Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PAREDES DE COURA LEVA MAGIA À BOLSA DE TURISMO DE LISBOA

Paredes de Coura e ‘O Mundo ao Contrário’ distribuíram magia na BTL com a performance do Tosta Mista

‘O Mundo ao Contrário’, encontro de espetáculos, animação de rua, instalações, oficinas e residências artísticas, que este ano decorre entre 24 e 30 de julho em Paredes de Coura, esteve no centro das atenções na Bolsa de Turismo de Lisboa contagiando de arte e magia todos quantos passaram pelo Parque das Nações, em Lisboa.

DSC05115.JPG

Tendo por palco o stand do Turismo Porto e Norte de Portugal, Paredes de Coura apostou no dia da abertura da BTL numa performance interativa do Tosta Mista, artista que promoveu o evento com a sua atuação e distribuiu material promocional.

A interação do Tosta Mista com quem passou junto ao stand do TPNP foi de tal forma entusiasmante, que rivalizou em número de assistência com a cerimónia protocolar da inauguração que contou com a presença do Ministro da Economia, Caldeira Cabral, que também não ficou indiferente ao espetáculo.

Para além deste momento performativo único promovido pelo Município, Paredes de Coura também integrou todos os dias a ‘Minho Happy Hour’ no âmbito das ações de animação do stand do ‘Minho IN’, com prova de produtos da Loja Rural, nomeadamente biscoitos, enchidos, licores, entre outros.

A edição deste ano de ‘O Mundo ao Contrário’ está agendada para o período entre 24 e 30 de julho, destina-se a toda a família e tem entrada livre, reunindo artistas nacionais e internacionais que transportam os participantes para um mundo onírico onde a imaginação, a criatividade, o riso e o absurdo tomam lugar.

_MG_2124.jpg

MINHOTOS VENCEM TAÇA IBÉRICA DE SLALOM NO RIO COURA

Ivan Silva, José Carvalho e Marta Noval vencedores em Covas

No passado fim-de-semana, Ivan Silva (K1 Sénior), José Carvalho (C1 Sénior) e Marta Noval (K1 Sénior Feminino) consagraram-se vencedores da VIII Taça Ibérica de Slalom, disputada no Rio Coura, em Vila Nova de Cerveira. Prova registou uma grande afluência dentro e fora de água!

17361507_1485450268134042_2183089658557609921_n.jpg

As águas bravas do rio Coura voltaram a ser desafiadas ao longo de aproximadamente 300m, por 150 atletas de clubes portugueses e espanhóis. Concluídas as fases de eliminatórias e as finais da prova, a tabela de classificações foi a seguinte: no K1 Sénior, os três atletas melhor posicionados foram Ivan Silva ÁBravasC84,29, Antoine LaunayDarqueKC84,58 e Rodrigo Magalhães ÁBravas C 85,58; no C1 Sénior o vencedor, José Carvalho, conseguiu o tempo de 88,45, seguido de Ivan Silva ÁBravas C (100,92) e de Marcos Pereira CP Penedo (101,75). Finalmente, no K1 Sénior Feminino, Marta Noval CCAmora consagrou-se vencedora com o tempo de 121,42, seguida de Sara Bastos AD Amarante com o resultado de 126,30.

Em disputa esteve a VIII Taça Ibérica de Slalom, com organização do Clube Desportivo do Minho – Teixugos, da Associação Kaiak Darque Clube, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, do Concello de Tomiño e da Junta de Freguesia de Covas.

O evento contou, uma vez mais, com uma forte participação de atletas dos dois países vizinhos, bem como de uma grande afluência de público que se instalou nas margens do rio Coura para assistir à prova e desfrutar das belas paisagens.

PAREDES DE COURA RECEBE BANDEIRA “CIDADE OU VILA DE EXCELÊNCIA”

3ª feira | 21 março | 11h30

O presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, recebe amanhã, 3ª feira, dia 21 de março, pelas 11h30, a Bandeira da Rede de Cidades de Excelência, pelas práticas inovadoras nos eixos da regeneração urbana e do turismo.

Na cerimónia a decorrer no Salão Nobre da Câmara Municipal de Paredes de Coura, a Bandeira “Cidades de Excelência – Nível II” é o reconhecimento público do meritório trabalho que esta autarquia tem vindo a desenvolver no âmbito dos trabalhos de qualificação nesta bonita vila no coração do Alto Minho.

Os fundamentos para tal acontecimento, prendem-se com o grau de evolução da implementação do Plano de Ação Local proposto pelo Município de Paredes de Coura aquando da adesão à Rede de Cidades e Vilas de Excelência, incidindo nos eixos “Cidade ou Vila de Regeneração Urbana” e “Cidade ou Vila Turística”.

No que diz respeito à regeneração urbana, destacamos o Plano de Ação de Regeneração Urbana (PARU) de Paredes de Coura, fruto da candidatura aos fundos do programa Portugal2020. Este plano visa constituir uma base para as decisões no âmbito do processo de regeneração urbana do Município de Paredes de Coura, processo esse que tem conhecido evoluções através da reabilitação urbana que tem sido desenvolvida no centro desta vila.

Neste sentido, as ações desenvolvidas no centro de Paredes de Coura almejam a dotação do espaço com sinalética, bem como a localização de comércio e serviços diversos, tornando o centro da vila num local dinâmico e atraente aos olhos de quem aqui habita e de quem o visita.

Respeitante à vertente do turismo, e derivado também de candidatura aos fundos do Portugal2020, destacamos 3 programas que demonstram o interesse desenvolvido pelo Município de Paredes de Coura neste eixo:

  • Plano de Paisagem das Terras de Coura, que pretende constituir-se um projeto-piloto em Portugal em termos metodológicos na abordagem da paisagem à escala local enquanto instrumento autónomo, usando como exemplo casos de sucesso desenvolvidos em França, Espanha e Itália;
  • Meandros do Coura - Percurso Interpretativo do Rio - Fase 1, enquanto percurso interpretativo ao longo do rio Coura, entre a Praia Fluvial do Taboão e a ponte da estrada N 1069 - Peideira. Este itinerário terá uma extensão de 1 200 metros e uma área com cerca de 17 hectares, sendo um projeto que visa uma intervenção minimalista, respeitadora do ecossistema e ao mesmo tempo com grande capacidade de valorização dos recursos aí presentes. É ideal deste projeto permitir ao visitante usufruir do espaço conforme ele é, sem grandes ações antrópicas, conseguindo também valorizar o território em termos paisagísticos, ambientais, culturais e sociais;
  • Centro de BTT do Corno de Bico. Tendo como suporte a Rede Natura 2000, a Área de Paisagem Protegida do Corno de Bico e o respetivo Centro de Educação e Interpretação Ambiental, e auxiliado através da parceria com a Associação Encostas do Corno de Bico, Junta de Freguesia de Vascões e Associação Amigos da Montanha, com a devida adequação ao potencial existente para o turismo de natureza do território e dos equipamentos já existentes, Paredes de Coura almeja conceber as infraestruturas necessárias para dotar no espaço um Centro de BTT dedicado à prática de Cross Country. Este espaço terá a devida homologação da União Velocipédica Portuguesa e Federação Portuguesa de Ciclismo, e ocupará no terreno quase a totalidade da área geográfica de Paredes de Coura, inclusive áreas que são parte da Rede Natura 2000 e da Área de Paisagem Protegida do Corno de Bico.

Destacamos também a elaboração do Plano de Ação para a Mobilidade Sustentável – Alto Minho 2020 (PAMUS Alto Minho 2020). Este plano pretende suportar as decisões no campo da mobilidade, quer num âmbito Municipal, quer num âmbito local, pretendendo ser um documento que estabeleça as diretrizes nesta matéria no período 2016-2020.

Neste âmbito, o projeto da Reabilitação do Centro Coordenador de Transportes de Paredes de Coura é destacado pelo Município como a mais prioritária das ações a formalizar neste território.

Assim, o importante conjunto de ações descritas leva o Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, ICVM, em contexto da Rede de Cidades e Vilas de Excelência, a atribuir o galardão da Bandeira de Cidades de Excelência - Nível II ao Município de Paredes de Coura, por se constituir um município de Excelência nas áreas da regeneração urbana e do turismo.

PAREDES DE COURA APOSTA NA MUDANÇA

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas na assinatura do Acordo de Gestão da Ligação do Parque Empresarial de Formariz à A3

6ª feira | 17 março | 11h00 | Formariz

Paredes de Coura

O presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereiras, procede na próxima 6ª feira, dia 17 de março, pelas 11h00, à cerimónia de assinatura do Acordo de Gestão da Ligação do Parque Empresarial de Formariz à A3, com a presença do Ministro do Planeamento e das Infraestuturas, Pedro Marques.

Posteriormente à cerimónia de assinatura do Acordo de Gestão entre a Infraestruturas de Portugal e a Câmara de Paredes de Coura -- no âmbito do Programa de Valorização das Áreas Empresariais --, o Ministro do Planeamento e das Infraestuturas visitará as instalações da Fly London e Doureca, prosseguindo depois com a inauguração das novas instalações da Valver Portugal, que escolheu Paredes de Coura para acolher uma das maiores unidades de serigrafia da Europa no seu Parque Industrial de Formariz.

PAREDES DE COURA ADERE À DIETA VEGETARIANA

Paredes de Coura projeta o futuro com pratos vegetarianos desde o ensino primário

Paredes de Coura mais uma vez provou que está na primeira linha dos municípios que melhor projetam o futuro, sublinhado pela recente aprovação em Assembleia da República para que todas as cantinas públicas disponham nas suas ementas de um prato que não contenha quaisquer produtos de origem animal.

17274181_1499054810105400_869191011_n.jpg

O município que acolhe o Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana, com nomes da área do conhecimento, parlamentares, provedores dos animais, entre outros, e cuja 3ª edição decorrerá a 9 e 10 de setembro, conta sempre em projetos como o Congresso Vegetariano ou o mais recente Green Weekend com uma forte ligação às escolas.

Em Paredes de Coura as escolhas alimentares e o respeito pelo ambiente são considerados estruturantes no projeto educativo. Além disso, o envolvimento das instituições e da comunidade reforça esta política que se baseia no respeito pela diversidade, o verdadeiro espírito do… ‘Coura sem Paredes’

http://www.courasemparedes.com/copia-mgi-coutier

É partindo deste princípio, que Paredes de Coura tem desde o ensino primário a preocupação por proporcionar alternativas saudáveis e que tenham em atenção a sustentabilidade do planeta.

De 15 em 15 dias os alunos do ensino primário têm na sua ementa um prato cuja confeção não contém quaisquer produtos de origem animal, da mesma forma que é proporcionado um lanche saudável no pré-escolar e 1º ciclo, com promoção dos produtos locais, como por exemplo o pão de cereais com queijo vegan ou compota de produtores locais.

As crianças vegetarianas também dispõem de uma ementa adaptada nas escolas do concelho – a escola profissional EPRAMI dispõe diariamente de uma alternativa vegetariana --, da mesma forma que são ministrados ‘workshops’ de cozinha vegetariana, bem como visitas de estudo à Quinta das Águias – um verdadeiro hino à biodiversidade, na freguesia de Rubiães --, onde também lhes é dado um lanche vegetariano. Acresce que em todo este processo está contemplada a formação aos cozinheiros das escolas e produtores locais, que retribuem com novas apostas ao nível de enchidos vegetarianos, queijo vegan, biscoitos vegan ou sem glúten e até sabonetes naturais.

Esta opção da autarquia courense é complementada com iniciativas como a Feira de Troca de Sementes, inserida no ‘Projeto Educar para o Futuro – Terra’ e orientado pelo Serviço Educativo do Município, em parceria com o Agrupamento de Escolas e com a Associação Quinta das Águias. Nesse sentido, os alunos do 5º e 6º anos realizam várias atividades tais como: a apresentação do Banco de Germoplasma, o banco nacional de preservação de sementes; o projeto da bolota, com diferentes fases, desde a sua recolha, secagem e moagem de forma a transformá-las em farinha para preparação de pão, biscoitos, hamburguers e também o processo de germinação das bolotas na estufa do Município, dando origem a jovens carvalhos para sua posterior plantação na floresta, contribuindo desta forma para a reflorestação com árvores autóctones.

Ainda no âmbito deste projeto que envolve os alunos em todas as atividades, está em execução a horta biológica, um jardim de ervas e flores comestíveis, bem como um pomar com árvores e arbustos de frutos. Os alunos são envolvidos em todas as etapas, desde o semear e plantar, ao cuidar e finalmente o colher e preservar para futura utilização ao nível de alimentação e para no ano seguinte "lançar à Terra".

Município aderiu ao Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana

Com o objetivo de providenciar uma “alimentação economicamente acessível e saudável a todas as pessoas”, a autarquia courense também se compromete a implementar coerentes políticas e programas municipais relacionados com a alimentação, como consta da sua adesão ao Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, em 2015.

Mais recentemente, como que preparando a abordagem à última edição do Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana, teve lugar nesta vila no coração do Alto Minho a primeira edição ‘Green Weekend’, em que se procurou partilhar experiências sobre um estilo de vida sustentável, para quem uma atitude ‘eco friendly’ se torna urgente como forma de preservar a natureza e o planeta para as futuras gerações.   

Já o Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana, que reúne nomes da área do conhecimento, parlamentares e provedores dos animais, entre outros, tem como ponto de partida o facto de as nossas escolhas alimentares terem um impacte muito forte na nossa saúde, no meio ambiente, na economia e no bem-estar animal. Ao escolhermos o que vamos comer, estamos a escolher também entre o continuar a destruir o planeta ou preservá-lo; entre provocar sofrimento e morte a inúmeros animais ou respeitar o seu direito a viver, livres de sofrimento. 

Aliás, em sucessivas iniciativas promovidas pelo Município, o prato alternativo de comida vegetariana está sempre disponível, como também vem acontecendo, como por exemplo, com o tradicional Jantar de Natal oferecido pelo Município de Paredes de Coura aos seus colaboradores.

Num outro âmbito, a comunidade também está organizada em clubes que regularmente se reúnem para degustar novos pratos vegetarianos, cozinhar e partilhar receitas. E até nos jantares para a recolha de donativos de apoio aos bombeiros voluntários, a ementa também consta de um prato vegetariano alternativo.

17274628_1499050536772494_2065551832_n.jpg

PAREDES DE COURA RECEBE COLÓQUIO INTERNACIONAL DE CARAVANISMO

Paredes de Coura acolhe Colóquio Internacional de Autocaravanismo e Caravanismo

sábado | 11 mar | 9h00 | Centro Cultural

Paredes de Coura acolhe este sábado, dia 11 de março, o 1º Colóquio Internacional de Autocaravanismo e Caravanismo.

Com início agendado para as 9h00, no Centro Cultural, este Colóquio Internacional de Autocaravanismo e Caravanismo promovido pela AC Parking Areas em colaboração com o Município de Paredes de Coura procura debater a situação atual do autocaravanismo em Portugal e quais os desafios para o futuro, mas também os apoios financeiros para a atividade turística, a modernização dos parques de campismo e a hotelaria ao ar livre.

Algumas das particularidades da realidade no país vizinho, como o associativismo e problemática atual da legislação espanhola ou a criação de áreas privadas em Espanha, dificuldades e benefícios, também fazem parte do painel de debates, que reúne intervenientes de um lado e do outro da fronteira ligados ao setor do turismo.

Entre os palestrantes, destaca-se a presença de representantes da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal, Federação Portuguesa de Autocaravanismo, Associação Autocaravanista de Portugal, Associação de Caravanismo de Portugal, Asociación Galega de Autocaravanas, Asociación de Áreas Privadas de Autocaravanas, bem como representantes de algumas publicações e bloguers que se dedicam à temática do autocaravanismo e caravanismo.

Recorde-se que no ano passado Paredes de Coura inaugurou um moderno Parque de Autocaravanas e Caravanas aberto 24 horas por dia, nos 365 dias do ano, com videovigilância, wi-fi gratuito, fornecimento de água e energia, equipamentos sanitários com chuveiros e espaço de lavandaria, para além de área para despejo de águas residuais.

O novo Parque de Autocaravanas e Caravanas de Paredes de Coura está localizado no antigo Largo da Feira, em local privilegiado e a poucos metros do centro da vila, dos estabelecimentos comerciais, restaurantes, supermercados e farmácia, com capacidade para 46 autocaravanas e caravanas, sendo que seis dos espaços são reservados a equipamentos XXL.

Para qualquer esclarecimento adicional sobre o 1º Colóquio Internacional de Autocaravanismo e Caravanismo, por favor contacte Pedro Silva Pereira, da AC Parking Areas, através deinfo@acparkingareas.com ou 936264615

PAREDES DE COURA RECEBE POP DEL’ARTE

10 março | 22h00 | Caixa da Música

A Caixa da Música, em Paredes de Coura, recebe esta sexta-feira, 10 de março, pelas 22h00, e com entrada livre, os Pop Dell'Arte.

39720_10150242495510224_4799891_n.jpg

Mais do que percorrer as sonoridades que marcaram uma das bandas mais profícuas das últimas décadas na moderna música portuguesa, o coletivo de João Peste e João Pedro Moura propõem-nos trazer temas inéditos mas também a oportunidade de mais uma vez podermos revisitar verdadeiros hinos como são os clássicos "Sonhos Pop" ou "Querelle".

Do aclamado “Free Pop” ao mais recente “Contra Mundum”, a banda de João Peste e João Pedro Moura sempre nos habituou a percorrer as mais diversas ambiências sonoras, plasmadas no pós-punk, rock psicadélico, noise e house.

Acima de tudo, os Pop Dell'Arte sempre primaram pela procura de novas sonoridades, ao ponto de lhes ter sido reconhecido um papel liderante na música moderna portuguesa e por várias vezes sublinhado pela crítica especializada, em Portugal e até no Reino Unido, como aconteceu com o jornal britânico Sounds quando teceu os maiores elogios a “Free Pop”.

Por tudo isto, a vinda dos Pop Dell'Arte à Caixa da Música, esta sexta-feira, 10 de março, e com entrada livre, não deixa de ser um enorme motivo de regozijo para os muitos melómanos que sempre associaram Paredes de Coura às melhores propostas musicais, mas também não deixa de ser uma forma de sublinhar a importância de uma sala como a Caixa da Música, por onde já têm passado alguns dos mais prometedores projetos emergentes e propostas consistentes da pop-music nacional.

558462_10151474997230224_2108165969_n.jpg

JOVENS DE COURA DEBATEM A PAISAGEM

Paredes de Coura: participação dos jovens no Plano de Paisagem é caso de sucesso. É o primeiro município do país a elaborar um Plano de Paisagem

Paredes de Coura não é só o primeiro município do país a elaborar um Plano de Paisagem, como a participação pública agora em curso tem tido grande envolvimento da população escolar nas diversas sessões onde os alunos são convidados a refletir sobre a paisagem das Terras de Coura, identificando problemas e perspetivando soluções.

secundaria1.jpg

“Achamos que estas contribuições são um imperativo democrático intergeracional pois, quando se toma uma medida para o futuro não faz sentido deixar de parte os verdadeiros beneficiários desse trabalho que serão os mais jovens e as gerações futuras”, referiu o Presidente da Câmara Municipal, Vitor Paulo Pereira.  

Recorde-se que este projeto-piloto visa o desenvolvimento do Plano de Paisagem para o território e tem como objetivos a valorização do património natural, cultural e urbano, bem como definir medidas orientadoras para a gestão da paisagem que preservem o seu caráter e identidade, reforçando a componente da paisagem cultural nas aldeias e lugares incluídos em Rede Natura e na Paisagem Protegida.

Atualmente, a equipa multidisciplinar que desenvolve o plano tem vindo a preparar diversas sessões de participação pública a fim de permitir e estimular a reflexão, formação e sensibilização social, no que diz respeito à paisagem. No final pretende-se delimitar objetivos de qualidade paisagística para cada unidade de paisagem identificada e definir linhas de ação para proteção e gestão das mesmas.

A última das ações realizadas envolveu cerca de 80 alunos do ensino secundário e profissional que participaram nas sessões públicas, refletindo sobre as diferentes unidades de paisagem das Terras de Coura, e introduziram uma dimensão pessoal ao trabalho técnico desenvolvido, sugerindo, inclusive, novos limites às unidades de paisagem desenhadas pela equipa técnica.

Para Vitor Paulo Pereira “esta participação é normal pois os jovens entendem que, mais do que pedir contribuições em orçamentos participativos para obras de pouca dimensão, o que é importante é dar-lhes a hipótese de pensar e planear connosco o concelho deles para os próximos 50 anos. Por outro lado, para nós, esta participação é fundamental pois, se os jovens contribuírem e se reverem nas escolhas feitas hoje, no futuro serão os seus principais defensores”.

O presidente da Câmara de Paredes de Coura vai mais longe: “o futuro faz-se através do compromisso com os outros e através do compromisso com a paisagem. Um diálogo que tem de ser feito através de um plano racional, sustentável e estimulador do desenvolvimento. Temos de fazer um esforço para conciliar interesses sociais e os interesses ecológicos num contexto de desenvolvimento sustentável. Paisagem é valor, é riqueza. Quem não compreende isto, não compreende o futuro”, concluiu.

Para além da população escolar foram também chamados a participar nas reuniões públicas e workshops vários especialistas, associações locais, juntas de freguesia e grupos de interesse, introduzindo diversas visões pessoais, mas também diferentes conhecimentos e abordagens técnicas específicas que alimentam e diversificam o conhecimento sobre as paisagens de Paredes de Coura e as suas dinâmicas.

De acordo com a arquiteta Isabel Matias, coordenadora do projeto, as sessões públicas “têm vindo a constituir um contributo muito importante para o Plano de Paisagem das Terras de Coura. Para além disso, uma vez que este plano segue os princípios da Convenção Europeia da Paisagem e a sensibilização da população para a tomada de consciência do valor do seu território e das características das suas paisagens é um dos objetivos a alcançar, parece-nos que a ampla participação é já um fruto deste trabalho”, observou.

Durante a próxima semana decorrerão as últimas sessões públicas de participação cujos locais e horários estão acessíveis no site do Município onde os internautas poderão também encontrar o formulário de participação online disponível.

area_protegida_corno_do_bico.JPG

PAREDES DE COURA FESTEJA ENTRUDO SOPEIRO

O Entrudo Sopeiro é uma das muitas iniciativas que por estes dias ilustram o Carnaval em Paredes de Coura, no coração do Alto Minho.

entrudo sopeiro.jpg

Pelo terceiro ano, a Associação Cultural e Recreativa de Paredes de Coura, com o apoio do Município, organiza o III Entrudo Sopeiro. É já na próxima 2ª feira, a partir das 19h00, com uma mostra de sopas mas também uma forma de confortar os estômagos nestas noites frias de inverno, enquanto se vê desfilar espontaneamente pelas ruas desta bonita vila altominhota os muitos courenses que aproveitam para se mascararem, satirizando e parodiando a vida local e o nosso quotidiano.

Caldo verde, sopa de peixe, sopa de cogumelos, entre outras, são algumas das propostas com que poderemos confortar o estômago neste Entrudo Sopeiro, porque para a alma não faltará a animação musical e o contributo dos mais irreverentes courenses que de todas as freguesias se dirigem para o centro da vila para mais um entusiasmante desfile espontâneo, por volta das 22h00.

Antes, já esta sexta-feira, a partir das 14h00, as ruas de Paredes de Coura enchem-se de um inusitado colorido para o Desfile de Carnaval, com as crianças das creches e jardins de infância, mas também os simpáticos idosos dos Lares, Centros de Dia e Centros de Convívio das várias instituições do concelho.

O ponto de encontro é o Largo do Tribunal e tem organização da OUSAM – Organismo Utilitário e Social de Apoio Mútuo, que para esta iniciativa conta com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura, Centro de Interparoquial de Moselos, Padornelo e Parada, Centro Social e Paroquial de S. Bento, Lar de S. João de Bico, Centro Paroquial e Social de S. Martinho de Coura e Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura.

PAREDES DE COURA INCENTIVA TROCA DE SEMENTES

3ª Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura. sáb | 11 fev | Centro Cultural

A Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura regressa este sábado, 11 de fevereiro, ao Centro Cultural. A partir das 14h00 decorre a 3ª edição da Feira de Troca de Sementes, organizada pelo Município de Paredes de Coura e a Associação Quinta das Águias, em colaboração com o Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura.

P1070922.jpg

O objetivo desta iniciativa é proporcionar o encontro e convívio entre pessoas que valorizam as sementes e plantas locais e que ativamente contribuem para a sua preservação, face ao perigo de extinção provocado pela concorrência de variedades híbridas e transgénicas, que prejudicam o equilíbrio dos nossos ecossistemas.

Recorde-se que a preservação das sementes autóctones assume uma importância vital, uma vez que são cada vez mais raras, sendo progressivamente substituídas por sementes comerciais, que são as mesmas em todo o mundo, enquanto as sementes locais se foram adaptando durante muitas gerações às condições de solo e clima específicas da sua região de origem. Uma vez que as sementes contêm o futuro da vida, é importante mantê-las vivas. A Troca de Sementes vai proporcionar às pessoas o acesso às sementes originais que as poderão cultivar para sua própria utilização e para as manter vivas. Todos os que quiserem participar poderão trazer as suas sementes ou plantas para partilhar e trocar. 

P1100061.JPG

A Feira de Troca de Sementes está inserida no Projeto Educar para o Futuro – Terra orientado pelo Serviço Educativo do Município, em parceria com o Agrupamento de Escolas e com a Associação Quinta das Águias. Neste sentido estão a decorrer, com os alunos do 5º e 6º anos, a realização de várias atividades tais como: a apresentação do Banco de Germoplasma, o banco nacional de preservação de sementes; o projeto da bolota, com diferentes fases, desde a sua recolha, secagem e moagem de forma a transformá-las em farinha para preparação de pão, biscoitos, hamburguers e também o processo de germinação das bolotas na estufa do Município, dando origem a jovens carvalhos para sua posterior plantação na floresta, contribuindo desta forma para a reflorestação com árvores autóctones.

Ainda no âmbito deste projeto que envolve os alunos em todas as atividades, está em execução a horta biológica; um jardim de ervas e flores comestíveis e um pomar com árvores e arbustos de frutos, com os alunos envolvidos em todas as etapas, desde o semear e plantar, ao cuidar e finalmente o colher e preservar para futura utilização ao nível de alimentação e para no próximo ano "lançar à Terra".

Ainda no âmbito destas iniciativas, decorre a ação de recolha de sementes locais, sua preservação e organização de eventos de troca de sementes, criação de um banco de sementes locais, visitas à Quinta das Águias -- um projeto sustentável para a preservação da biodiversidade e de proteção animal --, da mesma forma que há a intenção de que estes projetos evoluam favoravelmente e tenham continuação nos anos futuros.

P1130798.JPG

Programa:

14h00: Apresentação do Curso Design em Permacultura por Yassin Benderra & Joana Costa, professores certificados da escola de Bill Mollison's PDC 

14h30: Mensagem de Vandana Shiva

Segue-se a Troca de Sementes onde, para além de sementes, também se poderá trocar plantas, ervas aromáticas, árvores e estacas, como por exemplo de macieiras autóctones e outras árvores de fruto. Ficam excluídas as sementes e plantas comerciais híbridas e transgénicas.

