Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PONTE DE LIMA LEVA A LOURES ALHEIRA DE GALO E ARROZ DE SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA E O GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MINHO ANIMA A FESTA

Iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes do Sarrabulho em Ponte de Lima

O arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima e a alheira de galo vão fazer as delícias dos melhores apreciadores da cozinha tradicional minhota. Trata-se de uma jornada gastronómica levada a cabo pelo Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes de Sarrabulho em Ponte de Lima e vai ter lugar no próximo dia 4 de Fevereiro, no refeitório da Câmara Municipal de Loures.

SarrabulhoLoures

O arroz de sarrabulho é uma das mais ricas especialidades da cozinha portuguesa em geral e minhota em particular. Um autêntico manjar próprio dos deuses!

Ao invés das papas de sarrabulho que são feitas à base de farinha de milho, aqui impera o arroz como a própria designação indica.

Desde a perna do porco às belouras, do chouriço verde às farinhotas e outros aromas e delícias de fazer crescer àgua na boca, o porco compromete-se na elaboração deste magnífico prato. As carnes são temperadas com louro, cravinho e noz-moscada, sal e pimenta e, no final, com os cominhos que lhe conferem um paladar muito peculiar e único. As carnes, depois de cozinhadas e desfiadas, juntam-se ao arroz e vão de imediato à mesa.

Por sua vez, a alheira de galo, especialidade produzida pela Minho Fumeiro, situada na Correlhã, no concelho de Ponte de Lima, e já galardoada com a medalha de ouro no concurso da Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, é justamente considerada a “melhor das melhores” alheiras do país.

Com baixo teor de sal e calorias, contendo apenas 13 gramas de gordura e 14 gramas de proteína, a sua confecção possui alguns segredos que vão do pão amolecido no caldo da cozedura das carnes de galo até aos temperos.

E porque onde há Minho há alegria e tradição, lá estará o Grupo Folclórico Verde Minho para animar o evento com as mais alegres rapsódias do folclore do Alto Minho.

Por sua vez, entendendo que o folclore ou seja, a sabedoria popular não se restringe ao canto e à dança mas abrange todos os aspectos da vida social, incluindo nela a própria gastronomia, o Grupo Folclórico Verde Minho juntou esforços com o melhor da restauração limiana para em Loures – às portas da capital do país! – dar a conhecer a Alheira de Galo e o Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima.

- Venham, pois, provar o nosso património!

AlheiraLoures

PONTE DE LIMA CONVIDA A PROVAR O BACALHAU

VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra). Abertura, dia 8 de dezembro.  Pavilhão de Feiras e Exposições – Ponte de Lima

O VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra), abre amanhã, 8 de dezembro no Pavilhão de Feiras e Exposições da Expolima, em Ponte de Lima.

Capturarb1

Considerada como uma das iguarias mais apreciadas e procuradas da gastronomia limiana, o Município de Ponte de Lima organiza mais uma edição do certame dedicado ao bacalhau, por forma e dinamizar e impulsionar um dos elementos chave da cozinha tradicional da região. Seja na forma de petisco ou numa elaborada refeição, o bacalhau é rei e senhor nas mesas de todos os limianos.

Presença obrigatória nas famosas tasquinhas d’outrora da feira quinzenal é ainda hoje um dos produtos mais procurados e mais comercializados da ‘Feira de Ponte’, por todos aqueles que a ela se dirigem para feirar.

Chegada a época natalícia, o VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra), ganha maior destaque pela elevada procura por parte do público e, como consequência, pela cada vez maior oferta por parte dos comerciantes. Quem visitar o festival pode ainda encontrar mel, sidra, licores, chocolates, bolos e outras especialidades tipicamente limianas e que bem representam a riqueza da gastronomia da região.

O VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra) dá as boas vindas a dezembro e antecipa o Natal, com muita animação e sabor desde showcookings, provas de degustação, música popular e fados de Coimbra. Destaque para a apresentação, na sexta-feira, dia 08, da peça de artesanato “Vaquinha Minhota” e do lançamento do conto infantil “Rosália, a Princesa do Lima”, da autoria da artesã limiana, Nélia Saraiva. No dia 09, sábado, destaque para a primeira edição do ‘Concurso do Bolo Rei de Ponte de Lima’ e para o desfile “Há Moda em Ponte de Lima”, pela Associação Empresarial de Ponte de Lima. No dia 10, domingo e último dia do festival, o destaque vai para as provas de degustação, nomeadamente de Sidra, produto em franco crescimento em Ponte de Lima.

O Festival do Bacalhau e Doçaria (Mel e Sidra) realiza-se de 08 a 10 de dezembro, no Pavilhão de Feiras e Exposições da Expolima, em Ponte de Lima, e é um evento a não perder, destinado a toda a família.

A 7ª edição do Festival do Bacalhau abre ao público esta sexta-feira, às 15 horas, antecedendo a inauguração oficial, agendada para as 18 horas.

Capturarb2

Capturarb3

Capturarb4

PONTE DE LIMA APRESENTA "JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO"

“Jardim Zoológico de Vidro”, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, dia 08 de dezembro _ 21h30

“Uma colecção rara e excepcional de quatro actores” e “uma encenação delicada e inspirada de Jorge Silva Melo”.

