Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CARLOS CALHEIROS EXPÕE PINTURA EM PONTE DE LIMA

Município de Ponte de Lima inaugura exposição de pintura de Carlos Calheiros

O Município de Ponte de Lima inaugura no próximo dia 3 de junho, pelas 18h00, uma exposição de pintura de Carlos Calheiros, intitulada “A terra que me viu crescer”. A mostra, que estará patente ao público na varanda interior da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, integra trabalhos de pintura a óleo e a aguarela sobre a histórica vila alto minhota e os elétricos do Porto.

expo_pai (Medium)

A cerimónia de abertura da exposição individual de pintura incluirá momentos de declamação de poesia e apontamentos musicais.

“A terra que me viu crescer” poderá ser visitada até ao dia 17 de junho.

Sobre o artista:

Natural de Refoios do Lima, concelho de Ponte de Lima, Carlos Calheiros exerce funções de Técnico Superior na ULSAM – Unidade Local de Saúde do Alto Minho. Profundamente ligado ao mundo do desporto, Carlos Calheiros ocupa o cargo de vice-presidente da AFVC – Associação de Futebol de Viana do Castelo –, tendo passado pela A. D. “Os Limianos” e pelo “Viana Taurino Clube” na qualidade de atleta.

Desenvolve há cerca de um ano trabalhos de pintura, estando atualmente inscrito na escola SOARTE de Viana do Castelo.

PAULA PICUETA EXPÕE EM VIZELA

2 a 31 de maio: Exposição de Paula Picueta na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de Paula Picueta, de 2 a 31 de maio.

14590486_1171928692873623_6914286136067414796_n.jpg

Biografia:

‘A obra de Paula Picueta nasce, primeiramente, de uma pesquisa formal e cromática que se destaca brilhantemente na fluidez da composição e na ligação surpreendente das cores. É importante também, destacar duas formas bastante distintas de pintura na sua obra, que dividem, de certa forma, os seus trabalhos. Por um lado, na pintura em tinta acrílica nota-se uma composição muito pensada e cuidada que, depois, revela uma enorme atenção aos pormenores, tornando-se um trabalho mais íntimo e, por sua vez, com dimensões, por norma, mais pequenas. No entanto, na pintura a óleo sente-se um grande afastamento da anterior, Existe uma agressividade com as formas e com a própria composição que complementam o trabalho em si. Ou seja, a quase obsessiva pormenorização transforma-se numa liberdade compositiva que se sente em cada pincelada. Sentimos uma ligação à sua terra natal que, no entanto, nos levam por outros caminhos e nos lembram das planícies e cores africanas que ganham grande impacto na sua obra depois de ter exposto em Angola junto com alguns dos mais conceituados artistas do país. Todo o percurso da artista é transparente na sua pintura. O seu caminho, também nós o podemos percorrer ao contemplar e observar cada uma das suas obras.’

João Miguel

cartaz Paula Picueta.jpg

BARCELOS HOMENAGEIA O ARTISTA CARLOS BASTO NO SEU 85º ANIVERSÁRIO

Galeria Municipal de Arte expõe as escolhas de uma vida dedicada à cultura. São 85 obras, cada uma a 85 euros para assinalar os seus 85 anos

Durante cinco dias, o Município de Barcelos vai homenagear o pintor e aguarelista barcelense Carlos Basto, que completa 85 anos no dia 20 de Abril, realizando uma exposição na Galeria Municipal de Arte, em que estarão patentes 85 obras, realizadas ao longo da sua vida artística.

barccceeelll.PNG

Para o Presidente da autarquia Miguel Costa Gomes, esta homenagem é “ uma forma que o Município de Barcelos encontrou para agradecer ao artista Carlos Basto o contributo que deu e que continua a dar para que Barcelos tenha mais visibilidade e projeção. Com esta exposição, teremos a oportunidade de celebrar os 85 anos de um ilustre e dedicado cidadão barcelense, um artista multifacetado que em todas as suas obras faz questão de refletir o orgulho que sente em ser barcelense e a extraordinária história e cultura do nosso concelho. E tenho a a certeza de que a galeria estará repleta de amigos ansiosos por brindar com Carlos Basto a mais um ano de arte, cultura e alegrias”.

Carlos Basto, grato pela forma como se sente acarinhado pelos barcelenses e pelo público em geral, vai, durante o evento, disponibilizar as suas obras pelo valor simbólico de 85 euros.

No dia 20 de Abril, dia do seu aniversário, pelas 21h00, decorrerá uma tertúlia com a participação de pintores, críticos de arte e o público em geral, em que o tema é “A Cor e o Traço na Pintura Barcelense”.

ARCUENSE MUTES EXPÕE NA SUÉCIA

The Merging of feelings and colours

Mutes e Gudrun Regel, são dois amigos que se conheceram decorria o ano de 2013 ou 2014, onde Gudrun iniciava os seus primeiros passos na pintura. A convite de Mutes, visitou Arcos de Valdevez, onde rapidamente se apaixonou pelo clima e pela nossa Serra. Após alguns dias no atelier a experimentar técnicas, chegaram propostas para exposições. Braga, mais tarde Ponte da Barca e Arcos de Valdevez foram os 3 locais por onde Gudrun já expos entre 2014 e 2016.  Desta feita o convite estendeu-se para Mutes, onde a sua Arte de Des-Cubismo Contornismo, vai conhecer novos Países, desta feita no museu da cidade de Ulricehamn, na Suécia, com inauguração a dia 28 de Abril até ao dia 15 de Maio.

expo suécia.jpg

- Expor na Suécia ou em outro Pais é sempre um desafio para mim, a oportunidade de levar minha arte a outros pontos deste Globo é algo que nos satisfaz imenso, para isso é que trabalho todos os dias na arte, independentemente de ter um trabalho de 7 horas diárias. Nos últimos 3 anos este é já o sétimo Pais onde exponho internacionalmente, nunca deixando de fazer exposições em território nacional, numa média de 15 anuais. Tudo isso dá-me imensa força e vontade para pintar ainda mais, conhecer novas culturas novos locais e levar a minha arte a novos rumos onde ela é pedida, apreciada e comprada.

Mutes,  nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986, reside atualmente em Arcos de Valdevez. È pintor autodidata, expõe com regularidade desde 2004. Está representado em diversas coleções  nos vários Continentes, ultrapassando mais de uma centena de exposições nacionais e internacionais. Através da sua arte somos transportados para um mundo de histórias contadas através da tela, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política em alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário, danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o (DES) Cubismo como forma de se afirmar. Organiza e projeta várias exposições, foi fundador e curador dos coletivos de pintura, M4K1, Um Coletivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo.

GudRun Regel, nasceu na Alemanha e vive atualmente na Suécia desde 2008. É pintora Autodidacta.  A pintura entrou na sua vida relativamente cedo, começou a pintar depois de um verão de inspiração na Sicília em 2011. Já fez cerca de 2 dezenas de exposições, 4 delas em Portugal, Alemanha e outras no seu País de residência, a Suécia. Além da arte, trabalha diariamente na area da saúde, com pessoas física e mentalmente debelitadas, essencialmente pessoas autistas.  Toda esta experiencia, enriquece-a. O lado sentimental é por vezes um peso para si, pois não é facil digerir aquilo com que se depara no seu dia-a-dia, quase que sendo obrigada a fazer-se de inflexível e muda. Todas essa emoções refletem-se no seu trabalho artistico, mexendo com a pintora  interiormente. Quando pinta encontra-se num outro mundo, elevando a sua carga emocional.

- Os meus sentimentos influenciam as minhas pinturas, libertando-me. Aquilo que não consigo exprimir sentimentalmente na profissão, tento faze-lo  através da minha Arte. Nas minhas criações não utiliza pinceis, pinto essencialemnte com os dedos, esta é uma forma tenho de  sentir ainda mais a arte, a forma como pinto transmite em mim um bem estar, agrada-me que a pintura comunique comigo.

PINTORES MUTES DE ARCOS DE VALDEVEZ E MIGUEL MOREIRA E SILVA DE BRAGANÇA EXPÕEM EM LISBOA

Exposição de Pintura (Contrastes) de Mutes  & Miguel Moreira e Silva, na Vernissage, de 19 de Abril a 31 de Maio

Contraste é a base da comunicação visual, permitindo a distinção dos elementos em relação ao espaço circundante existente, na diferenciação dos seus tons de luz. Nesta Exposição de Pintura de nome CONTRASTES apresentada por Mutes & Miguel Moreira e Silva no dia 19/04/2017 com vernissage pelas 18.30, na Galeria Europa América, situada na Avenida Marquês de Tomar, 1B 1050-152, em LISBOA é bem visível a diferença nas propriedades visuais de cada um, contrastando - se na obra de ambos.

17308944_10212175363202066_8691960637568137303_n.jpg

Mutes nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986, reside atualmenteem Arcos de Valdevez. È pintor autodidata, expõe com regularidade desde 2004. Está representado em diversas coleções nos vários Continentes, ultrapassando mais de uma centena de exposições nacionais e internacionais. Através da sua arte somos transportados para um mundo de histórias contadas através da tela, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política m alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário, danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o (DES) Cubismo como forma de se afirmar. Organiza e projecta várias exposições, foi fundador e curador dos colectivos de pintura, M4K1, Um Coletivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo.

- Rompendo com os padrões estéticos que primam pela perfeição das formas na busca da imagem realista, nesta minha coleção designada (Des) Cubismo Contornismo, busco a desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, através de figuras mutantes imaginárias, contornando-a nas suas dimensões, numa superfície plana, sob estranhas e variadas formas com o predomínio de linhas curvas e retas, numa estruturação das figuras e dos objetos desajustados, movimentando-os em torno de si próprios através da sua fragmentação, dando abertura e apresentando todos os seus lados num plano frontal em relação ao espectador.

Miguel Moreira e Silva nasceu em 1967, vive e desenvolve o seu trabalho em Bragança. Licenciado em Animação e Produção Artística desenvolve regularmente os seus trabalhos artísticos desde 1992, expõe de forma permanente em Bragança na galeria História e Arte e no Museu Ibérico da Máscara e do Traje, desde 2007.

Sobre as obras: Os seus trabalhos deambulam entre múltiplas técnicas das quais se destaca a pintura, assemblage e a escultura. Nas telas, o autor explora o contraste das cores cheias que se aplicam sobre figuras humanas. As figuras, tratadas como personagens tipo refletem distintas tipologias de propaganda e aparato, denunciando os diferentes atributos e técnicas que em diferentes tempos e espaços provocaram o mesmo efeito de “fa stupire”. A assemblage constitui uma técnica recorrente na experimentação artística de Miguel Silva que lhe permite explorar o ecletismo dos elementos que as incorporam traduzindo uma atitude livre de categorizações, espaço confortável para a prática do autor. Todos os detalhes estabelecem uma forte carga emocional entre eles e entre o todo que supõe o seu conjunto. São narrativas, episódios pessoais, memórias, diários visuais onde a plasticidade dos objetos e a carga simbólica das formas assumem o valor lexical do registo. O autor mistura elementos que sugerem o ritual, a catarse como processo de exorcismo. Confronta-nos o pesadelo e a agressividade na angulosidade e dureza de materiais. A uniformização das composições é sugerida na envolvência sanguínea que cobre a superfície dos objetos reunidos."

mmmm.jpg

CELORICO DE BASTO CELEBRA O AMOR E A VIDA

“Celebração” ao amor e à vida em exposição em Celorico de Basto

A exposição “Celebração” de José Rodrigues em colaboração com a pintora Raquel Rocha está presente no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, de 10 a 31 de março. Na cerimónia de abertura da exposição os convidados tiveram a oportunidade de conhecer a “obra” ao pormenor meticulosamente explicada pela coautora Raquel Rocha.

_DSC7868.jpg

“É uma honra para Celorico de Basto ter patente no centro cultural uma exposição tão rica de tão prestigiada figura das artes e autor da estátua do cardeal D. António Ribeiro, José Rodrigues. Como diz a Raquel Rocha, artista fantástica e coautora deste trabalho, o mestre era de facto um homem de quem só se pode ter uma admiração profunda pela entrega, pelo preciosismo, pela dedicação à arte”, disse o vereador da Cultura da Câmara Municipal de Celorico de Basto, presente na abertura da exposição.

Uma exposição que não é mais que a “celebração ao amor e à vida, tendo como tema o erotismo, em que o mestre tem um gesto livre e solto e eu um traço minucioso” disse Raquel Rocha. A coautora percebeu que tinha algo em comum com José Rodrigues, também o mestre nos seus desenhos se centrava na temática do erotismo então, por intermédio de Filha Ágata Rodrigues, em 2012, foi apresentada ao mestre que aceitou fazer este trabalho conjunto. “A minha admiração pelo mestre é de tal forma profunda que tive que pedir de forma indireta para desenvolver este trabalho conjunto, eu propôs mas temi ao mesmo tempo. E, de facto, ter os olhos do mestre sobre a minha obra não foi fácil mas, nos momentos em que me vi fraquejar o mestre ensinou-me a ter coragem e incentivou-me sempre a trabalhar sem nunca perder o meu traço, muito complexo, minucioso e estruturado. É um trabalho que se complementa, o traço de um vai ao encontro do traço do outro. É um gosto particular de falar sobre amor e representa-lo na obra de arte” reforçou a pintora.

A filha de José Rodrigues mostrou-se muito agradecida e diz que esta exposição vem “celebrar José Rodrigues, o amor e vida”.

A abertura contou com uma série de convidados nomeadamente com a esposa de José Rodrigues, Deolinda Rodrigues.

Importa salientar que a exposição estará em exposição até ao dia 31 de março e que no dia 19 a coautora fará uma visita guiada à mesma com todos os interessados.

_DSC7892.jpg

_DSC7905.jpg

_DSC7915.jpg

PINTOR MANUEL MALHEIRO EXPÕE EM BARCELOS

A exposição do pintor Manuel Malheiro, "Metamorfoses Solares II", inaugura a 11 de março, na Sala Gótica dos Paços do Concelho, e pode ser visitada até 16 de abril.

O artista expõe em Barcelos um conjunto de obras que versa sobre a figura do galo em múltiplos contextos e culturas. Ao longo da História, o galo assimilou diferentes simbolismos um pouco por todo o mundo, desde o país do sol nascente às terras gaulesas. Na exposição, o artista propõe novos olhares sobre o galo à luz destas representações.

Informação adicional

Nasceu em Monção. Reside e trabalha em Matosinhos. Possui o Curso Superior de Desenho e o Mestrado em Artes Visuais e Intermédia da Escola Superior Artística do Porto, ESAP, onde foi professor. Foi assistente do Prof. Sá Nogueira na Escola Superior – Gallaecia, Vila Nova de Cerveira. Entre 1994 e 1998 lecionou no CLIP – Escola Internacional do Porto e no ensino oficial, em Viana do Castelo. Estágio de Desenho na National Academy of Design School of Fine Arts of New York. Leciona Artes Visuais no curso superior de Artes e Multimédia do ISMAI.

Participou em várias exposições individuais e coletivas, nacionais e internacionais: Mónaco / Alemanha / França / Espanha. Presente em várias coleções particulares.

FAMALICÃO EXPÕE UNIVERSO PICTÓRICO DE PEDRO CASQUEIRO

Universo pictórico de Pedro Casqueiro na Ala da Frente em Famalicão. Exposição “Desordem Vertical” patente ao público até 27 de maio com entrada livre

Há ordem e desordem em simultâneo na Galeria Municipal de Arte Contemporânea em Vila Nova de Famalicão. Não se trata propriamente de uma coexistência, mas antes da forma como cada visitante pode interpretar os quadros que Pedro Casqueiro trouxe até à cidade famalicense com uma temática “suficientemente vaga para abranger o conjunto das coisas”.

DSC_7249.jpg

A exposição “Desordem Vertical” foi inaugurada no passado sábado, 4 de março, com a presença do autor, e estará patente ao público até ao dia 27 de maio de 2017, com entrada livre.

Na pequena sala do Palacete Barão da Trovisqueira pode assim ser apreciado o universo pictórico de Pedro Casqueiro, que explora formas, registos, diagramas, estruturas mentais e visuais, denunciando uma pintura de pendor abstratizante.

“Na Ala da Frente apresentam-se obras que nos permitem aceder a este onde somos desafiados a uma observação cuidada e de atenção demorada, tempo necessário para convivermos com o corpo da pintura”, refere a propósito da exposição António Gonçalves, curador da galeria.