Troca Sementes.jpg

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA JUSTIÇA VISITA PALÁCIO DE JUSTIÇA DE PAREDES DE COURA

3ª feira | 24 jan | 14h30

O presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereiras, convida o Órgão de Comunicação Social por si dirigido a fazer-se representar na visita da senhora Secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, ao Tribunal de Paredes de Coura, amanhã, 3ª feira, 24 de janeiro, pelas 14h30.

Nesta visita ao Palácio de Justiça de Paredes de Coura, para além da senhora Secretária de Estado Adjunta e da Justiça, comparecerão o Diretor Geral da Administração da Justiça bem como, por parte da Comarca de Viana do Castelo, o Juiz Presidente, o Procurador da República e a Administradora do Tribunal.

Recorde-se que a 4 de janeiro foram retomados os atos judiciais neste Juízo de Proximidade, no âmbito dos ajustamentos ao Mapa Judiciário recentemente introduzidos por iniciativa do Governo, através da Lei da Organização do Sistema Judiciário e do Decreto-Lei nº 86/2016, de 27 de dezembro, que altera a regulamentação da Lei de Organização do Sistema Judiciário e estabelece o regime aplicável à organização e funcionamento dos tribunais judiciais.

INVERNO EM PAREDES DE COURA TEM MESA FARTA

“O Inverno está servido”. 21 e 22 janeiro | Paredes de Coura

Espetada de porco preto, rojões à moda de Coura e belouras, leitão Bísaro inteiro, cachaço com castanhas e cogumelos, javali à Xisto, rojões com belouras e arroz de sarrabulho, arroz das matanças com rojões, secretos com arroz de grelos, lombelos de porco ou lombinhos de porco com batata a murro e grelos são alguns dos pratos com que Paredes de Coura convida para a mesa neste fim de semana de 21 e 22 de janeiro com “O inverno está servido”.

o inverno está servido_160117-1.jpg

Numa estação em que o frio tem sido abundante, Paredes de Coura convida-o ao aconchego da boa mesa.  Iguarias quase esquecidas e novas abordagens gastronómicas em torno dos sabores de inverno vão deliciar os sentidos e envolvê-lo num caloroso abraço.

Abrigo do Taboão, Albergaria, Barbaças, Forno do Minho, Furão, Lino, Miquelina, Pizzaria Romântica, Restaurante da Bouça e Xisto são os 10 restaurantes que aderiram a mais este fim de semana gastronómico que tem o milho por referência, num território que sempre nos habituou à arte de bem servir quantos o visitam.

Em todos estes restaurantes as alternativas com pratos vegetarianos também não foram esquecidas, bem como deliciosas sobremesas como arroz doce, pudim da aldeia, formigos ou o creme queimado que fazem de “O Inverno está servido” um fim de semana a não perder.

Por estes dias, quem visita Paredes de Coura também pode visitar a Caixa de Brinquedos -- espaço para crianças, jovens e adultos, inteiramente dedicado às construções Lego® --, passar pelo Museu Municipal onde continua patente a exposição “Impressão Digital em Terras de Coura”, que foi galardoada com o Prémio Inovação e Criatividade atribuído pela APOM – Associação Portuguesa de Museologia, mas também conhecer e adquirir alguns dos mais característicos produtos locais na Loja Rural, participar no Percurso Pedestre ou até ver a comédia “A mãe é que sabe”, de Nuno Rocha e com atores como Maria João Abreu, Joana Pais de Brito, Manuel Cavaco, Dalila Carmo, Filipe Vargas e Bruno Cabrerizo, no Centro Cultural.

LAMPREIA DO RIO MINHO É UM PRATO DE EXCELENCIA

Iniciativa, promovida pela ADRIMINHO e os seis municípios da região (Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira), iniciou-se no dia 15 de janeiro, prolongando-se até 15 de abril. Monção participa com 17 restaurantes e um programa complementar que engloba visitas a locais de interesse cultural, percursos por lugares naturais e patrimoniais e atividades de desporto e lazer.

0001lampreiamonç (1).jpg

Ao longo de três meses, entre 15 de janeiro e 15 de abril, uma centena de restaurantes do Vale do Minho (Melgaço, Monção, Valença, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira e Caminha) apresentam, com tradição, requinte e inovação, a Lampreia do Rio Minho aos visitantes e apaixonados pela boa gastronomia.

Monção participa nesta iniciativa, que entra na sua oitava edição, com a presença de 17 restaurantes localizados no centro histórico e em várias freguesias do concelho, bem como com um programa complementar apelativo e atrativo para diferentes públicos

Para Augusto de Oliveira Domingues, a iniciativa “Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência” constitui um valioso cartão-de-visita da região num período de época baixa que contribui para a vinda de muita gente de Portugal e da Espanha, garantindo-se, desta forma, dinamização hoteleira e a valorização das nossas paisagens e monumentos.

Deixou um convite ao público: “A nossa lampreia tem sabor único e o saber de grandes cozinheiras que guardam segredos passados de geração em geração. Venha provar este prato tradicional, que também pode ser apreciado em tendências mais inovadoras, e deixar-se envolver pelo muito que o nosso território tem para oferecer”.

Nestes três meses, quem visitar o concelho de Monção poderá deliciar-se com arroz de lampreia ou à bordalesa mas também com opções mais contemporâneas: sushi, escabeche ou empanada. Para acompanhar, uma garrafa de Alvarinho, um dos melhores vinhos brancos do mundo com selo de garantia da Sub-Região de Monção e Melgaço.

Neste período, o município de Monção disponibiliza um programa complementar que engloba visitas a locais de interesse cultural, percursos por lugares naturais e patrimoniais e atividades de desporto e lazer. O ponto alto acontece no dia 26 de fevereiro, domingo, com a realização do XL Rali à Lampreia.

0001lampreiamonç (2).jpg

0001lampreiamonç (3).jpg

0001lampreiamonç (4).jpg

COURENSES CANTAM AS JANEIRAS

Encontro de Janeiras de Paredes de Coura. sábado | 21h00 | Centro Cultural

São treze as Associações do concelho de Paredes de Coura que se reúnem em mais um Encontro de Janeiras, que este sábado, 7 de janeiro, pelas 21h00, no Centro Cultural, volta a dar corpo a uma das tradições mais ricas e bonitas do cancioneiro popular courense.

janeiras.jpg

O Rancho Camponês do Bico, Sporting Clube Courense, Associação de Vascões, Clube de Natação e Cultura, Associação de Cunha, Associação de Paredes de Coura, Universidade Sénior, Associação de Rubiães, Confraria Senhora da Pena, Associação de Padornelo, União de Freguesias de Insalde e Porreiras, Associação de Formariz e Associação de Mozelos, num total de cerca de 300 elementos, entre cantadores e músicos, proporcionam o som e o tom ao XVI Encontro de Janeiras de Paredes de Coura, depois de terem percorrido as aldeias do concelho a cantar os Reis e as Janeiras. 

Como habitualmente, este XVI Encontro de Janeiras tem entrada livre e é precedido por um desfile pelas ruas centrais de Paredes de Coura, com concentração no Largo Visconde de Mozelos, junto aos Paços do Concelho, e percorrendo em animada marcha pela Rua Conselheiro Miguel Dantas até ao Centro Cultural.

Posteriormente, os grupos das associações culturais, recreativas e desportivas, estabelecimentos de ensino locais, grupos de catequese, Lar de Idosos e Centros de Dia, provenientes de todo o município, continuarão durante todo o mês de janeiro a visitar as casas e a Cantar as Janeiras, como é tradição neste concelho do Alto Minho, e que todos os anos rejuvenesce partilhando saberes e experiências de geração em geração.

Hoje estamos cá, mas não só para dar

Queremos receber o calor do vosso lar

Olhem para nós, estamos esfomeados

Mas ainda assim, cantamos afinados.

 

Está na hora de ir embora, tem de ser é já agora

Mas o frio que esta lá fora

Arrepia, podem crer

Não nos tira o prazer,

De saber que para o ano cá voltamos.

 

Ohhhh

Não há por aí um salpicão ou um licorzinho

Para aquecer o coração?

Está na hora de ir embora e vamos desejar

O melhor que a vida tem p'ra dar.

*Letra da associação de Parada

PAREDES DE COURA TEM O MAIOR CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES DA REGIÃO NORTE

volume de bens produzidos cresceu 700%

De acordo com os dados do relatório “Norte Conjuntura” da CCDR-N, no período de 2013 a 2015, Paredes de Coura registou um crescimento de 700% do volume de bens produzidos para exportação e, apresentando em 2015 um volume de exportações sete vezes superior ao de 2013, o maior crescimento das exportações à frente dos 85 concelhos que compõem a Região Norte.

3COUR (1).jpgEm 2013 Paredes de Coura registava um volume de exportação de € 6.881.889 que, em 2015, ascendeu a € 48.428,455. Considerando o total global do volume de exportação, o concelho foi catapultado para o top dos concelhos mais exportadores do Norte, particularmente relevante na exportação de produtos para o setor automóvel.

Vitor Paulo Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Paredes de Coura, refere que “os números só traduzem o que sentimos há já algum tempo. Por isso, encaramo-los com normalidade: não nos surpreendem nem nos deslumbram. Não somos melhores do que ninguém nem entraremos em depressão quando, após este ciclo de crescimento, houver uma estabilização. No entanto, Paredes de Coura e as suas gentes devem ser uma inspiração e um exemplo para o país por ser um lugar onde a vontade e a resiliência superam todos os preconceitos geográficos e indicam caminhos.”

Os dados divulgados refletem quase em exclusivo a produção das empresas ligadas ao setor automóvel, não incluindo sequer o volume de exportação do calçado produzido pelo grupo Kyaia – maior empregador do concelho – que, não obstante lá ter implantada a sua maior força produtiva, tem a sede fora de Paredes de Coura.

O relatório “Norte Conjuntura” da CCDR-N reúne e analisa, desde 2006, a informação disponível mais relevante com vista à identificação das tendências que marcam a evolução económica da Região Norte no contexto nacional.

Recorde-se que, de acordo com nota da CCDR-N, divulgada em novembro de 2016 e elaborada com base neste documento, a região Norte foi o principal motor de crescimento da produtividade no país durante o período de recuperação económica dado que, entre 2012 e 2015, a produtividade na região cresceu 8,0%, bem acima da média nacional (5,2%) e da NUTS II de Lisboa (1,8%).

Ainda de acordo com o edil “estes dados mostram que a nossa aposta de priorizar a captação de investimento foi acertada e, sobretudo, que as pessoas e as empresas se esforçam e reinventam diariamente para fazer da sua fragilidade fortaleza. É para mim um orgulho e um privilégio muito grande ser presidente da Câmara de um concelho onde as pessoas trabalham, produzem, criam e vivem "sem paredes".

O município tem acolhido nos últimos anos projetos industriais que se destacaram pela inovação e, já durante o ano de 2016, recebeu a visita do ministro da Economia, Caldeira Cabral, e do Primeiro-ministro António Costa, em diferentes situações e para inaugurar equipamentos industriais e apresentar novas soluções para a indústria. Assim, os dados agora apresentados afirmam apenas a ideia que, em alguns anos, o concelho se tornou numa referência da região Norte na captação de investimento para reforço da capacidade exportadora.

Não obstante o impressionante desempenho no plano Industrial, o concelho de Paredes de Coura continua a ser o único do Alto Minho a não dispor de ligação rodoviária entre as zonas Industriais e a autoestrada (A3). Esta reivindicação – unanimemente feita em 2013 pelos empresários ao Ministro da Economia – tem sido intensificada pela autarquia que vê agora reforçados os argumentos para garantir os escassos 10 milhões de euros necessários para garantir a ligação.

Sobre o futuro, Vitor Paulo Pereira diz: “Achamos que ainda não estamos à altura das nossas expetativas. Vamos continuar a trabalhar com os empresários e com os courenses, sempre com velocidade institucional, entusiasmo e o querer de quem não perde de vista o impossível porque, estamos convictos, lá temos muito menos concorrência”, concluiu.

3COUR (2).jpg

fabrica_kyaia_p_coura_© José Pedro Santa-Bárbara (2).jpg

fabrica_kyaia_p_coura_© José Pedro Santa-Bárbara.jpg

GOVERNO REABRE TRIBUNAL DE PAREDES DE COURA

Governo reabre 20 tribunais na próxima semana, incluindo o Tribunal de Paredes de Coura

No próximo dia 4 de Janeiro, vão reabrir 20 tribunais que haviam sido encerrados pelo anterior governo. Entre eles, encontra-se o Tribunal de Paredes de Coura.

ConcentraçãoTribunais 056

De acordo com a Secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, estes tribunais vão funcionar como “juízos de proximidade e terão competências acrescidas relativamente aquilo que eram as secções de proximidade no âmbito da anterior reorganização judiciária”. Acrescenta ainda que “Serão realizados nestes juízos de proximidade todos os julgamentos crime que tiverem sido cometidos na área geográfica do respectivo município. Até agora, estes julgamentos não eram efectuados no local correspondente à prática do crime”.

ConcentraçãoTribunais 040

Para além do Tribunal de Paredes de Coura, vão ser reactivados os tribunais de Tribunal de Portel (Évora), Sever do Vouga (Aveiro), Penela (Coimbra), Monchique (Faro), Meda (Guarda), Fornos de Algodres (Guarda), Bombarral (Leiria), Cadaval (Lisboa), Castelo de Vide (Portalegre), Ferreira do Zêzere (Santarém), Mação (Santarém), Sines (Setúbal), Boticas (Vila Real), Murça (Vila Real), Mesão Frio (Vila Real), Sabrosa (Vila Real), Tabuaço (Viseu), Armamar (Viseu) e Resende (Viseu).

A propósito, recordamos o protesto realizado em Lisboa pelos autarcas contra o encerramento dos tribunais, em 28 de junho de 2012, no qual participaram diversos autarcas minhotos principalmente de Melgaço e Paredes de Coura.

ConcentraçãoTribunais 023

ConcentraçãoTribunais 030

ConcentraçãoTribunais 025

 

PAREDES DE COURA RECEBE BANDA "MÃO MORTA" NA PASSAGEM DE ANO

‘Mão Morta’ em Paredes de Coura na Passagem de Ano

Os Mão Morta, de Adolfo Luxúria Canibal, são ‘cabeça de cartaz’ da Passagem de Ano de Paredes de Coura. Com entrada livre e espetáculo agendado a partir da 1h00, pela Caixa da Música também vão passar os Mosca, numa sequência que é precedida pelos Costa Rica e DJ’s Madi na tenda aquecida instalada ali ao lado no Largo Hintze Ribeiro.

Com novo disco em perspetiva para fevereiro, onde os Mão Morta exploram temas dos diversos álbuns da banda bracarense num disco ao vivo com a Remix Ensemble, numa perspetiva mais experimental e contemporânea, a banda de Adolfo Luxúria Canibal assenta em grande parte nas performances e carisma do seu líder fazendo de cada espetáculo um acontecimento irrepetível.

Até à noite de Passagem de Ano, por estes dias não falta animação em Paredes de Coura.

A Caixa dos Brinquedos continua a ser o centro das atenções, onde as crianças podem brincar e criar as mais variadas construções num espaço exclusivamente dedicado às famosas peças multicolores da Lego® e que continua a agarrar todas as gerações.

Depois do filme ‘Vaiana’, um dos mais bem conseguidos ‘blockbuster’ da temporada, esta semana ‘Cantar’ também tem dois dias de projeções no Centro Cultural. Com chancela da Illumination, ‘Cantar’ tem merecido a atenção dos mais jovens à escala planetária, bem como a unanimidade da crítica cinéfila.

E há também os Chef de Palmo e Meio, com sessões de ‘showcooking’ para os mais novos no Museu Regional, num sem número de iniciativas que se complementam em cor e luz, enriquecendo as férias escolares e que o Município de Paredes de Coura preparou para estes dias frios de dezembro.

PAREDES DE COURA VIVE “NATAL ENCANTADO”

Caixa de Brinquedos e Escola do Rock | Paredes de Coura

A ‘Caixa dos Brinquedos’ e a ‘Escola do Rock’ merecem particular atenção no ‘Natal Encantado’ em Paredes de Coura, que tem mais uma vez as crianças e os mais jovens no centro das atenções com propostas tão diversas como a projeção dos filmes ‘Vaiana’ e ‘Cantar’, mas também a Pista Mágica, insufláveis e animação de rua com FK5 e Party Brass, entre outras iniciativas, que trazem por estes dias um outro colorido e encanto a esta vila no coração do Alto Minho.

O Largo Hintze Ribeiro acolhe a Tenda Natal Encantado com a ’pista mágica’ para karts a pedal, jipes e automóveis, bem como os sempre muito solicitados insufláveis e pinturas faciais. Os FK5 e Party Brass, à semelhança do que já nos habituou ‘O Mundo ao Contrário’, também emprestam um toque especial ao nível da animação de rua, numa vila que por estes dias é percorrida pelo já tradicional ‘O comboio vai partir’.

A Caixa dos Brinquedos volta a ser o centro das atenções, onde as crianças podem brincar e criar as mais variadas construções num espaço exclusivamente dedicado às famosas peças multicolores da Lego® e que continua a agarrar todas as gerações. A Caixa da Música, paredes meias com a Caixa dos Brinquedos, está por estes dias também com muita animação, acolhendo a 3ª edição da Escola do Rock, iniciativa com que no ano passado Paredes de Coura foi distinguida com o Prémio UM-Cidades. Ao longo de seis dias, jovens músicos provenientes de todo o país e com idade superior a 14 anos desenvolvem competências musicais e criativas, em especial na área da música rock, numa iniciativa complementada este ano com a atuação de algumas bandas emergentes e que culmina dia 23 com a Apresentação Final da Escola do Rock 2016, no Centro Cultural.

Para além destas duas iniciativas ‘âncora’, Paredes de Coura elaborou um cartaz apelativo para os mais novos e comunidade educativa. Assim, já esta sexta-feira, 16 de dezembro, o Centro Cultural acolhe a Festa de Natal das Escolas e Jardins de Infância de Paredes de Coura, contemplando a peça teatral ‘Noite de Natal’, apresentada pelo Grupo de Teatro Aquilininhos, cuja encenação e figurinos tem assinatura de Ana Costa.

Já os filmes ‘Vaiana’ e ‘Cantar’ têm cinco dias de projeções, levando a Paredes de Coura dois dos mais bem conseguidos ‘blockbuster’ da temporada. O primeiro com chancela da Walt Disney Animation Studios e o segundo com selo Illumination e que têm merecido a atenção dos mais jovens à escala planetária.

Mas também há o Coro Coura All Stars acompanhado por um grupo de metais composto por professores da Academia de Música de Viana do Castelo, que percorrerá as ruas de Paredes de Coura logo pela manhã do dia 23, coincidindo com a data para a Apresentação Final da Escola do Rock. E há também os Chef de Palmo e Meio, com sessões de ‘showcooking’ para os mais novos no Museu Regional, num sem número de iniciativas que se complementam em cor e luz, enriquecendo o ‘Natal Encantado’ que o Município de Paredes de Coura preparou para estes dias frios e cinzentos de dezembro.

PAREDES DE COURA É ESCOLA DO ROCK

‘Escola do Rock – Paredes de Coura’. 18 – 23 dezembro

Arranca este domingo, 18 de dezembro, a 3ª edição da ‘Escola do Rock – Paredes de Coura’, donde voltarão a emergir alguns dos melhores talentos. Ao longo de seis dias, jovens músicos provenientes de todo o país e com idade superior a 14 anos vão desenvolver competências musicais e criativas, em especial na área da música rock.

Escola do Rock 2016.JPG

"É um projeto que nasce com o objetivo de ocupar as férias dos jovens de forma lúdica, pedagógica e artística. Se queremos uma sociedade com futuro temos que investir nos jovens e nos seus anseios mas de forma séria", argumentou o Vitor Paulo Pereira, presidente da Câmara de Paredes de Coura, que este ano também acompanha os cerca de 50 jovens músicos que fazem parte desta residência artística, que para além do espetáculo de apresentação final, a decorrer a 23 de dezembro, também já têm prometida a abertura do Festival de Paredes de Coura, que em agosto do próximo ano completa 25 anos.

O programa da Escola do Rock envolve ensaios, formação, sessões de cinema, jam sessions, showcases, demonstrações de instrumentos e workshops, num projeto desenhado com a colaboração e direção artística do Space Ensemble.

“O currículo disciplinar escolar é essencial e tem muito peso na nossa sociedade. Mas a arte, a música, a dança ou outra qualquer forma cultural são manifestações importantíssimas nas formações dos nossos jovens e ferramentas fundamentais de formação, cidadania, até na preparação para aquilo que chamam de mercado de trabalho”, acrescentou Vitor Paulo Pereira, que com este projeto viu reconhecida Paredes de Coura, em 2015, com o Prémio UM-Cidades instituído pela Universidade do Minho.

Para demonstrar a singularidade desta escola e o complemento que pode dar ao ensino tradicional, basta referir que o plano curricular das últimas edições incluiu bandas como Led Zeppelin, The Beatles, Morphine, Pixies, PJ Harvey, Queens of the Stone Age, The Black Keys, Nirvana, AC/DC, Franz Ferdinand ou Arcade Fire.

O Diretor da Escola do Rock, Nuno Alves, adiantou que em relação aos workshops previstos, a edição deste ano vai dedicar “especial atenção aos instrumentos eletrónicos, explicando com maior detalhe teclados, sintetizadores, aplicações para terminais móveis, samplers, sequenciadores e processadores de efeitos”.

Complementando a Escola do Rock, a Caixa da Música, em Paredes de Coura, também recebe por estes dias novas bandas. No final dos 5 dias de formação existe o já muito esperado espetáculo de apresentação final, a decorrer na sexta-feira, 23 de dezembro, pelas 22h00, no Centro Cultural. A entrada é gratuita e aberta a todos os amantes de música. Depois, seguir-se-á uma ‘tour’ por algumas salas nacionais e internacionais, ainda a definir.

A Escola do Rock – Paredes de Coura é dirigida por Nuno Alves, tendo como formadores Samuel Coelho (guitarra/violino), Jorge Queijo (bateria), Sérgio Bastos (piano/teclados), Miguel Ramos (baixo) e Maria Mónica (voz).

MO_Escola-do-Rock_Cores-77_670.jpg

PAREDES DE COURA DISPONIBILIZA PINHEIROS NATURAIS NA ÉPOCA NATALÍCIA

O Município de Paredes de Coura disponibiliza gratuitamente pinheiros naturais, para evitar o corte de árvores viáveis e a destruição da floresta em crescimento, durante a quadra natalícia.

45-paisagem protegida-6.jpg

Esta ação tem a colaboração das equipas de sapadores florestais que recolhem pinheiros jovens de dimensão variável em monda feita nas zonas de regeneração natural. A eliminação destas árvores de povoamentos excessivamente densos é essencial para o ordenamento da floresta e para a sua proteção contra incêndios.

O corte e uso de árvores naturais para ornamentação natalícia é apontada como um ato ambientalmente pouco responsável.

Por isso, quem preferir um pinheiro natural pode recolhê-lo nas oficinas municipais e não cortando na natureza.

Recorde-se que Paredes de Coura foi o primeiro município português a apresentar um Projeto – Piloto do Plano de Paisagem, no âmbito do Fórum Internacional sobre a ‘Paisagem do Sudoeste Europeu’, que reuniu especialistas e decisores pela primeira vez em Portugal, em outubro de 2015, na Fundação de Serralves, no Porto.

Esse “Projeto – Piloto do Plano de Paisagem da Unidade Campos de Coura” visa o desenvolvimento do Plano de Paisagem para o território de Coura e tem como objetivos a valorização do património natural, cultural e urbano, bem como definir medidas orientadoras para a gestão da paisagem que preservem o seu caráter e identidade, reforçando a componente da paisagem cultural nas aldeias e lugares incluídos em Rede Natura e na Paisagem protegida.

PAREDES DE COURA REALIZA JORNADAS MICOLÓGICAS

IX Jornadas Micológicas de Outono. sábado | 26 nov | Paredes de Coura

Este sábado, 26 de novembro, o Centro de Educação e Interpretação Ambiental do Corno de Bico, em Paredes de Coura, acolhe as IX Jornadas Micológicas de Outono, que contempla, entre outras atividades, um passeio micológico orientado por especialistas com o já tradicional piquenique onde será possível degustar propostas gastronómicas dos participantes, baseadas em cogumelos silvestres.

IX Jornadas Micológicas Outono-paredcou.jpg

Nesta iniciativa organizada pelo Município de Paredes de Coura em parceria com a Associação Micológica A Pantorra, contará igualmente com uma oficina de identificação, catalogação e exposição das espécies recolhidas durante o percurso micológico e simultaneamente desenvolve uma oficina de produção caseira de cogumelos saprófitos em substratos alternativos.

As jornadas culminam com a tradicional ceia micológica, em que os cogumelos silvestres são príncipes à mesa e prometem fazer as delícias da mico-gastronomia.

No concelho de Paredes de Coura, associada à variedade de habitats, existe uma grande diversidade de espécies de cogumelos, tendo alguns especialistas detetado, ao longo da última década, cerca de 200 espécies diferentes. A diversidade de espécies incentivou o surgimento das Jornadas Micológicas do Corno de Bico desde 2006, com o objetivo de sensibilizar para a valorização dos recursos micológicos da Paisagem Protegida do Corno de Bico e, genericamente, promover os recursos turísticos, as paisagens e o património natural e cultural do concelho de Paredes de Coura.

As jornadas assentam na micologia, ciência que estuda os fungos, como vetor de desenvolvimento turístico do território. Estes encontros integram diversas atividades tais como palestras, workshops, mostras, passeios e a gastronomia.

PAREDES DE COURA LEVA A ROMA POETA MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO

Paredes de Coura elogiada por universidade italiana a propósito da exposição sobre Mário de Sá-Carneiro. Documentário REALIZAR: poesia exibido em convénio em Roma

Paredes de Coura mereceu os maiores elogios no âmbito do convénio pela ocasião do centenário do desaparecimento de Mário de Sá-Carneiro promovido pela Universitá Degli Studi Roma Tre, onde um conjunto de notáveis especialistas abordaram a obra deste importante nome da literatura portuguesa.

15127335_1378270248850524_1575387049_o.jpg

Na iniciativa que teve o patrocínio da Embaixada de Portugal em Roma e o contributo da Fundação Calouste Gulbenkian, Paredes de Coura foi apresentada como um exemplo de um lugar improvável para a realização de um evento com a envergadura do REALIZAR:poesia e que no passado mês de abril integrou a mostra “mil anos me separam de amanhã – percurso ao universo de Mário de Sá-Carneiro no centenário da sua morte”, iniciativa que superou o designativo exposição, mostrando-se, peremptoriamente, uma viagem emocional à obra, um percurso pelo seu universo identitário, real e onírico

“O REALIZAR:poesia foi um risco assumido por toda a equipa. Uma conjugação feliz de pessoas que, fruto do seu entusiasmo e paixão pela poesia e fruto da generosidade de um colecionador conseguiram fazer do evento um êxito”, recordou a vereadora da Câmara de Paredes de Coura, Maria José Moreira, para quem o REALIZAR:poesia “mostrou que a poesia é transversal a todos os setores e que também é possível fazer política com poesia”.

