Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

LIMIANOS COMEMORAM DIA MUNDIAL DO LIVRO

Crianças e idosos do concelho em destaque nas celebrações do Dia Mundial do Livro

A Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL) antecipou a celebração do Dia Mundial do Livro – que todos os anos se assinala a 23 de abril – com atividades de promoção do livro e da leitura, que decorreram na passada sexta-feira, dia 21 de abril, na BMPL e no Largo de Camões.

Capturarplimmm.PNG

Ao longo do dia, a BMPL recebeu crianças das escolas do concelho e promoveu a iniciativa “Livros sobre rodas” – assim se chama o projeto da Biblioteca Itinerante – proporcionando a todos os que acorreram à praça central de Ponte de Lima a consulta e/ou empréstimo de jornais e de obras literárias, nacionais e estrangeiras, e disponibilizando aos mais novos desenhos para colorir e o contacto com as mais recentes ofertas do universo editorial infanto-juvenil.

Este ano, no Largo de Camões, a população sénior do concelho foi o público privilegiado das celebrações do Dia Mundial do Livro. À sombra de uma oliveira, utentes do Centro Paroquial e Social de Santa Maria dos Anjos recordaram músicas tradicionais portuguesas – caso de “A minha saia velhinha” -, que entoadas ao som da viola, encheram este espaço de contagiante alegria. Entre canções, evocaram-se brincadeiras da infância – num jogo de partilha coletiva de memórias – e assistiu-se à leitura de “Os três conselhos”, estória retirada da obra oitocentista “Contos tradicionais do povo português”, de Teófilo Braga. Uma narrativa rica em ensinamentos que suscitou o debate em torno das lições a reter.

A atividade recreativa e o projeto de itinerância “Livros sobre rodas” permitiram dar a conhecer algum do trabalho desenvolvido pela BMPL e divulgar parte das novidades literárias disponíveis para consulta e/ou empréstimo domiciliário.

CABECEIRAS DE BASTO APRESENTA NA CASA DO TEMPO LIVRO DE ATAS DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL

Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto apresentou Livro de Atas do II Seminário Internacional na Casa do Tempo

Programa do III Seminário em torno do tema ‘Ora et Labora em Refojos de Basto: Espacialidades, Materialidades e Espiritualidades’  foi anunciado para 8 e 9 de junho

Câmara Municipal apresentou Livro de Atas do II Seminário Internacional.JPG

Foi apresentado esta manhã, dia 22 de abril, na Casa do Tempo de Cabeceiras de Basto, o Livro de Atas do II Seminário Internacional que a Câmara Municipal organizou sob o tema ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’, evento que se realizou em junho de 2016 e cujo resultado é agora publicado em livro.

No auditório, com lotação esgotada, estiveram presentes o presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, os vereadores, presidentes de Junta de Freguesia e membros da Assembleia Municipal, a deputada Dra. Laura Magalhães e outros eleitos, o presidente da Assembleia Municipal de Guimarães, Dr. António Magalhães, o pároco de Refojos Manuel Baptista, académicos, historiadores e investigadores do CITCEM /FLUP da Universidade do Porto entre muitos outros interessados e estudiosos das questões ligadas à valorização e defesa do Património Cultural, individualidades e representantes de várias instituições concelhias e público em geral.

Na nota de abertura desta sessão de apresentação do Livro de Atas do II Seminário Internacional, o presidente da Câmara Municipal afirmou que “o Mosteiro de S. Miguel de Refojos é o principal ícone patrimonial e histórico do nosso concelho e das Terras de Basto. Para nós, Cabeceirenses, este monumento é uma referência desde a sua fundação. É por isso uma responsabilidade coletiva, de todos nós portanto, a sua guarda, a sua defesa, a sua valorização, para que possamos deixar aos vindouros tão importante legado que nos foi confiado pelos nossos antepassados”.

A organização anual de Seminários Internacionais que a Câmara Municipal tem promovido, insere-se na política de defesa e valorização do NOSSO MOSTEIRO.

“Para além das intervenções físicas que nele temos levado a efeito, seja com recurso unicamente ao orçamento municipal, seja com recurso a apoios comunitários da União Europeia e outros, e para as quais temos contado sempre com o apoio da Direção Regional a Cultura do Norte, da Paróquia e de outras Instituições, justifica o aprofundamento do seu conhecimento, através de ações de investigação, recolha e tratamento de informação”, sublinhou o autarca, realçando que “o II Seminário foi mais um passo marcante na investigação sobre a história e a importância do Mosteiro, designadamente no que diz respeito a Frei Diogo de Murça, um verdadeiro intelectual de dimensão europeia”.

De acordo com Francisco Alves, “o sucesso da iniciativa ficou a dever-se à qualidade extraordinária dos oradores convidados e das suas comunicações que não podiam ficar apenas na nossa memória, mas sim num registo escrito que fique gravado no tempo e que sirva para muitos outros interessados tomarem contacto com aquilo que aqui se disse, com aquilo que aqui se passou”.

O edil aproveitou, ainda, a oportunidade para informar que “continuamos a trabalhar com a mesma determinação na candidatura do Mosteiro de S. Miguel de Refojos a Património Cultural da Humanidade, porque acreditamos no valor Universal deste Bem que consideramos único. Depois de, no ano passado, não termos visto o Mosteiro incluído na Lista Indicativa de Portugal do Património Cultural da UNESCO, reunimos a Comissão Científica e, sob a égide do Sr. Diretor Regional da Cultura do Norte, estamos a seguir agora um novo caminho, trabalhando com outros Mosteiros Beneditinos para que possamos atingir o mesmo objetivo. A possibilidade de apresentação de uma candidatura conjunta à Lista Indicativa apresenta-se assim como uma nova e boa oportunidade”, confirmou.

Por fim, o presidente da Câmara desejou que “esta obra agora editada possa ser útil a todos os que, não se conformando com o pouco ou o muito que já sabem, continuam permanentemente a trabalhar para a aprendizagem e para o aumento do conhecimento da nossa história”.

Coube ao Professor Doutor Luís Amaral do CITCEM /FLUP – Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória da Faculdade de Letras da Universidade do Porto fazer a apresentação do Livro de Atas do II Seminário Internacional dedicado ao tema ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’, obra que “reúne o essencial do seminário e que ficará como memória para o futuro”, disse o investigador, louvando o “importante trabalho dos muitos historiadores” que se associaram ao evento e que “motivaram importantes reflexões”.

Luís Amaral fez um resumo dos “diversificados textos e dos grandes temas” apresentados no II Seminário e que levaram ao “aprofundamento dos conhecimentos” de todos os que puderam testemunhar a realização de tão relevante iniciativa.

A finalizar a sua intervenção, o professor doutor deu os parabéns à Câmara Municipal e ao CITCEM /FLUP pelo trabalho desenvolvido em prol da Cultura e do Património.

Hoje foi também apresentado o programa do III Seminário Internacional que irá ter lugar a 8 e 9 de junho próximo, em Cabeceiras de Basto. Pedro Vilas-Boas Tavares, professor universitário e investigador do CITCEM/FLUP, um cidadão de Basto, apresentou o programa, anunciando as diferentes temáticas e o nome dos responsáveis pelas comunicações a realizar.

Sob o tema ‘Ora et Labora’  este III Seminário organizado pelo Município de Cabeceiras de Basto e pelo CITCEM /FLUP – Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, vem de novo colocar em evidência a importância e significado patrimonial e cultural do Mosteiro Beneditino de Refojos de Basto às escalas regional e nacional, mas também europeia.

O Professor Doutor Pedro Vilas Boas Tavares enalteceu a aposta do Município na Cultura, assegurando que os seminários internacionais “têm sido realizações cientificamente sólidas que nos enriquecem humanamente”.

Note-se que o III Seminário decorrerá, assim, em junho, nos mesmos moldes da primeira e segunda edições, na Casa do Tempo, com comunicações de reputados académicos, investigadores e historiadores e com um programa cultural que contará com a participação do Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto.

MUNICÍPIO DE BARCELOS PROMOVE DIA MUNDIAL DO LIVRO EM FAMÍLIA

Biblioteca Municipal de Barcelos abre portas ao público em geral no próximo domingo

Ateliês “Ciência do UAU!”, pelo Laboratório da Li, “O Soldado João”, pela equipa da BMB, uma tertúlia com os escritores barcelenses Domingos da Calçada, Fernando Pinheiro e Rui Sousa Basto são algumas das atividades que a Biblioteca Municipal vai desenvolver para que toda a família possa viajar através dos livros.

No próximo domingo, dia 23 de abril, Dia Mundial do Livro, a Biblioteca Municipal vai abrir as suas portas, das 14h00 às 18h00, para todos aqueles que a quiserem visitar e participar nas suas atividades.

Além das salas de leitura e do empréstimo domiciliário estarem a funcionar, vai desenvolver-se um programa para os mais pequenos e famílias.

Assim, às 15h00, realizar-se-ão os ateliês “Ciência do UAU!”, pelo Laboratório da Li, para crianças dos 7 aos 12 anos, e “O Soldado João”, pela equipa da BMB, para crianças dos 3 aos 6 anos.

Entretanto, no dia 21 de abril, sexta-feira, às 14h30, vai realizar-se uma tertúlia com os escritores barcelenses Domingos da Calçada, Fernando Pinheiro e Rui Sousa Basto, para os formandos da ACIB, em Arcozelo.

O Dia Mundial do Livro é comemorado, desde 1996 e, por decisão da UNESCO, a 23 de abril, dia de S. Jorge. Esta data foi escolhida para honrar a velha tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de São Jorge (Saint Jordi) e recebem, em troca, um livro. Em simultâneo, é prestada homenagem à obra de grandes escritores, como Shakespeare e Cervantes, desaparecidos nesta data, em 1616, proliferando neste dia atividades de animação da leitura a nível nacional e internacional.

A participação é gratuita e as inscrições para os ateliês poderão ser efetuadas através do telefone 253 809 641 ou email:bibliotecaanimacao@cm-barcelos.pt.

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE FAMALICÃO ASSINALA DIA MUNDIAL DO LIVRO

Maratona da Biblioteca decorre de 20 a 23 de abril com inúmeras atividades

É já no próximo domingo, dia 23 de abril que se assinala o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor (aniversário da morte dos escritores Shakespeare e Cervantes) e a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco de Vila Nova de Famalicão vai assinalar a data na Praceta Cupertino de Miranda com uma Oficina Criativa, pelas 11h00, e a Histórias Encenadas, pelas 15h00.

Biblioteca Camilo Castelo Branco (58).JPG

A iniciativa insere-se na realização da Maratona da Biblioteca, que arranca já amanhã, quinta-feira e decorre até domingo com inúmeras atividades dirigidas aos vários públicos do concelho. Destaque para a sessão de Letrinhas para Bebés; a Leitura Encenada “Conhecer Sophia: A menina do mar” dinamizada por Ana Maia e Susana Pires; a oficina “O meu zbiriguidófilo” e a sessão de cinema com a exibição do filme “Cegonha”.

De 20 a 23 de abril decorrerá ainda uma Feira de Livro que conta com a colaboração da Livraria Fontenova.

Veja o programa da Maratona da Biblioteca aqui http://bit.ly/2njbEqk

Cartaz-Dia-Mundial-do-Livro_web (1).jpg

MUNICÍPIO FAMALICENSE EDITA ESTUDO SOBRE OS PARTIDOS POLÍTICOS EM FAMALICÃO DURANTE A I REPÚBLICA

Obra da autoria de Amadeu Gonçalves é trabalho de filigrana sobre a história local famalicense

“Um importante contributo para a história de um concelho, cujo presente merece que a sua memória se avive, que merece que os seus antepassados façam parte não apenas do seu presente, mas também do seu futuro, porque, mesmo nas suas divergências, foram, em geral, mais altruístas que egoístas, combateram mais pelo futuro do concelho do que pelo seu; e este desiderato só o perseguem as mais nobres e exemplares aspirações”. Em resumo, é este um dos grandes méritos do livro “Os Partidos Políticos e a I República: o caso de Vila Nova de Famalicão”, de Amadeu Gonçalves, que foi lançado na sexta-feira, dia 31 de março, no Museu Bernardino Machado.

Paulo Cunha reforçou a importância da obra pelo contributo que dá a um m....jpg

As palavras de Norberto Cunha, coordenador científico do Museu Bernardino Machado, que apresentou a obra, deixam bem claro a importância do “verdadeiro trabalho de filigrana que Amadeu Gonçalves teve para preencher os vazios e juntar as pontas da história local” sobre a mundividência partidária que existiu em Vila Nova de Famalicão no período em que surgiu a primeira Comissão Municipal do Partido Republicano Português, evidenciando-se as marcas que os debates ideológicos e as cisões que marcaram a nível nacional a Monarquia e a I República deixaram na organização partidária municipal.

O Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, marcou presença na cerimónia e reforçou a importância da obra pelo contributo que dá “a um maior conhecimento da história política local, fortalecendo também uma maior compreensão das estruturas partidárias à luz dos nossos dias”.

O edil justifica assim a edição da obra assumida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão acreditando que “desta forma, estamos também a incentivar as gerações atuais para que aprofundem o conhecimento e o estudo da história da sua terra, visando a criação de uma verdadeira consciência cívica e de uma forte autonomia municipal”.

A obra pode ser adquirida no Museu Bernardino Machado e consultada na rede municipal de bibliotecas públicas de Vila Nova de Famalicão.

ABRIL É O MÊS DO LIVRO EM FAMALICÃO

Biblioteca Municipal assinala Dia Internacional do Livro Infantil já no próximo domingo

Abril é o mês do livro. É neste mês que se comemoram duas importantes datas: o Dia Internacional do Livro Infantil, já no próximo domingo, 2 de abril (aniversário do nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen) e o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, a 23 de abril (aniversário da morte dos escritores Shakespeare e Cervantes).

cartaz portugues.jpg

A Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, em Vila nova de Famalicão, associa-se a estas comemorações com a realização da Maratona da Biblioteca.

Assim, já no próximo domingo, a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco estará presente na Praceta Cupertino de Miranda, no centro da cidade, com um programa cultural dirigido às famílias e ao público geral. Durante o dia decorrerão oficinas na Praça, alusivas ao livro e à leitura, e durante a tarde haverá uma sessão de contos intitulada “Sortido de contos”, dinamizada pela contadora de histórias Virgínia Millefiori.

De 20 a 23 de abril, o programa de atividades da Maratona da Biblioteca será dirigido aos vários públicos do concelho, de onde se destaca a sessão de Letrinhas para Bebés; a Leitura Encenada “Conhecer Sophia: A menina do mar” dinamizada por Ana Maia e Susana Pires; a oficina “O meu zbiriguidófilo” e a sessão de cinema com a exibição do filme “Cegonha”. Na Praceta Cupertino de Miranda decorrerão: a oficina “No dia de S. Jorge, uma rosa e um livro” e o espetáculo “Uma noiva bela, belíssima”, dinamizado e interpretado por Cláudia Stattmiller e Pedro Figueira, da START-TEATRO. De 20 a 23 de abril decorrerá ainda uma Feira de Livro que conta com a colaboração da Livraria Fontenova.

Veja o programa da Maratona da Biblioteca aqui http://bit.ly/2njbEqk

Cartaz-Dia-Mundial-do-Livro_web.jpg

AMADEU GONÇALVES PUBLICA LIVRO SOBRE OS PARTIDOS POLÍTICOS OS PARTIDOS POLÍTICOS EM FAMALICÃO DURANTE A I REPÚBLICA

Obra da autoria de Amadeu Gonçalves é lançada esta sexta-feira à noite no Museu Bernardino Machado

A mundividência partidária que existiu em Vila Nova de Famalicão no período em que surgiu a primeira Comissão Municipal do Partido Republicano Português é o tema em análise no livro “Os Partidos Políticos e a I República: o caso de Vila Nova de Famalicão”, que vai ser lançado esta sexta-feira, dia 31 de março, pelas 21h30, no Museu Bernardino Machado.

image001famrepliv.jpg

A obra, da autoria do famalicense Amadeu Gonçalves, evidencia as marcas que os debates ideológicos e as cisões que marcaram a nível nacional a Monarquia e a I República deixaram na organização partidária municipal.

“As comissões municipais do Partido Republicano Português em Famalicão, para além das cisões locais e nacionais (estas últimas com reflexo municipal), passaram por alguns momentos de crise de identidade. Desde logo com a organização concelhia dos monárquicos - uma mescla de dissidentes republicanos, conservadores e católicos - com o sidonismo, ou com outras organizações políticas municipais, como foi o caso da União Operária Famalicense, em 1911”, adianta Amadeu Gonçalves.  

No prefácio do livro, o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, explica que “a edição deste importante estudo vem contribuir para um maior conhecimento da história política local, fortalecendo também uma maior compreensão das estruturas partidárias à luz dos nossos dias”.

O edil acredita ainda que “desta forma, o Município de Vila Nova de Famalicão está também a incentivar as gerações atuais para que aprofundem o conhecimento e o estudo da história da sua terra, visando a criação de uma verdadeira consciência cívica e de uma forte autonomia municipal”.

Refira-se ainda que para além do lançamento da obra, a sessão desta sexta-feira à noite ficará também marcada pela inauguração de uma exposição com o mesmo nome, que ficará patente no Museu Bernardino Machado até ao dia 7 de maio.

DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRUXELAS LIVRO DEDICADO À EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 24 de março (sexta-feira), foi apresentado na capital da Europa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

© Tony Da SIlva _ LusoProductions 1.jpg

Da esquerda para a direita, o historiador Daniel Bastos, a socióloga Maria Beatriz Rocha-Trindade, o embaixador António Alves Machado, o fotógrafo Gérald Bloncourt e o editor Joaquim Pinto da Silva

 

A obra, concebida pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a gesta da emigração lusitana para França nos anos 60 e 70, foi apresentada na Embaixada de Portugal em Bruxelas, numa sessão que encheu a Sala Damião de Goes, e que esteve a cargo do editor da Orfeu, Joaquim Pinto da Silva, e da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

O livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com posfácio da petite portugaise Conceição Tina, e prefaciado pelo reputado pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

No decurso da sessão, que contou com a presença do consagrado fotógrafo, e vários representantes da comunidade e diplomacia portuguesa na capital da Europa, como o Embaixador de Portugal na Bélgica, António Vasco Alves Machado, e a coordenadora da rede de ensino na Bélgica, Carina Gaspar, todos foram unânimes em considerar que as fotografias de Gérald Bloncourt retratam um período marcante da história da emigração portuguesa. Segundo Daniel Bastos, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade”.

