Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PESCADORES DE CERVEIRA CAPTURAM SALMÃO DE 13 QUILOS

‘Pai Minho’ continua a ser generoso com a comunidade cerveirense

Um salmão com 13kgs foi capturado das águas do rio Minho por dois pescadores de Vila Nova de Cerveira. O exemplar, com um metro de comprimento é, nos dias de hoje, um caso raro pelo peso e dimensão. Adquirido por um restaurante local – Casa Lau -, esta captura revela que o rio Minho mantém-se pródigo em recompensar as populações ribeirinhas que muito se sustentam nas dádivas do rio.

IMG_2545.JPG

Foi na noite desta terça para quarta-feira que as redes de dois irmãos pescadores cerveirenses - Jorge e Ricardo Alves - ficaram bem mais pesadas, quando se encontravam no Porto Pesqueiro da Furna na União de Freguesias de Campos e Vila Meã: um salmão com 13kgs e um metro de comprimento foi a novidade.

Este exemplar vem na continuidade de outros que, embora de menor dimensão, nos últimos dias têm sido retirados das águas do rio Minho na área de Vila Nova de Cerveira e que são servidos à mesa dos restaurantes locais para deleite dos apreciadores deste requintado prato. Em Cerveira oferece-se a gastronomia com sabor do rio, reveladora dos usos e costumes e, sobretudo, da forte ligação que a população ribeirinha tem com este troço internacional.

O Município cerveirense agradece a gentileza da Casa Lau em proporcionar o conhecimento desta captura, através do registo fotográfico para documentação informativa, como também para conhecimento científico aportado ao Aquamuseu.

De acordo com os registos históricos da Consejería do Medio Ambiente, nas décadas de 60 e 70 era normal capturarem-se salmões do rio Minho com cerca de 20kgs. No entanto, e apesar dos poucos indicadores relativos aos últimos anos, estima-se que estes casos são muito raros, sendo a dimensão mais comum entre os 4 e 8 kgs.

CERVEIRA CONTROLA SALMÃO DO RIO MINHO

Pedido de colaboração para registo informativo de salmão no rio Minho

Com o intuito de obter informação mais detalhada sobre a população de salmões existente no rio Minho, o Aquamuseu pretende lançar um pedido a pescadores, intermediários, consumidores, restaurantes e população em geral no sentido de colaborarem no registo e comunicação da presença ou captura deste peixe.

SALMÃO.jpg

O objetivo é conservar um recurso que, embora presente, suscita sempre grande interesse por parte de investigadores dado o desconhecimento real da sua exploração, conseguindo um maior número de dados para futuros trabalhos.

Neste sentido, apela-se ao registo do comprimento, peso, presença ou ausência de barbatana adiposa e se possível recolher 15 escamas (ver figura). A ausência de barbatana adiposa significa que foram salmões identificados quando juvenis e que saíram do rio Minho, sendo importante conhecer o número de salmões que regressam ao rio onde nasceram.

Em prol da investigação, o Aquamuseu do rio Minho agradece, desde já, a colaboração.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO COLABORA COM CIIMAR NO PROJETO ECOSERVICES

Até 31 de dezembro de 2018, o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) está a desenvolver o projeto INNOVMAR e, para o qual, conta com a colaboração do Aquamuseu do Rio Minho numa das linhas de investigação, o ECOSERVICES.

corbicula2.jpg

O objetivo geral do ECOSERVICES passa pela avaliação da qualidade ambiental, da vulnerabilidade e dos riscos para a gestão sustentável dos recursos naturais e dos serviços dos ecossistemas da costa Noroeste. No caso específico do rio Minho, a colaboração do Aquamuseu diz respeito ao trabalho de investigação que pretende avaliar o impacto do bivalve exótico, como por exemplo a amêijoa asiática, sobre espécies residentes e com importância ecológica e económica, nomeadamente a solha.

O projeto mais abrangente, INNOVMAR, tem a duração de três anos e recebeu um financiamento de 4.2 milhões de euros.

De sublinhar que a espécie invasora em causa (o bivalve exótico Corbiculafluminea) é altamente resistente, reproduz-se duas vezes por ano e têm uma capacidade de adaptação ambiental e alimentar elevada. Por isso, quando introduzida num novo local, competem com os organismos já existentes pelo habitat e pelo alimento. Vários quilómetros do Rio Minho estão colonizados pela amêijoa asiática que se adaptou às condições e ocupou o espaço, eliminando parcialmente as outras espécies de moluscos.

LIMIANOS VÃO ÀS TRUTAS

Campeonato Nacional de Pesca à Truta com Isco Artificial. Rio Estorãos │Ponte de Lima. 11 e 12 Março 2017

Realiza-se nos próximos dias 11 e 12 de março, no rio Estorãos, na freguesia de Estorãos, no concelho de Ponte de Lima, a 1.ª e 2.ª Prova do Campeonato Nacional de Pesca à Truta com Isco Artificial.

cartaz_prova de pesca-01.jpg

Esta prova enquadra-se no campeonato nacional de Pesca à Truta com Isco Artificial, sendo esta etapa, organizado pela Associação de Pesca do Vale do Lethes, com o apoio do Município de Ponte de Lima.

De ano para ano, esta prova suscita e cativa o interesse dos visitantes e dos amantes desta modalidade, sendo de realçar que a Associação de Pesca do Vale do Lethes, tem um membro Campeão Nacional de Pesca à Truta com Isco Artificial 2016 – Paulo Santos.

Para mais informações aceda à página do facebook: /pescavaledolethes

CAPTURA DA LAMPREIA: AUTARCAS DEFENDEM ABERTURA MAIS CEDO A MONTANTE DO RIO MINHO

Autarcas de Monção e Salvaterra de Miño, Augusto de Oliveira Domingues e ArturoGrandal, defendem que a pesca à lampreia nas pesqueiras, com início no dia 15 de fevereiro, deve iniciar-se mais cedo. E disso tem dado conta aos comandantes das capitanias de Caminha e Tui.

Pesqueira João Esteves Soares.jpg

A pesca à lampreia a jusante do rio Minho abriu no passado dia 3 de janeiro, contudo, a captura daquele ciclóstomo a montante, feita essencialmente em pesqueiras, construções de pedra junto ao rio Minho existentes nos concelhos de Monção e Melgaço, só é possível a partir de 15 de fevereiro.

Uma diferença de mês de meio que não agrada a autarcas, pescadores e empresários da restauração, considerando, em uníssono, que é muito tarde para quem vive exclusivamente da pesca ou encontra naquela atividade um complemento económico à sua profissão.  

Desta forma, todos os intervenientes na pesca da pesca, direta ou indiretamente, defendem que a abertura da pesca a montante do rio Minho deveria fazer-se mais cedo, permitindo que antes do 15 de fevereiro seja possível a comercialização e confeção da lampreia capturada nas pesqueiras.

Considerada mas gostosa e batida em virtude do trajeto entre a foz e a zona das pesqueiras, pescadores e empresários da restauração alertam para a importância económica da pesca da lampreia, lamentando que a abertura tardia esteja a prejudicar o “negócio”.

A autarquia monçanense, à semelhança da sua congénere de Salvaterra de Miño, tem consciência dessa realidade e, por diferentes meios, tem feito chegar essa reivindicação aos responsáveis, procurando sensibilizá-los para uma antecipação da presente data.

“Mês e meio de diferença entre o jusante e o montante do rio Minho é muito tempo. Penso que esta situação prejudica seriamente pescadores e restaurantes, algo que não pode acontecer” refere Augusto de Oliveira Domingues, completando:

“Tanto eu, como o Alcalde de Salvaterra de Miño, ArturoGrandal, temos falado com oscomandantes das capitanias de Caminha e Tui, fazendo-os sentir a necessidade em alterar a data, encurtando o tempo entre a foz e os nossos concelhos. O dia 1 de fevereiro parece-nos uma data razoável”.

Refira-se que, entre 15 de janeiro e 15 de abril, decorre a iniciativa “Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência”. Os restaurantes de Monção que participam nesta promoção, 18 no total, tem servido lampreiade várias formas que, contranatura, tem de ser compradas fora do concelho.

LANÇADO CONCURSO PARA EXECUÇÃO DA OBRA DE MODERNIZAÇÃO DO CAIS DOS PESCADORES EM CAMINHA

Ministra do Mar presidiu em Caminha à apresentação pública das ações Mar 2020 da Polis Litoral Norte

O concurso para execução da obra de modernização do Cais dos Pescadores, em Caminha, já está a decorrer e os trabalhos deverão ficar concluídos até ao final deste ano.

Cais da Rua 1.jpg

Com um investimento global associado de 880 mil euros, esta é a primeira intervenção de fundo na marginal do concelho, em mais de três décadas, que vem beneficiar os pescadores. A obra vai ser realizada no quadro do Programa Operacional Mar 2020, que só foi operacionalizado pelo Governo no último ano, e o projeto foi construído em diálogo entre a Polis Litoral Norte, os pescadores, o Município de Caminha, a Junta de Freguesia de Caminha e Vilarelho e o anterior comandante da Capitania do Porto de Caminha, Gonzalez dos Paços.

É sobretudo, como sublinhou o presidente da Câmara, uma vitória dos pescadores. A obra foi apresentada esta tarde, em Caminha, numa cerimónia presidida pela Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, em que foi feita a apresentação pública das ações Mar 2020 da Polis Litoral Norte.

A intervenção no Cais da Rua, uma estrutura completamente degradada, era urgente e reivindicada repetidamente pelos pescadores, cujas vozes, como referiu Miguel Alves, nunca foram ouvidas. “Este é o momento de colocar o século XXI ao serviço dos pescadores”, referiu o presidente, vincando também a sua alegria pelo cumprimento de um compromisso assumido pessoalmente com os pescadores.

Cais da Rua 2.jpg

“Os pescadores estiveram esquecidos e abandonados durante demasiado tempo. Durante décadas não se fez nada, mesmo nada, pelos pescadores de Caminha. Nós recuperamos o cais de atracação da Foz do Minho; nós pusemos um ponto de água nos Estaleiros do Quintas como era pedido há anos; nós colocamos escadas de acesso às embarcações (os pescadores antes tinham que escorregar pela marginal e foram muitas as quedas por causa disso); nós recuperámos já a rampa existente no cais da vila e vamos fazer uma segunda intervenção para a prolongar junto à areia” – elencou Miguel Alves.

O presidente agradeceu a colaboração de todos os que participaram na construção do projeto que vai agora ser executado, designadamente, os técnicos da Polis Litoral Norte, do Município de Caminha, os pescadores, a Junta de Freguesia de Caminha e Vilarelho e o anterior comandante da Capitania do Porto de Caminha, Gonzalez dos Paços: “Acabou o tempo do desinvestimento, o tempo em que não havia capacidade para chegar aos meios próprios e para fazer ouvir a voz dos pescadores. Não ficamos pelos desenhos que nos deixaram, havia assim uns ‘macaquinhos’, nós fizemos um projeto, candidatámo-lo e vamos ter um Cais da Rua moderno e funcional, do século XXI”.  

A obra de modernização do Cais dos Pescadores em Caminha prevê o aumento da área útil do cais, o prolongamento da ponte-cais, a reparação/beneficiação da rampa-varadouro e das estruturas para amarração de embarcações, a recuperação das escadas para acesso às embarcações, a instalação de um novo guincho na rampa e o incremento da capacidade de atracação de barcos.

O investimento global associado é de 880 mil euros, sendo a taxa de cofinanciamento comunitário de 75%. A previsão de conclusão da obra édezembro deste ano de 2017.

A Polis Litoral Norte - Sociedade para a Requalificação e Valorização do Litoral Norte, SA existe há vários anos, mas só com este Executivo se iniciaram os investimentos no concelho. “Quando cheguei à Câmara, a Polis já existia há cinco anos, tinha investimentos em Viana do Castelo e Esposende, mas não tinha qualquer investimento em Caminha. Até 2013 não se fez um único investimento no âmbito da Polis Litoral Norte, não se fez uma única obra no concelho de Caminha. Mas desde 2013 até agora foram já feitas 5 obras e investidos 1 milhão e 100 mil euros no território de Caminha. E até final de 2017 prevemos ter mais 5 obras concluídas e investidos 2,5 milhões de euros. Passamos dum tempo em 2013 em que tínhamos zeros obras, zero cêntimos investidos no concelho e Caminha, para termos 10 obras e 4 milhões de euros investidos no concelho de Caminha”, afirmou Miguel Alves.

O presidente da Câmara agradeceu a presença da Ministra do Mar, realçando também que é, graças a Ana Paula Vitorino, que foi criado um grupo de trabalho que está a estudar o Portinho de Vila Praia de Âncora: “esta é a primeira vez que um Governo toma uma atitude concreta para resolver os problemas estruturais do Portinho de Vila Praia de Âncora”.

Também a Ministra do Mar deu conta da evolução recente do Programa Mar 2020, explicando que, à sua chegada ao Governo, praticamente nada tinha sido feito, tendo sido realizados durante o ano de 2016 os regulamentos, portarias, candidaturas e alguns concursos. Ana Paula Vitorino congratulou-se por terem sido atingidos os objetivos que fixou para o último ano.

A Ministra realçou a ainda importância das pescas e revelou que, na altura em que foi convidada por António Costa para assumir a pasta, colocou duas condições: que as Pescas voltassem a ter uma Secretaria de Estado e que a pessoa com essa responsabilidade fosse José Apolinário.

Aliás, o Secretário de Estado das Pescas esteve também em Caminha e explicou que o Cais da Rua é um excelente exemplo de como o Programa Mar 2020 pode ser utilizado para beneficiar a pesca.

Pimenta Machado, pela Polis Litoral Norte, fez a apresentação das ações Mar 2020 que asociedade vai concretizar, em 2017. Trata-se de um conjunto de obras em Caminha, Viana do Castelo e Esposende, de modernização de estruturas fundamentais de apoio às atividades económicas ligadas aos recursos naturais do litoral, em particular a pesca tradicional, com financiamento aprovado pelo Programa Operacional Mar 2020, enquadrado no Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas.

CAis da Rua.jpg

MUNICÍPIO DE CAMINHA QUER COMPENSAR COMUNIDADE PISCATÓRIA DO ABANDONO A QUE FOI VOTADA NO PASSADO

Obra no Cais da Rua avança de imediato se a respetiva candidatura for aprovada

A Câmara Municipal espera uma resposta positiva em relação à candidatura apresentada para uma profunda intervenção no Cais da Rua.A decisão será conhecida dentro de algumas semanas e, se a expectativa se concretizar, a obra avança de imediato. Como frisou Miguel Alves na reunião descentralizada de ontem, “a comunidade piscatória foi abandonada, nos últimos anos, no concelho de Caminha” e é tempo de inverter esta situação. Em causa está uma obra orçada em 800 mil euros, que obrigará a um esforço financeiro do Município ainda considerável, mas cuja prioridade é absoluta.

Augusto Porto.jpg

A última reunião descentralizada da segunda ronda pelas freguesias decorreu ao final da tarde de ontem, na sede dos Bombeiros Voluntários de Caminha, respeitando à freguesia de Caminha (Matriz) e Vilarelho. O pescador Augusto Porto foi um dos munícipes que interveio, para expor as suas preocupações sobre a pesca no Rio Minho. Também o presidente da Junta de Freguesia, Miguel Gonçalves, se tinha referido à pesca, lembrando que quase nunca foi tratada devidamente no concelho e “os pescadores estiveram longos anos esquecidos”.

Em resposta, presidente e vice-presidente da Câmara foram perentórios: a pesca é essencial à economia concelhia, diferencia-nos e tem de ser apoiada, para além das várias intervenções que têm sido feitas.

Miguel Alves sublinhou que o abandono a que foram votados os pescadores no passado, assim como os erros cometidos, são questões que este Executivo não admite. “Quando cheguei mandei fazer um projeto para o Cais da Rua, ouvindo os pescadores e a Capitania. Chamei cá o secretário de Estado das Pescas, sem dar nota disso, e sensibilizei-o. Não se pode cometer em Caminha o mesmo erro que se cometeu em Vila Praia de Âncora, onde o Estado pagou uma grande obra, mas onde não foram ouvidos os pescadores”, com as consequências que se conhecem, a obrigar a obras constantes, estando já prevista mais uma ação de desassoreamento orçada em meio milhão de euros.    

O presidente lamentouainda que o projeto encomendado pelo anterior Executivo para a marginal de Caminha ignorasse o Cais da Rua, e isso, frisou, foi mais uma atitude de abandono em relação aos pescadores –“nem o projeto para o Cais se fez”.

Agora, a poucas semanas de se conhecer a decisão sobre a candidatura, o presidente da Câmara avisou que não se importará com críticas e, tratando-se deum ano eleitoral, a obra avançará mesmo em 2017, caso, como espera, a candidatura seja aprovada, porque já se perdeu demasiado tempo.

Miguel Alves lembrou também que, ao chegar à Câmara no início deste mandato, encontrou uma situação terceiro-mundista no acesso dos pescadores às embarcações: “o que fizemos foi colocar escadas de acesso às embarcações - os pescadores antes tinham que escorregar pela marginal e foram muitas as quedas por causa disso”.

Além disso, recordou, foram feitas várias intervenções: “recuperamos o cais de atracação da Foz do Minho;pusemos um ponto de água nos Estaleiros do Quintas como era pedido há anos;recuperámos já a rampa existente no cais da vila e vamos fazer uma segunda intervenção para a prolongar junto à areia”.

Também em resposta a Augusto Porto, o vice-presidente, Guilherme Lagido, tinha já dito que o concelho, tal como o conhecemos, “é impensável sem a pesca”, salientando o modo como condiciona positivamente a restauração e o turismo. 

 

Reunião descentralizada.jpg

“TEMPOS DE PESCA EM TEMPOS DE GUERRA”: LIVRO VAI SER APRESENTADO NO NAVIO GIL EANNES

No próximo dia 1 de outubro, pelas 17H00, no Navio Gil Eannes será apresentado o livro “Tempos de Pesca em Tempos de Guerra” de Licínio Ferreira Amado.

capa do livro.png

O livro retrata a história do bacalhoeiro O Maria da Glória, lugre de 3 mastros da praça de Aveiro que foi bombardeado a 5 de Junho de 1942 pelo submarino alemão U-94. Dos seus 44 tripulantes só 8 se salvaram.

“Tempos de Pesca em Tempos de Guerra” dá a conhecer aspectos da pesca do bacalhau nos mares do Atlântico Norte e da tragédia dos referidos tripulantes, mas também constitui, acima de tudo, uma sentida homenagem a todos os Homens do Mar.

PORTINHO FOI DESDE SEMPRE O SÍTIO MAIS PITORESCO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Já lá vão três anos sobre a data da inauguração do novo porto de pesca em Vila Praia de Âncora. Esta localidade passou desde então a dispor de uma magnífica zona de lazer, com equipamentos de restauração, atividades físicas de manutenção e espaços de diversão para todas as faixas etárias.

vpancora2011 (2).JPG

Situada defronte do bairro dos pescadores que fora construído pelo Estado Novo em 1949, o novo porto de pesca beneficia de uma lota mais condigna e asseada e infraestruturas para guarda das embarcações e artes de pesca.

Ao longo de toda a marginal de Vila Praia de Âncora, foram entretanto criadas ciclovias, zonas de parqueamento automóvel, áreas ajardinadas e torno do forte da Lagarteira, requalificados os arruamentos e instalado novo mobiliário urbano.

O portinho virou marina de recreio e a velha lota de peixe deu lugar a uma área de apoio. Da azáfama que então se vivia logo desde manhã cedo em torno do portinho restam as saudades do ambiente pitoresco que constituía uma das maiores atrações locais. No local permanecem os dois pequenos faróis que indicavam o enfiamento de entrada do portinho – sítio que foi frequentes vezes trágico para os pescadores – os quais constituem atualmente o ex-líbris de Vila Praia de Âncora.

vpancora2011 (4).JPG

vpancora2011 (5).JPG

vpancora2011 (6).JPG

vpancora2011 (7).JPG

vpancora2011 (8).JPG

vpancora2011 (9).JPG

vpancora2011 (10).JPG

vpancora2011 (11).JPG

vpancora2011 (12).JPG

vpancora2011 (13).JPG

vpancora2011.jpg

vpancora2011 (3).JPG

CONCURSO DE PESCA JUNTA TRABALHADORES DE VÁRIOS MUNICÍPIOS EM CELORICO DE BASTO

O Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Celorico de Basto desenvolveu um concurso de pesca, numa das pistas de pesca mais conceituadas do Rio Tâmega, uma ação que contou com a presença de 20 municípios, com a entrega de prémios a decorrer na XIX Feira do Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto.

_DSC5908.jpg

A pesca é a principal atividade promovida pelo grupo do Centro Cultural e Desportivo que organizou, em pleno mês de agosto uma iniciativa que contou com a participação de trabalhadores que integram o CCD da Câmara Municipal de Celorico de Basto, como anfitriões, e os trabalhadores da Câmara Municipal de Avis, Cascais, Coruche, Gaia, Golegã, Gondomar, Guimarães, Lisboa, Maia, Moita, Mora, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Portalegre, Porto, Salvaterra de Magos, Seixal, Valongo e Vila Franca de Xira, num total de 100 participantes.

Os prémios foram distribuídos por setores e categorias, com cada equipa composta por quatro pescadores. Foram ainda atribuídos os prémios ao melhor exemplar e à Câmara mais distante. Estas distinções foram entregues pelo presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, e pelo Vereador da Cultura, Fernando Peixoto.

Joaquim Mota e Silva realçou a importância desta interação entre os trabalhadores de vários municípios. “Esta interação entre municípios é muito salutar e benéfica. É importante que os trabalhadores convivam fora do contexto trabalho, sobretudo a praticar uma atividade desportiva”. O autarca referiu ainda tratar-se de uma forma de dar a conhecer as particularidades deste concelho a outros. “Estes pequenos convívios servem também para dar a conhecer esta terra, as suas gentes, as suas características próprias e cativar para visitas futuras. Afinal, acreditamos que o turismo é um dos sectores que mais cresce no concelho, por isso trabalhamos concertadamente nesse sentido” destacou. 

A organização do evento, ciente do apoio cedido pelos autarcas na organização das diferentes atividades promovidas ofereceu-lhes uma lembrança como forma de agradecimento. Jorge Mesquita, membro do Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Celorico de Basto, disse ser “apenas uma lembrança simbólica. De facto, o município tem sido muito recetivo à organização das nossas atividades, só podemos estar agradecidos”.

_DSC5916.jpg

_DSC6071.jpg

“VIAGENS À TERRA NOVA – MEMÓRIAS DE UM TEMPO”: O LIVRO DE HOMENAGEM AOS PESCADORES DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Da autoria de Aurora Botão Rego, o lançamento da obra acontece este sábado

“Viagens à Terra Nova – Memórias de um Tempo” é o título do livro que vai ser lançado amanhã, sábado, pelas 18h00, no Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora, no âmbito do evento Viagens à Terra Nova, que hoje inicia e que se prolonga até domingo. Da autoria de Aurora Botão Rego,investigadora e funcionária da Câmara, esta edição municipal é uma homenagem aos 740 pescadores, profissionais da Faina Maior, “os nossos heróis da Terra Nova”. Ao mesmo tempo, é uma forma de revisitar e preservar a memória imaterial de um tempo, como sublinha, no prefácio, Guilherme Lagido, vice-presidente da Câmara de Caminha.

Capa (4).jpg

“Não podemos, nem devemosequacionar o futuro sem revisitar o passado.Temos de compreender o nosso passado. Não setrata de querer reviver o passado. Trata-se, tão só,de compreender o passado para melhor perspectivarmoso presente e o futuro. O passado não ésó o património material que herdamos, mas étambém, o património imaterial que muitas vezesesquecemos”, diz Guilherme Lagido.

Sobre os pescadores, o autarca lembra a dureza das suas vidas, os perigos que correram e a que alguns nem sequer sobreviveram. Seja como for, a faina obrigou-os a uma ausência longe das famílias, na luta por uma vida melhor e devem, na sua opinião, ser vistos como exemplos de força e de perseverança: “Ponhamos todos osolhos nestas gentes”, apela no mesmo prefácio.

Daí que, explica, “seria de uma enorme injustiça se nós hojeos ignorássemos. Temos a obrigação de recordaresses tempos, de recordar essas gentes, de tirar doesquecimento esses exemplos. Felizmente temos,ainda, entre nós, algumas pessoas que viveramessas experiências. Temos de deixar registadosos seus relatos. Foi o que fizemos. Tentamos descobrirquem passou por essa vida. Conversamoscom eles. Registamos os seus depoimentos. Agoracompilamos essas narrativas e guardamo-lasem livro. Não se vão perder. Vamos todos ficara saber melhor o que aconteceu àquelas centenasde pessoas que conhecemos ou ouvimos falar”.

O trabalho de que resulta este livro é fruto de uma investigação da autora. Aurora Rego identificou 740 pescadores de águas longínquas que, “com coragem, valentia e risco da própria vida, à mistura com dor e sofrimento, enfrentaram os grandes desafios das travessias, tempestades, ciclones, gelos e duras condições de trabalho.  Falamos quer dos pescadores da linha, envoltos na sua imensa solidão, em pequenos dóris nos mares sem fim, seja dos pescadores do arrasto, cercados nos porões gelados por toneladas de peixe e trabalhando, sem parar, dias consecutivos”.

Das palavras da autora percebe-se uma admiração por estes pescadores: “Todos eles Homens verticais, inteiros, com um coração que transborda como os mares que atravessaram. Homens que lutavam pela própria sobrevivência, mas também pela sobrevivência e melhoria das condições de vida das suas famílias que os esperavam em ansiedade e saudade”.

Aurora Botão Rego é natural de Vila Praia de Âncora. Pertenceu aos quadros da Junta de Turismo de Vila Praia de Âncora, Região de Turismo do Alto Minho, da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte e, atualmente, ao Município de Caminha.

Em 2013 doutorou-se na Universidade do Minho em História, especialidade de Demografia Histórica, com o estudo “De Santa Marinha de Gontinhães a Vila Praia de Âncora. Demografia, Sociedade e Família (1624-1924)”.