No convénio promovido pelo Departamento de Língua, Literatura e Cultura Estrangeira da Universitá Degli Studi Roma Tre foi projetado o documentário dirigido por Paulo Pinto com os principais momentos sobre o REALIZAR:poesia, com particular destaque para a exposição “mil anos me separam de amanhã – percurso ao universo de Mário de Sá-Carneiro no centenário da sua morte”, bem como depoimentos dos vários participantes na iniciativa, como João Botelho, Miguel Ribeiro, João Rios e Giorgio de Marchis, um dos maiores especialistas mundiais da obra de Mário de Sá-Carneiro e que na qualidade de elemento do Conselho Científico desta universidade italiana convidou para este convénio o Município de Paredes de Coura.

“Essa ousadia e capacidade de passar do sonho a realidade podem refletir-se na política educativa, no desenvolvimento económico, na politica social e cultural”, acrescentou Maria José Moreira enumerando as potencialidades de uma iniciativa como o REALIZAR:poesia, aproveitando a ocasião para convidar os presentes a visitarem Paredes de Coura por ocasião da edição de 2017.

15208063_1378272555516960_840663871_n.jpg

PRÉMIO LITERÁRIO NORTEAR É ENTREGUE EM PAREDES DE COURA

Paredes de Coura acolhe cerimónia de entrega do II Prémio Literário Nortear para jovens escritores da Euroregião Galiza - Norte de Portugal

"Nós, arquipélago” do português Rui Cerqueira Coelho foi a obra distinguida

4ª feira | 23 nov | 14h30 | Centro Cultural

Paredes de Coura acolhe na próxima 4ª feira, 23 de novembro, pelas 14h30, a cerimónia de entrega do II Prémio Literário Nortear, que distinguiu a obra "Nós, arquipélago”, do jovem escritor português Rui Cerqueira Coelho.

Nortear convite.png

Nesta iniciativa que decorre no Centro Cultural de Paredes de Coura e promovida pela Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria da Junta da Galiza, pela Direção Regional de Cultura do Norte e o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal, em colaboração com o Município de Paredes de Coura, será também apresentada a edição em livro do Prémio Nortear 2015, bem como a convocatória da 3ª edição do Prémio Literário Nortear.

Recorde-se que "Nós, arquipélago”, do jovem escritor português Rui Cerqueira Coelho, foi eleito por unanimidade pelo júri do concurso, entre 30 trabalhos de autores com idades entre os 16 e os 36 anos, sobressaindo pelo seu "estilo impecável e potente, e uma narração sólida que harmoniza emoções, vínculos familiares, perceções sensoriais e evolução psicológica com uma grande profundidade".

O júri também destacou a gestão da temporalidade, a partir de uma perceção interior, que "o passado e prospeção do futuro como vazio e como mistério difícil de assumir se unem para definir interiormente um ser que toma consciência da sua existência e da sua limitação como pulso vital ".

Natural de Viana do Castelo, Rui Cerqueira Coelho tem 24 anos, é licenciado em Biologia e encontra-se a frequentar o Mestrado de Genética Forense, na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Tem como referências literárias José Saramago, António Lobo Antunes, Jack London, Dostoiévski e Sophia de Mello Breyner.

O referido prémio, com um valor monetário de dois mil euros, tem como objetivos distinguir, anualmente, obras literárias originais; promover o lançamento de novos escritores, incentivando a produção de obras inéditas no domínio da ficção; incentivar a criatividade literária entre os jovens escritores residentes na Euroregião Galiza - Norte de Portugal e fomentar a circulação e distribuição de obras literárias além-fronteiras.

Na primeira edição do prémio a vencedora foi a galega Lara Dopazo Ruibal, pela obra "Clementina", que acaba de ser editada pela Edite-me, numa publicação que inclui também o relato que recebeu a menção honrosa "Coração cheio de nada”, da autoria do português João Maria Cardoso.

Presidido por Xosé Maria Lago García, secretário do GNP, AECT-Agrupamento Europeu de Cooperação Transfronteiriça Galiza – Norte de Portugal, o Júri do Prémio Literário Nortear para Jovens Escritores foi composto por Antón Riveiro Coello, escritor; Carlos Lopes, diretor da editora Edita-me; Olinda Beja, escritora; Carlos Arias, escritor e André Rodrigues, técnico do GNP, AECT-Agrupamento Europeu de Cooperação Transfronteiriça Galiza – Norte de Portugal.

PAREDES DE COURA VAI TER FÁBRICA DO FUTURO

Fábrica do futuro recentemente elogiada pelo Comissário Europeu de Economia e Sociedades Digitais nasce na unidade Kyaia de Paredes de Coura

O projeto de I&D HSSF - High Speed Shoe Factory, um exemplo da Industria 4.0 e que recentemente mereceu os maiores elogios por Günther Oettinger, Comissário Europeu responsável pela pasta da Economia e Sociedade Digitais, no âmbito da conferência ‘Going Local’ Portugal 2016 - Mercado Único Digital, que decorreu em Lisboa, conheceu agora em Paredes de Coura, na unidade industrial da Kyaia, onde tem sido implementado, os primeiros resultados deste programa que envolveu a Kyaia - Fortunato O. Frederico, Lda, o INESC TEC- Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência e a FEUP - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, entre outras entidades.

pcour (1).jpg

Um projeto de inegável importância no âmbito da aplicação do conhecimento ao meio empresarial, ainda mais reforçado pelo ambiente favorável e atrativo aos negócios como tem sido cultivado pelo Município de Paredes de Coura. "As empresas e as fábricas do futuro nascem onde há vontade de criar e coragem para assumir riscos. Esse mérito é dos empresários, mas também das pessoas de Paredes de Coura em quem eles confiam e a quem reconhecem a flexibilidade e a competência para experimentar, errar e inovar”, sublinhou o presidente da Câmara, Vitor Paulo Pereira, recordando que o município que dirige tem sido o melhor interlocutor para os empreendedores.

“Não queremos ser exemplo para ninguém mas, como não nos revemos no discurso fatalista da geografia e da tradição dos territórios, respondemos sempre com velocidade institucional, agilidade e procuramos respeitar o tempo dos empresários. Talvez isso explique que hoje se tenha apresentado uma fábrica do futuro que é dada como bom exemplo pelo Comissário Europeu do setor num concelho sobre o qual as pessoas têm ideia de ser rural e isolado", argumentou Vitor Paulo Pereira, apostado em dar continuidade a outras parcerias que tragam valor acrescentado para o seu território: "Continuaremos o nosso caminho, sem medos nem pressões. Sabemos que, como tudo na vida, todos os grandes projetos começam da mesma forma: pequenos e sequiosos de crescer e aprender - e essa capacidade nunca nos faltará".

O projeto I&D HSSF - High Speed Shoe Factory tem como objetivo conceber, desenvolver e implementar um novo modelo de fábrica de calçado para resposta ágil em 24 horas, orientado para a produção unitária par a par, capaz de responder sem stocks, às vendas pela internet, às pequenas encomendas e reposições de produtos em loja e ao fabrico rápido das amostras.

Os equipamentos e sistemas estão já em pleno funcionamento na Kyaia, nas suas unidades de Paredes do Coura e Guimarães, com ganhos significativos de produtividade e flexibilidade. Os benefícios obtidos poderão ser também facilmente replicados noutras empresas, pelo que na agora apresentação dos resultados não só compareceram todas as outras entidades envolvidas no projeto, como a FLOWMAT - Sistema Industriais, Lda, Silva & Ferreira Lda, Creative Systems, Lda, CEI - Companhia de Equipamentos Industriais, Lda e o CTCP - Centro Tecnológico do Calçado de Portugal, bem como empresários ligados ao setor do calçado e representantes dos estabelecimentos do ensino superior, entre outros.

Recorde-se que ainda no passado mês de julho, o Primeiro Ministro António Costa esteve presente nestas mesmas instalações da Kyaia, em Paredes de Coura, na apresentação do Software SmartSL 4.0 - Smart Stiching Logistics que é um dos componentes desta "fábrica do futuro" e que garante uma gestão ágil e flexível de linhas de costura para a produção de calçado.

pcour (2).jpg

pcour (3).jpg

PAREDES DE COURA REALIZA JORNADAS MICOLÓGICAS

IX Jornadas Micológicas de Outono. 26 de novembro em Paredes de Coura

Estão de volta, no dia 26 de novembro, as Jornadas Micológicas do Corno de Bico organizadas pelo Município de Paredes de Coura em parceria com a Associação Micológica A Pantorra.

IX Jornadas Micológicas Outono.jpg

A IXª edição Outono 2016 decorrerá no CEIA (Centro de Educação e Interpretação Ambiental do Corno de Bico) e contempla, entre outras atividades, um passeio micológico orientado por especialistas com o já tradicional piquenique onde será possível degustar propostas gastronómicas dos participantes, baseadas em cogumelos silvestres. Contará igualmente com uma oficina de identificação, catalogação e exposição das espécies recolhidas durante o percurso micológico e simultaneamente desenvolve uma oficina de produção caseira de cogumelos saprófitos em substratos alternativos. As jornadas culminam com a tradicional ceia micológica, em que os cogumelos silvestres são príncipes à mesa e prometem fazer as delícias da mico-gastronomia.

No concelho de Paredes de Coura, associada à variedade de habitats, existe uma grande diversidade de espécies de cogumelos, tendo alguns especialistas detetado, ao longo da ultima década, cerca de 200 espécies diferentes.

A diversidade de espécies incentivou o surgimento das Jornadas Micológicas do Corno de Bico desde 2006 com o objetivo de sensibilizar para a valorização dos recursos micológicos da Paisagem Protegida do Corno de Bico e, genericamente, promover os recursos turísticos, as paisagens e o património natural e cultural do concelho de Paredes de Coura.

As jornadas assentam na micologia, ciência que estuda os fungos, como vetor de desenvolvimento turístico do território. Estes encontros integram diversas atividades tais como palestras,workshops, mostras, passeios e a gastronomia.

As inscrições para as IX Jornadas Micológicas do Corno de Bico deverão efetuar-se online no portal do Município de Paredes de Coura - https://www.paredesdecoura.pt/indexCMPC.php?cp=COMPONENT_EVENT&sr=SUS577EB1A220510&item -  até às 23:59:59 do dia 24/11/2016.

Em caso de dúvida, os participantes poderão contactar a organização através do e-mail jornadasmicologicas@cm-paredes-coura.pt ou pelo telefone 251 780 100 (durante o horário normal de expediente).

BRAZ REGUEIRO EXPÔS EM 1966 NA ASSEMBLEIA NACIONAL A SITUAÇÃO ECONÓMICA EM QUE À ÉPOCA SE ENCONTRAVA O MINHO

Braz Regueiro, deputado à Assembleia Nacional na IX Legislatura, na sessão de 22 de março de 1966, expôs a situação económico-social do Minho à época, com um discurso eloquente que não resistimos a transcrever do Diário das Sessões do dia seguinte. Presidiu à sessão Mário Figueiredo, tendo como secretários Fernando Cid de Oliveira Proença e Mário Bento Martins Soares.

brazregueiro1 (1).jpg

Braz Regueiro era natural de Peso da Régua. Porém, no exercício da sua profissão de médico, viria a ficar bastante ligado ao concelho de Paredes de Coura onde foi Diretor do Sanatório Presidente Carmona em acumulação com as funções de médico municipal do mesmo concelho, Diretor da Consulta do Dispensário de Paredes de Coura e Médico delegado dos Serviços Médico-Sociais das Caixas de Previdência. Foi ainda Presidente da Comissão Concelhia de Paredes de Coura da União Nacional (1965); Delegado da Legião Portuguesa no concelho de Paredes de Coura (1965) e Presidente da Câmara Municipal de Paredes de Coura (1965).

"O Sr. Braz Regueiro: - Sr. Presidente, Srs. Deputados: E a primeira vez que peço a palavra neste areópago político, pelo que são para V. Ex.ª, Sr. Presidente, os meus melhores cumprimentos de admiração e respeito.

Respeito pelo homem probo e pelo professor ilustre e admiração pelo seu poder de decisão, firmeza de princípios, coragem moral, capacidade de trabalho, espírito, de sacrifício e isenção inatacável.

Aos ilustres Deputados desta Assembleia apresento também os melhores cumprimentos de fraterna amizade e a promessa de sempre leal colaboração.

Sr. Presidente, Srs. Deputados: O Minho é o jardim de Portugal, classificação que com verdade e justiça calha bem a essa formosa província, das mais coloridas e pitorescas, das mais tradicionais, das mais populosas e das mais activas, «berço onde se embalou a nacionalidade portuguesa».

Terra de gente boa e hospitaleira, presente sempre nos momentos das grandes crises nacionais, vivendo a cultivar a tenra na tranquilidade bucólica da paz e, de fugida, descansando e dormindo embalada pelo vaivém das ondas do mar, que, como ainda este Inverno se verificou, ou tudo lhe dá, ou tudo lhe leva.

Como já foi dito, a história do País é a história do Minho, já que aqui se iniciou a autonomia do velho Condado Portucalense. O Minhoto traz no peito, como em simbiose, o génio celta e a alma grega: é fecundo e emigrador.

Pelas sete partidas do Mundo se distribui o Minhoto.

Noutros tempos, quando a miséria era factor determinante da emigração, o Minhoto procurava o Brasil, terra irmã, de todas a mais querida, onde se vivia - e vive ainda - como em Portugal: os mesmos costumes, a mesma língua, a mesma crença, os mesmos ideais!

Portugal e Brasil, ontem como hoje, são árvore frondosa presa pelas mesmas raízes a um passado de glória, hoje como ontem, a mesma carne e espírito, - o mesmo sangue e lágrimas!

Brasil e Portugal, milhares de léguas a separarem-nos, milhões, de vínculos e afectos a unirem-nos!

Os ventos da história mudaram, e a emigração faz-se hoje de preferência para França, para a Alemanha e para o Canadá e é determinada já, não pela miséria, mas pela ambição de melhoria do nível de vida.

No Brasil de outros tempos, na França, na Alemanha ou no Canadá dos nossos dias, onde vive o Minhoto vive a nossa raça, onde ele está se perpetua a nossa história, lá anda «a nossa vida em pedaços repartida» e lá está também o orgulho de Portugal evangelizador e colonizador, o valente, caminheiro «que todos os campos ara e se mais mundos houvera lá chegara».

Rico, muito rico, esse maravilhoso vale do Minho, rico de paisagem, de céu azul de apoteose, azul dourado, azul inocente, azul sem mácula, onde o sol ri, a verdura canta, o vinho é alegre e a tulha é farta, no dizer de um poeta.

Lá no alto, Melgaço, a dominar uma vastidão de território serrano, até há pouco impermeável ao progresso e hoje terra de populações aspirando a cada vez mais regalias e benefícios.

Depois Monção, a menina bonita do Alto Minho, terra de Deuladeu Martins, hoje como ontem ciosa dos seus encantos, dispondo de atractivos e condições naturais excepcionais para o enquadramento numa desejada conjuntura turística nacional.

Valença do Minho, mais abaixo, fortaleza inexpugnável de outras eras, protótipo da povoação muralhada, enamorada sempre do rio que lhe serve o nome, a demarcar a fronteira norte de Portugal.

Cerveira a seguir, pequenina e maneirinha, alegre e colorida, cem o rio aos pés e a contrastar com os seus altos verdejantes e serpenteados.

Caminha vem depois, a deslumbrar, a intimar paragem e descanso ao turista que vem do norte; graciosa e gentil, autêntica «fascinação feita de luz e água».

Perto está Viana, a capital do distrito, a princesa do Lima, cheia de tradições etnográficas e folclóricas, de belezas paisagísticas sem par, de riquezas incomparáveis no seu património histórico e cultural.

Ponte de Lima, terra de poetas enamorados do encanto da paisagem; símbolo da abundância; terra de fidalgos e do Lete mitológico, «o lugar próprio para esquecer todos os outros do Mundo».

Arcos de Valdevez, mais além, com os encantos do Extremo, e as solidões da Peneda. É concelho também de fidalgos ilustres. É rica nos frondosos arvoredos, nas ravinas dos montes e nas férteis planícies, onde corre o fascinador e meigo Vez.

Pegado e muito junto, está Ponte da Barca, a terra da Nóbrega de Antanho, pequena, mas encantadora, aristrocata e briosa da sua génese histórica.

Finalmente, Paredes de Coura, o coração do distrito e o celeiro do Minho, pequeno concelho serrano onde o ar é puro e as águas abundantes.

Chamam-lhe a Suíça portuguesa pela sua situação montanhosa e pela excelência do seu clima privilegiado.

Nos arredores da vila, no encantador monte da Pena, ergue-se o Sanatório do Presidente Carmona, unidade assistencial moderna e eficiente e obra do Estado Novo.

E agora o contraste!

Distrito rico, muito rico de paisagem e boniteza, é pobre, muito pobre, nos aspectos social e económico.

O extraordinário surto de actividades ligadas ao turismo quase não se faz sentir neste vale do Minho, que, como vimos e sabemos, é das terras mais privilegiadas pela natureza, a pedir meças a quantas das melhores de todo o Mundo se reclamam por aí em coloridos cartazes turísticos.

À parte um arremedo de turismo na capital do distrito, nada, absolutamente nada, está feito, ao abrigo de investimentos oficiais ou de iniciativa particular nos restantes concelhos, todos, sem excepção, a oferecer gratuitamente tantos motivos de atracção pelo encanto de dons naturais.

Só Viana e Valença mantêm uma indústria hoteleira à altura das circunstâncias.

De resto, só instalações anacrónicas, quando não repugnantes, a incitar os Poderes Públicos no sentido de investir capitais na construção, em todas as sedes de concelho, não digo de pousadas, mas de estalagens, modestas embora, mas a satisfazer as exigências do mundo moderno, com orgânica semioficial, com pessoal adestrado e capaz, de preferência preparado em escolas hoteleiras, que, a exemplo da vizinha e amiga Espanha, há necessidade de criar a bem do turismo nacional.

Salve-se a honra do convento e o que resta da tradicional cozinha portuguesa.

E que dizer da indústria?

Os investimentos nesse sector são tão reduzidos que, todos o sabem, por não contar praticamente na economia do distrito, é causa determinante - mais do que o elevado índice da natalidade - do êxodo rural para os meios urbanos e para o estrangeiro, êxodo que, sendo característica regional de todos os tempos, o é hoje com aspectos catastróficos para a lavoura, empobrecida pela insuficiência dos preços, tributações onerosas, condições meteorológicas nem sempre favoráveis e mão-de-obra a impor salários altos. O amanho das terras está entregue quase exclusivamente a velhos e a mulheres, a exigir-lhes um sacrifício doloroso para quem não é escravo ou o é por amor e devoção à terra, presos a uma monocultura - a do milharal - que constitui uma precariedade económica tão pequena que, por vezes, ao depauperamento da província se junta a fome na família.

O Sr. Borges de Araújo: - Muito bem!

O Orador: - Aqui fica um aviso sincero, doloroso e alarmante: se não acodem à lavoura do Alto Minho, exausta por séculos de produção, o que em breve restará é chão queimado.

Que esperar da cultura de prédios rústicos de área tão reduzida, altamente absorvedora da mão-de-obra, mantas de retalhos que valorizam e enriquecem a paisagem, mas que são peso morto na economia nacional?

A pequena courela tem os seus dias contados, já que o que se pretende como objectivo económico do País é uma maior quantidade do melhor produto ao mais baixo preço, objectivo impossível de atingir com os pequenos prédios rústicos que constituem uma agricultura nntieconómica.

No emparcelamento está a solução. Por que esperamos?

Temos de lutar contra a falira de espírito associativo dos nossos lavradores e educá-lo no sentido de perceberem primeiro e aceitarem depois um sistema que ao fim e ao cabo lhes aumenta os proventos e os detende da ruína.

E que dizer, e para rematar, de dois problemas que afligem todos os concelhos, todo o Alto Minho, de lês a lês, motivo constante de reparos e protestos, justos e compreensíveis por constituírem necessidades, que mal se compreende esperem ainda solução [...ilegível...]

Quero referir-me à distribuição de águas e à electrificação.

Nas 287 freguesias do distrito de Viana do Castelo, em 31 de Dezembro de 1965 existiam, inventariadas, J 346 fontes de mergulho, das quais só 520 foram beneficiadas, aguardando ainda comparticipação 556, ficando muitas outras à espera do antecipado estudo.

Registe-se também que das 287 freguesias, só 115 dispõem de abastecimento de água por fontanário e só 27 gozam da regalia de abastecimento domiciliário.

Estes números falam por si e, dispensam quaisquer outros comentários, uma vez que mais que tudo é a saúde pública que está em jogo.

Um parêntesis para salientar que já depois de concluídos estes apontamentos tivemos a honra de receber, no passado sábado, a visita de S. Ex.ª o Ministro das Obras Públicas; visita de estudo, de estudo honesto, sério e eficiente, como são sempre as visitas do ilustre Ministro, que a todos vem dando lições de portuguesismo e de sacrifício pela grei. numa manifestação de inteligência e competência sem par.

Vozes: - Muito bem!

O Orador: - S. Ex.ª. defendo até à minúcia, quis sabor dos presidentes dos municípios como estávamos em relação às fontes de mergulho e em face da calamitosa situação, afirmou: «Até final de 1966 ou se beneficiam as fontes de mergulho ou se arrasam». Para grandes males, grandes remédios.

Os povos do Alto Minho pedem-me que agradeça desta tribuna a S. Ex.ª a carinhosa protecção.

Não é menos desanimado o que diz respeito à distribuição de energia eléctrica aos concelhos do distrito.

Vejamos: nas mesmas 287 freguesias só 108 estão totalmente electrificadas; 30 só parcialmente. Neste momento aguardam a tão desejada regalia - ia a dizer o tão desejado direito - 149 freguesias!

Para só me referir a dois concelhos, sem me esquecer que proporcionalmente todos os outros se mantêm deficitários, citarei que no de Arcos de Valdevez, de 51 freguesias, só 7 estão totalmente electrificadas 11 parcialmente e 33 completamente às escuras.

Ponte de Lima, também com 51 freguesias, só 6 conhecem a regalia desse índice de civilização; só duas estão parcialmente electrificadas e 43 vivem nas trevas a partir do pôr do Sol.

Há 25 anos que faço clínica num concelho rural do Alto Minho.

Assisti já a centenas de partos tendo como única fonte, de iluminação a luz da candeia.

Assisti já milhares de receitas à luz bruxuleante de uma vela de cera, já que a vela de cera se usa indistintamente entre essas populações pobres na igreja e no lar, uma vez que a de estearina lhes custa mais uns tostões.

Eu, que queria morrer a subscrever uma receita por amor à arte e por necessidade, peço a Deus me dê a graça de subscrever a estima à luz da energia eléctrica.

Acabo, como comecei, citando de maneira despretensiosa as grandezas e misérias de uma região, rica, muito rica pela graça de Deus, pobre, muito pobre pela indiferença e ingratidão dos homens.

Vozes: - Muito bem, muito bem!

O orador foi muito cumprimentado."

zdiarsess.jpg

PAREDES DE COURA TEM PLANO DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

Paredes de Coura integra o restrito número de concelhos com Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil

Paredes de Coura integra o restrito núcleo de municípios portugueses que dispõem de um Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil já em vigor, após a sua aprovação pela Comissão Nacional de Proteção Civil e posterior publicação em Diário da República de 21 de outubro.

IMG_0426.JPG

O documento, que é uma ferramenta de capital importância para a defesa do riquíssimo património florestal do concelho, entrou em vigor no dia seguinte à sua publicação e pressupõe agora a execução de um exercício prático de teste à capacidade operacional.

O edil Vitor Paulo Pereira referiu que “este plano resultou do empenho da Câmara mas também da colaboração dos courenses, das instituições do concelho e da articulação com a proteção civil. É, por isso, uma demonstração da cooperação institucional e da união das pessoas – a quem temos de agradecer”.

O PMEPC é um Plano de âmbito municipal, elaborado pelo Município de Paredes de Coura, mediante parecer prévio da Comissão Municipal de Proteção Civil e da Autoridade Nacional de Proteção Civil e aprovado pela Comissão Nacional de Proteção Civil, que abrange uma área total de aproximadamente 13 800ha (138 km²), dividida em 11 freguesias e 5 uniões de freguesias.

Os Planos de Emergência de Proteção Civil são documentos formais nos quais as autoridades de Proteção Civil, nos seus diversos níveis, definem as orientações relativamente ao modo de atuação dos vários organismos, serviços e estruturas a empenhar em operações de Proteção Civil imprescindíveis à resposta e à reposição da normalidade, de forma a minimizar os efeitos de um acidente grave ou catástrofe sobre as vidas, a economia, o património e o ambiente.

São, assim, documentos desenvolvidos com o intuito de organizar, orientar, facilitar, agilizar e uniformizar as ações necessárias à resposta, pelo que devem ser adequados às características locais. Deverão também permitir antecipar os cenários suscetíveis de desencadear um acidente grave ou catástrofe, definindo a estrutura organizacional e os procedimentos para preparação e aumento da capacidade de resposta à emergência.

Sobre a importância do documento acrescentou Vitor Paulo Pereira que “apesar das pessoas desvalorizarem os planos e acharem que se trata de mais burocracia, a verdade é que este documento é fundamental. Ele identifica os maiores riscos a que estamos sujeitos enquanto concelho – e que são as nossas fragilidades – e organiza a reação necessária perante cada um para proteger e garantir a segurança dos courenses. Para nós a segurança das pessoas é essencial e, por isso, apostamos nele e continuaremos sempre a trabalhar para melhorar”, concluiu.

O PMEPC de Paredes de Coura está disponível no site da Autoridade Nacional de Proteção Civil (http://planos.prociv.pt) e no site do Município de Paredes de Coura (www.paredesdecoura.pt).

paisagem.JPG

PAREDES DE COURA DÁ A SABOREAR CORES E PALADARES DE OUTONO

‘O outono está servido’. 5 e 6 nov | Paredes de Coura

As cores e os sabores do outono são motivos mais do que suficientes para uma passagem pela bonita vila de Paredes de Coura neste sábado e domingo, 5 e 6 de novembro, para um fim-de-semana reconfortante. À mesa, entre os múltiplos pratos que nos oferece a rica gastronomia courense, uma dezena de restaurantes convidam-nos a saborear os irresistíveis pratos onde os cogumelos, as castanhas, a maçã e a abóbora vão misturar-se e deleitar o seu palato em sensações únicas que o vão fazer viver intensamente este território.

Image00007.jpg

‘O outono está servido’ propõe-nos confortar o estômago com o melhor desta estação.

‘Bacalhau com castanhas’, ‘Lombinhos de porco com maçã assada e molho de cogumelos silvestres’, ‘Lombelo de porco recheado com maçã com puré de abóbora’, ‘Bife de peru com cogumelos’, ‘Lombelos de porco com cogumelos’, ‘Peito de pato com castanhas e cogumelos salteados’, ‘Truta escalada e cogumelos’, ‘Cachaço de bísaro com castanhas e cogumelos’, ‘Estufado de frutos de outono’, ‘Cabrito no forno com castanhas’, ‘Rojões à minhota com castanhas’ e ‘Lombo de porco assado com castanhas’ são algumas das sugestões para este fim de semana de ‘O outono está servido’, complementadas por entradas e sobremesas deliciosas tão características da rica e conceituada gastronomia courense.

