Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASA DE CAMILO LANÇA LIVRO "CAMILO, O PORTO E O DOURO"

“Camilo, o Porto e o Douro” é apresentado, esta quinta-feira, na cidade invicta

Casa de Camilo lança novo livro sobre o tríptico: gente, rio e vinhos, pelas 18h00, no Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto

O Porto de Camilo Castelo Branco

 “O Porto está nas novelas camilianas como nos Lusíadas o mar, e Adão na Bíblia”. A frase de Teixeira de Pascoais bem poderia ser o mote do livro “Camilo, o Porto e o Douro”, da autoria de Gaspar Martins Pereira, que vai ser lançado esta quinta-feira, dia 25 de janeiro, pelas 18h00, no Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, na cidade invicta. Editado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, através da Casa de Camilo, o livro integra a coleção dos Estudos Camilianos, abordando a relação do escritor, a sua vida e a sua obra com a cidade portuense.

No lançamento do livro estarão presentes o vereador da Cultura da Câmara Municipal de vila Nova de Famalicão, Leonel Rocha, o diretor da Casa de Camilo, José Manuel Oliveira e o Presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, Manuel de Novaes Cabral.

“Vinte anos depois da publicação do libro “No Porto Romântico, com Camilo”, há muito esgotado, a ideia da sua reedição, sob a chancela prestigiada da Casa de Camilo, rapidamente se transformou num projeto mais alargado”. Como explica Gaspar Martins Pereira, na nota prévia do livro. Gaspar Martins Pereira é professor catedrático do Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo sido co-fundador e coordenador científico do GEHVID - Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e do Vinho do Porto (1994-2001).

O prefácio da obra é assinado pelo diretor da Casa de Camilo que salienta que “o prestigiado historiador da Faculdade de Letras da Universidade do Porto oferece-nos neste livro a sua perspetiva histórica sobre o tríptico ficcional – gente, rio e vinhos – de um dos mais renomeados filhos adotivos da cidade do Porto, que por força da matéria vertida nos seus textos e pela biografia enriquecida de episódios que decorreram no Minho e em Trás-os-Montes, o é também do norte português, incluindo o rio Douro e o território da sua margem esquerda, de Barca de Alva ao Cabedelo.”

LIVRO EVOCA OS "NAUFRÁGIOS NA COSTA DE ESPOSENDE"

Foi, neste sábado, dia 20 de janeiro, apresentado, no Museu Marítimo de Esposende, o livro “Naufrágios na Costa de Esposende”, de José Felgueiras.

IMG_4346

Numa obra de 500 páginas, o autor reúne histórias de dezenas de incidentes na costa de Esposende, recuando milénios para descrever a força devastadora do oceano Atlântico. Recorrendo a diversos documentos, livros e testemunhos orais, a obra de José Felgueiras pretende “marcar a raiz marítima de Esposende”. Para breve, o investigador promete apresentar uma obra sobre a história da pesca em Esposende.

Apresentado por Manuel Penteado Neiva que descreve o livro como “mais uma obra que vem enriquecer a história de Esposende e das suas gentes”, Naufrágios de Esposende tem como subtítulo “Mar do Senhor”, expressão tão frequente entre os homens do mar.

O Município de Esposende reconhece e apoia, direta ou indiretamente, a prolixa faceta dos esposendenses, o que tem permitido a edição de centenas de obras, autênticos documentos da história local e que perpetuam a memória coletiva das gentes do concelho.

Nesta apresentação pública do livro, que foi intercalada e enobrecida com momentos de poesia e de música, participaram representantes de diversas entidades/instituições locais, designadamente da Câmara Municipal de Esposende, tendo-se revelado muito limitada a sala do Museu Marítimo de Esposende para acolher a enorme afluência de todos os convidados.

A Câmara Municipal de Esposende sente-se muito honrada com a publicação de mais este livro de José Felgueiras que vem enriquecer o espólio histórico-literário de Esposende e da vida das suas gentes.

PAULA DOURADO APRESENTA EM FAMALICÃO LIVRO SOBRE VALE DO AVE

Famalicense Paula Dourado lança livro sobre desenvolvimento do Vale do Ave

“Uma ferramenta muito útil ao serviço da comunidade, que é muito mais do que um simples diagnóstico da região do Ave. É algo que devemos abraçar para que possamos ter as matrizes certas para que o território se desenvolva como é desejado”. Foi desta forma que Paulo Cunha se referiu ao livro “O Mi(ni)stério do Desenvolvimento do Território: sobre a construção política e social do Vale do Ave entre 1985-2013”, da autoria da famalicense Paula Peixoto Dourado e apresentado publicamente na passada quinta-feira, dia 18 de janeiro, na Casa do Território, no Parque da Devesa.

