o resultado de um conjunto de experimentações com os jovens sobre as paredes invisíveis que cercam a geração de hoje. E Não só. Falamos sobre nós e, consequentemente, sobre vós também. Permitimos que entrem um pouco nas nossas vidas, sem muitas barreiras. Falamos sobre muita coisa porque somos espontâneos e livres para o fazer”.

Produção teatral ‘Muro’ (2).JPG

O texto é, por isso, uma criação coletiva a partir das vivências do dia-a-dia dos intervenientes nesta peça e aborda a temática da liberdade, bem como a existência de muros na sociedade, uns que conseguimos derrubar e outros que não conseguimos. Um projeto que contribui, em simultâneo, para a construção da própria personalidade dos jovens atores que são diariamente confrontados com inúmeras realidades, como aliás todos nós.

Centenas de pessoas assistiram à peça que prendeu a atenção de toda a plateia. Um espetáculo emocionante que encerrou com chave de ouro o quinto dia da Comemoração do 25 de Abril em Cabeceiras de Basto.

Produção teatral ‘Muro’ (3) (1).JPG

VIANA DO CASTELO LEVA "INSÓNIA" AO TEATRO SÁ DE MIRANDA

Bilhetes disponíveis no Teatro Municipal Sá de Miranda –tmsm@cm-viana-castelo.pt

Teatro Municipal Sá de Miranda, nos horários habituais da bilheteira - segunda a sexta-feira, das 9h00 às 19h00;

Em dias de espetáculo: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 22h00;

Sábados, domingos e feriados em dias de espetáculos, 2h00 antes.

Título do espetáculo: INSÓNIA

Data: 24 de abril

Horário:21h30

Classificação Etária :  M/14 anos

Custo do Bilhete: 3€

image004insonia.jpg

AMARES DIVULGA TEATRO AMADOR

A Câmara Municipal de Amares promove a terceira iniciativa do Festival de Teatro Sá de Miranda, com o intuito de divulgar o teatro amador e fomentar hábitos culturais entre os amarenses.

No próximo dia 5 de maio, pelas 21h00, no Auditório da Junta de Freguesia da Torre, em Amares, assista à próxima peça apresentada pelo Grupo de Teatro de Bouro.

O Festival de Teatro Sá de Miranda conta com o apoio das juntas de freguesia e associações locais.

festival de teatro_v6.jpg

TEATRO DO MONTEMURO PARTILHA MEMÓRIAS EM PONTE DE LIMA

MEMÓRIAS PARTILHADAS | TEATRO DO MONTEMURO

21 de Abril – 22h00 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

A companhia Teatro Regional da Serra do Montemuro, vulgo Teatro do Montemuro apresenta em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes, o espectáculo Memórias Partilhadas, com textos de Abel Neves, Peter Cann e Therese Collins, no dia 21 de Abril, sexta-feira, às 22h00.

Memórias Partilhadas 1.jpg

Uma Carteira Vazia, de Therese Collins

O que há na carteira de uma pessoa diz-nos muito sobre a pessoa. A escolha de uma carteira de uma pessoa diz-nos muito sobre a pessoa. Anna tem um fascínio por carteiras, não pode deixá-las sozinhas – especialmente as das outras pessoas. Se está tão fascinada por elas, por que não pode abrir a carteira da sua mãe falecida?

O Lápis, de Abel Neves

A caneta é mais poderosa que uma espada ou, no caso de Delfim, que um lápis. Com um lápis, pode-se destravar o mundo. É a espada da verdade. Pode-se transportar um navio para a segurança, pode-se tomar banho de ervas no Montemuro, pode-se colmatar uma lacuna ou esconder-se na floresta. Bem, pode-se pela mão de Delfim e com a imaginação de Delfim.

Memórias Partilhadas 3.jpg

A Almofada de Penas de Cuco, de Peter Cann

Em 1966 existiam dois amigos, Adão e Fábio, que faziam tudo juntos. Em 1966 houve um Campeonato do Mundo e Eusébio agraciava o jogo. Em 1966 um dos amigos apaixonou-se. E tudo mudou. O que farias se nunca mais visses o teu único e verdadeiro amigo? O que farias para que as coisas voltassem a ser como eram antes dela chegar? O que não deves fazer é dar ao teu amigo uma almofada de penas de cuco.

textos Abel Neves, Peter Cann e Therese Collins

tradução Graeme Pulleyn

encenação Steve Johnstone

direcção musical Simon Fraser

com Abel Duarte, Eduardo Correia e Paulo Duarte

cenografia e figurinos de Sandra Neves

desenho de luz Paulo Duarte

construção de cenários Carlos Cal

assistência à construção de cenários e figurinos Maria da Conceição Almeida

direcção de produção TNSM Paula Teixeira

direcção de cena TNSM Abel Duarte

coprodução TNDM II, Teatro Regional da Serra de Montemuro

M/12 anos

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

memorias_mupi_.jpg

FAMALICÃO MOSTRA TEATRO ESCOLAR

Mostra de Teatro Escolar: há quase uma década a dar palco aos jovens talentos

Iniciativa decorre de 18 de abril a 17 de maio na Casa das Artes e no Centro de Estudos Camilianos

Nos próximos dois meses, o Teatro será disciplina obrigatória no currículo dos alunos famalicenses. A Mostra de Teatro Escolar de Famalicão arranca a 19 de abril e nesta sua nona edição promete voltar a dar palco a muitos talentos escondidos.

Mostra de Teatro Escolar (1).jpg

Há quase uma década que os atores e atrizes do futuro se dão a conhecer nesta iniciativa, promovida todos os anos pelo pelouro da Educação da Câmara Municipal de Famalicão e inserida na programação da Quinzena da Educação.

Todos os espetáculos apresentados – mais de uma dezena - têm entrada gratuita. A iniciativa irá dividir-se entre a Casa das Artes e o Centro de Estudos Camilianos.

Ao palco vão subir cerca de 500 alunos, provenientes das seguintes instituições educativas: Agrupamento de Escolas D. Sancho, Agrupamento de Escolas D. Maria II, Agrupamento de Escolas de Ribeirão, Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado, Agrupamento de Escolas de Pedome, ACE – Escola de Artes de Famalicão, Agrupamento de Escolas de Gondifelos, Agrupamento Camilo Castelo Branco, INA, Cooperativa de Ensino Didáxis S. Cosme e Riba D ´Ave, Escola Profissional CIOR e Escola Profissional Bento Jesus Caraça.

Promover, apoiar e valorizar as iniciativas artísticas e culturais, divulgando o trabalho desenvolvido, na área do teatro, pelas diversas instituições educativas do concelho de Vila Nova de Famalicão é o principal objetivo desta iniciativa.

Programa completo em www.vilanovadefamalicao.org/_mostra_de_teatro_escolar.  

Mostra de Teatro Escolar (2).jpg

GUIMARÃES ANIMA COM CINEMA MÚSICA E TEATRO

PROGRAMAÇÃO CULTURAL NO CONCELHO

“ExcentriCidade” no mês de abril com teatro, cinema e música nas freguesias de Guimarães

Vila das Taipas recebe este sábado à noite performance criada a partir de peças de Raul Brandão. Teatro domina programação nos oito eventos culturais a realizar este mês no concelho.

Guimaraes_ExcentriCidade_Abril_2017 (1).jpg

Cinco espetáculos de teatro, dois concertos e uma sessão de cinema fazem parte da programação de abril da iniciativa de descentralização cultural “ExcentriCidade”, promovida mensalmente pela Câmara Municipal de Guimarães nas vilas de Brito, Moreira de Cónegos, Ponte, Pevidém, Ronfe, São Torcato e Taipas e na União de Freguesias de Briteiros S. Salvador e Briteiros Santa Leocádia.

“Teatro da Alma”, a mais recente criação do Teatro Oficina, cuja estreia aconteceu no âmbito da Festa de Teatro Raul Brandão, decorrerá este mês em três freguesias, sempre às 21:30 horas. Este sábado, 01 de abril, a vila das Taipas poderá assistir à peça no Auditório dos Bombeiros Voluntários, enquanto o Salão Paroquial de Ronfe recebe o espetáculo uma semana depois (08 de abril) e o Centro Paroquial de Selho S. Jorge, em Pevidém, na noite de 14 de abril, sexta-feira. Com guião e encenação a cargo de João Pedro Vaz, esta é uma performance construída a partir de cenas de três peças de Raul Brandão: A Noite de Natal (1899), O Gebo e a Sombra (1923) e O Avejão (1929).

Para a noite de 08 de abril, na vila de Ponte, a partir das 21:30 horas, está agendada uma sessão de cinema no Centro Paroquial Paulo VI, com a exibição do filme “Milagre no Rio Hudson”. Clint Eastwood filma a história verídica de Chesley “Sully” Sullenberger, o piloto de aviação que, em 2009, aterrou de emergência no rio Hudson, em Nova Iorque, evitando que 155 pessoas morressem. No papel do homem que se tornou um herói americano após esse evento está Tom Hanks, que nunca tinha trabalhado com Eastwood, quer como ator ou realizador.

Em São Torcato, nas instalações da ADCL – Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais, no Centro Comunitário, Hemeroteca e Mediateca Educativa, há teatro na noite de sexta-feira, 21 de abril. A partir das 21:30 horas, sobe ao palco o espetáculo “One Man Alone”, uma coprodução do Teatro da Didascália e Casa das Artes de Famalicão, onde o tema central é o trabalho realizado numa padaria em horário noturno. Uma semana depois, em Brito, nos Espaços Criativos, na noite de 28 de abril, à mesma hora, principia um concerto de Páscoa intitulado “A Cantar Também se Reza…”, interpretado por Andreia Alferes Quarteto.

A programação de abril do programa “ExcentriCidade” termina na noite de sábado, dia 29, com um espetáculo de música e outro de teatro, à mesma hora (21h30), mas em locais diferentes. Na Casa do Povo de Briteiros, atua a Banda Musical de Pevidém com a apresentação de “Cinema em Concerto”, cuja direção artística e musical estão a cargo do maestro Vasco Silva de Faria e de Carlos Mesquita, Presidente do Cineclube de Guimarães, entidade responsável pela projeção do vídeo. Em Moreira de Cónegos, no Centro Pastoral, a Astronauta Associação Cultural apresenta a peça “PREC no Prato!”.

TEATRO DE BARCELOS LEVA À CENA O "AUTO DA BARCA DO INFERNO" DE GIL VICENTE

Diferentes épocas e estilos sobem ao palco do Teatro Gil Vicente

Uma das mais tocantes histórias de amor, o tradicional conto de fadas francês, "A Bela e o Monstro", nos dias 1 e 2, às 21h30, e a peça o "Diário de um Palhaço", que retrata o mundo mágico do dia a dia da vida de um palhaço, no dia 3, às 10h, marcam o arranque da programação do Teatro Gil Vicente (TGV)  para o mês de abril. Ambos os espetáculos são uma encenação e adaptação da autoria da conceituada Companhia de Teatro de Barcelos - A Capoeira, que regressa novamente às luzes da ribalta, no dia 28, para encerrar a programação do mês de abril com o clássico "Auto da Barca do Inferno", de Gil Vicente.

Cartazabril.jpg

A 5 de abril, o Teatro Nacional de Kherson, da Ucrânica, vem a Barcelos apresentar a comédia "Cuidado, mulheres!", pelas 21h30.

O fim de semana de 7, 8 e 9 será também dedicado às artes cénicas com a peça "A Lenda da senhora que passou", na sexta-feira, protagonizada pela Universidade Sénior de Barcelos, e o espetáculo de dança "Barbie e Ken", pelo Nico Dance Studio, no sábado e domingo. O coreógrafo e matemático Pedro Carvalho regressa ao TGV com o espetáculo “O Homem que só pensava em números", a história de um homem que dedica toda a sua vida e existência aos números. Esta performance, que alia duas disciplinas, a dança e a matemática, será apresentado numa sessão dedicada às famílias, no dia 23, e no dia 24 apresenta quatro sessões destinadas às escolas.

A música está a cargo da banda barcelense Waterland que, no dia 22, dá a conhecer o seu novo álbum “Signs of Freedom” com a participação do coro Jesus Choir.

O cineceblube ZOOM apresenta uma programação variada, onde constam obras do mestre da animação, Hayao Miyazaki, cinema português e do incontornável Wim Wenders, que será alvo de um ciclo. A 21 será exibido novamente o documentário sobre os barcelenses na I Grande Guerra, "Lutaram como diabos", no dia em que se comemora o centenário da partida do contingente barcelense dos Paços do Concelho rumo às trincheiras.

BARCELOS APOIA O TEATRO

Câmara Municipal de Barcelos aprova 165 mil euros para obras estruturantes e renova acordos de colaboração com os Grupos de Teatro

No Dia Mundial do Teatro, 27 de março, a Câmara Municipal de Barcelos aprovou, em reunião ordinária, os acordos de colaboração com os Grupos de Teatro do concelho.

O desenvolvimento cultural de uma comunidade depende, em muito, do contributo das associações culturais existentes, pelo que foram aprovados, ontem, os acordos de colaboração com todos os Grupos de Teatro do concelho.

 A Câmara Municipal de Barcelos, ciente das suas atribuições, tem também contribuído de forma significativa no apoio socioeconómico às freguesias do concelho, deliberando um conjunto de apoios, no valor de cerca de 165 mil euros, destinado a várias obras na rede viária, ampliação e requalificação de cemitérios, construção de muros, drenagem de águas pluviais e apoio às diversas iniciativas das freguesias.

Nota: As propostas foram aprovadas por unanimidade, com exceção da proposta 29 que foi aprovada por maioria.

JOANE É A VILA MAIS DRAMÁTICA DE FAMALICÃO

Territórios Dramáticos: o encontro de teatro que terminou no passado fim de semana e transformou Joane na Vila mais dramática de Vila Nova de Famalicão

Terminou no passado domingo, dia 26 de março, em Joane, a primeira edição do encontro de teatro Territórios Dramáticos promovido pela companhia Teatro da Didascália. O encontro que se realizou ao longo de dois fins de semana, entre 17 e 26 de Março, encerrou com a apresentação de um espetáculo para o público familiar, o espetáculo A Cores, da Peripécia Teatro.

didascallll.png

Não é por acaso que se encerra este encontro de teatro com uma apresentação para as famílias, reunindo num mesmo espaço, jovens e adultos, para celebrar o teatro. Este projeto de programação desenhado pelo Teatro da Didascália tem como prioridade a promoção de um trabalho de proximidade entre o teatro e a comunidade local, e nesse aspeto, o principal objetivo foi cumprido. O público foi crescendo de dia para dia e em apenas 6 dias de programação, foi possível ver o surgimento de um público fiel que se deslocou a Joane para ver todos os espetáculos deste encontro. É a constatação de que existe público para o desenvolvimento de um trabalho de programação regular numa Vila como Joane, com condições técnicas, logísticas e artísticas capazes de construir, envolver e fidelizar público, numa freguesia com um historial fortemente ligado ao teatro.

O público que se deslocou ao Centro Cultural da Juventude (ATC) em Joane, respondeu positivamente ao convite feito pela organização para cearem com os artistas no final dos espetáculos. O resultado foram longas conversas entre público e artistas, numa verdadeira partilha de pensamentos, acompanhados de um intercâmbio gastronómico, com um vinho verde muito bem acompanhado por Jesuítas, Queijadas de Montemor, Queijo da Serra e Pasteis de Águeda.  

Esta primeira edição do Territórios Dramáticos concretizou um total de 13 sessões públicas, entre elas: 7 espetáculos de teatro, 2 filmes e 4 conversas. Em apenas 6 dias de uma programação intensa.

Depois deste primeiro encontro, e da resposta francamente positiva por parte do público, o Teatro da Didascália acredita ser possível criar em Joane um profundo trabalho de proximidade com o território, estando neste momento a pensar e preparar novos projetos de proximidade a desenvolver com a comunidade local e envolvente. 

TEATRO DA DIDASCÁLIA é uma estrutura artística profissional que tem como principal actividade a criação e a programação de artes performativas, perseguindo um trabalho de pesquisa e de cruzamento estético com o objectivo de fazer surgir uma linguagem própria e inovadora. 

Do seu trabalho de programação destaca-se os festivais VAUDEVILLE RENDEZ-VOUS, festival internacional dedicado ao circo contemporâneo, o festival CONTOS d'AVÓ, um festival de narração oral organizado dentro das casas das avós das freguesias rurais do concelho de Vila Nova de Famalicão e o recentemente criado encontro de teatro TERRITÓRIOS DRAMÁTICOS

CABECEIRAS DE BASTO CELEBRA DIA MUNDIAL DO TEATRO

Ontem, dia 27 de março, na Casa da Juventude, o Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto - CTCMCB, levou à cena a comédia “Como fazer cavacas e rosquilhos” para uma plateia que encheu por completo o auditório, neste dia de celebração mundial do Teatro. O momento serviu também para comemorar os cinco anos de atividade do Centro de Teatro.

TEA (1).JPG

Cinco anos de intenso trabalho que estão registados numa exposição inaugurada também ontem e que ficará patente ao público ao longo dos próximos meses na Casa da Juventude, edifício que apresenta, agora no seu exterior, duas grandes lonas de divulgação do CTCMCB.

O espetáculo da noite de ontem, uma divertida comédia, é uma produção própria e resulta da recolha das boas práticas do saber fazer junto de uma produtora de cavacas e rosquilhos da aldeia de Arosa, da freguesia de Cavez, localidade que tem longa tradição na produção destes doces regionais. De referir que esta peça foi representada já em todas as freguesias do concelho, no final do ano passado, no âmbito da iniciativa “DEZcentralizar” – teatro ao encontro da comunidade.

O Presidente da Câmara, Francisco Alves, acompanhado do Vereador Mário Leite, dos Presidentes de Junta de Refojos, Outeiro e Painzela, de Abadim, de Riodouro e Pedraça, e representantes da freguesia de Alvite e Passos e de Gondiães e Vilar de Cunhas, entre outros autarcas, esteve presente e, imediatamente antes do corte do bolo e do cântico dos Parabéns, destacou o excecional trabalho que este Centro de Teatro desenvolve em Cabeceiras de Basto promovendo a cultura com as pessoas e para as pessoas, garantindo que este projeto tem que continuar no futuro.

Em nome do Centro de Teatro, Roberto Moreira, agradeceu todo o apoio que têm recebido, ao longo dos anos, da Câmara Municipal, dos Cabeceirenses em geral e de todos os que acreditaram e confiaram no grupo e no trabalho que realizaram, realizam hoje e vão continuar a realizar.

Terra batida, A Bruxa de Monte Córdova, Provisório, Ruralidades, Carolina e os cinco reinos, Para não dizer que não falei de flores, Um minuto para dizer que te amo, O Lobisomem, A Primeira Viagem, O Lourenço de Braga, entre tantas outras, foram as peças que ao longo destes cinco anos atraíram milhares de espectadores. Produzidas pelos três profissionais que integram o Centro, cada um dos espetáculos faz subir ao palco atores locais, desde as crianças, aos mais velhos, num verdadeiro projeto inclusivo, intergeracional, envolvente e comunitário que pretende ser impulsionador de um processo de transformação cultural da sociedade cabeceirense, abrangendo a comunidade e os seus agentes, ancorado ao Município de Cabeceiras de Basto.

Para além da representação, o CTCMCB participa em muitos outros projetos de que destacamos a produção do cortejo etnográfico anual, dinamiza diversas oficinas, promove intercâmbios com companhias nacionais e internacionais no âmbito das residências artísticas e colabora com as diferentes instituições concelhias públicas e privadas.

TEA (2).JPG

TEA (3).JPG

TEA (5).JPG

GUIMARÃES COMEMORA DIA MUNDIAL DO TEATRO

ESTA SEGUNDA-FEIRA, 27 DE MARÇO

Idosos comemoraram Dia Mundial do Teatro no Multiusos de Guimarães

Instituições do concelho prepararam programa em dia simbólico. 930 idosos assistiram à apresentação de um conjunto de peças teatrais.

Guimaraes_Dia_Mundial_Teatro_2017.JPG

Cerca de um milhar de idosos, pertencentes a 35 instituições de solidariedade social do concelho de Guimarães, comemorou esta segunda-feira, 27 de março, o Dia Mundial do Teatro numa iniciativa promovida pela Câmara Municipal. A tarde no Multiusos de Guimarães ficou marcada pela apresentação de trechos teatrais, mas também por momentos de música.

A exibição da performance “De Criança a Velhinho”, cuja apresentação esteve a cargo do grupo Encontro de Saberes, abordou as diferentes memórias de vida dos nossos idosos, enquanto o Centro Social Cultural Desportivo de Vila Nova de Sande apresentou a peça “A Carochinha e o João Ratão” e a ADCL exibiu excertos do projeto “Então Vamos”. O músico Tiago Maroto encerrou a tarde com a apresentação musical de um conjunto de concertinas.

A iniciativa resultou de um «trabalho em rede das instituições», como referiu Paula Oliveira, Vereadora do Município de Guimarães, com competências delegadas na área da Ação Social. «O teatro é uma arte que permite expressar as nossas emoções e as nossas vivências! É também a arte do encontro, da partilha, de experiências e de memórias de vida», acrescentou ainda.

A comemoração do Dia Mundial do Teatro, celebrado no âmbito das atividades da Terceira Idade, contou com a organização da Fraterna, Rede Social, Tempo Livre e das instituições de apoio a idosos. Promover a arte do teatro como forma de expressão, proporcionando momentos de entretenimento e alegria, foi um dos objetivos desta iniciativa que reuniu mais de três dezenas de entidades de âmbito social.

"DIAS DE CAÇA" CHEGA A CERVEIRA

De 30 de março a 2 de abril, omais recente espetáculo de cinema e teatro das Comédias do Minho - ‘Dias de Caça’– instala-se na ‘Vila das Artes’. Quatro dias, quatro palcos diferentes, dois fenómenos de caça representados. Entrada livre.

Dias de Caça.png

Na sinopse, pode ler-se: “O gesto do documentário observacional implica, por vezes, ficar à espera muito tempo até que o objeto a filmar se coloque no lugar exato para ser enquadrado com a mira da objetiva. No Vale do Minho, vários homens continuam a vaguear pela serra até conseguirem capturar as suas presas. A estes dois fenómenos, poderíamos chamar de caça. Vamos caçar os caçadores do Vale do Minho com uma câmara para podermos ver se é mais difícil apanhar um javali ou conseguir enquadrar um coelho para o poder mostrar, um dia mais tarde, no cinema”.