O lançamento deste livro faz parte do programa do evento “Viagens à Terra Nova”, que hoje tem início, e que é ele próprio um tributo a todos os pescadores do concelho que andaram na faina do bacalhau.

Para além da homenagem aos mais de 700 pescadores do concelho de Caminha, no Viagens à Terra Nova poderão ser apreciadas as várias formas de confecionar o bacalhau nos restaurantes que aderiram ao “Aposta Bacalhau”, havendo ainda momentos de street art e boa música, para desfrutar até domingo.

PROGRAMAÇÃO

05 A 07 AGOSTO

VIAGENS À TERRA NOVA

STREET ART, MÚSICA, MEMÓRIAS E GASTRONOMIA

SEX 05

22H00

FESTIVAL DA CANÇÃO MARINHEIRA

FESTIVAL BIENAL DE HABANERA E OUTRAS CANÇÕES CUJA TEMÁTICA É O MAR

Orfeão de Vila Praia de Âncora, Agrupación Coral Polifónica de A Guarda – Espanha, Grupo Folclórico Vento Mareiro - Espanha

Local: Forte da Lagarteira

Organização: Orfeão de Vila Praia de Âncora

Apoio: Câmara Municipal de Caminha

SÁB 06

18H00

LANÇAMENTO DO LIVRO “VIAGENS À TERRA NOVA – MEMÓRIAS DE UM TEMPO”, de Aurora Botão Rego

Local: Forte da Lagarteira

Organização: Câmara Municipal de Caminha

DOM 07

22H00

CONCERTO VIAGENS PELO MAR

ODAIKO PERCUSSION GROUP E BANDA MUSICAL LANHELENSE

Local: Praça da República, Vila Praia de Âncora

Organização: Câmara Municipal de Caminha

05 A 07 AGOSTO

APOSTA BACALHAU

GASTRONOMIA

Local:Restaurantes aderentes do Concelho de Caminha

Organização: Câmara Municipal de Caminha

Convitevpppaaa.jpg

VIAGENS À TERRA NOVA DE 5 A 7 DE AGOSTO EM VILA PRAIA DE ÂNCORA COM UM FORTÍSSIMO PROGRAMA DE LAZER E CULTURA

Cerca de três dezenas de restaurantes participam no “Aposta Bacalhau”

De 5 a 7 de agosto, em Vila Praia de Âncora homenageiam-se os mais de 700 pescadores do concelho que andaram na faina do bacalhau, com mais uma edição do Viagens à Terra Nova. O programa apresenta Street Art; um espaço de Memórias, com o lançamento do livro “Viagens à Terra Nova - Memórias de um Tempo”; muita música, com o Festival de Habanera e Outras Canções, e o concerto Viagens pelo Mar; além da boa astronomia, com destaque para a “Aposta Bacalhau”, em cerca de três dezenas de restaurantes.

viagens a terra nova.jpg

Para o Município de Caminha, Viagens à Terra Nova é um tributo a todos os pescadores do concelho que andaram na faina do bacalhau. Mas é também uma forma de atrair visitantes ao concelho e de promover a economia local, sobretudo através do “Aposta Bacalhau”.

Esta edição vai apresentar vários momentos culturais. O certame abre no dia 5 de agosto, no Forte da Lagarteira, com o Festival da Canção Marinheira – Festival Bienal de Habanera e Outras Canções, com a participação do Orfeão de Vila Praia de Âncora, Agrupación Coral Polifónica de A Guarda – Espanha, Grupo Folclórico Vento Mareiro – Espanha. Trata-se de uma organização do Orfeão de Vila Praia de Âncora que conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha. O espetáculo, cuja temática é o mar, vai decorrer pelas 22 horas.

O momento cultural que se segue é o lançamento do livro da historiadora e investigadora ancorense, Aurora Botão Rego, que mostra “o trajeto de 740 pescadores de bacalhau do concelho de Caminha, nomes, rostos, memórias, alcunhas, barcos das viagens rumo a águas longínquas em busca do “fiel amigo” … A sua maioria proveniente da comunidade piscatória de Vila Praia de Âncora.

Enfrentaram tempestades, ciclones, frio, duras condições de trabalho, quer seja os pescadores da pesca à linha, envoltos na sua solidão imensa em pequenos dóris nos mares sem fim, quer seja os pescadores do arrasto, cercados por toneladas de peixe e trabalhando dias consecutivos nos porões gelados.

Todos eles Homens verticais, inteiros, com um coração que transborda como os mares que atravessaram. Homens que lutavam pela própria sobrevivência, mas também pela sobrevivência e melhoria das condições de vida das suas famílias que os esperavam em ansiedade e saudade”. O lançamento deste livor cuja edição pertence à Câmara Municipal de Caminha vai decorrer no dia 6 de agosto, pelas 18 horas, no Forte da Lagarteira.

O evento termina com mais um momento musical, com o Concerto Viagens pelo Mar, com a participação do Odaiko Percussion Group e Banda Musical Lanhelense. Este espetáculo terá lugar no dia 7, na Praça da República, pelas 22 horas.

Para além de todos os momentos culturais de homenagem aos mais de 700 pescadores do concelho de Caminha, no Viagens à Terra Nova o visitante vai poder apreciar-se as várias formas de confecionar o bacalhau, nas três dezenas de restaurantes que aderiram ao “Aposta Bacalhau”. Deixamos aqui algumas sugestões do que vai encontrar nos cardápios dos restaurantes aderentes um pouco por todo o concelho: bacalhau assado no forno em azeite, bacalhau à Rosa do Adro, bacalhau no forno com migas de boroa de milho, bacalhau recheado, bacalhau à D. Antero, línguas de bacalhau com agridoce de tomate, bacalhau na cataplana, bacalhau gratinado com gambas, caras de bacalhau fritas.

PONTE DE LIMA INAUGURA FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER

Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural Preside à Inauguração Oficial – 15 de julho – 18 horas

No âmbito da Feira de Caça, Pesca e Lazer agendada para este fim-de-semana na Expolima, em Ponte de Lima, realiza-se o 1º ciclo de conferências “Respect – Eu Sou Caçador”.

A ação promovida pelo Club de Monteiros CazaGalega em parceria com a Asoción de Clubes e Caza Maior da Galiza e um grupo de profissionais de Enfermagem do Porto, decorre na Expolima, no sábado, 16 de julho, a partir das 11 horas.

Ser caçador nos dias de hoje envolve grandes responsabilidades e, neste contexto, a organização deste I Ciclo de Conferências pretende reforçar este papel junto dos caçadores e da sociedade em geral, abordando os temas “Segurança na Caça Maior” e “Acidentes na Caça e no Monte – Como atuar”.

A temática “Segurança na Caça Maior” será apresentado por Francisco Chan Méndez da Asoción de Clubes e Cazadores de Caza Maior da Galiza. Esta conferência visa transmitir de viva voz um conjunto de práticas já comuns na vizinha Espanha, nomeadamente o uso de roupas de grande visibilidade, o transporte em segurança das armas e a sinalização da zona de montaria, tendo contribuído para a diminuição significativa de acidentes.

A conferência sobre “Acidentes na Caça e no Monte – Como atuar”, pretende elucidar sobre o que fazer e não fazer numa situação de ansiedade provocada pelo acidente.

No período da tarde, a partir das 16 horas realiza-se outra conferência sobre “Gestão Cinegética em Território Nacional da Rede de Paisagem Protegidas” numa iniciativa coordenada pela FENCAÇA – Federação Portuguesa de Caça, tendo como moderador o vice-presidente da FENCAÇA, Galinha Barreto.

Confira o programa desta conferência:

Helena Rio Maior – Investigadora do CIBIO/InBIO

David Rodrigues - Professor de Ciências Florestais e Recursos Naturais, da Escola Superior Agrária de Coimbra.

David Gonçalves - Professor Auxiliar do Departamento de Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto; Investigador do CIBIO/InBIO. Licenciado em Biologia, Mestre em Ciência e Sistemas de Informação Geográfica e Doutorado em Biologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Armando Loureiro – Diretor do Departamento da Conservação da Natureza e Florestas do Norte.

Jacinto Amaro- Presidente da Fencaça.

Recordamos que o Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres, preside à abertura oficial da 8ª Feira de Caça, Pesca e Lazer, na próxima sexta-feira, 15 de julho, às 18 horas, na Expolima.

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural Preside à Inauguração Oficial – 15 de julho – 18 horas

O Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres, preside à abertura oficial da 8ª Feira de Caça, Pesca e Lazer, na próxima sexta-feira, 15 de julho, às 18 horas, na Expolima.

Banner_fadoinbossa_1024x652.jpg

Dotado de um vasto leque de recursos ligados ao setor da caça, pesca e lazer, este evento é promovido pelo Município de Ponte de Lima em parceria com a Escola Profissional de Ponte de Lima com o objetivo de divulgar e promover os produtos e serviços disponíveis do sector e dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe.

Com um programa diversificado, a VIII edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima aposta mais uma vez nos concursos caninos, com a realização do III Concurso de Beldades Caninas e o VI concurso Canino de Beleza de Ponte de Lima.

O II Trofeu de Stº Huberto de Ponte de Lima, a Prova de Pesca no Rio Lima, o II Concurso de Mel de Ponte do Alto Minho e o V Concurso de Mel de Ponte de Lima, o Desfile de Carros Clássicos, a Exibição de Trial Bike, as Demonstrações de Aves, de Pesca, de Cães de Parar, de Disc Dogs e de Demonstrações de Obediência, Ordem Pública, Busca e Salvamento, a cargo da realizada pela Polícia de Segurança Pública – PSP.

Paralelamente, decorrerá no recinto da Feira, desportos de aventura, nomeadamente, tiro ao alvo, air bungee, paredes de escalada, entre outras.

O Concerto de sábado à noite, com o cabeça de cartaz David Fonseca, marca os momentos musicais da feira, com referência ainda para outros apontamentos, nomeadamente com a AM/FF – Academia de Música Fernandes Fão; a Tocata do Rancho Folclórico de São Martinho de Anais, as Concertinas e uma mega aula de zumba.

Com entrada livre e parque de estacionamento gratuito a VIII edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima promete superar as expetativas.

CPL2016_PROGRAMA_400x300 (Small).jpg

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

VIII Feira da Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. 15 a 17 de julho

A VIII Feira de Caça, Pesca e Lazer, inserida no projeto Ponte de Lima ConVida, decorrerá na Expolima entre os dias 15 e 17 de julho. Este evento resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Ponte de Lima e a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, a qual visa divulgar e potenciar todas as atividades ligadas ao setor da Caça, Pesca e Lazer.

CPL_MEL_2016_feira de Caça_2016 (Small).jpg

O Troféu de Santo Humberto de Ponte de Lima é uma das atividades incluídas na programação da Feira de Caça, Pesca e Lazer, que conta já com sete edições bem-sucedidas. Inseridos no programa da Feira da Caça, Pesca e Lazer e dignos de tal estão inseridos diversos concursos, nomeadamente o Concurso de Mel de Ponte de Lima e do Alto Minho, o Concurso Canino de Beleza e o Concurso de Beldades Caninas.

No decorrer deste evento poder-se-á apreciar outras atividades como o Desfile de Carros Clássicos; um Passeio de BTT; demonstrações de Aves, de Pesca, de Cães de Parar, de Disc Dogs e de demonstrações de Obediência; e demonstrações de Ordem Pública, Busca e Salvamento, a cargo da realizada pela Polícia de Segurança Pública – PSP.

Paralelamente, decorrerá no recinto da Feira, deportos de aventura, nomeadamente, tiro ao alvo, air bungee, paredes de escalada.

Pela dinâmica envolvida na Feira da Caça, Pesca e Lazer, há inúmeras empresas e associações dos vários setores que dão mote ao evento, designadamente, Caça, Pesca, Apicultura, Desporto e Lazer, visando a divulgação e promoção dos produtos e serviços disponíveis e dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe.

David Fonseca, com o mais recente álbum “Futuro Eu” é o cabeça de cartaz do concerto agendado para o sábado, 15 de julho, às 22 horas. Com entrada livre e parque de estacionamento gratuito a VIII edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima promete superar as expetativas.

plcacalazerpesca16.jpg

CAMINHA: PESCADORES DE SEIXAS VÃO CONTINUAR ISENTOS DAS TAXAS QUE ERAM DEVIDAS PELAS BARRACAS DE APRESTOS EM SEIXAS

Miguel Alves reafirmou compromisso na reunião descentralizada que aconteceu na freguesia

Os pescadores de Seixas vão continuar isentos das taxas que eram devidas ao Município pela utilização das barracas de aprestos em Seixas. O compromisso foi assumido por Miguel Alves, na última reunião descentralizada que decorreu na freguesia. Também há boas notícias para a marginal e garantias de apoios, na medida das possibilidades da Câmara, para as associações.

Seixas1

A reunião descentralizada decorreu esta semana nas instalações do Centro de Bem Estar Social de Seixas (antiga Casa de São Bento). Além do presidente da Junta de Freguesia, Rui Ramalhosa, intervieram cinco cidadãos, que colocaram diversas questões ao Executivo. Dionísio Rua foi o primeiro a intervir. Falou de assuntos diversos, referindo sobretudo aspetos que gostaria de ver melhorados, entre eles a marginal, reconhecendo a importante obra realizada nos últimos tempos: “em Seixas, de há dois anos e meio para cá tem-se feito muita obra – só não vê quem não quer”.

João Catarino Gonçalves aludiu por sua vez a necessidade de continuar a melhorar as condições na Rua da Rabusca, salientando que é utilizada por muitos idosos, por ser um acesso ao centro da freguesia. Miguel Alves, em resposta, prometeu avaliar o assunto com a Junta de Freguesia e lembrou que a Câmara já interveio nesta artéria, que se situa numa zona de declive, com construção que não foi bem gerida.

Rogério Costa, na qualidade de dirigente do Grupo dos Amigos de Seixas, deu a conhecer as atividades da coletividade, com eventos mensais e que agora tem a sua sede aberta todos os dias. Agradeceu o apoio da Câmara e da Junta e pediu a sua continuação, compromisso que o presidente da Câmara assumiu, dentro do que forem as possibilidades do Município.  

Ilídio Pita, em nome dos pescadores, pediu a continuação da isenção das taxas das barracas de aprestos e referiu-se à necessidade de limpeza da doca. Com a primeira questão prontamente resolvida, com a manutenção da isenção, o presidente da Câmara abordou mais demoradamente o assunto “doca”, complexo, mas cuja solução poderá ser encontrada no âmbito de uma candidatura transfronteiriça, já em curso.

Miguel Alves lamentou que no passado não se tenha percebido a dinâmica das marés e se tenham tomado más decisões, que implicaram investimentos, sendo agora necessário voltar a investir para resolver problemas que subsistem. Explicou que a Câmara optou por um projeto mais abrangente.

Projetos maiores vão ser analisados

Manuel Vilares, presidente do Centro de Bem-Estar Social de Seixas falou em nome da coletividade, colocando essencialmente duas questões, nos âmbitos desportivo e cultural. Lembrou que Seixas foi a capital do hóquei em patins e lamentou que esta prática e tudo o que a ela estava associado fossem “transferidos” para outra freguesia, onde o Executivo anterior, disse, teve de fazer um investimento maior do que teria sido necessário em Seixas. Referiu sentir-se como que “atraiçoado” e com um problema agravado: as instalações desportivas não foram recuperadas e agora estão a degradar-se ainda mais. A necessitar de recuperação também está a antiga Casa de São Bento, onde se pretende criar um espaço multiusos, que acolha o espólio que a coletividade guarda, mas sobretudo para que se possa utilizar, reanimando assim o rancho folclórico.

Miguel Alves concordou que, em ambos os casos, se justifica o melhoramento e a reconversão dos espaços, mas no quadro de uma solução inteligente e bem enquadrada, que só será possível com recurso a fundos comunitários e que terá de ser avaliada em conjunto. Como primeiro passo deixou um desafio: recuperar o rancho, para consolidar outros argumentos no futuro.

Miguel Alves informou também que a Câmara está a trabalhar nas últimas ligações da ecovia, nomeadamente por causa da Quinta da Torre, uma vez que o proprietário não autoriza a passagem do percurso no seu terreno e provou ser o dono do espaço que, por norma, pertence ao domínio público marítimo. O presidente referiu que já existe uma alternativa, estando concluído o respetivo estudo prévio, que implica um investimento da ordem dos 150 mil euros, que será objeto de uma candidatura.

Entretanto, respondendo a uma questão colocada na reunião, o vice-presidente, Guilherme Lagido, informou que estão a ser ultimados os procedimentos para transferir o parque infantil para a marginal, onde ficará num local que é do domínio público marítimo e que por isso carece de autorizações, já solicitadas. O espaço que vai ficar livre será depois arranjado.

Dois anos e meio de muita obra

O primeiro interveniente na reunião descentralizada foi o presidente da Junta de Freguesia, que começou por saudar este segundo encontro, realçando que é uma iniciativa inovadora, que mostra a vontade e a capacidade de diálogo deste Executivo.

Rui Ramalhosa falou demoradamente da freguesia, enaltecendo-a e caraterizando-a como um “anfiteatro natural” marcado pela beleza de muitas edificações, assim como das igrejas e capelas, dos cruzeiros, dos seus tanques e fontanários. Por ser também terra de pescadores e por ter na zona ribeirinha um espaço de grande potencialidade, congratulou-se: “por tudo isto, senhor presidente e senhores vereadores, a marginal de Seixas é tão importante para as gentes da freguesia. Da pesca ao lazer, com a construção da Ecovia Seixas - Lanhelas melhoramos o espaço ajardinado da marginal. Melhoramos a Rua da Boalheira, melhoramos a zona de lazer da Boalheira e fez-se um acesso mais ecológico a Lanhelas (…) as obras da ecovia permitiram abrir um caminho lúdico-ecológico às Pedras Ruivas, zona de praia e lazer, que é muito frequentada por turistas e por desportistas náuticos”.

Rui Ramalhosa sublinhou que “com este Executivo municipal, é a freguesia de Seixas e a sua Junta que decidem que ruas e que obras se fazem na nossa freguesia. Também escolhemos o tempo, quem e como se fazem. Com a diária colaboração entre o Executivo municipal e o Executivo desta freguesia, com o pessoal do Município e com o pessoal desta freguesia resolvem-se os problemas do dia a dia e também prepara o futuro”.

O presidente da Junta recordou ainda o que foi feito, no âmbito da colaboração Câmara – Junta apenas durante o ano de 2016, para não se alongar demasiado.

Enumerou, entre outros, a renovação do tanque do Castanhal, repavimentação do piso no Cais de São Bento, renovação do depósito e tanque da Cabreira, análise de águas de fontes estratégicas de Seixas, reparação das águas pluviais no bairro social de Coura, limpeza do arboreto do Feital, limpeza da floresta e caminhos florestais, pintura do edifício da Assembleia de freguesia, intervenções de manutenção da Casa Mortuária de Seixas, renovação do piso da Travessa do Forno da Cal – Rabusca, pintura e arranjo do cemitério, obras de manutenção dos Coretos de São Bento e Sra. Consolação, colaboração no abate de 35 ninhos de vespa asiática em seixas, alargamento na Rua da Cabreira, repavimentação e renovação da rede de água, repavimentação da Rua da Seara e obras da Ecovia Seixas – Lanhelas.

Finalizou a sua intervenção com um louvor ao pessoal da Junta de Freguesia “pela dedicação ao trabalho de deixar, sempre, Seixas bem limpa e em boas condições. Aos seixenses pela paciência durante os trabalhos efetuados”.

Seixas

PAN ESTÁ PREOCUPADO COM EFEITOS DA POLUIÇÃO MARÍTIMA NA PRESERVAÇÃO DA SARDINHA

PAN aborda o impacto da poluição marítima na saúde pública e a preservação dos stocks da sardinha

  • Recomenda ao governo que declare a costa portuguesa como Área de Emissões Controladas
  • Salvaguardar a saúde pública à semelhança do que foi feito por outros países da Europa
  • Recomenda ao governo que proceda à elaboração de estudo científico sobre as flutuações na abundância da sardinha
  • Variações na abundância da espécie constituem questões para as quais são necessárias respostas

O PAN – Pessoas - Animais - Natureza avança hoje com duas iniciativas legislativas. Por um lado, recomenda ao governo que declare a costa portuguesa como Área de Emissões Controladas, por uma diminuição significativa da poluição atmosférica costeira, uma redução dos custos humanos para as populações, com impactos positivos na saúde pública e financeiros para o Estado. Por outro lado, recomenda ao governo que proceda à elaboração de estudo científico sobre as flutuações na abundância da sardinha.

A velocidade a que se têm acelerado as transações internacionais de mercadorias obriga a que mais e maiores navios naveguem os mares, com elevado impacto na sustentabilidade do planeta. A costa portuguesa é uma das costas mais frequentadas e congestionadas do mundo e, por consequência, uma das que maior poluição atmosférica apresenta. O impacto da poluição atmosférica na saúde pública mantém-se elevado em toda a Europa, mas está a diminuir em geral por via da regulamentação europeia para o controlo das emissões gasosas de fontes de emissão terrestres. No entanto, as emissões gasosas devidas ao aumento do tráfego marítimo internacional nas costas europeias continuam a aumentar, gerando impactos na saúde pública das populações costeiras em diversos países, nomeadamente cancro, asma, ataques cardíacos e mortalidade prematura.

As emissões de partículas emitidas pelos navios a nível mundial têm impactos na saúde. Calcula-se que as despesas de saúde na Europa devidas à contribuição das emissões de poluentes originadas pelo Shipping deverão aumentar dos 7% em 2000, ou seja, € 58,4 mil milhões de euros, para 12% em 2020, atingindo um valor de cerca de € 64,1 mil milhões de euros.

De forma a mitigar o impacto das emissões gasosas originadas pelos navios, vários países da Europa (Reino Unido, Alemanha, França, Bélgica, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Estónia, Letônia, Lituânia, Polônia e Alemanha), implementaram Áreas de Emissões Controladas (designadas de modo abreviado por ECA’s), só podendo circular na sua costa os navios que navegam a gasóleo (com baixo teor de enxofre) ou a combustível pesado (Heavy Fuel Oil) desde que com sistemas de tratamento de gases.

Em Portugal, não existem indicadores estatísticos que permitam aferir qual o número de óbitos relacionados com as patologias diretamente associadas às emissões de partículas, pela queima de combustíveis. Dado o elevado tráfego de navios ao longo da costa nacional, com tendência clara para aumentar ainda mais, pelo menos até 2020, e dado que tal facto acarreta custos humanos é necessário atuar para contrariar a atual situação, pelo que a declaração de toda a costa portuguesa como zona de emissão controlada, à semelhança do que foi feito por outros países para melhorarem a qualidade do ar, seria um primeiro passo bastante relevante.

Por outro lado, a sardinha, a espécie mais capturada em Portugal, tem apresentado flutuações periódicas na sua abundância, não se conhecendo a causa ou causas para esse facto. Até 2011, as capturas de sardinha situavam-se acima das 50 mil toneladas, iniciando-se após aquele ano uma quebra acentuada.

Segundo a Nota de Imprensa sobre “Campanha da Sardinha em 2016” divulgada pelo Gabinete da Ministra do Mar, foi determinada a realização de um cruzeiro científico sobre a sardinha, tendo os dados apurados demonstrado um aumento da biomassa de sardinha, ou seja, cada vez existem menos sardinhas e um aumento considerável do recrutamento, ou seja, não estão a nascer sardinhas. Assim, foi determinado como limite de capturas as 10 mil toneladas até Julho, sendo esperado pelo Governo que os níveis de captura sejam revistos em alta, o que permitirá atingir as 19 mil toneladas até ao final do ano. As variações na abundância desta espécie constituem questões para as quais tem que se saber dar resposta. É necessário conhecer cientificamente e de modo aprofundado a espécie, para melhor compreender os efeitos das pressões antropogénicas e ambientais sobre os organismos e o ambiente marinho em geral.

OPEN INTERNACIONAL DE PESCA Á PLUMA REALIZA-SE EM ARCOS DE VALDEVEZ

Prova conta com a participação de dois campeões do Mundo e dois campeões da Europa

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez e a Federação Portuguesa de Pesca Desportiva celebraram recentemente um protocolo de colaboração, tendo em vista a realização do Open Internacional de Pesca à pluma do Alto Minho na componente do Rio Vez, nos dias 7, 8, 9 e 10 de abril de 2016.

pesca_pluma

O Open de Pesca à Pluma Alto Minho surge na linha de evolução desta modalidade em crescimento em Portugal. A significante interação entre a Economia Local, o Turismo e o Desporto, confere uma sustentabilidade interessante a esta modalidade, tanto para os pescadores como para os Concelhos envolvidos.

Com este Open pretende-se potenciar esta modalidade na Região do Alto Minho, mais concretamente, nos Concelhos dos Arcos de Valdevez e de Paredes de Coura, atraindo assim interessados da Região para iniciar esta modalidade; e, aliar o potencial enorme dos Rios presentes nestes concelhos (mais concretamente o Rio Vez e o Rio Coura), com a gastronomia e paisagens que oferecem, para assim, brindar aos participantes e acompanhantes deste torneio, não só um bom momento desportivo, mas também uns dias de excelente proveito gastronómico e turístico.

O Open, além de pôr à prova a qualidade de cada pescador, tem como fim, testar o companheirismo e trabalho de equipa no desporto, isto porque, no Open de Pesca à Pluma Alto Minho a competição será entre equipas de 2 elementos.

Desde a divulgação e promoção do Open Internacional de Pesca à Pluma Alto Minho que a adesão e procura por pescadores tem sido enorme, superando as espectativas iniciais da organização do evento. Esta “surpreendente” adesão levou ao preenchimento de todas as vagas disponíveis em pouco mais de um mês.

O Open terá assim 32 equipas e um total de 80 participantes entre pescadores e acompanhantes, entre estes existem participantes portugueses, espanhóis e sérvios, sendo que vários destes pescadores representam/representaram a seleção nacional do país nativo.