Refira-se que a sessão de apresentação incluiu uma prova de vinho de Porto, um produto emblemático da cultura portuguesa, promovida pela De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho, uma empresa portuguesa sediada na Bélgica que se dedica à distribuição de produtos nacionais.

© Tony Da SIlva _ LusoProductions 2.jpg

POLÍCIA MARÍTIMA PROTEGE PORTUGAL NO MAR

O Dia do Livro Português foi criado pela Sociedade Portuguesa de Autores, para destacar a importância do livro e da língua portuguesa ao nível mundial. Foi definido o dia 26 de março, por ter sido neste dia que, em 1487, foi impresso o primeiro livro em Portugal, o “Pentateuco”, escrito em hebraico.

Associando-se a este dia, a AMN lançou no passado dia 20 de março, o livro “Polícia Marítima – Proteger Portugal no mar”. Com este livro pretende a Autoridade Marítima Nacional assinalar o passado histórico e as atividades da Polícia Marítima ao longo dos tempos, registando o seu valioso contributo ao serviço dos portugueses e do País.

17362936_710207435819478_3146395442742659817_n.jpg

MUNICÍPIO DE BARCELOS OFERECE MAIS DE DOIS MIL LIVROS ÀS BIBLIOTECAS ESCOLARES

Encontro com escritores, sessões de teatro, leituras em família, oficinas de escrita e sessão poética animada pelas ruas da cidade são algumas das atividades previstas
A Semana da Leitura de Barcelos arranca com a entrega de mais de dois mil livros às Bibliotecas Escolares concelhias, pela Câmara Municipal, numa cerimónia a decorrer na Escola Rosa Ramalho, na segunda-feira, dia 27, pelas 10h30, com a presença da Vice-Presidente, Dr.ª Armandina Saleiro. Um programa criado para tornar estes sete dias em dias de leitura obrigatória, onde será impossível “fugir” do livro ou das palavras. Encontro com escritores, sessões de teatro, leituras em família, oficinas de escrita e sessão poética animada pelas ruas da cidade são algumas das atividades previstas para os dia 27 a 31 de março.

bbbbbbbb.PNG

As Bibliotecas Escolares concelhias vão receber mais de dois mil livros oferecidos pela Câmara Municipal, numa cerimónia a decorrer na Escola Rosa Ramalho, na segunda-feira, pelas 10h30, com a presença da Vice-Presidente Dr.ª Armandina Saleiro.

Os escritores Paulo Azevedo, Maria Isabel Fidalgo, Isaura Queirós, Rui Sousa Basto, Sandra Cruz e Cidália Fernandes marcam presença na Semana da Leitura que se vai realizar, em Barcelos, de 27 a 31 de março.

Durante a semana, realizar-se-ão ainda sessões de teatro, leituras em família, ateliês e oficinas de escrita em várias bibliotecas e escolas. O centro histórico vai acolher uma sessão poética animada, "Versos à Solta", com alunos e professores a declamarem pelas ruas da cidade.

A Semana da Leitura termina com o espetáculo "Pequenos Grande Poetas", no dia 31 de março, pelas 21h, no auditório dos Paços do Concelho, em que vão participar alunos de todos os agrupamentos de escolas concelhios, desde o pré-escolar até ao ensino secundário. Serão selecionados o melhor poema inédito e a melhor declamação.

JOSÉ MANUEL FERNANDES LANÇA EM FAMALICÃO GUIA EUROPEU PARA O MINHO

Novo livro do eurodeputado do PSD apresentado sexta-feira, 17 de fevereiro, pelas 18h30, na Casa das Artes, com a presença de Paulo Cunha

José Manuel Fernandes, eurodeputado do PSD natural de Vila Verde, lança na próxima sexta-feira, 17 de fevereiro, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o seu novo livro. “Pela Nossa Terra – Minho 2017” tem como temas centrais os novos desafios da União Europeia e o Plano Juncker, a par de um olhar sobre a realidade atual da região minhota. Será apresentado por Francisco Assis, deputado ao Parlamento Europeu e cabeça-de-lista do PS nas últimas eleições europeias, numa sessão agendada para as 18h30 e que conta também com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha.

José Manuel Fernandes.jpg

Ao longo das 288 páginas do livro, José Manuel Fernandes disponibiliza informação, suscita o interesse e provoca a reflexão sobre matérias relevantes para a atualidade da União Europeia (EU) e da região. Entre os temas europeus focados estão o Brexit, o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) – o chamado Plano Juncker – e a realidade orçamental da UE.

Numa altura em que, como refere o autor, “atingimos o ‘pico’ do movimento global nacionalista” e em que “o mundo está cada vez mais imprevisível e perigoso”, José Manuel Fernandes avisa que este “este é o momento da UE unir-se”. Relator do Parlamento Europeu para o reforço do FEIE, o eurodeputado aponta o Plano Juncker como “um exemplo objetivo da capacidade da União Europeia em encontrar respostas e mecanismos comuns para superar as dificuldades”. E destaca a “oportunidade” que este fundo “representa para Portugal e para a região do Minho”, onde tem “incentivado a união de vontades e a parceria de projetos e candidaturas”.

Esta publicação, de edição anual e lançada pela primeira vez em 2011, fornece informações sobre todos os concelhos do Minho. A edição deste ano evidencia números do INE sobre o envelhecimento da população e a diminuição demográfica, “dois grandes desafios que a Europa e Portugal enfrentam e aos quais a Estratégia Europa 2020 procura também dar resposta”, sublinha o eurodeputado.

Em quatro anos, o Minho perdeu quase 20 mil pessoas entre a população residente, sendo o fenómeno agravado pela baixa natalidade. A imigração também não ajudou a travar o fenómeno de perda de população no Minho, com o número de estrangeiros que pedem residência na região a cair.

Na publicação são igualmente partilhadas informações de agenda e respetiva calendarização, onde se incluem as festas e romarias da região, as comemorações dos dias internacionais e citações de diferentes autores, juntamente com definições do Dicionário de Termos Europeus – uma obra em permanente atualização e que é coordenada pelo também eurodeputado social democrata Carlos Coelho.

Paulo Cunha com José Manuel Fernandes.jpg

VIMARANENSE MANUELA TEIXEIRA APRESENTA EM GUIMARÃES LIVRO SOBRE BOAS PRÁTICAS DE ENVELHECIMENTO

Biblioteca Raul Brandão recebe apresentação de livro sobre boas práticas de envelhecimento

Vimaranense Manuela Teixeira apresenta obra ao final da tarde desta terça-feira. Médico José Pinto da Costa presente na sessão pública de um livro que destaca boas práticas gerontológicas.

Livro_Olhares_Que_Falam.jpg

A Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, recebe esta terça-feira, 07 de fevereiro, às 18 horas, a apresentação do livro “Olhares Que Falam”, da vimaranense Manuela Teixeira. A obra, com prefácio do médico José Pinto da Costa e posfácio do Presidente do Município de Guimarães, Domingos Bragança, tem por objetivo sensibilizar para a importância da contextualização social do envelhecimento.

Mestranda em Gerontologia Social pelo Instituto Superior de Serviço Social do Porto, a autora, que lança o seu segundo livro depois de “Novas Competências para Novas Exigências no Cuidar”, procura dar um contributo à reflexão no quadro das boas práticas gerontológicas. «Transformar o desafio do envelhecimento em oportunidades é uma das maiores tarefas do nosso século», considera Manuela Teixeira.

Ao longo das 105 páginas do livro, pretende-se compreender a dimensão do fenómeno do envelhecimento enquanto realidade social. O principal desafio consiste em valorizar um conjunto de iniciativas em torno da questão do envelhecimento ativo e criar um quadro de promoção e divulgação de novas iniciativas e parcerias, permitindo aos idosos usufruir do processo de envelhecimento.

PONTE DE LIMA APRESENTA O LIVRO "O VINHO NO TEMPO DA GUERRA"

“O Vinho no Tempo da Guerra – O Dão, o Douro e os Vinhos Verdes nas Fotografias da Casa Alvão” – Apresentação no CIPVV – Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde – Ponte de Lima em 27 de janeiro – 18h30

livrovinho.png

Realiza-se no CIPVV – Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde amanhã, 27 de janeiro, às 18h30, a apresentação do livro “O Vinho no Tempo da Guerra – O Dão, o Douro e os Vinhos Verdes nas fotografias da Casa Alvão.”

Esta obra reúne uma parte dos importantes espólios de fotografias da Casa Alvão conservados na CVRVV - Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, na Comissão Vitivinícola Regional do Dão e no Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto. Esse espólio foi editado por Adriano Miranda e é completado com textos de António Barreto e Manuel Carvalho.

O CIPVV – Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde, está instalado na Casa Barbosa Aranha, em pleno Centro Histórico, um espaço dinamizado em parceria pelo Município de Ponte de Lima e a CVRVV, sendo esta uma estrutura abrangente que incorpora elementos alusivos à diversidade e identidade das nove Sub-regiões em que atualmente se subdivide a Região Demarcada dos Vinhos Verdes, na perspetiva da promoção do vinho e divulgação do património vitivinícola.

MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA PROMOVE LIVRO DE ESTREIA DE VICTOR LEITÃO DA CUNHA

O Município de Ponte de Lima promove a apresentação do livro “Poemas do amor e do cosmos”, da autoria de Victor Leitão da Cunha, no próximo sábado, 28 de janeiro, pelas 15h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

poemasplim.jpg

A obra marca a estreia literária do autor ponte-limense, que apresenta mais de 80 poemas, de sequência aleatória, destinados a permitir uma interpretação livre do tempo, espaço e conteúdo das composições poéticas coligidas. Refletindo sobre o amor, o casamento, os conflitos familiares, a demagogia política, a corrupção, a morte e a fé – temas do quotidiano de interesse universal e intemporal - Victor Leitão de Barros recorre a frases curtas, termos e expressões – algumas delas do âmbito popular – na convicção de que o entendimento pleno da palavra escrita deve ser apanágio de todos os leitores.

Celebre a poesia em Português e compareça no lançamento da obra “Poemas do amor e do cosmos”, de Victor Leitão da Cunha.

Sobre o autor:

Natural de Ponte de Lima, onde nasce a 24 de setembro de 1945, Victor Leitão da Cunha faz os estudos elementares na vila, seguindo depois em regime de internato para o Liceu Sá de Miranda, em Braga. Transfere-se mais tarde para o Colégio D. Diogo de Sousa, na mesma cidade, onde conclui o liceu. A pretensão de cursar Direito leva-o à Universidade de Coimbra, mas a convocação para o serviço militar obriga-o a adiar os estudos superiores. No entanto, um acidente ocorrido na fase da recruta, força-o a abandonar a tropa e a regressar à academia coimbrã, muito embora não termine a licenciatura. Concorre à Caixa Geral de Depósitos, onde exerce funções administrativas até aos 55 anos, altura em que se reforma.

A paixão pela escrita revela-se desde cedo, tendo o autor colaborado com os jornais Cardeal Saraiva e Correio do Minho.

Lança agora “Poemas do amor e do cosmos”, obra que redige em conformidade com a antiga grafia por se declarar contrário ao acordo ortográfico vigente.

 

ESCRITOR LUÍS FERREIRA APRESENTA EM BARCELOS O LIVRO "O PEREGRINO"

No próximo dia 28 de janeiro de 2017, pelas 21h30, Luís Ferreira estará em Barcelos (Salão Nobre dos Paços do Concelho) para apresentação do seu mais recente livro "O Peregrino".

28JAN2017_OPeregrino_LuisFerreira.jpg

A apresentação do livro tem o apoio do autor, do Município de Barcelos, da Capital Books, da "Bênção do Peregrino em Barcelos" e da Associação ACB - Albergue Cidade de Barcelos.

A entrada é livre e não carece de inscrição.

Contamos com a vossa presença e apoio na divulgação!

Evento disponível no Facebook aqui:

Bênção do Peregrino em Barcelos (Igreja de Santo António de Barcelos) e Associação ACB - Albergue Cidade de Barcelos

"O Peregrino"

O Caminho de Santiago tornou-se um itinerário espiritual e cultural de primeira ordem, que é percorrido por milhares de pessoas todos os anos, que afluem a Santiago de Compostela desde o século IX. Ao longo do caminho a experiência torna-se uma reflexão que convida à busca de si mesmo.

"Uma aventura emocionante, de cortar a respiração, o livro mais próximo do Caminho de Santiago."

Diogo Filipe um prestigiado CEO de uma empresa de consultoria financeira, um homem que possui tudo, embarca nesta viagem para redescobrir a sua natureza e acaba por descobrir o seu maior medo. "O Peregrino" relata a transformação do viajante incomum, retratado na viagem desde León até Santiago de Compostela.

Sobre o autor, Luís Ferreira

Autor do livro "Entre o silêncio das pedras", um dos romances com que conquistou os leitores, tornando-se num dos livros mais lidos sobre o Caminho Português de Santiago. Nascido em 1970 no Barreiro, mudou-se para Alcochete onde reside atualmente. Começou a sua carreira literária com poesia, tendo publicado diversas obras.

CARDEAL SARAIVA CHEGA À BANDA DESENHADA

Município de Ponte de Lima lança livro infantil sobre Cardeal Saraiva

No quadro das comemorações dos 250 anos sobre o nascimento de Frei Francisco de São Luís (1766-2016), o Município de Ponte de Lima publica livro infantil sobre a vida e obra do ilustre cardeal Saraiva e congratula-se com a oferta da obra intitulada Teresa numa viagem ao tempo do Cardeal Saraiva aos estabelecimentos de ensino do concelho.

teresa.jpg

Trata-se de mais uma edição de propósito lúdico-didático que visa dar a conhecer personalidades e factos de relevância para a história local.

Neste caso particular pretende-se divulgar o importante legado religioso, cultural e político de Frei Francisco de São Luís – o ilustre Cardeal Saraiva – através de uma narrativa simples e concisa que congrega os principais momentos da vida e obra do religioso beneditino. Convidados a uma viagem no tempo, os leitores acompanharão Teresa em mais uma aventura, que promete desvendar o essencial quer da figura visada, quer dos factos ocorridos à época.

Como tem sido apanágio de algumas edições de Teresa, o livro proporciona ainda um glossário de termos e de eventos de utilidade para a compreensão da narrativa e do período traçado.

Bem hajam e boas leituras!

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS EDITA LIVRO DE FERNANDO CASTRO E SOUSA

Apresentação do livro “Murmúrios do Olhar”, de Fernando Castro e Sousa, editado pelo Centro de Estudos Regionais

No próximo dia 26 de Novembro (sábado), a Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, acolhe o lançamento do livro “Murmúrios do Olhar”, de Fernando Castro e Sousa. A apresentação estará a cargo do Professor Doutor Salvato Trigo.

Murmu¦ürios Olhar - facebook.jpg

“Murmúrios do Olhar” é um livro de poesia, editado pelo Centro de Estudos Regionais, composto por 84 páginas, com prefácio de Flora Silva e arranjo gráfico de Rui Carvalho, que inaugura a coleção CER Ramos/Poesia. Fernando Castro e Sousa é um autor, radicado em Viana do Castelo, que publicou os livros de poesia

“Enquanto Respiro” (1985), “Memória da Água” (1988, com 2ª. edição em 1990) e “A Sedução do Pólen” (2014, com 2ª. edição em 2015). Fundou e dirigiu a revista "Edévia", da Escola Desportiva de Viana. Organizou o Concurso de Quadras das Festas d'Agonia, de 1987 a 2010, no jornal "A Aurora do Lima". Tem colaborado em vários jornais e revistas da região, nomeadamente nos Cadernos Vianenses, O Anunciador das Feiras Novas, A Falar de Viana, Farol e Mea Libra. Está referenciado na Antologia dos Poetas do Alto Minho (1987), A Poesia Vianense no Último Quartel do Séc. XX (2005), Cadernos Vianenses (Tomos 29, 30 e 36) e Biblioteca Virtual do Alto Minho. A sessão é pública.

PONTE DE LIMA APRESENTA AMANHÃ OBRA SOBRE O CYBERBULLYING

O livro “Cyberbullying: um guia para pais e educadores”, da autoria de Sónia Seixas, Luís Fernandes e Tito de Morais, é apresentado na próxima sexta-feira, 18 de novembro no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima às 21h00.

Trata-se da primeira obra lançada sobre este fenómeno de agressão emocional sistemática e intencional no espaço virtual, que pretende ajudar a identificar, prevenir e combater potenciais ações de cyberbullying, promovendo ao mesmo tempo uma utilização segura e consciente do ciberespaço.

Venha conhecer um livro de atualidade e pertinência temáticas para jovens, pais e educadores e compareça na sessão de apresentação da obra.

A entrada é gratuita. Esperamos por si!

CARTAZ FINAL3 (Medium) (2).jpg

PONTE DE LIMA APRESENTA OBRA SOBRE CYBERBULLYING

O livro “Cyberbullying: um guia para pais e educadores”, da autoria de Sónia Seixas, Luís Fernandes e Tito de Morais, é apresentado na próxima sexta-feira, 18 de novembro no Auditório Municipal de Ponte de Lima às 21h00.

CARTAZ FINAL3 (Medium).jpg

Trata-se da primeira obra lançada sobre este fenómeno de agressão emocional sistemática e intencional no espaço virtual, que pretende ajudar a identificar, prevenir e combater potenciais ações de cyberbullying, promovendo ao mesmo tempo uma utilização segura e consciente do ciberespaço.

Venha conhecer um livro de atualidade e pertinência temáticas para jovens, pais e educadores e compareça na sessão de apresentação da obra.

A entrada é gratuita.

PRIMEIRO VOLUME DE “A DOÇARIA PORTUGUESA” LANÇADO EM GUIMARÃES

É o maior inventário de doces portugueses

Guia é também uma enciclopédia que mostra as mãos habilidosas dos doceiros que preservam tradições. Tortas de Guimarães e Toucinho-do-céu fazem parte do retrato único da atual realidade doceira de Portugal.

Guimaraes_Doces_Livro.JPG

O lançamento do primeiro de cinco volumes do maior inventário de doces portugueses, uma obra com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães, decorreu no Museu de Alberto Sampaio. A edição retrata as atuais especialidades doceiras de cada concelho nortenho, num total de mais de 150 doces, com um estudo bibliográfico que acompanha a informação recolhida no terreno por Cristina Castro, onde estão 148 fotografias de Gonçalo Barriga e 8 ilustrações da autoria de Ana Gil.