Um espectáculo brilhante é apresentado na noite de sexta-feira, 8 de Dezembro, às 21h30, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima.

jardim_zoo_4x3_

Trata-se de Jardim Zoológico de Vidro, texto de Tennessee Williams, pela Companhia Artistas Unidos e com encenação de Jorge Silva Melo, encenador de relevo no panorama teatral português.

Jardim Zoológico de Vidro foi o primeiro êxito de Tennessee Williams na Broadway. Trata-se de uma peça exemplar, sobretudo quando se pretende ficar a conhecer o modo como o autor traduz as disfunções da sociedade por meio de crises pessoais e familiares. Neste caso, descreve-se a história de Amanda, mãe de Tom e Laura, abandonada pelo marido e empenhada em encontrar um pretendente para a filha aleijada. Tom, por sua vez, é o sustento da mãe e da irmã, e trabalha, contra o seu desejo, num armazém de calçado, mas nos tempos livres escreve poemas nas tampas das caixas de sapatos que vende.

Tom, é um “poeta num mundo prosaico, que se refugia na sua escrita, para se abstrair das verdades dolorosas da sua existência, num apartamento delapidado na cidade de St. Louis”.

A peça decorre na década de 1930, quando os Estados Unidos vivem a Grande Depressão.

Numa família de parcos recursos, Laura esconde-se no mundo íntimo da sua colecção de pequenas figuras de animais de vidro, e Amanda deposita toda a expectativa na recuperação da família no casamento de Laura com um dos colegas de Tom, Jim O`Connor, personagem desempenhada por Guilherme Gomes.

À sua maneira, todos perseguem uma vida à medida dos seus sonhos. Helena Simões, no Jornal de Letras, fala de “uma colecção rara e excepcional de quatro actores” e de “uma encenação delicada e inspirada de Jorge Silva Melo”.

“Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.” (Jorge Silva Melo)

O elenco é composto por Isabel Muñoz Cardoso, João Pedro Mamede, nomeado na categoria Melhor Actor nos Globos de Ouro 2017 com o presente espectáculo, Guilherme Gomes e Vânia Rodrigues.

Bilhetes disponíveis na bilheteira do Teatro Diogo Bernardes (3,00€). Para mais informações contacte através do email teatrodb@cm-pontedelima.pt ou pelo telefone 258900414.

jardim_zoo_banner_2

PONTE DE LIMA DEVERIA INSERIR A ARTE DA CANTARIA DA FREGUESIA DE ARCOZELO NA ROTA DO TURISMO

A Freguesia de Arcozelo, no concelho de Ponte de Lima, é célebre pelos seus granitos reconhecidos de excelente qualidade e o inigualável talento artístico dos seus canteiros.

24862422_1805294429500915_7614863230148137013_n

Perfilando-se junto à estrada, eles extraem da rocha bruta as mais belas formas que fazem o encanto de todos quantos apreciam esta forma de manifestação de arte popular. Da pedra surgem pelas mãos dos artesãos limianos figuras deslumbrantes como as imagens de santos, animais, réplicas de monumentos, fontenários e espigueiros. E fazem-no com tal perfeição que chega a competir com as obras produzidas por alguns conceituados escultores eruditos.

Caso a rota dos canteiros de Arcozelo seja integrada na promoção turística do concelho de Ponte de Lima, decerto quem visita a vila limiana muito apreciaria contemplar estas obras e, quiçá, adquirir algumas peças para decorar os seus jardins e habitações, contribuindo para o aumento do emprego e o crescimento da economia local. E, porque não promover na vila uma feira onde se reunissem todos quantos em Ponte de Lima e noutras localidades trabalham na arte da cantaria?

Fotos: José Costa Lima

24059138_1805295039500854_684131198602963290_n

24301347_1805294602834231_3965644857055342746_n

24312542_1805294412834250_2836822731179725872_n

24312560_1805293916167633_6764884930265031793_n

24312617_1805293779500980_7063092355521100462_n

24312732_1805294156167609_6842847138014489817_n

24312870_1805293589500999_3367904441100911168_n

24774712_1805294702834221_3531480159316916675_n

24774723_1805294932834198_2583001433835947732_n

24774757_1805295126167512_4734737042241528075_n

24774959_1805293706167654_6857395117815390472_n

24852121_1805294126167612_199912795789544502_n

24852134_1805295066167518_5776402262418582372_n

24852207_1805293056167719_6480839807198901308_n

24899679_1805293052834386_434179097422642672_n

24899979_1805294719500886_7550295628706022975_n

24899984_1805294049500953_681392347057970152_n

24900079_1805293866167638_4208474144568529578_n

24909582_1805294342834257_3089794622200146256_n

24910031_1805293992834292_7994023191003808102_n

24910093_1805294172834274_475788902295366791_n

24993487_1805294862834205_6516128097540000069_n

PONTE DE LIMA EXPÕE O TRAJE REGIONAL

Tradição do folclore evocada em exposição no CIT

O Município de Ponte de Lima tem patente ao público uma exposição intitulada “Os nossos ranchos: mostra de objetos e trajes do folclore regional”, de 5 de dezembro de 2017 a 31 de janeiro de 2018, no Centro de Interpretação do Território (CIT).

A exposição, que conta com a colaboração das várias coletividades do concelho, apresenta peças e objetos representativos de cada grupo folclórico e uma resenha histórica com o essencial do percurso das associações.