A proximidade com Espanha permite uma maior adesão de pescadores espanhóis ao Open, recheando o evento de pescadores com muita qualidade, e quem sabe um dia, que desta proximidade e da boa relação possa resultar um Open Internacional com rios portugueses e rios espanhóis em simultâneo.

A Organização agradece a todos os participantes e interessados e deseja que estes desfrutem e levem boas memórias do Open Internacional de pesca à Pluma Alto Minho.

assinatura_protocolo_pesca_pluma

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESCA QUER DAR NOVA VIDA AOS RIOS CÁVADO E HOMEM

A Associação Portuguesa de Pesca (APP) é uma coletividade sedeada na freguesia de Soutelo, concelho de Vila Verde, criada com o intuito de contribuir para a formação e educação nos domínios haliêuticos e ambientais, a promoção da pesca lúdica e desportiva e a defesa dos direitos dos seus praticantes, no sentido de colmatar um conjunto de necessidades nesta matéria. Além das vertentes desportivas e ambiental, a APP tem também como desígnio a valorização de divulgação do território, levando os seus predicados a afirmarem-se como um atrativo turístico capaz de contribuir para a dinamização da economia local.

Monitorizar o rio, protegendo fauna e flora

Uma estratégia clara de valorização e promoção das zonas à beira rio, assente na ideologia de que os recursos naturais das freguesias são uma das suas marcas identitárias e distintivas. “Os rios são uma das nossas grandes riquezas e devemos tirar partido das suas potencialidades para melhorar a qualidade de vida das nossas populações e atrair visitantes para a região”, afirmou o presidente da APP, Filipe Silva, que convidou desde pescadores de todo o país a virem conhecer “as encantadoras paisagens naturais das margens do Cávado e Homem”.

Outro dos desígnios da associação é a proteção e monitorização dos rios, punindo e erradicando práticas que vêm asfixiar a proliferação dos ecossistemas, por um lado, e contactando no terreno com os atores locais, apresentando um conjunto de soluções em matéria de preservação e salvaguarda do património ambiental na região em que se insere que vão desde a preservação das massas de água, até à salvaguarda da fauna e flora nela existentes.

Academia de Pesca está na forja

Para alcançar os objetivos traçados, a associação propõe já um conjunto concreto de medidas. A promoção, dentro e fora de portas, da imagem nacional no domínio haliêutico é um dos pergaminhos que vão nortear a ação da APP, com os benefícios diretos que daí advêm para o turismo e para a economia. A criação concessões de pesca, a certificação de guias de pesca desportiva e lazer e a aproximação de interesses públicos e privados, com vista ao desenvolvimento económico e tecnológico no domínio haliêutico, são outras das metas que norteia a atuação da coletividade.

Destaque ainda para um projeto altamente inovador na região e em todo o país, a criação de uma Academia de Pesca. Este Centro de Formação, a nível nacional, será o pólo por excelência, da formação dos Guias de Pesca em Portugal e de todos os quantos queiram melhorar os seus conhecimentos e competências técnicas na arte da pesca. A APP pretende assim ser um elemento agregador e impulsionador e, durante o ano de 2016, pensa já poder apresentar uma série de ações de formação, e desde logo, apresentar o primeiro grupo de Guias de Pesca, devidamente formados e acreditados, sendo reconhecidos a nível internacional para o efeito.

Zonas de pesca sem morte

A APP é detentora neste momento por uma Concessão de Pesca Desportiva no Rio Cávado e está a escassos dias de ver oficializada uma concessão no Homem. A associação tem à sua responsabilidade um troço de rio que começa, a montante, na boca de saída do túnel de restituição da Barragem da Caniçada e termina, a jusante, na pesqueira de Navarra. Durante o exercício da pesca os pescadores desportivos devem fazer-se sempre acompanhar dos seguintes documentos: Licença de Pesca Desportiva válida para a zona de concessão; Licença especial Diária, modelo do ICNF, da concessão de pesca do Rio Cávado - APP; Bilhete de Identidade ou cartão do cidadão ou passaporte.

A zona está divida em quatros lotes e introduz um conceito inovador, a pesca sem morte. Tal como o nome indica, significa que é proibida a pesca morte em dois dos quatro lotes existentes, com o propósito de proteger as espécies e os ecossistemas. Este ano, o período de pesca desportiva na concessão da APP no Rio Cávado tem início a 1 de Março de 2016 e termina a 31 de Julho de 2016, é permitida a pesca em todos os dias da semana, mas cada pescador apenas poderá capturar, com morte, 5 trutas por dia, no lote 1 ou lote 3, com comprimento mínimo de 22 cm.

Benefícios para os sócios APP

As inscrições para sócio da APP podem ser efetuadas na sede da APP, (Soutelo - Vila Verde), nos ‘Frescos de Navarra’ (Navarra - Braga), no Restaurante o Campino (Lago - Amares), Café ABBA (Póvoa de Lanhoso), Junta de Freguesia de Ferreiros (Ferreiros, Amares), locais onde devem também ser adquiridas as licenças especiais de pesca. P consultar regulamentos, editais e outras informações úteis basta aceder a facebook.com/associaçãoportuguesadepesca. Os não sócios podem apenas retirar licenças especiais de pesca diária, com custo de dois euros para residentes nos concelhos abrangidos pela concessão (Braga, Amares e Póvoa de Lanhoso) e de cinco euros para não residentes. Os sócios da APP podem adquiri a título totalmente gratuito, uma licença especial de pesca válida para um mês completo.

NAVIO HOSPITAL GIL EANNES COMEMORA 18 º ANIVERSÁRIO DA CHEGADA A VIANA DO CASTELO

No próximo dia 31 de Janeiro, a Fundação Gil Eannes comemora o 18º aniversário do regresso do Navio Hospital Gil Eannes a Viana do Castelo.

6 N Gil Eannes _entrada docas dos Estaleiros Navai

Para assinalar a data, a Fundação Gil Eannes tem programado para o dia 31 de Janeiro:

9H30 às 18H00 - Visitas gratuitas ao navio museu

18H00 - Apresentação dos livros do Comandante Valdemar Aveiro “80 Graus Norte - Recordações da Pesca do Bacalhau “, “Histórias Desconhecidas dos Grandes Trabalhadores do Mar - Recordações da Pesca do Bacalhau “,”Murmúrios do Vento - Recordações da Pesca do Bacalhau “ e ”Ecos do Grande Norte - Recordações da Pesca do Bacalhau “

- Visita à requalificação do Bloco Operatório do Navio Gil Eannes

- Dramatização -“Ah, Mar d’um Cão!”

                               ATIVAjúnior / ATIVAsénior / Enquanto Navegávamos

                               Teatro do Noroeste – CDV | Projeto Comunidade

9 N Gil Eannes_atracado doca comercial de Viana do

O Navio Hospital Gil Eannes foi construído nos Estaleiros de Viana do Castelo em 1955, tendo como missão apoiar a frota bacalhoeira portuguesa nos mares da Terra Nova e Gronelândia.

A sua principal função foi prestar assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira mas também foi navio capitania, navio correio, navio rebocador, garantindo abastecimento de mantimentos, redes, isco e combustível aos navios da pesca do bacalhau.

O Gil Eannes encontra-se aberto ao público como navio museu desde agosto de 1998 e ao longo destes anos já foi visitado por mais de 708 mil visitantes.

Sala operações - gileannes - após reabilitaçã

AQUAMUSEU DO RIO MINHO APRESENTA “FANTASMAS DO LITORAL NORTE”

O Aquamuseu do Rio Minho acolhe, entre 23 de Janeiro e 14 de Fevereiro, a exposição “Fantasmas do Litoral Norte", com o objetivo de sensibilizar para o problema das artes de pesca abandonadas nos oceanos, tomando como referência o Litoral Norte, área de intervenção do projeto.

Contribuindo para o aumento do Lixo Marinho, as artes de pesca causam impacte sobre a biodiversidade marinha, representando verdadeiras armadilhas para muitos animais aquáticos. Devido ao lento processo de degradação, a ação destas artes perdura no tempo…indefinidamente.

A exposição “Fantasmas do Litoral Norte" integra o projeto “Redes Fantasma: Artes de pesca abandonadas, perdidas e descartadas: contributos para a prevenção, atenuação, remediação e consciencialização de impactos no Litoral Norte”, promovido pela Câmara Municipal de Esposende e financiado pelo PROMAR.

São ainda parceiros deste projeto, entre outros, o Centro de Mergulho e Ecologia Marinha de Esposende e o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto.

POLÍCIA MARÍTIMA APREENDE ARTES DE PESCA ILEGAIS EM VILA PRAIA DE ÂNCORA

O Comando-local da Polícia Marítima de Caminha, durante uma ação de fiscalização na noite de ontem, dia 29 de dezembro, apreendeu 40 artes de pesca, nomeadamente 34 Nassas, 2 Covos e 4 Redes, no Portinho de Vila Praia de Âncora.

As artes foram apreendidas como medida cautelar de polícia, por apresentarem malhagem ilegal e se encontrarem estacadas em local onde a pesca é proibida.

Fonte: http://www.amn.pt/

DOCUMENTÁRIO EVOCA SAGA HISTÓRICA DA PESCA DO BACALHAU

“Nos Mares da Memória” - apresentação de documentário

No Museu Marítimo de Ílhavo, foi apresentado em sessão de estreia, no passado dia 11 de dezembro, pelas 21.30 horas, o filme “Nos Mares da Memória”, com realização de Rui Bela e guião de Senos da Fonseca, sobre a história da pesca do bacalhau enobrecida pelos portugueses.

Foto3 - Presidente da Fundação

Iniciativa que contou com a presença do Presidente da Fundação Gil Eannes acompanhado por membro da Administração, num auditório do museu repleto, com a presença da autarquia de Ílhavo e muitos curiosos da temática, historiadores e protagonistas da faina do bacalhau, numa sessão que demonstrou notoriamente o grande interesse que o assunto desperta nas pessoas.

“Nos Mares da Memória” contou com a colaboração de especialistas desta área da saga dos bacalhaus, nomeadamente, Senos da Fonseca, Valdemar Aveiro, António Marques da Silva, Vitorino Ramalheira, João David Marques, todos com obra publicada sobre múltiplas facetas e ainda, em parceria com a Fundação Gil Eannes e a Câmara Municipal de Viana do Castelo, que reconheceram neste trabalho a importância destacada pelos Vianenses que marcaram a história dos grandes navegadores e da pesca do bacalhau.

Foto2 - assistencia

O realizador referiu que “Se Portugal tivesse que enumerar alguns dos seus feitos mais gloriosos, a descoberta dos mares gelados da Terra Nova e da Gronelândia, bem como a pesca do bacalhau no século XV, seriam seguramente dois deles”. E acrescentou que, ao longo de cinco séculos de história, “os portugueses levaram mais longe o conhecimento nas artes da navegação e da pesca”.

Rui Bela deixou provas neste trabalho que os portugueses foram “os primeiros colonizadores dessas terras tão longínquas”, onde “deixaram marcas profundas na cultura local”, nomeadamente o Vianense João Alvares Fagundes considerado o primeiro colonizador da Terra Nova e salientou a inovação na construção naval, “considerada a melhor por exímios navegadores”.

O filme, com a duração de 66 minutos, mostrou à sociedade a dureza da vida dos pescadores do bacalhau através dos séculos, referindo que “escasseiam as vivências dos que as experienciaram com tantos sacrifícios e dedicação”.

Em Viana do Castelo está prevista a apresentação pública deste documentário, em finais de janeiro, aquando do aniversário do regresso do Navio Gil Eannes à cidade que o viu nascer.

Foto1 - assistencia

GOVERNO PROÍBE PESCA DA SARDINHA EM PENICHE E NAZARÉ

Tratado de Lisboa entregou a Bruxelas a gestão dos recursos marinhos da ZEE Portuguesa

A partir deste momento e até ao final do ano, os pescadores e armadores de Peniche e Sesimbra estão proibidos de pescar sardinha na costa portuguesa. Mais de três centenas de pescadores e 20 empresas do sector têm o futuro em risco. Em causa está o Plano de Acção da Pesca da Sardinha que fixa a quota limite de captura, de acordo com as diretivas da União Europeia.

1278500_584453134951093_173487309_n

Esta medida não irá afetar a indústria conserveira nacional uma vez que esta tem é abastecida sobretudo por empresas pesqueiras de Espanha, França e Marrocos que não conhecem as mesmas limitações.

Recorde-se a propósito que o Tratado de Lisboa transferiu para Bruxelas a gestão dos recursos marinhos da Zona Económica Exclusiva de Portugal.

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/

“VIAGENS À TERRA NOVA” PERMITIU VILA PRAIA DE ÂNCORA ESTREITAR RELAÇÕES COM A GUARDA

Certame encerra domingo mas ainda há muito para ver e desfrutar

A edição 2015 das “Viagens à Terra Nova” permitiu estreitar relações com o vizinho concelho de A Guarda, de onde eram oriundos os primeiros pescadores que começaram a organizar-se, enquanto comunidade, em Vila Praia de Âncora. A partir de agora, a toponímia da Vila imortaliza esses laços, no “Passeio de A Guarda”, inaugurado com a presença dos presidentes das câmaras de Caminha e de A Guarda. O evento permitiu também homenagear 723 pescadores que andaram na pesca do bacalhau. Lazer, cultura e gastronomia juntaram-se neste certame, que tem ainda muito para oferecer, até ao próximo domingo.

Viagem

O evento Viagens à Terra Nova começou a 31 de julho e encerra no próximo domingo, dia 9 de agosto. São mais três dias repletos de motivos para ir até Vila Praia de Âncora e ver as exposições, assistir à conferência de amanhã, com Abel Coentrão, ouvir música ou ver cinema.

Para o futuro vai ficar a informação e a memória e vão permanecer também dois novos topónimos, que enriquecem a Vila. Um deles é o “Largo do Porto Novo”, junto à lota, que formaliza uma designação que já era utilizada pelos mais conhecedores, sobretudo comunidade piscatória, e que recorda o pequeno molhe construído nos anos 50.

A origem galega dos pescadores

O outro topónimo, porém, tem um significado especial. O “Passeio de A Guarda” celebra a origem da comunidade piscatória de Vila Praia de Âncora e da própria população. A descoberta aconteceu recentemente, durante uma investigação científica de Aurora Rego, no âmbito de um doutoramento. Ao estudar três séculos de história da Vila, cruzando registos paroquiais e apurando uma grande árvore genealógica, a investigadora deparou, em 1825, com um nome – António Verde. Este homem, um pescador vindo de A Guarda, acabou por ser o ponto de partida para uma descoberta extraordinária sobre as raízes de Vila Praia de Âncora.

Viagem1

É que, com António Verde veio a família e a seguir mais 61 pescadores e as suas famílias, que acabaram por ser determinantes para o desenvolvimento da pesca e para a expansão demográfica. Os apelidos destes galegos encontram-se hoje numa grande parte da população da Vila, havendo centenas ou, quem sabe, milhares de descendentes dos galegos de A Guarda.

Para o alcaide de A Guarda, a descoberta foi uma boa surpresa. António Lomba sublinhou, na altura da inauguração do “Passeio de A Guarda”, saber da existência de uma relação entre as comunidades mas desconhecer que era tão profunda. Motivos acrescidos, referiu, para melhorar ainda mais as relações entre os concelhos de Caminha e A Guarda, “agora que somos parentes”.

Também Miguel Alves frisou a importância dos dois concelhos formarem uma família cultural, geográfica e agora “de sangue”.  

Um certame de elevado impacto mediático

“Viagens à Terra Nova” teve como objetivo principal homenagear mais de 700 pescadores do concelho que andaram na faina do bacalhau. O certame conta várias exposições temáticas, cinema ao ar livre, música e conferências. Para além inúmeras propostas culturais, a gastronomia é uma grande aposta e os apreciadores de bacalhau estão a aderir.

O evento teve ainda um momento musical especial, o “Fado Forte”, sábado passado, com a atuação de Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns, no Forte da Lagarteira.

“Viagens à Terra Nova” é um dos eventos do “Verão Azul”, marca deste verão cultural que é inspirada nas Bandeiras Azuis que testemunham a qualidade de todas as praias do concelho.

A sua importância pode também ser aferida pelo impacto que está a suscitar junto dos média, incluindo reportagens em televisões nacionais e espaços em programas de televisão em direto, caso da RTP, onde o certame foi desenvolvidos em duas vertentes, homenagem e gastronomia, ocupando quase meia hora de emissão no “Portugal em Direto”.

Viagem2

Mas quem não participou ainda nas “Viagens à Terra Nova” ainda está a tempo, até domingo há muitas e boas razões.

31 JULHO A 09 AGOSTO

VIAGENS À TERRA NOVA

Exposições, viagens, património, tradição, cinema, conferências, animação, fado forte, gastronomia, bacalhau

Local: Vila Praia de Âncora

Organização: Câmara Municipal de Caminha

EXPOSIÇÕES

31 julho a 09 agosto

"CUBO DA MEMÓRIA"

Local: Praça da República

Vila Praia de Âncora presta tributo aos pescadores da pesca do bacalhau com uma exposição temporária, intitulada "Cubo da Memória" através de fotografia dos rostos dos pescadores e projeção multimédia de documentários, entrevistas e dados estatísticos.

"EVOLUÇÃO DA PESCA DO BACALHAU EM PORTUGAL"

Local: Posto de Turismo de Vila Praia de Âncora

Horário: 09H30 às 13H00 / 14H00 às 17H30

Exposição de fotografia e mostra/venda de publicações sobre a pesca do bacalhau

"ROSTOS DAS VIAGENS"

Local: Avenida Ramos Pereira

Exibição de mais de 700 fotografias dos pescadores e marinheiros do concelho de Caminha, que fizeram da "grande pesca" o seu modo de vida. Esta mostra é um tributo aos valorosos homens de Vila Praia de Âncora e de outras freguesias do concelho de Caminha, de forma a inscrever na memória coletiva os nomes e imagens dos protagonistas desta "Faina Maior" nas "Viagens à Terra Nova".

"BARCOS DAS VIAGENS"

Local: Avenida Ramos Pereira

Exposição de imagens das embarcações onde navegaram os pescadores e marinheiros do concelho de Caminha na pesca do bacalhau, nos mares da Terra Nova.

GASTRONOMIA

SEX 31 julho a 09 agosto

Restaurantes aderentes do concelho de Caminha

"Aposta Bacalhau"

Venha conhecer e saborear as nossas especialidades de bacalhau.

PROGRAMA DETALHADO – DIAS 7, 8 E 9 AGOSTO

SEX 07 | 22H00

Cinema ao ar livre

Moby Dick - John Huston, 1956, EUA, m/12

Local: Praça da República

SÁB 08 | 18H00

"MEMÓRIAS VISUAIS DA GRANDE PESCA"

Conferência

Abel Coentrão, jornalista do jornal Público e presidente da Associação Cultural "Bind'ó Peixe"

Pedro Magano, produtor e realizador de cinema

Local: Loja de Aprestos, Campo do Castelo

SÁB 08 | 22H00

Cinema ao ar livre

Argaço - Carlos Eduardo Viana, 2012, Portugal

Local: Praça da República

A partir de depoimentos de sargaceiros, de agricultores, de investigadores e de empresários, de imagens de arquivo e da atividade que ainda subsiste, o filme mostra a importância económica que teve a apanha do sargaço no litoral norte, entre Carreço e Apúlia.

DOM 09 | 21H30

Recital de encerramento com guitarra e poesia

Academia de Música Fernandes Fão

Local: Praça da República

DOM 09 | 22H00

Cinema ao ar livre

O velho e o mar - John Struges, 1958, EUA

Local: Praça da República

Fado Forte

PESCADORES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGRESSAM À TERRA NOVA

VIAGENS À TERRA NOVA ARRANCA HOJE EM VILA PRAIA DE ÂNCORA

Fado Forte com Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns é um dos pontos altos do certame

Arranca hoje em Vila Praia de Âncora o certame Viagens à Terra Nova que visa homenagear os 700 pescadores do concelho que andaram na faina do bacalhau. O certame prolonga-se até ao dia 9 de agosto e conta várias exposições temáticas, cinema ao ar livre, música e conferências. Para além das propostas culturais, a gastronomia é a grande aposta do certame. O ponto alto é o “Fado Forte” já amanhã, com a atuação de Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns. O Viagens à Terra Nova abre às 18h00, com a conferência “Viagens à Terra Nova – Memórias do Gil Eannes”.

O Viagens à Terra Nova é uma das marcas do “Verão Azul” do concelho. Exposições temáticas “Cubo da Memória”, “Evolução da Pesca do Bacalhau em Portugal”, “Rostos das Viagens” e “Barcos das Viagens”; cinema ao ar livre com a projeção dos filmes “A Campanha do Argus”, “The perfect storm”, “Argaço” e o “O Velho e o Mar”; conferências “Viagens à Terra Nova – Memórias do Gil Eannes”, “8 séculos de língua portuguesa” e “Memórias Visuais da Grande Pesca”, projeção de vídeo “Testemunhos na primeira pessoa sobre e Fado Forte com Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns vão marcar esta segunda edição.

Para além de todos os momentos culturais de homenagem aos 700 pescadores, no Viagens à Terra Nova, o visitante vai poder apreciar as várias formas de confecionar o bacalhau nas cerca de 4 dezenas de restaurantes, que aceitaram o desafio do município de Caminha para participar no “Aposta Bacalhau”. Bacalhau com broa e alheira, bacalhau gratinado com gambas, bacalhau no pão à rio Minho, línguas de bacalhau com agridoce de tomate, são algumas das especialidades que vai encontrar num dos restaurantes aderentes.

Para além da música, do cinema e das conferências, o Viagens à Terra Nova conta com uma exposição patente ao longo de toda a Avenida dr. Ramos Pereira, onde poderão ver-se os “Rostos das viagens”, mais de 700 homens, assim como os “Barcos das Viagens” e apreciar a própria evolução da pesca do bacalhau.

Também a Praça da República será transformada num emocionante espaço de homenagem, com o Cubo da Memória, mas também acolherá o cinema e alguns momentos musicais. Outros espaços do Viagens à Terra Nova localizam-se ainda junto ao mar. São eles o Posto de Turismo e a Loja de Aprestos, no Campo do Castelo, na zona do Portinho de Vila Praia de Âncora.

O certame abre esta tarde, às 18h00, com a com a conferência “Viagens à Terra Nova – Memórias do Gil Eannes”, a cargo de Barros Pereira, médico no navio-hospital Gil Eannes e Mário Esteves, filho do comandante Mário Esteves. A conferência vai decorrer na Loja de Aprestos, Campo do Castelo. Às 21h30, na Praça da República terá lugar um Recital de guitarra e poesia música pela Academia de Música Fernandes Fão. A noite termina com cinema ao ar livre.

Amanhã, dia 1 de agosto, o Forte da Lagarteira vai servir de cenário ao Fado Forte que vai juntar os fadistas Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns. O concerto começa às 22 horas. Contudo, da parte da manhã, vai decorrer a inauguração do Passeio de A Guarda e Largo do Porto Novo.

CAMINHA HOMENAGEIA PESCADORES QUE ANDARAM NA PESCA DO BACALHAU

MUNICÍPIO DE CAMINHA HOMENAGEIA MAIS DE 700 PESCADORES NUMA GIGANTESCA EXPOSIÇÃO JUNTO À PRAIA DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

A partir de 31 de julho e até 9 de agosto. “Viagens à Terra Nova” começa sexta-feira e inclui exposições, cinema, música, conferências, animação e gastronomia centrada no bacalhau

A Avenida dr. Ramos Pereira e a Praça da República, em Vila Praia de Âncora, vão transformar-se, durante 10 dias, num grande espaço de homenagem a mais de sete centenas de pescadores do concelho, que andaram na pesca do bacalhau, nos mares da Terra Nova.

Os rostos dos homens do mar, as imagens das embarcações, livros, aprestos e outros elementos ligados à faina estarão em exposição nos dois espaços. Mas as “Viagens à Terra Nova”, evento que decorrerá entre 31 de julho e 9 de agosto, incluem conferências, cinema ao ar livre, música e gastronomia, com o bacalhau como prato principal, confecionado de múltiplas maneiras, em dezenas de restaurantes do concelho, que aceitaram o desafio do município de Caminha para participar no “Aposta Bacalhau”.    

Durante os últimos meses, o município de Caminha ouviu e enquadrou, em formato vídeo, testemunhos na primeira pessoa sobre os rostos dos protagonistas das viagens à Terra Nova. Antigos pescadores e/ou familiares recordaram connosco tempos de trabalho árduo nos bancos gelados da Terra Nova e da Gronelândia, na “grande pesca”.

O objetivo da Câmara de Caminha foi registar e guardar para memória presente e futura os testemunhos deste valoroso património marítimo imaterial, que constituiu a pesca do bacalhau para a nossa comunidade. Os relatos surgem agora emocionados, revivendo tempos difíceis e incertos.

Este trabalho vai ser divulgado durante o evento, mas haverá também cinema ao ar livre, com a exibição de filmes sobre a temática. Destaque para a exposição que estará patente ao longo de toda a Avenida dr. Ramos Pereira, junto ao mar e à praia de Vila Praia de Âncora. Aqui poderão ver-se os “Rostos das viagens”, mais de 700 homens, assim como os “Barcos das Viagens” e apreciar a própria evolução da pesca do bacalhau.

A Praça da República será transformada num emocionante espaço de homenagem, com o Cubo da Memória, mas também acolherá o cinema e alguns momentos musicais. Outros espaços do Viagens à Terra Nova localizam-se ainda junto ao mar. São eles o Posto de Turismo e a Loja de Aprestos, no Campo do Castelo, na zona do Portinho de Vila Praia de âncora.

Destaque ainda para o Fado Forte, uma noite de fados muito especial, já no próximo sábado, dia 1 de agosto, que terá como cenário o Forte da Lagarteira, junto ao mar. O velho Forte acolherá os fadistas Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns.

Esta é a segunda edição do evento “Viagens à Terra Nova”, num novo formato, mais rico, que se multiplica por diversos espaços. A organização é da Câmara Municipal de Caminha.

