Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAFENSES DEBATEM ENSINO

Conversas no Museu da Educação - O Meu Professor é o melhor do mundo

As ‘Conversas no Museu da Educação’, promovidas pelo Município de Fafe, continuam este mês. Desta feita, a próxima sessão, que decorre a 27 de Fevereiro, tem como tema ‘O meu Professor é o melhor do mundo’ e irá recordar o conhecido professor Rui Adérito Valente (1945-2002), prematuramente falecido. De igual forma, está prevista a intervenção de duas docentes que vão abordar temas ligados a temas da área educativa.

Capturarfafe

Recorde-se que, ao longo deste ano, o Museu da Educação, localizado na freguesia de S. Martinho de Silvares, vai ser palco de diversas Conversas, com temas e convidados distintos, sempre em torno da temática educativa, numa iniciativa do Município de Fafe, com o apoio da Junta de Freguesia local, no sentido de dinamizar este espaço museológico inaugurado em Junho de 2017.

Tratam-se de conversas informais, abertas ao público e com entrada livre.

A sessão tem início marcada para as 18h00. 

AQUAMUSEU DO RIO MINHO FUNDEIA BÓIA DE MONITORIAZAÇÃO JUNTO À ILHA DOS AMORES

Porque é importante monitorizar em prol do conhecimento, o Aquamuseu do Rio Minho colocou uma boia no estuário do rio Minho, junto à ilha dos Amores, com o objetivo de registar parâmetros físico-químicos da água.

Boia estuário do rio Minho

Integrada no projeto MIGRA MIÑO-MINHO, a aquisição deste equipamento foi efetuada por um dos parceiros do projeto - Agência Portuguesa do Ambiente (APA), de forma a que, muito em breve, se possa receber dados em tempo real de uma secção do rio sobre a qual há pouca informação com estas caraterísticas.

Candidatado ao Interreg Espanha-Portugal, o projeto MIGRA MIÑO-MINHO tem como principal desafio melhorar a proteção e a gestão sustentável do espaço natural de fronteira que forma a sub-bacia internacional do rio Minho, desde a barragem de Frieira (província de Ourense) até a sua desembocadura, com atuações de melhoria do estado de conservação dos leitos fluviais e das espécies de peixes migradores presentes no rio Minho e nos seus afluentes.

FORJÃES VAI TER NÚCLEO MUSEOLÓGICO DO JUNCO

Núcleo Museológico do Junco de Forjães vai integrar grupo restrito de projetos de Turismo Criativo

O Município de Esposende viu selecionada a sua proposta de criação do Núcleo Museológico do Junco, em Forjães, para integrar o conjunto de iniciativas-piloto de turismo criativo a serem desenvolvidas no âmbito do CREATOUR “Desenvolver Destinos de Turismo Criativo em Cidades de Pequena Dimensão e Áreas Rurais”.

junco

A proposta de desenvolvimento de um projeto de turismo criativo, em Esposende, assentará na organização de experiências artesanais, tendo por base atividades associadas à arte tradicional do trabalho do junco, designadamente a introdução de processos de inovação e criatividade, resultantes de uma metodologia de interação entre a comunidade local e os visitantes.

Para os promotores, o projeto proposto pelo Município de Esposende apresenta um grande potencial para o desenvolvimento de destinos turísticos criativos, devido à sua inovação, criatividade e autenticidade.

Com a criação do futuro Núcleo Museológico do Junco, em Forjães, pretende-se criar um espaço de memória vocacionado para o desenvolvimento desta arte, preservando a identidade de uma atividade intrinsecamente ligada à população local, tendo em conta os valores do presente, do passado e do futuro. Pretende-se, ainda, valorizar a tradição associada à inovação, através da utilização de outros materiais em conjunto com o junco, numa tentativa de ligação desta arte ao ambiente e ao nosso quotidiano.

Agora, a iniciativa será desenvolvida com mais detalhe, durante um IdeaLab regional, agendado para os dias 9 e 10 de março e, posteriormente, apresentada a nível nacional, a 6 de junho de 2018, com vista à boa implementação do projeto. Estão, ainda, previstas conferências internacionais, nos dias 7 e 8 de junho e no outono de 2019.

Este projeto visa desenvolver, implementar e promover ofertas de turismo criativo durante o período de execução do CREATOUR, entre 2018 e 2019, contemplando o trabalho de campo de investigadores que vão coligir documentação e efetuar a avaliação das iniciativas-piloto.