De origem popular ou conventual, antigos ou recentes, famosos ou pouco conhecidos, os doces incluídos no livro traduzem uma investigação em busca das suas origens, das histórias de quem os faz e dos locais onde prová-los. «O melhor guia para adoçar as nossas viagens», considera Isabel Fernandes, diretora do Museu e do Paço dos Duques, que apresentou a publicação composta por 312 páginas, que retratam 200 produtores de 60 concelhos do Norte, seguindo-se agora as edições Centro Norte, Centro Sul, Sul e Ilhas.

«Este livro, que é seguramente uma mais-valia para o nosso território, demonstra que os doces têm alma e que fazem parte do nosso património e da nossa cultura», referiu, em representação da Câmara Municipal, o vereador José Bastos, que enalteceu a «paixão e a harmonia» colocadas neste trabalho. «Procurei receitas originais que usassem produtos locais», justificou a autora, considerando que «um inventário deste género nunca está completo». «Provei os doces todos, mas não deu para engordar, porque também andei muito», disse, entre sorrisos.

A coleção “A Doçaria Portuguesa”, composta por cinco volumes, visa facultar ao público o mais abrangente inventário da doçaria portuguesa contemporânea. A investigação é desenvolvida por Cristina Castro, responsável pelo projeto “No Ponto” (noponto.pt), em parceria com uma equipa multidisciplinar e com a orientação do gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes e da historiadora Isabel Fernandes. «Ficaremos com o melhor inventário que, seguramente, alguma vez foi efetuado para esta atividade tão poética como são os nossos doces», escreveu no prefácio do livro o conhecido cronista, que irá apresentar a obra em Lisboa esta quarta-feira, 16 de novembro, na Escola de Turismo de Portugal.

LIVRO "A DOÇARIA PORTUGUESA" DESTACA OS DOCES DE ARCOS DE VALDEVEZ

Livro "A Doçaria Portuguesa · Norte" apoiado pela Câmara Municipal

A Câmara Municipal apoiou a edição do primeiro volume da coleção “A Doçaria Portuguesa”. Este trata-se do 1.º volume do maior inventário de doces portugueses contemporâneos, com textos explicativos, fotografias, e contactos dos produtores.

Rebuçados dos Arcos.jpg

O presente volume, Norte, retrata as atuais especialidades doceiras de cada concelho nortenho, num total de mais de 150 doces, com um rigoroso estudo bibliográfico que acompanha a informação recolhida in loco, tendo Arcos de Valdevez marcado presença neste volume a Doçaria Central, com os “Charutos de Ovos” e os “Rebuçados dos Arcos”, e a doceira Rosa Maria, com o “Bolo de Discos”.

De referir ainda que a coleção A Doçaria Portuguesa, composta por cinco volumes, visa facultar ao público o mais abrangente inventário da doçaria portuguesa contemporânea.

A investigação é desenvolvida por Cristina Castro, responsável pelo projeto No Ponto (noponto.pt), em parceria com uma equipa multidisciplinar e com a orientação do gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes e da historiadora Isabel Fernandes.

Com este apoio a Autarquia de Arcos de Valdevez pretende promover a doçaria tradicional arcuense e dar mais um contributo para o desenvolvimento do Turismo e do comércio locais.

Bolo de Discos 2 - Cópia.jpg

charutos_002 - Cópia.jpg

_ConviteHNoPonto.jpg

GUIA SOBRE CYBERBULLYING APRESENTADO EM PONTE DE LIMA

O primeiro livro lançado em Portugal sobre o cyberbullying – fenómeno de agressão emocional sistemática e intencional que ocorre no “quadro de ubiquidade da Internet e da comunicação digital”1 – vai ser promovido pelo Município de Ponte de Lima e apresentado no próximo dia 18 de novembro, nas Bibliotecas Escolares de Freixo e de Arcozelo, e no auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, em três sessões distintas agendadas para as 09h30, 14h30 e 21h00, respetivamente.

CARTAZ FINAL3 (Small)plim (1).jpg

Intitulado “Cyberbullying: um guia para pais e educadores”, da autoria de Sónia Seixas, Luís Fernandes e Tito de Morais, o livro pretende alertar para um problema que atinge entre 10 a 20% dos jovens portugueses e que, pela sua natureza e especificidade, pode deixar marcas psicológicas profundas nas suas vítimas.

A obra será apresentada por um dos autores, Tito de Morais, que desenvolve na Internet o projeto Miúdos Seguros Na.Net (http://www.miudossegurosna.net) para uma utilização mais cautelosa e consciente do ciberespaço, “mormente das redes sociais, das salas de chat [ou conversação], das plataformas digitais e das aplicações de comunicação nos telemóveis2

Um livro oportuno, muito útil a jovens, pais e educadores - segundo Daniel Sampaio, prefaciador da obra - que merece ser amplamente divulgado e debatido por ajudar a identificar, prevenir e combater potenciais ações de cyberbullying.

ARMANDO CALDAS APRESENTA EM BARCELOS LIVRO DE CANÇÕES DE SUA AUTORIA

Livro “Enquanto o Amanhã nos Tiver” de Armando Caldas apresentado na Biblioteca Municipal de Barcelos

Dia 29 de outubro, na Biblioteca Municipal de Barcelos

A Biblioteca Municipal de Barcelos foi o local escolhido por Armando Caldas para apresentar o seu último livro “Enquanto o Amanhã nos Tiver”, no dia 29 de outubro, às 17h.

O livro reúne poemas que mais não são do que as letras das canções compostas pelo autor, durante o período compreendido entre 1999 e 2015, e ao mesmo tempo será apresentado também o CD “30 Anos em Canções”.

Apresentarão o autor e o livro as escritoras Fernanda Santos e Maria do Céu Nogueira.

Armando Emílio da Costa Caldas nasceu em Arcos de Valdevez em 27 de junho de 1965. Em 1982 começou a escrever as suas primeiras canções. No ano seguinte, vai para Coimbra, onde se licenciou em Medicina, concluindo, em 1998, a especialidade em Ortopedia. Desde 2003 que reside em Braga, exercendo a sua atividade profissional no Hospital de Santa Maria Maior de Barcelos.

É autor dos seguintes livros: “Antes de Mais”, com CD (1999), “Adeus 2000”, com CD (2001), “O Céu Traído”, com CD (2003), “Braga 2005”, coletânea com bandas da região de Braga (2005), “Memórias de uma Família do Minho” e o CD “20 Anos em 20 Canções” (2006), “Braga 2008” e Braga 2015”, coletâneas com bandas da região de Braga (2015).

PAULA RUIVO APRESENTA LIVRO SOBRE O BULLYNG EM PONTE DE LIMA

Casa cheia na apresentação do último livro de Paula Ruivo

O Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL) encheu para a apresentação da mais recente produção literária da escritora Paula Ruivo – “Não quero ser o que sinto…” - obra que reflete sobre a temática do bullying em contexto escolar nas suas mais variadas manifestações. O lançamento do livro, que decorreu no sábado passado, dia 15 de outubro, abriu com um momento musical, da responsabilidade de alunos da Academia de Música Fernandes Fão de Ponte de Lima.

Biblioteca_ (Small)pli.JPG

Seguiu-se a leitura alternada de excertos da obra por professores e estudantes da Escola Secundária de Ponte de Lima, que permitiu aos presentes o entrosamento com as personagens da história.

Em intercalação com os cinco textos lidos, procedeu-se a uma análise informal do livro. Ana Carneiro, diretora da BMPL, destacou a relevância e a atualidade temáticas de “Não quero ser o que sinto…”, sublinhou a escrita fluída, acessível e estimulante da autora, realçou a completitude da narrativa que dá a conhecer o bullying sob a perspetiva das vítimas, dos agressores e das testemunhas e aplaudiu a dedicação e a coragem da escritora que saiu da sua zona de conforto – a literatura infantil – para tratar de um assunto de grande complexidade.

Um dos momentos mais emotivos do evento, que contou com a presença do Dr. Paulo Sousa, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Ponte de Lima, resultou da adaptação musical de um poema composto por Paula Ruivo, com o título homónimo da obra, que enterneceu os presentes.

A pertinência do tema e a noção de que a escola deve fomentar o respeito pela heterogeneidade e pela individualidade dos alunos, apostando em ações de prevenção e de intervenção em sala de aula, ou em qualquer outro espaço educativo ou recreativo, levaram a escritora Paula Ruivo às Bibliotecas Escolares de Ponte de Lima, nos dias 17, 18, 19 e 20 de outubro, para apresentação e debate em torno da sua mais recente criação literária.

PROFESSOR RUI NUNES APRESENTA EM BRAGA O LIVRO "DEMOCRACIA E SOCIEDADE"

‘Democracia e Sociedade’ desafia portugueses a uma cidadania mais participativa. Apresentação do livro decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Braga

Interpretar novas concepções para o exercício da política e da cidadania participativa, bem como apresentar propostas objectivas para a sua concretização nos tempos actuais, é o desafio lançado pelo médico e professor catedrático Rui Nunes, através do livro ‘Democracia e Sociedade’, que foi apresentado esta Quinta-feira, 20 de Outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Braga.

CMB20102016SERGIOFREITAS0000003145.jpg

A obra, cuja apresentação contou com a presença de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e da vice-presidente da Câmara Municipal do Porto, Guilhermina Rego, aprofunda o pensamento sociopolítico do autor, que vem defendendo ideias como a realização de eleições primárias para as lideranças dos partidos e a redefinição das funções da Presidência da República.

Para o Autarca Bracarense, esta obra “é um exercício notável de cidadania e muitas das propostas formuladas são extremamente pertinentes”. Segundo Ricardo Rio, a sociedade portuguesa “vive actualmente enormes desafios, nomeadamente ao nível do processo da integração na união europeia ou as políticas desenvolvidas a nível central com implicações nas políticas locais”. Nesse sentido, esta obra “apresenta propostas concretas para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e participativa, onde o estado social assume um papel preponderante”, referiu Ricardo Rio, felicitando o autor pela qualidade das ideias apresentadas.

CMB20102016SERGIOFREITAS0000003147.jpg

Em ‘Democracia e Sociedade’, Rui Nunes leva mais longe o seu pensamento quanto ao novo papel que os partidos políticos devem desempenhar na sociedade portuguesa, ao protagonismo activo que cada cidadão deve assumir cada vez mais na definição do seu futuro individual e colectivo e à reavaliação das instituições estruturantes da sociedade.

Social-democracia, reformas do sistema político e do Estado, revisão constitucional, modelo social europeu, energia, economia, juventude, emprego e competitividade constituem as áreas, entre muitas outras, sobre as quais Rui Nunes se debruça nesta obra. “Tentei fazê-lo de uma forma não hermética e facilmente compreensível pelo cidadão comum, uma vez que o principal objectivo deste trabalho é convocar à reflexão conjunta e contrariar a atitude de desinteresse para que os portugueses tendem no que toca à construção do nosso País e da nossa sociedade”, explicou Rui Nunes.

Editado pela editora Almedina, o livro é promovido pelo Departamento de Ciências Sociais e Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, absorvendo, também, algumas das conclusões saídas dos debates temáticos que Rui Nunes promove por todo o País através do ‘Fórum Democracia e Sociedade’, e ainda das ideias que vem expondo nas colunas que assina regularmente em jornais de referência.

CMB20102016SERGIOFREITAS0000003150.jpg

CMB20102016SERGIOFREITAS0000003153.jpg

PONTE DA BARCA DÁ LUGAR À POESIA

Inocêncio Paulo Moreira apresentou em Ponte da Barca o seu mais recente livro 'Ao Cair da Tarde'

Obra poética, escrita quase na totalidade em terras barquenses, e com poemas dedicados a vários locais do concelho

IMG_8238.JPG

Foi com um auditório repleto de convidados que teve lugar, na noite do passado dia 14 de outubro, a apresentação do mais recente livro de Inocêncio Paulo Moreira "Ao Cair da Tarde", na Casa da Cultura de Ponte da Barca. Na ocasião, Inocêncio Paulo Moreira descreveu a sua poesia como 'muito da alma, metafórica, que nasce em relâmpagos do nada, no indizível, no intangível, e parte para o infinitoÉ uma mistura de Pessoa com Florbela Espanca, Pablo Neruda com Ramos Rosa. É aquilo que eu entendo como o conceito indizível da alma', explicou. O autor salientou ainda que este livro pretende servir como um prefácio de quatro outros livros: 'Três epifanias sairão para o ano. São poemas já muito estruturados, com outra clarividência e raiz poética, enquanto que este está num estado virginal, como saiu da minha cabeça. Entendi que tinha que publicar este antes para que se percebesse a lógica da criação e, sobretudo, a evolução lógica do meu conceito de poesia', frisou.

A apresentação desta obra poética, que se transformou num espaço de tertúlia cultural de homenagem à Poesia e ao Poetas, contou com as intervenções dos também poetas Artur Ferreira Coimbra, autor do prefácio, e Leonor Castro, que assina o posfácio, contando ainda com a presença de João Artur Pinto, Diretor da Editora Labirinto. A noite foi igualmente enriquecida com momentos de leitura de poesia por alguns dos presentes, e um momento musical pelo Grupo Four Armil.

Inocêncio Paulo Moreira é natural de Fafe mas tem por Ponte da Barca, mais concretamente pela freguesia de Entre Ambos-os-Rios, um carinho muito especial, a que chama de 'O meu refúgio da alma', sendo também por isso que na obra agora apresentada, escrita quase na totalidade em terras barquenses, constem alguns poemas dedicados a Ponte da Barca, mais concretamente aquela freguesia, à serra amarela e a outros locais deste concelho.

Entre outros convidados, estiveram presentes a Vereadora da Cultura, Sílvia Manuela Torres, Inocêncio Araújo, que estabeleceu a ponte entre o autor e a Câmara Municipal para a realização desta sessão, e a presidente da Junta da União de freguesias de Entre Ambos-os-Rios, Ermida e Germil, Rosa Reitor.

“TEMPOS DE PESCA EM TEMPOS DE GUERRA”: LIVRO VAI SER APRESENTADO NO NAVIO GIL EANNES

No próximo dia 1 de outubro, pelas 17H00, no Navio Gil Eannes será apresentado o livro “Tempos de Pesca em Tempos de Guerra” de Licínio Ferreira Amado.

capa do livro.png

O livro retrata a história do bacalhoeiro O Maria da Glória, lugre de 3 mastros da praça de Aveiro que foi bombardeado a 5 de Junho de 1942 pelo submarino alemão U-94. Dos seus 44 tripulantes só 8 se salvaram.

“Tempos de Pesca em Tempos de Guerra” dá a conhecer aspectos da pesca do bacalhau nos mares do Atlântico Norte e da tragédia dos referidos tripulantes, mas também constitui, acima de tudo, uma sentida homenagem a todos os Homens do Mar.

PONTE DE LIMA APRESENTA LIVRO SOBRE TOPONÍMIA

Livro “Topónimos da Vila – Ponte de Lima”. Apresentação – 23 de setembro – 17h30

O Município de Ponte de Lima agendou para o dia 23 de setembro, às 17h30, o lançamento do livro “Topónimos da Vila – Ponte de Lima” da autoria de António Barbosa.

ztopolimia.jpg

Trata-se de uma publicação sobre a Toponímia da zona urbana de Ponte de Lima, abrangendo a totalidade da freguesia de Arca e Ponte de Lima, e partes das freguesias da Feitosa, Fornelos e Queijada, Ribeira e Arcozelo.

Neste livro é abordada a origem dos topónimos atribuídos às artérias localizadas na área delimitada no mapa, considerada a zona Urbana de Ponte de Lima.

O autor fez uma investigação, tendo por base a bibliografia disponível, recorrendo ainda a dicionários e a dados disponíveis em sites na internet. Para cada topónimo, é apresentada a sua “história” e uma fotografia ilustrativa do local.

A apresentação da obra estará a cargo da Professora Doutora Alexandra Esteves.

GÉRALD BLONCLOURT APRESENTA NO PORTO LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 20 de agosto, foi apresentado na cidade do Porto o livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

blonc (12).JPG

A obra, concebida e realizada pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, e prefaciada pelo pensador Eduardo Lourenço, foi apresentada no Fórum da Fnac Santa Catarina, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França.

A sessão de apresentação esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade, do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, e da presidente do Observatório dos Luso-Descendentes, Emmanuelle Afonso, que asseguraram que as memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais que compõem o livro constituem um valioso contributo para a história portuguesa do último meio século. 

blonc (13).JPG

No decurso da iniciativa, o nonagenário fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, recordou os laços que estabeleceu com os portugueses nos anos 60 e 70, e a viagem que realizou a Portugal durante a ditadura de Salazar, agradeceu emocionado a todos que apoiaram este livro que convida à memória da epopeia da emigração.

A sessão de apresentação na cidade Invicta incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público no Fórum da Fnac Santa Catarina.

Refira-se que durante a sua estadia no Norte de Portugal, o fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, marcou igualmente presença em sessões de lançamento deste livro bilingue traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que decorreram na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto (12 de agosto), e no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves (14 de agosto).

blonc.JPG

blonc (2).JPG

blonc (3).JPG

blonc (4).JPG

blonc (5).JPG

blonc (6).JPG

blonc (7).JPG

blonc (8).JPG

blonc (9).JPG

blonc (10).JPG

blonc (11).JPG

ESCRITORA FAFENSE MICAELA GREGÓRIO PUBLICA “PALAVRAS GUARDADAS”

Chama-se Micaela Gregório, é natural de Fafe e é uma jovem e promissora escritora. Acaba de publicar o livro “Palavras Guardadas” cuja cerimónia de lançamento teve lugar no passado dia 20 de Agosto, pelas 21:30 na Biblioteca Municipal de Fafe.

m.jpg

A sessão contou com a presença de um representante da Chiado Editora e do professor José Augusto Gonçalves, na qualidade de orador convidado. Trata-se de uma obra de ficção, inserida na coleção “Viagens na Ficção” que aquela editora vem publicando.

Há sempre palavras que ficam por dizer. Numa relação difícil, ainda pior.

Esta é a minha versão da história. A vida injusta vista pelos olhos de uma criança que cresceu sem o carinho de um pai. A vida de uma inocente que cresceu no meio de guerras e discussões e ficou manchada pelos erros que não cometeu.

“Palavras Guardadas” é um livro em que fluem todas as palavras que fui incapaz de dizer diretamente, por medo, por vergonha e por não conseguir enfrentar a pessoa que, durante toda a minha infância, fez da minha casa um inferno.

Aqui deixo os desabafos do meu coração, a minha angústia guardada e todos os meus gritos silenciosos.