31 JULHO A 09 AGOSTO

VIAGENS À TERRA NOVA

Exposições, viagens, património, tradição, cinema, conferências, animação, fado forte, gastronomia, bacalhau

Local

Vila Praia de Âncora

Organização

Câmara Municipal de Caminha

EXPOSIÇÕES

31 julho a 09 agosto

“CUBO DA MEMÓRIA”

Local: Praça da República

Vila Praia de Âncora presta tributo aos pescadores da pesca do bacalhau com uma exposição temporária, intitulada “Cubo da Memória” através de fotografia dos rostos dos pescadores e projeção multimédia de documentários, entrevistas e dados estatísticos.

“EVOLUÇÃO DA PESCA DO BACALHAU EM PORTUGAL”

Local: Posto de Turismo de Vila Praia de Âncora

Horário: 09H30 às 13H00 / 14H00 às 17H30

Exposição de fotografia e mostra/venda de publicações sobre a pesca do bacalhau

“ROSTOS DAS VIAGENS”

Local: Avenida Ramos Pereira

Exibição de mais de 700 fotografias dos pescadores e marinheiros do concelho de Caminha, que fizeram da “grande pesca” o seu modo de vida. Esta mostra é um tributo aos valorosos homens de Vila Praia de Âncora e de outras freguesias do concelho de Caminha, de forma a inscrever na memória coletiva os nomes e imagens dos protagonistas desta “Faina Maior” nas “Viagens à Terra Nova”.

“BARCOS DAS VIAGENS”

Local: Avenida Ramos Pereira

Exposição de imagens das embarcações onde navegaram os pescadores e marinheiros do concelho de Caminha na pesca do bacalhau, nos mares da Terra Nova.

GASTRONOMIA

SEX 31 julho a 09 agosto

Restaurantes aderentes do concelho de Caminha

“Aposta Bacalhau”

Venha conhecer e saborear as nossas especialidades de bacalhau.

PROGRAMA DETALHADO

SEX 31 | 18H00

“Viagens à Terra Nova – Memórias do Gil Eannes”

Conferência

Dr. Barros Pereira, médico no navio-hospital Gil Eannes

Mário Esteves, filho do comandante Mário Esteves

Local: Loja de Aprestos, Campo do Castelo

SEX 31 | 21H30

Recital de guitarra e poesia música

Academia de Música Fernandes Fão

Local: Praça da República

SEX 31 | 22H00

Cinema ao ar livre

A campanha do Argus, de Alan Villiers

Produção: município de Ílhavo / Museu Marítimo de Ílhavo

Local: Praça da República

Documentário sobre a pesca do bacalhau por homens e navios portugueses na campanha de 1950, realizado por Alan Villiers.

A Campanha do Argus permite entender os múltiplos significados deste património singular e desvendar a relação interessada do Estado Novo com o drama épico da pesca do bacalhau.

SÁB 01 | 12H00

Inauguração do Passeio de A Guarda e do Largo do Porto Novo

local: zona do Portinho

SÁB 01 | 18h00

“8 séculos de Língua Portuguesa”

Conferência

Ana Laíns, embaixadora das comemorações dos 8 séculos de Língua Portuguesa

Local: Loja de Aprestos, Campo do Castelo

SÁB 01 | 22H00

FADO FORTE

Elsa Gomes, Miguel Xavier e Ana Laíns

Local: Forte da Lagarteira

No concelho de Caminha, o mês de agosto começa com Fado. Num ambiente místico, com o Forte da Lagarteira e o oceano Atlântico como pano de fundo, Ana Laíns, Miguel Xavier e Elsa Gomes vão encantar no concerto Fado Forte.

DOM 02 AGOSTO | 22H00

Cinema ao ar livre

The perfect storm – tempestade Wolfgang Petersom, 2000, EUA, m/12

Local: Praça da República

SEG 03 AGOSTO | 22H00

Testemunhos na primeira pessoa sobre as viagens à Terra Nova - I

Projeção de vídeo

Local: Praça da República

Entrevistas aos pescadores do concelho de Caminha que fizeram as Viagens à Terra Nova. A bravura destes grandes homens que venceram os bancos gelados da Terra Nova e da Gronelândia, na “grande pesca”, transparece-lhes na voz e no sentimento, como registo deste valoroso património marítimo imaterial.

TER 04 | 22H00

Testemunhos na primeira pessoa sobre as viagens à Terra Nova - II

Projeção de vídeo

Local: Praça da República

QUA 05 | 22H00

Cinema ao ar livre

Um peixe fora de água - Wes Anderson, 2000, EUA, m/12

Local: Praça da República

QUI 06 | 22H00

Testemunhos na primeira pessoa sobre as viagens à Terra Nova - III

Projeção de vídeo

Local: Praça da República

SEX 07 | 22H00

Cinema ao ar livre

Moby Dick - John Huston, 1956, EUA, m/12

Local: Praça da República

SÁB 08 | 18H00

“MEMÓRIAS VISUAIS DA GRANDE PESCA”

Conferência

Abel Coentrão, jornalista do jornal Público e presidente da Associação Cultural “Bind’ó Peixe”

Pedro Magano, produtor e realizador de cinema

Local: Loja de Aprestos, Campo do Castelo

SÁB 08 | 22H00

Cinema ao ar livre

Argaço - Carlos Eduardo Viana, 2012, Portugal

Local: Praça da República

A partir de depoimentos de sargaceiros, de agricultores, de investigadores e de empresários, de imagens de arquivo e da atividade que ainda subsiste, o filme mostra a importância económica que teve a apanha do sargaço no litoral norte, entre Carreço e Apúlia.

DOM 09 | 21H30

Recital de encerramento com guitarra e poesia

Academia de Música Fernandes Fão

Local: Praça da República

DOM 09 | 22H00

Cinema ao ar livre

O velho e o mar - John Struges, 1958, EUA

Local: Praça da República

FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER DE PONTE DE LIMA APOSTA NA PROMOÇÃO DO MUNDO RURAL

A Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima,“é um certame consolidado, que aposta na promoção e valorização do mundo rural”, disse o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Engº Victor Mendes, sobre o evento que terminou ontem, domingo, na Expolima.

O evento que contou com a visita do Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Miguel Castro Neto, reuniu associações e entidades ligadas à Caça, Pesca e Lazer. O Governante contatou com os expositores e associações que compõem este conjunto, mencionando que “Ponte de Lima é líder na promoção do desenvolvimento regional e na conservação dos recursos naturais, ao aliar o empreendedorismo e o capital humano à conservação da natureza e à promoção da sustentabilidade”.

Esta dinâmica surge de uma organização conjunta da Câmara Municipal de Ponte de Lima e da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, com a colaboração da Fencaça – Federação Portuguesa de Caça e Associações do concelho, potenciando a valorização dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe.

O II Concurso de Beldades de Ponte de Lima e o Concurso Canino de beleza, que se distinguiu pela qualidade e excelência dos animais levados a concurso, foram dos momentos mais significativos da Feira, que contou ainda com o 1º Troféu de St.Huberto de Ponte de Lima De realçar ainda a III festa do caçador, trazendo à Feira momentos de confraternização e convívio saudável.

A vasta área de exposição deste espaço permitiu ainda realizar diversas ações simultâneas, nomeadamente, exposição de carros clássicos e um conjunto de desportos de aventura como Rapel, Air Bungee e Tiro ao alvo.

Fruto do sucesso alcançado nas edições anteriores, este ano voltou-se a realizar o concurso do Mel alargando-se a todo o Alto Minho, com o objetivo de dar a conhecer a diversidade do mel dos produtores e premiar a sua qualidade.

Seguem-se os resultados das provas que decorreram durante a VII Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima:

IV Concurso de Mel de Ponte de Lima

1º - Álvaro Cristóvão Martins Gonçalves

2º - José Augusto Pimenta

3º - Márcio José Martins Gonçalves

I Concurso do Alto Minho

1º- Custódio Vieira Antunes – Ponte da Barca

2º - Apiários do Lima – Ponte de Lima

3º - Tiago Machado Moreira – Ponte de Lima

- 1º Troféu de Stº Huberto de Ponte de Lima

- 1º Lugar – Hugo Fernandes – Ponte de Lima

- 2º Lugar – Miguel Martins – Vila Verde

- 3º Lugar – Rui Moreira - Prado

II Concurso de Beldades Caninas, com um total de 34 cães:

Melhor Ping Pong:

1º lugar – Buggy – Pastor Alemão – Júlio António Dantas Gonçalves

2º lugar – Lennon – Bulldog Francês – Elisabete Conceição da Torre Carvalho

3º lugar – Eli – Teckel miniatura de pelo comprido

Olhar mais meigo:

1º lugar – Eddie – Indefinido – João Manuel Fernandes Gonçalves Costa

2º lugar - Nina – Pinscher – Joana Carolina dos Santos Prego

3º lugar - Gracie – Arraçada de teckel dachshund

Cauda mais irrequieta:

1º lugar – Sheep – Serra da Estrela – Ana Trabugo

2º lugar – Ruca – Westie – Graça Pinto

3º lugar – Kiko – Golden Retriver – Fernando Miguel da Silva Rodrigues Alves

Dono mais parecido com o cão:

1º lugar – Vegeta – Bulldog Inglês – Manuel Fernandes

2º lugar – Kelly – Pug – David Moreira

3º lugar – Sasha – Chow-Chow – Carina Silva

Melhores 6 pernas:

1º lugar – Picolé – Indefinido – Filipa Maria de Sousa Ferreira

2º lugar – Kim – Pastor Alemão – José Carlos Pereira

3º lugar – Charles – Golden Retriever – Vítor Silva

Cachorro mais bonito (até 1 ano):

1º lugar –Will – Cruzado de Labrador – António Manuel Cerqueira de Araújo

2º lugar – Hulk – Cruzado de Boxer – Bruno Melo

3º lugar – Jimmy – Boieiro de Berna/ Pastor Alemão - Jonatan

Cão de caça mais bonito:

1º lugar – Mike – Indefinido – Filipa Maria de Sousa Ferreira

2º lugar – Kadaffi – Podengo Português – Rui Dantas

3º lugar – Baguera – Epagneul – Eduardo Pereira

Idoso mais em forma:

1º lugar: Picolé – Indefinido – Filipa Maria de Sousa Ferreira

1º lugar: Ziggy – Labrador – Eduardo Manuel Bouças Leal

1º lugar: Eddie – Indefinido – João Manuel Fernandes Gonçalves Costa

1º lugar: Mike – Indefinido – Filipa Maria de Sousa Ferreira

V Concurso Canino de Beleza com um total de 34 cães:

BIS ADULTO

1º - Golden Retriever - Proprietário Óscar Ferraz- Morada (Ponte de Lima)

2º - Chihuahua -Pelo comprido- Proprietário Ivone Paim- Morada (Cartaxo)

3º- Basset Hound - Proprietário  Eugénio Martins - Morada (Ponte da Barca)

BIS JOVEM

1º- Golden Retriever -Proprietário Oscar Ferraz- Morada (Ponte de Lima)

2º- Carlin - Proprietário Ivone Paim- Morada (Cartaxo)

3º- Barbado da Terceira - Proprietário Jorge Teixeira- Morada (Azeitão)

CLASSE DE PARES

1º- Chihuahua –Pelo curto- Proprietário Ivone Paim- Morada (Cartaxo)

2ª- Golden Retriever -Proprietário Óscar Ferraz- Morada (Ponte de Lima)

3º- Cão da Serra da Estrela- Pelo Comprido - Proprietário João Amorim e Alexandra Correia- Morada (Ponte de Lima)  

GRUPO DE CRIADOR

1º  Afixo (Quinta dos Salgueiros)- Proprietário Jorge Teixeira- Morada (Azeitão)

2º  Afixo (Boscardini) - Proprietário Óscar Ferraz- Morada (Ponte de Lima)

3º Afixo (Casal de Lethes)- Proprietário João Amorim e Alexandra Correia- Morada (Ponte de Lima)

EXTRA CONCURSO

1º- Golden Retriever -Proprietário Óscar Ferraz- Morada (Ponte de Lima)

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

Feira da Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. 10 a 12 de Julho / Expolima

A VII Feira da Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, realiza-se de 10 a 12 de julho. Uma iniciativa da Câmara Municipal de Ponte de Lima e da Escola Profissional de Ponte de Lima que tem como intuito dar a conhecer o que melhor há na região, no setor da Caça, Pesca e Lazer.

O concelho de Ponte de Lima dispõe de uma vasto conjunto de recursos para caça e pesca, que aliados ao lazer constituem um forte alvo de investimento e de procura. Assim, há inúmeras empresas e associações que se dedicam a estas atividades e temáticas e que assim promovem o desenvolvimento do concelho. É com esse mesmo intuito que se realiza esta Feira da Caça, Pesca e Lazer que já conta sete edições.

De 10 a 12 de julho decorrerão inúmeras atividades como a Taça da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima – St. Huberto. Realizar-se-ão ainda demonstrações de Aves de Cetraria, de Pesca, de Cães de Parar, de Disc Dog e uma outra demonstração de Obediência, Ordem Pública, Busca e Salvamento, realizada pela Unidade Especial da PSP. Assim como a Prova de Pesca e o 82.º e 83.º Troféu Agility Caniclube e uma Mostra de Cães de Matilha.

É importante realçar que também se irão realizar o I Concurso de Mel do Alto Minho, e o IV Concurso de Mel de Ponte de Lima. Também o V Concurso Canino de Beleza de Ponte de Lima e o II Concurso de Beldades Caninas. O Festival de Folclore, o Desfile de Carros Clássicos, um passeio de BTT pelas Margens do Rio Lima, com os Batotas e um voo Cativo em Balão de Ar-quente.

Deve, igualmente, referenciar-se o Colóquio sobre “Gestão Cinegética em Áreas Classificadas – O Lobo e as suas Presas Selvagens”. Toda a área da Expolima estará centrada neste evento com exposições a decorrer no espaço e atividades como Parede de Escalada, AIR BUNGEE, Tiro ao Alvo e insufláveis.

Com inscrição prévia, pode também participar-se na Festa do Caçador. Espaço ainda para a música com os concertos de Diabo na Cruz, na noite de sexta-feira e do aclamado Tiago Bettencourt, no sábado, dia 11 de julho, às 22 horas.

PONTE DE LIMA INAUGURA AMANHÃ FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza Preside amanhã em Ponte de Lima à inauguração da VII Feira de Caça, Pesca e Lazer

O Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Miguel Castro Neto, preside amanhã sexta-feira, às 17 horas, à abertura oficial da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima.

Esta sétima edição, organizada pela Câmara Municipal de Ponte de Lima em parceria com a Escola Profissional de Ponte de Lima tem como objetivo dar a conhecer o que melhor há na região, no setor da Caça, Pesca e Lazer.

São vários os recursos para caça e pesca, existentes no concelho, que aliados ao lazer constituem um forte alvo de investimento e de procura. Assim, há inúmeras empresas e associações que se dedicam a estas atividades e temáticas que dinamizam o seu desenvolvimento.

Assim, de 10 a 12 de julho decorrerão inúmeras atividades como a Taça da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima – St. Huberto. Realizar-se-ão ainda demonstrações de Aves de Cetraria, de Pesca, de Cães de Parar, de Disc Dog e uma outra demonstração de Obediência, Ordem Pública, Busca e Salvamento, realizada pela Unidade Especial da PSP, bem como a Prova de Pesca, o 82.º e 83.º Troféu Agility Caniclube e uma Mostra de Cães de Matilha.

De realçar ainda, o I Concurso de Mel do Alto Minho, e o IV Concurso de Mel de Ponte de Lima. Também o V Concurso Canino de Beleza de Ponte de Lima e o II Concurso de Beldades Caninas. O Festival de Folclore, o Desfile de Carros Clássicos, um passeio de BTT pelas Margens do Rio Lima, com os Batotas e um voo Cativo em Balão de Ar-quente.

Destaque para o Colóquio sobre “Gestão Cinegética em Áreas Classificadas – O Lobo e as suas Presas Selvagens”. Toda a área da Expolima estará centrada neste evento com exposições a decorrer no espaço e atividades como Parede de Escalada, AIR BUNGEE, Tiro ao Alvo e insufláveis.

Com inscrição prévia, pode também participar na Festa do Caçador, no sábado, a partir das 20 horas.

Os concertos musicais, referencia para os Diabo na Cruz, na noite de sexta-feira e do aclamado Tiago Bettencourt, no sábado, dia 11 de julho, a partir das 22 horas.

A PESCA DA SARDINHA NA COSTA PORTUGUESA

A qualidade da sardinha depende em grande medida do começo da nortada

No S. João, a sardinha pinga no pão” – diz o povo imbuído na sua sabedoria empírica. Com efeito, é por esta altura que a sardinha é mais gorda, devendo-se tal facto a circunstâncias de ordem climática e geofísica únicas na costa portuguesa que fazem desta espécie um exemplar único em toda a Península Ibérica.

De origens remotas, a sardinha era tradicionalmente pescada por meio da arte xávega, método que consistia numa forma de pesca por cerco. Deixando uma extremidade em terra, as redes são levadas a bordo de uma embarcação que as vai largando e, uma vez terminada esta tarefa, a outra extremidade é trazida para terra. Então, o saco é puxado a partir da praia, outrora recorrendo ao auxílio de juntas de bois, atualmente por meio de tração do guincho ou de tratores. Entretanto, as modernas embarcações de arrasto vieram a ditar a morte da arte xávega e, simultaneamente, a ameaçar a sobrevivência das próprias espécies piscícolas, colocando em causa o rendimento familiar dos próprios pescadores.

A sardinha constitui um das suas principais fontes de rendimento, representando quase metade do peixe, calculado em peso, que passa nas lotas portuguesas. Matosinhos, Sesimbra e Peniche são os principais portos pesqueiros de sardinha em todo o país.

Quando, no início da Primavera, o vento sopra insistentemente de norte durante vários dias, os pescadores adivinham um verão farto na pesca da sardinha, do carapau, da cavala e outras espécies que são pescadas na costa portuguesa. A razão é simples e explica-se de forma científica: esta época do ano é caracterizada por um sistema de altas pressões sobre o oceano Atlântico, vulgo anticiclone dos Açores, o qual se reflete na observância de elevadas temperaturas atmosféricas, humidade reduzida e céu limpo. Verifica-se então uma acentuada descida das massas de ar que resultam no aumento da pressão atmosférica junto à superfície e a origem de ventos anticiclónicos que circulam no sentido dos ponteiros do relógio em torno do centro de alta pressão, afastando os sistemas depressionários. Em virtude da situação geográfica de Portugal continental relativamente ao anticiclone, estes ventos adquirem uma orientação a partir de norte ou noroeste, habitualmente designado por “nortada”.

Sucede que, por ação do vento norte sobre a superfície do mar e ainda do efeito de rotação da Terra, as massas de água superficiais afastam-se para o largo, levando a que simultaneamente se registe um afloramento de águas de camadas mais profundas, mais frias e ricas em nutrientes que, graças à penetração dos raios solares, permite a realização da fotossíntese pelo fito plâncton que constitui a base da cadeia alimentar no meio marinho. Em resultado deste fenómeno, aumentam os cardumes de sardinha e outras espécies levando a um maior número de capturas. E, claro está, o peixe torna-se mais robusto e apetecível.

O mês de Junho, altura em que outrora se celebrava o solstício de Verão e agora se festejam os chamados "Santos Populares" – Santo António, São João e São Pedro – é, por assim dizer, a altura em que a sardinha é mais apreciada e faz as delícias do povo nas animações de rua. Estendida sobre um naco de pão, a sardinha adquire um paladar mais característico, genuinamente à maneira portuguesa.

Por esta altura, muitos são os estrangeiros que nos visitam e, entre eles, os ingleses que possuem a particularidade de a fazerem acompanhar com batata frita, causando frequente estranheza entre nós. Sucede que, o “fish and chips” ou seja, peixe frito com batatas fritas, atualmente bastante popular na Grã-Bretanha, teve a sua origem na culinária portuguesa, tendo sido levado para a Inglaterra e a Holanda pelos judeus portugueses, dando mais tarde origem à tempura que constitui uma das especialidades gastronómicas mais afamadas do Japão.

Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com

Fotos: Arquivo Fotográfico da C.M.L.

VALENCIANOS PESCAM A SAVELHA

Vª Festa da Savelha. Pesqueira dos Frades de Ganfei - Valença

O quinto convívio da Savelha realiza-se na Pesqueira dos Frades, em Ganfei, no próximo domingo, 7 de junho. Uma iniciativa que evoca a pesca à savelha, um dos peixes mais célebres do rio Minho.

valençasavelha

A jornada começa às 8h e prolonga-se por todo o dia e tem como principal objetivo a divulgação da Savelha do Rio Minho e o convívio entre todos os aficionados desta arte de pesca tradicional de Valença.

A Festa da Savelha decorre no Parque da Pesqueira dos Frades, em Ganfei e na marginal do rio Minho. Um parque de merendas e uma extensa marginal ribeirinha proporcionam excelentes condições para a pesca à savelha e para um dia de lazer em contacto com uma natureza que o rio Minho, na sua passagem, por este local, torna exuberante.

A pesca à savelha reúne, por esta época do ano, centenas de aficionados, em Valença. As Savelhas do Rio Minho são peixes de dimensão considerável, atingindo com facilidade os dois quilos. As zonas mais apetecíveis para a pesca desta espécie correspondem à área do rio Minho que passa pelas freguesias valencianas de Ganfei, Verdoejo e Friestas. Dado o período curto de pesca, que este ano se estende até 15 de junho e a área do rio onde é mais apetecível pescar, é a arte da pesca que atrai mais pescadores. Nas pesqueiras ou de barco, o rio enche-se de aficionados de todo o norte do pais, numa pesca que, em alguns pontos, chega a ser de ombro a ombro.

A iniciativa é do Grupo Desportivo Ganfeiense e conta com a colaboração da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Ganfei.

PORTINHO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA ESTÁ ASSOREADO

O elevado assoreamento do portinho de Vila Praia de Âncora está a tornar a sua utilização impraticável. As embarcações que ali se abrigam ficam a seco, aguardando que a subida da maré possibilite a sua saída do local.

vpancora 022

A acumulação de inertes é mais acentuada no lado sul do portinho, tudo levando a crer que a mesma é favorecida pelo posicionamento em que se encontra o cais flutuante.

Os pescadores e outros utilizadores do portinho esperam ver a situação resolvida, nomeadamente com a extração das areias naquele local.

vpancora 018

vpancora 019

vpancora 021

MIGUEL ALVES DEBATE EM LISBOA A PESCA ARTESANAL COM A MINISTRA DA AGRICULTURA E DO MAR

O presidente da Câmara de Caminha esteve em Lisboa a discutir a aplicabilidade da proposta de regulamento do Conselho Europeu - COM 265 (2014), através do qual a UE pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas.

Reunião 2

Miguel Alves está satisfeito com o resultado da reunião com a ministra da Agricultura e do Mar, já que teve a garantia que o Governo lutará contra a aplicação da medida e conta com os autarcas e pescadores nessa luta: “as preocupações e garantias que nos foram dadas pela senhora Ministra dão-me a satisfação de encontrar no Governo um aliado contra o Regulamento da Comissão Europeia, que quer proibir a pesca artesanal com redes de deriva. A Europa tem de perceber a especificidade de Portugal e da nossa região. Proibir esta arte é acabar com várias comunidades piscatórias como Vila Praia de Âncora e Caminha. Isso é inaceitável”. O autarca realça ainda que desta reunião resultou o compromisso de que será mantida a via aberta de diálogo: “o Município de Caminha agora tem uma voz que é ouvida ao mais alto nível. Este combate pela pesca artesanal que iniciámos há meses ainda não está ganho mas hoje estamos muito mais perto da vitória. Não é uma questão menor, estamos a lutar para que a pesca possa existir no nosso concelho e no nosso território. Juntamos autarcas e pescadores em Caminha e fizemos ouvir as nossas preocupações no Terreiro do Paço. Estamos a cumprir o nosso dever”.

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, conjuntamente com o presidente da Câmara de Esposende, Benjamim Pereira, o vereador da Câmara de Vila do Conde, José Aurélio Baptista, o presidente da Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora, Vasco Presa, e o presidente da Associação de Pescadores de Esposende, Augusto Silva reuniram ontem, dia 9 de março, em Lisboa, com a ministra das Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, o secretário de Estado das Pescas, Manuel Pinto de Abreu e com o chefe de gabinete da ministra, com o objetivo de dar a conhecer a posição dos autarcas e pescadores da costa norte do país sobre a aplicação da proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que vem introduzir a proibição total de manter a bordo, assim como a utilização da rede de deriva. Em cima da mesa estiveram outros assuntos que preocupam Miguel Alves e os restantes autarcas e pescadores envolvidos e que se prendem com a aplicação do Regulamento às águas interiores e estuarinas; a proposta de criação de quota específica para a sardinha capturada por artes de deriva, a partir do dia 1 de junho e até 31 de outubro e a questão das potências dos motores.

Sobre as questões colocadas à ministra da Agricultura e do Mar, o presidente da Câmara de Caminha sublinha: “a senhora ministra compreendeu bem o posicionamento dos pescadores e dos autarcas. Está ao nosso lado no combate pela não aplicação da diretiva, exige o mesmo esclarecimento que nós sobre à questão das águas interiores e deu nota muito positiva sobre a criação de uma quota de pesca específica para as artes tradicionais. Atendeu ainda a alteração da legislação sobre motores de embarcação de modo a salvaguardar a segurança dos nossos pescadores e quis reforçar uma linha de diálogo entre todos até que estas questões estejam resolvidas”.

Recorda-se que esta audiência com a ministra da Agricultura e das Pescas foi solicitada pelo autarca de Caminha e resulta da reunião que decorreu em Caminha, no passado mês de janeiro e que juntou os oito representantes de oito câmaras municipais e de oito associações de pescadores da costa norte do país.