PAREDES DE COURA VIVE PAIXÃO DA RÁDIO

A Paixão da Rádio reúne em Paredes de Coura quatro dos melhores programas da rádio portuguesa

Manhã TSF (TSF) :: Antena Aberta (Antena 1) :: Prova Oral (Antena 3) :: Serões Inquietos (TSF)

sexta-feira | 9 fev

Quatro dos melhores programas da rádio portuguesa são transmitidos esta sexta-feira, dia 9 de fevereiro, a partir de Paredes de Coura. A Paixão da Rádio faz-se com a “Manhã TSF” (TSF), “Antena Aberta” (Antena 1), “Prova Oral” (Antena 3) e “Serões Inquietos” (TSF), numa homenagem à rádio e antecipando o dia 13, Dia Mundial da Rádio. 

Capturar1

Promovida pelo Município de Paredes de Coura com o apoio do Crédito Agrícola - Caixa do Noroeste, esta iniciativa contempla ainda no dia seguinte, sábado, dia 10 de fevereiro, a “Tertúlia matinal: A Paixão da Rádio, o amor ao jornalismo e à arte de contar” com Ana Maria Lourenço (consultora de comunicação), António Jorge (Antena 1), Fernando Alves (TSF), Fernando Alvim (Antena 3), Pedro Pinheiro (TSF) e Sofia Branco (presidente do Sindicato dos Jornalistas), tendo por moderador Ricardo Alexandre (RTP), bem como a exposição que se prolonga até 16 de março,  “Radiofonia: a paixão da rádio”, com alguns dos mais icónicos aparelhos de outros tempos onde predominam marcas como Philips, RCA, His Master’s Voice, Marconi, Telefunken, Siemens, Roberts Radio, Ultra, Viking, entre outras, provenientes da coleção particular da família Sansão Vaz.

Tertúlia com vozes da rádio, do jornalismo e da comunicação

“Para mim a rádio será sempre eterna. Inventem o que quiserem, fogo de artifício, efeitos especiais, projeções tecnológicas ou até mágicas, mas a rádio será sempre imaginação, imaginação. O mistério que será sempre a maior força do mundo. A rádio é a imagem sonhada, a imagem pensada e sentida. Não há maior e mais bela imagem do que essa, porque essa não vem dos olhos, vem do coração. A rádio vem do coração”, argumenta Vitor Paulo Pereira no texto de apresentação desta iniciativa A Paixão da Rádio, recordando os tempos em que as pessoas tentavam “adivinhar o rosto pela voz. E como as vozes eram bonitas, todos achávamos que os jornalistas seriam, por consequência, bem-parecidos”, mas também trazendo à memória “as palavras raras e cuidadas”.

O presidente da Câmara de Paredes de Coura lembra-se do tempo em que os profissionais da rádio “amavam a profissão e respiravam o país. Tinham uma visão humana, sábia e inteligente da geografia. Sabiam que, mesmo no lugar mais recôndito, havia sempre uma vivalma atenta que gostava muito do trabalho que faziam”, recordou.

Exposição de alguns dos mais icónicos rádios de outros tempos

Esta sexta-feira A Paixão da Rádio começa bem cedo com a ‘Manhã TSF’, da TSF, entre as 8h00 e as 10h00, prossegue com a ‘Antena Aberta’, da Antena 1, entre as 11h00 e as 12h00, recuperando ao final da tarde a emissão rádio com a ‘Prova Oral’, da Antena 3, entre as 19h00 e as 20h00, prolongando noite dentro com os ‘Serões Inquietos’, da TSF, entre as 21h00 e 23h00. À exceção deste último programa que será transmitido a partir do Museu Regional de Paredes de Coura, todos os outros serão transmitidos a partir da Galeria Noroeste / Coura, no edifício da Caixa de Crédito Agrícola, onde também estará patente a exposição “Radiofonia: a paixão da rádio”, cuja inauguração ocorre às 18h00.

Por sua vez, a “Tertúlia matinal: A Paixão da Rádio, o amor ao jornalismo e à arte de contar” decorrerá na manhã de sábado, entre as 11h00 e as 13h00, na Biblioteca Aquilino Ribeiro.

Capturar2

FAMALICÃO INAUGURA EXPOSIÇÃO FÓRMULA 3 DE SCHUMACHER NO MUSEU DO AUTOMÓVEL

Exposição “Monolugares em Portugal - Passado e Presente” é inaugurada este sábado, dia 10 de fevereiro.