Uma oportunidade para divulgar o melhor das tradições populares de Ponte de Lima e celebrar uma das suas mais importantes manifestações culturais.

24301114_1533127820074629_866255731974933712_n

PONTE DE LIMA LEVA A LOURES ALHEIRA DE GALO E ARROZ DE SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA E O GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MINHO ANIMA A FESTA

Iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes do Sarrabulho em Ponte de Lima

O arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima e a alheira de galo vão fazer as delícias dos melhores apreciadores da cozinha tradicional minhota. Trata-se de uma jornada gastronómica levada a cabo pelo Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes de Sarrabulho em Ponte de Lima e vai ter lugar no próximo dia 4 de Fevereiro, no refeitório da Câmara Municipal de Loures.

AlheiraLoures

O arroz de sarrabulho é uma das mais ricas especialidades da cozinha portuguesa em geral e minhota em particular. Um autêntico manjar próprio dos deuses!

Ao invés das papas de sarrabulho que são feitas à base de farinha de milho, aqui impera o arroz como a própria designação indica.

Desde a perna do porco às belouras, do chouriço verde às farinhotas e outros aromas e delícias de fazer crescer àgua na boca, o porco compromete-se na elaboração deste magnífico prato. As carnes são temperadas com louro, cravinho e noz-moscada, sal e pimenta e, no final, com os cominhos que lhe conferem um paladar muito peculiar e único. As carnes, depois de cozinhadas e desfiadas, juntam-se ao arroz e vão de imediato à mesa.

Por sua vez, a alheira de galo, especialidade produzida pela Minho Fumeiro, situada na Correlhã, no concelho de Ponte de Lima, e já galardoada com a medalha de ouro no concurso da Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, é justamente considerada a “melhor das melhores” alheiras do país.

Com baixo teor de sal e calorias, contendo apenas 13 gramas de gordura e 14 gramas de proteína, a sua confecção possui alguns segredos que vão do pão amolecido no caldo da cozedura das carnes de galo até aos temperos.

E porque onde há Minho há alegria e tradição, lá estará o Grupo Folclórico Verde Minho para animar o evento com as mais alegres rapsódias do folclore do Alto Minho.

Por sua vez, entendendo que o folclore ou seja, a sabedoria popular não se restringe ao canto e à dança mas abrange todos os aspectos da vida social, incluindo nela a própria gastronomia, o Grupo Folclórico Verde Minho juntou esforços com o melhor da restauração limiana para em Loures – às portas da capital do país! – dar a conhecer a Alheira de Galo e o Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima.

- Venham, pois, provar o nosso património!

SarrabulhoLoures

A MAGIA DE “O LAGO DOS CSNES” CHEGA A FAMALICÃO

Bailado clássico sobe esta sexta-feira, dia 8, ao palco do grande auditório da Casa das Artes

A Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão recebe esta sexta-feira, 8 de dezembro, uma das maiores obras-primas do ballet clássico mundial. A Russian Classical Ballet regressa a Portugal para apresentar “O Lago dos Cisnes” e promete voltar a encantar o publico famalicense com um espetáculo para toda a família, repleto de romantismo e beleza.

RCB_SLake_promo_01

Composto por dois atos e quatro cenas, o bailado “O Lago dos Cisnes” narra um conto de amor, traição, do triunfo do bem sobre o mal, numa produção clássica com elementos cenográficos de um realismo incrível, figurinos manufaturados com detalhes sumptuosos e um leque de melodias encantadoras.

“O prestígio e a notoriedade intemporal alcançados pela obra são motivados pela música inspirada de Pyotr Tchaikovsky, mas também pela coreografia inventiva e expressiva de Marius Petipa que, relacionando o corpo humano com os movimentos de um cisne, revela a sua genialidade, o seu potencial coreográfico e criatividade artística”, pode ler-se na apresentação do bailado.

Atualmente a Russian Classical Ballet é dirigida por Evgeniya Bespalova e composta por um elenco de bailarinos graduados pelas mais conceituadas escolas coreográficas, conciliando a mestria e experiência de bailarinos Internacionais, com a irreverência de jovens talentos emergentes no panorama da dança clássica.

“O Lago dos Cisnes” sobe ao palco do grande auditório da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão esta sexta-feira à noite, pelas 21h30. O bailado tem a duração de 140 minutos com intervalo de 20 minutos. Para o público geral os bilhetes têm o custo de 18 euros, reduzindo para 9 para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.

Mais informações em www.casadasartes.org.

PONTE DE LIMA REALIZA FESTIVAL DO BACALHAU E DA DOÇARIA

VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra) de 08 a 10 de dezembro no Pavilhão de Feiras e Exposições – Ponte de Lima

Realiza-se no próximo fim-de-semana, de 8 a 10 de dezembro, o VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra), no Pavilhão de Feiras e Exposições da Expolima, em Ponte de Lima. Sendo uma das iguarias mais apreciadas e procuradas da gastronomia limiana, o Município de Ponte de Lima organiza mais uma edição do certame dedicado ao bacalhau, por forma e dinamizar e impulsionar um dos elementos chave da cozinha tradicional da região. Seja na forma de petisco ou numa elaborada refeição, o bacalhau é rei e senhor nas mesas de todos os limianos.