Sobre a proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho, que pretende introduzir a proibição total da pesca com redes de deriva, a ministra referiu estar a decorrer o período de consulta junto dos Estados para avaliar o impacto socioeconómico que a sua aplicação teria. Confirmou que o Regulamento teve um mau acolhimento por parte do Governo Português e informou estar a ser recolhida informação sobre o número de embarcações afetadas, as características da arte, a inexistência de prejuízo para espécies protegidas e a realidade portuguesa, de modo a afirmar uma posição nacional que defenda a especificidade da pesca artesanal e da situação portuguesa.

A aplicação do Regulamento às águas interiores e estuarinas foi outra das questões colocadas. Sobre esta matéria a ministra afirmou que o texto da proposta não é claro e disse que a interpretação do Governo Português vai no sentido da não aplicabilidade.

Sobre a proposta de criação de quota específica para a sardinha capturada por artes de deriva, a partir do dia 1 de junho e até 31 de outubro, a ministra mostrou-se sensível ao apelo dos pescadores e à explicação dada sobre o risco desta quota estar incorporada na quota global da sardinha. Foi ainda transmitido que o Governo está a trabalhar na criação de uma quota de reserva para a pesca tradicional de sardinha e que atenderia à especificidade demonstrada da pesca decorrer, sobretudo, naquele período de junho a outubro. E, ainda foi referida a possibilidade de estabelecer uma quota de 3% dentro da quota global da sardinha, o que com os números de referência aponta para uma quota de cerca de 300 toneladas.

Sobre a questão das potências dos motores, a ministra assumiu que o maior desafio junto da Comunidade Europeia é demonstrar que o aumento da potência dos motores em cada embarcação está intimamente ligado com questões de segurança e eficiência. A ministra concordou ainda que é necessário afastar a ideia de que o seu aumento por embarcação corresponde a um aumento do esforço de pesca. Sobre esta matéria, a ministra indicou que está a ser trabalhado um Decreto Regulamentar que altera o normativo que proíbe a existência de motores com mais de 60 HP em embarcações até 9 metros, de modo a ser possível que cada embarcação tenha um motor até 100 HP e mais um motor de reserva para uso em situações de emergência. Foi ainda transmitido que este Decreto Regulamentar poderá ser aprovado até ao final do mês. No caso do ao rio Minho a questão é mais complexa e a norma poderá demorar mais a ter aplicação por se tratar de um rio internacional e precisar do acordo espanhol).

A comitiva aproveitou ainda para questionar a ministra sobre as dificuldades globais da pesca em Portugal e do norte do país e a segurança nas barras e problemas de assoreamento. Foi igualmente mencionada a importância de políticas de integração tendo em conta as intervenções existentes no combate à erosão costeira, bem como foi defendida a continuidade da Sociedade Polis Litoral Norte nos municípios de Esposende, Viana do Castelo e Caminha.

Reunião 1

GRUPO PARLAMENTAR DO CDS PREPARA PROJECTO DE RESOLUÇÃO RECOMENDANDO AO GOVERNO REVISÃO DOS LIMITES DE CAVALAGEM DOS MOTORES DAS EMBARCAÇÕES DE PESCA

cds-pp

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XII/4.ª

Recomenda ao Governo que reveja a potência máxima permitida nos motores das embarcações de pesca local bem como o reforço da fiscalização aos mesmos

As estatísticas de sinistralidade confirmam, sem margem para dúvidas, que a atividade da pesca é das que acarreta mais riscos para aqueles que a praticam. As entradas e saídas das barras e das praias são, inegavelmente, os momentos de maior perigosidade para as embarcações de pesca artesanal, colocando muitas vezes em risco a segurança de pessoas e bens.

São vários os relatos de situações em que, não fosse o uso de cavalagens superior ao autorizado, o desfecho podia ter implicado a perda de vidas humanas. A potência dos motores em embarcações de pesca local até 9 metros, quando a embarcação tem um convés fechado pode chegar aos 100 cv ou 75 Kw, quando de convés aberto não pode ser superior a 60 cv ou 45 Kw, o que se revela insuficiente, neste último caso, para evitar vagas com alguma dimensão ou até aceder a barras em piores condições.

O decreto regulamentar que impõe as potências máximas obedece a uma norma da Comunidade Europeia, sendo o único objetivo, não a segurança de pessoas e bens, mas antes o não aumento dos índices de captura. Várias associações de pescadores consideram que permitir a utilização de motores de popa até 100 cv, num só motor ou em dois (que possam funcionar em simultâneo ao contrário do que acontece hoje), para embarcações de convés aberto, seria o suficiente para evitar muitos problemas e dificuldades aos pescadores artesanais.

Os deputados do CDS, conscientes da pertinência dos argumentos dos pescadores, recomendam ao Governo que proceda a uma revisão da potência máxima permitida para embarcações até 9 metros, colocando as embarcações de convés aberto nas mesmas condições das embarcações de convés fechado, ou seja, com uma potência máxima de potência permitida de 100 cv ou 75 Kw. Convenhamos que uma embarcação de 9 metros, carregada de peixe e podendo apenas utilizar no máximo os 60 cv atuais se torna uma “presa fácil” para, por exemplo, uma vaga de maior dimensão.

Deve ainda o governo pugnar no sentido de que o aumento da cavalagem seja utilizada apenas e só por motivos de segurança e nunca com o objetivo de aumentar a pescaria.

Neste enquadramento, ao abrigo das disposições legais e regimentais aplicáveis, os Deputados abaixo assinados do Grupo Parlamentar do CDS-PP propõem que a Assembleia da República adote a seguinte Resolução:

A Assembleia da República resolve, nos termos do disposto do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição da República Portuguesa, recomendar ao Governo que:

  • Legisle no sentido de permitir que, as embarcações de pesca local até 9 metros, de convés aberto, possam utilizar uma potência de motor igual à das embarcações de convés fechado, ou seja, uma potência máxima de 100 cv ou 75 Kw;
  • Incremente as ações de fiscalização no sentido de garantir que, o aumento das potências de motores permitidas, é utilizada unicamente para fins de segurança de pessoas e bens e não para o aumento dos índices de captura de pesca.

Palácio de São Bento, 03 de Fevereiro de 2015

Os Deputados do CDS-PP,

MUNICÍPIOS DE VALENÇA A MATOSINHOS E ASSOCIAÇÕES DE PESCADORES REJEITAM LIMITAÇÕES À PESCA COM REDES DE DERIVA

Conclusões da reunião em Caminha serão comunicadas pessoalmente a Assunção Cristas

Representantes de oito câmaras municipais e de oito associações de pescadores, assim como o comandante da Capitania de Caminha, estiveram hoje reunidos no Município de Caminha para tomar posição sobre o regulamento do Conselho Europeu - COM 265 (2014), através da qual a UE pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas. A posição de autarcas e pescadores, que unanimemente rejeita a aplicação do regulamento tal como está, vai ser comunicada a Assunção Cristas, ministra da Agricultura e do Mar, a quem será solicitada uma reunião para discutir o assunto.

reunião pescas (3)

Todas as autarquias e associações de pescadores deram os seus contributos para a discussão e, no final, chegaram a uma posição comum, sintetizada por Miguel Alves em três pontos essenciais. O primeiro reitera que a aplicação do regulamento tal como está fará terminar a pesca da sardinha que usa essa arte, enquanto algumas comunidades de pesca artesanal “morrem”; em segundo lugar é preciso esclarecer, sem margem para dúvidas, se o regulamento se aplica às águas interiores, ou seja, aos rios, porque tal como está não exceciona nada e significaria o fim da pesca do sável e da lampreia; em terceiro, como referiu o presidente, “esta não é uma guerra contra ninguém, mas sim uma guerra contra o regulamento do Conselho Europeu, mas nós precisamos de todos os soldados”.

Posição de força para ajudar o Governo

O presidente da Câmara de Caminha acrescentou ainda que esta posição e força de autarcas e associações de pescadores deve ser vista como uma forma de ajudar o Governo, os deputados e eurodeputados a fazer valer junto da União Europeia a posição de Portugal - “o pior que podíamos fazer era ficar a assistir, deixar andar, deixar acontecer”.

reunião pescas (2)

Miguel Alves disse ainda não conhecer, sobre a questão as redes de deriva, qualquer posição do Governo, desconhecendo também qualquer um dos presentes fosse o que fosse nesta matéria. O que tem vindo à colação, desde a reunião da passada semana em Vila Praia de Âncora, são opiniões isoladas, que não bastam para travar o processo e nada garantem.      

O comandante da Capitania de Caminha, Gonzalez Paços tinha também dito, a dado passo, que o regulamento tal como está nada exclui e que sabia apenas que o assunto estava a ser estudado.

As associações de pescadores juntaram a esta problemática a ameaça que as quotas de sardinha, tal como estão estabelecidas, representam e que faz com que os pescadores da pesca artesanal fiquem privados de pescar sardinha, uma vez que as grandes embarcações, que operam durante todo o ano, esgotam rapidamente as quotas nacionais. O assunto acabou por ser incluído nas conclusões finais.

Será agora redigido um documento formal, a subscrever por todos os intervenientes, a que se juntará um dossiê mais técnico, explicativo sobre a especificidade da pesca com redes de deriva que é praticada pelas embarcações da pesca artesanal, e o passo seguinte será pedir uma audiência a Assunção Cristas.

Em causa a sobrevivência da pesca artesanal

Os autarcas sublinharam que, com esta problemática, se está a falar da morte da pesca artesanal, do sustento dos pescadores e das suas famílias, e de prejuízos incalculáveis para os municípios onde a gastronomia e o turismo têm uma forte ligação aos produtos do mar e do rio, como acontece com quase todos os representados.

Calcula-se que existam cerca de 400 barcos de pesca artesanal a usar redes de deriva. A entrada em vigor do regulamento, frisou Miguel Alves, ditaria o fim da comunidade piscatória de Vila Praia de Âncora, enquanto em Caminha terminaria a pesca do sável e da lampreia.

No salão nobre dos Paços do Concelho estiveram presentes os presidentes das câmaras de Caminha e Vila Nova de Cerveira, os vice-presidentes de Viana do Castelo e Esposende, o adjunto do presidente da Câmara de Matosinhos e vereadores dos municípios Valença, Póvoa de Varzim e Vila do Conde. Participaram no encontro também as três associações de pescadores do concelho de Caminha, Associação de Armadores e Pescadores de Castelo do Neiva, Associação para a Preservação da Pesca no Rio Minho, Associação de Pescadores da Ribeira Minho, Associação de Pescadores Profissionais do Concelho de Esposende e Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar.

reunião pescas -

MUNICÍPIOS DE VALENÇA A MATOSINHOS E ASSOCIAÇÕES DE PESCADORES REJEITAM LIMITAÇÕES À PESCA COM REDES DE DERIVA

Conclusões da reunião em Caminha serão comunicadas pessoalmente a Assunção Cristas

Representantes de oito câmaras municipais e de oito associações de pescadores, assim como o comandante da Capitania de Caminha, estiveram hoje reunidos no Município de Caminha para tomar posição sobre o regulamento do Conselho Europeu - COM 265 (2014), através da qual a UE pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas. A posição de autarcas e pescadores, que unanimemente rejeita a aplicação do regulamento tal como está, vai ser comunicada a Assunção Cristas, ministra da Agricultura e do Mar, a quem será solicitada uma reunião para discutir o assunto.

reunião pescas (2)

Todas as autarquias e associações de pescadores deram os seus contributos para a discussão e, no final, chegaram a uma posição comum, sintetizada por Miguel Alves em três pontos essenciais. O primeiro reitera que a aplicação do regulamento tal como está fará terminar a pesca da sardinha que usa essa arte, enquanto algumas comunidades de pesca artesanal “morrem”; em segundo lugar é preciso esclarecer, sem margem para dúvidas, se o regulamento se aplica às águas interiores, ou seja, aos rios, porque tal como está não exceciona nada e significaria o fim da pesca do sável e da lampreia; em terceiro, como referiu o presidente, “esta não é uma guerra contra ninguém, mas sim uma guerra contra o regulamento do Conselho Europeu, mas nós precisamos de todos os soldados”.

Posição de força para ajudar o Governo

O presidente da Câmara de Caminha acrescentou ainda que esta posição e força de autarcas e associações de pescadores deve ser vista como uma forma de ajudar o Governo, os deputados e eurodeputados a fazer valer junto da União Europeia a posição de Portugal - “o pior que podíamos fazer era ficar a assistir, deixar andar, deixar acontecer”.

Miguel Alves disse ainda não conhecer, sobre a questão as redes de deriva, qualquer posição do Governo, desconhecendo também qualquer um dos presentes fosse o que fosse nesta matéria. O que tem vindo à colação, desde a reunião da passada semana em Vila Praia de Âncora, são opiniões isoladas, que não bastam para travar o processo e nada garantem.

O comandante da Capitania de Caminha, Gonzalez Paços tinha também dito, a dado passo, que o regulamento tal como está nada exclui e que sabia apenas que o assunto estava a ser estudado.

As associações de pescadores juntaram a esta problemática a ameaça que as quotas de sardinha, tal como estão estabelecidas, representam e que faz com que os pescadores da pesca artesanal fiquem privados de pescar sardinha, uma vez que as grandes embarcações, que operam durante todo o ano, esgotam rapidamente as quotas nacionais. O assunto acabou por ser incluído nas conclusões finais.

Será agora redigido um documento formal, a subscrever por todos os intervenientes, a que se juntará um dossiê mais técnico, explicativo sobre a especificidade da pesca com redes de deriva que é praticada pelas embarcações da pesca artesanal, e o passo seguinte será pedir uma audiência a Assunção Cristas.

reunião pescas (1)

Em causa a sobrevivência da pesca artesanal

Os autarcas sublinharam que, com esta problemática, se está a falar da morte da pesca artesanal, do sustento dos pescadores e das suas famílias, e de prejuízos incalculáveis para os municípios onde a gastronomia e o turismo têm uma forte ligação aos produtos do mar e do rio, como acontece com quase todos os representados.

Calcula-se que existam cerca de 400 barcos de pesca artesanal a usar redes de deriva. A entrada em vigor do regulamento, frisou Miguel Alves, ditaria o fim da comunidade piscatória de Vila Praia de Âncora, enquanto em Caminha terminaria a pesca do sável e da lampreia.

No salão nobre dos Paços do Concelho estiveram presentes os presidentes das câmaras de Caminha e Vila Nova de Cerveira, os vice-presidentes de Viana do Castelo e Esposende, o adjunto do presidente da Câmara de Matosinhos e vereadores dos municípios Valença, Póvoa de Varzim e Vila do Conde. Participaram no encontro também as três associações de pescadores do concelho de Caminha, Associação de Armadores e Pescadores de Castelo do Neiva, Associação para a Preservação da Pesca no Rio Minho, Associação de Pescadores da Ribeira Minho, Associação de Pescadores Profissionais do Concelho de Esposende e Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar.

reunião pescas (3)

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO DE CAMINHA REÚNE AMANHÃ COM AUTARCAS E ASSOCIAÇÕES DE PESCADORES DA REGIÃO NORTE

O objetivo é juntar esforços para salvar a pesca artesanal

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Aves vai reunir amanhã, dia 13 de janeiro, com os autarcas do norte e respetivas associações de pescadores, nos Paços do Concelho, às 10h30. Esta reunião é fruto do compromisso assumido por Miguel Alves em mobilizar os autarcas da zona norte com o objetivo de concentrarem esforços para salvar a pesca artesanal.

Em Caminha estarão os representantes dos municípios de Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Matosinhos, Vila Nova de Cerveira e Valença e das associações de pescadores dos respetivos territórios.

Em causa está a proposta de regulamento do Conselho Europeu – COM 265 (2014), a Comissão Europeia pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas em todas as águas da UE o que, caso fosse aprovado, teria de ser transposto para a legislação nacional. O Conselho Europeu entende que o atual regulamento não é cumprido, querendo agora avançar para uma proibição absoluta e cega.

Recorde-se que, o presidente da Câmara de Caminha já reuniu na segunda-feira passada, com representantes das associações de pescadores do concelho (Vila Praia de Âncora e Caminha), Esposende e Angeiras, o comandante da Capitania do Porto de Caminha, o deputado Jorge Fão, o presidente e o vice-presidente da Câmara de Caminha, com o objetivo de debater a proposta de regulamento do Conselho Europeu – COM 265 (2014), que poderá pôr seriamente em causa a pesca da sardinha no Norte, entre Matosinhos e Caminha, e a pesca em geral no Rio Minho, designadamente de espécies como a lampreia, sável e solha, ao proibir a pesca com redes de deriva.

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO DE CAMINHA VAI JUNTAR AUTARCAS DO NORTE NUM ESFORÇO PARA SALVAR A PESCA ARTESANAL SEM PREJUDICAR A PRESERVAÇÃO DAS ESPÉCIES

Pesca da sardinha, lampreia e sável poderão acabar se a União Europeia avançar com a proibição absoluta do uso de redes de deriva

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, quer juntar autarcas, pescadores, população e outras entidades num grande movimento que alerte o Governo e os responsáveis da União Europeia para as consequências da proibição de utilização de todos os tipos de redes de deriva na pesca, ou seja, a iminência do fim da pesca artesanal e a extinção das comunidades piscatórias, com todas as implicações sociais e económicas daí derivadas.

Reunião pescadores em VPA

Nesse sentido, amanhã mesmo serão feitos os necessários contactos, enquanto as associações de pescadores vão elaborar um memorando técnico que clarifique o que realmente está em causa. Estas são as principais conclusões da reunião de hoje, em Vila Praia de Âncora, em que a proposta de regulamento do Conselho Europeu – COM 265 (2014) esteve em análise.

Na sede da Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora juntaram-se representantes das associações de pescadores do concelho (Vila Praia de Âncora e Caminha), Esposende e Angeiras, o comandante da Capitania do Porto de Caminha, o deputado Jorge Fão, o presidente e o vice-presidente da Câmara de Caminha. Em cima da mesa estava a proposta de regulamento do Conselho Europeu – COM 265 (2014), que poderá pôr seriamente em causa a pesca da sardinha no Norte, entre Matosinhos e Caminha, e a pesca em geral no Rio Minho, designadamente de espécies como a lampreia, sável e solha, ao proibir a pesca com redes de deriva.

Conforme o deputado Jorge Fão explicou, o regulamento em causa deveria entrar em vigor já no passado dia 1, o que só não aconteceu devido a atrasos provocados por mudanças nos órgãos da União Europeia. Este “fôlego” terá de ser agora aproveitado da melhor forma, sob pena de desaparecerem as comunidades piscatórias que praticam a pesca artesanal e sazonal, como é o caso das concelhias. Ficou claro que esta pesca não tem quaisquer consequências predatórias para as espécies piscícolas, uma vez que as redes são colocadas a pouca profundidade e monitorizadas pelos pescadores, sem risco de serem capturadas espécies em perigo de extinção, não devendo ser confundidas com outras práticas. Os pescadores vão agora elaborar um documento que explique isto mesmo, de forma sucinta mas clara, documento que servirá de base ao pedido de um regime de exceção que tenha em conta as particularidades desta faina.

Miguel Alves começará amanhã mesmo a fazer contactos com os restantes presidentes de Câmara, designadamente Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Matosinhos, procurando envolve-los nesta luta e produzir uma declaração conjunta. “Temos de ter connosco a população e fazer perceber a quem decide o que está em causa e que vai até para além da sobrevivência da pesca artesanal”, disse o presidente da Câmara de Caminha.

O autarca alertou para as consequências para o turismo nas regiões, designadamente a gastronomia”, face ao que, afinal, é um equívoco: “é preciso explicar que esta não é uma pesca predatória, é antes uma pesca seletiva e muito artesanal, que defende as espécies. Somos a favor da preservação das espécies e da existência de regras”.

Guilherme Lagido alertou também para a necessidade de se encarar o mar realmente como um recurso e não como um mero discurso.  

Recorde-se que, através da proposta de regulamento do Conselho Europeu – COM 265 (2014), a Comissão Europeia pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas em todas as águas da UE o que, caso fosse aprovado, teria de ser transposto para a legislação nacional. O Conselho Europeu entende que o atual regulamento não é cumprido, querendo agora avançar para uma proibição absoluta e cega.

UNIÃO EUROPEIA AMEAÇA PESCA NO RIO MINHO

Presidente da Câmara Municipal de Caminha reúne com associações de pescadores por causa das imposições da União Europeia sobre as redes de deriva. Pesca da sardinha e a pesca em geral no Rio Minho poderão estar em causa

O presidente da Câmara de Caminha reúne hoje à tarde com as associações de pescadores de Vila Praia de Âncora e Caminha, a que se juntam as de Esposende e Angeiras, por causa da proposta de regulamento e do Conselho Europeu – COM 265 (2014), que poderá pôr seriamente em causa a pesca da sardinha e a pesca em geral no Rio Minho, ao proibir a pesca com redes de deriva.

1278500_584453134951093_173487309_n

A reunião vai ter lugar pelas 14h30, em Vila Praia de Âncora, na sede da Associação de Pescadores, e contará com a presença do comandante da Capitania do Porto de Caminha. Em causa está a proposta de regulamento e do Conselho Europeu – COM 265 (2014), através da qual a Comissão Europeia pretende proibir a utilização de todos os tipos de redes de deriva nas pescas em todas as águas da UE a partir de 1 de janeiro deste ano.

O quadro regulamentar da UE em vigor, aplicável à pesca com redes de deriva, já proíbe a utilização de todos os tipos de redes de deriva, independentemente da sua dimensão, nas águas da UE quando se destinam a capturar espécies altamente migratórias como o atum e o espadarte. O Conselho Europeu entende porém que o regulamento não é cumprido, querendo agora proibir em absoluto o uso de redes de deriva, o que acabará por penalizar comunidades piscatórias que, não estando em incumprimento, ficarão impedidas de exercer a sua atividade por completo.

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/

UNIÃO EUROPEIA DÁ UM CHOURIÇO A QUEM LHE DEU O PORCO

Bruxelas concede a Portugal aumento das quotas de pesca em 7,8% na ZEE portuguesa

Os ministros das Pescas da União Europeia concederam aos pescadores portugueses a possibilidade de poder capturar mais pescada e carapau e menos lagostim, traduzido num aumento global de 7,8% em relação ao ano anterior.

1278500_584453134951093_173487309_n

A União Europeia autoriza Portugal a aumentar as quotas individuais como na pescada em 15%, o equivalente a mais 634 toneladas, no carapau em 10% e no tamboril em6%. Em contrapartida, terá de diminui a pesca de lagostim em 10%, ou menos 18 toneladas, comparativamente ao ano ainda em curso, e de raias, também de 10%, ou menos 117 toneladas. Noutras espécies, Portugal mantém as quotas que lhe foram atribuídas em 2013, casos do biqueirão, juliana, linguado e solha.

A generosidade deste acordo que a ministra da Agricultura e do Mar classifica como “histórico” sugere-nos o dito popular segundo o qual “a União Europeia dá-nos um chouriço após lhe oferecermos o porco”. Refira-se que, aquando do Tratado de Lisboa, o governo português transferiu para a União Europeia a gestão das pescas na área da Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa.

Carlos Gomes

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/

PONTE DE LIMA PROMOVE FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER

Ponte de Lima viveu mais um fim-de-semana repleto de atividades de lazer, de desportos de aventura, caça e pesca. As provas de caça e pesca, englobaram várias atividades, nomeadamente a final do Campeonato Nacional de St Huberto; a prova de pesca no Rio Lima; o concurso de Mel; as diversas demonstrações de aves de cetraria; cães de parar; as exibições de Trial Bike; espetáculos de música, desfile de carros clássicos e, por último, o torneio de jogos tradicionais, proporcionaram dinâmica e envolveram associações e diversas entidades, que juntamente com o Município de Ponte de Lima e a Escola Profissional de Desenvolvimento, organizaram esta VI edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima.

IMG_6457

Tal como nos anos anteriores o sucesso deste evento deve-se à envolvência de entidades e associações de setores da caça, pesca e lazer, nomeadamente a colaboração da FENCAÇA, Associação de Pesca de Viana do Castelo, Associações do concelho, de caça e pesca, associações de Apicultores, Recreativas, Desportivas, Florestais, e Clubes de Lazer, que com êxito promoveram um conjunto de ações, proporcionando momentos de lazer e muita animação tanto a pequenos como a graúdos.

Pelo segundo ano consecutivo os caçadores promoveram a tradicional Festa do Caçador.

Esta VI Feira de Caça, Pesca e Lazer confirma o desenvolvimento desta temática como um sector de importância significativa para o desenvolvimento socioeconómico da região, face à lotação que se registou na área dos expositores.

“A Feira de Caça, Pesca e Lazer, impulsiona os recursos endógenos, como a caça e a pesca, que em parceria com as associações e os agentes económicos, cria oportunidades de negócio e de expansão gerando riqueza no concelho e na região”, considerou o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Engº Victor Mendes.

IMG_6390

Seguem-se os resultados das provas que decorreram na VI Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima:

 III Concurso de Mel - dirigido aos apicultores do concelho, foi mais uma vez um sucesso. Dar a conhecer a diversidade do mel dos produtores limianos e premiar a sua qualidade, é o objetivo deste concurso que premiou em 1º lugar os Apiários do Lima de João Barros da Silva. O 2º e o 3º lugar foram atribuídos ao mesmo apicultor, Tiago Machado Moreira, que concorreu com duas amostras diferentes.