Em 1990, um ano antes de entrar na Fórmula 1, Michael Schumacher venceu o Grande Prémio de Macau após uma renhida competição com o finlandês Mika Häkkinen. O Fórmula 3 que conduziu o piloto alemão à vitória – Reynard 903 da Volkswagen – é a grande estrela da exposição “Monolugares em Portugal – Passado e Presente”, patente a partir deste sábado, dia 10 de fevereiro, no Museu do Automóvel de Vila Nova de Famalicão.

AFS_7091

A mostra reunirá cerca de duas dezenas de Fórmulas que ajudaram a escrever a história do automobilismo. Para além do F3 de Schumacher, cedido pela Fundação Casa de Macau, destaque também para vários Fórmula Ford, alguns deles ainda em atividade, como o Fórmula V, Fórmula Renault e o Fórmula BMW.

O Mygale FB1-BMW, que levou o ex-campeão DTM Martin Tomczyk ao triunfo da primeira edição na Formula Baviera Júnior Cup; o Mygale 2000 Ford com que Pedro Salvador se sagrou campeão da Fórmula Novis by Ford e o monolugar de construção nacional APIS, que nos dias de hoje compete na classe Super Tuga da Fórmula Ford Portugal, são outros dos carros que vão também estar expostos.

Haverá ainda lugar para alguns monolugares de gerações anteriores, como o Lotus 61 M, ex-Robert Giannone, ou o Olympic que foi campeão de Fórmula V em Portugal pelas mãos de Manuel Nogueira Pinto.

“É com enorme orgulho que vamos reunir aqui, em Vila Nova de Famalicão, um espólio tão vasto de monolugares de competição. Gostaria de agradecer à Fundação Casa de Macau, pela cedência de um carro que faz parte dos livros de história do automobilismo mundial, assim como a todos os proprietários privados, cuja preciosa colaboração foi indispensável para tornar esta exposição possível”,disse o diretor do Museu, Amadeu Melo e Silva.

A exposição vai estar patente até 14 de março, podendo ser visitada de terça a sábado, entre as 10h00 e as 12h30 e as 14h30 e as 17h30.

Recorde-se que o Museu do Automóvel de Vila Nova de Famalicão integra desde 2017 a Associação Internacional de Museus de Transportes e Comunicações. O espaço guarda um valioso espólio de mais de uma centena de carros, retratando a evolução do design e da técnica automóvel ao longo do século XX. O alcance da instituição não se esgota nas coleções expostas, estendendo-se às áreas da formação e educação através da Escola de Restauro Automóvel e da Escola de Educação Rodoviária.

Inauguração da exposição reúne vários nomes do automobilismo nacional

A inauguração da exposição acontece este sábado, dia 10, a partir das 15h00, com uma tertúlia aberta ao público sobre os Fórmulas em Portugal.

Participam nesta iniciativa o ex-piloto Carlos Gaspar, várias vezes campeão nacional de velocidade e com uma carreira internacional reconhecida, Miguel Lacerda, campeão nacional de Fórmula V em 1972 e José Leite, ex-Diabolique Motorsport e um dos artificies do ressurgimento da Fórmula Ford em Portugal em 1985.

A tertúlia será moderada por Hugo Reis, diretor da revista “Topos & Clássicos” e contará também com a presença de João Paulo Matos, um Gentleman Driver que compete com regularidade na Fórmula Ford Portugal, Ginho Rodrigues, Team Manager da equipa Gianfranco Motorsport e Duarte Fidalgo, fundador da Feature Engineering e membro da equipa italiana Trident Racing no campeonato GP3 Series.

“Estamos bastante entusiasmados por reunir um painel tão abrangente de atores das corridas de monolugares do nosso país que irão partilhar as suas histórias e experiências com todos aqueles que marcarem presença na inauguração da exposição. Esta é a melhor forma iniciar esta exibição única, percorrendo várias gerações, e que dará a conhecer ao público em geral o outro lado das corridas de automóveis”, afirma Amadeu Melo e Silva.

AFS_7092

MUSEU DE OLARIA DEDICA ANO DE 2018 À FAMÍLIA BARAÇA

Exposição “Uma Geração de Baraças Ligada pelo Barro”

 “Uma Geração de Baraças ligada pelo Barro” é o título da exposição dedicada a uma das mais conceituadas e tradicionais famílias do artesanato de Barcelos – a família Baraça – que abre ao público no dia 3 de fevereiro, na Sala de Exposições Temporárias do Museu de Olaria, e se prolonga até 31 de dezembro de 2018.