DSC_7115.jpg

Pedro Casqueiro tem tido um percurso singular, coerente e com uma prática exigente do exercício da pintura. A pintura como forma de pensamento que vai sendo explorada nas mais cuidadas pesquisas, com recurso à cor, às formas geométricas que constroem universos de reflexão, de ironia, de profundidade de observação.

Pedro Casqueiro nasceu em Lisboa em 1959 onde vive e trabalha. Frequentou o curso de Pintura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Desde de 1981 que tem apresentado o seu trabalho em numerosas exposições individuais e coletivas.

Recorde-se que a Galeria Municipal “Ala da Frente”, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, José Pedro Croft, com “Prova de Estado”, e Pedro Cabrita Reis com “Ridi Pagliaccio”.

FICHA TÉCNICA

Título da exposição: "Desordem Vertical"

Autor: Pedro Casqueiro

Data: 4 de março de 2017 a 27 de maio de 2017

Horário: Terça a Sexta das 10h00 às 17h30. Sábado das 14h30 às 17h30.

Encerra aos domingos e feriados.

Entrada: Gratuita

DSC_7117.jpg

PINTORA BARCELENSE SABINA FIGUEIREDO EXPÕE EM VIZELA

13 de fevereiro a 30 de março: Exposição de Sabina Figueiredo na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição ‘Contrastes’, de Sabina Figueiredo, de 13 de fevereiro a 30 de março.

10885311_580542698756521_5629514049729680073_n.jpg

“Contrastes”

“Contrastes” foi o nome que escolhi para esta exposição onde quis mostrar dois estilos (o figurativo e o abstrato), em dois suportes distintos (o papel e a tela) e tonalidades diversas (o preto, o branco e o colorido).

Em estilo figurativo apresento várias representações do corpo humano nu. Imagens que criei, desenhei e pintei com a sensibilidade que o tema merece, tendo procurado para cada uma delas uma visão poética, que parta de imagens vulgares e as torne singulares. O corpo humano é na realidade uma obra de arte e o “nu artístico” tem a capacidade de inspirar e despertar emoções.

Em estilo abstrato, apresento apenas duas obras, a carvão, que têm como base o contraste em traços rectos e curvos (que definem a imagem) e entre tons claros e escuros (que preenchem os espaços). Foram desenhados sem a intenção de mostrar “algo”, mas sempre com a inspiração artística em mente. Não são uns “rabiscos”. Isso ninguém pode dizer. Também não precisam de parecer alguma coisa… são simplesmente abstratos! Deixo ao critério dos diferentes observadores a sua interpretação. 

15936705_1016418965168890_137120503315259070_o.jpg

SABINA FIGUEIREDO

Pintura

Sabina Figueiredo nasceu em Vila Seca, no concelho de Barcelos, a 1 de Julho de 1958, mas foi em Moçambique que estudou e viveu até aos 17 anos. Regressada desta ex-colónia, em 1975, prosseguiu os seus estudos em Barcelos, onde iniciou também o seu percurso profissional. Desde 1984, trabalha como Agente da Polícia de Segurança Pública, em Braga, cidade onde vive desde então.

O seu interesse pela pintura e pelo desenho foram notados desde cedo e já na adolescência, esboços, aguarelas e desenhos ocupavam parte do tempo livre de Sabina. No entanto, apenas em 1996, decidiu retomar este hoby e apostar sua formação artística, de forma maioritariamente autodidata. No sentido de aprofundar e consolidar os seus conhecimentos, entre 2005 e 2009, frequentou o curso de formação em Artes Plásticas, no Atelier Livre da junta de freguesia de S. Tiago da Cividade, em Braga.

Exposições anteriores

2006 | Excertos do Real – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

2007 | Formas e Natureza – Torre de Menagem (Braga)

           Formas e Natureza – Posto de Turismo de Esposende

           Exposição coletiva de artes plásticas no Instituto Português da Juventude (Braga)

           Dias da Criação – Exposição coletiva na Casa da Eira Longa (Boticas)

2007-11 | I, II, III, IV e V Encontros de Pintura do Regimento de Cavalaria n.º 6 (Braga)

2007-10 | Exposição Aberta – Exposição coletiva de artes plásticas no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

2008 | Arte e Criação II – Exposição coletiva em Vieira do Minho

2008 | Filo-café “Salvação e Justiça” no Orfeão do Porto

2009 | Tons de Laranja – Bar Gato Escaldado (Braga)

           Arte e Criação III – Exposição coletiva em Vieira do Minho

2010 | Aromas da Natureza – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

           Arte do Carvalho – Exposição coletiva em Travassos (Póvoa de Lanhoso)

2011 | Pintura é dança, Pintura é melodia – Auditório da Junta de Freguesia de Real (Braga)

2012 | Arte no feminino – Galeria Nimbus (Braga)

           Pintura é dança, Pintura é melodia – Bragatruthotel (Braga)

           Vivências – Junta de freguesia de S. Vítor (Braga)

2013 | Vivências – Espaço Só Arte (Braga)

           Sunset Ballet – Bar Casa Velha (Braga)

2014 | A vida – Space Feng Shui (Braga)

           Exposição Aberta – Exposição coletiva de artes plásticas no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

           O sentido da Mudança – Fundação Jorge Antunes (Vizela)

           O sentido da Mudança – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

           Vivências – Museu Municipal de Esposende

2015 | A vida – Pastelaria Belsarini (Vizela) 2015

           Encontro de Artes – Exposição coletiva no Museu D. Diogo de Sousa (Braga)

           Encontro de Artes – Exposição coletiva no Cine Teatro João Verde (Monção)

           Exposição Aberta – Exposição coletiva no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

           Traces et taches – Les Forgerons (Paris)

2016 I Perspectivas – Casa Museu Mestre Adelino Ângelo (Vieira do Minho)

           Belsarini Pastelaria (Vizela)

           Café Galeria  (Guimarães)

           Teatro dos Sonhos (Vizela)

           Café Astória (Braga)

           Polícia de Segurança Pública de Braga

           Expoética de Braga 

           Espaço Alquimik (Braga)

13508919_877790065698448_1146304978057743876_n.jpg

CASA DOS CRIVOS EM BRAGA MOSTRA OBRA DE LUÍS DE CAMPOS

Exposição patente ao público na Casa dos Crivos até 12 de Fevereiro

Casa dos Crivos mostra obra de Luís de Campos

Foi inaugurada hoje, 13 de Janeiro, na Casa dos Crivos, em Braga, uma exposição de pintura de Luís de Campos (1913-1982) considerado o artista plástico mais proeminente da história de Braga no século XX.

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004693.jpg

Segundo Lídia Dias, vereadora da Cultura do Município de Braga, esta exposição é uma forma de dar a conhecer a obra de Luís da Campos, cujo espólio faz parte do quotidiano da Autarquia. “Muitos destes quadros estão expostos nas paredes dos gabinetes da Câmara, pelo que esta é também uma forma de homenagear este pintor que doou a sua obra à Autarquia”, referiu Lídia Dias, notando que outro dos objectivos da exposição passa por divulgar ao público “toda a riqueza do espólio municipal”.

A exposição de Luís de Campos pode ser visitada até 12 de Fevereiro, de Terça a Sexta, das 9h30 às 18h30 e às Segundas e Sábados das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h30.

A vida e obra do pintor

Nascido em Lisboa, Luís de Campos fez de Braga a sua casa a partir da década de 1950 e daqui jamais partiu.

Apaixonado pela paisagem minhota, deixou-se encantar pela candura e espontaneidade das gentes e pela genuinidade dos lugares, onde foi aguçar o seu génio e buscar a inspiração que regeu uma parte da sua obra.

Formado na Academia de Belas Artes de Lisboa, rapidamente se integrou na comunidade Bracarense onde beneficiou da ausência de operários da sua arte. Foi muito procurado para pintar retratos individuais, tendo-se dedicado particularmente a ministrar cursos de pintura, além da realização de exposições e execução de ilustrações para monografias.

Nas Festas de São João de 1957 foi um dos responsáveis pela realização do I Salão de Escultura e Pintura, que pretendia promover os artistas independentes residentes no Minho. O edifício do Turismo foi um dos baluartes do seu labor, tendo ainda efectuado diversas iniciativas culturais com a Biblioteca Pública, Junta Distrital de Braga, Grémio do Comércio, Associação Jurídica, Museu D. Diogo de Sousa ou Sociedade Martins Sarmento.

A 30 de Abril de 1982, pressentindo o epílogo da sua vida em virtude de doença prolongada, efectiva a doação de cerca de duas centenas de telas e ilustrações da sua autoria à Câmara Municipal de Braga. Na mesma data, a edilidade deliberou agraciá-lo com a Medalha de Mérito da Cidade.

Faleceu a 22 de Setembro de 1982 na Cidade que adoptou como sua. O espólio que legou ao Município de Braga encontra-se exposto nos gabinetes da Câmara Municipal de Braga, estando outra parte em depósito no Arquivo Municipal.

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004696.jpg

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004698.jpg

PONTE DE LIMA EXPÕE PINTURA

Exposição de Pintura “Traços do Minho!...” realiza-se na Torre da Cadeia Velha – Ponte de Lima, até 31 de janeiro

O Município de Ponte de Lima apresenta na Torre da Cadeia Velha mais uma exposição de pintura. Sob o tema “Traços do Minho!..” a mostra é da autoria de Rosário Pedro e David Lopes.

_tracos_do_minho.jpg

Os autores pintam em óleo sobre tela, acrílicos e técnicas mistas. Dos vários trabalhos realizados, já efetuaram diversas exposições individuais e coletivas. Desde 1990 já realizaram as seguintes amostras, nomeadamente no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Trofa, Barcelos, Guimarães, Caminha e em França.

Venha conhecer os “Traços do Minho!..” na Torre da Cadeia Velha, podendo visitar de segunda a sábado, entre as 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

A exposição vai ficar patente até 31 de janeiro.

ROSA IGLESIAS EXPÕE PINTURA EM MONÇÃO

Exposição de pintura "Camelias, inspiración y pasión" de Rosa Crespo Iglesias na Casa Museu de Monção/UMinho

Encontra-se patente ao público de 3 de janeiro e até ao final do mês de fevereiro, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição de pintura da artista Rosa Crespo Iglesias, intitulada "Camelias, inspiración y pasión".

"Inspirada nas camélias, essa flor tão frágil esta exposição de pintura mostra-nos diferentes espécies desta lindíssima flor".

A entrada é livre!

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho:

Terça a sexta-feira: das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábado: das 14h00 às 17h30

Domingo e segunda-feira: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

BARCELOS INAUGURA EXPOSIÇÃO DE PINTURA

“ENTRE…TANTO” abre o Ciclo de Exposições do Novo Ano

Exposição de pintura inaugura a 7 de janeiro, às 16h,na Biblioteca Municipal de Barcelos

“É através da arte que encontramos o verdadeiro caminho - o belo!”, considera Monteiro da Silva, artista plástica barcelense que abrirá o ciclo de exposições do novo ano na Biblioteca Municipal de Barcelos. A exposição intitulada “Entre…tanto”, que será inaugurada, no próximo sábado, dia 7 de janeiro, pelas 16h00, apresenta 25 quadros a óleo, a acrílico e técnica mista, de cariz surrealista.

A obra de Monteiro da Silva, representada em várias coleções particulares, é a terceira exposição individual que realiza na Biblioteca Municipal, depois de ter feito uma coletiva, “Eu creio”, com Maria das Dores Quinta e Costa. Anteriormente, tinha já realizado, também uma exposição coletiva, “Olhares sobre o Terço”, na Igreja Beneditina de Nossa Senhora do Terço, em Barcelos.

A exposição poderá ser visitada até ao dia 10 de fevereiro, com o seguinte horário: de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h00 e aos sábados, das 9h30 às 12h30.

Maria Manuela Monteiro da Silva nasceu em Barcelos. Depois de uma vida dedicada ao ensino, é na pintura que continua a encontrar-se. A expressão através deste modo sublime sempre esteve presente, inspirada pelo parentesco a Paulo Vilas Boas e António Lino Ferreira Pedras.

A experiência de vida, as viagens pelas mais variadas culturas, o contacto com diferentes formas de ver o mundo, o privilégio de trabalhar com crianças especiais, como na APACI, da qual é co-fundadora, permitem fazer da pintura o rio que corre incessantemente, trazendo sempre algo de novo, pelo que vale a pena continuar a sonhar.

CASA DE PONTE DE LIMA EM LISBOA ADERE AO GRAFITI

A Casa do Concelho de Ponte de Lima em Lisboa está neste momento a proceder à execução de uma pintura mural no lado exterior de um dos muros que resguardam a sua entrada. Trata-se de um graffiti com motivos típicos de Ponte de Lima em forma de propaganda regionalista.

DSCF1793 ccpl-grafiti (2).JPG

Mais do que apresentar uma obra de arte urbana com valor artístico, pretende-se com esta iniciativa reduzir o impacto negativo resultante das demolições efectuadas em torno das suas instalações que têm em vista o prolongamento do “corredor verde” que liga ao Monsanto e cujas obras deverão arrancar em breve, de acordo com informação que recebemos da Câmara Municipal de Lisboa através da Junta de Freguesia de Campolide. Entretanto, aquelas instalações servirão de apoio à equipa de trabalhadores que se encontram envolvidos no projecto.

DSCF1793 ccpl-grafiti (7).JPG

Frequentemente associado a uma cultura suburbana onde pontificam os mais diversos grupos de transgressão das normas sociais, os graffiti, na forma como actualmente se apresenta, tem a sua origem no movimento de contracultura surgido um pouco por toda a Europa por ocasião do levantamento estudantil do Maio de 1968, em Paris. Considerado frequentemente como um ato de vandalismo condenado por lei, o próprio ato de produção dos graffiti é assumido como um ato de rebeldia em relação à ordem estabelecida.

CCPL 008.JPG

Convém, antes de mais, estabelecer uma clara distinção entre o mural de graffiti concebido com reconhecida qualidade artística e contendo uma mensagem da reles pichagem que apenas conspurca as paredes e não respeita o direito à propriedade e ao asseio urbano.

Existem graffiti que constituem autênticas obras de arte, transmitindo preocupações de natureza política, social ou ambientais através de representações críticas e emocionais. Com evidentes traços característicos do expressionismo, surrealismo e simbolismo, alguns das pinturas destes murais podem muito bem serem consideradas verdadeiras manifestações estéticas do neo-expressionismo. Não é o caso das pinturas murais em apreço que, sem qualquer preocupação estética, apenas procuram disfarçar um cenário de demolições.

DSCF1793 ccpl-grafiti (8).JPG

DSCF1793 ccpl-grafiti (9).JPG

DSCF1793 ccpl-grafiti (10).JPG

DSCF1793 ccpl-grafiti (11).JPG

RTP2 DÁ A CONHECER A OBRA DOS MAIORES VULTOS DA ARTE NACIONAL

“Estou nas Tintas”: O homem à frente da obra

O “Estou nas Tintas” estreia a 6 de Janeiro de 2017, às 21h00, e as expectativas são imensas. Durante 13 semanas, o programa produzido pela RTP2 vai dar a conhecer a vida e a obra de cerca de 80 dos mais importantes nomes da arte nacional.

EstouNasTintas_FotoPress.jpg

 

Dar voz à obra e ao criador foi o principal objectivo deste projecto, que tenta abordar as mais variadas formas de expressão artística e divulgar métodos, pensamentos e singularidades dos artistas plásticos portugueses.

Além de nomes incontornáveis – Júlio Pomar, Cruzeiro Seixas, José Costa Reis, Odeith e o Mestre José Rodrigues (que infelizmente partiu aos 79 anos em setembro passado, deixando-nos uma última recordação sua e da sua obra) são alguns dos convidados do programa –, o “Estou nas Tintas” pretende também dar destaque a novos nomes do panorama artístico português. António de Almeida Lopes, realizador de programas como “Saúde com Sabor”, “Praia Limpa, Praia Segura” ou “Riscos e Rabiscos”, foi o autor da ideia e quem realizou o projecto e Joaquim Feijão o responsável pela Provetouch, a produtora que abraçou e embarcou nesta viagem durante sete meses.

Um ano depois do início do projeto chega finalmente a hora de o partilhar com o público, que tem desta forma a oportunidade de entrar dentro das casas e dos ateliers de múltiplos artistas nacionais. A ambição dos autores é que esta série se torne um documento incontornável da história da arte nacional, uma fonte de informação basilar para quem no futuro tiver interesse em conhecer uma parte significativa da herança artística portuguesa.

