Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

GRUPO ETNOGRÁFICO DANÇAS E CANTARES DO MINHO LEVA AOS NOSSOS EMIGRANTES NA SUÍÇA UM ABRAÇO FRATERNO DE TODOS OS MINHOTOS

O Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho acaba de regressar da Suíça onde atuou para milhares de portugueses e helvéticos no Cantão de Zurique. Tratou-se do Festival de Folclore do Grupo de Wetzikon, organizado pelo Rancho de Wetzikon. No dia seguinte, foi a vez de atuarem em Lenzburg, a convite do Grupo Desportivo e Cultural Português de Lenzburg, no Cantão de Argóvia.

A participação do Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho constituiu um momento de saudável confraternização e um autêntico abraço aos nossos compatriotas emigrados na Suiça, em representação de Portugal e do Minho.

À chegada ao nosso país, é visível o contentamento pela forma como ali foram recebidos pelas nossas gentes, com a satisfação da missão cumprida na representação digna das nossas tradições e também pela onda de simpatia transmitida pelos cidadãos helvéticos naquele cantão de língua germânica.

Situado a norte dos Alpes, é neste cantão que se encontra o maior lago da Suíça, precisamente o Lago Zurique. O cantão de Zurique pertence à Confederação Helvética desde 1351 e possui o alemão como língua oficial, embora os seus habitantes também utilizem o dialeto local designado por Züritüütsch. Por seu turno, Lenzburg é uma comuna pertencente ao cantão Argóvia, situado entre Basileia e Zurique.

No próximo dia 15 de maio, o Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho leva a efeito o Festival de Folclore Cidade de Lisboa que tem lugar em Benfica, no Ringue António Livramento, instalações pertencentes à Junta de Freguesia de Benfica.

Suiça 13

 

GUIMARÃES RECEBE EMBAIXADOR DA SUÍÇA NO SALÃO NOBRE DOS PAÇOS DO CONCELHO

Comunidade emigrante é ponto de ligação com a Suíça

O Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, recebeu hoje, dia 15 de Fevereiro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o Embaixador da Suíça em Portugal, Lorenzo von Wartensee, numa iniciativa promovida pela InvestBraga e que teve como finalidade promover o contacto com a realidade Bracarense, sobretudo no âmbito económico.

CMB15022016SERGIOFREITAS000000649

Segundo o Autarca, esta visita vem dar sequência ao plano de contactos que tem sido efectuado com os responsáveis do corpo diplomático enquanto vector estratégico de promoção da Cidade e dos seus activos. O Edil realçou o facto de, na Suíça, residirem cerca de 260 mil portugueses, razão pela qual existem ´fortes pontos de contacto´ com esse país. “A juntar ao contingente emigrante, há uma ligação que queremos fortalecer ao nível da atracção de visitantes e com o tecido económico Suíço. Estes contactos são uma excelente forma de projectar internacionalmente a Cidade e potenciar os recursos que temos para oferecer a todos os que aqui queiram investir ou estabelecer parcerias de índole comercial”, afirmou.

CMB15022016SERGIOFREITAS000000647

Ricardo Rio sublinhou ainda o facto de o SC Braga disputar esta Quinta-feira um jogo referente à Liga Europa em Sion, reeditando-se nesse contexto uma iniciativa da AIMinho e da InvestBraga que consiste na promoção de contactos institucionais e empresariais nas Cidades onde o clube disputa partidas europeias. “Trata-se de uma forma distinta e inovadora de aproveitar a projecção que o SC Braga oferece e canalizá-la enquanto vantagem económica para a Cidade”, referiu.

CMB15022016SERGIOFREITAS000000652

Por seu turno, Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga, salientou que os Embaixadores que visitam Braga ficam surpreendidos com o nível de tecnologia dos produtos que estão ser desenvolvidos na Cidade. “O conhecimento que temos e a sua transformação e valorização em potencial económico é um óptimo cartão-de-visita de Braga. As portas ficam abertas para a realização de futuras oportunidades de investimento das empresas Suíças na região”, garantiu.

Já Lorenzo von Wartensee mostrou-se ´encantado´ com a visita realizada a Braga. “É uma cidade simplesmente maravilhosa e existe espaço para se aprofundarem as relações entre as Universidades de Braga e da Suíça, assim como para as empresas Suíças se poderem interessar pelo trabalho que é efectuado pelas Startups da Cidade”, disse.

CMB15022016SERGIOFREITAS000000648

EMBAIXADOR DA SUÍÇA VISITA BRAGA

A receção oficial ao Embaixador da Suíça em Portugal tem lugar no dia 15 de Fevereiro, às 17h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, Braga

O Município de Braga e a InvestBraga recebem o Embaixador da Suíça, Lorenzo Schnyder von Wartensee, na próxima Segunda-feira, 15 de Fevereiro, às 17h00, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Braga.