MP_PALAVRAS GUARDADAS-01.jpg

GÉRALD BLONCOURT APRESENTA NO PORTO LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No próximo dia 20 de agosto (sábado), é apresentado na cidade do Porto o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

Capa do Livro (1).jpg

A obra, concebida pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado às 17h00 no Fórum da Fnac Santa Catarina.

A apresentação do livro, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, e estará a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade, e do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco.

Contra-capa do Livro (1).jpg

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades do Porto, Lisboa e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

-Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos  (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.).jpg

Segundo Daniel Bastos, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade. Todos eles representados por uma personalidade ímpar que durante mais de trinta anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal”.

Refira-se que o livro é patrocinado por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação no Porto incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal.

Agenda Fnac.jpg

GÉRALD BLONCOURT APRESENTA EM PORTUGAL O OLHAR DE COMPROMISSO COM FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES

No próximo mês de agosto, o Norte de Portugal vai ser placo privilegiado de sessões de apresentação da obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

- Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos   (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.).jpg

O livro, concebido pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado no dia 6 de agosto às 17h30 na Galeria de Artes e Ofícios de Amares; no dia 12 de agosto às 19h00 na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto; no dia 14 de agosto às 17h00 no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves; e no dia 20 de agosto às 17h30 na FNAC Santa Catarina no Porto.

Com exceção da sessão no concelho de Amares, a apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se que esta obra que é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, desde o seu lançamento oficial no início deste ano, foi já apresentada junto das comunidades portuguesas em Paris, Luxemburgo e Toronto. Sendo que a sessão de apresentação no Porto, no dia 20 de agosto, incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Capa do Livro.jpg

Contra-capa do Livro.jpg

HÁ “HISTÓRIAS MATINAIS” NA FEIRA DO LIVRO DE PONTE DE LIMA

As histórias não têm hora certa, pois todos os momentos convidam à leitura. Nesse sentido, a Feira do Livro propõe para a manhã de sábado, 23 de julho, a dramatização de Os sete cabritinhos, obra de Tareixa Alonso inspirada na versão clássica dos irmãos Grimm, mas dotada de nova roupagem na escrita e na ilustração.

histórias_matinais (Small).jpg

Inserido na atividade Histórias Matinais – agendada para as 11h00, no recinto da Expolima - o renovado conto tradicional incluirá, além da narrativa teatralizada sobre as aventuras e desventuras de sete cabritinhos que enfrentam a ameaça de um lobo feroz, um ateliê criativo para maior envolvimento do público infantil.

Visite a Feira do Livro de Ponte de Lima e divirta-se em família.

Esperamos por si!

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DE LIMA DESTACA O LIVRO "BELEZA NATURAL" DE MARIA DO CÉU PAINHAS

Beleza natural, de Maria do Céu Painhas em destaque na Feira do Livro de Ponte de Lima – 23 de julho – 19h00

A obra Beleza natural: cosméticos e tratamentos feitos em casa para todas as idades, da autoria de Maria do Céu Painhas, vai ser lançada no próximo sábado, 23 de Julho, pelas 19h00, na Feira do Livro de Ponte de Lima.

beleza_natural (Small).jpg

Com apresentação de José Aníbal Marinho, o livro - sustentado no poder curativo e regenerador da natureza - ensina a preparar máscaras caseiras para o cabelo, rosto e corpo, disponibiliza um conjunto de tratamentos específicos para combater a celulite, a flacidez, a desidratação da pele, as rugas, o acne e as indesejadas manchas cutâneas, propõe diversos óleos, infusões, peelings e esfoliantes terapêuticos naturais, prescreve um plano de exercícios e introduz práticas de meditação, entre outras sugestões fundamentais para o bem-estar físico e mental do público em geral.

Visite a Feira do Livro e veja o que a natureza pode fazer por si e pela sua saúde!

Sobre a autora:

Doutorada em Ergonomia e Educação, Maria do Céu Painhas, de 49 anos, dedica grande parte do seu tempo à observação da natureza, tendo-se especializado na utilização de técnicas e de produtos naturais na área da cosmética e do bem-estar.

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DE LIMA TEM PIQUENIQUE COM HISTÓRIAS

Feira do Livro de Ponte de Lima propõe Piquenique com Histórias

Imagine uma toalha estendida sobre a relva num belo dia de Verão com histórias para sustento da alma e alimentos para retempero do corpo.

piquenique_com_histórias (Small).jpg

É essa a proposta da XXI Feira do Livro que lança na sexta-feira, 22 de julho, pelas 11h00, Piquenique com Histórias, iniciativa que pretende dar a conhecer ao público infantil três obras de Luísa Ducla Soares num contexto diferente, descontraído e festivo. Enquanto ouvem as histórias cantadas, ou no final da atividade, as crianças poderão saborear o lanche.

Inscreva-se neste piquenique especial e usufrua de momentos únicos.

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DE LIMA TEM A MAGIA DA CINDERELA

Feira do Livro de Ponte de Lima lança Palco de Contos com Cinderela

A clássica e intemporal história de Cinderela é a protagonista de Palco de Contos, atividade dirigida ao público infantil com início marcado para as 18h30 de sexta-feira, 22 de julho.

palco_de_contos (Small).jpg

Num cenário montado para o efeito, o emblemático conto sobre o percurso de uma menina órfã, que subjugada e desprezada pela madrasta e respetivas filhas, supera vários constrangimentos e recupera a alegria de viver, graças ao amor verdadeiro de um Príncipe encantado, promete fazer as delícias das crianças que acorrerem ao recinto da Feira do Livro, na Expolima.

Divirta-se em família e venha viver a magia da história de Cinderela.

BRAGA APRESENTA EM LIVRO ARTE TUMULAR DO CEMITÉRIO DE MONTE D’ARCOS

Obra assinala 146.º aniversário do ‘Campo Sagrado’ Bracarense

 ‘Memorial do Cemitério de Monte D’arcos de Braga - Arte Tumular e seus Eméritos’ é o título do livro que foi apresentado esta Sexta-feira, 1 de Julho, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, e que contribui para a memória futura da história da Cidade e do País.

tumul.jpg

A obra, da autoria da escritora Bracarense Alexandra Maria Ferreira de Castro, conta com uma nota introdutória de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, prefácio do arcebispo primaz, D. Jorge Ortiga, e com o registo fotográfico de D. Lourenço José de Almada.

Segundo a autora, o livro “é o resultado de uma pesquisa intensa e de um trabalho diário exaustivo, desvendando segredos desde 1 de Julho de 1870”, data da inauguração do cemitério de Braga. “Os cemitérios são espaços de devoção e oração, de cultura e de história familiar, patrimonial e artística, onde se pode encontrar verdadeiras obras de arte. Neste livro, é possível comprovar a grande riqueza do cemitério de Braga, onde repousam diversas personalidades, desde as mais conhecidas aos mais comuns, que tiveram um papel fundamental na história da sociedade Bracarense e do País”, referiu.

Trata-se de um livro pioneiro, que se debruça sobre a história do cemitério Bracarense, e que dá destaque, as personalidades de grande relevo religioso, social e político.

Para Ricardo Rio, esta obra um “excelente roteiro para uma visita ao cemitério de Monte D’arcos”. Segundo o Autarca, “é importante prestar as condições de dignidade aos nossos antepassados ali sepultados e, ao mesmo tempo, proporcionar condições de conforto aos que diariamente lhes prestam homenagem”. Nesse sentido, continuou, o Município de Braga tem vindo a “cumprir esse desígnio e, em conjunto com toda a equipa do cemitério, são muitas as benfeitorias e transformações que têm contribuído para melhorar significativamente o funcionamento do cemitério de Braga”.

Uma das necessidades mais prementes prende-se com a construção de um tanatório e Ricardo Rio garantiu que esse projecto será uma realidade muito em breve, uma vez que “já foi assinado o contrato com a empresa concessionária, estimando-se que o tanatório esteja em pleno funcionamento em 2017”.

tumul (2).jpg

tumul (3).jpg

tumul (4).jpg

tumul (5).jpg

BRAGA APRESENTA ARTE TUMULAR DO CEMITÉRIO DE MONTE D’ARCOS EM LIVRO

Obra será apresentada a 1 de Julho

Na próxima Sexta-feira, dia 1 de Julho, será apresentado no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o livro ‘Memorial do Cemitério de Monte D’arcos de Braga - Arte Tumular e seus Eméritos’.

artumul.jpg

A obra, da autoria Alexandra Maria Ferreira de Castro, conta com uma nota introdutória de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e aborda, através da reprodução fotográfica, a Arte Tumular existente Cemitério de Monte D’arcos, definindo-a de grande riqueza patrimonial, histórica e artística.

Trata-se de um livro pioneiro, em que mereceram destaque, as personalidades de grande relevo religioso, social e político, sepultadas, onde são retratados homens e mulheres, uns mais ilustres do que outros mas, que tiveram um papel fundamental na história da sociedade Bracarense e do país, como por exemplo, Fidalgos da Casa Real, Arcebispos, Presidentes da Câmara, Ministros, escritores, heróis da pátria, negociantes, entre muitos outros.

Os cemitérios são Museus ao ar livre, que devem ser visitados sem preconceitos. São espaços de oração, de respeito, de devoção, de dor e de cultura, nesse sentido, todos interessados a marcarem presença na cerimónia pública de apresentação da obra que está agendada para as 17h00 de Sexta-feira, dia 1 de Julho.

FEIRA DO LIVRO DE BARCELOS COMEMORA CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE VERGÍLIO FERREIRA

De 1 a 10 de julho na Avenida da Liberdade, Largo da Porta Nova e Campo 5 de Outubro

O mês de julho principia com a abertura da 34 edição da Feira do Livro de Barcelos. Uma panóplia de escritores, propostas culturais e literárias, animação, concertos e atividades infanto-juvenis marcarão presença na Avenida da Liberdade, Largo da Porta Nova e Campo 5 de Outubro de 1 a 10 de julho.

São mais de 70 editoras espalhadas por cerca de 20 expositores que se apresentam nesta edição, ano em que se comemora o centésimo aniversário do nascimento de Vergílio Ferreira.

A 34ª edição da Feira do Livro de Barcelos decidiu homenagear o escritor transmontano e lembrar a sua obra, numa tertúlia com Cândido Martins, professor de Literatura da Universidade do Minho, no dia 6 de julho, às 21h30. Mas as novidades não ficam por aqui. Pedro Chagas Freitas, o autor português do momento, apresenta o seu livro “Prometo Perder”, no dia 9, às 21h30.

A Feira do Livro de Barcelos dispensa apresentações e, como já é hábito, nela estarão presentes editoras, distribuidoras e livrarias, dispostas em diversos stands que se encontrarão colocados entre a Avenida da Liberdade, Campo 5 de Outubro e Largo da Porta Nova. Este ano a Feira do Livro abre às 17h00 e encerra às 24h00, mas estará aberta às quintas-feiras a partir das 11h00.

A abertura do evento acontecerá a 1 de julho, pelas 17h00, e contará com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes.

A Capoeira - Companhia de Teatro de Barcelos - dará início à programação de 10 dias repletos de apresentações e lançamentos literários, homenagens a Manuel António Pina e Manuel Alegre, tertúlias, conversas, conferências, espetáculos musicais e teatrais, inaugurações e animações de rua.

Os mais novos têm também o seu espaço reservado.  De 1 a 10 de julho, as crianças e os jovens podem contar com diversas sessões de contos, ateliês, apresentação de livros, oficinas, espetáculos musicais e teatrais, artes performativas e, de forma permanente, encontrarão atividades como o cantinho da leitura, jogos didáticos, mural de pintura e desenhos para colorir.

“60 POEMAS”: ARTUR COIMBRA PUBLICA A POESIA DE UMA VIDA

O historiador e poeta Artur Ferreira Coimbra publicou recentemente mais um livro de poemas cuja apresentação teve lugar no passado dia 16 de junho, na Sala Manoel de Oliveira, em Fafe, perante numerosa assistência que encheu por completo aquele espaço. Em representação da Câmara Municipal de Fafe esteve presente o Vice-presidente Pompeu Martins. A obra foi apresentada por César Freitas, professor e diretor da Escola Superior de Educação de Fafe e autor do prefácio, tendo ainda contado com a intervenção do poeta Carlos Afonso, professor da Escola Secundária de Fafe, que subscreve o posfácio. A anteceder a sessão de apresentação da obra, o Coro de Pais e Amigos da Academia de Música José Atalaya, sob a direção do maestro Tiago Ferreira brindou os presentes com a sua atuação.

155128_465376113484832_1285180487_n.jpg

“Esta é a viagem mais íntima, pessoal e singular do meu percurso poético de mais de quatro décadas, mantendo embora, penso, as linhas essenciais que venho tecendo com livre a pausada regularidade.

Simbolicamente, quis associar aos efémeros 60 anos de existência uma obra que dissesse de mim o que nem as fontes e as rãs adivinhariam.” – é com estas palavras que Artur Ferreira Coimbra começa por introduzir o leitor no espírito da sua mais recente obra poética: “60 Poemas”.

13445332_1114947898527647_3726502570872521535_n.jpg

Em toda a obra perpassa um misto de memórias e afetos, sentimentos e nostalgia por tudo o que de mais relevante representou para o poeta, sobressaindo as coisas mais singelas da vida como as recordações de infância no lar paterno e o esvoaçar das andorinhas, as laranjeiras em flor e a frescura do orvalho matinal. Mas, também, revelando uma sublime intensidade, os afetos que o ligam à família, a quem aliás dedica a obra: “À Minda, pilar eterno da minha vida / Vértice doirado dos meus amores / À Mónica e ao João, adorados filhos / Meus conseguidos poemas maiores!”.

13494780_1114947578527679_821670108675855628_n.jpg

Como não podia deixar de suceder, muitos dos poemas são dedicados à terra que é sua – Fafe – como a Nossa Senhora de Antime, ou ainda às suas gentes, lembrando os emigrantes.

São de Carlos Afonso, autor do Posfácio, as seguintes palavras que definem bem a escrita do poeta: “Numa consciência de poeta natural, sincero, claro, determinado, sonoro, apolíneo, Artur Ferreira Coimbra não se esconde por detrás dos versos, reflecte-se numa abrangência criativa, localizadora, redentora, pessoal e silábica, em busca de um belo perfeito, eternamente por achar”.

E, como as palavras são como os frutos, transcrevo parte de um poema para que os leitores o possam saborear de maneira a abrir o apetite para a leitura da poesia de Artur Coimbra:

 

Memórias do grão e do pão

 

Eu sei do grão, doirado e luminoso

E da leiva fumegante e maternal

Talhada pelo ferro do arado

Das manhãs de Maio

Eu sei dos bois mansos e pachorrentos

- Como se as noites não descessem aos dias –

A lavrar, a gradar, a semear

Na alegria quente das levandiscas

No trilar sonhador dos grilos

 

O lavrador semeia o grão

Na terra negra da minha infância

Como quem tece um poema de amor

Ou afina os acordes de uma guitarra

Da passarada num êxtase de laranjeiras

 

Eu sei dos campos e do vento

E dos frutos que não cabem

No regaço largo do coração

E dos milheirais em crescendo

Regados apaixonadamente pelas chuvas

E pelas madrugadas de orvalho

 

Eu sei das festas e romarias

Que crescem ao ritmo das espigas

Em floração

E sei de Junho e de Setembro

E das desfolhadas ao cair do Verão

Dia fora, noite dentro

Debruadas de merendas, de vinho verde

Da magia das concertinas

E dos cestos fartos em direcção às eiras

E do júbilo ancestral

Dos lábios e dos olhos e das mãos

A descamisar as maçarocas

Na ânsia vermelha do milho-rei

E do beijo virginal das raparigas

Que nem sempre florescia

(…)

FEFE1.jpg

O livro tem a chancela da Editora Labirinto. Apresenta bom aspeto gráfico, exibindo a capa um design baseado numa pintura da artista fafense Dulce Barata Feyo, e inclui fotografias de Manuel Meira.

Artur Coimbra é natural de Montalegre mas vive em Fafe desde os primeiros anos da sua infância, tendo dedicado a esta terra todo o labor da sua vida. Ascende a duas dezenas as obras de investigação histórica de sua autoria alusivas ao concelho de Fafe, às suas gentes e ao património local. Mas é também vasta a sua colaboração quer na imprensa regional como nacional, de entre a qual também já honrou o BLOGUE DO MINHO com a publicação dos seus artigos.

Na área da poesia, tem publicado “O Prisma do Poeta” (1978), “Máquina de Liberdade” (1988), “Cais do Olhar” (1995), “25 Anos de Palavras” (2003) e “As Palavras nas Dunas do tempo (35 anos de poesia) (2014).

Foi Vereador da Câmara Municipal de Fafe entre 1980 e 1982 e é atualmente Chefe de Divisão nas áreas de Desporto, Educação e Juventude daquela Autarquia Local. A Artur Coimbra se deve ainda a fundação em 1990 do Núcleo de Artes e Letras de Fafe do qual é Presidente.

Artur Coimbra é Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Pós-graduado em Assuntos Culturais no Âmbito das Autarquias pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Mestre em História das Instituições e da Cultura Moderna e Contemporânea pela Universidade do Minho.

FEFE.jpg 

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DO LIVRO

XXI Feira do Livro de Ponte de Lima traz música, cultura e animação

A XXI edição da Feira do Livro de Ponte de Lima, que decorre de 21 a 24 de julho de 2016, no recinto panorâmico da Expolima, apresenta uma oferta diversificada de conteúdos e de iniciativas que promete surpreender os visitantes. Desde música a oficinas, a piqueniques e a rodas com estórias, a lançamentos de livros e a exposições, tudo são pretextos para visitar este espaço combinado de cultura e lazer.

FLivro2016_cartaz (Small).jpg

A aposta em valores locais continua a ser uma das linhas orientadoras do certame promovido pelo Município de Ponte de Lima. Nesse sentido, a feira abrirá com uma mostra comemorativa dos 250 anos do insigne Cardeal Saraiva e com uma conferência em tributo ao ilustre limiano. Por seu turno, o “Encontro de Escritores Limianos” regressa para uma segunda edição, este ano subordinada ao tema “A produção escrita atual e futura”. Também o renomado escritor da terra, Cláudio Lima, lança “Luzes de muito brilho”, edição com a chancela do Município.

No plano da produção nacional, Pedro Chagas Freitas apresenta o seu último romance Prometo perder, Maria do Carmo Mendes, professora de Literatura Portuguesa da Universidade do Minho, mostra-nos Idades da escrita: estudos sobre a obra de Agustina Bessa-Luís e a limiana Maria do Céu Painhas dá-nos a conhecer a sua mais recente obra Beleza Natural: cosméticos e tratamentos feitos em casa para todas as idades.