Voz aos artistas

“Essa frase ‘estou nas tintas’ é um exemplo de como o sentido que se pode dar às coisas pode ser muito diferente. Ninguém pense que tem a verdade absoluta.” – Júlio Pomar

“Pintar, para mim, é uma forma de estar vivo, é como respirar, comer…” – Diogo Navarro

“Picasso dizia que a arte limpa, do quotidiano, a poeira dos dias.” – Ana Mesquita

“Se a função do artista é a procura do belo, eu encontrei essa procura no corpo da mulher.” – Francisco Simões

“Nessa altura, comemorava-se a venda de um quadro, fosse de quem fosse.” – Gracinda Candeias

“Eu estou sempre apaixonada. Tento-me apaixonar nem que seja por um livro, por uma frase, pelo amanhecer…” – Tamara Alves

“Eu penso que a actividade artística se define, quer em pintura, quer no cinema, quer na literatura, seja onde for… é exactamente o repensar constantemente métodos, definições, objectivos, trajectórias…” – Jaime Silva

“Eu tenho pavor do óbvio e tento sempre fazer coisas inesperadas.” – José Costa Reis

“A técnica, no meu ponto de vista, é apenas um suporte ou um apoio para a concretização de um trabalho.” – Carlos Nogueira

“A pintura acaba por ser a nossa forma de nos expressarmos e acaba por ser o alfabeto da pessoa.” – Jorge Almeida

“Não temos um grande museu de arte portuguesa, por exemplo. Nós se quisermos ver a evolução da arte portuguesa, desde o princípio do século até hoje, onde é que vamos?” – Manuel Baptista

“O amor, a cultura, a poesia são realmente a coisa mais importante que nós temos, para agarrar com ambas as mãos com toda a força.” – Cruzeiro Seixas

“Qualquer fotógrafo é um contador de histórias.” – Joel Santos

“Os artistas portugueses, para mim, são mais uma dessas facetas que nós temos que ser capazes de valorizar, que fazem parte do nosso património.” – Manuel Botelho

“A arte é a zona mais criativa da natureza humana.” – Eurico Gonçalves

Lista de artistas convidados do programa

Pintores

Alexandre Alonso

Clo Bourgard

Cruzeiro Seixas

David Levy Lima

Diogo Navarro

Eleutério Sanches

Eurico Gonçalves

Gabriela Carrascalão

Gracinda Candeias

Gustavo Fernandes

Jaime Silva

Jorge Almeida

Júlio Pomar

Luís Noronha da Costa

Madalena Raimundo

Manuel Baptista

Manuel Botelho

Maria de Lurdes Oliveira

Mário Rita

Pedro Guimarães

Escultores

Carlos Nogueira

Francisco Simões

Frederico Elias

Isabel Garcia

Manuela Madureira

Mestre José Rodrigues

Rogério Timóteo

Rui Matos

Susana Piteira

Writers

Adalberto Brito (Youth One)

Artur Silva (Bordalo II)

Gustavo Teixeira (Mesk)

João SAMINA

Miguel Caeiro (RAM)

Nuno Palhas (Third)

Nuno Reis (Nomen)

Oliveiros Júnior (Utopia)

Sérgio Odeith

Ilustradores

Ana Mesquita

João Saramago

José Pereira

Marco Mendes

Rita Ravasco

Sara Osório (Sara-a-Dias)

Tamara Alves

Artistas plásticos

Ana Isabel Miranda Rodrigues

António Canau

Bernardete Moreira

Cristiano Neves

Dalila D’Alte

Joel Santos

José Costa Reis

José Pedro Alves

Paula Bernardes

Sérgio Santos

Outros especialistas

Ágata Rodrigues (Fundação José Rodrigues)

Ana Roque

António Soares

Celine de Azevedo

Fernando Catarino

Inês Almeida

Professora Joana de Oliveira (Agrupamento de Escolas D. Carlos I – Sintra)

José Esteves

Maria Hortense Canelas

Mizette Nielsen

Mouralinda Serralha

Nisha Narotomo

Nuno Lima de Carvalho (Galeria de Arte – Casino Estoril)

Sara António Matos (Atelier-Museu Júlio Pomar)

Sérgio Pinheiro

Telma Araújo

Wilson Galvão

Colaboração especial

Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

Prof. Dalila D’Alte

Prof. Eurico Gonçalves

Prof. Jaime Silva

Prof. Manuel Botelho Carlos Sanches (Músico)

João Gil (Músico)

José Cid (Músico)

ORLANDO POMPEU INAUGURA EXPOSIÇÃO DE AGUARELAS EM GUIMARÃES

 

O mestre-pintor Orlando Pompeu inaugurou ontem, na Galeria quarenta do Hotel Mestre de Avis, uma unidade hoteleira no centro de Guimarães, a exposição de aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”.

Exposição 1.JPG

O mestre-pintor Orlando Pompeu, acompanhado da empresária Maria Roeder, do historiador Daniel Bastos, e da artista plástica galega Carmen Touza

 

A inauguração da exposição de um dos mais conceituados artistas plásticos portugueses da atualidade, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Dubai e Japão, contou com a presença de um grande número de pessoas da região Norte e da Galiza.

A exposição marcada pelo início de um novo ciclo temático do artista natural de Fafe, que inicialmente realista e impressionista, e também com multicolores obras gestualistas, mergulha agora na pintura em aguarela. Uma técnica de pintura na qual os pigmentos se encontram suspensos ou dissolvidos em água, e que evidencia a plena maturidade de Orlando Pompeu, e a sua extraordinária delicadeza estética e talento criativo.

A apresentação da obra e do seu autor esteve a cargo do escritor e historiador Daniel Bastos, que destacou a sensibilidade cultural da proprietária do Hotel Mestre de Avis, a empresária Maria Roeder. Segundo o investigador da nova geração de historiadores portugueses, Orlando Pompeu detém uma carreira e currículo nacional e internacional ímpar, que o tornam atualmente uma figura incontornável da pintura portuguesa.

Visivelmente emocionado, o artista agradeceu a presença dos inúmeros amigos, admiradores e colecionadores que lotaram o espaço da Galeria quarenta, e reconheceu a oportunidade desta nova exposição através do papel da empresária e colecionadora Maria Roeder, que esteve na base do impulso do novo ciclo temático do artista plástico. 

Refira-se que a exposição estará patente ao público até 5 de março de 2017, durante o período normal de funcionamento da unidade hoteleira integrada no território classificado pela UNESCO.

Exposição 2.JPG

Exposição 3.JPG

Exposição 4.JPG

Exposição 5.JPG

Exposição 6.JPG

Exposição 7.JPG 

AURORA FERNANDES EXPÕE PINTURA EM MONÇÃO

Exposição de pintura "Cores da Vida" de Aurora Fernandes na Casa Museu de Monção/UMinho

Encontra-se patente ao público, de 2 de novembro e até ao final do mês, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição de pintura da artista Aurora Fernandes, intitulada "Cores da Vida".

AuroraF.JPG

"Autodidata, apaixonada pelas cores e pela vida, nesta, que é a sua segunda exposição, tenciona mostrar excertos de vida banhados pela cor. Segundo a artista, enquanto pinta viaja para outro mundo descrevendo-o como o seu refúgio, onde sonha e é feliz!!"

A entrada é livre!

ORLANDO POMPEU APRESENTA AGUARELAS EM GUIMARÃES

Orlando Pompeu inaugura exposição aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”

No próximo sábado (5 de novembro) o mestre-pintor Orlando Pompeu inaugura às 18h00 na Galeria quarenta do Hotel Mestre de Avis, uma unidade hoteleira no centro de Guimarães, integrada no território classificado pela UNESCO, a exposição de aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”.

Orlando Pompeu.jpg

Nascido em Cepães, concelho de Fafe, Orlando Pompeu, estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris, tendo criado um estilo pictórico pessoal, heterogéneo, criativo, original e contemporâneo. Detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Dubai, Estados Unidos e Japão, Orlando Pompeu é atualmente um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses.

A apresentação da obra e do seu autor, que revela-se em amplos movimentos gestualistas e em trabalhos que combinam o rigor formal com ricos cambiantes multicolores, estará a cargo do escritor e historiador Daniel Bastos.

BARCELOS APRESENTA "PAISAGENS TRASNFIGURADAS" DE ANTÓNIO MIRANDA

Paisagens Transfiguradas de António Miranda na Biblioteca Municipal de Barcelos

O pintor barcelense António Miranda regressa à Biblioteca Municipal de Barcelos, no próximo sábado, dia 10 de setembro, com a exposição “Paisagens Transfiguradas”, que será inaugurada, pelas dezassete horas.

Aparentemente, dir-se- á que a vocação do António Miranda para a pintura é tardia, pois é assumida consciente e voluntariamente desde 2009. No entanto, já tinha nascido com ele num tempo imemorial que remonta aos tempos da Escola Preparatória Gonçalo Nunes. Digamos também que persistência e fidelidade, sensibilidade e visão imaginante de mundos outros são timbres do seu emblema existencial e marcas do seu estilo paisagístico.

Quando decide aparecer ao público, a 21 de novembro de 2014,  na Biblioteca Municipal de Barcelos, o trabalho artístico de António Miranda já era apreciado, valorizado e reconhecido noutras latitudes. É assim que, a 25 de fevereiro de 2014, a sua paisagem, “A casa na profundeza”, obteve um terceiro lugar atribuído pela galeria I Love Art Award de Nova Iorque. Já a 19 de abril do mesmo ano, o quadro, “O riacho na pedreira”, recebe uma Menção honrosa pela Best International Art Contest and Gallery. Ainda em abril deste ano inaugural e promissor para o artista, António Miranda, o quadro acabado de referir recebe uma Menção honrosa com a atribuição do quinto lugar pela I Love Art Award, na modalidade “Sunset & Sunrise Award”. Desde então, novas paisagens do António Miranda têm sido reconhecidas e valorizadas por Galerias americanas, inglesas e indianas.

Sabemos hoje que o pintor António Miranda tem outros projetos em vista e que, na fidelidade aos motivos da sua inspiração e às suas matrizes de influência, continuará a explorar novos caminhos, tendo como protagonista a Terra amata, dada a ver de modo singular em quadros que consistem em perceções dinâmicas e visões transfiguradas pela sua imaginação criadora!

No fim de tudo, permanece esta obra plural, composta por séries de paisagens e, sobre elas, o puro espírito do pintor deslocando-se como uma nuvem sobre as ondas da vida!

“MONÇÃO TEM PINTA”

Este sábado, 3 de setembro, vários pintores vão passar para a tela ruas, largos, monumentos e paisagens de Monção. Resultado ficará exposto no Museu do Alvarinho até ao dia 22 do corrente. Venda das obras reverte para o Rotary Foundation e associações locais.

Monção tem pinta cartaz.jpg

O Rotary Clube de Monção, em colaboração com a Câmara Municipal de Monção, promove este sábado, 3 de setembro, a iniciativa “Monção Tem Pinta”, cujo objetivo consiste em divulgar as potencialidades patrimoniais e naturais de Monção através da arte.

Durante todo o dia, vários pintores de Monção, munidos de cavaletes, telas, paletes e tintas, vão desenhar ruas, largos, monumentos e paisagens da localidade raiana. Estarão distribuídos pelo centro histórico, ficando a escolha de cada “retrato” a seu critério.

As criações artísticas de “Monção Tem Pinta” ficarão expostas no Museu do Alvarinho até ao dia 22 do corrente, encontrando-se disponíveis para venda. A exposição coletiva pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

A receita da venda das obras expostas reverterão a favor do Rotary Foundation e de todos os seus projetos nacionais e internacionais, bem como de associações locais. Em suma, uma ótima oportunidade

CASA MUSEU DE MONÇÃO EXPÕE PINTURA

Exposição de pintura: "6M" de Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa na Casa Museu de Monção/UMinho

Está patente ao público de 1 de setembro e até ao final do mês, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição coletiva de pintura dos artistas Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa, intitulada "6M".

11150304_809340035786167_7159175907303346661_n.jpg

"De estreitos caminhos campestres a velhas ruelas citadinas, entre minas floridas e histórias que sempre encantam, perfumes de poesia, gritos de liberdade em uníssono, num momento em que a alma se põe a nu nas obras de seis sonhadores. Vidas e histórias que se cruzam num espaço onde impera o mágico e o desejo de dar voz ao não dito. Seis formas de olhar o mundo através da arte de Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa. 6M reúne estilos diferentes, do surrealismo ao abstrato num abraço amigo que exalta o que de mais belo se desenha no interior de cada um, libertando dores, angustias ou simplesmente gritos de amor. Orgasmos de sonhos em luz e cor lançados a nu na brancura da tela ou moldados na matéria."

A entrada é livre!

Muito agradecemos a sua visita e a melhor divulgação da exposição.

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho:

Terça a sexta feira: das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

sábado: das 14h00 às 17h30

domingo e segunda feira: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

14034994_1086033481450153_4054473418895277301_n.jpg

CRIANÇAS DE TERRAS DE BOURO DÃO A CONHECER S. BENTO DA PORTA ABERTA

Crianças das ATLs “expuseram ” o S. Bento da Porta Aberta, através de Pintura.

Por iniciativa da Irmandade de S. Bento da Porta Aberta, foi, há cerca de dois meses, lançado o repto às crianças que frequentam as Atividades de Tempos Livres, promovidas pela Camara Municipal de Terras de Bouro, em Moimenta, Rio Caldo e Gerês, para pintarem, nos pratos de porcelana em desuso, do Restaurante do Hotel,  o que lhes inspirava a imagem, o santuário, a história e a envolvente da Basílica do S. Bento, na freguesia de Rio Caldo.

ttttbbb.jpg

Volvido esse tempo, e com a dedicação e empenhamento das educadoras e das colaboradoras que acompanham essas crianças em cada polo, foi possível, no passado dia 10, início da Romaria de Agosto, apresentar o resultado.

Com a presença dos pequenos artista, dos membros da Mesa da Irmandade, do senhor Cónego Fernando Monteiro, Presidente da Mesa e da representação do Município de Terras de Bouro, com a senhora Vereadora do Pelouro da Cultura, Ação Social e Educação, Dr.ª Liliana Machado, esse trabalho foi apreciado, na exposição que permanecerá no bar do Hotel e que, reconhecidamente, se considerou como muito positivo.

Isto mesmo ficou bem patente nas palavras de incentivo proferidas pela senhora Vereadora da Camara Municipal, bem como pela alegria demonstrada e expressa na intervenção do senhor Cónego Fernando Monteiro.

São 120 peças que a partir desse dia, constituem um património ímpar, quer pelo seu simbolismo, quer pela sua originalidade.

A Dr.ª Filomena Araújo, elemento da Irmandade que explicou e promoveu a iniciativa fica, inexoravelmente, ligada a mais este sucesso.

ttttbbb (2).jpg

ANTÓNIO MENDES EXPÕE PINTURA EM VIZELA

Exposição de António José Mendes Rodrigues na Loja Interativa de Turismo. Dia 3 agosto a 5 de setembro 2016

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de António José Mendes Rodrigues, de 3 agosto a 5 de setembro.

‘António José Mendes Rodrigues, mais conhecido na cidade como “Valença”, é um vizelense de 49 anos, que assume com grande entusiasmo a sua paixão pela pintura.

Este gosto não será de estranhar, uma vez que esta arte tem vindo a ser desenvolvida pelos seus antepassados.

Desde os 16 de idade que trabalha como pintor, particularmente no restauro de igrejas e capelas.

Decidido a expandir as suas ideias, iniciou a sua atividade artística, enquanto autodidata, há cerca de oito anos, onde a influência e incentivo de um amigo foram cruciais.

Tem desenvolvido e aprofundado as suas capacidades artísticas, ao longo destes últimos anos, tendo inclusivamente já realizado exposições no concelho.’

flyer.jpg

PUSKAS EXPÕE PINTURA EM MONÇÃO

O artista monçanense Puskas inaugura a exposição de pintura intitulada "Retrospetiva da carreira do pintor" -comemoração do seu 40º aniversário como pintor, no próximo dia 29 de julho (sexta feira), pelas 18h30, nas instalações da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, sitas na vila de Monção.

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de agosto.

HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO:

Terça a Sexta-feira - das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábados - das 14h00 às 17h30

Domingos e Segundas: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

Convite.jpg

 

FERNANDA AGUIAR OFERECE QUADRO À BIBLIOTECA MUNICIPAL PROF. DOUTOR MARCELO REBELO DE SOUSA EM CELORICO DE BASTO

“Nossa Senhora e os Pastorinhos” é o nome do quadro a óleo de Fernanda Aguiar entregue hoje, 15 de junho, ao presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, em pleno Paços do Concelho.