A estreia dos ‘Dias de Caça’ em Vila Nova de Cerveira está marcada para esta quinta-feira, 30 de março, com espetáculo na Junta de Freguesia de Loivo, pelas 21h00; segue-se o Cineteatro de Cerveira, na sexta-feira pelas 21h30; no dia 1 de abril no Centro de Cultura de Campos, pelas 15:30; e no último dia, 2 de abril, haverá ‘Dias de Caça’ no Salão Paroquial de Covas, pelas 15:30.

Com criação e vídeo de Pedro Filipe Marques, este espetáculo conta com a assistência de criação de Tânia Almeida e de Luís Filipe Silva, assistência na realização e montagem de Rita Palma e assistência de som de Hannah Bailliu. Vasco Ferreira encarrega-se do desenho de luz e Gonçalo Fonseca é responsável pelas interpretações, em conjunto com Joana Magalhães, Luís Filipe Silva, Rui Mendonça e Tânia Almeida. Os novos caçadores são alunos pertencentes às Escolas Profissionais EPRAMI e ETAP.

Todas as sessões têm entrada gratuita, limitando-se aos lugares disponíveis.

GRUPO DE TEATRO DO VEZ LEVA A BARCELOS A PEÇA "UM REGRESSO INESPERADO"

PALCO DE TERRA’17 [Ciclo de Teatro] Balugães ∙ Minho

O auditório da Junta de Freguesia de Balugães (Barcelos) recebe, no dia 1 de abril, às 21h30, a peça de teatro “Um regresso Inesperado”, de Nurmi Rocha.

Cartaz_Palco de Terra_17_GTV.png

A comédia do Grupo de Teatro do Vez (Arcos de Valdevez) abre a edição deste ano do Palco de Terra, ciclo de teatro organizado pelo Teatro Balugas e pela Junta de Freguesia de Balugães.

A iniciativa resulta do intercâmbio entre o grupo de Teatro de Balugães e as companhias convidadas, visando a promoção e dinamização dos projetos teatrais na freguesia.

A entrada é livre e o ciclo continua durante o ano com mais grupos convidados, encerrando em dezembro com o grupo de teatro mais antigo da Galiza, o Teatro de Airiños.

A entrada é livre e limitada à lotação da sala/ https://goo.gl/2FfFGp

ALUNOS DA UMINHO E EUA MOSTRAM EM GUIMARÃES “TEATRO PARA A INTEGRAÇÃO

ESTA SEXTA-FEIRA, 24 DE MARÇO (11H30)

Biblioteca Municipal Raul Brandão recebe apresentação de projeto inovador. Pessoas com necessidade de proteção internacional é o tema central. Entrada livre.

Teatro_Para_Integracao.jpg

Os estudantes de Teatro da Universidade do Minho e de cursos da Buffalo State University (EUA) apresentam esta sexta-feira, dia 24 de março, entre as 11:30 e as 12:30 horas, dois espetáculos teatrais, dois vídeos e uma instalação, na Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, num inovador projeto de teatro que tem o apoio dos Serviços da Ação Social da Câmara de Guimarães, do programa “Guimarães Acolhe” e do Instituto de Letras e Ciências Humanas (UM).

Com entrada livre, este é o culminar do projeto conjunto “Teatro para a Integração”, onde é abordada a situação dos refugiados em Portugal e nos EUA. Durante os trabalhos, houve uma reflexão de como as artes podem ajudar a desenvolver maior consciência das histórias dos refugiados e de como os projetos artísticos podem promover uma maior inclusão dos refugiados nos países para os quais viajam. No final da sessão, decorrerá um debate com o público, coordenado pela professora Francesca Rayner, da Universidade do Minho.

Uma instalação (krafts) é uma manifestação artística contemporânea composta por elementos organizados num determinado ambiente. Pode ter um carácter efémero (só “existir” na hora da exposição) ou pode ser desmontada e recriada noutro local. Uma instalação pode ser multimédia e provocar sensações táteis, térmicas, odoríficas, auditivas, visuais, entre outras. O termo instalação foi incorporado no vocabulário das artes visuais na década de 1960.

FAMALICÃO: TEATRO DA DIDASCÁLIA APRESENTA TERRITÓRIOS DRAMÁTICOS

Territórios Dramáticos depois de uma semana cheia de intensidade e de muita partilha, a segunda semana do Territórios Dramáticos continua esta sexta-feira.

O Territórios Dramáticos, promovido pelo Teatro da Didascália que arrancou na passada sexta-feira em Joane, continua esta semana para mais 3 dias de intensa programação.  

primage_18792.png

Esta segunda semana abre esta sexta-feira, dia 24, às 21h30, pela mão da ESTE – Estação Teatral da Beira Interior, que apresentará o seu espetáculo Bamba Vamba Wamba. “Três atores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espetáculo, só pode contribuir para a sua universalidade.”

No dia seguinte (sábado) é a vez se subir a palco o espetáculo Reportório Osório. Um espetáculo-concerto que nos chega da d’Orfeu Ass. Cultural de Águeda. “O espetáculo é uma coleção de canções, aliando a escrita sagaz de Luís Fernandes à magistral música de Luís Cardoso. Um desfiar de histórias pessoais no masculino, quase sempre íntimas, do dilema ao dilúvio em poucas estrofes. O quotidiano das relações afetivas transformado em canções irónicas (para não lhes chamar heróicas), em que a teatralidade da interpretação só reforça o perfil de cada personagem.”

Continuaremos a promover o encontro e o diálogo entre artistas e público que será estimulado através de Cear e Falar, que acontecerá após os espetáculos de sexta-feira e sábado à noite, um convite para público e artistas partilharem a mesa. Num serão onde para além do confronto de ideias, haverá também um combate gastronómico, em que o anfitrião Vinho Verde abrirá o apetite a um doce ou salgado típico da região da companhia convidada.

No sábado à tarde, às 16h, haverá ainda tempo para a exibição do filme Amar, Beber e Cantar, último filme do realizador francês Alain Resnais, que adaptou para cinema a peça “Life of Riley”, do dramaturgo inglês Alan Ayckbourn.

No domingo à tarde, às 16h, para o público familiar, a companhia Peripécia Teatro, de Vila Real, apresenta o seu espetáculo “A Cores”. “Um espetáculo onde os atores pintam, e se pintam, com muita tinta e alguma pinta... Histórias de cores e com cores contadas pelas pinceladas, pelas manchas, pelas gotas, pelos desenhos. 
Histórias mais ou menos simples. Mais ou menos abstratas. Mais ou menos divertidas. Mas todas muito coloridas.”

O bilhete normal para os espetáculos tem um custo de 4 euros. Existe desconto para estudantes, maiores de 65 anos e sócios da ATC – Ass. Teatro Construção, ficando o valor do bilhete nestes casos por 3 euros. Os filmes têm entrada gratuita.

Para mais informações consultar o site www.teatrodadidascalia.com 

Link para consultar e descarregar o programa onlinehttps://issuu.com/teatrodadidascalia/docs/territ__rios_dram__ticos_programa_w

Link para o vídeo promocional do Territórios Dramáticos: https://vimeo.com/204961288

Link para download de fotos para divulgaçãohttps://didascalia.discovirtual360.pt/invitations?invitation=b499996bde5de5f2d070

Link para download de resumo de fotos da 1ª semanahttps://didascalia.discovirtual360.pt/invitations?invitation=1b8e43c1891eea91b100

MELGAÇO APRESENTA TEATRO PARA BEBÉS: ‘PLANETA PLIM’

Dia 1 de abril, na Casa da Cultura | 15h30

A Casa da Cultura recebe no próximo dia 1 de abril o espetáculo ‘Planeta Plim’, Teatro para Bebés. A peça vai encantar as crianças dos 6 meses aos 5 anos de idade e acontece pelas 15h30 na Casa da Cultura, Melgaço.

PPlim.png

Durante o espetáculo, de aproximadamente 40 minutos, os bebés e os seus acompanhantes estarão sentados perto dos atores, proporcionando uma maior PROXIMIDADE entre artistas e público. Este encurtamento da distância, facilita a INTERATIVIDADE, característica do Teatro para Bebés. Todas as histórias e encenação têm a preocupação de envolver as crianças através de estímulos de caráter SENSORIAL que apelam a todos os sentidos.

A entrada é gratuita mas de inscrição prévia obrigatória até dia 27 de março, para o e-mail: mcodesso@cm-melgaco.pt, telf 251410060 ou presencialmente na Casa da Cultura.

SINOPSE

Quando for grande, quero ser astronauta e viajar pelo espaço num foguetão que faz vvvvvv.

O espaço é muito grande. Eu sou muito pequenino. E vou precisar de ajuda para encontrar o Planeta Plim. Sim?

O TEATRO PARA BEBÉS é um projeto que se dedica à criação de espetáculos de teatro e música para os mais pequenos, privilegiando a proximidade entre a cena e o público e promovendo a interação com os atores, fazendo com que, mais do que um espetáculo, cada peça seja uma experiência sensorial e didática.

Teatro Para Bebés é um conceito de espetáculo diferente, baseado em três princípios: proximidade, interatividade e estímulos sensoriais. É, não só um ato de entretenimento, mas também um motivo de desenvolvimento motor e psicossocial para a primeira infância.

Teatro Para Bebés é concebido em parceria com a companhia portuense Teatro a Quatro.

TEATRO DE BALUGAS APRESENTA "O AUTO DOS BONS DIABOS"

O Teatro de Balugas apresenta no dia 25 de março, pelas 21h30, na Casa do Povo de Carapeços (Barcelos), a peça “O Auto dos Bons Diabos”. A produção teatral integra a programação dos Encontros de Teatro Jorge Cruz, uma organização do Teatro Popular de Carapeços.

balug.PNG

A entrada é livre e limitada à lotação da sala/ https://goo.gl/r6Safa  

"O Auto dos Bons Diabos"

– Estou a ficar velho, mas hei-de morrer a cavar a terra, ou nas tábuas do palco,

Ela já mo disse, ó homem cava já o buraco que com as tábuas do teatro faz-se o caixote e assim não se gasta dinheiro com o funeral”.

Este é o relato de um artista de teatro popular que se desdobra em histórias e personagens dessa mesma história, do desaparecimento do mundo rural, da festa feita nas terras pelas gentes que contavam apaixonadamente as suas crenças, tradições e costumes, de uma certa ideia de progresso que não serve homens nem comunidades.

Baltazar Diabo e a sua companhia são últimos resistentes do que resta de um vale outrora rural, esvaziado em grande parte pela fuga para as cidades, vilas e estrangeiro. Aqui habitam histórias de resiliência e sobrevivência, onde a cultura popular de gerações resiste nas mãos de um punhado de artistas anónimos.

MELGAÇO: «É HORA DE IR RODOPIAR COM OS FANTASMAS!»

NOITE, é o espetáculo da Comédias do Minho que anima por estes dias Melgaço

‘Para que serve a noite?’. Será este o mote da próxima encenação da Comédias do Minho. Intitulada NOITE, a ação da companhia vai contar a história de Perséfone, uma menina heroína que embarca numa viagem emocionante à descoberta dos segredos da noite. A peça será primeiro apresentada ao público pré-escolar, nos dias 22, 23 e 24 de março, e depois ao público em geral, no dia 25, ambas as encenações na Casa da Cultura.

Noite 1.png

No sábado o espetáculo acontece pelas 15h00 e será desenvolvido um workshop para o público familiar.

A entrada é gratuita.

Sinopse

Esta noite, Perséfone vai ter que dormir sozinha, ainda por cima, num quarto que não é o dela, recheado de sombras estranhas e ruídos assustadores. Até o peluche, que lhe faz companhia, não é o dela. No vazio silencioso do escuro, a Perséfone resguarda a sua pequenez debaixo dos cobertores. Nos confins dos lençóis, sente-se imune a todos os monstros aterradores que habitam a noite.

Os raios de sol matinais entram pelo estore e fazem transbordar o seu cristalino coração de esperança. Perséfone havida sobrevivido a mais uma assombrosa noite de escuridão. E surge na cabeça da pequena Perséfone a grande questão: “Para que serve a noite?”. Até que uma noite decide pular dos lençóis... É hora de ir rodopiar com os seus fantasmas! Armada apenas com coragem e curiosidade, a menina heroína embarca numa viagem emocionante à descoberta dos segredos da noite.

ENCENAÇÃO E COCRIAÇÃO Graeme Pulleyn

COCRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO Sofia Moura

ASSISTÊNCIA À ENCENAÇÃO Inês Amaral Mendes 

DESENHO DE LUZ Vasco Ferreira

Noite 2.png

A saber que a Comédias do Minho é um projeto cultural que começou em 2003, com a colaboração dos municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova da Cerveira, destinado a criar uma companhia de teatro profissional.

A sua missão é dotar o vale do Minho de um projeto cultural próprio, adaptado à sua realidade socioeconómica e, portanto, com um enfoque especial no envolvimento das populações, a partir da construção de propostas de efetivo valor participativo e simbólico, para as comunidades a que se dirigem.

Para marcar na agenda:

  • 3 a 7 ABRNOVOS CAÇADORES | INSTALAÇÃO

Quando abriu a caça para a nova criação, os alunos de audiovisual do Vale do Minho foram conduzidos numa procura igual à dos atores e criadores CdM (Comédias do Minho) por caçadores perdidos no território. O material caçado pelos jovens alunos a partir deste workshop será mostrado na Casa da Cultura de Melgaço, e aberta ao público em geral, durante o horário do espaço (Época letiva: segunda a sexta-feira - 9h00-13h00 / 14h00-18h00; sábado - 9h30-12h30 / 14h00-18h00; Época não letiva: 9h30-12h30 / 14h00-18h00; encerra aos domingos e feriados).

ORIENTAÇÃO Pedro Filipe Marques

MELGAÇO | Casa da Cultura

  • 6 a 9 ABRDIAS DE CAÇA | ESPETÁCULO DE CINEMA E TEATRO

«No Vale do Minho, vários homens continuam a vaguear pela serra até conseguirem capturar as suas presas. Vamos caçar estes caçadores com uma câmara para podermos ver se é mais difícil apanhar um javali ou conseguir enquadrar um coelho para o poder mostrar, um dia mais tarde, no cinema. Entretanto, perdidas também no meio da serra e com tanto tempo a perder, as histórias à volta de uma simples comparação talvez fujam para outros sítios, tal como presas que deixam rasto mas que nunca são capturadas.»

CRIAÇÃO E VÍDEO Pedro Filipe Marques

ASSISTÊNCIA DE CRIAÇÃO E DRAMATURGIA Rita Palma

ASSISTÊNCIA DE ENCENAÇÃO Luís Filipe Silva e Tânia Almeida

ASSISTÊNCIA DE SOM (DOCUMENTÁRIO) Hannah Bailliu

DESENHO DE LUZ  Vasco Ferreira

COCRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO Gonçalo Fonseca, Joana Magalhães, Luís Filipe Silva, Rui Mendonça e Tânia Almeida

6 ABR | Junta de Freguesia de Paços | 21h00

7 ABR | Casa da Cultura de Melgaço | 21h30

8 ABR | Associação A Batela Alvaredo | 21h30

9 ABR | Salão Paroquial de Parada do Monte | 15h30

M/12 | ENTRADA GRATUITA

Noite.png

TEATRO DA DIDASCÁLIA APRESENTA EM FAMALICÃO TERRITÓRIOS DRAMÁTICOS

O Territórios Dramáticos, promovido pelo Teatro da Didascália que decorre em Joane de 17 a 26 de Março, começa, sexta-feira, 17 de março, às 21h30 no Centro Cultural da Juventude de Joane.

didasc.jpg

O encontro abre pela mão do Teatro Experimental do Porto que apresentará o seu espetáculo Casa Vaga. “Casa Vaga é uma coboiada que insiste em alguns interesses e temas presentes nos últimos anos de programação do TEP: na interpelação às reais condições de vida e de trabalho em Portugal; e na inquirição sobre os modos sistémicos de domínio que o modelo capitalista exerce sobre os indivíduos e sobre as suas aspirações de felicidade. Misturando história e ficção, desejo e utopia, pistolas e livros, neste espetáculo, o mundo, o velho e o novo, é uma casa vaga que vamos ocupar.”

No dia seguinte é a vez se subir a palco o espetáculo Levantado do Chão, a partir da obra de José Saramago, pela mão do Algures, Coletivo de Criação. “Aqui reflete-se sobre a democracia – que mundo queremos afinal? E tudo isto num concerto. Um solo de um contador de histórias carregado da memória afetiva da leitura e da importância dos conhecedores da obra do Nobel, ou um músico de canções avulsas oriundas das palavras de saramago e, ainda, um ator submerso num texto inédito e assumidamente fragmentado.”

O Territórios Dramáticos é também um espaço de partilha entre o teatro e os mais variados públicos e sensibilidades. O encontro e o diálogo entre artistas e público será estimulado através de Cear e Falar, que acontecerá após os espetáculos, um convite para público e artistas partilharem a mesa. Num serão onde para além do confronto de ideias, haverá também um combate gastronómico, em que o anfitrião Vinho Verde abrirá o apetite a um doce ou salgado típico da região da companhia convidada.

Nestas duas semanas de programação, para além dos espetáculos haverá também a projeção de dois filmes que têm como ponto de partida o teatro. O primeiro a ser exibido será o Até ao Canto do Galo, criado pela companhia Peripécia Teatro em parceria com o realizador espanhol Ramón de los Santos, que teve como base para a criação o espetáculo desta mesma companhia, Ibéria: a Louca História de uma Península. O filme será exibido no sábado, 18 de março, às 16h no Joannem Auditorium.

Os domingos à tarde são dedicados ao público familiar. No domingo, dia 19, a companhia anfitriã, o Teatro da Didascália, apresenta o espetáculo Guarda Mundos, concebido especialmente para os mais novos e que será ainda levado à cena para o público escolar no dia 21. “Guarda Mundos é um espetáculo construído sobre um objeto muito particular, o guarda-fatos. Este objeto é na infância símbolo de refúgio e de portal para uma outra dimensão, capaz de atrair a curiosidade das crianças e as catapultar para o universo da imaginação.”

O bilhete normal para os espetáculos tem um custo de 4 euros. Existe desconto para estudantes, maiores de 65 anos e sócios da ATC – Ass. Teatro Construção, ficando o valor do bilhete nestes casos por 3 euros. Os filmes têm entrada gratuita.

Para mais informações consultar o site www.teatrodadidascalia.com 

TEATRO DA DIDASCÁLIA é uma estrutura artística profissional que tem como principal actividade a criação e a programação de artes performativas, perseguindo um trabalho de pesquisa e de cruzamento estético com o objectivo de fazer surgir uma linguagem própria e inovadora. 

Do seu trabalho de programação destacam-se os festivais VAUDEVILLE RENDEZ-VOUS, festival internacional de teatro físico, circo contemporâneo e cabaret e o festival, CONTOS d'AVÓ, um festival de narração oral organizado dentro das casas das avós das freguesias rurais do concelho de Vila Nova de Famalicão.

SÁ DE MIRANDA INSPIRA FESTIVAL DE TEATRO EM AMARES

A peça de teatro "Doutor cura tudo...", protagonizada pelo Grupo de Teatro de Bouro inaugurou, no Auditório da Junta de Freguesia do Bico, o Festival de Teatro Sá de Miranda, uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Amares que evoca o nome do grande poeta português que faleceu em Amares, em 1558, na Quinta da Tapada, para onde se retirara com sua esposa por não se ter adaptado à vida da corte.

DSC03814.JPG

A comédia que retrata várias situações do quotidiano de um consultório médico foi a primeira de um conjunto de iniciativas que vão decorrer entre os meses de março e julho, com o apoio das juntas de freguesia e associações locais, e que têm por objetivo divulgar o teatro amador e fomentar hábitos culturais entre os amarenses.

O Festival de Teatro Sá de Miranda homenageia e eterniza a figura singular do poeta quinhentista e filho adotivo do concelho de Amares – Francisco de Sá de Miranda (Coimbra,  28 de agosto de 1481 — Amares15 de março de 1558), que viveu os últimos anos da sua vida na Casa da Tapada, local onde redigiu parte importante da sua obra. Imóvel de Interesse Público, construído no século XVI, na freguesia de Fiscal, a Casa da Tapada foi mandada construir pelo próprio poeta e pertence à arquitetura civil residencial, maneirista e barroca, constituindo um dos importantes exemplos do património construído de Amares.

DSC03822.JPG

DSC03828.JPG

DSC03838.JPG

DSC03865.JPG

FAMALICÃO APRESENTA "CÂNTICOS DE BARBEARIA"

Musical “Cânticos de Barbearia” estreia esta quinta-feira em Famalicão

Ensaio aberto à comunicação social amanhã, terça-feira, 14 de março, pelas 15h00, na Casa das Artes de Famalicão

“Cânticos de Barbearia” nasceu do sonho de Carlos Tê fazer um musical sobre duas grandes figuras da musica popular portuguesa e brasileira do século XX - Tony de Matos e Lupicínio Rodrigues.

Cânticos de Barbearia.jpg

A peça, escrita e dirigida musicalmente pelo compositor português e encenada por Luísa Pinto da Narrativensaio, cria o encontro que nunca aconteceu entre estes dois músicos, numa barbearia da posteridade, onde durante um singelo corte de cabelo, Tony e Lupicínio põem as afinidades em dia e discutem o mecanismo e a função das dolorosas canções de amor, tema em que ambos se especializaram.

O espetáculo estreia esta quinta-feira à noite na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, onde vai estar em cena até ao dia 18 de março, sábado.

Antes, a produção convida a comunicação social a assistir a um ensaio aberto da peça, que decorrerá amanhã, terça-feira, dia 14 de março, pelas 15h00, no grande auditório da Casa das Artes.  