Nesta cerimónia participam Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga.

Antes da recepção na Câmara Municipal, o diplomata suíço visitará a Startup Braga, a Universidade do Minho, a Quinta da Casa da Capela e o Centro Interpretativo das Memórias da Misericórdia de Braga instalado no Palácio do Raio.

ARCUENSES NA SUIÇA HÁ QUINZE ANOS A DANÇAR Á MODA DO MINHO

Rancho Folclórico de Martigny, na Suiça, celebra quinze Anos de atividade

O Rancho Folclórico de Martigny, na Suíça, celebrou no passado dia 24 de Outubro o seu 15º aniversário.

A Salle Polyvalente de Saxon encheu para acolher artistas e ranchos folclóricos, entre os quais o Rancho Folclórico das Lavradeiras de S. Pedro de Souto, que viajou propositadamente desde Portugal, com o apoio da Câmara Municipal.

De Arcos de Valdevez estiveram também presentes a Rádio Valdevez, as empresas Sabores do Vez e a Bricelta cafés, que aproveitaram para estabelecer muitos contactos para comercialização futura dos seus produtos.

Para Júlio Machado, diretor do Rancho de Martigny, este foi mais um grande momento de tradicionalidade e uma “amostra de enorme orgulho arcuense e Português.”

De realçar que a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez apoiou o rancho Folclórico de Martigny através de protocolo de atividade no valor de 2000€, para apoio na aquisição de equipamento musical. Estes apoios concedidos pelo municipio arcuense têm o objetivo de reforçar a cooperação entre as instituições e a própria Câmara Municipal de Arcos de Valdevez.

PARA QUANDO O ENCONTRO DAS CASAS REGIONAIS DO MINHO ESPALHADAS PELO MUNDO?

Calcula-se em cerca de duas dezenas o número de casas regionais do Minho existentes em todo o mundo, incluindo as que possuem apenas referência concelhia. Não obstante alguns contactos estabelecidos entre algumas dessas associações, não foi possível até ao momento reuni-las num grande encontro com vista a estabelecerem laços de cooperação entre si.

11059898_507372099412332_5922888807708304974_n

Para além da Casa do Minho e das seis casas concelhias existentes em Lisboa referentes a Arcos de Valdevez, Valença, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Ponte da Barca e Vila Nova de Cerveira, existem ainda casas regionais do Minho nomeadamente em França, Suíça, Alemanha, Brasil, Estados Unidos da América, Canadá e Venezuela. No Brasil existem pelo menos duas casas do Minho – no Rio de Janeiro e em São Paulo.

No que se refere às casas regionais de âmbito concelhio, destaca-se o concelho de Arcos de Valdevez com diversas representações nomeadamente em França, Estados Unidos e na Venezuela.

Para além das representações já existentes, existem ainda condições excelentes com vista ao aparecimento de novas casas regionais do Minho noutros países, como se verifica na Argentina em cuja capital se encontra uma comunidade minhota bastante unida e dinâmica, organizada sobretudo através de ranchos folclóricos.

São conhecidas as excelentes relações entre as associações regionalistas minhotas nos Estados Unidos da América e Canadá, estabelecendo constantes permutas para a atuação dos respetivos ranchos folclóricos. Também foi estreita a ligação outrora existente entre a Casa do Minho em Lisboa e a Casa do Minho no Rio de Janeiro. Porém, o associativismo regionalista minhoto tem vindo a registar novos desenvolvimentos, sobretudo com o aparecimento de várias casas concelhias, aliás à semelhança do que se verificou em Lisboa.

A promoção de um encontro de casas regionais do Minho permitiria uma maior entreajuda e partilha de informações, contribuindo para uma maior projeção do Minho a nível internacional. A colaboração entre todas as comunidades minhotas, em Portugal e no estrangeiro, poderia inclusive favorecer uma melhoria da representação do nosso folclore e a divulgação mútua, nomeadamente através do estabelecimento de eventuais permutas e outras formas de colaboração.

Também a este respeito, o Minho necessita de falar a uma só voz, superando os condicionalismos naturalmente resultantes da inexistência de uma entidade congregadora de todas as vontades da região. Mas, importa que, com o apoio nomeadamente das autarquias, os regionalistas minhotos saibam construir essa unidade em prol da nossa região.

O BLOGUE DO MINHO será sempre o elo de ligação entre o Minho e todos os minhotos espalhados pelo mundo!

1920417_669077956539989_8000314688441775493_n

1517394_462784153871803_7144135727552206666_n

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS FOI A GENEBRA APRESENTAR O SEU LIVRO “TERRA”

O escritor português Daniel Bastos apresentou, no passado dia 2 de maio, o seu novo livro de poesia “Terra” na Livraria Camões em Genebra.