Coreto

Depois da Geração Ramalho, em 2016, e da Geração Côta, em 2017, o ano de 2018 é dedicado à família Baraça. Uma geração iniciada por Ana Lopes Gonçalves Valada, conhecida como Ana Baraça, que transmitiu a sua arte e saber, primeiro ao filho Fernando e à filha Rosalina, depois aos netos, Carlos, Vítor e Moisés.

É uma das famílias carismáticas do figurado barcelense que hoje tem como representantes os netos Vítor e Moisés Gonçalves, conhecidos por Irmãos Baraça, que se dedicam em exclusivo ao fabrico de artigos em barro, com fins decorativos, onde a tradição e inovação andam lado a lado.

Na Sala de Exposições Temporárias do Museu de Olaria, não irão faltar os coretos, os galos de Barcelos, as bandas de música e as alminhas, por entre as mais de cem peças que estarão em exposição e que espelham temas tradicionais, com especial incidência no mundo rural, na religião e nas festas.

O Museu de Olaria está aberto de terça a sexta-feira, das 10h às 17h30, e aos sábados, domingos e feriados das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30. A entrada é livre.

Irmão Baraça

GUIMARÃES: O OUTRO LADO DAS ONDAS. INSTALAÇÃO INTERATIVA

Entre os dias 9 e 16 de fevereiro de 2018, o Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, acolherá o resultado da residência artística R+, promovida pela cooperativa artística CAISA CRL, e que juntou quatro artistas portugueses e um colombiano. 

14601094_10155028430617289_7017036051127889881_n-2

“O Outro Lado das Ondas” é o título da instalação interativa que estará exposta no museu e que apresenta um diálogo sonoro e visual entre Portugal e Colômbia, dois países de culturas distintas que se cruzam numa viagem histórica para lá do mar. A instalação, resultado do trabalho de mais de dois meses de residência, recorre a instrumentos tradicionais de ambos os países, como a viola braguesa, o cavaquinho e a precursão (norte de Portugal) e a marimba de chonta (Pacífico colombiano), para criar interfaces que, manipuladas através de tecnologias eletrónicas, reagem ao toque dos seus utilizadores.

No dia 15 e 16 a instalção estrá diretamente direcionada para o público escolar, o objetivo é dar a possibilidade ás crianças e jovens de a manipolarem.  Através dos seus instrumento, Marimba de Chonta(instrumento tradicional do Pacifico da Colombia), cavaquinho, Viola Braguesa e a Percussão Tradicional de Portugual, criarem uma interface que manipula as imagns projetadas através da tecnica de video mapping.

A apresentação ao público da instalação realizar-se á dia 9 de fevereiro, pelas 21h30, sob a forma de concerto, e contará com a presença da equipa de trabalho composta por Alberto Fernandes, Daniel Escobar Vásquez, Daniel Fernandes, José Afonso Sousa e Tomás Rosa.

21032614_10156125769812289_8684335626467545919_n

FAMALICÃO: MUSEU NACIONAL FERROVIÁRIO DE LOUSADO ENCERRADO ATÉ 4 DE FEVEREIRO

O núcleo de Lousado do Museu Nacional Ferroviário estará encerrado ao público até dia 4 de fevereiro.

O encerramento deste espaço museológico do concelho famalicense prende-se com a realização de trabalhos de limpeza de espaços, equipamentos e acervo, organização dos espaços de reserva, controlo biológico, entre outras ações da área da conservação preventiva que conduzem a maior longevidade das coleções e a uma melhor gestão dos recursos. 

 

AQUAMUSEU DO RIO MINHO DÁ A CONHECER A LAMPREIA

E o peixe do trimestre no Aquamuseu ou melhor, o ciclóstomo, é… “A Lampreia”

Em cada início de novo ano, já é uma tradição do Aquamuseu do rio Minho promover e abordar mais profundamente o conhecimento sobre a lampreia, dado ser uma espécie de excelência cultural e económica para os concelhos da raia minhota. Assim, até 31 de março, está patente a exposição “A Pesca da Lampreia Marinha no Rio Minho”.

lampreia

O objetivo da presente mostra é dar a conhecer as caraterísticas gerais, períodos e artes de pesca, a pesca ao longo dos tempos, histórias e ditos. Neste caso, a captura da lampreia.