_DSC9502.jpg

Fernanda Aguiar é autora de várias obras tendo feito uma exposição de arte sacra em Celorico de Basto aquando da Feira do Livro, em 2011. Durante esse período, a pintora visitou a capela da quinta de S. Silvestre onde se situa a atual Biblioteca Municipal e “vendo a capela, decidi pintar uma obra propositadamente para colocar no seu interior” disse.

O autarca mostrou-se regozijado com tal gesto. “É com grande alegria que recebo esta obra, a nossa biblioteca é um espaço de cultura por excelência que ficará ainda mais rico com tão bela obra” disse.

A autora é oriunda de Fafe mas nutre um carinho especial por Celorico de Basto. “Gosto muito de Celorico de Basto, é uma terra que sempre me acolheu muito bem”.

A autora pinta sobretudo a óleo e tem tendência a pintar temas religiosos.

LUÍS FERREIRA EXPÕE EM MONÇÃO "O FASCÍNIO DA COR"

Exposição de pintura "O fascínio pela cor" de Luís Ferreira, na Casa Museu de Monção da Universidade do Minho até ao próximo dia 30 de junho

Está patente na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, sita na vila de Monção, até ao próximo dia 30 de junho, a exposição de pintura do artista Luís Ferreira intitulada "O fascínio pela cor".

Esta exposição é constituída por: abstratos e paisagens (com motivos de várias localidades de Portugal e Galiza, assim como de barcos do Algarve com lagos como pano de fundo).

divulgacao.JPG

ARTISTA FAFENSE LOURDES MAGALHÃES VOLTA A EXPOR NA SUA TERRA NATAL

Tem o título de “Emoções” a exposição de pintura e desenho que a artista fafense Lourdes Magalhães vai ter patente, nas instalações do Arquivo Municipal, entre os dias 28 de Maio e 13 de Junho, numa organização do Município de Fafe e do Núcleo de Artes e Letras de Fafe.

A abertura da mostra tem lugar no sábado, 28 de Maio, pelas 16h00, com a presença da artista.

É a quarta vez que a artista expõe na sua terra natal, a título individual ou colectivo.

Maria de Lourdes Magalhães Sampaio e Castro é natural de Fafe e reside em Braga. Licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Integra a Associação Cultural Lusófona, Irmandades da Fala da Galiza e Portugal, o Núcleo de Artes e Letras de Fafe, o Dicionário Internacional de Arte e Literatura Contemporânea 2006; Creadores III Córdoba Capital Europea em 2016; Panorama Artístico Cultural 2009 - edição da Associação Aires de Córdoba - Espanha

Representada em várias colecções particulares, bem como instituições públicas, a destacar:

Universidade do Minho, Museu Nogueira da Silva, Câmara Municipal de Braga, Câmara Municipal de Fafe, Hospital de S. José – Fafe; Academia Galega da Língua Portuguesa, em Santiago de Compostela e no México e Cuba – Celebração da Fiesta Del Fuego.

No Âmbito da Conferência Internacional sobre Cooperação Empresarial e Competitividade Territorial, colaborou com 30 obras – Pintura - subordinadas ao tema Globalização - hoje espalhadas por todo mundo levadas pelos conferencistas presentes.

Coordenou o projecto Saramago Revisitado, uma coletânea de textos que resulta da recriação de oito crónicas de José Saramago que constituem o livro Deste Mundo e do Outro,bem como de Textos Poéticos de Manuel Alegre e José Mário Branco, aquando das comemorações dos 20 anos do 25 de Abril.

Realizou o Projecto do Monumento Comemorativo de Lionismo em Portugal, uma peça escultórica situada num espaço verde da Cidade de Braga.

Elaborou o Projecto Pictórico para a Área da Urgência de Pediatria do Hospital de Braga.

Em 2012 foi condecorada com a Medalha de Mérito no domínio das Artes Plásticas, pela Câmara Municipal de Braga.

Começou a expor em 1981 e desde então participou em mais de três dezenas de mostras individuais e coletivas.

Ilustrou igualmente obras literárias individuais e colectivas.

PINTORA NOVAIS COSTA EXPÕE EM VIZELA

3 a 31 de maio 2016: Exposição de Maria Novais na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de Maria Novais, de 3 a 31 de maio.

Lugar do Pensamento é o novo desafio que Glória Costa nos propõe numa exposição em que a arte se nos apresenta com todo o esplendor.

É quando exibe aquilo Os sentimentos que lhe vão na alma que a força do traço se faz presente e a artista se desnuda, oferecendo-nos o melhor de si.

Nesses momentos de penetração no âmago do seu ser, o verso e a cor se manifestam de mãos dadas com toda a sua beleza, em toda a sua plenitude.

É por isso que vale a pena apreciar os seus trabalhos, descobrir em cada pigmento um grito de liberdade, uma expressão de amor e de carinho, uma fonte inesgotável de energia e cor tão cheia de magia. A alegria que apresenta em cada tela contagia-nos e prende o nosso olhar.

Não deixem de visitar este espaço.

Sejam bem-vindos ao Lugar do Pensamento.

José Sepúlveda

Maria da Glória Novais da Costa nasceu em 1975 na cidade de Fafe e atualmente reside em Rio Tinto. Iniciou a sua atividade artística, em 2005. Ao longo destes anos desenvolveu e aprofundou as suas capacidades artísticas. Participou no livro Internacional de Arte Artists Across Continents 2015. Já participou em mais de uma centena de exposições coletivas e individuais, em Portugal, Espanha - Pontevedra, Galiza, Barcelona e Oropesa. Brasil - Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília. Oslo- Noruega, França - Carrossel do Louvre e em Londres. Está representada em várias coleções de arte em Portugal e no Estrangeiro.

Para além da pintura, Glória Costa dedica-se à escrita e ao artesanato.

JOSÉ DE GUIMARÃES PINTA “PRIMAVERA” EM PRÉDIO SOCIAL AMIGO DO AMBIENTE EM GUIMARÃES

MESTRE ASSOCIA-SE À CÂMARA DE GUIMARÃES NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIO EM URGEZES

Estilo inconfundível do prestigiado pintor decora renovação das fachadas do Bloco Habitacional de Urgezes, a futura “Casa Primavera”. Câmara de Guimarães está a transformar habitação social num edifício com eficiência energética.

Guimaraes_Jose_Predio_Social

O Mestre José de Guimarães, considerado um dos principais artistas plásticos portugueses de Arte Contemporânea, associou-se à reabilitação do Bloco Habitacional de Urgezes, sendo o autor das imagens que vão embelezar a fachada da nova “Casa Primavera”, prédio social que a Câmara de Guimarães está a transformar num edifício ambientalmente sustentável, através da implementação de fontes de energia renováveis, num abrangente processo de recuperação estrutural, arquitetónica e energética desta habitação social gerida pela CASFIG.

«Um conjunto de flores coloridas espalha-se pelas duas fachadas da casa, como se de um jardim se tratasse. Nos alçados laterais, duas árvores floridas decoram as paredes da Casa Primavera», pormenoriza José de Guimarães, explicando a imagem de sua autoria que, em regime de mecenato, irá conceder um novo enquadramento urbanístico a um prédio, cuja intervenção está a ser submetida a uma profunda reabilitação por parte da Autarquia.

A obra cumpre o primeiro de três meses de execução e contempla a instalação de um sistema solar térmico que permitirá o aquecimento das águas sanitárias, bem como um modelo de autoconsumo com baterias recorrendo a painéis fotovoltaicos para a produção de energia elétrica, destinada ao abastecimento das áreas comuns do prédio, ou seja, às zonas de condomínio.

Os moradores passarão a ter um edifício social energeticamente eficiente, o que representará, como consequência direta, uma redução no custo da fatura energética. O Presidente do Município de Guimarães pretende que a realização da obra resulte num edifício «estruturalmente estável e visualmente reabilitado com evidentes benefícios para os seus condóminos, designadamente através das poupanças nas faturas de energia que esta intervenção irá proporcionar».

Entre outras mais-valias, a obra exterior compreende o reforço da resistência térmica da fachada e da cobertura do edifício e o tratamento das pontes térmicas, com aplicação de isolamento térmico nas caixas de estore e caixilharias. Na cobertura, proceder-se-á à substituição integral da telha e, ao nível da cave, o projeto definiu a criação de um acesso automóvel, a poente do edifício, em cubo de granito, garantindo assim uma mais-valia para os utilizadores do edifício. O teto da cave será também melhorado com a colocação de placas rígidas de isolamento térmico e acústico.

ARTISTA BELMIRA GUIMARÃES EXPÔE NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE FAFE

A artista plástica Belmira Guimarães vai expor um conjunto de obras da sua autoria, na Biblioteca Municipal de Fafe, entre os dias 6 e 21 de Maio, numa iniciativa que conta com o apoio do Núcleo de Artes e Letras de Fafe.

BELMIRA GUIMARÃES 2

A inauguração está prevista para as 21h30 de sexta-feira.

Belmira Guimarães é uma das fundadoras do Núcleo de Artes e Letras de Fafe (1990) e associada nos últimos 25 anos, tendo já desempenhado cargos directivos.

A pintora, nascida em Lamego em 16 de Março de 1937, casou em 1960 com o fotógrafo Victor Guimarães (“Foto Victor”, recentemente falecido) e veio viver para Fafe.

carnaval de Veneza

A sua verdadeira paixão, no que respeita às artes, foi sempre a pintura e desenho. Assim, quando aconteceu a 1ª Mostra de Artes Plásticas de Fafe (1986), organizada pela Câmara Municipal, não hesitou e inscreveu-se, cheia de entusiasmo. A partir daí não mais parou de expor. Fez algumas exposições no estrangeiro e imensas em Portugal.

Expôs ao longo de três décadas em Lisboa, Porto, Lamego, Fafe, Guimarães, Póvoa de Varzim, Felgueiras, Barcelona e Montgenon, entre outras localidades.

Recebeu várias Menções Honrosas e prémios de arte: 1º Prémio EDP e Microfone de Ouro da Rádio Clube de Fafe.

A mostra vai manter-se patente até 21 de Maio, no horário de funcionamento da Biblioteca.

PINTORA FERNANDA AGUIAR EXPÕE NA PÓVOA DE LANHOSO

“Despontar da energia das cores” em exibição na Galeria do Theatro Club

“Despontar da energia das cores” é como se designa a exposição de pintura da autoria de Maria Fernanda Aguiar que a Galeria do Theatro Club recebe entre 16 e 29 de abril.

Maria Fernanda Aguiar nasceu em Fafe, a 8 de agosto de 1935. É professora de ensino básico aposentada. Embora desde a infância manifestasse vocação pictórica, só depois de aposentada, quando as obrigações profissionais e familiares a deixaram livre, é que se pôde dedicar ao que longamente adiara: às artes visuais, em especial, à pintura. Frequentou então oficinas de formação, experimentou, copiou e lançou asas rumo à autorrealização. Faz, em 2016, 20 anos que iniciou esta arte que tanto lhe apraz e fascina.

A artista participou nas mais diversas exposições coletivas, destacando-se a sua participação, desde 1999, na exposição Coletiva no Theatro Club, e nos Prémios Ilustração Bicentenário Andersen e José Augusto Távora, todos na Póvoa de Lanhoso. Em 2009, participou na I Bienal Internacional da Fundação Rotária Portuguesa.

Já expôs em Fafe, Vila do Conde, Póvoa do Varzim e Mondim de Basto. Também realizou exposições individuais em Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Braga, Albufeira, Felgueiras, Lixa, V. N. Famalicão, Matosinhos, Santo Tirso e Celorico de Basto. Está representada em inúmeras coleções privadas e públicas.

Em 2011 recebeu o prémio “Os Mais” do Jornal Povo de Fafe e “José Augusto Távora” na Póvoa de Lanhoso.

O Theatro Club está aberto de terça a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30;  sábados e domingos das 15h00 às 18h00.

PINTOR ARCUENSE MUTES EXPÕE EM LONDRES

A convite da THE BRICK LANE GALLERY situada em 196 Brick Ln, London E1 6SA, Mutes vai estar presente numa exposição colectiva de pintura a decorrer no próximo dia 13 de Abril do corrente ano com obras suas.

Juntamente com Mutes, os artistas Arte by Sih Jemal Gugunava, Laurence Cammas, Marc Némorin, Nevzat Zeylan, Nina Greenwood, Op Freuler, René Moini, Taner Yilmaz, Terry Belinsky, compõem o coletivo da exposição de pintura de nome Portraits (Retratos).

Retratos convida-nos a descobrir a reinterpretação do gênero clássico através das peças notáveis de artistas locais e internacionais. Exploramos a aparência física, individual e personalidade no seu papel na sociedade e até mesmo é a sua conceptualização, encontrando muitos exemplos que imortalizam uma variedade de assuntos em formas fascinantes e complexos. A diversidade da expressão não só é reflectida na abordagem do retrato, mas também é evidente nos meios variados apresentados na exposição, que vão desde desenhos e pinturas a fotografias.

ARCOS DE VALDEVEZ REALIZA EXPOSIÇÃO DE PINTURA

ARCOZ´ARTE (Exposição coletiva de pintura) realiza-se na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, inauguração 16/04/2016 22:00h

Um grupo de amigos que se expõe colectivamente na parede e senta-se á mesa para falar de Arte. Arte sentida, com uma mensagem, onde cada um dos pintores tem a sua forma de expressão artística. Não apenas colocar tinta nas telas, mas sim fazer arte por amor, necessidade, e desejo.

e7169cc4-5b1f-45d8-8eeb-2c227d8ce5c1

De norte a Sul do Pais, 25 pintores a convite de Mutes, expõem no Foyer da Casa das Artes de Arcos de Valdevez a 16 de Abril, até 31 de Maio de 2016. Os 25 nomes que integram esta exposição colectiva de nome ARCOZ ´ARTE, acusam-se através da tela. A necessidade de reproduzirem as suas ideias, mostrando as suas diferentes abordagens, nesta forma de estar na vida de cada indivíduo, é o mote para a criação de um processo construtivo de manifestações de ordem estética.

È feita por Artistas a partir de percepções,  emoções e ideias, com o objectivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, onde cada obra de arte por eles apresentada possui um significado próprio, uma expressão para com o mundo material ou imaterial que os inspira.

Pintores:

Alberto Assumpção
Alexandre Magno
Alua Pólen
Ana Margarida Cordeiro
Ana Teresa
António Aguiar
António Porto
Carlos Saramago
Cristina Troufa
Cristina Vouga
David Bastos
Domingos Silva
Doroteia Pinto
Jorge Marques 
Leonor Trindade Sousa
Liliana Oliveira
Luiz Morgadinho
Marco Santos
Mutes 
Paula Rosa 
Paulo Sanches
Pedro Prata
Ricardo Campus
Sílvia Marieta
Vítor Zapa

PAULO GONÇALVES EXPÕE PINTURA EM VIZELA

Exposição de Paulo Gonçalves na Loja Interativa de Turismo de 4 a 30 de abril 2016

A Pintura de Paulo Gonçalves é feita de inquietações, de emoções ao rubro e da impotência em inverter os caminhos do tempo. A sua Pintura nasce da necessidade de criar, de expor emoções e finalmente da busca da sua paz interior.

Pinta profusamente na ânsia de voos ousados ao inconsciente onde enxuga linhas de fuga de desassossegos e de incongruências.

Os pigmentos que mistura em linhas, luz e sombras fazem da tela um poema que sabe de cor, onde esconde o grito dos dias em que se reinventa.

Nasceu em Beja a 15 de agosto de 1977. A sua paixão pelo Desenho desde a infância, fez despertar, uma outra grande paixão: a Pintura, na qual se iniciou como autodidata. Frequentou aulas de Pintura prática na Fundação Jorge Antunes, tornando-se assim um dos elementos do grupo “Pintores da Cave”.

Assina as suas obras como “Fonseca”, em homenagem à mãe.

PONTE DE LIMA EXPÕE PINTURA DE GILLES BERGOIN

4745 jours aprés | Exposição de Pintura de Gilles Bergoin. Torre da Cadeia Velha – Ponte de Lima – 5 a 30 de Abril de 2016

Na próxima terça-feira, 5 de Abril, às 18h30, na Torre da Cadeia Velha em Ponte de Lima, terá lugar a inauguração da Exposição “4745 jours aprés” | Pintura de Gilles Bergoin, a qual ficará patente até ao dia 30 de Abril, com entradas gratuitas, no horário de segunda-feira a sábado das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

Gilles Bergoin, nascido em Paris em 1947, evoluiu desde pequeno no meio da pintura dado que o seu pai era pintor (impressionista). Fez estudos de encadernador de arte na escola “Estienne”, onde se formou em desenho a cores. Começou a pintar a óleo muito jovem, tendo feito várias exposições, concretamente no sul de França e na região de Paris.