22528034_1559667694069252_7322926572849606913_n

A obra, que resulta da tese de doutoramento da autora e que foi lançada pelas Edições Húmus, pretende ser um exercício de reflexão e de análise sobre a forma como o território do Vale do Ave tem vindo a ser construído.

“Analisamos a conceção e implementação das políticas públicas e seus efeitos no território, considerando, igualmente, o papel das instituições e dos seus protagonistas, quer da Administração central do Estado, quer regionais e locais, e as suas interações no campo, procurando apresentar a prática do desenvolvimento enquanto fenómeno socioeconómico, mas que é essencialmente determinado pela política”, explica a autora na sinopse do livro.

AFS_2700

AFS_2606

ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA TOMAZ APRESENTA EM OURÉM O LIVRO “O HOMEM QUE NÃO TINHA UMA FAZENDA EM ÁFRICA

O escritor reside em Ponte da Barca onde recentemente apresentou a sua obra na Casa da Cultura
Data: 22 de Abril. Hora: 14h30
“O homem que não tinha uma fazenda em África”, da autoria de Alfredo de Sousa Tomaz, vai ser apresentado no dia 22 de Abril, às 14h30. É o dia dedicado aos "Poetas Oureenses", integrado na "Festa do Livro de Ourém 2018" que decorre de 18 a 25 de Abril.

24993389_1663340920391801_3233345369951514855_n
Com prefácio de Ricardo de Saavedra, conceituado jornalista e escritor, a obra compila uma série de histórias vividas pelo autor, desde que partiu para Angola ainda criança até ao momento em que teve de a deixar compulsivamente 25 anos depois.
Mais de quatro anos depois de se ter lançado nesta "aventura", Alfredo de Sousa Tomaz vê agora o nascer deste "filho", impulsionado, segundo o autor, pela publicação na revista Notícias Magazine, suplemento do Jornal de Notícias e Diário de Notícias, em 2010, de algumas das suas histórias de África: "como tinha muitas mais histórias para contar, decidi reuni-las em livro."
O autor refere, ainda, o orgulho em poder apresentar a obra em Ponte da Barca pois "embora não tendo nascido em Ponte da Barca, nem tampouco no Minho, escolhi para viver esta terra que me adoptou.”
Tal como Ricardo de Saavedra descreve no prefácio é este "livro sereno, perpassado por vezes de um subtil humor, que constitui uma achega preciosa à história que no terreno e dia a dia se viveu e ninguém teve ainda coragem para escrever.”
Alfredo Tomaz nasceu na Cova da Iria, Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, a 29 de Julho de 1942. Sexto filho de uma família numerosa e modesta, seu pai, para dar melhores condições de vida aos seus, partiu para Angola no início da década de 50 com os seus irmãos mais velhos, tendo-se-lhes juntado pouco depois o resto da família. Em Outubro de 1961 regressou a Portugal para cumprir o serviço militar na Força Aérea, onde permaneceu até Janeiro de 1965. Pouco depois de regressar a Luanda conheceu Maria de Fátima, com quem veio a casar em Dezembro de 1967. Dessa união nasceram dois filhos.
Em Luanda a sua atividade profissional esteve quase sempre ligada às viagens e turismo, tendo trabalhado na Companhia Nacional de Navegação e numa agência de viagens.
Em 1976, depois de um quarto de século de aventuras, venturas e desventuras, o autor regressou definitivamente a Portugal com a família, tendo-se fixado em Matosinhos, onde exerceu a sua atividade comercial até 2007. Atingida a idade da reforma, foi viver com a esposa para Ponte da Barca, Alto Minho, onde permanecem até hoje, assumindo orgulhosamente a condição de “minhotos adotivos”. Esta obra, não sendo exatamente uma autobiografia, é, contudo, baseada no percurso de vida do autor por terras de África.

22491669_1608428945882999_5215796107773029724_n

ALFREDO CAMPOS MATOS APRESENTA EM PONTE DE LIMA UMA BIOGRAFIA DE EÇA DE QUEIROZ

Município de Ponte de Lima apresenta novo livro de A. Campos Matos

O Município de Ponte de Lima promove o lançamento do novo livro Eça de Queiroz – Uma Biografia, da autoria de Alfredo Campos Matos, que terá lugar no próximo dia 03 de fevereiro 2018, às 15h00, na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. A apresentação desta obra estará a cargo de José Cândido de Oliveira Martins.