Cartaz_Bolo_Rei

Presença obrigatória nas famosas tasquinhas d’outrora da feira quinzenal é ainda hoje um dos produtos mais procurados e mais comercializados da ‘Feira de Ponte’, por todos aqueles que a ela se dirigem para feirar.

Chegada a época natalícia, o VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra), ganha maior destaque pela elevada procura por parte do público e, como consequência, pela cada vez maior oferta por parte dos comerciantes. Quem visitar o festival pode ainda encontrar mel, sidra, licores, chocolates, bolos e outras especialidades tipicamente limianas e que bem representam a riqueza da gastronomia da região.

O VII Festival do Bacalhau e Doçaria (mel e sidra) dá as boas vindas a dezembro e antecipa o Natal, com muita animação e sabor desde showcookings, provas de degustação, música popular e fados de Coimbra. Destaque para a apresentação, na sexta-feira, dia 08, da peça de artesanato “Vaquinha Minhota” e do lançamento do conto infantil “Rosália, a Princesa do Lima”, da autoria da artesã limiana, Nélia Saraiva. No dia 09, sábado, destaque para a primeira edição do ‘Concurso do Bolo Rei de Ponte de Lima’ e para o desfile “Há Moda em Ponte de Lima”, pela Associação Empresarial de Ponte de Lima. No dia 10, domingo e último dia do festival, o destaque vai para as provas de degustação, nomeadamente de Sidra, produto em franco crescimento em Ponte de Lima.

O Festival do Bacalhau e Doçaria (Mel e Sidra) realiza-se de 08 a 10 de dezembro, no Pavilhão de Feiras e Exposições da Expolima, em Ponte de Lima, e é um evento a não perder, destinado a toda a família.

Print

GRANDE JORNADA GASTRONÓMICA: PONTE DE LIMA LEVA A LOURES ALHEIRA DE GALO E ARROZ DE SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA

Iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes do Sarrabulho em Ponte de Lima

O arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima e a alheira de galo vão fazer as delícias dos melhores apreciadores da cozinha tradicional minhota. Trata-se de uma jornada gastronómica levada a cabo pelo Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os Restaurantes de Sarrabulho em Ponte de Lima e vai ter lugar no próximo dia 4 de Fevereiro, no refeitório da Câmara Municipal de Loures.

AlheiraLoures

O arroz de sarrabulho é uma das mais ricas especialidades da cozinha portuguesa em geral e minhota em particular. Um autêntico manjar próprio dos deuses!

Ao invés das papas de sarrabulho que são feitas à base de farinha de milho, aqui impera o arroz como a própria designação indica.

Desde a perna do porco às belouras, do chouriço verde às farinhotas e outros aromas e delícias de fazer crescer àgua na boca, o porco compromete-se na elaboração deste magnífico prato. As carnes são temperadas com louro, cravinho e noz-moscada, sal e pimenta e, no final, com os cominhos que lhe conferem um paladar muito peculiar e único. As carnes, depois de cozinhadas e desfiadas, juntam-se ao arroz e vão de imediato à mesa.

Por sua vez, a alheira de galo, especialidade produzida pela Minho Fumeiro, situada na Correlhã, no concelho de Ponte de Lima, e já galardoada com a medalha de ouro no concurso da Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, é justamente considerada a “melhor das melhores” alheiras do país.

Com baixo teor de sal e calorias, contendo apenas 13 gramas de gordura e 14 gramas de proteína, a sua confecção possui alguns segredos que vão do pão amolecido no caldo da cozedura das carnes de galo até aos temperos.

E porque onde há Minho há alegria e tradição, lá estará o Grupo Folclórico Verde Minho para animar o evento com as mais alegres rapsódias do folclore do Alto Minho.

Por sua vez, entendendo que o folclore ou seja, a sabedoria popular não se restringe ao canto e à dança mas abrange todos os aspectos da vida social, incluindo nela a própria gastronomia, o Grupo Folclórico Verde Minho juntou esforços com o melhor da restauração limiana para em Loures – às portas da capital do país! – dar a conhecer a Alheira de Galo e o Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima.

- Venham, pois, provar o nosso património!

SarrabulhoLoures

PONTE DE LIMA APRESENTA "JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO"

“Jardim Zoológico de Vidro”, de Tennessee Williams, pelos Artistas Unidos, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima. 08 de dezembro _ 21h30

O Teatro Diogo Bernardes apresenta, a 8 de dezembro às 21h30, o espectáculo ‘Jardim Zoológico de Vidro’, de Tennessee Williams, pela companhia de teatro Artistas Unidos, uma das referências no contexto do teatro em Portugal.

jardim_zoo_4x3_

A peça situa-se temporalmente na época da Depressão de 1929-1939, período crítico da história mundial, caracterizado pela crise económica, desemprego, incerteza e miséria, que terminaria apenas com o fim da Segunda Guerra Mundial.

É nesta instabilidade e insegurança que a trama se desenvolve, destacando o impacto que teve na vida de Tom – alter-ego de Tennessee Williams no texto –, centrando-se, também, em Amanda, mãe de Tom, e Laura, sua irmã. ‘O Jardim Zoológico de Vidro’ é uma “peça de memória… sentimental”.