5

A apresentação da obra, uma edição bilingue em Português e Francês, que conta com ilustrações do artista plástico português Orlando Pompeu, cuja obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Japão e Dubai, e prefácio de Gérald Bloncourt, Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras de França, contou com a presença de muitos conterrâneos e compatriotas do autor que encheram a livraria portuguesa em Genebra.

15

No decurso da sessão de apresentação, o escritor natural de Fafe, que agradeceu a receção calorosa da comunidade lusófona radicada em terras helvéticas, lamentou a ausência por motivos de saúde na iniciativa de Benjamim Ferreira, conhecido representante da comunidade portuguesa em Genebra, mostrou enorme satisfação por apresentar a sua obra num espaço cultural por onde já passaram nomes como Saramago, Fernando Campos, Nuno Júdice ou Vasco Graça Moura.

Segundo Daniel Bastos, o seu percurso literário, quer no campo da história, como agora no campo da poesia onde faz a sua estreia literária, tem sido alicerçado junto das comunidades lusófonas, refletindo uma relação umbilical com a sua terra, e com a história, memória e identidade cultural portuguesa que nos une a todos.

Refira-se que esta sessão cultural na Livraria Camões em Genebra incluiu uma prova de vinho verde, um produto vínico característico da região minhota de onde é natural o escritor, e que estão previstas ao longo dos próximos meses novas apresentações oficiais do livro em território nacional e no espaço francófono europeu.

18

ESCRITOR DANIEL BASTOS APRESENTA EM GENEBRA LIVRO DE POESIA “TERRA”

No próximo dia 2 de Maio (sábado), o escritor português Daniel Bastos apresenta às 18h00, na Livraria Camões em Genebra, o seu mais recente livro de poesia “Terra”.

A apresentação da obra, uma edição bilingue em Português e Francês, que conta com ilustrações do artista plástico português Orlando Pompeu, cuja obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Japão e Dubai, e prefácio do fotógrafo, poeta e pintor francês Gérald Bloncourt, será apresentada por Benjamim Ferreira, antigo Consultor das Nações Unidas e Diretor da Fundação OISTE.

Os poemas do escritor e historiador natural do concelho de Fafe, cujo percurso literário tem sido alicerçado junto das comunidades lusófonas, são marcados por um sentimento telúrico que se reflete numa relação umbilical com a sua terra e na procura do sentido da vida. Segundo Gérald Bloncourt, recentemente condecorado cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa, o livro de estreia do autor minhoto no campo da poesia, perscruta as profundezas da humanidade, e os desenhos de Orlando Pompeu, concebidos a partir dos poemas, criam uma simbiose entre a linguagem artística da poesia e pintura.

Refira-se que esta apresentação na livraria portuguesa em Genebra, centro cultural por onde já passaram nomes como Saramago, Fernando Campos, Nuno Júdice ou Vasco Graça Moura, enquadra-se num conjunto de apresentações oficiais do livro “Terra” no espaço francófono europeu, particularmente junto das comunidades lusófonas, no seguimento das apresentações que decorreram nos meses transatos em Paris e Bruxelas. Sendo que esta sessão cultural na Livraria Camões incluirá uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde que procura aliar a tradição de fazer vinho com a inovação no sector.

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA “TERRA” EM GENEBRA

No próximo dia 2 de Maio (sábado), o escritor português Daniel Bastos apresenta às 18h00, na Livraria Camões em Genebra, o seu mais recente livro de poesia “Terra”.

A apresentação da obra, uma edição bilingue em Português e Francês, que conta com ilustrações do artista plástico português Orlando Pompeu, cuja obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Japão e Dubai, e prefácio do fotógrafo, poeta e pintor francês Gérald Bloncourt, será apresentada por Benjamim Ferreira, antigo Consultor das Nações Unidas e Diretor da Fundação OISTE.

Os poemas do escritor e historiador natural do concelho de Fafe, cujo percurso literário tem sido alicerçado junto das comunidades lusófonas, são marcados por um sentimento telúrico que se reflete numa relação umbilical com a sua terra e na procura do sentido da vida. Segundo Gérald Bloncourt, recentemente condecorado cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa, o livro de estreia do autor minhoto no campo da poesia, perscruta as profundezas da humanidade, e os desenhos de Orlando Pompeu, concebidos a partir dos poemas, criam uma simbiose entre a linguagem artística da poesia e pintura.

Refira-se que esta apresentação na livraria portuguesa em Genebra, centro cultural por onde já passaram nomes como Saramago, Fernando Campos, Nuno Júdice ou Vasco Graça Moura, enquadra-se num conjunto de apresentações oficiais do livro “Terra” no espaço francófono europeu, particularmente junto das comunidades lusófonas, no seguimento das apresentações que decorreram nos meses transatos em Paris e Bruxelas. Sendo que esta sessão cultural na Livraria Camões incluirá uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde que procura aliar a tradição de fazer vinho com a inovação no sector.