Print

Marque presença na apresentação deste livro e conheça a mais recente produção literária deste notável especialista em Eça de Queiroz.

Sobre o autor:

Campos Matos é autor de uma vasta obra de investigação e divulgação acerca da vida e obra de Eça de Queiroz, com mais de trinta títulos publicados, tendo iniciado esta atividade em 1976, com uma obra inovadora: Imagens do Portugal Queiroziano. Pela sua importância há que destacar a colaboração e organização do Dicionário de Eça de Queiroz (1988), com uma segunda edição em 1993, um Suplemento em 2000, e uma 3ª edição num só volume, na INCM, em 2015. Em 2007 publicou a Fotobiografia de Eça. Em 2008 sairia a Correspondência em dois volumes do escritor e em 2009 um ensaio, Eça de Queiroz – Ramalho Ortigão, com uma nova visão das relações entre os dois escritores. De destacar é ainda um título muito especial: Diário Intimo de Carlos da Maia (1890-1930), publicado em 2014. Tem no prelo uma obra acerca da arquitetura contemporânea e da sua própria arquitetura e prepara um ensaio acerca de Manuel Teixeira Gomes.

BIBLIOTECA DA EB1 DO GERÊS RECEBE OBRAS LITERÁRIAS

Terras de Bouro - Junta de Freguesia de Vilar da Veiga ofereceu obras literárias à biblioteca da EB1 do Gerês

No dia 5 de janeiro e na presença da Vereadora da Câmara Municipal de Terras de Bouro, Dr.ª Ana Genoveva e do Presidente da Junta de Freguesia de Vilar da Veiga, António Príncipe, decorreu na EB1 do Gerês a entrega de livros para a educação literária para uso em contexto escolar, no âmbito do novo programa de Português do ensino básico.

CAPA

Desta forma, o Município de Terras de Bouro associa-se à formação completa integrada em contexto escolar, uma vez que a literatura veicula tradições e valores e é, como tal, parte integrante do património. Sublinhe-se que esta ação enquadra-se também nos planos e objetivos do município em requalificar a médio prazo os estabelecimentos escolares do concelho, no sentido de possibilitar melhores condições aos alunos de Terras de Bouro. Para que tal aconteça irão ser desenvolvidos e implementados projetos que visam combater o abandono e o insucesso escolar, assim como promover a literacia junto da comunidade escolar.

20180105_112509

20180105_113235

20180105_113403

MUNICÍPIO DE VIZELA EDITA LIVRO "CENTRO DE RECREIO POPULAR"

A Câmara Municipal de Vizela, através da Casa Municipal de Cultura Jorge Antunes, edita o seu primeiro livro no âmbito do projeto Investigação Memórias de Vizela, cujo objetivo é resgatar do passado feitos e acontecimentos da terra e promover o seu conhecimento e lembrança.

capa4

Recordar e dar a conhecer feitos e acontecimentos do passado é construir a identidade da terra e de cada um de nós. Vizela sempre foi uma grande terra feita com o suor, empenho e criatividade dos seus filhos, dos vizelenses e relembrar esses dias é sinónimo de uma justa homenagem a todos quantos trabalham e trabalharam de forma voluntária em prol da comunidade e simultaneamente fortalecer e reforçar os laços de cada vizelense com a sua terra.

Um exemplo do amor à terra e da vontade de a dar a conhecer além-fronteiras foi o dos jovens que criaram o Centro de Recreio Popular. Desconhecido de muitos, este foi o embrião dos maiores e mais brilhantes eventos culturais realizados em Vizela e em especial das Festas da Vila, agora designadas por Festas de Vizela.

O presente trabalho pretende trazer ao conhecimento público o que foi o Centro de Recreio Popular, quais os seus objetivos, atividades e os homens por detrás da instituição.

Foi realizado com recurso a pesquisa de jornais da década de 50 de Vizela e Guimarães e entrevistas pessoais a membros ou participantes das atividades do Centro de Recreio Popular - Alexandre Sousa, Armando da Silva Antunes, Armando Alves Teixeira, Américo Osvaldo, Augusto Amaral, João Madureira, Manuel Marques Guerra. As fotos presentes no livro foram gentilmente cedidas por Augusto Amaral e Fernanda Ferreira.

A Casa Municipal de Cultura Jorge Antunes agradece publicamente a todos quantos permitiram a edição do livro e em especial a Armindo Videira pela insistência em que o mesmo se concretizasse.

A apresentação do livro será agendada oportunamente.

DANIEL BASTOS APRESENTA EM FAFE NOVO LIVRO “TERRAS DE MONTE LONGO”

No passado sábado (16 de dezembro), o historiador Daniel Bastos apresentou no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe, o seu novo livro, intitulado “Terras de Monte Longo”.