FICHA ARTÍSTICA

Texto e Direção Musical: Carlos Tê

Encenação, Cenografia e Figurinos: Luísa Pinto

Interpretação: Pedro Almendra, Allex Miranda e Filipa Guedes

Interpretação Musical: Eduardo Silva

Desenho de Luz: Bruno Santos

Máscara: Carlos Matos

Execução de adereços: José Lopes

Assistente de encenação: Ricardo Regalado

Assistente de Produção: Cláudia Pinto

Imagem Promocional: Daniela Santos

M/12

Duração: 70’

PEQUENO TRABALHO PARA VELHO PALHAÇO | SEIVA TRUPE SOBE AO PALCO NO TEATRO DIOGO BERNARDES EM PONTE DE LIMA

10 de Março – 22h00 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

A companhia de teatro Seiva Trupe traz até Ponte de Lima o espectáculo Pequeno Trabalho Para Velho Palhaço, de de Matéi Visniec, com direcção de Roberto Merino, no dia 10 de Março, sexta-feira, às 22h00.

trabalho_palhaco_4x3_ (Small).jpg

- Três palhaços ansiosos mas esperançosos pelo que o futuro lhes reserva; a comédia “negra” da vida! –

A temática do velho artista sem trabalho, da competição feroz entre as pessoas, numa parábola sobre a sociedade em que vivemos, que nos transporta para uma representação de dimensão poética, onde à ternura do clown se mistura a amargura da sua própria vivência… A história de três velhos palhaços que esperam ser recebidos para um “casting” a fim de poderem ser admitidos para um pequeno trabalho numa companhia, e durante todo esse tempo vão trocando impressões sobre a tal entrevista e que tipo de números terão de apresentar. É neste sentido que cada um vai recordando factos e trabalhos, com a permanente preocupação de mostrarem que ainda têm tanto ou mais talento que naqueles tempos dourados. Neste espaço de espera vão emergindo episódios dramáticos e humorísticos numa realidade absolutamente patética.

Autor | Matéi Visniec

Tradução | Regina Guimarães

Desenho de Luz | Júlio Filipe

Figurinos | Luísa Pinto

Assistente de Encenação e Direcção de Cena | Teresa Vieira

Direcção | Roberto Merino

Interpretação | Fernando Soares _ José Cruz _ Mário Moutinho _ Luís Ribeiro _ Manuel Vieira

Produção | Seiva Trupe

M/12 anos

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

AMARES PROMOVE FESTIVAL DE TEATRO

A Câmara Municipal de Amares promove entre os meses de março e julho o Festival de Teatro Sá de Mirandahttps://www.facebook.com/events/975567865878418/, com o intuito de divulgar o teatro amador e fomentar hábitos culturais entre os amarenses.

A primeira iniciativa do programa acontece já no próximo dia 11 de março, pelas 21h00, no Auditório da Junta de Freguesia do Bico, com uma peça apresentada pelo Grupo de Teatro de Bouro.

O Festival de Teatro Sá de Miranda conta com o apoio das juntas de freguesia e associações locais.

Entrada livre!

image001TEATROAMARES.jpg

VIZELENSES "DEIXAM O SEXO EM PAZ"

"DEIXEMOS O SEXO EM PAZ" dia 17 de março no Auditório Luís Lopes Guimarães

Inserida no programa das comemorações do 19.º aniversário do Município de Vizela, a Câmara Municipal de Vizela e o Agrupamento de Escolas de Infias, Vizela e Agrupamento de Escolas de Caldas de Vizela promovem a peça de teatro "DEIXEMOS O SEXO EM PAZ".

teatro deixemos o sexo em paz.jpg

Trata-se de um espetáculo em tom de comédia, profundamente didático e perfeitamente integrável no PROGRAMA DE EDUCAÇÃO SEXUAL, SAÚDE E AFETOS, que tem alcançado imenso êxito junto do público em geral e estudantil.

O espetáculo terá lugar no próximo dia 17 de março, no Auditório Luís Lopes Guimarães, em duas sessões: às 11h00, apenas para a comunidade escolar; e às 21.00h, para o público em geral.

Este espetáculo da Companhia de Teatro Maria Paulos recebeu vários prémios e foi classificado de grande qualidade e de enorme interesse pedagógico.

TEATRO DA DIDASCÁLIA LANÇA UM OLHAR SOBRE O PORTUGAL DRAMÁTICO

Companhia famalicense promove encontro “Territórios Dramáticos” de 17 a 26 de março, com o apoio da autarquia

E se no fim de uma peça de teatro, a companhia em palco o convidasse para sentar à mesa? A ideia é do Teatro da Didascália, de Vila Nova de Famalicão, que quer pôr artistas e público à conversa, num confronto de ideias que é ao mesmo tempo um combate gastronómico.

guarda mundos_foto Paulo Pacheco.jpg

O momento, intitulado “Cear e Falar”, vai decorrer no final dos espetáculos de sexta e sábado à noite inseridos na programação do encontro “Territórios Dramáticos”, que a companhia famalicense promove de 17 a 26 de março, na freguesia de Joane.

A iniciativa, que privilegia a diversidade estética e artística espalhada um pouco por todo o território nacional, tem o apoio da autarquia e vai contar com a participação de companhias teatrais oriundas de todo o país.

É o caso do Teatro Experimental do Porto, a mais antiga companhia portuguesa em atividade, que no dia 17, sexta-feira, dá o pontapé de arranque do encontro com a apresentação de “Casa Vaga”, que nos conta a história de três portugueses que emigram para o faroeste norte-americano em busca de melhores condições de vida e de trabalho.

No dia 18, a companhia “Algures”, de Lisboa, vem a Famalicão apresentar o teatro-concerto “Levantei-me do Chão”. Do Fundão chega a companhia “Este” para levar à cena, no dia 24, “Bamba Vamba Wamba”. De Águeda, os d’Orfeu, com “Reportório Osório”, no dia 27, e de Vila Real, a Peripécia Teatro, com a apresentação, no dia 26, do espetáculo “A Cores”, para o público familiar.

Destaque ainda para a companhia da casa, o Teatro da Didascália, que no dia 19 sobe ao palco do Centro Cultural da Juventude de Joane (CCJJ) com a peça “Guarda-Mundos”, concebida especialmente para os mais novos.  

Conhecer os dramas quotidianos de cada estrutura e a forma como os processos artísticos influenciam e são influenciados pela sua região de ação, bem como refletir sobre um território com um passado fortemente ligado ao teatro e a partir dele, conhecer e pensar outras geografias, outros projetos enraizados noutros territórios e a relação que cada um desenvolve na sua comunidade são os principais objetivos do encontro que ao longo destes dez dias vai dividir-se entre o palco do auditório do CCJJ, do Bar Contemplarte e do Joannem Auditorium.

De resto, refira-se que da programação do “Territórios Dramáticos” constam também algumas sessões de cinema, com a apresentação nos dias 18 e 25 de março de dois filmes que tiveram como ponto de partida o teatro – “Até ao Canto do Galo” e “Amar, Beber e Cantar”.

O bilhete normal para os espetáculos tem um custo de 4 euros, com desconto para estudantes, maiores de 65 anos e sócios da ATC – Associação Teatro Construção. Os filmes têm entrada gratuita.

PROGRAMA

Espetáculos

Casa Vaga - Sexta 17/21h30/ Auditório CCJJ (ATC)

Levantei-me do Chão - Sábado 18/21h30/ Auditório CCJJ (ATC)

Guarda-Mundos - Domingo 19 e Terça 21/ 16h00 e 15h00/ Auditório CCJJ (ATC)

Bamba Vamba Wamba - Sexta 24/ 21h30/ Auditório CCJJ (ATC)

Reportório Osório - Sábado 25/ 21h30/ Bar Contemplarte CCJJ (ATC)

A Cores – Domingo 26/ 16h00/ Auditório CCJJ (ATC)

Filmes

Até ao Canto do Galo – Sábado 18/16h00/ Joannem Auditorium

Amar, Beber e Cantar – Sábado 25/16h00/ Joannem Auditorium

Conversas

Cear e Falar – Sextas 17 e 24/ Sábado 18/ Foyer do Auditório CCJJ (ATC)

                         Sábado 25/ Bar Contemplarte CCJJ (ATC)

Reportório Osório foto Luís Neves.jpg

A MAGIA DA DISNEY EM CONCERTO NO VALADARES, TEATRO MUNICIPAL DE CAMINHA

Espetáculovai “revisitar”músicas de filmes consagrados, no domingo, a partir das 15h30

Em março, o Valadares Teatro Municipal de Caminha apresenta um cartaz de elevada qualidade. Concerto da Disney pela Escola de Música Amadeus; Ensemble Risoluto em Concerto, com José Paulo Ribeira, Paulo Barbosa e Sílvia Pinto e cuja receita reverte a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Caminha; Concerto de Guitarra com Artur Caldeira e Cavaquinho Cantado com Daniel Cristo em Quinteto, são as propostas culturais disponíveis para este mês.

Concerto Disney Cartaz.jpg

A magia dos clássicos da Disney vai abrir a programação do Valadares, com o Concerto da Disney, pelos alunos da Escola de Música Amadeus, já no próximo domingo, dia 12 de março, pelas 15H30.  No palco do Valadares vão ser interpretadas músicas dos filmes ‘Pinocchio’, ‘Cinderella’, ‘Mary Poppins’; ‘Alladin’,‘Brave’, ‘Tarzan’, ‘A Bela Adormecida’; ‘Pocahontas’, ‘Rei Leão’, ‘A pequena Sereia’, entre muitos outros.

Este concerto é organizado pela Escola de Música Amadeus e conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha e do Conservatório de Música e Dança dos Arcos de Valdevez. O bilhete custa 2€ e as reservas podem realizar-se na Escola de Música Amadeus ou no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

Depois da magia da Disney, no dia 18 de março, o Valadares vai servir de palco ao Concerto Solidário ‘Ensemble Risoluto em Concerto’, com José Paulo Ribeira, Paulo Barbosa e Sílvia Pinto, cuja receita vai reverter a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Caminha. Ensemble Risoluto“é o momento onde o Amor e a Música se conjugam num mesmo verbo, inteiro, firme e assertivo. Aqui se exprime a mais pura essência da alma, transmitindo sensações que a linguagem é incapaz de traduzir e que a razão nunca saberá compreender”. O concerto tem inicio pelas 21H30. Os bilhetes custam 5 euros e podem ser adquiridos nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora e no dia do espetáculo, no Valadares, Teatro Municipal.

No dia 24, pelas 21h30, a guitarra vai estar em destaque no Valadares, com o concerto de Artur Caldeira. Natural de Braga, Artur Caldeira é licenciado em Guitarra Clássica e Mestre em Interpretação Artística. Com um vasto curriculum, este músico já conquistou o 1º prémio do concurso nacional “Parnaso 93” e o 1º lugar ex-aequo do “Prémio Helena Sá e Costa 1995”. Tocou com a Orquestra Clássica sob a direção dos Maestros MeirMinsky, João Paulo Santos, MarcTardue e Niel Thompson e com a Orquestra do Norte sob a direção do Maestro Ferreira Lobo e gravou para a R.D.P..

Trata-se de mais uma aposta cultural de qualidade. Este concerto é organizado pela Academia de Música Fernandes Fão e conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha, da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares e do Ministério da Educação.

Em março, Daniel Pereira Cristo, já conhecido do público caminhense, regressa ao Valadares para apresentar o seu 1º álbum a solo 'Cavaquinho Cantado'.“Este concerto caracteriza-se pela alegria da junção dos dois velhos conhecidos, o canto e o cavaquinho, como personagens centrais de um todo que, se pretende, seja sentido como uma abordagem nova e contemporânea da música e instrumentos de identidade. Música Étnica do Noroeste Português e Peninsular, como gosta de chamar-lhe”. O concerto está agendado para as 22H00.  Os bilhetes encontram-se à venda nos Postos de Turismo de Caminha e Vila Praia de Âncora

Teatro Valadares.jpg

CONCURSO NACIONAL DE TEATRO NA PÓVOA DE LANHOSO TERMINOU EM FESTA

Terminou em festa o XIII Concurso Nacional de Teatro (CONTE) da Póvoa de Lanhoso. A cerimónia de encerramento realizou-se em ambiente emotivo, tendo contado com a presença do patrono do Certame, o consagrado ator Ruy de Carvalho, a quem a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso prestou reconhecimento, na mesma semana em que completou 90 anos e em que foi condecorado pelo Senhor Presidente da República. “É, e será sempre, uma honra recebê-lo na Póvoa de Lanhoso na cerimónia de Encerramento do concurso que pretende mostrar o que de melhor se faz em Portugal ao nível do teatro não profissional”, referiu o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

Foto de Grupo 2.jpg

O encerramento aconteceu no dia 4 de março. Para o Vereador “o CONTE é muito mais do que um concurso de teatro, é um projeto de promoção, divulgação, defesa e valorização do teatro não profissional, que muito contribui para a formação e desenvolvimento sociocultural das comunidades”. A este respeito, André Rodrigues lembrou ainda a aposta que o Municipio tem vindo a fazer “na formação de crianças e jovens, para que num futuro próximo estejam preparados para expressar, num grande evento como o CONTE, as suas qualidades artísticas”.

De lembrar que a XIII edição do CONTE decorreu no palco do Theatro Club entre os dias 28 de janeiro e 25 de fevereiro. “Nove espetáculos, com companhias de todo o país, que evidenciaram um aperfeiçoamento da qualidade cénica e estética que reforçou a fidelização dos públicos proporcionando-lhes uma grande satisfação na fruição dos espetáculos. Uma forte razão para o Município se orgulhar em receber nesta belíssima sala de teatro os agentes culturais que se dedicam à arte de Talma”, salientou o mesmo responsável.

O certame é promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso em parceria com a Federação Portuguesa de Teatro e com o apoio da Fundação INATEL. A associação do município a estas entidades é sinal, no entender do Vereador André Rodrigues, “de quererem contribuir para apoiar, estimular e valorizar o teatro, a cultura e as artes em geral como fatores de coesão e desenvolvimento sociocultural e de identidade local”.

Numa breve, mas emotiva intervenção, Ruy de Carvalho reafirmou que tem cada vez mais orgulho em ser “amador profissional. Sou profissional de teatro, mas sou amador no coração. Amo aquilo que faço. Sofro por aquilo que faço”, destacou. O ator considerou ainda que, no nosso país, “só os amadores conseguem manter viva esta chama maravilhosa que é o teatro.” Em seu entender, “o teatro faz falta não só àqueles que o praticam, mas àqueles que o veem e que o ouvem”.

Presentes na cerimónia estiveram ainda em representação da Federação Portuguesa de Teatro, Tânia Falcão, e da Fundação INATEL, Carla Raposeira, assim como o Presidente da Assembleia Municipal da Póvoa de Lanhoso, Amândio Oliveira, de entre outras individualidades.

Consagração de “Palco de Babel”

Já no capítulo das distinções, o Prémio Ruy de Carvalho para o Melhor Espetáculo foi entregue à peça "Palco de Babel" apresentada pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta. Esta produção arrecadou, para além deste, mais sete galardões, tendo sido a grande vencedora do certame. 

O Prémio Maria da Fonte, atribuído pelo público que acompanhou os diversos espetáculos do certame, distinguiu o Associação Recreativa e Cultural de Aveleda e o seu "Leandro, Rei de Helíria".

A Gala de Encerramento do Concurso Nacional de Teatro 2017 foi apresentada por Rafa Leite e viu ainda ser atribuído a Dantas Lima o Prémio Prestigio Personalidade Fundação INATEL, como tributo a uma vida dedicada ao teatro e à cultura.

O Júri desta XIII edição do Concurso Nacional de Teatro foi composto por Maria Torcato Baptista (Município de Póvoa de Lanhoso), Rui Sérgio (Fundação INATEL) e Emílio Gomes (Federação Portuguesa de Teatro).

Premiados do XIII CONTE

Prémio Orlando Worm para Melhor Iluminação
João Pereira
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Prémio para Melhor Ambiente Sonoro:
Flávio Oliveira
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Prémio para Melhor Cenografia:
João Paulo Pereira e Octávio Pereira
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta 

Prémio para Melhor Guarda-Roupa:
Ana Sousa
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Menção Honrosa:
Pedro Miguel Dias e Teresa Vieira
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Prémio para Melhor Interpretação Secundária Feminina:
Ana Sousa
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Menção Honrosa:
Marta Madureira
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Prémio para Melhor Interpretação Secundária Masculina:
Sousa Mouta
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Prémio para Melhor Interpretação Principal Feminina:
Paula Vieira
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Menção Honrosa:
Joana Vilar
"Yerma"
Associação Cultural e Artística Lourocoop

Prémio para Melhor Interpretação Principal Masculina:
Eduardo Moura
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Prémio para Melhor Encenação:
Pedro Miguel Dias
"Esta noite improvisa-se"
Os Plebeus Avintenses

Menção Honrosa:
Laura Ferreira
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Prémio Ruy de Carvalho para o Melhor Espetáculo:
"Palco de Babel"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Vereador no Discurso.jpg

BRACARENSES LÊEM "TESTAMENTO DO LIBÓRIO"

Mais de 4 centenas de foliões, garantiram o ritual carnavalesco da noite de 'Segunda-feira Gorda'.

Mesmo não contando com a ajuda de S. Pedro, debaixo de uma chuva 'molha tolos', neste caso, 'molha foliões', à hora prevista, o 'Desfile/Corrida do Entrudo - Olha o Home, lá bai o Home...', saía da Av. Artur Soares (Palhotas), junto à sede da Rusga. Como em edições anteriores, contamos com a participação de algumas associações parceiras repetentes, nomeadamente: Agrup. XIX, do C.N.E. (Escutismo Católico) de S. Vicente, o Patronato Nª Sª da Luz, também da freguesia, alunos e pais das escolas sedeadas no território vicentino e não só, a associação 'Bravos da Boa Luz', os ateletas do "Braga a Correr", a Ronda Típica da Meadela, Viana do Castelo,  entre outras. Como novidade/estreia, a edição deste ano contou com a participação do Grupo de Percussão da ARCUM os "Bomboémia".

Correspondendo ao repto lançado, todos os foliões compareceram devidamente mascarados, fazendo-se acompanhar de objetos ruidosos, como: gaitas bombos caixas, apitos, buzinas, chucalhos, etc, etc,.

Após a leitura do Testamento e consequente 'Queima do Entrudo', o ritual das carnes verdes voltou a repetir-se.

“Cada terra tem seu uso, cada roca tem seu fuso”

Após a leitura do Testamento, em plena Av. Central da nossa Augusta cidade, agora, dos arcebispos também, procedeu-se a queima do Entrudo - “O Home”, no adro da igreja de São Vicente. Seguiu-se, o 'ritual das carnes verdes', inerente a esta tradição carnavalesca. Assim, todos os foliões participantes na Corrida/Desfile do Entrudo - tal como mandava a tradição -, foram recompensados, com a degustação das carnes de porco, nomeadamente a orelheira e enchidos, acompanhadas com broa de milho caseira e o vinho verde da região.

Numa 'avaliação a quente', o que podemos inferir é que, a tradição tem garantias de continuidade, já que os mais jovens, sejam eles da Rusga, ou de outras associações e/ou instituições, e, ainda, o envolvimento dos pais, que fazem questão de trazer os seus filhos mais novos, para manter viva a tradição.

Nesta perspetiva, a Rusga enquanto associação promotora da iniciativa, está convicta de que, os fins últimos da retoma desta tradição carnavalesca estão garantidos. Assim, os objetivos iniciais desta reposição, como: Salvaguardar, preservar e promover o(s) legado(s) cultural(ais) herdado(s) - património material e imaterial inerentes -, ao nível das tradições e /ou manifestações etnológicas e etnográficas locais, estão consolidados e afirmados.

rsv0217_fts_c_entrudo_deslile0025 (1).jpg

Testamento do Libório 2017

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

CARLOS – Boa noite meus senhores, más notícias lhes vou dar: - Morreu o Libório Caturra e, o seu testamento vou divulgar.

JOÃO – Morreu o Libório Caturra, filho por engano da Balbina Pinga e do Zeca Bêbado. Sendo natural da Rua das Palhotas, deixa saudades a todos os palhoteiros e irmãos vicentinos.

CARLOS - Pobre do Libório, morreu seco e tísico e poucos são os haveres para distribuir por tanto guloso. Mas generoso como era, a todos vai deixar qualquer coisinha.

JOÃO – Morreu o Libório! Finou-se… Está a fazer tijolo! Bateu a bota, esticou o pernil! E, que Deus o tenha muitos anos sem nós.

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

CARLOS – Foi um ano difícil para o nosso LIBÓRIO. A geringonça custou a arrancar. Agora que embalou, será que é para ficar?

JOÃO – A olear a geringonça, o Marcelo vai ajudando, e assim o nosso Portugal lá vai avançando…!

CARLOS – Cá pelo burgo bracarense, pouca cousa aconteceu. Na gaveta ficou, tudo aquilo que se prometeu… Foi um ai, que se lhe deu…

JOÃO – Vitor de Sousa e a TUB, é caso mal parado, toda esta confusão por causa do autocarro.

CARLOS – As vias pedonais, continuam muito bem frequentadas. Por … automóveis.

JOÃO – Lá p’rós lados do Picoto, virado a Guimarães, a coisa ficou linda de morrer, com o ginásio para cães.

CARLOS – Na Polícia Municipal, reina a anarquia. A insubordinação é tal, que ainda está sem chefia.

JOÃO – A presidência municipal anda em estado de graça; como ‘Deus’ votou nela, foi a Roma agradecer na Praça.

CARLOS – E cá por Braga ninguém se espanta; O presidente foi a Roma convidar o Papa, para vir à noite Branca.

JOÃO – Ilustre Presidente, Dr. Ricardo Rio; de Braga ao Vaticano…!, - Será que vai ficar PIO?

CARLOS – Sem pio ficou o povo, ao receber o lembrete: - 75 mil Euros, só pra arranjar 1 gabinete?

JOÃO – E no Ambiente de Braga a polémica está instalada; árvore que pareça podre, é p’ra ser arrancada!

CARLOS – As medalhas de mérito, deram muito que falar: - Qual terá sido o critério, para a da Rusga de S. Vicente faltar?

JOÃO – 50 anos de idade, não são fáceis de atingir. Essa tal medalhinha, era mesmo de atribuir!

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

CARLOS – O Sporting Clube de Braga; despediu o Peseiro, mas continua afastado, muito longe do primeiro.

JOÃO – Bem depressa o Salvador, foi buscar o Simão. Será que vai ter força p’ra empurrar o camião?

CARLOS – Os ‘TUC TUC’ chegaram a Braga; em onda de euforia; e transportam toda a gente, da Estação ao Bairro da Alegria.

JOÃO – No tempo do ‘Baixinho’, eram só centros comerciais; Agora com o Rio, é só superfícies continentais, se o caso não fosse tão grave, dava para rir (Eh, eh, ehhhhh).

CARLOS – Mudam-se os tempos e os protagonistas, mas, continuam as mesmas vontades.