Image00001.jpg

Albergaria, Casa do Frei, Abrigo do Taboão, Pizzaria Romântica, O Lino, Miquelina, Xisto, Barbaças, Forno do Minho e Furão são os restaurantes que acolhem e dão as boas vindas ao outono, com ementas características da estação, ao almoço e jantar de sábado, bem como no almoço de domingo.

Difícil é mesmo escolher entre propostas tão deliciosas, que podem ser complementadas com outras iniciativas que por estes dias também preenchem os dias em Paredes e Coura.

“O Segredo De Simónides” é a proposta de teatro pelas Comedias do Minho, ‘A Rapariga do Comboio’ é o convite para a uma sessão de cinema, ‘Impressão Digital em Terras de Coura’ é a exposição no Museu Regional, bem como as sessões de ‘showcooking’ para miúdos - Merenda No Museu (como preparar o empadão vegetariano).

A Caixa de Brinquedos é de visita obrigatória, onde crianças, jovens e adultos mergulham nas construções Lego, podendo fazer as suas próprias construções, ver sets, construir sets, participar em atividades e workshops, mas também há o percurso pedestre no Corno de Bico|CEIA, que nos permite embrenhar na natureza em estado puro.

Cartaz OutonoEstaServido_311016.png

PAREDES DE COURA APRESENTA "A ARTE EM PEÇAS"

‘Arte em Peças’. 29 e 30 out | Paredes de Coura

O ‘Arte em Peças’ volta a marcar presença em Paredes de Coura com uma legião de fãs das peças coloridas mais famosas do mundo a deslumbrarem-se com as mais fantásticas construções que por estes dias preenchem todos os espaços do Centro Cultural. Amanhã e domingo, 29 e 30 de outubro, o ‘Arte em Peças’ é dedicado ao público em geral e com horário de abertura das 14 às 19h00, depois de toda a semana ter sido dedicada a grupos escolares, numa iniciativa promovida pelo Município de Paredes de Coura em parceria com a Comunidade 0937, um grupo de entusiastas da LEGO®que todos os anos promove esta celebração em torno da legomania e que agarra múltiplas gerações.

Imaginem cidades compostas por vários edifícios e atravessadas por comboios motorizados, simulando vários aspetos da vida quotidiana. Ou até um grande display dedicado às aventuras do Astérix e do seu companheiro Obélix onde, como não poderia deixar de ser, aparece a aldeia dos irredutíveis gauleses, uma fortificação romana e uma gigantesca pirâmide. Mas também uma grande área Technic, na qual os visitantes poderão interagir com vários veículos onde o movimento é rei. 

Tudo isto e muito mais é possível contemplar no “Arte em Peças”, como por exemplo um maravilhoso cenário medieval onde nas sombras de uma grande muralha decorrem muitas pequenas cenas representando a vida daqueles tempos. Um lindíssimo display western mostrando aventuras de cowboys e índios na paisagem agreste do oeste americano, onde não irá faltar uma cidade movimentada, comboio, minas, rios e a célebre cavalaria. Mas também uma mesa com várias miniaturas realistas de veículos motorizados, como por exemplo o bem português UMM ou o clássico Honda RA272, para além de várias naves espaciais de diferentes escalas mostrando as construções portuguesas numa competição internacional, bem como o cenário de uma batalha num planeta gelado da Guerra das Estrelas ou até várias construções medievais provenientes de uma atividade da Comunidade 0937 com o nome ‘Lusitanis’. Uma escola primária e um cenário da Segunda Guerra Mundial, assim como uma requintada e detalhada catedral, e muito mais, completam esta sétima edição do ‘Arte em Peças’, que mais uma vez instala este enorme mosaico com peças LEGO® no Centro Cultural de Paredes de Coura. 

Recorde-se que o ‘Arte em Peças’ é já uma referência no mapa mundial dos LEGO® Fan Events, organizado ininterruptamente desde 2010 pela Comunidade 0937 em conjunto com o Município de Paredes de Coura. Esta parceria não se limita ao ‘Arte em Peças’, já que ambas as entidades também organizam o Paredes de Coura Fan Weekend, evento LEGO® de cariz internacional e único fora da Dinamarca que no passado mês de junho recebeu 180 participantes com origem em dezassete países diferentes e que foi aclamado como “o paraíso na terra” por uma revista da especialidade. Com caráter permanente o Município de Paredes de Coura possui a ‘Caixa de Brinquedos’, espaço de excelência onde as crianças podem brincar com peças LEGO® e onde a Comunidade 0937 também organiza regularmente workshops, de inscrição gratuita, sobre o tema.

De acesso gratuito, na edição deste ano do ‘Arte em Peças’ o público também será desafiado para algumas atividades para melhor conhecer estas construções. Haverá também um espaço com milhares de peças LEGO® para os mais novos darem largas à imaginação e participarem em concursos de construção.

Sobre a Comunidade 0937

Já apelidado como “viveiro de talentos”, este grupo português de fãs de LEGO® foi fundado em 2006 e dinamiza atividades tanto online (fórum de discussão, concursos, revista digital, etc.) como offline (eventos, exposições, encontros, workshops). É conhecido internacionalmente pela qualidade das construções dos seus membros, tendo cinco deles sido contratados pela própria LEGO®, na Dinamarca, para serem designers de conjuntos.

PAREDES DE COURA MOSTRA ARTE DO LEGO

‘Arte em Peças’. 25 a 30 outubro – Paredes de Coura

Imaginem cidades compostas por vários edifícios e atravessadas por comboios motorizados, simulando vários aspetos da vida quotidiana. Ou até um grande display dedicado às aventuras do Astérix e do seu companheiro Obélix onde, como não poderia deixar de ser, aparece a aldeia dos irredutíveis gauleses, uma fortificação romana e uma gigantesca pirâmide. Mas também uma grande área Technic, na qual os visitantes poderão interagir com vários veículos onde o movimento é rei. Tudo isto e muito mais é possível contemplar no “Arte em Peças”, que decorre entre 25 e 30 de outubro em Paredes de Coura, com recurso às peças mais famosas do mundo.

AeP 1.jpg

A ‘legomania’ está de volta ao Alto Minho e, para além da comunidade educativa, o público também está convidado a participar e criar os mais variados temas nesta iniciativa promovida pelo Município de Paredes de Coura, em parceria com a Comunidade 0937, um grupo de entusiastas da LEGO® que todos os anos promove esta celebração em torno das peças mais coloridas e que agarra múltiplas gerações.

Um maravilhoso cenário medieval onde nas sombras de uma grande muralha decorrem muitas pequenas cenas representando a vida daqueles tempos. Um lindíssimo display western mostrando aventuras de cowboys e índios na paisagem agreste do oeste americano, onde não irá faltar uma cidade movimentada, comboio, minas, rios e a célebre cavalaria. Mas também uma mesa com várias miniaturas realistas de veículos motorizados, como por exemplo o bem português UMM ou o clássico Honda RA272, para além de várias naves espaciais de diferentes escalas mostrando as construções portuguesas numa competição internacional, bem como o cenário de uma batalha num planeta gelado da Guerra das Estrelas ou até várias construções medievais provenientes de uma atividade da Comunidade 0937 com o nome ‘Lusitanis’. Uma escola primária e um cenário da Segunda Guerra Mundial, assim como uma requintada e detalhada catedral, e muito mais, completam esta sétima edição do ‘Arte em Peças’, que mais uma vez instala este enormemosaico com peças LEGO® no Centro Cultural de Paredes de Coura.

Recorde-se que o ‘Arte em Peças’ é já uma referência no mapa mundial dos LEGO® Fan Events, organizado ininterruptamente desde 2010 pela Comunidade 0937 em conjunto com o Município de Paredes de Coura. Esta parceria não se limita ao ‘Arte em Peças’, já que ambas as entidades também organizam o Paredes de Coura Fan Weekend, evento LEGO® de cariz internacional e único fora da Dinamarca que no passado mês de junho recebeu 180 participantes com origem em dezassete países diferentes e que foi aclamado como “o paraíso na terra” por uma revista da especialidade. Com caráter permanente o Município de Paredes de Coura possui a ‘Caixa de Brinquedos’, espaço de excelência onde as crianças podem brincar com peças LEGO® e onde a Comunidade 0937 também organiza regularmente workshops, de inscrição gratuita, sobre o tema.

De acesso gratuito, a edição deste ano do ‘Arte em Peças’ terá dois períodos de abertura. O primeiro, de 25 a 28 de outubro, será dedicado a grupos escolares. O segundo, nos dias 29 e 30 de outubro, é dedicada ao público em geral e com horário de abertura das 14 às 19h00. O público também será desafiado para algumas atividades para melhor conhecer estas construções. Haverá também um espaço com milhares de peças LEGO® para os mais novos darem largas à imaginação e participarem em concursos de construção.

Sobre a Comunidade 0937

Já apelidado como “viveiro de talentos”, este grupo português de fãs de LEGO® foi fundado em 2006 e dinamiza atividades tanto online (fórum de discussão, concursos, revista digital, etc.) como offline (eventos, exposições, encontros, workshops). É conhecido internacionalmente pela qualidade das construções dos seus membros, tendo cinco deles sido contratados pela própria LEGO®, na Dinamarca, para serem designers de conjuntos.

AeP 3.jpg

AeP 7.jpg

AeP 8.jpg

PAREDES DE COURA RECEBE SEMINÁRIO SOBRE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO

21 e 22 outubro

“Escola – Aprendizagens, Indisciplina e Avaliação” é o tema em discussão no Curso de Outono da Casa do Conhecimento de Paredes de Coura, da Universidade do Minho, que decorre esta sexta-feira e sábado, 21 e 22 de outubro, nesta vila do Alto Minho.

Seminário Outono cartaz.jpg

Dirigido a educadores, professores, técnicos de educação, pais e outros elementos da comunidade, este Seminário de Outono promovido pelo Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de Educação / Escolas do Alto Lima e Paredes de Coura, em colaboração com o Município de Paredes de Coura e a Universidade do Minho, debruçar-se-á sobre temas como ‘Diversidade de alunos e aprendizagens’, ‘Escalando o pódio - A excelência académica na escola’, ‘Os 30 anos da Lei de Bases do Sistema Educativo e a avaliação em educação’ e ‘Indisciplina em contexto escolar’.

Temas que serão abordados por especialistas reconhecidos academicamente, numa altura de inegável oportunidade até pela comemoração dos trinta anos da Lei de Bases do Sistema Educativo, com a exploração de muitos cenários possíveis para uma alteração que responda aos atuais desafios.

Para além da discussão em torno da “Escola – Aprendizagens, Indisciplina e Avaliação”, este Seminário de Outono em Paredes de Coura contempla também uma visita cultural ao ‘Românico, Barroco’ e a visita ao Centro Mário Cláudio.

O Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de Educação / Escolas do Alto Lima e Paredes de Coura tem por missão proporcionar formação ao pessoal docente e não docente, em funções nas escolas associadas, para o exercício da função educativa, para o exercício do apoio à ação educativa e, ainda, para exercício de funções de gestão e administração, tendo em vista assegurar a atualização, a reconversão e o aperfeiçoamento profissional.

Recorde-se que no espaço de poucos dias, Paredes de Coura volta a acolher jornadas científicas. Ainda há pouco tempo cerca de 40 investigadores se reuniram no Centro de Educação e Interpretação Ambiental (CEIA), da Paisagem Protegida de Corno do Bico, no âmbito da reunião anual do CONGEN, grupo de investigação para a Conservação e Gestão de Espécies, Populações e Ecossistemas, do CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, da Universidade do Porto.

NOVA CENTRALIDADE CIENTÍFICA NASCE EM PAREDES DE COURA PELA CONSERVAÇÃO E GESTÃO DAS ESPÉCIES

Quarenta investigadores da Universidade do Porto estão reunidos na Paisagem Protegida de Corno do Bico

Cerca de 40 investigadores estão reunidos em Paredes de Coura, mais propriamente no Centro de Educação e Interpretação Ambiental (CEIA), da Paisagem Protegida de Corno do Bico, no âmbito da reunião anual do CONGEN, grupo de investigação para a Conservação e Gestão de Espécies, Populações e Ecossistemas.

20161013_111406.jpg

Ao longo de dois dias, este grupo de investigadores aproveita as excelentes condições logísticas proporcionadas pelo Município para a primeira reunião anual: “Somos diferentes na forma de pensar, caminhar, sentir e investir. Na nossa Câmara Municipal acudimos a tudo, como tem de ser numa altura de crise económica. Mas existem três áreas em que concentramos todas as nossas forças e todo o nosso investimento: emprego, cultura e educação”, explicou o autarca Vitor Paulo Pereira, ao receber os investigadores.

“Educação é conhecimento. Por isso é que temos esta parceria com o CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, da Universidade do Porto, porque queremos que a nossa terra seja um laboratório de investigação e aprendizagem. Queremos estruturar com o CIBIO um programa que já começou nos retiros, férias e residências científicas, com objetivo de criar uma nova centralidade científica em Paredes de Coura, uma vez que o Centro de Interpretação Ambiental da Paisagem Protegida do Corno de Bico tem ótimas condições para que isso seja possível”, acrescentou.

Já Paulo Célio Alves, professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e investigador do CIBIO, enalteceu as condições facultadas e que serão “aproveitadas por todos os elementos deste grupo de investigadores para realizar a sua primeira reunião anual, num fantástico ambiente de trabalho, onde serão discutidas as atividades presentes e direções para os próximos anos”.

Recorde-se que na linha de ação do grupo CONGEN está a conservação e gestão de espécies, populações e ecossistemas. Pelo que para alcançar esses objetivos “são desenvolvidas atividades em investigação, ações aplicadas de conservação e atividades de divulgação sobre a conservação de animais terrestres”, explicou o investigador.

O CIBIO, centro de investigação da Universidade do Porto, tem desenvolvido atividades em várias áreas, nomeadamente em Biologia Evolutiva, Ecologia, Biogeografia, Conservação e disseminação do conhecimento em Biodiversidade.

Retiro_04.jpg

PAREDES DE COURA DEBATE ESCOLHAS ALIMENTARES

Coura Vegetariana 2016: Congresso Internacional sobre escolhas alimentares

“Unlocking The Cage” e ‘Cowspiracy’, com a presença de Kip Andersen

15 – 16 outubro

O realizador Kip Andersen, a maratonista vegana e detentora de 3 recordes mundiais Fiona Oakes, bem como o ator Heitor Lourenço, a animadora de rádio Ana Galvão, o deputado André Silva e a eurodeputada Anja Hazekamp são alguns dos muitos participantes do 2º Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana, que reúne também nomes da área do conhecimento e provedores dos animais, entre outros, e decorre nos dias 15 e 16 de outubro no Centro Cultural desta vila do Alto Minho.

Organizado pelo Município de Paredes de Coura em parceria com a Associação Quinta das Águias, o Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana tem como ponto de partida o facto de as nossas escolhas alimentares terem um impacte muito forte na nossa saúde, no meio ambiente, na economia e no bem-estar animal. Ao escolhermos o que vamos comer, estamos a escolher também entre o continuar a destruir o planeta ou preservá-lo; entre provocar sofrimento e morte a inúmeros animais ou respeitar o seu direito a viver, livres de sofrimento. 

Estarmos plenamente conscientes das nossas escolhas e das suas consequências dá-nos o poder de tomar decisões mais éticas e contribuir para a nossa saúde e do planeta. O objetivo deste Congresso Internacional em Paredes de Coura é criar uma plataforma de comunicação e partilha de experiências sobre a busca por um estilo de vida mais saudável e equilibrado

Jazz com Carlos Martins Trio

Durante os dois dias do congresso haverá apresentações de um excelente painel de oradores com conhecimento e experiência em diferentes áreas, bem como uma mesa redonda para discussão e resposta a perguntas da audiência. As apresentações serão em Português e Inglês, com tradução simultânea.

No sábado à noite será apresentado o filme “Unlocking The Cage” dirigido por Chris Hegedus e D. A. Pennebaker para o argumento de Steven Wise, advogado norte-americano especializado em direito dos animais e presidente da Nonhuman Rights Project. “Unlocking The Cage” tem recebido os melhores elogios da crítica cinematográfica, nomeadamente do The New York Times. No dia anterior, sexta-feira, será também projetado o documentário ‘Cowspiracy’, do norte-americano Kip Andersen numa sessão pública junto da comunidade escolar e com a presença do realizador.

O sábado do Coura Vegetariana encerra com a atuação do Carlos Martins Trio, que nos traz as ambiências jazísticas com a assinatura de Carlos Martins no saxofone, Carlos Barreto no contrabaixo e Bruno Pedroso na bateria.

Ainda no âmbito das iniciativas extra congresso, destaca-se a sessão que a maratonista Fiona Oakes, detentora de 3 recordes mundiais, vai realizar sexta-feira. Fiona Oakes vai estar no Largo Visconde de Mozelos para acompanhar uma caminhada de 3 km, a partir das 14h00, e aberta a toda a comunidade, contando com a parceria da ORICOURA e da secção de atletismo do Clube de Natação e Cultura.

Painel de oradores:

Alexandra Pereira (PT) - Médica Veterinária. Autoridade Sanitária Veterinária Concelhia e Médica Veterinária Municipal de Sintra. Mestre em Etologia e Bem-Estar Animal. Certificada pelo Royal Veterinary College em “Animal Welfare Science, Ethics and Law”. Membro Fundador da Associação de Veterinários Abolicionistas da Tauromaquia.

Ana Galvão (PT) – Personalidade da Rádio e Televisão Portuguesa

André Silva (PT) – Membro do Parlamento Português (PAN)

Alexandra Teixeira (PT) – Professora do Instituto Universitário de Ciências da Saúde (IUCS) – CESPU, Porto.

Anja Hazekamp (NL) – Membro do Parlamento Europeu (Party for the Animals representando a Holanda)

Fiona Oakes (UK) – Maratonista vegana, detentora de 3 recordes mundiais e diretora do Tower Hill Stables Animal Sanctuary

Gabriela Oliveira (PT) – Jornalista freelancer, autora de livros de cozinha vegetariana e apresentadora de rubrica na TV com receitas veganas.

Heitor Lourenço (PT) – Ator Português

Helder Muteia (PT) – Representante da FAO, Food and Agriculture Organization das Nações Unidas

Inês Sousa Real (PT) – Provedora dos Animais da Câmara Municipal de Lisboa

Joep Ingen Housz (PT) – Vice-presidente da Associação Quinta das Águias

Kip Andersen (USA) – Realizador do filme ‘Cowspiracy’

Marc Colona (ES) – NGO Libera, Coordenador do projecto BCN VegFriendly do Município de Barcelona

Maria Pinto Teixeira (PT) – CEO da Associação Animais de Rua e moderadora do congresso

PAN PARTICIPA EM PAREDES DE COURA NO CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE ESCOLHAS ALIMENTARES

  •  2º Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana dias 15 e 16 outubro
  •  Participação do realizador do documentário ‘Cowspiracy’ - Kip Andersen
  •  Criar uma plataforma de comunicação e partilha de experiências por um estilo de vida mais saudável e equilibrado

O PAN – Pessoas – Animais – Natureza vai marcar presença no 2º Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana, que decorre nos dias 15 e 16 de outubro no Centro Cultural desta vila do Alto Minho. O realizador do documentário ‘Cowspiracy’, Kip Andersen, participa desta iniciativa, que conta também com intervenção de vários especialistas nas mais diversas áreas, entre eles a maratonista vegana e detentora de 3 recordes mundiais Fiona Oakes, o ator Heitor Lourenço, a animadora de rádio Ana Galvão, o deputado André Silva e a eurodeputada Anja Hazekamp.

A intervenção do deputado do PAN, André Silva, centrar-se-á nas políticas públicas promovidas pelos partidos com representação parlamentar e pelos sucessivos governos que assentam num paradigma antropocêntrico, obsoleto e que promove o desperdício de recursos públicos, financeiros e humanos, na gestão e produção de alimentos em Portugal.

“O Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana tem como ponto de partida o facto de as nossas escolhas alimentares terem um impacte muito forte na nossa saúde, no meio ambiente, na economia e no bem-estar animal. Ao escolhermos o que vamos comer, estamos a escolher também entre o continuar a destruir o planeta ou preservá-lo; entre provocar sofrimento e morte a inúmeros animais ou respeitar o seu direito a viver, livres de sofrimento. Estarmos conscientes das nossas escolhas e das suas consequências dá-nos o poder de tomar decisões mais éticas e contribuir para a nossa saúde e do planeta. O objetivo deste Congresso Internacional em Paredes de Coura é criar uma plataforma de comunicação e partilha de experiências sobre a busca por um estilo de vida mais saudável e equilibrado”, conforme se pode ler no comunicado da autarquia.

PAREDES DE COURA APOSTA NA MÚSICA CLÁSSICA

Paredes de Coura aposta na Música Clássica desde a creche ao 9º ano

Música para bebés nas creches do concelho | Música Clássica e Movimento no pré-escolar com continuidade no 1º ano do 1º ciclo | Iniciação musical no 4º ano e ensino articulado de música até ao 9º ano de escolaridade.

74 Escola PCoura_AcadViana1 © Cláudia Freire.JPG

O objetivo do Município de Paredes de Coura passa por garantir que os alunos tenham progressivamente acesso ao ensino da música desde a creche até ao 9º ano de escolaridade. Para o efeito, conta com a parceria da Academia de Música de Viana do Castelo, que representa uma garantia de qualidade acrescida, e com a colaboração de todas as instituições de ensino do concelho que se têm mostrado muito recetivas a estas atividades. “Com o ensino da música, cujas vantagens são conhecidas, reforçamos a componente humanista, estimulamos a criatividade, a capacidade de trabalhar em grupo e, sobretudo, a capacidade de ouvir e respeitar os pares”, observa o presidente da Câmara de Paredes de Coura, cuja autarquia também faculta aos alunos courenses a possibilidade de também assistir aos denominados ‘concertos para a família’ e participar num vasto programa de atividades promovidas pelo serviço educativo do município que contam com a ampla participação da população.

Um investimento da maior importância, tanto mais que o ensino da Música Clássica bem como do Inglês “contribui para o sucesso a todos os níveis”, sustenta o edil Vitor Paulo Pereira, orgulhoso por poder “garantir o acesso de todas as crianças desde a creche a aprendizagens e vivências que implicam despesas impossíveis de suportar para algumas famílias”. 

Inglês e coro intergeracional

Além da música, o Município garante ainda em todos os estabelecimentos do pré-escolar o ensino do Inglês, sem qualquer custo para as famílias. Ainda no campo do serviço educativo, Paredes de Coura também faculta neste ano letivo música para bebés nas creches com a periodicidade quinzenal, da mesma forma que está a promover a constituição de um coro intergeracional, realçando o valor da pessoa idosa na sociedade e a importância das relações entre gerações diferentes,

Em matéria de investimentos, recorde-se que o Município de Paredes de Coura garantiu recentemente dois milhões de euros para requalificar a sua Escola Básica e Secundária e ao abrigo do Programa Operacional Portugal 2020, no âmbito da Assinatura dos Acordos de Colaboração para a Modernização das Escolas sob o patrocínio do Ministério da Educação. Já no ano anterior, o município havia suportado e sem qualquer apoio do Ministério ou de fundos comunitários os custos de uma primeira requalificação da Escola Básica e Secundária, numa empreitada cujo valor rondou os 350 mil euros, para além de também ter custeado um investimento de cerca de 20 mil euros na renovação do equipamento informático utilizado pelos alunos.

Num outro âmbito e no sentido de esbater possíveis assimetrias, Paredes de Coura não só atribui um subsídio pecuniário de apoio à natalidade/adoção, como também comparticipa mensalmente a frequência de creche, ama ou estabelecimento similar, comparticipa nas despesas de alimentação do Jardim de Infância, da mesma forma que assume a redução no pagamento das despesas de água e saneamento para famílias numerosas.

Paralelamente, o município também garante gratuitamente o transporte aos alunos do 1º ciclo, bem como o passe escolar aos alunos do 2º e 3º ciclo e financia, em 50%, os passes do ensino secundário. Comparticipa a aquisição de livros e manuais escolares aos alunos do 1º ciclo e oferece o material escolar desde o pré-escolar até ao 4º ano de escolaridade. A Câmara também financia o fornecimento de refeições ao pré-escolar e ao 1º ciclo e garante o prolongamento gratuito após as horas letivas no pré-escolar.

Ao todo, e fazendo jus a uma recente estatística oficial, comparativa do investimento municipal por setor no Alto Minho, Paredes de Coura dedica aproximadamente 20% do seu orçamento à Cultura e à Educação. “Fazemos isto com o coração, porque sabemos que é a verdadeira aposta no futuro”, conclui Vitor Paulo Pereira

PAREDES DE COURA ACOLHE PRIMEIRA “GREEN WEEKEND”

yoga | workshops de cozinha | passeios pela natureza

sexta a domingo | 2 - 4 de setembro

Partilhar experiências sobre um estilo de vida sustentável, procurando assumir uma atitude ‘eco friendly’ são os propósitos da primeira edição ‘Green Weekend’, que este fim de semana, 2 a 4 de setembro, reúne em Paredes de Coura um sem número de pessoas para quem se torna urgente preservar a natureza e o planeta para as futuras gerações.

Já esta sexta-feira, no arranque deste ‘Green Weekend’, partilham-se conversas com pessoas com experiência em diferentes áreas para um estilo de vida mais ético e saudável, como uma nutricionista, um médico, uma atleta vegan, um pai de uma criança vegan, um cozinheiro vegan, entre outros.

As sessões e workshops decorrem até domingo, com as manhãs dedicadas à prática de Hatha Yoga, privilegiando-se não só o treino do corpo, como também o da mente. Esta forma de yoga contribui para o desenvolvimento pessoal, favorecendo a mudança de hábitos e estilo de vida. Estas sessões são orientadas por dois conceituados professores de yoga: Pedro Kupfer, do Brasil, e Miguel Homem, de Portugal. 

Neste ‘Green Weekend’ promovido pelo Município de Paredes de Coura em articulação com a Associação Quinta das Águias, as tardes serão preenchidas com workshops de cozinha vegetariana e vegan com chef’s experientes, procurando traduzir a ideia de que o que comemos tem enorme impacte sobre a nossa saúde e sobre o ambiente. Do programa também fazem parte os passeios conduzidos pela Ori-Coura, que sabiamente nos levam pela rica e deslumbrante natureza de Paredes de Coura. Este contacto com a natureza ajuda-nos a melhor compreender como esta é preciosa, bem como a necessidade de a preservar e proteger.