Os Wingfield vivem de créditos. A eletricidade é cortada após Tom falhar o pagamento da conta. Amanda junta dinheiro ao fazer demonstrações de soutiens numa loja local, uma humilhação para uma mulher com a sua sensibilidade. Caso contrário tem que sofrer a vergonha de vender subscrições de revistas femininas pelo telefone, aguentando as respostas abruptas daqueles a quem liga. O falhanço da filha em completar um curso de dactilografia é mais do que um golpe para a sua auto-estima. Amanda tinha investido o pouco dinheiro que tinha para libertar tanto ela própria como Laura.

Neste contexto a decisão do filho de sair de casa tem implicações tanto pessoais como financeiras. Ele ganha uns míseros sessenta e cinco dólares por mês, mas na América da Depressão qualquer trabalho é valioso e, ainda que Tom se sinta sufocado pelo trabalho que lhe deixa pouco tempo e espaço para as suas ambições poéticas, pelo menos serve para sustentar a família. Ao sair de casa condena a mãe e a irmã a algo mais do que um isolamento espiritual. O cavalheiro de visita, Jim, entretanto, recorda uma visita à Exposição do Século do Progresso, em Chicago, uma exposição irónica na América da Depressão. Para Jim revela que o futuro da América vai ser "ainda mais maravilhoso do que o tempo presente já é!". Mas nós vimos o presente, o presente em que os Wingfield foram reduzidos a algo próximo de uma existência de subsistência.

Tennessee Williams nasceu em Columbus, no estado norte-americano do Mississippi, em 1911. Começou a sua aventura na escrita quando a sua família se mudou para St. Louis, no estado do Missouri. ‘Jardim Zoológico de Vidro’ alcançou um enorme sucesso, tendo arrecadado o Prémio da Crítica, Nova Iorque. Tennessee Williams escreveu, entre outros, ‘Um Elétrico Chamado Desejo’ (1947), ‘A Rosa Tatuada’ (1951) e ‘Gata em Telhado de Zinco Quente’ (1955). Vencedor de dois prémios Pulitzer, três Prémios da Crítica de Nova Iorque, três Donaldson e um Tony. No princípio da década de 50, a carreira do escritor norte-americano atinge o auge com a adaptação ao cinema de ‘Jardim Zoológico de Vidro’ e ‘Um Elétrico Chamado Desejo’.

A peça “Jardim Zoológico de Vidro” conta com a participação de Isabel Muñoz Cardoso, João Pedro Mamede, Guilherme Gomes e Vânia Rodrigues. A encenação está a cargo de Jorge Silva Melo, fundador e atual diretor artístico da companhia de teatro Artistas Unidos.

Bilhetes disponíveis na bilheteira do Teatro Diogo Bernardes (3,00€). Para mais informação contacte através do email teatrodb@cm-pontedelima.pt ou pelo telefone 258900414.

jardim_zoo_mupi_

PONTE DE LIMA MELHORA ZONA URBANA

O Município de Ponte de Lima investe na segurança para a circulação de peões e bicicletas no acesso à zona urbana

No âmbito da Mobilidade Urbana Sustentável e no contexto do PAMUS (Plano de Ação para a Mobilidade Urbana Sustentável) a Câmara Municipal de Ponte de Lima deliberou na passada reunião do Executivo de 27 de novembro, aprovar o projeto de intervenção relativo à “Ciclovia e Vias Pedonais de Acesso à Zona Urbana de Ponte de Lima”, que garante a articulação técnica com as soluções das Infraestruturas de Portugal (IP, S.A.).

Capturarplim

O projeto aprovado prevê a criação de condições para a fruição que estimulem o uso da bicicleta e o acesso pedonal, em segurança, entre as áreas de expansão urbana da vila e o centro da mesma, abarcando uma extensão considerável da EN 203 (Via do Foral Velho da D.ª Teresa).

A via em causa consiste num dos principais acessos à Vila de Ponte de Lima, integrando uma malha urbana plenamente consolidada, onde se localizam diversos espaços e equipamentos públicos educativos e desportivos, bem como, estabelecimentos de comércio e de serviços. A EN 203 apresenta-se por isso e neste contexto totalmente descaracterizada, mas a questão mais premente prende-se com a segurança rodoviária com especial destaque para os peões e bicicletas, não se promovendo, nas condições atualmente existentes, a utilização destes meios e consequentemente a sustentabilidade ambiental e a mobilidade na área urbana.

O investimento, estimado em 1.500.000,00 €, será financiado a 85% pelo Norte 2020, estando considerado na candidatura enquadrada no âmbito na Prioridade de Investimento 4.5 que prevê a promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação, fazendo parte integrante, conforme já referido, do Plano de Ação para a Mobilidade Urbana Sustentável – PAMUS Alto Minho 2020.

PONTE DE LIMA PROTESTA À INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL DEVIDO À FALTA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA NA EN203

EN 203 - Via do Foral Velho de Dª Teresa – Câmara Municipal de Ponte de Lima Aprova por Unanimidade Declaração de Protesto à Infraestruturas de Portugal

A Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou por unanimidade, na reunião realizada a 27 de novembro, e por proposta do Presidente da Câmara, uma declaração de protesto à Infraestruturas de Portugal, S.A. (IP) no que se refere a uma das principais vias de acesso à Vila de Ponte de Lima, a EN 203.

vila 2003 ctr 2

“A EN 203 (Via do Foral Velho de D.ª Teresa) continua a ser uma das principais preocupações do Município no que diz respeito à segurança rodoviária no concelho. A via em causa, da jurisdição da Infraestruturas de Portugal, S.A. (IP) consiste num dos principais acessos à Vila, integrando uma malha urbana plenamente consolidada, onde se localizam diversos espaços e equipamentos públicos educativos e desportivos, bem como, estabelecimentos de comércio e de serviços. A EN 203 apresenta-se, por isso e neste contexto, totalmente descaracterizada, mas a questão mais premente prende-se com a segurança rodoviária com especial destaque para os peões.