JOÃO – Mas Siga a Rusga, Siga a Rusga, que a vida não é só S. João. O Libório morreu, por alguma razão!.

CARLOS – Meus caros concidadãos e concidadonas, continuo a deixar-vos um país nas lonas.

JOÃO – O Libório perdeu o seu pé-de-meia quando foi aquilo do BES. Depois foi o BANIF, agora é a Caixa e, ninguém vai para a prisão. Em vez disso, mais uma vez paga o cidadão.

CARLOS – E lá p’rós Estados Unidos, foi-se o presidente bacana. Está lá agora uma cenoura, que é mais uma banana.

JOÃO – Com Guterres nas Nações Unidas; aquilo é que vai ser bonito. O Putin e o Trump aos beijinhos, e, o povo da europa aflito.

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

JOÃO – Mas passemos à leitura do testamento do finado, para que este possa descansar em paz até ao próximo ano.

CARLOS – Ao nosso 1º Ministro Costa, de ascendência indiana, deixo-lhe umas notas soltas, para melhor tocar na RANA.

JOÃO – À organização das Festas de S. João; deixo a minha máquina de calcular. Para apurar com precisão, quanta gente vem foliar.

CARLOS – Ao presidente da Associação de Festas de S. João, deixo-lhe a minha Porca Bisara, para juntar ao Porco Preto, e haver mais criação.

JOÃO – Aos demais elementos festeiros, das Festas da Cidade, deixo-lhes um saco de sarapilheira, para meter o pouco saber, a falta de humildade e as muitas trapaceiras.    

CARLOS – Aos ESSES que por aí continuam a actuar; deixo um mapa da Coreia do Norte, para irem multar os mísseis que por lá andam a passear.

JOÃO – Ao Dr. Domingos Alves, da junta de freguesia; deixo as minhas estantes, para colocar mais livros e poesia.

CARLOS – Ao Juiz da Irmandade; que S. Vicente quer abrigar, deixo a minha reforma, p’ró telhado da igreja consertar.

JOÃO – Ao José Ribeiro Pinto, Home de muitos ofícios; deixo as minhas ceroilas, para aliviar os sacrifícios.

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

CARLOS – À juventude rusgueira; deixo o meu agradecimento. É uma malta à maneira. Não deixa a cultura popular cair no esquecimento.

JOÃO – Vou deixar às 3 Sãozinhas; as minhas 4 galinhas. Para que possam fazer, as suas gostosas papinhas.

CARLOS – À junta de freguesia de S. Vicente, vou deixar neste entrudo; Um pedido no Bom Jesus, para emprestar o canudo. Para ver melhor o ‘subcílio’, que dá à Rusga.

JOÃO – Para a malta da tocata, que anima em todos os eventos; Deixo o meu gravador, para não se enganar nos melhores momentos.

CARLOS - Ao Celestino Reis, o nosso mais recente tocador de cavaquinho. Deixo-lhe três malgas de verde, p’ra cantar mais fininho.

JOÃO – Para que não falte a imaginação; ao Adão caricaturista. Deixo o meu garrafão, pois ele é um grande artista.

CARLOS – Ao João Macedo; que diz que não sabe dançar. Deixo as minhas chanatas, p’ra começar a treinar.

JOÃO – Ao Carlitos e ao Carlão; deixo-lhe as peles dos meus foles. P’ra fazer um ‘big’ timbalão.

CARLOS – Para a nova Vice-Presidente; deixo-lhe um projetor multimédia último grito. Mais três chávenas de chã e, umas rações de cabrito.

JOÃO – Ao Romeu e sua Julieta Andreia; deixo-lhes uma caixinha cheia de surpresas. Mas cuidado, não façam caras feias!...

CARLOS – Às irmãs de S. Vicente; que estão sempre a rezar. Deixo as minhas velinhas, para voltar a mercar.

JOÃO – Ao Chanceler João Paulo, Pároco da nossa freguesia, para melhor ler a pregação; Deixo-lhe o meu ‘AIPODE’, último grito, para colocar no ambão.

CARLOS – Aos jornais e rádios cá do burgo, volto a reforçar o meu pedido; Continuem a contar mesmo tudo, o que por cá tem acontecido.

JOÃO – Aos políticos em geral - aos de cá e aos de fora -, a todos quero dizer: - Com o Libório Caturra, antes quebrar que torcer.

CARLOS – Ao Cavaco Silva que já se reformou; deixo pastilhas para as azias. Provocadas pelo livro, “Quinta-feira e outros dias” – (Queixinhas…!)

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

JOÃO – Ao meu S.C. de Braga, clube do meu coração; Deixo o meu profundo desejo, um dia ser campeão.

CARLOS – E ao presidente do Braga, que só pensa no cifrão; Deixo as minhas sapatilhas, para treinar com o Simão.

JOÃO – Ao Zé Manel Carneiro, que agora virou ‘MECU’; Muito versado no trajar, deixo um lenço franjeiro, para a Isolina usar.

CARLOS – Aos novos elementos dos Corpos Gerentes da Rusga; na governança há 2 dias. Deixo o meu gato Tareco e, os ‘Caniches’ das Tias.

JOÃO – A minha medalhinha, dou à Rusga com vontade. Não é igual à da câmara, mas é dada com verdade.

JOÃO – Ao João de Vila Verde, tocador polivalente; Deixo o meu Lá-Mi-Ré, para afinar toda a gente.

CARLOS – Às manas de Bouro Santa Maria; cantadeiras a valer. Vou-lhes deixar dois cães polícias, para as mansões delas proteger.

 JOÃO – À Idalina cantadeira, mulher de porte substancial. Oferece-lhe uma capa e sombrinha, assim ficará magistral.

CARLOS – À nossa Sameirinha, e demais meninas que tratam do nosso trajar. Deixo-lhes um anti-traça aromático, para os bichinhos matar.

 JOÃO – Ao Departamento de Comunicação e Imagem, da Rusga de São Vicente. Deixo uma câmara panorâmica, para captar toda a gente.

CARLOS – Às meninas do Facebook, da Rusga de S. Vicente. Deixo as minhas memórias, para divulgar por toda a gente.

JOÃO – Para o casalinho Ventoso, que anda sempre no arejo. Deixo uma mãozinha de cera, para coçar o queijo.

CARLOS – Para o Mário Carcamano, que anda sempre nicado. Deixo umas luvas de pano, para quando ficar entalado.

JOÃO – Para o grupo da Corredoura, antes que me ponham a arder. Deixo a minha vassoura, p’ro terreiro de S. Torcato varrer.

CARLOS – P’ra Ronda da Meadela, amigos da tradição. Deixo a minha tigela e, eles trazem o garrafão.

JOÃO – Para que os bombos da boémia, continuem a rufar. Deixo as minhas cuecas, para quando forem sambar (Ah,ah,ahhh).

Olha o Home, Olha o Home,

Com a geringonça toda a gente come!?

CARLOS – Às meninas do samba, deixo as penas das galinhas. Para que possam fazer, umas belas touquinhas.

 JOÃO – E ao pessoal do Samba, que veio participar. Deixo o meu agradecimento, e p’ró ano é para continuar.

CARLOS – Para eles não ficarem tristes, aos meninos da bateria, vou deixar as minhas peles em agua fria. Depois de bem esticadas, irão tocar com mais energia. (Eh, eh, ehhhhhh).

JOÃO – Aos atletas do “Braga a Correr”, não pensem que me esqueci de vocês. Como diz o nosso povo: “Os últimos serão os primeiros, e, os primeiros os últimos”.

 CARLOS – Para vós caras e caros amigos das correrias, deixo-vos cremes massajadores para todos os gostos. Leite de cabra, mel silvestre e Banha dunto. Se de outras massagens precisarem, não liguem ao ‘Libório Caturra’, consultem outro massagista defunto.

JOÃO – Aos Bravos da Boa Luz, e, esta é para terminar. Deixo as minhas lanternas, p’ró Santo António enfeitar.

CARLOS – E a todos os presentes, sem exceção, lembro-vos que não vos deixo dívidas. Mas antes, a minha carteira vazia. Já que morro tísico, que nem um cão.

JOÃO – Este testamento foi revisto e aprovado pelo tribunal Constitucional. É carnaval e ninguém leva a mal!

 CARLOS – Há 12 anos que arde o Home e, nunca ninguém passou fome. Vamos p’ra S. Vicente e queimámos o Home à vossa frente.

JOÃO – Agora que está lido o Testamento do Libório, vamos até ao adro de S. Vicente, ligamos o Cromatório, bebemos uma pinga e, comemos chouriço quente.

FIM

São Vicente de Braga, 27 de Fevereiro de 2017

O Testador: LIBÓRIO CATURRA

Os testamenteiros:

- Dona Rosita Fina Penugem e,

- Sr. Laranjo Casca Grossa

rsv0217_fts_c_entrudo_foliões_ouvem_testamento0011 (1).jpg

rsv0217_fts_c_entrudo_leitura_testamento0008 (1).jpg

rsv0217_fts_c_entrudo_mascarado0039.jpg

rsv0217_fts_c_entrudo_mascarasdos0012 (1).jpg

rsv0217_fts_c_entrudo_saída_desfile0022 (1).jpg

rsv0217_fts_c_entrudo_testamenteiros0021.jpg

rsv0217_fts_corrida_entrudo_famílias_mascarados0009 (1).jpg

BARCELOS: BALUGÃES HOMENAGEIA AVELINO MESQUITA

O Teatro de Balugas e a Junta de Freguesia de Balugães promovem a homenagem a Avelino Mesquita, a realizar no dia 18 de março, pelas 15h00, no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Balugães. 

16997944_639208212937286_1068493007271049427_n.jpg

Homenagear o autor Avelino Mesquita é, antes de mais, lembrar todas as palavras edificadas sobre a nossa aldeia. Como se pode agradecer a este homem? Será uma pergunta que continuará por responder após esta homenagem.

Uma aldeia e um vale foram guardados por Avelino Mesquita em notícias, crónicas, poesias, contos, monografias, peças de teatro e outros tantos textos, numa linguagem plena de identidade local e autenticidade cultural.

Trata-se do reconhecimento de um escritor que deixa, para a memória futura, toda uma oralidade ancestral, todo um património de lendas e tradições, de figuras e ofícios, cantigas e ladainhas, costumes e modos de vida de uma aldeia.

Aqui saberemos do topo do povoado fortificado da Carmona até às margens do Neiva, todas as palavras, todas as pedras e todos os nomes dos nossos antepassados. Uma memória deixada cartografada e agora é a hora de agradecer esse mapa de afetos!

organização | ABCD - Associação Baluganense de Cultura e Desporto | Agrupamento de Escuteiros n.º 86 – Balugães | 1.ª Companhia de Guias de Balugães | Fraternidade de Nuno Álvares (FNA) Núcleo de Balugães | Grupo de Jovens de Balugães | Grupo Vozes Outonais | Ronda da Ponte das Tábuas | Teatro de Balugas | Junta de Freguesia de Balugães

FAMALICÃO PROMOVE FESTIVAL DE TEATRO AMADOR

Festival de Teatro Amador Terras de Camilo é promovido pelo Grutaca e Câmara Municipal de Famalicão. Teatro gratuito até 20 de maio na Casa de Camilo

Está a decorrer até 20 de maio, no palco do Centro de Estudos Camilianos, mesmo em frente à Casa Museu de Camilo, em S. Miguel de Seide, o Festival de Teatro Amador Terras de Camilo. São onze peças de teatro apresentadas por nove companhias. Os espetáculos decorrem aos sábados (21h30) e aos domingos (16h00) e a entrada é livre até à lotação da sala.

Grutaca abriu festival (2).jpg

O festival que já vai na sua XI edição é promovido pelo Grupo de Teatro Amador Camiliano – Grutaca, em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “este é um festival muito especial que tem como principal objetivo impulsionar a atividade dos grupos de teatro amador, dando a conhecer o seu trabalho e os seus atores, num espaço de referência cultural, como é a Casa de Camilo”.

O festival arrancou no passado dia 25 de fevereiro, com a peça “A Guerra no Tabuleiro de Xadrez”, com a companhia anfitriã, a Grutaca, a dar as boas vindas. É também a Grutaca que no próximo dia 5 de março, pelas 16h00, irá proporcionar uma jornada bem divertida, entre o Mosteiro de Landim e a Casa de Camilo, seguindo o Trilho da Cangosta que conta com a recriação de vários textos camilianos.

No dia 11, é o Grupo de Teatro Amador de Cristelo, em Paredes, que sob ao palco para apresentar “O Segundo Espelho” de Fernando Soares. A 18 de março, o Teatro Amador Artes d’Alegria, de Braga apresenta “O Mistério do Defunto Luís”, de Pedro Rodrigues, uma comédia policial. No dia 25 de março é a vez do Teatro Cem Cenas de Guimarães participar no festival com a peça “Histórias de Baralho”, de Lisa Sousa. O Grupo de Teatro do Centro Cultural Lordelense, de Vila Real vem apresentar no dia 2 de abril, a peça “O Soldado Fanfarrão” de Plauto, com adaptação e encenação de Ricardo Ferreira de Almeida. No dia 8 de abril, a Nova Comédia Bracarense apresenta o texto inédito “Mala de Cartão”, da autoria de José Manuel Barros, uma comédia de costumes à boa maneira do teatro camiliano. “As minhas sogras” é a comédia apresentada pelo Grupo de Teatro Renascer, de Esmoriz, no dia 22 de abril. Entretanto, o festival segue, com a apresentação da peça “O Clube dos Atores”, do Greculeme, Grupo Recreativo e Cultural de Lemenhe, no dia 6 de maio. “O Feiticeiro de OZ” de L. Frank Baum é o título da peça apresentada pelo grupo A2D Didáxis, no dia 14 de maio. Por fim, o Grutaca encerra o festival com a peça “Os Brilhantes do Brasileiro” de Camilo Castelo Branco, no dia 20 de maio.

Pelo meio há ainda tempo para a realização de diversos workshops como as Marionetas de Esponja ou ainda o Teatro de Sombras promovidas pelo Teatro de Marionetas Mandrágora, no dia 27 de março, para as crianças do 1.º ciclo. No mesmo dia irá decorrer na Casa de Camilo, pelas 21h30, uma atividade de colocação de voz e interpretação dramática de Carlos Alexandre Silva. No dia 1 de abril, Carlos Alexandre Silva promove a atividade “Quem conta um conto, acrescenta um ponto” para crianças e jovens.

O programa completo pode ser consultado aqui no site do município emwww.vilanovadefamalicao.org.

Grutaca abriu festival (1).jpg

SEÑORITAS SOBEM AO PALCO EM PONTE DE LIMA

4 de Março – 22h00 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

No próximo sábado, 4 de Março, às 22h00, o recente projecto musical português Señoritas – Mitó Mendes (A Naifa) e Sandra Baptista (A Naifa / Sitiados) – subirá ao palco do Teatro Diogo Bernardes em Ponte de Lima.

senoritas_mupi_.jpg

"Acho que é meu dever não gostar" é o nome do disco de estreia das Señoritas, um dos mais recentes projectos da nova música portuguesa.

Señoritas é o novo projecto de Mitó Mendes (A Naifa) e Sandra Baptista (A Naifa / Sitiados). Em 2015, as Señoritas criam uma nova identidade, partilhando o gosto comum de ensaiar, compor e tocar juntas. Desta vontade, nasceram um conjunto de canções que querem partilhar com o público. São canções que giram em torno de um universo feminino, tendencialmente urbano. Com uma atmosfera densa, feminina e bem portuguesa, numa abordagem singular, canta-se a vida, mas de uma forma crua e directa. As músicas, todas originais, são da autoria da própria banda e as excepções estão enquadradas no mesmo imaginário.

Uma voz, uma guitarra, um baixo e um acordeão, este novo projecto, minimalista, é suportado por sets de programações que realçam a crueza e nudez da linguagem musical.

“Habituadas aos palcos e às multidões dos Sitiados ou d’A Naifa, Sandra e Mitó tocam agora uma com a outra, uma para a outra. Deixam-nos entrar na cabeça delas, no seu passado, nos seus dias e nas suas noites. São as mulheres fortes da sua geração, sem filtros, com medos mas sem medo de os mostrar. São brutas, são doces, são imperfeitas. São Mulheres. São Señoritas. Estou fã”. Ricardo Santos (jornalista)

“Não sendo de todo fácil ouvir estas Señoritas, não é nada difícil gostar delas. Mitó Mendes e Sandra Baptista disparam aqui todas as suas munições. Tudo parece ser muito verdadeiro. Tudo parece ser a cara delas. Não soa a trabalho, soa a prazer. Aos 40 anos, elas recarregam baterias num mundo cheio de deformidades e carências e à mão armada cantam o que lhes vai na alma. Todos terão o direito de não gostar delas, mas ninguém se pode entregar à ignorância de nem sequer as tentar escutar. É crime!” Miguel Azevedo (Vidas - CM)

“As canções sem maquilhagem das Señoritas. Com o fim de A Naifa, Sandra Baptista e Maria Antónia Mendes voltam a juntar-se, agora enquanto Señoritas. Um duo para canções cruas, nascidas sem qualquer ambição de grandiosidade.” Gonçalo Frota (Público - Ipsilon)

No facebook das Señoritas podem obter mais informações: https://www.facebook.com/Señoritas-1735454326740916/

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

JOANE RECEBE “TERRITÓRIOS DRAMÁTICOS”

Um novo encontro de teatro que lança um olhar sobre a diversidade do teatro português a partir de Joane

De 17 a 26 de Março, decorrerá em Joane o primeiro encontro de teatro intitulado de Territórios Dramáticos, promovido pelo Teatro da Didascália, projeto que tem como objetivo traçar ao longo dos anos, um olhar sobre a diversidade estética e artística do teatro produzido por todo o território português.

unnamedJUANE.jpg

Sem excluir da sua programação propostas oriundas das grandes cidades como Lisboa e Porto, o Territórios Dramáticos irá acolher espetáculos produzidos a partir de regiões tão diversas como Vila Real, Fundão, Águeda e claro está Vila Nova de Famalicão.

Desde os anos 70, numa altura em que a oferta cultural na região era escassa, foi pela mão da Associação Teatro Construção, uma antiga e importante associação de teatro ainda em funcionamento em Joane, que se apresentaram, pela primeira vez na região, alguns dos mais importantes projetos teatrais do país: o Bando, a Barraca, a Casa da Comédia, o TEAR, a Seiva Trupe, O Teatro Experimental de Cascais, O Teatro Experimental do Porto, o Teatro Oficina, e muitos outros. O Teatro da Didascália, sedeado também em Joane desde 2008, criou este encontro por considerar urgente falar e refletir sobre um território com um passado fortemente ligado ao teatro, e a partir dele, conhecer e pensar outros projetos enraizados noutros territórios.

A abertura deste 1ª encontro de teatro fica a cargo do Teatro Experimental do Porto que leva até Joane o seu espetáculo Casa Vaga que conta a história de três portugueses que emigram para o faroeste norte-americano em busca de melhores condições de vida e de trabalho. No dia seguinte é a vez se subir a palco o espetáculo Levantado do Chão, a partir da obra de José Saramago, pela mão do Algures, Coletivo de Criação.

A segunda semana arranca pela mão da ESTE - Estação Teatral da Beira Interior, que trás do Fundão o espetáculo BambaVambaWamba. No sábado, 25 de março, no café-concerto do CCJJ será apresentado o espetáculo Reportório Osório, da d’Orfeu Ass. Cultural, com um desfiar de histórias pessoais no masculino.

O Territórios Dramáticos é também um espaço de partilha entre o teatro e os mais variados públicos e sensibilidades. O encontro e o diálogo entre artistas e público será estimulado através de Cear e Falar, que acontecerá após os espetáculos, um convite para público e artistas partilharem a mesa. Num serão onde para além do confronto de ideias, haverá também um combate gastronómico, em que o anfitrião Vinho Verde abrirá o apetite a um doce ou salgado típico da região da companhia convidada.

Nestas duas semanas de programação, para além dos espetáculos haverá também a projeção de dois filmes que têm como ponto de partida o teatro. O primeiro a ser exibido será o Até ao Canto do Galo, criado pela companhia Peripécia Teatro em parceria com o realizador espanhol Ramón de los Santos, que teve como base para a criação o espetáculo desta mesma companhia, Ibéria: a Louca História de uma Península. O segundo e último filme deste encontro será o Amar, Beber e Cantar. Último filme do realizador francês Alain Resnais, que adaptou para cinema a peça “Life of Riley”, do dramaturgo inglês Alan Ayckbourn.

Os domingos à tarde serão dedicados ao público familiar. Dia 19, a companhia anfitriã, o Teatro da Didascália, apresenta o espetáculo Guarda Mundos, concebido especialmente para os mais novos e que será ainda levado à cena para o público escolar no dia 21. O encontro Territórios Dramáticos termina no domingo, 26 de março, com o espetáculo A Cores, da Peripécia Teatro. Um espetáculo para o público familiar onde a protagonista é a tinta e as cores.

O bilhete normal para os espetáculos tem um custo de 4 euros. Existe desconto para estudantes, maiores de 65 anos e sócios da ATC – Ass. Teatro Construção, ficando o valor do bilhete nestes casos por 3 euros. Os filmes têm entrada gratuita.

TEATRO DA DIDASCÁLIA é uma estrutura artística profissional que tem como principal actividade a criação e a programação de artes performativas, perseguindo um trabalho de pesquisa e de cruzamento estético com o objectivo de fazer surgir uma linguagem própria e inovadora. 

Do seu trabalho de programação destacam-se os festivais VAUDEVILLE RENDEZ-VOUS, festival internacional dedicado ao circo contemporâneo, o festival CONTOS d'AVÓ, um festival de narração oral organizado dentro das casas das avós das freguesias rurais do concelho de Vila Nova de Famalicão e o recentemente criado encontro de teatro Territórios Dramáticos. 

CERVEIRA REALIZA ENCONTROS DE TEATRO

Quatro sábados de março dedicados ao teatro

Ambiciosa e aliciante, assim se apresenta a 6ª edição dos ETC… Encontros de Teatro de Cerveira, num ciclode quatro espetáculos de teatro de drama, comédia rural galega, revista e humor. “Tu Queres é Revista”do autor e ator Tozé Martinho é um dos destaques deste ano. Entrada livre.