PROGRAMA:

SEXTA, DIA 02 DE SETEMBRO

21h30 - Centro Cultural

ABERTURA E GREEN CONVERSAS

SÁBADO, DIA 03 DE SETEMBRO

09h30 às 11h30 - Praia Fluvial do Taboão

HATHA YOGA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

12h00 às 14h00 - Restaurantes Aderentes

ALMOÇO VEGETARIANO

14h00 às 18h30

WORKSHOPS VEGETARIANOS/COZINHA VEGAN

14h30 às 17h30

PERCURSO DA NATUREZA COM A ORI-COURA ORIENTAÇÃO

19h00 às 21h00 - Restaurantes Aderentes

JANTAR VEGETARIANO

21h30 - Centro Cultural

SATSANGHA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

DOMINGO, DIA 04 DE SETEMBRO

09h30 às 11h30 - Praia Fluvial do Taboão

HATHA YOGA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

12h00 às 14h00 - Restaurantes Aderentes

ALMOÇO VEGETARIANO

14h00 às 17h00

WORKSHOPS VEGETARIANOS/COZINHA VEGAN

14h00 às 17h00

PERCURSO DA NATUREZA COM A ORI-COURA ORIENTAÇÃO

17h00 - Centro Cultural

VINHO D´HONRE e ENCERRAMENTO

Workshops da cozinha vegetarian/vegan

Lucy Gerardin:                  Cozinhar vegetariana para crianças e pais

Alda Côrte-Real:               Cozinha vegan gourmet

Manuela Nogueira:         Cozinhar e comer com o coração

Inês Pardal:                        - 4 em 1: 4 pratos com os mesmos ingredientes

- Pratos Portugueses vegan

Maria Aragão:                   Cozinhar sem ovos nem produtos lácteos

INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES: quintadasaguias@gmail.com

Valores:

Hatha Yoga - 10€

Workshops - 15€

Passe Geral - 20€

Inscrições com transferência bancária obrigatória para o seguinte IBAN: PT50 0035 0588 00000038430 79(CGD)

Município de Paredes de Coura

Paredes de Coura

Enviar aviso de transferência para quintadasaguias@gmail.com

SENADOR NARCISO ALVES DA CUNHA PROPÔS EM 1911 A CRIAÇÃO NO MINHO DE ESCOLAS AGRÍCOLAS MÓVEIS

O Sr. Senador Narciso Alves da Cunha apresentou na sessão de 15 de dezembro de 1911, do Senado da República, um projeto-lei para o estabelecimento de escolas móveis agrícolas no norte do país, justificando largamente a sua proposta e tecendo várias considerações acerca das gentes do Minho, sobretudo de Paredes de Coura, Soajo, Peneda e Castro Laboreiro. A referida intervenção transcreve-se do respetivo Diário do Senado.

untitled

O Sr. Alves da Cunha: - Sr. Presidente e Srs. Senadores: vou mandar para a mesa um projecto de lei, que há tempo tenho nesta carteira. Talvez o demorasse ainda por mais algum tempo se não fora ter lido, há dias, um substancioso artigo escrito pelo nosso ilustre e estimado colega o Sr. Miranda do Vale, e publicado num jornal agrícola, A Gazeta das Aldeias, da cidade do Pôrto.

Achei tão judiciosas as afirmações de S. Exa.. afiguram-se-me de tanto interesse as suas observações, que bastaram para me determinarem a apresentar hoje ao Senado o meu modesto projecto, unicamente como uma experiência, que, se não der resultado, amanhã, com uma penada, pode deixar de ser lei do país.

Creio que está em moda discutirem-se, e com muita razão, assuntos que se prendem com a instrução, sobretudo com a instrução popular, que sempre me tem merecido a maior solicitude há dezenas e anos, e por isso entendi que devia associar-me a êste movimento, mandando para a mesa êste projecto de lei, que versa sôbre a criação duma escola agrícola, prática, móvel, pelo sistema das escolas conhecidas pelo nome de Maria Cristina, e que tem dado óptimos resultados. (Muitos apoiados).

Para justificar os pontos em que baseei o meu trabalho, peço licença a V. Exa. para ler, apenas, dois artigos, e depois formularei as considerações que julgar convenientes para justificação do meu projecto.

O artigo 1.° diz:

Leu.

Artigo 3.°: Chamo a atenção dos Srs. Senadores para êste artigo, que é um dos mais interessantes do projecto e de mais utilidade, segundo se me afigura, para a democratização do norte do país.

Diz assim:

Leu.

Sr. Presidente: eu não sou profissional, não sou pedagogo, nunca fui pedagogista, mas a verdade é que, desde há muitos anos, me tem, como disse, merecido especial cuidado a instrução popular, a instrução dessas massas anónimas, que vivem do campo, que vivem da terra e para a terra, que mourejam todo o dia, hora a hora, desde manhã até de noite, debruçadas sôbre a mesma terra para lhe pedirem pão para comer e até para o dar ao Estado. Estas classes considero-as eu como o verdadeiro nervo da Nação (Apoiados), e por isso hão-de permitir-me que lhes diga que elas tem sido, precisamente, as mais esquecidas. (Apoiados).

Eu vejo, porque está escrito em estatísticas oficiais, que a população das oficinas, da indústria, do comércio e da viação regula por 1.500:000 habitantes do país, emquanto que as massas agrárias representam 3.000:000 habitantes. Mais ainda: as classes agrárias estão desseminadas por todo o país, absolutamente por todo (Apoiados), embora nas cinco províncias do norte sejam mais densas.

Êsse povo, ou essa classe do povo, donde venho e com o qual me criei, cujas dores tenho auscultado desde há muitos anos, à cujas festas tenho assistido e com quem ainda há pouco privei perto de quatro anos para lhe estudar e registar a linguagem numa modestíssima monografia que escrevi acêrca duma terra do Alto Minho (Paredes de Coura), é de índole naturalmente boa, sofredora e ordeira. (Apoiados).

O povo do norte, e (mando digo norte não me refiro a esta ou aquela província determinada, mas a uma grande parte, senão á maior parte do país, é essencialmente trabalhador, respeitador das autoridades, pontual no cumprimento dos seus contractos e verdadeiramente amorável.

Haja vista o que se passa no Alto Minho, naquelas montanhas da Peneda, Suajo e Castro-Laboreiro, quando algum forasteiro (e são bem poucos os que por lá aparecem) se abeira do tugúrio do mais pobre dos habitantes que estão encerrados nas ravinas daqueles montes: o hóspede é, para êles, uma pesca sagrada e é tratado com o melhor que há em casa que, na maior parte dos casos, é pão de centeio e leite.

Nestas condições, e porque tantas vezes, aqui se tem falado na instrução do povo, julgo ter oportunidade a apresentação do meu projecto, não para ser uma lei geral do país, porque penso que o Estado, pelo menos é o que dizem os Ministros, não tem dinheiro para a instrução, mas porque nada se perderá com esta experiência e ensaio.

O ensaio dá resultado?

Está lançada a semente.

A semente frutifica?

Então alargue-se a sementeira, estenda-se por todo o país.

Pelo contrário, o ensaio não dá resultado?

Nós, que estamos aqui, ou aqueles que vierem, com uma penada de tinta, retiramos a êste diploma o seu valor legal e desaparece a escola agrícola, com os seus encargos, que, aliás, são bem modestos.

Sr. Presidente: tem sido com o maior agrado que eu tenho registado a forme, tão distinta como os nossos colegas Srs. Ladislau Piçarra, Eusébio Leão, Miranda do Vale e outros mais, se tem referido, aqui, a assuntos que se prendem com a instrução do povo. Tenho, porém, ouvido dizer, e a minha observação assim o comprova, que no nosso país não há a escola primária, nem a instrução popular, porque a escola até hoje tem-nos dado, apenas, o seguinte: saber ler e escrever.

Saber? Dicant Paduani.

Tenho observado crianças que. tendo feito exame de instrução primária há menos de dois anos, não sabem ler.

Na escola ensina-se adecorar, porque, infelizmente, no nosso país a instrução é considerada como um fim e não como meio.

E, todavia, a escola deve dar um capítulo que se há-de desdobrar na educação, como, há pouco, muito bem disse o Dr. Ladislau Piçarra? para da educação sair a formação do carácter, a disposição para o trabalho, a predisposição para lutar pela vida e uma tal lapidação das faculdades intelectuais da criança que possam actuar na modificação das desgraçadas condições das classes trabalhadoras e no progresso da pátria. (Apoiados).

Mas como é que, não tendo nós casas para escolas, não tendo professores, apropriada e convenientemente preparados, como muito bem disse e acentuou o nosso estimado colega Sr. Miranda do Vale; não tendo nós programas bem orientados, não tendo suficiente verba orçamental, se hão-de preparar crianças sadias, cheias de vida, que amanhã sejam os homens fortes da República?

Como é que se hão-de alumiar estas inteligências infantis que, num futuro proximo hão-de ser as fôrças vivas da Nação, se tudo falta?

Sr. Presidente, e Srs. Senadores, exepção feita Lisboa, Pôrto e mais algum centro populoso, afigura-se me que no nosso país não há, como já disse, instrução popular.

Para mim, e não sou profissional, a escola portuguesa, para dar o resultado que devia dar, e que temos direito deesperar dela, quando convenientemente modificada, é indispensável que, entre outras, satisfaça ás seguintes condições: primeira, ser prática: segunda, agrícola; terceira, regionalista e quarta, um tanto ou quanto, individualista.

Duas palavras apenas sôbre cada uma destas feições. Deve ser prática por isso que o carácter especulativo, que tem por isso tido, é que a não tem deixado frutear, antes a lançou nesse lastimoso estado em que se encontra. Além disso os grandes mestres da sciência pedagógica acentuam que deve ser êste o seu carácter fundamental, como o mais próprio para a vida de trabalho, positiva, a que é destinado o homem.

Agrícola, porque se conta em 65 por cento a população portuguesa que vive nos campos, dos campos e para os campos, espalhada, por todas as províncias do país, isto é, a sua grande maioria, que por isso mesmo, deve ser tida em toda a consideração.

Seria uma temeridade distribuir a instrução primária com a mesma igualdade de processos, de matérias a estudar, por todo o país. Seria uma verdadeira calamidade se tentássemos plantar no Algarve a vinha que produz o vinho verde, só próprio do Alto Minho: inversamente se quiséssemos adaptar ao Alto Minho a plantação da figueira e da alfarrobeira, para criar a indústria do figo seco, ou da alfarroba.

É preciso que na escola se tenha tudo isto em vista, para não resultar improfícua a instrução que ela ministra.

A segunda característica - ser regional - tem dado na Bélgica, os melhores resultados, porque aí a organização da escola varia conforme a região a que ela é destinada.

Para os cantões industriais o ensino primário tem uma parte manual, e para os agrícolas, compreende o ensino da agricultura.

Veja-se agora num só facto, o que nos fazemos e o que se faz na Bélgica: os nossos campos estão separados uns dos outros por verdadeiras muralhas chinesas, que são as suas vedações, mas na Bélgica a divisão e vedação das propriedades é feita por sebes vivas, de macieiras e pereiras, de forma que na primavera, cada propriedade é um jardim enflorado, e no estio, proveitoso pomar, que aumenta o valor da seara.

Deve ainda a escola ter uns laivos de individualista, como na Inglaterra, para que o homem se habituai a contar mais consigo do que com o Estado providência.

A escola primária que eu desejaria ver implantada no nosso país, já não falo da Suíssa, seria a da Suécia, por três razoes:

A primeira, por ser um país pequeno como o nosso, a segunda, por a sua população ser pouco mais ou menos igual à nossa - 5 milhões de habitantes - e a terceira, porque na Suécia pode dizer-se que não há analfabetos. As duas nacionalidades sob êste aspecto, merecem ser postas em confronto.

E o que vou fazer. Na Suécia, para 5 milhões de habitantes, ha 12:000 escolas; o nosso país terá 6:000.

Eu não quero, para não fatigar a atenção do Senado, descrever o sistema da escola primária na Suécia. Entretanto sempre desejo consignar que o ensino é ali dividido em três classes: escola popular ordinária, pequena escola e escola superior.

Há, ainda, depois, uma outra ordem de escolas que muito convinha introduzir no nosso país, que são as destinadas aos filhos do povo dos campos que estão fora da idade escolar, chamadas altas escolas populares, que tem dado os melhores resultados, e que para nós seriam de grande conveniência prática porque as crianças, passados dois anos depois de saírem da escola, deixam esquecer o pouco que lá aprenderam, por falta de continuação em exercícios práticos de leitura e escrita.

Como as altas escolas populares são destinadas a adultos e podem funcionar de noite, seria fácil compelir, quem precisasse, ou por não saber, ou por ter perdido o que aprendeu, a frequentá-las.

Na Suécia há 25 escolas destas; há fixas 9:058, e ambulantes ou móveis 2:923, mas devo declarar que estas notas foram extraídas duna relatório oficial de 1901.

Hoje devem ser muitas mais.

Sr. Presidente: nós somos dominados pelo espírito de rotina, e a rotina é teimosa; por isso cumpre contrapor àquela teimosia, a teimosia da escola agrícola, fazendo-a móvel, de forma tal que apareça, uma e muitas vezes, onde aquele prejuízo está mais inveterado.

Tal foi o meu propósito ao dar-lhe êste carácter de mobilidade.

Deixando, porém, generalidades, desçamos a factos concretos, porque êsses melhoramentos demonstram o rotineirismo do povo do norte.

O povo do norte é assim: há cerca de doze ou quinze anos, um benemérito do meu concelho e que tambêm ocupou um lugar nesta casa, quando ainda estávamos no regime monárquico, o conselheiro Miguel Dantas, aquém eu quero prestar, tambêm aqui, à sua memória, o preito de saudade e respeito que a minha terra lhe deve, quis tornar lá conhecido o trabalho da charrua Brabant, e para isso fez transportar para a sua localidade esta máquina agrícola.

Convidou pequenos lavradores para verem a nova forma de sulcar a terra, procedendo a vários trabalhos, tomando parte algumas mulheres na direcção e manejo da charrua.

Apurou-se que o trabalho era mais perfeito que o das charruas ali usadas; que não precisava mais gado para a tracção, e que havia economia de tempo e pessoal.

Todos ficaram satisfeitos, todos admiraram os trabalhos e, por fim, aquele benemérito aconselhou aquela gente a que se agrupasse, comprando cada grupo uma charrua, visto ser um pouco cara.

Pois, Srs. Senadores, nunca se falou mais. até hoje, naquela charrua, e ninguém a comprou.

Mais.

Eu tentei fazer um pequeno ensaio de aplicação de adubos minerais.

Dividi uma propriedade em dois talhões, aplicando num só estrume do curral, e no outro, o mesmo adubo e o mineral.

Fiz tambêm convites para os trabalhos e, mais tarde, convoquei alguns agricultores, que haviam tomado parte na semente, para observarem o resultado e a diferença na cultura e na novidade.

Pois quer a Câmara saber o que se disse, ao apurar-se que a terra, assim trabalhada e preparada, dava uma melhor produção?

"E do ano".

A escola prática, móvel, que eu preconizo é, pois, duma altíssima vantagem e necessidade, porque vai, de terra em terra, ensinar os novos processos agrícolas.

A escola móvel é duma absoluta necessidade, porque o povo do norte não sai da sua paróquia para aprender os nossos processos de trabalhar a terra e de desenvolver a agricultura e, conseguintemente, a riqueza pública.

Eu já, decerto, tenho cansado excessivamente a Câmara pelo que vou pôr ponto nas minhas considerações.

Vozes: - Não apoiado, não apoiado!

O Sr. Presidente: - V. Exa. já foi alêm da hora.

O Orador: - Então, se V. Exa. o ordena, eu termino.

O Sr. Presidente: - Eu não ordeno nada. O Regimento é que manda.

Vozes: - Fale, fale.

O Orador: - Agradeço á Câmara a gentileza da sua deferência e serei breve.

O meu projecto tem uma grande vantagem, que consiste na obrigação imposta ao professor de fazer propaganda das leis da República.

Eu, por causa do Regimento, que não permite reunir no mesmo projecto de lei matérias que não a tenham entre si intima ligação, é que não dei a esta parte do projecto a amplitude que êle merecia.

O meu fim era estatuir que o director da escola fizesse propaganda agrícola e democrática ao povo daquele distrito, mas, desde que o Regimento não deixa ir longe, limitei-me a consignar a doutrina que se lê no seu artigo 3.°

Em todo o caso a porta está aberta para um bom serviço à República, desde que, criteriosamente, queira ser aproveitada.

Poderá alguém dizer: mas se não há professores competentemente habilitados, como se pretende estabelecer uma escola agrícola?

Felizmente para uma escola temos onde escolher, pois, há muitos professores com os conhecimentos necessários. Porque, diga-se em abono da verdade, uma das nossas classes sociais, que mais tem progredido, é exactamente aquela que diz respeito ao professorado que tem a seu cargo a agricultura superior - a dos agrónomos.

Não será, por conseguinte, muito difícil, desde que haja boa vontade, escolher e propor quem tenha interesses pelas cousas da República, para ir reger essa escola: creio mesmo que é muito fácil reunir o povo aos domingos para levar ao seu conhecimento aquilo que, presentemente, mais lhe interessa, que é viver num Estado democrático, cujos órgãos, funcionamento, garantias, direitos e deveres, não conhece ou conhece mal.

Interrupção do Sr. Ladislau Piçarra, que não se ouviu.

Sr. Presidente: Todos reconhecem que o norte está por democratizar.

É verdade; e contudo, eu, que nasci lá e lá tenho vivido, pude observar que o povo do norte, se não abraço a República, na sua proclamação, com entranhado afecto, tambêm a não recebeu na ponta das baionetas. Conheço muito o povo do norte, sobretudo o do Alto Minho, e na sei que o das montanhas é muito positivista; só acredita obra, no facto, no que vê, porque está cheio de retórica e farto de promessas não cumpridas.

E porque é assim, foi que eu registei com o maior agrado as considerações aqui feitas, antes de mim, pelo ilustre Senador o Sr. Anselmo Xavier, pois penso sôbre o assunto, como S. Exa., mais obras e menos palavras.

Nós é que devemos ir procurar o povo; nós é que temos de ir ao encontro das populações agrícolas, não esperando que elas venham para nós, sem primeiro lhes mostrarmos; que, sincera e lealmente, nos interessamos por elas.

Não é só por meio da palavra, com uma tal ou qual retórica, mas sobretudo e especialmente com obras e com a instrução que nós nos elevemos dirigir ao povo.

De mais a mais, dá-se o seguinte: o povo do norte não é muito exigente, e tanto não é exigente que o das montanhas do Suajo e da Peneda, onde é preciso percorrer uma distância de 40 quilómetros para levar uma certa ao correio, tem-se mantido nesta situação incomportável, sem grandes reclamações.

O Sr. Presidente: - V. Exa. já excedeu, e muito, o tempo concedido pelo Regimento para falar antes da ordem do dia.

Vozes: - Fale, fale, fala.

O Orador: - Mais uma vez agradeço, muito reconhecido, a deferência de V. Exas. e prometo ser meio breve.

Sr. Presidente: Quando esteve reunida a Assembleia Nacional Constituinte, nós ouvimos dizer e informar ao Dr. Alfredo de Magalhães, que esteve na Gavieira e Suajo, isto é, no extremo norte do país, qual o estado de alma e de espírito da pobre gente que por lá habita.

Não há cemitérios, não há escolas, nem correio, nem médico; aquela gente, écran, vive uma vida semi-nómada, e vou dar a razão: é porque a gente desta região, desde Maio até Outubro, vive no alto das montanhas, depois retira para o fundo delas, onde vive em choupanas, quási promiscuamente com o gado, para ter mais calor.

Nestas circunstâncias, desde que nós trabalhemos com vontade para a integrar na República, posso garantir a todos que havemos de encontrar ali a primeira guarda avançada da República.

Se quiserem encontrar os primeiros atiradores do pais, tem de ir lá procurá-los.

E, depois, para mim, há uma circunstância que eu desejo registar com especial agrado nesta casa do Parlamento.

Acusa-se por toda a parte o clero paroquial de reaccionário e de intentos jesuíticos; mas a verdade é que D Dr. Alfredo de Magalhães foi encontrar àquelas montanhas párocos dedicados à República, como se não encontrem em outras regiões.

Um pobre velho, que eu conheço, e que ter lá vivido quási toda a sua vida, disse ao Dr. Alfredo de Magalhães que a sua arma de combate era a oração. Aceitamos a Republica, disse o bom ancião, se bem que, até aqui, ninguém nos tenha falado nela.

Vozes: - Muito bem. Os das freguesias próximas ofereceram ao Dr. Alfredo de Magalhães opíparos jantares, e trataram-no com todas as deferências e atenções, como êle próprio reconheceu na Constituinte.

Outro pároco, daquela região montanhosa, que foi excelente caçador, que é muito inteligente e um pároco na verdadeira acepção da palavra, que, quando foi para a sua paróquia, não se cultivando lá a vinha, conseguia, graças à sua inteligente direcção e salutar exemplo, que já se colham aí dezenas e dezenas de pipas de bom vinho verde, êsse pároco, avisado pelos fregueses para fugir, como êles, ao aproximarem-se uns militares que foram àquela freguesia fazer um reconhecimento por ordem do nosso colega na outra Camara o Sr. Simas Machado, quando esteve a comandar as forcas no norte, respondeu-lhes: "está aberta só meia porta da residência; pois vou abrir-lhes a outra meia".

E foi.

E as portas da casa do bom abade foram abertas, de par em par, e os militares ali foram hospedados, com aquela gentileza e afabilidade que êle sabe dispensar a todos que dele se acercam.

É claro que uma boa propaganda não se pode organizar sem elementos locais, em quem o povo deposite confiança. (Apoiados).

Acerca da propaganda no país, recebi, há pouco tempo, uma carta circular do Directório Republicano, e tenho e maior prazer em ver aqui alguns Srs. Senadores, que são membros sse Directório, porque desejo prestar-lhes esclarecimentos, subsídios e elementos, que reputo fundamentais, para se fazer uma propaganda eficaz, de resultados estáveis.

E a qualquer missão de propaganda, que se destine às províncias do norte, é preciso que dela faça parte, antes de mão, um elemento local, isto é, que tenha autoridade moral. (Apoiados).

Se não for assim, como o povo é ignorante, e à beira da ignorância está a desconfiança, êle receberá com pouco agrado aqueles que se lhe apresentarem.

Devem, portanto, figurar nesta classe de rnissões, os elementos locais, ou da freguesia, ou de perto, a quem e povo respeite, em quem deposite confiança; homens que serem como que seus juízes de paz, seus liais conselheiros e amigos sinceros.

Também deve fazer parte dessas missões o elemento militar, mas o elemento militar fardado, porque o povo tem muita consideração e até estima pela farda do oficial do exército: é uma espécie de culto externo, que não é para desprezar.

Quando alguns oficiais do Sr. Simas Machado foram a uma Sociedade sertaneja, no concelho dos Arcos, fazer uma missão de propaganda, encontraram o povo assistindo à missa paroquial.

Entraram no templo e aí se conservaram, até o fim, com todo o respeito, como é próprio de homens bem educados e prudentes, qualquer que seja a sua crença.

Bastou êste facto para, como se diz vulgarmente, empalmarem todo o auditório. Até o próprio párocho assistiu à conferência.

Não se imagina a influência que no povo exerceu essa compostura e respeito por parte dos oficiais, que se apresentaram devidamente fardados, dentro do templo, porque, assim, êles dão uma prova da sua boa educação e do respeito que deve merecer a crença alheia, embora não seja a que êles professam.

Deve, ainda, esta missão conter um membro, de preferência do Ministério do Fomento, que leve autorização para prometer e fazer logo, umas pequenas cousas, umas pequenas despesas, tais como uma caixa de correio, ou estabelecer um posto de registo civil, etc.

Com êstes elementos, eu garanto a V. Exa. que, em pouco tempo, teremos republicanizado o país.

De contrário, se continuarmos a mandar gente desconhecida, se continuarmos neste sistema de irmos para lá fazer discursos muito bonitos, que são bem recebidos naquela ocasião, mas que logo esquecem, não se conseguirá nada.

Eu digo a V. Exa., que já ouvi, a propósito dum orador distinto, que foi a uma daquelas aldeias pregar um sermão, e que fez, realmente, um discurso brilhante. O facto que aponto observei-o eu próprio.

Ao terminar êsse discurso, dirigi-me a um grupo de pequenos lavradores e perguntei:

"Então o que pensam, a respeito do sermão?"

"Oh, muito bem, muito bem, pena foi ser em latim!"

(Riso).

É e que acontece a esta pobre gente, muito rude e ignorante, que está um tanto desconfiada por nunca ter sido atendida em cousa alguma pelos governos da monarquia, e por isso só com obras, que atestem o nosso interesse por ela, é que a podemos integrar na República.

Sr. Presidente: embora isto custe um pouco ao Estado, fiquem certos de que a propaganda nestes termos ha-de ser duradoura e de bons resultados para a República.

Eu podia alongar-me em considerações, mas quero apenas frisar um ponto para V. Exa. e o Senado verem como aquela gente é patriota e respeitadora da autoridade.

Lembram-se de que, quando os paivantes tentaram entrar, como entraram no país, se fez uma chamada das reservas.

Nos jornais de Lisboa nós vimos pejadas as suas colunas de oferecimentos para ir para a raia, chegando o facto a ser moda.

Pois bem: eu posso citar factos de filhos do povo do norte, que bem mostram o seu amor pátrio.

Dois trabalhadores, um do campo, e outro, que depois de ser praça da armada, é hoje carpinteiro, escreveram-me nos seguintes termos:

O primeiro, pedindo que intercedesse junto do Sr. Ministro da Guerra para que o deixasse fazer parte daquelas fôrças do norte, e acrescentava "que ainda tinha boa pontaria".

O segundo pedia a mesma cousa e dizia: "O meu maior prazer seria apresentar em Lisboa a cabeça de Paiva Couceiro".

E um velho pai, que não pude apresentar o filho por estar no Brasil, voltou-se para a autoridade e disse: Estou eu aqui, senhor, para ir servir no lugar de meu filho".

Então esta gente não é patriota? Até faz bem ouvir falar o povo por esta forma.

O que falta, é nós estendermos-lhe os braços, ir procurá-lo ás ravinas e encostas dos seus montes, com o duplo fim de o educar, para ser útil á Pátria, e de melhorarmos as suas precárias condições, que, no norte, são bem mesquinhas.

Vou mandar para a mesa o meu projecto, e V. Exas. hão-de apreciá-lo como êle merecer e for de justiça.

Tenho dito.

Vozes: - Muito bem.

O orador foi cumprimentado por muitos Srs. Senadores presentes.

zcounarc.jpg

PAREDES DE COURA REALIZA FIM-DE-SEMANA VERDE

‘Green Weekend’. 2 - 4 de set | Paredes de Coura

No fim-de-semana de 2 a 4 de setembro Paredes de Coura acolhe o ‘Green Weekend’, onde através de sessões e workshops pretende-se proporcionar às pessoas a oportunidade de aprender mais e partilhar experiências sobre um estilo de vida sustentável.

Trata-se de mais uma iniciativa inovadora do Município de Paredes de Coura, que em articulação com a Associação Quinta das Águias procura ir ao encontro de um número cada vez maior de pessoas que estão conscientes da necessidade de mudar para viver de forma mais ética, saudável e sustentável, mas também para preservar a natureza e o planeta para futuras gerações.   

O Green Weekend inclui de manhã a prática de sessões de Hatha Yoga, que visa não só o treino do corpo, como também o da mente. Será orientado por dois conceituados professores de Yoga: Pedro Kupfer, do Brasil, e Miguel Homem, de Portugal. Esta forma de Yoga contribui para o desenvolvimento pessoal, favorecendo a mudança de hábitos e estilo de vida.

Durante a tarde haverá workshops de cozinha vegetariana e vegan com chef’s experientes, procurando traduzir a ideia de que o que comemos tem enorme impacte sobre a nossa saúde e sobre o ambiente. 

Do programa também fazem parte passeios com a Ori-Coura, que sabiamente nos conduzirá pela rica e deslumbrante natureza de Paredes de Coura. Este contacto com a natureza ajuda-nos a melhor compreender como esta é preciosa, bem como a necessidade de a preservar e proteger. 