De sublinhar que, este ano, a safra da lampreia começou a 03 de janeiro e prolonga-se até meados de abril, período durante o qual a espécie volta a entrar nos rios, na direção da nascente, para cumprir a fase de reprodução.

A atividade decorre ao longo dos 35 quilómetros do rio Minho, variando em função da arte utilizada, já que pode ser feita com "lampreeiras", a bordo de embarcações artesanais, ou com pesqueiras armadas arte denominada botirão e cabaceira. Uma lampreia pode medir mais de um metro e pesar cerca de dois quilogramas, sendo considerada uma verdadeira iguaria da região do Minho,

O Aquamuseu do rio Minho encontra-se aberto de terça-feira a domingo das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00.

O TRABALHO EM REDE NO FUTURO MUSEU NACIONAL DA EMIGRAÇÃO

* Crónica de Daniel Bastos

No âmbito do projeto do futuro Museu Nacional da Emigração, criação aprovada, como recomendação, pela Assembleia da República, a 27 de outubro do ano transato, foi anunciado então pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a intenção do Governo vir a estabelecer que os vários museus municipais ligados ao fenómeno da emigração possam constituir-se como polos do vindouro espaço museológico.

Daniel Bastos

Trata-se de uma estratégia cultural em rede importante, porquanto pelo país encontram-se disseminados vários núcleos museológicos locais e regionais, que ao longo dos anos se têm dedicado à preservação e conhecimento do processo de emigração, um fenómeno estruturante na sociedade portuguesa e com marcas em todos os continentes. Encontram-se neste caso, por exemplo, o Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe, o Espaço Memória e Fronteira, localizado em Melgaço, e o Museu da Emigração Açoriana, instalado na Ribeira Grande, que têm prestado um serviço público de grande relevância na promoção do conhecimento das migrações na diáspora portuguesa.

No entanto, além desta perspetiva desconcentrada e polinuclear proposta pelo Governo, na esteira do projeto de resolução do PS para a criação do museu, sustentado no trabalho do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, e da inclusão no mesmo de um centro de documentação, proposto pelo PSD, é igualmente fundamental que o futuro Museu Nacional da Emigração se articule simultaneamente com outros espaços museológicos espalhados pelas comunidades portuguesas, assim como as inúmeras estruturas associativas portuguesas no estrangeiro.

O prosseguimento de uma estratégia de articulação e cooperação transnacional do futuro Museu Nacional da Emigração, por exemplo, com a Galeria dos Pioneiros Portugueses, um espaço museológico em Toronto, que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá, será indubitavelmente uma mais-valia para a comunidade luso-canadiana, assim como para a missão vindoura do Museu Nacional da Emigração. No mesmo sentido, a articulação e cooperação transnacional do futuro Museu Nacional da Emigração com o associativismo luso no estrangeiro é essencial, pois é no seio destes movimentos que residem os vínculos de pertença cultural e se encontram os sinais de integração nos países de acolhimento.

MANUEL ANTUNES PUBLICA NA REVISTA IBEROAMERICANA DE TURISMO ARTIGO SOBRE TURISMO E MUSEOLOGIA

A RITUR – Revista Iberoamericana de Turismo acaba de publicar um artigo do Prof. Doutor Manuel Antunes subordinado ao tema “Do turismo aos museus, com passagem pela cultura”. Pelo seu elevado interesse, reproduzimos com a devida vénia as páginas que inserem o artigo em questão.

12801499_10206655359286783_8144836663810073778_n

Aproveitamos para lembrar que, no próximo dia 30 de Junho, pelas 15 horas, o Prof. Doutor Manuel Antunes vai estar em Loures para fazer uma palestra dedicada ao tema “Vilarinho da Furna: História e Tradições Populares de uma Aldeia Afundada”. A iniciativa que se realiza no âmbito do FolkLoures’18, terá lugar no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte – local onde se reúne a Assembleia Municipal de Loures – constituindo uma iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho que conta com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