Daniel Bastos A

A obra, uma edição trilingue (português, francês e inglês) foi concebida a partir do espólio de um dos mais aclamados fotógrafos portugueses da sua geração, José de Andrade (1927-2008), numa sessão que encheu-se de pessoas da região Norte de Portugal e da Galiza, e que esteve a cargo da reputada socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Neste novo livro, prefaciado pelo consagrado fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, e realizado com o apoio do Centro Português de Fotografia, instituição pública que assegura a promoção e valorização do património fotográfico nacional, Daniel Bastos esboça um retrato histórico conciso e ilustrado do interior norte de Portugal em meados dos anos 70.

Através de imagens até aqui inéditas, que José de Andrade captou nesse período em povoados rurais de Fafe, um território entre o Minho e Trás-os-Montes, o historiador e autor de livros sobre a emigração, aborda as memórias do passado, não muito distante, do Portugal profundo e rural na transição da ditadura para a democracia.

No decurso da sessão, que contou com a presença na mesa de honra do historiador Artur Ferreira Coimbra, em representação do Município de Fafe, a professora catedrática e investigadora Maria Beatriz Rocha – Trindade, que tem dedicado a sua vida ao estudo das Migrações, sustentou que o livro constitui um relevante contributo antropológico e histórico para a compreensão de uma época marcada por condições de vida duras e inúmeros trajetos ligados à emigração, por que passaram as povoações rurais do interior norte de Portugal.

Refira-se que estão previstas para o próximo ano várias sessões de apresentação do livro junto das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro, e que a edição da obra deveu-se em grande parte ao mecenato de empresas que partilham uma visão de responsabilidade social e um papel de apoio à cultura.

CA 7217 Capa Terras Montelongo copy.cdr

CA 7217 Capa Terras Montelongo copy.cdr

Sessão de apresentação A

Sessão de apresentação B

Sessão de apresentação C

ADELAIDE GRAÇA APRESENTA LIVRO EM CERVEIRA DIRIGIDO AO PÚBLICO INFANTO-JUVENIL

“Saramela Pintas”: Novo livro de Adelaide Graça apresentado em Cerveira

A Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveiraacolhe, este sábado, a partir das 11h00, a apresentação do mais recente livro da cerveirense Adelaide Graça. Dirigido ao público infantojuvenil, “Saramela Pintas” traz uma mão cheia de aventuras a descobrir em cada página.

cartaz Adelaide Graça

Adelaide Graça, natural de Vila Nova de Cerveira, além de colaborar com várias revistas e jornais, tem um vasto currículo como escritora em diferentes categorias. Na Poesia já publicou “Limites da Razão” (1998), “Quando Tudo Parece Parar” (2000), “O Vão da Ausência” (2002) e “Sem Chaves Nem Segredos” (2005), na Prosa Poética escreveu “Do Tempo do Quando” (2007) e “Onde os Pés Escreveram as Pegadas do Encontro” (2011). Mais recentemente tem apostado na Literatura Infantil com “A Festa do Brincar” (2011) e “Queres Entrar no Carrocel?” (2014).

E é neste último registo direcionado para o público infantojuvenil, entre os 6 e 10 anos, que apresenta “Saramela Pintas”, com ilustrações da Célia Rebelo da Silva, e publicado pelas Edições Fénix. Ao longo de 48 páginas, Adelaide Graça conta seis histórias, a saber: “Saramela Pintas”, “O Dia da Carta e do Trepa-Trepa”, “As Árvores também Falam”, “O Meritíssimo Espião”, “Surpresas!” e “O Mocho que Voa no Mar”. No final, o livro tem algumas atividades para as crianças preencherem!

Apresentação em Vila Nova de Cerveira decorre este sábado, pelas 11h00, na Biblioteca Municipal, integrada na Hora do Conto. No final esta prevista uma sessão de autógrafos com a escritora.

PEDRO CHAGAS FREITAS APRESENTA “A REPARTIÇÃO” EM BARCELOS

Dia 14 de dezembro, às 21h30, na Biblioteca Municipal

O escritor Pedro Chagas Freitas apresenta o seu último livro, intitulado “A Repartição”, na próxima quinta-feira, dia 14 de dezembro, às 21h30, na Biblioteca Municipal de Barcelos.

ApresentaçãoWEB_flyer

“A Repartição”, um romance envolto numa sátira dos tempos modernos, carregada de ironia e emoção, retrata a história de um homem que é chamado para uma inspeção numa sombria Repartição de Finanças. É lá que se vai iniciar uma viagem sem retorno pelos mais obscuros segredos, pelos mais íntimos medos, pelos mais imorais desejos.