O Green Weekend começa na sexta-feira à noite, dia 2 de setembro, seguindo-se à sessão de abertura uma conversa com várias pessoas com experiência em diferentes áreas para um estilo de vida mais ético e saudável, como uma nutricionista, um médico, uma atleta vegan, um pai de uma criança vegan, um cozinheiro vegan, entre outros.

PROGRAMA:

SEXTA, DIA 02 DE SETEMBRO

21h30 - Centro Cultural

ABERTURA E GREEN CONVERSAS

SÁBADO, DIA 03 DE SETEMBRO

09h30 às 11h30 - Praia Fluvial do Taboão

HATHA YOGA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

12h00 às 14h00 - Restaurantes Aderentes

ALMOÇO VEGETARIANO

14h00 às 18h30

WORKSHOPS VEGETARIANOS/COZINHA VEGAN

14h30 às 17h30

PERCURSO DA NATUREZA COM A ORI-COURA ORIENTAÇÃO

19h00 às 21h00 - Restaurantes Aderentes

JANTAR VEGETARIANO

21h30 - Centro Cultural

SATSANGHA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

DOMINGO, DIA 04 DE SETEMBRO

09h30 às 11h30 - Praia Fluvial do Taboão

HATHA YOGA COM PEDRO KUPFER E MIGUEL HOMEM

12h00 às 14h00 - Restaurantes Aderentes

ALMOÇO VEGETARIANO

14h00 às 17h00

WORKSHOPS VEGETARIANOS/COZINHA VEGAN

14h00 às 17h00

PERCURSO DA NATUREZA COM A ORI-COURA ORIENTAÇÃO

17h00 - Centro Cultural

VINHO D´HONRE e ENCERRAMENTO

Workshops da cozinha vegetarian/vegan

Lucy Gerardin:                  Cozinhar vegetariana para crianças e pais

Alda Côrte-Real:               Cozinha vegan gourmet

Manuela Nogueira:         Cozinhar e comer com o coração

Inês Pardal:                        - 4 em 1: 4 pratos com os mesmos ingredientes

- Pratos Portugueses vegan

Maria Aragão:                   Cozinhar sem ovos nem produtos lácteos

INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES: quintadasaguias@gmail.com

Valores:

Hatha Yoga - 10€

Workshops - 15€

Passe Geral - 20€

Inscrições com transferência bancária obrigatória para o seguinte IBAN: PT50 0035 0588 00000038430 79(CGD)

Município de Paredes de Coura

Paredes de Coura

Enviar aviso de transferência para quintadasaguias@gmail.com

PAREDES DE COURA DEIXA DE LANÇAR FOGO-DE-ARTIFÍCIO

Paredes de Coura acaba com fogo-de-artifício e doa este dinheiro aos Bombeiros

Paredes de Coura acaba de anunciar que vão ser anuladas todas as sessões de fogo-de-artifício das festas do concelho, aproveitando também para dar a conhecer que o equivalente em dinheiro que a Câmara gastava nestas iniciativas vai ser doado à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários local.

vitor_paulo_pereira_2.jpg

A medida foi esta tarde anunciada na sessão comemorativa do Dia do Concelho de Paredes de Coura, onde entre as cinco personalidades locais agraciadas pelo município também constava o nome do antigo bombeiro Domingos Rocha, alvo do apreço e reconhecimento públicos e a quem foi entregue a Medalha de Altruísmo, Prateada, do Município.

Com esta medida agora anunciada, Paredes de Coura dá mais uma claro sinal de “pedagogia e prevenção, ajudando quem mais combate o flagelo dos fogos num gesto de nobre cidadania”, reforçou o presidente da Câmara, Vitor Paulo Pereira, acrescentando que “é uma questão de sensatez e não se trata de pôr em causa uma tradição. Mas mesmo que fosse, as tradições também podem mudar ou acabar, se isso significar avanço civilizacional. Não faz sentido ver os bombeiros a lutar e outros membros da comunidade incrementar o risco de incêndio, por menor que este seja. Fora da época de verão, quando não existe risco, aí a situação é outra”, concluiu o autarca.

Recorde-se que nos últimos dias Paredes de Coura tem sido fustigada por inúmeros fogos florestais, alguns de grande relevo com especial incidência nas freguesias de Rubiães e Vascões, bem como na área da Paisagem Protegida de Corno do Bico. Com estes fogos florestais foram mobilizados todos os bombeiros do concelho, com o apoio das corporações vizinhas e juntas de freguesia, para além da ajuda de inúmeros populares que se juntaram aos operacionais, que tudo fizeram para salvar as pessoas e minimizar os estragos nas propriedades e bens. 

PAREDES DE COURA COMEMORA DIA DO CONCELHO

Noite de fados com Marco Rodrigues

4ª feira |10 agosto

Paredes de Coura evoca esta 4ª feira, 10 de agosto, o Dia do Município com uma série de iniciativas, entre as quais uma Sessão Evocativa do Dia do Concelho no Salão Nobre dos Paços do Concelho, às 17h30, no decurso da qual também serão agraciadas cinco personalidades courenses.

Neste dia de enorme simbolismo para o Município – dia em que os courenses também evocam os Combates de Travanca, quando em 1662 rechaçaram o exército castelhano e demonstraram fidelidade a D. João IV --, Paredes de Coura manifesta todo o seu apreço e reconhecimento públicos perante alguns dos mais notáveis filhos da terra, que desempenharam funções de grande dedicação em campos tão diferentes como ensino, voluntariado e serviços municipais.

Maria das Dores Pereira, Domingos Rocha, Maria Margarida Barros, Carlos Caldas e Ilídio Pereira são as cinco personalidades agraciadas este ano, num Dia do Concelho que começa pela manhã com uma missa em honra de S. Lourenço e comemorativa dos Combates de Travanca e à noite, pelas 22h00, convida a um salto até ao Escadório da Igreja do Espírito Santo para ouvir os fados de Marco Rodrigues, que entre muitos registos conta no seu portfólio o Prémio Amália Rodrigues com o álbum ‘Fados da Tristeza Alegre’ ou até o triunfo na Grande Noite de Fados do Coliseu dos Recreios.

Com as Festas do Concelho recheadas de iniciativas que se prolongam até 14 de agosto, Paredes de Coura convive com muita música, zés pereiras, grupos de bombos, ranchos folclóricos, bandas de música, cortejo etnográfico, fogo-de-artifício e a majestosa procissão em honra de Nossa Senhora das Dores. Os arraiais noturnos com os Kalhambeke, Hugo Band, Orquestra Royal e Night Shadow também oferecem por estes dias um colorido ímpar a esta vila no coração do Alto Minho.

MUSEU DE PAREDES DE COURA RECEBE FESTA DO EMIGRANTE

Lançamento do catálogo da exposição “Impressão Digital”

9 agosto | 20h00 | Paredes de Coura

O Museu Regional de Paredes de Coura volta a acolher esta terça-feira, 9 de agosto, pelas 20h00, a Festa do Emigrante. Uma manifestação de alegria, afetos e boas vindas a estes filhos da terra com os quais os courenses têm uma “dívida de gratidão e reconhecimento”.

“Os emigrantes são pessoas corajosas, dispostas aos maiores sacrifícios e a fazer aquilo que nunca fizeram em prol das suas famílias e do bem-estar daqueles que lhes são mais próximos”, acrescentou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, que mais uma vez elegeu o Museu Regional como o espaço privilegiado para receber tão ilustres courenses.

Petiscos tradicionais e muita música, nomeadamente pelo Grupo de Cantigas da Associação de Padornelo e pelo Grupo de Cantares Ré Maior da Associação de Mozelos dão as boas vindas a estes filhos da terra, num reencontro em ambiente descontraído com courenses dos quatro cantos do Mundo: “Queremos criar um ambiente familiar de regresso a casa, a esta que é a casa de nós todos”, explica Vitor Paulo Pereira, para quem a música e os cantares tradicionais “contribuirão para criar a desejada atmosfera familiar”, à qual também se juntam as indispensáveis iguarias e petiscos do Alto Minho e tão características de Paredes de Coura.

Aproveitando o simbolismo da iniciativa, será também lançado o catálogo da exposição “Impressão Digital em Terras de Coura”, concebida por Cláudia Freire e Jorge Murteira, que recentemente foi galardoada com uma menção honrosa do Prémio Inovação e Criatividade atribuído pela APOM – Associação Portuguesa de Museologia.

Num calendário recheado de iniciativas, a Festa do Emigrante é mais um dos pontos altos destas Festas do Concelho que se prolongam até 14 de agosto -- o Dia do Concelho é a 10 de agosto --, e que trazem a Paredes de Coura muita música, zés pereiras, grupos de bombos, ranchos folclóricos, bandas de música, cortejo etnográfico, fogo-de-artifício e a majestosa procissão em honra de Nossa Senhora das Dores. Há ainda a registar os arraiais noturnos com os Kalhambeke, Hugo Band, Orquestra Royal e Night Shadow, que oferecem por estes dias um colorido ímpar a esta vila no coração do Alto Minho.

QUAIS AS CAUSAS DA DECADÊNCIA DO REGIONALISMO MINHOTO EM LISBOA?

Passam precisamente 30 anos desde que o autor destas linhas, após uma passagem meteórica pela Direção da Casa do Minho onde pugnou pela criação de “comissões concelhias” com vista à dinamização daquela associação e após ver rejeitadas as suas propostas, iniciou o processo com vista à constituição em Lisboa da Casa do Concelho de Ponte de Lima, o qual se registou num ambiente de uma inevitável polémica.

578087_442609552486230_1187675705_n

Essa iniciativa teve no Almoço Limiano então realizado o primeiro passo de arranque, depois de contar com o apoio indefetível do então Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Dr. Francisco Maia de Abreu de Lima. Escassos dois meses decorridos, mais precisamente em 2 de fevereiro de 1987, era legalmente constituída em Lisboa aquela associação regionalista. Três décadas decorridas, importa fazer o balanço e, sobretudo, procurar compreender as causas da decadência do regionalismo minhoto em Lisboa.

Até meados da década de oitenta do século passado, existiam em Lisboa apenas a Casa do Minho, a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez e, com constituição recente, a Liga dos Amigos do Concelho de Valença. Além destas associações regionalistas, contava-se ainda a existência do Grupo Excursionista e Recreativo Os Amigos do Minho fundado em 8 de maio de 1950 e com sede na rua do Bemformoso, e ainda o Grupo Folclórico do Centro Cultural dos Trabalhadores do Circulo de Leitores que consiste no atual Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho, considerado um dos mais representativos agrupamentos de folclore da nossa região.

EncontroTadiçoesMinhotasLisboa 016

A Casa do Minho que já vinha atravessando uma existência difícil desde o falecimento do jornalista Artur Maciel, viveu a partir de meados da década de 80 uma vida particularmente atribulada que por pouco não ditou a sua extinção. E, quando tudo fazia prever o seu desaparecimento, eis que o súbito envolvimento de novos associados, desprovidos da arrogância e atitudes preconceituosas de antigos dirigentes, permitiu travar a queda e até estabelecer um relacionamento saudável com as demais associações regionalistas. Apesar disso, a sua atividade não vai além da atuação do seu rancho folclórico e da realização de alguns almoços regionalistas, concretamente os almoços da lampreia e a couvada à minhota.

aniversario_casa_dos_arcos_2015_6

Por seu turno, a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, graças ao empenhamento de um arcuense que ainda atualmente se mantém à frente dos destinos daquela associação, começava a recuperar de uma letargia de várias décadas e é atualmente a mais dinâmica associação regionalista minhota sediada na capital lisboeta. A sua atividade desdobra-se entre as atuações do seu rancho folclórico e algumas iniciativas culturais e gastronómicas, sendo contudo de realçar o seu empenho e liderança no âmbito do associativismo regionalista, concretamente através da Associação das Casas Regionais em Lisboa (ACRL).

ACRL-1DEZ2012 (28)

Desde a sua criação em 6 de junho de 1982, a Liga dos Amigos do Concelho de Valença concentrou a sua atividade quase exclusivamente na realização anual de um Almoço de Confraternização, para além dos esforços desenvolvidos com vista à aquisição de sede própria, na área de Campolide.

MegaPicNic Continente 059

Sem nunca ter tido existência legal, existiu também durante vários anos a Casa Cerveirense cuja atividade se resumiu à realização anual do chamado Almoço Cerveirense. Mais recentemente, um grupo de cerveirenses veio a tomar em mãos a sua constituição legal, não se adivinhando porém que venham a ter sede própria e outra atividade para além do almoço regionalista e da participação em iniciativas no âmbito da ACRL.

img464

Na sequência do II Almoço Limiano realizado em novembro de 1986, foi em 2 de fevereiro de 1987 constituída legalmente em Lisboa a Casa do Concelho de Ponte de Lima. O seu aparecimento marcou um período de forte dinamização cultural e regionalista que influenciou inclusivamente o aparecimento de outras associações regionalistas minhotas de âmbito concelhio como se verificou com a Casa Courense em Lisboa, a Casa do Concelho de Ponte da Barca e, outras que por vicissitudes várias não chegaram a constituir-se como a Casa do Concelho de Caminha e a Casa do Concelho de Terras de Bouro, apesar da extraordinária adesão que sobretudo esta última registou. De notar que a sua influência estendeu-se ainda aos concelhos de Montalegre e Alijó que vieram então a criar as suas próprias associações regionalistas.

img293

Constituída em 8 de maio de 1990, a Casa Courense em Lisboa debateu-se ao longo de muitos anos pela obtenção de instalações próprias, o que veio a conseguir na zona de Campolide. Porém, a sua atividade resume-se no essencial à realização de almoços regionalistas e ao apoio a algumas iniciativas de entidades courenses como a colheita benévola de sangue promovida pela ADAPASCO.

197922_213025165377937_100000113641432_953788_7012

Quatro anos decorridos, mais concretamente em 12 de março de 1994, um punhado de barquenses fundou em Lisboa a Casa do Concelho de Ponte de Barca. Ao longo da sua curta existência, levou a efeito algumas iniciativas que alcançaram então alguma notoriedade como se verificou com os espetáculos de folclore que realizou nos teatros do Parque Mayer, contando para o efeito com o apoio da atriz barquense Rosa do Canto e outros empresários e artistas sobretudo ligados ao teatro de revista à portuguesa. Porém, a orientação tomada pelos seus responsáveis ditou o seu rápido desaparecimento. Pelo caminho ficaram também a Casa do Concelho de Caminha a que não foram alheias declarações públicas desmotivadoras então proferidas através da Imprensa regional pelo então presidente do município de Caminha e a Casa do Concelho de Terras de Bouro, em consequência do falecimento do seu principal impulsionador.

img305

Recuando um pouco no tempo, a Casa do Concelho de Ponte de Lima marcou uma época que se caracterizou pelo aparecimento de numerosas associações regionalistas de âmbito concelhio. Durante uma década, a sua atuação traduziu-se na realização de grandes eventos dos quais a chamada “Festa de Portugal” foi o mais relevante. Seguiu critérios rigorosos na divulgação da gastronomia tradicional da sua região, promoveu eventos culturais de cariz marcadamente regionalista incluindo a realização de conferências e a sua publicação em livro. Deu a conhecer em Lisboa tradições limianas como a Queima do Judas e a Vaca das Cordas. E, tudo isso sem jamais perder de vista o seu objetivo de promover Ponte de Lima e o de garantir que os destinos da associação jamais deixassem de permanecer nas mãos de gente ligada ao concelho de Ponte de Lima, se não por razão de nascimento ao menos pelos laços de descendência ou afinidade.

529056_488141941200695_814373545_n

Porém, esta associação deixou de discriminar nos seus estatutos os sócios em função da sua ligação ao concelho, possibilitando dessa forma que a mesma venha um dia a ser gerida por estranhos, aliás à semelhança do que sucedeu com o Grupo Excursionista e Recreativo Amigos do Minho que há vários anos desapareceu enquanto tal. Os almoços ditos regionalistas incorporam iguarias estranhas à nossa culinária como sucedeu com queijos franceses e outros acepipes servidos no Almoço Limiano e a atividade associativa passou a girar sobretudo em torno de figuras públicas do meio televisivo de momento menos ocupadas. Os eventos mais recentes registam uma autêntica deserção por parte dos seus associados, dos limianos e minhotos em geral, o que aliás ficou bem patente no piquenique realizado na mata de Monsanto há pouco mais de um mês.

FPortugal-Pavilhao.jpg

Tendo abandonado o projeto delineado pelos seus fundadores, a Casa do Concelho de Ponte de Lima arrisca-se inclusivamente em breve a perder a sua sede social, uma vez que as demolições há muito tempo previstas já chegaram à sua porta…

Reflexo da incapacidade de inclusão revelada pela maior parte das casas regionais, registe-se a existência de 13 ranchos folclóricos minhotos na região de Lisboa, de entre os quais apenas 3 integram associações regionalistas: a Casa do Minho, a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez e a Casa do Concelho de Ponte de Lima.

img092.jpg

O regionalismo não pode nem deve restringir-se à realização de almoços ou à atuação de grupos folclóricos. Antes pelo contrário, a sua atuação deverá pautar-se pelos interesses regionais os quais têm a ver com todos os aspetos respeitantes à vida das respetivas regiões, sejam eles do plano económico, social ou cultural. Por conseguinte, as chamadas “casas regionais” não podem – ou não devem! – cingir-se a meras coletividades de cultura e recreio.

A condução dos seus destinos jamais deve ser entregue às mãos de pessoas inteiramente estranhas às respetivas regiões por mais honestas e empenhadas que sejam. E, muito menos, deverão ser utilizadas como passerelles para desfile de vaidades!

O regionalismo minhoto em Lisboa está a atravessar uma grave crise. As autarquias locais continuam a investir em projetos que não constituem uma mais-valia para os seus concelhos como se esperava. A Casa do Concelho de Arcos de Valdevez representa atualmente um baluarte do nosso regionalismo. E, ironicamente, a Casa do Minho uma esperança de sobrevivência do associativismo minhoto em Lisboa.

Carlos Gomes

img295

CCPBarca (2).jpg 

 

PAREDES DE COURA ESTÁ EM FESTA!

Festas do Concelho de Paredes de Coura. Mundo a Dançar | Festa do Emigrante |Dia do Concelho. 1 – 14 agosto

A Festa do Emigrante, “O Mundo a Dançar” - Festival Internacional de Folclore e o Dia do Concelho são alguns dos pontos altos das tradicionais Festas do Concelho de Paredes de Coura.

Festas.jpg

Com um cartaz apelativo que se estende por duas semanas, as Festas do Concelho de Paredes de Coura são motivo de orgulho para muitos courenses que, por estes dias, reencontram amigos e familiares e regressam à sua terra para a confraternização entre as suas gentes.

O Mundo a Dançar – Festival Internacional de Folclore, que reúne grupos da África do Sul, Bolívia, Chechénia, Filipinas e Argentina abre esta 2ª feira, dia 1 de agosto, o programa das Festas do Concelho de Paredes de Coura, que se prolongam até 14 de agosto.

A Themba Njilo Foundation (África do Sul), “BAFOPAZ” Ballet Folclorico de La Paz (Bolívia), The State Folk Dance Group Vainakh (Chechénia), Kababayang Pilipino Cultural Performing Arts Group (Filipinas) e Companhia Argentina de Arte Folklórico (Argentina) são os grupos que vão passar pelo Largo Visconde de Mozelos, proporcionando a todos os que passam por Paredes de Coura os tons e os sons de algum do melhor folclore do Mundo, como também dão a conhecer as suas músicas, danças, coreografias, trajes e o encanto de culturas mais distantes.

No dia 9 de agosto, a Festa do Emigrante volta a encher de alegria e afetos o Museu Regional de Paredes de Coura, com petiscos tradicionais e muita música. Um reencontro animado pelo Grupo de Cantigas da Associação de Padornelo e pelo Grupo de Cantares Ré Maior da Associação de Mozelos que dão as boas vindas a estes filhos da terra com os quais Paredes de Coura tem uma “dívida de gratidão e reconhecimento”.

No dia seguinte, 10 de agosto é o Dia do Concelho. Dia em que os courenses também evocam os Combates de Travanca, quando em 1662 rechaçaram o exército castelhano e demonstraram a sua fidelidade a D. João IV. Além da sessão evocativa do Dia do Concelho, no Salão Nobre, a noite convida a um salto até ao Escadório da Igreja do Espírito Santo para ouvir os fados de Marco Rodrigues, que entre muitos registos conta no seu portfólio o Prémio Amália Rodrigues com o álbum ‘Fados da Tristeza Alegre’ ou até o triunfo na Grande Noite de Fados do Coliseu dos Recreios.

Numa semana recheada de iniciativas que se prolongam até 14 de agosto e que trazem a Paredes de Coura muita música, zés pereiras, grupos de bombos, ranchos folclóricos, bandas de música, cortejo etnográfico, fogo-de-artifício e a majestosa procissão em honra de Nossa Senhora das Dores, há ainda a registar o desfile de moda ‘Épocas e Tendências’, a concentração de Carros Clássicos e os arraiais noturnos com os Kalhambeke, Hugo Band, Orquestra Royal e Night Shadow, que oferecem por estes dias um colorido ímpar a esta vila no coração do Alto Minho.

PAREDES DE COURA PÕE O "MUNDO AO CONTRÁRIO"

‘Mundo ao Contrário’. 29 - 31 de julho | Paredes de Coura

A magia, os sonhos e a fantasia estão de volta a Paredes de Coura. Espetáculos, animação de rua, instalações, oficinas e residências artísticas completam ‘O Mundo ao Contrário’, que entre 29 e 31 de julho proporciona, pela terceira vez, uma outra animação e muita cor a esta bonita vila no coração do Alto Minho.

circ_panic004.jpg

Destinado a toda a família e com entrada livre, ‘O Mundo ao Contrário’ organizado pelo Município de Paredes de Coura reúne artistas nacionais e internacionais que transportam os participantes para um mundo ao contrário onde a imaginação, a criatividade, o riso e o absurdo tomam lugar. Um leque de excelência de artistas do fantástico e promotores de sonhos, trazem ao público de todas as idades a oportunidade de sorrir e até integrar o espetáculo.

O ‘Mundo ao Contrário’ é construído com a arte e a magia dos artistas: Bruce Airhead (Inglaterra), Miss Easy (Portugal), Tosta Mista (Alemanha/Portugal), Shiva Grings (Alemanha), Gregor Wollny (Alemanha), Mr. Toons (Dinamarca), Cão à Chuva (Portugal), Dama Pé de Mim (Portugal), Nino Costrini (Argentina) e Contigo (Portugal), que levam às ruas e largos de Paredes de Coura uma animação sem igual.

Oficinas de artes plásticas, construções LEGO®, novo circo, ciência, pinturas faciais e leitura vão dar possibilidade a grandes e pequenos também darem liberdade à imaginação e criatividade.

As residências artísticas, asseguradas por Gonçalo Fonseca -- ator e criador das Comédias do Minho --, decorrerão durante a semana, de 20 a 24 de junho, no Centro Cultural, e destinam-se sobretudo aos jovens da região entre os 10 e 18 anos que, na sexta-feira, 29 de julho, às 21h30, apresentarão um espetáculo intitulado “Se esta rua fosse minha”.

A imagem do evento e a instalação artística, em construção durante a semana pelas mãos de Madalena Martins, trazem à vila uma nova estética que promete também marcar a diferença.

As oficinas de movimento, construção em LEGO® e de artes plásticas acrescentam valor a um programa recheado de talento e animação. A oficina “Arte em Peças”- Comunidade0937 vai decorrer na Caixa de Brinquedos, enquanto oficina de Artes Plásticas-Rita Nicolau tem lugar no Largo Visconde de Mozelos. Esta mesma praça acolhe a oficina de Malabarismo-Erva Daninha, bem como a oficina de Construção de Instrumentos Musicais e as pinturas faciais assinadas por Celina Sousa.

Estas e muitas outras propostas para rir e divertir, num evento muito especial, onde se vira “de pernas para o ar” a rotina e a rigidez, permitindo que reine o inesperado e a fantasia.

http://www.paredesdecoura.pt/indexCMPC.php?cp=COMPONENT_EVENT&sr=SUS56FBFBA08537F&item=

Programa

Dia 29 - Sexta-feira

15h00 – Largo Visconde de Mozelos (1) – BRUCE AIRHEAD

17h00 – Largo 5 de Outubro (2) - MISS EASY

18h00 – Chafariz Hintze Ribeiro (3) - TOSTA MISTA

19h00- Rua Conselheiro Miguel Dantas (6) – SHIVA GRINGS

20h30 – Rua Narciso Alves da Cunha (7) – MISS EASY

NOITE

21h30 - Residência artística teatro – Rua Conselheiro Miguel Dantas – SE ESTA RUA FOSSE MINHA (residência de teatro do gonçalo das comedias do minho que de decorrerá  de 25 a 29)

22h00 - Visconde de Mozelos (1) – BRUCE AIRHEAD

22h30- Visconde de Mozelos (1) – SHIVA GRINGS

Dia 30 - Sábado

11h00 – Rua 25 de Abril (8) - MISS EASY

12h00 – Visconde de Mozelos (1) – TOSTA MISTA

15h00 – Largo 5 de Outubro (2) – GREGOR WOLLNY

15h30 – Ruas da Vila - MISS EASY

16h00 – Largo Frei Redento da Cruz (4) – MR. TOONS

17h00 - Chafariz Hintze Ribeiro (5) – SHIVA GRINGS

17h30 – Rua Narciso Alves da Cunha (9) – BANDA 2

18h00 - Largo 5 de Outubro (2) – MR. TOONS

19h00 - Visconde de Mozelos (1) - SHIVA GRINGS

20h00 – Ruas da Vila – BANDA 2

NOITE

21h30 - Largo Hintze Ribeiro (3) - GREGOR WOLLNY

22h00 - Largo Hintze Ribeiro (3) – CÃO À CHUVA – espetáculo POZZO

22h30 - Largo Hintze Ribeiro (3) –  O ÚLTIMO MOMENTO -  COM O ESPETÁCULO CONTIGO

Dia 31 - Domingo

11h00 - Largo Visconde de Mozelos (1) – DAMA PÉ DE MIM

12h00 - Largo Visconde de Mozelos (1) – GREGOR WOLLNY

12h30 – Ruas da Vila – BANDA 2

15h00 – Largo Frei Redento da Cruz (4) - DAMA PÉ DE MIM

16h00 - Rua Conselheiro Miguel Dantas (6) – NINO COSTRINI

17h00 - Largo Frei Redento da Cruz (5) – MR. TOONS

18h00 – Largo Visconde de Mozelos (1) -  CONTIGO

19h00 - Largo 5 de Outubro (2) – GREGOR WOLLNY

20h00 – Rua Afonso Viana (7) – BANDA 2

NOITE

21h30 - Largo Hintze Ribeiro (3) – MR. TOONS

22h00 – Largo Hintze Ribeiro (3) - NINO COSTRINI

22h30 – Largo Hintze Ribeiro (3) – ERVA DANINHA

PRIMEIRA PROVA DO PORTUGAL OPEN DHU REALIZA-SE EM PAREDES DE COURA

Paredes de Coura acolhe primeira prova do Portugal Open DHU domingo | 24 julho | 13h00 

É já este domingo, 24 de julho, que Paredes de Coura acolhe a primeira prova do Portugal Open de DHU aberto às categorias de competição, de cadetes a master, mas também a todos os interessados que poderão participar integrados na categoria de promoção.