A residir há dez anos em Portugal (Cumeira de Cima, freguesia de Juncal, Concelho de Porto de Mós), o seu olhar foi atraído pela beleza de locais e espaços do ensolarado Portugal, situados em especial nos concelhos de Alcobaça, Porto de Mós, Nazaré e Óbidos, levando o artista a iniciar um novo ciclo na sua atividade enquanto pintor.

Autodidata, Gilles Bergoin caracteriza-se pela precisão técnica na utilização da espátula, a atenção a cada pormenor e o realismo do gesto. O artista, assumidamente realista, desafia o olhar de quem observa as suas telas e questiona: pintura ou fotografia?

Exposições em Portugal de Gilles Bergoin (2015-2016):

5 a 30 de Abril de 2016 – “4.745 jours après”, Torre da Cadeia Velha, Ponte de Lima

15 Fevereiro a 24 de Março de 2016 – Galeria Municipal de Montemor-o-Velho

4 de Dezembro 2015 a 4 de Janeiro de 2016 – “Reflexos”, Biblioteca Municipal de Oliveira do Bairro

6 a 30 de Novembro de 2015 – “4.745 jours après”, Edifício Monsenhor Nunes Pereira, Pampilhosa da Serra

28 de Agosto a 28 de Setembro de 2015 – “Miroir: vrai au faux?”, Museu da Água de Coimbra

20 de Junho a 20 de Julho de 2015 – “Reflexos”, Arquivo Distrital de Aveiro

Até ao final do ano, na Torre da Cadeia Velha, em Ponte de Lima, estão agendadas as seguintes exposições:

Visite Ponte de Lima | Município de Ponte de Lima | Maio de 2016

Carmen Touza | Exposição de Pintura | Junho de 2016

Conceição Trigo | Vivências Artísticas by Conceição Trigo – Pintura/Escultura | Julho de 2016

Mariana Castro | Exposição de Desenho e Pintura | Agosto de 2016

Nela Muller | Exposição de Desenho e Pintura | Setembro de 2016

Abel Barandela | Exposição de Pintura | Outubro de 2016

Xabier de Sousa Alonso | Colagens e gofrados realizados com papel gravado | Novembro de 2016

Mourasencantadas | Sofia Pinto Correia | Exposição de Bonecas de Pano | Dezembro de 2016

JOANA DEGUES INAUGURA EXPOSIÇÃO DE PINTURA EM MONÇÃO

Jovem monçanense estreia-se com apresentação de um conjunto de vinte pinturas inspiradas na mais bela tela natural: a vida. Patente no Museu do Alvarinho, entre os dias 12 e 31 de março. Inauguração no sábado, pelas 17h30.

Entre os dias 12 e 31 de março, Joana Degues expõe um conjunto de vinte pinturas na sala do território, no Museu do Alvarinho. Trata-se da primeira exposição desta jovem monçanense com inauguração marcada para este sábado, pelas 17h30. Pode ser visitada de terça a domingo, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Nesta exposição, Joana Degues apresenta-se ao público com trabalhos artísticos salpicados de emoções fortes e pinceladas de arte cheias de cor e irreverência criativa. A inspiração, nas suas palavras, vai buscá-la à mais bela tela natural: a vida.

ARTISTA ARCUENSE EXPÕE EM BRAGA E ITÁLIA

Mutes expõe no GNRation Cubismos, de um pincel para com a tela

Vai estar patente ao público no edifício do GNRation, na Galeria da Camara Municipal de Braga, uma exposição de pintura de Mutes. Nesta exposição de pintura, a realizar-se no dia 25 Fevereiro pelas 16:30 patente até dia 10 de Março, Mutes transporta-nos para um mundo de histórias contadas através da tela.

image001

São danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o cubismo como forma de se afirmar, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política em alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário.

O GNRation fica situado na Praça Conde de Agrolongo 123, 4700-312 em Braga.

… e em Milão, Itália, no Consulado do Equador, de 13 a 28 de fevereiro

Encontra-se patente ao público na cidade de Milão, na Galeria do Consulado Geral do Equador uma exposição coletiva de pintura de vários Artistas Portugueses.

image002

A Atlas Violeta Associação Cultural em parceria com a Associação Cultural de Arte Eclética de Itália, tornaram possível esta exposição, com inauguração decorrida a 13 de Fevereiro e patente ao público até dia 28 do mesmo mês.

Os artistas plásticos selecionados para expor suas obras no Consulado do Equador em Milão foram: Anna Rocheta, Carlos Antunes, Dila Moniz, Jorge Braga, Leonor Sousa, Liliana Oliveira, Mutes, Nuno Prego, Patrícia Ferreira e Rui Melo.

O Arcoense Mutes expõe o seu trabalho de (DES) Cubismo Contornismo, classificado pelas suas inúmeras figuras mutantes e imaginárias numa explosão de cores e danças de estranhos movimentos que nos transportam para um mundo surreal.

ARTISTA FAFENSE CLOÉ INAUGURA EXPOSIÇÃO EM GUIMARÃES

A artista plástica Cloé, nome artístico de Conceição Antunes inaugurou no passado sábado (13 de fevereiro), no Circulo de Arte e Recreio em Guimarães. a exposição de pinturas “Momentos” e reapresentou o livro "A que cheiram as Giestas".

Exposição Cloé

A abertura da exposição, patente ao público até dia 28 de fevereiro, na Galeria da CAR, uma associação de âmbito sociocultural de referência na sociedade vimaranense, contou com a presença de vários amigos e admiradores da pintora natural do concelho de Fafe, que aproveitou a oportunidade para deslindar a sua faceta de escritora, através da reapresentação do seu primeiro romance, editado em 2011, com o título A que cheiram as giestas!

PINTOR DOMINGOS SILVA EXPÕE EM PÓVOA DE LANHOSO

Theatro Club apresenta “Pontos de Vista” de Domingos Silva

“Pontos de Vista” é como se designa a exposição de pintura do artista Povoense, Domingos Silva, que abre ao público no próximo dia 6 de fevereiro, sábado, no Theatro Club da Póvoa de Lanhoso.

“É sempre gratificante acolher na Galeria do Theatro Club uma exposição de um artista da craveira do Domingos Silva, que tem as suas obras espalhadas pelos quatro cantos do mundo. Trata-se, sem dúvida alguma, de uma das principais referências concelhias em termos culturais, o que muito nos honra”, refere o Vereador para a Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Armando Fernandes, para quem “o Domingos Silva tem uma forma especial de ver as coisas e transportá-las para a tela. As suas obras falam por si, sem necessidade de grandes explicações por parte do autor. E dois dos bons exemplos disso mesmo são as telas que o Domingos concebeu para o hall de entrada do Centro Interpretativo Maria da Fonte e do renovado Hospital António Lopes”.

Esta mostra complementa, de certa forma, a realização do Concurso Nacional de Teatro da Póvoa de Lanhoso, que decorre no Theatro Club entre os dias 5 de fevereiro e 12 de março, tratando-se de uma forma de receber com outra forma de arte, que não o teatro, quem visita aquele espaço.

Domingos Silva é um dos mais reconhecidos artistas da Póvoa de Lanhoso. No ano 2000, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso prestou-lhe homenagem, através da colocação de uma placa autógrafa no “Memorial Às Gentes das Artes e da Cultura das Terras de Lanhoso”. Em 1999, concebeu o projeto para o Monumento ao 25 de Abril erigido na Póvoa de Lanhoso. Tem sido o autor da imagem de cartaz de diversas edições das Festas Concelhias em honra de São José.

Domingos Mendes da Silva nasceu na freguesia de Travassos, do concelho da Póvoa de Lanhoso, no dia 14 de dezembro de 1955, no seio de uma família de ourives. Concluiu a escola primária em Travassos e prosseguiu a sua instrução no Liceu Sá de Miranda e no Conservatório Calouste Gulbenkian, em Braga.

Foi no Conservatório que se iniciou no mundo das artes, sob orientação do professor Nuno Barreto.

Em 1975, frequentou o curso de Artes do Fogo na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, no Porto, findo o qual viajou para França e Suíça.

Em 1979, regressa a Portugal e inicia a sua carreira no ensino (Cerâmica) exatamente na Escola Soares dos Reis, onde estudara poucos anos antes.

E, apesar de prosseguir, em diferentes escolas, a sua carreira docente, sempre procurou oportunidades para, ele mesmo, acrescentar à sua formação novos cursos na área da Pintura, tendo frequentado este curso na Cooperativa de Ensino Artístico Árvore, no Porto, em 1985.

Contributos para a sua formação artística serão também de considerar as viagens que fez ao museu do Cairo, no Egipto, e ao Oriente – Macau, Hong-Kong e sul da China, onde se encontra de novo com o seu antigo professor e orientador, Nuno Barreto.

Trabalhos de sua autoria integram diversas coleções particulares ou foram adquiridas por instituições públicas.

“Pontos de Vista” é uma exposição que fica patente até ao dia 6 de março, na Galeria de Exposições do Theatro Club, podendo ser apreciada de terça a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados e domingos das 15h00 às 18h00. Pode ainda ser vista todas as sextas e sábados até dia 12 de março das 21h00 às 23h00.

PINTORA PAULA PICUETA EXPÕE EM VIZELA

1 a 29 de fevereiro 2016

Exposição de ‘Paula Picueta’ na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição ‘Paula Picueta’, de 1 a 29 de fevereiro.

11703099_871159422920627_6120557733984554818_n

Paula Picueta, nasceu no Porto, em 1968.

“Eu, os meus 10 anos de idade e uma caixa de óleos.

Estávamos no ano de 1978 e com o meu estojo de pintora e uma tábua tirada das sobras do meu vizinho carpinteiro, pintei uma matrioska, que ainda hoje habita na casa da minha mãe, dando assim início a um percurso de experiências que continuam a persistir até aos dias de hoje.

Não finalizei os estudos, mas tive o privilégio de me cruzar com pessoas fantásticas que me foram ajudando e ensinando, não somente as técnicas que me faziam falta, mas também, cada um à sua maneira me foram dando lições que ainda hoje transporto em cada tela em cada gesto e na ”maleta do bom senso e humildade” que tiveram a gentileza de me oferecer. É este o legado que transporto e partilho.

É isto que eu sou, é isto que eu pinto”.

CAMINHA INAUGURA EXPOSIÇÃO RETROSPETIVA 2015 NO DIA 23 DE JANEIRO

Mostra reúne obras de todos os artistas que expuseram na Galeria de Arte Caminhense em 2015

Inaugura dia 23, no Museu Municipal de Caminha a exposição Retrospetiva 2015. Esta mostra de pintura reúne obras dos artistas que expuseram o ano passado na Galeria de Arte Caminhense. A exposição poderá ser visitada até ao dia 28 de fevereiro.

Para o Município a exposição Retrospetiva é uma forma de divulgar o espólio artístico que vai arrecadando ano após ano, bem como de promover e reconhecer o trabalho dos artistas que escolheram a Galeria de Arte Caminhense para exporem os seus trabalhos, contribuindo assim para o desenvolvimento cultural e artístico do Município.

Esta exposição procura também sensibilizar os vários públicos para a arte e para a cultura, nomeadamente desenvolver o sentido artístico junto dos públicos mais novos e dos mais idosos através dos serviços educativos. Esta exposição vai ser complementada com ateliers de pintura cujos públicos-alvo são a comunidade escolar e os utentes dos Centros de Dia/Convívio e Lares do Concelho de Caminha.

Na sala de exposições temporárias do Museu Municipal de Caminha estarão expostos trabalhos de Lúcio Danin, Américo Carneiro, Maria das Dores Gomes, José Luís Pais, Luis Campos Ferreira, Maria Manuela Morais Martins, Valentim Rodriguez, Charo Trigo, Puskas, João Marrocos, Vitor Carneiro, Álvaro Torres, Isabel Ferreira, Lucie Esteve, Dacha, Maria Cândida Enes, Mário Rebelo de Sousa, Madalena Macedo e Lurdes Rodrigues, Alfonso Vicente Rey, Santareli, Joel Correia, João Miguel Monteiro Barros e Grupo de Artesãos de Caminha – Artesanato na Vila.

A exposição Retrospetiva 2015 estará patente no Museu até ao dia 28 de fevereiro, podendo ser visitada de terça a sexta-feira das 9h30 às 18h00, ao sábado das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00 e ao domingo das 10h00 às 12h30 e das 15h00 às 17h30.

VIZELA APRESENTA "PINTORES DA CAVE

1 a 31 de janeiro 2016

‘Pintores da Cave’ na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição ‘Pintores da Cave’, de 1 a 31 de janeiro.

Os Pintores da Cave surgiram em 1998, na Fundação Jorge Antunes, com a oficina de pintura criativa com orientação do mestre Alúa Pólen e mantêm-se até aos dias de hoje, sob o olhar atento de Martinho Lima.

São um grupo de alunos que se juntam para pintar, conversar e ouvir boa música. A cave da Fundação serve de palco para a criatividade e pauta o ritmo das pinceladas.

Aqui nascem obras criadas com todo o sentimento.

Participaram já em dezenas de exposições coletivas em Vizela e na região norte.

http://artealacartevizela.webnode.pt/pintores/pintores-da-cave/

FERNANDO HILÁRIO EXPÕE PINTURA E ESCULTURA EM PONTE DE LIMA

Exposição de Pintura e Escultura da autoria de Fernando Hilário na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

O Município de Ponte de Lima apresenta na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima uma exposição de pintura e escultura, da autoria de Fernando Hilário.

A mostra vai estar patente na varanda interior da Biblioteca Municipal de 04 a 23 de janeiro de 2016.

A não perder, visite a exposição: 2.ª feira das 14h00 às 18h00 | 3.ª feira a 6.ª feira das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00 | Sábados das 9h30 às 12h30.

Sobre o autor:

Fernando Hilário Mendes Ferreira é um pintor contemporâneo, natural do Porto, onde nasceu em 1953, residente há vários anos em Vilar do Monte, Ponte de Lima. 

É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante Estudos Portugueses e Franceses (1980), pela Universidade do Porto, e é doutorado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada (2000), pela Universidade de Santiago de Compostela, grau reconhecido pela Universidade do Porto.

É membro Academia de Pintura da Cidade de Roma e da Associação de Escritores de Gaia.

Tem desenvolvido estudos nas áreas do Modernismo, da Literatura Africana de Expressão Portuguesa e da Poesia Concreta e tem participado com comunicações em diversos encontros científicos.

É autor de uma vasta bibliografia, da qual destacamos as seguintes obras:

  1. Orpheu - Percursos e Ecos de um Escândalo, Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa.
  2. A Aldeia de Vilar do Monte, bela no alto da serra, Aveiro: Adverte - Agência de Publicidade.
  3. Uma leitura de Quem me dera ser onda, de Manuel Rui, Porto: Edições Fernando Pessoa.

Autor de uma imensa produção artística, expõe pintura desde 1980.

PONTE DE LIMA APRESENTA EXPOSIÇÃO COLETIVA DE PINTURA, DESENHO E ESCULTURA

Torre da Cadeia Velha em Ponte de Lima apresenta Exposição 6M – Coletiva de Pintura, Desenho e Escultura com inauguração a 17 de dezembro – 18h30

A Torre da Cadeia Velha, em Ponte de Lima, inaugura amanhã, 17 de dezembro, a exposição 6M. Trata-se de uma mostra de pintura coletiva de pintura, desenho e escultura.

A exposição é composta por seis formas de olhar o mundo através da arte de Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa.

De estreitos caminhos campestres a velhas ruelas citadinas, entre minas floridas e histórias que sempre encantam, perfumes de poesia, gritos de liberdade em uníssono, num momento em que a alma se põe a nu nas obras de seis sonhadores. Vidas e histórias que se cruzam num espaço onde impera o mágico e o desejo de dar voz ao não dito. 6M reúne estilos diferentes, do surrealismo ao abstrato num abraço amigo que exalta o que de mais belo se desenha no interior de cada um, libertando dores, angústias ou simplesmente gritos de amor. Orgasmos de sonhos em luz e cor lançados a nu na brancura da tela ou moldados na matéria.