Capturar1

Capturar2

Capturar3

Capturar4

Capturar5

Capturar6

Capturar7

Capturar8

Capturar9

Capturar10

Capturar11

Capturar12

Capturar13

MUSEU DO BRINQUEDO PORTUGUÊS DE PONTE DE LIMA EXPÕE EM VIANA DO CASTELO

Exposição “Um brinquedo, mil memórias” mostra peças doadas por cidadãos

A Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, em parceria com o Museu do Brinquedo Português de Ponte de Lima, organiza uma exposição intitulada “Um brinquedo, mil memórias”, de 24 de novembro de 2017 a 13 de janeiro de 2018, na Galeria Noroeste, sito na Rua de Aveiro, n.º119 R/c Esq.º, em Viana do Castelo.

cartaz.png_ Um Brinquedo

Trata-se de uma mostra que visa dar a conhecer parte dos brinquedos, raros e valiosos, doados ao Museu do Brinquedo Português de Ponte de Lima por diversos cidadãos interessados em perpetuar e partilhar os seus legados.

Os brinquedos apresentados refletem a identidade cultural da sociedade portuguesa – porquanto representam o seu património lúdico -, possibilitam o conhecimento do passado e das tendências das épocas ali espelhadas, resgatam memórias vividas e sentidas através das peças evocativas das brincadeiras de outros tempos e proporcionam aos mais novos momentos de descoberta e de aprendizagem.

O Museu do Brinquedo Português de Ponte de Lima foi o primeiro espaço museológico em Portugal a integrar milhares de peças que retratam a história do brinquedo fabricado no nosso país, durante 100 anos, e a mostrar como se brincava antes da era tecnológica.

Felicitamos a Fundação Caixa Agrícola do Noroeste pela dinamização desta iniciativa e pela promoção do património histórico e cultural da região e do país.

BOLETIM ICOM PORTUGAL ENTREVISTA JOÃO ALPUIM BOTELHO

A edição de Outubro do “Boletim ICOM Portugal” editado pelo Comité Português da International Council of Museums (ICOM) publicou, na secção “Museus & Pessoas”, uma entrevista conduzida pela investigadora Ana Carvalho, através da qual segue o percurso do Dr. João Alpuim Botelho através do Museu do Traje, o Museu Bordallo Pinheiro e a sua passagem pelo Teatro Rivoli.

Conforme a própria entidade oficialmente se define, “O ICOM é a maior organização internacional de museus e profissionais de museus dedicada à preservação e divulgação da património natural e cultural mundial, do presente e do futuro, tangível e intangível.

Uma entrevista a não perder que o BLOGUE DO MIMNHO disponibiliza neste espaço.

Alpuim1

alpuim2

alpuim3

alpuim4

alpuim5

alpuim6

 

alpuim7

alpuim8

alpuim9

 

AQUAMUSEU DO RIO MINHO ALERTA PARA PESCA ILEGAL

Aquamuseu alerta para pesca ilegal expondo armadilha retirada do rio

Com o objetivo de sensibilizar para as consequências negativas da pesca ilegal, o Aquamuseu do rio Minho acaba de expor, no seu espaço exterior, uma armadilha apreendida no rio Minho, pela Autoridade Marítima.

botirão_ilegal

Sendo um dos seus compromissos a exploração de temáticas que visam aumentar a sensibilidade para a conservação dos valores naturais, privilegiando a atividade experimental como metodologia para a aquisição de conhecimento, o Aquamuseu do rio Minho decidiu exibir uma armadilha ilegal, procurando familiarizar as pessoas de forma a puderem informar ou denunciar as entidades competentes para eventuais casos ilegais. 

A prática de pesca com recurso a equipamentos proibidos ainda se regista no rio Minho. De sublinhar que as espécies mais vulneráveis a esta atividade neste troço de água internacional, são a lampreia, o sável, o salmão e a enguia.

De acordo com o descrito no portal da Comissão Europeia, a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (pesca INN) empobrece as unidades populacionais, destrói os habitats aquáticos, distorce a concorrência, coloca os pescadores honestos numa situação de desvantagem e enfraquece as comunidades costeiras, em especial nos países em desenvolvimento.

MUSEU D. DIOGO DE SOUSA EXPÕE SOBRE CIDADES EDUCADORAS

Mostra patente ao público de 6 a 10 de Novembro

O Museu D. Diogo de Sousa, em Braga, irá acolher a exposição itinerante da Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras entre os dias 6 e 10 de Novembro.

1

Através de uma forma lúdica, com esta exposição será possível conhecer os princípios basilares da Carta das Cidades Educadoras: O direito a uma cidade educadora, através de um forte compromisso da cidade, que se coloca ao serviço integral dos seus cidadãos. Este será também o mote para o Município de Braga comemorar o dia 30 de Novembro que foi instituído como o Dia Internacional da Cidade Educadora.