Com início da primeira manga às 13h00, o 1º Downhill Urbano de Paredes de Coura caracteriza-se por ter uma pista bastante dinâmica, aproveitando ao máximo o declive natural do percurso, complementada por diversos obstáculos artificiais. Sem dúvida que irá fazer as delícias dos pilotos em termos de condução, bem como o deleite do público em termos da espetacularidade das manobras necessárias à transposição dos obstáculos.

Promovido conjuntamente pela Câmara Municipal de Paredes de Coura e pela Associação de Ciclismo do Minho, o 1º Downhill Urbano de Paredes de Coura tem inscrições gratuitas -- inscrição e seguro suportados pelo Município --, que devem ser formalizadas no website da Federação Portuguesa de Ciclismo (www.uvp-fpc.pt).

A pista do 1º Downhill Urbano de Paredes de Coura, com uma extensão superior a mil metros, tem início no Penedo-do-Milho. Integrado no Parque de Lazer do Penedo-das-Vistas, a 453m de altitude, é um miradouro privilegiado para contemplação da paisagem urbana desta vila no coração do Alto Minho, bem como de parte do território do concelho.

O epicentro da prova é o Parque Urbano das Portas do Corno de Bico, junto ao Centro Cultural de Paredes de Coura, onde também está localizada a porta de chegada. Contigua a esta, situam-se o paddock, a zona de assistência e o parque de carga do transporte até à porta de saída, localizada no Penedo-do-Milho.

Com um período para treinos entre as 9h00 e as 12h00, a manga de qualificação começará às 13h00 e a manga final (sistema de manga única) às 15h00. A cerimónia de entrega de prémios está marcada para as 17h30. Na véspera da competição, 23 de julho, a pista estará aberta para treinos entre as 15h00 e as 18h00.

O Portugal Open de DHU é uma competição instituída e organizada sob a égide da UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo e pelas Associações de Ciclismo do Minho, Porto e da Madeira.

PAREDES DE COURA REALIZA JORNADAS MICOLÓGICAS

IX Jornadas Micológicas do Corno do Bico. De 23 de julho | Paredes de Coura

Estão de volta este sábado, dia 23 de julho, as Jornadas Micológicas do Corno do Bico, com a particularidade desta IXª edição ter como referência os ‘Cogumelos de Verão’, contemplando entre outras iniciativas uma sessão de ‘showcooking’ e a ‘Ceia Micológica’ com as delícias da mico-gastronomia.

DSC_5357.JPG

Organizadas pelo Município de Paredes de Coura, conjuntamente com a EPRAMI e a Associação Micológica a Pantorra, as IX Jornadas Micológicas do Corno do Bico têm previsto diversas atividades, tais como um passeio micológico que contará com o acompanhamento de campo de diversos especialistas na área da micologia, uma oficina de identificação e exposição de espécies presentes no território do concelho de Paredes de Coura.

Paralelamente, durante a tarde, realiza-se no Restaurante Abrigo do Taboão uma sessão de ‘showcooking’ direcionada para os restaurantes do concelho, mas também aberto ao público em geral e durante a qual serão apresentadas várias propostas gastronómicas baseadas nos cogumelos.

Esta IXª edição culminará com uma ‘Ceia Micológica’ no Restaurante Abrigo do Taboão, numa iniciativa em que se pretende brindar os participantes nestas IX Jornadas Micológicas do Corno do Bico com as delícias da mico-gastronomia. A Ceia Micológica será aberta ao público em geral e será composta por diversas propostas gastronómicas incluindo propostas mico-vegetarianas.

Recorde-se que as Jornadas Micológicas do Corno de Bico realizam-se desde 2006 com o objetivo de sensibilizar para a valorização dos recursos micológicos da Paisagem Protegida de Corno de Bico e, genericamente, promover os recursos turísticos, as paisagens e o património natural do concelho de Paredes de Coura. As jornadas apostam na micologia, na ciência que estuda os fungos, neste caso, os cogumelos, como vetor de desenvolvimento turístico do território. Estes encontros promovem diversas atividades tais como palestras, workshops, mostras e passeios, entre outras. Neste território existe uma grande variedade de espécies de cogumelos, ao ponto de alguns especialistas apontarem para a existência de 200 espécies diferentes.

As inscrições para as IX Jornadas Micológicas do Corno do Bico deverão ser efetuadas online no portal do Município de Paredes de Coura -- www.paredesdecoura.pt -- ou presencialmente no Balcão Único do Município de Paredes de Coura, entre as 09h00 horas e as 17h00 horas..

PAREDES DE COURA APOSTA NO GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE COMO “CANAL DE INVESTIMENTO”

Paredes de Coura responde aos novos desafios -- “tempos de transição”, como parafraseou o presidente da Câmara Vitor Paulo Pereira, recorrendo ao filósofo Antonio Gramsi --, com um Gabinete de Apoio ao Emigrante, onde não só serve para “apoiar os nossos emigrantes e ajudar a resolver pequenos problemas, mas também como canal de investimento que temos que privilegiar”.

DSC_4135 (1).jpg

Na assinatura do protocolo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, no qual participou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o presidente da Câmara de Paredes de Coura realçou a importância da “diplomacia económica, diplomacia do investimento” para estes tempos, salvaguardando a importância da imagem que se dá junto de potenciais investidores, evidenciando a “maior agilidade e velocidade institucional do município”.

Também José Luís Carneiro chamou a atenção para o “oceano de oportunidades que temos que aproveitar e apoiar”, sublinhando que com a criação deste Gabinete de Apoio ao Emigrante e a sua interação com o Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora e toda a rede consular, Paredes de Coura passa a ter “a chave de uma porta que permite aceder a uma rede consular espalhada pelo Mundo”.

Este GAE da nova geração não se limita ao reconhecimento e validação de direitos pessoais, bem como ao reconhecimento e validação de competências. Vai mais longe, permitindo “identificar micro e pequenos investidores que estejam em Paredes de Coura ou em qualquer ponto do país e que queiram projetar os seus negócios, mas também quando pretendam vir para as suas terras de origem”, enfatizou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Para a concretização desta nova valência a proporcionar pelo Município de Paredes de Coura, muito pesou o facto de no concelho sempre se ter verificado um elevado índice de emigração, fato com claros reflexos na sociedade e na economia local. Pretende-se ainda que, com a conjugação do poder económico da diáspora e potencialidades regionais, estimular um ambiente favorável aos negócios e investimentos da comunidade residente nos países de acolhimento, com desejável impacto no desenvolvimento local.

ENTREVISTA DE MIGUEL VENTURA TERRA AO JORNAL “O SÉCULO” GERA DEBATE NO SENADO

Em 1913, no decorrer da sessão ordinária do Senado ocorrida no dia 20 de Janeiro, uma entrevista cedida pelo arquiteto Miguel Ventura Terra ao jornal “O Século” a propósito do estado lastimável em que se encontrava uma escola em Paredes de Coura, levou o deputado Silva Barreto a pedir providências ao governo, ali representado pelo Ministro do Fomento, António Maria da Silva, que em resposta garantiu que iria “procurar imediatamente os necessários elementos de informação” e “que, se houver responsabilidades em tam desgraçado caso, elas serão exigidas.”

z-mvterraparla.jpg

A sessão foi presidida por Anselmo Braamcamp Freire e secretariada por Artur Rovisco Garcia e Bernardo Pais de Almeida. O Debate vem publicado no Diário do Senado conforme se transcreve.

“O Sr. Silva Barreto: - Sr. Presidente: pedi a palavra para chamar a atenção do Sr. Ministro do Fomento para um artigo inserto no jornal O Século, e que tem por epígrafe: "Uma escola do tipo Bermudes transformada em sentina pública".

Êste artigo produziu-me uma dolorosa impressão.

  1. Exa., Sr. Presidente, e o Senado, sabem perfeitamente que o Século é um jornal de grande circulação e que, por isso, vai a todos os recantos do país.

Sabem tambêm V. Exa. e o Senado que o mesmo jornal tem advogado calorosamente a causa da instrução.

Não se podem negar os bons serviços que o Século tem prestado a essa causa.

A leitura desta local levou-me a chamar a atenção do Sr. Ministro do Fomento para êste facto, certamente único, na história da nossa administração pública.

Sei de visu, e por experiência própria, o que se tem feito nessas escolas.

Conheço escolas que são verdadeiras pocilgas.

Escuso de referir aqui o que o país muito bem conhece.

O Sr. Ventura Terra, entrevistado por um redactor do Século, cita factos realmente vergonhosos.

O Sr. Ventura Terra fez uma digressão à província do Minho e, visitando o concelho de Paredes de Coura, aí se lhe deparou um edifício de aspecto distinto, esplendidamente construído, edifício que, peias suas exterioridades, lhe deu a impressão duma escola do tipo Adães Bermudes.

Desejou ver o interior do edifício, e eis como êle descreve o que se lhe apresentou.

"Paredes de Coura é uma vila sem grandes características e quási sem interesse na construção, mas possui uns arredores cheios de encanto e uma paisagem admirável, fulva e brilhante. Quando aí passei, veio-me de repente para os olhos uma construção que saía absolutamente da monotonia geral. Era já fora da povoação, a muitos metros para alêm das últimas casas, e, de longe, pareceu-me que se tratava duma dessas escolas do tipo Bermudes o que ai se erguia na estrada poeirenta. Não me enganei. Era uma escola daquele tipo, mas esplendidamente construída, bom lançamento, bons materiais, boa mão de obra - um trabalho, na verdade excelente e digno, que me alegrou e por muito tempo me prendeu a atenção.

Desejei então ver o interior e fui até à porta - uma peça igualmente bem trabalhada, com belos acessórios - um quási primor de construção. Como eu batesse e ninguêm abrisse e a porta estivesse apenas encostada, avancei alguns passos no vestíbulo, batendo as palmas lá para dentro e chamando.

Entretanto, as portas estavam abertas; era evidente que havia ali alguém. Talvez mesmo fossem horas da aula... Estava eu nisto, quando reparo que, no soalho, alguém depositara o que é costume deixar-se em sítio a isso destinado! Encavaquei com o caso e avancei até a primeira porta que se me deparou, meti a cabeça olhei... O que eu vi então é tam espantoso que me não admira nada que o não acredite a maioria dos seus leitores: a sala

que tinha na frente estava atulhada de objectos, de entulho, de porcaria de toda a ordem! A população fizera daquilo uma sentina pública e lugar de despejo, cobrindo as paredes, magníficas de legendas obscenas!

Todas as outras casas estavam igualmente atulhadas de excremento, panelas velhas, lixo, toda a sorte de cousas inúteis que se abandonam e que a gente do sítio ia deixar ali, como o melhor recanto para conter essa trapàgem!

Escuso de dizer-lhe que corri todo o edifício; a população não poupara uma única dependência, invadira tudo nessa construção que se conservava aberta noite e dia para quem ali quisesse abandonar mais um caco, deixar mais um pouco de porcaria. A escola de Paredes de Coura está construída há três anos, e os soalhos, aqui e ali, apodrecidos pela urina, abrem rasgões que se não vêem sem uma grande revolta!

Um pormenor curioso: para que nada faltasse ali, tinham sido colocados reposteiros e cortinados - o detalhe de luxo... Pois até êsses tinham sido atacados pelo vandalismo local, que os encheu de porcaria e de rasgões, numa ânsia malévola ou inconsciente de destruição!

Quando eu saía, um padre da terra, que certamente me viu entrar e me esperava, um pouco vexado, tentou atenuar o desacato, dizendo que tudo aquilo era obra do rapazio.

- E o professor? - preguntei eu. ¿Êsse homem não tem meio de obstar a isto? Porque não veio êle ainda instalar aqui a escola?

Vagamente, o sacerdote falou-me numa pequena obra de adaptação que reclamou e não foi feita. Por êsse motivo é que êle não tomara conta do edifício.

Como se vê, a desculpa é tudo quanto há de menos... desculpável. Como reclamou uma obra qualquer e a não fizeram imediatamente, o bom do mestre-escola achou que o que tinha a fazer era... deixar derruir a casa! Devo dizer-lhe, como complemento da minha história, que a escola de Paredes de Coura está funcionando num horrível pardieiro, uma verdadeira casota, sem condições nenhumas para desempenhar o papel que lhe exigem. O homem, entretanto, prefere habitar ali a ser morador duma esplêndida casa, um pequenino palácio, cheio de encantos e de comodidades.

Sr. Ministro do Fomento: o estado de abandono, em que está a escola, não é culpa do professor.

  1. Exa. sabe que o Ministério do Fomento paga a construção e, depois de entregue à Câmara Municipal, é que o professor toma posse. Eu estou a ver aqui nestas palavras do padre, que talvez seja presidente da Câmara Municipal, a vontade de alijar responsabilidades sôbre o professor.

Eu peço a V. Exa. para mandar apurar o que há a êste respeito.

Declaro a V. Exa., para honra do magistério primário, que não posso admitir que se diga que o professor tem a escola nesse abandono.

O Sr. Ladislau Piçarra : - ¿E se, efectivamente, o professor tinha abandonado a escola, deixando que lá se pratique tudo isso ?

O Orador: - O professor não pode ter responsabilidade alguma, pois a escola não lhe foi entregue.

O Sr. Ladislau Piçarra : Devia ter denunciado o facto.

0 Orador: - Isso é com a consciência de cada um.

Peço ao Sr. Ministro que investigue o que há acêrca dêste assunto tam lamentável, a que se refere o Sr. VenturaTerra.

Imagine V. Exa. impressão dolorosa, o desgosto que se sente, ao ler-se que uma escola está transformada em sentina pública.

O orador não reviu.

O Sr. Ministro do Fomento (António Maria da Silva): - Devo dizer a V. Exa. que não me passou despercebida essa notícia a que S. Exa. se referiu, e tratei de procurar imediatamente os necessários elementos de informação.

Espero que, pelas providências que já tomei e por outras que se seguirem, nunca mais possam aparecer, com fundamento, notícias, como aquela a que V. Exa. se referiu e que incontestavelmente degradam o país.

Pode V. Exa. ter como certo que, se houver responsabilidades em tam desgraçado caso, elas serão exigidas.

O orador não reviu.”

PAREDES DE COURA: FEIRA DE PADORNELO INCLUI CONCURSO DE PECUÁRIA

Regulamento do II Concurso Pecuário da Feira de Padornelo

Artigo 1.º – Este concurso é organizado pela Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo, Paredes de Coura, em parceria com a Junta de Freguesia de Padornelo. Realizar-se-á no Largo da Feira, freguesia de Padornelo, concelho de Paredes de Coura, no dia 23 de junho de 2015, pelas 09h00, sob a orientação e regulamentação das entidades organizadoras.

Artigo 2.º – Este concurso tem como objetivo promover as raças Barrosã, Cachena e Minhota.

Artigo 3.º – A participação é reservada exclusivamente aos produtores de Paredes de Coura.

Artigo 4.º – Os animais admitidos a concurso têm que estar inscritos no Livro Genealógico da Raça.

Artigo 5.º – A inscrição será efetuada das 9h às 10h no dia 23 de junho, no local do concurso.

Artigo 6.º – O transporte dos animais é da responsabilidade dos produtores proprietários.

Artigo 7.º – A disposição e limpeza do espaço onde decorrerá o concurso é da responsabilidade das entidades organizadoras.

Artigo 8.º – O júri de admissão e de classificação será constituído por pessoas competentes, oficialmente nomeadas pelas entidades organizadoras. A elas compete observar os animais e respetiva documentação, recusando o direito de concorrer aos que não estejam acompanhados dos Boletins Sanitários ou do Passaporte e documento de inscrição no Livro Genealógico.

Artigo 9.º – O Concurso abrange as secções apresentadas no Cartaz em anexo.

Artigo 10.º – A idade dos animais é fixado a partir da inscrição do animal no Livro Genealógico.

Artigo 11.º – Se os animais concorrentes não forem considerados dignos de prémios, poderão estes deixar de ser concedidos, seja qual for a secção a que pertençam.

Artigo 12.º – Não haverá recurso das decisões do júri.

Artigo 13.º – Os prémios atribuídos estão definidos no Cartaz em anexo.

Artigo 14.º – As entidades organizadoras do concurso não se responsabilizam por qualquer acidente que possa ocorrer durante o mesmo.

Feira de Padornelo 2016.jpg

II Concurso Pecuario 2016.jpg

PAREDES DE COURA RECEBE JORNADAS CIENTÍFICAS INTERNACIONAIS SOBRE EDUCAÇÃO

A Casa do Conhecimento de Paredes de Coura, bem como o Centro Cultural e a Biblioteca Municipal Aquilino Ribeiro acolhem esta terça-feira, 12 de julho, o segundo dia do I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016.

Organizado pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM), com o apoio do Centro de Investigação em Educação (CIEd), pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Universidade Federal do Pará (UFPA) e em colaboração com o Município de Paredes de Coura, o I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016 é um importante momento para criar sinergias entre os grupos de pesquisa e a comunidade interessada na discussão de questões que envolvem o currículo, a inclusão e a educação em Portugal e no Brasil.

Entre os vários especialistas e grupos de pesquisa contam-se entidades como o Observatório de Autoavaliação de Escolas - AAE (UMinho/CIEd), o Observatório de Práticas Escolares - OPE (UDESC) e o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Currículo e Formação de Professores na perspetiva da Inclusão - INCLUDERE (UFPA). 

Após um primeiro dia de trabalhos que teve lugar ontem no Instituto de Educação da Universidade do Minho, em Braga, e em cuja cerimónia de abertura participou a Vereadora da Educação e Cultura da Câmara Municipal de Paredes de Coura, Maria José Moreira, hoje prosseguem os trabalhos no nosso Município com a conferência ‘Educação inclusiva: problematizações epistemológicas’, prosseguindo com as mesas redondas ‘Educação Inclusiva: garantias ou demolição de Direitos?’ e ‘Desafios curriculares perante a inclusão’.

Encerram esta jornada científica a conferência ‘Currículo e exclusão escolar: (in)variantes educacionais’, pelo Professor José A. Pacheco, à qual se segue o encerramento deste I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016 pelo presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira

PAREDES DE COURA DISPONIBILIZA PLATAFORMA NA INTERNET PARA PREVENIR RISCOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS

Novo portal Municipal de Paredes de Coura com informação diária sobre risco incêndio

O Município de Paredes de Coura disponibiliza no seu novo portal municipal – www.paredesdecoura.pt – uma plataforma onde os internautas poderão ter acesso diário e atualizado à informação sobre o risco de incêndio.

Floresta PdC.jpg

Com a nova ferramenta, o visitante passa a dispor de informação sobre o risco de incêndio para o próprio dia e para os 2 dias seguintes, bem como as ações interditas e condicionadas, bastando aceder no menu do site a PESSOAS / AMBIENTE / FLORESTA e acionar a opção ‘Período Crítico – prevenção incêndios 2016’.

“Entendemos que a floresta representa um valor demasiado importante do concelho, quer do ponto de vista turístico quer do ponto de vista produtivo, para que não façamos todo o possível para salvaguarda-la”, argumentou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, justificando mais esta iniciativa do município que dirige: “Apesar de todo o empenho do Município e do trabalho esplêndido dos bombeiros e de todos os agentes de proteção civil, sabemos que poderá não ser suficiente pois só as pessoas têm a possibilidade de evitar os incêndios. Como?! Quando ganham consciência dos riscos que as suas ações geram para si mesmas e para os outros e isso as faz mudar os comportamentos. Por isso, se a plataforma informativa que colocamos no site contribuir para a consciencialização das pessoas isso já será uma vitória.”

A plataforma integrada no portal é disponibilizada pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e permite também acesso à informação sobre o risco de incêndio a nível nacional e por concelho.

Recorde-se que a Portaria nº 167/2016, Diário da República, 1.ª série — N.º 113 — 15 de junho de 2016, estabeleceu que o Período Crítico no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios para o ano 2016 iniciará este ano em 1 de julho e terminará em 30 de setembro.

Durante o período crítico (01/07 a 30/09) nos espaços florestais e agrícolas não é permitido: fumar, fazer lume ou fogueiras; fazer queimas ou queimadas; lançar foguetes e balões de mecha acesa; fumigar ou desinfestar apiários salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas; bem como circular com tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.

O desrespeito pelas proibições pode implicar uma coima entre 140 a 60 mil euros, sendo que a fiscalização é feita diretamente pelas entidades policiais, nomeadamente, a Guarda Nacional Republicana.

“A longo prazo só uma mudança de política e a aposta estrutural na fiscalização, promoção e proteção da floresta autóctone, com recurso a incentivos económicos reais e interessantes para os proprietários – que compensem o seu crescimento e rentabilidade mais lenta, trarão resultados estáveis a nível nacional”, preconizou Vitor Paulo Pereira.

Partindo também do princípio que a maioria das causas conhecidas dos incêndios florestais é de origem humana, o Município de Paredes de Coura aconselha que em atividades de natureza, como piqueniques, a comida seja pré confecionada e se evitem as refeições que necessitem de ser aquecidas – em caso algum utilizar fogareiro ou grelhador em áreas não autorizadas para o efeito.

Em caso de incêndio,

ligue 112 (linha nacional de emergência), 117 (linha de proteção à floresta)

 ou 251 780 300 (bombeiros voluntários de Paredes de Coura).

Floresta PdC2.jpg

PAREDES DE COURA É CAPITAL DO LEGO EM PORTUGAL

“Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”: 20 milhões de peças | 17 mil visitantes | 3 M€ em construções

Vinte milhões de peças coloridas, tantas que se alinhadas alcançariam 630 Km -- a distância que separa o Minho (Valença) ao Algarve (Albufeira) pela autoestrada --, fizeram a delícia de quantos passaram pelo “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”, iniciativa que, num formato inédito e pela primeira vez fora da Dinamarca, juntou AFOLs - Adult Fan of LEGO® provenientes de todo o Mundo, entre 10 e 12 de junho, nesta vila no coração do Alto Minho.

lego_fan_weekend246.jpg

Ao todo, nas 15 horas que a exposição esteve patente ao público, 17 mil visitantes passaram pelo Centro Cultural numa iniciativa promovida pela Comunidade 0937 em colaboração com o Município de Paredes de Coura. “O evento internacional surgiu de forma natural como um desafio que colocamos a nós mesmos – com a imprescindível ajuda da Comunidade 0937 – no propósito de afirmar a nova centralidade cultural que já reivindicamos para Paredes de Coura”, explicou o presidente da Câmara, Vitor Paulo Pereira, não escondendo o orgulho por esta iniciativa: “agradeço aos membros da Comunidade 0937 o trabalho e empenho que colocaram na organização e à LEGO® Dinamarca a confiança que depositou em nós. É uma enorme honra fazer parte do roteiro mundial dos poucos eventos que a LEGO® apoia e, por isso, faremos mais e melhor já no próximo ano.”

A expressão do sucesso deste “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event” chegou pela boca do representante da LEGO®, que garantiu a intenção da marca manter e afirmar o evento em Paredes de Coura já em 2017, em meados do mês de junho, em data a confirmar.

O interesse despertado ao mais alto nível por esta iniciativa também pode ser aferido pela deslocação de uma grande delegação de funcionários da LEGO®, que quiseram marcar presença e acompanhar de perto o evento e deste modo prestigiando a organização.

Para além das 20 milhões de peças coloridas, há também a registar 3 milhões de euros de valor de mercado de todas as peças utilizadas e isso exclui o trabalho criativo. Foram necessárias 27 mil horas de trabalho para montar todas as peças em exposição, distribuídas pelos 170 participantes provenientes de 17 países da Europa, América do Sul, América do Norte e Oceânia, o que demorou cerca de 20 dias a montar mas, se executado por uma só pessoas, levaria o equivalente a 9 anos de trabalho.

Entretanto, enquanto não chega a edição do próximo ano do “Paredes de Coura Fan Weekend”, a 7.ª edição do “Arte em Peças”, o evento nacional da Comunidade 0937, acontecerá em 29 e 30 de outubro, também no Centro Cultural de Paredes de Coura, localidade que, após a consagração nacional, se começa a afirmar como “cabeça de cartaz” no panorama internacional dos fãs das pequenas peças coloridas.

Para aqueles que não conseguem esperar até outubro, o Município de Paredes de Coura inaugurou recentemente o espaço ‘Caixa de Brinquedos’, bem no centro da vila, onde podem encontrar caixas de construções para montar, pequenas cidades com as quais podem brincar, alterar, acrescentar ou, simplesmente, piscinas com milhares de peças para dar azo à criatividade. Podem frequentar o espaço, gratuitamente, aos feriados e fins de semana, das 14h às 18h00: “achamos que brincar é algo muito sério e, por isso, não nos inibimos de defender que a aposta na educação também passa pela estimulação da criatividade, dos sentidos e auto estima”, explica Vitor Paulo Pereira, acrescentando que o novo equipamento “é um espaço de brincadeira e aprendizagem para as crianças e famílias.”

TESTEMUNHOS:

"Excedeu as minhas expectativas mais otimistas. Competições interessantes e boas apresentações. Foi uma experiência brilhante e adoraria voltar se minha agenda o permitir". Are J. Heiseldal (Noruega)

"Nunca estive num evento em que fosse tão bem-vindo. Nada foi deixado ao acaso. A equipa foi surpreendente e todos devem estar incrivelmente orgulhosos do que conseguiram". Mark Guest (Reino Unido)

"Conhecendo alguns elementos da Comunidade 0937, sempre tive a ideia que este seria um evento maravilhoso. Superou todas as minhas expectativas e é difícil encontrar palavras para descrever a atmosfera incrível. Já comentei com muitos amigos sobre o evento e ficaram espantados. Acho que vão ser muitos mais a assistir no próximo ano e eu espero estar de novo". Tim Johnson (Austrália)

"Não sei o que poderá ser melhorado no próximo ano, uma vez que esta primeira edição foi incrível. Frequento muitos eventos pela Europa e não vejo ninguém no topo como a equipa de Paredes de Coura. Esta foi uma grande experiência". Eduard Petrac (Croácia)

"Foi incrível do princípio ao fim" Vincent Jolivel (França)

"Evento fantástico. Um monte de novas ideias, que não tenho vergonha de dizer que vamos implementar nos nossos eventos." Ivan Angeli (Sérvia)

"Foi o melhor evento em que participei tão longe como AFOL. Estou ansioso pelo próximo ano”. Markus Rollbühler (Alemanha)

"Hospitalidade: 10/10; Localização: 10/10; Alojamento: 10/10; AFOL, Lounge: 10/10; Concurso & Workshop: 10/10. Foi o evento que mais gostei e já estive em quase 30 eventos em 3 anos". Nico Mascagni (Itália)

"Este é o melhor evento LEGO® em que participei" Erik Beuvelet (França)

"É simplesmente o melhor evento LEGO®. Assim que as datas de 2017 sejam anunciadas, registar-me-ei!" Jason Briscoe (Reino Unido)

"Foi o melhor evento LEGO® em que participei, incluindo um que também organizei. Todos os que estiveram envolvidos neste projeto devem sentir-se muito orgulhosos." Kev Gascoigne (Reino Unido)

"Obrigado por esta incrível oportunidade. Esperem por mim no próximo ano." Guilherme Lima (Brasil)

"Foi uma experiência incrível. Fiquei em lágrimas na hora da despedida" Drew Maughan (Reino Unido)

lego_fan_weekend278.jpg

PAREDES DE COURA INAUGURA PARQUE DE AUTOCARAVANAS E CARAVANAS DE ÚLTIMA GERAÇÃO

videovigilância | wi-fi gratuito. sáb.11 jun.12h00 - antigo Largo da Feira

O Município de Paredes de Coura inaugura este sábado, 11 de junho, pelas 12h00, um novo equipamento dedicado ao turismo – o Parque de Autocaravanas e Caravanas.