A exposição vai estar patente até 27 de janeiro, de segunda a sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

PINTOR EDUARDO VILAÇA EXPÕE EM BARCELOS

Sábado, dia 5 de dezembro, às 16h00, na Biblioteca Municipal

Abre no próximo sábado, dia 5 de dezembro, às 16h00, na Biblioteca Municipal de Barcelos, a exposição de pintura de Eduardo Vilaça.

zzz

A exposição estará patente ao público até 30 de dezembro, podendo ser visitada, de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h00 e, aos sábados, das 9h30 às 12h30.

Pintor autodidata, Eduardo Vilaça nasceu na freguesia de Priscos do concelho de Braga, no dia 20 de setembro de 1949.

Desde muito cedo se deixa fascinar pelo mundo das artes, mais concretamente pela pintura. Começa então, enquanto estudante, por se documentar e instruir nas visitas frequentes à Biblioteca Municipal de Braga. É também neste período, que realiza os primeiros estudos de desenho e pintura.

Em 1969, conhece o pintor Jerónimo, facto que viria a marcar definitivamente a sua trajetória enquanto artista plástico. Em 1971, parte para a Guiné a fim de cumprir o serviço militar e lá permanece até 1973.

Segundo Francisco Vasconcelos, Eduardo Vilaça:

“Pinta a Vegetação, a trama exata da infância.

É alguém que lhe custa despedir-se das águas e dos melhores afluentes.

Vive o sonho poético de furtar, na pintura, as melhores árvores e os melhores frutos, à natureza.

São, por vezes, geometrizações angelicais, que traçam no número a vocação, a sabedoria dos afetos.

Balanceia entre um feroz expressionismo, um orfismo mediático e um abstracionismo singular de raízes telúricas.

Ama o ver e sinaliza-o como um projeto que o sentimento retém e muito naturalmente expande.

Está perto do mar e tudo que lhe diz, é o rio de Barcelos que o entontece e circula na água como uma declaração de amor.

Afoita ao dizer que o atormenta, sem dar-se por baixo das saias que ofuscam um coração tão belo e único no seu alcance.”

PINTOR ROGER GREEN EXPÕE EM PONTE DE LIMA

Ponte de Lima - Torre da Cadeia Velha. Exposição de Pintura de Roger Green patente ao público até 26 de novembro

Está patente ao público na Torre da Cadeia Velha, em Ponte de Lima uma exposição de pintura da autoria de Roger Green. De nacionalidade inglesa, o artista e jornalista vive e trabalha em Portugal desde 1982.

IMG_6378 (Small)

A sua pintura abstracta não procura imitar mas sim expressar sensações vividas através da cor, luz, cultura, história e paisagem de Portugal.

Durante este período da sua vida realizou várias Exposições na Europa, incluindo na Embaixada Britânica em Lisboa, em 1997 e na Galeria Am Stubentor, em Viena – Áustria, em 2005. Também representou o Reino Unido na Exposição colectiva “Europa 24” promovida pelo Consulado Europeu, no Nordico Stadtmuseum, em Linz – Áustria, em 1998.

Nascido em 1939, estudou Belas Artes e História da Arte na Universidade de Reading – Inglaterra, de 1968 a 1973, onde foi influenciado pelo seu tutor, Terry Frost. A partir daí combinou as suas atividades artísticas com o jornalismo.

Como jornalista freelancer em Portugal, de 1982 a 2011, escreveu sobre arte, arquitectura, turismo, estilos de vida, incluindo entrevistas a personalidades no Triângulo Dourado do Algarve, como Claudia Schiffer, John McEnroe, Colin Montgomerie, Ayrton Senna e John Aldridge.

Entrevistas a artistas portugueses de renome como João Cutileiro e Paula Rego foram publicadas em revistas de Portugal.

Foi vencedor de um prémio nacional atribuído pelo Turismo de Portugal, na área da conservação da vida selvagem, com o artigo “Where Eagles Dare”, publicado na Unique Magazine. Atualmente vive e trabalha em Ponte de Lima.

A não perder visite a exposição na Torre da Cadeia até 26 de novembro, de segunda a sábado das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

IMG_6359 (Small)

IMG_6370 (Small)

IMG_6368 (Small)

14 (Small)

ALUNOS DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CERVEIRA EXPÕEM PINTURA NA LOJA INTERATIVA DE TURISMO

LIT acolhe a arte da “Terra da Cor”

A arte pictórica e a sua destreza para evocar emoções vai estar presente na Galeria da Loja Interativa de Turismo de Vila Nova de Cerveira através de uma exposição de pintura de ‘alunos’ da Unisénior, com orientação do artista Henrique do Vale. “Terra da Cor” apresenta-se entre 17 de outubro e 28 de novembro, com 30 obras.

Cerveira, ‘Vila das Artes’, é terra de bienais e de artistas. Em vários espaços, fechados ou ao ar livre, são várias as obras que se encontram com as pessoas sugerindo uma interação sensorial. A pintura é uma das manifestações expressivas presentes e cuja formação artística tem sido relevada a vários níveis

Integrada no Plano de Atividades da Unisénior – Universidade Sénior de Vila Nova de Cerveira, a disciplina de Pintura tem procurado estimular o espírito artístico dos seus alunos, sob orientação do reconhecido artista Henrique do Vale. O resultado é uma exposição dos trabalhos desenvolvidos ao longo do ano letivo que sai da sala de aula para, mais do que se dar a conhecer, procurar interagir com a comunidade.

“Terra da Cor” apresenta cerca de 30 obras da autoria de sete alunos da Unisénior que, através de uma palete de cores quentes, transmitem emoções e provocam estados de alma, com o cunho do seu mentor muito presente: obras intensas e ricas que assumem uma mensagem fascinante e provocadora.

A inauguração desta exposição de pintura acontece este sábado, pelas 17h00, na LIT. Até 28 de novembro, os trabalhos estarão disponíveis para visita e interação no horário de funcionamento daquele espaço turístico.

PONTE DE LIMA EXPÕE PINTURA NA TORRE DA CADEIA VELHA

Exposição de Pintura na Torre da Cadeia Velha em Ponte de Lima, de 7 de outubro – 18h30

O Município de Ponte de Lima apresenta na Torre da Cadeia Velha mais uma exposição de pintura, a inaugurar a 7 de outubro, às 18h30.

Da autoria de Fernando Magalhães, a mostra vai estar patente até 28 de outubro.

Sobre a mostra, diz o autor “ a pintura é, para mim, uma das raras portas de saída do impasse tecno-filosófico do homem moderno. Contra as divisões arbitrárias, contra os cânones técnicos e estéticos herdados do passado. O homem deve sensibilizar-se a outras formas, mais autodidatas, mais puras, sem etiquetas.

A pintura deve constantemente renovar-se, hoje como antes, para que ela não falhe à sua missão de fonte de maravilhar, de vetor de progresso, de conhecimento e entendimento entre os homens.

Construo uma pintura aplicando manchas de cores sobre uma tela, sem nunca tentar dar-lhe um sentido. A força de agregar cores, formas espontâneas terminam por aparecer. E lá, o trabalho começa. Entro num diálogo subjetivo com a tela.

Assim, nestas formas espontâneas, procuro dar um sentido `a obra, ou simplesmente ativar os sentidos, inconscientemente reencontrados: iluminando, escurecendo, escondendo, calmando, ativando, afastando, acariciando, amando... Atravessando assim a porta de um mundo, novos mundos se abrem a mim. Entro num universo onírico, onde o passado se mistura ao presente, o verdadeiro ao falso, o consciente ao inconsciente, o amor à morte. O resultado obtido é o mapa geográfico do mais profundo do meu inconsciente: um palimpsesto colorido. Acariciando assim as cores, espero fazê-las falar e, por elas, exprimir de mim uma obra cheia de beleza.”

A não perder, visite a exposição de pintura de Fernando Magalhães, de segunda a sábado das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

MONÇÃO EXPÕE PINTURA E ESCULTURA

Realiza-se no próximo dia 5 de setembro, sábado, pelas 15h00, nas instalações da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, em Monção, o Colóquio intitulado "Expressões de cidadania no feminino".

Neste colóquio, serão abordadas várias dimensões de cidadania no feminino, com a apresentação de várias comunicações.

No mesmo dia, pelas 17h00, decorrerá a inauguração da exposição coletiva de pintura e escultura com obras das artistas (Luísa Prior, Filomena Fonseca, Maria André, Teresa Heitor, Lena Álvares, Filomena Bilber e Ricardo de Campos - artista monçanense convidado). No final será servido um Alvarinho de Honra (Quinta de Santiago), nos Jardins da Casa Museu de Monção.

MÁRIO MADEIRA EXPÕE PINTURA EM VIANA DO CASTELO

 

Mário Madeira Nasceu em Viana do Castelo, em 1963 Actualmente vive em Caminha. Autodidacta

 

Exposições:

1990 – Caffé Notte, Florença, Itália

1994 – Galeria D.E.A., Florença, Itália

1996 – Biblioteca Comunale di Sorano, Grosseto, Itália

1998 – Ex-Sinagoga di Sorano, Grosseto, Itália

1999 – Fortezza di Grosseto, Grosseto, Itália

2000 – “Senza Luce Senza Ombre” – Fortezza Orsini, Itália

2001 – “Sem Luz Sem Sombra”, Galeria Barca d’Artes, Viana do Castelo

2003 – Galeria Municipal de Caminha

2004 – Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira

2004 – Galeria Etnia, Caminha

2005 – Casa das Artes, Arcos de Valdevez

2005 – Auditório de Santa Marta de Penaguião

2005 – Galeria Etnia, Caminha 2006 – Galeria Municipal de Caminha

2009 – Galeria ISPA, Lisboa

2009 – Casa-Museu de Monção

2011 – Galeria Municipal de Caminha

2011 – Galeria Quadras Soltas, Porto

2011 – Galeria ISPA, Lisboa

2011 - Fundaçâo Lapa do Lobo, Nelas

2012 - Associação Caminharte, Caminha

2013 - Fundaçâo Lapa do Lobo, Nelas

2015 - Casa Manuel Espregueira, Viana do Castelo

Liberdade e Inquietação

Liberdade e Inquietação são as primeiras palavras que me ocorrem a propósito de Mário Madeira. Os seus trabalhos possuem uma atmosfera visual própria. As cores, a abordagem dos elementos figurativos com simplicidade abstracta e a liberdade temática, reflectem uma atitude artística imune ao, tão habitual nos tempos que correm, “marketing artístico”, com as suas imposições de falsa coerência estilística para responder a mercados de consumo de arte. Na pintura do Mário, pressente-se um momento vivencial em cada tela. Adivinha-se uma inquietação permanente no processo criativo. O resultado respira liberdade e cheira à primazia do prazer de criar sobre todas as outras considerações artísticas. A cumplicidade é a melhor forma de olhar esta pintura.

(texto de apresentação de Carlos da Torre no catálogo da exposição)

PONTE DE LIMA MOSTRA "ARTE E PAIXÃO" EM EXPOSIÇÃO DE PINTURA DE CARMEN TOUZA

Arte e Paixão - Exposição de Pintura – Torre da Cadeia Velha. 21 a 31 de agosto

“Arte e Paixão” é o tema da próxima exposição de pintura que a Torre da Cadeia Velha apresenta de 21 a 31 de agosto.

carmen_touza_banner

A mostra, da autoria de Carmen Touza, integra um conjunto de exposições que a Torre da Cadeia Velha tem calendarizadas até ao próximo mês de dezembro.

Premiada várias vezes, recebeu a Medalha de Ouro, em 2012, no Salão Internacional de São Paulo e em 2014 no XXXVII – Edizione Medusa Aurea, em Roma – Itália. Em 2013 foi-lhe atribuída uma menção Honrosa na Mostra Internacional de Arte Contemporânea Luso-Galiziana, em Torino – Itália.

A par de quadros cheios de cor, aguerridos e muito expressivos, a autora apresenta assim o seu trabalho: É verão, cheira a flores do campo, a relva cortada, fruta madura, a vinho verde, a cores infinitas, a comida acabada de preparar, cheira a amor... a espera...

Escutam-se músicas como lamentos... Se eu soubesse que morrendo, tu me havias de chorar, por uma lágrima tua… me deixaria matar… Deus! Que maneira de dizer! Amália para sempre... trágico sim! Mas sublime...

O céu está cheio de cores na noite de verão, os pais com os seus filhos pela mão partilham as suas tradições e procuram um lugar confortável para os mais velhos... de repente, escutam-se cânticos com vozes, que gritam além do possível, como se quisessem ser ouvidas pelos seus antepassados!!! Ao som destes cânticos, as mulheres vestidas com saias, corpetes, lenços, rendas e panos de vermelho carmim, movem seus infinitos trajes, enquanto os homens as seguem... batendo no chão com força viril.

Os seus pequenos socos são de uma beleza incrível, estão como que colados aos seus pés e parece que a qualquer momento saem voando.

Algumas destas mulheres vestem-se de escuro para casar e penduram ao pescoço as joias que a família foi acumulando, corações, medalhões, Virgens e santos de todos os tamanhos. Quantos tesouros acumulados por gerações... Um peso no peito tão grande! Como o amor pelos seus...

Se algum dia, quando estiveres numa festa deste divino país, vires cair um soco do céu, é porque as minhotas estão a dançar nas nuvens... e alguma o deixou cair, para que possas orar para ela, numa das suas igrejas maravilhosas.

Carmen Touza

A inauguração desta exposição de pintura está marcada para o dia 21 de agosto, às 18h30.

Confira o calendário das próximas exposições a realizar na Torre da Cadeia Velha:

Zé Micamé | Exposição sobre a obra do artista Limiano | 4 de setembro a 2 de outubro

Fernando Magalhães | Exposição de Pintura | 7 a 28 de outubro

Roger Green | Exposição de Pintura | 3 a 26 de novembro

José Carlos Costa | Exposição de Fotografia | 1 a 12 de dezembro

GONÇALO COUTO EXPÕE PINTURA EM PONTE DE LIMA

Exposições na Torre da Cadeia Velha até dezembro

A Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou a calendarização das exposições a realizar na Torre da Cadeia Velha até ao final do corrente ano.

No total, são sete exposições que irão estar patentes ao público, entre amostras de fotografia, pintura e uma exposição sobre a Vida e Obra do Artista Limiano – Zé Micamé, numa organização da CAL – Comunidade Artística Limiana, patente entre 3 de setembro e 3 de outubro.

Na 1ª quinzena de agosto, com inauguração agendada para as 18h30, do próximo dia 4, estará exposta uma mostra de pintura, da autoria de Gonçalo Couto.

“O autor, revelou desde muito cedo dotes para o desenho, mas o gosto pela pintura levou-o a dedicar-se mais a esta arte e tornou-se um pintor autodidacta muito jovem. Gonçalo Couto tem esse dom e dedica-se de uma forma bem vincada aos trabalhos que executa. A sua simplicidade, a sua timidez e os seus traços fisionómicos “escondem” uma larga faixa do seu talento.

Em cada quadro há uma expressão tão natural e uma sensibilidade tão nítida. A sua perfeição conduz-nos a observar os seus trabalhos de uma forma tão pegada, que parecem ficar encaixilhados na nossa memória.

Gonçalo Couto é uma referência colorida da pintura artística do Alto Minho.”

A não perder na Torre da Cadeia Velha, de 4 a 17 de agosto.

O calendário das exposições na Torre da Cadeia Velha apresenta as seguintes amostras:

Carmen Touza | Exposição de Pintura| 21 a 31 de agosto

Fernando Magalhães | Exposição de Pintura| 7 a 28 de outubro

Roger Green | Exposição de Pintura| 3 a 26 de novembro

José Carlos Costa | Exposição de Fotografia| 1 a 12 de dezembro

ARTISTAS VIANENSES EXPÕEM PINTURA E ESCULTURA NA MISERICÓRDIA DE VIANA DO CASTELO

Inaugura hoje, quarta-feira 29 de Julho, pelas 18h, com um momento de música ao vivo de Gustavo Lima (peças de reportório clássico para guitarra) a exposição “ETC.” de Irene Costa, Victor Silva Barros e Arnaldo (escultura, desenho, pintura e objectos). Esta mostra tem a particularidade de se desenvolver em três tempos diferentes: no primeiro período serão presentes obras dos dois primeiros autores, no segundo estarão trabalhos dos três, e finalmente fechará com trabalhos do Arnaldo.

Poderá ser visitada diariamente entre as 10h e as 12h, as 14h30e as 19h30, e à noite entre as 21h30 e as 23h, exceptuando domingos em que estará encerrada durante a manhã.