Entre outras ações literárias e editoriais, a Feira do Livro promove novo encontro geracional com idosos do concelho que trazem para o evento uma exposição intitulada “Recordar ofícios, reviver tradições”.

Leitores em potência, os mais novos mantêm-se como destinatários privilegiados na XXI edição do certame. Para o público infantil há a oficina “Mascotes com vida”, o workshop “Conto ilustrado”, as sessões “Onde as histórias se encontram” - com Elsa Serra - e “Contos musicados” – projeto artístico de “O Som do Algodão” – mas também cinema em família, espetáculos de música, atividades lúdicas, pinturas faciais e os concorridos insufláveis.

Consulte o nosso programa e visite a XXI Feira do Livro de Ponte de Lima.

60 POEMAS - A MELHOR OBRA POÉTICA DE ARTUR COIMBRA

O novo livro do escritor Artur Ferreira Coimbra, com o título 60 Poemas, foi apresentado na Sala Manoel de Oliveira, em Fafe, que encheu completamente de amigos do concelho e da região. Em representação do município, esteve o vice-presidente Pompeu Martins que fez questão de destacar “a importância que Artur Coimbra tem no desenvolvimento de Fafe cultural, desde há décadas”, evidenciando o apoio, o incentivo e a colaboração que deu a sucessivas gerações de poetas e escritores locais, continuando a fazê-lo nos dias de hoje.

DCS_8384.JPG

60 Poemas é uma edição com a qual o autor quis associar às seis décadas de existência, comemoradas em Maio, uma obra poética inédita e de temática íntima, singular e pessoal, revisitando a memória e o percurso de vida do homem e do poeta.

A abrir, actuou, com elevada qualidade artística, o Coro de Pais e Amigos da Academia de Música José Atalaya, sob a direcção do jovem maestro Tiago Ferreira.

O editor da Labirinto João Artur Pinto, que acompanha a carreira literária do autor há décadas e publicou uma das suas antologias, considerou esta obra de 126 páginas “um livro afectuoso”.

A obra foi apresentada por César Freitas, professor e director da Escola Superior de Educação de Fafe e autor do prefácio, que dissertou sobre “a obra mais bem conseguida de Artur Coimbra, pela coerência e pela qualidade”, evidenciando a “linguagem muito própria do autor”.

O prefaciador considerou que os poemas nascem de uma vivência sensorial, mas brotam verdadeiramente do coração, versando basicamente sobre afectos, memórias, desassossegos. Numa “contínua exploração de símbolos”, o poeta tece uma “escrita autobiográfica”, de teor confessional, explorando a memória da infância feliz, a natureza e o inexorável devir temporal.

César Freitas evidenciou ainda a “originalidade da invenção e a mestria com que o poeta cinzela as palavras”, dizendo tratar-se do «resumo de toda uma vida de emoções e de valores, dos sonhos pueris, dos encantos da natureza, das alegrias, dos amores, mas também das perdas, das saudades e da angústia pela fragilidade do outro”.

Enfim, são “poemas de afirmação de uma singularidade de pensamento e de fazer poético”, que fez questão de reiterar.

Também o poeta Carlos Afonso, professor da Escola Secundária de Fafe e que subscreve o posfácio, interveio na sessão, para “agradecer tudo o que o autor tem feito por Fafe no âmbito da cultura e da literatura”, evidenciando a sua ligação à Escola Secundária, a colaboração nas Jornadas Literárias e a criação do Núcleo de Artes e Letras de Fafe.

“Este homem, nascido em Trás-os-Montes e que desde tenra idade escolheu as terras de Fafe para viver, conhece na perfeição os sentidos das palavras, tanto na sua abrangência objectiva como na sua vertente subjectiva. Sabe distinguir com primor a objectividade da história e o sentimentalismo pessoal da poesia. Tem assim o privilégio de entrelaçar mundos, decantar circunstâncias, datar vidas e construir estrofes ao mesmo tempo, sempre que o coração ou a razão lho ordenam” - referiu Carlos Afonso, para continuar “Ler Artur Ferreira Coimbra é caminhar no tempo, tocar lugares, perscrutar almas, beber desejos, ouvir anseios, acariciar rostos, reler versos, confrontar histórias, desvendar sonhos, desapegar sílabas, dispor “eus”, amar a escrita, olhar madrugadas, sentir Abril, acordar com as estrelas, viver a poesia”.

Foram ainda lidos poemas da obra pelos poetas Leonor Castro, Amélia Fernandes, Acácio Almeida e Pulo Moreira.

A mais recente obra poética de Artur Coimbra inclui uma dezena de fotografias de Manuel Meira e tem capa elaborada a partir de uma pintura da artista fafense Dulce Barata Feyo.

A obra será apresentada em Braga, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, na noite de 1 de Julho próximo.

DCS_8271.JPG

DCS_8285.JPG

DCS_8298.JPG

DCS_8301.JPG

DCS_8317.JPG

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTOU EM TORONTO LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 12 de junho, o historiador minhoto Daniel Bastos apresentou na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.  

22.jpg

A iniciativa, muito participada pela comunidade portuguesa, foi promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

No decurso da sessão, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, revisitou o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e destino.

Durante o evento, Daniel Bastos apresentou ainda o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”. Uma obra concebida a partir do espólio do consagrado fotógrafo franco-haitiano, condecorado no passado dia 10 de junho em Paris pelo presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, e que reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

A sessão apresentação do livro, cujos exemplares se esgotaram, ficou marcada pelo anúncio da intenção de realizar a médio prazo uma obra sobre a emigração portuguesa para o Canadá. Um projeto editorial e de investigação concebido pelo historiador natural de Fafe, e que será promovido pela Galeria dos Pioneiros Portugueses em parceria com instituições de referência da comunidade luso-canadiana.

Durante a sua estadia na maior cidade do Canadá, a convite da Galeria dos Pioneiros Portugueses, o docente do Colégio João Paulo II em Braga, manteve diversos encontros e participações em iniciativas culturais de associações luso-canadianas, como a cerimónia evocativa do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas que decorreu na Toronto City Hall, o Dundas West Fest e a Parada do Dia de Portugal em Toronto.

Refira-se ainda, que Galeria dos Pioneiros Portugueses entregou 12 exemplares do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, para oferta às bibliotecas públicas de Toronto, com o objetivo de reforçar o interesse pelo estudo da língua e cultura lusitana no Canadá.

1.jpg

2 (1).jpg

3.jpg

4 (1).jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

8.jpg

9.jpg

10.jpg

11.jpg

12.jpg

13.jpg

14.jpg

23.jpg

24.jpg

25.jpg

26.jpg

27.jpg

28.jpg

29.jpg

30.jpg

31.jpg

32.jpg

33.jpg

HISTORIADOR DANIEL BASTOS VAI AO CANADÁ APRESENTAR O LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Historiador Daniel Bastos apresenta em Toronto conferência e livro sobre a emigração portuguesa

No âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, o historiador minhoto Daniel Bastos apresenta no dia 12 de junho (domingo), às 18h00, na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.

A iniciativa, aberta à comunidade portuguesa de Toronto, estimada em cerca de 300 mil portugueses e luso-descendentes, é promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

A convite da instituição, que pretende dar-se a conhecer à comunidade canadiana em geral e a outras culturas, e numa altura em que a emigração portuguesa atinge níveis históricos, Daniel Bastos vai revisitar o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e de destino.

Durante o evento, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, que tem agendado durante a sua estadia na maior cidade do Canadá diversos encontros com as comunidades lusófonas, apresentará o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A obra, uma edição bilingue, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, foi concebida a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, e reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. Como as que o fotógrafo realizou sobre a viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, as da sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, ou as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 na capital portuguesa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se, que ainda no dia 10 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador natural de Fafe vai ser recebido no Consulado Geral de Portugal em Toronto, e que no dia 11 de junho (sábado), participará na quarta edição do Dundas West Fest, um evento cultural de referência da comunidade portuguesa em Toronto.

Com diversas participações em conferências nacionais e internacionais, assim como artigos e livros publicados no domínio da História Portuguesa, Daniel Bastos é licenciado em História e Pós-Graduado em Ética e Filosofia Política. Docente no Colégio João Paulo II em Braga, historiador e escritor, tem ao longo do seu percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, recebido várias distinções e prémios.

BRAGA APRESENTA LIVRO "BIMILENÁRIO DE AUGUSTO"

Livro ´Bimilenário de Augusto´ contribui para valorização do conhecimento científico. Lançamento da obra teve lugar na Fonte do Ídolo

Decorreu hoje, dia 27 de Maio, na Fonte do Ídolo, o lançamento do livro ‘Bimilenário de Augusto’. Trata-se de uma obra que celebra o fundador da Bracara Augusta, o Imperador César Augusto, reunindo o contributo de vários especialistas nacionais e estrangeiros e é contemplada por mais de uma dezena de textos exclusivamente dedicados às fontes literárias antigas e aos conhecimentos históricos e arqueológicos.

4

O livro, editado pelo Município de Braga e coordenado por Miguel Bandeira, Rui Morais e Maria José Sousa, inicia-se com um texto de apresentação a cargo do Presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio, seguido de um prólogo escrito por Maria Helena da Rocha-Pereira, professora jubilada da Universidade de Coimbra, e de uma nota introdutória dos organizadores, todos eles alusivos à importância da Cidade e destacando a figura ímpar do seu fundador. Podem os leitores usufruir de mais de uma dezena de textos exclusivamente dedicados às fontes literárias antigas e aos conhecimentos históricos e arqueológicos, directa ou indirectamente relacionados com a acção deste imperador.

3

Como se refere na nota introdutória dos coordenadores, "o legado de Augusto perdura ainda nos dias de hoje como um dos mais importantes estadistas da Antiguidade, verdadeiro criador de um mundo global do qual somos herdeiros".

De acordo com Miguel Bandeira, vereador do Município, este foi um ´momento de elevado significado´. “Sendo a Braga Romana uma festa consolidada da comunidade Bracarense e que se entende bem para além das fronteiras do Concelho, é importante conciliar a componente da festa ao desbravar do conhecimento sobre este tema”, referiu, enfatizando a importância de Braga nas celebrações mundiais do bimilenário da morte de César Augusto. Também Lídia Dias, vereadora da Cultura, salientou ser ´fundamental´ a valorização da parte científica na promoção do legado romano.

2

1

BRAGA PROMOVE LANÇAMENTO DO LIVRO “BIMILENÁRIO DE AUGUSTO”

Sexta-feira, dia 27 de Maio, pelas 18h30, na Fonte do Ídolo, Braga

O Município de Braga realiza o lançamento do livro ‘Bimilenário de Augusto’ que terá lugar Sexta-feira, dia 27 de Maio, pelas 18h30, na Fonte do Ídolo, em Braga.

Trata-se de uma obra que celebra o fundador da Bracara Augusta, o Imperador César Augusto, reunindo o contributo de vários especialistas nacionais e estrangeiros e é contemplada por mais de uma dezena de textos exclusivamente dedicados às fontes literárias antigas e aos conhecimentos históricos e arqueológicos.

CONDIÇÕES CLIMATÉRICAS OBRIGAM A MUDAR DE LOCAL FEIRA DO LIVRO DE VIZELA

13.ª Feira do Livro de Vizela muda-se para auditório Luís Lopes Guimarães

Devido às condições climatéricas adversas, a Câmara Municipal de Vizela decidiu mudar o local da 13ª Feira do Livro de Vizela para o auditório Luís Lopes Guimarães.

A Feira abre oficialmente hoje, dia 25 de maio, às 10.00h.

De lembrar que a décima terceira edição da Feira do Livro de Vizela, promovida pela Câmara Municipal de Vizela, decorre de 25 a 29 de maio.

O programa do evento será composto por várias atividades diárias, como exposições, dança, música, teatro e apresentação de livros, tendo como principal interveniente a comunidade educativa e as demais instituições locais.

13.ª Feira do Livro de Vizela

Auditório Luís Lopes Guimarães

25 a 29 de maio

Horário: 10.00h às 22.00h

Org.: Câmara Municipal de Vizela

Parceiros:

Agrupamento de Escolas de Infias

Agrupamento de Escolas de Vizela

AIREV

Colégio de Vizela

Duodifusão – Centro de Formação Profissional de Vizela

Santa casa da Misericórdia de Vizela

Apoios:

Condomínios & Companhia (Fórum Vizela)

VIZELA REALIZA FEIRA DO LIVRO

13.ª Feira do Livro de Vizela 2016

A 13ª Feira do Livro de Vizela abre na próxima quarta-feira, dia 25 de maio, às 10.00h.

De lembrar que a décima terceira edição da Feira do Livro de Vizela, promovida pela Câmara Municipal de Vizela, decorre de 25 a 29 de maio, na Praça do Município.

O programa do evento será composto por várias atividades diárias, como exposições, dança, música, teatro e apresentação de livros, tendo como principal interveniente a comunidade educativa e as demais instituições locais.

13.ª Feira do Livro de Vizela

Praça do Município

25 a 29 de maio

Horário:  10.00h às 22.00h

Org.: Câmara Municipal de Vizela

Parceiros:

Agrupamento de Escolas de Infias

Agrupamento de Escolas de Vizela

AIREV

Colégio de Vizela

Duodifusão – Centro de Formação Profissional de Vizela

Santa casa da Misericórdia de Vizela

Apoios:

Condomínios & Companhia (Fórum Vizela)

PONTE DA BARCA REALIZA FEIRA DO LIVRO

XXIII Edição da Feira do Livro de Ponte da Barca foi um sucesso

Miguel Miranda, Inês Pedrosa, Joaquim Fernandes e Eva Gonçalves foram alguns dos nomes que passaram por este certame.

5

cujo programa contou com concertos de música, apresentação de obras, teatro, ateliers de ciências, entre outros

Depois de uma intensa semana dedicada aos livros e à cultura, numa iniciativa por onde passaram diversas apresentação de obras, encontros com autores, concertos de música, teatro, ateliers de ciência, entre outros, a XXIII edição da Feira do Livro de Ponte da Barca despediu-se no domingo com a apresentação do livro 'Uma aventura culinária, de Eva Gonçalves, seguida de um showcooking, no fim-de-semana de encerramento que contou também com a apresentação dos livros 'Portugal Insólito' de Joaquim Fernandes, e 'Desnorte', Inês Pedrosa, para além do concerto dos First Breath After Coma.

4

“A Feira do Livro de Ponte da Barca é um grande evento cultural que vai além da compra e venda de livros, pois apostamos numa oferta diversificada, criando um espaço dedicado aos livros, à cultura, à pedagogia e ao lazer, o que tem contribuído para a afirmação deste evento como referência obrigatória”, salientou a Vereadora da Cultura, Sílvia Torres.

O dia inaugural ficou marcado apresentação do livro 'Sem Coração', de Miguel Miranda, e pelo concerto de música com Mário Moita: Alentejo, 4 estações, 4 fados.

Também os mais pequenos não ficaram esquecidos, tendo a autarquia barquense, promotora da iniciativa, preparado uma série de atividades destinadas ao público mais jovem como as apresentações de livros infantis e juvenis, um atelier de ciências, uma peça de teatro do Movimento Incriativo e um workshop de ilustração, a entrega dos prémios do “Concurso de Leitura“ aos alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca e da Epralima.

Ao longo de toda a semana foram muitas as pessoas que por ali passaram, quer pelas novidades literárias quer para assistirem aos espetáculos de animação cultural, que contaram sempre com uma vasta plateia.

3

1

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DA BARCA ENCERRA DOMINGO

Os encontros com os autores Joaquim Fernandes, hoje, às 22h, com a apresentação do livro 'Portugal Insólito', e Inês Pedrosa, no dia 21h, às 21h30, que vai apresentar o seu livro 'Desnorte', seguido do concerto dos First Breath After Coma, são algumas das propostas para o fim-de-semana de encerramento da Feira do Livro de Ponte da Barca, certame que decorre desde o passado sábado e que tem trazido à Casa da Cultura, local onde decorre a feira, um conjunto de atividades lúdico-culturais que, a par da venda de livros, tem atraído um grande número de visitantes.

5kbKYuRy3iztkRaY1U12

Depois de uma intensa semana dedicada aos livros e à cultura, numa iniciativa por onde passaram diversas apresentações de obras, tertúlias, encontros com autores, concertos de música, teatro, ateliers de ciência, entre outras, a XXIII edição da Feira do Livro de Ponte da Barca despede-se este domingo, 22 de maio, com a apresentação do livro 'Uma aventura culinária, de Eva Gonçalves, seguido de um showcooking, a partir das 15h30. Finalista do concurso MasterChef 2015, chef autodidata e autora do blogue 'Uma aventura culinária' confecionará um dos pratos que constam neste que é o seu primeiro livro.

A 23ª Edição da Feira do Livro tem entrada livre em todos os eventos e decorre na Casa da Cultura, em Ponte da Barca.

POETA FERNANDO HILÁRIO APRESENTA POESIA EM PONTE DE LIMA

Livro de Fernando Hilário apresentado em Poesia à Sexta, dia 27 de maio | 21 horas

O Município de Ponte de Lima continua a apostar na promoção da poesia, em sessões dinamizadas na última sexta-feira de cada mês, na Biblioteca Municipal.

A próxima sessão será dedicada ao lançamento do livro A exposição da luz, que congrega 61 composições poéticas, estruturalmente distribuídas por duas partes distintas, e é a mais recente aposta literária do escritor, pedagogo e artista Fernando Hilário.

Com apresentação de José Cândido Rodrigues, a sessão está agendada para o próximo dia 27 de maio, pelas 21h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima e insere-se no projeto Poesia à sexta que contempla ainda uma tertúlia com leitura e troca de impressões acerca de poemas e de poetas.

Compareça e celebre o melhor da poesia em Língua Portuguesa.

PONTE DE LIMA PROMOVE APRESENTAÇÃO DE OBRA SOBRE AS MULHERES NO JORNALISMO

Obra sobre mulheres no jornalismo enche Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

Cerca de 50 alunos da Escola Secundária de Ponte de Lima deslocaram-se, esta manhã, ao Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima para assistirem à apresentação da obra As primeiras mulheres repórteres: Portugal nos anos 60 e 70, da autoria da jornalista e investigadora Isabel Ventura.

DSCN7297 (Small)

 

Durante a sessão, a escritora fez uma contextualização espaço temporal do livro - que decorre da sua tese de Mestrado em Estudos sobre as Mulheres - e destacou alguns dos principais constrangimentos inerentes ao exercício do jornalismo no feminino durante as duas últimas décadas do Estado Novo.