Concurso de Pesca no Rio Lima

- Equipas: 1º lugar – Associação de Pesca Desportiva do Vez de Arcos de Valdevez

- Individuais: 1º lugar – Tristão Barbosa

                      2º lugar – Caçador Marinho

                      3º lugar – Fernando Cunha

- Final do Campeonato Nacional de Stº Huberto:

- 1º Lugar – Jorge Piçarra (Sesimbra)

- 2º Lugar – Sérgio Afonso (Monção)

- 3º Lugar – Luís Figueiredo (Seia)

I Concurso de Beldades Caninas, com um total de 54 cães:

Melhor Ping Pong:

1º lugar – Cookie – X Caniche – Isabel Magalhães – Viana do Castelo

2º lugar – Lobo de River Lander – Pastor Alemão – Júlio Gonçalves – Ponte de Lima

3º lugar – Duke – Boston Terrier – Bruno Ferreira - Braga

Olhar mais meigo:

1º lugar - Czar do sitio da casa do canastro – Serra da Estrela – Joaquim Rocha

2º lugar - Diva – Golden Retriver – Óscar Ferraz – Ponte de Lima

3º lugar – Megui – Labrador – Cristina Martins – Ponte de Lima

Cauda mais irrequieta:

- 1º lugar - Megui – Labrador – Cristina Martins – Ponte de Lima

- 2º lugar – Maddie – American Stafford shire terrier – Carla Alves – Vila Verde

- 3º lugar – Ruca –  westie - Graça Margarida Pinto – Ponte de Lima

Dono mais parecido com o cão:

- 1º lugar - Sasha – Chow-Chow – Carina Silva – Viana do castelo

- 2º lugar – Foca – Pastor Alemão – Ana Paula Conceição Alves - Matosinhos

- 3º lugar – Kaiiro – Doberman – Nuno Gonçalves – Ponte de Lima

Melhores 6 pernas:

- 1º lugar – Lord – Indefinido – ALAAR – Ponte de Lima

- 2º lugar – Thor – Bull Terrier – Ana Luísa Vieira Luciano – Ponte de Lima

- 3º lugar -  Becky – Boston Terrier – Sara Barbosa – Ponte de Lima

Cachorro mais bonito (até 1 ano):

- 1º lugar – Palito – Podengo Português – Hélder Pereira - Barcelos

- 2º lugar – Tabu das Terras d´Cister – Serra da Estrela – Francisco Silva - Aljubarrota

- 3º lugar – Star – Bulldog Francês – Augusto Dias – Ponte da Barca

Cão de caça mais bonito –

1º lugar - Gandhi – Whippet – Olinda Maria Ramos Barreiros - Braga

2º lugar – Baja da Porta do Olival – Perdigueiro – Carla Mota – Viana do Castelo

3º lugar – Pipa – Podengo – César Augusto Nogueira - Guimarães

Idoso mais em forma (+7 anos) –

- 1º lugar –  Rex – Indefinido – Telmo Araújo

- 2º lugar –  Lua – Labrador – Cristina Martins – Ponte de Lima

- 3º lugar – Seven – Golden Retriever  - Óscar Ferraz – Ponte de Lima

Best In Show

- 1º lugar –  Megui – Labrador – Cristina Martins – Ponte de Lima

- 2º lugar –  Gandhi – Whippet – Olinda Maria Ramos Barreiros - Braga

- 3º lugar -  Sasha – Chow-Chow – Carina Silva – Viana do Castelo

IV Concurso Canino de Beleza com um total de 57 cães:

Bis Adulto

1º- Cão da Terra Nova - Paulo Tavares - Valega

2º -Barbado da Terceira - Jorge Humberto Teixeira - Azeitão

3º-Dobermann - Luís Araújo e Maria Jorge Cruz – Viana do Castelo

4º- Cocker Spaniel - Nuno e Tiago Rafael - Maia

Bis Jovem

1º Golden Retriever - Óscar Ferraz - Ponte de Lima

2º-Dobermann - Luís Araújo e Maria Jorge Cruz - Viana do Castelo

3º-Mastim Napolitano - José Fernandes - Macinhata do Vouga

Classe de Pares:

1º Golden Retriever – Óscar Ferraz

2º Cão da Serra da Estrela- P. comprido - João Paulo Amorim – Ponte de Lima

Grupo Criador

Golden Retriever (Boscardini)

Extra concurso:

1º Cocker Spaniel - Nuno e Tiago Rafael - Maia

2º Samoiedo - José Pacheco - S. Mamede Infesta

IMG_6401

IMG_6474

IMG_5571

SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO INAUGURA FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER EM PONTE DE LIMA

Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. 18 de julho / 17h30

O Secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, é o convidado de honra para presidir à abertura oficial da VI Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, na próxima sexta-feira, a partir das 17h30 horas, na Expolima.

Organizada em parceria entre o Município de Ponte de Lima e a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural o evento evidencia os recursos naturais de excelência que o concelho dispõe, o que permite a prática de atividades relacionadas com o sector da caça, pesca e do lazer.

Com destaque para a final do Campeonato Nacional de Santo Huberto, o evento irá contar com várias áreas de exposição de artigos de caça, exposição de cães e matilhas, 1º concurso de beldades caninas de Ponte de Lima, o 4º concurso canino de beleza de Ponte de Lima, prova de pesca no rio Lima, demonstração de cães de parar, de aves de cetraria, exposição de espécies cinegéticas e produtos regionais, III concurso de mel, tasquinhas com pratos e petiscos de caça e pesca.

Quanto às atividades de desporto e lazer, no recinto da Feira realizam-se diversas atividades, coordenadas pelo Desporto Aventura, nomeadamente Parede de Escalada, Air Bungee, Tiro ao Alvo (carabinas de pressão de ar e zarabatana), batismo de mergulho, passeio de póneis, exibições de Trial Bike,

Em paralelo decorrem outras atividades a desenvolver pelas Associações de Ponte de Lima, nomeadamente os Batotas, que promovem o Passeio BTT Trovela – pelas margens do Rio Lima, torneio de jogos tradicionais, e uma exposição/desfile de carros clássicos pelo Centro Histórico, intitulada "Charme das Bielas" e coordenada pelo CLAC - Clube Limiano de Automóveis Clássicos, no sábado à noite, a partir das 22 horas.

O programa da Feira inclui ainda um colóquio subordinado ao tema “Sanidade das Espécies Cinegéticas”, a realizar no domingo, às 11 horas, e a Festa do Caçador, às 13 horas, para qual é necessário inscrição prévia, em terra@cm-pontedelima.pt.

Para mais informações consulte: http://feiracpl.cm-pontedelima.pt/

feira_caca2014prog

LIVRO “VIANA E A PESCA DO BACALHAU” É O RESULTADO DE UM PROFUNDO ESTUDO E INVESTIGAÇÃO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DE VIANA DO CASTELO NA PESCA DO BACALHAU, DESDE OS PRIMÓRDIOS ATÉ À ATUALIDADE

O Centro de Estudos Regionais promoveu há algum tempo, o lançamento do livro “Viana e a pesca do bacalhau”, da autoria de Manuel de Oliveira Martins. Trata-se de uma excelente monografia que evidencia a importância de Viana do Castelo, das suas gentes e do seu porto de mar, na saga da pesca do bacalhau desde os tempos mais recuados até aos nossos dias.

Prefaciada pelo Dr. José Carlos de Magalhães loureiro, a obra contou naturalmente com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Este livro reúne importante informação histórica e antropológica sobre a relação da região com a pesca do bacalhau, as navegações europeias para o noroeste do oceano Atlântico, as figuras históricas envolvidas como o navegador João Álvaro Fagundes, a importância económica da extração do sal e das secas de Darque e das Azenhas de D. Prior.

Profusamente ilustrado com imagens que documentam a informação que disponibiliza, o livro descreve ainda a atividade empresarial em torno desta atividade pesqueira, com particular realce para a Empresa de Pesca de Viana, apresentando os navios que estiveram ao seu serviço e descrevendo a ação desenvolvida pelos seus administradores.

As problemáticas sociais em torno da organização da classe piscatória, as dificuldades económicas resultantes da guerra e a oportunidade de isenção do serviço militar, a formação profissional e a importância do navio-hospital Gil Eannes são outros tantos aspetos abordados numa obra da maior importância para a História de Viana do Castelo.

O autor, Manuel de Oliveira Martins, nasceu em Vale de Cambra. Seguiu a carreira de Oficial da Marinha Mercante, tendo-se fixado em Viana do Castelo onde exerceu, durante quase vinte anos, a função de Piloto da Barra. Durante muito tempo dedicou-se ao estudo da memória da pesca do bacalhau, embarcou em diversos navios, alguns dos quais inscritos no porto de Viana do Castelo e experimentou as mais diversas artes, desde a pesca à linha à pesca com redes de emalhar, a pesca de arrasto clássico e de popa. Publicou ainda o livro “Pilotos da Barra de Viana do Castelo, 100 anos de História (1858-1958) ”, editado pelo Centro de Estudos Regionais.

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER

Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima realiza-se de 18 a 20 de julho / Expolima

Ponte de Lima promove de 18 a 20 de julho a VI edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima.

O setor da caça e pesca, associado às atividades de lazer, contribuem para mostrar a vitalidade das associações e das empresas ligadas à temática, sendo uma referência no desenvolvimento da região e do país. Neste contexto, a Feira visa divulgar todos os ramos, serviços e atividades relacionadas com a temática através dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe para a prática destas modalidades.

Durante os dias da exposição realizar-se-ão demonstrações de Aves de Cetraria, de Cães de Parar, demonstração de Dança com Cães, prova de Pesca no Rio Lima, III Concurso de Mel, I Concurso de Beldades Caninas de Ponte de Lima; IV Concurso Canino de Beleza e a final do Campeonato Nacional de St. Huberto.

Referência ainda para o colóquio subordinado ao tema “Sanidade das Espécies Cinegéticas”, no domingo, dia 20, às 11 horas, seguido do início dos julgamentos da IV Exposição Especializada do Cão Castro Laboreiro.

Abrangendo toda a área de exposição da Expolima, outras atividades decorrem ao longo do evento, desde o batismo de mergulho, passeios de póneis, jogos de rio, exposição de carros clássicos e um conjunto de desportos aventura, como Rapel, Air Bungeee, Tiro, Teambuilding Race, demonstrações de Skate e de Trial Bike, esta promovida pelo Trial Portugal com os finalistas do Portugal tem Talento.

Destaque ainda para o Torneio de Jogos tradicionais no domingo, dia 20 de Julho, durante a tarde, dirigido às diversas associações do concelho, do desporto à juventude, da cultura às juntas de freguesia e grupos de amigos que pretendam desfrutar de um dia de saudável competição e confraternização.

As inscrições são gratuitas, devem ser efetuadas na Divisão de Educação e Cultura ou no Gabinete Terra e incluem lembranças de participação.

“VIAGENS À TERRA NOVA” ABRE PORTAS ÀS 18 HORAS

A abertura do ‘Viagens à Terra Nova’ – Memórias da Pesca do Bacalhau está em contagem decrescente. Faltam pouco mais de duas horas para que este evento pioneiro no concelho abra portas. A abertura está agenda para as 18 horas, com a presença da Confraria do Bacalhau de Ílhavo. Até domingo o programa é vasto: será possível revisitar a memória do património marítimo, experimentar a gastronomia, apreciar e adquirir produtos associados ao mar e ao bacalhau, assim como desfrutar de um excelente programa de animação.

viagens à terra nova (1)

Esta iniciativa do Município de Caminha pretende recordar e salvaguardar para o futuro as memórias da pesca do bacalhau, valorizar a atividade piscatória e o envolver o comércio local, bem como as comunidades piscatórias do concelho.

A relação dos portugueses com a Terra Nova é secular e carrega consigo muitas memórias de aventuras da faina. Desta forma, a Câmara Municipal está a prestar uma homenagem aos pescadores da terra, pela bravura demonstrada e pelas lutas travadas nos bancos gelados.

Hoje, dia de abertura a animação promete. Às 18 horas, terá lugar a abertura do certame com a presença da Confraria do Bacalhau de Ílhavo. Às 19 horas, sobe ao palco o Quarteto de Sopros da Academia de Música Fernandes Fão e decorrerá em simultâneo a prova de Vinho Loureiro de João Portugal Ramos, com o apoio de Active Brands. O dia termina, às 22 horas, com Fado pela voz de Elsa Gomes, acompanhada à Guitarra Portuguesa por Márcio Silva, Guitarra dedilhada com José Costa Pereira e no Contrabaixo Torcato Regufe.

viagens à terra nova (2)

viagens à terra nova (3)

viagens à terra nova (4)

“VIAGENS À TERRA NOVA” COMEÇA AMANHÃ NO CAMPO DO CASTELO, EM VILA PRAIA DE ÂNCORA

‘Viagens à Terra Nova’ – Memórias da Pesca do Bacalhau começa já amanhã, no Campo do Castelo, em Vila Praia de Âncora. O evento faz parte de um projeto mais vasto, que visa a valorização da atividade piscatória ao nível do legado histórico da pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova. A abertura está marcada para as 18h00, mas o certame prolonga-se até domingo, com um programa intenso e variado, através do qual será possível revisitar a memória do património marítimo, experimentar a gastronomia, apreciar e adquirir produtos associados ao mar e ao bacalhau, assim como desfrutar de um excelente programa de animação.

Esta iniciativa do Município de Caminha pretende recordar e salvaguardar para o futuro as memórias da pesca do bacalhau, valorizar a atividade piscatória e o envolver o comércio local, bem como as comunidades piscatórias do concelho.

A relação dos portugueses com a Terra Nova é secular e carrega consigo muitas memórias de aventuras da faina. Desta forma, a Câmara Municipal de Caminha está a prestar uma homenagem aos pescadores da terra, pela bravura demonstrada e pelas lutas travadas nos bancos gelados.

PROGRAMA do EVENTO

02 de julho| 18h00 às 24h00

 03 a 06 de julho |  10h00 às 24h00

Campo do Castelo, Vila Praia de Âncora

MEMÓRIAS DA PESCA DO BACALHAU

- Memória do Património Marítimo

- Apresentação Gastronómica

- Mostra e venda de produtos associados ao Mar e ao Bacalhau

- Artesanato do Mar

EXPOSIÇÕES

- A Campanha do Argus, de Alan Villiers - Museu Marítimo de Ílhavo| Recinto do evento

- Frota de Paz nos Mares em Guerra - Museu Marítimo de Ílhavo

- Embarcações e Artefactos da Pesca do Bacalhau

FEIRA DO LIVRO

Participação de Rafael Capela -Alfarrabista e da livraria Baunilha e Chocolate

ANIMAÇÃO

QUA 02 de JULHO

18H00 – Abertura com a presença da Confraria do Bacalhau de Ílhavo

19H00 - Quarteto de Sopros da Academia de Música Fernandes Fão

19H00 – Prova de Vinho Loureiro de João Portugal Ramos, com o apoio de Active Brands

22H00 – Fado com Elsa Gomes, acompanhada à Guitarra Portuguesa por Márcio Silva, Guitarra dedilhada com José Costa Pereira e no Contrabaixo Torcato Regufe

QUI 03 de JULHO

11H00 – Showcooking para crianças - Vamos cozinhar!, por Margarida Bessa Rego

19H00 – Showcooking - Jantamos em 15 minutos. Hoje há bacalhau, por Margarida Bessa Rego

22H00 – Classes de Conjunto da Academia de Música Fernandes Fão

SEX 04 de JULHO

11H00 –  Showcooking para crianças - Os queques do Rei Bacalhau, por Margarida Bessa Rego

19H00 – Showcooking - Como demolhar o bacalhau - A cargo da Lugrade e apresentado por Alice

22H00 – XXVII ENCONTRO INTERNACIONAL DE COROS DA RIBEIRA DO RIO MINHO

Participação do Orfeão de Vila Praia de Âncora (Portugal), Agrupación Coral Polifónica de A Guarda (Espanha), Coral Polifónica de Tomiño (Espanha), Coral Polifónico de Verdoejo (Portugal)

Local: Forte da Lagarteira

SÁB 05 de JULHO

10H00/12H00 – Batismo Náutico em Kayak no rio Âncora (gratuito) | MinhAventura

12H00 –  Showcooking – A Tradicional Chora, Também, Chorinha Sopa usada nos mares da Gronelândia pelos nossos pescadores, confecionada por um pescador local

15H00 – Palestra Frota de Paz nos Mares em Guerra

18H00 – Sessão de Cinema: Cinema Documental

19H00 – Showcooking - Bacalhau confitado em ervas frescas com pérolas de mel, a cargo do Abel Narciso Jorge S.A./UniLoja Supermercados, com a colaboração de Rui Pedro Lima (Eng.º Alimentar, especializado em segurança alimentar /HACCP e Criatividade Gastronómica)

21H30 – Mar de Sophia – Performance Poética

Direção: Manuel Gama

Interpretação: Clemência Matos (atriz) e João Moreira (clarinete)

Vídeo: Manuel Gama

Produção: Dois Pontos Associação Cultural

Duração: 45 minutos

22H30 – Ricardo Gomes - Acústico - Voz e Guitarra

DOM 06 de JULHO

10H00/12H00 – Batismo Náutico em Kayak no rio Âncora (gratuito) | MinhAventura

12H00 –  Showcooking – Línguas de Bacalhau estufadas com batatas, por um pescador local

18H00 – Sessão de Cinema: Cinema Documental

19H00 – Showcooking - O calor de um dia de verão pede um prato bem fresquinho... "raviolli de bacalhau com hortelã", a cargo da Abel Narciso Jorge S.A./UniLoja Supermercados, com a colaboração de Rui Pedro Lima (Eng.º Alimentar, especializado em segurança alimentar /HACCP e Criatividade Gastronómica)

21H30 – Mar de Sophia – Performance Poética

Direção: Manuel Gama

Interpretação: Clemência Matos (atriz) e Andrea Gabilondo (movimento) /João Moreira (clarinete)

Vídeo: Manuel Gama

Produção: Dois Pontos Associação Cultural

Duração: 45 minutos

22H30 – Paulo Baixinho ao vivo - momento musical

DANIEL CAMPELO PROMETE LUTAR PARA QUE OS PROBLEMAS COM QUE O PORTINHO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA SE DEBATE SEJAM CORRIGIDOS

Daniel Campelo visita obra que negociou no “orçamento do queijo”

O responsável pela construção de um novo porto de mar em Vila Praia de Âncora visitou finalmente a obra, 14 anos depois de ter negociado com o Governo do socialista António Guterres aquele que ficou conhecido como o “orçamento do queijo”, para os anos 2001 e 2002.

1513726_284741441703189_3839123735368020399_n

Daniel Campelo, do CDS-PP, exigiu ao governo minoritário do PS, em troca pela aprovação do Orçamento, a concretização de um pacote de obras no Alto Minho, entre elas o novo portinho de Vila Praia de Âncora. Uma obra há muito ansiada pela comunidade piscatória local, mas que acabaria por revelar-se uma grande dor de cabeça.

O assoreamento à entrada do porto é uma constante, impedido a entrada e saída de embarcações. Algumas outras incorreções no projeto dificultam o trabalho dos pescadores, que não foram tidos nem achados.

No local, Daniel Campelo, agora candidato ao Parlamento Europeu nas eleições de 25 de Maio, prometeu lutar para que os problemas do Portinho sejam corrigidos, mais de uma década depois de ter negociado a obra sem nunca ter posto os pés no Portinho para perceber como estava a correr.

O cabeça de lista da Aliança Portugal, a coligação do PSD e do CDS-PP às eleições europeias, Paulo Rangel também acompanhou esta visita ao portinho de Vila Praia de Âncora, numa iniciativa de pré-campanha eleitoral, e mostrou-se preocupado com o que viu. Recordo que os problemas do portinho de Vila Praia de Âncora são reportados há mais de uma década pelos pescadores locais.

O eurodeputado, candidato a um novo mandato, mostrou-se conhecedor das anomalias daquele porto de pesca do concelho de Caminha e prometeu ainda hoje tentar resolver pelo menos os problemas mais simples.

Fonte: http://jornalc.pt/

PAULO RANGEL E JOSÉ MANUEL FERNANDES, CANDIDATOS AO PARLAMENTO EUROPEU PELA ALIANÇA PORTUGUAL (PPD/PSD E CDS/PP) VISITAM PORTINHO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA EM AÇÃO DE PRÉ-CAMPANHA

Durante a visita a Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos de Vila Praia de Âncora entregaram em mão aos Exmºs Senhores Deputados um caderno Reivindicativo com a exposição de alguns pontos que põem em causa a segurança da pesca profissional, pesca desportiva, turismo e lazer e mesmo a comunidade piscatória.

sapal 2 -  2014_9

Exmºs Senhores Deputados

Portinho de Vila Praia de Âncora é uma infraestrutura portuária de pesca que permite o desenvolvimento de atividade piscatória. Este porto de abrigo também dá apoio pontual a embarcações registadas em Caminha e até Viana do Castelo.

Nesta visita de Vªs. Exªs. ao Portinho de Vila Praia de Âncora, a Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos de Vila Praia de Âncora  quer expor alguns pontos que poem em causa a segurança da pesca profissional, pesca desportiva, turismo e lazer e mesmo a comunidade piscatória.

Todos os pontos aqui reivindicados e enunciados são do conhecimento do Ministério da Agricultura e do Mar, Presidente do IPTM,  Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, Docapesca, Capitania do porto de Caminha, Câmara Municipal de Caminha, Deputados eleitos pelo Distrito de Viana do Castelo e partidos políticos com assento no parlamento português.

A saber:

- O assoreamento da barra;

- O assoreamento do portinho;

- Destruição parcial do molhe norte, queda das pedras para o canal de navegação o que põe em risco a navegação;

- Pontão para descarga do peixe junto à lota;

- O plano de emergência para o portinho norte e sul (bocas de incendio, extintores, boias, etc);

- Destruição da plataforma do pontão móvel no portinho sul. Esta situação põe em causa todos os dias a vida dos pescadores que a usam. Em segurança de trabalho é definida como grau de risco inaceitável e pode causar acidentes gravíssimos e mesmo morte;

- A destruição parcial das escadas metálicas que dão acesso à descarga do pescado. Esta situação põe em causa todos os dias a vida dos pescadores que a usam. Em segurança de trabalho é definida como grau de risco inaceitável e pode causar acidentes gravíssimos e mesmo morte;

- Pedras de grandes dimensões que se encontram na rampa norte, pondo em causa todas as embarcações que a usam;

- Obras no Mercado de segunda venda (comercio exclusivo a retalho de peixe crustáceos e moluscos capturados pelas embarcações de Vila Praia de Âncora) para ser possível a implementação HCCP e estar de acordo com a legislação fiscalizada pela ASAE;

- Água e luz na rampa sul que dá acesso às embarcações de recreio, desporto e lazer;

- Na requalificação do portinho sul foi usurpado mais de 1200 metros quadrados de rampa, impossibilitando neste momento o refúgio das embarcações para terra no caso de maresia;

- Destruição do novo edifício (antiga lota) portinho sul provocado pelas ondas da maresia, no nosso entender edifício sem grande utilidade;

- Destruição dos últimos metros da rampa sul do antigo portinho pela máquina que fez o desassoreamento;

- Plano de resíduos (ecopontos marítimos) no portinho novo e portinho sul;

Queremos também aproveitar esta visita para dar a conhecer o projecto PROMAR que está em curso através da consultora PARTNERS4LIFE em que o promotor é a Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos de Vila Praia de Âncora.

O objetivo desde projeto PROMAR é o seguinte:

A maior parte do investimento do Pedido de Apoio é destinado ao funcionamento de um espaço para que seja possível armazenar e conservar o pescado que não é vendido no dia pelos associados da Associação de Pescadores de VP Âncora. A infraestrutura a financiar permitirá manter as qualidades do peixe intactas, podendo oferecer ao comprador um pescado de elevada qualidade, ainda que não tenha sido pescado no próprio dia. Paralelamente existirão também investimentos de suporte da atividade dos pescadores, reforçando-se os equipamentos da futura sede da Associação e criando-se de raiz um website capaz de monitorizar a atividade pesqueira por embarcação.

Assim, pelo exposto, pode facilmente ser avaliado o estado em que se encontra este “Portinho” onde foram investidos muitos milhões de euros, mas que a nível da sua funcionalidade e segurança ainda há muito a fazer. São já visíveis algumas áreas em degradação.

Para além de alguns erros de projecto e execução, já oportunamente comunicados às entidades, há inoperacionalidade de algumas infra-estruturas atrás descritas que dificultam e até impedem o trabalho diário de muitos Pescadores (ver planta anexa com todas as sinalizações).

Para finalizar, permitam lembrar Vªs. Exªs. que o impacto destas dificuldades e inoperacionalidade deste “Portinho” é muito grande no número de Pescadores existentes, nas Famílias directa e indirectamente envolvidas e no comércio e restauração local. Estão em causa muitos postos de trabalho e rendimento destes Pescadores, Famílias, comerciantes e restauração.

Urge uma intervenção neste Portinho de Vila Praia de Âncora. Por isso apelamos à intervenção e influência política de Vªs. Exªs. a bem da resolução dos problemas descritos e desta enorme Comunidade de Vila Praia de Âncora.

Gratos pela atenção, apresentamos os nossos melhores cumprimentos

A Direcção da Associação de Pescadores

DSC_5906

sapal 2 -  2014_6

sapal 2 -  2014_7

MASSEIRA E COVOS EM VILA PRAIA DE ÂNCORA

A imagem data de 1961 e mostra uma masseira com covos de lagosta, no bairro dos pescadores, junto ao portinho, em Vila Praia de Âncora.

As masseiras, também designadas por gamelas, são pequenas embarcações de fundo chato, caraterísticas da costa portuguesa a norte da Figueira da Foz, sobretudo desde a foz do rio Minho ao rio Lima. São habitualmente usadas na pesca e na apanha do sargaço.

A foto pertence ao Centro Português de Fotografia.

PT-CPF-OLF-0054-000001_m0001_derivada

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE APOIA ASSOCIAÇÃO DE PESCADORES NA ELABORAÇÃO DE ESTUDO SOBRE COMUNIDADES PISCATÓRIAS DO CONCELHO

A Câmara Municipal de Esposende vai apoiar a Associação de Pescadores Profissionais do Concelho de Esposende na elaboração de um estudo sobre as comunidades piscatórias locais.

pescadores

“Tradição Viva” é como se denomina o projeto, a desenvolver no âmbito de uma candidatura apresentada pela Associação de Pescadores a fundos comunitários, concretamente ao PROMAR – Programa Operacional de Pescas. A Autarquia suportará 15% do valor elegível, no montante de cerca de 8 400 euros, de acordo com proposta aprovada, por unanimidade, pelo executivo municipal.

O projeto compreende, numa primeira fase, o estudo e inventário das comunidades piscatórias do concelho, posteriormente a sua interpretação, e, por último, a divulgação desse trabalho, através da realização de uma exposição e edição do respetivo livro/catálogo.