Como toda a obra de Chagas Freitas, parece teatro do absurdo. Mas a falta de lógica aqui não denuncia o absurdo da vida. Denuncia apenas a incapacidade de Chagas Freitas para ser mais do que um brinca na areia.

Pedro Chagas Freitas nasceu em 1979, em Azurém, Guimarães, e formou-se em Linguística na Universidade Nova de Lisboa, entre 1998 e 2002.

A vida profissional começou, em 1997, quando foi convidado para chefe de redação da revista vimaranense “Estádio D. Afonso Henriques”. Em 2001, começou a escrever para o jornal “A Bola” e, em 2003, também para o jornal “Desportivo de Guimarães”.

Durante o ano de 2004, foi contratado pelo grupo editorial “Impala”, onde esteve como redator de livros genéricos. Em 2005, iniciou o seu percurso no mundo da escrita publicitária, assumindo o cargo de redator criativo na agência de publicidade “Motive”. Publicou, nesse mesmo ano, a sua primeira obra literária, “Mata-me”. Seguiu-se, em 2006, a publicação de “O Evangelho da Alucinação”.

Ainda em 2006, venceu o Prémio Bolsa Jovens Criadores, que lhe foi atribuído pelo Centro Nacional de Cultura e pelo Instituto Português da Juventude.

Escreveu, entre 2006 e 2009, biografias e livros genéricos para a editora “Mediapromo”. Publica, desde 2006, crónicas de reflexão e opinião no jornal “Notícias de Guimarães ”. Regressou, entre 2008 e meados de 2010, ao mundo da publicidade, como redator criativo na agência de publicidade IA&RB, onde concebeu anúncios de imprensa e onde se estreou como argumentista, escrevendo guiões de anúncios de televisão e vídeos institucionais. Foi, em 2008, um dos autores convidados a participar na antologia de homenagem a António Ramos Rosa "Um Poema Para Ramos Rosa". Criou, em 2009, o Campeonato Nacional de Escrita Criativa.

Desde 2001, que é coordenador de sessões de escrita criativa um pouco por todo o país. Ainda neste domínio de trabalho, tem vindo a coordenar e a levar ao terreno seminários e workshops sobre metodologias criativas para professores e formadores.

Ainda em 2010, publicou 10 obras da sua autoria em simultâneo: “A Pele do Medo”, “As Incongruências da Sorte”, “Porque Ris Sabendo que Vais Morrer”, “Gotas de Dor“, “Espasmos de Pânico”, “Espasmos d'Alma”, “Só os Feios é Que São Fiéis”, “Chãos Pisados”, “Separação de Males” e “Envelhenescer”.

Em 2012, estreou-se como apresentador de televisão, sendo o autor e o apresentador da rubrica de literatura do programa MVMagazine, no canal MVM. Em paralelo, criou e apresentou o programa de Rádio "Só Te Quero Pelo Teu Corpo", da Rádio Fundação.

Ainda em 2012, concebeu e colocou no terreno o primeiro curso de escrita criativa realizado 100% através do Facebook. A 12 de abril do mesmo ano, lançou "Eu Sou Deus", a sua 17ª obra (um livro de crónica e auto-desenvolvimento), no BBC - Belém Bar Café.

Lançou, em novembro de 2012, "Ou é Tudo ou Não Vale Nada"", uma obra escrita em direto e ao vivo ao longo de 2012 minutos.

Em 2013, lançou "In Sexus Veritas"", um romance com mais de 1500 páginas.

PONTE DE LIMA DIVULGA CASAS COM HISTÓRIA E VINHOS DE EXCELÊNCIA

Inauguração da exposição “Casas com história – Vinhos de Excelência: Quinta de Paços e Casa do Capitão-mor” | 15 de dezembro de 2017, às 18h00

Estará patente no Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde, a partir do dia 15 de dezembro de 2017 até 30 de maio de 2018, a exposição temporária Casas com história – Vinhos de Excelência: Quinta de Paços e Casa do Capitão-mor.

CARTAZ_casas_com_historia

Nesta exposição o destaque vai para os vinhos produzidos há já 500 anos na Quinta de Paços, sita em Barcelos, e na Casa do Capitão-mor, em Monção, e que têm vindo a somar diversos prémios de grande prestígio desde 1877, altura em que o vinho da Casa de Paços recebeu, em Filadélfia, um dos primeiros prémios internacionais atribuído a vinhos da Região dos Vinhos Verdes.