DSCN7294 (Small)

Através do recurso a imagens e a dados estatísticos, os estudantes foram convidados a analisar as diferenças entre as primeiras páginas dos jornais de agora e os frontispícios das publicações da época salazarista; a analisar a ingerência da censura na liberdade criativa dos autores; a refletir sobre as desigualdades de género existentes no acesso a determinadas profissões; a perceber a estrutura masculinizada das redações no período da ditadura; a compreender os entraves colocados às mulheres na obtenção de uma formação académica superior; a ponderar sobre os efeitos da secundarização da mulher na sociedade, entre outros aspetos reveladores da evolução operada no tecido social português no pós-25 de abril.

DSCN7313 (Small)

Um exercício informativo e de reflexão que permitiu aos estudantes a perceção de que os direitos, liberdades e garantias atualmente consagrados, resultaram do esforço corajoso e resiliente de homens e mulheres que se bateram por uma realidade mais justa e equitativa.

Esta ação é a última integrada no âmbito da exposição “8 mulheres, 8 autoras” que encerra ao público no próximo dia 31 de maio.

DSCN7313 (Small)

PONTE DA BARCA REALIZA FEIRA DO LIVRO

Feira do Livro de Ponte da Barca | Até 22 de maio na Casa da Cultura

Inês Pedrosa, Joaquim Fernandes, Eva Gonçalves ainda vão passar pela edição deste ano do certame que mistura livros, música, exposições e palestras.

IMG_4498

Já vai a meio a 23ª edição da Feira do Livro de Ponte da Barca, certame que abriu portas no passado sábado com uma série de atividades lúdico-culturais que têm atraído muitos visitantes.Apresentação de obras, encontros com autores, concertos de música, teatro, ateliers de ciências, entre outras, decorrem desde o dia inaugural na Casa da Cultura, a par da comercialização de diversas obras literárias a preços muito atrativos.

Depois do encontro com o autor Miguel Miranda que apresentou o seu livro 'Sem Coração', do concerto de música com Mário Moita: Alentejo, 4 estações, 4 fados, da apresentação do livro 'Se eu fosse Chão' de Nuno Camarneiro, da apresentação do Livro 'Amentar às Almas - um canto religioso popular em S. Martinho de Crasto' de Eduardo Parente, da entrega de prémios do Concurso de Leitura, do teatro pelo Movimento Incriativo, entre outros, destaca-se para os próximos dias os encontros com os autores Joaquim Fernandes, no dia dia 20, às 22h, com a apresentação do livro 'Portugal Insólito', e Inês Pedrosa, no dia 21h, às 21h30, que vai apresentar o seu livro 'Desnorte', seguido do concerto dos First Breath After Coma, e o showcooking com Eva Gonçalves, finalista do concurso televisivo MasterChef 2015.

Para as crianças a programação continua até ao final da feira com a apresentação de livros infantis e juvenis, leitura animada com o projeto de incentivo à leitura da autarquia barquense 'Aqui há História' e um workshop de ilustração com Raquel Costa.

A 23ª Edição da Feira do Livro tem entrada livre em todos os eventos e decorre na Casa da Cultura, em Ponte da Barca.

VIZELA REALIZA FEIRA DO LIVRO

13.ª Feira do Livro de Vizela 2016

A Câmara Municipal de Vizela promove a décima segunda edição da Feira do Livro de Vizela, de 25 a 29 de maio, na Praça do Município.

O programa do evento, que terá lugar na Praça do Município, de 25 a 29 de maio, será composto por várias atividades diárias, como exposições, dança, música, teatro e apresentação de livros, tendo como principal interveniente a comunidade educativa e as demais instituições locais.

13.ª Feira do Livro de Vizela

Praça do Município

25 a 29 de maio

Horário:  10.00h às 22.00h

Org.: Câmara Municipal de Vizela

Parceiros:

Agrupamento de Escolas de Infias

Agrupamento de Escolas de Vizela

AIREV

Colégio de Vizela

Duodifusão – Centro de Formação Profissional de Vizela

Santa casa da Misericórdia de Vizela

Apoios:

Condomínios & Companhia (Fórum Vizela)

GÉRALD BLONCOURT E DANIEL BASTOS APRESENTAM EM PARIS LIVRO QUE EVOCA A SAGA DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA PARA FRANÇA

Paris foi palco de apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado dia 12 de maio (quinta-feira), foi apresentado na capital francesa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

A obra, concebida pelo escritor e historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano, foi apresentada no Consulado-Geral de Portugal em Paris, numa sessão que encheu a Sala Eça de Queirós e que esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

No decurso da sessão, que contou com a presença do consagrado fotógrafo, e vários representantes da comunidade e diplomacia portuguesa em terras gaulesas, como o Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, o Cônsul-Geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, e o deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, todos foram unânimes em considerar que as fotografias de Gérald Bloncourt imortalizaram a história da emigração portuguesa para França. E que este livro constitui uma homenagem aos protagonistas anónimos da história nacional das décadas de 50, 60 e 70, todos eles representados num homem que durante mais de 30 anos escreveu com luz essa grande epopeia dos emigrantes lusitanos.

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

O encerramento da sessão ficou marcado pelo anúncio oficial do Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, de que o Presidente da República irá condecorar, durante as cerimónias do 10 de Junho em Paris, o fotógrafo Gérald Bloncourt com a Ordem do Infante D. Henrique.

A sessão de apresentação do livro, que é patrocinado por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, incluiu ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, uma dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

© Isabelle Repiton – Lusofolies 3

Foto: © Isabelle Repiton

Refira-se que o lançamento da obra na capital francesa serviu de mote para a realização na tarde de 14 de maio (sábado), de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, que encheu um dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris e comportou a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, foi promovida pela Associação Memória das Migrações, que em cooperação com o Museu das Migrações e das Comunidades, divulgou os seus objetivos de proceder à recolha de conteúdos de natureza diversa relacionados com a história da comunidade portuguesa em França.

© Isabelle Repiton – Lusofolies 1

Foto: © Isabelle Repiton

JORNALISTA ISABEL VENTURA APRESENTA EM PONTE DE LIMA OBRA SOBRE AS PRIMEIRAS MULHERES REPÓRTERES EM PORTUGAL

Obra sobre mulheres no jornalismo em destaque no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

A jornalista e investigadora Isabel Ventura apresenta a obra As primeiras mulheres repórteres: Portugal nos anos 60 e 70, no próximo dia 18 de maio, pelas 09h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

isabel ventura foto

O livro, que decorre da tese de Mestrado da autora em Estudos sobre as Mulheres, pretende dar a conhecer o percurso de seis jornalistas que iniciaram a sua atividade profissional na imprensa escrita no início da década de 60 do século passado, em pleno Estado Novo. São elas Maria Antónia Palla (1933-) – mãe de António Costa e feminista emblemática – Diana Andringa (1947-) – jornalista detida pela PIDE por defender a independência de Angola – Maria Teresa Horta (1937-) – escritora visada na exposição Oito mulheres, oito autoras, patente na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, jornalista e uma das protagonistas do célebre caso das Três-Marias – Edite Soeiro (1934-2009) – uma das primeiras mulheres a ocupar cargos de chefia no jornalismo num período em que essa posição era maioritária e tradicionalmente masculina – Leonor Pinhão (1957-) – jornalista desportiva e coautora do roteiro do filme Um adeus português, do marido e realizador João Botelho – e, finalmente, Alice Vieira (1943-) – jornalista e escritora de renome que experimentou a repressão policial nas lutas estudantis e os cortes da censura no Juvenil, onde trabalhou sem remuneração.  

Apesar de, atualmente, a realidade nas redações jornalísticas ser diferente – em 1960 havia 10 mulheres nos jornais, quando hoje constituem metade dos seus pares – o evento permitirá à população estudantil do concelho, a uma nova geração de jornalistas e ao público em geral perceber o que foi exercer a profissão num contexto discriminador e repressivo e entender a evolução operada nos órgãos de comunicação social no pós-25 de abril.

Isabel Ventura é doutoranda em sociologia na Universidade do Minho e mestre em Estudos sobre as Mulheres, pela Universidade Aberta. É Licenciada em jornalismo, pela Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre regulação da sexualidade, crimes sexuais e justiça. É autora de As Primeiras Mulheres Repórteres (Tinta da China). É cocoordenadora da rede de investigador@s emergentes da APEM (Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres) e cofundadora da Universidade Feminista. Coordena o seminário de mestrado “Direito e Género: o caso dos crimes sexuais” na Escola de Direito da Universidade Católica do Porto.

FEIRA DO LIVRO REGRESSA A PONTE DA BARCA DE 14 A 22 DE MAIO

Miguel Miranda, Nuno Camarneiro, Inês Pedrosa e Eva Gonçalves são os destaques deste ano numa edição que mistura livros, música, exposições e palestras

QHT7Vi42u6LSrH5vThcu

concelho de Ponte da Barca recebe durante 9 dias a 23ª Edição da Feira do Livro, uma das mais antigas iniciativas culturais da vila que, como já vem sendo hábito, é pautada pela diversidade de atividades que congregam encontros com autores, apresentação de obras, entrega de prémios, concertos de música, ateliers e espetáculos de teatro. A inauguração da Feira do Livro de Ponte da Barca está prevista para as 15h, mas é à noite (21h30) que decorre o primeiro encontro com o autor e terá como convidado Miguel Miranda que vai apresentar o seu livro 'Sem Coração'. Durante a semana os escritores Nuno Camarneiro, Inês Pedrosa, Joaquim Fernandes, entre outros, serão outros dos convidados desta tertúlia. O dia 14 termina com o concerto de música com Mário Moita: Alentejo, 4 estações, 4 fados. Os First Breath After Coma atuam a 21 de maio.

Estas propostas consolidam o aumento significativo do número de visitantes que ano após ano procuram a Feira do Livro, como aliás sublinha a vereadora da Cultura, Sílvia Torres: 'na feira do livro de Ponte da Barca apostamos numa oferta diversificada, criando um espaço dedicado aos livros, à cultura, à pedagogia e ao lazer, o que tem contribuído para a afirmação deste evento como referência obrigatória na região'.

As crianças vão ter direito a uma programação especial com apresentações de livros infantis e juvenis, um ateliers de ciências, uma peça de teatro do Movimento Incriativo e um workshop de ilustração. O agrupamento de Escolas de Ponte da Barca terá a seu cargo a entrega dos prémios do “Concurso de Leitura“ aos seus alunos. A Feira do Livro servirá ainda de palco para Epralima organizar 'A Prova de Aptidão Profissional' aos seus alunos finalistas.

A 23ª Edição da Feira do Livro tem entrada livre em todos os eventos e decorre na Casa da Cultura, em Ponte da Barca.

O programa detalhado pode ser consultado em Programa Feira do Livro 2016http://www.cmpb.pt/agenda.php?id=1670

ESCRITORA ANA GIL CAMPOS APRESENTA EM BRAGA O SEU NOVO ROMANCE “QUANDO RUIU A PONTE SOBRE O TAMISA”

Escritora bracarense, Ana Gil Campos, irá lançar o seu novo romance QUANDO RUIU A PONTE SOBRE O TAMISA, pela Editorial Novembro, no dia 20 de Maio, às 18h30, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, Braga.

QUANDO RUIU A PONTE SOBRE O TAMISA de Ana Gil campos, Editorial Novembro.

Uma misteriosa mulher encontrada inconsciente numa rua de Bombaim. O dia a dia de uma família real indiana. Uma inquietante viagem por Goa. A luxuosa vida de uma princesa indiana em Londres. Um amigo inusitado (e conhecido por todos) com quem a princesa tem as mais íntimas confissões. As certezas de um casamento seguro e tranquilo abaladas por uma paixão inesperada que a princesa não sabe explicar nem controlar. Reencontros, dúvidas, angústias e revelações na vila de Sintra.

Numa escrita marcada pela fantasia, paixão, beleza e exotismo, a autora aborda temas como a globalização, as disparidades entre a pobreza e a riqueza, o nosso papel na sociedade, o amor e a paixão.

«E aqui auguro, junto à folha branca que antecede a contracapa, a permanência no talento e na dignidade tocante dos teus andamentos de escritora.» José Manuel Mendes

Ana Gil Campos, autora do romance “A segunda pele da acácia mimosa”, escreveu para o Expresso de 2009 a 2014 e colaborou com a revista Exame de 2011 a 2013. Esporadicamente publica contos na plataforma Capazes desde Maio de 2015.

Para solicitar mais informações sobre o conteúdo da nota use, por favor os seguintes contactos: Telefones: 252 861 330 / 912 369 815 | Email: geral@novembro.pt

DANIEL BASTOS APRESENTA EM MONTALEGRE o LIVRO "GÉRALD BLONCOURT - O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES"

Terras de Barroso receberam apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado domingo (8 de maio), foi apresentada nas Terras de Barroso o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

14

A obra, concebida e realizada pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, foi apresentada no Centro Interpretativo das Minas da Borralha, em Salto, concelho de Montalegre, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do presidente do Município de Montalegre, Orlando Alves, do presidente da Junta de Freguesia de Salto, Alberto Fernandes, e da Diretora da Biblioteca Municipal de Montalegre, Gorete Afonso.

17

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

No decurso da sessão promovida pela Associação Recreativa e Cultural das Minas da Borralha, e que esteve a cargo do antropólogo João Azenha, coordenador do Centro Interpretativo das Minas da Borralha-Ecomuseu do Barroso, quer o autarca montalegrense e como o responsável cultural assinalaram a importância da obra no contexto da história da emigração portuguesa. Realçando o simbolismo da apresentação da mesma numa antiga localidade mineira que é fortemente marcada pelo fenómeno migratório.

1

Refira-se que na próxima quinta-feira (12 maio), o livro será apresentado no Consulado de Portugal em Paris, às 18h30, numa sessão aberta à numerosa comunidade portuguesa radicada na capital francesa, e que contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França.

2

“A PENA E A LANÇA” – UM LIVRO DA AUTORIA DO VICE-ALMIRANTE ANTÓNIO SILVA RIBEIRO ATRAVÉS DO QUAL SE REALÇA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA E DA LITERATURA NA CELEBRAÇÃO DOS GRANDES FEITOS MILITARES

Inspirado no Canto V d’Os Lusíadas, o livro “A Pena e a Lança” da autoria do Vice-almirante António Silva Ribeiro é um “Ensaio sobre o pouco conhecimento e a rara celebração dos feitos militares e dos heróis nacionais”. Trata-se de uma edição de autor e é dedicada ao Professor Doutor Adriano Moreira por “no Instituto Superior naval de Guerra (ISNG), no ano lectivo de 1989-1990, ter despertado em mim o gosto pelo estudo das Humanidades”.

Fundamentando os argumentos em acontecimentos históricos da antiguidade clássica ou mais modernamente nos feitos dos portugueses celebrados através do poema épico de Os Lusíadas, constitui esta obra um estudo da maior atualidade e pertinência porquanto procura realçar a importância da História e da Literatura na celebração dos grandes feitos bélicos protagonizados pelos portugueses. E, a comprovar a validade da sua tese, dá como exemplo a forma como passaram despercebidas as comemorações recentes do 6º Centenário da tomada de Ceuta, empreendimento no entanto considerado a todos os títulos notável.

Em forma de justificação, o autor recorre ao insigne poeta Luís Vaz de Camões quando este afirma através dos seus versos “Enfim não houve forte Capitão / Que não fosse também douto e ciente”, para concluir que “não basta ser um militar valoroso, capaz de cometer façanhas bélicas invulgares”, mas que “os líderes militares precisam de ter, igualmente, instrução e sabedoria para transmitirem essas ações através da escrita, como fazem os heróis dos outros países, a quem não falta eloquência. Em sua opinião, Portugal produz gente de enorme heroísmo e grande valia bélica, mas, por ser rude e inculta, dificilmente dai da penumbra da História”.

O Vice-almirante António Silva Ribeira é natural do concelho de Pombal e possui vasta obra publicada de entre a qual salientamos “A Hidrografia nos Descobrimentos Portugueses” e a “Cartografia Naútica Portuguesa dos Séculos XV a XVII”. É um académico especializado nas áreas de Estratégia, Ciência Politica e História, lecionando e supervisionando investigações em algumas das principais Universidades e Centros de Investigação de Portugal. Tem uma extensa obra publicada, e é orador habitual em conferências sobre Assuntos Militares e Políticos, Relações Internacionais e Estratégia.

É professor catedrático convidado do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, professor militar da Escola Naval e professor coordenador do Instituto Superior de Ciências da Informação e Administração. O seu principal tema de investigação é o planeamento estratégico, embora se interesse por estratégia marítima, estratégia militar, política internacional, sociologia militar, história militar, história marítima e história da hidrografia.

O Vice-almirante Silva Ribeiro é membro do Grupo de Estudos e Reflexão Estratégica de Marinha, da Academia de Marinha, do Centro de Estudos do Mar, da Liga dos Combatentes, do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, do Centro Português de Geopolítica, da Comissão Portuguesa de História Militar, da Revista Militar, da Revista Nação e Defesa, da Revista Segurança e Defesa, do Clube Militar Naval, do Clube Náutico de Oficiais e Cadetes da Armada, do Grupo de Amigos de Olivença, da Revista de Relações Internacionais e da Revista de Ciências Militares.

Foto: Revista da Armada

ESCRITOR DANIEL BASTOS VAI A PARIS MOSTRAR COMO OS EMIGRANTES PORTUGUESES ALI VIVIAM NOS ANOS SESSENTA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital francesa

No próximo dia 12 de maio (quinta-feira), é apresentada na capital francesa a obra “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo historiador minhoto, Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado às 18h30 no Consulado de Portugal em Paris.

A apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e estará a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, e que fazem parte do arquivo da Cité nationale de l’histoire de l’immigration, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades lusófonas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade. Todos eles representados por uma personalidade ímpar que durante mais de trinta anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que esta apresentação na “cidade luz” incluirá ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

O lançamento do livro na capital francesa será o mote para a realização no dia 14 de maio (sábado), a partir das 16h00, de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, num dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris, é promovida pela Associação Memória das Migrações, e comportará a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal.

ESCRITOR CLÁUDIO LIMA PUBLICA UM LIVRO DE ENSAIOS: “LUZES DE MUITO BRILHO – FIGURAS E TEMAS LIMIANOS”

“Luzes de muito brilho – Figuras e Temas Limianos” é a mais recente obra publicada do escritor ponte-limense Cláudio Lima, pseudónimo literário de Manuel da Silva Alves. Trata-se de uma coletânea de ensaios publicados ou proferidos pelo autor, abordando invariavelmente personalidades de relevo da vida literária ou artística de Ponte de Lima ou ainda a temas considerados relevantes na vida local.