O litoral do concelho de Esposende apresenta ainda algumas comunidades ligadas à cultura da pesca, do sargaço, da navegação e da construção naval, pelo que este estudo se afigura da maior importância para afirmar e valorizar este património, razão pela qual a Câmara Municipal entendeu apoiar este projeto.

Os barcos, as artes de pesca, as infraestruturas portuárias, os bairros piscatórios ou as tradições, são apenas o lado mais visível da cultura costeira, atlântica, ancestral e genuína, que remonta à Pré-história e sobreviveu até à atualidade.

VIAGENS À TERRA NOVA ARRANCARAM HOJE COM A RECEÇÃO DE JEAN-PIERRE ANDRIEUX E RESTANTES CONVIDADOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA

“Viagens à Terra Nova” continua amanhã com um Almoço Convívio que vai reunir os pescadores e a restante comitiva, seguindo-se a inauguração da exposição “ Recordar Viagens à Terra Nova”, no Forte da Lagarteira de Vila Praia de Âncora

O projeto Viagens à Terra Nova – Memórias da Pesca do bacalhau começou esta tarde, com a receção a Jean-Pierre Andrieux, autor do livro ‘The White Fleet – A History of Portuguese Handliners’. O livro retrata a pesca artesanal de bacalhau por portugueses nas águas da Terra Nova. “Este é o primeiro momento de um projeto maior. Este projeto inicia-se agora, neste encontro com o passado. No verão vamos dar mais corpo a este projeto, que vai crescer e que vai impregnar-se em Vila Praia de Âncora”, salientou Miguel Alves.

Viagens à Terra Nova (1)

A receção decorreu na sala de reuniões do presidente da Câmara Municipal de Caminha. Estiveram presentes Jean-Pierre Andrieux, John Perlin, Diplomata e Secretário da Rainha Isabel II de Inglaterra no Canadá; Pedro Pinto, Capitão da frota bacalhoeira (SNAB), durante 30 anos e atual coordenador da Comissão Europeia para as Pescas em Vigo; Vitor Sardo, chefe de máquinas do navio Santa Maria Manuela; Vasco Presa, presidente da Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora e Carlos Castro, presidente da Junta de Freguesia de Vila Praia de Âncora, que foram recebidos pelo presidente e pelo vice-presidente Município, Miguel Alves e Guilherme Lagido respetivamente.

Viagens à Terra Nova – Memórias da Pesca do Bacalhau é um projeto que pretende valorizar o legado histórico da pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova. Assim, recordar as memórias da pesca do bacalhau, valorizar a atividade piscatória e envolver o comércio local, bem como as comunidades piscatórias do concelho, são os objetivos do evento. Para Miguel Alves, este projeto de valorização da atividade piscatória ao nível do legado histórico da pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova é fundamental: “temos que saber valorizar Vila Praia de Âncora. Temos que saber valorizar a nossa terra por esse legado. Esta é a nossa história”.

Desta forma, a Câmara Municipal de Caminha quer prestar uma homenagem aos pescadores da terra, pela bravura demonstrada e pelas lutas travadas nos bancos gelados. “Queremos valorizar Vila Praia de Âncora através daquilo que fomos, que somos e que queremos ser”, assegurou o autarca e acrescentou “Vila Praia de Âncora precisa deste projeto para se reconhecer no seu passado e para se projetar para o futuro”.

Do programa ainda faz parte o Almoço Convívio que vai reunir os pescadores e a restante comitiva, na Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora, que terá lugar amanhã, às 13 horas. Também amanhã, às 15 horas será inaugurada a exposição “Recordar Viagens à Terra Nova”, no Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora. A exposição, com motivos alusivos à pesca nas águas da Terra Nova, poderá ser visitada durante o fim de semana entre as 15 horas e as 18 horas e no domingo das 10 horas às 13 horas e das 14h30 às 18 horas.

Viagens à Terra Nova (2)

Viagens à Terra Nova (3)

Viagens à Terra Nova (4)

MUNICÍPIO DE CAMINHA APOSTA NUMA PROGRAMAÇÃO DE LUXO PARA OS MESES DE MARÇO E ABRIL

Viagens à Terra Nova e Caminhada Luso-Galaica animam este fim-de-semana

Caminha oferece neste início de primavera uma panóplia de atividades culturais, turísticas, religiosas e ambientais, que marcam a diferença e que visam impulsionar o turismo cultural, religioso, ambiental, ativo e gastronómico no concelho. Viagens à Terra Nova, Festival da Primavera, Comemorações da Semana Santa, a Maior Mesa da Páscoa e 40 anos de Abril, Uxia e Fernando Tordo são alguns dos momentos a destacar.

A Câmara Municipal de Caminha ultimou para os meses de março e abril um programa cultural recheado e diversificado, com o objetivo de atrair visitantes ao concelho durante os fins-de-semana, especialmente nas mini férias da Páscoa. O Município organiza um programa cultural diversificado e atrativo com os propósitos de colocar Caminha nos mapas e roteiros turísticos, de proporcionar momentos agradáveis aos munícipes, bem como de potenciar a economia local. Nos próximos tempos os munícipes e visitantes podem contar com muitas propostas e agendar caminhadas, exposições, percursos pedestres, concertos, teatro, visitas guiadas, feiras de artesanato e antiguidades, feiras de produtos locais, workshops, musicais, pois estas são algumas das ofertas que o Município tem para oferecer.

Viagens à Terra Nova arranca sexta-feira

Nos dias 14 e 15, arranca o novo projeto do Município: ‘Viagens à Terra Nova’ – Memórias da Pesca do Bacalhau. É um projeto que visa a valorização da atividade piscatória ao nível do legado histórico da pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova. A iniciativa começa na próxima sexta-feira, com a vinda a Caminha de Jean-Pierre Andrieux, autor do livro ‘The White Fleet – A History of Portuguese Handliners’, que retrata a pesca artesanal de bacalhau por portugueses nas águas da Terra Nova. A cerimónia de receção dos convidados vai decorrer na sexta-feira, às 15 horas, no Edifício Paços do Concelho, em Caminha, e conta com a presença os pescadores do bacalhau do concelho.

No sábado, haverá um Almoço Convívio que vai reunir os pescadores e a restante comitiva, na Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora, às 13 horas. No mesmo dia, às 15 horas, vai decorrer a inauguração da exposição “ Recordar Viagens à Terra Nova”, no Forte da Lagarteira de Vila Praia de Âncora. A exposição, com motivos alusivos à pesca nas águas da Terra Nova, poderá ser visitada no sábado entre as 15 horas e as 18 horas e no domingo das 10 horas às 13 horas e das 14h30 às 18 horas.

Caminho de Santiago

Caminhada Luso-Galaica marca o início das boas relações entre os dois municípios

No próximo sábado, dia 15, vai decorrer a caminhada ‘De Âncora a Sanxían: o Caminho da Costa na Foz do Minho’. É um percurso de 22 quilómetros de caminhada que ligam Âncora a Sanxían através do Caminho Português da Costa, promovido pelos municípios de Caminha e A Guarda. A participação tem um custo de 7 euros para adultos e 4 euros para menores de 18 anos e a inscrição deve ser efetuada através da página do clube Desnível Positivo.

Semana Santa de Caminha com atividades de 17 a 21 de abril

De 17 a 21 de abril, Caminha comemora a Semana Santa. A Procissão do Senhor ‘Ecce Homo’, a Adoração da Cruz ou a Procissão do “Enterro” são alguns dos momentos agendados para a semana da Páscoa e que relembram episódios da vida de Jesus Cristo, em que a fé, a reflexão e a oração se fazem sentir. A semana culmina com Compasso Pascal nos dias 20 e 21 de abril, em todas as freguesias do concelho, altura em que a alegria e a união são, sem dúvida, as palavras de ordem.

Maior Mesa de Páscoa

Maior Mesa de Páscoa do País de volta a Vila Praia de Âncora

No dia 19 de abril, Vila Praia de Âncora volta a ser palco da “Maior Mesa de Páscoa do País”. A “mesa”, com centenas de metros de comprimento, é recheada com os melhores produtos tradicionais. Dos doces aos salgados, passando pelo bom vinho e até pelo artesanato, são várias as escolhas para quem visitar o certame. Entre as 10 e as 18 horas, deixe-se surpreender pela maior mesa de Páscoa que alguma vez viu e delicie-se com os deleites gastronómicos característicos do concelho nesta época do ano. Este evento é organizado pelo Movimento de Empresários do Concelho de Caminha e conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha.

Terreiro

Câmara assinala os 40 anos de Abril

Este ano comemoram-se 40 anos de Democracia em Portugal. O concelho de Caminha não ficou indiferente à data e apresenta várias atividades para assinalar este marco histórico. Assim, de 22 a 27 de abril, há exposições que avivam as memórias de Abril, há concertos que ecoam os sons da liberdade e há ateliês alusivos à temática.

No dia 22 de abril, às 17 horas, inaugura a exposição “Imagens de Abril em Caminha”, na Galeria de Arte Caminhense. Esta exposição estará patente até ao dia 29 de abril.

No dia 24 de abril, às 18 horas, vai decorrer a inauguração da exposição “40 artistas, 40 obras. 40 anos de Abril”.  Nesse dia, às 21h30, o Auditório do Centro Social e Cultural de Vila Praia de Âncora vai servir de palco ao Concerto Coral do Orfeão de Vila Praia de Âncora, que vai entoar canções de Zeca Afonso; Adriano Correia de Oliveira e Fernando Lopes.

No dia 25 de abril, as comemorações oficias dos 40 anos do 25 de Abril começam cedo. Às 9h30. Na Praça da República em Vila Praia de Âncora vai decorrer o hastear solene da Bandeira Nacional, com Guarda de Honra dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora e Banda Musical Lanhelense. Às 10h30, terá lugar o hastear solene da Bandeira Nacional, com Guarda de Honra dos Bombeiros Voluntários de Caminha e Banda Musical Lanhelense. Às 11 horas, vai decorrer a sessão solene do 40º aniversário do 25 de Abril, na Praça Calouste Gulbenkian, Caminha. Às 12h30, no Museu Municipal de Caminha, terá lugar a inauguração da exposição “Jornais de Abril”, do Museu Nacional de Imprensa. A partir das 15 horas, na Praça Conselheiro Silva Torres, vai ter lugar o ateliê “Liberdade”, organizado pela União de Freguesias de Caminha e Vilarelho. Este dia histórico termina com o concerto UXIA, a partir das 21h30, no Largo Calouste Gulbenkian, em Caminha.

Ainda para assinalar os 40 anos de Abril, Fernando Tordo sobe ao palco do Valadares - Teatro Municipal de Caminha, no dia 26 de abril, às 22 horas.

As comemorações dos 40 anos de Abril terminam no dia 27, às 16 horas, com a apresentação da peça “Vejam bem. Na sala há 5 meninas”, pelo Grupo de Teatro “O Fantocheiro”, no Valadares-Teatro Municipal de Caminha.

percurso

Março e Abril com uma mão cheia de atividades

Para além dos certames já mencionados, em março vão acontecer as mais variadas atividades. No dia 21 de março, o Município vai comemorar o Dia Mundial da Floresta, com a promoção de um pequeno percurso pedestre e uma plantação de espécies autóctones.

No dia 22 de março, a proposta é a realização do workshop “Plantas Aromáticas e Medicinais”, a cargo de Carlos Venade. Este workshop vai realizar-se nas Hortas Urbanas da Barrosa, em Vila Praia de Âncora, a partir das 14h30. A participação é gratuita mas a inscrição é obrigatória.

De 22 de março a 13 de abril, o concelho acolhe o Festival da Primavera, que é um projeto multifacetado e que oferece diferentes tipos de música e de experiências artísticas. Este certame arranca no Valadares-Teatro Municipal de Caminha, no dia 22, às 21h30, com a apresentação do espetáculo “Puppets of my life” vencedor do Wayang World Puppet Carnival em Jacarta, Indonésia, em 2013. No dia 5 de abril, o festival apresenta o Duo Malguina – Rubino, às 19 horas; no dia 7 de abril, o Recital de Piano “Jovens talentos”, no dia 8 de abril o concerto de Laureados. O Festival da Primavera encerra no dia 13 de abril, com a promoção do Recital de Oratória “Laude Deum”. Este festival integra o 11º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho.

Em Abril, o Município apresenta também um conjunto diversificado de iniciativas.

No dia 5 de abril, vai decorrer o percurso pedestre “Vamos ao Moinho”, em Arga de Baixo.

De 5 a 8 de abril, a Academia de Música Fernandes Fão realiza o 11º Concurso Ibérico de Piano do Alto Minho, que todos os anos tem a concorrer centenas de crianças, oriundas de Portugal, Espanha e Itália.

De 12 a 19 de abril, o Município vai comemorar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com a realização de visitas guiadas ao Centro Histórico de Caminha. é de realçar que as visitas guiadas dos dias 11 e 17 só se efetuam mediante marcação.

Feirão de Tradições – Os sabores do campo, Mãos d’Arte e Feira de Antiguidades e Colecionismo enriquecem mensalmente a agenda de atividades

Quinzenalmente, o Feirão de Tradições – Os Sabores do Campo – transforma as praças das duas vilas em “pequenos mercados agrícolas”, onde o visitante pode adquirir os mais variados produtos hortícolas da época e genuínos do concelho, que primam pela frescura e qualidade. Este certame pretende revitalizar a agricultura, preservar as paisagens agrícolas, ajudar os pequenos agricultores a escoarem os produtos, bem como servir de estímulo aos mais jovens, de modo a apostarem na agricultura. Vila Praia de Âncora vai acolher o próximo feirão, este sábado, dia 15 de março, a partir das 9 horas. Em abril, em Caminha realizam-se nos dias 19 e 26. Em Vila Praia de Âncora nos dias 12 e 19 de abril.

O certame Mãos d’Arte – Feira de Artesanato e Artes Decorativas do Concelho de Caminha anima mensalmente as vilas do concelho. A Câmara pretende ainda valorizar e revitalizar as artes e ofícios do concelho, bem como criar uma identidade territorial e potenciar o desenvolvimento local. O Parque 25 de Abril em Caminha acolhe a Mãos d’Arte este fim de semana e o Parque Dr. Ramos Pereira nos dias 5 e 6 de abril

No terceiro domingo de cada mês, o Parque 25 de Abril, em Caminha, acolhe a Feira de Antiguidades e Colecionismo de Caminha de 2014. O objetivo é promover e divulgar valores culturais do passado, possibilitando aos visitantes “viagens” a outros tempos através dos objetos expostos. A partir das 9 horas, os visitantes encontram todo o tipo de antiguidades, velharias e usados. Esta iniciativa conta com o apoio do Município de Caminha.

Orfeão de Vila Praia de Âncora e Casa do Povo de Lanhelas assinalam aniversários

Os meses de março e abril serão ainda marcados pelos aniversários de duas instituições, que levam o bom nome do concelho através do trabalho que desenvolvem em prol da cultura, da educação e da ação social do concelho e que, por isso, merecem todo o respeito. São os casos do Orfeão de Vila Praia de Âncora e da Casa de Povo de Lanhelas.

No dia 22 de março, o Orfeão de Vila Praia de Âncora assinala o 56ª aniversário com a apresentação da comédia “Morreu o Inácio” de Artur Gigante, que conta com a participação do Grupo de Teatro, Grupo Coral e Grupo de Danças e Cantares do Orfeão de Vila Praia de Âncora. O concerto comemorativo vai decorrer às 18 horas, na Casa do Orfeão.

No dia 26 de abril, a Casa do Povo de Lanhelas vai assinalar o 75º aniversário da sua fundação, a partir das 15 horas.

‘VIAGENS À TERRA NOVA’: CERTAME EM CAMINHA RECORDA AS MEMÓRIAS DA PESCA DO BACALHAU

Na sexta-feira, Caminha recebe o escritor Jean-Pierre Andrieux, autor de um livro sobre a história dos pescadores do bacalhau portugueses

‘Viagens à Terra Nova’ – Memórias da Pesca do Bacalhau é um projeto que visa a valorização da atividade piscatória ao nível do legado histórico da pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova. A iniciativa começa na próxima sexta-feira, com a vinda a Caminha de Jean-Pierre Andrieux, autor do livro ‘The White Fleet – A History of Portuguese Handliners’, que retrata a pesca artesanal de bacalhau por portugueses nas águas da Terra Nova.

Recordar as memórias da pesca do bacalhau, valorizar a atividade piscatória e o envolver o comércio local, bem como as comunidades piscatórias do concelho, são os objetivos de “Viagens à Terra Nova”. De fato, a relação dos portugueses com a Terra Nova é secular e carrega consigo muitas memórias de aventuras da faina. Desta forma, a Câmara Municipal de Caminha quer prestar uma homenagem aos pescadores da terra, pela bravura demonstrada e pelas lutas travadas nos bancos gelados.

Assim, na próxima sexta-feira, dia 14, ruma a Caminha Jean-Pierre Andrieux, um historiador e escritor canadiano, autor do livro ‘The White Fleet – A History of Portuguese Handliners’, em que é relatada a vida dos pescadores portugueses que partiam para a Terra Nova para a pesca do bacalhau. A designação White Fleet, em português, Frota Branca surgiu durante a Segunda Guerra Mundial e diz respeito aos navios portugueses pintados de cor branca, que eram utilizados para a pesca do bacalhau. Jean-Pierre Andrieux é ainda Vice-Cônsul honorário de Espanha na Gronelândia e Labrador e Diretor do Protocolo da Cultura da Gronelândia até à reforma.

Da comitiva faz parte também Jean Perlin, Diplomata e Secretário da Rainha Isabel II de Inglaterra no Canadá, Pedro Pinto, Capitão da frota bacalhoeira durante 30 anos e atual coordenador da Comissão Europeia das Pescas em Vigo, e Pedro Megano – Realizador português que esta neste momento a recolher elementos para um documentário sobre o “Presente e Passado da vida dos bacalhoeiros”.

Na cerimónia de receção dos convidados, que vai decorrer na sexta-feira, às 15 horas, no Edifício Paços do Concelho, em Caminha, também marcarão presença os pescadores do bacalhau do concelho.

No sábado, haverá um Almoço Convívio que vai reunir os pescadores e a restante comitiva, na Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora, às 13 horas. No mesmo dia, às 15 horas, vai decorrer a inauguração da exposição “ Recordar Viagens à Terra Nova”, no Forte da Lagarteira de Vila Praia de Âncora. A exposição, com motivos alusivos à pesca nas águas da Terra Nova, poderá ser visitada no sábado entre as 15 horas e as 18 horas e no domingo das 10 horas às 13 horas e das 14h30 às 18 horas.

No âmbito deste projeto estão previstas, para o mês de julho, uma série de atividades, tais como: cinema, workshops, música e dança, assim como conferências e exposições temáticas. Haverá ainda o envolvimento da restauração local na confeção de pratos específicos de bacalhau, com receitas tradicionais e a mostra de produtos associados ao bacalhau.

NAVIO HOSPITAL GIL EANNES REGRESSOU A VIANA DO CASTELO HÁ 16 ANOS

Navio Museu Gil Eannes – comemora 16 º Aniversário da chegada a Viana do Castelo

No próximo dia 31 de Janeiro, a Fundação Gil Eannes comemora o 16º aniversário do regresso do Navio Hospital Gil Eannes a Viana do Castelo, que depois de ter sido resgatado ao sucateiro chega à cidade em Janeiro de 1998.

9 N Gil Eannes_atracado doca comercial de Viana do

Após diversas obras de reabilitação realizadas nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, o Gil Eannes fica atracado na antiga doca comercial de Viana do Castelo no verão de 1998.

Nesse ano de 1998 é instituída a Fundação Gil Eannes e o emblemático navio fica em exposição pública como espaço museológico e passa a receber desde então visitantes vindos dos quatro cantos do mundo. Atualmente a Fundação Gil Eannes regista 647 638 visitantes.

Para assinalar a data, a Fundação Gil Eannes tem programado para o dia 31 de Janeiro:

Visitas ao navio museu (gratuitas)

9H00 às 17H30

Visitas guiadas a grupos (gratuitas)

10H30 - 15H00

Para integrar os grupos em visita guiada deve ser feita uma marcação prévia contactando os serviços administrativos da Fundação Gil Eannes pelo telef.: 258 809 710

Visualização do documentário “Gil Eannes” do realizador Francisco Manso

11H00 - 14H30 - 16H00

Apresentação de uma Coleção de Postais do Navio Hospital Gil Eannes

17H30 abertura da sessão e apresentação da coleção de postais_ João Lomba da Costa

17H35 palestra “O regresso do Gil Eannes”_ António Santos Lima

17H55 intervenção do representante do Município de Viana do Castelo_ Vereador Vítor Lemos

18H00 encerramento da sessão_ João Lomba da Costa

Recorde-se que o Navio Hospital Gil Eannes foi construído nos Estaleiros de Viana do Castelo em 1955, tendo como missão apoiar a frota bacalhoeira portuguesa nos mares da Terra Nova e Gronelândia. A sua principal função foi prestar assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira mas também foi navio capitania, navio correio, navio rebocador, garantindo abastecimento de mantimentos, redes, isco e combustível aos navios da pesca do bacalhau.

A Fundação Gil Eannes

29 de Janeiro de 2014

1 N Gil Eannes_saidaViana do Castelo_1955

2 N Gil Eannes _funcaohospitalar

12 Capela Gil Eannes_restaurada2008

13 N Gil Eannes _  sala esterlização_por restaur

14 N Gil Eannes _ a sala analises_por restaurar

A PESCA DA SARDINHA NA COSTA PORTUGUESA

No S. João, a sardinha pinga no pão” – diz o povo imbuído na sua sabedoria empírica. Com efeito, é por esta altura que a sardinha é mais gorda, devendo-se tal facto a circunstâncias de ordem climática e geofísica únicas na costa portuguesa que fazem desta espécie um exemplar único em toda a Península Ibérica.

1080467_584453111617762_93033172_n

De origens remotas, a sardinha era tradicionalmente pescada por meio da arte xávega, método este que consistia numa forma de pesca por cerco. Deixando uma extremidade em terra, as redes são levadas a bordo de uma embarcação que as vai largando e, uma vez terminada esta tarefa, a outra extremidade é trazida para terra. Então, o saco é puxado a partir da praia, outrora recorrendo ao auxílio de juntas de bois, actualmente por meio de tracção do guincho ou de tractores. Entretanto, as modernas embarcações de arrasto vieram a ditar a morte da arte xávega e, simultaneamente, a ameaçar a sobrevivência das próprias espécies piscícolas, colocando em causa o rendimento familiar dos próprios pescadores.

A sardinha constitui um das suas principais fontes de rendimento, representando quase metade do peixe, calculado em peso, que passa nas lotas portuguesas. Matosinhos, Sesimbra e Peniche são os principais portos pesqueiros de sardinha em todo o país.

Quando, no início da Primavera, o vento sopra insistentemente de norte durante vários dias, os pescadores adivinham um verão farto na pesca da sardinha, do carapau, da cavala e outras espécies que são pescadas na costa portuguesa. A razão é simples e explica-se de forma científica: esta época do ano é caracterizada por um sistema de altas pressões sobre o oceano Atlântico, vulgo anticiclone dos Açores, o qual se reflecte na observância de elevadas temperaturas atmosféricas, humidade reduzida e céu limpo. Verifica-se então uma acentuada descida das massas de ar que resultam no aumento da pressão atmosférica junto à superfície e a origem de ventos anticiclónicos que circulam no sentido dos ponteiros do relógio em torno do centro de alta pressão, afastando os sistemas depressionários. Em virtude da situação geográfica de Portugal continental relativamente ao anticiclone, estes ventos adquirem uma orientação a partir de norte ou noroeste, habitualmente designado por “nortada”.

Sucede que, por acção do vento norte sobre a superfície do mar e ainda do efeito de rotação da Terra, as massas de água superficiais afastam-se para o largo, levando a que simultaneamente se registe um afloramento de águas de camadas mais profundas, mais frias e ricas em nutrientes que, graças à penetração dos raios solares, permite a realização da fotossíntese pelo fito plâncton que constitui a base da cadeia alimentar no meio marinho. Em resultado deste fenómeno, aumentam os cardumes de sardinha e outras espécies levando a um maior número de capturas. E, claro está, o peixe torna-se mais robusto e apetecível.

O mês de Junho, altura em que outrora se celebrava o solstício de Verão e agora se festejam os chamados"Santos Populares" – Santo António, São João e São Pedro – é, por assim dizer, a altura em que a sardinha é mais apreciada e faz as delícias do povo nas animações de rua. Estendida sobre um naco de pão, a sardinha adquire um paladar mais característico, genuinamente à maneira portuguesa.

Por esta altura, muitos são os estrangeiros que nos visitam e, entre eles, os ingleses que possuem a particularidade de a fazerem acompanhar com batata frita, causando frequente estranheza entre nós. Sucede que, o “fish and chips” ou seja, peixe frito com batatas fritas, actualmente bastante popular na Grã-bretanha, teve a sua origem na culinária portuguesa, tendo sido levado para a Inglaterra e a Holanda pelos judeus portugueses, dando mais tarde origem à tempura que constitui uma das especialidades gastronómicas mais afamadas do Japão.

Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/

HÁ SARDINHA LINDA… EM ESPOSENDE!

O mar de Esposende tem-se revelado generoso com os pescadores de Esposende. Quando recolhem as redes e outras artes de pesca, eis que a pescaria se revela farta, levando desse modo o pão aos seus lares.

1278500_584453134951093_173487309_n

É árdua e arriscada a vida dos nossos pescadores. Ainda de madrugada, mal despontam os primeiros raios de sol, já a faina vai longa. E, não raras as vezes, o que tiram ao mar compensa o combustível despendido na viagem.

Entretanto, já Esposende acordou e esperando ansiosamente pelo seu regresso. E, quais companheiras inseparáveis, as gaivotas voam em círculos em torno das embarcações aguardando a oportunidade da refeição.