Atualmente a família e as propriedades estão representadas por D. Maria do Carmo Azevedo da Fonseca Matos Graça e pelo Dr. José Bento da Silva Ramos.

Trata-se apenas da primeira edição de um conjunto de exposições que visam dar a conhecer as casas e quintas cuja história esteve desde sempre ligada à produção de Vinho Verde de excelência.

A inauguração, que terá lugar no dia 15 de dezembro de 2017, às 18h00, no Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde, culminará com uma prova comentada.

BARCELOS: TEATRO DE BALUGAS APRESENTA EM BALUGÃES O LIVRO "BONS DIABOS"

Hoje, às 21h30, o Teatro de Balugas apresenta, no auditório da Junta de Freguesia de Balugães, o livro "Bons Diabos".

"Bons Diabos" é o resultado do encontro, de apenas um dia, do fotógrafo Paulo Alegria com o grupo Teatro de Balugas. Um conjunto de fotografias que nos mostram a dedicação e o envolvimento do colectivo de teatro na preparação do evento num palco improvisado pelo próprio elenco, no adro da igreja de São Martinho de Balugães.

bonsdiabos-web740px

BARCELOS APRESENTA O LIVRO DE ANDRÉA PRSSTES "CAMINHO DE SANTIAGO - DE PORTUGAL ATÉ AO FIM DO MUNDO"

No próximo dia 9 de dezembro de 2017 (sábado), pelas 17h30, no Posto de Turismo de Barcelos, a Associação ACB - Albergue Cidade de Barcelos promove a apresentação do livro de Andréa Prestes - "Caminho de Santiago - De Portugal até ao Fim do Mundo" (projeto "Caminhos pelo Mundo").

AndréaPrestes_03

A jornalista, fotógrafa e peregrina brasileira Andréa Prestes estará, assim, em Barcelos, para apresentação, pela primeira vez em Portugal, do seu segundo livro fotográfico, mostrando dois dos principais itinerários do Caminho de Santiago. São 333 km a pé em mais de 300 fotografias sobre o Caminho Português de Santiago e o Caminho até ao encontro com o mar, em Finisterra e Muxia. Um livro sobre dois caminhos, com duas capas (edição trilíngue: Português, Castelhano e Inglês).

A entrada é livre e não carece de inscrição prévia.

O evento está disponível no Facebook aqui

09DEZ2017_AndréaPrestes

AndréaPrestes_01

AndréaPrestes_02

JOÃO CALDAS APRESENTA O LIVRO "COVAS- IMAGENS QUE FAZEM HISTÓRIA"

Numa edição conjunta da Junta de Freguesia de Covas e da Câmara Municipal de Vila Noiva de Cerveira, vai ser apresentado ao público o livro da autoria de João Caldas, “COVAS – Imagens que fazem história”.

19961371_1472603472777945_4704943791868727089_n

No próximo dia 23 de Dezembro, pelas 13,30 horas, no edifício sede da Junta de Freguesia de Covas, vai decorrer o acto solene de apresentação pública do livro “COVAS – imagens que fazem história”, com a presença do autor, João Manuel Araújo Domingues Caldas.

O livro, em formato 22X32,5cm, com capa rígida, conta-nos através de cerca de oitocentas fotografias, distribuídas por treze temas, que ilustram as suas quatrocentas páginas, parte da história de Covas e das suas gentes, principalmente do século passado, se bem que também faça referência a períodos bem mais antigos.

A comercialização deste livro ficará a cargo da Junta de Freguesia de Covas, a quem João Caldas cedeu, gratuitamente, os direitos de autor. No decorrer deste acto de apresentação, o livro já estará disponível para venda.  

Como o Natal está à porta, esta é a prenda ideal para se oferecer a um familiar ou a um amigo. Quem pretender fazer a sua reserva, deverá contactar a Junta de Freguesia de Covas, através do telefone 251943379, ou através do email juntacovas@sapo.pt. O valor de cada exemplar é de trinta euros a reverter para actividades sociais e culturais da freguesia.

No dia seguinte à apresentação, entre as 9:30 horas e 11:30 horas, o autor estará de novo na sede da Junta, para continuar a sessão de autógrafos.

LIVRO 005

"INSTRUMENTOS MUSICAIS POPULARES PORTUGUESES" DE ERNESTO VEIGA DE OLIVEIRA É UMA OBRA DE REFERÊNCIA PARA QUEM SE INTERESSA PELA ETNOGRAFIA PORTUGUESA

O livro “Instrumentos Musicais Populares Portugueses” de Ernesto Veiga de Oliveira é uma obra de referência para quem queira conhecer as nossas tradições mais genuínas, o folclore e a etnografia, os instrumentos tradicionais e as ocasiões em que os mesmos eram empregues.