Esta obra surge no seguimento de outra obra que publicou – “Um rio de muitas luzes” – a qual coligia diversos trabalhos já anteriormente publicados pelo autor.

Numa “Breve Nota”, o autor explica a escolha do título nos seguintes termos: “Título que, se não pelos intrínsecos méritos de quem aviva tais luzes, tem perfeito cabimento quando nos reportamos a personalidades que em Ponte de Lima – e por extensão na nossa Ribeira Lima – rebrilham em artes e saberes, numa constelação que, se nos é motivo de orgulho, também nos é herança responsabilizante”.

Nesta obra, Cláudio Lima evoca luzes tão brilhantes como as de António Feijó e Domingos Tarrozo, Manuel Queiroz e António Manuel Couto Viana, Queiroz Ribeiro e Luís de Sousa Dantas, José Cândido Martins e Rosário Sá Coutinho entre outros. São muitas as luzes que, como a do próprio autor desta obra, brilham nas margens do rio Lima. E, brilha já tão intensamente que não podemos deixar de citar a seu respeito o poeta António Manuel Couto Viana: “Um autor alto-minhoto de nomeada é, sem dúvida, o poeta, contista e crítico literário Cláudio Lima (…) escritor de muitas obras notáveis do lirismo português.”

Com excelente aspeto gráfico, impresso em papel couché, o livro é uma edição da Câmara Municipal de Ponte de Lima, com design gráfico de Moodystudio e apresentando uma fotografia de capa da autoria do prestigiado fotógrafo limiano Amândio de Sousa Vieira.

Como já foi referido, Cláudio Lima é o pseudónimo literário de Manuel da Silva Alves. Nasceu em Calvelo, no Concelho de Ponte de Lima, estudou nos Seminários Franciscanos onde se licenciou em Filosofia. Possui vasta colaboração literária dispersa em periódicos portugueses, galegos, angolanos e brasileiros, entre ensaio, poesia e conto, crónica e crítica literária.

Para além das numerosas obras coletivas em que está representado, publicou “A Foz das Palavras” (poesia, 1970); “Por aqui não é passagem” (contos, 1993); “Itinerarium (poesia, 1994); “João Marcos – 50 anos de vida literária” (ensaio, 1997); Itinerarium II (poesia, 1998); “Maçã para dois” (poesia, 2001); “Vate do Reino (poesia, 2003); “Arte de Amar Ponte de Lima” (poesia, 2004); “Os Morros de Nóqui” (contos, 2004); “Um rio de muitas luzes – Limianos ilustres” (ensaios, 2005); “Itinerarium III (poesia, 2006); “Contos Baldios (contos, 2007); “Outrora Dezembro” (poesia e prosa, 2007); Itinerâncias (poesia, 2010); “Os Meus Autores – Letras do Minho” (ensaio, 2011) e “João Marcos – Biografia e Bibliografia” (Ponte de Lima, 2014).

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS VAI A MONTALEGRE APRESENTAR O LIVRO "GÉRALD BLONCOURT - O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES"

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” nas Terras de Barroso

No próximo dia 8 de maio (domingo), é apresentado nas Terras de Barroso a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 15h00 no Centro Interpretativo das Minas da Borralha, em Salto, concelho de Montalegre.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do ensaísta Eduardo Lourenço, estará a cargo do antropólogo João Azenha, coordenador Centro Interpretativo das Minas da Borralha, um polo temático do Ecomuseu do Barroso.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Refira-se que o Centro Interpretativo das Minas da Borralha, insere-se num projeto cultural que visa recuperar e divulgar o património mineiro desta antiga localidade mineira que é fortemente marcada pela emigração.

ANTÓNIO JOSÉ SEGURO APRESENTA EM LISBOA OBRA SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA DA AUTORIA DO ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS

Lisboa recebeu apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

Foi ontem apresentada em Lisboa a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

18

O livro, concebido e realizado pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, foi apresentado na FNAC do Chiado, numa sessão muito participada e que esteve a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo multipremiado ensaísta Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

21

No decurso da sessão, António José Seguro, que enalteceu as qualidades humanas e intelectuais do historiador e escritor Daniel Bastos, qualificou a obra como sendo um relevante contributo para a história e memória da emigração portuguesa da segunda metade do séc. XX.

1

A sessão de apresentação em Lisboa incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público no Fórum da FNAC - Chiado.

Refira-se que no dia 12 maio (quinta-feira), às 18h30, o livro será apresentado no Consulado de Portugal em Paris, numa sessão aberta à numerosa comunidade portuguesa radicada na capital francesa, e que contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França.

4

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA HOJE EM LISBOA O LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital portuguesa

É hoje apresentado em Lisboa a obra “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 17h00 na FNAC do Chiado.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação em Lisboa incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Ainda no último Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, um dos eventos culturais e literários de referência no panorama europeu, que decorre anualmente em Março no Luxemburgo, o livro foi uma das obras em destaque e alvo dos mais rasgados elogios das comunidades portuguesas.

JORNALISTA JOSÉ ALBERTO BRAGA APRESENTA "MEMÓRIAS DESSA GENTE"

Apresentação do livro ‘Memórias dessa Gente’, aAmanhã, Quinta-feira, dia 28 de Abril, pelas 18h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, Braga

O Município de Braga promove a apresentação do livro ‘Memórias dessa Gente’, da autoria do Bracarense José Alberto Braga, que terá lugar Amanhã, Quinta-feira, 28 de Abril, pelas 18h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Braga.

A apresentação do livro estará a cargo do vereador Miguel Bandeira.

A obra, editada pela Soregra, conta com prefácio de Fernando Pinto Monteiro, enquanto Fernando Dacosta assina uma apresentação na contracapa. Neste livro, o jornalista e escritor nascido em Braga retracta as experiências e as conversas mantidas com políticos, empresários, figuras da cultura, jornalistas e outras personalidades de Portugal e do Brasil no âmbito da sua actividade profissional.

VIANA DO CASTELO APRESENTA "CASAS DO NORTE DE PORTUGAL"

A Associação para a Promoção e Desenvolvimento Cultural Maria de Fátima Moura, com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo, levam a efeito a apresentação do livro “Casas no Norte de Portugal” e a inauguração da Exposição homónima, de Luís Moura Serra, que se realiza no dia 7 de Maio, pelas 16h00 no piso superior dos Antigos Paços do Concelho de Viana do Castelo. A apresentação desta publicação estará a cargo da Prof.ª Ana Coutinho e Castro.

POETA GUSTAVO PIMENTA APRESENTA O LIVRO "TRIÂNGULO ESCALENO" NA BIBLIOTECA DE PONTE DE LIMA

Apresentação do livro Triângulo Escaleno na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

No âmbito da dinamização do projeto “Poesia à Sexta” o Município de Ponte de Lima vai dinamizar mais uma sessão de promoção de poesia, com a apresentação do livro Triângulo Escaleno, de autoria do limiano Gustavo Pimenta.

A iniciativa terá lugar no próximo dia 29 de abril de 2016, às 21h, no auditório da Biblioteca Municipal. A apresentação da obra estará a cargo de José Cândido Rodrigues e finalizará com uma sessão de autógrafos.

Após a apresentação do livro seguir-se-á a Tertúlia de Poesia Livre para todos aqueles que gostam desta forma de expressão literária, abrindo-se um espaço para a descoberta de experiências em torno da palavra poética, para a ousada recitação de poesia ou simplesmente para a natural leitura de um poema pelos presentes.

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA EM LISBOA LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital portuguesa

No próximo dia 30 de abril (sábado), é apresentada em Lisboa a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 17h00 na FNAC do Chiado.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação em Lisboa incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Ainda no último Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, um dos eventos culturais e literários de referência no panorama europeu, que decorre anualmente em Março no Luxemburgo, o livro foi uma das obras em destaque e alvo dos mais rasgados elogios das comunidades portuguesas.

CERVEIRA COMEMORA DIA MUNDIAL DO LIVRO

Vamos comemorar o Dia Mundial do Livro juntos?

O Município de Vila Nova de Cerveira, através da Biblioteca Municipal, associa-se, este sábado, 23 de abril, às comemorações do Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor com iniciativas para todos os públicos. Histórias para os mais pequenos, apresentação de livro, inauguração de exposição, conversas com autores e um momento músico-teatral.

Um dia literariamente importante só poderia ser comemorado com uma programação especial para presentear todos os que gostam de livros, de ler, de estar informados, de conviver, de aprender junto da sua biblioteca.

Em Vila Nova de Cerveira, o Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor procura envolver todas as faixas etárias com atividades marcadas pela interação. No período da manhã, pelas 11h00, o protagonismo vai para os ‘Heróis Pequeninos’, um espetáculo de contador de histórias e manipulação de objetos em torno de cinco animais pequeninos e o Senhor Desperdício Bota-Fora.

Da parte da tarde, com início às 14h45, a Biblioteca Municipal recebe a apresentação do livro ‘Pinceladas da Vida’, de Fernanda Maia, com textos em prosa e verso, em que a autora apresenta diversas crónicas e poesia. Às 16h00 arranca uma homenagem a Eugénio de Andrade através da abertura da exposição “Eugénio de Andrade – (Re)viver o poeta” e uma conversa com o professor António Oliveira, um investigador da obra de Eugénio. Sendo uma organização da Associação Cultural Convento de S. Paio, esta iniciativa conta com a colaboração dos alunos da Unisénior e de elementos do Outra Cena - Grupo de Teatro Amador de Cerveira que farão a leitura de poemas de Eugénio de Andrade.

Recorde-se que ao longo do mês de abril, Vila Nova de Cerveira está a viver a Festa do Livro e da Leitura, com um diversificado conjunto de iniciativas que abrange desde os bebés aos seniores.

O Dia Mundial do Livro é comemorado, desde 1996, a 23 de abril, por decisão da UNESCO. Trata-se de uma data simbólica para a literatura já que, segundo os vários calendários, neste dia desapareceram importantes escritores como Cervantes e Shakespeare.

PONTE DE LIMA ASSINALA DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO DE AUTOR

Tradutor de livros de Daniel Silva no Auditório Rio Lima. 22 de abril – 09h30

Vasco Teles de Menezes, tradutor responsável pela versão portuguesa de vários títulos de um dos mais conhecidos autores de literatura de espionagem da atualidade – Daniel Silva – estará na próxima sexta-feira, 22 de abril, pelas 09h30, no Auditório Rio Lima, para uma sessão informativa inserida nas comemorações do Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, dinamizada pelo Município de Ponte de Lima, através da Biblioteca Municipal.

O encontro pretende enaltecer o trabalho fundamental dos tradutores no contexto literário universal - cuja divulgação e partilha de obras depende intrinsecamente destes profissionais da linguagem - e dar a conhecer, na primeira pessoa, os desafios decorrentes do exercício da atividade em Portugal.

Além do interesse informativo, a sessão permitirá aos apreciadores do escritor luso-americano satisfazer uma série de curiosidades sobre a tradução de obras como A rapariga inglesa, O anjo caído, O artista da morte e O assassino inglês, abordar questões relacionadas com as barreiras linguísticas e as diferenças culturais passíveis de dificultar a tarefa de rigor narrativo, e facilitar aos alunos que pretendam enveredar pela carreira da tradução o contacto direto com um profissional consagrado.

O encontro, dirigido às escolas do concelho de Ponte de Lima e à população em geral, obedecerá a um modelo de pergunta-resposta, de forma a torná-lo mais dinâmico e interativo, e terminará com uma sessão de autógrafos para os fãs dos romances policiais e de espionagem de Daniel Silva.

No local estarão também à venda alguns dos títulos mais conhecidos do escritor norte-americano traduzidos por Vasco Teles de Menezes.

Sobre o tradutor

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vasco Guimarães da Costa Teles de Menezes exerce a profissão de tradutor desde 2003. Verteu para Português dezenas de obras literárias de que se destacam O artista da morte, O assassino inglês, Regras de Moscovo, O desertor, A marcha, O caso Rembrandt, O espião improvável, O retrato de uma espia, A rapariga inglesa e O assalto, títulos do autor luso-americano, Daniel Silva, disponíveis na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. Além de romances de vários outros escritores, Vasco Teles de Menezes traduziu ensaios, livros de viagens e a biografia de Trotsky, bem como obras de caráter técnico.

A par da atividade de tradutor, Vasco Teles de Menezes foi crítico de cinema no suplemento Y do jornal Público, responsável pela série Y e posteriores coleções do mesmo periódico, de 2002 a 2004, e é atualmente colaborador externo para a área da cultura. É proprietário e gerente da Cinettà – loja online de cinema e cultura pop - e participa frequentemente em festivais e ciclos de cinema.

Nascido a 25 de Abril de 1978, Vasco Teles de Menezes é filho de Salvato Telles de Menezes, tradutor, ensaísta e antigo professor de literatura norte-americana na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e de Maria Dulce Guimarães da Costa, também tradutora. Já trabalhou com ambos nas versões portuguesas de Piada infinita, de David Foster Wallace (ao lado do pai), e de O alvo, de David Baldacci (em parceria com a mãe).

PONTE DE LIMA COMEMORA DIA MUNDIAL DO LIVRO

Município de Ponte de Lima assinala Dia Mundial do Livro com iniciativas para todos os públicos

O Município de Ponte de Lima, através da Biblioteca Municipal (BMPL) associa-se às comemorações do Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor - que todos os anos se assinala a 23 de abril - com um conjunto de iniciativas para diferentes públicos.

O Auditório Rio Lima é o palco inaugural do programa. Apresenta a 22 de abril, pelas 09h30, Vasco Teles de Menezes, tradutor responsável pela versão portuguesa dos romances policiais e de espionagem de Daniel Silva. Sob o tema Os desafios da tradução no universo literário, o encontro - dirigido às escolas do concelho de Ponte de Lima e ao público em geral - obedecerá a um modelo de pergunta-resposta e terminará com uma sessão de autógrafos e com a venda de alguns dos títulos mais conhecidos do escritor luso-americano traduzidos por Vasco Teles de Menezes.

Também a 22, o Largo de Camões recebe nova visita da Biblioteca Itinerante, das 10h00 às 17h00.

A iniciativa Livros sobre rodas – assim se chama o serviço prestado pela carrinha móvel da BMPL - permitirá a todos os transeuntes a consulta e a leitura de jornais, revistas e obras de literatura nacional e estrangeira. Para os mais novos haverá Roda de histórias - ação lúdico-didática destinada a crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico – que prevê a dinamização do conto tradicional Corre, corre, cabacinha, extraído do livro Ler, ouvir e contar, de António Torrado, em duas sessões distintas - 10h00 e 14h00.

No mesmo horário decorrerá, na Sala Infanto-Juvenil da BMPL, Contos co(n)vida – atividade que evocará a Lenda da Fada dos Dentes – e, pelas 15h30, os três melhores leitores infantis receberão certificados de mérito - Diploma de Ouro, Diploma de Prata e Diploma de Bronze – naquela que será a segunda edição de Os Ases da Leitura.

Mas o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor não ficaria completo sem um ranking demonstrativo das preferências literárias dos utilizadores da BMPL. Nesse sentido, a Sala de Adultos exibirá um painel com Os 10+ da Literatura, acompanhado das respetivas obras, apuradas numa escala de 1 a 10, e de um folheto com o resumo de cada título distinguido. Em simultâneo, na Sala de Audiovisuais, haverá um destaque semelhante, sustentado nos mesmos critérios de triagem, com os dez DVDs mais requisitados pelo público e uma brochura informativa com a sinopse dos filmes.

A 23 de abril – data exata da efeméride – o Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima será palco do lançamento da obra Literatura & jogo: narrativas, discursos, representações e mitos, da autoria de Isabel N. Patim, Fernando Hilário, Daniel Seabra e Rui Estrada. O evento tem início marcado para as 15h00.

As ações descritas decorrem no âmbito do projeto Em abril, festa do livro e da leitura, iniciativa que encerra com duas outras rubricas de valor. A primeira – Poesia à sexta – prevê a apresentação da obra, Triângulo escaleno, do autor limiano Gustavo Pimenta, no dia 29, pelas 21h00, no Auditório da Biblioteca Municipal. A segunda – a Bebéteca – decorrerá, como habitualmente, no último sábado do mês. Rapunzel será a personagem da Disney em evidência na Hora de Conto, Caixinha de sonhos a música escolhida para a atividade, ficando a tarefa de fazer coroas dignas de príncipes e princesas para o atelier final.

AMARES COMEMORA DIA MUNDIAL DO LIVRO

ONDE AS HISTÓRIAS SE ENCONTRAM de Elsa Serra. 23 abril - Dia Mundial do Livro

Vamos acordar no país das histórias e vamos à terra do faz de conta. Conhecer amigos desconhecidos.

Conhecer histórias coloridas de palavras mágicas. Palavras que nos fazem rir e crescer. Palavras ditas. Palavras bonitas.

Nesta sessão de histórias viajaremos entre histórias tradicionais e a leitura de contos ilustrados.

Vamos aprimorar o gosto das crianças pelos livros e pelo universo mágico das histórias. Também é aconselhável a adultos com gosto por sonhar...

Destinatários: Pais e Filhos

Duração: 1h

image001

ARQUITETO CAMPOS MATOS APRESENTA LIVRO EM PONTE DE LIMA

O Município de Ponte de Lima vai promover a apresentação da obra Diário Íntimo de Carlos da Maia (1839-1930), da autoria de A. Campos Matos, no próximo sábado, dia 09 de abril, às 15h00, no auditório da Biblioteca Municipal.

A apresentação da obra estará a cargo de José Cândido de Oliveira Martins e finalizará com uma sessão de autógrafos.

Sobre a obra:

Nesta obra singular, predominantemente queiroziana, e também camiliana, convocam-se nomes como Tolstoi, Balzac, Romain Rolland, Charcot, Flaubert, Maupassant, Proust, Martin du Gard, Ruskin, Stefan Zweig, Axel Munthe, Freud, etc.

Entre os autores de língua portuguesa figuram Castilho, Manuel Teixeira Gomes, Pinheiro Chagas, Antero, Oliveira Martins, Raúl Brandão, António Feijó, Luís de Magalhães, Aquilino, José Régio, Machado de Assis e naturalmente Eça de Queiroz. As alusões à grande pintura e aos mais salientes monumentos de arquitetura são constantes, sendo-nos oferecido um interessante percurso em Itália. Não faltam também as alusões musicais e reflexões gerais de grande interesse, ou seja, um testemunho cultural único.