A mostra poderá ser visitada das 9h30 às 12h00 e das 14h30 às 17h00.

Recorde-se que Braga aderiu, em 2000, à Associação Internacional das Cidades Educadoras (AICE), passando a integrar também a Rede Territorial Portuguesa de Cidades Educadoras, organismos que promovem a troca e partilha de experiências, no âmbito da Educação em toda a sua abrangência, entendendo a cidade como um espaço de oferta de importantes elementos para uma formação integral do indivíduo».

O conceito de Cidade Educadora tem na sua génese a ideia de que educar é uma responsabilidade de toda a sociedade e de que a Educação não se deve centrar exclusivamente na Escola, sendo um direito de todos e ao longo de toda a vida», explica a autarquia.

De acordo com a Carta das Cidades Educadoras, «todos os habitantes de uma cidade terão o direito de desfrutar, em condições de liberdade e igualdade, os meios e oportunidades de formação, entretenimento e desenvolvimento pessoal que ela lhes oferece».

2

MUSEU DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EXPÕE OBJETOS DE BERNARDINO MACHADO

“Boa Viagem, Senhor Presidente! De Lisboa até à Guerra” fica patente ao público entre 8 de novembro e 4 de março

Em outubro de 1917, o presidente da República Bernardino Machado efetuou aquela que foi a primeira viagem de Estado ao estrangeiro. Para a jovem República Portuguesa, que tinha sido implantada em 1910 este foi um momento marcante e fundamental para o tão desejado reconhecimento internacional.

1

Passados 100 anos, a viagem vai ser recordada numa exposição promovida pelo Museu da Presidência da República com a colaboração do Museu Bernardino Machado, de Vila Nova de Famalicão. A mostra vai ser inaugurada no próximo dia 7 de novembro, no Palácio da Cidadela de Cascais, com as presenças do Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha.

A mostra ficará patente ao público entre 8 de novembro e 4 de março.

Intitulada “Boa Viagem, Senhor Presidente! De Lisboa até à Guerra”, a exposição conta com mais de meia centena de objetos, documentos e fotografias cedidas pelo Museu Bernardino Machado. Entre os objetos destaque para o chapéu, tipo cartola, e para a bengala de Bernardino Machado. As fotografias, mais de vinte, retratam vários episódios da viagem que durou 18 dias.

Bernardino Machado partiu da Estação do Rossio, foi recebido pelo Rei Afonso XIII de Espanha, o Presidente Raymond Poincaré de França, o Rei Jorge V de Inglaterra, Alberto I da Bélgica, e visitou os militares do Corpo Expedicionário Português mobilizados na Primeira Guerra Mundial.

Famalicense por adoção, Bernardino Machado foi presidente da República Portuguesa por duas vezes e foi também uma das principais figuras da I República.

O Museu Bernardino Machado que completou recentemente 15 anos está instalado no Palacete Barão da Trovisqueira, um majestoso edifício do século XIX, localizado bem no centro da cidade de Vila Nova de Famalicão. Para além da divulgação e valorização da figura de Bernardino Machado, o Museu tem vindo a destacar-se na organização de diversos eventos e na produção de documentos que têm sido essenciais para investigadores e historiadores.

12

PONTE DE LIMA PARTICIPA NO CONGRESSO DO BRINQUEDO

Museu do Brinquedo Português participa no I Congresso do Brinquedo

O Museu do Brinquedo Português de Ponte de Lima participou no I Congresso do Brinquedo Português realizado no Instituto de Educação da Universidade do Minho e na Casa do Conhecimento de Vila Verde, durante os dias 26, 27 e 28 de outubro.

Congresso do Museu Brinquedo Português_1

Este congresso contou com um programa diversificado que acolheu 35 intervenções sobre as várias facetas do brinquedo, incluindo a conferência do Museu do Brinquedo Português intitulada “O Museu do Brinquedo Português: um espaço de descoberta, brincadeira e aprendizagem” e que foi apresentada no dia 28 de outubro, na Casa do Conhecimento de Vila Verde.

Tratou-se, assim, de um congresso com vertentes multidisciplinares que visaram a pesquisa, divulgação, salvaguarda e valorização do brinquedo e do brincar português, enquanto manifestação da cultura nacional.

received_1118407938293812

Congresso Museu do Brinquedo Português