Cartaz - ETC... (6ª Edição).jpg

Em março, ‘Cerveira, Vila das Artes’ volta a celebraro teatro como arte performativa de eleição. Durante os quatro sábados, o Cineteatro de Cerveira acolheespetáculos com géneros e formatos diversificados que prometem sala cheia.

O primeiro espetáculo entra em cena, já no próximo sábado, 4 de março, com ‘prata da casa’. O Grupo Amador de Teatro de Cerveira – Outra Cena apresenta uma peçadramática intitulada “Efetivamente Não Somos Só Nós”, a partir de textos de ‘O Terror, Miséria no Terceiro Reich’ de Bertolt Brecht e ‘É só Isso, Candidato e Conferência de Imprensa’ de HaroldPinter.

No dia 11 de marçosobe ao palco “Amor Dáñino ou a Vítima das Súas Virtudes” representada pelo Lameiro – Companhia de Teatro de Vigo, uma comédia rural galega muito divertida, escrita originalmente por Juan José Alonso Millán, com o título de “Amor dañino ou a vítima das súas virtudes” (1970).

“Tu Queres é Revista” pelo Aplaude Sucesso, agendada para o dia 18 de março, é o grande destaque do programa centrada na revista do grande autor e ator Tozé Martinho, com vários números musicais e muitas histórias revestidas de humor, sátira e originalidade.

Para encerrar os ETC 2017, a sugestão para o dia 25 de março é “Fugir à Retina”, que acolhe o regresso aos palcos do humorista Miguel 7 Estacas, depois de um momento de pausa por motivos clínicos, sendo o Cineteatro de Cerveira uma das primeiras salas do país a receber este grande humorista, depois dos Coliseus do Porto e Lisboa.

Ao longo de cinco anos, o ETC… Encontros de Teatro de Cerveira tem espalhado humor, riso e gargalhadas e, esta 6ª edição,aposta na continuidade das boas emoções que o teatro transmite ao público.

Para maiores de 12 anos, os quatro espetáculosde teatro têm início às 21h30, no Cineteatro de Cerveira, com entrada livre sujeita à lotação do espaço.

VIANA DO CASTELO É UMA COMÉDIA

Os bilhetes para o espetáculo Commedia a La Carte - CIRCUS, a realizar no dia 17 Março, no Centro Cultural de Viana do Castelo já se encontram disponíveis para venda.

image004comedviana.jpg

-  Locais de venda: Teatro Municipal Sá de Miranda, nos horários habituais da bilheteira (segunda a sexta-feira, das 9h00 às 19h00; em dias de espetáculo: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 22h00); sábado e domingos em dias de espetáculos, (2 horas antes).

www.ticketline.sapo.pt.

  • Classificação etáriaM/16 anos
  • Custo do bilhete  PLATEIA e/ou BANCADA: 15€

 No dia do espetáculo, se a lotação não estiver esgotada, poderão adquirir bilhetes na bilheteira do Centro Cultural entre as 18h00 e as 21h30.

  • Aceitam-se reservas de bilhetes, unicamente, por  email: tmsm@cm-viana-castelo.pt, com um prazo de levantamento de 24 horas, caso contrário a reserva ficará sem efeito.

Há bilhetes de plateia e bancada, pelo que deverão mencionar na reserva o desejado.

  • Não há lugares marcados.

PONTE DE LIMA APRESENTA A PEÇA “O MEU PAÍS É UM INSUFLÁVEL, A PARTIR DE MÁRIO CESARINY | FÉRTIL CULTURAL”

25 de Fevereiro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Em estreia absoluta, o Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta o espectáculo de teatro O Meu País é um Insuflável, a partir de Mário Cesariny, pela Fértil Cultural, com encenação de Rui Alves Leitão, numa co-produção Fértil Cultural (Fértil – Associação Cultural), Teatro Diogo Bernardes e Fundação Cupertino de Miranda.

O meu país é um insuflável _ Teatro Diogo Bernades_25 feve_21h30.jpg

"Queria de ti um país de bondade e de bruma

Queria de ti o mar de uma rosa de espuma"

É deste poema, de Mário Cesariny, que partimos para criação do espectáculo “O Meu País é Um Insuflável”, onde questionamos esta bondade e bruma sebastianista que nos assombra há centenas de anos, ou que não nos assombra, porque até gostámos deste sentimento meio melancólico que de certa forma representa

a nossa portugalidade. A saudade não sabemos bem do quê.

Mário Cesariny foi um poeta português incontornável do Século XX e deixou-nos uma reflexão ímpar sobre Portugal e a nossa forma de viver nas suas obras Discurso Sobre a Reabilitação do Real Quotidiano (1952) e Nobilíssima Visão (1959). Aproveitando estes pensamentos traduzidos na excelência da sua poesia, criámos um espectáculo que nos faz despertar de novo para esta reflexão.

“O Meu País é Um Insuflável” é um espectáculo que mistura o teatro, a dança, a manipulação de objectos e a música num momento único e que põe em causa a regularidade das coisas, assim como Mário Cesariny fazia no seu quotidiano.

Poesia Mário Cesariny

Encenação e Dramaturgia Rui Alves Leitão

Interpretação Neusa Fangueiro, César Cardoso, Filipe Oliveira e Paulo Capela

Direcção Musical César Cardoso

Música Alice Power Trio

Desenho de Luz Paulo Neto

Consultoria Artística António Gonçalves, Marlene Oliveira e Perfercto E. Cuadrado

Co-produção Fértil Cultural, Teatro Diogo Bernardes e Fundação Cupertino de Miranda

Apoio Documenta

Agradecimentos Manuel Rosa

Classificação Etária M12

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

IDOSOS LIMIANOS PRESTAM TRIBUTO A VASCO SANTANA

Idosos do concelho participam em sessões de tributo a Vasco Santana

Vários centros de apoio à comunidade sénior do concelho de Ponte de Lima participaram no ciclo de cinema em homenagem a uma das figuras mais emblemáticas da comédia portuguesa – Vasco Santana – que decorreu, na semana passada, no Auditório da Biblioteca Municipal.

rsz_dscn9962.jpg

Ao longo de cinco dias, os idosos do Centro Social e Paroquial de Arcozelo, do Centro de Dia de Beiral do Lima e dos centros paroquiais e sociais de Santa Maria dos Anjos, de Rebordões Santa Maria, de Santa Cruz do Lima e de Calheiros puderam assistir a alguns dos maiores sucessos da filmografia de Vasco Santana, de que se destacam “O pai tirano”, “A canção de Lisboa”, “O pátio das cantigas” e “Fado: história d’uma cantadeira”, que junta o comediante à diva do Fado, Amália Rodrigues.

As películas exibidas no âmbito da homenagem a um dos ícones da época de ouro da cinematografia nacional encontram-se disponíveis para empréstimo na Sala de Audiovisuais, local onde está patente um painel biográfico com os principais momentos da vida e obra do ator.

COMPANHIA “A TURMA” LEVA À CENA EM PONTE DE LIMA A PEÇA “A NOITE CANTA, DE JON FOSSE”

11 de Fevereiro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

O teatro regressa ao palco do Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, no próximo sábado, 11 de Fevereiro, às 21h30, pela companhia A Turma que apresenta o espectáculo “A Noite Canta”, a partir de texto de Jon Fosse, com encenação de Tiago Correia e interpretação de Ana Moreira, António Parra, Pedro Almendra, António Durães (voz) e Cristina Carvalhal (voz). Destaque-se que Pedro Almendra foi, na presente semana, nomeado para o prémio de Melhor Actor 2017 da Sociedade Portuguesa de Autores.

a_noite_canta_mupi_.jpg

Em "A Noite Canta" vive-se o dia de um jovem casal com um filho recém-nascido. Num último esforço para a realização individual, os desejos de ambos colidem de forma assoladora.

Na sala-de-estar da sua casa - apresentada ora como prisão, ora como refúgio do mundo - assistimos, muito próximos, a uma tragédia contemporânea íntima e delicada, que explora as fraquezas de um casal a adiar o fim da relação.

Numa linguagem escassa, de palavras aparentemente banais, com uma música própria, feita de repetições e silêncios, a morte surge inesperadamente.

Jon Fosse abre janelas para a nossa vida, para questões existenciais. Escreve com amor e empatia sobre os que são deixados para trás. As suas personagens surgem frequentemente em estado de sonolência ou de fadiga, porque não podem deixar de pensar no que pode acontecer.

A possibilidade é sempre mais real do que o atual. É por isso que ele escreve sobre mudanças. Como se cada lugar novo pudesse oferecer o que o passado não conseguiu. A vida não é senão esperar, estar suspenso entre o passado e o futuro, num presente que não pode ser capturado.

Todos têm o mesmo medo de serem abandonados.

Encenação e Dramaturgia Tiago Correia

Texto a partir de "A Noite Canta os Seus Cantos" de Jon Fosse

Tradução Pedro Porto Fernandes

Interpretação Ana Moreira, António Parra, Pedro Almendra, António Durães (voz) e Cristina Carvalhal (voz)

Cenografia Ana Gormicho

Figurinos Patricia Shim

Desenho de Luz Francisco Tavares Teles (digressão/2017) e Rui Monteiro (estreia/2016)

Música Original e Sonoplastia Nélson Silva

Imagem e Registo Francisco Lobo

Design Gráfico Inês Gomes Ferreira

Coordenação Técnica de Som Tiago Ralha

Produção Tiago Correia e Vera Marques

Apoio Pedras e Pêssegos

Coprodução A Turma, Cão Danado, Teatro Municipal do Porto e 39º FITEI

Duração 1h30 (aproximadamente)

Classificação Etária M12

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

GOD: ESPETÁCULO DIVINAL SOBE AO PALCO DO CINE TEATRO JOÃO VERDE ESTE SÁBADO EM MONÇÃO

Joaquim Monchique, rei do universo e criador do espaço e do tempo, agora também estrela nos palcos, promete momentos hilariantes e doses de gargalhadas. A comédia “God” está a escassos lugares de ficar esgotada. Últimos bilhetes, a 10.00 € cada, podem ser adquiridos na Loja Interativa de Turismo (T. 251 649 013).

Monchique (Large).jpg

 

A comédia “God”, protagonizada por Joaquim Monchique, sobe ao palco do Cine Teatro João Verde este sábado, 4 de fevereiro, pelas 21h30. A sala, com capacidade para 292 lugares sentados, está praticamente completa. Últimos bilhetes, a 10.00 € cada, podem ser adquiridos na Loja Interativa de Turismo (t. 251 649 013).  

Neste espetáculo divinal, com texto original de David Javerbaum (vencedor de 13 emmys e 2 grammys) e encenação de António Pires, Joaquim Monchique, rei do universo e criador do espaço e do tempo, agora também estrela nos palcos, promete proporcionar vários momentos hilariantes e arrancar doses de gargalhadas ao público presente.

Na sinopse, pode ler-se: “No dia e à hora marcada para este espetáculo, Deus vai descer à terra. Para que o público o possa ver e ouvir, através de Joaquim Monchique, vai anunciar o estado das coisas na terra que, como era de esperar, não se encontra de boa saúde.

Chegou pois a hora de Deus e os seus dois anjos, Miguel e Gabriel, mudarem o rumo da humanidade e tornarem a vida terrena mais aprazível. Com um extraordinário sentido de humor, a comédia que fez furor na Broadway está agora em Portugal. Preparem-se. Ele vem aí”.

BARCELOS LEVA TEATRO E MÚSICA AO TEATRO GIL VICENTE

Fevereiro com cinema e música portuguesa no Teatro Gil Vicente

A programação de fevereiro para o Teatro Gil Vicente fica marcada pela presença destacada da produção artística nacional.

A ZOOM - Associação Cultural promove o ciclo de cinema Porto/Post/Doc, no dia 22, com a exibição dos filmes “Vandoma”, de Bernardo Bordalo, Bruno Lança e Rui Oliveira, e “Ama-san”, de Cláudia Varejão, que retrata uma tradição milenar japonesa da apanha de moluscos em apneia por grupos de mulheres.

Antes disso, a 16 de fevereiro, será exibida a premiada longa-metragem “Ornitólogo”, de João Pedro Rodrigues, considerada por muitos como o melhor trabalho do realizador até à data. “É Apenas o fim do mundo” (dia 2), de Xavier Dolan, e “Ela” (dia 23), de Paul Verhoeven, que integra o ciclo dedicado à atriz Isabelle Huppert, completam o cartaz mensal. A Associação dá continuidade ao Programa Sénior, exibindo o clássico “Flor do Equinócio” (dia 8), de Yasujiro Ozu, cuja obra será alvo de um ciclo de programação. Também no âmbito do Programa Sénior, o Instituto Autodidacta de Estudos Superiores do Minho apresenta a peça de teatro “Um Tesouro do tamanho do mundo”, nos dias 15 e 17 de fevereiro.

A dança chegará ao Gil Vicente pelas mãos da Associação Amigos do Ballet, que sobe ao palco com “Sequência: um, dois, três!”, a 4 e 5 de fevereiro, num espetáculo que cruza as danças clássica e contemporânea. Durante o dia 4, o bailarino e coreógrafo Álvaro Ribeiro Santos vai dirigir um workshop técnico no Teatro Gil Vicente. A inscrição custa 5 euros e deverá ser enviada para o e-mail aab.amigosdoballet@gmailc.om

Na terra do rock, a música não pode faltar. Das guitarras elétricas ao cavaquinho, três concertos preenchem a agenda musical: L-Blues (dia 10), Indignu (dia 18) e Daniel Pereira (dia 24). A fechar o mês, o Teatro Experimental de Mortágua sobe até ao Minho, no dia 25 de fevereiro, para apresentar “Péricles”, de William Shakespeare.

CÂMARA DE CAMINHA LEVA TEATRO ÀS ESCOLAS

“A Dra. Ricágua vai à escola”, da Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho, é a peça de teatro em digressão

“A Dra. Ricágua vai à escola” é a peça de teatro que está em itinerância pelas escolas básicas e jardins-de-infância do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais. Trata-se de mais uma iniciativa da Câmara Municipal de Caminha no âmbito da educação e que consiste em levar o teatro às escolas do concelho. A “A Dra. Ricágua vai à escola”, uma produção da Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho, já passou pelo Centro Escolar de Dem, EB e JI de Seixas, Centro Escolar de Vilar de Mouros e EB de Vilarelho.

Câmara leva teatro às escolas (1).jpg

Até março, todas as crianças que frequentam as escolas básicas e os jardins de infância do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais têm a oportunidade de assistir à peça de teatro “A Dra. Ricágua vai à escola”, uma produção da KRISÁLIDA.  Esta peça insere-se no projeto pedagógico “KrisálidaEduka” cujo objetivo é levar para as salas de aula as técnicas do teatro e aplicá-las na comunicação do conhecimento, ou seja, apresentar um trabalho artístico integrante de uma vertente pedagógica.

Neste caso concreto, a peça de teatro “A Dra. Ricágua vai à escola” insere-se na temática Educação Ambiental, subordinado à água.Quanto à sinopse desta peça sobre a água, avançamos: “Uma cientista muito séria e uma assistente distraída, numa escola, são a combinação perfeita para uma divertida experiência, onde tudo pode acontecer! Recorrendo a diversas técnicas das formas animadas e falando de coisas sérias, de forma lúdica e sensorial, estas duas personagens vão mostrar qual a importância da água na nossa vida. Desde a gestação, aos alimentos, aos órgãos do corpo e na natureza. As crianças terão a oportunidade de perceber que a água está em tudo: no céu, nas nuvens, nos lençóis freáticos, nas lágrimas, no suor, no sangue, nos ossos, na pele e até no cabelo. Serão mostrados os diferentes estados da água – gasoso, líquido e sólido, assim como o ciclo da água e quais as partes do planeta que têm água salgada e água doce. Isto tudo chamando a atenção para a escassez de água potável no mundo, de forma a tomarem consciência do uso da água sem desperdícios”.

A ficha técnica é a seguinte: o texto é da responsabilidade de Carla Magalhães e Maria Meixeiro; a encenação está a cargo de Carla Magalhães; a assistência de encenação de Maria Meixeiro; a interpretação Maria Meixeiro e Filipa Almeida; o dispositivo cénico,figurinos e construção de marionetas são da autoria de Carla Magalhães; o design gráfico é de Filipa Figueiredo; a produção executiva de Carla Magalhães e o secretariado Maria Meixeiro.

“A Dra. Ricágua vai à escola” já foi apresentada no Centro Escolar de Dem, EB e JI de Seixas, Centro Escolar de Vilar de Mouros e na EB de Vilarelho. Em fevereiro, vai continuar em digressão pelo JI de Moledo, EB de Moledo, JI/EB de Venade, EB de Lanhelas, JI/EB de Âncora, JI de Vila Praia de Âncora e Escola Básica e Secundária do Vale do Âncora. A itinerância termina no mês de março, no JI/EB de Caminha.

Câmara leva teatro às escolas (2).jpg

A “TRETA” REGRESSA EM FEVEREIRO À CASA DAS ARTES EM FAMALICÃO

“Filho da Treta” e Sean Riley & The Slowriders são os principais destaques de fevereiro do espaço cultural famalicense

Em fevereiro, a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão volta a receber a visita de uma das personagens mais divertidas da comédia portuguesa. O Zezé está de volta e com ele regressa também a genuína conversa da treta.

Filho_da_Treta.jpg

Escrito por Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins, o espetáculo “Filho da Treta” sobe ao palco do grande auditório da Casa das Artes nos dias 17 e 18 de fevereiro.

Na peça, Zezé (José Pedro Gomes) “prossegue a sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas”, mas desta vez na companhia de Júnior (António Machado). “Numa comovente irritação entre duas gerações perdidas, discutem-se tascas gourmet, os refugiados, os paus de selfie, as novas famílias e outras pragas que assolam o mundo moderno”.

Mas o mês mais curto do ano traz ainda mais sugestões em agenda.

Na música destaque para o concerto da banda portuguesa Sean Riley & The Slowriders, no dia 11, no grande-auditório, e para o techno e hip-hop de PZ, no dia 18 de fevereiro, no café-concerto.

Nos dias 3 e 4 de fevereiro, a Academia do Espetáculo de Famalicão apresenta a peça“Miséria”. Um espetáculo produzido a partir de “Terror e Miséria do Terceiro Reich” de Bertolt Brecht, sobre a realidade da sociedade alemã sob o domínio nazi.

Entretanto, no dia 10 de fevereiro a Companhia de Dança Contemporânea de Évora sobe ao palco do grande auditório com o espetáculo “In-Shell-Side”, dirigido e coreografado por Nélia Pinheiro.

Por fim, e como estamos em mês de Óscares, a Casa das Artes exibe dois filmes nomeados para os maiores prémios da indústria do cinema - “Silêncio”, de Martin Scorsese, no dia 4, e“La La Land – Melodia de Amor”, no dia 25.

Mais informações em www.casadasartes.org

POVOA DE LANHOSO ORGANIZA CONCURSO NACIONAL DE TEATRO

XIII Concurso Nacional de Teatro abre este sábado com “Medeia”

Inicia este sábado a XIII edição do Concurso Nacional de Teatro da Póvoa de Lanhoso (CONTE), organizado pelo Município da Póvoa de Lanhoso e pela FPTA - Federação Portuguesa de Teatro e com o apoio da Fundação INATEL.

Theatro Club da Povoa de Lanhoso.jpg

O certame decorrerá entre os dias 28 de janeiro a 4 de março, no Theatro Club, com espetáculos todas as sextas e sábados, pelas 21h45.

A Cerimónia de Encerramento e de Entrega dos Prémios, com especial destaque para o Prémio Ruy de Carvalho para a Melhor Produção, decorrerá no dia 4 de março, no mesmo local, pelas 21h00, e contará com a apresentação de Rafa Leite.

O primeiro espetáculo a concurso vem de Ovar e é apresentado pela Contacto - Companhia de Teatro Água Corrente de Ovar.

"Medeia" de Mário Ribeiro, a partir de Eurípedes, subirá ao palco do Theatro Club este sábado, dia 28 de janeiro, pelas 21h45.

Com encenação de Manuel Ramos Costa e interpretação de Aurora Gaia, galardoada no CONTE 2016 com o Prémio Prestígio e Personalidade - Fundação INATEL.

SINOPSE:

“Mário Cláudio, a partir do texto de Eurípedes recria, numa versão suavizada, «Medeia», a viver no século XXI. Jasão, amante e marido desta medeia contemporânea, é um homem calculista, vaidoso e preocupado, antes de tudo, com a obtenção da promoção social. Obcecado com o acesso ao poder, não hesita em trocar a vida com restrições, ao lado de uma mulher mais velha, cuja beleza começa já a declinar e não favorece a sua ascensão social. Um pouco como o Jasão clássico que ambicionava casar-se com a filha do rei de corinto e tornar-se o príncipe consorte”.

Género -  Drama

Duração - 90 minutos sem intervalo 

Para maiores de 14 anos 

Texto: Mário Cláudio

Grupo: Contacto - Companhia de Teatro Água Corrente de Ovar

Cenografia: José Correia / Ambiente Sonoro: Manuel Ramos Costa / Desenho de Luz: Artur Leite / Guarda-roupa: Daniela Fula / Encenação: Manuel Ramos Costa / Elenco: Aurora Gaia

TEATRO ENCERRA PRIMEIRAS SEMANAS DO CAFÉ CULTURAL-RESIDÊNCIA ARTÍSTICA EM CELORICO DE BASTO

As primeiras semanas culturais promovidas pelo projeto Café Cultural – Residência Artística terminaram em Celorico de Basto no sábado, 21 de janeiro, no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, com a apresentação de uma performance e uma peça de teatro com as lendas e tradições de Celorico como enfoque.

_DSC2021.jpg

“Esta peça foi o encerramento da primeira fase de um projeto que ainda agora iniciou. O Café Cultural – Residência Artística mostra-se como um projeto muito aliciante que traz muito a este concelho, muita alegria, muita cultura, muita arte, muito conhecimento que ganha um incremento especial pela inclusão de todos aqueles que gostem da arte. É um projeto para todos” disse o vereador da Cultura do município de Celorico de Basto, Fernando Peixoto.

Em palco estiveram os artistas convidados para a residência artística, a conceituada atriz brasileira, Ieda Dias, a atriz portuguesa Dalila Lourenço e o artista plástico Francisco Camilo. Estes artistas contracenaram com os artistas do Grupo de teatro Celoricense e com aqueles que participaram no workshop de teatro.

Para fevereiro, o Café Cultural – Residência Artista regressa com novas artes nomeadamente a música. As artes plásticas, nomeadamente o graffiti, voltarão a estar presentes em Celorico de Basto.