Índice:

Prólogo da 2.ª edição

1 – Introdução de Carlos Afonso da Maia

2 – Diário Íntimo (1890-1930), Carlos da Maia

3 – Nota final de Carlos Afonso da Maia

4 – Posfácio por A. Campos Matos

5 – Índice onomástico e temático

6 – Localização das ilustrações por ordem cronológica

Sobre o autor:

  1. Campos Matos é autor de uma vasta obra de investigação e de divulgação de Eça de Queiroz, com mais de trinta títulos publicados, tendo começado em 1976 com Imagens do Portugal Queiroziano culminando com a 3.ª edição, revista e aumentada do Dicionário de Eça de Queiroz.

CERVEIRA FAZ DE ABRIL UMA “FESTA DO LIVRO E DA LEITURA”

O Município de Vila Nova de Cerveira, através da Biblioteca Municipal, dinamiza um programa amplo e de excelência em torno das letras, aproximando a população aos escritores e às mais diversas manifestações literárias. De 1 a 30 de abril, a ‘Vila das Artes’ celebra a Festa do Livro e da Leitura, com ações gratuitas para todas as faixas etárias.

A edição 2016 da Festa do Livro e da Leitura de Vila Nova de Cerveira contempla atividades para escolas e famílias, desde encontros com escritores, apresentações e lançamentos de livros, sessões de autógrafos, ações de formação, palestras e conferências, exposições, oficinas, sessões de conto, teatro e concertos.

Assinalando o Dia Mundial do Livro (23 de abril), o objetivo deste certame é o de estimular, não só um apreço mais intenso pelo livro, como também uma maior curiosidade pela leitura nas diversas facetas (música, teatro, etc.). Procurando cativar novos públicos, os jovens continuam a ser uma prioridade chamando-os a participar através de propostas mais adequadas aos seus gostos.

A Festa do Livro e da Leitura de Vila Nova de Cerveira arranca esta sexta-feira e sábado com ‘Afinal o Íbis…’, um espetáculo de promoção da leitura para bebés dos 6 aos 3 meses integrado na comemoração do Dia Internacional do Livro Infantil. Segue-se, de 5 a 10 de abril, a XXVII Feira do Livro com mostra e venda de dezenas de livros a preços sugestivos.

Além da presença de escritores de renome nacional como Valter Hugo Mãe (5 de abril) e Inácio Nuno Pignatelli (10 de abril), o evento promove a apresentação de livros de autores do concelho como Luandino Vieira (9 de abril) e Adelaide Graça (30 de abril).

A vertente de animação fica marcada pelo espetáculo ‘Diogo Piçarra em Pessoa’, com exibição de uma peça de teatro com o jovem músico a recriar Fernando Pessoa em livro, seguida de uma performance musical e sessão de autógrafos (8 de abril) e o Concerto + de Mil Blues com os Moonshiners Blues, numa organização da +Cerveira Jovem Associação (9 de abril).

Para que não perca nenhuma atividade da Festa do Livro e da Leitura de Vila Nova de Cerveira, consulte o programa específico e esteja atento à Página do Facebook do Município de Vila Nova de Cerveira.

“POETISA DE AROSA” LANÇA EM FAFE ANTOLOGIA “A ESSÊNCIA DA PALAVRA”

Chama-se A Essência da Palavra a antologia poética da escritora vimaranense Maria Amélia Fernandes, mais conhecida como “Poetisa de Arosa”, e que vai ser apresentada na Biblioteca Municipal de Fafe, esta sexta-feira, dia 1 de Abril, pelas 21h30.

A obra é apresentada pelo escritor Artur Ferreira Coimbra, que acompanha a obra da autora desde o seu início.

A anteceder, haverá uma intervenção musical a cargo da Academia de Música José Atalaya.

A entrada é livre.

Evocativa dos seus 30 anos de vida literária, a antologia recolhe poemas da dúzia de livros que publicou desde Onda de Palavras (1985), a sua obra inicial, até Pétalas do Meu Ser (2013), acrescentando quase duas centenas de inéditos e poemas mais recentes.

São 305 poemas representativos de diversas fases da obra de Amélia Fernandes, nascida em 1956, e licenciada em Estudos Artísticos e Culturais pela Universidade Católica, depois de uma vida de mais de trinta anos como operária têxtil.

Para além dos livros de poesia, a autora publicou durante estes anos mais quatro livros para crianças e participou em diversas antologias poéticas.

Recebeu vários prémios e condecorações e foi homenageada pela Universidade Católica e pelas Câmaras Municipais de Guimarães e Póvoa de Lanhoso.

A Essência da Palavra, em  edição da fafense Labirinto,  integra ainda testemunhos de escritores amigos como Armindo Cachada, Artur Coimbra, Barroso da Fonte, Brian Franklin Head, Conceição Oliveira, Isaac Alonso Estraviz, Júlio Ferreira Leite e Elisabete Napolli.

PONTE DE LIMA REALIZA FESTA DO LIVRO E DA LEITURA

Festa do Livro e da Leitura celebrada durante o mês de abril

Durante todo o mês de abril o Município de Ponte de Lima, através da Biblioteca Municipal, vai dinamizar um conjunto de ações comemorativas do Dia Internacional do Livro Infantil e do Dia Mundial do Livro, que se assinalam no dia 2 e no dia 23, respetivamente.

Subordinado à temática Em abril festa do Livro e da Leitura, promove-se um programa repleto de atividades significativas de incentivo ao livro e à leitura, realizadas na Biblioteca Municipal e nos estabelecimentos de ensino do concelho.

Destaca-se do programa a sessão de histórias “As coisas que o saco diz”, com Mariana Machado, o Concurso Concelhio de Leitura, a Palestra “Os desafios da tradução no universo literário” pelo tradutor Vasco Teles de Menezes, a apresentação de livros, a Bebéteca, a Biblioteca Itinerante no Largo de Camões e muitas outras atividades como Horas do Conto, Teatro de Fantoches, Histórias (en)cantadas e outras ações de promoção do livro e da leitura.

BRAGA EDITA REVISTA “QUESTÕES ACTUAIS DE DIREITO LOCAL”

Nova edição da Revista ‘Questões Actuais de Direito Local’ apresentado no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Publicação responde às ´necessidades de aprendizagem´ das Autarquias locais

Decorreu hoje, dia 30 de Março, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o lançamento do n.º 9 da Revista ‘Questões Actuais de Direito Local’ (Janeiro/Março 2016), publicada trimestralmente pela AEDRL - Associação de Estudos de Direito Regional e Local.

CMB30032016SERGIOFREITAS0000001494

A AEDRL é uma instituição privada sem fins lucrativos de âmbito nacional, com sede em Braga, que visa o estudo do Direito das Autarquias Locais, actuando em estreita ligação com a Escola de Direito da Universidade do Minho.

A par de informação de jurisprudência, esta edição faz a análise dos sucessos e insucessos financeiros da gestão dos municípios nos últimos 40 anos, a singularidade europeia da divisão municipal em Portugal, a parafiscalidade e as garantias dos contribuintes, entre outras matérias.

CMB30032016SERGIOFREITAS0000001492

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, são vários os desafios que actualmente se colocam ao poder local, assim como as condicionantes ao seu funcionamento. “Todos os dias se colocam novas questões com as quais os Autarcas não conseguem lidar se não efectuarem um esforço continuado de preparação, formação e acesso à informação dos diplomas para contender diariamente com os obstáculos que se colocam no exercício da actividade”, realçou, sublinhando ainda a importância da referenciação e observação de boas práticas e da replicação das mesmas ao longo do território nacional.

CMB30032016SERGIOFREITAS0000001489

Nesse sentido, referiu o edil, o trabalho da AEDRL é extremamente meritório, porque responde a essa necessidade de aprendizagem dos Autarcas. “Ter uma publicação com dez números a versar assuntos tão abrangentes, e indo ao encontro de necessidades específicas em conteúdos sensíveis como o direito do urbanismo, a saúde financeira, a transparência ou a articulação entre os diversos órgãos, é um desafio difícil de concretizar. Para um Concelho como Braga, que quer ter uma Autarquia que seja um exemplo nacional, possuir uma associação que estuda estas matérias e que se afirma como um centro de conhecimento é um motivo de orgulho que merece a nossa total colaboração”, afirmou. 

António Cândido de Oliveira, director da publicação e professor jubilado da Escola de Direito da Universidade do Minho, realçou que o objectivo para o futuro passa pelo ´projecto ambicioso´ de ter um Centro de Estudos que funcione como pólo de estudos que seja marcante no pais e na península, abarcando outras áreas de conhecimento para além do direito, como a história, a gestão, a economia e outros domínios fundamentais para as autarquias locais. “É um projecto que pretende preencher uma lacuna, já que não existe nada semelhante a nível nacional. Vamos pensar com calma e desenvolver esta ideia, que seria extremamente útil para termos uma visão ampla e fazermos a ligação entre o conhecimento académico e as autarquias”, concluiu.

CMB30032016SERGIOFREITAS0000001486

ALVES DOS SANTOS APRESENTA EM BARCELOS LIVRO SOBRE A PRIMEIRA GRANDE GUERRA

Quinta-feira, às 21h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho

A Câmara Municipal de Barcelos promove a apresentação do livro “A Guerra Não se Fez só com Balas!: uma outra faceta da participação portuguesa na Grande Guerra”, de José Manuel Alves dos Santos. A sessão decorre no próximo dia 31 de março, pelas 21h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho e é integrada no ciclo de comemorações do primeiro Centenário da I Grande Guerra.

Escrita por um sargento, a obra debruça-se sobre a condição humana em tempos de guerra, no caso a I Grande Guerra Mundial, e pretende não deixar cair no esquecimento a missão dos Serviços do Exército, grupo de militares dedicado a satisfazer as necessidades básicas dos companheiros: alimentação, armamento, vestuário, habitação e transportes. O título do livro evoca precisamente esta face menos conhecida dos exércitos, em que as armas não são prioridade.

José Manuel Alves dos Santos é Sargento-ajudante de Administração Militar, tendo iniciado a sua carreira militar em 1991, na então Escola Prática de Administração Militar. No início do seu percurso profissional exerceu funções relacionadas com a sua especialidade, tendo colaborado ativamente na pesquisa e inventariação do património documental e histórico do serviço de Administração Militar.

Em 1999 foi indigitado para o cargo de Assistente de Relações Públicas do Quartel General do Sul Atlântico (OTAN) em Oeiras. Nestas funções participou em várias campanhas de divulgação da Aliança Atlântica, nomeadamente em Marrocos, Polónia, Estónia, Hungria e Bulgária.

Em 2003 foi indigitado para o cargo de Supervisor Administrativo do Gabinete do Chefe da Divisão de Cooperação Militar do Supreme Headquarters Allied Powers Europe (SHAPE) localizado na Bélgica. Com a extinção deste cargo em 2005, viria a assumir as funções de Sargento de Aquisições e Contratação da Divisão Financeira do mesmo Quartel Militar.

Regressado a Portugal em 2006, foi colocado na Escola Prática dos Serviços, tendo assumido funções na Direção de Formação desta mesma Unidade. Em 2007 seria nomeado Chefe do Museu do Serviço de Administração Militar e, em acumulação, Auxiliar da Secção de Programação, Avaliação e Estudos Técnicos da Direcção de Formação. Nesta escola, viria ainda a desempenhar as funções de formador para áreas de Protecção Ambiental e Organização de Arquivos. Viria posteriormente a passar pela Companhia de Reabastecimento e Serviços, a que se seguiu, em 2010, uma comissão de serviço no Afeganistão como instrutor de logística na Escola de logística do Exército Afegão. Exerce, actualmente, as funções de Sargento de Operações, Informações e Segurança da Escola de Serviços, na Póvoa de Varzim.

Colaborador da imprensa, publicou os seguintes livros: “Manual da OTAN para jornalistas lusófonos” edição OTAN, “A Administração na Guerra Peninsular” pela editora Caleidoscópio, “100 Anos de Presença Militar na Póvoa de Varzim – O Nosso Quartel”, edição da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim. 

FEIRA DO LIVRO DE AMARES PROMOVE CONTO PRIVILEGIADO COM A LEITURA

Encerrou portas, no passado sábado, mais uma edição da Feira do Livro de Amares, que decorreu entre os dias 14 e 19 de março, na Galeria de Artes e Ofícios, em Ferreiros. Promovida pelo Município e apoiada pelo Agrupamento de Escolas de Amares, a iniciativa ofereceu aos diferentes públicos, com destaque para a comunidade educativa, uma panóplia de atividades culturais e a oportunidade de contactar de perto com vários escritores e contadores de histórias. A iniciativa ficou, ainda, marcada pela VIII Mostra Pedagógica e pela Semana Interconcelhia da Leitura.

DSC00374

A terminar a oitava edição deste evento, o vice-presidente e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Amares, Isidro Araújo, traçou um balanço positivo do certame. “Estamos muito contentes com o resultado do evento. Havia uma preocupação de conduzir os livros à memória e à presença assim como trazer o resultado daquilo que é feito nas escolas até ao público e correu tudo como tínhamos planeado”, começou por referir Isidro Araújo.

“Quisemos levar os nossos jovens fundamentalmente ao toque e ao manuseamento do livro uma vez que hoje em dia o apelo das novas tecnologias é muito grande, e importa por isso sensibilizar sempre para a importância do livro escrito”, prosseguiu.

A Feira do Livro de Amares é naturalmente vocacionada para toda a população, embora, na sua organização se assuma esta dimensão pedagógica, envolvendo os Centros Escolares do concelho.

“A Feira do Livro teve um conjunto de atividades interessantes que fizeram com que a feira fosse um espaço animado e concorrido”, congratulou-se o vice-presidente, que assegurou, ainda, que por ali passaram todas as crianças do concelho de Amares.

Francisco Moita Flores foi o convidado de destaque desta edição da Feira do Livro de Amares, por onde passaram muitos outros escritores, contadores e cantadores de histórias. O último dia ficou marcado pela presença de dois autores amarenses, Secundino Cunha e Manuel Sousa Pereira, que foram também apresentar as suas obras, “O exorcismo de Ana. C” e “Liderança Pessoal e Eficiência da Comunicação nas Organizações” respetivamente.

FRANCISCO MOITA FLORES APRESENTA “O DIA DOS MILAGRES” NA FEIRA DE AMARES

Francisco Moita Flores foi o convidado de destaque da Feira do Livro de Amares. Na passada sexta-feira à noite, o autor esteve à conversa com os amarenses para apresentar a sua mais recente publicação, “O Dia dos Milagres”.

A abertura da sessão da apresentação do livro ficou a cargo do vice-presidente e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Amares, Isidro Araújo, que manifestou a sua satisfação por receber em Amares uma figura marcante no panorama das letras como Francisco Moita Flores.

“É uma honra poder tê-lo cá e quero agradecer-lhe a sua amabilidade, simpatia, bom trato, elegância da escrita”, mencionou Isidro Araújo, dirigindo-se ao autor.

Francisco Moita Flores apresentou na Feira do Livro de Amares o seu romance “O Dia dos Milagres”, como um livro que pretende relembrar a importância do 1.º de Dezembro de 1640 na afirmação do país e na expansão da língua portuguesa.

“A nossa língua foi a maior dádiva que demos à história da humanidade e 1640 é a data nossa afirmação pelo mundo”, considerou o autor, afirmando que esta obra é “fazer as pazes com a história e com a memória”.“É celebrar também a nossa língua”, indicou, destacando a importância da Restauração da Independência, numa época em que Portugal estava sob domínio dos espanhóis e conseguiu a afirmação do país e da expansão de língua portuguesa.

“O Dia dos Milagres” é uma viagem apaixonante aos últimos dias do regime filipino que haveria de baquear no golpe de Estado que iniciaria a dinastia de Bragança. O autor centra a ação em Vila Viçosa, onde viviam os Duques de Bragança, e conduz-nos pelos dias de ansiedade, dias terríveis, vividos entre crenças e superstições, marcado por revoltas e sofrimento, num Portugal pobre e cansado, traumatizado pela tragédia de Alcácer Quibir, de onde espera que chegue o Rei Sebastião.

O momento da apresentação de “O Dia dos Milagres”, em Amares, contou também com um momento musical protagonizado pelo Quarteto de Cordas da Escola de Música do Porto do Professor Artur Caldeira.

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA NA CASA DA BEIRA ALTA NO PORTO LIVRO SOBRE O FOTÓGRAFO GÉRALD BLONCOURT

Casa da Beira Alta no Porto recebeu apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado domingo (20 de março), a Casa da Beira Alta no Porto, uma genuína “embaixada” da cultura beirã na cidade Invicta, recebeu a apresentação do livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A sessão de apresentação da obra, concebida e realizada pelo escritor Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, esteve a cargo da investigadora brasileira Ana Pessoa, da Fundação Casa de Rui Barbosa, uma instituição pública federal, vinculada ao Ministério da Cultura do Brasil.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo renomado ensaísta Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação na Casa da Beira Alta no Porto integra-se num conjunto diverso de apresentações do livro, ao longo do presente ano, junto de instituições de referência da comunidade nacional e das comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo.

“MUNDO (DE)MENTE” DE SAMUEL PORTO VAI SER APRESENTADO SÁBADO EM CAMINHA

Na Biblioteca Municipal de Caminha, pelas 17 horas

A Biblioteca Municipal de Caminha vai acolher a apresentação do livro de poesia de Samuel Porto “Mundo (De)Mente”, no sábado, dia 19 de março, pelas 17 horas.

“Mundo (De)Mente”, publicado em setembro de 2015 pela Chiado Editora, é um livro de poesia, da coleção Prazeres Poéticos. A apresentação do livro conta com Ricardo Dantas como orador convidado.

Samuel Porto, a viver em Caminha desde os quatro meses de idade, começou a escrever poesia aos 15 anos. Segundo o poeta, “a poesia começou como uma forma de expressão dos problemas que teria na adolescência”.

Na sinopse do livro lê-se: “Temos sonhos, objetivos que esperamos alcançar. Alguns difíceis, outros simples, muitos não passam apenas de uma ilusão da nossa mente. Durante a nossa jornada podemos acabar nas ruas da amargura, afundar-nos no fundo do poço, deitarmo-nos numa cama cheia de mentiras e demência. Mas nunca poderemos desistir, pois seremos capazes de superar este Mundo (De)Mente”.

Trata-se de uma iniciativa organizada pela Câmara Municipal de Caminha.