24174423_1548001558571058_2162375482094491212_n

Nascido no Porto em 1910, Ernesto Veiga de Oliveira foi um dos mais conceituados etnólogos portugueses, tendo sucedido ao etnólogo Jorge Dias no Centro de Estudos de Etnologia do qual foi, aliás, um dos seus fundadores, em 1947. Porém, a sua formação académica situava-se na área do Direito e em Ciências Históricas e Filosóficas, cursos nos quais se licenciou na Universidade de Coimbra.

A sua obra foi vasta e incidiu nos mais variados temas, desde a arquitectura ao mobiliário, a música, as tecnologias tradicionais, as festas e romarias e, tal como já referimos, aos instrumentos musicais do povo.

A sabedoria popular – vulgo folclore – não se resume ao canto e à dança. Antes abrange todos os aspectos da vida social a uma época pré-industrial onde podemos identificar aquilo que de mais genuíno identifica o nosso povo. E é por esse facto que, conforme é geralmente aceite, com o advento da indústria e da padronização dos costumes, o folclore não mais evolui, antes se cristaliza, sujeito à sua museolização nomeadamente através dos ranchos folclóricos.

Resta-nos o artesanato – encarado este no sentido mais lato ou seja, incluindo a gastronomia e outras actividades artísticas, portanto não industriais – como sendo a expressão mais completa a revelar o perfil mental de um povo e o seu nível de perfeição artística, o mesmo é dizer o seu grau de evolução civilizacional.

Fiquemos, pois, com a sugestão de leitura do livro “Instrumentos Musicais Populares Portugueses”, de Ernesto Veiga de Oliveira, a todos quantos se dedicam ao estudo e preservação do nosso folclore.

LIVRO DE ARTUR COIMBRA É PRETEXTO PARA FESTA SOLIDÁRIA A FAVOR DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE FAFE

Na noite de 29 de Novembro, quarta-feira, a partir das 21h00, o Teatro-Cinema de Fafe vai ser palco de uma Festa Solidária a favor dos Bombeiros Voluntários de Fafe. A entrada é livre.

1795511_685027208186387_2003838941_n

O pretexto é a apresentação da obra Bombeiros Voluntários de Fafe – Uma História de heroísmo desde 1890, de Artur Ferreira Coimbra, historiador e Vice-Presidente da Direcção da humanitária instituição.

O livro, com mais de 450 páginas, a cores, é apresentado por Agostinho Peixoto, presidente da Assembleia Geral da Federação dos Bombeiros do Distrito de Braga.

outdoor_bombeiros

Na cerimónia, além dos orgãos sociais dos bombeiros fafenses, marcará presença o Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Comandante Jaime Marta Soares.

O evento, que tem como epicentro o lançamento da obra, será conduzido pelo animador Rafa Leite e inclui diversos momentos de animação, com a participação dos seguintes artistas e grupos locais:  Escola Bailado de Fafe, Academia de Música José Atalaya, Coral Santo Condestável, Valter Lobo,  Face B e Grupo de Cavaquinhos dos Bombeiros Voluntários de Fafe.

A receita da venda dos livros e outra que se apurar reverte integralmente para os Bombeiros Voluntários de Fafe!

A nova obra de Artur Ferreira Coimbra, que inclui mensagens de Pedro Frazão e Jaime Marta Soares e teve o suporte financeiro de diversas empresas fafenses, passa em revista o longo historial dos Bombeiros Voluntários de Fafe desde a sua fundação, por João Crisóstomo e um conjunto de fafenses, em 19 de Abril de 1890, até aos nossos dias, num percurso nem sempre linear.

Insere todos os corpos gerentes que construíram o historial da Associação e que deram o melhor de si, no passado e no presente, para dotar a corporação dos meios e condições mais adequados para o melhor desempenho da sua missão na sociedade. Em destaque estão os presidentes da agremiação, sendo que pela presidência dos Bombeiros passou historicamente a elite politica, económica e social da sociedade fafense, designadamente, advogados, médicos, militares, professores, comerciantes. Por ela passaram personalidades ilustres que, antes ou depois do exercício da presidência, foram Presidentes de Câmara ou Vereadores.

A obra traça também o perfil dos Comandantes que foram deixando a sua marca nesta casa de afectos e de grande altruísmo. E os médicos e capelães que serviram a instituição.

São ainda passadas em revista as distinções que foram atribuídas desde sempre aos Bombeiros e as que a Associação entregou a personalidades locais e nacionais.