Como é do conhecimento de todos têm ocorrido, infelizmente, vários acidentes nesta via na sua maioria atropelamentos. De acordo com os dados que nos foram fornecidos pela PSP registaram-se, desde 2013, 75 acidentes, 28 feridos e 1 morto, sendo indiscutivelmente números bastante preocupantes. No passado dia 22 de novembro registou-se mais um novo acidente, tendo resultado em duas vítimas com ferimentos considerados graves. Gostaríamos que estas situações pudessem ser pelo menos drasticamente reduzidas.”

De acordo com o documento aprovado, a autarquia informa que “Foram já várias as diligências feitas por parte deste Município e ao longo dos anos, junto da IP no sentido de se concretizar a intervenção prevista para aquela Estrada Nacional, mas até à data nada foi feito, perguntamo-nos quantos acidentes, vitimas e mortes terão de ocorrer para que se concretize a tal ambicionada intervenção por parte daquela entidade. A inexistência de resposta a este problema traz consigo uma fatura demasiado cara, não haverá certamente nada que possa neste momento recuperar os danos e sofrimento causados a muitos dos nossos cidadãos.

Posteriormente foi desenvolvido pela Infraestruturas de Portugal um projeto de intervenção. Será importante, desde já, ter em conta o facto de ter sido oportunamente assumido pelo anterior Presidente do Conselho de Administração da IP, S.A., Dr. António Ramalho, a construção de duas rotundas previstas no referido projeto de intervenção. Este compromisso foi reforçado em anteriores contactos tendo sido inclusive enviado ao Município o respetivo projeto de execução para que fossem tidas em conta as soluções aí preconizadas nas intervenções que a autarquia pretende implementar ao nível dos espaços de circulação pedonal e clicáveis.”

Perante o exposto, o “Município entende que existe uma necessidade urgente de intervir neste espaço, requalificando-o e valorizando-o, estamos, por isso, dentro daquilo que nos é permitido e caso haja parecer favorável da IP, dispostos a intervir na qualidade e segurança dos espaços dedicados à circulação dos peões (passeios) e bicicletas (ciclovias), resta no entanto a criação, de forma articulada e integrada, das condições de circulação e segurança na faixa de rodagem e atravessamentos da via.”

Aprovada por unanimidade pelo Executivo Municipal Limiano, foi ainda deliberado dar conhecimento desta Declaração à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

PONTE DE LIMA RECORDA FRANCISCO SÁ CARNEIRO

Francisco Sá Carneiro recordado na edição de dezembro do Cinema História

Volvidos 37 anos sobre a queda do Cessna 421 A, que vitimou o primeiro-ministro de Portugal, Francisco Sá Carneiro, o ministro da Defesa, Adelino Amaro da Costa, e outros cinco acompanhantes, o Cinema História propõe o filme de Luís Filipe Rocha – “Camarate” -, que explora um dos episódios mais controversos do pós-25 de abril. Centrado nas investigações que se seguiram ao desastre do bimotor de fabrico americano na noite de 4 de dezembro de 1980, o thriller político do realizador português sugere uma reflexão acerca da tese de acidente e da versão de atentado – linha divisionista que, ainda hoje, concluídas 10 comissões parlamentares de inquérito ao caso Camarate, merece aceso debate.

Cartaz A3 - vida (2)

Como habitualmente, o filme de Luís Filipe Rocha serve de pretexto para a disponibilização de um livreto com o percurso biográfico de Francisco Sá Carneiro, advogado católico responsável pela fundação do PPD-PSD e pela construção democrática do país no conturbado período pós-revolucionário.

Conheça o essencial da vida e obra de uma das personalidades mais influentes do pós-25 de abril, reveja um dos casos mais polémicos da História recente de Portugal e visite-nos.

ANTUÉRPIA’2017: SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA

Restaurantes de Ponte de Lima e Vinho Casa da Cuca apresentaram Sarrabulho em Antuérpia (Bélgica)

Numa iniciativa de restaurantes limianos, onde o Sarrabulho é prato obrigatório de suas ementas, realizou-se na cidade de Antuérpia, a escassa meia centena de quilómetros da capital europeia - Bruxelas - um jantar cuja ementa foi o típico prato de Ponte de Lima.

Sarrabulho-02

Mas, para a confecção do menú tradicional com cozinheiros(as) especializados, os ingredientes necessários e vinho, principalmente das castas Loureiro e Vinhão, tudo foi transportado de Portugal. Assim, há a salientar a colaboração dos Restaurantes : Casa de S. Sebastião, em S. Pedro de Arcos; Fátima Amorim e Sonho do Capitão, na Correlhã, e Solar do Taberneiro, na vila, para além do produtor vinícola Casa da Cuca, de Moreira de Lima. A comitiva integrou ainda o Presidente da Assembleia de Freguesia de Ponte de Lima, António Sousa e o Chefe dos Bombeiros Voluntários, Armando Melo.