_DSC2083.jpg

_DSC2086.jpg

_DSC2087.jpg

FAMALICÃO LEVA MÚSICA E TEATRO À CASA DAS ARTES

Sugestões para este fim-de-semana no espaço cultural famalicense: Mirror People e Teatro do Bolhão na Casa das Artes

O terceiro fim-de-semana do ano na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão vai ficar marcado pela música e pelo teatro. A sonoridade dos Mirror People e a peça “A Vida de Galileu” são as propostas do espaço cultural famalicense para o próximo sábado, dia 21 de janeiro.

A Vida de Galileu.jpg

Protagonizada por António Capelo, a peça “A Vida de Galileu” marca o regresso do Teatro do Bolhão ao autor germânico Bertolt Brecht, que neste seu texto tematiza o confronto entre a verdade da ciência – que tem de ser confirmada e demonstrada – e a verdade da religião – um ato de fé.

A peça sobe ao palco do grande auditório, a partir das 21h30. Os bilhetes já se encontram à venda, tendo o custo de 8 euros para o público em geral e reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.

No mesmo dia, mas no café-concerto, a Casa das Artes recebe o concerto dos Mirror People.

A banda portuguesa, que junta influências do “disco sound” dos anos 70 com sons atuais da música de dança, prepara-se para lançar o seu segundo álbum de originais, intitulado “Bring the Light”, para o qual Rui Maia, mentor deste projeto musical, convidou a banda que o acompanha em palco (Maria do Rosário, João Pascoal e Hugo Azevedo) e o vocalista Jonny Abbey.

O concerto está marcado para as 23h30. A entrada tem o custo de 6 euros, reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.  

Mais informações em www.casadasartes.org.

Mirror People - Promo Foto Andre Leiria.jpg

FAFE ORGANIZA ENCONTRO PEDAGÓGICO DE TEATRO

IV Encontro Pedagógico do Teatro para Infância e Juventude

Dias 17 e 18 de abril de 2017

Trata-se da 4ª edição deste programa que tem como principal objetivo contribuir para uma maior sensibilização dos professores, principais agentes na formação cultural das crianças e dos jovens, oferecendo-lhes novas ferramentas práticas e teóricas, que incentivem as suas práticas docentes estabelecendo pontes entre a arte e o ensino para a formação de novos públicos.

 Nesta edição o programa pretende incrementar novos elementos de comunicação e difusão do evento. Proporcionar um maior envolvimento das escolas incluindo a participação dos alunos. Realizar a transmissão do ENCONTRO através de canais da internet possibilitando uma maior difusão e participação de professores de outros lugares e países. Abrir novos canais de aproximação entre a escola e a sociedade e a arte como veículo de sensibilização humana.

Estão confirmadas as presenças de reconhecidos especialistas portugueses, brasileiros e espanhóis (Dra Ingrid Dormien Koudeia; Jorge Larossa Bondia; Escola da Ponte; Adelino Calado, Diretor do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e Alice Vieira).

Programa em anexo

Formação creditada:

Pelo CCPFC

Curso de Formação de 18 horas

Inscrições:

http://cffh.pt/index.php?pagina=ver_accao&accao=iv-encontro-pedagogico-do-teatro-para-a-infancia-e-juventude

para educadores e professores

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdEilRlTc1PdpXv_e3rAE1lh4UTq1iBj1LhGnXBob4GnPER5g/viewform ou facebook/fafecidadedasartes

para outros interessados

Organização:

Câmara Municipal de Fafe

Fafe Cidade das Artes

Contactos:

fafecidadedasartes@gmail.com

913340546

flyer-IV encontropedagogico-01.jpg

flyer-IV encontropedagogico-02.jpg

NOVO PROJETO DA COMÉDIAS DO MINHO LEVA A MELGAÇO A FORMAÇÃO ‘QUE CINEMA É ESTE?’

Universidade Invisível é a nova aposta da companhia e tem inscrições abertas a partir de hoje

A Universidade Invisível é o novo projeto da Comédias do Minho para 2017. Com o tema ‘Que arte é esta? Pequenas histórias…’, o projeto ocupa um município do Vale do Minho, de cada vez, ao longo de um fim de semana. As inscrições estão abertas desde hoje, 13 de janeiro, para todos os módulos de formação teórica e podem ser feitas no site da entidade: www.comediasdominho.com. As inscrições são gratuitas, mas limitadas no número de participantes (limitada a 30 participantes em cada um dos módulos).

Universidade Invisível  (3).jpg

A Comédias do Minho pretende com o projeto que as aproximações à arte se façam através de abordagens teóricas (módulos de formação, conferências / conversas), de espetáculos, concertos, filmes e livros. Para tal as opções são várias para que cada um, em função dos seus interesses, formações, idade e até disponibilidade de tempo, possa escolher. Assim, a formação teórica organiza-se em sessões temáticas em torno de vários géneros artísticos: Artes Visuais, Teatro, Performance, Música, Cinema e Dança. As sessões, orientadas por diferentes formadores, têm em comum uma abordagem que parte da contemporaneidade e da frequente estranheza que as obras de arte atuais provocam, para uma viagem no tempo que ajude a perceber melhor os caminhos percorridos pelas práticas artísticas. Este é também um lugar onde se deseja que a conversa aconteça e se pense em conjunto.

Em Melgaço será abordada a temática do Cinema, com a formação ‘Que cinema é este?’, que acontece nos dias 20 e 21 de outubro (sexta-feira: 21h00 – 23h00 | sábado: 10h00 - 13h00 e das 15h00 -16h30).

Sinopse

O documentário observacional é muitas vezes visto como um ato de captação alheio a um pensamento complexo de construção. Neste módulo a companhia pretende mostrar como esta prática se tornou num 'modo de fazer' e num 'gesto de pensar', evoluindo através dos tempos. Hoje vive-se numa sociedade saturada de imagens, onde qualquer um tem à disposição inúmeros meios digitais capazes de filmar fragmentos díspares da realidade. Com a proliferação dos reality shows, o Big Brother de George Orwell ganhou uma dimensão lúdica e visível. ‘Somos todos apenas 'voyeurs'? Onde está a linha ténue que distingue o cinema de modo observacional do resto? E será o próprio cinema indiferente à sociedade digital onde se insere?’, chama a atenção a Comédias do Minho.

FORMADOR Pedro Filipe Marques

Porto, 1976. É licenciado em realização cinematográfica pela ESTC, tendo desenvolvido trabalhos no cinema desde 1999, nas áreas de montagem e realização. Colabora em projetos de teatro desde 2009, tanto na realização de vídeos como em dramaturgia. Em 2013, concluiu o seu mestrado em Comunicação e Artes na Universidade Nova de Lisboa. Do seu trabalho como realizador, destacam-se as longas-metragens documentais 'A Nossa Forma de Vida' (2011) e 'O Lugar Que Ocupas' (2016).

Programação do projeto Universidade Invisível:

3 e 4 FEV | VILA NOVA CERVEIRA| O encontro com a obra de arte. Isto é arte?

3 e 4 MAR | VALENÇA | Que teatro é este?

28 e 29 ABR | LOCAL A DEFINIR | Performance?! O que é?

15 e 16 SET | MONÇÃO | Que música é esta?

20 e 21 OUT | MELGAÇO | Que cinema é este?

1 e 2 DEZ | PAREDES DE COURA | Que dança é esta?

Podem se inscrever maiores de 15 anos e que tenham interesse pelas artes visuais, teatro, performance, música, dança e cinema. A Ficha de inscrição está disponível em www.comediasdominho.com, bem como todo o programa da companhia.

A saber que a Comédias do Minho é um projeto cultural que começou em 2003, com a colaboração dos municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova da Cerveira, destinado a criar uma companhia de teatro profissional.

A sua missão é dotar o vale do Minho de um projeto cultural próprio, adaptado à sua realidade socioeconómica e, portanto, com um enfoque especial no envolvimento das populações, a partir da construção de propostas de efetivo valor participativo e simbólico, para as comunidades a que se dirigem.

"OS TRÊS PORQUINHOS" PASSEIAM-SE POR BRAGA

“Olh’Ó Teatro” leva 14 espectáculos às freguesias de Braga. Segunda edição de programa itinerante arranca a 22 de Janeiro

A segunda edição do programa de teatro itinerante “Olh’’Ó TEATRO” inicia-se no próximo dia 22 de Janeiro, às 16h00, no Auditório da Junta de Freguesia de Este S. Pedro. ‘Os Três Porquinhos e os Dois Irmãos’ é o título da peça que será protagonizada apela companhia Mala’Darte.

OS  TRÊS PORQUINHOS E OS DOIS IRMÃOS-  MALAD’ARTE - janeiro.jpg

Organizado pelo Município de Braga, este programa resulta do desafio lançado às companhias e grupos de teatro amador do Concelho com vista a potenciar a sua actividade criativa e artística, promovendo-se assim uma verdadeira descentralização cultural.

O programa estende-se até ao mês Dezembro e prevê a realização de 14 espectáculos em 14 freguesia do Concelho.

CELORICO DE BASTO APRESENTA MONÓLOGO SOBRE FRIDA KAHLO

Ieda Dias, atriz brasileira, presente na iniciativa “Café Cultural – Residência Artística” de Celorico de Basto, vai apresentar, dia 14 de janeiro, sábado, pelas 21h00, no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, o Monólogo sobre Frida Kahlo “Frida e Eu”.

frida (1).jpg

 

A atriz, com uma longa carreira, está em Celorico de Basto integrada no projeto Café Cultural e será uma das atrizes a promover uma oficina de teatro direcionada a todos os interessados. Ieda Dias vai ainda trabalhar com os idosos que integram o programa Celorico a Mexer, que começaram, recentemente, a ter aulas de teatro. Paralelamente à apresentação do monólogo “Frida e Eu”, no dia 14 de janeiro será ainda apresentado um projeto conjunto saído da oficina de teatro promovida no dia anterior.

“ A Ieda Dias é uma atriz conceituada que veio a Celorico de Basto para mostrar um pouco da sua arte. De facto, o teatro tem crescido exponencialmente neste concelho muito por causa do Grupo de Teatro Celoricense que promove peças com várias turmas e faixas etárias distintas. A presença destes artistas é uma forma de motivação e incentivo para os nossos artistas locais e todos aqueles que gostam de teatro” disse Fernando Peixoto, Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Celorico de Basto. “Apesar de existirem parceiros no Centro Cultural-Residência artística, o projeto é aberto à participação de toda a população”, reforçou.

Para além de Ieda Dias, o Café Cultural tem outra atriz residente, Dadila Lourenço.

Francisco Camilo, conceituado artista plástico, que se tem vindo a evidenciar no graffiti, é também artista residente no café cultural, e vai promover uma oficina de graffiti, na próxima sexta, a partir das 14h00, no edifício do ciclo velho.

No próximo dia 20 de janeiro será apresentado um mural em graffiti alusivo à Festa Internacional das Camélias.

Os artistas chegaram a Celorico de Basto no final da semana passada e têm vindo a interagir com artistas locais e a população e estão a conhecer os espaços mais emblemáticos e característicos do concelho.

informação genérica.jpg

MELGAÇO APRESENTA PROGRAMAÇÃO 2017 DA COMÉDIAS DO MINHO

Sexta-feira, dia 13 de janeiro, pelas 18h30, na Casa da Cultura

As Comédias do Minho estão de volta! No dia 13 de janeiro, na Casa da Cultura de Melgaço, acontece a apresentação do programa para este novo ano, ao mesmo tempo que será possível assistir ao documentário ‘Ocupação Minhota’, de André Martins.

image002meeelg.jpg

As atividades da Comédias do Minho em Melgaço arrancam já amanhã, dia 11 de janeiro, com o espetáculo de teatro ‘Deixa-me Ser’ para o público escolar e no dia 14 para o público em geral. Todos os espetáculos são gratuitos.

Programação Melgaço: janeiro, fevereiro e março

DEIXA-ME SER! | Espetáculo de teatro

Sessões para público escolar: 11, 12, 13 JAN | MELGAÇO Casa da Cultura, 10h00 e 14h00

Sessão para famílias: 14 JAN |MELGAÇO Casa da Cultura | 15h00

DURAÇÃO | 45 minutos

Sinopse:

‘Quero saber tudo até à hora do almoço, e depois dos gomos de laranja quero saber mais e mais, até me cansar. Até a hora do lanche chegar.

Quero devorar o que não sei como devoro a fruta do jardim e depois carregar para longe as sementes na boca cuspi-las de pescoço esticado.

Quero ver as folhas cair no Outono e ser chuva no Inverno,

Quero ser areia no Verão e voar com as abelhas na Primavera.

E quando for grande quero ser criança e brincar, e jogar até à hora de jantar.

Quero ser sempre o mesmo e diferente a cada manhã.

Vou ser ave e rato, e lagarto, e pedra, e rio e mar. Vou ser estrangeiro em qualquer lugar, e olhar tudo com toda a força,

E perguntar, perguntar…’

CRIAÇÃO Luís Filipe Silva

COCRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nuno Preto

APOIO À DRAMATURGIA Ricardo Alves

DESENHO DE LUZ Vasco Ferreira

FIGURINO Inês Mariana Moitas

ILUSTRAÇÃO Rita Nicolau

COPRODUÇÃO Comédias e Projeto Alcateia – Serviço Educativo da Fundação Lapa do Lobo

PÚBLICO-ALVO Alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico e Famílias

UTOPIA | Espetáculo de teatro

Sessões para público escolar: 20 e 23 JAN | MELGAÇO Casa da Cultura, 10h00 e 14h00

DURAÇÃO|60 minutos

A utopia está no horizonte. Eu sei muito bem que nunca a alcançarei. Se eu caminho 10 passos, ela afasta-se 10 passos. Quanto mais a procurar, menos a encontrarei, porque ela vai-se afastando à medida que eu me aproximo. Boa pergunta, não? Para que serve? Pois, a utopia serve para isso: para caminhar.

Eduardo Galeano, citando Fernando Birri

Qual é a tua ideia de mundo ideal? Que poder e que responsabilidade seriam os teus, num lugar novo, feito à medida do teu pensamento? Sonho, fantasia ou esperança, utopia significa sempre uma transformação. Transformemos, então. E transformemo-nos. Este espetáculo é inspirado dramaturgicamente na obra “Utopia”, de Thomas More, assim como em desabafos e divagações de jovens com idades entre os 10 e os 15 anos. Quem for utópico, ponha o dedo no ar! Quem não for, que atire a primeira pedra…

CRIAÇÃO Gonçalo Fonseca

DRAMATURGIA Gonçalo Fonseca e Rui Mendonça

TEXTO Rui Mendonça

INTERPRETAÇÃO Rui Mendonça e Samuel Coelho

MÚSICA Samuel Coelho

DESENHO DE LUZ Vasco Ferreira

CENOGRAFIA Hugo Ribeiro

COPRODUÇÃO Comédias e Projeto Alcateia – Serviço Educativo da Fundação Lapa do Lobo

PÚBLICO-ALVO Alunos 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico

PALAVRAS, PARA QUE VOS QUERO? | Oficina de Escrita Criativa

Sessões com agentes educativos: 8 e 9 FEV | MELGAÇO Casa da Cultura, das 18h00 às 21h00

DURAÇÃO TOTAL | 6 horas

Nº MÁXIMO DE INSCRIÇÕES | 15 Inscrições (a efetuar nos locais onde decorre a oficina)

Objetivo: trabalhar a escrita no formato de conto, partindo de episódios do quotidiano e outras inspirações. Propõe-se uma oficina de escrita criativa para quem quer saltar de palavra em palavra, libertar ideias ancoradas à cabeça ou esquecidas na gaveta, para divertir uma folha em branco. Espera-se que aqui também se possa partilhar, ouvir, rir e descobrir diferentes formas de escrever e de pensar.

CRIAÇÃO E ORIENTAÇÃO Jorge Palinhos

PÚBLICO-ALVO Agentes Educativos (professores, educadores, auxiliares, pais, alunos...etc)

DESEJO DE TEATRO | Oficina de Teatro na Escola

PÚBLICO – ALVO Alunos do 2º Ciclo do Ensino Básico

3 MAR | MELGAÇO | EB 2/3 

DURAÇÃO | 180 minutos

Objetivo: O que é o teatro? Este será um espaço de experimentação no âmbito de expressão dramática e da linguagem teatral onde será possível vivenciar e explorar as técnicas desta área artística. Serão experiências que contribuirão para a formação pessoal e artística dos participantes.

ORIENTAÇÃO Graeme Pulleyn

Mais informações em www.comediasdominho.com.

A saber que a Comédias do Minho é um projeto cultural que começou em 2003, com a colaboração dos municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova da Cerveira, destinado a criar uma companhia de teatro profissional.

A sua missão é dotar o vale do Minho de um projeto cultural próprio, adaptado à sua realidade socioeconómica e, portanto, com um enfoque especial no envolvimento das populações, a partir da construção de propostas de efetivo valor participativo e simbólico, para as comunidades a que se dirigem.

BARCELOS REALIZA WORKSHOP DE CONSTRUÇÃO DE FANTOCHES NA BIBLIOTECA MUNICIPAL

Dias 14 e 21 de janeiro, das 10h30 às 12, destinado a pais e filhos

No âmbito da rubrica “Acontece aos Sábados”, vai realizar-se, na Biblioteca Municipal de Barcelos, um workshop de construção de fantoches, nos dias 14 e 21 de janeiro, das 10h30 às 12h00, destinado a pais e filhos.

Nesta iniciativa, com a orientação do formador Luís Cardoso (Lukas Fantoches e Marionetas), os participantes irão aprender as técnicas da construção das marionetas de esponja e ter a oportunidade de criar um amigo personalizado e muito original para levar consigo.

A participação é gratuita, e a todos será oferecido um certificado de participação.

Mais informações e inscrições através do telefone 253809641 ou por email parabibliotecaanimacao@cm-barcelos.pt

BARCELOS FESTEJA ANO NOVO COM TEATRO INFANTIL

Teatro Gil Vicente dá as boas-vindas a 2017 com peça infantil

A programação para o mês de janeiro traz ao Gil Vicente cinema, teatro e música.

Os mais novos começam o ano no reino da fantasia, com a peça “Cinderela”, no dia 4 de janeiro, às 15h, pel'A Capoeira – Companhia de Teatro de Barcelos, com entrada gratuita. Depois, o teatro regressa no fim do mês, dia 28 de janeiro, às 21h30, com a peça “Maria, Senhora de Mim”, pela Companhia Pateo das Galinhas, espetáculo com entrada paga.

A música dá as boas-vindas a 2017 com o Concerto de Ano Novo pelo Conservatório de Música de Barcelos, no dia 7, às 21h30.

O cinema preenche quatro dias de janeiro, com “Alda e Maria, Por Aqui Tudo Bem”, às 10h, com entrada gratuita, e “Vida Ativa: O Espírito de Hannah Arendt, às 21h30 com entrada paga, ambas no dia 5; “José e Pilar”, às 15h, do dia 11 com entrada gratuita; “A Toca do Lobo”, no dia 12; e “Daniel Blake”, no dia 13, às 21h30, com entrada paga.

Os bilhetes para assistir aos espetáculos no Teatro podem ser adquiridos no local, ou através de reserva por e-mail (tgv@cm-barcelos.pt) ou telefone (253 809 694).

“AS ELFAS DO PAI NATAL VÃO DE FÉRIAS” PARA VER EM CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

Peça de teatro sobe aos palcos do Valadares, Teatro Municipal de Caminha e do Centro Cultural de Vila Praia de Âncora no próximo sábado

 

A magia do Natal vive-se intensamente em Caminha: 40 dias, 40 atividades e 16 instituições envolvidas. No sábado, dia 10 de dezembro, Caminha e Vila Praia de Âncora vão contar com animação infantil para os mais novos, com a exibição da peça “As Elfas do Pai Natal vão de férias”, uma produção Krisálida- Associação Cultural do Alto Minho. As sessões vão decorrer no Valadares, Teatro Municipal de Caminha e no Centro Cultural de Vila Praia de Âncora e são gratuitas.

São muitas as atividades que estão a decorrer no concelho de Caminha direcionadas a todos os públicos: crianças, jovens e adultos, com o objetivo de fazer de Caminha uma das rotas turísticas de fim de ano e dinamizar a economia local.

“As Elfas do Pai Natal” estarão em exibição em Caminha pelas 15 horas, no Valadares, Teatro Municipal e pelas 17 horas, no Centro Cultural de Vila Praia de Âncora.

Sobre as “As Elfas do Pai Natal vão de férias” podemos desvendar um bocadinho da história: “Com o Natal à porta e tanto brinquedo para entregar aos meninos e meninas, as duas elfas chegam de malas aviadas ao aeroporto com o intuito de embarcarem para umas férias maravilhosas.  Será que o Pai Natal foi informado? Parece que não, e este anda aflitíssimo à procura do seu braço esquerdo e braço direito.  Como o embarque para o avião está atrasado, estas duas protagonizam uma série de peripécias engraçadas visto que ambas têm personalidades bastante diferentes.  Mas o Pai Natal não desiste, descobre onde elas estão e vai ao encontro delas. Será que ele as consegue encontrar? Será que elas vão ter coragem de deixar o seu amigo Pai Natal na mão?”

A direção artística desta animação teatral está a cargo de Carla Magalhães; a encenação é coletiva; e a interpretação é da responsabilidade de Maria Meixeiro; Filipa Almeida e João Moreira.