Paraque b.jpg

 Este é mais um projeto que pretende tornar o concelho de Paredes de Coura mais atrativo turisticamente. Todavia, não é mais um parque, onde se arrumam caravanas. Será um parque diferente, feito para pessoas que têm poder de compra e que podem incrementar o nosso turismo”, explicou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, acrescentando que o novo equipamento “será, sobretudo, um parque que trata esta forma de turismo com respeito. E estaremos atentos a todas as pessoas que nos visitarem, independentemente da sua condição económica”.

O novo Parque de Autocaravanas e Caravanas de Paredes de Coura está localizado no antigo Largo da Feira, em local privilegiado e a poucos metros do centro da vila, dos estabelecimentos comerciais, restaurantes, supermercados e farmácia, com capacidade para 46 autocaravanas e caravanas, sendo que seis dos espaços são reservados a equipamentos XXL.

O novo equipamento dispõe de modernos e completos serviços, aberto 24 horas por dia, nos 365 dias do ano, com videovigilância, wi-fi gratuito, fornecimento de água e energia, equipamentos sanitários com chuveiros e espaço de lavandaria, para além de área para despejo de águas residuais, entre outros, sendo que a pernoita no Parque de Autocaravanas e Caravanas pode atingir no máximo 72 horas de duração.

“Tentaremos ser gentis, profissionais e receber todos os caravanistas com o propósito de terem uma estada muito boa e que levem Paredes de Coura no coração. O turismo não se constrói só com experiências de conforto ou com emoções construídas artificialmente. O turismo faz-se com coisas pequenas mas muito bem feitas”, argumentou Vitor Paulo Pereira, dando o seguinte exemplo: “uma aldeia com um carvalho velho pode ser mais competitiva do que uma aldeia com um castelo magnífico. A diferença está nas pessoas. Está em quem conta bem a história e sabe receber com carinho gentil e não servil”, reforçando que “o desenvolvimento não está relacionado com a geografia, está relacionado com as pessoas e com aquilo que elas são capazes de fazer”.     

Após a inauguração do Parque de Autocaravanas e Caravanas, às 12h00, no antigo Largo da Feira, está prevista uma visita guiada dos caravanistas ao Centro Educação Interpretação Ambiental (CEIA) – Paisagem protegida do Corno do Bico. Depois segue-se o almoço livre em Paredes de Coura, um ‘brunch’ no parque florestal do Tabuão e visita guiada por esta vila no coração do Alto Minho.

Ainda antes do jantar que terá lugar no espaço da XXIII Feira Mostra de produtos regionais do Alto Minho, há a visita ao Museu Regional cuja exposição “Impressão Digital em Terras de Coura” foi recentemente galardoada com uma menção honrosa do Prémio Inovação e Criatividade atribuído pela APOM – Associação Portuguesa de Museologia. Para domingo está prevista um salto até ao Centro Cultural onde decorre o “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”, iniciativa internacional que pela primeira vez reúne no sul da Europa e no nosso país duas centenas de fãs adultos de todo o mundo das construções com as peças multicolores mais famosas do planeta.

Parque a.jpg

Parque c.jpg

PAREDES DE COURA PROMOVE PRODUTOS REGIONAIS DO ALTO MINHO

XXIII Feira Mostra de produtos regionais do Alto Minho. 10 - 12 jun | Paredes de Coura

Os mais típicos petiscos, fumeiro, bolo do tacho, broa caseira, doçaria e demais produtos de confeção tradicional de sabores únicos, mas também artesanato diverso, como cestaria, artigos em couro, madeira e metal, têxteis manufaturados com técnicas e instrumentos ancestrais, artesanato urbano e decorativo marcam presença na XXIII Feira Mostra de Produtos Regionais do Alto Minho, que até domingo está patente no Largo Hintze Ribeiro, em Paredes de Coura.

010.JPG

Organizada pelo Município de Paredes de Coura em parceria com a Mostra Coura, por esta XXIII Feira Mostra vão passar mais de 70 expositores, bem como 20 tasquinhas a representar as associações culturais deste concelho do coração do Alto Minho e que farão desta feira uma montra privilegiada para a promoção e escoamento dos seus produtos: fumeiro e enchidos, vinhos, licores, doçaria e biscoitos de milho, são alguns dos produtos caseiros e tradicionais que se podem adquirir nesta Feira Mostra e depois consumir nas nossas casas.

Ainda do Alto Minho e de outros pontos do país, esta XXIII Feira Mostra tem patente artesanato diverso, com a presença de 35 artesãos alguns dos quais a trabalhar no local as suas próprias peças.

A animação musical é outro dos ingredientes que faz desta Feira Mostra uma iniciativa incontornável, donde se destacam os bombos, concertinas, grupo de baile e arraiais noturnos bem característicos deste concelho no coração do Alto Minho.

Destacamos ainda a presença institucional da EPRAMI, Escola Profissional que frequentemente colabora com a Feira Mostra e tem participado regularmente no evento, mas também a ADRIMINHO, instituição que apoiou de diferentes formas a organização desta Feira Mostra na sua génese.

049.JPG

068.JPG

MostraCoura2016CartazCR.jpg

PAREDES DE COURA RECEBE ENCONTRO INTERNACIONAL DE AMANTES DO LEGO

“Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”

Duas centenas de fãs de todo o mundo reúnem-se em Paredes de Coura |10 – 12 junho

Paredes de Coura acolhe nos próximos dias 10, 11 e 12 de junho, o “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”, iniciativa internacional que pela primeira vez reúne no sul da Europa os fãs adultos de todo o mundo das construções com as peças multicolores mais famosa do planeta.

PdCFW 2016 cartaz com horário.jpg

 Em colaboração com o Município de Paredes de Coura, a Comunidade 0937 organiza este evento de construções com peças LEGO® num formato inédito em território nacional e pela primeira vez fora da Dinamarca, reunindo criativos fãs da LEGO® dos quais mais de metade são estrangeiros.

Quase 200 AFOLs -- Adult Fan of LEGO® --, provenientes de dezassete países diferentes, confirmaram presença neste “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”, iniciativa de cariz internacional apoiada pela LEGO® e com o intuito de reunir os fãs adultos de todo o mundo da famosa marca de brinquedos, numa exposição também aberta ao público em geral e que tem por palco o Centro Cultural desta vila do Alto Minho.

Este tipo de eventos denominados de “HUB Events” surge numa iniciativa do departamento AR&P (AFOL Relations & Programs) da marca dinamarquesa, com o intuito de criar concentrações regionais em zonas estratégicas do globo.

A expansão deste tipo de eventos aparece após o sucesso reconhecido do Skaerbaek Fan Weekend, que decorre na Dinamarca desde 2005. Portugal torna-se assim no segundo país do mundo a receber este género de eventos que, pela sua singularidade, os fãs da marca fazem questão de marcar presença.

Vários funcionários da LEGO® confirmaram a sua presença neste evento por se tratar de uma oportunidade com muito potencial para comunicar em simultâneo e de uma só vez com fãs de outros países.

Paralelamente e complementarmente com este “Paredes de Coura Fan Weekend 2016 – LEGO® Fan Event”, o Centro Cultural de Paredes de Coura também acolhe o “Cine Brick”, primeiro Festival de Cinema LEGO® realizado em Portugal e um dos primeiros festivais com peças LEGO® do mundo.

A exposição estará aberta ao público entre as 14h00 e as 19h00, de 10 a 12 junho, com entrada gratuita.

Promoção do PdCFW 2016 3.jpg

Promoção do PdCFW 2016.jpg

COURENSES PEDALAM PELOS TRILHOS DE PAREDES DE COURA

2ª Maratona BTT de Paredes de Coura. domingo | 5 junho | 09h30

Este domingo, 5 de junho, Paredes de Coura acolhe a 2ª Maratona BTT de Paredes de Coura, iniciativa pontuável para o Campeonato do Minho de BTT XCM - Raiz Carisma, que também se destinada a praticantes desportivos informais que participam em atividades numa perspetiva de lazer.

IMG-20150724-WA0002

Com percursos de Meia-Maratona, Maratona-Curta e de Maratona, 2ª Maratona BTT de Paredes de Coura corresponde à terceira etapa do Campeonato do Minho de BTT XCM - Raiz Carisma. Promovida pela Associação de Ciclismo do Minho e pelo Município de Paredes de Coura, a prova é disputada em caminhos rurais, florestais e trilhos de freguesias do concelho, tendo como pontos de partida e de chegada o Largo 5 de Outubro em pleno centro desta vila do Alto Minho.

A partida 2ª Maratona BTT de Paredes de Coura está marcada para as 09h30 e está aberta à participação de todos os interessados, independentemente de serem ou não atletas federados. A Maratona BTT de Paredes de Coura prevê a inscrição nas habituais categorias de competição, de lazer e de paraciclismo, estando contemplados percursos de Meia-Maratona (cerca de 43 Kms), Maratona-Curta (cerca de 70 kms) e de Maratona (cerca de 90 Kms). 

Pretendendo assumir-se como um evento de referência que contribua para a promoção da prática desportiva e corresponda ao crescente interesse por atividades de BTT, a Maratona BTT de Paredes de Coura visa igualmente fins de lazer e turístico/culturais.

A participação é gratuita para atletas federados e não federados, sendo assegurado o seguro desportivo, abastecimentos ao longo do percurso, lavagem de bicicletas e banhos.

O secretariado funcionará na sede da União das Freguesias de Paredes de Coura e Resende, no Largo 5 de Outubro, das 07h30 às 09h00.

IMG-20150724-WA0000

PAREDES DE COURA REABILITA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA

Reabilitação da Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura contemplada pelos fundos Norte 2020

A Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura viu aprovado o projeto para a sua reabilitação, no âmbito do programa operacional regional Norte 2020 e comunicado pelo Ministério do Planeamento e Infraestruturas.

Resized_DSC_0649

A Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura é uma construção com quase 30 anos. Apresenta atualmente um coeficiente de vetustez 7 e, por ser evidente o seu estado de degradação desde há vários anos, integrou a fase 3 do Programa de Modernização do Parque Escolar. Com esta aprovação da candidatura a fundos comunitários, com um investimento elegível de 2.082.000,00 euros, o Município de Paredes de Coura vê concretizado um sonho antigo de requalificação uma vez que as condições de degradação do edifício já punham em causa o bom desenvolvimento da aprendizagem escolar. 

Esta candidatura aos fundos comunitários avançou em abril. Na altura, o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, defendeu a execução da obra independentemente do parecer favorável ou não da entidade gestora dos fundos Norte 2020: “quando se trata de Educação, eu, se tiver fôlego financeiro, não fico à espera do apoio do Estado”, sublinhou o autarca, que já antes tinha avançado com uma primeira intervenção nesta Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura.

Recorde-se que no anterior governo, o Município executou obras de beneficiação com um investimento a rondar os 350 mil euros e inteiramente suportado pelo orçamento da autarquia, sem qualquer apoio do Ministério ou de fundos comunitários. Na altura, procedeu-se à substituição das coberturas, revestimento e isolamento de paredes exteriores e à substituição de todas as portas e janelas.

Neste momento, as coisas são diferentes. “Há vontade por parte do Ministério da Educação para que as obras avancem. O Governo atual está a fazer todos os esforços para que, além do financiamento comunitário, este também comparticipe do lado da contribuição nacional. Todavia, já tínhamos decidido avançar independentemente da possibilidade do Governo ajudar, até porque sabemos dos constrangimentos orçamentais”, referiu o edil, reforçando a ideia que norteia a ação do Município. “A educação é uma das nossas prioridades, até porque acreditamos que o futuro da Paredes de Coura depende da formação dos nossos jovens. É aqui que temos de investir”, adiantou Vitor Paulo Pereira.”   

Aliás, esta tem sido a ‘marca d’água’ do Município de Paredes de Coura no que toca à aposta na educação, como são exemplo a promoção do ensino de inglês e música clássica no pré-escolar, as feiras de Troca de Sementes inseridas no Projeto Educar para o futuro – Terra, mas também a Caixa de Brinquedos e a Escola do Rock, equipamentos concluídos no último ano e cujo investimento se traduziu em quase 2 milhões de euros. 

Ao todo, e fazendo jus a uma recente estatística oficial, comparativa do investimento municipal por setor no Alto Minho, Paredes de Coura dedica aproximadamente 20% do seu orçamento à Cultura e à Educação: “fazemos isto com o coração, porque sabemos que é a verdadeira aposta no futuro”, conclui Vitor Paulo Pereira.

BOX 2 BOX CONFIRMADOS EM PAREDES DE COURA

Os Box 2 Box são um novo projecto constituído por Manuel Tavares e Sara Almeida. O EP intitulado “Small Boxes” marca a estreia nas edições fonográficas a 3 de Junho, com o lançamento oficial em formato CD e distribuição global nas principais plataformas digitais.

A convite do Jornal de Notícias, os Box 2 Box apresentaram-se recentemente numshowcase na redacção deste diário, ocasião onde anunciaram a sua participação na próxima edição do Festival Paredes de Coura.

O Armazém do Chá, no Porto, foi a sala escolhida para a primeira apresentação ao público de “Small Boxes” no próximo sábado, dia 4 de Junho, na companhia dos Radar Elvis.

O duo de Aveiro é formado por músicos experientes, com formação académica superior na área da música erudita. No entanto, o que “Small Boxes” vem evidenciar é uma paixão desmesurada pela música que se revela tambem noutros géneros e múltiplas tendências. Estas conduzem-nos por caminhos alternativos ao longo de cinco temas: “Waterfall”, “Small Boxes”, “Os Dias Passam”, “A Better Day” e “Little Things Matter”.

Falamos de um novo projecto cujo ecletismo se serve de uma linguagem própria, recorrendo a técnicas instrumentais diversas, muitas delas próximas do universo do seu percurso académico, ao serviço de uma mensagem simples e da criação de um mantra musical. Os Box 2 Box são uma entidade multifacetada e intemporal, cujos temas reflectem um longo percurso como músicos com o propósito de comunicar e transformar o caos poético numa música limpa.

O agenciamento está a cargo da Ilha dos Flamingos

PAREDES DE COURA REALIZA FESTA DA TRUTA

Teresa Tapadas | Capitão Fausto | The Happy Mess. 3,4 e 5 junho || Paredes de Coura

O fim-de-semana de 3, 4 e 5 de junho está dedicado à Festa da Truta e a esta deliciosa iguaria do Alto Minho, que Aquilino Ribeiro, em ‘A Casa Grande de Romarigães”, ilustrou de forma inegualável: “(…) em Paredes de Coura, e à hora do almoço vêm para a mesa as trutas do rio Coura, o rio mais truteiro do universo, azeitonas e bogas de escabeche, pão de milho e as demoradas conversas dos amigos que se encontram outra vez”.

IMG-20160531-WA0002.jpg

 

Quase 60 anos depois de ser lançada esta sublime obra de Aquilino Ribeiro, descubra ou redescubra os prazeres de uma boa mesa tendo por referência um dos ícones gastronómicos desta bonita vila do Alto Minho, onde a truta continua a ser elemento incontornável na riquíssima e farta gastronomia courense.

É a partir desta referência que o Município de Paredes de Coura dedica o fim de semana de 3, 4 e 5 de junho à Festa da Truta, com sessões de ‘showcooking’ com o chef Ilídio Barbosa, chefe executivo de cozinha do Sheraton Porto Hotel & Spa, e as novas abordagens à confeção de singulares pratos com recurso a este peixe de rio – inclusive vai apresentar uma proposta de como cozinhar truta para menu infantil --, mas também os já habituais convívios de pesca, concertos e animação infantil para um fim de semana que se quer preenchido.

Na edição deste ano da Festa da Truta o fado tem espaço de eleição com Teresa Tapadas. A cantora de Riachos, no Ribatejo, vem até ao Alto Minho partilhar os seus ‘Traços de Fado’ num espetáculo que se antevê cativante, tal como as participações dos ‘Capitão Fausto’ e ‘The Happy Mess’, duas bandas com fortes ligações a Parede de Coura.

Os ‘Capitão Fausto’ trazem no alinhamento o último álbum "Os Capitão Fausto têm os Dias Contados" sublinhado com significativo airplay nas rádios nacionais, mas também o tema ‘Célebre Batalha de Formariz’ e as peripécias vividas pela grupo de Tomás Wallestein, Manuel Palha, Francisco Ferreira, Domingos Coimbra e Salvador Seabra nesta freguesia courense. Também os ‘The Happy Mess’ são já habitués desta vila do Alto Minho, dado que o último álbum da banda de Miguel Ribeiro, ‘Half Fiction’, foi criado na densa floresta da paisagem protegida de Corno do Bico, em Paredes de Coura.

PAREDES DE COURA ESTIMULA A EXPORTAÇÃO

Visita à comunidade courense em Cenon | França

Paredes de Coura comprometeu-se a proporcionar um ambiente favorável para os negócios a todos os empresários residentes no município que pretendam exportar para França, tendo por base a relação de proximidade com a vila geminada de Cenon.

20160529_165328

No encontro deste domingo com 17 empresários portugueses, dos quais dez foram até Cenon procurar novas oportunidades de negócio no âmbito da 7ª edição do Marché Portugais à Cenon, o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, não só se comprometeu a ajudar a que se agilizem procedimentos, como apontou dois princípios basilares para o estreitar de confiança entre empresários: “sedução e cumprir contratos”, sublinhou o autarca, para quem “no mundo de hoje não há lugar para incompetentes”.

Neste encontro com empresários e no qual também participou o ‘maire’ de Cenon, Alain David, o autarca de Paredes de Coura incentivou à criatividade, mas também na necessidade de serem “exigentes e criar boa impressão”. Vitor Paulo Pereira vincou que “só se pode gerar dinheiro se se criar boas relações de confiança”, enquanto o seu homólogo de Cenon apontou que o caminho passa por “consolidar as relações e as trocas económicas entre os dois municípios” geminados desde 2008.

“Começámos pelas trocas culturais e agora projetam-se as trocas económicas”, avançou o ‘maire’ de Cenon, localidade francesa próxima de Bordéus, onde reside uma grande comunidade courense.

Nesta troca de experiências entre empresários, também dinamizada pela vereadora do município de Cenon Fernanda Alves – “Paredes de Coura é muito mais que um festival. Paredes de Coura tem um potencial enorme.” --, alguns dos presentes deram o seu testemunho como singrar nos negócios no competitivo mercado francês.

Armindo Barbosa, empresário na área dos transportes, deu o seu exemplo: “toda agente me diz que sou um burro de sorte. Não sou um burro de sorte. A sorte de uma pessoa é cumprir e ser sério”, sublinhou este empresário courense há 30 anos estabelecido em França.

Ao longo de três dias, esta pequena localidade francesa paredes-meias com Bordéus viveu uma animação singular com mais uma edição do Marché Portugais à Cenon. Artesanato, gastronomia e dezenas de stands mostraram o que melhor se faz no Alto Minho, complementado com muita animação pelo grupo Kalhambeke e a habitual confraternização entre courenses.

20160529_164243

PAREDES DE COURA PROMOVE PRODUTOS REGIONAIS

Sexta feira – Dia 10 de junho

16.00 h Abertura da feira

Grupo FemaleFunfarra (Atuação pelo recinto da Feira)

22.00 h Atuação do grupo:   “ Raízes do Minho”

 00.00 h Encerramento dos Stands

Sábado – Dia 11 de junho

10.00 h Abertura da Feira

11.00 h Entrada do Grupo de Concertinas:

“ Os Amigos do Borguinha e Adilia de Arouca”- Braga

14:00 h - Feira Tradicional –Com a participação das Associações Culturais Courenses

16.00 h - Concurso da Broa e Biscoitos de milho

21:30 h Atuação da Tuna

“RaussTuna– Tuna Mista de Bragança”

22.30 h Atuação de Grupo Musical

Roconorte– Monção

  1. h Encerramento dos stands

Domingo – Dia 12 de junho

10.00 h Abertura da Feira

15.00 h Atuação do grupo Minidance

15.30 h – Festival de Folclore:

-Rancho Camponês de Bico

-Rancho Folclórico Vila Chã de S. João– Ponte da Barca

-Rancho Folclórico de Sta Marinha de Prozelo– Arcos de Valdevez

(Org. Rancho Camponês de Bico)

20.00 h Encerramento

ORFEÃO ARCIPRESTAL DE PAREDES DE COURA REALIZA CONCERTO EM LOUVOR DE MARIA

O Orfeão Arciprestal de Paredes de Coura apresenta mais um concerto polifónico de música sacra em duas atuações. No próximo dia 26 de Maio, feriado nacional, dia do Corpo de Deus às 21:30, na Igreja do Senhor Ecce Homo em Padornelo e no dia 29 de Maio, às 21:30, no Centro Cultural de Paredes de Coura. A entrada é livre e estão todos convidados a escutar os "louvores de Nossa Senhora" no final do Mês de Maria.

EMPRESA DE SERIGRAFIA CONSIDERADA UMA DAS MAIORES DA EUROPA INSTALA-SE EM PAREDES DE COURA

Valver cria mais 50 novos postos de trabalho

O Município de Paredes de Coura vai acolher uma das maiores unidades de serigrafia da Europa no seu Parque Industrial de Formariz. O grupo galego Valver vai abrir uma nova unidade industrial com 1200m2, num investimento na ordem dos 2,5M€ e que vai proporcionar 50 novos postos de trabalho.

valver_fabrica9

Dedicada ao fabrico de ‘peças de aspeto’ e ‘peças funcionais’ para o setor automóvel – com um portfólio de clientes onde se incluem a PSA, FCA, Volkswagen e Renault-Nissan, entre outros --, o Grupo Valver está apto a responder aos mais “rigorosos controlos de qualidade exigidos pelos clientes do setor automóvel”, como sustenta o CEO do grupo, Carlos Vacarce.

Para este empresário com unidades industriais em Mos (Galiza), Medellín (Colômbia) e Portugal, esta nova aposta em Paredes de Coura tem a ver com “a maneira muito rápida e atrativa que a Câmara tem para o investimentos das empresas”, para além do facto de que “vai facilitar a interligação ao nível dos colaboradores” entre a nova unidade da Valver e a já existente no concelho.

valver_fabrica3

Carlos Valcarce também realça o papel do Governo português -- “está a ser muito atrativo para os investimentos em Portugal” --, permitindo assim que a Valver equacionasse a construção da nova unidade em Paredes de Coura, que vai dispor de uma sala limpa de 1200 m2, com condições de produção altamente estabilizadas ao nível do controlo dos parâmetros de temperatura e humidade “em condições de assepsia como se tratasse de um hospital”.

“Na Europa há poucas unidades desta envergadura”, sublinha o CEO do Grupo Valver, esperando agora que também se concretize a construção da nova acessibilidade ao Parque Industrial de Formariz: “para nós e para os clientes é muito importante”, frisou Carlos Valcarce, acrescentando que também “Paredes de Coura e o turismo ganhariam com novos acessos”, concluiu.

Além desta nova unidade “existem outros investimentos já em fase de pré implantação que brevemente serão públicos e que acreditamos que são potenciados pela dinâmica do município”, refere o Presidente da Câmara, Vitor Paulo Pereira.

valver_fabrica2

COURENSES DÃO A PROVAR COZIDO À MODA DE COURA

‘Cozido à Moda de Coura’. Sexta-feira, sábado e domingo | Paredes de Coura

O ‘Cozido à Moda de Coura’ vai à mesa este fim de semana, 6, 7 e 8 de maio, em nove restaurantes de Paredes de Coura, que elegeram este suculento e saboroso prato courense como a mais nobre das iguarias para estes dias em que o sol teima em continuar a esconder-se.

cozido3

O Xisto, Barbaças, Romântica, Abrigo do Taboão, Albergaria, Furão, Lino, Nova Lareira e Casa do Frei foram os 9 restaurantes aderentes a esta iniciativa promovida pelo Município de Paredes de Coura, que complementa este fim de semana gastronómico com outras iniciativas que trazem por estes dias maior procura por esta vila do Alto Minho.

A Feira Quinzenal e a Feira Social, onde se pode encontrar uma mostra e venda de trabalhos das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), fazem acorrer graúdos e miúdos ao Largo Visconde de Mozelos, onde também não faltam insufláveis e concertinas para todos os gostos.

Mas também há a Mostra de Sabores das Terras de Coura, direcionada para a venda de produtos tradicionais e da terra, numa oferta tão ampla como ao nível da animação.

Neste âmbito, os promotores também não se esqueceram das artes de palco com o Teatro em Movimento "Quando Eu Era Pequenina", protagonizado pelos seniores das IPSS de Paredes de Coura.

A Caminhada a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro e o Encontro de Rusgas Um Território com Alma encerram a programação de sábado, enquanto no dia seguinte há lugar à Exposição dos Carrinhos de Rolamentos seguida da corrida destes bólides que fizeram o encanto de outras gerações.

Concertinas e Encontro de Folclore preenchem o programa de domingo, com a participação do Grupo Etnográfico de Paredes de Coura, Grupo Folclórico da ACR "Hélios de Figueiredo" (Braga), Rancho Folclórico de Danças e Cantares "As Farrapeirinhas" de Baguim do Monte (Gondomar) e Grupo de Danças e Cantares do Neiva (Ponte de Lima), sob a organização da Associação Cultural de Paredes de Coura

PAREDES DE COURA REABRE PISCINA MUNICIPAL

Abertura da Piscina Municipal. entrada livre | 30 abril - 7 maio

Abre este sábado, 30 de abril, pelas 10h30, a Piscina Municipal de Paredes de Coura, com entrada livre até 7 de maio e uma série de atividades que marcam a abertura deste equipamento após obras de requalificação.

“Sabemos da importância das piscinas, quer do ponto de vista desportivo como do ponto de vista da saúde e, por isso, acreditamos que a reabilitação deste equipamento é também uma forma de melhorar a vida dos courenses”, explicou Vitor Paulo Pereira, presidente da Câmara de Paredes de Coura, cuja autarquia investiu cerca de 500 mil euros na requalificação deste equipamento municipal.

Recorde-se que no âmbito dos trabalhos de requalificação da Piscina Municipal foram reconstruídos todos os balneários, da mesma fora que se procedeu ao revestimento interior de todo o edifício. Ainda neste âmbito, houve lugar à substituição da instalação elétrica, numa obra orçada em 330 mil euros e financiada a 85% pelos fundos comunitários.

Mais recentemente, a Câmara de Paredes de Coura procedeu a novos melhoramentos com a substituição do sistema de aquecimento de água e ar, ventilação, unidades de tratamento de ar e condutas da Piscina Municipal, num total de aproximadamente 120 mil euros.

Com os novos melhoramentos, Paredes de Coura não só ganha um equipamento mais funcional, como também mais atrativo para todos quantos pretendam usufruir deste espaço aberto a todos os courenses e de todas as idades.

Este sábado e domingo, no âmbito da abertura da Piscina Municipal decorrem aulas de hidroginástica para crianças e adultos, batismo de mergulho e fotografia subaquática, e aquazumba.