A aguardar a delegação no aeroporto, estava o director de imprensa do Comité Económico e Social Europeu, um apreciador do Arroz de Sarrabulho, e um elemento preponderante na comunidade portuguesa na Bélgica. Mas, para balanço do evento, aconselhamos a leitura do artigo no LUSO Jornal, publicação digital diária com sede em Bruxelas.

Adelino Tito de Morais

 

Sarrabulho-00

Decorreu de forma exemplar e com o devido sucesso, mais um jantar com especialidade vinda de Ponte de Lima: o Sarrabulho veio a Antuérpia e fez vingar a sua fama, tão esmerado que estava!

Um feito histórico que Paula Castro, proprietária do café/restaurante Espigueiro, evidenciou, realçando a bem sucedida iniciativa, que pretende divulgar esta especialidade, também junto da Comunidade de acolhimento.

Outros eventos com os mesmos protagonistes e moldes semelhantes, tiveram lugar na capital belga.

Sarrabulho-01

Pelas suas caraterísticas e paladares, pela sua qualidade nutritiva, especialmente no outono/inverno, o Sarrabulho encontra nas pessoas a sua razão de ser! Muito apreciado, seduz também outras Comunidades com culturas gastronómicas diferentes. Cumpre-se assim um dos objetivos em trazer para fora a especialidade limiana.

Um aprato que acompanhou com o melhor vinho verde/vinhão «Casa da Cuca», Ponte de Lima!

Muitos parabéns também às cozinheiras que se deslocaram expressamente de Portugal para uma confeção perfeita deste prato típico, apetecido e apreciado. E onde não podia faltar a música tradicional portuguesa tocada a preceito pelo dueto «SolMinho»/concertinas.

Finalmente, uma palavra de gratidão para com todos aqueles que, de formas diversas, contribuiram para o sucesso deste evento, na capital da Flandres.

Aqui fica o pequeno registo de uma grande noite, em torno daquilo que de melhor temos e somos.

Texto: António Fernandes; Fotos: LusoProductions / Tony da Silva

Fonte: http://belgica.lusojornal.com/

Sarrabulho-03

Sarrabulho-04

Sarrabulho-05 (1)

Sarrabulho-05

Sarrabulho-06

Sarrabulho-07

Sarrabulho-08

PONTE DE LIMA RECEBE TRÊS TRISTES TIGRES NUM CONCERTO, SEMPRE, DIFERENTE

1 de Dezembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Na próxima sexta-feira, dia 1 de Dezembro, às 21h30, espera-se uma noite memorável no concerto de Três Tristes Tigres que, 13 anos depois, voltam aos palcos e às apresentações ao vivo, em registos que certamente ficarão na memória de todos os apreciadores da música de alta qualidade.

ttt_4x3_

Os Três Tristes Tigres nasceram nos idos de 1990, à volta de um gravador de cassetes rasca. Ana Deus e Regina Guimarães fabricavam informalmente colagens e canções. Antes da formação que dará origem ao primeiro CD, o jogo da escrita estendeu-se a Ricardo Serrano. Os primeiros concertos, no bar Aniki-Bobó (Ana Deus e Paula Sousa ao vivo, Regina Guimarães ao morto) assemelhavam-se a um cabaret pop, entre o poético e o corrosivo. “Partes Sensíveis”, de 1993, será o rasto da primeira configuração dos TTT. Depois da saída de Paula Sousa aprofunda-se a colaboração entre Ana Deus e Alexandre Soares que, entretanto, se juntara à banda como músico convidado. Dessa aventura artística nascerão dois CDs de originais – “Guia Espiritual” (1996), melhor álbum nacional do ano pela Blitz e “Comum” (1998) – e uma compilação, “Visita De Estudo” (2001) que, como o seu nome indica, contém revisitações, algumas distanciadas, de composições anteriores.

Em 2004, os Três Tristes Tigres fizeram, após ausência de quase três anos, uma meteórica aparição no Serralves em Festa.

Só em 2017, graças ao convite para o Porto Best OF, se voltaram a juntar e actuaram com a cumplicidade habitual dos companheiros de estrada João Pedro Coimbra e Quico Serrano e a novidade da participação de Rui Pedro Martelo.

À questão recentemente colocada pelo fotojornalista Miguel Estima, “Depois do concerto no Rivoli, tocaram no Mimo e no GNRation. Seguem agora rumo a Ponte de Lima. O que podemos aguardar deste concerto?”, Alexandre Soares respondeu: “Temos a ideia de fazer sempre qualquer coisa de novo num concerto e os nossos ensaios são feitos nesse sentido, de nos organizarmos e estarmos estruturados suficientemente para podermos ser livres. Para quando nos apetecer alterarmos as músicas! O que vão ver ali será sempre um bocado diferente dos outros concertos. Vamos levar também um vídeo realizado pela Inês Gregório. Como convidado temos o Miguel Ferreira que é o teclista dos Clã, que vai substituir o Quico porque não lhe é possível tocar connosco nesse dia. É um músico que eu gosto há muitos anos e ainda não tinha tido oportunidade de tocar com ele.”