01 A 31 DEZEMBRO

ROTA DA RABANADA

Local: Restaurantes, pastelarias e cafés aderentes do Concelho de Caminha

 

01 A 19 DEZEMBRO

O NATAL NA MINHA VIDA

A partilha do espirito de Natal através da rede social Facebook

Envio dos suportes  (fotografia original acompanhada de texto 

e música) para cultura@cm-caminha.pt

A partir de 20 de dezembro - Publicação do Álbum

Mais informações em www.cm-caminha.pt

 

QUI 08 DEZEMBRO | 21H00

III CONCERTO DE ÓRGÃOS DE TUBOS

COMEMORAÇÕES DOS 500 ANOS DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CAMINHA

Local: Igreja da Misericórdia, Caminha

 

SÁB 10 DEZEMBRO

AS ELFAS DO PAI NATAL 

VÃO DE FÉRIAS

15H00 - Valadares, Teatro Municipal - Caminha

17H00 - Centro Cultural de Vila Praia de Âncora

 

10 E 11 DEZEMBRO | 09H00 – 17H00

FEIRA DE TRADIÇÕES DE NATAL

ARTESANATO E PRODUTOS TRADICIONAIS LOCAIS

Local: Terreiro, Caminha

 

14 E 19 DEZEMBRO | 18H00

WORKSHOP DE DOÇARIA TRADICIONALDE NATAL 

- RABANADAS E SONHOS

QUA 14 

Local: Sede da Junta de Freguesia de Lanhelas

 

SEG 19 

Local: Centro Paroquial e Social de Riba de Âncora

 

QUI 15 DEZEMBRO

PLANTE UM PINHEIRO DE NATAL

Público-alvo: Comunidade Escolar do Concelho de Caminha

Local:  Riba de Âncora

 

SEX 16 DEZEMBRO | 21H30 

CONCERTO DE NATAL 

ORFEÃO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Local: Igreja Paroquial de Moledo 

 

17 E 18 DEZEMBRO | 09H00 – 17H00

FEIRA DE TRADIÇÕES DE NATAL

ARTESANATO E PRODUTOS 

TRADICIONAIS LOCAIS

Local: Praça da República, Vila Praia de Âncora

 

17 E 18 DEZEMBRO

CONTO DE NATAL, OFICINA

DE CONSTRUÇÃO DE MARIONETA 

E FOTOGRAFIA COM O PAI NATAL

 

SÁB 17 

10H00 – 12H00 - Praça Conselheiro Silva Torres,Terreiro, Caminha

15H00 – 17H00 - Praça da República, Vila Praia de Âncora

 

DOM 18 

10H00 – 12H00 - Praça da República, Vila Praia de Âncora

15H00 – 17H00 - Praça Conselheiro Silva Torres , Terreiro, Caminha

 

DOM 18 DEZEMBRO | 10H00 PASSEIO DE PAI NATAL EM BICICLETA, 

CORRIDA E CAMINHADA

Concentração e partida: Praça da República em Vila Praia de Âncora e chegada ao Parque do Ferry Boat em Caminha.

 

DOM 18 DEZEMBRO | 14H30

3ª CAMINHADA DO PAI NATAL

MOLEDO > CAMINHA > MOLEDO

Local: Concentração no Centro Social Paroquial de Moledo

 

DOM 18 DEZEMBRO | 18H30

CONCERTO DE NATAL 

ORFEÃO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Local: Igreja da Misericórdia de Caminha

 

19 A 23 E 26 A 30 DEZEMBRO | 10H00 - 12H00

OFICINA DE TEATRO 

DE NATAL PARA CRIANÇAS

Local: Edifício dos Paços do Concelho, Caminha

Público-alvo: Crianças e jovens dos 6 aos 14 anos de idade

Mais informações: krisalida.acam@gmail.com 

T 960 115 415

 

QUA 21 DEZEMBRO | 21H30

CONCERTO DE NATAL DA TUNA DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO ROTARY 

CLUB DE CAMINHA 

Local: Igreja de Santa Clara, Caminha

 

QUI 22 DEZEMBRO | 21H30

CONCERTO DE NATAL DA AMFF

Local: Igreja Matriz de Caminha

 

SEX 23 DEZEMBRO | 21H30

CONCERTO DE NATAL 

ORFEÃO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Local: Igreja Matriz de Vila Praia de Âncora

 

SÁB 24 DEZEMBRO | 10H00 - 12H00

FOTOGRAFIA COM O PAI NATAL

Local: Praça Conselheiro Silva Torres - Terreiro e Caminha e Praça da República, Vila Praia de Âncora

 

SEX 30 DEZEMBRO | 20H00 - 23H00 

PRESÉPIO VIVO E AUTO DE NATAL

Pelo Grupo de Teatro da Freguesia de Lanhelas 

Local: Lanhelas

 

SÁB 31 DEZEMBRO | 23H30

CAMINHA, 

ONDE O NORTE PASSA O ANO

CONCERTO DE MARTA REN 

& THE GROOVELVETS

ATUAÇÃO DO GRUPO DE COVERS XORNAS

Local: Praça Conselheiro Silva Torres - Terreiro, Caminha

 

DOM 01 JANEIRO | 17H00

CONCERTO DE ANO NOVO

SOCIEDADE MUSICAL BANDA LANHELENSE E CORAL POLIFÓNICO 

DE VILA NOVA DE CERVEIRA

Local: Valadares, Teatro Municipal - Caminha

 

08, 15, 22 E 29 DEZEMBRO | 21H30

FITAS DE NATAL

Local: Valadares, Teatro Municipal - Caminha

 

11 E 18 DEZEMBRO | 15H00

FITAS DE NATAL INFANTIS

Local: Valadares, Teatro Municipal - Caminha

TEATRO CINEMA DE FAFE APRESENTA “A DESEJADA”

No próximo dia 11 de Dezembro, estreia, em Fafe, o espetáculo 'A Desejada.'

Promovido pela Plataforma Fafe Cidade das Artes, o espetáculo inspira-se na história de D. Sebastião.

baner 01desejada.jpg

El Rei D. Sebastião serve de mote para a construção de um exercício teatral, de celebração cerimonial e poética, onde o conflito de duas almas, o masculino e o feminino, que habitam no mesmo corpo e nele se enfrentam e confrontam, numa luta desgarrada para poderem vencer a própria morte e assim serem eternos.

Uma atriz vive o conflito de ter que habitar num corpo masculino de um rei, predestinado à morte para alimentar o sonho do seu povo, do seu reino de uma liberdade utópica. No meio do percurso da sua interpretação descobre que o ama da mesma forma como se ama e que o quer salvar para salvar-se. Uma ficção poética que inquieta o universo sebastianista e agita as névoas do imaginário nevoeiro que um dia virá.

Um trabalho de interpretação da atriz brasileira Nayara Homem, em residência artística no projeto Fafe Cidade das Artes, que pretende acender um novo debate sobre a realidade e a ficção do mito sebastianista, tão presente na cultura portuguesa como no imaginário místico do povo brasileiro. Um exercício teatral inovador, inquietante na sua linguagem, no universo do imaginário ao qual se entrega, na proposta dramatúrgica de um teatro que se celebra com o espectador inserido dentro da própria cena.  

A sessão, de entrada livre, tem inicio marcado para as 18h30, no Auditório da Casa da Cultura. 

Recorde-se que o espetáculo é para maiores de 16 anos.

TEATRO CINEMA DE FAFE APRESENTA “DIALOGUS IBÉRICOS”

No próximo dia 10 de Dezembro, o Teatro Cinema recebe o espetáculo Dialogus Ibéricos, promovido pela Escola de Bailado de Fafe, em parceria com a Plataforma Fafe Cidade das Artes.

cartaz-web-01 (1).jpg

Através da música, da voz e do gesto, Dialogus Ibéricos leva ao público retalhos de memória, fazendo uma viagem pelas emoções, alegrias e tristezas.

Da Guitarra flamenca do músico Carlos Blanco, procura-se extrair sonoridades que reconstroem sensações ancestrais e se renovam no contemporâneo, propondo novas imagens, sons e melodias.

A isto, junta-se ainda a mestria das percussões executadas por Vanessa Muela e os gestos e fisicalidade de Alexandra Fonseca.

A sessão tem início marcado para as 21h30 e os bilhetes podem ser adquiridos na Loja Interactiva de Turismo.

O TEATRÃO LEVA TCHEKHOV A PONTE DE LIMA

AS TRÊS IRMÃS (MAKING OF) – O TEATRÃO

3 de Dezembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

No próximo sábado, dia 3, às 21h30, sobe ao palco do Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, o espectáculo de teatro As Três Irmãs (Making of), a partir de “Três Irmãs” de Tchekhov, com encenação de Marco Antonio Rodrigues, pela Companhia O Teatrão de Coimbra que recentemente apresentou com assinalável êxito, também no Teatro Diogo Bernardes, o espectáculo Dom Quixote (de Coimbra).

3_irmas_4x3_.jpg

Tchekhov (e a casa Russa)

Império Russo, a meio do século XIX: Czar Alexandre II inicia a industrialização e urbanização do território, abolindo as relações de servidão entre camponeses e proprietários de terras. A miséria das classes baixas manteve-se, expressa noutros modelos de servidão, e aliou-se ao crescente descontentamento popular das novas classes operárias. Surgem os primeiros ensaios de manifestação e greve, apoiados no pensamento marxista e nas novas ideias socialistas. Ainda antes do Domingo Sangrento de 1905, antes de se acender o rastilho da I Guerra Mundial, antes da Revolução de Fevereiro de 1917 e da morte do último Czar, Anton Tchekhov escreve sobre a mudança. As “Três Irmãs” de uma casa de pequena-burguesia atravessada por mudanças que não prevê nem pode travar, num cenário de profunda mudança social. Para quê?

Ainda não se sabia.

Tchekhov, agora.

A adaptação do original de Três Irmãs acontece no que nos é próximo e no que se pode antever de futuro. A mudança social que Tchekhov adivinhava continua a sentir-se e a fazer sentido hoje, aqui. Em Portugal do século XXI, na União Europeia, nas crises que se sucedem e nas oscilações dos mercados, das bolsas, das bancas, dos juros, das taxas – e das pessoas. Por isso, estas Três Irmãs tiveram cortes no salário (na verdade apenas uma delas trabalha), vivem ilusões, vícios e o desespero da perda e do desalojamento. Agora que se fecharam numa sala as condições mudam um pouco, mas a luta é semelhante.

Elenco Inês Mourão, Isabel Craveiro, João Santos, Margarida Sousa, Rui Raposo

Elenco de apoio Miguel Rocha e João Amorim

Cenário e Figurinos Filipa Malva

Desenho de Luz Alexandre Mestre

Corpo e Movimento Joana Mattei

Banda Sonora Rui Raposo

Grafismo Joana Corker

Maiores de 12 anos

Os bilhetes encontram-se à venda no Teatro Diogo Bernardes (2,00€) e todas as informações podem ser obtidas pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

JOVENS DO CREARTE LEVAM Á CENA EM ESPOSENDE A PEÇA "ESSÊNCIA DO CHÁ"

“Essência de chá” encerra segundo ano do CREARTE

Mais de três dezenas de crianças e jovens de Esposende que integram o grupo infanto-juvenil do CREARTE levam a cena, às 16h30 do dia 4 de dezembro, no Auditório Municipal, a peça de teatro “Essência de Chá”. Este espetáculo surge como o fecho do “segundo capítulo” do CREARTE, programa desenvolvido pela Câmara Municipal de Esposende, com o objetivo de incentivar o Crescimento da Arte Teatral em Esposende.

Neste segundo ano, o CREARTE mobilizou mais de centena e meia de participantes nas formações/ações e cerca de dois milhares de espectadores.

Desta feita, numa encenação de Hugo Dias, "Essência de chá" revela-se como espetáculo interpretativo que enaltece as características do chá através da poesia. Historiando, o espectador é convidado a recuar às origens asiáticas do chá, mergulhando a colher numa quente fusão de ervas poéticas, bebendo as antigas lendas chinesas sobre a origem do chá, a sua disseminação pelo mundo e a incorporação da bebida nas mais nobres e excelsas mesas de refeição e de conversa.

Esta representação terá ainda uma vertente de interação com o público que será convidado a degustar o sabor quente e exótico de um aromático chá de Flor de Jasmim.

Com texto original de influência na poesia portuguesa, "Essência de chá" é o apogeu da formação teatral promovida no âmbito do programa CREARTE que, neste segundo ano de implementação, na área da formação/ação, para além destes três grupos infantis e juvenil, contemplou cinco grupos de teatro amador do concelho: Forjães em Cena, GATA (Grupo Amador Teatro de Fão), GATERC (Grupo Amador Teatro de Esposende – Rio Cávado), JUM (Juventude Unida de Marinhas) e GARFO (Grupo de Artes Recreativas de Fonte Boa).

A bilheteira do Auditório Municipal de Esposende abrirá às 15h00, sendo a entrada gratuita e limitada à lotação da sala.

II FESTA DA MARIONETA LUSOGALAICA ANIMA CAMINHA NO PRÓXIMO FIM-DE-SEMANA

Workshops de construção de marionetas e espetáculos e animação de rua por companhias portuguesas e galegas são as propostas desta edição

As marionetas são o destaque da Agenda Natal 2016 no próximo fim-de-semana. Nos dias 3 e 4 de dezembro, Caminha recebe a II Festa da Marioneta Lusogalaica – Maluga. Workshops de construção de marionetas e espetáculos e animação derua por companhias portuguesas e galegas são as atividades que vão marcar esta segunda edição.

marionetas (1).jpg

A Festa da Marioneta Lusogalaica visa dar a conhecer a arte da marioneta e o trabalho realizado nesta área em Portugal e na Galiza. Com atividades orientadas para todas as gerações, esta segunda edição conta com um programa aliciante. Durante as manhãs vão decorrer os workshops de construção de marionetas e as tardes serão preenchidas com animação de rua e espetáculos no Valadares, Teatro Municipal.

No sábado, dia 3, das 10h00 às 12h30, terão lugar as Oficinas Divertidas “Olhapins e Olharapos” – Construção de Marionetas em Esponja, a cargo do Teatro e Marionetas de Mandrágora. Esta atividade vai decorrer no Edifício Paços do Concelho e dirige-se a crianças maiores de 6 anos. Pelas 16h00, na Praça Conselheiro Silva Torres, terá lugar o Teatro Dom Roberto, Teatro Tradicional Português de Marionetas, a cargo de S.A. Marionetas – Teatro & Bonecos. O dia encerra no Valadares, Teatro Municipal de Caminha, com o espetáculo “História de um gato e de um rato que se tornaram amigos”, pelo Teatro de Marionetas de Mandrágora.

No dia 4, das 10h00 às 11h30, terão lugar as Oficinas Divertidas “Marionetas nas Mãos” – Construção de Marionetas, pelo Teatro Babaluva. Esta atividade vai decorrer no Edifício Paços do Concelho e dirige-se a crianças dos 5 aos 12 anos de idade. Pelas 16h00, na Praça Conselheiro Silva Torres, terá lugar o Teatro Dom Roberto, Teatro Tradicional Português de Marionetas, a cargo de S.A. Marionetas – Teatro & Bonecos. Esta II Festa da Marioneta vai encerrar com o espetáculo “Lume – Teatro de Marionetas”, pelo Teatro Babaluva.

Ambas as oficinas divertidas tem um preço de 3€ e os interessados devem proceder à respetiva inscrição até ao dia 1 dezembro, através do email krisalida.acam@gmail.com ou do telefone 351 960 115 415.

A Festa da Marioneta Lusogalaica é organizada pela Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho e conta com o apoio do Município de Caminha.

A Festa da Marioneta Lusogalaica é um dos quarenta eventos que vão marcar a quadra natalícia no concelho de Caminha. No dia 1, ao final da tarde, as ruas de Caminha e Vila Praia de Âncora vão ser iluminadas para bem receberem os caminhenses e visitantes, convidando-os a andar pelas ruas nesta época que se quer mágica. O concelho vai iluminar-se a partir das 19h00.

Nesse dia, arranca uma das novidades desta programação de Natal, a Rota da Rabanada. Durante o mês de dezembro, mais de três dezenas de cafés, pastelarias e restaurantes aderentes do concelho vão ter para “oferecer”, entre os 0,25€ e os 5€, aos seus clientes a sua especialidade de rabanada. De leite, vinho, doce de ovos, frutos secos….são muitas as especialidades disponíveis. E, ainda pode ganhar presentes oferecidos pelo Município. Este foi um dos desafios lançados pelo Município de Caminha aos cafés, pastelarias e restaurantes do concelho, com os objetivos de dinamizar o concelho e dar a conhecer as diversas formas de confecionar a rabanada.

O dia 1 de dezembro, ainda vai ser marcado pela apresentação do livro “Contos de Natal”, de Maria José Areal, uma atividade da Universidade Sénior do Rotary Clube de Caminha, que conta com o apoio da Câmara Municipal. A apresentação terá lugar pelas 16h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Caminha.

Um dos costumes no concelho de Caminha é a Feira de Tradições de Natal.  Com uma procura cada vez maior, estes mercados de Natal onde vai encontrar tudo o que necessita para adoçar e decorar este Natal pretendem dinamizar o concelho, tornando-o atrativo. Caminha acolhe a Feira de Tradições de Natal nos dias 10 e 11 de dezembro e Vila Praia de Âncora nos dias 17 e 18.

O Fitas de Natal volta a preencher as noites de quinta-feira. Esta edição apresenta grandes clássicos cinematográficos: “Maria, Mãe do Filho de Deus”, de MoacyrGóes, 2003, Brasil, (M/12), duração 107 minutos; “Bad Santa”, TerryZwigoff, 2003, EUA (M/12), duração 98 minutos; “WhiteCristmas”, de Michael Curtiz, 1954, EUA, (M/16), 120 minutos e “New Year’sEve”, de Garry Marshall, 2011, EUA, (M/16) 113 minutos.

As crianças dão cor e magia à quadra natalícia. Por isso, a Câmara Municipal vai também promover um conjunto de atividades para os mais novos. No dia 10, vai decorrer a animação teatral “As Elfas do Pai Natal vão de Férias”, uma produção da Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho. Esta animação terá lugar no Valadares, Teatro Municipal de Caminha e no Centro Cultural de Vila Praia de Âncora. As tardes de 11 e 18 de dezembro, são tardes de Fitas de Natal infantis com a exibição dos filmes “Arthur Christmas, de Sarah Smith e “Feliz Natal com Mickey, Donald e Amigos”, Disney, 2004. Nos dias 17 e 18, nas praças das duas vilas, as crianças vão poder assistir ao conto de Natal, participar na oficina de construção de marioneta e ainda aproveitar para tirarem uma fotografia com o Pai Natal. Esta ação é também uma produção da Krisálida. No dia 24, de forma a tornar o Natal no concelho ainda mais mágico, o Pai Natal estará disponível nas praças das duas vilas para mais uma sessão de fotografias.

Os Concertos de Natal vão aquecer os fins de tarde e as noites frias de dezembro. Juntando a sua voz a todos aqueles que, ao redor do mundo, cantam ao nascimento do Deus Menino, o Orfeão de Vila Praia de Âncora, o Coro e Orquestra da Academia de Música Fernandes Fão e a Tuna da Universidade Sénior do Rotary Clube de Caminha vão-nos presentear com canções tradicionais de vários países mostrando, assim, a beleza de cânticos que a época de Natal inspira os povos. No dia 16, a Igreja Paroquial de Moledo acolhe o concerto de Natal pelo Orfeão de Vila Praia de Âncora. No dia 17, a Igreja de Santa Clara, em Caminha, seve de palco ao concerto da Tuna da Universidade Sénior do Rotary Clube de Caminha. No dia 18, o Orfeão de Vila Praia de Âncora volta aos palcos, desta feita, na Igreja da Misericórdia de Caminha para mais um concerto.  No dia 22, na Igreja Matriz de Caminha vai decorrer o Concerto de Natal da AMFF. Os concertos de Natal encerram no dia 23 de dezembro, na Igreja Matriz de Vila Praia de Âncora com a atuação do Orfeão de Vila Praia de Âncora.

No dia 18 de dezembro, o dia começa bem cedo com o Passeio de Pai Natal em Bicicleta, corrida e caminhada. É uma organização da Associação de Triatlo de Caminha e Desnível Positivo, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha, Freguesias de Vila Praia de Âncora, Caminha e Vilarelho e Moledo e Cristelo.

A noite de 31 de dezembro é a noite mais esperada do ano. Em Caminha, a noite é de festa e de glamour, afinal de contas, em “Caminha é onde o Norte passa o ano”. Marta Ren&TheGroovelvets estarão connosco neste Réveillon. Depois de Marta Ren&TheGroovelvets, a noite continua com o Grupo de Covers Xornas.

O Concerto de Ano Novo encerra as atividades da quadra Natalícia em Caminha. Tal como acontece nas grandes capitais europeias, em Caminha também se começa o ano com um grande concerto de música clássica. O Valadares, Teatro Municipal de Caminha vai acolher um concerto, que vai juntar a Sociedade Musical Banda Lanhelense e o Coral Polifónico de Vila Nova de Cerveira.

marionetas Valadares (1).jpg

CÂMARA E KRISÁLIDA LEVARAM O TEATRO ÀS FREGUESIAS DO CONCELHO DE CAMINHA

“Piolhos e Atores” esteve mais de uma dezena de vezes em palco e foi vista por mais de 600 pessoas

Nos últimos meses, “Piolhos e Atores”, de José Sanchis Sinisterra, andou em digressão pelas freguesias do concelho de Caminha. Pelo segundo ano consecutivo, a Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho e a Câmara Municipal levaram o teatro às freguesias. No total realizaram-se mais de uma dezena de espetáculos, assistidos por mais de seis centenas de pessoas.

piolhos e atores _azevedo (2).jpg

Com estreia no Valadares, Teatro Municipal de Caminha, “Piolhos e Atores” também pisou os palcos do Centro Cultural de Argela, Centro Cultural de Gondar; Casa do Orfeão, em Vila Praia de Âncora; Sociedade de Instrução e Recreio Ancorense, em Âncora; Centro Paroquial e Social de Riba de Âncora; Centro Cultural de Dem; Sede da Freguesia de Arga, em Arga de Cima; Casa de São Bento, em Seixas; no Centro de Cultura e Desporto de Azevedo; Centro de Instrução e Recreio de Vilar de Mouros e Casa do Povo em Lanhelas.

A peça de teatro “Piolhos e Atores” foi promovida no âmbito de um protocolo de desenvolvimento cultural celebrado entre a Câmara Municipal de Caminha e a Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho que garantiu que a Krisálida levasse mais um espetáculo às freguesias do concelho, conduzindo o teatro ao encontro do público nas salas das juntas de freguesia, nas ruas e nas pequenas praças.

Com este protocolo pretende-se prosseguir objetivos estratégicos de cooperação cultural para o desenvolvimento do gosto pelo teatro; para a estimulação precoce das crianças e jovens para esta arte do espetáculo; para a formação e diversidade de públicos; para a democratização do acesso à fruição teatral, bem como para a afirmação nacional e internacional de Caminha enquanto centro criador e difusor de cultura.