A farta pescaria que o mar vem oferecendo aos pescadores de Esposende traz-nos à lembrança a passagem bíblica segundo a qual, após uma pesca sem sucesso, Jesus ordenou aos seus discípulos que lançassem de novo as redes ao mar, tendo então obtido abundância de peixe. Embora aludindo à pescaria das almas, ensina-nos o relato a importância da perseverança, tão importante nos tempos que correm marcados pelo abandono das nossas pescas em consequência da adesão à CEE.

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/

1278442_584453078284432_1636506908_n

1278233_584453154951091_1215852894_n

1081832_584453104951096_1286394428_n

1167730_584453124951094_84904875_n

1080467_584453111617762_93033172_n

1080320_584453091617764_180602144_n

972410_584453121617761_2101183949_n

967554_584453118284428_850480122_n

702024_584453128284427_1345655990_n

INAUGURADA SEGUNDA FASE DO PORTINHO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA

Inauguração decorreu hoje de manhã mas a festa prolonga-se até à noite

Decorreu hoje, dia 26, a inauguração da requalificação do Portinho de Vila Praia de Âncora (2ª fase). A cerimónia contou com a presença do Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu. A festa continua com atuações de grupos do concelho e com um concerto de Quim Barreiros.

Inauguração Portinho (3)

Depois do descerrar da placa e de uma visita pelo espaço do portinho, o Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, sublinhou a importância do investimento executado em Vila Praia de Âncora, o qual se traduz em 5,7 milhões de euros, e desejou “a todos os que fazem do mar o seu gabinete de trabalho, que retirem o melhor usufruto da infraestrutura”. Salientou ainda que “este portinho trará com certeza novas ambições”, as quais devem ser refletidas com clareza e calma, para que as soluções sejam as melhores e as mais acertadas.

Júlia Paula Costa, presidente da Câmara Municipal de Caminha, enfatizou não apenas a obra do Portinho, mas toda a requalificação executada na zona ribeirinha: “foi devolvida a dignidade a Vila Praia de Âncora”. Para além de lembrar a nova praia da Gelfa, em Âncora, o Parque Dr. Ramos Pereira e as ecovias, Júlia Paula Costa afirmou ainda que, em breve, através da Polis Litoral, toda a ligação da zona litoral através de ecovias vai ser concluída. Aproveitou também para anunciar que a Marginal de Caminha, neste mesmo âmbito, está em condições de avançar.

A autarca caminhense reconheceu a beleza e a importância da obra do Portinho de Vila Praia de Âncora, mas deixou o recado ao Secretário de Estado: “se no inverno os nossos pescadores não puderem sair para o mar com a segurança e a regularidade desejáveis, nada disto então fará sentido”, aludindo para o problema do constante assoreamento da barra.

Inauguração Portinho (2)

Joaquim Gonçalves, representante do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM), entidade responsável pela obra do Portinho, agradeceu a paciência da comunidade piscatória durante os mais de dois anos de obras, mudanças e condições provisórias. “Tirem proveito deste porto e aumentem a vossa produtividade”, pediu.

Manuel Marques, presidente da Junta de Freguesia de Vila Praia de Âncora, evidenciou todo o trabalho prévio à inauguração e a importância da obra porque “este é um povo exigente, reivindicativo e trabalhador”. E acrescentou: “os pescadores são os responsáveis pelo sustento e pelo progresso desta freguesia”.

De tarde, há arruada com os Grupos de Bombos de Dem e de Vila Praia de Âncora e atuações dos Grupos Folclóricos: Orfeão de Vila Praia de Âncora, Etnográfico de Vila Praia de Âncora, Grupo de Danças e Cantares da SIRA, Grupo das Lavradeiras de Gondar (GARCEA) e Rancho Folclórico de Dem. À noite, a partir das 22h, há concerto de Quim Barreiros.

Inauguração Portinho (1)

Inauguração Portinho (4)

VIANA DO CASTELO INAUGURA AMANHÃ EXPOSIÇÃO SOBRE A PESCA DO BACALHAU

Abertura da exposição “Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana”

No próximo dia 16 de Agosto abre ao público, no Museu de Artes Decorativas, em Viana do Castelo, a exposição Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana, promovida pelo Centro de Estudos Regionais, Junta de Freguesia de Monserrate, Câmara Municipal de Viana do Castelo e Comissão Social da Freguesia de Monserrate.

A exposição visa resgatar a memória da pesca do bacalhau e recuperar a história da Empresa de Pesca de Viana, no ano em que se cumpre o centenário da fundação da empresa que esteve na sua génese. Pretende-se, de acordo com os organizadores, recordar os principais factos e personalidades que estiveram associadas ao desenvolvimento da pesca do bacalhau nos princípios do séc. XX, em Viana do Castelo. De igual modo, procura-se recuperar a memória dos homens que dedicaram a sua vida àquele tipo de pesca, prestando-lhes homenagem.

A exposição reúne dezenas de objetos relacionados com a pesca à linha, a pesca com redes de emalhar e de arrasto – modalidades de pesca do bacalhau em que operaram centenas de vianenses –, instrumentos de marinharia e documentos de origem diversa.

Ocupando o espaço do andar térreo e a galeria do 1º andar da nova ala do Museu de Artes Decorativas, a exposição apresenta os principais factos da vida da Empresa de Pesca de Viana e as características de todos os navios que estiveram ao seu serviço Segundo os promotores, a exposição conta com a colaboração de diversos particulares e instituições que cederam peças de elevado valor histórico, algumas das quais nunca estiveram acessíveis ao público.

A exposição estará patente até ao dia 27 de Outubro de 2013. A cerimónia de abertura da exposição será antecedida pela apresentação do livro “Viana e a pesca do bacalhau”, de Manuel de Oliveira Martins, editado pelo Centro de Estudos Regionais, que terá lugar às 17 horas. Trata-se de uma publicação, com 420 páginas e profusamente ilustrada, onde o autor reúne informação histórica e depoimentos sobre a pesca do bacalhau em Viana do Castelo.

Viana do Castelo, 8 de agosto de 2013

Promotores

VIANA DO CASTELO RECORDA A PESCA DO BACALHAU

Abertura da exposição “Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana”

No próximo dia 16 de Agosto abre ao público, no Museu de Artes Decorativas, em Viana do Castelo, a exposição Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana, promovida pelo Centro de Estudos Regionais, Junta de Freguesia de Monserrate, Câmara Municipal de Viana do Castelo e Comissão Social da Freguesia de Monserrate.

A exposição visa resgatar a memória da pesca do bacalhau e recuperar a história da Empresa de Pesca de Viana, no ano em que se cumpre o centenário da fundação da empresa que esteve na sua génese. Pretende-se, de acordo com os organizadores, recordar os principais factos e personalidades que estiveram associadas ao desenvolvimento da pesca do bacalhau nos princípios do séc. XX, em Viana do Castelo. De igual modo, procura-se recuperar a memória dos homens que dedicaram a sua vida àquele tipo de pesca, prestando-lhes homenagem.

A exposição reúne dezenas de objetos relacionados com a pesca à linha, a pesca com redes de emalhar e de arrasto – modalidades de pesca do bacalhau em que operaram centenas de vianenses –, instrumentos de marinharia e documentos de origem diversa.

Ocupando o espaço do andar térreo e a galeria do 1º andar da nova ala do Museu de Artes Decorativas, a exposição apresenta os principais factos da vida da Empresa de Pesca de Viana e as características de todos os navios que estiveram ao seu serviço Segundo os promotores, a exposição conta com a colaboração de diversos particulares e instituições que cederam peças de elevado valor histórico, algumas das quais nunca estiveram acessíveis ao público.

A exposição estará patente até ao dia 27 de Outubro de 2013. A cerimónia de abertura da exposição será antecedida pela apresentação do livro “Viana e a pesca do bacalhau”, de Manuel de Oliveira Martins, editado pelo Centro de Estudos Regionais, que terá lugar às 17 horas. Trata-se de uma publicação, com 420 páginas e profusamente ilustrada, onde o autor reúne informação histórica e depoimentos sobre a pesca do bacalhau em Viana do Castelo.

Viana do Castelo, 8 de agosto de 2013

Promotores

VIANA DO CASTELO APRESENTA EXPOSIÇÃO SOBRE AS MEMÓRIAS DA PESCA

Abertura da exposição “Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana”

No próximo dia 16 de Agosto abre ao público, no Museu de Artes Decorativas, em Viana do Castelo, a exposição Viana, fiel amiga do Mar. Memórias da Empresa de Pesca de Viana, promovida pelo Centro de Estudos Regionais, Junta de Freguesia de Monserrate, Câmara Municipal de Viana do Castelo e Comissão Social da Freguesia de Monserrate.~

A exposição visa resgatar a memória da pesca do bacalhau e recuperar a história da Empresa de Pesca de Viana, no ano em que se cumpre o centenário da fundação da empresa que esteve na sua génese. Pretende-se, de acordo com os organizadores, recordar os principais factos e personalidades que estiveram associadas ao desenvolvimento da pesca do bacalhau nos princípios do séc. XX, em Viana do Castelo. De igual modo, procura-se recuperar a memória dos homens que dedicaram a sua vida àquele tipo de pesca, prestando-lhes homenagem.

A exposição reúne dezenas de objetos relacionados com a pesca à linha, a pesca com redes de emalhar e de arrasto – modalidades de pesca do bacalhau em que operaram centenas de vianenses –, instrumentos de marinharia e documentos de origem diversa. Ocupando o espaço do andar térreo e a galeria do 1º andar da nova ala do Museu de Artes Decorativas, a exposição apresenta os principais factos da vida da Empresa de Pesca de Viana e as características de todos os navios que estiveram ao seu serviço.

Segundo os promotores, a exposição conta com a colaboração de diversos particulares e instituições que cederam peças de elevado valor histórico, algumas das quais nunca estiveram acessíveis ao público.

A exposição estará patente até ao dia 27 de Outubro de 2013.

A cerimónia de abertura da exposição será antecedida pela apresentação do livro “Viana e a pesca do bacalhau”, de Manuel de Oliveira Martins, editado pelo Centro de Estudos Regionais, que terá lugar às 17 horas. Trata-se de uma publicação, com 420 páginas e profusamente ilustrada, onde o autor reúne informação histórica e depoimentos sobre a pesca do bacalhau em Viana do Castelo.

Viana do Castelo, 8 de agosto de 2013

Promotores

FORTE DA LAGARTEIRA EM VILA PRAIA DE ÂNCORA RECEBE EXPOSIÇÃO SOBRE PESCA

A exposição decorre no âmbito da iniciativa Feira à Moda Antiga, que vai retratar Vila Praia de Âncora de outros tempos

O Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora, recebe a partir de amanhã até ao próximo domingo, dia 11, uma exposição sobre pesca. A exposição decorre no âmbito da iniciativa Feira à Moda Antiga e tem como objetivo dar a oportunidade, tanto a munícipes como a turistas, de visitar o Forte.

Forte da Lagarteira

“Trata-se de uma exposição simples sobre a pesca e os pescadores, que tem como objetivo principal abrir o Forte para que possa ser visitado pelos munícipes e pelos turistas”, explica Carlos Castro, mentor da iniciativa.

Desde amanhã, quinta-feira, até domingo, dia 11, é possível visitar a exposição, entre as dez horas da manhã e a meia-noite. A organização espera uma grande afluência e acredita que a iniciativa “vai comover algumas pessoas”, tanto pelo tipo de exposição, como pelo local onde vai ser realizada, confessa Carlos Castro. “O Forte, sobretudo à noite, é um local muito bonito”, acrescenta.

Ainda de acordo com a organização, na parte exterior do Forte vão ser colocados alguns motivos agrícolas de outros tempos, como por exemplo alfaias ou carros de bois, enquadrados no espírito da iniciativa Feira à Moda Antiga.

Feira à Moda Antiga retrata Vila Praia de Âncora do início do século XX

De 8 a 11 de agosto o Portinho de Vila Praia de Âncora veste-se a rigor para acolher uma feira de outros tempos. Artesanato e gastronomia típicos de há 100 anos são as promessas da organização. “Vamos retratar Vila Praia de Âncora de outros tempos e até os participantes se vão vestir como antigamente”, explica Daniela Amorim, membro da Associação Arte D’aminha.

A iniciativa Feira à Moda Antiga tem como objetivo “divulgar o artesanato do concelho e dar a conhecer o espaço que foi requalificado”, afirma ainda Daniela Amorim. Já a gastronomia está a cargo do Grupo de Amigos Nosso Senhor dos Aflitos, de forma a angariar fundos para a realização da Festa em Honra do Senhor dos Aflitos.

Os visitantes vão poder encontrar também licores e compotas, assim como desfrutar da animação proporcionada, como por exemplo concertinas, ao longo dos vários dias de Feira.

Esta é uma iniciativa da Associação Arte D’aminha e do Grupo de Amigos Nosso Senhor dos Aflitos, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Caminha.

FEIRA DE CAÇA, PESCA E LAZER DE PONTE DE LIMA É UMA REFERÊNCIA NOS ROTEIROS NACIONAIS DA ESPECIALIDADE

A V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, que terminou no passado domingo, reuniu associações e entidades na promoção e valorização do mundo rural.

Sto Huberto

Esta dinâmica surge de uma organização conjunta da Câmara Municipal de Ponte de Lima e da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, com a colaboração das federações de âmbito nacional e Associações do concelho, potenciando a valorização dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe.

Esta quinta edição apresentou demonstrações de aves de cetraria, cães de parar, demonstração de pesca e diversas competições como a prova de pesca no Rio Lima e o III Concurso Canino de beleza, que se distinguiu pela qualidade e excelência dos animais levados a concurso.

Este evento, já integrado nos roteiros nacionais da especialidade, foi palco mais uma vez da final do campeonato nacional de St. Huberto, onde foram outorgados os títulos de campeão e vice-campeão nacional a João Domingos e João Piçarra respetivamente, estes que representarão Portugal no campeonato do mundo da especialidade, que terá lugar na Croácia, no mês de outubro. Pedro Pereira foi 3º classificado nesta competição.

A vasta área de exposição deste espaço permitiu ainda realizar diversas ações simultâneas, nomeadamente batismo a cavalo, passeios de carros de cavalo, exposição de carros clássicos e um conjunto de desportos de aventura como Rapel, Air Bungee e Tiro ao alvo.

O torneio de jogos tradicionais regressou, desta vez com a participação de 4 equipas, trazendo à Feira momentos de confraternização e convívio saudável através de atividades de lazer populares.

Fruto do sucesso alcançado na IV edição da feira, realizou-se este ano o II Concurso de Mel, que teve como objetivo dar a conhecer a diversidade do mel dos produtores limianos e premiar a sua qualidade. As distinções foram entregues a Alberto Rodrigues da Cunha, produtor de Chão da Labruja, primeiro classificado, a Sílvia Teixeira de Vasconcelos Osório, com mel proveniente de Cepões em segundo lugar, e o terceiro lugar do pódio coube a Carlos Alberto Torres Barros de Vitorino dos Piães.

De realçar que este ano realizou-se a primeira festa do caçador, que encerrou a feira da Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima.

Jogos tradicionais

Para concluir confira os resultados do III Concurso Canino de Beleza:

BIS ADULTO

1º Bulldog Inglês- Prop. Juan Manuel Lopez Rodriguez- Pontevedra

2º Labrador Retriver- Prop. Luis Anton Kowalski - Alicante

3º Cocker Spaniel Inglês- Prop. Tiago e Nuno Rafael - Maia

4º Golden Retriver- Prop. Oscar Ferraz - Ponte de Lima

BIS JOVEM

1º Bullmastiff- Ricardo Silva- Matosinhos

2º Cocker Spaniel Inglês- Prop. Tiago e Nuno Rafael- Maia

3ª Golden Retriever- Prop. Oscar Ferraz- Ponte de  Lima

CLASSE DE PARES

1º Yorkshire Terrier- Prop. Manuel Ribeiro- V. N. Gaia

2º Cão de Fila S. Miguel- Prop. Paula Dias & Carlos Pinto- Povoa Lanhoso

3º Cão da Serra da Estrela P. comprido-Prop. João Paulo Amorim- Ponte de Lima

GRUPO DE CRIADOR

1º Collie pelo comprido- Canil Tamberlay( Arnold Allum)- Marco Canavezes

2º Cão de Fila S. Miguel- Canil Noroeste Suevo (Paula Dias e Carlos Pinto) - Póvoa de Lanhoso

3º Golden Retriever- Canil de Boscardini ( Oscar Ferraz)- Ponte de Lima

II Canino de Beleza

PONTE DE LIMA INAUGURA HOJE FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. Abre hoje, às 18 horas

O Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Engº Francisco Gomes da Silva preside esta sexta feira, às 18 horas à inauguração oficial da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima.

convite_Fc_13_f

Numa organização conjunta entre o Município de Ponte de Lima e a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, o certame destaque-se pela elevado numero de entidades que se associam tornando a Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima uma referencia a nível nacional. A diversidade de oferta e de actividades disponíveis são prova do real envolvimento das associações do concelho, e cada uma no seu âmbito dão o melhor em benefício da Feira.

Com vários pontos de atracão, a Feira de Caça, Pesca e Lazer diferencia-se pela múltipla oferta que apresenta desde o pavilhão de expositores, da restauração, às áreas de recreio e lazer, que se dividem as diversas demonstrações, nomeadamente de cães de rasto, cães de parar, aves de cetraria, dança, desfile de carros clássicos e o maior aquário móvel da Europa, equipamento que têm encantado milhares de pessoas.

Convidamos o v/ órgão de comunicação a acompanhar o périplo do Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, visitando todos os expositores desta V edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, a partir das 18 horas.

convite_Fc_13_v

FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER COMEÇA AMANHÃ EM PONTE DE LIMA

V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. 19 a 21 de julho

Ponte de Lima acolhe de 19 a 21 de Julho na Expolima a V edição da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. A dinâmica deste evento, surge de uma parceria entre o Município e a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima com a colaboração das federações de âmbito nacional e Associações do concelho, dos vários sectores que dão mote a este evento, nomeadamente, Caça, Pesca, Apicultura, Desportivas, Florestais e Recreativas e de lazer, com o objetivo de divulgar todos os produtos e serviços disponíveis potenciando a valorização dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe.

Para além das provas de caça e pesca, com destaque para a Final do Campeonato Nacional de Santo Huberto, o evento irá contar com várias áreas de exposição de artigos de caça, exposição de cães e matilhas, demonstração de aves de cetraria, exposição de espécies cinegéticas e produtos regionais, tasquinhas com pratos e petiscos de caça e pesca.

Quanto às atividades de desporto e lazer, destaque para o maior aquário móvel da Europa disponível para a realização de atividades diversas, desde o Batismo de Mergulho, e demonstrações de Pesca e do Cão de água português. Estas atividades, gratuitas, vão decorrer de hora a hora, durante o fim-de-semana da feira.

O programa incluiu outras ações como o desporto aventura, air bungee, Rapel, Slide, Parede de Escalada e Tiro ao Alvo (Arco, Carabinas de Pressão de Ar e Zarabatana) – experiência livre.

O programa musical da Feira destaca a Gala de abertura com Aurea. Agendado para o dia 19 de Julho, às 22h00, a cantora promete um grande serão com a tournée “Aurea – Soul Notes Tour”.

Os Bilhetes já estão à venda, no Teatro Diogo Bernardes, Copilima, Papelaria A4, Papelima e tabacaria Melo.

PONTE DE LIMA INAUGURA FEIRA DA CAÇA E DA PESCA

V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. Inauguração sexta feira, 18 horas

A inauguração oficial da Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima realiza-se sexta feira, dia 19 de Julho, às 18 horas na Expolima.

convite_Fc_13_f

O evento já na V edição, tem apostado na excelência dos produtos cinegéticos, divulgando todos os ramos, serviços e actividades ligadas ao sector da caça, da pesca e lazer, através dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe para a prática destas modalidades.

Numa organização conjunta entre o Município de Ponte de Lima e a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, o certame destaque-se pela elevado numero de entidades que se associam tornando a Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima uma referencia a nível nacional. A diversidade de oferta e de actividades disponíveis são prova do real envolvimento das associações do concelho, e cada uma no seu âmbito dão o melhor em benefício da Feira.

Com vários pontos de atracão, a Feira de Caça, Pesca e Lazer diferencia-se pela múltipla oferta que apresenta desde o pavilhão de expositores, da restauração, às áreas de recreio e lazer, que se dividem as diversas demonstrações, nomeadamente de cães de rasto, cães de parar, aves de cetraria, dança, desfile de carros clássicos e o maior aquário móvel da Europa, equipamento que têm encantado milhares de pessoas.

Projectado de acordo com os regulamentos europeus de segurança, o maior aquário da Europa permite o mais variado tipo de utilizações. Na Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima possibilita a realização de actividades diversas no recinto da Feira, desde o Baptismo de Mergulho, e demonstrações de Pesca e do Cão de água português. Estas actividades, gratuitas, realizam-se durante o fim-de-semana da feira.

Esta V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, será palco da final do Campeonato Nacional de Santo Huberto. São objectivos do Campeonato Nacional de Santo Huberto, para caçadores com cão de parar, promover o espírito desportivo do caçador, formá-lo na correcta prática do acto cinegético, tendo em consideração os aspectos técnicos, legais e cívicos, a função e utilização do cão de parar, num quadro de respeito pela natureza e pela ecologia. Da simbiose caçador/cão, é exaltada a função plástica, a cumplicidade da relação e a ética que deve acompanhar, sempre, o acto venatório.

Para além das provas realce para o Seminário sobre caça subordinado ao tema Gestão Cenegética. O seminário a decorrer na Expolima, no sábado, a partir das 10 horas conta com as intervenções de Arlindo Cunha, Álvaro Barreira, Carlos Duarte, Carlos Fonseca, Jacinto Amaro. No final serão entregues os prémios da fina da prova de St. Huberto.

Convidamos-vos, por isso, a assistirem a um evento no âmbito da caça, que muito prestigiará esta região, o município e a modalidade.

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DA CAÇA, DA PESCA E DO LAZER

V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. Charme das Bielas e Jogos Tradicionais

No fim-de-semana de 20 e 21 de Julho, realiza-se, juntamente com a Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima, mais uma edição do “Charme das Bielas”, organizado pelo CLAC - Clube Limiano de Automóveis Clássicos.

convite_Fc_13_f

Tendo em conta o sucesso que a iniciativa têm alcançado, a organização aposta mais uma vez no desfile de carros clássicos, e no pic-nic, como forma de recordar e celebrar uma época, outros tempos. As viaturas, com elevado interesse histórico, vão ficar em exposição na Expolima, para além de um desfile pelas ruas do Centro histórico, no sábado a partir das 22 horas.

A organização estima que participarão no desfile entre50 a60 carros clássicos. Este é um dos momentos altos do serão de sábado, face  ao interesse que esta atividade desperta não só nos visitantes mas também nos conterrâneos.

A V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima promove pelo segundo ano consecutivo Jogos Tradicionais a realizar no domingo às 16 horas.

A iniciativa destina-se às diversas associações do concelho de Ponte de Lima, procurando fomentar e revitalizar tradições, promovendo, ao mesmo tempo, o convívio, confraternização e competição saudável entre todos os que partilham o prazer de conhecer e experimentar novas e antigas formas de jogar.

Numa organização conjunta do Município de Ponte de Lima e da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, a Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima visa divulgar todos os ramos, serviços e actividades ligadas ao sector da caça, pesca e lazer, através dos recursos naturais de excelência que o concelho dispõe para a prática destas modalidades.

Para mais informações contacte: Gabinete Terra - 258 900 400 ext. 406 ou pelo email terra@cm-pontedelima.pt.

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DA CAÇA, PESCA E LAZER

V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima. 19 a 21 de julho – Expolima

Considerando o setor da caça e pesca, associado às atividades de lazer, uma mais-valia no desenvolvimento socioeconómico, o Município de Ponte de Lima em parceira com a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, promovem a V Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima nos dias 19 a 21 de Julho na Expolima.

convite_Fc_13_f

Durante os dias da exposição realizar-se-ão demonstrações de Aves de Cetraria, de Cães de Parar, demonstração de pesca em Lago Artificial, III concurso Canino de Beleza e a final do Campeonato Nacional de St. Huberto.

Abrangendo toda a área de exposição da Expolima, que conta com 60 módulos de exposição e 37 casetas/Bungalows, realizam-se outras atividades ao longo do evento, como o batismo a cavalo, passeios de carro de cavalos, jogos tradicionais, prova de pesca no Rio Lima, exposição de carros clássicos e um conjunto de desportos aventura, como Rapel, Air Bungeee, Tiro ao alvo (arco, carabinas de pressão de ar e zarabatana), demonstrações de Skate e de Trial Bike, esta promovida pelo Trial Portugal com os finalistas do Portugal tem talento, e pela primeira vez a Festa do Caçador.

Integrado no programa da feira, no sábado dia 20, às 15h00 realiza-se um Passeio BTT pelas margens do Rio Lima, numa ação dos Batotas – Clube de Desportos Radicais, enquanto no domingo, a partir das 9h00 Caminhada, coordenada pela Pirâmide Radical Clube.

No seguimento do sucesso alcançado o ano passado, a Feira de Caça. Pesca e Lazer de Ponte de Lima realiza a II edição do Concurso do Mel. Dar a conhecer e valorizar a qualidade, a especificidade e a diversidade do Mel produzido em Ponte de Lima, é o objetivo desta iniciativa.

O mel a concurso, produzido no concelho de Ponte de Lima, deverá ser enviado até ao dia 18 de julho, pelo correio ou entregue em mão, sempre acompanhado do respetivo Boletim de Inscrição para o Município de Ponte de Lima – Gabinete Terra. Para mais informações aceda a www.cm-pontedelima.pt

Ao longo das quatros edições, a Feira de Caça, Pesca e Lazer de Ponte de Lima tem superado as expectativas, tendo como fator determinante a participação e o empenho das Associações do concelho que tem cooperado ativamente na organização das provas e atividades do evento, demonstrando uma dinâmica constante e regular.

Para a presente edição, mantém-se a expectativa de um grande evento que conta com o apoio das mais relevantes entidades, nomeadamente a nível de Associações e Federações sectoriais, bem como de revistas da especialidade.