Bilhetes (3,00€) e mais informações podem ser obtidos pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

PONTE DE LIMA RECEBE MARIA ZAMBRANO: LA PALABRA DANZANTE, PELA COMPANHIA KARLIK DANZA – TEATRO

30 de Novembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

A dança contemporânea, como não podia deixar de ser, continua a ocupar um lugar de destaque na programação do Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, tendo em conta a sua importâncias nos mais diversificados contextos artísticos e o quanto representa na vanguarda do desenvolvimento cultural das comunidades onde é apresentada e fruída.

maria_zambrano_4x3_

Na quinta-feira à noite, 30 de Novembro, véspera de feriado, às 21h30, chega-nos de Espanha, mais precisamente de Cáceres, o espectáculo Maria Zambrano: La Palabra Danzante, pela Companhia Karlik Danza – Teatro, uma oportunidade única para apreciar umas das mais conceituadas companhias espanholas na área da dança contemporânea.

Karlik Danza – Teatro, no seu 25º aniversário, homenageia a filósofa espanhola Maria Zambranoquando se cumprem 25 anos do seu falecimento.

Depois de quase meio século de exílio, Espanha reconheceu a figura de Maria Zambrano outorgando-lhe em 1981 o Prémio Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades e em 1988 foi a primeira mulher a receber o Prémio Miguel de Cervantes de Literatura.

Convida-se, por isso, neste espectáculo, a descobrir e a conhecer a figura de Maria Zambrano, como mulher, pensadora, criadora, através de “a palavra dançante” – a imagem, a metáfora e o símbolo do pensamento poético.

Intérpretes: Cristina Pérez Bermejo, Elena Sanches Nevado | Encenação e dramaturgia: Cristina D. Silveira | Coreografias: Cristina Pérez Bermejo, Elena Sánchez Nevado, Cristina D. Silveira | Composição musical original: Álvaro Rodrigues Barroso | Cenografia e vestuário: Susana de Uña | Desenho de luz e direcção técnica: David Pérez Hernando | Vozes off: Maria Zambrano, Elena Sánchez Nevado e Pedro Luis López Bellot | Direção de produção: David Pérez Hernando | Maiores de 14 anos.

Bilhetes (3,00€) e mais informações podem ser obtidos pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

JOANA BARRA VAZ | “MERGULHO EM LOBA” EM PONTE DE LIMA

2 de Dezembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

O Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta, a 2 de Dezembro, às 21h30, Joana Barra Vaz com “Mergulho em Loba, o seu recente trabalho que tem merecidos os mais variados elogios e destaques da parte da comunicação social da área musical.

joana barra vaz_4x3_

“Mergulho em Loba” existe num universo entre o folk e a electrónica. Composto entre 2012 e 2013, o disco é uma viagem sonora com canções que se sobressaltam sem paragens, em suites, convidando o ouvinte a fazer esse percurso e a sentir a urgência de chegar ao fim com uma resposta na ponta da língua ou no embalo da dança.

Joana Barra Vaz divide o tempo entre a realização e a música e, desde o lançamento do EP "Passeio Pelo Trilho" em 2012, apresentou-se ao vivo como "flume" em várias salas do país, inclusivamente o Teatro São Luiz, a convite de Sérgio Godinho. O primeiro longa duração editado pela bi-du-á (que fundou com Pedro dos Reis) em Setembro foi mostrado ao público no Teatro do Bairro, no festival Vodafone Mexefest, entre outros. “Mergulho em Loba” tem sido bem acolhido pela imprensa especializada, figurando no topo de várias listas de melhores discos do ano.

Gravado nos Estúdios IÁ por Bernardo Barata, em Alvito com o co-produtor Luís Nunes, na Sociedade Musical União Paredense e nas várias casas de Joana Barra Vaz, "Mergulho em Loba" conta com a participação dos músicos Ricardo Jacinto, David Pires, David Santos, João Gil, Ana Nagy, Mário Amândio, Gabriel Correia e ainda Selma Uamusse como voz convidada no tema "Tanto Faz".

João Nuno Silva, crítico musical, destacou um concerto da Joana Barra Vaz desta maneira: “Fomos brindados com momentos de grande música, de uma forma surpreendente, talvez até me atreva a classificar de corajosa, tal o (bom) desvio que tem em relação aos “padrões e regras” da música mais mainstream. Fazem falta projectos destes que além de nos encantarem, também nos desafiam a ir descobrindo tudo a cada audição.”

Ao vivo, apresenta-se com David Santos no baixo, Daniel Neto na guitarra eléctrica, Margarida Campelo e Inês Pimenta no coro, António Vasconcelos Dias na bateria e programações e Manuel San Payo no som.

Bilhetes (3,00€) e mais informações podem ser obtidos pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

A QUE CONCELHO – PONTE DE LIMA OU PAREDES DE COURA – PERTENCE A CAPELA DE SANTA RITA?

No limite da área geográfica dos concelhos de Ponte de Lima e Paredes de Coura, mais precisamente entre a Cabração e Romarigães, situa-se a pequena capela de Santa Rita onde as gentes desta última localidade organizam anualmente uma romaria. Consta-se que outrora era a mesma organizada pelos habitantes das duas localidades, tendo a Cabração desistido devido ao seu declínio populacional.

Capturarsantarita

O site oficial da Câmara Municipal de Paredes de Coura não faz qualquer referência ao local nem à capela. Porém, o site da Câmara Municipal de Ponte de Lima situa-a na “aldeia da Cabração” recomendando a visita ao seu miradouro. Afinal de contas, em que ficamos?