Realce ainda para um capítulo sobre as actividades culturais e desportivas da corporação, onde se fala da Banda de Golães, que foi dos Bombeiros Voluntários de Fafe durante quase meio século (1895-1944) e se historiam grupos como a Fanfarra, a Banda Faz de Conta, o Grupo de Cavaquinhos e a Juvebombeiro.

Também há lugar para os poemas que diversos autores locais foram dedicando aos Bombeiros, hinos de louvor e de exaltação artística. Casos de Ruy Monte, Sousa Machado, Alberto Alves, Paulo Fafe, Augusto Fera, Manuel Ribeiro, Francisco Leite Castro e Armando Fonseca, entre outros.

Além dos primeiros e dos actuais estatutos, a obra insere um portefólio fotográfico de dezenas de imagens de momentos diversos da vida da Associação e faz o ponto da situação dos Bombeiros em 2017: quem são os membros do corpo activo, do quadro de honra e do quadro de reserva, e quais os veículos de combate a incêndios florestais, urbanos e industriais e as ambulâncias de socorro e transporte de doentes. Para memória futura!

1. BOMBEIROS - CAPA

Convite BV Fafe

PONTE DE LIMA APRESENTA LIVRO DE FOTOGRAFIA DE LUÍS CARVALHIDO

A obra “O fumo dos dias”, da autoria de Luís Carvalhido, vai ser apresentada no próximo dia 18 de novembro, pelas 15h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. Trata-se de um livro de génese fotográfica que procura conciliar a criatividade das imagens com o interesse etnográfico resultante do trabalho desenvolvido junto de uma comunidade cigana de Fornelos, freguesia de Barcelos, concelho onde Luís Carvalhido, de origem vianense, reside há largos anos.

o_fumo_dos_dias

Além das fotos - selecionadas a partir de um conjunto tirado ao longo de oito meses de observação participante -, a obra disponibiliza diversas contribuições textuais de especialistas em áreas distintas de atuação que quiseram associar-se a um projeto de valor social e antropológico.

A apresentação de “O fumo dos dias” será da responsabilidade de Álvaro Campelo - professor associado da Universidade Fernando Pessoa e investigador no campo da antropologia social e cultural -, numa sessão que beneficiará igualmente da participação de Victor Pinho – diretor da Biblioteca Municipal de Barcelos que evocará o essencial da vida e obra do autor -, do declamador Armindo Cerqueira – que lerá dois trechos do livro -, e de Victor Roriz – fotógrafo vianense que se debruçará sobre as imagens que compõem o volume.

Marque presença na sessão de lançamento da obra de Luís Carvalhido e assista também à atuação do grupo musical “Raízes”.

MOVIMENTO 1º DE DEZEMBRO LANÇA LIVRO SOBRE DESFILE NACIONAL DAS BANDAS FILARMÓNICAS DESDE 2016

O Movimento 1º de Dezembro procede ao lançamento no próximo dia 29 de Novembro do livro “O Novo 1º de Dezembro”, em cerimónia que vai ter lugar no Palácio da Independência, ao Largo de São Domingos, 11, em Lisboa. Trata-se de uma iniciativa do Movimento 1º de Dezembro que assinala cinco anos do Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas (2012-16), e visa enriquecer e valorizar o dia em que celebramos a independência nacional.

23379892_1520430041397445_2625663396626254591_n

Sob chancela da "Casa Sassetti", uma marca da Editora Princípia, trata-se de um livro-álbum elaborado sob coordenação de José Ribeiro e Castro, apresentando imagens de bandas filarmónicas e outros grupos que, nos últimos cinco anos, já vieram representar 71 concelhos neste "novo 1º de Dezembro", festivo e popular.

A obra tem como promotores o Movimento 1º de Dezembro, a Sociedade Histórica da Independência de Portugal e a Confederação Musical Portuguesa e como patrocinadores 16 Câmaras Municipals: Baião, Cabeceiras de Basto, Cantanhede, Carrazeda de Ansiães, Castelo Branco, Chaves, Leiria, Lisboa, Mafra, Mangualde, Montijo, Odemira, Pedrógão Grande, Ponte de Lima, Portimão, Seia, Viana do Alentejo e Viana do Castelo.

As fotografias usadas no livro-álbum são de Isabel Santiago Henriques, Manuel dos Santos, Carlos Gomes, José Ribeiro e Castro e Rui Ochoa.

O livro será apresentado por José Ribeiro e Castro, coordenador da obra e do Movimento 1º de Dezembro, e por José Alarcão Troni, presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

O preço de venda ao público é 25,00 €.