Irene Costa

Expôs pela primeira vez em 1981 em Caminha nas instalações do então futuro Museu Municipal - antiga cadeia - esculturas em madeira.
Desde aí experimentou variadas técnicas de expressão, da cerâmica à tapeçaria, passando tanto pelo artesanato urbano contemporâneo como pela instalação e a criação de objectos.

Nos trabalhos muitos dos trabalhos mais recentes utilizou materiais reciclados incluindo ou não tanto objectos encontrados casualmente como peças originais integradas, elaboradas numa muita ampla gama matérica e formas de execução.

Integrou o colectivo « Projecto 1990 d.c. , que, composto por autores franceses, portugueses e galegos, desenvolveu uma interessante actividade, nomeadamente de divulgação internacional e na complementação de artistas dos três países.

Expôs em Portugal, Espanha e França, países que contam com trabalhos seus em diversas colecções particulares.

Victor Silva Barros

Expõe regularmente desde l968, em Portugal e no estrangeiro, estando representado em colecções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Holanda,
Suíça, Guiné, Alemanha, Bélgica, Estados Unidos eRússia.

Em 1991, o Museu dos Biscaínhos de Braga dedicou-lhe uma mostra retrospectiva.

Sobre a sua obra escreveram João Duarte, Padre Mário de Oliveira, Sérgio Mourão, Carmen Osório, Manuel Álvrez Prieto, Teresa Almeida d`Eça, Mário Emílio, José Rosa de
Araújo e Manuel Bontempo.

Entre 1968 e 1977 colaborou em vários jornais nacionais com contos, poesia, textos teóricos
e de crítica de arte: ”República“, “Página Um”, ”Diário de Coimbra”. Integrou os Colectivos “Androx” (autores galegos) e “ 1990 d.c (artistas franco/galaico/portugueses), tendo sido igualmente co-fundador e director técnico das Galerias “Picasso” e “1990 d.c. “, Viana do Castelo e integrado o júri internacional da “Trienal Latina “ (Viana do Castelo 1992 e Puy- -en-Velay 1993) .

Em 1988 publicou “On Road”, colecção de textos de sua autoria inseridos em catálogos entre 1969 e 1988.

Arnaldo

Curso Superior de Desenho - Escola Superior Artística do Porto; licenciado em Design Industrial - Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos;  Suficiência Investigadora em Desenho (estudos de doutoramento), Faculdade de Pontevedra, Universidade de Vigo.

Aluno de Sá Nogueira, Calvet de Magalhães, Manuel Rocha, Salvador Vieira, Helena CabralMendanha…

Exposições individuais em Viana do Castelo, Caminha  e Guimarães. Participou na Trienal Latina 92 e 93 em Viana do Castelo (Portugal) e Puy en Velay (França), respectivamente, participa na exposição inaugural do Centro Cultural Frei Agostinho da Cruz  e Diogo Bernardes, Ponte da Barca , na "Inter-Artes 94", Vila Nova de Famalicão e na Exposição Colectiva dos Sócios da Árvore 1995 e 1996, Porto, em 1996 participa na “III Xuntanza Obradoiro das Artes Visuais” Piloño Galiza, a convite de Paco Lareo . Participação na d’art-VEZ 2005 , 2007 e 2009 (neste ano, com Iolanda Parente, António Peres, Linda Rodrigues, Carlos Filipe Ribeiro e Gustavo Reis, executou na rua, dois fornos de papel  para cozedura cerâmica. Em 2009 criou o troféu em bronze, para ser entregue aos homenageados no âmbito do 30º Aniversário do Centro Cultural do Alto Minho.

Expôs com Victor Silva Barros e Armindo Salgueiro em Aveiro na Galeria Municipal. Colaborou com o Grupo de Teatro Amador de Viana do Castelo "GRUTA", fazendo a cenografia e o cartaz para a peça " As Criadas "  de Jean Genet. Ilustrou os livros "Menino Nome André " de Luisa Quintela - edição Etnia, e as capas de : “O Alto Minho na Obra Etnográfica de Abel Viana” de Abel Viana – edição de João Soeiro de Carvalho e Academia de Música de Viana do Castelo; “Governância Municipal - cidadania e governação nas câmaras municipais portuguesas” de Arnaldo Ribeiro - edição do Centro de Estudos Regionais; “Campoamor- uma história de encornados, encornadores e pássaros avisadores” de Hugo Santos – edição Campo das Letras. Com Fernando Canedo coordenou o livro “Viana a Várias Vozes”- autores não vianenses escrevem sobre o município – edição da Câmara Municipal de Viana do Castelo (comemoração dos 750 anos da outorga do Foral Afonsino), livro onde também ilustrou textos de vários autores (o JL - Jornal de Letras Artes e Ideias nº 1018 pág.31 faz referência e destaca-as).

1º Prémio  Desenho - Trienal Latina 92 em Viana do Castelo (Júri internacional presidido por Joaquim Matos Chaves).

PAULO GONÇALVES EXPÕE PINTURA NA LOJA INTERATIVA DE TURISMO DE VIZELA

31 de julho a 31 de agosto – 2015

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe uma exposição de Paulo Gonçalves. A exposição pode ser visitada de 31 de julho a 31 de agosto.

A Pintura de Paulo Gonçalves é feita de inquietações, de emoções ao rubro e da impotência em inverter os caminhos do tempo. A sua Pintura nasce da necessidade de criar, de expor emoções e finalmente da busca da sua paz interior.

Pinta profusamente na ânsia de voos ousados ao inconsciente onde enxuga linhas de fuga de desassossegos e de incongruências.

Os pigmentos que mistura em linhas, luz e sombras fazem da tela um poema que sabe de cor, onde esconde o grito dos dias em que se reinventa.

Biografia:

Nasceu em Beja a 15 de agosto de 1977. A sua paixão pelo Desenho desde a infância, fez despertar, uma outra grande paixão: a Pintura, na qual se iniciou como autodidata. Frequentou aulas de Pintura prática na Fundação Jorge Antunes, tornando-se assim um dos elementos do grupo “Pintores da Cave”.

Assina as suas obras como “Fonseca”, em homenagem à mãe.

PINTOR RUI DUARTE EXPÕE EM CABECEIRAS DE BASTO

Vice-presidente da Câmara inaugurou exposição de pintura ‘Metamorphosis’ do artista Rui Duarte

A vice-presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Dra. Isabel Coutinho, inaugurou ontem à noite, dia 17 de julho, a exposição de pintura ‘Metamorphosis’ da autoria de Rui Duarte.

Exposição de pintura ‘Metamorphosis’ do arti

Através de um conjunto de 15 pinturas na sua técnica de eleição – a aguarela, Rui Duarte representa nesta mostra construções arquitetónicas, sobretudo rurais, através de linhas distorcidas que transmitem uma imagem alternativa da realidade através de um movimento constante e ondulante que confunde e inebria os sentidos, misturando-o num imenso mundo de cores que dão vida às suas ilustrações e aligeiram a rudeza e o tom acinzentado da realidade.

Na oportunidade, a vice-presidente felicitou o artista, destacando a beleza e vivacidade do seu trabalho.

Depois de agradecer a presença de todos, Rui Duarte falou da sua obra e do seu interesse pelas “casas rústicas”, às quais dá muita cor e uma nova ‘roupagem’ – uma marca que o distingue.

O evento foi abrilhantado pela atuação dos Cavaquinhos da Raposeira, que proporcionaram aos presentes um final de noite muito animado.

Rui Adelino Duarte Pinto nasceu em França a 22 de Abril de 1969 tendo, ainda menino, vindo para Portugal com a família, fixando residência em Amarante. Após a conclusão do Ensino Secundário, ingressou na Escola Superior de Castelo Branco, onde obteve a Licenciatura em Educação Visual e Tecnológica. Seguiram-se o Mestrado em Educação de Adultos e Doutoramento em Comunicação Visual e Expressão Plástica pela Universidade do Minho.

A sua atividade docente tem sido desempenhada ao nível do ensino secundário, bem como em alguns Estabelecimentos de Ensino Superior, designadamente na Escola Superior de Educação de Fafe, Instituto Superior de Educação do Instituto Piaget e Universidade do Minho.

Conta já com diversos artigos de caráter científico editados em revistas ligadas à problemática da educação arte e cidadania, bem como a colaboração com a imprensa local.

A nível artístico, apesar de algumas incursões pelo desenho, escultura e cerâmica, é contudo a pintura a forma de arte em que mais se tem envolvido.

A produção artística de Rui Duarte, levou-o à realização de diversas exposições de pintura, quer ao nível individual, quer a nível coletivo, das quais se destacam ‘Expressões corpóreas’, ‘Impressões fortuitas’ e também a exposição ‘Metamorphosis’, ontem inaugurada.

PINTOR CARLOS AMOEDO EXPÕE EM PONTE DE LIMA

Expression II de Carlos Amoedo em exposição em Ponte de Lima

Até 29 de Julho, na Torre da Cadeia Velha, Carlos Amoedo apresenta Expression II, um conjunto de pinturas que elogia as expressões e cativa a imaginação dos visitantes.

“Quero que as pessoas olhem para os quadros e os vão construindo”. É desta forma que o autor classifica o seu trabalho e explica a consistência de Expression II. Esta exposição encontra-se patente até 29 de Julho na Torre da Cadeia Velha, em Ponte de Lima, depois de passar por várias cidades. Carlos Amoedo vê nas pessoas e nas suas expressões a inspiração que precisa e recorre às cores para pintar todas as expressões conhecidas, ou desconhecidas.

No meio da sua paleta de cores é o azul que predomina já que “O azul é vida. O nosso planeta é representado por azul”. O pintor acrescenta ainda que são as cores que o definem porque “Ao aplicar as cores significa que tento dar vida às expressões. Cor, para mim, é sinónimo de vida”.

Carlos Amoedo termina acrescentando que “A expressão não foi inventada por ninguém”, sendo isso que diferencia as suas obras expostas em Ponte de Lima. Não deixe de visitar Expression II de segunda-feira a sábado das 9h30 às 13h e das 14h às 17h30.

EDUARDO MATOS DE FARIA EXPÕE NA GALERIA MUNICIPAL DE BARCELOS

Abre no próximo sábado, dia 4 de julho, às 18h00, na Galeria Municipal de Arte de Barcelos, a exposição de pintura, desenhos e ilustrações de Eduardo Matos de Faria, intitulada “Figura(do)s”.

Eduardo Matos de Faria nasceu em Barcelos, na primavera de 1960. Licenciou-se em Direito na Faculdade da Universidade de Coimbra e em Pintura e Desenho no Círculo de Artes Plásticas. Pinta e desenha desde sempre.É de Barcelos e pinta Barcelos: o castelo, a ponte, o rio.Pintou, desenhou, ilustrou: exposições, concursos, cartazes, banda-desenhada, capas de livros, revistas, discos.Segundo Eduardo Matos de Faria, “O Artista gosta de desenhar e desenha; gosta de histórias e conta histórias; gosta de cor e usa cor; é pintura alegre e otimista, a obra é aberta, clara, solarenga, uma janela para um mundo luminoso, colorido, construído com uma sólida base técnica e teórica que permite vários estilos e discursos.”A exposição estará patente até 31 de agosto.

PINTORA ISABEL MELO EXPÕE EM VIZELA

1 a 31 de julho – 2015: Exposição de Isabel Melo na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe uma exposição de Isabel Melo.

A exposição pode ser visitada de 1 a 31 de julho.

Isabel Melo nasceu em Caminha, no ano de 1968.

Entre os anos de 1993 e 2003, concluiu vários cursos no INATEL, Curso de Pintura, Curso de Artes Plástica, Curso de Pintura Óleo, Curso de Azulejaria Contemporânea. Entre os anos de 2002 e 2004, foi aluna da Sociedade Nacional de Belas Artes do curso de iniciação a Pintura. É ainda especialista de Informática do grau 2, Nível 1, na DSRN (Direcção Serviços da Região Norte – Ministério da Educação e Ciência).

Desde 2003 até aos dias de hoje, tem participado em várias exposições coletivas e individuais de pintura, em cidades como Porto, Vila Nova de Gaia, Paredes, Ermesinde, Gerês. De destacar a exposição individual em Belsarine Pastelaria, em Vizela.

ARTISTA CAMINHENSE ISABEL MELO EXPÕE EM VIZELA

30 de junho a 29 de julho – 2015. Exposição de Isabel Melo na Loja Interativa de Turismo

Isabel Melo nasceu em Caminha, no ano de 1968.

Entre os anos de 1993 e 2003, concluiu vários cursos no INATEL, Curso de Pintura, Curso de Artes Plástica, Curso de Pintura Óleo, Curso de Azulejaria Contemporânea. Entre os anos de 2002 e 2004, foi aluna da Sociedade Nacional de Belas Artes do curso de iniciação a Pintura. É ainda especialista de Informática do grau 2, Nível 1, na DSRN (Direcção Serviços da Região Norte – Ministério da Educação e Ciência).

Desde 2003 até aos dias de hoje, tem participado em várias exposições coletivas e individuais de pintura, em cidades como Porto, Vila Nova de Gaia, Paredes, Ermesinde, Gerês. De destacar a exposição individual em Belsarine Pastelaria, em Vizela.

VIZELA EXPÕE PINTURA DE LUZ COUTO

1 a 30 de junho – 2015: Exposição de Luz Couto na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe uma exposição de pintura de Luz Couto. A exposição pode ser visitada de 1 a 30 de junho.

Luz Couto nasceu em Santa Marta, Penafiel, no ano de 1958 e reside em Valongo.

Frequentou o atelier do Mestre Curval. Com o  Curso Geral de Formação Feminina, frequentou ainda  3 anos do Curso de Estilismo

É membro da ARGO (Associação Artística de Gondomar). Já participou em várias exposições coletivas e individuais de pintura. Em paralelo a pintura Luz Couto dedica-se também ao artesanato.

Exposições Individuais: das várias exposições e encontros de arte, destacam-se o ano de 1997, onde realizou a sua exposição individual- Arte Belas no Porto. Ass R.C.Honra e Dever, em Vila do Conde e em especial o prémio de Melhor Obra de Arte, atribuído em 2001, na ArtVallis.

ARTISTA FAFENSE ORLANDO POMPEU INAUGURA EM GUIMARÃES EXPOSIÇÃO “AQUANDO EM PARIS”

O mestre-pintor Orlando Pompeu inaugurou no passado sábado a exposição de pinturas gestuais “Aquando em Paris”. O evento teve lugar na Galeria G.40 do Hotel Mestre de Avis, uma unidade hoteleira no centro de Guimarães, integrada no território classificado pela UNESCO.

1

A inauguração da exposição, que contou também com uma apresentação de peças da escultora Paula Teixeira, concebidas a partir do “Imaginário Fantástico” da artista que começa agora a dar os primeiros passos na criação artística, contou com a presença de um grande número de pessoas da região e da Galiza.

2

A sessão de abertura da exposição abrangeu uma intervenção inicial do escritor e historiador Daniel Bastos, que destacou a sensibilidade e aposta cultural da proprietária do Hotel Mestre de Avis, a empresária vimaranense Maria Roeder. Segundo o mesmo, as obras gestualistas de Orlando Pompeu, assim como a estatutária de Paula Teixeira são marcadas pela criatividade, jogo de formas coloridas e linhas dinâmicas.

3

Nascido em Cepães, concelho de Fafe, Orlando Pompeu, estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris. Detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos e Japão, os mais de quarenta quadros que estão expostos no Hotel Mestre de Avis foram concebidos em Paris, refletindo as vivências e o papel importante que a capital francesa teve na consolidação do percurso artístico do mestre-pintor português.

4

A exposição marcada por amplos movimentos gestualistas estará patente ao público, durante o período normal de funcionamento da unidade hoteleira, até ao mês de Agosto.

5

6

7

VIZELA EXPÕE PINTURA DE ANTÓNIO RODRIGUES “VALENÇA”

30 de março a 27 de abril: Exposição de António Rodrigues - “Valença” na Loja Interativa de Turismo

Está patente na Loja Interativa de Turismo de Vizela uma exposição de pintura de António Rodrigues - “Valença”.

exp. Valença

A exposição pode ser visitada até ao próximo dia 27 de abril.

‘António José Mendes Rodrigues, mais conhecido na cidade como “Valença”, é um vizelense de 49 anos, que assume com grande entusiasmo a sua paixão pela pintura.

Este gosto não será de estranhar, uma vez que esta arte tem vindo a ser desenvolvida pelos seus antepassados.

Desde os 16 de idade que trabalha como pintor, particularmente no restauro de igrejas e capelas.