“Piolhos e Atores” é uma adaptação da obra de José Sanchis Sinisterra, dramaturgo e diretor teatral espanhol, escrita em 1980. Trata-se de um espetáculo teatral sobre a condição do ator e da sua posição na sociedade. “É uma história que se baseia na relação de dois atores cómicos do séc. XVI que se reencontram no séc. XXI e do papel do "público" no ato teatral. Recorrendo a diversos planos e dimensões no jogo da interpretação, a peça é uma reflexão meta teatral que pretende demonstrar que a essência do teatro reside no encontro entre o ator e o espectador e que, sem estas duas componentes, não existe teatro e, consequentemente, não faz sentido a existência dos atores. A peça, que oscila entre momentos sérios e a comicidade das situações, sob o pretexto das deambulações de dois comediantes medievais, que têm vindo a percorrer vários palcos até aos nossos dias, coloca-nos perante a condição do ator ao longo dos séculos, refletindo sobre o próprio Teatro, a sua relação com o público e a questão da criação”.

Quanto à ficha artística e técnica, a encenação esteve a cargo de Carla Magalhães; a interpretação de Alexandre Martins e Jorge Alonso; a cenografia e figurinos de Joana Carvalho; o desenho de luz de Rui Gonçalves; o apoio musical de Nuno J. Loureiro; as máscaras de Luís Magalhães; a fotografia e vídeo de Marco Lima e o secretariado de Maria Meixeiro.

piolhos e atores _azevedo (1).jpg

piolhos e atores _azevedo (3).jpg

VIANA DO CASTELO RECEBE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

vianatal.jpg

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS, produção de Rituais dell Arte – espetáculo infantil | Centro Cultural de Viana

M/3

16 e 17 dezembro 2016 – 21h00

18 dezembro 2016 – 16h00

Preço dos bilhetes: 3 aos 12 anos - 3€

                         M/ 12 anos - 5€

Local de venda: Teatro Municipal Sá de Miranda - tmsm@cm-viana-castelo.pt. Horários habituais da bilheteira (segunda a sexta-feira, das 9h00 às 19h00; em dias de espetáculo: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 22h00); sábado e domingos em dias de espetáculos, (2 horas antes).

Centro Cultural de Viana do Castelo - nos dias de espetáculo, se a bilheteira não estiver esgotada.

O coração da floresta desapareceu e esta está em vias de ser derrubada, a Rainha de Copas proibiu o riso e o Tenente de Espadas certifica-se de que a lei é cumprida por todo o lado.

Cabe a Alice, à sua Avó, e aos seus amigos Van Gogui, Sir William, Coelho Branco e Lagarta Tixa desvendar um mistério, devolver o riso ao País das Maravilhas e salvar a floresta.

Uma peça divertida para miúdos e graúdos em que a curiosidade de uma criança e a experiência de sua avó, idosa mas viçosa, levam-nas enfrentar as consequências deste conflito ensinando, com muita música e brincadeira, valiosas lições sobre a amizade, a felicidade, a convivência e o trabalho em equipa.

FAHRENHEIT 451, DE RAY BRADBURY – TEATROMOSCA ATUA EM PONTE DE LIMA

25 de Novembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

O Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta mais um clássico da literatura norte-americana, num espectáculo de teatro que subirá ao palco na próxima sexta-feira, 25 de Novembro, às 21h30 pela companhia teatromosca.

fahrenheit_4x3_.jpg

Trata-se de “Fahrenheit 451”, uma peça que resulta da adaptação do célebre romance de ficção científica de Ray Bradbury. A encenação é de Pedro Alves e a interpretação de Filipe Araújo e Rute Lizardo. Estreado em França, em Novembro do ano passado, o espectáculo tem como personagem principal um bombeiro cujo trabalho consiste em queimar livros para fazer respeitar a lei que proíbe os cidadãos de ler. Até ao dia em que conhece uma rapariga de 16 anos que o incentiva a pensar por si mesmo, algo que acabará por desencadear uma perseguição do governo. Na sociedade descrita em “Fahrenheit 451” as pessoas já não pensam por si mesmas e enfrentam, sem darem conta, um governo opressivo que as controla através do consumo compulsivo de comprimidos e de televisão.

Com esta peça, o teatromosca encerra uma trilogia norte-americana através da qual a companhia se propôs investigar e reflectir sobre a fundação dos EUA, a sua supremacia cultural e económica no século XX e o fracasso desta sociedade e do seu modelo, acabando também por questionar a actual civilização ocidental. Antes de “Fahrenheit 451”, o grupo da zona de Sintra encenou “Moby Dick” (2013) e “O Som e a Fúria” (2014), este último apresentado recentemente no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima. O romance que lhe dá origem, considerado o melhor de Ray Bradbury, segue o raciocínio de obras como “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley ou “1984”, de George Orwell, que têm como elo comum uma sociedade oprimida e esvaziada de pensamento próprio.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto|Ray Bradbury

Adaptação e direcção artística|Pedro Alves

Tradução (para francês)|Thomas Resendes

Interpretação|Filipe Araújo e Rute Lizardo

Colaboração artística|Patrice Douchet (Théâtre de la Tête Noire)

Criação musical e sonoplastia|Bruno Béu

Assistência de direcção|Mário Trigo e Maria Carneiro

Cenografia|Pedro Silva

Design gráfico|Alex Gozblau

Direcção técnica|Carlos Arroja

Vídeo|Ricardo Reis

Fotografia|Catarina Lobo

Produção|teatromosca

Coprodução|Embaixada dos EUA, Arte Institute (NY), Festival Internacional de Teatro do Alentejo e Théâtre de la Tête Noire (Orléans)

Apoios|Câmara Municipal de Sintra, 5àSEC e Junta de Freguesia de Agualva – Mira Sintra

Maiores de 12 anos

Os bilhetes encontram-se à venda no Teatro Diogo Bernardes (2,00€) e todas as informações podem ser obtidas pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.

PÓVOA DE LANHOSO RECORDA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA PARA O BRASIL

Theatro Concerto nos dias 1, 2 e 3 de dezembro no Theatro Club

Depois do enorme sucesso das edições anteriores, com lotação esgotada, nos primeiros dias de dezembro, regressa o Theatro Concerto ao Theatro Club.

Theatro Concerto 2016.PNG

No ano em que se assinala o centenário do Hospital António Lopes, o Theatro Club resolveu relembrar os emigrantes que partiram para o Brasil no final do séc. XIX e início do séc. XX.

“Este ano, o Theatro Concerto releva a importância da viagem que muitos Povoenses fizeram em busca de uma vida melhor do outro lado do Atlântico, no Brasil. Aquele que mais importância teve para o Município foi, sem dúvida, António Ferreira Lopes, que nos deixou um vasto património material e imaterial, sendo o Hospital da Santa Casa da Misericórdia o melhor exemplo disso mesmo. Comemoramos, neste momento, os 100 anos da inauguração do Hospital e não poderíamos deixar de relevar a importância do início do percurso de António Ferreira Lopes no Brasil, a viagem desde Portugal até ao Brasil”, salienta o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

Assim, o Theatro Club transformar-se-á no Vapor TC 1904 e será animado por artistas das mais diversas artes: dança, canto, teatro e poesia.

O evento acontece nos dias 1, 2 e 3 de dezembro, das 22h00 às 24h00.

As reservas ficam limitadas à lotação da sala e deverão ser efetuadas para  theatro.club@mun-planhoso.pt.

O valor do ingresso é de 6 euros, englobando o espetáculo e uma bebida de boas-vindas a bordo.

É destinado para o público em geral (crianças a partir dos sete anos).

Organizado pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, o Theatro Concerto é um evento temático anual, que se realiza sempre no primeiro fim-de-semana de dezembro.

Em 2015, “Shine like a star (Brilhe como uma estrela) foi o tema da edição realizada nos dias 3, 4 e 5 de dezembro e que contou com a “presença” de divas da música e do cinema por todos conhecidas. Em 2014, o mote foi a temática do Cabaret e do Moulin Rouge.

FAMALICÃO: RUSGA DE JOANE APRESENTA TEATRO MUSICAL

No âmbito das comemorações do 25º Aniversário o Grupo Etnográfico Rusga de Joane vai levar a cabo o seguinte espetáculo (teatro musical):

VIVÊNCIAS - Rusga de Joane & Amigos (Teatro Musical)

Data: Domingo, 27 de novembro de 2016

Hora: 16h

Local: Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão (grande auditório)

Entrada Livre (sujeita à lotação da sala)

Este que será o grande momento das comemorações do nosso 25º aniversário, que temos vindo a celebrar ao longo do ano 2016.

Cartaz_Rusga_Casa_Artes_zip (1).jpg

ARCOS DE VALDEVEZ: CULTURA EM MOVIMENTO LEVA TEATRO A SISTELO

No passado fim-de-semana o GTV- Grupo de Teatro do Vez, originário de Arcos de Valdevez, levou à cena na sede da Junta de Freguesia de Sistelo a peça “Regresso Inesperado”, um original do também arcuense Nurmi Rocha.

regresso_inesperado_sistelo (1).JPG

Esta iniciativa insere-se no Programa Municipal de descentralização cultural nas freguesias “Cultura em Movimento”, através do qual se pretende promover a cultura, fazer a divulgação de iniciativas e proceder à formação e sensibilização de novos públicos, e que passará durante todo o ano por diversos espaços de várias freguesias do concelho.

Foi com sala completamente cheia, que contou também com a presença do presidente da edilidade arcuense João Manuel Esteves, que este grupo, formado por um coletivo local ligado a associações de teatro já existentes no concelho, professores, escritores, entre outros, apresentou ao público presente uma divertida comédia de enganos, que retratou as peripécias de um casal desde que recebe uma carta que anunciava uma visita inesperada.

Esta interpretação, que contou com encenação de Nuno Loureiro, é igualmente uma homenagem ao malogrado artista arcuense Nurmi Rocha, falecido em 1979, figura de referência na cultura arcuense.

O Programa “Cultura em Movimento” irá promover mais iniciativas em breve, estando marcada a próxima atuação do GTV- Grupo de Teatro do Vez para o dia 2 de dezembro, na Escola Básica de Távora Santa Maria.

7 - Cópia.JPG

PONTE DE LIMA APRESENTE OS DILEMAS DIETÉTICOS DE UMA MATRIOSKA DO MEIO | QUARTETO CONTRATEMPUS

12 de Novembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Com a participação de actores amadores de teatro provenientes do Grupo de Teatro da Facha, Duplaface Companhia das Artes e Pequenos Actores do Lima, todos do concelho de Ponte de Lima, o Quarteto Contratempus apresenta “Os Dilemas Dietéticos de uma Matrioska do Meio”, Ópera Cómica em Um Acto, com encenação de António Durães, texto original de Mário João Alves e composição de Nuno Côrte-Real.

matrioska_mupi_.jpg

“São Petersburgo, 1866.

Quando a mãe de Ludmila consegue emprego na casa de Anna Filosofova, toda a família matrioska deixa a sua pequena aldeia junto ao Mar Branco e viaja com ela para São Petersburgo. Ali, Ludmila, uma matrioska do meio, irá tornar-se desde o primeiro dia na discípula predilecta da filantropa e feminista Filosofova.

A nova vida de Ludmila passa-se entre livros, alguma vida social, almoços, lanches, petiscos, jantares e bublikis, muitos bublikis. Este doce tradicional passa a ocupar um lugar tão especial nas suas tentações como ocupara até então a carne de foca.

A juntar a isto, Ludmila, num encontro casual, conhece Raskolnikov, protagonista de Crime e Castigo, romance de Dostoievsky. Será este encontro a evitar que Raskolnikov cometa o crime que o tornaria célebre, virando as suas atenções para a jovem Ludmila, Mas a sua vida está prestes a sofrer um volte-face inesperado: as suas profundas alterações alimentares causaram rápidas alterações na sua pessoa. Só há uma pessoa capaz de a fazer reencontrar o caminho da felicidade e do espelho: o Dr. Musa Ramelov, nutricionista do Czar.”

Texto Original . Mário João Alves

Composição . Nuno Côrte-Real

Encenação . António Durães

Intérpretes . Teresa Nunes (Soprano); Job Tomé (Barítono); Crispim Luz (Clarinete); Susana Lima (Violoncelo); Brenda Vidal Hermida (Piano)

Participação Especial . Duplaface Companhia das Artes, Grupo de Teatro da Facha e Pequenos Actores do Lima, dirigidos por Rui Alves Leitão

Desenho e Operação de Luz . Mariana Figueroa

Multimédia / Vídeo / Som . Hugo Edgar Mesquita

Direcção de Cena . Marta Figueroa

Figurinos . Inês Mariana Moitas

Design . Nuno Brito e Cunha

Espaço Cénico . Criação Colectiva

Produtora . Susana Oliveira

Produção . Quarteto Contratempus

Bilhetes á venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

NATAL EM PONTE DE LIMA TEM TEATRO MUSICAL

Município de Ponte de Lima assinala época natalícia com teatro musical Natal para Todos

Sob o lema “Natal para Todos” o Município de Ponte de Lima vai promover um teatro musical direcionado para toda a comunidade local.

Natal para todos.jpg

Trata-se de uma ação que tem como  objetivo fomentar a troca de experiências geracionais, bem como a valorização da época Natalícia enquanto celebração de humanismo, fraternidade e de união.

Este projeto intergeracional incide na dramatização e canto de uma história intitulada Canto de Natal, inspirado na obra Um Conto de Natal, de Charles Dickens, adaptado pelas técnicas da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, que visa dar a conhecer o verdadeiro sentido do Natal.

Esta iniciativa será realizada no dia 13 e 14 de dezembro, pelas 9h30 e 14h, no auditório Rio Lima, para crianças e idosos do concelho de Ponte de Lima, mediante inscrição prévia.

“O SEGREDO DE SIMÓNIDES” CHEGA A MONÇÃO

Dia 10, pelas 22h00, na Junta de Freguesia de Lapela, dia 11, pelas 22h00, no Cine Teatro João Verde, dia 12, pelas 16h00, no Salão Paroquial da Bela, e dia 13, pelas 16h00, na Junta de Freguesia de Merufe. As entradas são gratuitas.

O Segredo de Simónides.png

Com direção de Raquel André e Coprodução da Comédias do Minho, FIMP, e Teatro Municipal do Porto, “O Segredo de Simónides” chega a Monção. Dia 10, pelas 22h00, na Junta de Freguesia de Lapela, dia 11, pelas 22h00, no Cine Teatro João Verde, dia 12, pelas 16h00, no Salão Paroquial da Bela, e dia 13, pelas 16h00, na Junta de Freguesia de Merufe.

Projeto vencedor da II edição da Bolsa de Criação Isabel Alves, conta com cocriação de António Pedro Lopes, Bernardo de Almeida e Raquel André, vídeo de Diogo Lima, música de Noiserv, desenho de luz de Rui Monteiro e colaboração artística de Tânia Almeida.

Na sinopse, pode ler-se: “Raquel André coleciona os segredos dos Simónides que encontrou no vale do Minho. Raquel André coleciona os próprios colecionadores, eles mesmos, pedem-lhes que lhe contem um segredo, que lhe contem o que é ser colecionador. Pede-lhes que se deixem colecionar. No segredo de Simónides, coleciona-se o outro e guarda-se o que não dá para guardar”.

"COMO FAZER CAVACAS E ROSQUILHOS" É COMÉDIA EM CABECEIRAS DE BASTO

Centro de Teatro leva comédia às freguesias do concelho Cabeceirense
O Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto (CTCMCB) estreia amanhã, dia 4 de novembro, o novo espetáculo ‘Como Fazer Cavacas e Rosquilhos’, uma comédia que será levada a todo concelho e que pretende reforçar ainda mais a presença do teatro no quotidiano dos cabeceirenses.

Como Fazer Cavacas - Cavez.jpg

A peça realizará uma tournée pelas freguesias do concelho no âmbito do projeto ‘DEZcentralizar’, uma iniciativa que há três anos promove a disseminação da cultura nos diversos pontos do município através da descentralização das apresentações de espetáculos teatrais.

O CTCMCB tem atuado como agente cultural dentro do concelho com um conjunto de iniciativas que cada vez mais abrange um número maior de pessoas e conquista um espaço de relevância dentro da programação cultural e social do Município.
Este progresso dentro dos distintos pontos do concelho vai de encontro ao objetivo da descentralização das ações artísticas representa uma participação ativa de integração, pois liga e une os cabeceirenses dos diferentes lugares e freguesias por intermédio de um elemento fundamental para a formação dos cidadãos e para as relações humanas: a Cultura. O CTCMCB é já uma marca importante ligada aos cabeceirenses, às suas raízes e tradições.
‘Como Fazer Cavacas e Rosquilhos’ é uma comédia deliciosa, assim como as cavacas e os rosquilhos, doces tão típicos de Cabeceiras de Basto. Quase sem palavras, a peça apresenta um curso de culinária promovido pelo famoso Rei das Cavacas, uma oportunidade única para aprender a fazer tais guloseimas com excelência ou... para pôr uma cozinha de pernas para o ar! Depende dos alunos que aparecem.
Programação
4 de Novembro - Pedraça (Escola Primária de Pedraça ) 21h30
5 de Novembro - Cavez (Centro Comunitário de Cavez ) 21h30
11 de Novembro - Alvite (Sede da Junta de Freguesia de Alvite) 21h30
12 de Novembro - Gondiães (GAS - Grupos Associativo do Samão) 21h30
18 de Novembro - Bucos (Sede da Junta de Freguesia de Bucos ) 21h30
19 de Novembro - Faia (Sede da Junta de Freguesia da Faia ) 21h30
26 de Novembro - Riodouro (Antiga Escola Primária de Asnela) 21h30
2 de Dezembro - Arco de Baúlhe (Casa do Povo do Arco de Baúlhe ) 21h30
3 de Dezembro - Basto (Antiga Escola Primária de Basto) 21h30

Como Fazer Cavacas - Pedraça.jpg

“PRELÚDIO: A MULHER SELVAGEM” ESTREIA AMANHÃ NA CASA DAS ARTES EM FAMALICÃO

Tradição e contemporaneidade marcam a nova produção do Teatro da Didascália

O Teatro da Didascália pegou em alguns dos materiais recolhidos ao longo das últimas programações do festival itinerante “Contos d’Avó”, que todos os anos se realiza em Vila Nova de Famalicão, e inspirado nos contos e romances tradicionais portugueses deu corpo ao espetáculo “Prelúdio: a mulher selvagem”.

Prelúdio_a mulher selvagem (1).jpg

A peça, que estreia amanhã, quinta-feira, dia 3 de novembro, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, traz à tona temas seculares, inspirados em arquétipos, símbolos e rituais que nos falam do poder intuitivo e sobrenatural das mulheres. 

Em cena, as atrizes Cláudia Berkeley, Daniela Marques e Catarina Gomes conduzem o público para uma viagem no tempo e no espaço, num universo que conjuga força e subtileza e permite que cada um construa a sua própria paisagem.

Com encenação de Bruno Martins, dramatúrgica de Patrícia Amaral, direção musical de Rui Souza, e cenário e figurinos de Sandra Neves, este espetáculo explora uma nova vertente e reforça a transdisciplinaridade do Teatro da Didascália, surpreendendo todos os que já acompanham o trabalho da companhia famalicense. 

Refira-se que a peça é uma coprodução do Teatro da Didascália, da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão e do Centro Cultural Vila Flor e vai permanecer em cartaz até sábado, 5 de novembro.

O espetáculo está marcado para as 21h30. Os bilhetes têm o custo de 8 euros, reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.  

Mais informações no site oficial da Casa das Artes de Famalicão, em www.casadasartes.org

BARCELOS: TEATRO BALUGAS APRESENTA O "AUTO DOS BONS DIABOS"

O Teatro de Balugas apresenta no dia 13 de novembro, pelas 16h00, no Teatro Gil Vicente em Barcelos, a peça “O Auto dos Bons Diabos”. A produção teatral do grupo de teatro de Balugães integra a programação do Festival de Teatro de Barcelos.

Cartaz_O AUTO DOS BONS DIABOS_Teatro de Balugas.png

A entrada é livre e limitada à lotação da sala. Reserva de bilhetes através do e-mail tgv@cm-barcelos.pt - telefone 253 809 694 ou bilheteira: 09h00 às 18h00.

"O Auto dos Bons Diabos"

– Estou a ficar velho, mas hei-de morrer a cavar a terra, ou nas tábuas do palco, Ela já mo disse, ó homem cava já o buraco que com as tábuas do teatro faz-se o caixote e assim não se gasta dinheiro com o funeral”.

Este é o relato de um artista de teatro popular que se desdobra em histórias e personagens dessa mesma história, do desaparecimento do mundo rural, da festa feita nas terras pelas gentes que contavam apaixonadamente as suas crenças, tradições e costumes, de uma certa ideia de progresso que não serve homens nem comunidades.

Baltazar Diabo e a sua companhia são últimos resistentes do que resta de um vale outrora rural, esvaziado em grande parte pela fuga para as cidades, vilas e estrangeiro. Aqui habitam histórias de resiliência e sobrevivência, onde a cultura popular de gerações resiste nas mãos de um punhado de artistas anónimos.

TEATRO SAI À RUA EM BARCELOS

O Teatro sai à rua para ensinar História. uma visita guiada pelo centro de Barcelos. Sábado, 29 de outubro, no Centro Histórico

Nobres, peregrinos, mestres e servos, e muitas outras personagens emblemáticas de Barcelos estarão no centro da cidade, no próximo sábado, dia 29 de outubro, pelas 21h30, para nos contar, na primeira pessoa, as suas memórias das batalhas, das traições, dos amores, das tradições e dos seus feitos gloriosos que travaram e que fizeram com que o Município de Barcelos e as suas gentes ficassem de forma incontornável na História de Portugal.

“Barcelos Mágico” é o título da visita teatralizada ao centro histórico da cidade. A atividade é organizada pelo pelouro de Turismo do Município de Barcelos em parceria com A Capoeira – Companhia de Teatro de Barcelos.

São cerca de 15 os atores que darão vida, numa visita teatralizada, a diversos espaços históricos e emblemáticos do centro da cidade. O Município de Barcelos proporcionará uma forma diferente, inovadora de dar a conhecer e aprender a história e o património, onde a aposta na interação e proximidade entre passado; a história, e o presente; os espectadores permitirá descobrir ou redescobrir a História de Barcelos através do poder representativo das palavras e da encenação, aliando assim uma atividade sociocultural de cariz didático a uma nova abordagem turística ao património. Uma forma dinâmica e oralizada de transmitir conhecimento acerca da cidade e dos seus antepassados, tal qual manda a História.