Decidido a expandir as suas ideias, iniciou a sua atividade artística, enquanto autodidata, há cerca de oito anos, onde a influência e incentivo de um amigo foram cruciais.

Tem desenvolvido e aprofundado as suas capacidades artísticas, ao longo destes últimos anos, tendo inclusivamente já realizado exposições no concelho.’

 

PINTOR JAIME SILVA DOA PINTURAS A GUIMARÃES

Obras doadas pelo pintor Jaime Silva vão integrar Plataforma das Artes e da Criatividade. Município vimaranense e artista plástico oficializam doação

Exposição decorrerá em 2016 e terá por universo o núcleo das obras doadas à Câmara Municipal. Artista quer contribuir para reforçar a importância de Guimarães como uma centralidade de referência no domínio das artes plásticas.

Guimaraes_Jaime_Silva

A Câmara Municipal de Guimarães e o pintor Jaime Silva oficializaram, esta segunda-feira, 30 de março, a oferta de dezasseis obras da autoria do artista plástico, uma delas composta por dezoito desenhos, cujo espólio será exposto publicamente a partir do próximo ano, no Centro Internacional de Artes José de Guimarães, situado na Plataforma das Artes e da Criatividade.

Jaime Silva é um dos mais importantes e reputados pintores da arte contemporânea, tendo granjeado reconhecimento nacional e internacional. Está representado num conjunto significativo de instituições e coleções públicas e privadas. O seu percurso artístico tem sido reconhecido pela maioria dos críticos de arte portuguesa, entre os quais, José Augusto França, Fernando Pernes, Fernando Azevedo, Laura Castro, Egídio Álvaro, Rui Mário Gonçalves, entre outros.

O pintor tem uma forte ligação afetiva a Guimarães, cidade onde viveu alguns anos importantes da sua vida e da vida do país – a transição da ditadura para a Democracia, entre 1972 e 1976. A vontade de Jaime Silva em contribuir para reforçar a importância de Guimarães como centralidade de referência no domínio das artes plásticas vem de encontro às aspirações do Município, que tem desenvolvido uma intensa atividade nas diversas áreas culturais, designadamente através do investimento estratégico em equipamentos vocacionados para locais expositivos.

«Consideramos Jaime Silva um vimaranense e a oferta de parte das suas obras é um ato generoso que a Câmara Municipal de Guimarães agradece. Trata-se de uma memória afetiva, com um grande simbolismo e uma elevada dimensão cultural no âmbito das artes plásticas», afirmou Domingos Bragança, Presidente do Município. O autor, por sua vez, enalteceu a «afirmação cultural e a dedicação de Guimarães», acrescentando que o seu gesto pretendeu associar-se a um concelho «com pessoas interessadas e interessantes».

PINTOR ANTÓNIO TEIXEIRA EXPÕE EM VIZELA

Até 30 de março: Exposição "Tendências" na Loja Interativa de Turismo

Está patente na Loja Interativa de Turismo de Vizela uma exposição de pintura de António Teixeira.

A exposição pode ser visitada até ao próximo dia 30 de março. “António Teixeira reside em Rio Tinto, a sua paixão é pintura.

Desde 2005 que tem exposto em vários locais, individual e coletivamente.

Seja qual for a tendência, uma obra de arte é sempre um desafio, por isso, não se explica, mas…Se mergulharmos em cada tela, vemo-nos envolvidos no cotidiano de cada espectador que decidirá sempre do seu significado.

O autor convida-nos a partilhar desta visão da vida.”António Teixeira

exp.Ant.Teixeira

PINTURAS DE ANDRÉ GONÇALVES REGRESSAM AO CONVENTO DAS TRINAS DO MOCAMBO

Convento das Trinas do Mocambo foi habitado pelas Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, uma congregação religiosa com grande implantação no Minho

Inserido no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, o Instituto Hidrográfico realiza uma Exposição subordinada ao tema “André Gonçalves e o Ciclo dos Santos Trinitários no Convento das Trinas do Mocambo”, através da qual dá a conhecer um conjunto de treze importantes pinturas do barroco português, parte das quais exibindo as magníficas molduras em talha dourada.

As obras são da autoria do pintor André Gonçalves e participavam na decoração da igreja de Nossa Senhora da Soledade do Convento das Trinas do Mocambo, tendo na década de trinta do século passado sido retiradas do seu local de origem e entregues ao Convento de Cristo, em Tomar.

O retorno temporário das referidas obras ao local de origem constitui um acontecimento cultural de elevado significado histórico porquanto a sua retirada para efeitos de salvaguarda ocorreu há cerca de oito décadas, conservando-se apenas com caráter permanente a pintura do teto do coro-baixo representando a coroação da Virgem.

Ainda, no âmbito das referidas comemorações, o historiador Dr. João Miguel Simões profere uma palestra subordinada ao tema da exposição, a qual terá lugar no dia 7 de abril, pelas 11h00, no Auditório Duarte Pacheco Pereira, do Instituto Hidrográfico.

A conferência e a exposição são abertas ao público, podendo esta ser visitada nos dias úteis, de 7 a 30 de abril, entre as 10 às 16 horas. Durante o mês de abril, todas as publicações sobre o Convento das Trinas à venda na Loja do Navegante do Instituto Hidrográfico beneficiam de um desconto de 50%.

Entre os dias 8 e 30 de abril, as visitas guiadas aos espaços conventuais realizar-se-ão diariamente, carecendo apenas de marcação prévia para rp@hidrografico.pt.

Situado na rua das Trinas, junto ao bairro típico da Madragoa, o Convento das Trinas do Mocambo teve a sua origem num aglomerado de casas que, em 1657, foi pelo casal flamengo Cornélio Wandali e Martha de Bóz legado por disposição testamentária à Ordem Hospitalar da Santíssima Trindade do Resgate dos Cativos. A partir de 1878, passou a ser ocupado pelas religiosas da Ordem das Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, que aqui permaneceram até à implantação da República.

O Instituto Hidrográfico encontra-se instalado no edifício do antigo Convento das Trinas do Mocambo desde 1969, altura em que foi desalojado das suas antigas instalações na rua do Arsenal na sequência de um violento incêndio ocorrido naquele ano.

Para além da sua missão fundamental que consiste em assegurar atividades relacionadas com as ciências e técnicas do mar, tendo em vista a sua aplicação na área militar, e contribuir para o desenvolvimento do País nas áreas científica e de defesa do ambiente marinho, o Instituto Hidrográfico, órgão da Marinha Portuguesa, preserva e dá a conhecer o património que lhe está confiado, nomeadamente participando nas comemorações oficiais do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

VIANA DO CASTELO APRESENTA ESPOSIÇÃO DE PINTURA DE LUÍS ATHOUGUIA

Exposição de Pintura de Luís Athouguia: Manifestações Ficcionais

A Câmara Municipal de Viana do Castelo apresenta uma importante exposição de Pintura de LUÍS ATHOUGUIA, intitulada Manifestações Ficcionais, na Galeria dos Antigos Paços do Concelho, com inauguração no dia 3 de Janeiro às 11 horas da manhã.

No texto da exposição, por Paulo Morais-Alexandre, pode ler-se:

Há efetivamente uma vontade artística muito específica que permite algo que nem sempre é habitual: as suas pinturas são facilmente identificáveis, ou seja, tem um modo muito próprio e inconfundível de pintar, não como “receita”, não como uma fórmula que mereceu o reconhecimento do público e na qual estagnou, optando pela via do facilitismo, como infelizmente tantos fazem, mas antes como um desenvolvimento de um modo muito próprio de pintar.

Assim, é muito fácil atribuir-lhe uma determinada autoria, de tal forma as suas pinturas são reconhecíveis através de um jogo cromático absolutamente próprio à linguagem da pintura a pastel onde, embora todo o espectro seja aplicado, há clara predominância dos vermelhos e azuis, bem como as suas construções espaciais densas de particulares geometrias, onde as linhas são modeladas de forma singularmente lírica, resultando composições muito equilibradas com uma luminosidade e um brilho emocionantes que remetem para realidades paralelas, onde a influência do sonho, do sonho do Pintor, é marcante e nós somos chamados a partilhar essa experiência onírica.

LUIS ATHOUGUIA (Cascais 1953) é diplomado pelo IADE, Instituto Superior de Arte e Design - Lisboa. Considerado um dos grandes talentos no mundo artístico da sua geração, conta com um longo percurso expositivo. Desde 1983 participou em mais de 4 centenas de relevantes exposições, nacionais e internacionais, de Pintura e Bienais de Arte. Foi distinguido, com o Prémio Vespeira na Bienal do Montijo 1997 e Prémio do Salão da Sociedade Nacional de Belas Artes 2011. Está representado em museus, instituições e importantes coleções nacionais e estrangeiras.

O ato inaugural contará com um Momento de Poesia por Ana Coutinho e Castro e Américo Carneiro e um Momento Musical com elementos da Escola Profissional de Música de Viana do Castelo

ANTIGOS PAÇOS DO CONCELHO

Praça da República

4904 Viana do Castelo

Tel. 258 809 350

Horário:

Segunda a Domingo 10:00h às 18:00h

Entrada livre

ANTÓNIO MIRANDA EXPÕE PINTURA NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS

António Miranda, pintor barcelense, vai fazer a sua primeira exposição de pintura, subordinada ao tema “As Metamorfoses da Paisagem”, na sua terra natal, na Biblioteca Municipal de Barcelos. A mostra será inaugurada na próxima sexta-feira, dia 21 de novembro, pelas 19 horas e estará patente ao público até ao dia 13 de dezembro.

Segundo Arturo Diaz, as paisagens de António Miranda “têm uma autonomia e uma consistência próprias. Não se destinam a veicular estados de alma subjectivos, mas a exprimir essa vontade de fazer arte, criando mundos plurais. Cada paisagem aqui apresentada vale por si, embora se possam identificar enlaces e convergência entre elas.”
António Manuel Fernandes Miranda nasceu a 19 de março de 1967, em Barcelos. Frequentou a Escola Alcaides de Faria, embora começasse a revelar o seu talento para o desenho, aos treze anos, quando frequentava a Escola Preparatória Gonçalo Nunes. Nessa altura, é premiado, num Concurso, subordinado à temática do “Dia Mundial da Árvore” e aberto a toda a comunidade estudantil.

Desde então, e até aos 37 anos, com passagem pelo serviço militar, exerce a sua actividade profissional no sector da estamparia têxtil, onde tem a oportunidade de trabalhar e de se maravilhar com a “sinfonia” das cores.

O ano de 2004 assinala uma viragem no rumo da sua existência. Começa por se dedicar a tempo inteiro à pintura decorativa de caixas, jarras e tabuleiros, para, em 2009, tirar um curso de pintura em encáustica, no Porto. A partir de então, consagra-se à pintura, começando por pintar motivos florais e paisagens, ao mesmo tempo que vai apurando as suas técnicas e o seu estilo.

Mais recentemente, a 25 de fevereiro de 2014, a sua paisagem, “A casa na profundeza”, obteve o terceiro lugar atribuido pela galeria I Love Art Award. Já a 19 de Abril do mesmo ano, o quadro “O riacho na pedreira” recebe uma Menção Honrosa pela Best International Art Contest and Gallery. Ainda em Abril de 2014, o quadro acabado de referir, recebe uma Menção Honrosa com a atribuição do quinto lugar pela I Love Art Award, na modalidade “Sunset & Sunrise Award”.

Neste momento, o pintor António Miranda explora uma sequência de paisagens solares e de tendência apolínea patentes nesta exposição. 

PINTORA SOFIA GUIMARÃES EXPÕE EM VIZELA

18 de outubro a 17 de novembro. Exposição de Sofia Guimarães na Loja Interativa de Turismo de Vizela

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe, a partir do próximo sábado, uma exposição de Sofia Guimarães.

A exposição pode ser visitada até ao próximo dia 17 de novembro. ‘A MINHA ARTE:

Porque as telas não servem só para pintar….

Porque as garrafas e garrafões não servem só para engarrafar…

Porque os aquários não são só para peixes …

Porque as molduras não servem só para colocar fotos das nossas memórias…

Porque os candeeiros não servem só para iluminar…

Para mim a arte é aquilo que podemos transformar, seja o que for…’

SOFIA GUIMARÃES

PINTORA CELESTE FERREIRA EXPÕE EM ERMESINDE

O Fórum Cultural de Ermesinde vai expor as obras da pintora Celeste Ferreira. A exposição está patente ao público de 3 de Outubro de 2014 a 11 de Janeiro de 2015.

É uma exposição composta por cinquenta e quatro trabalhos de 30x30 cm a pastel d'óleo s/papel, dez pinturas de 50x50cm a óleo s/tela e cinco telas de grandes dimensões de 180x180cm a óleo s/tela.

150-inauguraçãoErmesinde14 009

7-inauguraçãoErmesinde14 008

6-inauguraçãoErmesinde14 009

5-inauguraçãoErmesinde14 010

1-inauguraçãoErmesinde14 014

inauguraçãoErmesinde14 015

EXPOSIÇÃO DE PINTURA DE JOÃO AMARAL ABRE ESTE SÁBADO NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE FAFE

Abre ao público na Biblioteca Municipal de Fafe, na tarde deste sábado, 11 de Outubro, pelas 15h30, uma exposição de pintura do artista João Amaral, a qual se vai manter patente até ao último dia do mês, no horário de funcionamento daquele espaço cultural.

Joao Amaral nasceu em Matosinhos a 15 de Dezembro de 1955.

Desde muito novo revelou um grande entusiasmo e interesse pela atividade artística, nomeadamente pelo desenho, pelo que, ao longo do seu percurso de vida, foi realizando alguns trabalhos como autodidacta.

Em Outubro de 2009, quando a sua atividade profissional lhe permitiu dedicar mais tempo à atividade artística, passou a frequentar ateliês de pintura, onde tem vindo a adquirir conhecimentos fundamentais que têm contribuído para desenvolver as suas qualidades nas técnicas do desenho a grafite, carvão, pastel, e da pintura a aguarela, a óleo e em acrílico, assim como na área da cerâmica.

Nos últimos três anos participou em cerca de uma dezena de exposições coletivas em galerias do Porto, Matosinhos, Senhora da Hora, Custóias, Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

Expos individualmente na Galeria Sílvia Soares – V. N. de Gaia (Março de 2011), Espaço Sukia – Porto (Janeiro de 2012), Posto de Turismo da Póvoa de Varzim (Janeiro a Março de 2014) e IPO – Porto, no âmbito do seu 40.º Aniversário (Abril a Junho de 2014).

ROSA VAZ EXPÕE EM PÓVOA DE LANHOSO

Galeria de Exposições do Theatro Club exibe trabalhos de Rosa Vaz

“25 ANOS COM ARTE” é como se designa a exposição de pintura de Rosa Vaz, que chega no próximo dia 4 de outubro à Galeria de Exposições do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso.

A abertura está agendada para as 16h30. Esta mostra visa assinalar os 25 anos de carreira como artista plástica e fica patente até ao próximo dia 26 de outubro.

As suas raízes africanas e o registo do movimento das cidades temperam as suas temáticas, exaltando os vermelhos e laranjas ou os azuis e ocres, cores terra, castanhos e amarelos como se de sílabas pintadas se tratasse.

Rosa Vaz nasceu em Malange, Angola. Desde cedo manifestou o gosto pela arte: desenho, pintura, dança, música e poesia.

Filha de pai originário de Monção e de mãe angolana de Huambo teve a sua infância em Angola. Veio para Portugal na altura da guerra civil de Angola e foi viver para Monção, onde estudou no liceu até partir para o Porto, para frequentar a Universidade. O seu rumo depois levou-a até Braga, onde concluiu os estudos e se radicou.

Dedica-se à pintura, poesia e à promoção da Lusofonia.

Pertence a vários grupos de promoção/divulgação Cultural. Faz parte da Associação Cultural de Promoção da Cultura Portuguesa e Lituana; é artista do Projeto Artáfrica da Fundação Calouste Gulbenkian.

Expõe há mais de 25 anos e está representada em várias coleções particulares e públicas em Portugal e noutros países.

Expôs em Monção, Melgaço, Vigo, Corunha, Villa Garcia de Arosa, Ferrol, Santiago de Compostela, Guimarães, Porto, Esposende, Lisboa, Caminha, Valença, Montemor-o-Novo, Póvoa de Lanhoso, Coimbra, Vieira do Minho, Fafe, Braga, Barcelos, Sousel, Viana do Castelo, Bragança, Vilnius, Newark e vários outros locais.

Representa a sua atividade artística através da pintura acrílica, aguarela, pintura de cerâmica, murais cerâmicos e ilustrações de livros.